Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''qatar''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas e Respostas
    • Destinos - Perguntas e Respostas
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Companhia para Viajar
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo e Mochilão roots
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação

Encontrado 1 registro

  1. mcm

    Qatar - 3 dias

    Depois de 2 anos sem férias (troca de emprego = menos férias), 2019 era novamente vez das férias de 20 dias. Alvo era novamente Ásia. Japão, China, Indonésia, Filipinas, Coreia, o leque era grande. Com as passagens no Brasil escalando Himalaias, já na virada do ano comecei a prestar muita atenção nas promoções que surgiam no celular (Melhores Destinos, amem) e email. E eis que surge a Qatar com 3 pratas para a China, partindo de São Paulo. Achei o preço muito bom, e logo fechamos. Ainda acho que foi um ótimo preço – no entanto foi a passagem mais cara de todas as viagens que já fizemos nesta década. Como era pela Qatar, tivemos a chance de programar um stop-over em Doha e conhecer a cidade, então agendamos 3 dias por lá. Depois vi que o habitual era reservar um ou dois dias (de fato, suficientes!). Mas nessa viagem buscamos ficar mais tempo nos lugares e quicar menos de lugar em lugar. Nossa ida começou na sexta-feira. Saí do expediente de tarde, fomos para o Galeão. Chegamos a Guarulhos de noite, e uma longa espera nos aguardava: o voo da Qatar partia às 3 da madrugada. Feito o checkin, fomos curtir esquema-patrão na sala da Latam, aguardando o embarque. Longas horas de voo pela frente, mas que foram tranquilas (ao menos para mim): dormi a maior parte. Doha Chegada em Doha no começo da madrugada, fui fazer um câmbio rápido (cotação de compra e venda de USD no Qatar praticamente não tem spread, mas há cobrança de taxa...) e logo pegamos um taxi para nosso hotel. Chegamos apenas para dormir. Mas já deu pra ver que estávamos no meio de uma zona em ampla reforma. O Qatar está empreendendo maciças reformas e construções urbanas com vistas à Copa do Mundo. Diversas áreas estão com obras praticamente 24hs por dia, e nossa região era uma delas. Reservei pela proximidade com o Souq Waqif e pela ótima promoção da Accor. Achei que foi bom negócio de qq jeito. Taxi até o hotel deu 50 pratas. Fomos dormir às 2 da matina. Dia1. Acordamos cedo e partimos para passear e reconhecer a área. Como visto na noite anterior, parece um mega canteiro de obras. Fomos andando, e não havia calçada ou área para os pedestres num trecho. Muita coisa grande e moderna sendo levantada. Rapidamente chegamos na zona do Souq. Ainda amanhecendo, tudo fechado. Desviamos em direção ao Emir Palace. Tinha lido que galera expulsa de lá, e é verdade. Ao menor sinal de aproximação, lá desceu o carro com segurança para nos avisar pra vazar da área. Tinha uma mesquita interessante, mas não vimos entrada. Sinal de que ou estava fechada e/ou não era para turistas. Fomos conferir então a área do Falcon Souq, onde vendem falcões. Isso mesmo, mercado de falcões! Mas também tudo fechado. Essa nossa mania de sair cedo de manhã eventualmente acarreta nisso. Tranquilo, a ideia tbm é ver a cidade amanhecer. Esbarramos num ‘estacionamento’ de camelos e ficamos curtindo os bichos um pouco. O Souq foi acordando e fomos curtindo vendo o panorama. Ainda assim, por mais que tenha atividades no Souq ao longo do dia – e tem --, o quente mesmo ali é quando o sol cai. Aí enche. As famílias locais (e turistas) chegam para jantar nos diversos restaurantes, além de curtir as atividades paralelas que rolam por lá (mercado, atrações para crianças, eventos, exposições, etc.). Fomos então ver a mesquita que fica logo ali do lado, e que na verdade é um centro cultural. Al Fanar Jumma Masjid. Erramos a entrada, mas logo achamos. Fomos bem recebidos e ficamos vendo uma exposição muito bacana que rolava na entrada. Era sobre o islamismo, contando a história da religião, fotografias e etc. Tudo em inglês. E então fomos recebidos e a partir de então ciceroneados por um cara muito bacana, mas que infelizmente me esqueci o nome! Via de regra nós – enquanto turistas -- somos muito bem recebidos em mesquitas pelo mundo, particularmente na Ásia. Não foi diferente em Doha. A mesquita em si é bacana, mas o principal mesmo é toda a apresentação e conversa que tivemos por lá. E ainda saímos com brindes, além de livros sobre o islã. Foi lá que tivemos conhecimento de que estávamos na época do Ramadã, o que afetaria fortemente nossa visita ao país. De lá seguimos para o MIA, o Museu de Arte Islâmica, uma das principais atrações do Catar. Fomos andando, já debaixo de um sol mais forte, mas tolerável para cariocas. Andando para lá, conhecemos também o Corniche, que é o calçadão local à beira mar. Ou beira baía talvez seja mais apropriado. Naquela hora estava bem vazia. Chegando no MIA, os guardas da entrada informaram que havia um problema, sem especificar qual, e que o museu estava excepcionalmente fechado por algumas horas. Ok, fomos então passear no belo parque MIA, adjacente ao museu. Fomos até uma pontinha, curtindo diversos visuais muito bacanas. Mas estava tudo vazio, tudo fechado. Podia ser pelo clima (em lugares muito quentes as coisas só abrem quando o sol dá um arrego), podia ser pelo ramadã. Ainda que vazio, o parque conta com transporte em carrinhos de golfe gratuitos para quem quiser se deslocar rapidamente. Alto padrão! Dica: Existe uma passagem subterrânea não muito bem sinalizada do Souq para o Corniche, e vice-versa. Bem mais seguro e poupa tempo de atravessar os sinais de trânsito, que demoram bastante para abrir para o pedestre. Voltamos ao MIA, que seguia fechado “temporariamente”. Então desistimos. Na saída, um motorista de Limo nos abordou. Embora isso, conforme nosso radar, seja furada na certa, optei por ouvir a oferta. Ele me mostrou lá os lugares onde nos levaria, e estavam todos no meu radar para visitar. Levaria algumas horas e o preço era 250 QAR. Recusei. Depois de algum tempo caiu para 200 QAR, mas recusei novamente. Não precisava de alguém à minha disposição e iria naqueles lugares depois de taxi mesmo, a um custo bem menor. Voltamos ao Souq, mas as poucas coisas abertas estavam fechando. O Souq fecha de tarde, na realidade. Então pegamos um taxi até o Aspire Park, que é também onde fica o Villagio Mall. Visitar shoppings é algo muito fora do nosso padrão de viagem. É raro, e, quando ocorre, geralmente é para usar o banheiro! Mas abrimos exceção para essa pérola de Doha, tínhamos curiosidade de ver a parada estilo Veneza de lá. Explicando melhor: é um shopping de luxo, em que construíram um canal emulando os canais de Veneza. Tem gôndola e tudo o mais por lá. E uma parada desenhada no teto que dá uma impressão (de certa forma) de que é o céu. É curioso, interessante, meio kitsch para uns. Tem ainda uma réplica de Milão também, em outra parte. Fora isso, é um shopping como qq outro, mas cheio de lojas de alta grife. Como era ramadã, a maioria das lojas estavam fechadas. E, numa determinada hora do meio da tarde, o shopping fechou também. Aproveitamos para passear um pouco pelo Aspire Park, que – novidade! – estava vazio àquela hora. Possivelmente pela combinação de sol forte + ramadã. Não havia mais o que fazer, então pegamos o taxi de volta. Os taxis ficaram na faixa de 30 QAR cada trecho. Estacionamos no Souq e ali ficamos. Vimos o Doha bus (aquele ônibus turístico de dois andares) completamente vazio numa ocasião, e com UMA alma dentro noutra. Vimos o sol caindo e as pessoas chegando cada vez e maior número ao Souq. Enfim, finalmente vimos vida intensa! Descobrimos que durante o ramadã o MIA só abre de manhã e de noite (!). Reparamos na extrema limpeza, e um forte motivo para tal: um esquadrão de garis atentos a qualquer indício de sujeira, e que logo um deles corre para limpar. Era impressionante, tanto a quantidade de garis como a limpeza geral (exceto pelos cocôs de pombos). Outra coisa que reparamos são os banheiros públicos. No Souq tinha 2, salvo engano. Eventualmente com uma prayer room por perto. Demos um rolê pelo Corniche para curtir o entardecer, e aí vimos o esquema dos barcos por lá. Eu achava que saíam barcos com galera, grandes grupos e tal. Nada disso, os barqueiros ficam pescando turistas por lá, um esquema meio Varanasi. Só que os barcos são grandes, nada de barco a remo e tal. Uma saída não deve ser barata, embora tenha recebido ofertas de 50 QAR para o casal. Recusamos, Katia achou que o mar não estava calmo o suficiente para ela curtir. Ficamos passeando pelo Corniche, que é bem bacana. Na janta decidimos esbanjar e fomos no Parisa, restaurante de comida persa. O restaurante em si já é uma atração, diversas pessoas param e entram para fotografar. E a comida estava uma delícia! Comemos muito, bem além da fome, por pura gula. Comprovamos como o Souq muda completamente de noite, com muita gente nas ruas e restaurantes de lá. Lugar muito bacana. O pós janta pesada deu aquele bode maneiro de fim de dia, mas ainda assim fomos esticar até o Corniche novamente, para curtir o visual do skyline de Doha. Ficamos lá de relax um bom tempo, mas o sono batia vorazmente em mim. Já era tarde, voltamos para dormir. Dia 2. Acordamos um pouco mais tarde. Fui fazer câmbio – a casa de câmbio do Souq não aceitou meus dólares velhos, então fui a um banco. Em seguida fomos finalmente no MIA. Um espetáculo de arquitetura, acerco e exposição. Ficamos umas horinhas por lá, curtindo com calma. Chamei um Uber para conhecermos Katara, que é descrito como uma cultural village. É mais que isso. Tem um Q de shopping Downtown. Tem shopping, restaurantes, cinema, praia, galerias, uma enorme arena (!), mesquita, etc. Mas, como era de dia e era ramadã, tinha tudo isso e estava praticamente tudo fechado. O lugar parece ser bem bacana – quando tem gente e as coisas estão abertas! Vimos gente na mesquita, todos os restaurantes estavam fechados, a praia estava com acesso fechado (!) – e, uau!, havia barracas de praia de vidro e com ar condicionado! Vimos áreas de reza na praia, separadas por sexo. E vimos uns gringos curtindo a praia (mas ninguém de biquíni!) num canto mais ao lado aberto ao público. O calor convidava para a praia, estava muito quente. Curtimos um tempo por lá e chamamos um uber para conhecer outra área: The Pearl. É um mega bairro inteiramente construído artificialmente sobre o mar. Muitos estrangeiros moram por lá. Selecionamos uma área para desembarque – especificamente onde o google maps apontava “The Pearl – Qatar” -- e partimos. Para variar, tudo fechado! Algumas vezes era estranho, dava uma certa sensação de apocalipse. Que logo se dissipava, pq víamos alguém na rua. Então não era fim do mundo. Tudo muito bacana, e também com um Q de shopping downtown. Edificações, lojas, restaurantes, shopping (aberto mas com todas as lojas fechadas), etc. Curtimos um tempo ali e optamos por ir andando para uma outra área mapeada. Andar por ali não é muito comum – o lugar é meio Barra da Tijuca – mas conseguimos, era perto. Fomos para uma área que emulava Veneza (sim, de novo!) a céu aberto. Qanat Quartier era o nome, salvo engano. Àquela altura já sabíamos que encontraríamos tudo fechado, então fomos no espírito de andar pelo bairro mesmo. É bem divertido, pra falar a verdade – e até bonito, tudo colorido, novinho e tal (mas tem quem não goste). Tem os canais, as pontes reproduzindo originais italianas, mas não tinha gôndola rolando naquela tarde. Diversas áreas beirando os canais com restaurantes, bem bacana e agradável (mas não rola álcool no Qatar!). Rodamos bastante pela área até que encontramos uma loja de sucos aberta. Um oásis! Estávamos a seco desde o MIA (tudo fechado, ramadã...), finalmente havia algo para beber! Demos uma pausa por lá, saboreamos o suco, e partimos de volta para o Souq. Chegamos lá no fim de tarde, e ficamos curtindo a galera chegando. Sempre comprávamos uns refrigerantes locais (ou turcos!) que ficávamos saboreando num dos vários bancos da região, observando a galera. Famílias chegando, crianças brincando com pombos e cavalinhos, o exército de garis sempre a postos para limpar qq coisa... Teríamos mais um dia em Doha e, diante da situação (ramadã, tudo fechado durante quase todo o dia), decidimos descolar algum tour para o dia seguinte. O mais comum é o tour pelo deserto, que geralmente inclui manobras radicais nas dunas e passeio de camelo. Meio que Natal (RN), né? Katia tem horror a essas manobras radicais e ambos dispensamos passeio de camelo. Então dispensamos esse passeio. Optamos por um outro que seguia até um antigo forte no noroeste do país, Al Zubarah. Único patrimônio da Unesco no Qatar. Os preços variam aqui e ali, mas são todos bem caros. Fechamos num hotel da região (era mais barato do que vimos no nosso hotel – salvo engano na faixa de USD 200). Nesse dia, depois da esbanjada (excelente!) do dia anterior, jantamos num guerreiro local que saiu bem baratinho. Comida saborosa (mas adoramos comida árabe em geral), bem na rua principal do Souq. Tudo escrito em árabe no restaurante (Al Refaa), mas o moço do lugar falava inglês e nos deu pequenas porções de cada coisa. De noite fomos no Museu Nacional. Em tempos de ramadã, como falei, os museus abrem de manhã e de noite. O museu fica perto do Souq, mas caminhar em Doha não é lá muito usual. Pegamos um taxi (ficou na tarifa mínima de 10 QAR) e logo chegamos. O museu é sensacional. A arquitetura dele já é coisa pra se admirar (preferencialmente de dia e com drone, ehehehehe), mas o conteúdo, as exposições, tudo excelente. Conta a história do país, mas ultrapassa isso. Tem coisa típica de museu de ciências naturais também. Muita gente no museu naquela noite, muitas famílias. Tudo em inglês. Ficamos umas duas horinhas. Na volta não havia taxi, mas sim um desses avulsos (“limo”) que queria cobrar o dobro do preço. Recusamos e fomos andando para fora do museu. Pegamos um taxi comum para o hotel. Dia 3. Cedo pela manhã o carro passou e nos levou para o tour. A guia/motorista era francesa, a Fanny. Que nos falou que a população local é majoritariamente estrangeira – com visto de trabalho com prazo determinado. Sobretudo nos últimos anos com a preparação para a Copa do Mundo, há ainda mais estrangeiros – toda a mão de obra braçal é importada. E as obras seguem em três turnos, ou seja, tem gente pra caramba metendo a mão na massa por lá. Aproveitamos para sair perguntando coisas sobre o Qatar ao longo da viagem, onde observamos obras e obras e obras e mais obras. Além de algumas estradas novinhas em folha padrão primeiro mundo com 3 ou 4 faixas. O Qatar sofre com um bloqueio imposto pela Arábia Saudita e aliados, supostamente por apoiar o terrorismo. Mas a razão real é meio nebulosa. De todo modo são alguns países na região apenas. Em função do bloqueio, a Qatar Airways precisa dar uma volta ainda maior para chegar a São Paulo, sem poder cruzar o céu da Arábia Saudita. O bloqueio levou o Qatar a buscar fontes alternativas de suprimentos, inclusive passando a produzir produtos que antes vinham da Arábia (importou vacas para produzir leite!). O bloqueio segue até hoje, mas o Qatar pelo visto já aprendeu a lidar. Outro ponto interessante que abordamos é a ausência de pobreza (ao menos não vimos). Disse ela que de fato não existe. A maioria expressiva da população é de expatriado, com visto temporário de trabalho. Ou seja, se está lá, está a trabalho, tem renda. Mendigar ou pedir esmola é proibido. Os eventuais desafortunados locais são cobertos por maciças campanhas de doações e caridade que existem pelo país (eu mesmo vi várias propagandas). Aliás, ¾ da população de lá é masculina – provavelmente em função das obras. Um dos lugares que queríamos visitar naquele dia, na volta, era a chamada Grand Mosque. Mas disse a Fanny que agora estava mais complicado visitar (ramadã?), sendo necessário marcar hora, ir com guia, etc. Como estávamos quebrando a cara nos lugares que tentávamos visitar, e como a mesquita não era exatamente perto, optamos por deixar de lado. Enfim, chegamos a Al Khor, uma vila de pescadores ao norte de Doha. Já uma coisa mais local e tal. Na hora em que chegamos o mercado de peixe estava em baixa (ou era o calor, ou era o ramadã, não sei). Coisa meio rápida e logo partimos para o forte. O forte de Al Zubarah me deu uma sensação de Velho Oeste americano muito bacana. Fazia um calor daqueles sinistros. Não tinha mais ninguém. E, a rigor – embora isso eu já soubesse --, não tem muito o que ver. É o forte, algumas explicações e fim. Os acessos às torres e partes altas estavam fechados. Fizemos uma hora escrutinando o local, depois de ler as paradas, e ao redor do forte. O forte em si é bem bacana, ainda que simples e pequeno. E tinha esse adicional, ao menos para mim, de sensação de estar num filme de western do Sergio Leone. Enfim, essa foi nossa manhã e parte do começo da tarde. Voltamos para Doha e estacionamos um tempo no hotel (um crime, mas no pico do sol não havia gente nas ruas e não havia mais o que conhecer que estivesse aberto) até o sol baixar e sair. Como estávamos do lado da região de Mushraib, fomos lá conferir melhor. Tem vários museus – mas fechados àquela hora em tempos de ramadã, pra variar. Fomos dar um rolê no Corniche novamente, mas nesse dia a poluição no ar estava mais pesada (é muita obra!), mal dava para ver o skyline do outro lado. Nesse dia curtimos um lugar guerreiro de espetinhos, muito bom e muito barato! E muito popular. E ainda jantamos muito bem em outro lugar (Bandar Aden) também muito popular e barato – estava lotado e com fila de espera mais cedo). Diferença de preço de prato de frango para carneiro era praticamente 100% -- e ainda assim o carneiro estava num preço muito bom, além de muito saboroso. Rodamos também pelo Falcon Souq novamente, para ver os falcões. Embora quase tudo fechado, havia algumas lojas abertas. Vimos falcões empoleirados, presumidamente para venda. Tipo periquito, passarinho, sei lá. E um hospital de falcões! Por ali é também onde ficam os camelos (estacionamento de camelos?!) e também cavalos. Estávamos com parte do delicioso pão que sobrou da janta no Bandar Aden e um dos cavalos queria porque queria nosso pão (que estava embalado, mas ele sentia o cheiro, pelo visto – e era muito bom mesmo). Ainda ficamos rodando pela área, parando para um chá aqui e um café ali, curtindo toda aquela vida noturna, antes de retornarmos para dormir. Dica: O metrô estava em implantação no Qatar quando estivemos lá. Uma linha tinha até começado a operar experimentalmente, mas não usamos. Na verdade, nem mesmo nos deparamos com uma estação pela frente –havia uma nos arredores do Souq, especificamente no Mushraib, bem perto de onde estávamos, mas caminhando em direção ao mar de obras. Vai ter tram também – vimos uma das estações e os trilhos e tal, também no Mushraib. Dia 4. No último dia acordei bem cedo para uma caminhada matinal de despedida. Rodei pelo Souq. Tudo fechado, conforme esperado. Mas o interessante era ver mercadorias das lojas fechadas expostas. No máximo cobertas por panos e tal. Mas expostas a eventuais ladrões que quisessem arriscar. Claro que ficava imaginando isso no Brasil, onde rouba-se até flor de canteiro. Vi pessoas que pareciam polir o chão com areia (!!). Havia uma barraca vendendo ingressos para a Amir Cup, que rolaria dias depois. Ingresso mais caro, para a final, era 100 QAR. Bem mais em conta que ingressos no Brasil. Segui para o Corniche, curti o sol matinal por lá (e quase ninguém no calçadão!), e voltei. Chamamos um Uber e partimos para o aeroporto. Sobraram QAR, que converti para yuan chineses, nossa próxima parada. As acho que teria valido mais a pena converter para USD, sinceramente. Enfim, adeus Qatar!
×
×
  • Criar Novo...