6 destinos baratos e pouco conhecidos de Santa Catarina


Em 1504 o navegador francês Binot Paulmier de Gonneville foi um dos primeiros a aportar nas terras que hoje são conhecidas como Santa Catarina. Teria passado 6 meses em companhia dos índios carijós perambulando entre as praias da Tainha e o Canto Grande em Bombinhas.  Foi de Santa Catarina também que partiu Álvar Núñez Cabeza de Vaca , em 1541, o desbravador que percorreu a serra do mar rumo ao Paraguai. Foi o primeiro Europeu a ter contato com as Cataratas do Iguaçu (Imagine a cena…).

O estado brasileiro que hoje é conhecido pelas belezas de Florianópolis e pelas cidades da Serra catarinense, colonizadas por alemães e italianos, sempre atraiu aventureiros e viajantes e é com esse espírito que tentaremos reunir aqui destinos que ainda permanecem pouco conhecidos do grande público.

Esse post é uma lista aberta atualizada periodicamente, portanto você também pode colaborar deixando dicas sobre os destinos postados ou sugerindo novos destinos utilizando a caixa de comentários.  Só não esqueça que só valem  destinos baratos e pouco conhecidos de Santa Catarina.  As belas praias do litoral catarinense, Florianópolis, Urubici e região e demais cidades já conhecidas no turismo nacional não entram na lista.

1. Ascurra – SC

Destinos Brasil
Cânion da Cruz da Pedra, Serra da Leoa, Ascurra, SC – Foto: Alessandra Branco / @alemmbranco

 

O município de Ascurra, que hoje possui um pouco mais de 7.000 habitantes, foi um dos vilarejos da região do Vale do Itajaí que no final do século 19 recebeu parte dos colonos italianos que imigraram para o sul do país.

Rodeada de montanhas, vales e serras e com algumas construções que ainda preservam os traços da colonização italiana, é uma das cidades que integram o circuito turístico do Vale Europeu em Santa Catarina.

O que fazer em Ascurra

A principal atração de Ascurra é a Reserva Ecológica Serra da Leoa, uma área de 1800 hectares com cachoeiras, riachos, lagoas, trilhas e um mirante com rampa de asa-delta e vista panorâmica do Vale Europeu.  A reserva conta com área de camping, hostel e chalés.

Não há transporte público até lá, mas os proprietários oferecem transporte a partir da Pousada Nona Rosina, que fica no centro da cidade de Ascurra.

Entre as atrações da reserva está a Fenda Cruz da Pedra, formação que leva este nome porque na junção das montanhas se forma um cânion e dele resulta o formato de uma cruz. É uma fratura geológica gerada a partir da movimentação das placas tectônicas e tem aproximadamente 2 a 4 m de largura, 300 m de comprimento e com paredões de rocha que variam de 25 a 40 m de altura.

Para se chegar até ela é preciso caminhar por uma trilha de 4 km em meio à Mata Atlântica. O percurso de ida e volta leva em média 4 horas.

O preço para realizar a trilha é de R$ 55 por pessoa e inclui visita à outras atrações do local .

Entre as outras atrações da reserva estão:

Mirante Pedra da Leoa: 600 m do portão de entrada. Acesso por estrada de terra. Autoguiado.
Mirante da Cachoeira do Uivo: 4 km do portão de entrada. Acesso por estrada de terra + 2 km de trilha. Guiado. Somente com guia e mínimo de pessoas exigido.
Cachoeira Cristal: 5 km do portão de entrada. Acesso por estrada de terra + 50 m de trilha. Autoguiado.
3 Cachoeiras da Fafá: 5 km do portão de entrada. Acesso por estrada de terra + 2 km de trilha. Autoguiado.
Mirante do Vale da Liberdade/Torres: 10 km do portão de entrada. Acesso por estrada de terra. Apenas para veículos 4×4. Autoguiado.
Cachoeira do Zinco: 12 km do portão de entrada. Acesso por estrada de terra. Autoguiado. Atrativo localizado na propriedade vizinha. Apenas para veículos 4×4.

Quanto custa viajar para Ascurra?

  • Passagem de ônibus pela viação Catarinense: Florianópolis x Ascurra = R$ 71
  • Preço da diária de camping: R$ 35 por pessoa
  • Preço de quarto duplo no hostel:  R$ 80 por pessoa
  • Preço diária de chalé para 2 pessoas: R$ 200

2. Apiúna – SC

Morro Dom Bosco – Foto: Picos, Morros, Ele e Ela

 

Apiúna é outro município que faz parte do circuito do Vale Europeu, também rodeado de montanhas e com mais de 100 cachoeiras catalogadas em seu território. Além de italianos e alemães o vilarejo onde se ergueu a cidade recebeu uma parte dos imigrantes poloneses que aportaram no país no final do século 19.

Em língua tupi-guarani, Apiúna significa ‘cabeço negro', uma referência a montanha arredondada e escura que existe na cidade, o Morro Dom Bosco que tem 390 metros de altura.

O que fazer em Apiúna

Trekking Morro da Cruz: trilha de dificuldade média com duração aproximada de 3h, subindo por cerca de 350m. No alto, vista para a cachoeira Santa Luzia e cânion do Rio Itajaí-Açú.

Rafting no rio Itajaí-Açú: 8 km de descida em botes infláveis pelas corredeiras do rio Itajaí-Açú. Classe II a IV, ideal para quem nunca praticou o esporte.

Cachoeirismo no Baú: rapel em cachoeira de 35 m que poderá ser realizado dentro ou fora d’água. Ideal para iniciantes.

Canyoning 3 Dedos: rapel em cachoeira de 40 m, seguido por caminhada, nado e escorregas pelo ribeirão até cachoeira de 18 m para outro rapel.

3. Porto da União – SC

Salto do Rio dos Pardos – Foto: Dinarte Guedes / Google +

O que fazer em Porto União

Salto do Rio dos Pardos:  Com 72 m de altura, é a maior queda-d’água do município. O acesso é por trilha íngreme em meio à mata abundante. Fica a 49 km do Centro, no distrito de Santa Cruz do Timbó.

Cachoeira do Rio Bonito:  Uma das mais procuradas para a prática de rapel, com infraestrutura que reúne camping e restaurante. A 48 km do Centro.

Fonte: Santur

4. Corupá – SC

Cachoeira do Salto Grande – Foto: Anna Paula Back / @anna_pe

O que fazer em Corupá

Trekking Morro da Igreja – Corupá/São Bento do Sul: O morro da Igreja é uma formação rochosa com 870 mts de altitude e situa-se na cidade de São Bento do Sul, mas tem acesso por Corupá por uma trilha com cerca de 2.7 Km.

Rota das Cachoeiras – RPPN Emílio Fiorentino Battistella:  No parque há  14 cachoeiras que podem ser visitadas através de 2 trilhas que percorrem o Vale do Rio Novo. A trilha Passa Águas possui 2.950m onde é possível realizar a observação da fauna e flora, com suas exuberantes árvores encontradas no local, bem como admirar a beleza cênica proporcionada pelas cachoeiras formadas no Rio Novo.  Através da Trilha do Araçá é possível chegar a última cachoeira, o Salto Grande da foto acima, tem 125m de queda.  O percurso leva em média 4h para ser realizado com segurança. Possui infra-estrutura de estacionamento, banheiros com chuveiro e churrasqueiras.

5. Doutor Pedrinho – SC

Cascata Véu da Noiva, em Doutor Pedrinho – Foto: Carla de Santanna / Instagram: @carladesantanna

O que fazer em Doutor Pedrinho

Cachoeira Véu de Noiva:  Trekking e rapel em queda de 63 m de altura. Para a piscina natural, são 20 minutos de trilha leve. Para chegar ao topo, mais 20 minutos. Estrada de Campina, a 10 km do Centro.

Cachoeira Negherbon II: Queda de 15 m, a 9 km do Centro.

Cascata Salto Donner: 25 m de queda, a 5 km do Centro, na margem direita da BR-477.

Cânion do Caixão: Canyoningcascading e rapel na Gruta do Capivari (12 a 30 m), Salto Garovinha (5 e 15 m) e na Cachoeira Paulista (40 m). Fica no Vale do Capivari.

Cânion do Ferrioto:  Rapel, canyoning e trekking ao longo do rio que cruza a região.

Circuito Mochileiro:  Atravessa trilhas, pontes, plantações e jardins em dois trajetos diferentes até Benedito Novo.

 Trilha da Sapopema:  Uma experiência na terra do povo Xokleng na Serra do Vale do Itajaí/SC.  Uma trilha de 1800m no meio da Mata Atlântica nas nascentes do Rio Benedito.  Conheça esta enorme Biodiversidade e uma das últimas Reservas do Xaxim Bugio.  No final da trilha uma confraternização na cabana Xokleng com canto, histórias e o delicioso Capung, uma tradicional comida indígena assada em taquara na fogueira.

Fonte: Santur

Salto Donner em Doutor Pedrinho – Foto: Santur

 

6. Alfredo Wagner – SC

Soldados de Sebold – Foto: Cleber Stassun / Panoramio

O que fazer em Alfredo Wagner

Trilha da Pedra Branca: Trilha de subida ao topo da Pedra Branca, montanha com cerca de 1666 metros de altitude. Para chegar ao local é preciso caminhar, no começo, em meio a pastagens, atravessando alguns riachos e aos poucos ir adentrando uma mata cheia de nascentes e árvores centenárias.  São cerca de 2h30 de caminhada.

Trilha dos Soldados de Sebold: Em uma paisagem belíssima na Serra do Campo dos Padres estão os soldados, que são quatro pedras dispostas sobre a formação rochosa conhecida como “Facão dos Soldados”. Com altura média de 90 metros, as formações  têm esse nome por se parecerem com quatro soldados enfileirados em guarnição à cordilheira.

Cânion Arroio Leão:  Para chegar até o Cânion Arroio Leão se utiliza a estrada Geral do Caeté, partindo do centro.  O cânion fica na propriedade da família do Lázaro Steinhauser e ele mesmo guia os turistas.  Para os visitantes existem duas opções: ir até o início do Cânion e contemplar a paisagem ou para os mais aventureiros, adentrá-lo.

Mais informações sobre o que fazer em Alfredo Wagner você encontra no blog da Carol Pereira e nos seguintes posts do Mochileiros.com:


1 comentário em “6 destinos baratos e pouco conhecidos de Santa Catarina”

  1. Lugares incríveis, fiz alguns de moto, mas tem muito a conhecer ainda.
    Como fazer para obter os mapas ?

    Responder

Deixe um comentário