Passo a passo: Como planejar uma viagem para Patagônia e Terra do Fogo?


Ahhh Patagônia! Ainda estou saudoso, mesmo acabando de voltar de lá, e antes de começar a falar dos roteiros no blog, quero ajudar os próximos viajantes a planejar sua viagem através da minha experiência -que foi ótima- mas como em toda viagem independente teve erros e acertos, e compartilhá-los pode ser de grande valor para vocês.

Foto: Glacial Perito Moreno – Patrimônio da Humanidade em El Calafate.

Afinal, o que temos que saber para curtir a viagem e gastar o mínimo possível?

Primeira coisa a pensar: Quando ir para Patagônia e Terra do Fogo?

Antes de planejar sua viagem você tem que pensar: O que quero desta região? Ver neve ou curtir a natureza com longas caminhadas e menos frio?

As estações do ano por lá são bem definidas e o ambiente muda bastante com ela, e pensar no seu objetivo é primordial.

Vale pontuar que as estações são igual ao Brasil, ou seja, verão aqui, verão lá também, mas afinal, como são cada uma delas?

VERÃO: 21 de Dezembro a 20 de março

O verão é a mais procurada das estações, e também a alta temporada da Patagônia. Neste período do ano os dias são longos, escurece depois das 22h45, e amanhece em torno das 4h00, ou seja, tem mais luz do sol para aproveitar os trekkings e tours.

Também no verão, apesar da temperatura ser bem mais agradável, ficando em torno de 15°C a 20°C, os ventos são bem mais fortes, podendo passar de 100 km/h, o que causa um sensação térmica mais baixa.

Nesta estação também:

  • Costuma chover sim, mas bem menos que no outono e por ser menos frio atrapalha menos.
  • Janeiro e fevereiro são os meses mais quentes do ano.
  • São o ápice da procura de quem vai atrás de trekking (alta temporada).

Se você quer gastar menos, procure viajar um pouco antes ou depois do verão (que é considerada a alta temporada) e consequentemente os preços sobem todos.

OUTONO: 21 de março a 20 de junho.

O início do outono é uma ótima pedida para fazer sua viagem, pois as cidades estão mais vazias e os preços melhores. Nesta estação, a paisagem já começa a ficar diferente, as árvores estão se preparando para o inverno, e suas folhas ficam com tons amarelo e laranja.

Dizem também que é neste período quando o por do sol é mais bonito, mas também é o período que mais chove e pode acabar com todo esse encanto.

A temperatura se mantém amena até junho, quando começa a dar sinais de chegada à estação fria.

Um ótimo período para conhecer a Patagônia.

INVERNO: 21 de junho a 20 de setembro

O inverno transforma as paisagens completamente, começam a funcionar as estações de esquis e é também alta temporada em algumas regiões.

Nesta época, ao contrário do verão, os dias são mais curtos. O sol nasce às 9h00 e se põe às 17h00, com isso a temperatura mínima chega a 0°C.

No inverno, as chuvas são neve, resultando em uma paisagem incrível. Nesta época várias trilhas em parques são fechadas, e a maioria das abertas, só é liberada com guias, sendo um período ruim em todos os sentidos para quem quer fazer trekking pelos parques da Patagônia.

Lado bom do inverno: Os dias são claros e venta bem pouco, o que torna os passeios mais agradáveis.

Julho é o mês mais frio.

PRIMAVERA: 21 de setembro a 20 de dezembro

No mês de setembro a neve começa a desaparecer, as flores aparecem e a temperatura começa a aumentar, com isso a vida volta a reinar com paisagens mais coloridas e cheias de vida. Uma ótima época para quem quer curtir a natureza.

Sendo também uma ótima época para se conhecer.

Então…

Entendi tudo, mas quero gastar menos: Quando devo ir para Patagônia e Terra do Fogo?

Fuja da alta temporada, pois com ela chegam os altos preços.

Outubro e novembro (primavera) e março e abril (outono) seriam os meses ideais para quem quer curtir a natureza, gastar menos e ainda chegar nas atrações com um número bem menor de pessoas.

Outra coisa que é muito importante ter em mente é que o clima na Patagônia e Terra do Fogo é extremamente instável, por isso mesmo no seu planejamento, deixe sempre uns dias extras em algumas cidades, pois se estiver com o cronograma bem apertado e o tempo ficar ruim e não conseguir fazer algo da sua programação, pode inverter e fazer em outro dia, por esse mesmo motivo, fora de temporada alta é bom deixar para reservar seus tours todos lá, sem antecedência.

Segunda coisa a se pensar: O que quero conhecer?

A Patagônia e a Terra do Fogo juntas tem uma extensão muito grande, e se você costuma viajar nas férias de trabalho como eu, esquece, uma só viagem não é tempo suficiente para conhecer ela toda.

Esta região abrange dois países: Argentina e Chile, e uma visita requer disposição para deslocamentos longos e muito trekkings em alguns destinos.

No meu plano de viagem comecei por El Calafate e fui até Ushuaia de ônibus. Meu objetivo maior era conhecer os parques nacionais e principais cidades, sendo assim meu roteiro resumido e a quantidade de dias foi:

  • El Calafate (4)
  • El Chaltén (3)
  • Deslocando (1)
  • Puerto Natales (2)
  • Torres Del Paine (3)
  • Punta Arena (1)
  • Deslocando (1)
  • Ushuaia (6)

Em breve no www.queromochilar.com.br estarei relatando cada um destes destinos, abrindo: roteiro, orçamento e tudo mais que você precisa saber.

Terceira coisa a se pensar: Como se locomover na Patagônia?

Durante a sua viagem você pode se deslocar de avião e ônibus por alguns destes destinos que citei do meu roteiro, que é o mais popular de quem viaja pela Patagônia. Importante saber que as principais cidades deste trajeto com aeroporto são:

  • El Calafate,
  • Ushuaia,
  • Punta Arena.

Pesquisando e garantindo sua passagem com antecedência, você pode conseguir ótimos preços de passagens aéreas. A empresa mais procurada e com melhores preços que faz a região é a Aerolineas Argentinas.

Dica para economizar: Antes de fechar sua passagem aérea, pesquise também os preços pelas empresas que compram passagens por milhas, muitas vezes compensa comprar por elas que diretamente na companhia.

Saiba mais e faça uma cotação clicando Aqui.

Porém, se você quer gastar menos, o jeito é pegar o busão para se deslocar por lá.

IMPORTANTE: Lembre-se que neste trajeto você fará deslocamentos internacionais, entre Argentina e Chile, e por isso passará por Aduanas, o que atrasa a viagem.

VIAJANDO DE BUSÃO

Para o meu deslocamento de El Calafate a Ushuaia usei a empresa Bus Sur, fechei tudo com antecedência pela internet. Assim, carreguei menos dinheiro e garanti minha viagem. Não gosto de andar com muita grana quando viajo!

Na região há também outras empresas, que você pode pesquisar diferentes horários, são elas: Pluma Internacional, Andesmar e Flecha Bus.

Sobre a Bus Sur, todos meus deslocamentos foram ótimos. Pontuais, ônibus bons e seguros, não tenho o que reclamar.

UMA OBSERVAÇÃO SOBRE CARROS…

Para quem deseja alugar carro, as estradas são ótimas, e precisa de 4×4 somente se você for entrar nas áreas dos parques, do mais, deslocamentos entre cidades são tranquilos (Não sei falar sobre o inverno).

Lembrando que há pouquíssimos postos de serviço e abastecimento, então tanque sempre cheio quando possível.

Quarta coisa a se pensar: O que levar para Patagônia?

Algumas coisas são essenciais para uma viagem por esta região, mesmo no inverno, e não são só as roupas.

Não se esqueça de por na mala:

1- Filtro solar: Sim, queima bastante também. Não é porque é frio que você não tem que se proteger.

2- Óculos de sol: Os óculos não servem somente para te deixar mais bonito na foto e para proteção do sol. É recomendado também para andar sobre a neve e glaciais, pois o reflexo da luz das geleiras e neve por longas horas pode causar danos na sua retina.

3- Vestimentas: Essencial pensar em roupas, ainda mais se é brasileiro de regiões quentes.

3.1- Proteção para cabeça: Sempre carregue com você:

  • Gorro: Aquece demais, no sol, na sombra etc..
  • Boné: O tempo é muito instável, e as vezes o sol pega dependendo da época do ano sendo essencial nos trekkings.

Leve ambos nos trekkings dentro da mochila.

3.2- Proteção para pescoço: Faz toda diferença.

  •  Gola de proteção de pescoço: Comprei uma lá e foi minha companheira inseparável.

3.3- Proteção para as mãos: Essencial.

Em alguns lugares era impossível ficar sem luvar. Comprei uma de vovô, de lã, e foi meu maior erro. Compre uma boa e impermeável, com  touch ou acesso dos dedinhos para celular … para não ter que ficar tirando e colocando toda hora para tirar fotos.

3.4- Proteção para os pés: Botas de Trekking.

Chuto aqui que em torno de 80% das pessoas que fazem este roteiro estão a procura de trekking, portanto, um calçado adequado é essencial. Uma dica: nunca compre um calçado novo e deixe para estrear por lá, já vá com ele adaptado aos seus pés.

Recomendo as Botas Ecosafety: couro legítimo, ótimo design, confortáveis e baratinhas, além de ser especialista em trekking e aventuras.

E quer desconto?

  • Passo 01: Acesse: www.botasecosafety.com.br
  • Passo 02: Escolha o modelo, aplique o desconto com o Cupom: queromochilar e adquira a sua.

Foto: Minha companheira no cerrado, deserto e até no gelo.

Ahh uma dica super importante, se for fazer vários dias de caminhada, como eu fiz, além da bota ter uma meia de trekking faz toda diferença. Juro, levei só uma, e quando tinha que lavar e não estava com ela eu sentia a diferença (conforto) nas trilhas.

3.5- Proteção para o tronco.

Atenção: Quero ressaltar que temos que estar sempre preparado nas trilhas, pois o tempo muda muito por lá.

Temos que nos vestir em camadas para estarmos prontos para o desafio. E como é isso?

PRIMEIRA CAMADA: Conhecida também como segunda pele, tem como objetivo eliminar seu suor e te manter seco.

Quantidade: Pelo menos 3 (Para 20 dias de viagem). Troca todos os dias.

SEGUNDA CAMADA: Te aquece, mantendo a temperatura do teu corpo. Roupas com o nome: Fleece.

Quantidade: Pelo menos duas (Para 20 dias de viagem).

TERCEIRA CAMADA: Deverá te proteger do vento e da umidade. Recomendo as jaquetas impermeáveis, corta vento e com gorros.

Quantidade: Viagem de até dez dias dá pra levar uma, mais que isso, às vezes precisará lavar, e se o tempo não colaborar, sentirá falta de uma segunda.

E é isso. Agasalhos, jaquetas e roupas para o dia-a-dia não preciso perder tempo explicando, não é? rs.

Foto: Minhas roupas que comprei na Decathon – Segunda pele (calça e camisetas), fleece e jaqueta corta vento e impermeável.

Onde encontrar estas roupas??

Você encontra estas roupas (pelo menos foi onde comprei as minhas) em lojas como: Decathlon e Alta Montanha.

Existem também outras lojas especializadas como: Half Dome, Mundo Terra e Pé na Trilha.

Aprendi, que usando as 3 camadas, podemos caminhra no vento e na chuva, que não sentimos frio,corrigindo: não sentimos tanto frio… rs. Quando bem vestidos o frio não entra, nosso calor nos mantém aquecidos.

Outra coisa que estava esquecendo: Não cheguei a usar pois minha vestimenta segurava o frio e umidade, mas muitas pessoas indicam levar capa de chuvas: uma opção se não for investir em roupas impermeáveis e for pegar muita chuvas.

3.6- Proteção para as pernas.

  • Calça impermeável ou para trekking: Penso que uma impermeável, e uma de trekking que já é semi impermeável é suficiente para 20 dias.
  • Segunda pele: Comprei somente uma segunda pele para usar por baixo da calça e arrependi. Podia ter levado três, para 20 dias, pois elas fazem muita diferença, e só uma, ficou difícil de escolher o dia para lavar. Podemos usá-las até para sair com calças jeans, elas são show e nos mantem bem quentes.

Quinta coisa a se pensar: Qual moeda levar?

Primeira regra: nunca, jamais em hipótese alguma compre pesos argentinos ou chilenos no Brasil. No Brasil, só compramos dólar, ok? Grave isso, pois aprendi isso errando e pesquisando tardiamente, e chorei muito quando vi o tanto que perdi… rs.

     

Fotos: Na ordem: pesos chilenos e pesos argentinos.

Principalmente na Argentina, levar reais é super de boa, e encontrei várias conversões melhores ainda para dólar. Observei que em algumas vezes valia a pena comprar dólar no Brasil e levar para trocar lá, por isso recomendo viajar com as duas moedas: Real e Dólar.

O bom de levar dinheiro…

Na Patagônia, quando você faz pagamentos em dinheiro vivo (efectivo) eles dão super descontos, que chegam a até 10%.

Outra dica importante: Evite trocar em casas de câmbio, saia para almoçar e jantar, e pergunte quanto está a conversão. Sempre são melhores que as casas de câmbio. Você paga a conta em dólar ou reais e pega o troco em pesos.

Lembre-se de sempre estar com uma boa quantia em moeda local, nunca fique sem ela, pois principalmente parques nacionais não aceitam outras moedas para pagamento.

Aí você pensa, só isso sobre dinheiro? Quanto gasta uma viagem desta?

Calma, estou escrevendo um post detalhadinho sobre gastos por lá e vou publicar em breve quando ficou o custo total desta viagem e em cada cidade.

OUTRAS DICAS EXTRAS NADA A VER, MAS QUE AJUDARÃO VOCÊ…

O que aconteceu lá comigo que pode ser um alerta pra você:

  • Celular: Não conte somente com seu celular para fotografar. Lugares frio consomem mais a bateria, e que quando não acaba rápido, seu celular desliga sozinho e leva um tempo para ressuscitar. Tenha sempre um plano B para registrar aquele momento e não ficar sem fotos.
  • Farmácia: Sempre quando viajo levo comigo o essencial, pois você não sabe como são as regras do país para venda de remédios, levo: anti-inflamatórios, antitérmicos, analgésicos e algumas coristinas, mas para Patagônia, principalmente se for para caminhadas, leve relaxante muscular (Dorflex), manteiga de cacau, band-aid (para as bolhas) e levem também um hipoglós, caso tenha assaduras de tanto bater perna… eu tive e não tinha…rs.

Amigos.. espero ter ajudado vocês!

Logo estarei publicando cada um dos destinos com todas as dicas como: orçamento, roteiro, percepções, quanto dias ficar e o que mais estiver procurando, fiquem atentos nas redes socias para não perder as publicações, ou escrevam na newsletter do blog nas caixinhas ao lado.

LEIA TAMBÉM:


Categorias Blog

2 comentários em “Passo a passo: Como planejar uma viagem para Patagônia e Terra do Fogo?”

Deixe um comentário