Turistas que danificaram templo em Machu Picchu serão deportados e um responderá judicialmente


Cinco dos seis turistas detidos por danificarem área do Templo do Sol, em Machu Picchu serão deportados. As informações são do Yahoo Notícias, citando a AFP. O outro responsável por entrar na área sem permissão e causar efetivo dano ao patrimônio deverá responder judicialmente.
Ainda de acordo com a publicação, o argentino Nahuel Gómez, de 28 anos revelou ter tirado uma pedra do muro do Templo do Sol, que caiu e causou fissura no piso do templo. A pena para quem causa dano ao patrimônio é de no mínimo quatro anos de acordo com a lei peruana.
Os outros turistas aguardam os trâmites de deportação na Unidade de Segurança de Cusco.

danomp direccion
A direita, imagem divulgada pelas autoridades locais mostra dano no piso | Fotos: Dirección Desconcentrada de Cultura.

A Andina, agência peruana de notícias divulgou nomes, idades e nacionalidades dos turistas:
Favian Eduardo Vera Vergara, de 30 anos, nacionalidade chilena;
Marion Lucie Martinez, 26, francesa;
Cristiano da Silva Ribeiro, 30, brasileira;
Magdalena Abril Retamal, 20, brasileira – algumas publicações tratam esta turista como argentina (o que nos parece mais provável dado o nome mais aproximado do espanhol que do português – estamos checando as informações), como a Agência Digital ADN Peru, em uma publicação no Facebook.
Leandro Sactiva, 32, argentina e
Nahuel Goméz, 28, argentina.

Noticiamos sobre o caso ontem (aqui) e abaixo você pode conferir entrevista com o coronel Wilbert Leyva Durán, chefe de polícia da região de Cusco falando sobre:

A foto (da home e) que traz até este post é de Azzedine Rouichi/Unsplash.


3 comentários em “Turistas que danificaram templo em Machu Picchu serão deportados e um responderá judicialmente”

  1. É impensável o que ocorreu. Você vai a um país estrangeiro, há 2430m de altitude, vivenciar seu mais importante patrimônio… para DESTRUIR este patrimônio. O ato alcança grau de selvageria que coloca tais indivíduos em nível inferior ao dos animais que, esses sim, não veriam nenhuma diferença entre o certo e o errado. É bom ver que o grupo é oriundo de diferentes países, mostrando que a ignorância, falta de respeito e selvageria, não têm hemisfério nem continente predominante. Que sejam enquadrados na letra da lei daquele país e interditados de visitar qualquer outro bem do patrimônio mundial. Esta seria uma pena justa a tamanha ofensa.

    Responder

Deixe um comentário