Dicas de Fernando de Noronha


Dicas de Fernando de Noronha:

Não é novidade que Fernando de Noronha não é um destino barato, mas o que talvez seja novidade para muita gente é a frequência com que se tem visto fotos de amigos, parentes e colegas de trabalho visitando a ilha. Todo mundo conhece alguém que já foi. Parece até perseguição ou coisas do destino, basta entrar nas redes sociais ou ligar a TV que está lá a famosa imagem do Morro dos Dois Irmãos e a sensação de que só falta você lá. Mas será que todos os seus amigos ficaram ricos de repente?  Não, eles certamente se planejaram bem.

Dicas de Fernando de Noronha
Morro Dois Irmãos, um dos cartões-postais de Fernando de Noronha | Foto: Bruno Lima/MTur.

Não é a toa que Nando Cordel canta que “Noronha é a ilha da paz”, não dá pra aproveitar na pressa, nem chegar em um dos seus incríveis mirantes apenas para tirar uma foto sem parar para contemplar (a paisagem, e não apenas a foto por anos a fio). Mas como existe uma Taxa de Preservação Ambiental (TPA) diária que o visitante paga, muita gente acredita que economizará ficando o mínimo de tempo possível.
Juntando com o fato de que “só tem praia”, há ainda quem pense que após alguns dias vai se sentir entediado sem mais nada pra fazer, ledo engano. Pra começar, a “economia” na TPA não é muito esperta, é que o visitante compra o Ingresso do Parque Nacional Marinho (PARNAMAR) que é válido por 10 dias e custa quase R$ 100,00 (e o dobro para estrangeiros),  cujo valor não varia se você usufruirá do livre acesso a área durante 2 ou 10 dias. E ainda tem o peso do valor da passagem aérea. Então é aconselhável colocar na balança quanto custam sua hospedagem + TPA + custos variáveis (alimentação, festas e passeios) com quanto você investirá em passagem e Ingresso do Parque, para encontrar o equilíbrio ideal dentro do seu orçamento e perfil.
Aconselhamos no mínimo 5 dias inteiros na ilha para conhecer e desfrutar tudo, lembre-se que praticamente só há voos à tarde e dependendo do horário dos seus, pode ser que não dê tempo de fazer muita coisa no primeiro e no último dia.
Lembre-se também de respeitar o seu perfil de viajante, não precisa nem deve fazer tudo que todos fazem, Noronha é um dos melhores pontos de mergulho de cilindro do mundo, mas isso pode não ser sua praia. Tem rapel, tem trilhas inclusive gratuitas (e as regras de agendamento* dessas trilhas as tornam impossíveis para quem fica menos de 4 dias na ilha, mais uma razão para ficar mais tempo), tem o passeio de barco simples e aquele adicional que você paga pra ser puxado por uma pranchinha usando snorkel (opcional), tem travessias aquáticas com uma rica vida marinha, tem forró a noite, tem cerveja cara na balada, tem cerveja mais barata nos mercados e tem quem não vai gastar com isso porque não bebe, então existem mil possibilidades e se você for bem assessorado pelo staff da sua pousada ou hostel, saberá usar bem seu dinheiro e seu tempo.

Praia do Sueste | Foto: Bruno Lima/MTur.

A ilha tem a segunda menor BR do país com apenas 7km, mas nem por isso dá pra fazer tudo a pé, são muitas ladeiras, curvas e algumas estradas sem asfalto (que em dias de chuva viram caminhos de lama), estou lhe passando esta informação não para assustar, mas para ajudar a se planejar pois há quem acredite que alugar uma bicicleta seja a melhor alternativa, mas pode ser cansativo e perigoso, moto requer um guia experiente, carro requer um investimento alto (buggys estão a partir de R$ 250,00 a diária sem contar com a gasolina), ainda tem o ônibus que custa R$ 5,00 e te deixa em pontos-chave ao longo da via principal e você complementa seu trajeto a pé, além da boa e velha carona que é bem comum e segura na ilha.

Vista da Vila dos Remédios | Foto: Bruno Lima/MTur
Praia do Boldro | Foto: Bruno Lima/MTur.

A gastronomia do  Nordeste é sempre incrível e Noronha possui bons restaurantes e chefs renomados, não dá pra reclamar do preço quando em seu dia-a-dia na cidade em que você mora tem o hábito de comer fora em restaurantes caros, é igual! Quanto o turista já vem de outros destinos nordestinos e já provou de tudo é até compreensível priorizar a economia e comer apenas nos “pratos feitos” (R$ 30,00) e quentinhas (R$ 25,00) que há pela ilha, mas se sua viagem no Nordeste se resume à ilha, não pode deixar de desfrutar dos peixes, temperos e sobremesas pernambucanas imperdíveis. É como não comer massa na Itália, Paella na Espanha ou Tacacá no Pará. Entre uma boa refeição e outra recomendamos se hospedar próximo a supermercados, o bairro com a maior concentração deles é a Vila do Trinta onde também há uma praça com comida de rua à noite (com tapioca a R$ 10,00 e muito mais), outra dica de ouro é escolher uma hospedagem que ofereça café-da-manhã, você pode não acreditar mas  é bem comum esse serviço não ser oferecido devido aos custos da ilha (logísticos e de mão-de-obra). Para passar um dia inteiro na praia sempre leve um salgado, doce, fruta e água de 1,5L pois em algumas delas não há venda de nada, ou há poucas e caras opções, mas não precisa trazer nada disso de fora como alguns exagerados recomendam (a não ser que você venha ficar um mês!), pois os supermercados vendem e não é o dobro do preço do resto do Brasil (as frutas sim).

Sempre que eu viajo me hospedo em hostel que tem cozinha comunitária e boas áreas sociais, pois é na convivência e interação com outros viajantes que faço não só novos amigos como obtenho as melhores dicas de viagem, vejo com os que chegaram antes o que vale e o que não vale a pena fazer, dividimos de pizza a aluguel de carro, e essa troca de experiência não tem preço além de sair mais barato do que me sentir só em um quarto do hotel. Noronha agora tem hostels e a Casa Swell é o único que oferece café-da-manhã  e cozinha equipada sempre à disposição, e por ser maior que os demais há mais chances de conhecer pessoas legais. Também escolho hostel pelo tamanho, e sobretudo no exterior opto pelos quartos com maior número de camas já que são os mais baratos.

O que torna as passagens aéreas para Noronha mais caras é a boa e velha relação oferta e procura, uma vez que o aeroporto funciona em horário restrito por razões ambientais, e pelas mesmas razões existe limite de visitação (como por exemplo a proibição – e recente permissão com ressalvas – à chegada de pessoas via cruzeiros). Isto significa que há regras no Brasil regidas não pelo dinheiro, mas pela preservação à natureza, e isso é raro e necessário. Temos que respeitar, e temos que entender que a magia do destino é exatamente o milagre de ainda estar preservado! Sem dúvida a ilha vale cada centavo investido!

*Pelas regras atuais (agosto-2018) do ICMBio você agenda sua trilha pessoalmente e apenas com o ingresso do PARNAMAR em mãos, mas a vaga disponível para trilha vai ser para quatro dias depois, por isso aconselho ir logo no dia da chegada (exceto aos domingos quando não há agendamento).


Deixe um comentário

Log in

Esqueceu a senha?

Forgot your password?

Enter your account data and we will send you a link to reset your password.

Your password reset link appears to be invalid or expired.

Log in

Privacy Policy

Fechar
de

Enviando Arquivo…