Nomadland: filme sobre vida nômade “sem romantismo” ganha Festival de Veneza

O filme ‘Nomadland’ ganhou o Leão de Ouro, prêmio de melhor filme do Festival de Cinema de Veneza de 2020. Num momento em que o mundo teve que parar de viajar, a obra premiada mostra pessoas que vivem como “nômades modernos” pelos Estados Unidos em suas campervans, trailers e motorhomes, em busca de oportunidades de emprego, mas sem o “romantismo” das viagens à turismo.

Com direção da chinesa Chloe Zhao, o filme é protagonizado pela atriz Frances McDormand, cuja personagem parte para estrada em sua van “explorando uma vida fora da sociedade convencional como uma nômade moderna”, diz a sinopse do filme no Internet Movie Database (IMDb).
Fern aos 60 anos de idade (personagem de Frances) decide viajar após o colapso econômico da cidade em que vivia no estado de Nevada e é apresentada a outros “nômades reais”, trabalhadores precarizados como ela, Linda May, Swankie e Bob Wells que se tornam seus “mentores e companheiros em sua exploração pela vasta paisagem do oeste americano”.

Confira o teaser legendado de ‘Nomadland’ a seguir:

Abaixo fotos de cenas do filme e cartaz:

Fern, papel interpretado pela atriz Frances MacDormand | Foto: Reprodução/IMDb.
Cena do filme Nomadland | Foto: Reprodução/IMDb.
Foto: Reprodução/IMDb.

Inspirado em livro de não ficção

Foto: Reprodução.

O filme é inspirado no livro “Nomadland: Surviving America in the twenty-first century’ (Nomadland: Sobrevivendo à América do Século XXI’), obra de não ficção de Jessica Bruder.
O livro explora o fenômeno dos trabalhadores americanos mais velhos (muitos afetados pela crise de 2007-2009) que viajam o país como “nômades” em busca de emprego.
A obra publicada em setembro de 2017 também foi inspiração para o curta-metragem, CamperForce. CamperForce era uma unidade de trabalho sazonal da Amazon que recrutava estes trabalhadores.

Assista o curta a seguir:

O livro (em inglês) pode ser comprado aqui.

Saiba mais:

Vale também a leitura do texto de Jessica Bruder para a Hapers Magazine: “The end of retirement” (O fim da aposentadoria), aqui. Nele a escritora e jornalista retrata a história de Linda May, uma das personagens reais do filme/livro.
No texto “A nova classe operária vai ao paraíso (e vence o Festival de Veneza)“, de Álex Vicente para o El País você pode saber um pouco mais sobre o filme.

De acordo com o CamperForce, um em cada cinco americanos acima dos 65 anos segue trabalhando. Uma taxa quase duas vezes maior que em 1986.
Quase um terço das famílias chefiadas por pessoas com 55 anos ou mais não têm pensão nem poupança para a aposentadoria | Foto: Cena do filme Nomadland/Reprodução IMDb.

Deixe um comentário