Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''serra da estrela''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas e Respostas
    • Destinos: Perguntas e Respostas & Roteiros
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Companhia para Viajar
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo e Mochilão roots
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 1 registro

  1. Leia aqui o relato original com fotos e mapa! A curta viagem que fizemos para a Serra da Estrela e arredores foi uma das que mais gostei até agora aqui em Portugal! Foram 3 dias, partindo de Lisboa e conhecendo além da Serra, algumas das aldeias históricas de Portugal! Fomos de carro e sem dúvidas essa é a melhor opção. Não tivemos problemas quanto à neve na estrada, mas se for nos meses mais rígidos de inverno pode ser que seja preciso tomar algumas precauções, como colocar corrente nos pneus. Dia 1 – Aldeias de Piódão e Folgosinho Nossa primeira parada foi em Piódão, uma das mais famosas aldeias históricas de Portugal! É diferente de tudo que já tinha visto. Uma pitoresca vila, quase que inabitada, com casas de xisto (pedra que conhecemos no Brasil como ardósia) amontoadas morro acima e uma igrejinha branca contrastando com todo o resto! Há uns poucos cafés e restaurantes e algumas lojinhas de produtos artesanais como queijo, pães, artigos em lã e souvenirs. Os pastos, em camadas atravessando riacho, compõe a paisagem bucólica, onde, não fosse o burburinho de quem visita o vilarejo, só se ouviria o barulho da água e os sininhos das ovelhas. Piódão é conhecida como a “aldeia presépio”, e é fácil entender o motivo quando se olha a cidadezinha de longe. Não tive a oportunidade de conhecer esse lugar mágico à noite, mas posso imaginar como fica ainda mais encantador com luzes salpicadas por entre as casinhas. De lá seguimos para a aldeia de Folgosinho, já dentro da Serra da Estrela, onde alugamos o Airbnb mais fofo da vida (e pet friendly, o que agora faz toda a diferença pra nós)! A cidade é conhecida por ter sido, supostamente, onde nasceu o guerreiro Viriato, um dos líderes lusitanos nas guerras contra os romanos. Também é famosa por suas águas, já que há diversas fontes de água potável espalhadas pelas ruas e praças. Além disso, há vários versinhos com essa temática pela cidade, como esse: “As fontes são como nós: ás vezes cantam de magua. Que doce fio de voz… há dentro dum fio d’água”. Outro ponto de interesse em Folgosinho é o castelo, erguido sobre uma maravilhosa montanha de quartzo rosa! Hoje não é muito mais que um mirante, mas sua posição privilegiada revela uma vista 360º de paisagens bem típicas do campo. As opções para comer por lá são basicamente duas: “O Mocas” e “O Albertino”. Escolhemos a segunda e acabamos descobrindo que é um lugar super tradicional e parada certa de muita gente que vem para a Serra da Estrela. Fiquei mais de meia hora só pra conseguir fazer a reserva! O esquema do jantar é com preço fixo (15€ por pessoa) incluindo uma entrada com queijos e embutidos, 5 pratos principais (todos de carnes da região) um trio de sobremesas caseiras e a bebida. Eles fazem outras coisas além de carne mas tem que ser combinado na reserva. Eu não sabia disso e não comia absolutamente nenhum dos pratos servidos, mas eles foram super atenciosos e preparam um enorme e delicioso bacalhau! No fim, o café e licores são servidos no Hins Bar (provavelmente o único da cidade), alguns metros à frente, onde você pode continuar a noite se quiser. E já que estamos falando de comida, aqui vai um alerta: não volte dessa viagem sem provar um queijo da Serra da Estrela! Sério, é apenas divino!!! Talvez Folgosinho não seja tão atraente para uma visita se não for caminho para o destino final, mas ficar hospedada lá foi definitivamente uma experiência única! Por dois dias pude sentir o dia a dia simples e gostoso de um vilarejo que provavelmente tem menos habitantes do que tenho de amigos no Facebook (e olha que nem tenho muitos). Além disso, é um lugar estratégico pra quem quer conhecer a região pois fica mesmo dentro da Serra da Estrela. Daquele tipo de lugar que a gente cai meio que sem querer e fica apaixonado! Dia 2 – Manteigas, Vale Glaciar do Zêzere, neve no topo da Serra e Covão d´Ametade No dia seguinte, após uma voltinha pela cidade, começamos a explorar de fato a Serra da Estrela. Apesar de ter alguns pontos específicos a visitar, em viagens como essas o caminho em si já é o destino. Pode soar clichê, mas é verdade! A única coisa triste foi ver centenas de árvores queimadas, já que algumas partes daquela região foram atingidas pelos incêndios de verão (que são um problema todo ano por aqui). E logo nos primeiros quilômetros de estrada, já nos deparamos com um senhorzinho simpático e sorridente pastoreando suas ovelhas! Depois percebemos que essa cena fofa e quase cinematográfica pra nós, gente da “cidade grande”, é super comum por ali, os carros simplesmente param e esperam o rebanho passar como se fosse a coisa mais normal do mundo. Nossa primeira parada foi em Manteigas, cidadezinha que fica bem no meio da Serra e que diziam ser parada obrigatória, mas, apesar de fofinha, não achei assim tão imperdível. Pode ser uma boa opção para hospedagem, pela localização e por ser também um pouquinho maior do que as aldeias. Depois fomos até o Vale Glaciar do Zêzere, bem pertinho de Manteigas. Que lugar maravilhoso! É tanta natureza, tanto silêncio, que dá vontade de ficar lá o dia todo! E é assim que a gente vai aprendendo geografia, né? Não fazia ideia do que era um vale glaciar, mas aprendi que é um vale em formato de “U”, nesse caso cortado pelo Rio Zêzere, que foi moldado em meio à montanhas após o derretimento de geleiras nas eras glaciais. Ou seja, há milhares de anos atrás aquilo era uma paisagem totalmente diferente e coberta de gelo! E falando em gelo, já estava ansiosa pra chegar lá no topo da serra e afundar meus pézinhos na neve! No caminho, formações rochosas bem peculiares e uma imagem de Nossa Senhora da Boa Estrela cravada na pedra nos obrigaram a fazer algumas paradinhas. Na verdade não fomos literalmente até o ponto mais alto, onde fica a torre e o começo das pistas de esqui. Como estava muito cheio, preferimos ficar um pouco mais em baixo, sem tanta gente e ainda com bastante neve, formando paisagens fantásticas! Só fiquei decepcionada por achar que seria fácil fazer um boneco de neve… Não é, #fail! Se você é mais da aventura, pode alugar os equipamentos para descer nas pistas. Também vimos muitos portugueses escorregando com umas pás de plástico que depois até vimos pra vender ali perto. Então, se é um fanático da neve, pode investir em uma dessas e voltar lá todo inverno! Fomos em Fevereiro e mesmo já tendo passado um pouco da época ideal para ver neve, tinha bastante gente, então a parte final para chegar ao topo da serra estava bem congestionada. Estacionar também não é tarefa fácil, os carros ficam parados meio no improviso, dos dois lados da estrada. Tem que ter paciência! Já no caminho de volta para Folgosinho caímos meio que sem querer no Covão d´Ametade, outro lugar surpreendente de geografia glaciar! Pelo que entendemos é também uma área de camping gratuita e com alguma infra-estrutura como banheiros. Já planejo acampar lá da próxima vez! Dia 3 – Belmonte O último dia foi só mesmo a volta para Lisboa, com uma parada em Belmonte, aldeia onde nasceu Pedro Álvares Cabral (e por isso rola até uma bandeirinha do Brasil lá). A cidadezinha tem como atração principal o Castelo de Belmonte, e apesar de também ser uma graça, não me encantou tanto quanto as outras. Se curte cerveja artesanal dê uma passada na Cabralina! Apesar de não ser muito barata, a pequena loja é simpática e além da cerveja, de produção própria, tem também outros produtos artesanais. Ficamos só 3 dias, mas tem tanta coisa pra ver que acho que mais uns 2 ou 3 dias seria o ideal! Leia aqui o relato original com fotos e mapa!
×
×
  • Criar Novo...