Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''islas''.

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Faça perguntas
    • Perguntas Rápidas
    • Perguntas e Respostas & Roteiros
  • Encontre Companhia para Viajar
    • Companhia para Viajar
  • Envie e leia Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Encontre companhia, faça perguntas e relate experiências em Trilhas e Travessias
    • Trilhas e Travessias
  • Tire dúvidas e avalie Equipamentos
    • Equipamentos
  • Outros Fóruns
    • Demais Fóruns
    • Saúde do Viajante
    • Notícias e Eventos

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que contenham...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 1 registro

  1. Ica, 12 de outubro Acordei cedo novamente, por volta das 04:20h. O resfriado deu uma piorada de ontem pra hj, mas tomei dorflex e tem feito algum efeito. Fiquei deitado até às 05:50h quando trocou o despertador. Fora do quarto estava frio e resolvi colocar blusa e calça. Subi à cozinha e fiz 2 ovos fritos com queijo. A van demorou um pouco e comecei a ficar preocupado. Será que me esqueceram? Ou pior, fui enganado??? 🤔 Pois é, a gente acaba pensando mil coisas, mas uma lição que aprendi é que a grande maioria das pessoas no Peru é honesta. Um povo que tem as suas dificuldades, mas, de todas essas andanças que tive por lá (foram 3 viagens consecutivas) não tive nenhum problema e nem me senti inseguro. Já não posso falar disso em relação ao Chile e Bolívia... Atrasou mas chegou após 10 minutos do horário. A van era bem nova e confortável. Consegui um lugar na frente e na janela para ir observando o caminho. Partimos para Paracas e na saída um acidente travava todo o trânsito. Era um caminhão tombado em cima da estrada e tivemos que desviar pela lateral. Nós e todo o trânsito da região! Mas, depois que passamos a viagem foi bem tranquila. As estradas estavam bem conservadas e quase sempre em linha reta até o nosso destino. Chegamos à Paracas e no desembarque fomos direcionados às bilheterias a fim de fazer o pagamento das taxas ambientais, no valor de 18 Soles. Neste momento, paguei 45 Soles do restante do passeio (adiantei 25 soles no dia anterior para garantir o lugar). Bilhete na mão, fomos encaminhados para aguardar o embarque em uma das lanchas do passeio. Paracas é uma reserva de proteção ambiental e também uma importante zona arqueológica da cultura de mesmo nome. Até um tempos antes de planejar essa viagem, também tinha aquela visão equivocada de que os Incas eram a única civilização de destaque no Peru. Ledo engano... Ainda bem que pesquisei bastante e, com isso, montei os meus roteiros a fim de conhecer melhor essas outras culturas tão desconhecidas mas de importância enorme na história. Chegou a hora do embarque e apresentei o ticket da taxa paga para o passeio. É importante permanecer com ele durante todo o passeio, que ainda terá continuação após as lanchas. Posicionei-me no lado direito da lancha, no lugar logo atrás ao do capitão, com a intenção de fazer boas tomadas. Mas aí cometi um erro. O melhor lugar está no lado ESQUERDO. É, eu errei nesta porque não tinha nenhuma informação anterior. Assim, lhe repasso essa dica para que tenha uma melhor visão e aproveite melhor o passeio. Iniciamos o deslocamento em meio a uma névoa que limitava momentaneamente a visão. Porém, um pouco mais adiante, acabou se dissipando de modo a contribuir com o nosso passeio. A primeira parada que fizemos foi para contemplar o Candelabro, um Geóglifo gigante esculpido em uma montanha pela civilização Paracas. Os Paracas repassaram esses conhecimentos e influenciaram outras culturas, como a dos Nascas, que, por sua vez, fizeram os geóglifos mais famosos e enigmáticos do planeta: as linhas de Nasca! O verdadeiro propósito do Candelabro é desconhecido. As hipóteses vão de rituais religiosos, orientação geográfica, passando pelos ETs... Infelizmente, acredito que jamais saberemos. Ainda assim, é um feito de engenharia extraordinário levando em conta que se estima ter mais de 2000 anos. E prosseguindo o passeio, vamos até umas pequenas porções de terra mais distantes... As Ilhas Ballestras! Estas são um verdadeiro refúgio para os pássaros e animais marinhos, como os leões marinhos e até... pasmem... pinguins! Sim, difícil imaginar tais animais por aqui. A explicação é que migram pelas correntes marinhas de Humboldt, a fim de se acasalarem e procriarem por aqui. Um grupo de pinguins de Humboldt em meio aos pelicanos. E os leões marinhos curtindo um sol (?!?) Fascinante esse passeio! Agora, tem o lado não muito glamoroso... Imagine... Vários pássaros... É uma chuva de cocô infernal 🤮 Ainda bem que estava com o meu chapéu... Vi alguns bombardeios certeiros no meio da lancha! Ainda assim, é um passeio imperdível para quem estiver pela região! Retornamos ao porto e fizemos uma pausa enquanto era providenciada a van para continuarmos o passeio pela reserva ecológica. É um bom momento para comprarmos alguns artesanatos locais e tirar fotos. A segunda parte do passeio é por via terrestre. Embarcamos na van e seguimos pela reserva até o ponto de checagem. Uma das principais atrações é a Playa Roja (Praia Vermelha). Paramos em um mirante onde tivemos uma visão incrível da região. Ventava bastante também, o que atrapalhava até a captura das imagens. Descendo, fomos conhecer a praia de perto. A cor avermelhada é devido a alta concentração de ferro nos sedimentos, o que a torna única! Andamos mais um pouco e chegamos a um centro de recepção onde havia restaurantes. Mas já alerto que é daqueles do tipo "pega turista", oferecendo menos por mais! Como levei o meu lanche, aproveitei melhor o tempo e tirei boas fotos. Acima o restaurante... O momento em que veio uma onda e molhou os meus tênis... 🤣 Depois, ainda visitamos um museu que trazia expostos os animais da fauna local, fósseis e também peças arqueológicas da civilização Paracas. Julio C. Tello foi um famoso e importante arqueólogo peruano. Acima, uma placa contendo fósseis encontrados na região. O pisco, bebida típica cuja origem é disputada entre Peru e Chile. Essa seria a região onde a bebida teria sido criada, a partir da destilação de aguardente de uvas. Um acervo pequeno, mas bem ilustrativo da reserva de Paracas. Regressando à Ica, a van não quis me deixar de volta no Hostel e desci na Plaza de Armas... Eram 16:30h e fui caminhando por 2 Km. Chegando no Hostel até pensei em arrumar os equipamentos para tirar fotos noturnas, mas o cansaço começou a bater forte. Tomei um bom banho, fiz uns ovos mexidos com queijo para comer (a cozinha do hostel é liberada para usarmos, inclusive a geladeira) e tratei de descansar e me preparar para o próximo destino na manhã seguinte: Nasca! Agora que já leu o relato, dê uma conferida no vídeo deste episódio. Ah, e se você achou as informações úteis, compartilhe o relato e o vídeo com mais pessoas, não esquecendo de deixar também os seus comentários. Assim você me estimula a continuar contando mais histórias... 🤭 É isso aí e não perca o próximo episódio! 🤠 PERU: Nasca, um cenário do outro mundo!
×
×
  • Criar Novo...