Ir para conteúdo
Roberto Sarti

Ferrotrekking - 1ª Caminhada da Estação Mathilde x Ibitiruí x Estação Matilde, Alfredo Chaves-ES

Posts Recomendados

Nossa aventura começa as 6:30 h da manhã, horário em que o Emerson passou lá em casa, em Guarapari, no dia 05/11/20122 pra juntos irmos até Mathilde, em Alfredo Chaves-ES para começarmos nossa caminhada. Chegamos em A. Chaves (40 km) por volta de 7:30 h e fomos tomar um café pra agüentar a jornada. Já havíamos comprado o lanche (que na verdade eram somente 1 penca de bananas) e a água mineral em 2 garrafas de 500 ml. Rapidamente saímos de A. Chaves e seguimos em direção a Mathilde (18 km) de onde partiríamos para nossa caminhada. Chegamos a Estação Ferroviária de Mathilde por volta de 8:05 e após guardarmos roupas e capacetes no baú da moto, seguimos pela ferrovia em direção ao distrito de Ibitiruí, também conhecido como “Engano”. Abaixo uma nota:

 

"Este é um aspecto totalmente desconhecido da história da região serrana. Não fosse isso, a ferrovia, a partir de Ibitiruí (antigo Engano, por causa disto), tomaria a direção de Richmond e Rodeio (que talvez deva seu nome a ferrovia que nunca teve e aonde iria encontra-la a Estrada de Ferro do Piúma ao Rodeio, que nunca saiu do papel), passando pelas atuais localidades de Paraíso (em frente a igreja de Santo Antônio) e Concórdia (a igreja está sobre o antigo leito), onde ainda hoje podem ser vistos cortes, aterros, bueiros e até cabeceiras de pontilhões, já próximo de Soturno, sobre o rio Novo. Quando o leito chegou a Engano, o Gov. Gerônimo Monteiro, que era muito amigo do Coronel Carles Gentilomem - que morava em Guiomar - mudou a direção de Richmond para Guiomar, a pedido do Cel. Quando eu estudei com os salesianos em Jaciguá, tive oportunidade de ver vários cortes no solo abandonados em função da modificação.

Penso que ENGANO deveria preservar o antigo nome para registrar e comprovar um capítulo da corrupção já existente na velha república."

 

 

20111110133359.jpg

20111110133428.jpg

20111110134136.jpg

20111110134250.jpg

 

Logo no início da caminhada tem-se a linda imagem da Cachoeira Engenheiro Reeve, com cerca de 70 metros de altura, muito procurada para a prática do rapel. Seguimos caminhando e curtindo as belezas do caminho. Fazíamos algumas paradas pra fotos, ou pra tomar água, comer umas bananinhas...pela ferrovia tem-se um desgaste grande nas juntas e articulações, por causa do relevo de pedras e o descompasso em se caminhar por sobre dormentes. A passada não é regular, igual. Muito cansativo, mas vale a pena. Caminhar sobre trilhos nos traz uma nova visão sobre a natureza entrecortada pela ferrovia.

 

 

20111110134416.jpg

20111110134506.jpg

20111110134603.jpg

20111110134616.jpg

 

Acima e abaixo, vista da Cachoeira de Mathilde.

 

 

 

20111110134839.jpg

20111110134952.jpg

20111110135009.jpg

20111110135027.jpg

 

A caminhada era relativamente curta, cerca de 10 km pelos trilhos, mais 8 km pela estrada de terra retornando ao ponto de partida. Fomos batendo papo, tirando fotos, apreciando as diferentes paisagens que surgiam, os pássaros, riachos, pequenas nascentes e outras tantas atrações. Passamos por dois pontilhões, o que pra nós já é normal. Algo que sempre me chama a atenção nas caminhadas pelos trilhos é o silencio, somente interrompido pelo canto dos pássaros, ou cachoeiras, ou ainda o vento uivando nas árvores.

 

 

20111110135149.jpg

20111110135209.jpg

20111110135246.jpg

20111110135305.jpg

20111110135602.jpg

20111110135624.jpg

20111110135639.jpg

Acima, Cachoeira da Vovó Lúcia vista da ferrovia.

 

Após 2:40 h chegamos ao fim da linha, ou pelo menos da nossa linha: a Estação de Ibitiruí. A partir dali seria o retorno pela estradinha de terra batida, onde alcançaríamos o segundo objetivo: a Cachoeira da Vovó Lúcia. Lugar lindo, mas sem nenhuma placa de indicação ou divulgação.

 

 

20111110135847.jpg

20111110135902.jpg

20111110140024.jpg

20111110140038.jpg

 

Chamamos o pessoal da casa, e quem nos atendeu foi o Gerson, um rapaz super gente boa que iniciou um animado bate papo, falando sobre a Cachoeira, o tempo em que ele viveu em Guarapari e nos levou para conhecer as duas quedas d’agua, que compõem a Cachoeira. Realmente um lugar de rara beleza.

 

 

20111110140238.jpg

20111110140254.jpg

20111110140331.jpg

20111110140352.jpg

 

Foi conversando sobre os planos e projetos que ele tem pro lugar, das pessoas que sempre visitam e passam o dia na Cachoeira e após uns 20 minutos, nos deixou e nos deu liberdade pra conhecer e permanecer no local. Varias fotos depois, descemos até a segunda queda, que é mais bonita do que a primeira queda, onde por já estarmos suados e um pouco cansados dos trilhos, resolvemos nos refrescar. A agua estava numa temperatura muito agradável e convidativa ao banho. Bora então....rsrs..

 

Primeira queda....

 

 

 

Segunda queda....

 

Após o renovo proporcionado pelo banho, seguimos viagem pela estradinha, restando então aproximadamente 7 km até a Estação de Mathilde, nosso ponto de retorno.

 

 

20111110141537.jpg

20111110141646.jpg

20111110141718.jpg

20111110141907.jpg

20111110141933.jpg

 

Lugar simples, fica num vale entre as Cachoeiras de Mathilde e da Vovó Lúcia. A hora foi passando e já era mais de 1 da tarde, pois ficamos bastante tempo na Cachoeira, recuperando as energias. Continuamos com belas paisagens a nos rodear, até que saímos no asfalto, próximo a cachoeira de Mathilde. Dali a estação era quase 1 km. Chegamos a Estação e pudemos ver que estava toda enfeitada, por conta da comemoração de 101 anos de fundação e 1 ano de restauração. A nova estação é um ponto turístico com alto índice de visitação pública, pois oferece além de fotos antigas que nos levam a uma viagem no tempo, música, objetos da época e uma lojinha com produtos caseiros e artesanato.

 

 

20111110142148.jpg

20111110142218.jpg

20111110142306.jpg

20111110142338.jpg

20111110142438.jpg

20111110142455.jpg

 

Ainda tem o túnel que também é bastante procurado por aventureiros que descem na mais completa escuridão, apenas tateando o piso e as paredes (essa é a aventura) e depois retornam escada acima. O túnel fica a cerca de 1,5 km da estação ferroviária. Mathilde também conta com duas áreas de camping, com total infraestrutura e muito procurada em feriados e carnaval. Uma das áreas de camping conta com chalés a R$ 120,00 a diária (preço dessa data) com café da manhã e almoço incluso. Pra se ter uma idéia, talvez não se achem mais vagas nos chalés para o carnaval 2012. A diária para acampar é de R$ 20,00 por pessoa. O telefone de lá é 027 3269 2040. Já o telefone do Gerson, da Cachoeira da Vovó Lúcia é 027 9988-7205.

 

Minha próxima caminhada será de Ibitiruí x Vargem Alta-ES, cerca de 30 km, que pretendo fazer em dois dias. Está marcada para o fim de novembro, mas vamos ver se vai dar tudo certo.....

 

Todas as fotos dessa caminhada no facebook http://www.facebook.com/media/set/?set=a.190462827699589.47212.100002076191035&type=3

 

Vlw.......

 

 

20111110142704.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora


×