Uma volta pela Costa do Sol, no RJ, em uma Kombi 1972


Pra quem não conhece, o projeto Eco Durismo é formado por Livio, brasileiro e Alexandra, francesa, a bordo de uma kombi 1972 pelas estradas. O roteiro dessa vez foi uma volta por toda a Costa do Sol, passando pela serra e litoral do Rio de Janei, sem um roteiro estabelecido e se virando do jeito que dava.
Saimos dia 10 de janeiro do Rio pra mais um rolé com nossa kombosa, e como de praxe, sem um roteiro definido, apenas sabendo que a primeira parada seria a cidade do Sana, na serra de Macaé. A cidade fica a 150Km da capital fluminense e é repleta de cachoeiras, montanhas verdes e um ar meio hiponga.
Antes mesmo de começar a dar os roteiros por cada cidade visitada, fizemos esse resumo em vídeo com alguma das imagens registradas pelos lugares.

Foto: Ecodurismo.

Embarque em nossa kombosa e sinta a vibe!!!

Sana

Apesar da kombosa ter apresentado um pequeno problema no alternador, conseguimos concluir a viagem e chegamos bem no Sana View Hostel, que foi nosso primeiro anfitrião nessa viagem.
Acampamos com uma vista unica para todo o vale verde e a kombi se destacava na paisagem.

Sana | Foto: Ecodurismo.

Passamos o total de 5 dias nessa vibe, frequentando as cachoeiras próximas ao hostel, pois as principais costumam ficar cheias e rola uma taxa para acessar. Uma noite ou outra, arriscamos ir até o centro da cidade a pé, a dois km do hostel e sem luz na estrada, mas por ser dia de semana, poucas coisas rolavam nos bares locais. Assim mantivemos o ritmo de aproveitar mais o dia do que a noite, e desta forma era facil manter nosso padrão ecodurismo de gastos. Nos despedimos e seguimos viagem sentido o litoral.

Rio das Ostras

Descemos a serra, almoçamos em Casemiro de Abreu, num daqueles self services sem balança e partimos para a cidade de Rio das Ostras, ja no litoral e a aproximadamente 50km de distancia do Sana.
Desta vez fomos conversar com os donos do Obelix Hostel e contar nossa aventura e oferecer alguns serviços em troca de hospedagem. Tudo certo e em minutos a gente ja se sentia parte da familia.

Foto: Ecodurismo.

Diferente do Sana, Rio das Ostras ja é uma cidade razoavelmente grande devido a exploração do petroleo na região. Apesar de praias e lagoas lindas, parece que o turismo ainda esta dando os primeiros passos; em comparação com outras cidades vizinhas.

Foto: Ecodurismo.

A Costazul é a praia mais badalada com restaurantes, bares, um shopping aberto de artesanato chamado Tocolandia, a famosa praça da Baleia e alguns mirantes nas pedras no canto da praia permitem uma vista mais ampla do litoral.
Apesar desta ser a praia mais procurada, foi o outro lado do litoral que nos chamou a atenção: a reserva ambiental de Itapebussus.
Essa area de preservação permanece intocada pelo homem e pra se chegar até as lagoas, com aguas avermelhadas e praias totalmente serlvagens, é preciso caminhar alguns minutos pela areia. A paisagem é unica, com aguas calmas e cristalinas, a região permite banhos de agua doce ou salgada no mesmo lugar.
Ficamos ao total dias na cidade e partimos antes mesmo do final de semana começar. Nosso destino seguinte foi a pequena Barra de São João, a poucos km de distancia.

Barra de São João

De Rio das Ostras até a Barra de São João é basicamente seguir uma linha reta na estrada. A cidade é bem pequena mesmo e se destaca pelo encontro do rio e o mar, com uma pequena igrejinha no alto da pedra.
Ficamos desta vez hospedado na casa de um amigo que esta morando na região de Tamoios, ali do lado e conseguíamos caminhas até a barra sem muitos esforços.

Foto: Ecodurismo.

O turismo da cidade é bem popular e os preçossão bem acessiveis, com pratos com peixe a partir de 10 pilas, e aproveitamos pra tirar uma folga na cozinha e ter esse luxo de almoçar na rua.
Passamos o final de semana la e não tem muitas coisas a se explorar mais na pequena cidade a não ser um banho de mar ou de rio. Mas valeu o reencontro com nosso amigo.
Dali partimos sentido Buzios.

Búzios

Ao chegar no famoso balneário de Búzios, fomos recebidos com a costumeira blitz do Detran na entrada da cidade. Tudo em dia com a kombosa e nos dirigimos até Local Friend Hostel, que já havíamos feito contato online e já nos esperavam pelos os próximos dias.

Foto: Ecodurismo.

Estacionamos a kombosa e fomos bater perna nas praias de Geribá e Ferradurinha, ambas já conhecíamos, mas sempre bom reforçar as lembranças.
Visitamos também praias mais próximas ao centro como Brava e dos Ossos, e ainda demos uma desfilada pela Orla Bardot com a kombi enquanto turistas; brasileiros e gringos, apontavam, provavelmente dizendo: Caraca, olha uma kombi laranja e azul, rs.

Pra quemconhece Buzios, sabe que os preços costumam ser salgados, e pra mantermos o padrão Eco Durismo de gastos, passamos quase todas as noites no barzinho do proprio hostel com a equipe e outros hospedes.
Foram dias bem legais, mas depois de 4 noites era hora de seguir, desta vez ao paraiso de Arraial do Cabo.

Arraial do Cabo

Também distante poucos km de estrada chegamos a Arraial, conhecido como o caribe brasileiro. Também ja haviamos conhecido essas terras ano passado, durante a baixa temporada, e podemos afirmar que é a melhor epoca pra visitar.

Foto: Ecodurismo.

Chegamos ao 93 Hospedagem, um hostel familiar recem inaugurado e fomos super bem recebidos pela Poliana, proprietaria do local. Dali tiramos o final de tarde pra um mergulho na Praia Grandee no dia seguinte nos arriscamos a chegar nas famosas Prainhas do Atalaia a pé, através de uma trilha que se inicia ao canto da praia dos Anjos e é a unica forma gratuita de se chegar no local, sem contar com os diversos mirantes que tem no caminho.

O lugar é magico, areia branca e agua incrivelmente azul, tudo rodeado por morros verdes. Mas nessa epoca, a galera ta em massa, e achar um lugar tranquilo na areia é impossivel.
Outro lugar que vale conhecer é a praia do Forno, também acessada por uma trilha e igualmente linda. Desa vez acabamos nao visitando, mas ja conhecemos da ultima passada por la.

Cabo Frio

Não poderíamos deixar de visitar a maior cidade da região e por incrível que pareça, não conseguimos contatar nenhum hostel a tempo para enviarmos uma proposta de troca de hospedagem. Todos responderam,depois da gente já ter se virado por lá.

Foto: Ecodurismo.

Acabamos pedindo ajuda através da nossa página e um morador local nos cedeu um quartinho para passarmos os próximos dias. Dali caminhamos até a Praia do Forte, num total de 10Km ida e volta. Visitamos também a praia das Dunas do Pero, um pouco mais isolada e com um cenário bem maneiro e por ultimo, a famosa Ilha do Japonês com suas águas cristalinas, porém bem cheia essa época também.

Foto: Ecodurismo.

No último dia, soubemos que uns amigos estavam na cidade e passamos a ultima noite na casa deles.
No dia seguinte, partimos sentido Rio.

Caminho de volta

Para sair da região dos lagos, a rota mais usada é a Via Lagos, com bom asfalto e sinalização, porém com um pedágio salgadíssimo de R$ 15 e sem muitos atrativos. Por isso optamos por uma rota alternativa. Viajar de kombi a 60km/h sem ter uma vista da paisagem seria uma pecado.
No caso para essa rota, tivemos que retornar sentido Arraial do Cabo, seguindo o litoral até Jaconé e esse caminho percorre cidades menos conhecidas e com visuais lindos.

Foto: Ecodurismo.

Já no início da rota, na altura de Monte Alto, vimos uma placa da praia de Massambaba, totalmente vazia arriscamos um mergulho, mas a correnteza assustou um pouco.
Dali seguimos um pouco mais e paramos em Praia Seca, banhada pela gigantesca lagoa de Araruama e ali sim, um pequeno lanche e mergulho na água morna.

Foto: Ecodurismo.

Mais algumas horas de viagem, chegamos a Saquarema, onde queriamos passar mais tempo, porém tinhamos que voltar para o Rio para um compromisso. Deu apenas para algumas fotos e almoçar em um barzinho local.
De la partimos diretamente ao Rio de Janeiro e fechamos a volta na região da Costa do Sol, durante 19 dias.

Como sempre, costumamos anotar alguns numeros de nossas viagens e repartimos abaixo:

_ Total de 19 dias de viagem por 7 cidades
– 02 paradas no mecanico
– Nenhum centavo gasto com hospedagem
– Aproximadamente 600km rodados com a Kombi
– Aproximadamente 91km caminhando
– Custo médio por dia de R$ 37 por pessoa (incluindo combustível, mecânico, alimentação e algumas cervejinhas) Nosso objetivo é sempre não passar de R$ 30 por dia.
– 79% dos nossos gastos foi a soma de combustível, mecânico e diversão.
– Fizemos amigos para uma vida inteira.

Confira mais fotos e vídeos desta viagem, aqui.
Siga nas redes (FACEBOOK / INSTAGRAM / YOUTUBE)

Texto e fotos: Ecodurismo.


Deixe um comentário

Log in

Esqueceu a senha?

Forgot your password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

Fechar
de

Enviando Arquivo…