Ir para conteúdo
Entre para seguir isso  
GUILHERME TOSETTO

Dicas - Alimentação saudável

Posts Recomendados

Você gosta de consumir salsichas, presuntos, mortadelas, etc?? Faz o mesmo com seus filhos??

Se você o faz em grandes quantidades, fique atento!!! Esses produtos têm adição de nitritos e nitratos, substâncias que atuam na cor do produto e na sua conservação, mas que em quantidades grandes podem ser extremamente prejudiciais à saúde.

Vejam o relato abaixo:

 

Os nitratos, o meio ambiente e a saúde

Os nitratos representam grave problema para a segurança alimentar, principalmente porque podem se transformar em nitritos — quer durante a conservação dos alimentos entre a colheita e o consumo, quer dentro do aparelho digestivo. A possível síntese de nitrosaminas cancerígenas a partir de nitritos (provenientes, por exemplo, de pesticidas) e de diversas aminas, causa grande preocupação. A ingestão de altas doses de nitratos e nitritos pode causar câncer do estômago e do esôfago.

 

Os nitratos são especialmente perigosos para os bebês, porque causam uma grave doença do sangue que pode ser fatal. Também foram divulgados outros efeitos muito sérios sobre a saúde humana.

 

O alto teor de nitratos nos vegetais cultivados de maneira convencional é conseqüência da utilização maciça de adubos nitrogenados solúveis. A maior concentração de nitratos encontramos nos rabanetes, na beterraba, no espinafre, no salsão e na alface. Algumas outras hortaliças, como as batatas, contêm concentrações menores de nitrato, porém, consumidos em grande quantidade, podem tornar-se fonte importante de nitratos.

 

Os nitratos e nitritos são comumente usados como conservantes e colorantes para carne, embutidos e alguns derivados de peixe. Além disso, o excesso de adubos nitrogenados é encontrado nos lençóis freáticos, provocando um aumento constante e perturbador de nitratos na água potável. Em alguns lugares (principalmente na proximidade de criação de gado ou de amplas plantações com adubos químicos), essas águas "naturais" já se tornaram impróprias ao consumo, especialmente para o recém-nascido.

 

Há uma nítida relação entre a concentração de adubos nitrogenados solúveis (utilizados na agricultura convencional) e a quantidade de nitratos contida nas hortaliças. Alimentos orgânicos contêm bem menos nitratos, porque esses fertilizantes nitrogenados não são utilizados na agricultura orgânica. Além disso, o teor mais elevado de vitamina C, encontrado nos vegetais orgânicos, representa uma dupla garantia para a saúde do consumidor, já que a vitamina C é um inibidor muito eficaz da transformação de nitratos em nitritos.

 

Portanto, para obter boa saúde, é importante evitar alimentos e águas que contenham muito nitrato, principalmente para as crianças.

_____

Resumo da palestra apresentada em Belo Horizonte pelo Dr. Jean-Claude Rodet, cientista canadense

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O câncer de próstata é o tipo de câncer mais frequente entre os homens. Muitas já ouviram falar dos poderes do tomate no combate a essa doença.

 

Será que realmente o tomate pode combater o câncer de próstata?

 

Segundo a nutricionista Christianne Oliveira, "na casca do tomate existe um pigmento chamado licopeno, que tem efeitos comprovados contra o câncer de próstata, pâncreas, pulmão e cólon."

 

A profissional adverte que "para ingerir o alimento com casca é necessário ter cuidado redobrado com a higiene, lavando bem antes de qualquer preparo".

 

Além de apreciado como ingrediente culinário, o tomate pode ser utilizado na prevenção e tratamento de diversas enfermidades.

 

Segundo o Farmacêutico, Bioquímico e especialista em Fitoterapia Marcos Stern, "o tomate traz a estimulação da secreção gástrica e da ação depurativa do sangue, é auxiliar em tratamento de pele, gota, reumatismo, astenia e prisão de ventre".

 

Além disso, segundo o especialista, "favorece o crescimento e a ossificação, além de ser auxiliar contra as infecções bacterianas, perturbações digestivas e pulmonares".

 

Algumas pesquisas dizem que o tomate pode ser auxiliar na prevenção de doenças cardíacas, já que uma substância que envolve suas sementes é muito eficaz no impedimento de formação de coágulos.

Os tomates são as fontes alimentares mais ricas em anticoagulantes.

 

É importante alertar que o câncer de próstata não apresenta sintomas aparentes, devendo ser diagnosticado em exames médicos regulares (PSA e toque retal).

 

Portanto, coma muito tomate e consulte o médico regularmente.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Frutas secas são ingredientes recorrentes nas receitas natalinas. Entre elas, uvas-passas têm lugar especial: são características do hoje globalizado "alimento-símbolo" do Natal, o panetone.

A história de seu uso remonta desde o século 4 a.C, passando pelos egípcios, pelo alto cultivo durante o Império Romano, por festas em homenagem a Baco, deus do vinho. Foram até moeda de troca e fonte de energia e nutrientes aos soldados da Segunda Guerra.

São fonte de oligossacarídeos com ação prebiótica (fibras solúveis), fibras insolúveis, boro e ricas em flavonóides e ácidos fenólicos. esses compostos fenólicos, também encontrados na uva in natura e no vinho, têm sido especialmente estudados por seu efeito na prevenção de doenças crônicas degenerativas e do envelhecimento.

São ótimas para a saúde dos ossos, pela concentração de boro, elemento-traço essencial ao desenvolvimento de ossos e ligamentos.

A uva-passa pode ter uma ação preventiva no câncer colo-retal por sua quantidade de fibras em geral. Aceleram o trânsito intestinal, o que pode ajudar na eliminação de agentes carcinogênicos.

A potencial capacidade cardioprotetora da uva-passa está diretamente relacionada ao seu teor de fibras e de compostos fenólicos. As fibras diminuem a absorção de colesterol e influem na produção de ácidos graxos de cadeia curta pela flora intestinal. Os polifenóis podem prevenir a aterosclerose por seu potencial antioxidante e sua atividade anti-inflamatória.

Um estudo recente mostrou que acrescentar uva-passa à dieta tem efeito positivo nos lipídeos sanguíneos, reduzindo os níveis de colesterol LDL (o colesterol ruim) e de substâncias inflamatórias, e não aumenta o nível de triglicérides no sangue, um dado importante na prevenção de doenças cardiovasculares.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O uso da linhaça remonta desde a Antiguidade. Os egípcios cultivavam a planta e utilizavam a fibra para embalsamar corpos já promoviam suas virtudes terapêuticas.

Há duas variedades: a marrom e a dourada. Algumas pequenas diferenças no sabor, na textura e na cor da casca nmão alteram seu ponto de vista nutricional.

As lignanas e as fibras solúveis são os componentes mais valorizados da linhaça.

Os ácidos graxos ômega 3 têm sido relacionados com significativa diminuição de eventos cardiovasculares.A atividade antioxidante das lignanas tem potencial na prevenção e no tratamento do câncer de mama.

A contribuição das fibras alimentares na regulação do trânsito intestinal, na diminuição dos níveis de colesterol, na promoção da saciedade, no controle do diabetes, na prevenção de eventos cardiovasculares e de certas neoplasias está associado ao consumo de linhaça.

essa semente tem sido empregada em estudos clínicos com pacientes portadores de hiperlipidemia, doenças coronarianas, câncer de mama, diabetes, nefrites, obesidade e câncer de próstata.

 

Os estudos sobre os benefícios do uso da linhaça ainda não foram concluídos, mas é inegável seu uso numa dieta balanceada. Sua contribuiçã oem ácidos graxos, fósforo, manganês, vitamina B, selênio e zinoc não podem ser desprezados.

Para aproveitar melhor esses nutrientes, é preciso moer ou triturar as sementes antes de usá-las. a casca, por ser muito dura, pode passar intacta pelo intestino.

 

Fonte: Nestlé Bio nutrição & Saúde, abril de 2010

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Alimentação pode tanto salvar quanto colocar o coração em risco

A herança genética influencia na saúde cardiovascular, mas os principais fatores de risco são consequências da má alimentação, como colesterol alto e excesso de peso. De acordo com o Ministério da Saúde esse tipo de doença é responsável por 30% das causas de morte no Brasil e já configura um problema de saúde pública.

 

O diretor do Instituto de Metabolismo e Nutrição (IMEN), Daniel Magnoni, explica que os problemas mais comuns são enfarte do miocárdio, angina no peito, aterosclerose, AVC (Acidente Vascular Cerebral) e elevado índice de colesterol.

 

Segundo o especialista, uma dieta equilibrada, aliada aos exercícios físicos, protege o coração e evita o uso de medicamentos.

 

- Muitos nutrientes, como fitoesterol e ômega 3, encontrados em alimentos, protegem o coração e evitam o agravamento do quadro. Mesmo quando o uso de remédio é indicado, seguir uma dieta adequada é imprescindível para controlar a doença. Em casos menos graves, só com a reeducação alimentar já se obtém resultados positivos - destaca.

 

A ingestão excessiva de gorduras maléficas ao organismo, como as saturadas, pode ser o maior incentivador da doença cardiovascular. Por outro lado, a ingestão de gordura monoisaturada e poliinsaturada são maneiras eficientes de prevenir esse quadro.

 

- A gordura monoinsaturada reduz os níveis do colesterol ruim (LDL) e pode estar presente no abacate, nas nozes e sementes oleaginosas, como girassol, gergelim e linhaça. A poliinsaturada, porém, é composta pelos ácidos graxos que diminuem de forma ainda mais efetiva o colesterol ruim (LDL) e pode ser encontrada nos peixes, em óleos vegetais e seus derivados, como margarinas e maioneses.

 

As escolhas certas:

 

Gorduras Poliinsaturadas (Omega 3 e Ômega 6): Diminuem o risco de eventos cardiovasculares.

 

Onde encontrar: Em nozes, castanhas, óleos vegetais, creme vegetal, maioneses e peixes.

 

Fitoesterol: Auxilia na redução da absorção do colesterol dietético.

 

Onde encontrar: Frutas, legumes, verduras, margarinas enriquecidas, arroz integral, semente de gergelim e de soja.

 

Fibras: Reduzem colesterol do sangue, aumenta saciedade contribuindo para evitar o diabete e a obesidade.

 

Onde encontrar: Cereais integrais, linhaça, aveia, quinoa, amaranto, hortaliças e frutas.

 

Flavonóide: Permite o fluxo constante de oxigênio, dióxido de carbono e de nutrientes essenciais, evita a formação de coágulos e contribui na redução da pressão arterial.

 

Onde encontrar: Suco de uva, amora, jabuticaba, mirtilo, cranberry, blueberry, frutas cítricas, chá verde, cacau, alho, cebola, brócolis, orégano, semente de girassol.

 

Carotenóides: Possui ação preventiva nos estágios iniciais da formação de placas de gordura.

 

Onde encontrar: Tomate maduro, melancia, mamão, manga, goiaba, cenoura, abóbora, açafrão, páprica, pimenta vermelha.

Fonte: http://www.prontuariodenoticias.com.br/

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Um grão de soja é composto por 35 a 40% de proteína, 15 a 20% de gordura, 30% de carboidratos, 10 a 13% de umidade e cerca de 5% de minerais.

A proteína da soja contém os oito aminoácidos essenciais para a saúde humana.

Comparado com outros cereais e grãos, a soja contém maior quantidade de gordura. São cerca de 58 de poliinsaturados, 23% de monossaturados e 15% de saturados. Possui alta concentração de ácidos graxos linoléicos, considerados benéficos na diminuição dos riscos de doenças cardíacas.

A soja contém um mix de carboidratos solúveis e insolúveis, que, juntos, constituem cerca de 30% de sua composição nutricional. Os açúcares da soja, são utilizados com nutrientes por bactérias bífidas do intestino delgado e são importantes para a saúde humana.

É rica em vitaminas, minerais e outros fitoquímicos. Os principais compostos minerais são o sódio, o potássio, o cálcio, o magnésio, enxofre e fósforo. as vitaminas encontradas são tiamina, riboflavina, niacina, ácido pantotéico, biotina, ácido fólico, lecitina. as vitaminas lipossolúveis são a A e a E. A pró-vitamina A (betacaroteno) está presente em grãos ainda não-maduros.

Já se sabe que a soja é uma verdadeira "farmácia" de fitoquímicos benéficos para a saúde humana e para a prevenção de diversos distúrbios. nenhum alimento é tão rico em isoflavonas, que atuam na prevenção dos cânceres de próstata e de mama.

 

 

 

Fonte: Aditivos e Ingredientes, junho/2007, adaptada.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Alho e cebola — a dupla perfeita para sua saúde!

 

Pesquisas comprovam que o alho e a cebola trazem inúmeros benefícios à saúde. Dentre suas principais vantagens, a dupla é capaz de reduzir a formação de cálculo biliar. Um estudo realizado com roedores confirma que a combinação alho-cebola aumenta a produção de duas enzimas responsáveis por derrubar os níveis de colesterol — e quase 80% das pedras na vesícula são formadas por esse tipo de gordura. Para chegar à essa conclusão, os cientistas compararam dois grupos de cobaias. Entre os animais alimentados com uma maior quantidade de alho e cebola, houve uma redução de até 30% na incidência dos cálculos.

 

E os benefícios não param por aí. Uma dieta rica em alho e cebola é também arma indispensável no combate ao câncer de próstata.

 

Alho

O uso contínuo previne o câncer no trato gastrintestinal e doenças cardíacas. Para as pessoas soropositivas, que com frequência possuem alterações no colesterol e triglicerídeos, esse alimento tem um papel fundamental na dieta diária.

 

O alho é antiviral, antioxidante (evita o envelhecimento por exposição ao sol, combatendo radicais livres) e tem ação antibiótica, principalmente contra a bactéria Hlicobacter pylori, que pode causar gastrite e úlceras. Além disso, possui Argina, um aminoácido cuja principal função é estimular o sistema imunológico.

 

Como Consumir o Alho

Um dente de alho por dia triturado ou esmagado. O alho pode ser usado para refogar alimentos. Mas não o deixe queimar, porque assim ele perde as suas propriedades. Colocar um dente de alho na panela de arroz segundos antes do arroz ficar pronto dá um gosto especial ao alimento.

 

Outra dica é colocar um dente de alho dentro do pote de azeite que você utiliza diariamente nas saladas.

 

Cebola

A cebola é antioxidante, antiinflamatória, evita o aumento do colesterol, reduz os níveis de triglicerídeos e estimula o sistema imunológico. Repleta de diversos agentes anticancerígenos, está especificamente associada à inibição do câncer de estômago. "Afina" o sangue, diminui o colesterol ruim, aumenta o colesterol bom, além de combater a asma e a bronquite crônica.

 

Como Consumir a Cebola

Esse alimento pode ser consumido à vontade. Quando aquecida, a cebola não perde as suas propriedades — apenas deve-se tomar cuidado com o cheiro desagradável que deixa na boca, claro.

 

Então, inclua-a como tempero obrigatório em suas refeições. Assado no forno ou na churrasqueira, fica uma delícia. Como a cebola é rica em enxofre, pessoas com tendência a ter gases devem consumi-las com moderação.

 

Benefícios do Alho e Cebola

 

Ajuda a combater infecções bacterianas, viróticas e fúngicas

Aumenta a longevidade

Reduz os riscos de infarto

Favorece o bom funcionamento do sistema imunológico

Reduz a glicose sanguíneaReduz o colesterol LDL (ruim)

Aumenta o colesterol HDL (bom)Combate bactérias e vírus

Previne a aterosclerose

Previne o câncer

Melhora a qualidade de vida

Para que os benefícios sejam visíveis o consumo de alho e cebola deve ser diário.

 

FONTE: www.boaspraticasfarmaceuticas.blogspot.com/2010

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Própolis, poderoso antibiótico natural tem vários efeitos terapêuticos

 

De coloração e consistência variada, a própolis formada por ceras e resinas, é coletada por abelhas de diversas partes das plantas como brotos, botões florais e exsudatos resinosos. Sua composição irá depender da origem do material coletado; isto é, reflete a variedade de vegetação próxima à colméia. No geral, a própolis é composta de 50% de resina e bálsamo de vegetais, 30% de cera, 10% de óleos aromáticos, 5% de pólen e 5% de várias substâncias. Dependendo da origem, pode conter acima de 400 substâncias químicas com funções ainda desconhecidas na fisiologia humana.

O uso da própolis como tratamento terapêutico natural vem de mais de 5.000 anos. De origem grega, a palavra significa uma combinação de pró (defesa) e polis (cidade), "defesa da cidade", neste caso, a cidade é a colmeia. As abelhas produzem a própolis para forrar os alvéolos, câmara onde as rainhas depositam os ovos e crescem as larvas. A utilizam também para vedar as entradas e orifícios da colmeia. É a defesa da vida, preservando a temperatura interna da colmeia e não permitindo a entrada de corpos estranhos, a fim de evitar a propagação de epidemias.

Flavonóide é o principal composto da própolis

Flavonóide: princípio ativo da própolis que age em benefício e atua no combate às doenças que atacam o homem.

Dentre os produtos apícolas tais como mel, geléia real e pólen, a própolis vem se destacando tanto pelas suas propriedades terapêuticas, como atividades antimicrobiana, antiinflamatória, imunomodulatório, hipotensivo, cicatrizante, anestésica e anticariogênica.

Os efeitos terapêuticos têm sido atribuídos aos dois grandes grupos de princípios ativos que a compõem: os flavonóides são considerados como um dos principais compostos. Seguem-se os diversos ácidos fenólicos e seus ésteres, fenólicos, álcoois e cetonas. A quantidade de cada um desses elementos depende da flora utilizada pelas abelhas. A variabilidade genética das rainhas, também influencia na sua composição química.

Acredita-se que a própolis ideal é aquela produzida em regiões onde existam o mínimo de poluição ambiental, distante dos grandes centros e fábricas poluentes. Pesquisas clínicas e científicas realizadas em todo o mundo, principalmente, em universidades japonesas, têm demonstrado os grandes benefícios da própolis, especialmente, como estimulante natural das defesas orgânicas e, têm de fato vários efeitos comprovados. O homem pode tanto utilizá-la externamente em feridas, inflamações e infecções, como por ingestão oral.

Composição Química da própolis

Resinas e Bálsamos Aromáticos: 50%

Ceras: 25 a 35%

Óleos essenciais: 10%

Grãos de Pólen: 5%

Minerais: alumínio, cálcio, estrôncio, ferro, magnésio, silício, titâneo, bromo e zinco.

Vitaminas: provitaminas A e todas do complexo B.

Flavonóides; Ésteres cafeinados.

 

Indicações para utilizar a própolis

- Em afecções inflamatórias superficiais, como estomatite, amigdalite, gengivite, piorréia alveolar, hemorróidas. No caso de estomatite e inflamações da garganta, o extrato alcoólico atua melhor no sintoma, uma vez que cria uma película protetora no local onde foi passado;

- É indicada para prevenção da saúde, recuperação da fadiga e prevenção de outros sintomas indesejáveis que ocorram internamente;

- É indicada para melhorar as ulcerações e inflamações e amenizar os sintomas do reumatismo, diabetes, hipertensão;

- Fortalecimento da ação imunológica pela ação de linfócitos, estimulação do organismo enfraquecido, redução dos efeitos colaterais de anti-cancerígenos e radioterapia;

- Prevenção e tratamento de pneumonia crônica e bronquite infantil;

- Tratamento de queimaduras graves e efeitos sobre doenças dermatológicas.

Funções da Própolis na Colméia

- Fechar as frestas no interior da colméia, evitando corrente de ar ou frio;

- Embalsamar os cadáveres dos inimigos que entram no interior da colméia, evitando sua decomposição;

- Envernizar o interior da colméia e atuar como agente desinfetante;

Envernizar os favos de cria antes da rainha colocar os ovos, para obter assepsia dos ninhos, protegendo contra bactérias e vírus.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Pouco conhecida, a alcachofra cujo nome científico é Cynara scolymus L., pertence à família Compositae. É uma planta vivaz, com folhas compostas e espinhosas, sendo as superiores bem menores que as da base. Flores púrpuras reunidas em um grande capítulo envolvido por grandes brácteas que são a parte comestível da inflorescência. Planta européia das regiões do mediterrâneo, sendo cultivada no sul da Europa, na Ásia menor e também na América do Sul, considerada durante muito tempo como uma hortaliça rara, é hoje abundantemente cultivada nas regiões Atlânticas com invernos suaves.

 

O que muitos não sabem é que a alcachofra pode oferecer diversos benefícios à nossa saúde, ela possui excelentes propriedades nutritivas e medicinais. Para termos uma idéia, a cada 100g comestíveis, encontramos boas doses de vitaminas do complexo B, potássio, cálcio, fósforo, iodo, sódio, magnésio e ferro.

 

Possui substâncias com efeito benéfico das vias hepáticas. Apresenta como princípios ativos a cinarina e o ácido caféico que estimulam a formação da bili hepática, regularizam a formação de sais biliares e o colesterol.

 

São usados contra icterícia, cujos sintomas desaparecem rapidamente. As folhas reduzem a taxa de açúcar no sangue e são usadas como adjuvantes no tratamento de diabetes. Possui efeito antiesclerótico, ou seja, é um bom combatente do endurecimento das artérias e servem também servem para fabricar bebidas amargas. Temos apenas que ter cuidado com pessoas alérgicas à alcachofra ou quando há obstrução do canal biliar.

 

A forma mais comum que encontramos a planta no mercado é na forma in natura. Para ter a certeza de que a alcachofra está boa para o consumo, segure-a pelo talo e sacuda-a suavemente. Se ela estiver flexível, significa que já está maduro. Evite o produto se as folhas estiverem abertas ou se a parte interna das folhas estiver com coloração marrom, pois indica que já passou da validade.

 

Aí nos perguntamos qual a quantidade que devemos consumir?

 

Isto depende para qual finalidade será utilizada. Alguns exemplos:

 

Para estimulante (hepático, vesicular e venal): Coloque 1 colher (sopa) de folhas fatiadas em 1 xícara (chá) de água em fervura. Deixe ferver por 5 minutos. Abafe por 10 minutos e coe. Tome 1 xícara (chá), 2 ou 3 vezes ao dia, antes das principais refeições.

 

Para artérias endurecidas: Coloque 2 colheres (sopa) de folhas fatiadas em xícara de álcool de cereais a 70%. Deixe em repouso por 5 dias e coe. Tome 1 colher (café) diluído em um pouco de água, antes das principais refeições.

 

Para diurético: Coloque 3 colheres (sopa) de folhas fatiadas em uma garrafa de vinho branco. Deixe em maceração por cinco dias, agitando às vezes e coe. Tome 1 cálice antes das principais refeições.

 

Também pode ser feito o chá de alcachofra (Cynara scolymus) para uso adulto e está entre as ervas indicadas pela ANVISA, é um verdadeiro chá de efeito diurético, estimulante da vesícula biliar e ativador da digestão. Há varias maneiras de preparar o chá, mas uma há um receita bem simples e prática para o consumo:

 

* 2g (uma colher de sobremesa) de folhas de alcachofra;

* 150mL (uma xícara de chá) água;

 

Primeiramente ferva a água e desligue o fogo. Adicione as folhas de alcachofra e deixe abafado por alguns minutos neste processo conhecido com infusão.

 

De qualquer forma ingerida ela nos traz benefícios, mas de preferência, consuma a alcachofra no mesmo dia da compra, pois ela começa a perder suas qualidades logo após a colhida. Na hora da compra, recomenda-se escolher as que apresentarem talo longo e inflorescência firme e bem arroxeada. O ideal é que os ‘espinhos’ só devam ser retirados após o cozimento, que é quando chegamos ao famoso fundo da alcachofra . Recomenda-se consumir a planta logo após o cozimento ou preparo, para melhor aproveitamento de suas propriedades medicinais e nutricionais.

 

Portanto, insira a alcachofra nos seu preparo, ela proporciona um sabor gostoso às suas refeições, além de ser muito nutritiva e saudável!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Frutas, verduras, legumes e carnes magras são essenciais no cardápio de quem deseja manter a saúde em dia, e é claro evitar os alimentos gordurosos. Dicas de alimentação saudável só funcionam se levadas a sério. Fazer uma refeição saudável hoje e passar o resto da semana comendo besteiras não traz nenhum benefício a saúde.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

OLEAGINOSAS

 

 

As oleaginosas são frutas que produzem óleos e gorduras, extraíveis através de processos adequados. São frutas como castanhas, nozes, avelãs, amêndoas e trazem diversos benefícios à nossa saúde, embora tragam boas quantidades de calorias.Seus principais benefíciossão as gorduras monoinsaturas, poliinsaturas, vitaminas e minerais. vejam abaixo um prqueno resumo dessas vantagens.

 

O grupo das frutas oleaginosas é rico em:

 

1) Resveratrol – inibe a formação de radicais livres, efeito protetor nas artérias, reduz o colesterol ruim (LDL) e aumenta a fração boa (HDL)diminui a deposição de gordura nas artérias, antialérgico, anti-inflamatório, preserva o sistema imunológico, retarda o envelhecimento das células e da pele.

 

2) Vitamina E – antioxidante que reduz a ação de radicais livres ao organismo, melhora da imunidade, prevenção do câncer, prevenção de doenças cardiovasculares

 

3) Selênio - (antioxidante, melhora da imunidade, prevenção do câncer); manganês (importante para evitar inflamações como artrite, tendinites, etc, importante para ossos e cartilagens, sendo importante para prevenção de osteoporose, hernia de disco, problemas articulares, controla o metabolismo dos açúcares), magnésio (importante para produzir energia e ter boa disposição, mantém uma ótima atividade de contraçao muscular).

 

4) Arginina - aumenta o relaxamento das artérias e garantem fluidez para o sangue (pela liberação do óxido nítrico) sendo muito bom para quem tem pressão alta, problemas cardiovasculares, problemas circulatórios como varizes e celulite. A arginina também é um aminoácido que tem importante papel na cicatrização, detoxificacao, função imune e na produção e secreção de insulina e hormônio do crescimento.

 

5) Ácido elágico – melhora a eliminação de toxinas afastando a celulite, cansaço, dores musculares, inchaços e a possibilidade de desenvolver um câncer.

 

6) Ácidos graxos monoinsaturados – redução do LDL colesterol, redução da pressão arterial e prevenção de doenças cardiovasculares.

 

7) Gorduras poli-insaturadas – gorduras essenciais omega 6 e 3. fazem parte de todas as células do organismo, melhorando a imunidade, protegendo contra inflamação e protegendo do aumento do colesterol. São protetores cardiovasculares.

 

Também fornecem ácido folico, cobre e zinco

 

Podemos dizer que as oleaginosas reduzem o risco de desenvolver as doenças cardiovasculares quando consumidas a partir de 30g/dia.

 

Como comprar e armazenar:

 

Devido ao seu alto conteúdo de gorduras, elas sempre que podem devem ser compradas e armazenadas em sua própria casca (é a proteção natural contra os danos causados pelos radicais pela exposição ao ar e à luz). Devem ser armazenadas dentro da geladeira em um pote hermeticamente fechado, tendo assim uma ótima durabilidade (Ex: amêndoas na casca 12 meses, sem casca 9 meses, nozes na casca e sem 12 meses, castanha-do-parà 9 meses...).

 

Evite comprar oleaginosas em pedaços, partidas, em forma de pó, pois muitas vezes a gordura já pode estar rançosa, visto que já pode ter havido muita exposição à luz e ao ar. Prefira, caso a receita pedir, você mesma partir ou triturar as oleaginosas como for necessário.

 

Cuidado

 

As oleaginosas possuem uma grande proporção de arginina e baixa de lisina e essa relação entre esses aminoácidos favorecem o vírus da herpes se multiplicar, visto que a arginina ativa o vírus e a lisina previne a sua ativação. Se você tem história de herpes ou herpes de repetição não exagere na dose.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Este tópico interessará especialmente às mulheres, sempre mais preocupadas com a estética do que nós, homens.

Foi escrito por uma nutricionista, que já trabalhou em diversas empresas e restaurantes do Brasil inteiro.

 

Estética e Alimentação Natural

Tratamentos a laser, cosméticos, programas personalizados de atividade física nas academias, cirurgias plásticas.... cresce cada vez mais a procura por tratamentos estéticos no Brasil, e nós, profissionais da saúde, não podemos nos esquecer de que a alimentação pode (e é) uma grande aliada desses tratamentos.

A recomendação geral para uma alimentação mais saudável continua sendo a mais natural e integral possível: baseada em frutas, verduras e legumes frescos, com grãos integrais, evitando produtos muito processados e com aditivos artificiais intencionais (como corantes, conservadores, emulsionantes artificiais, entre outros) e, sempre que possível, inserindo alimentos orgânicos.

Mas além destas orientações (que, aliás, servem não apenas para melhorar a estética, mas para trazer benefícios à saúde em geral), hoje já se sabe que existem alimentos específicos, capazes de trazer efeitos surpreendentes nos resultados estéticos.

Confira então os principais motivos de busca por tratamentos estéticos entre os brasileiros hoje em dia e descubra quais são os principais alimentos aliados de cada um deles:

 

Emagrecimento

Grãos integrais: estudos mostram que o tratamento de combate à obesidade tende a ser mais efetivo quando a alimentação é baseada em grãos integrais ricos em fibras, quando comparado ao tratamento com dietas de mesmo valor calórico baseadas em alimentos refinados (1,2). Arroz integral, feijão, grão de bico, soja, lentilha são alguns exemplos fáceis de serem inseridos no cardápio brasileiro.

 

Celulite (lipodistrofia ginóide ou hidrolipodistrofia)

Inhame: contém fitoestrógenos que ajudam a manter níveis adequados de estrógeno, e, com isso, previnem a celulite.

Semente de uva: concentra polifenóis que também se mostraram bem efetivos na prevenção deste problema (3). Comer a fruta com a semente ou mesmo usar cosméticos naturais com óleo de semente de uva são boas alternativas.

Chá de cavalinha: além de ser diurético, contém silício, que ajuda a manter a estrutura firme da pele e a reduzir a celulite.

 

Rugas

Cacau: contém catequinas e procianidinas que agem na manutenção da pele saudável por protegerem sua estrutura. As catequinas ajudam a proteger o colágeno contra a ação da colagenase, e as procianidinas fazem o mesmo com a elastina, em relação à ação da elastase (4).

 

Envelhecimento precoce

Grãos integrais (feijões, arroz integral, soja, etc): fontes de zinco, importante para ajudar a prevenir o envelhecimento precoce (já que este mineral faz parte da enzima SOD – superóxido dismutase – responsável pela neutralização de certos radicais livres) (3).

 

Castanha do Pará: tem alto teor de selênio, antioxidante importante nos tratamentos de rejuvenescimento celular (3) por também ajudar a neutralizar radicais livres. As demais oleaginosas (castanhas, nozes, amêndoas) também são fontes de antioxidantes.

 

 

 

Folhas verde-escuras: contém luteína, um antioxidante essencial na nossa alimentação por não ser produzido pelo nosso organismo. Ele ajuda a prevenir doenças dos olhos e do coração, além de proteger a pele contra os efeitos nocivos do sol e do envelhecimento precoce (3, 5).

 

Flacidez da pele

Aveia: ótima fonte de silício, mineral que faz parte do colágeno (uma das proteínas responsáveis pela sustentação da pele). Ajuda a reduzir, não apenas a flacidez, mas também a celulite (lipodistrofia ginóide) (3).

Amora, uva vermelha, acerola, framboesa, berinjela (casca): contém flavonóides do tipo antocianidinas (responsáveis pela coloração vermelho escura, azul e violeta de certos vegetais), que também participam da manutenção do colágeno (3).

Trigo integral: tem alta concentração de magnésio. Este mineral ajuda a manter o equilíbrio hídrico da pele, e com isso, preserva a hidratação e maciez (3).

 

Acne

Gengibre: rico em zinco. Estudos mostram que pessoas que tem acne em excesso geralmente apresentam deficiência deste mineral (6).

Soja, feijões, ervilhas, grão de bico: contém cobre, que também participa da diminuição dos processos inflamatórios como a acne (3).

 

Linhaça: ajuda a equilibrar a proporção de ômegas 3 e 6, ainda inadequada na alimentação da maioria das pessoas (7), e com isso ajuda a reduzir processos inflamatórios como a acne e a obesidade .

 

FONTE: nutrisempresaudavel.blogspot.com/2011/01/estetica-e-alimentacao-natural.html?spref=fb

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

AZEITES!!!!!!!!

 

Benefícios do azeite

 

O azeite é obtido através da prensa das azeitonas e passa posteriormente por 4 fases: lavagem, moagem, prensa fria e centrifugação.

O azeite é pobre em ácidos gordos saturados e rico em antioxidantes, como a vitamina E. É desde há muito tempo utilizado no mediterrâneo, sendo hoje reconhecido no mundo inteiro pelas suas propriedades nutritivas e organolépticas (propriedades benéficas ao organismo e que impressionam os sentidos).

É um alimento versátil e fundamental para a saúde, pois beneficia a vesícula biliar e o fígado, estimula a secreção da bílis e a tonicidade dos tecidos, atuando igualmente como tônico nervoso. O consumo de azeite é benéfico para as crianças, pois ajuda no seu crescimento e previne a osteoporose.

Como estimula a contração muscular, o azeite é prescrito em caso de prisão de ventre. A sua ação suave é ideal para a prisão intestinal das crianças, podendo os laxantes mais fortes causar danos.

A ingestão de azeite é positiva para quem sofre de colesterol porque ajudará a dissolver os depósitos de colesterol. No processo de fabricação do azeite existe uma concentração de antioxidantes, que permitem a proteção do organismo contra as agressões exteriores, prevenindo o aparecimento de doenças cardiovasculares ou do câncer.

 

AZEITE antibarriga

 

A última notícia sobre o óleo extraído da oliva merece comemoração: ele evita o acúmulo da gordura visceral, passaporte para doenças cardiovasculares e diabete. E, como se fosse pouco, combate a osteoporose e inflamações, caso da gastrite

 

Basta um fio dourado do óleo da oliva para que aquela torrada dura e seca ganhe textura macia e sabor especial. Uma outra transformação ocorre no seu organismo, mais precisamente no abdômen, quando você consome o azeite: ele impede o depósito de gordura bem ali, na linha da cintura. Parece um contra-senso, já que o alimento é dos mais calóricos — cada grama oferece cerca de 9 calorias. Mas a descoberta é séria: o sumo das azeitonas evita mesmo a barriga indesejada.

Quem assina embaixo são cientistas de diversas universidades européias. Juntos eles publicaram seu trabalho no periódico Diabetes Care, da Associação Americana de Diabete, em que compararam exames de imagem de voluntários, antes e depois do consumo do óleo. E observaram que esse bom hábito diminuiu os depósitos de banha no abdômen. Diga-se: o ideal seria que você consumisse duas colheres de sopa por dia do ingrediente para obter seus benefícios.

No fundo, o mérito é todo da gordura monoinsaturada, que predomina no azeite. Se ela já era festejada por varrer o colesterol ruim das artérias, agora os médicos têm ainda mais motivo para cobri-la de elogios. Isso porque estão empenhados em acabar com as barrigas avantajadas — e não tem nada a ver com questões de beleza. “A gordura visceral, justamente aquela da cintura, produz substâncias que dificultam a ação da insulina, o hormônio produzido pelo pâncreas que ajuda a glicose a entrar nas células. Ou seja, barriga grande pode levar ao diabete do tipo 2” , explica o endocrinologista Márcio Mancini, presidente eleito da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica, Abeso. O diabete, ao lado da pressão alta, do colesterol, dos triglicérides alterados e, de novo, da tal barriga, é o componente básico de um mal que mata — a síndrome metabólica. O azeite, no entanto, ajuda a quebrar esse círculo nefasto.

Muito, muito antes de se estabelecer qualquer relação do azeite com a barriga — antes até mesmo de se ter certeza de que barriga prejudicaria o coração —, cientistas já observavam que os maiores consumidores do alimento estavam protegidos de males cardíacos. Os povos do Mediterrâneo, que historicamente regam seus pratos com esse óleo, parecem mais distantes da ameaça de infarto. Claro, é preciso considerar que também se esbaldam em verduras, frutas e peixes, outros guardiães dos vasos. Nenhum desses alimentos, entretanto, compete com o azeite na preferência de gregos, italianos e espanhóis. “Muitos deles têm o hábito de tomar uma colher do óleo em jejum”, conta o bioquímico Jorge Mancini, professor da Universidade de São Paulo (USP), que esteve na Espanha para pesquisar o assunto.

 

Para o nutrológo e cardiologista Daniel Magnoni, do Instituto de Metabolismo e Nutrição, que fi ca na capital paulista, uma vantagem da chamada dieta do Mediterrâneo é que a gordura monoinsaturada vinda da oliva ocupa o espaço das temidas trans, presentes nas margarinas, e das saturadas, que estão nas carnes vermelhas. “Diferentemente da mono, que faz as taxas do mau colesterol despencarem, a dupla tem relação com a subida do LDL”, diz.

 

VANTAGENS DO EXTRAVIRGEM O efeito antibarriga, em tese, pode ser obtido com qualquer tipo de azeite de oliva. Afinal, em matéria de teor de gordura monoinsaturada — à qual se atribui essa ação — eles praticamente empatam. Já quando se fala em evitar as placas nas artérias, a bioquímica Luciane Faine, que analisou o azeite na Universidade Estadual Paulista de Botucatu, no interior de São Paulo, reforça as vantagens do tipo extravirgem. É que, no caso do efeito anticolesterol, é importante a presença de moléculas antioxidantes. “Na produção do extravirgem a pressão física da oliva, que é feita sem adição de produtos químicos, preserva esses compostos”, diz ela.

 

Segundo Luciane, os polifenóis do óleo extravirgem se acumulam no plasma sangüíneo. “Com isso, os radicais livres que oxidariam o colesterol a ponto de ele estacionar nas paredes dos vasos fi cam praticamente fora de ação”, conclui. E saiba: todas as células do corpo saem ganhando.

Um azeite legítimo não traz solventes ou substâncias químicas. Como dizem os especialistas, ele é o suco da azeitona, pura e simplesmente. O que muda é o sabor, a textura, a cor ou o aroma. “Tudo isso vai depender da variedade do fruto”, diz a nutricionista e chef Maria Luiza Ctenas, uma expert no assunto.

Assim como acontece com o vinho, que já formou legiões de enófilos, hoje existem gourmets especializados em azeite que distinguem tipos de azeitona e locais de plantio apenas pelo olfato e sabem qual tipo de óleo combina com qual receita. São chamados pelos espanhóis de catadores. Segundo Maria Luiza o conselho desses experts vale muito, mas não dá para estabelecer regras. “Cada um deve descobrir seu azeite preferido”, opina.

Marcus Bueno, da butique de azeites Olivier's & Co., que fica na capital paulista, sugere paciência na descoberta do óleo predileto. “No início pode parecer tudo igual, mas aos poucos o paladar vai ficando mais apurado”, observa. Bueno, que é um legítmo catador. Ele recomenda primeiro observar o prazo de validade. Depois de aberto, o produto, desde que conservado longe da luz e bem tampado, deve ser consumido em seis meses, no máximo.

 

E, para aqueles que pensam que o óleo de oliva está proibido de ir para a panela, os pesquisadores avisam que sim, ele pode, já que sua composição é bastante estável. Só não vale fritar ou abusar de temperaturas altas — quanto maior o calor, maiores as perdas dos compostos benéficos.

 

CADA GORDURA, UMA CINTURA O azeite ajuda a combater a barriga. Já a gordura encontrada em certas margarinas...

 

MONOINSATURADA

É como se esse ácido graxo, ou partícula de gordura, reorganizasse os depósitos de gordura, impedindo que inchem as células adiposas entre os órgãos do abdômen. Isso já foi observado, embora por enquanto ninguém conheça detalhes do mecanismo. “Outra boa notícia é que a molécula monoinsaturada do azeite aumenta a produção da adiponectina, uma substância capaz de combater inflamações e as placas nas artérias”, diz o cardiologista Heno Lopes, do Instituto do Coração, o InCor, em São Paulo.

 

TRANS

Apesar de oferecer as mesmas 9 calorias por grama do azeite, a famigerada trans parece inflar os adipócitos, que são as células gordurosas, com maior facilidade do que qualquer outro óleo. Existem evidências científicas de que não adianta tanto levar uma dieta mais leve se os poucos lipídios que entram no cardápio são trans. Além de favorecer a pança, esse tipinho provoca a resistência à insulina, fazendo o pâncreas trabalhar dobrado — um esforço extra que pode desembocar no diabete tipo 2.

 

O QUE ESSE ÓLEO TEM Mais da metade da composição do azeite é pura gordura monoinsaturada. Ele contém, ainda, pitadas de ômega-3 e está cheio de substâncias antioxidantes, com destaque para os polifenóis, que, além de conferir aquele aroma característico, beneficiam nossas artérias. Vale ressaltar ainda a boa concentração de vitamina E, nutriente que afasta o risco de tumores.

 

MUITO ALÉM DO CORAÇÃO O azeite é apelidado pelos mediterrâneos, merecidamente, aliás, de “ouro líquido”

NO ESTÔMAGO

Pesquisadores da Universidade de Valme, na Espanha, observaram que o óleo de oliva contém substâncias com efeito bactericida, capazes de combater a Helicobacter pylori, microorganismo por trás da gastrite. O achado foi publicado recentemente no Journal of Agricultural and Food Chemistry, um importante periódico científico americano.

 

ABAIXO A DOR

Cientistas do Instituto Monell, nos Estados Unidos, encontraram no azeite uma molécula que inibe a atividade de enzimas envolvidas em inflamações. É o oleocanthal, um composto de ação idêntica à de analgésicos e que, portanto, é infalível contra as dores. Então, é provável que o consumo regular ofereça alívio para os que sofrem de dores crônicas.

 

PARA OS OSSOS

Ele também ajudaria a afastar a osteoporose. Pesquisadores da Universidade de Jáen, na Espanha, notaram que o consumo de azeite está associado à menor incidência de fraturas. Embora o efeito tenha sido demonstrado em um grupo de 334 voluntários, falta elucidar o porquê.

 

CONTRA TUMORES

Um trabalho publicado há pouco na revista da Sociedade Européia de Oncologia mostra que a gordura monoinsaturada do óleo de oliva diminui o risco do câncer de cólon. Pesquisas anteriores já apontaram a ação preventiva em outros tumores, como o de mama.

Dicas de consumo

 

Ao consumir o produto, é aconselhável que se verifique sua acidez e data de validade. Normalmente o azeite deve ser consumido em 12 meses. Antigamente era possível encontrar no comércio azeites de primeira e de segunda prensagem mas atualmente o processo é único e o azeite é prensado uma única vez a frio ou pela variação de pressão e temperatura.

 

É muito mais comum encontrar os azeites extra-virgens engarrafados sendo aconselhável que se procure azeites engarrafados em embalagens mais escuras, já que a incidência de luz cataliza a oxidação do produto. Já aos óleos de oliva é muito mais comum que sejam comercializados em lata. Para estes, o ponto de solda da lata pode em algumas vezes oxidar o produto. Ao estoca-lo, leve em conta que a luz, o calor e o ar são altamente prejudiciais ao produto, que deve ser armazenado em locais frescos, com pouca ou nenhuma incidência de luz. Pode-se evitar a ação da luz ao se embrulhar o azeite com pano ou guardanapo. Apesar de comumente usados os bicos dosadores também podem facilitar a oxidação e devem ser evitados. É aconselhável que se consuma o azeite o mais rápido possível após sua abertura, e portanto é melhor que se armazene-o em embalagens menores, que sejam consumidas tão logo sejam abertas.

 

A cor do azeite algumas vezes pode indicar nuances em seu sabor. Normalmente os azeites mais verdes tem aromas e sabores mais frutados. Quando degustado, normalmente são utilizados frascos pequenos e de tamanho específico, de cor azul cobalto que evitam que o profissional seja influenciado pela cor do líquido. Antes de degustado o copinho é aquecido por alguns segundos na palma da mão, de modo a provocar a libertação do aroma do sumo. O degustador em seguida absorve um pouco do líquido da mesma forma que faz uma degustador de vinho, puxando-o através do ar e espalhando-o com a língua por toda a boca para que se possa sentir o sabor.

 

O aroma do azeite não deve indicar a presença de defeitos como ranço ou mofo . O seu gosto deve ser frutado e pode conter outros aromas como o de ervas, plantas ou pasta de azeitona, pode ainda conter alguns traços importantes, tais como gosto amargo ou levemente picante, indicando a presença de polifenóis . Elementos como sabor metálico, avinagrados ou acidez perceptível são fatores negativos ao paladar e indicam um azeite de baixa qualidade .

 

Normalmente, os azeites mais leves e doces são mais próprios a serem usados em saladas , legumes e carnes brancas . Os mais acentuados são melhor aproveitados se usados em carnes vermelhas e cozidos .

 

ADENDO DICAS

 

 

Opte por azeites extravirgens, ou seja, por aqueles que contenham uma acidez igual ou inferior a 0,7 por cento. O azeite deve ser a primeira gordura a ser introduzida na alimentação do bebê, logo que este começa a comer sopa.

O azeite refinado, com uma acidez de 1,5 por cento, tem menos propriedades benéficas para a saúde, quando comparado com os azeites extravirgens.

Utilize o azeite para temperar as sopas ou os vegetais, cozidos ou crus. Também pode colocar azeite na água de cozedura das massas, para lhes dar um paladar especial e evitar que a massa se cole depois de cozida.

 

Fonte: www.estimulacao.com.br

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

A dica agora é sobre as SEMENTES DE ABÓBORA!!!!!

 

Você sabia que a semente de abóbora é fonte rica de proteínas, ferro, vitaminas do complexo B, vitamina E (nutriente que combate o envelhecimento e deixa a pele bonita), além de fibras (que ajudam e muito no bom funcionamento do intestino)? E os benefícios não param por aí! É também indicada para combater a hipertensão, por conta do alto teor de potássio (mineral capaz de auxiliar no controle da pressão arterial). A semente de abóbora contém beta-sitosterol, um antiinflamatório que auxilia no emagrecimento.

 

Dica!

 

Uma boa opção é integrá-la à sua alimentação como um aperitivo. Ao invés dos famosos salgadinhos industrializados, prefira as sementes de abóbora!

 

Opinião

 

Doutorado em nutrição pela Universidade Clayton pela Saúde Natural, o psicólogo Jonny Bowden e autor do livro “Os 150 Alimentos mais Saudáveis do Planeta” e “As Refeições Mais Saudáveis do Mundo”, dedica-se à pesquisa dos alimentos há duas décadas. Sobre a semente de abóbora ele diz: “É uma grande fonte de magnésio. Esse mineral é tão importante, que estudiosos franceses concluíram que homens com altas taxas de magnésio no sangue têm 40% menos chances de sofrer uma morte prematura do que aqueles com baixos índices”.

 

Mais Motivos

 

Na Universidade Federal do Rio de Janeiro, os pesquisadores descobriram que uma das partes mais saudáveis da abóbora é justamente sua semente e um dos alimentos mais ricos em fibra entre todos já estudados até agora no Brasil.

 

Prisão de Ventre

 

A concentração de fibras na semente de abóbora é bastante elevada, o que torna o consumo diário desta semente muito indicado na prevenção e tratamento da prisão de ventre. Mas não esqueça que: 1) a semente crua é muito mais benéfica que a torrada e, 2) o aumento do consumo de fibras deve ser acompanhado pelo adequado consumo de líquidos: água, sucos e alimentos crus.

 

Bom Para o Coração

 

O óleo contido na semente da abóbora é rico em ácidos graxos monoinsaturados, já reconhecidos como benéficos ao sistema cardiovascular. Estudos revelam que o seu consumo diário tem efeito redutor das taxas de colesterol e triglicérides. As vitaminas A, B1, B2, E, Niacina, Ácido fólico, e os minerais magnésio, zinco, ferro, cobre, potássio, manganês, cálcio e selênio complementam este pacote que promove saúde ao coração.

 

Pele e Olhos

 

A semente de abóbora é rica em vitamina E, reconhecida pela sua ação antioxidante, o que ajuda no combate ao envelhecimento precoce, não só da pele, como das células de todo o organismo. Já a vitamina A age a favor dos olhos e previne doenças como a degeneração macular.

 

Próstata

 

Por conta de seus lipídios e da alta concentração de zinco, o consumo da semente de abóbora melhora os músculos da bexiga, descongestionando a próstata e já é considerada um dos melhores tratamentos naturais na prevenção de problemas da próstata e trato urinário. Com todas essas características, a semente de abóbora é um alimento que não pode faltar na sua casa! As suas propriedades nutricionais são ótimas para crianças, adolescentes, gestantes e todos que desejam melhor desempenho de memória e inteligência.

 

Fonte: www.emex.com.br/sua_alimentação

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Vejam que notícia interessante!!!!

 

Cenouras ajudam a enxergar melhor? Não, mas o chocolate sim!

Pesquisadores mostram os beneficios de comer chocolate amargo para a visão e cognição

por Cheryl G. Murphy

 

Já fui questionada inúmeras vezes por pacientes se cenouras realmente podem melhorar a visão. Acho que alguns olham para as cenouras pensado ser a grande cura mágica para seu problema refrativo. Querem eliminar a necessidade de usar óculos comendo cenouras encantadas. Quando na verdade a cenoura faz parte da nutrição necessária para manter olhos saudáveis e ajudar a retardar a progressão de determinadas doenças como catarata e degeneração macular. No entanto, estudos recentes têm demonstrado que o que você come pode, temporariamente, aumentar a nitidez da sua visão e até mesmo melhorar a cognição.

 

Novos estudos sobre flavonoides do cacau

Em maio, pesquisadores da University of Reading, na Inglaterra, mediram as habilidades visuais e de detecção de movimentos em 30 adultos saudáveis duas horas depois de terem consumido chocolate (amargo ou branco). O chocolate amargo contém antioxidantes a partir de grãos de cacau chamados de flavonoides do cacau ou FC, enquanto o chocolate branco contém apenas vestígios desses antioxidantes. O estudo foi estabelecido para examinar os efeitos de FC sobre a visão e cognição. No ano passado, um grupo na Austrália e Inglaterra ─ incluindo dois pesquisadores da Mars UK─ revelou que flavanoides de cacau ajudam a melhorar os aspectos da função cognitiva em adultos e jovens saudáveis, mas esse novo estudo foi o primeiro a centrar-se sobre a possibilidade de um reforço no desempenho visual.

 

A pesquisa da University of Reading foi assim: 30 pessoas foram divididas em dois grupos. Um grupo consumiu chocolate amargo (contendo 720mg de FC), e o outro consumiu o branco. Duas horas depois, quando o FC estaria produzindo seus efeitos fisiológicos, ambos os grupos passaram por uma série de testes. Os efeitos sobre a visão foram medidos por testes de sensibilidade visual ao contraste de detecção de movimentos. A performance cognitiva também foi observada por meio de testes de memória visual de locais. Os pesquisadores registraram os resultados e, uma semana depois, repetiram o experimento com os os mesmos 30 indivíduos, só que desta vez eles trocaram os chocolates.

 

Influência de flavonoides de cacau na visão

Os pesquisadores perceberam uma melhora na performance visual e cognitiva dos indivíduos que consumiram chocolate amargo. Os indivíduos que consumiram chocolate branco não tiveram um aumento real em seus testes de desempenho. Isso sugere que em menos de duas horas os FC podem melhorar temporariamente certos aspectos da visão e cognição.

 

Pesquisadores acreditam os FC aumentam o fluxo sanguíneo dos olhos e cérebro e que é isso que leva a um melhor funcionamento dessas estruturas. Os autores explicaram que os resultados do estudo demonstram pela primeira vez que o desempenho em testes de função do sistema visual em jovens e adultos saudáveis pode ser melhorado através do alto consumo de FC.

 

Fonte: site do UOL de 04.08.2011

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

Entre para seguir isso  

×