Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''triha das sete cachoeiras''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas e Respostas
    • Destinos
  • Companhia para Viajar
    • Companhia para Viajar
  • Relatos de Viagem
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Lugares que já visitei


Próximo Destino


Ocupação

Encontrado 1 registro

  1. Águas da Prata é uma cidade paulista muito próxima de Poços de Caldas, famosa cidade do sudoeste mineiro, situada na serra da Mantiqueira. A ideia da visita surgiu meio por acaso, fazia algumas semanas que sentia muita vontade de acampar, não tinha muito dinheiro e comecei a pesquisar lugares próximos a minha cidade (Rio Claro-SP) e o acaso me levou para Águas da Prata, assim, procurei saber mais sobre a cidade e depois de descobrir a trilha das setes cachoeiras tive a certeza que ali seria meu destino. Convidei a Carola para ir junto, ela é uma amiga e parceira de aventuras, e ela chamou sua prima Amanda para fechar o grupo da viagem. Saímos numa sexta de manhã da rodoviária de Campinas (o preço de ida-volta Campinas-Águas da Prata gira em torno de setenta reais), chegamos em Águas da Prata depois do almoço e fomos direto para o camping do Paiol (http://www.campingdopaiol.com.br/), fechamos o preço de cinquenta reais por cabeça para todo o final de semana (sexta, sábado e domingo). Montamos as barracas e logo fomos conhecer mais sobre o camping. O Paiol é um lugar muito estruturado para acampamentos, com banheiros limpos, grande área de camping, opções de chalés, uma lanchonete a preço justo, wifi, além de sua bela natureza. Nesse primeiro dia ficamos andando por todo o camping, conhecemos vários trechos do rio que corta o local, tomamos algumas cervejas, conversamos muito, pegamos dicas sobre a trilha das sete cachoeiras, deitamos a beira do lago e terminamos o dia comendo pizza ao som de músicas nostálgicas. Foi um dia tranquilo, bom para descansar, estar junto a natureza e colocar as saudades em dia. No outro dia acordamos bem cedo, tomamos café da manhã e seguimos para a trilha. Saindo do camping é fácil achar o início da trilha, é só atravessar o outro lado da pista (próximo ao pedágio) andar alguns metros e se deparar com um acesso quase vertical com uma corda, esse primeiro obstáculo é um pouquinho complicado, mas com a corda fica fácil subir. Depois da subida já encontra-se na linha do trem e é só seguir a esquerda (tirando como base a posição da subida), pelo que me lembro a caminhada dura uns 40 minutos em passos tranquilos, esse trecho é bonito demais, os olhos se enchem com a beleza do lugar e suas paisagens do horizonte. No meio de uma curva acentuada para a esquerda existe um acesso a direita do trilho e é nesse acesso que inicia a trilha das setes cachoeiras. Depois de uma descida grande e chegar numa parte baixa, avista-se a primeira cachoeira. Que lindeza de lugar, a cor peculiar da cachoeira deixa tudo mais bonito. Depois a trilha segue sempre no sentido contrário ao rio, sempre subindo. Passa por uma, duas, três cachoeiras e o lugar não cansa de surpreender. Não é difícil achar a continuidade da trilha, é só ter em mente que é preciso seguir contra o sentido do rio e procurar caminhos em volta e esses caminhos são bem marcados. Nesse dia, muitos casais se arriscaram a fazer a trilha até as primeiras três cachoeiras e depois desistiram. Nós três e um casal de russos com guia local fomos os únicos a fazer todo o percurso. Continuando. Às vezes, surge um ou outro ponto mais íngreme, mas nada de muita dificuldade. Quando chega-se na sexta cachoeira para seguir para a sétima é preciso enfrentar um paredão de 90 graus e uns 4 metros de altura, os cipós incrustados facilitam a tarefa. Depois dessa subida, vendo o ponto alto da trilha, agora estamos acima de morro e é possível ver toda a serra da mantiqueira, tudo muito lindo. Em contrapartida, aqui o sol atrapalha, pois sai a vegetação fechada, mas nada que tire seu sorriso do rosto. Depois é só questão de tempo chegar na última cachoeira, que por sinal é a mais bonita, enfim o melhor sempre fica pro final. Era agosto então estava frio nesse dia, mesmo assim arriscamos entrar na água nessa cachoeira, a água estava congelante, mas valeu muito a pena sentir um pouco dessas águas cor de prata. Depois voltamos pela pista de terra. No total levamos umas sete horas para concluir o percurso, até de volta ao camping. Não tivemos pressa nenhuma, aproveitamos o tempo necessário em cada lugar. Se caso decida fazer é bom levar uns dois litros de água para a caminhada, pois é cansativa, mas prazerosa. No resto do dia, tomamos algumas cervejas, conversamos e no início do luar já estávamos dormindo. No domingo desfizemos acampamento e pegamos uma carona para o centro da cidade. Águas da Prata é um charme e aos domingos tem uma feira cheia de coisas boas para comer. Passeamos pela cidade, comemos bem, conhecemos alguns pontos e no fim da tarde pegamos a ônibus de volta para Campinas. Para quem mora em São Paulo ou Minas Gerais é uma opção barata, próxima e surpreendente para passar um final de semana mais próximo a natureza, um final de semana de leveza. A cidade e sua natureza é toda bonitona e charmosa, o clima é agradável e o céu estrelado. Gostei muito desses meus dias ali e recomendo demais o lugar e, principalmente, a trilha das sete cachoeiras. Qualquer dúvida é só comentar aqui. Um abraços a todos e fiquem em paz.
×
×
  • Criar Novo...