Ir para conteúdo

Coréia do Sul - Guia de Informações


Posts Recomendados

  • Membros de Honra

História

 

Os primeiros moradores da península da Coréia, acredita-se que eram tribos migratórias que vinham do centro e norte da Ásia. Estes povos trouxeram consigo um idioma, uma cultura e uma religião animista.

O primeiro reino da Coréia chegou como conseqüência de uma aliança entre as tribos do norte, devido às constantes guerras com os chineses por volta do primeiro século da nossa era. Quatro séculos depois se unificou a metade norte. Na metade sul dominavam, durante o século III os reinos de Pilla e Paekje. Começava o período dos Três reinos que duraria quatro séculos.

China sempre influiu sobre Coréia, sobretudo no referente à religião, com o budismo, e Coréia por sua vez influia sobre o Japão. No século XIX houve uma série de conflitos entre os senhores rivais aparecendo a dinastia Koryo, que também recebeu as ameaças de outros reinos como o dos mongóis, até que esta finalmente, caiu. O neo confucianismo deslocou o budismo, com a dinastia nova de Yi Song-Gye. No fim da Idade Média reinou Sejão, que inventou uma escrita fonética incrementando o alfabeto. A invasão japonesa nos finais do século XVI foi um desastre para Coréia. Nos seguintes anos vieram novas lutas contra os chineses e invasões dos manchus, como conseqüência Coréia isolou-se durante um século e foi conhecido como o Reino Eremita.

Os japoneses ocuparam a Coréia explorando-a até a Segunda Guerra Mundial. Pouco depois foi ocupada pelos russos no Norte e os norte-americanos no Sul. Colocando a Coréia em um conflito político, que terminou na guerra da Coréia e deixou o país em ruínas.

Em 1948, realizaram-se eleições na Coréia do Sul que levaram Syngman Rhee à presidência da nova república, proclamada em 15 de agosto do mesmo ano. Foi esta a primeira república sul-coreana, que representou 12 anos de governo autoritário. Em 1950, a invasão do país pelas tropas norte-coreanas provocou a guerra da Coréia, que só terminou com o armistício de 27 de julho de 1953 e destruiu 43% do parque industrial sul-coreano.

A China exigia que todas as tropas estrangeiras abandonassem a península, mas os Estados Unidos não concordavam com a retirada das forças das Nações Unidas. Os países socialistas propunham o restabelecimento do paralelo 38 como fronteira entre as duas Coréias, enquanto os Estados Unidos queriam fixá-la nas últimas linhas da frente de combate. Um outro problema era o dos prisioneiros de guerra, muitos dos quais não queriam voltar a seus países de origem, que reclamavam seu retorno. Depois de difíceis negociações, concordou-se em fixar a fronteira entre as Coréias na linha de batalha, e as Nações Unidas se encarregaram do problema dos repatriados.

Em 1954, Rhee conseguiu que a Assembléia Nacional o nomeasse presidente vitalício. Em março de 1960, o descontentamento geral obrigou-o a renunciar e ele se refugiou no Havaí.

A segunda república durou apenas nove meses. Nesse período, o Parlamento se fortaleceu, em contraste com o forte presidencialismo do anterior. Um golpe militar derrubou o governo em 16 de maio de 1961. A junta que assumiu o poder dissolveu a Assembléia e proibiu todas as atividades políticas, impôs a lei marcial e criou um Conselho Supremo de Reconstrução Nacional, presidido pelo general Park Chung-Hee. Em novembro do ano seguinte, reformas constitucionais deram mais poder ao presidente e enfraqueceram a Assembléia. As mudanças na constituição foram aprovadas por plebiscito em dezembro de 1962.

Em março de 1963, Park quis prolongar o governo militar por quatro anos, mas encontrou grande resistência civil e teve de marcar eleições para o fim do ano. O próprio Park concorreu como candidato à presidência pelo Partido Democrático Republicano. As eleições que deram origem à terceira república foram realizadas em 15 de outubro de 1963. Park venceu por pequena margem, obtendo também maioria no Parlamento.

Em outubro de 1969, após graves distúrbios, Park recorreu a um plebiscito para se reeleger para um terceiro mandato quadrienal. Acabou derrotando a oposição do Novo Partido Democrata, de Kim Dae-jung, embora esse grupo tivesse ampliado sua representação no Parlamento. Em dezembro de 1971, Park declarou estado de emergência nacional, em outubro do ano seguinte dissolveu a Assembléia e suspendeu a constituição. Em dezembro de 1972, implantou-se um novo regime constitucional que previa a reeleição indefinida dos presidentes para mandatos de seis anos.

Park adotou um novo sistema político, conhecido como "Yushin", isto é, revitalização e reforma. Instaurou-se uma Conferência Nacional para a Unificação, organização baseada na "vontade coletiva do povo", cujo fim era "obter a unificação pacífica da pátria". A Conferência reunia entre dois mil e cinco mil membros eleitos por um período de seis anos, tendo como presidente o próprio Park. Este organismo também elegia dois terços da Assembléia Nacional e aprovava as emendas constitucionais propostas por esta. Em dezembro de 1978, Park foi reeleito segundo o novo sistema.

Na gestão de Park, a Coréia do Sul logrou um impressionante crescimento econômico, sobretudo durante o terceiro plano qüinqüenal, entre 1972 e 1976, quando o produto interno bruto cresceu 11,2% por ano. O volume de exportações sul-coreanas chegou a dobrar e a indústria de construção obteve contratos no exterior. Esses resultados se deveram a uma política de diversificação da produção industrial e de modificações nas estruturas econômicas nacionais. Além disso, adotou-se uma política de distribuição de renda que garantiu a ordem social.

Park foi assassinado, segundo a versão oficial, em 26 de outubro de 1979, por Kim Jae-Kyu, diretor da Agência Central de Inteligência da Coréia. Cinco guardas do presidente também foram mortos nesse incidente, que não ficou esclarecido. Pela primeira vez na história do país um governante foi eliminado nessas circunstâncias.

Depois da morte de Park, o primeiro-ministro Choi Kiu-han assumiu a presidência provisória e em dezembro foi efetivado no cargo. No princípio, tudo indicava que o novo presidente iria liberalizar a vida política do país. Todavia, o poder logo voltou às mãos dos militares, que em maio de 1980 proibiram as atividades políticas, ampliaram a lei marcial e suprimiram os focos de resistência civil, como as universidades, que foram fechadas.

Após um período de desordens, em 27 de agosto de 1980 foi eleito presidente provisório o general Chun Doo Hwan, que prometeu anular a constituição Yushin. Em 27 de outubro daquele ano, inaugurou-se a quinta república. A nova constituição limitou os poderes presidenciais em favor da Assembléia e o mandato presidencial ficou reduzido a um único período de sete anos. Chun foi eleito presidente em fevereiro de 1981.

O Partido Democrático da Justiça, apoiado pelo presidente, tornou-se majoritário na Assembléia Nacional, ficando na oposição os partidos Democrático e o Socialista Democrático. O enfraquecimento da economia e a corrupção política provocaram uma reforma no governo em 1982. Ao mesmo tempo, as relações com a Coréia do Norte, que haviam melhorado temporariamente com Chun, passaram por uma fase conturbada. Em 1983, diversos diplomatas sul-coreanos morreram em um atentado em Rangum, na Birmânia (atual Myanmar), e um avião civil do país foi abatido por mísseis soviéticos. Em 1987, pressões internas e externas obrigaram o presidente a submeter a plebiscito um projeto de lei que democratizava a vida política nacional. Nesse mesmo ano, foram realizadas eleições presidenciais, com a vitória do candidato do partido oficial, Roh Tae Woo, que assumiu o poder em 1988, ano em que Seul foi sede dos jogos olímpicos.

 

Fonte: portal São Francisco

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros de Honra

Informações Gerais

 

Vistos Consulares: Brasileiros estão isentos de visto à turismo para permanência de até 90 dias.

 

Custos: Para um país desenvolvido, a Coréia pode ser um lugar extremamente barato para se viajar: Transporte, refeições simples coreano e lanches, bebidas alcoólicas. E os esplêndidos parques nacionais são de graça.Pode-se ficar em albergues ou os motéis mais baratos ou yeogwan, evitando refeições caras e viajando em ônibus, pode facilmente chegar até em torno de W50, 000 por dia, provavelmente, menos ainda se for gastos com cuidado. Para aqueles que desejam viajar com mais conforto, um orçamento de cerca de W100, 000 por dia é mais realista. Se os requisitos de sua viagem são quatro estrelas ou superior, este salta para, pelo menos, W300, 000.

 

Moeda: A unidade sul-coreano da moeda é o won (W), que vem em W10, W50, W100 e W500 moedas. Notas vêm em denominações de W1000, W5000, W10. 000 e recentemente lançou o W50.000.

Bancos nas ruas principais oferecem serviços de câmbio. Lojas para turistas e hotéis também efetuam câmbio. Dólares americanos são os mais fáceis de trocar, mas qualquer grande moeda é aceita. Os cheques de viagem têm uma taxa de câmbio um pouco melhor do que dinheiro.

Não se esqueça de reconverter qualquer excedente antes de deixar o país, como a troca de Won fora do país pode ser difícil ou impossível. Se você converter mais de $ 2000 dólares em Won no aeroporto de Incheon, você terá que mostrar recibos bancários para provar que você trocou o dinheiro legalmente.

 

Quando ir

A Coréia tem quatro estações bem distintas, cada uma com suas próprias características. A melhor época do ano para visitar é o outono, de setembro a novembro, quando o céu está azul, o tempo é geralmente ensolarado e quente e as montanhas arborizadas estão com cores surpreendentes.

A Primavera, de abril a junho, é outra bela estação, com temperaturas geralmente suaves e flores de cerejeira espalhadas por todo o país em abril, mas como o outono, alguns dias pode ser frio, portanto traga roupas quentes.

O Inverno, de dezembro a março, é seca, mas muitas vezes amargamente frio, especialmente em partes do norte. Ventos siberianos diminuem as temperaturas em janeiro, na maioria do país (exceto Jejudo) para abaixo de zero. Esta é a época do ano, quando você realmente aprecia o ondol ( aquecimento do assoalho) e Oncheon spas (aguas termais), bem como as saunas onipresente e sopas picantes. Neve branca no telhado de casas hanok (tradicional) é muito pitoresca, e no inverno é o momento para esqui e snowboard.

Tente evitar o pico do verão, no final de Junho a final de Agosto, que começa com a estação das monções, quando o país recebe cerca de 60% de sua precipitação anual, e é seguido por tempo desagradavelmente quente e úmido. Embora o ar condicionado faça verões muito mais suportáveis durante estes dias, muitos moradores das cidades fogem para as montanhas, praias e ilhas, que ficam lotados, e os preços de acomodação duplicam. Há também a possibilidade de um tufão ou dois.

 

Fonte: Lonely Planet

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros de Honra

Principais atrações

 

SEUL

598d9e8cbb929_coreiadosul.jpg.f37b2b5cc215c8250bf6f7027ad8f904.jpg

É o maior atrativo do país. Tem-se convertido em uma moderna cidade cosmopolita salpicada de restos antigos como templos, pagodas, etc., os quais dão-lhe esse peculiar marco de atemporalidade.

Da Torre Namsan, em cima da montanha de mesmo nome, pode-se divisar a cidade de Seul.

Entre os lugares que destacamos para o visitante está o Palácio de Kyongbok, construido em 1392 e, devastado por um incêndio em 1592 durante a invasão japonesa, finalmente, foi reconstruido em 1867. Ali também encontra-se o Museu Folclórico Nacional, o Museu Nacional e não longe dali, os Reais e Ancestrais Altares de Chongmyo, envoltos em um parque cheio de árvores, que acolhem os ancestrais tablilhas dos 27 reis e rainhas da Dinastia Yi.

Outro dos palácios importantes de Seul é o Palácio de Changdok, um dos mais conservados, residência da família real da Coréia. Ali encontra-se o Jardim Secreto com pavilhões, tanques e preciosas pontes de pedra dignas de admiração.

O Museu de Arte Moderna encontra-se no Palácio Toksu. O Parque da Págoda aloja à famosa Págoda Koryo de 10 andares e o Sino de Seul.

Para o sul do rio Ham encontra-se o Estádio Olímpico, que tem capacidade para 100.000 espectadores.

As Aproximidades de Seul

Por outro lado, um dos atrativos de tremendo interesse histórico da península são as Fortalezas da Montanha de Seul. Os seus muros podem chegar até os 7 metros de altitude e encontram-se muito bem conservadas. A fortaleza norte, caracterizada pelas suas maciças portas chama-se Pukhansansong e a sul Namhansansong, perto da cidade de Songnam, ao leste de Seul, ambas constituem um espetáculo incomparável para o turista.

Perto dali, encontram-se os Túmulos Reais da Dinastia Yi, envolvidos por esculturas talhadas em granito, que representam animais místicos e reais.

seul.jpg.fb8e654c626c695fca9646067615c185.jpg

 

SUWEON

Esta cidade fortificada tem sido recentemente reconstruida e representa um legado histórico incomparável. Dali pode visitar a aldeia Tradicional Coreana, que representa modelos de vivenda tradicionais que incluem ateliers e templos.

A aldeia de Panmunjom é interessante, por ser o lugar onde pactuaram a trégua na linha de cessar de fogo, nos finais da Guerra da Coréia e onde ainda discutem sobre a reunificação da Coréia.

 

CHUNCHEON (O NORTE DA CORÉIA)

Na zona dos lagos do norte da Coréia está Chuncheon, capital da província de Kangwon-do. Uma impressionante zona montanhosa onde desfrutará da formosa paisagem dos lagos Soyang e Paro e os Parques Nacionais de Sorak-sam e Odae-san.

Cascatas, templos, ermitas, estátuas budistas, misturados com uma exuberante natureza, são a atração diária daqueles que desfrutam com os mistérios asiáticos.

Uma excursão interessante muito popular é a visita ao Observatório da Unificação, desde onde poderá desfrutar das melhores vistas da Coréia do Norte e as Montanhas Diamante.

 

CENTRO DA CORÉIA DO SUL

Podemos iniciar o percurso na capital da província de Chung Cheong Nam, Taejon. Perto dali encontram-se numerosos templos e formosos parques nacionais.

O maior Buda de pedra do país que data do ano 968, encontra-se em um templo perto de Nonsam e é famoso pela sua estrutura de granito de 18 metros de altitude. Se quiser fazer uma excursão de filme, pode-se chegar através de uma ponte de cordas de aço entre as paisagens rochosas que levar-lhe-ão a descobrir as maravilhas que oferece o Parque Provincial Taedun-san.

Outro Buda de 33 metros de altitude encontra-se em um dos maiores templos da Coréia. O Templo Popju-sa, construido recentemente sobre outro. Encontra-se rodeado das inacreditáveis vistas do Parque Nacional Sogri-san.

Conta a lenda que três mil damas jogaram-se ao rio Paek, desde uma colina em Puyo, última capital do reino Paekje (hoje ergue-se ali um museu), para não ser capturadas pelos invasores durante o império Paekje. Dali pode-se visitar Kongju, onde nos anos 70 encontraram um importante túmulo. A cidade está rodeada de templos entre montanhas de bosques e arroios cristalinos.

 

KYONGJU

Nesta cidade encontrará magníficas vistas de beleza sem igual e relíquias históricas nos seus templos, estátuas budistas e desenhos nas rochas. O lugar mais interessante é o Parque dos Túmulos, que conta com 20 túmulos reais. Nas montanhas que vão desta cidade a Pohang, na costa leste pode-se encontrar numerosas relíquias do reino Silla.Frente à costa sul da praia Taebam está a pequena ilha rochosa de Taewaeng-am.

 

TAEGU

Em Taegu encontra-se um dos maiores mosteiros e mais populares do país. Não pode deixar de vê-lo.

No meio do Mar Oriental que separa Coréia do Japão encontra-se a misteriosa ilha de Ullung-do, à qual poderá chegar através de um Ferry, desde a cidade de Pohang, na costa leste.

 

O SUL

 

PUSAN

É o porto principal da Coréia e a segunda cidade em importância. Desde a torre que leva o nome da cidade, poderá contemplar belas vistas. Cerca dali encontra-se um dos maiores templos da Coréia, entre impressionantes paisagens de montanhas, o Togdo-sa.

No meio docaminho da paisagem de montanha que extende-se ao longo da costa sul da Coréia encontra-se Yeosu. Dali poderá chegar a uma inacreditável zona de ilhas e penínsulas que formam parte do Parque Nacional Hallyo.

No sul também poderá visitar a moderna cidade de Kwangju e o Porto pesqueiro de Mogpo, na ponta sudoeste da Coréia continental.

 

ILHA DE CHEJUDO

Dali poderá chegar à ilha Chejudo, que conta com uma história própria e um vulcão chamado Halla, na montanha mais alta da Coréia do Sul e outro conhecido por Sogwipo, no qual também há uma impressionante catarata de nome Chong-bang. Ali contarão algo sobre o enigma das pedras dos avôs, talhadas na rocha de lavra "harubang".

Cheju é a capital da ilha onde achará casas feitas de pedra de lavra. Também desfrutará da possibilidade de chegar a outras muitas pequenas ilhas de beleza natural.

Outra ilha interessante, célebre pelas suas algas, é a ilha de Wando ligada a terra firme por uma ponte.

 

Fonte: Rumbo.com.br

Link para o post
Compartilhar em outros sites
Visitante
Este tópico está impedido de receber novos posts.
×
×
  • Criar Novo...