Ir para conteúdo
Entre para seguir isso  
Fabio Novais

Travessia Serra do Caparaó ano novo no Bandeira 2015

Posts Recomendados

30.12.2014

De Santa Barbara para São Paulo, saida as 14:00, chegada as 17:00 e espera ate as 19:00, com destino a Manhumirim. Esse era o primeiro objetivo da aventura.

 

31.12.2014

Depois de 11 horas de viagem o novo destino era Alto Caparaó, mas o ônibus ja tinha saído e o próximo somente as 9:00, e no meu cronograma seria muito tarde, então rachei o taxi e cheguei no parque por volta das 9:00.

Chegando ao parque fiz o registro, peguei meu numero de identificação, 31, paguei 24,00 referente a entrada e duas diárias e com mochila nas costas iniciei a jornada.

Da portaria até Tronqueira são 6,44 Km, com um desnível continuo considerável, e rodeado de lindas paisagens.Em um certo momento, ja numa subida sem fim, parou um Jeep, oferecendo carona, aceitei prontamente, pois isso ajudaria a ganhar tempo até o Terreirão. Distancia entre Tronqueira (que eu ainda não havia chegado) e Terreirão é de 5 Km.

No Jeep estava Thais, Lu e Renato, que são de SP, e assim que começamos a conversar descobrimos nossos interesse em comum, a travessia, e assim formou um grupo.

Chegando na Tronqueira, visitamos o mirante e ja seguimos o rumo para Terreirão.

Durante a subida, Lu ria, pois lembrara sobre a carona, que segundo ela, quando perguntado sobre a carona, fiz " cara de quem ganhou presente de Natal". rsrs

Na subida que achei bem tranquila, o rio nos acompanha sempre pela esquerda, com quedas d'agua lindas, e piscinas naturais, onde numa delas paramos, e Renato nadou, Lu ficou comendo sua maça, Thais deu um meio mergulho e eu fiquei registrando tudo.

Depois de um momento de descontração, pegamos a trilha novamente, passamos pela araucária, um dos pontos de referencia, e um lindo local.

O caminho é bem marcado, sem chances de se perder, e em algumas horas chegamos a Terreirão.

Montei minha barraca em frente a casa de pedra, e logo estaria com vizinhos, outras pessoas que chegaram após nós, e eram o Ricardo, Lívia e Carla.

Preparei minha janta, e depois de comer meu macarrão, fui visitar meus amigos de caminhada, que estavam lanchando, Levei um pacote de sopão e um saquinho de suco Tang de manga, que adoraram rsrsrsrs.

No cair da noite recebemos mais visitas, os besouros, que atacavam Thaís intensamente .... foi muito engraçado, os besouros colocaram todos pra correr, se esconder em suas barracas.

Ultimo dia do ano, noite fria, silenciosa, pois não havia a bagunça da cidade, momento de paz.

 

01.01.2015

Vamos !!! Vamos!!!

Ataque ao Pico da Bandeira, acordei por volta da 1 da manha, preparei meu café da manhã, desmontei minha barraca, arrumei minhas coisas e esperei o pessoal acordar, que o combinado era sair as 2.

Os vizinhos saíram as duas, Ricardo, Lívia e Carla, mas Renato, Lu e Thais, atrasaram e saímos as 3 horas.

Atras de nós ja não havia ninguém, eramos os últimos, e o sol nasceria as 06:05, e nosso tempo estava cronometrado.

A subida não é tão pesada, tem um desnível considerável, porem, se tiver um preparo físico bom, ja ajuda.

Na noite as lanternas são fundamentais, jamais esqueça a sua, eu como tinha 3 na mochila, emprestei uma a Thaís que estava sem. E no meio da escuridão, fizemos varias paradas por conta da Lu que estava cansada, e por duas vezes perdemos a trilha, onde o GPS ajudou muito.

E tivemos novas paradas, e o tempo correndo, hora disparando e ja tinha percebido que não iria ver o nascer, mas na subida mais íngreme para o ataque, com a mochila nas costas não pude parar, deixei o grupo descansando atras e segui, no meu ritmo, para o alto e avante.

Ja avistava o Cristo, ja era visível o céu laranja, e ainda tinha uns metros, para o ataque final, me viro para trás e renato também, estava quase chegando, Lu e Thais ficaram pelo caminho.

As 06:10 chegamos ao cume, e ainda pegamos o sol, espetacular num ceu limpo, e o tapete de nuvens abaixo do pico, cena espetacular para começar o ano, e assim tivemos o primeiro nascer do sol do ano.

Sessão de fotos, momento de registar a placa do IBGE, sentar, curtir o visual, descansar, e começar a pensar no próximo ataque, que é mais fácil que o Bandeira, porem, temos que descer uns níveis e subir novamente um desnível, e esta tao bom sem a mochila rsrsrs...

Thaís chega em alguns momentos depois, Lu ficou na bifurcação de acesso ao Bandeira x Calçado, e assim descemos nós três para a próxima missão.

Pico do Calçado, após a breve descida e uma subida, estávamos num ponto muito lindo, com uma vista diferente do Bandeira no alto e um paredão imenso, com um vale mostrando como somos pequenos. Com o Bandeira nas costas, o Calçado estava a poucos metros a frente e o Cristal a nossa direita, como uma seta apontada para o céu.

Atingimos o Pico do Calçado, sem nenhuma dificuldade, localizamos a placa do IBGE, que é minha primeira meta rsrsrsr, novas fotos, novo descanso, e a duvida, vamos ao Cristal ?

Minha intenção principal era atacar os 3 Picos e seguir o rumo para a Casa Queimada.

mas como Lu estava com vertigem e cansada, resolvemos abortar o Cristal e seguir direto, fim do projeto 11+ BR.

Numa caminhada foi longa, debaixo de um sol infernal, todos protegidos como podia, eu na falta da luva que não a encontrava e o protetor solar nao dava conta do recado, coloquei as meias mesmo kkkk...

E a jornada toda, parecia que o Cristal, me encarava, dizendo, "vai me deixar pra trás? Certeza? "...

Paramos, bebemos água, comemos, e ele sempre la nos olhando, o trecho ja muito tranquilo de andar, encontramos uma placa indicando 2,5km para o camping Casa Queimada, nesse trecho passamos pela Pedra Duas Irmãs, e logo estávamos no camping.

Barraca montada, comida sendo feita, pensando que no dia seguinte iremos partir, e algo martelando a cabeça, o Pico do Cristal, que o tempo todo esta nos olhando, imponente, querendo engolir nós e o camping, pois de onde estamos vemos perfeitamente.

 

02.01.2015

 

Acordei, sai da barraca, olhei e la estava ele ainda o Pico do Cristal, e de repente o vizinho, Williams e sua esposa, tiveram uma ideia, ja que na noite passada numa longa conversa sobre subir o Cristal, eles levariam as meninas, ate o próximo camping, o ultimo antes da portaria, com as mochilas e barracas, e poderíamos atacar o Pico so com mochilas de ataque.

Ideia aceita, tudo arrumado para a descida delas e nossa subida, pois, Renato decide subir também, e nessa Williams também topa subir, porem, temos que esperar ele voltar do carreto ate o camping. E esperamos, e ja é 8:30, e ele deixou coisas para se comer na mesa e eu vou comendo, um vinho ....9:30, 10:00, 11:30..

Meio dia , decidimos, eu e Renato a subir sem Williams, tempo fechado, chove não chove la vamos nós, morro acima.

Em 90 minutos chegamos ao cume do Pico co Cristal, depois de termos mudado a rota da trilha e criado um atalho, depois de termos escalaminhado o grande Cristal. Ele é menor mas muito mais divertido de subir, e quando chegamos no topo, estávamos cercados por nuvens escuras, que fechavam toda sua volta, estávamos numa janela de tempo bom.

Ficamos o tempo suficiente para registrar o momento e descer para não sermos pego pela chuva, mesmo ficado pouco tempo, valeu a pena, pois não desisti dele.

Do alto do Cristal traçamos uma rota alternativa e descemos varando mato, ate chegarmos numa cachoeira, e descemos num trekking exploratório pelo leito rochoso até o camping Casa Queimada.

Trilha essa cheia de bambuzinhos, sobe e desce em pedras, escorregões, e sempre na pressa de escapar da chuva.

no ritmo de missão cumprida, chegamos ao camping e Williams e esposa ja nos esperavam, explicaram a demora da parte deles, e nos ofereceram um almoço que foi aceito de imediato.

Com barriga cheia, chuva chegando, colocamos os pés para andar até onde as meninas estavam na Macieira.

E nessa longa caminhada, fomos premiado com a chuva que nos atingiu, uma chuva pra comemorar nosso feito, a nossa não desistência.

Chegando na Macieira, hora do banho quente, que la tem, montar a barraca, jantar e deitar, pois a chuva não para e o jeito é descansar e curtir as fotos feitas.

 

03.01.2015

A despedida.

As nove horas com tudo arrumado, Olívio o taxista, que as meninas haviam conseguido, estava nos levando para a portaria em ES, pagamos o dia extra, nos despedimos do Parque Nacional do Caparaó e terminado nossa travessia.

 

 

Video:

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

Entre para seguir isso  

×