Conecte com a gente

Ceará

Jericoacoara irá cobrar taxa de visitantes

Mochileiros.com

Publicado

em


A prefeitura de Jijoca de Jericoacoara (CE) passará a cobrar de quem visita o município uma taxa de R$ 5 para cada dia de permanência na cidade. A cobrança chamada de “Taxa de Turismo Sustentável” começará a ser feita em 21 de setembro de 2017.
Na entrada da vila o visitante deve apresentar os documentos para se cadastrar e fazer o pagamento referente aos dias que ficará por lá. No check-in da hospedagem ele deverá apresentar o comprovante de pagamento.
A vila de Jericoacoara é uma área de preservação ambiental. A medida é similar a que já funciona na ilha de Fernando de Noronha (PE).
Com informações de O Estado de São Paulo.

Lagoa Azul, um dos atrativos naturais de Jericoacoara | Foto: Silnei L Andrade/Mochila Brasil.

Votar

-35 ponto
Upvote Downvote

Comentários do Facebook

comentários

O Mochileiros.com foi criado em 1999 e recebe todos os meses mais de um milhão e meio de visitantes. Nossa comunidade é formada por viajantes experientes e iniciantes buscando informações sobre viagens independentes e econômicas em um verdadeiro circulo virtuoso de compartilhamento de informações gratuitas sobre destinos de todo o mundo.

1 comentário

1 comentário

  1. sergio c n Guimarães

    4 de setembro de 2017 em 6:23

    Burrice imensa dessa prefeitura. Esses corruptos gerem mal o dinheiro e inventam impostos e taxas pra sustentarem a incompetência. Pago não. Existem lugares mais tranquilos e que são mais baratos. Vai estragar o turismo na cidade

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blog

Rota das emoções: três destinos em um roteiro plural no Nordeste

Mochileiros.com

Publicado

em


Partindo de São Luis (MA), Fortaleza (CE) ou do novo aeroporto de Jericoacoara (CE), o viajante pode explorar as belezas naturais de uma rota cheia de atrativos que passam pelos parques nacionais dos Lençóis Maranhenses e Jericoacoara, até chegar a Área de Proteção Ambiental do Delta do Parnaíba (PI). O caminho de muita aventura, também proporciona ao visitante experiências gastronômicas e uma vivência cultural em comunidades cercadas por dunas e um estilo de vida peculiar.

Fazendo este roteiro, o viajante pode conhecer até 14 cidades, a começar por exemplo por Barreirinhas no Maranhão, conhecida como “Portal dos Lençóis Maranhenses” – extensa área de dunas móveis, repleta de lagoas, onde chega-se em carros tracionados – uma das mais belas paisagens naturais do Brasil.

Ao pôr-do-sol, as dunas brancas ganham um tom dourado. Margeando os lençóis, o passeio de voadeira pelo rio Preguiças é outra atração para explorar os lençóis por outro ângulo com paradas providenciais nos povoados de Vassouras (banho), Mandacaru (farol), e as praias de Caburé e Atins, já na foz do rio. A 1ª etapa dessa tripla emoção também inclui as cidades de Santo Amaro e Paulino Neves ,com muita aventura pelas dunas, praias e lagoas. Na outra extremidade desse paraíso natural está Tutóia com uma extensa praia deserta.

Área dos Lençóis Maranhenses | Foto: Embratur.

Ainda no Maranhão, Araióses abre o caminho para o Delta do Parnaíba, Área de Proteção Ambiental com dezenas de ilhas, na divisa com o Piauí. O ecoturismo está presente na paisagem exuberante das ilhas, dunas, lagoas e rios propícios para banhos, passeios de barco e atividades como canoagem, caiaque e esportes à vela. Os passeios saem de Ilha Grande e da bucólica e histórica Parnaíba, a “Capital do Delta”. Mais duas cidades litorâneas piauienses integram o roteiro de emoções com as lagoas de Luis Correia; praias primitivas, entre elas, a de Barra Grande, em Cajueiro da Praia, onde fica o novo “maior cajueiro do mundo”; rios e manguezais que preservam espécies como o Peixe-Boi e o Cavalo-Marinho.

Delta do Paranaíba | Foto: Embratur.

As emoções continuam no Ceará, começando por Chaval e Barroquinha. Em Camocim, o casario colonial enriquece a paisagem natural do rio Coreaú banhando a Ilha do Amor. São 62 Km de praias emolduradas de coqueiros, falésias, manguezais, lagoas e dunas. Um cenário onde predominam a pesca artesanal e atividades esportivas praticadas pelos turistas que desbravam o extremo oeste do litoral cearense.

Área de Jericoacoara | Foto: Embratur.

Cruz e Jericoacoara, onde chega-se de jardineira pelas dunas, completam a rota com passeios pelas dunas, Pedra Furada e o relaxante balançar das redes submersas nas lagoas Grande e Paraiso. De quadriciclo, bugue, 4×4 ou a cavalo o turista chega aos principais atrativos e a Tatajuba ou Preá nos extremos de Jericoacoara. Acompanhe o sol se pondo no mar e curta a noite!
O litoral desse trecho da costa do Nordeste é próprio para o surf, windsurfe e kitesurf, entre outros esportes náuticos praticados ao sabor dos ventos, inclusive nas lagoas. O cenário de sol e praia integra a natureza aos prazeres da deliciosa culinária regional. O turista ainda viaja pela fascinante cultura nordestina e pelo artesanato diferenciado dos três estados. São peças de fibras vegetais (buriti, tucun, taboa, coco, carnaúba e sisal), madeira, cerâmica, renda de bilros, bordados, couro, sementes e búzios. Uma viagem instigante e deliciosamente emocionante!

No Mochileiros.com você pode encontrar dicas e informações sobre viagens pelo nordeste do Brasil.

Texto: Geraldo Gurgel/Ascom Ministério do Turismo e Redação.


Comentários do Facebook

comentários

Continue lendo

Blog

7 dias rodando pelo Ceará: dicas e roteiro

Publicado

em


O Ceará sempre me chamou muita atenção e decidi que esse seria o segundo lugar que eu conheceria no Nordeste (o primeiro foi Salvador e voltei de lá encantada, imaginando o que teria de mais lindo Nordeste acima!).

Planejei com meu namorado ficar 7 dias na minha última semana de férias e dividimos entre Fortaleza, Canoa Quebrada/Morro Branco e a tão sonhada Jericoacoara. Nós preferimos alugar um carro, pois saiu quase o mesmo preço do que se tivéssemos optado por tranfers e passeios e tivemos muito mais liberdade e conforto.

 Aqui vai meu roteiro com algumas dicas e opiniões (os valores citados são de Setembro de 2016):

Dia 1 – Praia do Futuro:

Depois de um voo de 5 horas turbulento, nada melhor que aproveitar a estrutura das barracas da Praia do Futuro. Escolhemos o Crocobeach e ficamos por lá a tarde toda. Tem ducha, piscina (paga-se 15 reais para usar), restaurante, bar, música ao vivo… É bem legal, mas tem seu preço…

Dica para uma ganhar caipirinha: é só se cadastrar aqui -> http://crocobeach.com.br/voucher-brindes/

Dia 2 – Canoa Quebrada / Morro Branco / Praia das Fontes:

 Pegamos a estrada bem cedinho em direção a Canoa Quebrada e por lá fizemos um passeio de buggy. Achei a duração do passeio bem curta (1h30) e mal conseguimos aproveitar as paradas. Naquela praia maravilhosa das falésias e piscinas naturais, onde fica o famoso símbolo de Canoa Quebrada, só paramos bem rapidinho para tirar umas fotos e logo o bugueiro nos apressou para ir embora. Depois paramos para fazer ski-bunda e tirolesa, tudo pago à parte.

Canoa Quebrada também tem ótimas barracas de praia com estrutura parecida com o Crocobeach de Fortaleza. Dá pra passar fácil a tarde toda por lá, mas preferimos almoçar na Broadway, a rua principal da cidadezinha, e seguir caminho para Morro Branco, onde visitamos o Parque das Falésias.

Logo na entrada do Parque fomos abordados pelo Sr. Tutu e imaginamos que seria um flanelinha, mas na realidade ele é um guia local e se ofereceu para nos acompanhar no passeio por uns trocados. Aceitamos e acabou sendo ótimo, pois nos contou histórias da região e nos mostrou os pontos de areias coloridas das falésias (que sozinhos não encontraríamos nunca rsrs).

Na volta para Fortaleza paramos no Centro das Tapioqueiras de Messejana, no início da Rodovia CE-040, um dos principais lugares para comer tapioca em Fortaleza. Só digo uma coisa: é beeem recheada!

Dia 3 – Beach Park:

Chegamos na cidade de Aquiraz por volta das 9h e aproveitamos um pouco a praia em frente ao Beach Park, já que o parque só abre às 11h. Compramos os ingressos pela internet para não enfrentar filas, mas estava bem tranquilo (fomos numa segunda-feira). Não achei o parque tão grande assim e até a hora de fechar (17h) conseguimos ir várias vezes aos brinquedos. Prepare o bolso, pois o ingresso é caro (R$210 em Setembro/2016) e comer lá dentro também!

Dia 4 – Cumbuco (manhã) / Centro de Fortaleza (tarde):

 Esse eu chamo de dia perdido. Eu e meu namorado pegamos uma virose / intoxicação / sei lá o quê e passamos muito mal. O que fazer numa situação dessas? a-) ir ao médico; b-) ficar no hotel descansando; c-) entrar no carro e cumprir o roteiro. Bem, escolhemos a opção “c” e dirigimos 35km em direção a Cumbuco, onde fiquei o dia todo deitada em uma espreguiçadeira passando mal. Conclusão: a praia é bonita, mas até agora não descobri o que fazer por lá. E o centro de Fortaleza? Queria muito conhecer o Mercadão, o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura e o calçadão de Iracema, mas vai ficar para a próxima… 🙁

Dia 5 – Rumo a Jijoca de Jericoacoara:

Para chegar na Vila de Jericoacora é preciso atravessar alguns quilômetros de dunas e por isso não dá para ir de carro. O melhor a fazer é deixar o veículo em Jijoca de Jericoacoara e de lá seguir para a Vila em uma jardineira ou transfer 4×4. (Tem gente que murcha os pneus do carro e segue o caminho pelas dunas, mas eu preferi não arriscar. Além disso, não é permitido andar com carro nas ruas da Vila).

A Lagoa do Paraíso, famosa pelas redinhas, fica em Jijoca, antes das dunas, e resolvemos passar uma noite nessa cidadezinha por uma questão de logística. Se optar por ir direto para Jeri precisará pagar um passeio de buggy para voltar a Jijoca e conhecer a Lagoa do Paraíso (ou um transfer 4×4).

 Saímos de Fortaleza bem cedo e aproveitamos a Lagoa à tarde perto da pousada que ficamos, que, aliás, recomendo muito! A Pousada Flambaião fica em frente à Lagoa do Paraíso e o dono, o Diego, é muito gente boa e nos deu as melhores dicas para aproveitar Jeri.

Dia 6 – Lagoa do Paraíso / Jericoacoara:

O Diego, dono da pousada, havia nos falado que a Lagoa estava mais cheia e mais bonita em outro ponto mais pra frente e nos indicou pegar o carro e ir até o Alchymist Beach Club (caríssimo!!!). Passamos a manhã por lá e à tarde atravessamos as dunas em uma jardineira (R$15 por pessoa) e chegamos em Jericoacoara.

 Já na Vila, almoçamos em frente à praia no Restaurante do Alexandre, onde pagamos R$50 em uma lagosta com acompanhamentos. Pela tarde aproveitamos a praia maravilhosa e subimos as Dunas do Pôr do Sol, onde aguardamos o espetáculo mais aguardado do dia! Dica: leve uma canga para proteger a cabeça, pois venta muuuito e você literalmente come areia.

Dia 7 – Jericoacoara

 Nosso último dia de viagem começou bem cedinho, quando o buggy que agendamos no dia anterior nos buscou em nosso hotel para fazer o passeio Oeste. O valor do buggy era R$300, independente do número de pessoas, então dividimos com dois irmãos que conhecemos ali na hora e pagamos R$150. O passeio foi incrível e teve duração de aproximadamente 5 horas. Passamos por uma balsa sem motor (!), fizemos um passeio para ver cavalos marinhos (R$10 por pessoa), tivemos uma parada no Mangue Seco para tomar uma água de coco, fizemos esqui-bunda nas dunas e por fim paramos na Lagoa de Tatajuba, onde ficamos por um bom tempo para aproveitar as redes e almoçar um peixe fresquinho.

O passeio de buggy para o lado Leste é o que leva a Lagoa do Paraíso, passando por outros pontos turísticos como a Árvore da Preguiça e a Pedra Furada, mas optamos por não fazer, pois já tínhamos conhecido a Lagoa no dia anterior em Jijoca e decidimos conhecer a Pedra Furada por conta própria. Assim economizamos R$150.

 Todos os dias às 16h, um grupo se reúne e sai em direção a trilha para a Pedra Furada e assim que voltamos do passeio do buggy fomos ao ponto de encontro (não me lembro direito, mas qualquer pessoa em Jeri sabe informar!). O caminho tem algumas subidinhas, mas não chega a ser cansativo. Ponto negativo: muita gente entra nessa caminhada e conseguir uma foto boa só sua com a Pedra Furada é missão quase impossível.

A noite em Jeri é uma delícia e eu fiquei muito decepcionada por não poder aproveitar (ainda estava passando mal por conta da virose). São diversos restaurantes, sorveterias, bares e forrós com um clima muito animado. Fica aí mais um motivo para eu voltar ao Ceará e repetir essa viagem!


Comentários do Facebook

comentários

Continue lendo

Brasil

Jericoacoara – Ceará

Claudia Severo

Publicado

em


Rústica, única, especial, sem energia elétrica ou telefone … estrangeiros e brasileiros com seus mochilões chegando aos poucos, acomodando-se em casas de pescadores, compartilhando de sua vida simples e vivendo em plena harmonia em uma das mais belas praias do planeta. Bem-vindo à Jericoacoara… dos anos 80!

Hoje a praia-vila ainda tem o título de umas mais belas do mundo, recebe mochileiros de várias partes do Brasil e do mundo e ampliou seu leque de turistas; agências de turismo e independentes de todos os tipos aportam no local que há mais de quinze anos tem energia elétrica, conta com lojinhas mais sofisticadas e construções aos pés de suas dunas. Sua gente, é cearense, paulista, mineira, estrangeira… Seus pescadores, bem… muitos trocaram suas redes e barcos por buggys para atenderem aos turistas.
Acalme-se! Jeri, como também é conhecida, não perdeu o encanto. A beleza cênica da região conta com dunas fixas e móveis, lagunas, falésias, mangues, lagoas permanentes e lagoas interdunares (que se formam com as águas das chuvas). Além disso, é um ótimo ponto pra baladas.

Lagoa Azul - Foto: Silnei L Andrade/Mochila Brasil

Lagoa Azul – Foto: Silnei L Andrade/Mochila Brasil

Do regional ao globalizado

Além do forró presente na vila, para quem quer algo mais globalizado, uma das pedidas é o Planeta Jeri (bar de um viajante inveterado de Fortaleza, o Itamar) e seu perímetro de cerca de 500 metros. Próximo à beira da praia, lá está a “muvuquinha” local.
Outro lugar pra curtir é o Mama África (sim, com o nome igual ao bar de Cuzco, no Peru), com um som diferente do que você espera ouvir em Jeri , o bar agrada a gregos e troianos.
Saindo da baladinha, todos rumo à famosa Padaria Santo Antônio que abre às 2h da madrugada e oferece boa variedade de pães fresquinhos para os fregueses da madrugada!

"Paredão" da foto é parte da Duna Pôr do Sol | Foto: Silnei L Andrade/Mochila Brasil

“Paredão” da foto é parte da Duna Pôr do Sol | Foto: Silnei L Andrade/Mochila Brasil

Jericoacoara segue sendo um dos “destinos imperdíveis do mundo”. Suas ruas de areia cintilam com o luar (há energia elétrica, mas graças ao deus do bom senso, não instalaram postes no local) e o por-do-sol de cima da duna (do) Por-do-sol é um espetáculo de “intensa” beleza. Contemplar o sol deitar sobre o mar é algo quase que religioso em Jeri. Confesso que cheguei a pensar: puxa, mas eu tenho que ir até o topo da duna pra ver esse por-do-sol que daqui de baixo já está mais que belo só porque todos que vêm à Jeri o fazem? Sim suba lá garota! Parece que algo me chamou e não foi a insistência do fotógrafo! A subida é leve e o espetáculo não fica só por conta do sol – está nos rostos emocionados que estão no local, no mover da areia, no vento, nas cores que mudam conforme o baixar do sol, na calmaria do imenso mar e até no mastigar inevitável de areia!!!
Outra atração é a Pedra Furada. Interessante formação esculpida pela ação do vento e do mar. Na maré baixa o acesso ao local é um passeio pela praia (cerca de 30 minutos). Em junho o sol se põe no “furo” da pedra, sendo mais um espetáculo local. Com sinceridade? Não é algo imperdível não.

Mais belezas

Jericoacoara é mais conhecida internacional e nacionalmente que a própria capital do Estado do Ceará, Fortaleza; mas o que poucos sabem é que em suas proximidades além de praias e dunas há ainda mais atrativos.
Não deixe de ver:
Lagoa Azul – água transparente e morna é pra ficar horas apreciando tudo que há a sua volta. Só algumas cadeiras plásticas de um bar instalado no local interferem na beleza da lagoa, mas tomando uma cervejinha ou uma água de coco por lá dá para “abstrair”.
Lagoa Paraíso ou Lagoa da Jijoca – belíssima. Um dos pontos mais privilegiados está em frente à Pousada do Paulo (do casal Paulo e Fernanda, italiano e paulista respectivamente) que também abriga um centro de Windsurf (instrutores/curso, aluguel de equipamento, guardaria de pranchas etc) e um restaurante pra lá de aconchegante. Boa música e um bolinho de macaxeira que é dos deuses.
Visitamos as lagoas em uma D20 (Chevrolet) com o guia Neguinho, como prefere ser chamado o Gilmadson. Há também opções de buggy independentes ou da Jeri off road (http://www.jeri.tur.br ) e outras operadoras. Procure dividir o passeio com outro(s) viajante(s) para economizar.
Somente esses tipos de carros circulam no local (o caminho é de areia fofa). A Lagoa Paraíso tem acesso por carro não tracionado e a opção é via as pousadas que beiram a lagoa.

No caminho para Tatajuba, mais beleza | Foto: Silnei L Andrade/Mochila Brasil

No caminho para Tatajuba, mais beleza | Foto: Silnei L Andrade/Mochila Brasil

Tatajuba – (já faz parte do município de Camocim) o caminho para a vila que desapareceu coberta de dunas já vale antes de chegar ao destino final: Praias (Preá e outras), mangue já seco, a travessia de balsa do Guriú e o “metralhar” da dona Delmira contando lendas de luzes e vozes nas noites sobre as dunas e como a vila desapareceu e como era no tempo em que seu pai era “moço”.
A vila dotada de igreja, praça e muita areia esconde entre suas dunas lagoas verdes, carnaubais e um misto de mistério e encanto que só é quebrado pelo vai e vem de buggys carregando turistas. O acesso ao local só é possível neles ou em carros 4X4 e com guias experientes. Utilizamos os serviços da Jeri off road, mas também há bugueiros fazendo o trajeto; certamente você será abordado por vários em sua estada em Jeri.
Além destes passeios, a Jeri off road (http://www.jeri.tur.br) também oferece expedições em carros off road para o Delta do Parnaíba (Piauí) e Lençóis Maranhenses (Maranhão), além da costa cearense pelas praias.

Onde ficar

Pousadas, hostels e outros meios de hospedagem você encontra clicando aqui

Onde comer

Na Lagoa do Paraíso (Lagoa de Jijoca)
Restaurante da Pousada do Paulo – oferece massas e pratos com frutos do mar, além de porções. Experimente o bolinho de macaxeira com queijo (bom demais!!!).

Em Jericoacoara
Restaurante e Pousada Calanda – Refeições e Petiscos. Boa opção para ver o pôr-do-sol tomando uma cerveja gelada!
Tudo na brasa – ambiente simples, pratos bem servidos. Fica na rua principal.
Ponto do Big – PF caprichado e barato. Fica numa travessa da rua principal, no Beco do Guaxelo.
Cantinho do PF – é um lugar bastante simples onde os trabalhadores locais almoçam. Tem boa comida.
Taverna – posso arriscar a dizer que é uma das melhores pizzas do Brasil. Também oferece café expresso. Rua Principal, próximo à praia. Não deixe de experimentar a Putanesca!!!

Padaria Santo Antônio – a padaria dos baladeiros e de quem chega à Jeri morto de fome na madrugada!

Como chegar

Ônibus + Jardineira – Fortaleza é a cidade base para quem quer chegar a Jericoacoara, a partir de lá as opções são as seguintes:
De Ônibus + Jardineira 4×4 – com a empresa Fretcar (fretcar.com.br). São aproximadamente 7h de viagem.

De Carro até Jijoca + Buggy ou caminhonete até Jeri – A melhor opção é ir pela BR 222, até chegar próximo a entrada de Sobral, siga pela CE 178 até Jijoca de Jericoacoara. Se chegar pela manhã, deixe o carro estacionado na cidade e siga de Buggy ou caminhonete para Jericoacoara. Caso chegue a tarde a dica é passar uma noite na Pousada do Paulo e aproveitar a manhã na Lagoa do Paraíso ou fretar uma caminhonete até Jeri.

Saiba +

http://www.mochileiros.com/jericoacoara-perguntas-e-respostas-t47389-285.html (Dicas de outros viajantes)
http://www.mochileiros.com/dicas-o-que-fazer-em-jericoacoara-t32915-15.html

Fotos:


Comentários do Facebook

comentários

Continue lendo

Os 10 + vistos do Mês

Log in

Or with username:

Esqueceu a senha?

Ainda não tem uma conta? Cadastro

Forgot your password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

Fechar
de

Enviando Arquivo…