Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''tigre''.

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Faça perguntas
    • Perguntas Rápidas
    • Perguntas e Respostas & Roteiros
  • Encontre Companhia para Viajar
    • Companhia para Viajar
  • Envie e leia Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Encontre companhia, faça perguntas e relate experiências em Trilhas e Travessias
    • Trilhas e Travessias
  • Tire dúvidas e avalie Equipamentos
    • Equipamentos
  • Outros Fóruns
    • Demais Fóruns
    • Saúde do Viajante
    • Notícias e Eventos

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que contenham...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 3 registros

  1. Salve Mochileiros!!! Essa é minha segunda contribuição para o site, espero que seja útil para muitos que como eu utilizou Mochileiros.com para planejar a viagem, é mais um relato como muitos de Buenos Aires, porém com os preços atualizados já que fui agora em Janeiro de 2014. Como diz no tópico, foi uma viagem romântica de 7 dias com minha namorada, quando estávamos no Tigre eu a pedi em casamento, então imagino que nesse tópico eu possa ajudar muitos casais... Descontando as passagens aéreas e a hospedagem gastamos no total R$3.300,00 (aproximadamente $13.695,00 com cotação do peso argentino a R$4,15) FUSO HORÁRIO Buenos Aires é 1 hora a menos que o horário oficial de Brasília... Para facilitar a hora em Buenos Aires é só olhar nesse site: http://24timezones.com/pt_horamundial/buenos_aires_hora_local.php HORA DE CHEGADA Procure não chegar no final do dia ou a noite, para que dê tempo de chegar em Buenos Aires ainda de dia e fazer um bom cambio na cidade. DINHEIRO Levamos tudo em um Money Belt, ou seja, levamos todo o dinheiro conosco, porque entre o natal e ano novo o governo padronizou todas as transações internacionais cobrando 6,38% em qualquer ação. Optamos por levar tudo em real. CARTÃO Deixei habilitado no exterior o cartão de crédito e débito apenas para uma emergência, ainda bem, porque para comprar as entradas do Señor Tango aceitam somente compra antecipada pela internet e com cartão de crédito. (a cobrança é feita em dólar e provavelmente no fechamento da fatura virá com uma conversão próxima de R$2,50 + os 6,38% de IOF. REAL OU DÓLAR Levamos tudo em Real e em espécie, caso consiga uma boa cotação no dólar é válido porém o mínimo que eu encontrei para comprar onde moro foi a R$2,40, não me arrependo de ter levado tudo em Real porque fiz no câmbio paralelo por R$4,15 e isso ajudou muito já que quando comecei o planejamento no inicio do ano passado coloquei o cambio a R$2,00. CAMBIO Minha dica que julgo extremamente útil é trocar somente o dinheiro do Transfer entre Ezeiza e a hospedagem em Buenos Aires, no caso eu troquei R$150,00 a $3,02, ou seja $453,00, no Banco de La Nación dentro do aeroporto de Ezeiza, como eu gastei $110,00 por pessoa de transfer até o apartamento, poderia ter trocado menos e ganhado mais fazendo o cambio na cidade. No centro de Buenos Aires fiz o Cambio em 2 lugares que me passaram aqui no Mochileiros.com: 1o - Kenia viajes - Empresa de viajes y turismo - O endereço é Lavalle 623, praticamente esquina com a Florida, você sobe a escada e é na primeira loja à direita. Nessa loja pode pedir para carimbarem todas as notas, eles fazem um pontinho preto caracteristico na nota, caso alguém diga que é falsa você pode levar lá novamente que eles trocam a nota, mas eu não tive esse problema em nenhuma das vezes. 2o - Tabacaria - Empresa que vende canetas, canivetes e isqueiros de marca - Fica na Av. Corrientes, praticamente esquina com a Calle San Martin, pra quem segue sentido casa rosada fica do lado direito da avenida, não tem erro, do outro lado da avenida tem uma estação de metro, procure por Chiche que é o dono. Das 2 opções eu indicaria sem dúvida a primeira no Kenia viajes, além de carimbarem as notas foi o lugar que encontrei o melhor cambio no centro da cidade. Todos os dias que precisei fazer o cambio consegui o real por $4,15 e o dólar a $10,50 . Mas lendo jornais do pais vi que no último dia que estava na cidade o dólar paralelo atingiu $12,00, imagino que o Real tenha passado dos $5,00, a questão é pesquisar. O site para ver o preço do cambio oficial e paralelo(blue) é http://www.lanacion.com.ar/dolar-hoy-t1369 TRANSFER DE EZEIZA ATÉ BUENOS AIRES O aeroporto fica a 35km de Buenos Aires, pesquisamos várias opções, desde onibus circular até o taxi particular da Ecilla, uma brasileira. A melhor opção sem dúvida foi utilizarmos a empresa Manuel Tienda León, é uma empresa de onibus e taxi, que tem um quiosque logo que faz o raio X, lá compramos o transfer de onibus, eles levam até a agencia deles no centro e de lá te colocam em um taxi e deixam na porta do apartamento, o preço foi $110,00 por pessoa. Site do Manuel Tienda León: http://www.tiendaleon.com.ar/home/ HORÁRIO COMERCIAL Quase tudo lá no comércio fecha 20h, aliás fica de noite umas 20:30h. HOSPEDAGEM Depois de muito pesquisar, chegamos a conclusão que o melhor para nossa viagem românica seria alugar um apartamento. No nosso caso alugamos um loft por R$85,00 (reais) a diária para os 2, por 7 noites, e bem no centro histórico, na Av Corrientes com a Calle Maipú. Alugamos pelo site Airbnb, e a dona do apto Natalí junto com seu irmão Juan foram muito prestativos, não tivemos problema algum. Segue o link do apartamento: https://www.airbnb.com.br/rooms/370013 ALIMENTAÇÃO Logo no primeiro dia, assim que deixamos as malas no apartamento já corremos para Kenia Viaje e fizemos um bom cambio... Por isso já compramos no supermercado várias coisinhas para deixar na geladeira e fazer alguma possível refeição para os próximos dias, foi muito útil porque as vezes chegávamos exaustos da rua e não queríamos sair para comer... Sobre os restaurantes, como muitos dizem, os pratos são grandes, as vezes 1 prato já da para o casal, a gente não tinha vergonha em fazer 1 pedido para 2, já o preço varia muito, chegamos a pagar $100,00 em uma refeição para os 2 com bebida, até $400,00 com bebida em outra refeição para os 2, depende muito de pesquisar na hora mesmo e saber qual o padrão da viagem querem manter. A conta normalmente é de $150,00 por refeição por pessoa. TOUR DE BICICLETA Com um simples cadastro e sem nenhum custo você pode andar por toda a cidade, é muito prático e seguro, a única exigência é renovar a locação a cada 1 hora, não demora nem 1 minuto isso e tem umas 30 estações de bicicletas na cidade, então não precisa ficar correndo para conhecer os lugares com medo de não conseguir renovar... Na estação de bicicleta tem um MAPA com toda a cidade, indicando onde fica cada estação e oficina credenciada para consertar caso fure o pneu. Ainda tem o site http://mapa.buenosaires.gob.ar/ com tudo o que eu falei, é só ir na aba do lado esquerdo em "Mapas Temáticos" e depois em "Red de ciclovias". RESERVA ECOLÓGICA Em Puerto Madero, tem a Reserva Ecológica Costanera Sur, curtimos bastante, logo na entrada tem um mapa da reserva com várias trilhas/passeios possíveis e suas respectivas distancias e duração, pode ser feito a pé ou de bicicleta, uma dica é pegar a trilha número 2, que é pequena e passa pelo Rio de La Plata e de lá é possível ver a costa do Uruguai. Fizemos a trilha com a bicicleta alugada citada acima. TIGRE E DELTA Tigre é uma cidade da Argentina feita por ilhas que fica no norte de Buenos Aires, 1 hora de trem. É considerado o 5º maior arquipélago(conjunto de ilha) de água doce do mundo. Para chegar lá é muito fácil, só chegar na estação Retiro (tem acesso por Ônibus e Metro) e de lá pegar um trem que parte a cada 20 minutos para a estação Tigre, é a última estação (são 14 ou 16 estações), o percurso dura 1 hora, não sei o preço porque no dia estava com problema nas catracas e todos passaram sem pagar (nos falaram que é comum isso). O melhor dia que falaram para conhecer as ilhas é no sábado. Chegando na estação não contrate nenhuma empresa de turismo, o melhor é fazer tudo sozinho mesmo. Saindo da estação logo na frente do lado esquerdo de quem olha, a uns 200 metros já tem o porto com vários barcos e muitos quiosques para comprar os passeios, tem de tudo, a maioria é passeio de 1 hora, mas as variedades que encontramos perguntando nas empresas são: passeio de 1h, 1:30h, 2h e o dia todo, ainda alguns está incluso o almoço em algum restaurante de frente para o rio. Contratamos o passeio de 1:30h porque queriamos ir no mesmo dia no Parque de diversão La Costa, que fica em Tigre mesmo, bem perto do porto, uns 400 metros. Pagamos no passeio para casal $260,00. Uma dica importante é não caírem no mesmo erro que nós, pensávamos que chegando cedinho também sairíamos cedo de barco, engano nosso, os primeiros barcos começam a sair 9:30h da manhã, portanto não adianta madrugar 7h da manhã para chegar lá igual a gente porque vai ter que ficar parado esperando o barco encher... No nosso caso o barco saiu 11h. Horários entre Estações Retiro e Tigre Mapa de Tigre Estação Tigre Porto de Tigre Réplica do barco que contratamos Guichê tinha um álbum das paisagens que veríamos pelo caminho Preços em janeiro/2014 Fachada do guichê no porto Passeio de barco PARQUE DE LA COSTA O Parque de La Costa fica no Tigre, segue o link do site do parque http://www.parquedelacosta.com.ar/ ... É um hopi hari argentino... Pagamos segundo a tabela de férias, o passaporte Vip(acesso em todos os brinquedos e sem pegar fila) foi $325,00 por pessoa, perguntei e não tem meia entrada para estudantes. Funciona até 19h. Preços 360 graus do parque FEIRA DE SAN TELMO Como o próprio nome diz, é uma feira em San Telmo que tem de tudo, acontece aos domingos, desde manhã até umas 17h, a dica é chegar perto do almoço, ensinaram a gente que se for muito cedo não vai encontrar todo mundo trabalhando, alguns chegam para trabalhar na feira perto do almoço... Tem muitosss artistas de rua, fora os souvenir... Fica na Calle Defensa e ocupa umas 30 quadras. BALADA Existem muitas opções de baladas, ou boliches como são conhecidas em Buenos Aires... Fomos só em 1, na Asia de Cuba ( http://www.asiadecuba.com.ar/ ), gastamos o casal no jantar $380,00 incluso 1 garrafa de vinho Malbec, comemos um macarrão e uma carne com salada... A dica nessa balada é ir para o jantar, porque assim não paga a entrada da balada, que começa a partir da 1h, o detalhe é que as reservas para o jantar são feitas para até 22:30h. Asia de Cuba - Jantar e depois balada MILONGAS / TANGO Existem muitas milongas (baile que toca Milonga, Tango, etc) famosas na cidade, algumas tem como público turístas e outras argentinos. Gostamos bastante da La Viruta ( http://www.lavirutatango.com/ ), fica em Palermo, custa $45,00 por pessoa a entrada, $10,00 o guarda-volume caso tenha bolicha/bolsa e gastamos de consumação $130,00, tudo bem barato... Uma pizza média custa $50,00 e a caipirinha por exemplo 2 doses por $60,00. Tem ainda para quem vai na milonga La Viruta aula gratuita em grupo de tango, milonga, salsa e rock, muito legal é só conferir no site os horários. Cardápio La Viruta SHOW DE TANGO / SEÑOR TANGO A variedade para assistir um show de tango são enormes... Escolhemos conhecer o famoso Señor Tango, gastamos U$60,00 (dólares) por pessoa e precisa ser comprado com antecedencia de 1 dia no mínimo pelo site ( http://www.senortango.com.ar/ ) TARJETA SUBE A Tarjeta Sube foi extremamente útil para nós, é um cartão que pode ser comprado no correio ou em banca de revista, ele serve para Ônibus, Metro e Trem, da para recarregar em qualquer estação, colocamos $40,00 e conseguimos andar a semana toda... TRANSPORTE Achamos o transporte muito eficiente, embora a frota de tudo(ônibus, trem e metro) seja antiga. Ônibus - As principais linhas que levam aos bairros turísticos são muito bem sinalizadas, logo no ponto de ônibus já tem o número do ônibus e em seguida todas as paradas que ele faz. Metro - É eficiente e fácil de utilizar, mas um grave defeito que encontramos é que ao contrário de São Paulo, em Buenos Aires se você pegar um sentido e depois quiser voltar pelo outro sentido não tem como, como por exemplo no nosso caso que entramos na estação pelo sentido X e na realidade deveríamos ir para Y, ou então se você passar da estação de parada e tiver que voltar, tem que sair e entrar de novo/pagar pelo outro lado. Se eu não me engano custa $3,50, mas com a Tarjeta Sube paga a metade. Trem - utilizamos para chegar a Tigre, na volta (umas 19h) achamos perigoso, muitos turistas voltando e muitos argentinos olhando de maneira suspeita. Mapa do metro GUIA T Guia T é uma revistinha que mostra todas as linhas de ônibus da cidade, alguns acham muito útil, nós compramos no primeiro dia por $15,00, encontra para comprar em qualquer banca de revista, mas não usamos na viagem inteira, toda vez que precisávamos pegar um ônibus eu perguntava para algum policial ou funcionário de loja qual ônibus pegar. LOCUTÓRIO Locutórios são locais, tipo um cyber cafe, para fazer ligação, tem espalhado por toda cidade, é muito prático, precisamos no primeiro dia e gastamos $1,00 em 1 ligação local de 1 minuto. SORVETES FREDDO Tem dúvidas é um sorvete de destaque na cidade, recomendo a qualquer ser humano provar uma vez na vida, achamos delicioso o sorvete, tem de vários sabores e tem muitas franquias espalhadas na cidade. Não é muito barato, mas ainda vale muito pelo sabor, uma cestinha com 2 bolas custa $50,00. CAFÉS HISTÓRICOS Tem muitos cafés históricos na cidade, alguns: Café Tortoni, Confitería del Hotel Castelar, Bar 36 Billares, Bar Plaza Dorrego, Bar El Federal, Bar O Bar, Bar Plaza Dorrego, Bar Seddon, Bar Británico, Café de los Angelitos, La Coruña, Las Violetas, Confitería Ideal, El Gato Negro, La Giralda, La Biela, La Puerto Rico, etc. Conhecemos o Café Tortoni ( http://www.cafetortoni.com.ar/ ), um dos mais velhos da cidade, foi inaugurado em 1858, "No início do século XX, o Tortoni foi o local escolhido por muitos artistas, intelectuais, poetas e boêmios. Entre eles Alfonsina Storni, Quinquela, Luigi Pirandello, Xul Solar, Federico Garcia Lorca e Juan de Dios Filiberto. Por suas mesas passaram figuras importantes como Juan Manuel Fangio, Carlos Gardel, Jorge Luis Borges, Arthur Rubinstein, Lily Pons, Luigi Pirandello, Miguel de Molina, Tita Merello e Rei Juan Carlos I da Espanha.". Quase sempre tem fila para entrar, gastamos no almoço $150,00 em 2 lanches e 2 sucos. MAPAS ÚTEIS Seguem os mapas que foram úteis para encontrar os pontos turísticos: Centro de Buenos Aires Bairro Recoleta Bairro San Telmo Bairro Puerto Madero Bairro Palermo Fotos avulsas Puente de la Mujer - divide o Centro com o bairro de Puerto Madero Museo Fragata Presidente Sarmiento (ao lado da puente de la mujer) Caminito Almoço com apresentação de tango próximo a feira de San Telmo aos domingos Compra de roupas/sapatos/sandálias de Tango (as 2 lojas ficam no centro histórico bem próximo a avenida 9 de julio) Passeio em Palermo Árvore centenária em frente ao cemitério de Recoleta Livraria El Ateneo (Em 2008 foi classificada pelo jornal britânico The Guardian como a 2ª mais bela livraria do mundo) Planetário Galileu Galilei em Palermo Jardim Japonês em Palermo Espero que tenha ajudado um pouco pessoal.
  2. Primeiro mochilão. Parti de Natal/RN com conexão em São Paulo pela Gol, comprando por milhas saiu “de graça” a ida e volta para casa. Cheguei pelo Aeroporto Ezeiza, deixei para fazer compras no duty free quando voltasse. Descendo do avião, conforme dicas, procurei o Banco La Nación e lá troquei 1 mil reais por 2,48 mil pesos, foi suficiente para os 11 dias/10 noites, mas utilizei muito cartão de crédito também. Para ir até o Hostel contratei o bus Manoel Tienda León, custava um quarto do preço em um taxi e deixa num ponto central na estação de retiro e de lá tem serviço gratuito em vans e furgões do próprio Manoel Tienda León e deixou na porta do hostel. No caminho até o hostel se passa ao lado do centro de treinamento da AFA - Seleção Argentina de futebol . e vi muitas araucárias, árvore linda que é originária do Brasil(Paraná). Onde me hospedei: Milhouse Avenue (na Av de Mayo) reservei pelo próprio site do hostel que é super organizado recomendo para solteiros (quartos coletivos) e para casais jovens quarto de casal. Há também a filial que é o Milhouse Hipo, numa rua próxima. Se puder optar na chegada opte pelo Avenue, pois a localização é um pouco melhor e sua estrutura também um pouco melhor. Uma vantagem de ficar neste hostel também é que tem festa toda noite, das 10 da noite até duas da manhã, onde dá pra confraternizar com a galera do hostel, ele também tem passeios legais para quem não quer perder tempo fazendo a roteirização diária, mas optei por eu mesmo bater perna e conhecer os bairros com atrações. Apenas para ver o jogo do Boca Juniors. Paguei R$ 24,70 por dia para ficar num quarto coletivo misto (homens e mulheres) com seis camas (três beliches), por dez noites foram R$ 247 de hospedagem! Muito barato. E é legal porque conheci pessoas legais e diferentes, entretanto as vezes foi chato porque cada um chega para dormir num horário e os baladeiros acabam acordando os que gostam de conhecer a cidade de dia (como eu) , fora a um californiano que traçou uma mulher por noite naquele quarto o que acabava me acordando durante a madrugada. Por causa da localização do hostel, numa avenida onde se encontram boa parte dos locais a serem visitados no microcentro de Buenos Aires ficou fácil caminhar pelas ruas. Achei o Microcentro, como eles chamam o centro da cidade lá, parecido com o centro do rio e bairros como o catete e Cinelândia, ambas as cidades guardam uma arquitetura estilo francesa do século XIX com imensos prédios que ocupam o quarteirão inteiro ou quase todo. Notei que os pratos são muito bem servidos e normalmente um prato individual serviam bem duas pessoas. Notei que eles são bons com pratos de origem bovina, como carne e laticínios como queijo e doce de leite. Despois de apanhar um pouco é que percebi que é melhor pedir bem passado as carnes porque se não vem mais cru que o mau passado aqui no Brasil. Como fui entre abril e maio, peguei uma manifestação trabalhista que percorreu a rua que estava hospedado, passei por dentro da manifestação que foi pacífica. Queria ver um show de tango, me indicaram o señor tango, mas acabei fechando com o complejo tango valeu a pena pela comida e bebidas fartas, mas o show em se não achei deslumbrante, se tivesse nova oportunidade faria o señor tango. Nas longas caminhadas pelo centro percorri os pontos que descrevi no roteiro (http://www.mochileiros.com/roteiro-completo-buenos-aires-em-seis-dias-com-tigre-e-colonia-de-sacramento-uruguai-inclusos-t77487.html) Os pontos que percorri nos bairros Palermo, Recoleta, La Boca (Caminito) e San Telmo também estão descritos no mesmo roteiro, abaixo seguem fotos com a explicação do local e impressões. Araucária brasileira no caminho do aeroporto Ezeiza até o centro da cidade: Área comum no piso do hostel Milhouse Avenue onde fiquei hospedado durante toda a viagem tem wi-fi e para quem não leva note, tablete ou smartphone, há quatro computadores disponíveis para os hóspedes utilizarem, o pessoal de atendimento do milhou-se é muito legal e normalmente são mochileiros do planeta inteiro que rodam o mundo trabalhando alguns meses em diversos destinos, quando fui tinham muitos australianos trabalhando no hostel: Arquitetura dos prédios no centro da cidade: Abaixo, fachada do Café Tortoni, vale muito a pena ir, é um lugar histórico e turístico, tomei um café lá e depois de manhã fiz um café da manhã completo, estava acompanhado de uma amiga que também fez a viagem e cada um pediu um kit de café da manhã, veio comida demais, se pedíssemos um individual para os dois seria suficiente. Interior do café tortoni muito bonito, ele tem uma espécie de mini museu nos fundos da cafeteria sobre o tango e sobre a cidade de Buenos Aires, também possui um palco para apresentações de tango, mas não presenciei nenhuma: Mais da arquitetura do microcentro: CONTINUO NAS MENSAGENS ABAIXO ...
  3. Para ver o post com fotos, vá até meu blog http://www.mochiloesemochilinhas.com 1° dia - sábado (14/05/2011) Cheguei em Buenos Aires com apenas um mochilão nas costas e super excitada com a ideia de viajar sozinha por 30 dias. Ao chegar no aeroporto de Buenos Aires, depois de ser encarada por praticamente todos por causa do tamanho da minha mochila, procurei por ônibus que me levassem até à cidade e acabei pegando o Manuel Tienda León. Excelente por sinal...frescão com cadeiras confortáveis e ar condicionado (ou aquecedor, no meu caso) bem mais barato que taxi. Parou em uma espécie de terminal rodoviário perto do meu albergue (HI Hostel), que ficava em Recoleta e de lá peguei um transfer compartilhado até meu albergue, pagando bem pouco também. Ao chegar no albergue, me deparei com um lugar meio baixo astral, com computadores bem velhos, bem diferente do que esperava de um albergue. Meu quarto tinha 12 camas em beliches duplos e um banheiro, com algumas cabines para banho e vasos. Coloquei minhas coisas no locker e saí apenas com o necessário na minha mochilinha, andando pelas ruas de Recoleta. Me encantei com o bairro....prédios coladinhos uns nos outros, com arquiteturas misturadas e sempre com plantas nas varandas ou janelas. As ruas são extremamente limpas e arborizadas e o clima de outono deixou o lugar muito agradável, principalmente com pessoas bem vestidas circulando. Andei até a praça do cemitério onde estava tendo um feira de artesanato e um show de comediantes, com espectadores sentados na grama, na maior tranquilidade. Até assisti um pouco o show, mas confesso que não achei muito interessante. Entrei na Paróquia Nuestra Senora del Pilar , que é bem bonita por fora e por dentro. Depois fui ao Cemitério de Recoleta e fiz o tour gratuito que já estava rolando...vi o túmulo da Evita e muitos outros, mas o que marcou mesmo foi o de uma mulher que acordou dentro do caixão e tentou sair, mas como ele era de cerâmica e portanto pesado, ela não conseguiu e morreu asfixiada. Depois fui no Centro Cultural Recoleta do lado do cemitério, para ver se relaxava,depois desta informação tensa. Não entendi nada da exposição que estava rolando, com copos e águas dentro deles...ainda bem que era de graça. Depois entrei na loja MORPH, bem lindinha por sinal, com várias coisas transadas de decoração e passeei pelo mini shopping Buenos Aires Design. Voltei para o albergue, entrei no computador carroça para dar notícias para família e amigos e acabei conhecendo duas colegas de quarto, uma do Uruguai e outra da Alemanha. Tomei meu primeiro banho em banheiro compartilhado (bem quente, por sinal) e dormi pela primeira vez com meninas desconhecidas ao lado. Sobrevivi =D Noite de sono perfeita. 2° dia - domingo (15/05/2011) Acordei, tomei banho, tomei um simples café da manhã no albergue e saí com a minha nova amiga uruguaia para pegarmos o trem para Tigre, cidade a menos de uma hora de trem de BsAs. Ela já ia para lá porque ia voltar para Montevideu passando por Tigre e eu queria ir por causa do parque de diversão, que só abre aos finais de semana. Fomos andando do albergue até a Estação de Trem Retiro, bem perto de Recoleta. A estação é bem dark, mas é limpinha. Existem dois trens que saem de BsAs até Tigre, sendo um arrumado (Tren de La Costa) e outro bem basicão. Como ela já estava acostumada com o segundo, fomos nele mesmo...ele é mais barato que o outro e é mais simples também, com pessoas bem humildes. Sentamos ao lado de uma argentina que não parava de puxar assunto e a minha amiga uruguaia, quando falava com ela, falava outro idioma, porque eu não entendi nada. =( Depois de 40 minutos de viagem, chegamos a Tigre.Que cidadezinha fofa! Passeamos um pouco por ela e fomos no Mercados Del Delta, dentro do Puerto de Frutos. O lugar é repleto de mini lojinhas com diversos tipos de produtos, basicamente artesanatos, com preços bem acessíveis. Fizemos umas comprinhas (pequenas mesmo, porque teria que caber no meu mochilão por 30 dias) e fomos depois para o Parque de la Costa, que estava mais cheio do que eu imaginava. Fomos na roda gigante, que tem a vista do parque inteiro e do rio de Tigre, depois na montanha russa (bem maneira por sinal!) e depois a ideia era ir no brinquedo de swing, em que a pessoa fica voando de um lado para o outro, como se fosse um pêndulo. Ao chegar lá, bem no final do dia, descobri que tinha que ter agendado um horário e não era mais possível voar naquele dia. (Atenção, hein, leitor!) Saímos do parque e nos despedimos, pois ela tinha que continuar a viagem para Montevideu. Segui para o Puerto de Frutos e peguei um passeio de barco pela Delta do Tigre, comprado na hora mesmo. O passeio deve ter durado 1 hora e deu para ver as casas com arquiteturas bem diversificadas na beira do Rio, com vegetação alaranjada. Agradável o passeio, apesar de não entender 100% o espanhol da guia. Depois fui no cassino, mas só consegui jogar por 15 minutos, porque o cheiro de cigarro/charuto me deu uma baita dor de cabeça . Começou a anoitecer e fiquei com medo de ficar rodando ali sozinha...peguei o Tren de La Costa (arrumadinho) de volta para Buenos Aires, para ver se realmente era muito diferente. E como! rs ...basicamente turistas, super agradável. Tem uma parada na Estação de Mitre, onde a gente anda um pouquinho até pegar outro trem de Mitre até Buenos Aires. Algumas pessoas param na estação de San Isidro para compras, mas não quis parar porque já estava tarde e achei que as lojas poderiam estar fechadas. Cheguei em BsAs por volta das 20h e andei até o albergue com um pouco de medo, confesso. Valeu a penas o passeio! 3° dia - segunda (16/05/2011) Depois do café da manhã basicão, saí sozinha me aventurando pela cidade, com a minha mochilinha. Peguei o metrô em direção a Palermo e desci na estação da Plaza Italia. Andei por ali e visitei primeiro o Jardim Botânico, que achei bastante arrumado e vazio, apenas com gatos circulando e dormindo. Depois de lá, tentei ir ao Zoológico, mas estava fechado Oo zoo de BsAs não abre nas segundas!) . Segui andando, parei para tomar um sorvete de doce de leite e frutas da Patagônia na Sorveteria Jauja e simplesmente morri de tanta felicidade com ele. Melhor sorvete da minha vida...mais que recomendado. Me dei conta de como Palermo também era um bairro agradável, bem residencial. Tudo organizado, com prédios bonitos e muita, mas muita vegetação...tanto nas ruas como nos diversos parques espalhados. Super agradável andar por ali. Fui ao Jardim Japonês e me surpreendi. É muito lindo..organizado ao extremo, com vegetação e laguinhos impecáveis. Valeu a pena! Saí de lá e continuei andando pelos parques de Palermo e acabei descobrindo o ônibus turístico de Buenos Aires. Ele pára em todos os pontos turísticos da cidade e tem um áudio para cada um dos passageiros, com a possibilidade de escolha de idioma. O passe do ônibus é para o dia inteiro e custou 90 pesos ( se comprar pela internet ainda ganha desconto!). O legal é que o passageiro faz seu roteiro, descendo e subindo onde quer, podendo passear pela cidade à vontade com segurança. Se você descer em um ponto turístico e não gostar dele, você pode pegar o próximo ônibus em 15 minutos, não precisando perder muito tempo no que não te interessa. Achei ótimo... tão ótimo que peguei o passe promocional de 2 dias, por 110 pesos. =D Fiquei no ônibus e decidi descer apenas em Boca (Caminito), já que tinha andado um tantinho e estava cansada. Depois de passar por praticamente todos os pontos turísticos sentada no ônibus, cheguei em Boca. Que bairro alegre! Casinhas coloridinhas, com artesãos e artesanatos espalhados ruas, repletas de bares e restaurantes típicos, com dançarinos de tango em praticamente todos. Sentei no La Yunta de Caminito e comi um sanduíche fabuloso, acompanhado de uma Quilmes geladinha. Fiquei assistindo à performance dos dançarinos até não achar mais tanta graça. Saí para passear pelas ruas do bairro e depois de algum tempo de passeio, decidi pegar o ônibus de volta, pois já estava anoitecendo e li nos guias que não é muito seguro passear por Boca a noite. Desci na Calle Florida, a rua famosa de compras de BsAs, por onde não passa carros. São muitas lojas e camelôs estendidos no centro da rua e muitas pessoas andando, principalmente brasileiros. Entrei na Galerias Pacífico, que é linda por dentro e por fora, mas só tem loja cara... bom para passear apenas. Passei da livraria El Ateneu e na lojinha da Abuela Goye, para comer um alfajor recomendado pelo meu atual namorado, na época apenas amigo. Vale a pena...é melhor que o Havana. Voltei para o albergue e encontrei a minha colega de quarto alemã, que iria embora de madrugada. Decidimos ir tomar umas cervejas por perto e achamos um barzinho bem transadinho perto do albergue (sorry, não lembro o nome), que foi indicado por um pedestre aleatório, provavelmente morador das redondezas. Tomei a bebida alcóolica típica da Argentina - FERNET COM COCA COLA- e quase passei mal de tão ruim que é...Bebi umas cervejas para tirar o gosto e voltamos para o albergue antes de ficarmos muito doidas e perdermos a hora do vôo dela. 4° dia - terça (17/05/2011) Acordei, tomei o mesmo café da manhã dos outros dias e fui andando até o ponto mais próximo do ônibus turístico. Peguei-o e fui direto para o MALBA, mas ele estava fechado (saberia disso se tivesse lido o guia...mas quis fazer tudo na improvisação...rs.Deu nisso!). Andei até a Rosa metálica, que é iluminada a noite com diversas cores. Como fui de dia, não vi este detalhe, mas li que é bem maneiro. De lá, andei até o Museu da Evita, que adorei por sinal. Não sou muito fã de museus, mas este eu achei que valeu a pena. Tantos detalhes, filmes, fotos da Evita...você sai achando que a conhece super bem. Depois andei até o Jardim Zoológico (desta vez aberto!) e perdi a hora lá, de tanta coisa legal que tinha para ver. Descobri ali que gostava de zoos e que provavelmente não ia a um há uns 20 anos...Peguei o ônibus turístico dali mesmo e desci no Teatro Colón. Infelizmente o passeio guiado só ia sair em algumas horas e não achei que valeria a pena esperar. Andei até o Café Tortoni, super indicado nos guias e bem tradicional. Achei maneirinho, mas muito caro. Tomei um água que custou R$5, só para ficar apreciando a beleza brega dele... rs. Andei até a Plaza de Mayo, onde pude andar até a Casa Rosada e a Catedral Metropolitana de BsAs. Achei a praça meio estranha, com clima mais pesado que Palermo...não quis ficar andando muito por lá. Voltei para o albergue pois tinha reservado um passeio no albergue para a casa de tango "Sabor a Tango", para fazer uma aula, jantar e assistir ao show. Adorei tudo...a aula foi divertida, apesar de eu ter dançado com um turco que tinha acabado de conhecer, o jantar estava absolutamente divino e o show foi maneiríssimo, bem sensual. Me deixaram de volta no albergue com a certeza de que quero voltar acompanhada para BsAs...nem que seja só para a casa de Tango =D 5° dia - quarta (18/05/2011) Último dia de BsAs...como passou rápido! Tomei banho, o mesmo café de sempre e fiz logo o check out do albergue, deixando o mochilão no depósito, junto com outras bagagens. A ideia era passear pela cidade o dia inteiro e no final do dia passar no albergue para pegar a mochilona e seguir para a rodoviária, onde compraria na hora a passagem para Córdoba. Nem cogitei andar pela cidade com 18 quilos nas costas... Peguei novamente o ônibus turístico (tinha direito a andar nele por 48h desde a hora da compra e não por dois dias apenas, senão hoje não poderia andar mais) e desci na estação do MALBA, que desta vez estava aberto! Várias pessoas o indicaram e só tenho a dizer o seguinte: Quanta coisa doida! Fiquei uns 15 minutos nele e saí aliviada...não consigo entender arte moderna. Não adianta. Não entendo quadros brancos com um ponto amarelo no meio...rs. Passeei em um shopping que tinha por perto, no estilo de Fashion Mall. Tinha uma Zara nele, com preços bem bons...aproveitei para comprar calças de moletom, pois seriam mais confortáveis para andar o dia todo do que jeans. Andei até o Roseiral (Rosedal) e fiquei bastante tempo passeando por ali. Tinha um lago por perto, com muitos patos e outras aves..achei legal ficar apreciando, enquanto lanchava. Aproveitei para alugar uma bicicleta ali por perto e ir em busca da loja Seco indicada por uma amiga, para compra de galochas e artigos para chuva. Encontrei a loja, mas as coisas eram muito caras, daí acabei só visitando mesmo. Lanchei ali por perto para ganhar energia para pedalar de novo até o local da entrega da bike. Entreguei a bike no final do dia e voltei para Recoleta de taxi, porque não aguentava mais andar. Desci perto do cemitério e aproveitei para tomar um sorvete de doce de leite na sorveteria Freddo. Bom também, mas Jauja foi melhor. Passei pelo Alvear Palace Hotel e tive que entrar, só para tirar foto...É lindo por dentro. Andei pela Av Callao, a principal de Recoleta, para tirar dinheiro e curtir pela última vez (pelo menos nesta viagem) o clima de Recoleta. Voltei para o albergue, peguei minha mochilona e fui direto para a rodoviária. Lá comprei o bilhete para Córdoba, cujo trajeto demoraria umas 9 horas.
×
×
  • Criar Novo...