Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''flicks''.

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Faça perguntas
    • Perguntas Rápidas
    • Perguntas e Respostas & Roteiros
  • Encontre Companhia para Viajar
    • Companhia para Viajar
  • Envie e leia Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Encontre companhia, faça perguntas e relate experiências em Trilhas e Travessias
    • Trilhas e Travessias
  • Tire dúvidas e avalie Equipamentos
    • Equipamentos
  • Outros Fóruns
    • Demais Fóruns
    • Saúde do Viajante
    • Notícias e Eventos

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que contenham...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 8 registros

  1. Arequipa, 16 de outubro Dormi até às 06:40h. Acordei, tomei meu café especial: leite evaporado com whey protein e pão com queijo. O leite evaporado é bem consistente (tipo um creme mais espesso) e resulta do processo de extração da água, ficando bem parecido com creme de leite. Uma delícia com chocolate em pó e também com café solúvel. O melhor de tudo é que dura mais tempo sem refrigeração. Neste dia, embarcaria para o próximo destino, Cusco! Mas... o ônibus era só à noite (opção minha para eliminar um pernoite e também porque o tempo de viagem é bem grande) 🙄 Bom, e o que fazer até esse horário? Fiz o check out para não ter que pagar outra diária e combinei com o hostel deixar as mochilas no depósito (gratuitamente) e aguardar nas dependências. Para aproveitar o tempo ao máximo, tratei de ir caminhar pela cidade, a fim de encontrar lugares interessantes para boas fotos e comprar algumas lembrancinhas da cidade. Fui então para o ponto central, a Plaza de Armas, visitar a Catedral de Arequipa. Construção iniciada no século XVI, é toda construída em Sillar, um tipo de pedra vulcânica bem abundante na região. Durante a sua existência, passou por uma série de grandes terremotos ( 1666, 1668, 1669, 1784, 2001) e um grande incêndio em 1844, necessitando de várias restaurações. Por esse motivo, quase nada resistiu da construção original, mas mesmo assim preserva uma bela arquitetura colonial. Achei bem curioso o fato de os sinos estarem em suporte de madeira e atados com cordas... Detalhe que passa despercebido pela maioria pois fica bem no alto da maior torre e captei com um bom zoom da teleobjetiva. O interior é bem sóbrio e grossas colunas sustentam vários arcos do teto, com pequenas aberturas nas abóbodas para o provimento de luz. Devido a intensa atividade sísmica, desde o seu projeto inicial foi concebida sem janelas, o que é algo bem recorrente na maioria das igrejas peruanas. Depois da catedral, fui visitando outras igrejas no entorno da Plaza de Armas, admirando as suas construções e o esmero com o qual decoravam a sua fachada externa. Acredito que isso era propositalmente feito para atrair a população, na época em processo de conversão pela igreja católica. Esta, aliás, estava representada por diversas ordens religiosas que travavam uma verdadeira disputa na quantidade de seguidores (quanto mais, maior a renda e o poder, por assim dizer). Pertinho da região central temos a Igreja da Companhia de Jesus... E um pouco mais abaixo, a de Santo Domingo. Na época colonial, quanto mais próxima à Plaza de Armas, maior o prestígio e poder da Ordem Religiosa em questão... Já deu para perceber que a cidade é conhecida pelo vasto acervo arquitetônico da época colonial, que, em grande parte, está muito bem preservado/restaurado. Os museus também são bem interessantes. Na época da minha visita, para a minha surpresa estava acontecendo uma exposição sobre a civilização de Caral! E é claro que não deixei passar! O Peru tem investido muito em pesquisas arqueológicas e também na divulgação dos principais sítios junto à população, o que é incrível! Para eles, grande parte do acesso é gratuito ou com um desconto muito grande, o que incentiva bastante a difusão cultural. Uma das visitas que gostaria de ter feito é no museu onde guarda a Juanita, uma as múmias mais bem conservadas já encontradas no Peru e justamente no topo de um dos vulcões nas proximidades de Arequipa (Apu Ampato). Bem na época em que fui, ela estava indisponível para a visitação 😪. De tempos em tempos, ela é submetida a exames e estudos... Se tiver melhor sorte, recomendo a visita no Museo Santuarios Andinos. A cidade também guarda uma série de Conventos e Monastérios, sendo que o mais famoso é o de Santa Catalina. E o da Companhia de Jesus. Este último tem até lojas e cafeterias, pois está desativado. São tantas as atrações que é difícil relacionar... Só andando mesmo por essas ruas, sem pressa, para ir apreciando cada detalhe! Ah, e como mencionei em um relato anterior, o Free Walking Tour é uma ótima alternativa para saber sobre a história da cidade e conhecer alguns cantinhos bem especiais. Acima, a Iglesia de San Francisco. Achei uma galeria de artesanatos e comprei as minhas lembrancinhas, como chaveiros e uma pequena alpaca (a do meio), que até hoje está comigo! É, andei bastante a aproveitei bem o meu tempo. Comprei algumas coisinhas no mercado, voltei ao Hostel e dei uma descansada depois de comer. Quando eram 15:30h, resolvi ir para o Terrapuerto aguardar por lá mesmo o meu ônibus. Saí na porta do Hostel e já fiz sinal para o primeiro táxi (micro, por sinal) que apareceu. O bom é que eles param em qualquer lugar, literalmente 😅. Combinamos rapidamente o preço e, lógico, dando aquela chorada, baixei para 6 Soles!!! Joguei as mochilas dentro e partimos... Estava um sol terrível e o ar bem seco. Fiquei aliviado em poupar minhas pernas de mais essa caminhada. Chegamos rapidinho e fui para o terminal da direita. Mas não era esse. Daqui saem apenas os transportes regionais. Só atravessei para o outro lado e cheguei ao correto. Fui lá para o guichê da Cruz del Sul fazer o meu check in e despachar a bagagem. A mochila maior deu 16 Kg (o limite é de 30 Kg para despachar sem cobrança adicional) e a menor, com todo o equipamento eletrônico, mantive comigo mesmo (e eram mais 10 Kg). Infelizmente não pude usar a sala VIP para aguardar, pois segundo a atendente só era liberada 30 minutos antes do embarque. O jeito era aguardar e fazer o tempo passar, enquanto isso. Aproveitei para atualizar o diário da viagem (graças a eles tenho esses relatos detalhados), jogar no celular e andar de bobeira ao redor. Ah, tive que pagar uma taxa de 3 soles no terminal, que deveria ser apresentada no momento do embarque. O bom é que, com ela, poderia usar o banheiro nesse período. Finalmente, às 19:30h fui lá para o embarque. Passei pela revista com detector de metais e entrei na Sala VIP da Cruz del Sur, que por sinal estava lotada! Pelo menos consegui usar a internet e me distrair enquanto o ônibus não vinha. Mas foram só 15 minutos e já embarcamos. Para a minha decepção, não tinha Tela multimídia e nem tomadas USB... Partimos às 20:08h e meia hora depois o jantar foi servido! Pensa numa pessoa com fome... Ao comprar a passagem no site, já havia escolhido a opção para esse trecho: arroz, frango e pimentão. Veio também uma tortinha fininha de vegetais, um tipo de sagu de abacaxi e um copo de coca cola QUENTE. E assim finalizei mais um dia de aventura por terras peruanas, agora na expectativa já do "Gran Finale": Cusco e Machu Picchu! Não perca o próximo episódio! A chegada em Cusco!
  2. Cusco, 17 de outubro A viagem de ônibus entre Arequipa e Cusco não foi muito tranquila… Houve uma parada longa para lanche e banheiros no caminho e a calefação do perturbou bastante. No começo, um calor danado e depois ficou alternando entre os níveis "inferno e polar". Teve um momento em que começamos a subir uma grande serra e os ouvidos sofreram um pouco. Em resumo, nem consegui dormir, só alternei entre alguns breves cochilos. Chegando aos arredores de Cusco por volta das 5:50h, foi feito um sorteio no ônibus de uma passagem de volta à Arequipa e acabei saindo o ganhador! Uhuuuuu… Só que não, né? Não tinha como usar o voucher, que era válido por 20 dias. Mas valeu pela emoção, afinal de contas, sempre sou azarado com sorteios e quando ganho não levo… rsrsrsrs Fui olhando pela janela e tendo as primeiras impressões sobre Cusco… Bem feinha essa entrada da cidade… Chegamos ao terminal de ônibus às 06:30h, que também não era grande coisa. Tratei logo de pegar a mochila e sair em busca de um transporte antes que os demais passageiros chegassem. Pela distância já tive uma idéia do valor máximo que pagaria no táxi e, assim que o enxame de motoristas me cercou, já fui tratando de negociar. Inicialmente pediram 10 soles e ofereci 6, mas acabe fechando por 7 soles para não aguardar muito. Coloquei as mochilas em mais um micro-táxi e partimos para o hostel… Atento ao caminho, fui acompanhando o trajeto no Google Maps e observando os detalhes. Naquela manhã de segunda feira, o trânsito estava tranquilo e poucas pessoas estavam pelas ruas. Devia estar por volta de uns 15 graus de temperatura e estava usando a jaqueta mais leve. E o motorista era bem animado e conversador, ainda mais quando soube que eu era do Brasil 😉 O caminho foi ficando cada vez mais íngreme e estreito e o táxi foi literalmente pulando naquelas ruas de calçamento em pedra já no entorno do centro histórico. Numa rua em que mal dava para passar um carro, veio outro na contra mão e o motorista deu o jeito dele para poder passar… carro pequeno é bom por isso… rsrsrs Chegamos à Calle Arco Iris e fui até a recepção do Kurumi Hostel. Como era muito cedo, confirmei a reserva, fiz o check in antecipadamente (cortesia, pois seria somente às 11h) e gentilmente o proprietário me convidou para tomar um café da manhã, o que, de pronto, aceitei. (note a inscrição da Companhia de Jesus no pórtico!) No café da manhã me forneceram 2 pães, café com leite, um copo de suco, geleia, margarina e uma banana. Tudo muito bom e bem vindo para quem acabara de chegar faminto de viagem! Achei muito boa a hospitalidade e também a estrutura do lugar. Essa é a parte do jardim, com o refeitório ao fundo à esquerda (amarelo), lavanderia também à esquerda. O muro que aparece era parte de uma construção inca. Deixei as coisas no quarto que era compartilhado, peguei as câmeras e parti para explorar os arredores. O Hostel fica numa parte elevada da cidade, bem próximo à igreja de San Cristóbal e também do acesso à Sacsayhuaman. Da igreja tive uma bela visão panorâmica de Cusco e, por ser um lugar histórico, me detive um pouco mais para registrar. Além da igreja, um grande muro de pedras muito bem trabalhadas chamava a atenção. Era uma antiga construção inca de um quartel abaixo de Sacsayhuaman. Descendo, fui em direção às próximas atrações que já havia marcado no Google Maps. As ruas com calçamento em pedra e os vestígios de antigas construções chamavam a atenção… Pelo caminho, passei em frente ao hotel que o taxista tinha dito que era um dos mais caros da cidade, o Palácio Nazarenas (5 estrelas), situado em um importante construção histórica inca que, no período colonial, havia abrigado um antigo convento. No muro de pedras bem na esquina, estão 7 cobras em alto relevo no entorno, um dos poucos sinais do templo que havia no lugar. Quando os espanhóis chegaram para ocupar Cusco, os templos foram destruídos mas grande parte dos edifícios serviram como base para a construção de igrejas, quartéis e casarões. As pedras removidas foram usadas para erguer as catedrais, calçamento e fortificações. Mas o que eu queria ver mesmo era a Pedra dos 12 ângulos, uma verdadeira prova da habilidade de recorte e encaixe de grandes blocos na qual a perícia dos Incas ficou conhecida. Realmente impressiona pela precisão tanto dos cortes quanto pelos encaixes perfeitos, formando uma construção sólida que resistiu aos piores terremotos desde a construção. Andar pelas ruas estreitas é como estar em um museu a céu aberto! Difícil caminhar muitos passos sem ter que parar para apreciar os detalhes e tirar muitas fotos. E assim fui indo descendo… até que passei em frente a uma agência de turismo e fui perguntar, por curiosidade, sobre os passeios. Pelo que eu havia pesquisado até então, não daria para fazer o passeio ao Vale Sagrado, devido ao horário que cheguei. Mas, para a minha surpresa, fui informado que daqui a 15 minutos sairia um tour… E por somente 30 soles! Putz, perguntei se daria tempo e, como responderam que sim, tratei de sair correndo para trocar o dinheiro e pegar algumas coisas no Hostel, pois falaram que me esperariam. Na avenida El Sol encontrei a melhor cotação de toda a viagem 1 Sol por Real! Nossa, troquei dólares e reais e subi correndo até o Hostel. (quase morri subindo correndo por essas escadas) Peguei um casaco (ainda bem, porque à tarde gelou), mais baterias para as câmeras e um lanche. Cheguei na agência no horário combinado. Descemos correndo até a Plaza de Armas e a van já havia saído. Até fiquei com raiva, porque eu não atrasei e me garantiram que daria tempo. A alternativa que me arrumaram era pegar um táxi que conheciam. Conversamos com o motorista e ele queria cobrar 20 Soles! Nem pensar. O passeio de quase um dia inteiro era 30!. Ofereci somente 10 soles e ele acabou aceitando. Saimos rápido e fomos subindo a cidade toda, passando Sacsayhuaman e indo bem mais adiante. Pelo que andamos, até achei que os 10 soles tinham sido pouco… rsrsrs Encontramos o ônibus no caminho e, finalmente embarquei no passeio. Paguei os 30 soles para a guia e tratei de me acomodar na janela… como sempre! Ufa, que correria! Ainda bem que o período em Arequipa serviu para me aclimatar em relação à altitude, senão não teria esse fôlego todo de sair subindo e descendo por Cusco. E quem diria, justamente um dos passeios que mais queria e que já havia me conformado de que não conseguiria fazer estava agora em andamento… E, como tudo tem o seu preço, depois me traria um contratempo que quase arruinou a minha aventura… Mas isso, veremos nos próximo episódios!
  3. Episódio 9 Arequipa, 15 de outubro Acordei cedo... ou melhor, quase nem dormi direito. Fiquei na cama e só levantei às 02:40h para aguardar o ônibus. Preparei um lanche, separei os equipamentos e desci até a portaria. Passou das 3h e nada da van. Somente às 3:49h ela apareceu! Paramos em outros hostels e aí que ficou claro o motivo do atraso. Muitas das vezes, a van chega, avisa na portaria e ficamos esperando o povo levantar e vir para o passeio. Sim, acontece mesmo... povo irresponsável... Mais uma vez na parte da frente e junto à janela, me acomodei na van, bem nova também, e tentei descansar. Até dei umas cochiladas. Chegamos a Chivay, onde fizemos uma parada para tomarmos um café da manhã que estava incluso no passeio. Porém, tudo foi bem racionado e se resumiu a um pouco de suco, um pão e fruta. Este é um pequeno povoado no meio de uma cadeia de montanhas e vulcões, sendo que alguns ainda em atividade. Tomei um chá de folhas de coca para prevenir algum eventual efeito da altitude, o soroche. Não achei sabor algum e, para informação, não é capaz de deixar ninguém drogado (baixíssima concentração de alcalóides). Seguimos viagem e a próxima parada foi em um lugar menor ainda, uma vila chamada Maca. Ali estavam um mercado de artesanato e uma igreja, por sinal muito antiga. A igreja de Sant´Ana de Maca foi construída no século XVIII, porém destruída em um grande terremoto em 1991. Foi reconstruída seguindo as características originais. Em seu interior, altares trabalhados em madeira com aplicações de folhas de ouro. As imagens religiosas são uma mesca do catolicismo com figuras locais (sincretismo religioso). Repare na vestimenta das imagens e também do Cristo, que também ganhou roupas! O lugar não tem janelas, justamente para que a construção seja mais resistente aos terremotos. A iluminação é feita através de um jogo de espelhos, como mostrado na mesma foto. Na feira de artesanato a população expõe os seus produtos aos turistas (porém nem tudo é feito à mão, tem uns produtos chineses no meio). O que chamou mesmo a atenção foi esse belo falcão, que tratei de fotografar. Porém, o dono, vendo o meu interesse, já tratou de pegar a ave e colocar em cima de mim....🤣 Uma das turistas do grupo se ofereceu para me fotografar e, para a minha sorte, ela tinha alguma intimidade com fotografia e captou aquelas que seriam as imagens mais icônicas do passeio! Pense numas garras afiadas desse falcão! Fez uns buracos no meu braço. É claro que depois disso tive que fazer uma contribuição... Putz, pior que tinha só umas moedas (mão de vaca nível hard), mas foi 1,00s de coração (mentira) 🙄🤭 E segue o passeio por entre montanhas e vales. Fomos subindo cada vez mais... A nossa próxima parada foi em um mirante, de onde pudemos contemplar parte do vale do Colca. A curiosidade é que justamente neste vale parte uma nascente que vai ser um dos afluentes do rio Amazonas! Os terraços escavados nas montanhas são os chamados "andenes", onde utilizam para o cultivo de batatas e milho. Por serem raras as planícies nesta altitude, essa técnica milenar permite o aproveitamento de cada centímetro de terreno, mesmo os mais íngremes. E chegamos ao ponto alto do passeio, literalmente falando. O mirante da Cruz del Condor está a 3300m acima do nível do mar! O Valle del Colca é considerado um dos mais profundos do mundo, podendo alcançar até 4160m (duas vezes a profundidade do Grand Canyon). Porém, a grande atração mesmo é o avistamento dos condores, as maiores aves voadoras do mundo. Neste dia o céu estava bem claro e todos estávamos ansiosos pelo primeiro avistamento. Claro que não é nada garantido, mas a expectativa era bem alta. Até que, de repente, surge o primeiro condor: Pense numa correria para fotografá-lo assim que ele pousou nas proximidades... Claro que todos, muito educadamente, se colocaram de modo a não atrapalhar uns aos outros para captar o melhor ângulo... MENTIRAAAAA 🤣 Foi uma baixaria só, um empurra-empurra animalesco 🤪 Passado o frenesi inicial, consegui me posicionar sem ser incomodado e fui tirando as fotos do primeiro condor. Os bichinhos estão tão acostumados que até parecem posar para as câmeras... Algum tempo depois, mais condores foram surgindo! Apareceram 4 condores no total. Desci para o mirante mais ao fundo e fiquei contemplando o espetáculo. Consegui tirar excelentes fotos dessa experiência! Mas, olhando o relógio, vi que o horário de partida estava próximo. Apertei o passo e comecei a subir em velocidade para retornar à van. E olha só como estavam congestionadas as escadas! Dei um jeito de ir subindo por fora e cheguei bem rápido... Aí, deu uma pontada na cabeça... O primeiro sinal de que eu estava abusando do ar rarefeito. Uma breve tontura e já me refiz. Enquanto aguardava os demais passageiros, fui tirando tantas fotos quanto pude, para guardar com carinho todos esses momentos especiais. E os condores vieram até fazer um rasante bem pertinho para se despedirem! Agora embarcados novamente, fomos levados ao almoço lá em Chivay, parando antes em mais um lugar para usarmos os banheiros (pagos) e conhecer umas simpáticas alpacas. Em mais uma parada, fomos convidados a descer de tirolesa ou a nos refrescarmos em umas piscinas termais, tudo pago à parte, claro. Aproveitei o tempo explorando os arrredores. Essa segunda parada foi bem mais demorada, levando uns 90 minutos. Agora sim, paramos para o almoço. O preço de 30 soles o buffet (praticamente 9 dólares na época) não me animou nadinha e é lógico, estava prevenido com os meu lanches. E fiquei caminhando para conhecer os arredores... que não tinha nada de interessante! Chivay tem sítios arqueológicos importantes, porém são distantes do povoado e necessitaria pernoitar para fazer os passeios. Fica a dica! No retorno à Arequipa, paramos no mirador de volcanes a estonteantes 4800m de altitude. Apesar do sol, ventava forte e fazia frio! E assim, encerramos o passeio, chegando em Arequipa já no final da tarde e sob um trânsito dos infernos. Desci na Plaza de Armas e fui caminhando até o Hostel. Estava tão cansado que fui tomar um banho, comer algo, cuidar dos equipamentos usados, garantir o backup do dia e... capotei! Acompanhe o vídeo deste episódio e não seja mão de vaca! Clique para deixar o seu like, compartilhar o vídeo e deixar os seus comentários... E não perca o próximo episódio! Último dia em Arequipa!
  4. Ica, 13 de outubro Novamente acordando às 04:40h. Fiquei deitado até às 07:00h quando comecei a me arrumar. Subi para o Café, tirei algumas fotos. A estrutura desse Hostel é muito boa. Tem uma área para refeições... Um salão de jogos e estar E com destaque a esta cozinha que podíamos usar. Isso facilitou bastante a preparação de lanches e pequenas refeições entre um passeio e outro. Como havia saído muito cedo no dia anterior para o passeio à Paracas no dia anterior, nesta manhã seria a primeira vez que provaria o café da manhã do Hostel. E olha, me surpreendi pela qualidade e quantidade de opções! Vitamina de frutas, sucos, pães, bolos, frutas, omelete... Como fui o primeiro hóspede, fui servido muito rapidamente e me alimentei bem. Despedi-me dos colegas e já saí com a intenção de conseguir um transporte barato até o terminal de ônibus, lá na Plaza de Armas. Não demorou muito e, pechinchando como sempre, consegui pegar um tuctuc por 1,50 soles! Tá certo que não era muito longe, mas já consegui poupar uma caminhada de 2 Km pela manhã. Cheguei e despachei a bagagem (sim, lá temos que despachar antecipadamente) e como tinha mais 50 minutos de espera, fui à Plaza de Armas para tirar as últimas fotos de Ica. A catedral de Ica, construção do século XVIII estava fechada desde 2007, quando um terremoto de grande intensidade atingiu a cidade e quase a destruiu. Do conjunto histórico da época colonial, a maior parte está justamente ao redor da Plaza de Armas. Ica é famosa pelo Oásis de Huacachina e também é a terra do Pisco, a bebida símbolo do País. Inclusive tem passeios que podem ser contratados para se visitar as vinícolas da região. De volta ao terminal, aguardei mais alguns minutos até a chegada do ônibus com destino a Nasca. A estrutura é bem acanhada e faltam até cadeiras para sentar na parte inferior. Logo o ônibus chegou e desta vez era um Double Deck. Como vim em um excelente de Lima até aqui, estava na expectativa de pelo menos um mesmo padrão... mas não! Esse não tinha nada do padrão de conforto anterior. Os bancos eram de tecido, não tinha multimídia e nem tomadas USB. Bom, pelo menos a viagem foi bem tranquila. A paisagem pelo caminho alternava-se ora deserto, ora montanha, ora plantações irrigadas... Emoção maior quando atravessamos a região das linhas de Nasca, já chegando na cidade... Sim, são os famosos geóglifos! Mas, do nível do solo não é possível identificar o desenho. Aparentam apenas sulcos desconexos em meio ao deserto. Chegando a Nasca, Ica passou a ser bonita! Sim, a visão desta nova cidade é terrível. Feia, suja e muito pobre. Nem é a sombra da importância que tem como lugar das mais importantes representações e descobertas arqueológicas do mundo... Bom, o mais importante é conseguir logo fechar o voo. Cheguei ao terminal rodoviário que é bem precário. Ainda assim, consegui deixar a mochila maior na empresa gratuitamente. Isso já ajuda bastante. O planejamento foi o de fazer o sobrevoo, andar pela cidade conhecendo o museu, fazer algum passeio próximo e pegar o ônibus noturno para Arequipa. Logo quando saímos do terminal já vem um enxame de pessoas oferecendo passeios pelos mais variados preços EM DÓLAR. Sim, só nesta moeda. Do que eu havia pesquisado e pela qualidade da aeronave, fechei por 90 dólares. Fui para uma van que me levou até o aeroporto, onde paguei uma taxa local e o valor do passeio. Essa atividade turística é que sustenta a região, visto que está no meio de uma planície seca. Antes de embarcar é feita uma pesagem individual e, conforme a quantidade de pessoas, distribuem na aeronave para o balanceamento correto de peso. Fui pela empresa Air Majoro e consegui ficar no assento logo atrás do copiloto, no lado direito. Desta vez o lado não importa, pois o avião faz curvas alternadas para que todos possam ver as linhas. Bem legal isso! Equipado e preparado, partimos rumo aos céus... A paisagem é desértica e até acostumar a visão e achar as figuras, leva um tempinho... Mas o piloto vai falando e faz as curvas deixando a figura na direção da ponta das asas, o que facilita bastante. Para fotografar é bem complicado. Precisa ter uma lente teleobjetiva boa e estabilizada. Caso contrário... é isso que se vê acima! Essas linhas milenares foram feitas pela civilização Nasca, que receberam a influência dos Paracas para a confecção dos geóglifos. O real propósito ainda é desconhecido, mas é uma obra impressionante e curiosa, pois só é possível identificar voando em uma altitude considerável. Durante a construção da rodovia Panamericana, algumas figuras foram cortadas e outras simplesmente destruídas... Hoje são patrimônios protegidos pela UNESCO e também pelo governo peruano, pois, ao final de tudo, são uma fonte importantíssima de recursos externos. O Peru se deu conta dos tesouros arqueológicos que possui e passou a preservá-los para gerar recursos financeiros que também são reinvestidos em pesquisas e preservação. E o trabalho que tem feito com a população, com a conscientização, educação e formação de profissionais capacitados em arqueologia, tem surtido efeitos muito benéficos na preservação desse patrimônio inestimável. Apesar de ser uma região árida, a agricultura tem se desenvolvido graças à irrigação... que, por sua vez, utiliza dos canais subterrâneos milenares construídos pelos Nascas (claro que com algumas implementações tecnológicas). Esses círculos concêntricos na imagem são justamente canais subterrâneos que captam e conduzem água. Bom, passeio concluído, posso dizer que realmente é uma experiência que precisa estar em seu roteiro de viagem, principalmente se, como eu, aprecia e valoriza a história. O sobrevoo durou 40 minutos. De volta ao centro da cidade, fui à Plaza de Armas para conhecer as "atrações". A Plaza de Armas é bem cuidada e no piso estão os desenhos principais encontrados nas Linhas. Tratei de ir até o Museu local, que havia pesquisado ser possuidor de um bom acervo arqueológico. E pelo caminho fui conhecendo melhor a cidade... E confirmando que a primeira impressão estava realmente certa. Muita sujeira e falta de estrutura. Num lugar onde a água é escassa, não é compreensível algo como esse reservatório todo sujo. Essa ponte cruza o leito de um rio seco. Dizem que, às vezes, chega a encher de água. E cheguei ao Museu depois de uma boa caminhada sob o sol... Fechado! Putz... Volto tudo de novo e encontrei um local de informações turísticas. Perguntei sobre os passeios na região mas notei muita precariedade e preços altos. Resolvi ficar pelo centro mesmo e consegui aguardar na agência que me levou ao aeroporto. Pelo menos tive um sofá confortável e um lugar para recarregar as baterias das câmeras. E haja paciência para esperar até à noite... O tempo custosamente passou e às 21h fui ao terminal aguardar o ônibus que, por sua vez, atrasou mais de 30 minutos. Saímos 22:30h de Nasca em direção à Arequipa. O ônibus era pior do que o anterior para um percurso bem maior! E foi assim que terminou mais esse dia de viagem pelo Peru. Acompanhe o vídeo e não deixe de postar os seus comentários e curtir, se lhe tiver sido de alguma utilidade. É isso aí, um grande abraço e não perca o próximo episódio desse jornada! Arequipa, la Ciudad Blanca
  5. Pois é gente, resolvi continuar o relato do mochilão pelo Peru. Lima, 11 de outubro Acordei cedo novamente. Fiquei deitado e cochilei até às 06:30h. Aproveitei para apagar algumas fotos ruins e terminar de carregar as baterias. Desci para o café e ele estava bem fraco hoje; só pão, café com leite e uma fatia fina e pequena de queijo e presunto. Como lembraram que não como pão, ganhei um ovo mexido, mas me atrasou a saída. Saí às 8:25h em direção ao terminal do Metropolitano Ricardo Palma, em Miraflores, chegando às 08:35h. Carreguei o cartão com 2,50 soles e desci para o embarque. Logo chegou o primeiro ônibus, mas estava totalmente lotado no terminal C. Fui para o outro que não tinha tanta fila e às 08:46h chegou o B, semi lotado. Eu com 2 mochilas pensei que não ia dar, mas o desespero é tão grande que empurrei e consegui no limite (nada como ter experiência do rush de Sampa... rsrsrs). Chegamos à estação Javier Prado às 08:55h e parti caminhando ao terminal da Cruz del Sur, chegando às 09:05h. No Peru, especialmente em Lima, não existem estações rodoviárias. As empresas criam as suas áreas de embarque, geralmente nas maiores garagens. Nesta da Cruz del Sur achei boa a estrutura... Banheiros limpos no piso superior... e com papel higiênico! Mas já dou a dica que é sempre bom levar um sobressalente consigo, para evitar perrengues pelo caminho. Despachei a bagagem e fiquei tirando fotos, conversando com algumas pessoas que acharam curiosos os equipamentos fotográficos que estava levando. Isso que é legal em um mochilão, a gente vai interagindo e exercitando a comunicação. O ônibus chegou e foi feita uma revista na bagagem e passado o detector de metais. Além da revista, depois de entrarmos no ônibus são capturadas imagens de todos os passageiros para fins de segurança. Embarquei no assento 44 e fiquei surpreso com a qualidade do ônibus. Era bem confortável, com bancos em couro, internet e tela multimídia, além do atendimento à bordo. Sim, tem um atendente à bordo que serve bebidas e alguns snacks durante a viagem (dependendo da duração, é claro). As passagens de ônibus desta aventura pelo Peru comprei antecipadamente pelo site da Cruz del Sur e consegui descontos muito bons, da ordem de até 60%!!! O único porém disso é que não se pode fazer nenhuma alteração. Por isso, o planejamento é essencial! Se eu faria essas compras antecipadas novamente? Olha, de alguns trechos sim, com certeza, mas não de toda a viagem como fiz, pois acaba engessando muito e, em caso de algum imprevisto, perdemos a passagem. Saímos com atraso de quase 15 minutos. Bom destacar que o atendente de bordo cobra o cinto de segurança de cada passageiro e fala sobre os procedimentos de emergência quanto às portas, janelas e escotilhas. Por volta das 12:40h iniciou o serviço de bordo, com lanche no qual consistia em um pão doce com presunto, um pedacinho de bolo bem doce e, para beber, pedi uma Inka Cola... Sim, a icônica bebida mais consumida no Peru! Achei muito doce e sem graça... Gosto é gosto, rsrsrs Assisti a dois filmes e joguei um pouco de Angry Birds durante a viagem. Aproveitei também para carregar os meus equipamentos usando a porta USB presente no painel. Viagem muito confortável! Chegamos à Ica por volta das 15h e a visão Da cidade não é muito agradável. Muita sujeira e pobreza. Infelizmente, essa é a realidade peruana... O fato curioso é que as casas mais simples não possuem telhado e sim uma fina esteira de palha como cobertura. E como fazem na chuva, deve estar se perguntando... Pois é, eles também não sabem responder, porque quase nunca chove por lá! Do terminal Cruz del Sur até o hostel seriam aproximadamente 2km, segundo as indicações do Google Maps. E sob um sol escaldante e duas mochilas pesadas lá fui eu pelas ruas de Ica! Táxi é para os fracos! 😅 O bom é que, por ser tudo novidade, nem senti muito o esforço. Fui observando o movimento pelo caminho, marquei possíveis lugares para comer e mercados mais próximos. O hostel que escolhi foi o Ica Adventures II, que reservei pelo Booking mas deixei para fazer o pagamento presencial. Estrutura muito boa, com lockers, bons beliches e vários ambientes. O valor era de 14,50 dólares e resolvi pagar em soles, que deu 47,50 (em dólares sairia perdendo pela conversão pouco favorável proposta). Conversando sobre os passeios na região achei tudo muito caro. Por isso é importante ter feito uma pesquisa prévia antes da viagem. O passeio das dunas de Huacachina foi oferecido por 60 soles e o para Ilhas Balestras por 110 soles. Resolvi não aceitar e fui me acomodar. Os dormitórios eram mistos e já me posicionei na parte superior de um beliche que estava perto da porta de correr da varanda (mais ventilada) . No andar de baixo estava um canadense chamado Vicent e conversamos um pouco sobre viagens e também fotografia, pois vi que tinha equipamentos muito bons também. Para não perder muito tempo, tratei de ajeitar as coisas com carinho (mentira, soquei tudo no locker como deu), coloquei uma bermuda e parti em direção à Plaza de armas para explorar os arredores. Pelo caminho, vi um monte de tuctucs (aquele misto de moto com cabine típicos da Índia) em frente à um Shopping e resolvi perguntar o preço. No Peru tudo se deve barganhar, chega até a ser um costume deles mesmo, tipo dos muçulmanos no Egito ou Turquia. Pois bem, tinha uns trocados no bolso e joguei o preço lá embaixo... Se colasse, bem... O primeiro me cobrou 7 soles para Huacachina, que ficava a uns 8 Km de distância. Pechinchei por 3, ele baixou para 5 mas não aceitei. Andei mais um pouco e falei com um que estava no trânsito se fazia por 3 e ele disse 3,50. Aí fechei e fui. Tá aí a minha cara... Um misto de conquista por ter conseguido um transporte barato com a tensão do malabarismo do meu motorista, equilibrando o celular enquanto dirigia no trânsito caótico. Ainda bem que não foram os 3,50 soles mais caros da minha vida... 🤣 Brincadeiras à parte, apesar do aparente caos no trânsito peruano eles se entendem bem... Vão se comunicando pelas buzinas e se esgueirando entre carros, pedestres e outros tuctucs. Cheguei à salvo em Huacachina!!! Já fui procurando um bug para andar pelas famosas dunas e pesquisando os valores. O primeiro preço foi 45, chorei para 30, falaram 35, mas aceitaram os 30. Simplesmente a METADE do preço que o Hostel me propôs! Enquanto aguardava, fiquei conversando com o pessoal e me ofereceram outros passeios, justamente para Islas Ballestras e Paracas, que eu estava procurando. Fiquei de dar a resposta após o passeio pelas dunas e embarquei no bug. Além dos 30 soles, tive que pagar mais 3,60 de taxa ambiental, mas isso é normal mesmo, conforme verifiquei. Consegui me posicionar na parte da frente já pensando nas melhores imagens do passeio... A intenção é conseguir captar o por do sol sobre o oásis de Huacachina, o ÚNICO das Américas! E lá fomos nós! O passeio foi fantástico! Emoção nas subidas e descidas de altas dunas em velocidade é uma sensação deliciosa... Parecia uma montanha russa, só que com um potencial bem mais mortal 😁 Fizemos uma primeira parada para tirar fotos e apreciar a paisagem. Simplesmente incrível esse visual... Por onde quer se olhe, é só areia! Sensação de estar no deserto do Saara. Andamos mais um bom pedaço e paramos no alto de uma das maiores dunas do passeio. Agora é a hora de descer de Sandboard! Bom, isso para os mais íntimos. Para quem não tem tanta experiência, o negócio é skibunda ou deitado mesmo (as minhas opções). O detalhe é que tudo isso já está incluso no valor do passeio. A primeira foi deitado. Graças à gopro consegui filmar a emoção (rsrsrs). A segunda foi sentado. Desci essas 2 vezes e me enchi todo de areia. Sem contar que, para subir de novo a duna, é um esforço terrível! Tô podre 🤪 Hora de partirmos para garantir o melhor do passeio. Retornamos por outras dunas, o que é bem legal para conhecermos mais a região. O motorista parou num ponto estratégico e fui preparando os equipamentos para as melhores imagens. Recomendo fortemente esse passeio neste mesmo horário, o do final da tarde. Voltamos para ponto inicial e fechei o passeio para o dia seguinte, por 70 soles. Paguei 25 soles adiantados e combinaram me pegar no hostel pela manhã. O bom é que ganhei uma carona de retorno até a Plaza de Armas. Eu tentando tirar a areia do passeio... Entrou areia por todos os lugares 😝 Hora do rush é igual em todos os lugares mesmo... Ou um pouco pior por aqui, devido as infernais buzinas que não param!!! Mas cheguei à Plaza de Armas e fui procurar um lugar para comer. Os preços até que não são caros, mas como estava seguindo dieta low carb, resolvi pesquisar melhor. Comi um pollo com asparguitos por 7 soles, passei no supermercado para comprar ovos, queijo, água e sardinhas e voltei para o Hostel. Depois de um revigorante banho, coloquei os equipamentos para a recarga e tratei de fazer o backup das imagens deste dia tão proveitoso. Quanto gastei nesse dia? 107 Soles! 😎 Dê uma olhada no vídeo da aventura deste dia e, se as informações lhe tenham sido úteis, compartilhe com mais pessoas! E não perca o próximo episódio desta grande aventura! PERU: Pinguins no deserto? Sim, em Paracas!
  6. Ica, 12 de outubro Acordei cedo novamente, por volta das 04:20h. O resfriado deu uma piorada de ontem pra hj, mas tomei dorflex e tem feito algum efeito. Fiquei deitado até às 05:50h quando trocou o despertador. Fora do quarto estava frio e resolvi colocar blusa e calça. Subi à cozinha e fiz 2 ovos fritos com queijo. A van demorou um pouco e comecei a ficar preocupado. Será que me esqueceram? Ou pior, fui enganado??? 🤔 Pois é, a gente acaba pensando mil coisas, mas uma lição que aprendi é que a grande maioria das pessoas no Peru é honesta. Um povo que tem as suas dificuldades, mas, de todas essas andanças que tive por lá (foram 3 viagens consecutivas) não tive nenhum problema e nem me senti inseguro. Já não posso falar disso em relação ao Chile e Bolívia... Atrasou mas chegou após 10 minutos do horário. A van era bem nova e confortável. Consegui um lugar na frente e na janela para ir observando o caminho. Partimos para Paracas e na saída um acidente travava todo o trânsito. Era um caminhão tombado em cima da estrada e tivemos que desviar pela lateral. Nós e todo o trânsito da região! Mas, depois que passamos a viagem foi bem tranquila. As estradas estavam bem conservadas e quase sempre em linha reta até o nosso destino. Chegamos à Paracas e no desembarque fomos direcionados às bilheterias a fim de fazer o pagamento das taxas ambientais, no valor de 18 Soles. Neste momento, paguei 45 Soles do restante do passeio (adiantei 25 soles no dia anterior para garantir o lugar). Bilhete na mão, fomos encaminhados para aguardar o embarque em uma das lanchas do passeio. Paracas é uma reserva de proteção ambiental e também uma importante zona arqueológica da cultura de mesmo nome. Até um tempos antes de planejar essa viagem, também tinha aquela visão equivocada de que os Incas eram a única civilização de destaque no Peru. Ledo engano... Ainda bem que pesquisei bastante e, com isso, montei os meus roteiros a fim de conhecer melhor essas outras culturas tão desconhecidas mas de importância enorme na história. Chegou a hora do embarque e apresentei o ticket da taxa paga para o passeio. É importante permanecer com ele durante todo o passeio, que ainda terá continuação após as lanchas. Posicionei-me no lado direito da lancha, no lugar logo atrás ao do capitão, com a intenção de fazer boas tomadas. Mas aí cometi um erro. O melhor lugar está no lado ESQUERDO. É, eu errei nesta porque não tinha nenhuma informação anterior. Assim, lhe repasso essa dica para que tenha uma melhor visão e aproveite melhor o passeio. Iniciamos o deslocamento em meio a uma névoa que limitava momentaneamente a visão. Porém, um pouco mais adiante, acabou se dissipando de modo a contribuir com o nosso passeio. A primeira parada que fizemos foi para contemplar o Candelabro, um Geóglifo gigante esculpido em uma montanha pela civilização Paracas. Os Paracas repassaram esses conhecimentos e influenciaram outras culturas, como a dos Nascas, que, por sua vez, fizeram os geóglifos mais famosos e enigmáticos do planeta: as linhas de Nasca! O verdadeiro propósito do Candelabro é desconhecido. As hipóteses vão de rituais religiosos, orientação geográfica, passando pelos ETs... Infelizmente, acredito que jamais saberemos. Ainda assim, é um feito de engenharia extraordinário levando em conta que se estima ter mais de 2000 anos. E prosseguindo o passeio, vamos até umas pequenas porções de terra mais distantes... As Ilhas Ballestras! Estas são um verdadeiro refúgio para os pássaros e animais marinhos, como os leões marinhos e até... pasmem... pinguins! Sim, difícil imaginar tais animais por aqui. A explicação é que migram pelas correntes marinhas de Humboldt, a fim de se acasalarem e procriarem por aqui. Um grupo de pinguins de Humboldt em meio aos pelicanos. E os leões marinhos curtindo um sol (?!?) Fascinante esse passeio! Agora, tem o lado não muito glamoroso... Imagine... Vários pássaros... É uma chuva de cocô infernal 🤮 Ainda bem que estava com o meu chapéu... Vi alguns bombardeios certeiros no meio da lancha! Ainda assim, é um passeio imperdível para quem estiver pela região! Retornamos ao porto e fizemos uma pausa enquanto era providenciada a van para continuarmos o passeio pela reserva ecológica. É um bom momento para comprarmos alguns artesanatos locais e tirar fotos. A segunda parte do passeio é por via terrestre. Embarcamos na van e seguimos pela reserva até o ponto de checagem. Uma das principais atrações é a Playa Roja (Praia Vermelha). Paramos em um mirante onde tivemos uma visão incrível da região. Ventava bastante também, o que atrapalhava até a captura das imagens. Descendo, fomos conhecer a praia de perto. A cor avermelhada é devido a alta concentração de ferro nos sedimentos, o que a torna única! Andamos mais um pouco e chegamos a um centro de recepção onde havia restaurantes. Mas já alerto que é daqueles do tipo "pega turista", oferecendo menos por mais! Como levei o meu lanche, aproveitei melhor o tempo e tirei boas fotos. Acima o restaurante... O momento em que veio uma onda e molhou os meus tênis... 🤣 Depois, ainda visitamos um museu que trazia expostos os animais da fauna local, fósseis e também peças arqueológicas da civilização Paracas. Julio C. Tello foi um famoso e importante arqueólogo peruano. Acima, uma placa contendo fósseis encontrados na região. O pisco, bebida típica cuja origem é disputada entre Peru e Chile. Essa seria a região onde a bebida teria sido criada, a partir da destilação de aguardente de uvas. Um acervo pequeno, mas bem ilustrativo da reserva de Paracas. Regressando à Ica, a van não quis me deixar de volta no Hostel e desci na Plaza de Armas... Eram 16:30h e fui caminhando por 2 Km. Chegando no Hostel até pensei em arrumar os equipamentos para tirar fotos noturnas, mas o cansaço começou a bater forte. Tomei um bom banho, fiz uns ovos mexidos com queijo para comer (a cozinha do hostel é liberada para usarmos, inclusive a geladeira) e tratei de descansar e me preparar para o próximo destino na manhã seguinte: Nasca! Agora que já leu o relato, dê uma conferida no vídeo deste episódio. Ah, e se você achou as informações úteis, compartilhe o relato e o vídeo com mais pessoas, não esquecendo de deixar também os seus comentários. Assim você me estimula a continuar contando mais histórias... 🤭 É isso aí e não perca o próximo episódio! 🤠 PERU: Nasca, um cenário do outro mundo!
  7. Episódio 1: A Preparação Depois de tantos anos, muitos lugares visitados, experiências maravilhosas, resolvi tirar um tempo pra organizar as minhas memórias e contar sobre a maior e mais marcante aventura que já vivi: a primeira viagem ao Peru! Ela foi planejada nos mínimos detalhes e cheia de expectativa… Afinal de contas, era pra um destino que sempre sonhei: Machu Picchu. Quer saber como foi essa jornada inesquecível e acompanhar todos os detalhes? Eu sou @Paulonishi e esta é a história de uma aventura inesquecível: a primeira viagem ao Peru! Neste capítulo vou falar de toda a preparação para essa façanha, desde a compra das passagens e todas as etapas do planejamento… tudo isso pra ajudar e até inspirar a quem quiser saber como montar a sua viagem para o Peru. E se puder ajudar, deixe o seu comentário ou perguntas sobre o assunto.... Vamos lá? Apesar de ter sido em 2016, ainda a considero como a mais desafiadora que já fiz, não só por ter sido o primeiro mochilão no exterior, mas pela complexidade envolvida.... Eu costumo dizer que a distância entre o sonho e a realidade é o planejamento que precisa ser feito para realizá-lo… Tudo precisa ser levado em conta e friamente calculado… E não poderia ser diferente nesse caso né? Bom, eu não tinha dinheiro sobrando… atravessava uma verdadeira tempestade na minha vida pessoal, com uma separação complicada, mudança de cidade e trabalho… Esse era o meu quadro pessoal no final de 2015. Mas no início de 2016 prometi para mim mesmo que tudo mudaria e que me reergueria e faria a tão sonhada viagem. E esse foi realmente o começo de tudo! Comecei a pesquisar tudo sobre o Peru, fazendo uma verdadeira imersão na sua cultura e principalmente na história, além de começar a estudar espanhol pela internet… tudo de graça! Procurei fazer pesquisas de passagens aéreas em promoção… só aguardando a oportunidade… e ela chegou em abril! Sempre busquei fazer todos os meus gastos no cartão de crédito pra acumular milhas e com isso já vinha acumulado uma boa quantidade delas até então… Às vezes tinha que trocar por uns eletrônicos pra evitar perder quando estavam vencendo... E foi aí que teve uma megapromoção da LATAM (LATÃO ), para transferência de milhas pro programa de fidelidade Multiplus (hoje LATAMPASS), onde consegui mais do que dobrar a quantidade de milhas que eu tinha e que estavam pra vencer!… Agora sim já poderia pegar essas milhas e trocar por passagens aéreas…Então a busca começou. Fiquei por dias fazendo a simulação de passagens saindo de Florianópolis com destino ao Peru, mas a quantidade de milha era muito alta. Até dava pra trocar, mas resolvi esperar um pouco mais... Aí, numa das noites seguintes, consegui encaixar um intervalo de 18 dias, entre a saída do Brasil e o retorno. Chegaria em Lima no mesmo dia da partida, no dia 7 de outubro e estaria de volta em Florianópolis no dia 24 de outubro. Dias para aproveitar mesmo seriam 14. O resto perderia nos voos e conexões. Agora sim, consegui as passagens aéreas eliminando o maior custo da viagem, praticamente de graça, e mesmo assim sobraram muitas milhas, que usaria pra viajar no ano seguinte. Com as datas já definidas, era só trabalhar no roteiro e no planejamento completo da viagem! A maior motivação em ir pro Peru sempre foi a de conhecer Machu Picchu... mas como sempre costumo fazer, não iria só pra conhecer esse lugar. Procurei aproveitar a oportunidade pra otimizar a viagem e conhecer a melhores atrações no caminho entre Lima e Cusco, que percorrendo o caminho de ônibus. A base de todo o roteiro foi o Google Maps. Consultava o mapa, via as atrações em potencial e ia marcando como favoritas… aí, partia pra pesquisar na internet, principalmente no site Mochileiros.com e no youtube, pegando as dicas do lugar: tipo se era realmente bom, o que tinha pra se ver e fazer, como chegar, os custos de ingressos e transportes… E os valores que eu ia levantando já anotava na minha planilha de gastos. Assim, fui completando o roteiro e buscando agora os horários dos ônibus pra ver se dava pra conciliar o deslocamento e também as possíveis hospedagens. Resolvi escolher a empresa Cruz del Sur, pelas recomendações de outros viajantes no Mochileiros e também por ter linhas para todos os destinos do meu roteiro. Apesar de ser mais cara, resolvi optar pela segurança. O site dela é bem completo e consegui excelentes descontos em promoções com compra antecipada. Assim, já comprei as passagens de ônibus no cartão ainda no Brasil e mesmo que pagando o IOF de 6,28% e a conversão do dólar, a economia foi de mais de 50% no valor normal… Porém, não permitia a troca e nem o reembolso da passagem em caso de necessidade… Mas é o custo da oportunidade! Depois disso, com os lugares mapeados e as passagens de ônibus compradas, me concentrei nas hospedagens, fazendo buscas entre o booking e o airbnb. Novamente, a busca foi baseada no Google Maps, levando em conta a localização do hostel, a distância da rodoviária pra evitar pagar táxi, se tinha café da manhã, avaliações positivas e é claro, o preço. Outra coisa bem legal pra se olhar é se tem cozinha compartilhada, pra poder fazer uma comida à noite e economizar um pouco mais. Visto tudo isso, já fui fazendo as reservas, mas sem ter que pagar nada antecipadamente… Só quando chegasse pagaria em dinheiro… Lá não aceitavam cartões ou cobravam uma taxa muito alta e não compensava. Tirando as passagens de ônibus, a única coisa que comprei antecipado foi o acesso à Machu Picchu, porque tem um limite diário de visitantes. Esse detalhe é essencial e deve ser muito bem observado! Por isso ter certinho a data de ir é tão importante, principalmente agora que também ter que escolher se vai ser no período da manhã ou da tarde! Para não correr nenhum risco, fiz a compra para garantir que no dia 21 de outubro pudesse conhecer o local… Melhor do que contar com a sorte! Imagina só chegar lá em Machu Picchu e não poder entrar por estar lotado… Parece incrível, mas eu vi acontecer lá… O custo do ingresso foi de 133 nuevos soles, aproximadamente 39 dólares. Como viajar MAIS gastando POUCO! O roteiro ficou o seguinte: 07/10 - Florianópolis x Guarulhos x Lima . 08 a 10 - Lima 11/10 - Lima x Ica 12/10 - passeios em Paracas 13/10 - Viagem a Nasca e sobrevoo 14/10 - Arequipa 15/10 - Vale do Colca 16/10 - Arequipa x Cusco 17/10 - Cusco 18/10 - Trilha Salkantay 21/10 - Machu Picchu 22/10 - Cusco x Lima 23/10 -Lima x Guarulhos 24/10 - Guarulhos x Florianópolis O maior desafio da viagem seria a trilha Salkantay, uma trilha inca em grande altitude, chegando a mais de 4200 metros, percorrida por entre as montanhas mais sagradas da região de Cusco e com o final em Machu Picchu, com o diferencial que não precisa de guia e nenhuma taxa pra pagar. A previsão mais otimista de terminar a trilha era de 3 dias, segundo os relatos que encontrei. Assim, durante essa viagem, enfrentaria vários climas e uma grande variação de altitude, aumentando de intensidade bem na parte final da viagem. Para tudo isso, resolvi comprar uma boa mochila de 60 litros da Trilhas e Rumos… Achei um bom tamanho pra levar tudo e também era bem resistente e com várias regulagens nas alças pra deixar bem confortável mesmo quando cheia. Tive que comprar também roupas adequadas ao calor e ao frio. Pra isso, passei na Decathlon e comprei 3 camisas de manga comprida com proteção solar, uma calça e jaqueta impermeáveis e também calça e blusas térmicas, além de uma toalha de microfibra que seca bem rapidinho… E isso fez diferença, porque na maioria dos hostels não forneceram toalha de banho. Na internet, comprei ainda um par de bastões de caminhada e 2 power banks. Separei para levar um par de tênis, chinelos, botas de cano médio impermeável, luvas, cachecol, gorro, boné e chapéu, além de uma série de câmeras fotográficas, gopro, celular e um tripé… Pra a viagem, comprei dólares no câmbio de R$3,42… ô saudade desse valor! Levei um total de $400 dólares só pra garantir, além do cartão de crédito internacional por segurança. Agora, com tudo reunido, roteiro pronto e planejamento completo, estava tudo pronto para iniciar a épica aventura… Mas isso é assunto para o próximo capítulo! Espero você na continuação dessa viagem, acompanhando a partida do Brasil e a chegada na capital peruana! Deixarei 2 vídeos aqui do meu canal no youtube para inspirar outros viajantes... É isso aí... Até o próximo capítulo! ✌️🤠 Partindo de Florianópolis em direção à Lima!
  8. Praticamente nem dormi na noite anterior. Como moro distante de Florianópolis, tive que pegar um ônibus de madrugada saindo de Lages às 2:30h… Quase 4 horas depois, cheguei na capital e tomei um ônibus urbano até o aeroporto de Florianópolis, que na época ainda era no terminal antigo. Cheguei muito cedo e a espera ainda seria bem longa… Eram 6:22h quando cheguei ao aeroporto e meu voo só sairia às 13:40h… Nossa… longa espera… Pelo menos procurei aproveitar o tempo para repassar todo o roteiro e iniciar um diário de toda a viagem… Estava viajando com duas mochilas: uma grande de 70 litros cheia de roupas e uma menor, onde levava as minhas câmeras, os acessórios, um pequeno notebook. e uns lanches pra ir comendo nessas esperas. Depois de uma longa espera, finalmente o avião chegou! Procurei escolher as janelas em todos os voos, para poder fazer imagens durante as decolagens… E essa de Florianópolis é sempre especial… O voo é bem curto… É menos de 1 hora de viagem até Guarulhos…. De onde o meu próximo voo sairia às 19:30h direto pra Lima! Desembarquei no terminal doméstico e fui para o terminal 3… uma longa caminhada até lá, mas, como a espera em Guarulhos seria de 5 horas até a próxima decolagem… tempo não era problema! Pelo menos em Guarulhos tem umas poltronas bem confortáveis, muitas tomadas e bebedouros… Encurtando a história, depois de muito aguardar, finalmente o embarque! Voamos num Boeing 767-300… um avião bem confortável e com tela multimídia… Fiquei na janela e só havia mais uma poltrona ao meu lado… Agora sim… Estava decolando de São Paulo… Pouco mais de 5 horas de viagem e estaria em terras peruanas… O serviço de bordo foi muito bom… para o jantar escolhi um frango com polenta que veio junto pão com manteiga, quindim de coco e pra beber, pedi uma cerveja. O voo foi bem tranquilo e só tivemos um pouco de turbulência ao cruzarmos a cordilheira dos Andes… Mas pousamos dentro do horário previsto… Desembarcamos, passei tranquilamente pela migração, que fez apenas algumas perguntas sobre onde iria e quanto tempo ficaria, entreguei o formulário que preenchi durante o voo e recebi o carimbo de entrada no passaporte! Agora era só pegar a mochila e ver um transporte até Miraflores Tive que trocar o dinheiro para poder pagar o táxi… Sei que aeroportos nunca tem uma taxa muito boa e, por isso, só troquei 50 dólares. O terminal oferece internet gratuita por 30 minutos… mas a conexão foi ruim e não tive tempo de chamar um Uber… Por isso tive que tentar a sorte com os taxistas lá fora… E foi disputado...rsrsrsrs Falei o destino e já me pediram 60 soles! conversa vai, conversa vem… ofereci 35! A maioria já foi embora me xingando mas teve um rapaz que aceitou e fomos… Era um toyota bem novinho. Coloquei as mochilas no porta-malas e fomos conversando até chegar no hostel, em Miraflores. Uns 40 minutos de deslocamento. Fiz o pagamento e me registrei no hostel. Tive a sorte de estar sozinho no quarto, então pude escolher uma posição perto da tomada e um armário para as coisas. Fui deitar depois das 2h… Ah, esse era o horário local. Lima tem 2 horas a menos devido ao fuso horário… E assim, finalmente terminei o primeiro dia de viagem… Um longo e cansativo dia… Mas feliz por estar realizando mais esse sonho! E o dia seguinte já foi cheio de novidades e passeios! Mas isso é assunto para o próximo capítulo! Vou deixar o vídeo detalhado desse dia aqui no link em baixo. Se você gostar e puder deixar o seu like no youtube, será um grande incentivo para continuar a contar os relatos por lá! Próximo capítulo: Episódio 2: Primeiras impressões de Lima
×
×
  • Criar Novo...