Conecte com a gente

Blog

Brasileiro está dando uma volta ao mundo… a pé!

Mochileiros.com

Publicado

em


Ninguém pode lhe dizer se você é ou não capaz de fazer algo, a não ser você mesmo

A viagem de Matias Tartiere começou quando ele se deu conta de que não havia ninguém que pudesse lhe dizer do que ele era ou não capaz, a não ser ele mesmo. Abaixo, com suas próprias palavras* ele divide um pouco de sua história de viagem com a gente.
(Quando ele compartilhou isso, ele já havia percorrido 1.800Km de sua jornada a pé pela Europa).

“Minha viagem começou quando me dei conta de que não havia ninguém que podia dizer que eu era capaz de fazer algo ou incapaz, exceto eu.
Tive muito medo no começo. Tinha muitas perguntas das quais queria encontrar uma resposta e foi o que mais me fez seguir adiante.
Antes de começar a viagem toda minha família e amigos me diziam: não te descuide de nada, tenha muito cuidado, cuide bem das suas coisas porque vão tentar te roubar, vão te sequestrar, tenha muito cuidado por favor porque tem muita gente má neste mundo. E a surpresa e o maior descobrimento tem sido esse, que as pessoas de bom coração predominam neste mundo.
Se o medo está te segurando, Bom, o medo faz parte da vida, aí tu escolhe que o medo que decide por ti ou que tu decide pelo medo. Se quer algo vá pelo o que quer e ponto.
Somente tu pode se segurar, somente tu pode conseguir o que quer.
Você não pode ficar toda a vida se preparando para algo, até que não começar a viver não vai começar a se tornar realidade.

Há anos atrás tive bastante contato no meu trabalho com pessoas das quais estavam por fazer o caminho de Santiago de Compostela ( Espanha), existem vários caminhos que levam até a Catedral de Santiago, mas o mais conhecido é o que começa na França (Saint Jean Pied de Port), são 800km e exige 30 dias para ser percorrido. Muitos procuram fazer esse caminho por vários motivos, mas a maioria é mais por questão religiosa. Assistam o filme: “Em busca de um caminho” (The Way), merece a pena ser visto! 5 vezes já. Rsrs

Bom, e conversando com essas pessoas vi que que querem levar o mínimo de peso possível na mochila, até porque ela se tornará parte do seu corpo por longo período, apenas o uso de roupas específicas e um saco de dormir, nada de barraca e fogareiro, em todo seu caminho há hospedagem e onde comer.
A partir disso tive a magnífica ideia de fazer o Caminho de Santiago também, mas só que de uma forma totalmente diferente, ser autossuficiente levando todos os equipamentos necessários… por que não levar tudo o que preciso? Dormir onde quero, fazer minha própria comida? Viajar sem regras, sem ter a preocupação de que teria que chegar em tal lugar para dormir, ou comer! Sempre gostei de dormir em barraca, e chegar depois de uma longa e cansativa caminhada, ter que montar acampamento, preparar a comida e tal, para muitos é exaustivo, mas para mim tem seu valor, é onde todo aquele cansativo dia de caminhada fica para trás e você fala: que dia hein??, e você fica super contente em estar fazendo aquilo que gosta ao lado de um lago super cristalino onde pessoas passam sem perceber nem que ali estava.
A questão de muitas pessoas era levar uma mochila com no máximo 6kg, e por eu ter que levar todos os equipamentos, então carregar 25kg em uma mochila nas costas seria de matar, desistiria nos 5 primeiros dias; caso concluísse o caminho de total certeza teria que voltar a percorrer o caminho de carro para que eu pudesse encontrar onde eu tinha perdido minha coluna. 

Matias e seus pertences | Foto: Arquivo pessoal.

Liberdade | Foto: Arquivo pessoal.

Então por que não levar todos os equipamentos em um carrinho? Assim sofreria apenas em subidas e descidas.
E assim foi feito, em abril de 2015 desenhei uns rabiscos em um papel, mostrei para um amigo e falei sobre os planos de uma caminhada com um carrinho e perguntei se era possível fazer… falou que sim, e em menos de 30 dias me mandou mensagem dizendo que o projeto estava quase pronto… como assim?? Só perguntei se era possível …foi aí que vi que essa caminhada tinha que acontecer já que o trenó com rodas estava meio caminho andado.
Como eu já tinha outros planos para início de 2016, então o projeto do Potro  ficaria para 2017, mas sempre abria o mapa no computador e ficava imaginando: por que não fazer mais que um caminho de 30 dias? por que não fazer um caminho de 90 dias iniciando na Itália, cruzar os Alpes entrando pela Suíça, cortar a França, fazer Espanha (Compostela) e finalizar em Portugal? Seria uma caminhada de 2.600km em 90 dias. Para isso teria que pedir umas férias prolongadas para o patrão! Quem já conseguiu 50 dias, o que era 40 a mais??  eu comprava as minhas férias, não tinha problema kkk (lembrem-se, férias foram feitas para ser aproveitadas e não vendidas).
Início de 2016 saí de férias e assim que voltei o plano era dedicar para essa caminhada.
Assim que o Potro esteve pronto, planejei um percurso e em setembro fiz um teste de 120km em 3 dias, praticamente 1 maratona por. A partir disso vi que percorrer grandes distâncias diárias seria exaustivo e que não aproveitaria nada do passeio, pois teria que sair cedo e chegaria tarde demais e sem muito descanso no decorrer; feito o teste, tive que mudar todo o plano do qual tinha marcado as cidades onde dormiria e dividir a km diária pela metade, caminhando no máximo 20km/dia.

Chegando à Itália | Foto: Arquivo pessoal.

Foto: Arquivo pessoal.

Antes disso, aquela vontade de querer conhecer vários outros lugares sempre me consumia, aí resolvi fazer outro itinerário só para ter um segundo plano, só que para o outro lado seguindo para o Leste.
Como todos já sabem, vivo para viajar e sou muito feliz quando faço isso, simples assim. Dessa vida não levarei nada, apenas as lembranças do que foi vivido…
Por que não tirar um tempo para mim?? Pesquisa sobre “Ano Sabático” aí! 
Por que não renunciar ao trabalho fixo para viajar???
Parece loucura, mas ter férias uma vez ao ano é uma estupidez, não sei quem inventou esse sistema, mas ninguém se atreve a viver seus sonhos, deixam seus sonhos de lado.
Ainda sou criticado pela forma como administro minha vida… mas sempre me pergunto: o que quero ter no final?? Quero colecionar as vontades das quais não vivi ou quero chegar no final da vida e dizer: vivi o que eu queria viver!! Sim, isso pra mim é ser uma pessoa bem sucedida.
Muita gente deixa de viver coisas incríveis por ter medo. Quando eu saía de férias eu me sentia realmente feliz, por que não posso ser feliz o resto do tempo, por que tenho que trabalhar 11 meses no ano e ser feliz só um mês no ano?
Quando estou viajando parece que 1 semana parece 1 mês, aí olho para trás e digo: nossa, quanto tempo estou vivendo isso? Parece que se passou 1 mês e foi antes de ontem; e quando tu tem um trabalho estável, uma vida normal de trabalhar de segunda a sexta, passam semanas, passam meses, passam anos e passou a vida. Acredito que viver assim como eu e muitas outras pessoas é uma forma de viver 2 ou 3 vidas, de alongar muito mais, ser imortal…não sei!
Anos atrás se me perguntassem qual era meu sonho eu não saberia responder, mas agora mesmo quero que continue, não tenho outro sonho diferente porque estou vivendo o que quero viver, que meu sonho continue me fazendo feliz muito tempo.
Em março de 2017 segui para Europa iniciando na Itália e terminando na Turquia. Quando completei 420 km em 20 dias resolvi abandonar a caminhada comprei uma bicicleta, assim que montei na bike vi que tinha feito besteira, só que era tarde demais e seguiria o mesmo trajeto só que de bike…. em três dias e 200km percorrido tive problemas com meu joelho e cada pedalada era uma dor terrível, acabei voltando para o Brasil mas a vontade de retomar a caminhada tinha que acontecer… 2 meses depois eu estava no avião e pronto para seguir o caminho só que dessa vez pelo ponto final, Turquia.

Turquia | Foto: Arquivo pessoal.

Já andei 1.300km em 35 dias e cruzei por 6 países. Nunca esqueço do dia que fui seguido por 2 indivíduos na Romênia, foi o dia que mais caminhei, 62km.
30 dias atrás tive uma oportunidade de conhecer a Mongólia, e aqui estou de mochila… saí da Grécia, cruzei a Turquia, Georgia, Cazaquistão, Russia com o trem Transiberiano e Mongólia. Dentro de alguns dias estou voltando para Macedônia para continuar minha caminhada. Mas antes de chegar até lá tenho um longo caminho pela frente, Mongólia, Russia, Bielorrússia, Polônia, Eslováquia, Hungria, Servia, Macedônia. Assim que retomar a caminhada tenho pela frente 13 países, e 7 ou 9 meses para finalizar, tudo depende do inverno como vai ser, pois caminhar no verão é de matar, mas pode avançar longas distâncias.

Foto: Arquivo pessoal.

Barracas quase sempre proporcionam belas vistas | Foto: Arquivo pessoal.

Recado | Foto: Arquivo pessoal.

*Texto originalmente publicado por Matias Tartiere no grupo Mochileiros, no Facebook .
Você pode acompanhar mais sobre esta jornada perfil dele no Facebook: https://www.facebook.com/matiastartiere

Votar

56 pontos
Upvote Downvote

Comentários do Facebook

comentários

O Mochileiros.com foi criado em 1999 e recebe todos os meses mais de um milhão e meio de visitantes. Nossa comunidade é formada por viajantes experientes e iniciantes buscando informações sobre viagens independentes e econômicas em um verdadeiro circulo virtuoso de compartilhamento de informações gratuitas sobre destinos de todo o mundo.

Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blog

Capitólio – O mar de Minas em um roteiro completo

Publicado

em


Capitólio tem sido o destino de ecoturismo mais procurado atualmente.

A região do lago de furnas é repleta de belas cachoeiras, balneários, lagos de cor esmeralda e paisagens incríveis, sendo um destino ideal para quem quer aventura e contato com a natureza.

Muita coisa podemos fazer por aqui, mas o que é imperdível? O que não podemos deixar de fazer? Quantos dias ficar?

 Listei 9 lugares que recomendo e em resumo o que é cada um deles.

Quer mais detalhes?

No www.queromochilar.com.br há mais informações e um roteiro prontinho para Capitólio, com custo, dicas de economia e hospedagem, passe lá pra conferir.

1- Morro do Chapéu

  • Entrada: Gratuita.
  • Horário: Sem horário de funcionamento.
  • Duração do passeio: Umas 3 horas – Contando deslocamento e caminhada.

O Morro do Chapéu é um mirante natural a 1.293 metros de altitude de onde podemos aproveitar um belo visual do ”Mar de Minas”. A vista do lago de Furnas daqui é incrível.

O acesso é por estrada de terra e não tão fácil e temos que fazer um percurso morro acima a pé, mas o visual compensa.

0-1-morro-quero-mochilar

Foto: Estrada de terra, de acesso ruim e trilha para quem quer caminhar um pouco e evitar problemas com carro… rs.

3-morro-quero-mochilar

Foto: Vista para o lago de furnas.

2- Cascata Ecopark.

  • Entrada: R$ 35,00 – Preço temporada; Preço normal R$ 30,00.
  • Horário: 9h00 às 18h00.
  • Duração do passeio: Recomendo 4 horas – Mas pode-se ficar lá o dia todo.

Essa é uma propriedade particular. Aqui há uma trilha curta e de fácil acesso, onde começamos passando pela parte de cima das cachoeiras e chegamos a um mirante para os Canyons e depois vamos a duas quedas d´água onde é possível banho de cachoeira, o lado ruim é que não há poços com boa quantidade de água para banho.

8-1-eco-quero-mochilar

Foto: Já em frente ao restaurante temos acesso a esta Cachu, onde na verdade era nosso último ponto da trilha.

12-eco-quero-mochilar

Foto: Esta Cachu é a mesma da primeira foto, só que vista por baixo. Aqui o poço não é profundo para banho, ele é mais para admirarmos mesmo. Ah, cuidado que o caminho aqui é bem escorregadio.

3- Paraíso Perdido.

  • Entrada: R$ 40,00 (carnaval) – Normalmente R$ 35,00.
  • Horário: 8h00 às 18h00.
  • Duração do passeio: Um período (manhã ou tarde) é o recomendado.

O Paraíso Perdido também é uma propriedade particular e tem uma excelente estrutura, com um ótimo restaurante e instrutores para todo lado para alertarmos de perigo.

Havia lido que aqui havia 18 piscinas naturais e 8 quedas, eu paguei R$ 40,00 e vi 3 quedas ( não sei como contam 8 ). Pelo que eu vi, as quedas estão todas no mesmo percurso e não são grandes, é uma quase grudada na outra e também considerei só dois poços naturais, confesso que fiquei decepcionado com este lugar e pelo que lia achava que seria o melhor de todos, mas não foi.

Foto: Subindo rumo ao melhor poço para banho.

Foto: A água estava gelada de dar câimbra e dor de cabeça, e o corpo não acostumava, mas não resisti, já molhei de uma vez só….rs.

4- Cachoeira do Filó.

  • Entrada: Gratuita.
  • Horário: Sem horário de funcionamento.
  • Duração do passeio: Um período (manhã ou tarde) é o recomendado.

Uma bela queda d´água com um poço enorme e excelente para banho. Como é gratuita e bonita está sempre lotada.

Parando na rodovia é só andar 100 m. Há a possibilidade de subir até o mirante- só ir contornando a queda dá água e subir pela mata mais uns 100 m- e você estará no topo da cachu além de ter acesso ao poço atrás da mesma.

16-filo-quero-mochilar

Foto: A bela Cachoeira do Filó vista antes de descer a trilha.

19-filo-quero-mochilar

Foto: Mirante.

5- Trilha do Sol.

  • Entrada: R$ 40,00 (Temporada) – Normalmente R$ 35,00.
  • Horário: 8h00 às 18h00.
  • Duração do passeio: Um período (manhã ou tarde) é o recomendado.

Também uma propriedade particular com ótima infraestrutura, e na minha opinião um dos melhores passeios pela região. As trilhas são lindas, e os três atrativos principais na trilha do sol são: Cachoeira no Limite, Cachoeira do Grito e Poço Dourado. Ahhh há até uma área de nudismo… rs.

22-0-quero-mochilar

Foto: A parte superior da Cachoeira No Limite.

27-grito-quero-mochilar

Foto: A Cachu com seu poço. Você pode chegar no poço pulando, ou pela mata, uma trilha curta e tranquila.

30-1-quero-mochilar

Foto: As paredes com estas pedrinhas deixa a trilha para o poço encantado com um visual incrível.

6- Passeio de Lancha nos Canyons.

  • Entrada: R$ 100,00 (Carnaval) – Normalmente R$ 80,00.
  • Horário: Agendado – das 8h00 às 16h00.
  • Duração do passeio: 2 horas.

Nem preciso discorrer muito sobre este passeio, afinal é o mais procurado de Capitólio e não é atoa, realmente um tour imperdível e onde você realmente terá um contato incrível com o belo lago de furnas.

42-quero-mochilar

Foto: Olha a cor desta água.

44-quero-mochilar

Foto: Só admirando este paraíso.

7- Lagoa Azul

A cachoeira da Lagoa Azul também fica em uma propriedade particular, e você pode chegar até ela por asfalto, ou aproveitar o passeio da lancha para conhecê-la. Geralmente em temporada está sempre lotada, mas o bonito dela mesmo é vê-la vazia, por isso no dia não quis conhecê-la.

49-quero-mochilar

Foto: A Lagoa Azul ficou para uma próximo visita, este lugar deve ser lindo, mas vazio, deste jeito não fiz questão de conhecer não…rs

8- Mirante do Canyon

  • Entrada: Gratuita.
  • Horário: Aberto.
  • Duração do passeio: Em torno de 40 min.

É aqui que todo mundo tira as melhores fotos de Capitólio, fácil acesso e trilha super fácil, não há desculpa para não ir até o mirante que está bem ao lado da BR.

52-quero-mochilar

Foto: As fotos clichês de Capitólio.

9- Parque Estadual da Serra da Canastra.

  • Entrada: R$ 10,00.
  • Horário de funcionamento:  8h00 às 18h00 – Sendo que não é permitida entrada após às 16h00.

Um pouquinho distante de Capitólio, mas não deixe de conhecer se gosta de aventura e tiver um tempinho no cronograma. É neste parque que está a segunda em altura e uma das mais belas cachus de Minas Gerais.

17-2-quero-mochilar

Foto: Vista que temos da pesada trilha para conhecer a Casca d´Anta por cima. Show de paisagem.

25-1-quero-mochilar

Foto: A Casca d´Anta com 186 metros de queda d´água é a segunda maior cachu de MG, perdendo somente para a Cachoeira do Tabuleiro em Conceição do Mato Dentro.

Todas as dicas e informações necessárias para conhecer o Parque da Serra da Canastra estão no Blog : Aqui.

GOSTOU?? 

Isso é só uma aperitivo, no Quero Mochilar há detalhes sobre as trilhas, como chegar, o que ver, fazer, comer etc, em cada um destes lugares, além de fotos incríveis e um roteiro prontinho dia a dia pronto para imprimir só com o essencial de cada lugar.


Comentários do Facebook

comentários

Continue lendo

Blog

Alemã se desafia a passar o resto da vida com a mesma roupa

Mochileiros.com

Publicado

em


“Colecione momentos e não coisas”. Quem nunca ouviu essa frase e já parou para pensar o quanto (batida, porém) pertinente ela é? Nesta frase cabe um mundo e dentro disso a busca por valorizar o simples e sentir-se bem com ele não se tratando de “viver sem nada” a qualquer custo, é algo mais profundo, talvez um real desejo de mudar.
E as mudanças podem começar com, por exemplo, consumir menos roupa. A alemã Jessica Böhme vive a mais de um ano com dois vestidos pretos co-desenhados por ela, que são combinados com outras poucas peças como casacos e calças. Ela tem dois vestidos para utilizar um, quando o outro está sendo lavado.
Ao Projeto Colabora, uma rede de 240 jornalistas especializados entre outras coisas em sustentabilidade e meio ambiente, Jessica contou que se inspirou quando viu uma entrevista de uma senhora que usava o mesmo vestido há um ano. “Quando comecei a mudar meus hábitos de consumo, eu passei a comprar menos e, se eu comprava algo novo era de uma marca sustentável e justa”.
No seu site ela cita o The Uniform Project, que nasceu em maio de 2009 quando uma garota se comprometeu a usar um vestido preto por 365 dias como um exercício de “moda sustentável”. Este projeto arrecadou US$ 100.000 para a educação de crianças carentes na Índia.
Depois de um ano usando o mesmo vestido, Jessica reiniciou o projeto, mas desta vez “pelo resto da vida”, co-desenhando a peça com um designer em Berlim e com um tecido de longa duração.
Ao todo, incluindo joias, roupas íntimas e acessórios Jessica tem 55 itens no seu guarda-roupa, sem contar com os seus óculos, o item número 56.
A entrevista completa com a alemã pode ser conferida no https://projetocolabora.com.br/consumo/conheca-a-alema-que-se-desafiou-a-passar-o-resto-da-vida-com-a-mesma-roupa/

Mais sobre o projeto pode ser acompanhado em seus site e Instagram.

 

#1dress4life | Foto: @jessica_boehme

Jessica e O vestido | Foto: @jessica_boehme

 

Jessica, O vestido e alguns acessórios | Foto: @jessica_boehme

Fotos: André Groth/Reprodução Instagram @jessica_boehme


Comentários do Facebook

comentários

Continue lendo

Blog

Mapa permite que você conheça seu endereço na Terra milhões de anos atrás

Mochileiros.com

Publicado

em


Quem seriam nossos países vizinhos se os continentes ainda estivessem juntos? A gente já se perguntou isso por aqui, quando mostramos um mapa (que circulou bastante pela internet) do que seria a Pangeia com os países que conhecemos hoje mas o mapa criado pelo engenheiro de software Ian Webster, vai além: no http://dinosaurpictures.org/ancient-earth#240 você pode digitar por exemplo, o nome da cidade onde mora e ver onde ela estava há milhões de anos atrás e porque não, saber que tipo de habitantes havia por ali.
O site faz parte do DinosaurPictures.org, um banco de dados destinado a estudantes, professores, crianças e ou curiosos sobre os dinossauros. É construído com o PaleoDB, um banco de dados científico especializado em paleobiologia formado por centenas de profissionais da área.

Esse pontinho vermelho no mapa é São Paulo há 240 milhões de anos (você pode escolher entre 20 e 750 milhões de anos, no topo da tela do mapa interativo | Foto: Reprodução.

Esta é a representação de um Aeolosauro, que viveu em Sampa (seus fósseis foram encontrados em alguns lugares da Argentina e em São Paulo) há 240 milhões de anos | Foto: Reprodução.

Pensamos num destino que queremos conhecer: as (hoje) ilhas Phi Phi, na Tailândia | Foto: Reprodução.

Com informações do OpenCulture.


Comentários do Facebook

comentários

Continue lendo

Blog

Conheça a mochila ‘flutuante’

Mochileiros.com

Publicado

em


“A inovação mais significativa em mochilas nos últimos 30-40 anos”. Esta é a afirmação do site que anuncia a HoverGlide, uma mochila ‘flutuante’ que promete reduzir “muito” (até 86%!) o impacto da carga nas costas, pescoço, joelhos e tornozelos enquanto você anda ou corre com ela.
O projeto é resultado de um estudo feito em 2006 por fisiologistas da Universidade da Pensilvânia, na Filadélfia (EUA). Especializado no movimento de peixes, o chefe do grupo, o professor de Biologia, Lawrence Rome, explicou à CNN que a mochila segue o mesmo princípio utilizado para o transporte de cargas pesadas em alguns lugares da Ásia: “pessoas tradicionalmente usam longos mastros de bambu e a flexibilidade deles absorve o movimento de subida e descida da pessoa enquanto a carga fica a uma altura constante”.
Difícil a gente entender sem experimentar né? Bem, basicamente a mochila possui um trilho deslizante e um sistema de suspensão de polia que sobe e desce, ficando “livre” enquanto você caminha/corre, por isso ‘flutuante’. No vídeo abaixo é possível ter uma ideia de como o acessório funciona:

Os criadores da HoverGlide lançarão a campanha de financiamento coletivo no site Kickstarter ainda em setembro, promovendo a produção de 4 modelos que variam de 28 a 55 litros. Os usos vão de diário e para estudantes, passando claro, para os de uso diário em viagens, camping e caminhadas, além de uma tática para expedições mais difíceis (os modelos são o Commuter, o Trekker, o Hiker e o Tactical).

Na imagem é possível ver o ‘trilho’ entre as alças e a mochila | Foto: Divulgação.

Modelo ‘Trekker’ | Foto: Divulgação.

Modelo ‘Hiker’ | Foto: Divulgação.

Modelo ‘Tactical’ | Foto: Divulgação.

Modelo ‘Commuter’ | Foto: Divulgação.

A mochila promete redução de até 86% do impacto, diminuindo possíveis lesões e facilitando o deslocamento | Foto: Reprodução.

Mais informações podem ser conferidas no https://www.hot-newtech.com/hoverglide/

Com informações de Hot-newtech.com, CNN Travel e Nature.com.


Comentários do Facebook

comentários

Continue lendo

Blog

Cerveja Artesanal: 12 ao redor do mundo que vale a pena visitar

Das Trips

Publicado

em

Por


Desde pequena fui doutrinada a estudar bastante para tirar boas notas, ingressar em uma faculdade renomada, construir carreira em uma grande empresa, crescer, crescer, crescer! Atingir certo status significaria felicidade. E lá estava eu, expatriada em Nova Iorque pela multinacional dos meus sonhos universitários, com uma carreira em finanças promissora. No entanto, me sentia incompleta, consumida em incertezas, estressada com as longas jornadas de trabalho, apática às conquistas e muito impaciente.

Cervejeira caseira, decidi então profissionalizar um hobby e apostar na paixão pela cerveja, largando tudo o que havia conquistado ao longo desses 10 anos de carreira e uma vida de dedicação. Continuar na inércia seria como um amante de cervejas especiais ignorar os outros estilos existentes e beber apenas Heineken – uma cerveja American Premium Lager de qualidade, equilibrada, com boa drinkability e um interessante amargor de lúpulo.

Contudo, estaria perdendo a explosão de aromas de uma IPA, o mistério de uma Saison, a vivacidade de uma Sour e o conforto que só uma Stout pode trazer.

A minha meta do sabático cervejeiro é conhecer o maior numero possível de cervejarias, brewpubs e cervejas no Brasil e no mundo, na esperança de que ao descobrir novos sabores e lugares vou me surpreender e me encontrar também.

De março de 2014 até agora, já visitei mais de 150 cervejarias e brewpubs(que produzem e vendem a bebida no próprio local) em mais de 20 países, com direito à degustação de acima de 2.000 rótulos.

E aí vão as 12 melhores cervejarias que visitei nesse período:

1. Denali Brewing Co, Alaska, EUA

A cervejaria está inserida em meio a um cenário mágico das paisagens do Alaska, com seus fiordes e geleiras deslumbrantes. Confesso que não esperava encontrar cervejas tão boas em Talkeetna, uma cidade de 700 habitantes! Minha favorita foi a sazonal Slow Down Brown, marrom escura, corpo alto, sabor intenso de chocolate, malte e avelã.  Super aromática, leva adições diversas especiarias como cominho, coentro, erva-doce, cardamomo cravo e pimenta de Caiena e canela. E ainda de quebra, a viagem terminou com as luzes da Aurora Boreal brilhando majestosamente na noite escura. Para mim elas pareciam estar dançando, mas isso pode ser pelos 8 pints que tomei!

Cervejarias1

Cervejarias1s

2. Funky Buddha, Florida, EUA

A Funky Buddha é um brewpub descontraído e agitado, com cervejas curiosas e de ótima qualidade. Seu maior atrativo é a audácia de suas receitas, que trazem sabores jocosos e tentadores. É possível encontrar cervejas arrojadas como a ‘Piña Colada Wheat Ale’, com infusão de coco e abacaxi em natura e a ‘Tell Reece Peanut Butter Cup Brown Ale’, com aroma e sabor do chocolate da empresa Hershey’s. Além de várias outras inusitadas como a de batata doce & mashmallow, torta de maçã, e uma que leva pepino em sua composição.

Cervejarias2

Cervejarias2s

3. Altstadthof, Nuremberg, Alemanha

A parte mais interessante da visita a Altstadthof são os impressionantes 25.000 metros quadrados, distribuídos em 4 andares de cellars (adegas), a quase 20 metros de profundidade. Foram construídos desde o século 14, com o intuito de armazenar cerveja. Lá, soube que, no ano de 1380, havia uma lei pela qual todos que quisessem produzir e servir cerveja deveriam ter um cellar para melhor acondicionar a bebida. Durante a Segunda Guerra Mundial, esses espaços se tornaram exemplos concretos de que cerveja salva vidas: em cidades na Alemanha devastadas por bombardeios, a mortalidade atingiu em média 40 a 50 mil pessoas. Em Nuremberg, estima-se que cerca de 6.000 pessoas morreram, número bastante inferior à média nacional, devido à proteção dos cellars de cerveja!

Cervejarias3

Cervejarias3s

4. Pilsener Urquell, Plzen, República Tcheca

Tomar a primeira Pilsen do mundo, feita da mesma forma há 172 anos, antes do processo de filtração? Somente visitando a Pilsener Urquell em Plzen na República Tcheca! “Urquell” em alemão ou “Prazdroj” em tcheco, ambos significam “a fonte ancestral”. Isso porque a Urquell foi a primeira cerveja do estilo Pilsen – de baixa fermentação, coloração clara – produzida no mundo em 1842 pelo mestre cervejeiro Josef Groll e mantém até hoje suas tradições.

Atualmente, cerca de 70% de toda cerveja consumida no mundo é do estilo, o que deixa evidente a importância histórica da cervejaria. A fábrica é enorme, tanto que alguns trechos do tour são realizados em um ônibus. Os cellars utilizados para ‘lagering’ (armazenagem) da cerveja realmente impressionam com seus 9km de extensão. Apesar do processo ter sofrido modernizações desde 1842, a empresa ainda mantém uma produção da forma antiga a fim de comparar e garantir que a cerveja continua com a mesma qualidade e sabor desde os primórdios! E é essa contra-prova que temos o prazer de degustar!

Cervejarias4

5. Fuller’s, Inglaterra

É uma cervejaria bastante tradicional da Inglaterra, fundada em 1845 por John Fuller, Henry Smith e John Turner. Os prédios datam do século 19 e, durante a visita, você se sente voltando no tempo. A visita à cervejaria Fuller’s é uma verdadeira aula sobre as famosas Real Cask Ales e a história da escola cervejeira inglesa. 75% da produção é da cerveja London Pride e 2/3 da produção é de ‘Real Cask Ales’: cervejas fabricadas com ingredientes tradicionais onde a carbonatação é formada em um processo chamado de fermentação secundária que ocorre no próprio recipiente em que a cerveja é servida (casco, barril ou garrafa). É este processo que torna a Real Ale única entre as cervejas e desenvolve sabores e aromas.

No ponto de consumo, são tiradas manualmente com o uso de uma grande alavanca (hand pull pump), e não sofrem carbonatação forçada como na maioria das chopeiras que necessitam da pressão do gás para fazer a cerveja sair do barril. Curiosidade sobre uma Real Cask Ale: é adicionado um produto chamado ‘Isinglass fining‘ a fim de reduzir a turbidez da cerveja, cuja matéria prima tem sua origem, na sua maioria, no peixe. Ou seja, ao pé da letra, os vegetarianos não poderiam beber uma real cask ale da Fuller’s.

Cervejarias5

Cervejarias5s

6. Harviestoun, Escócia

Para chegar na cervejaria Harviestoun, são necessárias 2 horas de trem/ônibus a Alva, em meio a uma paisagem bastante pitoresca!

A cervejaria foi fundada há 30 anos e tem em seu portfólio Lagers e Ales, todos os estilos produzidos com o mesmo tipo de fermento – o que quebra bastante tudo o que você aprendeu nos livros sobre levedura de alta e baixa fermentação!

Em seu portfólio, exibem 7 estilos em garrafa, 3 em cask, 3 em kegs. Os destaques para mim foram as Ola Dubh. São feitas a partir da Old Engine Oil, depois de aumentar seu teor alcoólico de 6% a 10.5% abv – dando origem a Old Engine Oil Engineers Reserve – mais adocicada, deixando o amargor e o álcool menos perceptível do que o líquido de origem. Em seguida, a cerveja é maturada em barris de Whisky da Destilaria Highlands Park por 6 meses. As versões de 12, 16 e 18 anos se referem à idade do Whisky anteriormente lá maturado.

12 anos – possui aromas mais perceptíveis de madeira, carvalho, tosta;
16 anos – mais balanceada, boa para quem não está acostumado com os aromas e sabores intensos de Whisky;
18 anos – sabor mais intenso de Sherry, mais ácida e complexa.

Cervejarias6

Cervejarias6s

7. Orval, Villers-devant-Orval, Bélgica

São atualmente 10 mosteiros autorizados a produzir e comercializar cervejas com autenticidade trapista: 6 na Bélgica, 2 na Holanda, 1 na Áustria e 1 nos Estados Unidos. Tive a oportunidade de visitar 8 deles e ficar hospedada em dois – a Orval sendo um deles. Um dos momentos mais aguardados da minha viagem, superou todas as expectativas. Confesso que não sou das mais beatas, mas ao pisar no mosteiro Trapista da Orval, é impossível não se emocionar. O lugar é fascinante: presenciar os monges entoando o canto gregoriano dentro da catedral é de encher o corpo de arrepios. À noite, o cheiro do ar é de mosto cervejeiro, e as luzes baixas iluminando as paredes do labirinto dos edifícios é inebriante e até assustador.

A estadia é desfrutada em silêncio e as refeições em comunidade com espírito de cooperativismo e servidão.. E o melhor, sempre regadas à cerveja e queijo trapista da Orval, ambos produzidos aqui dentro!

Cervejarias7

Cervejarias7s

8. Cantillon, Anderlecht, Bélgica

A Lambic é uma cerveja produzida pelo processo de fermentação espontânea, ou seja, com os microorganismos do ar, na região do Vale do Rio Sena. A produção de cerveja na região surgiu da necessidade de empregar os trabalhadores das fazendas nos tempos de inverno, pois nesse período ficavam ociosos. Antigamente havia mais de 100 produtores de Lambic, contudo, atualmente restam apenas cerca de 9 devido às Primeira e Segunda Guerras Mundiais. Isso porque muitas foram bombardeadas e outras tiveram seu maquinário roubado pelos soldados alemães em busca de cobre para transformá-lo em munição.

Em amostras de Lambic, pesquisadores da Universidade de Leuven encontraram cerca de 100 cepas de levedura distintas, 27 variedades de bactéria acética e 38 de bactéria láctica! Por ser uma cerveja de fermentação natural, como era feito nos primórdios, sazonalidade é um fator importante. Ela só pode ser produzida no inverno na Bélgica (fim de outubro a março).

A Cantillon foi fundada em 1900 por Paul Cantillon e é até hoje gerenciada pela família. Faz uso de equipamentos e métodos tradicionais do século 19 e matéria prima 100% orgânica. Produzem cerca de 1700 hectolitros por ano – volume irrisório se comparado ao total de 18 milhões de hectolitros de cerveja produzidos na Bélgica.

Cervejarias8

Cervejarias8s

9. Garage Project, Wellington, Nova Zelândia

Fundada em 2011, num posto de gasolina desativado, tem seu nome dado não só porque começou em uma garagem, mas também porque é a mentalidade pregada por seus cervejeiros & proprietários. A ‘Garagem’ é um lugar onde a criatividade não tem limites, onde debutam várias bandas, surgem diversas idéias – um mundinho onde não há julgamento e repreensão. Isso é refletido na arte dos rótulos e com certeza nas cervejas que produzem. E é um ‘Projeto’ pois é uma cervejaria em andamento, ainda em constante desenvolvimento, que busca arquitetar novas receitas, desafiar as teorias, e incorporar ingredientes extravagantes que passam a quilômetros de distância da ‘Reinheitsgebot’ (lei de pureza alemã). Quando começaram, eram tão pequenos que não se enquadravam nem na categoria de micro cervejaria.

Inauguraram com uma cozinha de 50 litros, e hoje já produzem cerca de 500.000 litros por ano. E não é ao acaso. Beber suas cervejas é mais do que um simples copo, é uma experiência que desorienta e entretém o seu paladar. Estão, com certeza, dentre as mais memoráveis que já provei.

Cervejarias9

Cervejarias9s

10. Brouwerij ’t I, Amsterdã, Holanda

*Brouwerij ’t IJ, cervejaria fundada em 1985 por Kasper Peterson, está localizada ao lado do moinho de Gooyer, em Amsterdam. A experiência já começa durante o caminho sobre os canais da cidade, com paisagens encantadoras que parecem retiradas de quadros de pintura.

Ao chegar na cervejaria, o ambiente é descontraído e a carta traz estilos diversos das escolas Belga, Inglesa, Alemã – apesar da maioria ser Belga, região onde Kasper se especializou na arte cervejeira. A cerveja Columbus, uma Belgian Strong Ale com 9% de ABV, surpreende com seu dulçor de malte, chocolate, frutado, balanceados com o alto amargor de lúpulo.

Cervejarias10

11. Firestone Walker, Califórnia, EUA

Se você ainda não tomou uma Firestone e é amante da cerveja artesanal, coloque-a na sua lista. Todas as cervejas que degustei são insanas e a cervejaria possui uma história muito bacana.

Apesar de hoje estar bastante na mídia devido a suas inúmeros premiações em campeonatos mundiais, foi fundada em 1996 e embargada em 2001 por problemas financeiros. Ficou fechada por vários meses sem ação dos proprietários. Reza a lenda que Matt Brynildson, previamente cervejeiro da Goose Island de Chicago e SLO Brewing Company da Califórnia, pulava os portões da Firestone a fim de manter as cervejas na temperatura correta. Tanto que, quando finalmente Adam Firestone e David Walker puderam retomar a cervejaria, as cervejas estavam em excelentes condições. Atualmente, Matt permanece sendo o mestre cervejeiro da empresa.

Cervejarias11s

12. Moon Dog, Victoria, Austrália

Uma cervejaria me encanta quando possui uma trajetória inspiradora regada a boa cerveja. E os cervejeiros da ‘Moon Dog’, em Melbourne, são exemplos de que quem ousa ter um projeto em sua vida, largar tudo para buscá-lo, acabará conseguindo.

Os irmãos Jake e Josh Uljans e o amigo Karl van Buuren não tinham dinheiro quando fundaram a cervejaria – compraram todos os equipamentos no Ebay de fazendeiros e produtores do segmento agropecuário e aprenderam no YouTube como transformá-los em panelas para produção de cerveja! Além disso, para economizar o dinheiro do aluguel, se mudaram para o local onde seria construído a planta e passaram a dormir sob colchões de espuma no chão.

Felizmente os tempos de hoje mudaram e suas cervejas estão nos melhores bares da cidade – e também aqui no seu próprio Brewpub. O lugar é simples e despojado, todo decorado com móveis de brechó. A mistura do sofá com estampa de casa de vó, cadeiras avulsas sem combinação, abajures e candelabros cafonas, misturados aos barris de carvalho e tanques de fermentação, conseguem transformar o lugar num ambiente burlesco e sedutor!

Possuem em seu portfólio cervejas audaciosas e encorpadas, algumas feitas em parceria com duas das minhas cervejarias favoritas: americana ‘Rogue’ e a neozelandesa ‘Garage Project’.

Cervejarias12

Texto: Roberta Tsustsui/Dastrips.com.br
Fotos:
© Roberta Tsustsui


Comentários do Facebook

comentários

Continue lendo

Blog

Os 10 perrengues de camping mais clássicos de todo viajante

Publicado

em


Quem está sempre com o mochilão nas costas não carrega somente bagagens. Carrega histórias, isso sim… Qual mochileiro que nunca passou perrengues em viagens? Se não passou, é porque ainda vai passar, pode ter certeza disso.

Quando o assunto é camping então, os perrengues podem ser dobrados… ou não. Isso, na verdade, vai depender de como você se planeja e qual o nível de “rootaria” você está disposta a encarar. Até porque, hoje em dia, o que mais tem são equipamentos de camping que evitam – ou amenizam – os perrengues na hora de acampar.

A verdade é que é que curte campismo, mesmo que não seja selvagem, sempre está vulnerável a perrengues de viagens. Neste post, separamos os mais comuns entre viajantes. Vejam se concordam.

1. Ventania no camping

Quem nunca acampou com um vento desgraçado de entortar a barraca ou até mesmo de tira-la do chão. Uma vez, na Praia do Sono, ventou tanto na madrugada que nossa barraca de camping praticamente desmontou com a gente dentro. Obviamente, que diante de um furacão desses são poucos os equipamentos que vão aguentar por muito tempo. Para isso, é preciso uma barraca realmente boa pra segurar a pressão.

2. Quando ninguém sabe montar a barraca

Quem nunca acampou na vida, as vezes se enrola na hora de montar a barraca. Não sabe onde coloca as varetas, o sobreteto ao contrário e assim vai… Depois de 7 horas dá certo.

3. Quando chove em um dia o equivalente ao mês todo

Outro perrengue clássico para acampar é quando chove mais do que deveria. Não tem lona que adiante e dentro da barraca fica aquela piscina e lama…. Diliça….

4. Montar a barraca e ver que esqueceu alguma parte

Pode ser que a gente seja expert em perrengues de viagens (pós graduados em perrengues de acampar., mais especificamente), pois já aconteceu, mais de uma vez, de na hora de montar a barraca, dar conta que esqueceu uma parte. Ou quando não esquece, acha um dos ferrinhos quebrados ou o sobre teto rasgado, por exemplo. Aí chega àquela hora do MacGyver preparar as gambiarras para deixar a barraca de camping em pé.

5. Defecar no mato

Sem meias palavras… cagar no mato sem estrutura é sempre um perrengue master durante o acampamento. E acredite, boa parte de quem passa por isso é por falta do simples papel higiênico. Quem está acostumado a praticar camping selvagem, geralmente carrega consigo um kit “salva vidas das barrigadas” e o papel é o mais importante. Geralmente, quem não carrega isso na mochila é quem acampa dentro de campings fechados, que muitas vezes tem menos estrutura que no próprio mato. Para listar mais um dos nossos perrengues, uma vez na cidade de Iriri, no Espirito Santo, acampamos num camping onde o banheiro era de frente para as barracas e, simplesmente, não tinha portas.

Pra quem quer saber mais detalhes de como defecar nessas situações, recentemente escrevemos um post sobre o assunto. Leia aqui. Praticamente um guia completo de como dar uma barrigada durante a viagem.

6. Insetos na barraca

Acampar e ter medo de insetos é certeza de problemas. Mas mesmo quem não se importa muito de conviver com esses bichinhos, quando se descobre que tem algum intruso na barraca é motivo de desespero certo. Principalmente se se tratar de aranhas ou escorpiões. Ainda mais se não tiver lanternas.

7. Quando o carro para de funcionar

Tudo planejado pra voltar pra casa e a porcaria do carro não pega. A gente viaja de Kombi e já está acostumado. Mas o perrengue quando é pra acontecer, não escolher nem o tipo de carro. Qualquer um pode passar por isso e a vontade é fazer exatamente igual esse GIF.

 

8. Quando acaba o dinheiro da viagem

Você planeja a viagem durante o ano e quando chega no destino, acaba a grana antes do que o planejado por algum motivo qualquer. Aí é a hora de pôr em pratica o Eco Durismo e se virar do jeito que dá. O que não pode é desistir e voltar pra casa.  

9. Quando tem que se virar para cozinhar

Quem nunca cozinhou dentro de uma lata de Nescau ou de ervilha ainda não conheceu a essência da culinária campista. Fogareiro a álcool ou na fogueira direto, fazer comida assim é diversão certa… Preparar aquela gororoba deliciosa toda grudada é uma delícia….

Faz parte, mas também é possível cozinhar bem se tiver os equipamentos ideais para preparar o rango durante o acampamento. 

10. Quando faz um frio da porra

Não levar um saco de dormir ou cobertor pra acampar é certeza de perrengue na viagem. Não rola de jeito nenhum dormir assim.

Bom, perrengues de viagens fazem parte da vida de qualquer mochileiro, principalmente para quem acampa.

Curtiu? Tem alguma história de perrengue famosa em suas viagens? Conte pra gente aqui nos comentários.


Comentários do Facebook

comentários

Continue lendo

Blog

30 destinos onde o Real ainda vale mais

Mochileiros.com

Publicado

em


O buscador de viagens Skyscanner analisou as taxas de câmbio para levantar em quais países a moeda local está desvalorizada em relação ao Real e comparou o custo de vida e oportunidades turísticas nestes destinos no site Numbeo chegando a uma lista que claro, já dá vontade sair correndo pra mochilar. Confira!

1- Vietnã

Apesar do alto custo da passagem aérea (claro, foi a primeira coisa que pensamos sobre vários destinos apresentados), a publicação destacou o país como tendo alimentação e acomodação muito baratas.
R$ 1 = 6426,73 Dongs vietnamitas

Halong Bay | Foto: Divulgação Skyscanner.

2- Laos

Outro destino asiático. Dono de uma riqueza cultural única, o Laos tem alimentação, transporte e hospedagens econômicas.
Moeda: Kips de Laos

Pha That Luang | Foto: Divulgação Skyscanner.

3- Camboja

Mais um sonho de consumo mochileiro, o Camboja aparece como o terceiro do ranking.
R$ 1 = 1136,23 Riels cambojanos.

Angkor Wat | Foto: Divulgação Skyscanner.

4- Nepal

Além da oportunidade de uma imersão cultural sem igual e encantamento com paisagens únicas, o Nepal também é de interesse dos apaixonados por montanhas e escaladas e aparece como o 4º país da lista.
R$ 1 = 30,10 Rúpias nepalesas

Monte Everest | Foto: Divulgação Skyscanner.

5- Indonésia

As incríveis praias de água cristalina do país encantam o mais variado perfil de público.
R$ 1 = 3935,45 Rúpias da Indonésia.

Templo Borobudur – Java | Foto: Divulgação Skyscanner.

6- Índia

Quando o assunto é destino barato para ficar mais tempo, a Índia sempre aparece na lista, segundo o Skyscanner.
Câmbio favorável e diárias de hotéis acessíveis ajudam no orçamento de viagem.
R$ 1= 18,83 Rúpias indianas.

Taj Mahal | Foto: Divulgação Skyscanner.

7- Colômbia

Ricas cultura e história, praias encantadoras, campo e floresta, a Colômbia tem de tudo um pouco e é um dos vizinhos que merecem a visita.
R$ 1 = 797,44 Pesos colombianos

Cartagena | Foto: Divulgação Skyscanner.

8- Bolívia

A Bolívia dispensa comentários. É um dos destinos mais visitados e queridos dos mochileiros brasileiros.
Segundo o levantamento do Skyscanner, apesar de o Real valer pouco mais que a moeda boliviana, o país é uma “opção econômica, graças ao custo de vida baixo”.
R$ 1 = 1,93 Bolivianos

Salar de Uyuni | Foto: Divulgação Skyscanner.

9 – Paraguai

Para muitos, a primeira coisa que vem a cabeça quando se fala em Paraguai é compras. Pouco divulgado, o país guarda ricas cultura e história e é uma ótima opção para mochilar.
R$ 1 = 1567,88 Guaranis

Ruínas Jesuíticas | Foto: Divulgação Skyscanner.

10- Bielorrússia

O site levantou que por lá o custo de vida é 40% menor que o do Brasil. A capital, Minsk pode ser um belo ponto de partida para o roteiro.
Moeda: Rublos bielorrusso

Catedral do Espírito Santo – Minsk | Foto: Divulgação Skyscanner.

11- Hungria

Viagens à Europa costumam assustar os bolsos de quem ganha em Real e gastará em Euro. Em países onde ele não é a moeda oficial, as atividades costumam ser mais acessíveis segundo o Skyscanner. Aparece na 11ª posição da lista, a Hungria.
R$ 1= 74,12 Forints húngaros

Budapeste | Foto: Divulgação Skyscanner.

12- Albânia

O site apresenta o país como uma agradável surpresa àqueles que querem fugir das principais rotas turísticas da Europa. A Albânia é dona de um litoral incrível, com praias de areia branca e águas cristalinas.
R$ 1 = 30,05 Leks albaneses

Kruja | Foto: Divulgação Skyscanner.

13- Rússia

Quem escolher a Rússia como destino para a sua viagem internacional vai encontrar um país repleto de curiosidades, palácios grandiosos, principalmente em Moscou e São Petersburgo.
Segundo o Numbeo.com, inclusive, essas cidades são as cidades europeias que têm os preços mais acessíveis para os viajantes, e o custo de vida nelas chega a ser 16% menor do que o de São Paulo!
Vale lembrar que o país é sede da Copa do Mundo de 2018, que começa em 14/06.
R$ 1 = 18,02 Rublos russos

St. Petersburgo | Foto: Divulgação Skyscanner.

14- Macedônia

Segundo levantou a publicação, o custo de vida na Macedônia é um dos menores da Europa.
Seu principal destino é a cidade de Ohrid, onde fica a igreja Santa Sofia, construída no século 11.
R$ 1 =  14,48 Dinar da Macedônia

Museu Arqueológico da Macedônia – Skopje | Foto: Divulgação Skyscanner.

15- Tailândia

Um mochileiro que nunca foi à Tailândia, certamente tem o país na lista de lugares a conhecer.
Belezas naturais sem igual e o custo de vida baixo são alguns dos incentivos.
R$ 1 = 8,96 Baths tailandeses

Railay Beach | Foto: Divulgação Skyscanner.

16- Filipinas

O arquipélago formado por ilhas paradisíacas é um colírio para os olhos de quem ama praia.
Acomodaçoes e refeições são mais baratos do que a média, segundo o Skyscanner.
R$ 1 = 14,65 Pesos das Filipinas

Malaya Beach | Foto: Divulgação Skyscanner.

17- Costa Rica

Reservas naturais exuberantes, mar do Caribe, Oceano Pacífico, vulcões… Você já deve ter ouvido a expressão ‘Pura vida’, pois é, é de lá!
Quando fomos pra lá (em 2007) não achamos muito barato (a gente nunca acha nada barato – risos) mas o país aparece em 17º lugar deste ranking.
R$ 1 = 159,18 Colones da Costa Rica

Playa Conchal | Foto: Divulgação Skyscanner.

18- República Tcheca

A capital do país, Praga, por exemplo, reúne tudo o que uma capital europeia pode oferecer, de charmosos cafés nas praças, às preciosidades históricas em seus prédios e construções seculares.
Segundo levantou o site, o país tem um custo de vida 20% mais baixo que o de São Paulo.
R$ 1 = 6,02 Coroas tchecas

Praga | Foto: Divulgação Skyscanner.

19- Moldávia

Custo de vida cerca de 50% mais baixo que o do Brasil e um destino pouco explorado pelos turistas. Só isso já basta pra você querer arrumar a mochila e ir conhecer né?
R$ 1 = 4,66 Leus da Moldávia

Capriana monastery | Foto: Divulgação Skyscanner.

20- México

História, praias, natureza exuberante e forte cultura fazem do México um país incrível.
Em lugares como Tulum, é possível encontrar hotéis 2 estrelas com diárias a partir de R$ 45 (tem camping no Brasil cobrando isso por pessoa).
Segundo levantou o site, a capital do país, Ciudad de México tem o custo de vida 43% mais baixo que o do Brasil.
R$ 1 = 5,38 Pesos mexicanos

Tulum | Foto: Divulgação Skyscanner.

21- África do Sul

O país é dono de uma rica diversidade natural e mantem algumas das maiores reservas ambientais do continente africano. Por lá você pode optar desde roteiros que incluem atividades radicais, até passeios por vinícolas, passando claro, por safáris em parques nacionais.
O custo de vida por lá é em média 20% mais baixo que no Brasil.
R$ 1 = 3,57 Randes sul-africanos

Cidade do Cabo | Foto: Divulgação Skyscanner.

22- Marrocos

Com um custo de vida cerca de 8% menor que o do Brasil, o Marrocos está dentre os países mais baratos para quem quer conhecer um pouco da cultura árabe.
R$ 1 = 2,63 Dirham marroquino

Deserto do Saara | Foto: Divulgação Skyscanner.

23- Egito

Segundo levantamento do Skyscanner, o custo de vida da capital do país, Cairo é 60% mais baixo do que o da capital paulista.
R$ 1 = 4,96 Libras egípcias

Pirâmides | Foto: Divulgação Skyscanner.

24- Uruguai

Nos últimos tempos, quem tem chegado de lá tem reclamado dos preços que encontrou. Não a toa, o país aparece em 24ª posição num ranking de 30. O que pode compensar o orçamento são as promoções de passagens aéreas pra lá que sempre aparecem.
É um país encantador, com belas cidades e povo hospitaleiro.
Segundo levantamento do site, o custo de vida no Uruguai é mais alto que no Brasil.
R$ 1= 8,07 Pesos uruguaios

Montevidéu | Foto: Divulgação Skyscanner.

25- Argentina

Segundo levantamento do site, o custo de vida na Argentina é bem próximo ao de São Paulo, sendo que a capital paulista chega a ser 6% mais em conta, o que pode ajudar na economia é o planejamento antecipado da viagem, bem como estar atento às promoções de passagem que sempre aparecem pra lá.
R$ 1 = 5,92 Pesos argentinos

Monte Fitz Roy – El Chaltén | Foto: Divulgação Skyscanner.

26- Chile

De Patagônia, ao Deserto do Atacama, passando por cidades encantadoras, o Chile já é queridinho da galera da mochila.
Segundo levantamento do site, o custo de vida por lá é 6% menor que o de São Paulo, por exemplo.
R$ 1 = 174,42 Pesos chilenos

Deserto do Atacama | Foto: Divulgação Skyscanner.

27- República Dominicana

Fora dos eixos turísticos é possível aproveitar baixos preços por lá, de alimentação a hospedagem.
R$ 1 = 13,97 Pesos dominicanos

Punta Cana | Foto: Divulgação Skyscanner.

28- Jamaica

Na Jamaica, a porta de entrada é a capital Kingston, de onde é possível seguir viagem para outras maravilhas como Ocho Rios, Negril e Montego Bay.
R$ 1 = 35,24 Dólares jamaicanos

Ocho Rios | Foto: Divulgação Skyscanner.

29- Croácia

A Croácia já foi um destino mais barato, mas atualmente é preciso buscar por promoções para conhecer suas praias paradisíacas.
Vale a pena visitar a histórica Dubrovnik, uma das maiores cidades da Croácia e das mais baratas para os viajantes, segundo o site.
R$ 1 = 1,74 Kunas croatas

Dubrovnik | Foto: Divulgação Skyscanner.

30- Ilhas Seychelles

Não é por acaso que as Ilhas Seychelles aparecem na última posição da lista: visitar o paraíso não é barato.
A dica é se programar e fazer a reserva com bastante antecedência. A hospedagem é muito cara no país, segundo a publicação.
R$ 1 = 3,79 Rúpias de Seychelles

Foto: Divulgação Skyscanner.

Taxa de câmbio verificada em 02/05/2018 através do Conversor de Moedas do Banco Central.
Os países sobre os quais não informamos a conversão de Real para a moeda correspondente não apresenta cotação para o dia pesquisado e ou não aparece na lista do Conversor de Moedas do Banco Central.

O post original no Skyscanner está aqui. Nele, as conversões são de 16/06/2017.


Comentários do Facebook

comentários

Continue lendo

Blog

Incríveis bicicletas fabricadas com peças de motos dos anos 50

Mochileiros.com

Publicado

em


O artesão italiano, Luca Agnelli é especialista em restauração de móveis antigos e se transformou em uma sensação com suas criações: bicicletas elétricas construídas com peças de motos dos anos 50. São peças reais, como um tanque de combustível por exemplo, que ao invés de levar gasolina tem um conjunto de baterias.
Agnelli trabalha em seu laboratório de desenho desde 1989, quando o abriu e tinha 22 anos; desde então cria produtos contemporâneos a partir de antigas relíquias. Uma das coisas que faz destas bicicletas (ou pedelecs) especiais é que cada uma é única, uma verdadeira joia feita a mão.

Dê uma olhada em algumas delas nas fotos abaixo:

Foto: agnellimilanobici.com

Foto: agnellimilanobici.com

Foto: agnellimilanobici.com

Foto: agnellimilanobici.com

Foto: agnellimilanobici.com

Foto: agnellimilanobici.com

Foto: agnellimilanobici.com

Foto: agnellimilanobici.com

Foto: agnellimilanobici.com

Mais fotos e informações (inclusive técnicas) sobre cada modelo podem ser vistas no http://www.agnellimilanobici.com/?post_type=product

Com informações de AutoEvolution.com.

Se você gosta de coisas retrô, também pode gostar deste post: Posters (retrô) de viagem


Comentários do Facebook

comentários

Continue lendo

Blog

Professora gringa viraliza com desabafo sobre a língua portuguesa

Mochileiros.com

Publicado

em


Rebecca Jackson-Salado faz sucesso com seus vídeos no Facebook o último tem a ver conosco: ela tenta entender o uso e sugerir novas palavras à língua portuguesa.
Por exemplo, qual a necessidade das palavras serem direcionadas para cada sexo, mudarem no plural, aumentativo e ou diminutivo? “Bonitão” para ela poderia ser ‘bonitono’, já que no feminino seria bonitona. “Eu sempre falo bonitono e todo mundo ri”, comenta Rebecca, lembrando que no inglês se usa “beautiful” para elogiar um homem e também uma mulher.
Outro vídeo não questiona a língua, mas um hábito, sobretudo de nós brasileiros: “Quantas vezes preciso mandar beijos para ser educada?” pergunta sobre como encerramos uma ligação telefônica. Para ela (e para muita gente – risos) um simples tchau bastaria.
Músicas brasileiras, “frases comuns para brasileiros que não funcionam em inglês” e outras publicações sempre bem humoradas fazem parte da página Minha Professora Gringa, onde Rebecca, que é norte-americana e formada em inglês para estrangeiros publica seus conteúdos.
Confira alguns abaixo:

“Bonitono”

#Bonitono

Vamos fazer mudanças!!!! #BONITONO <3 Obrigada amores <3

Posted by Minha Professora Gringa on Friday, April 6, 2018

“Quando você fala tchau você desliga o telefone” 😅

#QuantosBeijos – Me da dicas!!!!

#Teambonitono precisa sua ajuda!!!!Nunca sei quando eu posso disligar o fone. Nao quero ficar sem educação!!! Me da suas dicas — #QuantosBeijos ?Youtube: https://youtu.be/prHQSGTa_S4

Posted by Minha Professora Gringa on Wednesday, April 11, 2018

Frases comuns para brasileiros mas que não funcionam em inglês

Frases comuns para brasileiros que não funcionam em inglês!

Frases comuns para brasileiros que não funcionam em inglês!!!New VIDEEEEEOOOOO!Check me out on youtube! https://youtu.be/JDaLp-D84LU

Posted by Minha Professora Gringa on Sunday, January 28, 2018

 


Comentários do Facebook

comentários

Continue lendo

Os 10 + vistos do Mês

Log in

Or with username:

Esqueceu a senha?

Ainda não tem uma conta? Cadastro

Forgot your password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

Fechar
de

Enviando Arquivo…