Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''buenos aires''.

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Faça perguntas
    • Perguntas Rápidas
    • Perguntas e Respostas & Roteiros
  • Encontre Companhia para Viajar
    • Companhia para Viajar
  • Envie e leia Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Encontre companhia, faça perguntas e relate experiências em Trilhas e Travessias
    • Trilhas e Travessias
  • Tire dúvidas e avalie Equipamentos
    • Equipamentos
  • Outros Fóruns
    • Demais Fóruns
    • Saúde do Viajante
    • Notícias e Eventos

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que contenham...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

  1. NOSSO PRIMEIRO MOCHILÃO (Loira e Pipira). ITINERÁRIO: SÃO PAULO > PARANÁ > SANTA CATARINA > RIO GRANDE DO SUL > URUGUAI > ARGENTINA > PARANÁ > SÃO PAULO. Passamos por 32 cidades, 20 caronas, 8 ônibus, e por incontáveis perrengues em 28 dias, 7 mil quilômetros. Planejamos nosso primeiro mochilão com 6 meses de antecedência. Pensamos nessa rota porque gostaríamos de conhecer o sul do Brasil e os países vizinhos e toda a cultura imersa em cada local. Escrevemos todas as possíveis cidades que gostaríamos de passar no roteiro, porém, no meio do caminho, o destino nos trouxe outros lugares que jamais havíamos cogitado de estar. Pesquisamos bastante sobre como viajar a baixo custo e os itens necessários, apesar de levarmos além do suficiente nas mochilas que ficaram pesadas e dificultou um pouco a nossa mobilidade. A princípio, iríamos fazer nossa viagem de ônibus e hospedar em hostels. Mas criamos coragem e decidimos fazer a nossa maior parte do trajeto pegando carona e acampando em postos de gasolina, nas praças das cidades e nos morros. Nosso orçamento inicial era gastar, no máximo, R$ 100,00 por dia, totalizando, R$ 3.000,00 em 1 mês (cada pessoa). Conseguimos alcançar a meta para não estourar o orçamento final. Como era nossa primeira experiência, não tínhamos muita noção do que levaríamos, de onde pegar carona e acampar, apenas fomos surpreendidos pelo destino, e deu tudo certo. Fugimos do senso comum de que pegar carona é algo perigoso e difícil. Conseguimos a maioria das caronas em menos de meia hora, acreditamos que por estarmos em casal, isso facilitou muito. Todos que nos deram carona, foram pessoas extremamente gentis, de bom coração. Não houve nenhuma intercorrência durante o trajeto, apenas os perrengues que são comuns de acontecer, como o tempo de espera em algumas ocasiões, a imprevisibilidade de chegar no momento que fora previsto, dentre outros que comentamos em cada carona. Tudo isso foi possível graças a vários relatos de outros mochileiros deste site, e vídeos do Youtube. Sobre os itens que consideramos necessários para viagens desse modelo: - mochila com barrigueira; - barraca de camping e isolante térmico; - fogareiro + cartucho de gás (2), panela; - garrafa de água (3L); - documentos pessoais (RG, carteira de vacinação, dinheiro, e um cartão para emergências); - caneta para placa (2); - adaptador, cadeado, canivete, carregador portátil, guarda-chuva, lanterna; - lenço umedecido (acredite, é extremamente necessário) - toalha e poucas peças de roupa, se possível; - itens pessoais de higiene, kit-socorros e protetor solar. Aplicativos necessários: - iOverlander (app com mapa de lugares para acampar, banheiro, água etc); - Google Maps (o melhor aplicativo de todos, além de funcionar off-line/sem wi-fi, cria rotas, mostra linhas de transporte em tempo real, distância e duração); - Hostelworld (melhor app para achar hostel barato); - TripAdvisor (ótimo app para descobrir bons pontos turísticos); - Couchsurfing (aplicativo pago (R$10,00) de hospedagem grátis e troca de experiência com os nativos, infelizmente não conseguimos nenhuma hospedagem por estarmos viajando na época natalina/ano novo). Em toda a cidade que entramos, procuramos lugares públicos (McDonald 's, supermercados, rodoviária, aeroportos, praças, por exemplo) com tomadas, banheiro e água disponíveis. Em outros países que passamos, no Uruguai e na Argentina, é muito escasso o acesso à água de graça em locais públicos. Outra observação pessoal foi a dificuldade em encontrar creme de leite e sardinha nos supermercados. Em ambos os países, é muito comum encontrar a empanada, uma espécie de pastel assado com frango desfiado ou carne, mas não tem fritura, como por exemplo salgados (coxinha, espetinho empanado, kibe, etc). No geral, nas cidades do Uruguai não há muita variedade de pratos apetitosos, apenas a empanada é a mais aceitável, e foi um dos alimentos que comemos durante todo o percurso da viagem. Descobrimos que o Brasil é o melhor lugar possível para fazer o mochilão, pois o brasileiro está disposto a ajudar em qualquer ocasião. Tivemos várias situações em que fomos extremamente gratos durante o percurso: Burni: mãezona, ofereceu seu apartamento e nos acolheu com muito carinho. Fez almoço para nós, nos levou para conhecer o centro da cidade, comprou os melhores cookies da padaria que ela considerava a sua favorita, nos deixou bem à vontade para fazer o que quiser em sua casa, estendeu a nossa roupa (achei a atitude fofa porque eu tinha estendido tudo errado e ela conseguiu arrumar direitinho para secar mais rápido), deu de presente para nós um pokemon card que ela considerava uma das coisas mais importantes de sua vida, que fez parte de sua infância, e também deu 10g de cogumelo (achei mais fofo ainda). Felícia (Daisy): esposa da Burni, deu de presente uma saboneteira, foi muito simpática, receptiva e conversou bastante conosco no primeiro dia. O motorista de ônibus que nos avisou que a barraca tinha caído da mochila durante a nossa primeira tentativa de carona e um outro rapaz que recomendou outro lugar para pegar carona, o casal de sanduicheiros do famoso choripan da Lagoinha do Leste que confiaram em nossa palavra para pagar os lanches após sairmos da trilha, pois o lugar é afastado e não funciona o Wi-fi para pagamentos on-line e não tínhamos algum dinheiro vivo naquele momento. A atendente do posto de Siderópolis que nos deixou tomar banho de graça e nos apresentou um dialeto muito comum no sul ‘’capaz’’ que significa ‘“ora, deixa disso” como uma forma de disfarçar o possível interesse em fazer algo a favor. Pessoal do hostel de Canela e o atendente do Ecohostel de PoA com a camisa do Inter que nos deu dicas de mochilão. O dono de um bar que estava bebendo um chimarrão em Porto Alegre que gentilmente nos deu uma sacola ao ver a nossa estourar e os pastéis caírem no chão. Frentistas do posto SIM de Pelotas que foram super receptivos e mostraram um bom lugar para montar a barraca e o caminhoneiro que conseguiu a senha para tomar banho. Hippie de Punta del Diablo que nos mostrou onde ficava um ótimo camping pago seguro. ‘’Macondo’’, nome de uma casa cujo lugar onde ficamos hospedados na varanda em Cabo Polônio. Casal de brasileiros mineiros de Punta Ballena que passaram perrengue conosco para voltar para Punta Del Este de ônibus à noite. Diego, voluntário brasileiro atendente do Port Hostel em Montevidéu que nos ajudou com o câmbio. As funcionárias da biblioteca da rodoviária de Fray Bentos que nos cedeu um espaço para ficarmos à vontade lendo os livros e foram muito gentis e atenciosas conosco. Os funcionários da Aduana em Fray Bentos que conseguiram uma carona para atravessar a ponte entre a Argentina e Uruguai. Camila, nossa amiga que nos acompanhou por toda a cidade de Buenos Aires, dando dicas e compartilhando sobre a sua vida de estudante e nova residente na Argentina. O guia do museu ferroviário de Buenos Aires que foi super atencioso e paciente para nos explicar a cronologia da história da Argentina através da linha do tempo ferroviária. O funcionário da rodoviária de Puerto Iguazú que nos ajudou a pegar o último ônibus de última hora para Foz do Iguaçu. Entre outros, pelo simples direito de ter acesso a banhos e campings gratuitos em postos de gasolina. Seu José, a pessoa que passou mais tempo conosco e foi marcante para nós, o caminhoneiro que nos ofereceu carona e estadia gratuita na empresa em que trabalhava e até um lanche generoso. A viagem nos representou a possibilidade de explorar nossos limites, fragilidades, medos, conhecimentos sobre o mundo exterior, e o autoconhecimento, no geral. Foi algo enriquecedor. Também fortaleceu a nossa conexão, algo crucial para esta viagem. Com esta nova experiência, queremos mostrar que é possível realizar tudo isso se houver coragem para se arriscar, pois pouquíssimas pessoas possuem esse brio. (Rota realizada para a viagem). - 15/12/2021 - 21/12/2021 - São Paulo - Florianópolis Nossa primeira opção, seria pegar um ônibus direto para Florianópolis para otimizar o nosso tempo, já que o ponto de encontro inicial estava marcado na rodoviária do Tietê e o horário de partida estava previsto para o período da noite. Ficamos hospedados durante 5 dias na casa de umas amigas. Realizamos vários passeios, trilhas e caminhadas. Conhecemos o centro da cidade, recomendamos ir à ponte Hercílio Luz (ponto turístico), Beira mar continental e norte, ao Mercado Público de Florianópolis; nas feiras de rua próximas desse mercado (os preços dos produtos são bem acessíveis); à Catedral Metropolitana da praça XV de novembro. (Vista da Beira mar norte). Fizemos a famosa trilha da Lagoinha do Leste e do Morro da Coroa (a trilha é difícil, é preciso ter bastante paciência e certo preparo físico para enfrentar quase 7 km de subida - ida e volta, mas o esforço vale a pena, a paisagem é fantástica e é possível tirar excelentes fotos do lugar e da vista do Morro da Coroa, além de interagir com os macaquinhos durante a trilha). (Vista do Morro da Coroa). Também recomendamos conhecer o Museu do Presépio Bosque Pedro Medeiros, lugar simples e encantador, um recanto verde em meio aos prédios, possibilitando realizar pequenas trilhas dentro do museu. - 21/12/2021 - Florianópolis - Palhoça (BR 101) - Criciúma Por estarmos dentro da cidade de Florianópolis, resolvemos pegar um Uber para a rodovia BR 101 em Palhoça, um local com facilidade de pegar carona para o nosso próximo destino. O primeiro ponto, próximo da loja Havan, não deu muito certo. Nos deslocamos para um ponto mais próximo do acostamento, onde obtivemos êxito. Uma dica seria não ficar próximo de uma subida, é mais difícil parar um automóvel, recomendamos pegar em um local com acostamento plano. (Foto tirada próxima ao local da primeira carona). - Carona 1 - Palhoça - Criciúma [BR 101] - Tempo de espera: 1h - Horário de saída: 14h00min - Horário de chegada: 16h45min - Distância: 170 km Sr. Odair, 45a, agradável, simpático. Já ofereceu várias caronas, nos aconselhou a pegar carona no acostamento em local plano, em vez de um local com subida/descida; possui uma esposa e 2 filhos. Não teve oportunidade de estudar, mas gostaria de fazer uma faculdade. Possui uma rotina exaustiva com jornada de 12h de viagem (3x na semana), reivindica férias há mais de 3 anos para passar o natal e ano novo com a família. Gosta de oferecer carona justamente pela viagem ser solitária, então aproveita para ter alguma companhia durante o percurso. Diz que só oferece carona para aquele que oferecer boa impressão, preferencialmente para mulheres e casais, além de estar bem apresentável. Já presenciou vários acidentes na estrada e acabou se acostumando com esta rotina; é católico; aparentemente hígido. Contraiu covid-19 em junho deste ano por meio da esposa (no coral da igreja), todos testaram positivo pelo teste PCR. Procedente de Curitiba, seu trajeto do trabalho é de PR - RS, transporta peróxido de oxigênio, seu caminhão possui 9 eixos. Só pode transitar 80 km/h. Seu Odair nos deixou próximo da entrada de Criciúma. Pegamos um Uber para entrar na cidade. Chegando na cidade, procuramos um lugar para acamparmos. A primeira tentativa foi em um posto de gasolina, mas os postos dentro da cidade geralmente não aceitam fazer camping, então resolvemos procurar um parque ou uma praça. Ficamos em uma praça no centro da cidade, mas não sabíamos se poderia montar a barraca devido ao movimento constante de viaturas que rodeavam a praça. Mas por não encontrarmos um lugar melhor de última hora, optamos por montar a barraca ali mesmo. Por ser na época do natal e ter grande contingente de pessoas, esperamos diminuir o movimento para podermos montar a barraca. Uma dica seria tentar chegar o mais cedo possível para aproveitar a cidade que quer conhecer e retornar para os postos de gasolina próximos da rodovia, caso queira acampar, ou procurar um local de camping dentro da cidade. Tivemos uma experiência não muito agradável, por receio de estarmos muito expostos e por alguém nos abordar. Houve um momento em que um homem se aproximou da barraca e ficou por algum tempo nos observando e foi embora (que cagaço!). Por estarmos dentro da barraca, só vimos a silhueta dele. Outra dica seria sempre que entrar em uma cidade nova, procurar por um Mc Donald’s, pois é um lugar que há banheiro e tomada e, às vezes, Wi-fi gratuito, além de permanecer no local sem ninguém incomodar. (Nossa primeira carona com o Seu Odair). - 22/12/2021 - Criciúma - Siderópolis No dia seguinte, pegamos um ônibus para Siderópolis. Escolhemos essa cidade para conhecer um local chamado Aguaí Santuário Ecológico, mas não foi possível porque optamos por conhecer um local na entrada da cidade, onde se situa o Centro de Peregrinação de Nossa Senhora de Fátima. Por coincidência, em frente a esse Centro, havia um posto de gasolina (Ipiranga), onde fomos bem recebidos pelos frentistas e principalmente pela atendente da loja de conveniência. Ela nos ofereceu um banho gratuito e recomendou um local para acampar. Escolhemos montar a barraca atrás da Santa (lugar mais protegido não há, rsrs). Às vezes montamos um roteiro bem estruturado, mas podem acontecer alguns imprevistos e não ocorrer conforme o planejado, porém o destino pode nos proporcionar experiências incríveis e muito aprendizado. (Barraca montada atrás da Santa). (Nossa Senhora sempre abençoando a nossa viagem). - 23/12/2021 - Siderópolis (SC) - 2,2 km da BR 101 Logo após acordar, fomos em busca de carona. Primeiramente, fomos no posto conversar com alguns caminhoneiros para tentar alguma carona em direção à BR 101, sem sucesso. Optamos por pedir carona em frente ao posto. Não demorou muito para aparecer a próxima carona. - Carona 2 - Tempo de espera: 13min - Horário de saída: 13h23min - Horário de chegada: 14h15min - Distância: 37 km Anderson, 32a, empresário, natural do Rio Grande do Sul (Rio Grande), porém, foi para Siderópolis, gostou e ficou por lá até hoje, por ser uma cidade tranquila. Montou uma empresa de madeira, já viajou de mochilão pela costa do Rio Grande do Sul com 24 anos, ficou 2 meses fora de casa. Prefere a estação de verão em vez de inverno. Pretende conhecer Maceió e o nordeste, no geral. Nunca deu carona antes. Anderson estava indo em direção à sua empresa. Ele iria nos deixar na BR 101, mas ele estava atrasado, então nos deixou perto da BR 101. Estávamos andando em direção à rodovia da BR 101, quando nossa próxima carona chegou em poucos instantes. Demos sorte. - Carona 3 - 2,2 km da BR 101 - BR 101 - Tempo de espera: 4min - Horário de saída: 14h40min - Horário de chegada: 14h41min - Distância: 2 km Seu João, com o seu carro simples, um Chevette branco antigo, trocamos pouquíssimas palavras, mas o suficiente para saber que existem pessoas humildes, com bom coração. Logo chegando na rodovia, procuramos um local propício para carona. Optamos por ficar debaixo do viaduto, onde havia sombra e um acostamento. Ficamos um bom tempo pedindo carona por dedão, porém, não estava dando muito certo. Por sorte, encontramos um papelão e escrevemos o nosso próximo destino (Rio Grande do Sul), e não demorou muito para a nossa próxima carona chegar. Uma dica seria ter consigo uma caneta de lousa e um papelão para escrever seu próximo destino, pois facilita a comunicação com quem vai oferecer a carona. - Carona 4 - BR 101 - Campo Bom (RS) - Tempo de espera: 1h - Horário de saída: 15h45min - Horário de chegada: 20h00min - Distância: 290 km Seu José, 46a, caminhoneiro, nordestino, cearense, foi para o sul por causa de sua mulher, em busca de oportunidades. É casado há 20 anos com uma mulher de 60 anos, sem filhos, exceto o curica, cuja ave sabe cantar o hino nacional. Ele trabalha em função de sua mulher, para não levar chifre, mas gosta muito de mimá-la com presentes caros (sic). Adicto em café, toma uma vez ao dia para não ficar com cefaleia. É caminhoneiro há 2 anos e já está acostumado com essa vida solitária, mas prefere estar acompanhado durante as viagens, por ser muito comunicativo e prestativo com as pessoas. Seu José contou sobre a sua vida, sobre as caronas que ele já ofereceu, que valoriza muito esse tipo de oferta porque ele já necessitou em várias ocasiões de sua vida. Deu dicas para pegar carona, orientou sobre não se arriscar em pegar qualquer carona, pois há motoristas que se encontram incapazes de dirigir com segurança, por exemplo: olhos vermelhos, cansaço excessivo, uso de drogas etc. Ele também tem receio de oferecer qualquer carona, pois pode haver caroneiros transportando drogas para a fronteira, e vice-versa. Tem bom gosto musical, suas bandas favoritas: Pink Floyd, Guns n Roses, Scorpions, Bon Jovi. Já foi alcoólatra, mas a mulher na linha, o transformou em evangélico, mas de vez em quando ingere álcool escondido. Duas coisas ruins que existem no mundo, ele disse: mulher e dinheiro. Estava empolgado devido à compra do celular para a mulher, passamos pela cidade em que ele morava (Torres), cuja esposa estava esperando para entregar o bolo e o refrigerante e ele entregar o cartão para ela comprar o celular. Antes de ser caminhoneiro, trabalhou durante 8 anos na construção da BR 101. Sente saudades da comida nordestina, buchada, mocotó. Nosso destino principal era Gramado, mas seu percurso se limitava até Campo Bom (RS), que fica a 70 km de distância, então ele ofereceu a carona até essa cidade, onde ele pararia na empresa para carregar produtos de polietileno. Muito atencioso, convidou-nos para passar a noite em segurança na empresa, deixando-nos à vontade para se acomodar dentro do caminhão e dormir por lá mesmo. Na empresa, havia banheiro com chuveiro e tomada. Tomamos banho e ele se dispôs a comprar comida pra gente. Ele nos mostrou o funcionamento dos compartimentos que compunham no caminhão, como por exemplo, uma mini cozinha e uma geladeira que ficava ao lado caminhão. Seu sonho é ter um motorhome, ter uma casa de praia e nunca mais trabalhar. Pipira vai realizar o sonho dele algum dia. (Na companhia agradável do Seu José). - 24/12/2021 - Campo Bom (RS) - Taquara (RS) - Gramado (RS) - Canela (RS) Acordamos cedo, e Seu José nos deixou no ponto do pedágio, deu um papelão (que fofo), tiramos foto com ele e retornou para a sua cidade para passar o natal com a sua esposa e o curica. Ao chegar no pedágio, levantamos nossa placa escrito ‘’Gramado’’, achando que conseguiríamos pegar carona rapidamente, pois os carros passavam devagar, e havia um acostamento grande para os carros pararem. Não foi o que aconteceu. O motivo se deu devido ao local não ser estratégico, pois essa rodovia não levava direto para Gramado, por ter vários desvios de rota no meio do caminho. Portanto, optamos por mudar a placa e colocar a cidade mais próxima como destino (Taquara), que não demorou muito até aparecer a próxima carona. - Carona 5 - Campo Bom (pedágio) - Taquara - Tempo de espera: 2h - Horário de saída: 9h13min - Horário de chegada: 9h34min - Distância: 30 km Mônica, 30a, enfermeira-socorrista. Nosso anjo da guarda, nos avistou desde quando chegamos no pedágio, porém, ela estava no seu plantão, e pensou na possibilidade de oferecer a carona logo após o término do plantão, caso estivéssemos por lá ainda. E foi o que aconteceu. O sonho dela era fazer medicina, mas devido à falta de recursos, não foi possível. Disse que ficaria de plantão durante o natal a partir das 17h. Informou-nos sobre a alta taxa de óbitos na rodovia, em torno de 1 a 2 óbitos por plantão. Já se acostumou com a rotina de trabalho nos períodos festivos, mas dá muito valor à família. Disse que gostaria de visitar o irmão que reside em Florianópolis (Praia dos Ingleses) há 3 anos, está planejando, mas não acha que vai conseguir ir por causa do trabalho. Tem uma filha pequena e um esposo. Quase não os vê com frequência. Torceu para que nós pudéssemos viajar com segurança e que admira nossa coragem de sair por aí mochilando. Mônica foi gentil e nos deixou na rodovia que dá direto a Gramado. Como Taquara fica próximo a Gramado e o ônibus era barato, optamos por ir até a rodoviária de Uber e comprar as passagens. (Pedágio onde Mônica nos ofereceu carona). Chegando em Gramado, estávamos com fome, almoçamos em um lugar bem barato, o que é difícil encontrar nesta cidade. Recomendamos o restaurante ‘’Espetinho & BBQ’’. Após almoçarmos, procuramos um Hostel para nos acomodarmos, pois era natal e queríamos ficar bem confortáveis. A hospedagem em Gramado era bem inviável devido ao preço elevado, então optamos por ficar na cidade ao lado, em Canela. Ficamos hospedados no ‘’Canela Hostel’’, um lugar bem aconchegante e por um preço acessível. Para nos deslocarmos de uma cidade para outra (Canela - Gramado), utilizamos o ônibus coletivo. Gostamos muito mais de Canela do que de Gramado, por ser uma cidade mais tranquila e não muito turística, apesar de haver muito movimento em torno da Catedral de Pedra, devido à época do natal. O clima desta região é bem agradável, apesar de fazer muito frio à noite. (Catedral de Pedra na cidade de Canela). - 25/12/2021 - 28/12/2021 - Canela - Gramado - Porto Alegre Saímos de Canela e fomos para Gramado por meio do ônibus circular, e nosso próximo destino seria ir para Porto Alegre (POA) para resolver os trâmites* dos documentos necessários para entrar no Uruguai. Explicaremos mais adiante sobre tais documentos. Decidimos pegar um ônibus direto para POA, pois era inviável pegar uma carona saindo de Gramado até a rodovia principal que vai para lá, demandaria muito tempo, o qual não tínhamos, diante da situação* citada acima. Além disso, o custo do ônibus saiu bem barato, portanto, compensou. Chegando em POA, a primeira impressão não foi uma das melhores. A rodoviária, apesar de ser grande, é bem precária, dando um aspecto sórdido entre os pisos e os estabelecimentos, os sanitários não são muito higiênicos. Saindo de lá, andamos a pé para encontrar um mercado e seguir adiante para um hostel. Mas como era natal, não havia nenhum estabelecimento aberto, as ruas estavam vazias, apenas preenchidas por pessoas em situação de vulnerabilidade. Assim como a rodoviária, as ruas do centro são bem descuidadas, muita pichação, lixo e odor desagradável. A sensação de insegurança no centro é constante e tivemos um pouco de receio em relação a essa primeira impressão. Porém, ao chegar no hostel (Eco Hostel), um lugar bem acolhedor, onde situa-se em um bairro nobre, bem localizado, conseguimos nos sentir mais seguros. Aproveitamos o fim de tarde para andar de bicicleta e conhecer o Parque Urbano da Orla do Guaíba. É um ótimo lugar para andar de bicicleta, caminhar e ver o pôr do sol. A bicicleta foi nossa amiga, para nos deslocarmos dentro da cidade. É preciso baixar o aplicativo Bike Itaú e inserir um cartão de crédito. É possível andar durante 1 hora, por 8 reais, e mais 5 reais após a primeira hora. A cidade tem bastante ciclovia, o que torna bastante acessível e seguro para se locomover. (Em frente à Orla do Guaíba). Em tempos de pandemia, atualmente é necessário entrar com alguns documentos: seguro viagem, declaração juramentada para o país que irá entrar, vacinação completa (2 doses) e o teste PCR. Conseguimos fazer o teste PCR gratuitamente pelo SUS, em um posto de saúde mais próximo. Apesar de ser gratuito, demandou muito tempo e paciência, devido a algumas intercorrências, e, por isso, só conseguimos realizar o teste no terceiro dia em POA. - 28/12/2021 - Porto Alegre - Guaíba - Pelotas Por estarmos dentro da cidade de POA, resolvemos pegar um Uber para a BR 116, o que facilitaria pegar a próxima carona, em direção ao nosso próximo destino, a cidade de Pelotas (RS). O Uber nos deixou em um posto do Ipiranga, na BR 116. Primeiramente, tivemos dúvidas sobre o local, se havia a possibilidade de pegar carona com facilidade, pois não presenciamos muito movimento neste posto. Inclusive, cogitamos procurar um posto mais próximo que havia ali por perto, com paradas para caminhoneiros. Tínhamos planejado ficar apenas pouco tempo neste primeiro local (em frente ao posto, perto da saída), e caso não obtivesse êxito, partiríamos para o outro posto. Felizmente, não esperamos por muito tempo, e um casal que estava saindo do posto deu carona para a gente. - Carona 6 - Guaíba - Camaquã (Posto SIM) - Tempo de espera: 30min - Horário de saída: 15h17min - Horário de chegada: 16h30min - 104km Não chegamos a conversar muito, dormimos a maior parte do tempo (pelo menos conseguimos descansar um pouco), mas foram muito atenciosos e nos orientaram sobre a estadia na paróquia de Camaquã, caso não conseguíssemos pegar a próxima carona. O casal nos deixou em um posto de combustível, na entrada de Camaquã. (Lugar em frente ao posto, aguardando a carona 6). Ao chegarmos, procuramos carona dentro do Posto, pois havia vários caminhoneiros abastecendo. Conversamos com alguns caminhoneiros, porém, não obtivemos êxito. A maioria das empresas de transporte proíbe os caminhoneiros de oferecerem carona. Por isso, é normal a recusa por parte dos caminhoneiros. Portanto, tem-se mais facilidade em pegar carona na estrada. Ficamos em frente ao posto, levantamos a placa para conseguir a nossa próxima carona. - Carona 7 - Camaquã (Posto SIM) - Pelotas - Tempo de espera: 10min - Horário de saída: 17h10min - Horário de chegada: 19h00min - 130km Gilberto, 38a, natural de Canoas (RS), bem prestativo, comunicativo, é colecionador de carrinhos, tratores e caminhões em miniatura há 19 anos. Possui milhares dentro de seu quarto. Também monta maquetes (mini fazendas, estradas, etc). Mora com a mãe. Trabalha cinco dias da semana, faz o trajeto por Canoas - Pinheiro Machado há 7 anos carregando argamassa. Mas trabalha como caminhoneiro há muito tempo. É fumante desde os 18 anos. Não fumava, mas por causa da vizinha, queria conquistá-la porque ela também era fumante, ficaram por muito tempo juntos (11 anos). Ela foi para Portugal e ele ficou porque sua paixão é ser caminhoneiro. Já perdeu 3 namoradas por causa da profissão. Contou sobre as histórias do sul, sobre a guerra da Farroupilha. Tem curiosidade por saber sobre o universo e vida fora da terra. Falou sobre religião, diz que Deus é um só, tem fé, enfatiza muito a frase: ‘’nunca diga nunca’’ e sobre aproveitar cada minuto da vida, porque as pessoas não voltam. Debateu assuntos relacionados à política, possuindo ideologias de direita. (Coleção de miniaturas do seu Gilberto). Gilberto nos deixou no trevo que liga a BR 116 com a 471. Fomos andando do trevo ao posto mais próximo (2 km). Tivemos a oportunidade de pernoitar neste posto (Coqueiro), pois os frentistas foram bem acolhedores e dispuseram um local para montarmos a barraca. Neste posto, havia água gratuita, tomadas na loja de conveniência e banho gratuito para mulheres. O banho para os homens é possível, porém, é necessário pegar uma senha no atendimento do posto ao abastecer o carro. Como estávamos a pé, um caminhoneiro cedeu gentilmente a senha para tomar banho. , (Local onde montamos a barraca, ao lado do posto). - 29/12/2021 - Pelotas - Quinta - Santa Vitória do Palmar - Chuí - Chuy Acordamos bem cedo, desmontamos nossa barraca e fomos direto para o acostamento em frente ao posto para encarar o dia mais longo e desgastante. Não demorou muito até chegar a nossa primeira carona do dia. - Carona 8 - Tempo de espera: 6min - Horário de saída: 10h32min - Horário de chegada: 11h07min - 40km Márcio, divorciado, possui 2 filhos, bem comunicativo, prestativo, contou sobre seu sobrinho que é hippie, o qual viajou para vários países da América do Sul de mochilão. Diz que oferece muita carona, mas reconhece pelo olhar quem é bom porque ele já ofereceu para pessoas mal intencionadas, alguns eram ‘’burros de carga’’ (transportam drogas). Contou sobre sua rotina, o qual possui entusiasmo para ganhar dinheiro acelerando as atividades no serviço. Geralmente trabalha 3/4 vezes por semana. Orientou-nos sobre lugares para pegar carona até chegar em Chuí. (Trevo da vila Quinta que vai em direção ao Chuí). Após Márcio nos deixar próximo do trevo, em um ponto de ônibus, levantamos nossa placa escrita ‘’Chuí’’ e permanecemos por um bom tempo neste local. Até que apareceu um senhor com uma bicicleta e nos orientou a pegar carona em outro ponto, mais próximo da via que segue direto para Chuí. Seguimos a orientação, procuramos um lugar com sombra e permanecemos quase uma hora até aparecer a nossa próxima carona. - Carona 9 - Quinta - Posto Ipiranga (após o Eco Taim) - Tempo de espera: 1h30min - Horário de saída: 12h45min - Horário de chegada: 14h30min - 100km Fabner, 35a, foi bem atencioso conosco, é bem humorado e bastante comunicativo, contou sobre toda a sua vida, e posteriormente, entrou em contato. Mora em Caçapava do Sul, sua rota não seguia diretamente em direção a Chuí, mas nos deixou próximo em um posto até seguir adiante com outra carona. Possui 3 filhos, já teve 8 passagens na polícia por questões envolvendo brigas, mas nunca cometeu crimes envolvendo mortes etc. Começou recentemente na profissão de caminhoneiro, e quer dar o bom e o melhor para seus filhos, quer reconquistar a sua mulher, pois se separou recentemente dela. Possui uma plantação de maconha dentro de sua casa, gosta muito de fumar e gostaria de morar no Uruguai para poder fumar à vontade. É muito conhecedor da área chamada Estação Ecológica do Taim, que perpassa a BR 471 em que estivemos durante o nosso trajeto. Falou sobre as figueiras, gostaria de ter uma em sua casa, pois para ele, representa um símbolo muito importante sobre algo duradouro, como a união de sua família, que demora muitos anos para crescer, mas que é fonte de vida. Comentou sobre as carnes (que consideramos peculiares), como a de jacaré e a de capivara, as quais ele considera uma delícia, possui gosto de peixe etc. No Eco Taim, vimos a presença de várias capivaras se banhando no lago durante o percurso. Pediu para tirar uma foto dele com as capivaras e enquanto estava dirigindo, porque não é sempre que tiram foto durante seu trabalho e ele gostaria muito de registrar o momento. Seu sotaque é forte e diz que gosta muito do povo do Rio Grande do Sul, diferentemente do povo carioca (que ele odeia porque fica talaricando a mulher alheia), kkkkk. (Fabner e as capivaras do Eco Taim). Fabner nos deixou em um posto porque seu destino desviaria da rota até Chuí. Este posto situa-se distante da cidade próxima de Chuí (Santa Vitória do Palmar). Portanto, ficamos com receio de não conseguir a próxima carona naquele mesmo dia. Após comermos alguma coisa, seguimos para o local em frente ao posto e demos muita sorte, porque não demorou muito para alguém oferecer uma carona. - Carona 10 - Posto Ipiranga depois do Eco Taim - Santa Vitória do Palmar - Tempo de espera: 8min - Horário de saída: 15h13min - Horário de chegada: 16h29min - 95km Fabinho, ex-vereador (foi por duas vezes, tentou a terceira não conseguiu), professor de educação física, possui uma filha de 25a formada em farmácia. Gosta de praia, ia pra Porto Seguro - BA. Ficou curioso sobre a nossa viagem e fez várias perguntas a respeito de como viajar de mochilão. Ele nos deixou na entrada de Santa Vitória do Palmar, e seguimos adiante com a nossa placa escrita Chuí. Nossa próxima carona chegou surpreendentemente em menos de 1 minuto. Tal carona foi a mais rápida que já pegamos neste mochilão. - Carona 11 - Santa Vitória do Palmar - Chuí - Tempo de espera: 1min - Horário de saída: 16h31min - Horário de chegada: 17h00min - 20km Peter, ex-aluno do Fabinho (por coincidência, encontrou-o após Fabinho nos ter deixado na entrada da cidade), é formado em engenharia agropecuária. Disse que a cidade que ele mora (SVP) é a penúltima cidade, e é a mais isolada do país, porque as outras cidades brasileiras mais próximas ficam a 200 km de distância. Faz muito frio no inverno porque tem muito vento, lá também é fonte de energia eólica. Falou um pouco sobre seu trabalho, trabalha em Pelotas atualmente, porque gostaria de ficar mais próximo dos pais que já estão idosos. Peter nos deixou dentro da cidade, deu dicas sobre as lojas mais baratas para comprar. As lojas do lado brasileiro são mais vantajosas do que as lojas do lado uruguaio. (Saída da cidade do Chuy). Ao chegar no Chuí-Chuy, buscamos uma papelaria próxima para imprimir os documentos necessários e também procuramos um câmbio para trocar o real em pesos uruguaios, a cotação na época era R$ 1 (UYU 7,80). Trocamos R$ 1.000,00 (UYU 7.800,00). Tivemos que trocar por necessidades pessoais, lembrando que no Uruguai, tudo é caro, então é preciso preparar o bolso. A princípio, achamos que o dinheiro trocado daria para atravessar todo o Uruguai, mas no meio do caminho, foi preciso trocar mais um pouco, em torno de R$ 250,00. Os documentos só ficariam prontos no dia seguinte, portanto, procuramos um hostel para nos abrigarmos. Nos instalamos no Etnico Hostel, um lugar bem simples, porém, bem aconchegante e inclui café da manhã. - 30/12/2021 - Chuy - Santa Teresa - Punta del Diablo Ao acordarmos, almoçamos em uma churrascaria brasileira, com uma comida excelente, mas um pouco cara. Antes de atravessarmos a Aduana, aproveitamos para abastecer em um mercado do lado brasileiro. Fomos andando do centro do Chuy até a Aduana (1,7 Km), apresentamos os documentos (sinceramente, eles ignoraram os documentos da vacinação, teste PCR, seguro viagem e a declaração juramentada, apenas olharam o passaporte/identidade). Recomendamos levar todos os documentos, de qualquer forma. Após apresentarmos os documentos, seguimos para a rodovia do lado do Uruguai. Tivemos a impressão que demoraria muito para pegar a primeira carona no Uruguai, pois não sabíamos se eles tinham o costume de oferecer carona. Havia um casal de mochileiros atravessando sem a apresentação dos documentos e pararam um pouco mais a frente para pegar carona. Finalmente, em poucos minutos, um carro parou e nos concedeu uma carona. (Aduana, Brasil - Uruguai). - Carona 12 - Chuí (Aduana) - Santa Teresa - Tempo de espera: 13min - Horário de saída: 17h13min - Horário de chegada: 17h36min - 30km Ruan Pablo, arquiteto, a comunicação foi bem pobre devido ao nosso primeiro contato com a língua espanhola e também pela timidez. Seu destino era ir até Santa Teresa, pois estava acampando com uns amigos. Foi ele quem nos ensinou a maneira correta de dizer: pedir carona em espanhol, traduzindo, seria algo como ‘’hacer dedo’’. Ruan Pablo nos deixou em frente à entrada para Santa Teresa, aguardamos a próxima carona, sem a placa. Um casal apareceu oferecendo carona até Punta del Diablo e aceitamos. A princípio, nosso objetivo era ir direto para Cabo Polônio, mas tivemos uma sucessão de peripécias no decorrer do trajeto, levando para outros destinos antes de chegar no nosso objetivo principal. - Carona 13 - Santa Teresa - Punta del Diablo - Tempo de espera: 33min - Horário de saída: 18h10min - Horário de chegada: 18h23min - 12km Casal jovem não identificado, colocou-nos na caçamba. Parece ser muito comum as caminhonetes oferecerem carona na caçamba. Pode parecer perigoso, mas não é. Inclusive, é muito difícil a polícia abordar os carros porque não vimos nenhuma viatura na estrada (rs). Ao chegar em Punta Del Diablo, aproveitamos o pôr do sol e a praia, posteriormente, procuramos um local para armar nossa barraca. Mas após conversarmos com um nativo, fomos informados de que era proibido o camping na praia e nos recomendou um camping pago. Andamos até um camping mais próximo (2,5 km), foi bem cansativo, pois estávamos carregando as mochilas e várias sacolas, além de não possuir aplicativo de transporte na cidade. Chegamos no camping e pagamos em torno de 30 reais por pessoa, o local é bem seguro, há tomadas, banheiro e chuveiro, um lugar para usar o fogareiro, lavar os utensílios e as roupas. (Camping La Viuda, Punta del Diablo). - 31/12/2021 - Punta del Diablo - Rota 9 - Castillos - Aguas Dulces - Cabo Polônio Acordamos no dia seguinte e andamos até a estrada principal para pegar uma carona até a saída da cidade. Passaram vários carros e estávamos com receio de não conseguir aquele dia por ser véspera de ano novo. - Carona 14 - Punta del Diablo - Rota 9 - Tempo de espera: 20min - Horário de saída: 13h20min - Horário de chegada: 13h30min - 4km Casal mais velho, cujo homem se identifica como Toro, possui um carro antigo Fiat 147, cedeu seu humilde espaço atrás do banco para nos levar até a Rota 9. Não conversamos muito pois a viagem fora bem curta, mas o casal era bem simpático. (Toro e sua esposa). Toro nos deixou próximo da rotatória e seguiu em direção para Santa Teresa. Procuramos um local mais a frente, com sombra, pois o sol estava a pino. (Aguardando a próxima carona). - Carona 15 - Rota 9 - Castillos - Tempo de espera: 10min - Horário de saída: 13h40min - Horário de chegada: 14h20min - 30km Casal jovem sem identificação, em um automóvel humilde, não interagimos muito. Paramos no trevo e entramos na rota 16, sentido Cabo Polônio. (Loira ansiosa para chegar em Cabo Polônio). - Carona 16 - Castillos - Aguas Dulces (Rota 16) - Tempo de espera: 10min - Horário de saída: 14h30min - Horário de chegada: 14h40min - 10km Casal com cachorro, simplesmente nos colocou na caçamba e nos deixou no trevo, o qual havia duas direções, uma para a cidade de Aguas Dulces e outra para a Rota 10. Seguimos em direção à Rota 10. - Carona 17 - Aguas dulces (Rota 16) - Cabo Polônio (Rota 10) - Tempo de espera: 30min - Horário de saída: 15h10min - Horário de chegada: 15h20min - 11km Fernando foi muito gentil, mora em Valizas (400 habitantes), nos deixou até Cabo Polônio que fica a 5 Km de distância de sua cidade. Chegamos ao nosso tão esperado destino. Nos informamos sobre o transporte até a costa de Cabo Polônio. A princípio, havia dois jeitos para chegar até lá. O primeiro seria à pé, porém, era inviável devido às bagagens que estávamos portando. A segunda, seria por meio de um caminhão. O preço da passagem de ida e volta custa mais ou menos R$ 35,00 (UYU 290,00). Optamos por pegar o caminhão, pois os horários são limitados. Partimos mais ou menos umas 16h30min e chegamos às 17h. Caminhamos até a estrada principal e em seguida, andamos até o farol. O valor da entrada é 35 pesos (R$ 4,00) e o horário de funcionamento ocorre até o fim do pôr do sol. É possível avistar uma colônia de elefantes-marinhos, leões-marinhos e lobos-marinhos a 20 metros de distância do farol. Por ser final de ano, os preços dos hostels estavam muito elevados. Além disso, é proibido levar a barraca para montar na praia, portanto, tivemos que deixá-la com os funcionários do transporte. Sem barraca e sem hospedagem, nossa última opção foi procurar um lugar ao ar livre para passarmos a noite. Após andarmos um pouco, demos sorte de encontrar um lugar perfeito, próximo ao mar, na varanda da casa de um pescador. Foi uma experiência incrível. Durante à noite, é possível ver muitas estrelas com bastante nitidez (é o céu mais estrelado que já vimos na vida). Apesar de ser a virada de ano, não notamos a presença de barulho de fogos, apenas algumas pessoas comemorando por poucos minutos, em seguida, houve um silêncio total, sendo possível ouvir apenas o movimento das ondas do mar. Para nós, foi uma das melhores viradas de ano de nossas vidas, por haver paz e tranquilidade. O lugar é único, mágico e encantador. Vale muito à pena conhecer este pedaço do Uruguai, para quem quer ter um contato mais próximo com a natureza, longe da eletricidade e do caos urbano. (Local onde passamos a noite, com vista para o mar). (O famoso Farol). (Colônia de elefantes-marinhos, leões-marinhos e lobos-marinhos). - 01/01/2022 - Cabo Polônio (Rota 10) - San Carlos (Rota 10) - Punta del Este Acordamos e seguimos para o ponto para pegar o próximo caminhão. Ao chegar na entrada, procuramos passagem para qualquer destino, porém, não havia por ser feriado. Seguimos então em busca da próxima carona, a poucos metros da entrada principal de Cabo Polônio. - Carona 18 - Cabo Polônio (Rota 10) - San Carlos (Rota 10) - Tempo de espera: 20min - Horário de saída: 13h20min - Horário de chegada: 16h00min - 120km Danilo, estava a caminho de sua casa, vem quinzenalmente para Cabo Polônio para ver sua namorada. Possui uma camionete velha. Dois caroneiros nos acompanharam durante o percurso até La Paloma na caçamba. Posteriormente, fomos para o banco da frente e partimos para a cidade Rocha pela Rota 15. Danilo é muito gentil, tentou interagir conosco e disse que já fez mochilão por toda a América do Sul, inclusive o Brasil. Falamos sobre o nosso próximo destino que era Punta Del Este para Danilo, e ele comentou que nesta cidade havia pessoas com ‘’mucha plata’’ (muito ricos), e que preferiria Cabo Polônio, por ser mais tranquila, humilde e acolhedora. Dormimos no meio do trajeto até o local que ele nos deixou, cujo trevo que liga San Carlos a La Barra. (Carona dentro da caçamba em direção ao trevo de La Paloma). Esperamos por muito tempo neste local. Achamos um pedaço de isopor, pois havia um ferro velho próximo e escrevemos ‘’Punta del Este’’. Não durou muito tempo, porque o isopor partiu ao meio devido ao vento forte. Além disso, o céu estava com nuvens carregadas, e possivelmente, iria chover. Por sorte, apareceu uma caminhonete que deixou um grupo de caroneiros nesse trevo e nos ofereceu carona para o nosso próximo destino - Carona 19 - San Carlos - Punta del Este - Tempo de espera: 40min - Horário de saída: 16h40min - Horário de chegada: 17h30min - 120km Uma mãe e seu filho nos cedeu gentilmente um lugar na caçamba até Punta del Este. Conhecemos todo o trajeto que liga La Barra a Punta del Este. Ficamos impressionados com a primeira cidade, pelas casas e estabelecimentos serem de um nível alto padrão, bem luxuosas. Naquele momento, já constatamos que aquele lugar não era para nós. Saímos de um lugar humilde e acolhedor, por um lugar que é o extremo oposto. Como citamos anteriormente, gostamos de tranquilidade e simplicidade. Ao chegar em Punta del Este, ficamos apreensivos porque começou a chover. Porém, eles foram gentis e nos deixaram na porta de um hostel mais próximo do centro da cidade. Entramos no hostel, porém, não havia vaga para nós dois no mesmo quarto. Então decidimos procurar um McDonald 's para carregar os celulares e conseguir acessar o Wi-fi para procurar um hostel barato. Para nossa tristeza, era tudo muito caro, mas achamos um que era o mais barato de todos os hostels. Além disso, a maioria dos hostels estavam ocupados devido ao feriado de Ano Novo, e não tínhamos muita opção. Caminhamos até o hostel, preparamos nosso jantar e descansamos até o dia seguinte. Particularmente, o hostel é bem localizado, mas não tivemos uma experiência muito boa, porque ficamos em um quarto compartilhado e havia muitas pessoas transitando e fazendo barulho, portanto, não dormimos direito. (A chuva c̶a̶s̶t̶i̶g̶a̶ ̶o̶s̶ ̶c̶a̶r̶i̶o̶c̶a̶s̶ e Punta del Este). - 02/01/2022 - Punta del Este - Punta Ballena Acordamos bem cedo, tomamos café e andamos pela cidade para conhecer alguns pontos turísticos: Los Dedos, Iglesia Nuestra Señora de La Candelaria, Faro de Punta del Este, Puerto, Casino Nogaró, Playa Brava, e depois resolvemos voltar para o hostel para pegarmos nossas coisas e seguir para a rodoviária. Compramos passagem até Punta Ballena, onde paramos na rodovia, perto da entrada do Mirador de Punta Ballena. Seguimos andando até o Museo Casapueblo (2km - 20min), um dos pontos turísticos mais famosos de Punta del Este. A arquitetura é bem interessante, relembra as construções gregas. O artista plástico Vilaró possui uma trajetória marcante, e suas obras são reconhecidas por sua identidade artística própria. Conseguimos ver o pôr do sol, o qual é extremamente fascinante. Apesar de tudo, nós nos sentimos um pouco desconfortáveis, pois o ambiente se tornou algo superficial, perdendo toda a sua essência com o tipo de classe social que o frequentava. Após o pôr do sol, retornamos para o ponto de ônibus, porém, havia um problema. Estávamos sem dinheiro trocado para ir direto à cidade de Montevideo. Optamos por retornar à Punta del Este e passar no cartão de crédito no guichê da rodoviária, pois já era bem tarde e não queríamos nos hospedar novamente. Por ser muito tarde, não havia horário de ônibus para aquele dia. Compramos passagem para o dia seguinte, no primeiro horário disponível (5:00 A.M.). Resolvemos esperar do lado de fora da rodoviária, em um banco. Após algumas horas, entramos novamente devido ao frio que estava fazendo naquela madrugada. É curioso ver que muitas pessoas, de todas as idades, caminham durante a madrugada, como se a cidade funcionasse 24h, sem cessar. Talvez por ser uma cidade com ampla estrutura e livre de criminalidade. Ao amanhecer, viajamos até Montevideo. (Pequena praça em frente à rodoviária, durante a madrugada, rodeada de bruma). (Mirante de Punta Ballena, uma das melhores vistas do Uruguai). - 03/01/2022 - Punta del Este - Montevidéu Pegamos o primeiro ônibus do dia e chegamos na parte da manhã (7:00 A.M.) na rodoviária de Montevidéu. Estávamos sem dinheiro trocado, apenas com o cartão de débito, e precisávamos ter pelo menos uma garantia com dinheiro vivo para utilizar nos estabelecimentos, porque as taxas de cada transação pelo cartão são altíssimas. Não recomendamos utilizar esta forma de pagamento. Caso realmente queira gastar só o necessário, recomendamos ter um planejamento financeiro e os dias que irão ficar no país, além de levar um dinheiro extra para casos de emergência ou imprevistos. Por não termos recursos para trocar o dinheiro nos câmbios, ficamos sem saída por um momento. Procuramos um hostel mais próximo do centro para nos hospedarmos e buscarmos orientações. Por sorte, o atendente do hostel (Montevideo Port Hostel) era um voluntário brasileiro (Diego) que nos ajudou fornecendo outras alternativas para o nosso problema. Recomendou baixar o app Western Union, cuja função é realizar transferências internacionais. É possível transferir por pix e esperar algumas horas (+/- 3h) para poder sacar em uma agência credenciada mais próxima. Almoçamos e depois passeamos pelo centro da cidade. Passamos pela Plaza Independencia, Teatro Solis, Plaza España, Centro de Fotografía de Montevideo, Palácio Estévez, Mausoléu do General Artigas. (Caminhando pelas ruas de Montevideo). No dia seguinte, passeamos novamente pela cidade para aproveitar o pouco tempo que tínhamos. - 04/01/2022 - Montevidéu - Fray Bentos Durante o final da tarde, pegamos um ônibus direto para Fray Bentos, cuja cidade faz fronteira com a Argentina. Chegamos quase meia-noite, optamos por passar a madrugada na rodoviária, pois estávamos sem dinheiro trocado e não havia alguma loja de câmbio aberta. Durante a madrugada, compramos algumas guloseimas com uns trocados que havíamos na carteira em uma mini-conveniência 24h que ficava dentro da rodoviária, apenas para passar o tempo, já que o guarda ficava o tempo todo nos monitorando e não nos deixando dormir deitado no banco. (Pipira deitado minutos antes do guardinha chamar a nossa atenção). - 05/01/2022 - Fray Bentos - Fray Bentos (Aduana) - Pilar - Buenos Aires Ao amanhecer, resolvemos passar o tempo na biblioteca, conversamos com as funcionárias que cederam o espaço para gente, foram muito gentis. Depois conversamos com os funcionários da rodoviária para obter informações sobre o funcionamento da Aduana, e soubemos que não havia ônibus para atravessar a Aduana devido à pandemia. Ficamos apreensivos (com o cu na mão, kkkk), pois não sabíamos o que estava por vir. Achamos que naquele momento, voltaríamos para casa. Resolvemos tentar atravessar de carona. Mas antes, fomos atrás de uma papelaria para imprimir os documentos necessários para atravessar na Aduana. Procuramos na internet todas as papelarias que estavam abertas (eram poucas). E em todas que passamos, não havia impressora ou não queriam nos atender. Este último motivo foi o que nos deixou chateados porque sentimos um preconceito instalado. Acho que foi um dos momentos que não nos sentimos tão acolhidos durante esta viagem. Por fim, depois de andar pela cidade toda a pé, perguntamos para os nativos se eles sabiam, e então conseguimos achar uma perto da praça no centro da cidade. Depois de imprimir os documentos, procuramos um mercado mais próximo dali para comermos alguma coisa. Existe uma franquia de supermercados chamada ‘’Ta-Ta’’, cujos produtos são mais baratos que nos outros mercados, além de encontrar muita variedade, o que é bem difícil no Uruguai. Voltamos para a praça para comer, e vimos um táxi. Foi a nossa oportunidade para perguntar sobre o valor até a fronteira. Como estávamos sem trocado, perguntamos se ele aceitava em dólar. Ele nos disse que havia uma forma para trocar com o patrão dele, mas ao chegarmos no local, ele não tinha troco para 50 dólares. Passamos em uma loja de câmbio, mas estava lotado. Depois ele nos levou até uma praça onde havia um cambista informal. Lá, trocamos o dólar pela cotação do dia. Em seguida, corremos direto para a Aduana. O preço estava de acordo com o que ele havia estimado. A princípio, achamos que fosse uma cilada desde o momento que pegamos o táxi com ele, mas, no final, deu tudo certo. Ao chegar na aduana, fomos em direção ao guichê, fazer os trâmites para entrar na Argentina, e perguntar sobre a possibilidade de atravessar a ponte andando a pé. Fomos informados dessa impossibilidade, e nesse momento, nosso mundo caiu. Não sabíamos o que fazer. Após essa resposta negativa, perguntamos sobre a possibilidade de pedir carona ali na Aduana. Nós até pensamos em pedir, mas ficamos com vergonha e resolvemos esperar (até uma alma bondosa oferecer uma carona). Os funcionários foram bem atenciosos e conseguiram uma carona para gente. Estávamos na esperança de atravessar apenas a ponte e de lá pegaríamos outra carona. Mas para a nossa surpresa, a carona iria para perto de Buenos Aires, o qual era o nosso próximo destino. Na aduana do Uruguai, somente o motorista apresentou os documentos e achamos que não haveria necessidade por já ter mostrado para os estagiários quando pedimos as informações sobre a possibilidade de atravessar a ponte a pé. Ao atravessar a ponte e passar pela aduana argentina, não fomos parados, pois estávamos em um carro argentino. Portanto, passamos sem o carimbo de saída do Uruguai e o de entrada da Argentina. O que resultou em um problema que iremos relatar mais pra frente. A nossa intenção não era passar sem a vistoria dos nossos documentos, até porque ficamos preocupados em imprimi-los. Por inocência, não apresentamos os documentos pois não foi pedido em nenhum momento quando estávamos dentro do carro. - Carona 20 - Fray Bentos (Aduana) - Pilar - Tempo de espera: 20min - Horário de saída: 13h20min - Horário de chegada: 17h40min - 250km José Fernando, um empresário, estava indo para uma cidade próxima a Buenos Aires. Foi muito gentil de sua parte, por oferecer a carona (por livre e espontânea pressão, kkkk). Ele nos contou que sua irmã mora aqui no Brasil, em São Paulo, no bairro Alphaville. Quis tirar uma foto conosco para mandar para a família e para a sua irmã, pois estava contente de viajar acompanhado, já que sempre viajou sozinho (apesar de dormimos durante toda a viagem, kkkkkk). Conversamos apenas no início, depois dormimos até chegar em Pilar. Não durmam durante a viagem, é uma falta de respeito (kkkkk), só dormimos porque estávamos muito cansados pois passamos a noite na rodoviária sem dormir direito, e nos arrependemos porque gostaríamos de ter conversado, apesar de não saber muito a língua espanhola. Chegamos na cidade de Pilar, e ele nos deixou em um ponto de ônibus perto da rodovia. A princípio, a nossa intenção era pegar um ônibus para ir direto para Buenos Aires. Porém, estávamos sem dinheiro vivo (apenas com dólar). Como também estávamos sem internet, pedimos a senha do Wi-fi em um estabelecimento. Nesse momento, já tínhamos procurado um hostel para nos hospedarmos. Então, decidimos pegar um uber até o centro de Buenos Aires (pagamos a viagem pelo aplicativo no cartão de crédito). Ao chegar na cidade, fomos até o hostel. Perguntamos se eles aceitavam dólar. Eles aceitaram e pudemos desfrutar do quarto. Descansamos um pouco e nos arrumamos para ir ao mercado. Porém, já estava fechado, então procuramos um restaurante próximo e voltamos para o hostel. Descansamos até o dia seguinte. (O famoso Obelisco). - 06/01/2022 - 08/01/2022 - Buenos Aires Acordamos e já fomos surpreendidos com a dona do hostel alertando sobre o horário do check-out. Como havíamos reservado apenas para uma noite, estávamos discutindo sobre ficar mais um dia no hostel, por ser muito barato e com ótima localização. Já era próximo do horário de check-out e ainda não havíamos decidido se ficaríamos ou não. Nesse instante, a funcionária chamou a nossa atenção para sairmos logo do quarto porque já haviam reservado. Por fim, decidimos procurar outro hostel. Por não ter algum mais próximo do centro, olhamos alguns hotéis, e por coincidência, o que nós achamos no aplicativo era o mesmo que se situava ao lado do hostel. Após estarmos instalados no Gran Hotel De La Paix, resolvemos procurar algum restaurante para almoçarmos. Andamos pela cidade durante à tarde e à noite. Fomos na Plaza del Congresso, no Obelisco e na Basilica Nuestra Señora de la Piedad. Voltamos para o hotel e descansamos. No dia seguinte, visitamos vários lugares. Inicialmente, fomos ao Obelisco para tirar algumas fotos durante o dia, e depois fomos almoçar em um restaurante próximo do hotel, um lugar muito barato com uma comida de boa qualidade. Esperamos uma amiga que mora em BA há pouco tempo, para nos guiar pelos pontos turísticos. Visitamos a livraria ‘’El Ateneo’’, um espaço único, com uma bela arquitetura e uma imensidão de livros de todos os tipos. Em seguida, fomos ao Cemitério da Recoleta, outro lugar quase obrigatório para visitar. Outro lugar interessante para admirar a 2ª e 3ª Artes, o Museo Bellas Artes. Também fomos na Facultad de Derecho, Floralis Genérica. Retornamos para o Cemitério da Recoleta e visitamos a Basílica Nuestra Señora del Pilar e Nuestra Señora del Socorro. (Biblioteca El Ateneo). Estávamos à procura do quadro Abaporu - Tarsila do Amaral, uma obra muito significativa e que representa a nossa identidade brasileira no contexto da arte. Ela estava localizada no Museo de Arte Latino-americana de Buenos Aires. Como faltava apenas meia hora para fechar, esperamos o ônibus na linha para chegar até lá. Estava demorando, então resolvemos entrar em um Museu próximo da linha de ônibus chamado Museo Nacional Ferroviario, o qual foi um achado. O funcionário-guia, que também atuava como segurança, nos apresentou toda a linha do tempo, as construções ferroviárias e todo o funcionamento daquela época, além de trazer muito conteúdo histórico e a passagem de todos os presidentes, principalmente o Perón, o qual é bem famoso em Buenos Aires. (Locomotiva a vapor, no Museo Ferroviario Nacional). No dia seguinte, nosso último dia em BA, deixamos nossos pertences no hotel e visitamos o Museo de Arte Latino-americana de Buenos Aires (MALBA) no período da manhã. Conseguimos a meia-entrada pois temos a carteirinha de estudante. É sempre bom levar a carteirinha do estudante, ou até mesmo o ID Jovem, que garante pagar pela metade do preço e ajuda bastante a frequentar vários eventos pagos. Mas a maioria dos museus são gratuitos, portanto, dá para aproveitar muito! Para a nossa surpresa, não superou tanto as nossas expectativas, apenas o quadro Abaporu foi relevante. Havia uma exposição que estava de passagem com um contexto que nós consideramos inadequados, não tivemos tanta sorte naquele dia, kkkk. (Repugnante, kkkk). (Famoso quadro Abaporu - Tarsila do Amaral). Neste mesmo dia, fomos para a rodoviária de Buenos Aires. Nossa intenção inicialmente era pegar um ônibus para uma cidade mais próxima (Rosário) e seguir de carona até o Paraguai. Porém, era inviável, porque estávamos com o tempo reduzido e com dinheiro contado. Procuramos uma rota que seguia direto até Puerto Iguazú, cidade que faz fronteira com o Brasil e o Paraguai. O preço da passagem era quase a mesma para ir à Rosário, portanto, decidimos escolher a segunda opção. O valor era em torno de R$ 350,00. Compramos a outra passagem no cartão, o qual foi outro perrengue financeiro, pois havia custado o dobro (R$ 600,00). Nunca compre as coisas pelo cartão de crédito, pode custar bem mais do que o esperado, sempre tenha dinheiro trocado em mãos. Após uma viagem longa e exaustiva (18 horas) de ônibus, chegamos em Puerto Iguazú. - 09/01/2022 - Puerto Iguazu - Foz do Iguaçu Neste dia, resolvemos não ir mais ao Paraguai, devido ao tempo escasso. Então procuramos formas de atravessar a fronteira para ir até o Brasil. Havia duas opções para atravessar a fronteira, a primeira seria ir de táxi, porém era inviável por ser muito caro, a segunda seria ir de ônibus, e foi nesse momento que o perrengue começou. O ônibus havia saído naquele instante, mas o atendente do guichê telefonou para o motorista e conseguimos alcançá-lo correndo como se não houvesse o amanhã. Chegamos na aduana e foi solicitada a apresentação dos documentos e do carimbo de entrada da Argentina. Como havíamos comentado anteriormente na aduana do Uruguai - Argentina, os documentos não tinham sido carimbados. Tal fato gerou uma grande consequência na hora da apresentação, e fomos multados no valor de R$300,00 (cada). Felizmente, a multa poderá ser paga quando voltarmos para a Argentina. (ou seja, nunca, kkkk). Brincadeiras à parte, temos a intenção de retornar para este país, pois gostamos muito do lugar, apesar dessa inconveniência que ocorreu conosco durante o trajeto para atravessar a fronteira na aduana. Devido a esta intercorrência, perdemos o ônibus que atravessaria a fronteira para o Brasil. Então resolvemos pegar um táxi após algumas tentativas de pegar carona. O preço do táxi, foi exatamente o restante de pesos argentinos que havíamos dentro da carteira (R$ 65,00). O taxista nos deixou na rodoviária internacional de Foz do Iguaçu. Depois seguimos para um hostel (Bambu) e descansamos até o dia seguinte. (Vista magnífica do céu em frente ao Bambu Hostel). - 10/01/2022 - Foz do Iguaçu - São Paulo Ao acordarmos, arrumamos nossas coisas e deixamos no hostel para aproveitar a ida até as cataratas de Foz do Iguaçu. Pegamos um uber e aproveitamos o passeio que custou (R$ 60,00 - cada). Neste ponto turístico, não aceita meia-entrada. Foi um dos lugares mais caros que nós já visitamos em toda a viagem, prepare o bolso. (A garganta do Diabo, com vazão média de água). Voltamos para o hostel, pegamos nossas coisas e fomos para a rodoviária seguir para o nosso último destino, São Paulo. Fizemos mais uma longa viagem de ônibus, e no meio do trajeto, fomos acordados com a abordagem da Polícia Militar, por ser um ônibus que faz fronteira, a possibilidade de ter alguém trazendo bagagem com drogas era grande. Não foi uma experiência muito agradável, pois nos sentimos constrangidos com a maneira que fomos abordados. Por fim, terminamos nossa viagem e chegamos ao destino de nossas casas. THE END.
  2. Olá pessoal, esta será a minha primeira viagem fora do país, meu inglês é bem fraco e espanhol é apenas o que eu aprendi assistindo a Usurpadora e Maria do Bairro kkk, da um pouco de medo, mas let it go! Vou ir deixando registrado aqui o que estou planejando para o meu mochilão, talvez sirva de ideia para algumas pessoas e super aceito dicas também. Muitas coisas do que eu estou planejando tem como referência depoimentos e dicas que li na internet. As passagem de avião pesquisei pelo app KAYAK, o app mostra os dias mais baratos para viajar e isso ajudou bastante. Também fazei viagem de ônibus, deixarei o link dos locais que comprarei as passagens. Trajetos: Avião Dia 24/02 - São Paulo (GRU) ---> Buenos Aires (EZE) chegada 09:55am Dia 27/02 - Buenos Aires (AEP) ---> Ushuaia (USH) chegada 08:10am Ônibus 29/02 - Ushuaia ---> Punta Arenas 55,37 DÓLARES Saída 9am Chegada 19:30 pm 29/02 - Punta Arenas ---> Puerto Natales 11,88 DÓLARES Saída 21pm Chegada 00:15 am 03/03 - Puerto Natales ---> El Calafate 23,72 DÓLARES Saída 7:30 am Chegada 13:30 pm 06/03 - El Calafate ---> El Chalten Saída 8 am Chegada 11am 10/03 - El Chalten ---> El Calafate 152,38 reais (ainda vou decidir o horário) Avião 10/03 - El Calafate (FTE) --> São Paulo (GRU) As passagem de avião ficaram em torno de 1860 reais incluindo uma bagagem de mão e uma mala. Hospedagem Eu escolhi hostels pelo booking, dando preferência para os que serviam café da manhã e eram próximos de rodoviárias. Agora só preciso me organizar para fazer um roteiro de passeios e trilhas.
  3. Resumo: Itinerário: Buenos Aires (Argentina) → Puerto Madryn (Argentina)→ Rio Gallegos (Argentina) → Punta Arenas (Chile) → Ushuaia (Argentina) → Puerto Natales (Chile) → El Calafate (Argentina) → Comodoro Rivadavia (Argentina) → San Carlos de Bariloche (Argentina). Período: 10/03/2001 a 01/04/2001 10-12: Buenos Aires 13-15: Puerto Madryn 16: Rio Gallegos 16-18: Punta Arenas 18-21: Ushuaia 21-23: Puerto Natales 23-25: El Calafate 26: Comodoro Rivadavia 27-29: Bariloche 30: Buenos Aires 01/04: SP-Rodoviária do Tietê Ida: Voo de São Paulo a Buenos Aires pela KLM, previsto para sair às 9h15 do Aeroporto de Guarulhos, pago com pontos do programa de fidelidade da KLM. Volta: Ônibus de Bariloche a Buenos Aires e depois a São Paulo (Rodoviária do Tietê), previsto para sair perto de 16h ou 17h da Rodoviária de Bariloche. Paguei cerca de 105 pesos (equivalente a 105 dólares na época) pelo trecho de Buenos Aires a São Paulo, Considerações Gerais: Não pretendo aqui fazer um relato detalhado, mas apenas descrever a viagem com as informações que considerar mais relevantes para quem pretende fazer um roteiro semelhante, principalmente o trajeto, acomodações, meios de transporte e informações adicionais que eu achar relevantes. Nesta época eu ainda não registrava detalhadamente as informações, então albergues, pousadas, pensões, hotéis e meios de transporte poderão não ter informações detalhadas, mas procurarei citar as informações de que eu lembrar para tentar dar a melhor ideia possível a quem desejar repetir o trajeto e ter uma base para pesquisar detalhes. Depois de tanto tempo os preços que eu citar serão somente para referência e análise da relação entre eles, pois já devem ter mudado muito. Sobre os locais a visitar, só vou citar os de que mais gostei ou que estiverem fora dos roteiros tradicionais. Os outros pode-se ver facilmente nos roteiros disponíveis na internet. Os meus itens preferidos geralmente relacionam-se à Natureza e à Espiritualidade. Informações Gerais: Em toda a viagem houve bastante sol. Chuva e neve foram raras, ocorrendo geralmente de maneira breve e na região mais ao sul. As temperaturas na região de Buenos Aires, Bariloche e Puerto Madryn estiveram bem razoáveis, chegando até perto dos 30 C em alguns dias. Mais ao sul, em Comodoro Rivadavia, Rio Gallegos, Puerto Natales e principalmente Punta Arenas e Ushuaia estiveram bem mais baixas, chegando a ficar abaixo de zero à noite. O vento foi muito forte em toda a Patagônia, o que tornava a sensação térmica ainda menor. Na região perto de Punta Arenas o tempo mudava muito rapidamente, havendo várias situações diferentes durante o dia. A população de uma maneira geral foi muito cordial e gentil 👍. Disseram-me que poderia não ser muito bem tratado em Buenos Aires, mas se enganaram. Fui muito bem tratado em toda a viagem, com uma única exceção numa visita a uma loberia em Puerto Madryn e, assim mesmo, porque creio que houve um mal entendido. Tive alguma dificuldade em entender a língua no Chile, principalmente quando conversando com pessoas com forte sotaque regional. As paisagens ao longo da viagem agradaram-me muito, passando por monumentos, parques e construções interessantes nas cidades e por áreas costeiras, praias, montanhas, lagos, cavernas, geleiras, glaciais, florestas, rios e outros . Pude ver também vários animais durante a viagem, a maioria em seu habitar natural. Isso incluiu lobos e leões marinhos, focas, elefantes marinhos, pinguins, delfins, guanacos. flamingos, tatus etc. Pensei em fazer a travessia de Bariloche a Puerto Montt, passando pelo Vulcão Osorno, mas desisti, pois naquela época demorava 4 dias, por não haver estradas em boa parte do trajeto, e eu não dispunha deste tempo. Surpreendeu-me que nas viagens de ônibus na Argentina estavam incluídas no preço pago as refeições (almoço e jantar) 👍. A viagem no geral foi tranquila. Não tive nenhum problema de segurança. Eu era (e ainda sou) vegetariano. Como a base da alimentação nesta região é a carne, foi um pouco difícil conseguir comida vegetariana, mas nada que supermercados não solucionassem. Gostei muito dos sanduíches de miga na Argentina, do doce de leite e dos vinhos, que tomei pouco . Os preços na Argentina estavam muito altos, pois havia a paridade do peso para o dólar e o real tinha sofrido a desvalorização alguns anos antes. A Viagem: Fui de SP a Buenos Aires no sábado 10/03/2001. A saída do voo estava prevista para as 9h15. Durante o voo uma senhora argentina de cerca de 60 a 70 anos falou-me de como eu iria gostar de Buenos Aires (ela disse: “há muito o que ver, Buenos Aires não é feia como São Paulo” ). Falou-me que seu filho ou sobrinho estava procurando por emprego há tempos, após se formar e não conseguia (o que me parecia um sintoma do agravamento da crise). Achei a travessia da foz do Rio da Prata espetacular . Cheguei perto da hora do almoço e me receberam muito bem no aeroporto 👍. Deram-me gratuitamente bastante material sobre a Argentina e me indicaram um ônibus que me deixaria na Praça San Martín. Peguei e de lá, após obter informações sobre onde me hospedar, fui andando até a região da Recoleta. Para as atrações de Buenos Aires veja https://turismo.buenosaires.gob.ar/br. Os pontos de que mais gostei foram os monumentos, os equipamentos e eventos culturais, os parques e a cidade como um todo. Fiquei hospedado na Recoleta por 22 pesos a diária (na época equivalente a 22 dólares). Acho que era o Hotel Lion d’Or (https://www.tripadvisor.com.br/Hotel_Review-g312741-d317288-Reviews-Hotel_Lion_d_Or-Buenos_Aires_Capital_Federal_District.html). Depois de me hospedar fui dar uma volta nas redondezas. Gostei bastante do local, bem cuidado. Passei por um cemitério que me chamou a atenção pelas estátuas. Resolvi entrar e lá fiquei por mais de 1 hora, apreciando as obras de arte que existiam nos túmulos, alguns dos quais de pessoas famosas, até internacionalmente. Nunca tinha feito uma visita destas a um cemitério, mas gostei bastante. Depois passeei pelo bairro apreciando suas ruas e lojas. Parecia um local elitizado. Se bem me lembro ainda fui a Puerto Madero à noite. No domingo 11/03 fui conhecer os outros pontos da cidade, incluindo o centro com seus monumentos e órgãos do Estado, e pontos específicos com seus equipamentos culturais e esportivos. Saí perto de 9h da manhã e voltei por volta de 23h. Andei muito. Pude visitar a Casa Rosada, a Praça de Maio, os órgão legislativos e judiciários, a catedral, o obelisco, centros culturais, confeitarias históricas, vários monumentos, o Rio da Prata, áreas arborizadas, a Boca, o Caminito (com suas casas coloridas), ver o estádio de La Bombonera por fora, ver casais fazendo apresentação de Tango na rua etc . Num dos dias jantei algo como nhoque num restaurante de rua e no outro jantei no shopping. Interessante como no shopping os atendentes perceberam que eu era brasileiro e até falaram palavras em português comigo 👍. Na 2.a feira 12/03, fui para o outro lado, conhecer o Jardim Japonês e os parques da região do bairro de Palermo. Gostei muito . Eram parques enormes, sendo que o jardim japonês fazia jus ao nome, com várias estruturas nipônicas, que se encaixavam muito bem na paisagem. Voltei para o hotel perto da hora do almoço e no início da tarde peguei um ônibus para Puerto Madryn, já na Patagônia. A viagem durou perto de 18h. Passamos por Bahia Blanca no início da madrugada. A paisagem ao longo da viagem agradou-me bastante 👍. Recebemos jantar incluído no valor da passagem. Cheguei bem cedo na 3.a feira 13/03, hospedei-me num hotel simples (acho que o nome era parecido com Vaskonia). Como era bem cedo, fui ver se era possível fazer excursão à Península Valdez ainda naquele dia. Achei uma agência de turismo que dava desconto para hóspedes do hotel em que estava e, pesquisando algumas outras, vi que era a melhor opção. Acabei comprando com eles o passeio pela Península. O dono brincou comigo perguntando se eu lembrava do jogo entre Argentina e Brasil na Copa de 1990, quando Maradona atraiu a marcação de 3 e lançou Caniggia sozinho para driblar Taffarel e fazer o gol. Para as atrações de Puerto Madryn e da Península Valdez veja https://www.patagonia-argentina.com/puerto-madryn/ e https://www.patagonia-argentina.com/peninsula-valdes/. Os pontos de que mais gostei foram os animais, as formações rochosas e a natureza como um todo. Saímos pouco depois da 9h, se bem me lembro. No nosso grupo havia um espanhol da região basca, uma inglesa, um suíço, um casal de argentinos e acho que alguns outros. O espanhol mencionou que desejava conhecer outros locais, mas que a Argentina era muito grande e tudo muito distante. Perguntou-me se o Brasil era tão extenso quanto a Argentina . Passamos por locais de avistagem de pinguins, lobos marinhos e elefantes marinhos. Não vi orcas. Numa das paradas, perguntei se poderia nadar e o guia disse que sim. Enquanto nadava, disseram-me que um pinguim nadou atrás de mim. Numa outra ocasião vi um pinguim perseguindo um peixe. Nunca imaginei que um pinguim fosse tão rápido nadando. Parecia um torpedo. No caminho apreciamos também a paisagem patagônica, desértica, com vários guanacos (ou seus parentes). Conversando com o argentino, que se me lembro era advogado, ele me falou da patagônia, dos possíveis aproveitamentos econômicos, da população, de Buenos Aires e da situação da Argentina como um todo. No fim, quando estávamos nos despedindo, encontramos um tatu, que parecia já acostumado a humanos. Regressamos no meio da tarde. Aproveitei e ainda fui dar um passeio na praia. Reencontrei o suíço, mas acho que ele não me reconheceu. Na 4.a feira 14/03 fui conhecer a Loberia de Punta Luma, onde havia lobos marinhos e montanhas. Fui caminhando pelas estradas de terra ou similar. Num dado momento fui para a costa, pois achei que seria mais belo o passeio. Passei por uma linda jovem argentina que me orientou sorridente sobre o caminho. Encontrei pequenos grupos de lobos marinhos e cheguei bem perto, o que me permitiu observá-los bem. Acho que foi um erro, pois devo tê-los deixado nervosos. Na hora não avaliei isso bem. Mas não houve nenhuma reação de ataque ou surto visível, embora tenha percebido que eles pareciam ter ficado tensos. Devido a isso, resolvi afastar-me e não mais me aproximar tanto. Encontrei uma monitora que me explicou sobre lobos e leões marinhos. Por ter ido pela costa e praias, acabei não vendo a placa que dizia que alguns locais não eram permitidos e que tinha que pagar uma taxa. Quando cheguei à entrada principal, o responsável disse que eu não poderia ter passado por uma área de que vim, perguntando-me se não tinha visto a placa na estrada ou não tinha querido ver. Ele parecia irritado. Pediu-me o ingresso. Como a monitora não havia me cobrado, achei que poderia ser indevido e lhe disse que ela não me havia cobrado. Ele se irritou bastante e disse que ele estava cobrando, já em tom bem mais alto 😠. Eu paguei, ele acalmou-se, deu-me algumas informações sobre as montanhas e o local. Fui dar um passeio e conhecer as montanhas, que tinham aparência interessante, diferente, parecendo até de outro planeta. Realmente grandiosas . Depois, já perto do pôr do sol, voltei a pé. No caminho, acho que ele passou por mim com sua caminhonete. Na 5.a feira 15/03 peguei um ônibus para Rio Gallegos. Novamente belas paisagens, mas desta vez bem mais desérticas. Neste ou em outros trajetos pude ver guanacos, criações de ovelhas e fazendas com fileiras de álamos próximos às casas, que segundo me explicaram eram plantados para cortar o vento, muito forte na Patagônia. Cheguei lá na 6.a feira 16/03 pela manhã. Estava bem mais frio 🥶, obrigando o uso da roupa mais pesada (fleece) e da jaqueta (anoraque). Conversei com uma atendente pública local, que me explicou sobre a região, os pontos a conhecer e me falou sobre as precauções a tomar com o frio. Dei um passeio pelo centro da cidade e fui a uma agência de turismo perguntar sobre os possíveis passeios. Embora tenha achado interessante o lago na cratera de um vulcão, achei muito caro e distante. Resolvi então contemplar a orla e o centro. Achei a paisagem do mar muito bela 👍. Para as atrações de Rio Gallegos veja https://www.patagonia-argentina.com/rio-gallegos-ciudad/. Os pontos de que mais gostei foram os monumentos, a cidade, a orla e o mar. Parti no próprio dia para Punta Arenas. A ida para Ushuaia via terrestre era inviável, porque passava pelo Chile e as companhias argentinas não faziam diretamente. Saí no início da tarde e cheguei na parte final da tarde. No ônibus um judeu me perguntou de que cidade eu era, e quando disse que era de São Paulo, ele fez um ar de admiração e falou “uma cidade muito perigosa”. Falou de um jeito que imaginei que conhecesse São Paulo . No caminho paramos para fazer a saída da Argentina e entrada no Chile. No escritório havia um mapa bem amplo da região e descobri que existia uma reserva florestal em Punta Arenas, pela qual me interessei. Em Punta Arenas fiquei hospedado numa casa que funcionava como hotel, aparentemente de uma mulher judia. Ainda saí para dar uma volta nos arredores e conhecer um pouco da cidade. Encontrei uma pequena empresa de informática e lhes perguntei sobre como eram as condições de trabalho ali. Quando voltei, Eli (acho que este era o nome da dona) me disse “Metió sus patitas en el barro.” ou algo parecido, quando eu pedi desculpas e fui lhe pedir um pano ou vassoura para limpar a sujeira que tinha deixado. À noite deste ou do dia seguinte (ou em ambas), fui jantar num restaurante, pedindo espaguete e tomando vinho 👍. O vento era muito forte e frio, o que fazia a sensação térmica diminuir muito. A temperatura estava perto de zero graus 🥶. Para as atrações de Punta Arenas veja https://chile.travel/pt-br/onde-ir/patagonia-e-antarctica/punta-arenas. Os pontos de que mais gostei foram a reserva florestal e a paisagem do mar. No sábado 17/03 dei um passeio por Punta Arenas e depois fui conhecer a Reserva Florestal de Magalhães, que havia descoberto na estrada. Antes passei pela Ordem Salesiana para conhecer suas obras e pelos edifícios mais famosos da cidade. Depois, de acordo com o mapa, rumei para a reserva. Havia uma ladeira, que fazia um corredor de vento para o mar. Quando estava chegando lá em cima, o vento era tão forte, que eu andava para frente sem sair do lugar. Aí andei os metros finais agachado, diminuindo minha superfície e, portanto, a força que o vento exercia sobre mim . Caminhei até a reserva passando por paisagens naturais de que gostei. Gostei muito da reserva também , com seus bosques preservados, sua vista de montanhas e paisagens naturais, os sinais da presença de castores, embora não tenha visto nenhum, suas árvores típicas da região e a vista ampla da região, a partir de alguns pontos mais elevados. Depois retornei no fim da tarde. Neste dia o tempo amanheceu nublado, depois garoou, depois abriu o sol, depois choveu com média intensidade, voltou a abrir o sol, nevou fraco e parou . Uma amostra de como o tempo muda rápido nesta região. A noite voltou a fazer muito frio novamente 🥶, que era mais sentido devido ao vento muito forte. Se bem me lembro, foi aqui que minhas mãos começaram a perder o movimento, depois que o sol se foi. Era difícil até esfregá-las. Eu não levei luvas. Tentei colocá-las dentro da roupa, mas adiantou pouco. O sangue parecia estar parando de fluir. Quando cheguei ao hotel, reaqueci-as e senti a vida voltar. Como deve ser difícil ficar numa situação destas como ocorre com os montanhistas em situações inesperadas. No domingo 18/03 resolvi ir para Ushuaia, mesmo sabendo que aos domingos não havia transporte direto. Peguei um ônibus até Puerto Porvenir, já na Terra do Fogo. Para chegar lá precisamos pegar uma balsa para atravessar o Estreito de Magalhães. Acho que foi aqui que pensei em nadar enquanto esperava, mas a água estava muito fria e não me arrisquei. Achei a travessia muito bela, com vistas espetaculares . Vários delfins (eu acho) 🐬 acompanharam o barco. Quando chegamos lá acho que houve algum problema de um dos veículos que vieram no barco com um policial, o que fez a viagem atrasar e ficarmos parados um tempo. Na viagem havia vários americanos, alguns de Wyoming, que sabiam falar um pouco de espanhol. Havia também uma queniana (ou descendente de quenianos) radicada na Bolívia. Conversei com os americanos sobre a viagem, suas expectativas e como o ambiente se parecia com o local onde moravam. Conversei com a queniana-boliviana sobre a Reserva do Masai Mara. Combinei com ela de irmos juntos ao Parque Nacional da Terra do Fogo no dia seguinte, se bem me lembro, encontrando-nos na porta por volta de 8h. As paisagens naturais do resto da viagem também me pareceram belas. Chegamos à noite. Depois de pesquisar um pouco, resolvi experimentar um hostel (pela primeira vez na vida), visto que com a dolarização, os hotéis regulares pareciam-me caros. Foi o primeiro de muitos . Para as atrações de Ushuaia veja https://turismoushuaia.com/?lang=pt_BR. Os pontos de que mais gostei foram o parque, o glacial, as paisagens naturais e a vista da cidade e do mar. Na segunda-feira 19/03 fui até o Parque Nacional da Terra do Fogo. Perdi a hora de manhã e cheguei 1h atrasado ao encontro marcado . A moça não me estava esperando (imagino que desistiu). Fui caminhando e adorei o parque. Assim como a Reserva Florestal de Magalhães, havia muitas paisagens naturais a observar, cursos de água, montanhas, árvores e vegetação típicas etc . Fiquei lá o dia inteiro. Encontrei um japonês no meio do caminho que me disse que achava frio para acampar ali. Saí no pôr do sol. Desta vez fui tirar o barro dos meus tênis num local que parecia um tanque no banheiro. Voltei à noite ao hostel. Lá conheci um casal de europeus, americanos ou canadenses (não me lembro bem). Não percebi no hostel que na cama de baixo havia uma moça e troquei de roupa no próprio quarto num dos dias . Ela, que era eslovena e estava quase dormindo, virou para o outro lado. Depois, quando percebi que era uma moça, fui pedir desculpas. Na 3.a feira 20/03 fui explorar a cidade e seus arredores. A vista do oceano em direção à Antártica parecia linda. Tentei verificar a possibilidade de ir até lá, nem que só um pouquinho, mas achei inviável o tempo necessário. Não tinha me preparado para tal. Após andar pela cidade e reencontrar o casal do hostel, fui em direção ao Glacial Martial (https://www.tripadvisor.com.br/Attraction_Review-g312855-d313939-Reviews-Glacier_Martial-Ushuaia_Province_of_Tierra_del_Fuego_Patagonia.html). Nunca tinha ido a um Glacial. Não sabia o que esperar. Não estava preparado em termos de equipamentos. Fui de tênis de pano (ou couro). Mas adorei . Era uma geleira pequena, mas subi nela até onde achei seguro, para não escorregar. Sentei até um pouco, para apreciar a maravilhosa vista, tanto das montanhas acima e do glacial, como da paisagem abaixo, com a cidade e o oceano. Achei ambas espetaculares. Mas era frio. Depois de apreciar bastante e quase ficar meditando um tempo lá, voltei para a cidade e fui apreciar novamente a orla. Na 4.a feira 21/03 peguei um ônibus para Puerto Natales, no Chile novamente, para ir conhecer Torres del Paine. Tivemos que fazer entroncamento, posto que a rota regular, se bem me recordo, era direto para Punta Arenas. Não me recordo bem se cheguei a ir até Punta Arenas (acho que não) ou se parei num ponto intermediário (acho que é mais provável). Cheguei em Puerto Natales no meio da tarde e me hospedei num pequeno hotel. Saí para dar uma volta na cidade, antes do pôr do sol. Para as atrações de Puerto Natales veja https://chile.travel/pt-br/onde-ir/patagonia-e-antarctica/puerto-natales. Os pontos de que mais gostei foram Torres del Paine, a caverna com o animal extinto e as paisagens naturais. Na 5.a feira 22/03 fui até o Parque de Torres del Paine (https://pt.wikipedia.org/wiki/Parque_Nacional_Torres_del_Paine). Se bem me lembro, havia um ônibus de turismo que ia até a porta do parque e depois pegava as pessoas no fim do dia para retornar (acho que eram vários horários de retorno). Na ida passamos por paisagens que achei espetaculares, das montanhas nevadas e da vegetação nativa. Paramos num espelho d’água formado por um lago com montanhas ao redor, como eu só tinha visto em filmes e quadros. A partir da porta do parque fui caminhando em direção às torres. Achei toda a paisagem espetacular . Até bebi água em um riacho, mas a temperatura da água era muito baixa. Tive algum tipo de torção ou mau jeito no joelho, pois devido ao horário de volta do último ônibus resolvi acelerar. Achei espetaculares as torres e toda a paisagem no seu entorno . No retorno, pouco depois do meio do caminho, encontrei dois geólogos brasileiros, que trabalhavam para companhias de petróleo. Eles me deram carona até a entrada e afastaram qualquer risco de perder o último ônibus. Inclusive, se bem me lembro, acho que devido a isso peguei o penúltimo. Estavam fazendo pesquisas devido à similaridade daquela região com o fundo do mar, onde se explora petróleo. Falaram que era o primeiro local turístico em que foram trabalhar. Na 6.a feira 23/03 fui até uma caverna com registros pré-históricos que era próxima da cidade. Talvez fosse a Cueva del Milodon (https://chile.travel/pt-br/onde-ir/patagonia-e-antarctica/torres-del-paine/monumento-natural-cueva-del-milodon). Achei interessante a caverna com seus registros humanos pré-históricos e o Milodon, um animal extinto há muito tempo 👍. Se bem me lembro fui e voltei de ônibus. No meio da tarde peguei um ônibus para El Calafate. Cheguei no início da noite e fiquei hospedado numa casa. A dona avisou-me para tomar cuidado quando fosse ao Lago Argentino, porque havia muito barro no entorno. Para as atrações de El Calafate veja https://www.patagonia-argentina.com/el-calafate/. Os pontos de que mais gostei foram o Glacial Perito Moreno, o Lago Argentino, com seus flamingos e as paisagens naturais. No sábado 24/3 peguei uma excursão para conhecer o Glacial Perito Moreno (https://pt.wikipedia.org/wiki/Geleira_Perito_Moreno). Logo de manhã combinei a excursão com uma agência e fomos num micro-ônibus. A guia sugeriu que tapássemos os olhos no caminho e só abríssemos quando ela avisasse, para termos a surpresa de ver o glacial. Gostei bastante da paisagem, com geleiras e depois gostei do Glacial, com o lago em que estava inserido . Pegamos um barco e fomos até certo ponto, para vê-lo de mais perto. Disseram-me alguns anos depois, que não se ia mais de barco até perto do glacial, devido ao aquecimento global e aos deslizamentos. Não sei como está atualmente. Havia uma escada com muitos degraus, que a guia disse para aqueles que poderiam ter alguma dificuldade de mobilidade (idosos por exemplo), avaliarem se compensava descer. Eu fui até o último degrau e apreciei a paisagem de cima e de baixo. Gostei bastante da paisagem. Vimos algumas quedas de blocos de gelo, imagem famosa em vídeos. Na época não tão comum quanto atualmente. Na volta ganhamos um chocolate quente ☕. Depois, mais tarde, eu fui dar um passeio numa parte do Lago Argentino que era próximo. Achei o lago espetacular . Os flamingos no meio, em grande quantidade, embora já estivesse perto do entardecer, davam um colorido que tornava a paisagem ainda mais bela. Sujei bastante meu tênis com a lama do entorno. Quando voltei, perguntei para a filha da dona se ela poderia limpar meu tênis, comigo pagando, e a mãe, ouvindo, disse “Eu não te avisei” . Achei que a moça não gostou muito da ideia, pois daria um trabalhão e resolvi eu mesmo lavar no dia seguinte. No domingo 25/3 fui dar uma volta nos arredores, andando por boa parte da margem do Lago Argentino e apreciando a paisagem. Gostei muito de tudo 👍. Durante o passeio, quando estava bem longe da cidade, 2 cachorros 🐕 começaram a me acompanhar. Como gosto de cachorros, fiz agrado para eles e fizemos parte do passeio juntos. Mas eu pensei que depois eles ficariam por ali. Quando comecei a voltar, eles começaram a me acompanhar. No começo não me importei e pensei que iriam desistir. Depois fiquei preocupado, pois claramente não sabiam andar nas ruas e já estávamos chegando perto da estrada e da cidade. Tentei espantá-los, mas não havia meio de voltarem. Achei que poderiam morrer atropelados, pela total falta de traquejo que demonstravam com as ruas. Falei com um homem que estava na rua, perguntando sobre como resolver aquela questão. Ele riu da minha dúvida e disse que não sabia de quem eram os cachorros e me disse para atirar uma pedra neles. Eu não podia fazer isso. Eu gosto muito de cachorros. Mas andei mais um pouco e eles quase foram atropelados. Aí, com enorme dor no coração, atirei uma pedra do lado deles. Mas eles não entenderam e continuaram atrás, novamente, indo pela rua e quase sendo atingidos por carros. Aí resolvi atraí-los para fora da rua, peguei uma pedra não muito grande e acabei atirando no dorso, de modo a causar o mínimo impacto possível. Nunca vou esquecer a fisionomia de decepção dos cachorros, que me seguiram com amor e me viram atirar pedras neles. Foi uma facada na minha alma 😢. Mas eles pararam de me seguir e acho que voltaram para os campos. Talvez tenha funcionado, mas acho que o preço foi alto. À noite peguei um ônibus para Comodoro Rivadavia. Cheguei no dia seguinte, 2.a feira 26/3, entre o princípio e o meio da manhã. Considerando o tempo que eu tinha disponível e as atrações a conhecer, resolvi ficar somente um dia e pegar um ônibus para Bariloche no fim do dia. Para as atrações de Comodoro Rivadavia veja https://www.comodoroturismo.gob.ar e https://manualdoturista.com.br/comodoro-rivadavia. Os pontos de que mais gostei foram o Museu do Petróleo, as informações sobre as Malvinas e a guerra, as construções na cidade, a praia e a vista do oceano. Fui a um escritório de turismo municipal perguntar por sugestões de pontos a visitar. Além da cidade e do museu, foi sugerido conhecer a Praia de Rada Tilly. Perguntei se não seria mais interessante conhecer um campo com alguns aerogeradores de energia eólica (naquela época nunca tinha visto nenhum). O atendente disse-me que era muito longe, num caminho que não tinha outras atrações e era deserto, o que poderia me deixar à mercê de algum acidente ou problema nas pernas ou pés. Resolvi então seguir a sugestão e ir a Rada Tilly, que achei uma praia muito bonita, porém cuja aproveitabilidade ficava comprometida pelo clima frio. Mas a paisagem agradou-me, incluindo o caminho 👍. Antes tinha ido ao Museu do Petróleo, que achei bastante interessante 👍. Nele ou em algum local anexo, havia uma exposição sobre as Malvinas, com informações sobre a guerra, que achei bastante interessantes também, apenas pontuando que era a visão argentina do conflito, que apesar disso me pareceu razoavelmente isenta, mas ainda assim sob a ótica argentina. Dei também um passeio pela cidade, sua catedral, seus edifícios históricos etc. Depois de voltar de Rada Tilly, peguei o ônibus para Bariloche. A viagem durou quase 1 dia, se bem me lembro. Conversei com algumas pessoas durante a viagem, sendo que me falaram de cidades na região de Bariloche que tinham pouca população, mas concentravam muitos artistas e amantes de filosofia e artes. Durante a viagem, após saber que eu era brasileiro, o jovem comissário do ônibus perguntou-me “Pelé ou Maradona?” ⚽. Respondi que Pelé tinha feito mais de 1.200 gols e Maradona menos de 200, Pelé tinha sido 5 vezes campeão do mundo e Maradona só 1 etc. Ele retrucou para mim que Pelé jogava com os mestres. Continuamos um pouco na conversa, mas olhei para os outros passageiros e percebi que muitos estavam me olhando. Para não causar confusões, falei então “Cada um no seu tempo”, que é algo em que creio e que acho que apaziguou os ânimos . Cheguei no início da tarde da 3.a feira 27/3. Achei a paisagem da viagem magnífica , principalmente na região de Bariloche. Havia muitos lagos e montanhas entremeados, além das paisagens com vegetação natural aparentemente preservada. Hospedei-me numa casa, que funcionava como hotel. Consegui gratuitamente mapas com informações e sugestões de passeios 👍. Para as atrações de Bariloche veja https://barilocheturismo.gob.ar/br/home. Foi um dos pontos de que mais gostei . O que mais me agradou foram as paisagens naturais, os lagos, a vista do Monte Campanário e os locais naturais e típicos do Circuito Pequeno (Chico). Inicialmente, como ainda havia luz do sol, fui dar uma caminhada acompanhando o curso do lago que ficava perto da área central. Durou umas 2 horas. Achei magnífica a paisagem. Nos 2 dias seguintes fui realizar o Circuito Pequeno (Chico) e subi no Monte Campanário. Decidi subir pela trilha, que estava com a infraestrutura bastante comprometida, mas nada que me parecesse ameaçar a segurança, apenas causando maior necessidade de esforço físico e fazendo sujar os calçados e as roupas. A vista lá de cima foi uma das mais belas que já vi , englobando a paisagem natural, com lagos, montanhas, picos nevados, florestas, vilas etc. Andando pelo circuito, pude ver muitos atrativos naturais, paisagens de que muito gostei. Houve também a Colônia Suíça, que achei interessante. Na 5.a feira 29/3 à tarde fui pegar um ônibus para Buenos Aires e posteriormente a São Paulo. Optei pelo ônibus porque o preço da passagem aérea só de volta era mais alto do que o de ida e volta . A porta da casa estava trancada, eu tocava a campainha, batia palmas e ninguém aparecia para abrir. Comecei a ficar preocupado em perder a hora. Aí comecei a gritar e a atendente veio abrir a porta. Acho que ela ficou com medo, talvez não sabendo quem estava na porta. Imagino que quando reconheceu minha voz veio abrir. Talvez por ser chilena e não conhecer bem a cidade ou por estar em alguma situação irregular, tenha ficado com medo se fosse um desconhecido. Peguei o ônibus por volta de 17h. A viagem até Buenos Aires novamente teve belas paisagens 👍, mas não tão espetaculares quanto a anterior. Durou 1 dia. Chegando lá na 6.a feira 30/3, comprei uma passagem para São Paulo pela Viação Pluma (https://www.pluma.com.br). Fizemos a entrada por Paso de los Libres e Uruguaiana no fim da madrugada. O atendente da Polícia Federal olhou-me com cara feia, após carimbar meu passaporte e eu avisar que era brasileiro e que não precisava ter carimbado como entrada de viajante. Acho que pensou que eu era estrangeiro . Depois de entrar no Brasil, já não havia mais refeições incluídas no preço da passagem. A viagem pelo Brasil, pelo Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e sul de São Paulo apresentou paisagens que achei magníficas . Fomos pelo interior e passamos por cânions, campos, amplas áreas com vegetação nativa, montanhas etc. No sábado 31/3 almoçamos numa churrascaria em Passo Fundo. Eu sou vegetariano e não peguei carne. Num dado momento, o moço que servia o rodízio veio oferecer-me gentilmente linguiça calabresa. Eu disse que não tinha comprado o rodízio, mas ele disse que era cortesia. Falei então que não comia carne e vi sua cara de decepção. Fiquei um pouco tocado por ter rejeitado a sua gentil oferta. No Rio Grande do Sul, ainda mais naquela época, imagino que vegetarianos deveriam ser raríssimos. A viagem foi cansativa 😫, as pernas, os glúteos e as costas ficaram doendo um pouco, mas as paisagens foram muito belas. Cheguei em São Paulo perto de 5h da manhã do dia 01 de abril, data em que fazia 32 anos.
  4. Olá galera!! Estou procurando dicas de economia para uma viagem à Buenos Aires e Montevideo, bem como dicas de lugares baratos ou gratuitos para visitar e curtir. Não achei opções de ônibus de Argentina para Uruguai. Data da viagem: Mês de maio, sem data fixa, se tiver alguém alguém indo pra lá nessa época, dá um salve aí!!
  5. 🚆 TREN de ROSARIO a BUENOS AIRES "EL ROSARINO": TRENES ARGENTINOS 🇦🇷 | VLOG VIAJANTE 🌎 Oi gente! Mudamos de trem de Rosário para Buenos Aires. O sistema ferroviário argentino 🚆 oferece a rota da estação Rosario Norte à estação Retiro em Buenos Aires 🇦🇷. Aqui está o mapa da rota diretamente da página da Trenes Argentinos 👉 http://bit.ly/3tA83Xx E se você estiver interessado em comprar passagens no sistema de trens argentinos, deixamos aqui o vídeo de como fazê-lo 👉 https://youtu.be/7KjfbSl4Qbw Documentamos esta experiência desde a nossa chegada na Estação Rosario Norte, até a Estação Retiro em Buenos Aires para que você tenha uma referência de como é a viagem. Como diz a música "Viajar de trem é o melhor" 🚆 00:00 Intro 00:33 Estación Rosario Norte 03:14 Trem 10:01 Estación Retiro 11:30 Resumen 12:23 Despedida 12:37 Bloopers 13:03 Par de Sorrisos Esperamos que gostem, fizemos com muito amor. Seja feliz e beba água 💧 Um beijo! 💙 Inscreva-se em nosso canal: https://bit.ly/2MY7eF2 Junte-se a nós em nossas aventuras: • Facebook | https://facebook.com/pardesorrisos/ • Instagram | https://instagram.com/pardesorrisos/ • Patreon | https://www.patreon.com/pardesorrisos/ • Podcast da Apple | https://apple.co/336B6qN • Podcast Spotify | https://sptfy.com/54tj A musica que nos acompanha • Spotify | https://spoti.fi/2MZz1oq Contate-Nos: pardesorrisos@gmail.com Par de Sorrisos é a visão de Wilfredo Chiquito e Helen Negrisoli de nossas aventuras ao redor do mundo. Junte-se a nós!
  6. 🚆 TREN de BUENOS AIRES a ROSARIO "EL ROSARINO": TRENES ARGENTINOS 🇦🇷 | VLOG VIAJANTE 🌎 Oi gente! Embarcamos no trem "El Rosarino" 🚆 que nos levava da estação Retiro em Buenos Aires à estação Rosário Norte na Argentina 🇦🇷 e o documentamos. Este trem funciona durante o dia e chega ao seu destino à noite. Mostramos nosso roteiro para que tenham uma visão em vídeo de como é viajar nos trens argentinos e neste trecho que vai de Buenos Aires a Rosário. Deixamos aqui a página Trens da Argentina para que você possa ampliar as informações sobre o sistema de trens 👉 http://bit.ly/39OFAFf Se você quiser comprar passagens de trem, também temos um tutorial sobre como fazê-lo 👉 https://youtu.be/7KjfbSl4Qbw E se isso não bastasse, também documentamos o trecho Rosário a Buenos Aires que também fazemos neste meio de transporte que gostamos de usar 👉 https://youtu.be/rvKE-JFSQdQ Com todas essas informações disponíveis (e mais), você pode ver que gostamos de viajar de trem 🚆. 00:00 Intro 00:38 Estación Retiro 04:40 Trem 09:06 Buenos Aires - Rosario 14:00 Estación Rosario Norte 15:46 Par de Sorrisos Esperamos que gostem, fizemos com muito amor. Seja feliz e beba água 💧 Um beijo! 💙 Inscreva-se em nosso canal: https://bit.ly/2MY7eF2 Junte-se a nós em nossas aventuras: • Facebook | https://facebook.com/pardesorrisos/ • Instagram | https://instagram.com/pardesorrisos/ • Patreon | https://www.patreon.com/pardesorrisos/ • Podcast da Apple | https://apple.co/336B6qN • Podcast Spotify | https://sptfy.com/54tj A musica que nos acompanha • Spotify | https://spoti.fi/2MZz1oq Contate-Nos: pardesorrisos@gmail.com Par de Sorrisos é a visão de Wilfredo Chiquito e Helen Negrisoli de nossas aventuras ao redor do mundo. Junte-se a nós!
  7. Versão light 🍃: BUENOS AIRES, ARGENTINA .o1 | Viajando pelo mundo 🗺 Oi você! Vídeo bem "pincelado" sobre a cidade que a gente visitar BUENOS AIRES 💙 ôh cidade bonita, adoramos turistar por lá e rever nossos amigos! Mostramos um passeio visual por: 00:00 Intro 00:58 Estación Retiro 01:23 La Rural 01:40 Jadín Botánico Carlos Thays 02:11 Eco Parque 02:40 Planetario Galileo Galilei 03:00 Floralis Genérica 04:12 Facultad de Derecho 04:33 Cementerio de la Recoleta 05:08 Centro Cultural Recoleta 05:35 Abasto Shopping 06:22 El Ateneo Grand Splendid 06:49 Casa Rosada 07:12 Puente de La Mujer 07:39 Centro Cultural Kirchner 08:17 Obelisco Esperamos que vocês gostem do vídeo, não se esqueça de se increver no canal, curtir os nossos vídeos e se quiser compartilhar fique a vontade aê rsrsrs. Nos sigam em nossas redes sociais também, a gente sempre tem alguma novidade por lá. É isso, desfrutem a vida, bebam água, come uma frutinha, pratiquem exercícios e sejam tremendamente felizes! Um beijo! 💙 Inscreva-se em nosso canal: https://bit.ly/2MY7eF2 Junte-se a nós em nossas aventuras: • Facebook | https://facebook.com/pardesorrisos/ • Instagram | https://instagram.com/pardesorrisos/ • Patreon | https://www.patreon.com/pardesorrisos/ • Apple Podcast | https://apple.co/336B6qN • Spotify Podcast | https://sptfy.com/54tj A música que nos acompanha • Spotify | https://spoti.fi/2MZz1oq Entre em contato conosco: pardesorrisos@gmail.com Par de Sorrisos é a visão de Wilfredo Chiquito e Helen Negrisoli de nossas aventuras ao redor do mundo. Junte-se a nós!
  8. Vivendo a cidade turística da fúria 🌆: BUENOS AIRES, ARGENTINA .o2 | Viajando pelo mundo 🗺 Oi você! Vídeo sobre a cidade que a gente visitar BUENOS AIRES 💙 ôh cidade bonita, adoramos turistar por lá e rever nossos amigos! Mostramos um passeio visual por: 00:00 Intro 00:48 Eco parque 02:26 La Rural 02:48 Jardín Botánico Carlos Thays 07:49 Bosques de Palermo 08:02 Planetario Galileo Galilei 08:35 Abasto Shopping 08:58 El Ateneo Grand Splendid 10:22 SUBTE 12:25 Facultad de Derecho 12:42 Floralis Genérica 14:03 Centro Cultural Recoleta 15:34 Cementerio de La Recoleta 18:12 Centro Cultural Kirchner 18:58 Casa Rosada 19:50 Puente de la Mujer 20:39 Obelisco 20:58 Avenida Corrientes 22:05 Despedida Esperamos que vocês gostem do vídeo, não se esqueça de se increver no canal, curtir os nossos vídeos e se quiser compartilhar fique a vontade aê rsrsrs. Nos sigam em nossas redes sociais também, a gente sempre tem alguma novidade por lá. É isso, desfrutem a vida, bebam água, come uma frutinha, pratiquem exercícios e sejam tremendamente felizes! Um beijo! 💙 Inscreva-se em nosso canal: https://bit.ly/2MY7eF2 Junte-se a nós em nossas aventuras: • Facebook | https://facebook.com/pardesorrisos/ • Instagram | https://instagram.com/pardesorrisos/ • Patreon | https://www.patreon.com/pardesorrisos/ • Apple Podcast | https://apple.co/336B6qN • Spotify Podcast | https://sptfy.com/54tj A música que nos acompanha • Spotify | https://spoti.fi/2MZz1oq Entre em contato conosco: pardesorrisos@gmail.com Par de Sorrisos é a visão de Wilfredo Chiquito e Helen Negrisoli de nossas aventuras ao redor do mundo. Junte-se a nós!
  9. Olá, pessoal. Estou começando a pesquisar e planejar uma viagem tendo como destino principal Ushuaia. Estava pretendendo ir entre julho - outubro, dependendo de preço e condições de viagem nos lugares. Dei uma olhada em Bariloche também e estou vendo se seria possível (em uma viagem de até 30 dias) conseguir fazer Montevidéu -> Buenos Aires -> Ushuaia -> (aberto a sugestões de passeios e trilhas entre a parte argentina e chilena). Gostaria de sugestões sobre a parte da volta, se alguém conhece algum outro destino legal e que dê para aproveitar um preço bom para a volta para o Brasil. Também estava avaliando se seria possível passar por Bariloche no rumo de volta de Ushuaia ou se não vale a pena. E a outra dúvida é se é realmente uma mal escolha de meses para ir para a Patagônia (pelo inverno). Alguém tem alguma contribuição? é minha primeira viagem internacional, então não tenho nenhuma experiência 🙃. Aliás, estarei saindo do Paraná.
  10. Foram 15 dias de viagem pela terra dos nossos hermanos, Argentina e Chile passando pelo agito de Buenos Aires, pelas belezas naturais de Bariloche, pelas manifestações de Santiago e pelas paisagens indescritíveis de San Pedro do Atacama. Neste relato partilhamos alguns detalhes e passeios que realizamos nesta trip. (Quem se interessar compartilharmos com Mochileiros.com um relato da nossa viagem pela Europa https://www.mochileiros.com/topic/80418-colecionando-bandeirinhas-gaúchos-na-europa-portugal-espanha-frança-bélgica-holanda-alemanha-e-suíça/ RESUMO DA VIAGEM Data Local Data Local 01/12/19 Rio Grande, Porto Alegre - Brasil/ Buenos Aires - Argentina 09/12/19 Santiago - Chile 02/12/19 Buenos Aires - Argentina 10/12/19 Santiago - Chile 03/12/19 Buenos Aires - Argentina 11/12/19 San Pedro do Atacama - Chile 04/12/19 Bariloche - Argentina 12/12/19 San Pedro do Atacama - Chile 05/12/19 Bariloche - Argentina 13/12/19 San Pedro do Atacama - Chile 06/12/19 Bariloche - Argentina 14/12/19 Santiago - Chile 07/12/19 Buenos Aires - Argentina 15/12/19 Santiago - Chile/ Buenos Aires - Argentina/ Porto Alegre, Rio Grande/ Brasil 08/12/19 Santiago - Chile - - SAINDO DO RIO GRANDE DO SUL Iniciamos nossa trip no dia 01 de dezembro de 2019 partindo da cidade do Rio Grande situada no estado do Rio Grande do Sul, extremo Sul do Brasil, percorrendo 369 Km de ônibus rumo a capital Porto Alegre. Em Porto Alegre iniciamos nossa trip internacional embarcando no voo da companhia área Aerolíneas, sobrevoando cerca de 849 Km com duração de 1 hora e 35 minutos até chegarmos ao destino de Buenos Aires, Argentina. CONHECENDO BUENOS AIRES 🇦🇷 Apesar de Buenos Aires estar situada a 1051 Km da nossa cidade (Rio Grande) foi a primeira vez que a visitamos. A capital porteña é também conhecida como a Paris da América do Sul, por ser uma das cidades com arquitetura e hábitos mais semelhantes aos trazidos pelos colonizadores europeus, além de ser considera uma cidade com alto custo de vida. Particularmente nós achamos a cidade bem mais econômica que as cidades do Chile. O idioma falado é o espanhol (super entendível) e a moeda (la plata) é o peso argentino. Nós ficamos hospedados em Buenos Aires em dois bairros diferentes, na primeira parte da viagem nossa residência foi na Villa Crespo próximo ao Palermo, já na segunda parte em La Boca. Nos dois bairros tivemos ótimas estádias e anfitriões. La Boca é um bairro periférico às margens do arroio Riachuelo que nos encantou pelas suas casas coloridas da Calle Caminito, pelos espetáculos de tango na rua e exposições de artesanato. Em La Boca também visitamos o estádio La Bombonera, famoso pelo seu formato semelhante a uma caixa de bombons. Já a Villa Crespo foi nosso preferido, especialmente, pelas áreas de lazer, parques e praças ao lar livre e os bares ao redor da Plazoleta Julio Cortazar. Lembrando que nós gostamos de explorar os lugares caminhando e tomando o nosso companheiro de viagem “chimarrão”, então todos os lugares que visitamos nesta cidade foram através do nosso melhor transporte “a pé”. Para quem quer assistir a um espetáculo de tango de forma gratuita a Plaza Dorrego no bairro San Telmo é o canal, o local ainda conta com diversos artísticas expondo seus trabalhos. A poucos metros da praça também está situado o Mercado San Telmo com diversas lancheirias. Além desses locais também visitamos o Obelisco e a Plaza Mayo onde estão concentrados alguns prédios históricos como a Casa Rosada, o Cabilto, o Banco de la Nación, o Palácio del Congreso e a Catedral Metropolitana. Na Recoleta visitamos a Floralis Genérica, situada na Plaza de las Naciones Unidas. Também realizamos um passeio um tanto quanto exótico no Cemitério de La Recoleta onde está localizado o tumulo de personalidades como da Eva Duarte de Perón e do casal cujo busto está posicionado um de costas para o outro devido a uma desavença entre os cônjuges. Para quem gosta do contato com a natureza, o pé no chão, ouvir os pássaros, praticar atividades ao ar livre e fazer um piquenique o Parque Centenário no Caballito é perfeito. Dentre os badalados locais que os porteños curtem a noite, vale uma caminhada pelo Puerto Madero conhecido pelos seus bares e pela Puente de la Mujer. Falando em curtir a noite, vai algumas dicas de delícias culinárias para serem apreciadas. A primeira delas é “La casa del dulce de leche”, lá você pode degustar diversos sabores do doce até escolher um para chamar de seu ou até enjoar de tanto experimentar. Também não dá para ir a Buenos Aires e deixar de provar o famoso choripan acompanhado com o chopp no “Chori”, tão recomendado pelo Somebody Feed Phil (assistam na Netiflix ele dá várias dicas de delícias para se comer ao redor do mundo). O Chori fica situado no bairro Palermo, o que dá para de quebra tirar umas fotos tri legais em alguns dos inúmeros grafites que colorem as ruas do bairro. Outra pedida é comer uma fugazzetta no restaurante Caracol próximo ao Mercado San Telmo, assim como uma medialuna e croissant em qualquer confeitaria ou cafeteria do Retiro. Já ia esquecendo de mencionar os alfajores Havana, ótima alternativa para dar aquela "energia" que só o chocolate nos proporciona. SURPREENDIDOS POR BARILOCHE 🇦🇷 A estrela desta trip foi sem dúvida San Carlos de Bariloche, um dos destinos preferidos dos brasileiros na Patagônia Argentina. Chegando em Bariloche alugamos um Nissan Versa, que facilitou nosso transporte do Aeroporto Internacional Teniente Luis Candelaria até a cidade que fica cerca de 15 Km. Além disso, nos permitiu autonomia para fazer passeios em distâncias que levaríamos dias caminhando. Em Bariloche ficamos em uma cabana localizada em Posada del Camino em El Condor Dina Huapi. Essa era um verdadeiro luxo, situada em um local mais afastado da cidade, com uma vista da janela para uma montanha que era de tirar o fôlego, além de ser climatizada e com banheiro e cozinha privativos. Depois de nos instalarmos, preparamos uns comes e bebes e fomos para o nosso primeiro passeio, o circuito Chico. A rota desse circuito é repleta de lagos, montanhas, rios e mirantes, vale a pena visitar o local seja de automóvel, de bike ou caminhando como muitos mochileiros fazem. Nós ficamos tentados em realizar o trajeto de bike, mas como queríamos explorar outros lugares no mesmo dia, acabamos deixando para uma próxima oportunidade. Não somos fãs de pontos turísticos clichês, então em uma rápida caminhada pelo Centro Cívico de Bariloche passamos pelo Lago Nahuel Huapi que é visto por toda a cidade, pelo centro turístico, pela Diocese Bariloche, pelo comércio local com os seus encantadores chalés de madeira e pedra e pelo Museu Francisco P. da Patagônia, onde está situada a estátua em homenagem aos cães da raça São Bernardo, a qual é famosa pela capacidade de enfrentar a neve e os perigos dos Alpes. Mas o que nos encantou mesmo nesta cidade foi a vista do azul dos lagos que se mistura com branco dos alpes, com o azul do céu e com o verde da vegetação. A vantagem de ir de carro foi percorrer as paisagens que levam ao caminho dos 7 lagos (Espejo Chico, Correntoso, Escondido, Falkner, Villarino, Machónico, Lácar). Nós conhecemos os três primeiros lagos e decidimos parar na Playa do Lago Correntoso. A sorte de visitar a cidade no verão é que podemos nos banhar no azul do lago e nos deslumbrar com a imagem da neve ao fundo. Confesso que água não era das mais quentes, mas aquela cor azul nos convidava para um mergulho. Também subimos o Cerro Otto onde está situada a Confeitaria Giratória e o Teleférico. O caminho para este lugar é incrível enquanto você vai admirando a vista dos alpes e da cidade é tomado pela adrenalina de subir 1.405 metros de altitude. Outra pedida para os amantes de aventura na natureza é fazer a trilha da Cascata de los Duendes, assim como, aproveitar a prática de esportes náuticos na Playa Centenáro e na Playa las Bombas. Em Bariloche nossas refeições foram todas feitas na própria cabana, dentro do carro ou em um piquenique ao ar livre com a vista de um lago e uma montanha ao fundo. Dentre as nossas comidas preferidas estão as empanadas argentinas, e de sobremesa os alfajores e doce de leite. Apesar de sermos amantes de cerveja artesanal, também somos abertos a experimentar as cervejas locais Patagônia e Quilmes. MOMENTO HISTÓRICO EM MEIO AS MANIFESTAÇÕES EM SANTIAGO 🇨🇱 Os protestos em Santiago, capital do Chile, se intensificaram em outubro de 2019 devido a revolta dos cidadãos contra a crise econômica que o país vinha enfrentando e o autoritarismo do governo. Aqui no Brasil não tínhamos noção da dimensão dos problemas que o país vinha enfrentando e não imaginávamos que os manifestos perdurariam até a data da nossa viajem. Enfim, chegando em Santiago é que tomamos conhecimento de todos os acontecimentos e de como a população vinha sofrendo com os abusos do governo (não muito diferente do que temos vivido no Brasil nestes últimos anos). Presenciamos alguns confrontos entre os manifestantes e os carabineiros, como é chamada a polícia local. Infelizmente vimos uma Santiago com diversas praças, prédios e monumentos históricos depredados, com uma população desolada com as injustiças sociais e em luto pelas mortes provenientes dos confrontos. Por outro lado, também vimos algumas manifestações pacificas, como o manifesto feminista contra os abusos e a violência sofridas pelas mulheres. Foi lindo ver tantas pessoas lutando por uma sociedade mais justa, humana e igualitária, sem violência e com seus direitos reconhecidos. Apesar de não encontramos uma Santiago organizada como era de costume, nossa experiência não foi menos significativa, pois entendemos que o fato de estarmos naquele tempo e lugar nos tornou parte daquela história. Ficamos hospedados na primeira parte da viagem na Região Metropolitana e na segunda parte em Cristóban Colon la Condes. Nossa estádia em ambos os bairros foi tranquila, mas era notável que o segundo bairro era bem mais elitizado, com prédios, casas e shopping luxuosos. Devido as manifestações achamos mais prudente não alugar um carro, pois diariamente as vias eram fechadas e alguns automóveis incendiados. Dessa forma, nossos passeios foram basicamente caminhando. Em decorrência das manifestações fomos recomendados pelos nossos anfitriões a não andar nas ruas após 17 horas e evitar passar na Praça Itália. Mas por descuido nosso em um dos passeios ao Sky Costanera, prédio com 300 metros de altura que possibilita uma vista de 360° da Cidade, passamos nesta praça justamente no momento em que estava acontecendo uma manifestação. O registro desse momento ficou só em nossa memória, achamos que não era adequado pararmos em meio a manifestação para fotografarmos de um lado o cordão de isolamento feito pelo carabineiros e pelos tanques militares, e de outro os milhares de manifestantes mascarados que se estendiam por diversos quarteirões. Para nossa sorte não tivemos nenhum problema e conseguimos chegar ao nosso destino em segurança. Nem só de manifestações foi feita nossa viajem por Santiago, também passamos por alguns lugares icônicos como Cerro San Cristóban, Templo Bahá'í de Sudamérica e o famoso Cajón del Maipo. Como não estávamos de carro, fechamos o passeio de Cajón del Maipo com uma agência de turismo, cujo atendente era um baiano e o motorista da van e o guia uns chileno gente boa. A opção pelo transporte com a agência foi a melhor ideia, pois a estrada até o Cajón é de chão batido e durante o caminho aconteceram alguns deslizamentos de pedras. Esses deslizamentos são recorrentes na região, mas com o conhecimento sobre o trajeto do nosso motorista que sabia o momento exato de parar a van ou desviar a tempo, a viagem discorreu tranquilamente. O passeio com a agência engloba paradas: em um restaurante chamado Cumbres del Maipo, onde tem vários animais como lhama, alpaca, vicunha, guanaco, entre outros; no Tunel Ferroviario del Tinoco; na Animita de Willy Rojas; nas Termas Valle de Colina com um piquenique com frios e vinho chileno. Até o período de julho de 2019 o passeio incluía também o Embalse El Yeso, mas devido a um acidente trágico com uma família de brasileiros, justamente devido a um deslizamento de pedras neste local, a visita até lá está suspensa por tempo indeterminado. Vamos falar sobre algumas comidas que experimentamos em Santiago. Experimentamos mais de uma vez o completo com palta, é uma espécie de cachorro-quente com abacate, para os chilenos o abacate é considerado um alimento que acompanha as diversas refeições. Também provamos o pastel de choclo, que no caso não tem nada a ver com um pastel que estamos acostumados. Isso porque o pastel em espanhol quer dizer bolo ou torta, e choclo significa milho, logo pastel de choclo é uma espécie de bolo de milho recheado com carne moída e outros ingredientes. A diferença de idioma tem destas peças. Outro prato que comemos foi hambúrguer de salmão, para quem não sabe o salmão que comemos no Brasil tem quase sua totalidade de origem no Chile. Além disso, também apreciamos algumas cervejas como Kunstmann, Austral e Royal Guard. O ATACAMA E SUAS PAISAGENS INDESCRITÍVEIS 🇨🇱 A segunda estrela da viagem foi San Pedro do Atacama, considerado o deserto mais árido do mundo. Para chegar ao Atacama nós descemos no Aeroporto Internacional El Loa que fica em Calama a 101 Km do centro de San Pedro do Atacama e alugamos um carro pela Sixt Rent a Car. A dica é reservar com antecedência, pois além de melhores tarifas você não corre o risco de chegar lá e não ter nenhum carro disponível, como quase aconteceu conosco. O carro que nós alugamos foi um Gol que deu conta de nos levar pelas estradas desérticas mais lindas da América do Sul. A cidade é uma graça, com ruas de terra e casas de adobe. Caminhando nós conhecemos o centro da cidade que é formada basicamente por seis quarteirões sendo a rua principal a Caracoles. No centro nós conhecemos a Igreja de San Pedro de Atacama, Plaza San Pedro de Atacama, mercados, restaurantes e lojas com artesanato local. Para quem quer fazer umas comprinhas de lhamas, tecidos coloridos e balas ou folhas de coca o local certo é a Paseo Artesanal, uma rua coberta de palha na qual os expositores colocam a sua arte a venda. Estar de carro pelo Atacama nos possibilitou realizar diversos passeios sem precisar de agência de turismo. Nós pudemos nos encantar pelo azul das lagoas escondidas de Baltinache, ao todo são sete lagunas cada uma com um tom diferente de azul, sendo que em duas dessas (a primeira e a última) é permitido o banho. Apesar da água não ser das mais quentes, a experiência de flutuar nessas lagunas de sal é incrível. Para compensar o frio nós visitamos as Termas de Puritama, cerca 30 Km de distância da área central de San Pedro do Atacama. Composta por oito piscinas naturais que variam de temperatura entre 28°C e 35°C. Também vale um passeio pelo Valle de la Luna para prestigiar um digno sunset no deserto. A cidade vive do e para o turismo, então a entrada em todos estes passeios são pagos. A alimentação no Chile, especialmente, no Atacama não é das mais baratas, porém a comida é bem deliciosa. Alguns restaurantes servem prato do dia com entrada, prato principal e sobremesa com valor acessível, como o restaurante Ayullu. Vale também uma passada na heladeria Babalu para tomar um sorvete de folhas de coca ou quinoa, dois sabores caraterísticos da região. Por falar em quinoa diversos pratos levam este cereal, como o quinoto (risoto de quinoa) e o ceviche de quinoa, dentre outros. Para não esquecer, também vale comer a patasca, prato típico andino, que consiste em um caldo com trigo ou milho, temperos e carne. Sobre os transportes Nesta trip nós utilizamos basicamente quatro tipos de transporte avião, Uber, carro alugado e a caminhada. No trajeto de avião nós compramos um pacote multidestinos de ida e volta entre Porto Alegre, Buenos Aires e Santiago pela Aerolíneas. A Aerolíneas é uma empresa área Argentina, que oferece um serviço básico com lanche que inclui uma barrinha de cereal, mix de oleaginosas e um café, chá e/ou água. Também compramos as passagens domésticas entre Buenos Aires e Bariloche e entre Santiago e San Pedro do Atacama ambas pela Jetsmart. Essa é uma empresa do tipo low cost que apesar de não oferecer nenhum um lanche, compensa pelos valores de voos baixíssimos. Nas cidades de Buenos Aires e Santiago nós utilizamos o Uber para fazer os deslocamentos entre os aeroportos e os locais de nossas estádias. Na Argentina apesar do Uber ser liberado existem muitos motoristas irregulares, já no Chile o Uber não é legalizado o que implica em alguns fatores como a solicitação e o embarque em pontos específicos da cidade e o pagamento, muitas vezes, exigido em dinheiro. Já em Bariloche e em San Pedro do Atacama nós alugamos carros. No primeiro destino um Nissan Versa e no segundo um Gol, ambos deram conta de subir os cerros ou percorrer as estradas de chão no deserto. Nestas quatro cidades sempre que possível utilizamos o nosso transporte favorito, a caminhada sempre com o nosso velho amigo o chimarrão. Documentação Além dos passaportes, da carteira internacional de vacinação, da Carteira Nacional de Habilitação e da Permissão Internacional para Dirigir, ainda montamos um dossiê com a cópia de todos documentos: seguro viagem contratado com a empresa Allianz, hospedagens reservadas no airbnb e no booking, comprovantes financeiros, cópia da reserva da passagem de volta para Brasil e comprovantes de residência no Brasil. Nos países da América do Sul os brasileiros podem viajar apenas com o documento de identidade, lembrando que a Carteira Nacional de Habilitação não substitui a identidade em viagens internacionais. Moeda Nós realizamos o câmbio nos próprios países e em apenas duas cidades, o primeiro foi em Buenos Aires trocando o real pelo peso argentino, na Avenida 9 de Julho. No segundo momento trocamos o real pelo peso chileno em Santiago, na Rua Agustinas. Em alguns momentos da viagem optamos por usar o cartão de crédito internacional pela praticidade em não carregar dinheiro espécie. Um perrengue que passamos foi tentar fazer compras nos mercados e o cartão não passar, por sorte descobrimos que o problema era um pedaço do plástico que estava solto e impedia a leitura do chip. Depois de duas tentativas de compras negadas e da descoberta do problema, cortamos o plástico e o cartão voltou a funcionar normalmente. Sabe aquele seu cartão que está velhinho, melhor trocar antes que você fique empenhado. Esperamos que nosso relato possa contribuir e despertar o espírito mochileiro em outros viajantes! Partiu próximo destino?
  11. No final de Out/19 passei um final de semana em Buenos Aires, numa viagem cujo principal objetivo era tão somente levar meu velho pra sua primeira viagem de avião (minha mãe foi junto, mas já viajou antes), sem muitas expectativas...e que acabou sendo uma surpresa pelas belas paisagens urbanas e rica gastronomia dos hermanos. PREPARATIVOS: 1 - PASSAGENS AÉREAS (USD 831,60/BRL 3.575,88 - 3 pessoas): O grande motivador da viagem...meu pai é fanático por aviões, muito embora nunca tivesse andado em um antes. Então queria proporcionar a melhor experiência possível, porém como trabalho de segunda a sexta num emprego quase sem flexibilidade a viagem teria que ser feita obrigatoriamente num final de semana. Também queria que ele tivesse a sensação de uma viagem internacional, daquelas feitas em aviões grandões (wide-bodies). As únicas opções viáveis então eram Santiago pela Emirates ou Buenos Aires pela Qatar ou Turkish (todos operados pelo B777) saindo na sexta no final da tarde e voltando na madrugada de segunda. Optei por Buenos Aires pela viagem ser mais curta (2h50 na ida e 2h30 na volta). Como o voo de ida da Qatar saía mais cedo preferi ir de Turkish, as tarifas eram praticamente iguais, e caras por conta da pouca antecedência (comprei com pouco mais de 1 mês da data da viagem). A franquia de bagagens era excelente, até 2 peças de 32 kg (embora recentemente a Turkish tenha reduzido para 23 kg) 2 - HOSPEDAGEM (AIRBNB - BRL 510,34 - 3 diárias): Apartamento de 3 quartos e 2 banheiros no bairro da Recoleta, na Calle Posadas. Escolhi 3 diárias para não ter que ficar o dia todo na rua até voltar ao aeroporto (o voo de volta era perto da meia noite). 3 - SEGURO VIAGEM (ALIANZ - BRL 90,78 - 3 dias/ 3 pessoas): Aproveitei uma promoção que apareceu pelo Melhores Destinos...não precisei utilizar. DIA 1 - 25/10 Partida: O voo iria deixar o portão as 18h30 da sexta-feira, então sem chance de cumprir minha jornada integral no trabalho nesse dia (trabalho até 18h na Zona Sul de SP). Então negociei meio período de ausência com a chefia. Detalhe: Fui de transporte público todo o trajeto, há alguns meses existe uma extensão da linha de trem que liga o Aeroporto de Guarulhos até a malha ferroviária de SP, ele parte da estação da Luz em (poucos) horários específicos. Paguei R$ 8,00 (tem que ser em dinheiro vivo) por uma viagem sem paradas até GRU. Quase que perdi o trem das 14h (depois salvo engano só teria outro as 16h, ver horários e tarifas aqui), mas consegui pegar e valeu muito a pena, o trem vai bem vazio e chega lá em rigorosos 35 min...para ter uma ideia meus pais foram de 99 entrando na marginal Tietê quase no mesmo horário e distância do aeroporto e chegaram lá uns 20 min depois. O problema é só esperar o Shuttle que leva aos terminais (ônibus lotado e sem a/c) pois a estação é distante em mais de 1km (há previsão de construção de um monotrilho para cumprir esse trajeto até 2021). Chegada/câmbio/transporte: O voo foi tranquilo, saiu com um leve atraso, mas chegou no horário previsto (21h30). O fuso horário de toda Argentina é o mesmo do que o de SP então sem nenhum problema em relação a jetlag. Passamos pela imigração (só perguntam para onde vai e onde vai ficar), e procurei por placas indicando a localização do Banco de La Nación para fazer câmbio. Aí veio a primeira impressão negativa (seriam bem poucas ao longo da viagem), o aeroporto de Ezeiza é uma zona,mal sinalizado e muito apertado. O bom é que o português é quase um segundo idioma oficial então achar algum funcionário que entende algo não será difícil. Depois de perguntar no balcão de info localizei a agência, que fica beem escondida. Lá troquei BRL 500,00 por ARS 7.050,00. Depois, nova penúria para achar o ponto onde era mais tranquilo de pegar Uber (ainda há uma tensão no ar em relação a briga com taxistas, mas pessoalmente não vi nenhuma confusão nesse sentido). Então para te poupar desse martírio já te digo: ao sair do aeroporto (Terminal A, de onde chegam os voos internacionais) você vai andar reto por pelo estacionamento A e passar por uns desvios (quando fui estavam ocorrendo obras no entorno) até chegar no Estacionamento B que é envolto por uma avenida circular (ver mapa abaixo). Nessa avenida pode ficar esperando o Uber tranquilamente. Ficamos próximos ao terminal de ônibus. Uber (Ezeiza até Recoleta ARS 682,43): Tive muitas experiências ruins com Uber na cidade. Não sei se foi azar, a hora, má-fé generalizada ou problemas com a economia local, mas simplesmente todos os motoristas que peguei (exceto um) queriam receber a corrida em dinheiro ou reclamavam que só pegavam corridas em cartão de crédito. Fiquei mais de meia hora até achar um motorista que aceitasse receber no cartão através do APP, alguns simplesmente cancelavam a corrida se você falasse que não iria pagar em dinheiro. E como sei bem do golpe da nota falsa eu me recusei a aceitar isso. Por todos esses motivos fomos sair do aeroporto já eram 23h (um bom samaritano enfim aceitou pagamento no cartão e não reclamou por isso). Outra coisa a maioria dos carros que servem o Uber lá são mais velhos do que os daqui (exceto novamente essa pessoa que me buscou no aero). A viagem do aeroporto até o centro de BsAs é longa, 40 minutos por uma auto-estrada com dois pedágios. Fui chegar no AirBnB já era meia noite passada.
  12. Boa tarde povo, vi outros mas vou ser um pouco específico e se puderem me ajudar agradeço. Meu destino é Bariloche e.minha viagem é no final do mês de junho, vou ter uma escala em Buenos Aires no Aeroparque e precisava de dicas para comprar roupa de frio e até neve próximo ao aeroporto, ou talvez não seja o recomendado, me digam aí por favor.
  13. Fala Galera, finalmente to tomando coragem pra fazer minha primeira viagem sozinho. Sempre fiquei dependendo de ter alguém pra viajar comigo mas datas, orçamentos e disposição nunca bateram, e nunca consegui viajar. ACHO QUE AGORA VAI, tenho um certo receio de estar por conta própria, mas acho que faz parte da experiência. Sempre quis viajar pra Argentina e há anos tenho pesquisado e feito vááários roteiros que nunca se concretizaram. Agora, pesquisando preços de passagens, achei valores que achei incrivelmente baixos e antes de reservar, queria confirmar com vocês se meu (pouco) planejamento até agora está nos conformes e se os valores realmente valem a pena. Bem, moro em Florinópolis/SC, mas achei as seguinte passagens: Porto Alegre para Buenos Aires FLYBONDI Ida: 14/04 (19:25 - 20:10) Volta: 30/04 (17:05 - 18:40) Total: R$426,91 A Flybondi não tem bagagem incluída, porém eles mencionam isto: A piece of hand luggage of up to 6kg is included. If you are flying to or from Brasil, 10kg are included for hand and cabin luggaged combined. Então eu teria 10kg para levar na cabine. Vocês acham que é possivel passar 16 dias (no possível frio de Bariloche) com 10kg de bagagem só? Eu teria que pagar 110 reais por trecho pra levar mala de 20kg. Buenos Aires para Bariloche AEROLINEAS ARGENTINAS Ida: 17/04 (13:00) Volta: 29/04 (15:25) Total: R$316,43* *Aqui que pega, esse voo não inclui nenhuma bagagem, apenas "mochila que caiba embaixo do assento", não achei peso nem nada, porém para poder levar bagagem adicional, que também não sei ao certo o peso, pelo site da Cia, seria cerca de R$50 por trecho, então o total poderia ficar em R$ 416 +-. O que acham? HOSPEDAGEM: No Booking.com, encontrei o Hostel HOPA-Home Patagonia Hostel & Bar, a 1,1km do centro (no site deles diz 700m). 12 dias - R$371 + R$78 de ISS (Quarto compartilhado com 8 camas) Alguém já se hospedou neste hostel? Parece ser bom e bem completo, porém queria opiniões da galera daqui. O preço está ok também? O QUE FAZER: Bem, aqui eu teria que com tempo reler meus guias, comprar guias novos (o que tenho é de 2013), e meus roteiros antigos, porém tenho uma boa noção do que quero conhecer, até locais mais distantes, como El Bosón, Ventisquero Negro, Rota dos 7 Lagos, etc. O problema é que dessa vez meu planejamento vai ser sem carro, e estou 100% desatualizado em como tá a situação lá pra usar Uber, 99, Bla bla car, etc, qualquer tecnologia que facilite transporte. Ou se ainda devo me focar em tours, passeios contratados pra conhecer certos lugares, tipo fazer o circuito chico, grande, rota dos 7 lagos, e idas pra lugares mais longe. E até mesmo transporte dentro da cidade. Vocês poderiam me dar um help nisso? Eu queria muito conhecer alguém lá e fazer esses passeios juntos. Mas enfim, para conhecer bem Bariloche e região, vocês acham que 11, 12 dias dá com tranquilidade? Não sei que tipo de viajante sou, mas sei que quero apreciar muito o lugar. E também, coloquei uns 3 dias para Buenos Aires, acho que vai ser meio corrido, mas como meu foco é Bariloche mesmo, acham que é suave deixar esse tempo pra capital? Eu queria muito incluir Mendoza e o Aconcágua nessa viagem, mas acho que encareceria muito, mas fazia parte do meu roteiro dos sonhos, mas acho que fica pra uma próxima. Desculpem o post longo, mas tentei organizar o máximo possível! Valeu galera!
  14. Fala galera, depois de 8 anos tentando viajar pra Argentina, FINALMENTE VOU AAAAAA, E SOZINHO!! To quase fechando meu roteiro pra Buenos Aires, mas gostaria da opinião e pitaco de vocês sobre minha distribuição de dias pros bairros. Desculpa pelo post gigante pessoal, mas primeira viagem sozinho, minha cabeça ta a milhão e tem coisa que não to conseguindo pensar sozinho. Meu negócio é fazer tudo com mais calma, absorvendo a atmosfera e querendo aprender tudo que der sobre a cultura e história do lugar, então bastante museu, locais históricos, arquitetura, e sem ficar correndo de um lugar ao outro pra ver tudo num dia. Não estou cheio da grana também, então vou economizar onde der, principalmente alimentação, pra poder esbanjar uma ou duas vezes. A cada dia vou fazendo comentários específicos: 5 de Maio - Terça-feira: 19:25 - Vôo de Porto Alegre 21:10 - Chegada no aeroporto El Palomar Noite - Chegar no Circus Hostel San Telmo, e jantar? Aqui que vou chegar tarde no hostel, largo as coisas e dou uma voltinha pelos arredores até pra comprar coisas de higiene, e já jantar de repente? 6 de Maio - Quarta-feira Manhã: - Cambio no Mais Brazucas e comprar chip de celular na Claro 10:30 - Free Recoleta Tour no Teatro Colón Tarde: Palermo Da tempo de sair cedo do hostel, ir até a Florida, fazer cambio, comprar chip, e ir até o Teatro Colon as 10:30? O Free walk tour da recoleta vale a pena como primeira introdução? Depois do tour, a tarde, eu iria conhecer melhor o Cemitério, a Recoleta e Palermo. Com calma dá pra fazer isso num dia? Ou melhor separar? 7 de Maio - Quinta-feira Manhã: - Dar uma volta em San Telmo e ir a La Boca. 14:30 - Tour histórico/antropológico de 3 horas (P. Lezama, monumento Mendoza, C. Defensa, Dorrego, Mercado San Telmo, CGT, Praça perón, Santo Domingo, Plaza de Mayo) - Show de Tango Aqui vou tirar a manhã pra dar uma voltinha pelas redondezas do hostel em San Telmo, e ir pra La Boca. Dá pra fazer La Boca até o começo da tarde? As 14:30 marquei um tour de 3 horas com um antropólogo e historiador pelo Airbnb, saindo do Parque Lezama e indo até a Plaza de Mayo, onde ele vai explicar sobre as colonizações, a história por tras dos locais, e sobre imigração, etc. É o que mais estou empolgado, pois vou ter um ótimo contexto da cidade. Depois de andar um monte, lá pelas 17:30, não sei se vale a pena fazer algo lá pelo Centro, ou volto pro hostel e me arrumo pro Tango a noite, estou vendo de ir no Esquina Homero Manzi. 8 de Maio - Sexta-feira - Retiro - Congresso - Centro Esse dia vai ser pra turistar pela região do centro. Tudo o que tiver por ali to fazendo uma lista. Mas não sei se vai ficar pesado e corrido tudo isso, parando nos palácios, museus, fazendo tour por dentro dos prédios, etc. (EX: Catedral, Centro cultural Kirchner, Galerias Pacifico, Museu numismatico, Palacio Barolo, Palacio del congresso, Palacio de las aguas corrientes, Palacio Paz, etc) 9 de Maio - Sábado - Tigre 14:00 - Tour histórico de 3 horas caiaque pelo delta. Aqui ta tudo encaminhado. Vou passar o dia em Tigre e a tarde fazer um passeio de caiaque com um antropólogo, ao invés de fazer paseio de catamarã, assim posso aprender melhor sobre a região e conhecer os lugares mais afastados. 10 de Maio - Domingo Manhã: - Puerto Madero - Costanera Sur 15:16 - Vôo para Bariloche (El Palomar) 17:38 - Chegada Aqui penso em conhecer Puerto Madero de manhã e o Costanera Sur. As 15:16 tenho voo para Bariloche, volto pra BsAs dia 23. Porém aqui da pra trocar as atividades com outro dia, como o dia 24 ou 25. 23 de Maio - Sábado 15:55 - Voo de Bariloche para Buenos Aires 17:57 - Chegada em Buenos Aires (El Palomar) Noite: Puerto Madero Chego no fim da tarde em Buenos Aires de novo, e pensei em deixar as coisas no hostel e ir conhecer Puerto Madero a noite, pq dizem que é legal ver tanto de dia quanto a noite. Ou daria pra fazer outra coisa. Sugestões? 24/5 - Domingo San Telmo (+ feira) Feria de Mataderos Mais um dia que envolve São Telmo, dessa vez pra curtir a feira e o bairro, e também a Feria de Mataderos. Vale a pena separar um dia só pra isso? Ou daria pra incluir algo mais? 25/5 - Segunda-feira FERIADO Chacarita Belgrano Balvanera Caballito ou Programação do feriado (existe?) OK, aqui é onde tenho mais dúvidas. Vou estar em Buenos Aires BEM NO FERIADO DA REVOLUÇÃO DE MAIO. Isso me parece ser bem significativo. Esse ano cai numa segunda-feira, quando museus geralmente não abrem. Vocês sabem como será esse ano? Vale a pena eu dedicar o dia pras comemorações/temática da época, ou daria pra turistar normalmente? Pensei em deixar esse dia pra conhecer estes bairros menos visitados, até pra ver o museu de Gardel, o Cemitério onde ele está, etc. Mas também, se as coisas estiverem fechadas, não valeria a pena. O que acham? 26/5 - Terça-feira Talvez revisitar algum lugar ou o que faltou 17:05 - Vôo para Porto Alegre (El Palomar) 18:40 - Chegada em Porto Alegre Último dia, e pensei em deixar em aberto pra voltar pra algum lugar que gostei, ou usar ele pra aliviar algum outro dia que ficaria muito corrido. ________________ Ufa, é isso. Não coloquei os detalhes de pontos turísticos e tal porque não queria estender, e já tenho uma noção do que fazer, só queria acertar os dias, pra já ter um planejamento mais claro, e pra poder ajeitar meu financeiro. De novo, foi mal pelo post gigante, mas to lutando pra reunir o máximo de informação possível, qualquer ajudinha será muitíssimo bem-vinda, e trago uma lembrancinha ainda hahahaha Abração!
  15. Tô passando pra avisar que mês que vem "fevereiro" vou fazer uma trip épica rumo ao Uruguai bem "mão de vaca" pegando caronas, barraca e etc .. Já te adianto que vai ser tri legal Fico pilhado? Ta afim de ir? van bora!!
  16. Assista em video no Youtube - Argentina Estarei mostrando os pontos turísticos principais da cidade de Buenos Aires na Argentina, bem como algumas dicas para curtir a cidade. Foi necessário 3 dias para conhecer a cidade, mas creio que de 4 a 5 dias são mais do que o suficiente para visitar com mais tranquilidade. Em relação aos custos, achei os preços em torno de uns 10% mais barato que o Brasil, então realmente valia a pena viajar neste país. Na segurança, posso dizer que havia um ótimo policiamento na cidade, em todos os pontos turísticos, havia 1 policial a menos de 2 quarteirões. Use e abuse do Uber quando for num local que não é coberto pelo metrô ou de noite. O transporte público, existe um cartão chamado Sube, que é altamente recomendado a compra. É possível adquirir em qualquer estação do metro ou bancas de jornal. O cartão custa em torno de 90 pesos argentinos que dá em torno de R$ 8,50. Recarga em qualquer estação do metrô. Quase 80 a 90% dos pontos turísticos estão cobertos pelo metrô e o melhor de tudo isso, o valor de cada trajeto de metrô sai por menos de R$ 2,00. É muito barato! No Teatro Colón, dá para realizar visitar monitaras, mas estavam bem caros, em torno de 500 pesos argentinos, que dá em torno de R$ 45,00. Não vale o preço. Temos o Obelisco com as iniciais da cidade. No Café Tortoni, recomendo fazer um café da manhã. Venha um pouco cedo, senão terá que fazer filas para entrar. É um pouco caro, mas vale a pena a experiência. Na Catedral Metropolitana, tem o mausoléo com os restos do General José de San Martin, responsável pela independência da Argentina, do Chile e do Peru. A Casa Rosada é a sede da presidência da república Argentina. Recomendo visitar o bairro San Telmo de Domingo, já que nesse dia da semana é que acontecem as feiras de antiguidades e artesanato. No final da rua, teremos a escultura ou estátua da Mafalda. É um ponto turístico, mas que achei nada demais. Puerto Madero é um bairro residencial, com belos parques, ruas limpas e arborizadas. É bom para caminhar e conhecer. Mas o melhor está nos restaurantes próximo ao rio. Vale a pena visitar aqui de dia e também de noite, pois cada um tem o seu charme. Os preços dos restaurantes estão na média de 400 a 800 pesos, que dá em torno de R$ 40 a 80 reais. A visita no Museu Fragata, muito barato, tava custando uns 20 pesos, que dá em torno de R$ 2,00. A Puente de la Mujer, à noite tem uma outra iluminação que vale a pena conhecer. El Ateneo, é uma das livraria mais conhecidas em Buenos Aires, posso dizer que seria a mais bonita do mundo. Construído num antigo teatro Gran Splendid inaugurado em 1919. No fundo, onde tem o palco, fica o café, com o qual também recomendo passar. Na parte inferior, tem os livros focado para o público infantil. De todos os locais, o Barrio Chino é um lugar que não recomendo a visita. Seria praticamente que um Chinatown, mas se resumia a uma simples rua com no máximo 3 quarteirões com lojas ou restaurantes chineses. Foi uma perda de tempo. Aqui era o caminho que fiz entre diversos parques, para se chegar no Bosques de Pallermo. É bem bonito, bom pra fazer um piquenique, curtir a paisagem ou andar de pedalinho. Vi que muitos casais utilizavam o local pra fotos de casamento, achei isso interessante. O ponto ruim daqui é que tinha poucas árvores com sombra, então em dia de sol vai ser um pouco cansativo. No El Caminito fica um pouco afastado do centro de Buenos Aires, não tem metrô por perto, dá para chegar de ônibus ou Uber, que foi o meu caso. Recomendo não se afastar muito do ponto principal, pois as ruas ficam um pouco vazias. É ótimo pra fazer o seu almoço aqui, vendo os pequenos shows de tango. Na Faculdad de Derecho foi o caminho pra chegar na Floralis Genérica. Que é uma escultura metálica feita em 1943, localizado acima de um espelho de água, tem 23 metros de altura, a flor é de aço inoxidável com esqueleto de alumínio. Pesa 18 toneladas. Andando um pouco mais temo o Cemiterio de la Reconleta, dizem ser um dos cemitérios mais visitados do mundo e um dos principais pontos turísticos da cidade. Estão enterrados aqui grandes personalidades da história argentina, como presidentes, militares, economistas, poetas, escritores, ministros, artistas e pessoas que tem muito dinheiro. Como não conhecia muito a história da Argentina, fui visitar somente o túmula da Eva Perón a Evita, que foi a primeira dama da Argentina. * Links - App do Metro de Buenos Aires Android https://play.google.com/store/apps/de... IOS https://itunes.apple.com/us/app/bueno... - Cartão Sube https://www.argentina.gob.ar/sube
  17. Fala Mochileiros.. Procuro dicas para aperfeiçoar o meu roteiro e a quantidade de dias que se faz interessante para cada local. Planejo o roteiro entrando pela Argentina (buenos Aires), saindo pelo Chile (Santiago), em junho de 2020. Tenho 25 dias disponíveis. Vôo. Teresina & buenos Aires (buenos Aires 3 dias). Vôo. Buenos Aires & Bariloche (Bariloche + Villa la angostura 5 dias). Vôo. Bariloche & Buenos Aires e Buenos Aires Ushuaia. (Dia para viagem). Vôo. Ushuaia & El Calafate (4 dias El Calafate). Ônibus. El Calafate & Puerto Natales (5 dias Puerto Natales + Parque torres del paine). Ônibus. Puerto Natales & Puta Arena (2 dias Puta Arena). Vôo. Punta arenas & Santiago ( 4 dias Santiago) + VALLE NEVADO ou FARELLONES. Vôo. Santiago & Teresina. 1 dias para emprevisto. Quero aproveitar ao máximo o tempo em viagem. Desde já agradeço pela atenção. Bora Mochila..
  18. Ola Mochileiros, Me chamo Francisco, e desde 2018 realizei uma viagem ao Chile da qual foi para mim um divisor de águas. Motivo? Meus amigos, voltei acreditar num sonho distante de poder viajar, falar com um estrangeiro, ver neve, ter história e viver aventuras. Pois bem, irei contar a meu Mochilao que fiz em 2019. Brasil/Paraguay/Argentina/Uruguay Peso Argentino 12,0 em Puerto Iguazu Peso Argentino em Bueno Aires 10,70 Peso Uruguaio em Montevideo 10,7 Inicio da viagem foi no domingo 28/07, sai de Rio Verde- Go rumo a Goiania- Go. 4 horas de Viagem em Bus e um perrengue.... é amigos kkkk começou ae, perdi o ticket do mochilao e os motoristas não queria liberar meu mochilao. Até que eles levaram a minha passagem como comprovante que era minha mesmo a mochilao ( tinha seguro então eu tava preocupado atoa) todo trajeto, alias uma grande parte é de Onibus... é uma forma bem econômica. De lá peguei um Onibus que ia de Goiania-Foz pela RODE ROTAS, onde iniciaria meu trajeto. São 30 horas de viagem, conheci muitas pessoas em cada parada do ônibus e é a coisa legal de poder fazer esse tipo de trajeto. Cheguei na rodoviária de Foz, lá é muito bem estruturado. Tem centro de Informações para turistas e um bom restaurante. Eu almocei varias vezes, 18 reais a refeição. Bom, fiquei hospedado num hostel bem simples de 20 reais.... sim 20 reais kkkkk lugar muito bacana e perto da avenida que ia para o Aeroporto e as cataratas. Passei 3 dias lá, uma dica de ouro pra você que é Mochileiro de primeira viagem. Vá ao supermercado e compre algo pra fazer lanche e suas refeição, isso ajuda no custo. Outro detalhe use e abuse do transporte coletivo de Foz custava 3,75 na época que fui . Após passar o primeiro dia de chegada descansando. No segundo fui com tudo, direto pro Parque Nacional do Iguaçu. Que lugar maravilhoso, superou minhas expectativas era um momento único amigos.... só fiquei um pouco triste por não poder ter a companhia de minha namorada e meus amigos, então fiquei gravando vídeos e vídeos para eles. Passeio custa 42 reais para nós BR. Faça o trajeto na hora que você achar mais prático, mas não vá em Julho senão vai pegar fila até pra andar próximos as pontes. Fui pela manhã tinha mais gringo do que Br. Fiz amizade com um Casal de Argetinos super legais e um Bahiano muito gente boa. Passeio muito bom. Depois resolvi visitar o parque das Aves, é ao lado... mas se saber se vale ou não... bom, se tiver dinheiro e tempo sobrando vai na fé filhao kkkk. Ice bar, Parque dos Dinossauros e o Dream Land eu não fiz por conta do orçamento. Próximo dia é Dia de comprar no Paraguay, pegue um ônibus chamado Easy Bus que passa nas principais avenidas de Foz ou a atrás do TTU que é um Terminal de Transporte Urbanos onde se faz baldeação para as outras rotas de Onibus. Lá nesse TTU tem umas lojinhas de Souveniers bem em conta e variados ( lembranças compradas no parque do Iguaçu e no Parque das Aves são bem caras, mas são bem exclusivas deles). De la peguei ate a entrada da receita federal Brasileira e depois atravesse de pezao a ponte da Amizade ( só desci porque a fila tava imensa para entrar no paraguay). Trajeto tranquilo porem, tenha cuidado com os que te abordam vendendo coisas. Na entrada de Ciudad Del Este é LOTADAAAA de vendedores de tudo mesmo. Faça suas compras e explore o que tem de novidade la nesse lugar. Só não dê a bobeira de perder a carteira lá. Fui era 8 da manha e 10 horas eu estava voltando. Fui so pra comprar algo que eu já tinha pesquisado e estava bem traçado a rota. Na volta foi tranquilo, exceto na aduana Br... porque né ? aduana Paraguaia num quer travar nada. Bom isso cada um terá uma experiencia diferente. Voltei pro hostel e fui almoçar para visitar a Imensa Itaipu, que lugar enorme de Grande. Novamente peguei um busão para ir até la. Ingresso custa 40 reais. Conheci uns peruanos que estavam em lua de mel em Foz, fizemos o passeio contando nossas aventuras e viagens. Recomendo fazer o passeio panorâmico, gostei demais por conhecer essa magnitude de Usina e represa. Voltei pro hostel e pra completar o dia apareceu mais viajentes kkkk, Dois Suecos, Japonês e um Colombiano... pena que não pude conversar com cada um porque de manha cedo era meu último dia para partir Rumo Puerto Iguazu – Arg. Atravessia foi tranquila, a empresa Easy bus também faz esse trajeto e custa 10 reais. Aduana Super de boa, só me perguntaram o motivo da viagem e se eu tinha uma reserva do Hostel. Troquei o real pelo peso argentino na casa de Cambio Austral – super recomendo. Leve seu Rg ou Passaporte para trocar dinheiro é obrigatório. Após disso, fui ao meu hostel guardar minhas coisas e seguir o Passeio. Também fiz as cataratas pelo lado argetino e confesso... la tem muito mais quedas e bem mais bonito. Mas é muito extenso o trajeto, por isso reserve umas 5 a 6 horas do seu dia. A passagem para ir as cataratas é adquirida na rodoviária de Puerto Iguazu, empresa chamada Rio Uruguay compre ida e volta logo, o ingresso do parque na Argentina é 650 pesos . Faça seu trajeto e curta o passeio. Cheguei no hostel era 6 horas e já fui direto para o Hito Tres fronteiras. Detalhe, para você que for super pão duro como eu kkkk lá é de graça visitar esse espaço para ver o encontro do Rio Iguaçu e o Paraná e a divisa das 3 Nacionalidades que são: Paraguay, Argentina e o nosso Brasil. Recomendo quem puder visitar tanto o do lado Argentino como o do Brasil ( Custa 22 reais). E lá tem muitas lojinhas de venda de souvenir bem baratos. Dia seguinte foi outra despedida, e rumo a Cascavel no Paraná que de lá eu iria para outra cidade no grande Estado do Rio Grande do Sul, onde eu tenho amigos que vivem lá. Viagem cansativa e com muitos atrasos, eu tava até acostumando com atrasos kkkk e la se vai meu sábado do dia 3/8 e cheguei no meu destino final as 6 horas do domingo 4/08. Eu estava com uma sensação que naquele momento eu tinha acabado de sentir que o medo de todo trajeto que eu estava criando só era coisa da minha cabeça... mas sim a cada lugar que passava uma parte desse medo ia embora. Menos a saudade, fazer uma viagem sozinho é muito bom pela questão de liberdade que se tem em horário e o que fazer, quando fazer e o motivo. Conheci a cidade de Itaqui, onde meus amigos estavam la me esperando. Muito bom poder rever após 3 anos, segunda a noite 05/08 eu já partiria rumo Uruguaiana e de lá Bueno Aires. Saímos atrasados para rodoviária e so tinha eu pra embarcar, deixei minha preciosa agua cair no chão ( quem já visitou Argetina sabe o tanto que é Salobra essa água) cheguei 0:00 no terminal, e o meu Onibus Da JBL era as 4 da Manhã.... rodoviária um Breu e a única alma penada era eu kkkk não tinha ninguém nessa bagaça, até que chegou uma gaúcha e ficamos conversando por um tempão e o guardinha apareceu e chama nós para tomar chimarrão kkkk dispenso meus amigos, queimei língua duas vezes já. Ela fazia medicina e estava no 3 ano e morava no entorno da faculdade e me deu umas dicas para não cair nas ciladas assim que se sai da Rodoviaria. Amigos , Buenos Aires é lindo... mas a rodoviária e a saída dela parece um lixão e muitos vendedores ambulantes e pessoas pedindo dinheiro. Assim que sair da rodoviária, pegue a direita e vá ate a estação Mitre, do lado tem o Metro retiro linha C. Lá é muito lotado e só passei raiva no transporte coletivo. Pois bem, cheguei nessa cidade e não me deixei ser levado pelas primeiras impressões. No dia seguinte fui andar e conhecer todos os entornos do bairro onde estava hospedado. Muito lindo, no outro dia reservei para visitar Caminito e la Boca.... lugar que super recomendo para gastar em lembranças e tirar fotos. Por mais que seja fácil comprar no real, procure pagar no peso Argentino, senão eles acabam te enganando com as cotações. 09/08 Dia de visitar meu último País antes de voltar para casa, Colonia del Sacramento – Uruguay. Se eu estava com sorte de pegar diversos trajetos com sol... esse foi aquele momento que azedou... tomei chuva desde madrugada, Fui pela Colonia Express, uma empresa Low Coast de ferry Boat que atravessa o rio da Plata e paguei um pacote de ida e volta por 330 reais e um almoço Incluido. Senão fosse a chuva, o passeio teria sido sem duvida excelente. Uruguay é caro demais, então se prepare para gastar. Ande por todas as bandas, la é bem curtinho. Terminal Hidroviário é bem legal, tem Wi-fi liberado ae cambada. Dae você sobe no segundo piso e pega as tomadas huehuehue. Para vocês terem noção, a Buquebus é mais cara para fazer esse trajeto. Para encontrar a Colonia Express é so descer toda o entorno do Puerto Madero, não tem erro e é muito seguro a empresa. Dia 10/08 Eu estava quebrado e gripado por conta de ontem, resolvi visitar umas praças e um lago da reserva do Puerto Madero. E fui na Rodoviária comprar a passagem para Puerto Iguazu. Detalhe viajantes, lá não tinha bebedouro e se tinha não saia água. Dia 11/08 minha volta para casa, jornada seria longa peguei um ônibus de Buenos Aires para Puerto Iguazu que me custou 2000 pesos argetinos com duração de 20 horas de trajeto pela Empresa Crucero del Norte... quando começou a partir que sensação triste, mas é gratificante de quando eu olhei as fotos da barra de rolagem do celular, putz.... eu consegui fazer essa viagem.... e foi uma missão que eu havia me dedicado e planejado por 1 ano, e recebi muitas e muitas críticas por dizer esses planos... muitas vezes amigos, as pessoas não estão nem ae pelo seus sonhos e outras querem só saber de te chama de ignorante, te desanimam e te coloca contra você mesmo. Sabe o que fiz?, contei só para quem eu sabia que importava comigo. E seja assim amigos, independente se esteja só ou acompanhado... independente do destino... é você que irá fazer a sua história e viver sua aventura! Dia 12 chegando na rodoviária de Puerto Iguazu, já fui direto para Foz e de lá para rodoviária para pegar o Ônibus para Goiânia. Dia 13 chegando em Goiânia Dia 14 Cheguei em Rio Verde. ( aconteceu algumas coisinhas de viagem nessa volta, mas era uma revista policial, ônibus com defeito, motorista deixando os atrasados para tras kkkkk coisas Normais) Espero ter passado para vocês as informações necessárias e divulgar um pouco desse roteiro que procurei e não havia encontrado muito. Usem o Aplicativo Rome2Rio e ClickBus para procurar ônibus dos trajetos, na Argentina pagar em dinheiro as passagens de ônibus são bem mais interessantes, pois algumas empresas dão desconto para quem paga a dinheiro.
  19. Já pensou em ir pra Ushuaia sem gastar 1 centavo com hospedagem e viajando a maior parte do tempo de carona? link do vídeo 1 da viagem no youtube: https://youtu.be/GpeOd9NBSKE Foi o que eu e minha namorada fizemos. Saímos do interior de SP com o único objetivo de chegar a Ushuaia aproveitando ao máximo o caminho. Sem muito dinheiro, precisávamos economizar de todas formas disponíveis. Os maiores gastos geralmente são: A hospedagem, o transporte e a alimentação. Para a hospedagem levamos uma barraca e usamos o couchsurfing. Para o transporte pedimos carona ao longo de toda Ruta 3, o que nos rendeu experiências incríveis e amizades inesquecíveis. E para a alimentação simplesmente cozinhavamos sempre que possível e muitas vezes nossos anfitriões faziam comidas incríveis para a gente. Também pedimos frutas em hortifrutis (detalhes no texto). Nosso primeiro destino foi Foz do Iguaçu. Optamos por ir de avião para lá, pois no fim das contas sairia muito mais barato do que ônibus, além de mais rápido. Chegando lá a gente se hospedeu pelo couchsurfing com a María e seu gato Naru. Que foram muito receptivos. O couchsurfing é uma plataforma para pessoas apaixonadas por viajar que gostam de compartilhar suas experiências e ajudar o próximo. Se ainda não usa, procure para sua próxima viagem. Conhecer as pessoas locais dessa forma deixa tudo na viagem mais orgânica e imersiva. Ficamos uns cinco dias em Foz e depois partimos. <iframe width="560" height="315" src="https://www.youtube.com/embed/GpeOd9NBSKE" frameborder="0" allow="accelerometer; autoplay; encrypted-media; gyroscope; picture-in-picture" allowfullscreen></iframe> Em Buenos aires novamente utilizamos o couchsurfing. Foi bem fácil encontrar hospedagem por lá. Quem nos hospedou foi a Eliana e sua família. Foi tudo tão bom que em poucos dias já nos sentíamos parte da família. Ela tinha aquele jeito mãezona, que nos deixa aconchegado e bem a vontade. Entre as conversas com eles, nos falaram e ressaltaram do frio que iria fazer em Ushuaia, pois o inverno estava chegando. E do quão mal equipados estávamos. Aliás, se fôssemos comprar tudo que aconselhavam para o frio intenso de lá, não nos sobraria um tostão para viajar. E além de uma bota de cem reais que achei na decatlhon, fomos apenas com o que já tínhamos. Na ignorância de dois Sorocabanos que mal conhecem o frio e que o mais perto de neve que já tinham visto era o gelo que acumula no congelador. Mal sabíamos que além de toda a beleza da neve, ela também pode doer. Aqui vale ressaltar uma recomendação muito importante: Jamais, mas jamais vá de jaqueta de couro para Ushuaia ou para qualquer lugar frio. É simplesmente estúpido. Você vai sofrer. E no caminho tem cidades piores que Ushuaia. É frio, e venta muito no caminho. Então seja sensato, e gaste um pouco mais com uma boa blusa impermeável, térmica e sei lá mais o que. Se proteja do frio. Ele dói e a neve machuca! A gente precisou comprar lá em Ushuaia. Voltando a Buenos Aires, demos uma volta por lá e a Eliana nos mostrou um pouco da cidade. Depois fomos a Puerto Madero, a Casa Rosada e outras partes turísticas da cidade que todo mundo já conhece. Aqui vale dar outra dica importante também para alimentação. Em tempos de crise, ou como eles chamam na Argentina, Macrise, desperdício de alimento é de partir o coração. Então deixei a vergonha de lado, e como lá são muitos os hortifrutis e suas frutas estragam quando não são vendidas, amadurecem e vão direto para o lixo, e entre essas frutas têm muitas partes boas e comestíveis, resolvi tentar pedir, como diria em castellano, se eles não poderiam ajudar um casal de viajantes sem muitos recursos, mas com grandes sonhos, a nos darem “unas frutas más maduras”, e todas as vezes as respostas foram positivas. E na maioria das vezes conseguiamos umas frutas boas. Além da economia, a parte mais bacana disso e das caronas é sair da mesmice, da sua zona de conforto. Se abrir para novas possibilidades, sem julgamentos e confiar no simples altruísmo das pessoas. Isso nos dá certa motivação, sabe. Que o mundo pode ser um lugar bom. Então se você tem uma vontade de viajar, mas não tem muita grana, não tem problema, é importante, antes de mais nada, querer. E simplesmente ir. Depois relato mais. Mas basicamente fomos depois para Bahia Blanca, Viedma, Puerto Madryn, Trelew, Comodoro Rivadavia, Rio Gallegos e Ushuaia. Infelizmente peguei um vírus que encriptou todos os vídeos da viagem e tô bem bolado com isso. Então será só esse vídeo mesmo. Mas logo faço de outros lugares. Estamos fazendo um canal, e tô querendo ir subindo bastante conteúdo de viagem Tô fazendo uma página no insta também junto com minha namorada que me acompanha nas loucuras. Ver se consigo produzir vídeos e quem sabe viajar de graça futuramente haha https://www.instagram.com/viajandomais_/
  20. Buenos Aires, capital da Argentina, é um dos destinos mais procurados pelos brasileiros na América do Sul. Com o forte turismo na cidade, existem inúmeras opções de hospedagem por lá. Porém, nem sempre é fácil encontrar a hospedagem ideal para cada perfil de viajante. Foi pensando nisso que escrevi este post para facilitar a vida de quem está pesquisando onde ficar em Buenos Aires. Procurei destacar as melhores opções para todos os tipos de perfis. São 2 opções de hostels, 4 hotéis com bom custo x benefício, 2 hotéis mais luxuosos e 2 apartamentos. A partir de agora você confere onde ficar em Buenos Aires. Continue a leitura em https://partiuviajarblog.com.br/onde-ficar-em-buenos-aires-do-basico-ao-luxuoso/
  21. Conhecer Buenos Aires dá para fazer tudo com muita autonomia, cidade segura e com meios de transporte muito bons, para me movimentar na Argentina utilizei o app Moovit, ele é muito bom e mostra todas as linhas (metrô/ônibus) trocas de meios, etc. Tudo você faz com o mesmo cartão SUBTE, as tarifas variam e você pode deixar ele até 2 passagens negativas (se não me engano), pode ser utilizado por mais de uma pessoa tranquilamente também. É uma cidade Noturna, então não adianta sair tão cedo assim, pois vai encontrar muita coisa fechada. Pouquíssimas pessoas em Buenos Aires terão paciência com estrangeiros, mas a cidade continua lindaaa!! Ps. O nome do meio de transporte eu chamo de metrô, mas o correto é SUBTE, mas é mais fácil o entendimento. Chegamos a noite e nesse dia apenas fomos direto ao hotel, viemos de buquebus da Colônia del Sacramento, bem mais barato que de Montevideo, rsrs Muito rápido tbm. Quando chegamos a internet só funcionava antes de desembarcar, depois esqueça como pedir uber, aí tive que pagar caro em um transfer, mas foi o jeito, eles te mostram uma tabela e você pode pagar em seu cartão de crédito ou money. No dia seguinte saímos turistar, ficamos hospedadas no Koten Hotel, bem simples, barato pela região e com café da manhã, mas nada de luxo não, ficava uma quadra da plaza Itália, então muitos ônibus, estação de metrô e com muito comércio perto e não posse deixar de dizer o mais importante, uma Western Union bem pertinho! O dia era domingo e eu morrendo de medo de não ter casa de câmbio aberta, pois deixei para trocar direto na Argentina, mas esqueci que era domingo, para minha alegria e sorte a WU estava aberta, geralmente melhor cotação. Pagamos o metrô na plaza Itália e descemos na Catedral, que é uma quadra da casa Rosada, para nossa alegria um dia lindo, ensolarado e aberta a parte da casa rosada (outro dia passamos e só estavam tirando foto de longe), peguei um mapa, pois o wifii das praças de BA diferente do Uruguai NÃO FUNCIONAM quase nunca... Encontramos uma feira e fomos passeando por ela, depois descobri que era a de San Telmo, grande variedade, barata!! Indo por ela que se encontra a escultura da Mafalda também, geralmente tem pessoas tirando foto, no domingo filas, rsrs Tiramos várias fotos na casa rosada e aproveitamos o sol que tinha no meio da praça, caminhamos até o Obelisco, lá é beeem organizado para foto, com fila, ninguém atrapalha ninguém, gostei disso!! Fomos almoçar em um restaurante mais barato, masss, aí tem uma questão SEMPRE confiram bem a contagem e o que vem cobrado, me cobraram café q nem tomamos, etc. Contestei óbvio, mas ainda assim foi em conta, 100 para duas pessoas com bebida. Caminhamos um pouco mais, procurando wifii, fui em um kiosko e não me venderam chip, falaram que eu tinha que ir em uma loja, no fim, fomos no shopping e eu mesma cadastrei, tudo pelo face, bem rápido! Fomos no Starbucks, pegamos com Doce de Leite, claro! Ma-ra-vi-lho-so. Final de tarde no Porto Madeiro, bonito, cheio de restaurantes, um pouco mais caros... A noite fomos no Sullivans era open de Quilmes (Porteño ñ gosta de Quilmes em geral), mas para a brasileira foi ótimo, bebi algumas!! Hahahaha 350 pesos o open! Depois queríamos sair dançar, mas segunda é complicado... Iamos caminhar até a balada, nos pararam oferecendo para entrar no Brujas, é péssimo, não gostei, falaram que tocaria Kumbia (o mais próximo de sertanejo kkkk) não tocou, falamos com o cara que nos vendeu sobre isso e para nossa supresa!!! FOMOS EXPULSAS KKKKK não nos deixaram nem pedir uber. Um ponto de atenção é que o uber não está legalizado, então inclusive, nessa área tivemos que pedir mais distante, aeroporto dizem ser quase impossível, mas ir ao aeroporto bem tranquilo. No segundo dia passamos o dia no Caminito, pegamos se ñ me engano o 64, na plaza Itália e parou lá na frente, muito fácil e prático. Amei! Lá tem os pega turistas das fotos do Tango, caso queira sua foto negocia antes o valor... Adorei os artesanatos, realmente mais baratos ali, inclusive me arrependi de não ter comprado algumas coisas!! Para equilibrar e tentar economizar nesse dia almoçamos fast food, dei uma nota e aguardei o troco, acredita que a menina não iria me passar? Isso são situações chatas, mas que aqui no Brasil também ocorrem, então tranquilo... A noite fomos ao mercado, comemos uma empanada e um chocolate em um café e deitamos cedo, turistar cansa também. No terceiro dia, esse quase morri, caminhamos MUIIITOOO, depois quando estávamos quase chegando lembramos que poderíamos ter pego ônibus/metrô kkkkk Fomos ao Rosedal de Pallermo, muito lindo, o lugar que mais me encantou, de verdade!! E ainda quando chegamos os trabalhadores nos entregaram rosas que estavam podando, achei linda a atitude e fiquei toda boba! Hahahahaha Depois disso fomos caminhando até a Floralis, tiramos umas fotos e descansamos, acerca dali tem a faculdade de derecho, aproveitamos e passamos no cemitério, mas como não faz muito nosso estilo de turismo, não quisemos ficar muito ali, rsrs na praça do cemitério tem aquelas cabines de telefone (igual de London) para fazer fotos. E não paramos por aí, hahahaha Fomos na biblioteca El Ateneo, muito linda, tem um café no fundo, amei!!! Almoçamos, tipo jantar junto, pois era bem tarde... fast food novamente, rsrs E nesse dia nem pensar em levantar, estávamos MORTAS! Pois ainda caminhamos até o hotel, rsrs No último dia, fomos ao Jardim botânico, bem bonito, organizado... Fomos sentido casa Rosada novamente caminhamos mais (nesse dia q estava fechado os portões), fomos até o Obelisco e ali próximo almoçamos em um restaurante muito bom (precisávamos comida). A tarde caminhamos na calle Florida, tem várias lojas, lembrancinhas, tudo que você imaginar na verdade, uma coisa que eu não podia deixar de passar antes de ir embora era o café Havanna, muito charmoso, gostoso, lógico que pedimos outro de doce de leite! A noite fomos no local onde minha amiga trabalha, cara, que lugar MASSA, o nome é BIERLIFE, você gosta de chopp artesanal? Tem que ir lá!! Várias torneiras de chopp de todos os tipos, você pode provar antes de pedir e tem o happy hour, voltamos umas 21 e foi bem tranquilo de SUBTE, até porque a cidade é noturna. No dia seguinte pedimos Uber para o aeroporto, foi metade do valor que seria de táxi, ou seja, vale muito a pena, como não está regulamentado, sempre sentar adelante e tratar como conhecido ao descer. Eu super retornaria, pois a cidade é bonita, limpa, fácil de se locomover e conhecer tudo por conta. Umas das coisas que mais queria conhecer era o zoo de Lujan, mas ir sozinha é complicado pelas fotos, mas o bom que tem ônibus que vai direto até lá e não precisa pagar o absurdo dos transfer, joga no moovit e já aparece!!
  22. Boa noite! Estou de viagem marcada para Buenos Aires no mês de Julho com duração de 22 dias, sem muito recurso financeiro, pretendia ir para Cordova, queria muito conhecer a região mas minha companhia de viagem não acha viável, e agora não sei se vale a pena ou se seria melhor visitar lugares mais perto de Buenos Aires, e nesse caso quais cidades seriam as melhores.
  23. Olá! Aqui apresento um relato de minha viagem de 10 dias por Buenos Aires e por trechos da Patagônia Argentina. Esse foi meu terceiro mochilão, mas foi o primeiro que fiz sozinho, então decidi compartilhar um pouco dessa experiência! Vou dividir esse relato em seções. Assim, se você estiver interessado em um assunto específico pode ler só a seção de interesse! No fim eu discuto um pouco sobre como foi viajar sozinho! 1. ITINERÁRIO Buenos Aires: 2 dias (Casa Rosada, praça de maio, museu de arte latina – americana) El Calafate: 5 dias (Geleira Perito Moreno, Minitrekking na Geleira, Museu centro de interpretação histórica, Lago Argentino, Laguna Nimez) El Chalten: 3 dias (É um lugar para se fazer trilhas) Fiz o mochilão entre 5 e 10 de janeiro. O clima nessa época é mais agradável na Patagônia, já que é verão. No inverno grande parte dos passeios não podem ser realizados por conta do frio. Então escolha dias entre os meses de janeiro, fevereiro ou março. Adicional (informações sobre o clima de El Calafate): https://www.queroviajarmais.com/quando-ir-el-calafate-clima-temperatura/ 2. DINHEIRO Não sou um modelo de organização quando se trata de dinheiro, então vou apresentar somente os valores dos quais tenho certeza. Gastei em torno de 3500 reais no total (com a passagem aérea) Passagem aérea: 1500 reais (São Paulo – Buenos Aires/ Buenos Aires – El Calafate/ El Calafate – Buenos Aires/ Buenos Aires – São Paulo) Comprei pela Aerolineas Argentinas. Vários relatos que eu li apresentam uma opinião não muito boa dessa companhia, mas eu não tive nenhum grande problema. Minha única critica é que os horários dos voos foram modificados várias vezes antes da data de embarque. Eram questão de horas ou minutos, mas eu tive que ficar atento às mudanças. Hostel: 512 reais* (Total para 8 dias) Fiquei em dois Hostels em El Calafate: O Calafate Hostel e o Bla GuestHouse. Gostei bastante do Calafate Hostel, ele tem uma aura de casa antiga e é bem espaçoso. A atendente foi sempre muito gentil. O Bla GuestHouse também é um bom Hostel, mas nele há somente dois banheiros para todos os hospedes, o que faz com que você tenha que grudar na porta e esperar alguém sair para poder usar. Agendei pelo aplicativo HostelWorld, sempre uso ele em minhas viagens e sempre foi sucesso. *Já estive em outros países da América do Sul (Peru, Chile e Bolívia) e os Hostels da Argentina são os mais caros que vi por aqui. Esses são os preços que posso dar com total certeza, mas vou tentar dar mais algumas dicas relacionadas a questões que envolvem dinheiro: Que moeda levar: Levei uma pequena parte em peso Argentino. Só o suficiente para que pudesse pagar um táxi se eu me perdesse em Buenos Aires (me perdi) e para pagar o translado entre o Aeroporto de El Calafate e a cidade (falo mais sobre isso quando descrevo minha experiência lá) De resto, seguindo o conselho de um amigo que fez uma viagem semelhante, levei somente Real evitando fazer câmbio duas vezes (o que teria acontecido se tivesse levado Dólar) e cartão de crédito. Cartão: Em Buenos Aires praticamente qualquer lugar aceita. Em El Calafate consegui usar sem problemas no supermercado (só tem um), mas tive problemas em lojas menores. Em El Chalten, não tentei. Não esquece de habilitar para viagem internacional!! Dá para fazer pelo aplicativo do banco para celular Câmbio: Em Buenos Aires existem vários locais oficiais para fazer Câmbio (só dar uma olhada no google). Em El Calafate não há nenhum local oficial, mas existem dois comércios que fazem (pergunta para o atendente do Hostel). Em El Chalten não tentei. Comidas e Bebidas: Bebidas alcoólicas são muito baratas!!! Mas o preço das outras comidas é mais caro que no Brasil (viver de vinho é uma opção a ser pensada).Eu optei por comprar no supermercado e cozinhar no Hostel (e viver de vinho). Adicional: HostelWorld (aplicativo para agendar Hostels): https://www.hostelworld.com/ Preços das excursões em El Calafate (os preços estão no fim do relato do Link e acredito que estejam atualizados, já que ele foi escrito em 2018): https://www.queroviajarmais.com/quando-ir-el-calafate-clima-temperatura/ 3. O QUE LEVEI Vou apresentar uma lista das coisas que levei. Não é preciso se preocupar em levar muitos agasalhos, porque no verão não faz muito frio (passei calor andando na geleira haha). Mas uma jaqueta corta vento é importante, porque em El Calafate e em El Chalten venta bastante (mesmo). 9 camisas 1 Toalha 3 Shorts Óculos de sol 4 Calças 2 Jaquetas corta – vento 1 Segunda pele Cadeado (para o Locker do Hostel) 3 Livros (Se você se interessa por biologia ou história natural, vale muito a pena levar o livro “Viagem de um naturalista ao redor do mundo”. Ele foi escrito por Charles Darwin e narra sua passagem pela Patagônia, Brasil e pelas ilhas. É bem fácil de ler e ele também aborda questões sociais da época). Luva (É útil se você for fazer o Minitrekking, senão é desnecessário) Escova de dente Chinelos Bota para trekking (Muito útil em El Chalten) 2 Jaquetas Desodorante Kindle Touca (É importante por causa do vento) Adaptador de tomada (Não levei haha, mas teria sido útil. O padrão de tomadas da Argentina é diferente do nosso. Em El Calafate não tive problemas, mas em Buenos Aires (no aeroporto) tive dificuldade de encontrar tomadas em que eu pudesse recarregar meu celular. Elas existem, mas são raras, algumas não funcionavam (muitas esperanças frustradas) e concorridas) 4. BUENOS AIRES Quando comprei as passagens escolhi as que tinham maiores tempos de escala. Assim, visitei Buenos Aires durante o primeiro e o último dia da viagem (e não tive que gastar com Hostel haha). Em minha primeira passagem pela cidade tive 8 horas e na segunda tive 10 horas. O único inconveniente desse planejamento é que eu contava que o mochilão seria despachado diretamente para El Calafate no primeiro dia. Não rolou. Eu tive que fazer meus passeios com ele nas costas, mas como não tinha levado muitas coisas, deu tudo certo. Na escala da volta, minha bagagem foi direto para São Paulo (vai entender) e tive mais liberdade para conhecer a cidade. Optei por utilizar Taxi/Uber, porque não tinha pesquisado muito sobre a cidade antes de chegar lá (haha) e porque tinha que voltar ao aeroporto ainda no mesmo dia, mas metrô e ônibus são opções bem mais em conta. A CIDADE Buenos Aires me surpreendeu. A cidade é bastante bonita, em muitos momentos me senti em uma cidade europeia pela quantidade de monumentos e pelo estilo clássico da arquitetura. No entanto, eu só visitei regiões centrais, então imagino que a cidade como um todo seja bastante diversa em termos de arquitetura e de padrão de urbanização. Se você decidir seguir minha dica e levar o livro “Viagem de um naturalista ao redor do mundo”, Darwin faz uma descrição de Buenos Aires no século XIX. A diferença é enorme! (Não é propaganda haha) Mais informações sobre Buenos Aires: https://pt.wikipedia.org/wiki/Buenos_Aires (Wikipédia é meio óbvio, mas é bom para informações mais gerais haha). A CASA ROSADA E A PRAÇA DE MAIO A casa rosada (Figura 1) foi meu primeiro destino. Logo que passei pela imigração, fui até o centro de informações do aeroporto e peguei um mapa da cidade (é de graça!) e tirei algumas dúvidas com a atendente. Ela falava português, então não tive que arriscar minhas habilidades em espanhol (que são vergonhosas). Ponderei minhas opções e decidi pegar um Uber (sim, eles existem lá e o aplicativo funciona normalmente! Desde que você tenha habilitado seu cartão de crédito) para a casa rosada com medo de me perder caso pegasse ônibus ou metrô (me perdi mesmo assim). A viagem durou cerca de 30 minutos. Sempre quis conhecer o lugar e não fiquei decepcionado! A casa em si é bastante interessante e a praça de maio (que a circunda) (Figura 1 ) é muito bonita e tem uma história fascinante. Se você quiser saber mais sobre a história antes de ir até lá, recomendo esse artigo sobre as mães da praça de maio (só copiar o link): http://www.pgletras.uerj.br/palimpsesto/num6/estudos/MariaFernandaPonzio-A praca da memoria.pdf Na hora de voltar para o aeroporto meu plano era almoçar em algum lugar próximo e pedir a senha do Wifi (haha) para chamar um Uber. Não deu certo. Nenhum lugar queria me passar a senha. Então me afastei um pouco da região central procurando algum outro restaurante. Em algum momento percebi que tinha me perdido. Foi uma das etapas desesperadoras da viagem, porque eu tinha que voltar para o aeroporto em pouco tempo, mas no fim encontrei um taxi e consegui pegar meu voo para El Calafate. Adicional: Existe a opção de se fazer uma visita guiada por dentro da casa rosada (gratuita!!), mas ela precisa ser agendada com antecedência neste site:https://visitas.casarosada.gob.ar/ Figura 1. Casa Rosada e Praça de Maio O MUSEU DE ARTE LATINA – AMERICANA (MALBA) Visitei o museu em minha segunda parada por Buenos Aires. Dessa vez decidi não apostar na chance de encontrar um Wifi e fiz um acordo com um taxista. Ele me levou até lá e agendamos um horário para ele me buscar. A entrada do museu é paga e custa 90 pesos argentinos (15 reais), mas consegui pagar metade desse valor, porque eles aceitaram minha carteira de estudante da universidade. No museu fiz uma visita autoguiada (sem um mediador). O acervo não é extenso, mas tem uma boa seleção de obras do século XX. Foi bastante emocionante ver a obra Abapuru de Tarsila do Amaral (já vale a visita). A exposição também possui obras de Frida Kahlo, Di Cavalcanti e Portinari. Adicional: Site oficial do museu: http://www.malba.org.ar/ Relato sobe o museu: https://www.360meridianos.com/2016/01/visita-ao-malba-o-museu-de-arte-latino-americana-de-buenos-aires.html 5. EL CALAFATE O aeroporto de El Calafate é bastante bonito (Figura 2), mas fica MUITO distante da cidade. Para chegar até ela existem quatro opções: (1) contratar um transfer no aeroporto (2) contratar um taxi no aeroporto (3) agendar o transfer com o Hostel (é só enviar um e-mail para eles pedindo o agendamento) (4) alugar um carro. Optei pela terceira opção (a mais barata). Quando cheguei no aeroporto o transfer já estava me esperando e me levou direto para meu Hostel. Se você precisar ir da cidade até o aeroporto, as opções (2) e (3) também são validas. Figura 2. Aeroporto de El Calafate A CIDADE E O CENTRO DE VISITANTES El Calafate é uma cidade bem pequena, mas bastante bonita e aconchegante. Os comércios ficam todos concentrados em uma única rua central. Lá é possível encontrar lugares para cambiar dinheiro (discuti isso no tópico 2), um supermercado grande, restaurantes, agências de viagens e lojas de lembranças. Não existem muitos locais de venda de artesanatos e outros artefatos culturais como você encontraria em outros países da América do Sul. Os povos indígenas da Patagônia sofreram bastante com a colonização espanhola, então muito da cultura deles se perdeu (embora hoje exista um forte movimento de resgate dessa cultura). É possível encontrar bebidas e doces feitos com o fruto da planta que dá nome para a cidade (calafate) (diz a lenda que quando você como esse fruto, você está destinado a voltar para a Patagônia em algum momento da vida) e lembranças como cartões postais e chaveiros (é ...). Se você estiver um dia sem nenhum passeio agendado, sugiro uma visita ao centro de visitantes que fica na rua central da cidade. Além de conseguir um mapa de El Calafate (gosto de mapas haha), lá existem vários exemplares da flora patagônica (com placas explicativas!) e uma pequena exposição das figuras históricas que estiveram na região (Figura 3). Há estátuas de Charles Darwin e do historiador natural que deu nome ao Glaciar Perito Moreno (Francisco Pascasio Moreno) Mais uma vez indico o livro “Viagem de um naturalista ao redor do mundo”. Eles valorizam muito a passagem da expedição da qual Darwin fez parte pela região. Existem referências sobre ela aonde quer que você vá (mesmo). Figura 3. Estátua de Darwin - Centro de visitantes de El Calafate LAGO ARGENTINO E LAGUNA NIMEZ Descendo a rua central de El Calafate, você já encontra o Lago Argentino. É super perto. Lá existe uma pista para caminhar. Pelo que o atendente do Hostel me disse, ele é um dos maiores lagos da Argentina e tem origem glacial (mas eu admito não ter conferido essa informação haha). O lago é muito bonito (Figura 4) e se você der sorte flamingos podem chegar bem perto da margem. Também é um bom lugar para sentar e ler um livro. A conformação do lago forma uma laguna: a Laguna Nimez. Ela é uma área de proteção ambiental, mas pode ser visitada ao se pagar uma taxa (que é destinada para conservar o local, o que faz valer a pena). Lá é possível ver várias espécies de aves, incluindo flamingos (não precisa ter sorte nesse caso, eles se alimentam de crustáceos da laguna, então estão sempre por lá) Figura 4. Lago Argentino Adicional: Laguna Nimez (tripadvisor): https://www.tripadvisor.com.br/Attraction_Review-g312851-d1368446-Reviews-Laguna_Nimez_Reserve-El_Calafate_Province_of_Santa_Cruz_Patagonia.html MUSEU: CENTRO DE INTERPRETAÇÃO HISTÓRICA Esse museu fica a dez minutos a pé da rua central de El Calafate. Eu fiz uma rota no google maps e cheguei lá bem fácil. Para entrar é necessário pagar uma taxa, mas em minha opinião vale a pena (caso você tenha tempo em El Calafate). O museu busca contemplar diferentes períodos da história da região. Assim, a exposição é dividida temporalmente. Ela tem início com os registros fósseis do Triássico (eles têm impressões de folhas, réplicas e fósseis reais de dinossauros), depois é mostrada a irradiação de mamíferos após o período da extinção em massa (Figura 5), a seguir os primeiros povos humanos que habitaram a região são apresentados, seguidos pelo período da invasão espanhola ( e suas consequências para os povos da região) e da criação do parque Perito Moreno. Eu gostei bastante da exposição, todas as placas explicativas possuem as fontes de onde as informações foram retiradas e elas são confiáveis. Minha única crítica é que embora seja permitido tirar fotos, as luzes atrapalham bastante o processo. Não consegui nenhuma muito boa. Figura 5. Réplica de Megaterium presente no museu GLACIAR PERITO MORENO E MINI TREKKING Logo que cheguei no Hostel agendei o mini trekking pela geleira (que era uma coisa que eu queria muito fazer!) com o próprio pessoal de lá. Em alguns relatos li que era necessário agendar o passeio com grande antecedência, mas não é não haha (só se você for ficar em El Calafate 1 dia, aí é bom já ter agendado mesmo). Esse passeio vale muito a pena por dois motivos (1) você anda em uma geleira! (2) Ele já inclui a visita pela murada do parque Perito Moreno e a viagem de barco (não é o mesmo trajeto que outro passeio oferece, mas barco é barco). Vou tentar descrever como foi. A empresa me buscou de manhã no Hostel (eles atrasaram bastante, mas como só existe uma empresa que faz esse passeio (Hielo y Aventura), não posso indicar outra). Durante a viagem para o parque nacional dos glaciares, a guia nos explicou a formação geológica do parque, a dinâmica das geleiras e um pouco sobre a fisionomia da vegetação. Foi bem legal, mas ela fez toda a apresentação em espanhol e não traduziu para o inglês, então eu perdi várias informações (mas como só tinham brasileiros e argentinos no ônibus, eu entendo). Na entrada do parque eles recolheram o dinheiro da entrada (100 reais) e o ônibus nos levou até perto das muradas que permitem ver a geleira (Figura 6). É muito bonito! É incrível pensar como a natureza pode construir monumentos tão colossais! E o quanto nós somos pequenos perto dessa imensidão. O som de pedaços de gelo se desprendendo também é sensacional. Nós ficamos lá por 1 hora. Depois desse tempo, o ônibus nos levou até o barco que nos levaria até o local do Minitrekking. A viagem de barco também é muito bonita. Além de ser possível ver o outro lado da geleira, existem vários pedaços de gelo flutuante que são bem bonitos de se ver. Para fazer o Minitrekking eles fornecem grampos para os calçados (não é preciso nenhum tênis especial). A experiência de andar em uma geleira (Figura 6) é diferente de tudo o que eu tinha feito. Os tons de azul da geleira (causados pela forma como o gelo absorve os raios solares) também são muitos bonitos. Minhas únicas críticas negativas quanto a esse passeio são que (1) a comida não está inclusa (2) o tempo em que andamos na geleira é bem curto (uns 35 minutos). Fora isso, é uma ótima experiência. Figura 6. Visão da murada do glaciar e imagem do final do Minitrekking 6. EL CHALTEN El Chalten é uma cidade próxima à El Calafate (2h30min) e é conhecida como a “capital do trekking na Argentina”. É possível pegar um ônibus da rodoviária de El Calafate até El Chalten (foi o que eu fiz). Para chegar até a rodoviária de El Calafate fiz uma rota no google maps (fica uns 15 minutos do centro). Tomei uma decisão bem ruim de ir e voltar entre as duas cidades, porque fiquei com medo de não conseguir Hostel em El Chalten (era alta temporada), mas mesmo a cidade sendo pequena, tem vários Hosteis, então compensa ficar lá. A primeira coisa a se fazer quando chegar é ir no centro de visitantes (fica perto da rodoviária – perguntando para qualquer pessoa você acha bem fácil) em que funcionários do parque explicam as trilhas disponíveis e dão informações sobre elas. Lá você também consegue mapas das trilhas (mais mapas!) El Chalten foi definitivamente o que eu mais gostei desse mochilão (Figura 7). Foi um momento em que senti uma grande sensação de liberdade. As trilhas são muito bem demarcadas e bem cuidadas (fui sozinho e não sou acostumado a fazer trilhas). Todas as trilhas são de graça Vou colocar links com as trilhas disponíveis, eles explicam muito melhor do que eu poderia fazer: (1) http://www.daytours4u.com/pt/argentina4u/melhores-trilhas-em-el-chalten/ (2)http://apureguria.com/america-do-sul/el-chalten-fitz-roy/ (3) https://conhecendolugares.com/tag/melhores-trilhas-em-el-chalten/ Figura 7. Centro de visitantes de El Chalten e imagem do início de uma das Trilhas 7.VIAJAR SOZINHO Esse mochilão marcou a primeira vez que eu viajei sozinho. Durante a viagem confesso que evitei o contato com outras pessoas (mesmo sendo totalmente possível fazer amigos viajando sozinho), porque queria aproveitar o máximo possível o tempo que eu tinha comigo mesmo e com o ambiente natural que me cercava. Considero que tive mais oportunidade de me relacionar com os locais que visitei e aprender mais sobre eles. Meu senso de responsabilidade também se beneficiou, porque eu tinha que tomar todas as decisões e resolver todos os problemas que aconteceram durante a viagem. É claro que viajar com amigos é bem legal, mas viajar sozinho é libertador. OUTRAS FOTOS
  24. Boa tarde mochileiros.. Eu e meu marido vamos fazer uma viagem de duas semanas passando uma ou duas noites por Buenos Aires, atravessando o Rio da Prata ate Colonia do Sacramento e sem destino até então.. Já fizemos diversas pesquisas sobre hospedagem, vamos querer alugar um carro no Uruguai e passear por lá para conhecer o país.. Ando procurando em diversos posts daqui mas achei que seria melhor fazer um dedicado.. Teriam dicas sobre lugares para conhecer, viagens que podemos fazer de carro por lá etc.. Vamos no dia 17/06.
  25. Relato de viagem 16 de dezenbro ate 4 de janeiro Antes de começar o meu simples relato de viagem, gostaria de deixar algumas dicas para ajudar viajantes de primeira viagem, assim como eu. Essa foi a minha primeira viagem sozinho e a primeira internacional. Eu infelizmente sou bem desconfiado das coisas e um pouco paranóico com segurança, como estaria boa parte do tempo sozinho, achei melhor me precaver. A primeira coisa que eu acho importante é saber o que você realmente quer na viagem. Você é uma pessoa que gosta da noite, gosta de museu, gostar dos dois, pode gastar muito ou não quer gastar tanto. É importante que tenha isso em mente para ir o mais preparado possível. No meu caso eu não sou de balada, e a minha viagem era para conhecer os pontos turísticos, tentando sempre ir caminhando aos locais , conhecer a culinária local e ao mesmo tempo a minha viagem seria mais econômica, por isso não realizei visitas guiadas ou outras coisas que geram gastos. Dicas Segurança Como era a minha primeira viagem, estaria sozinho e acabei lendo relatos de brasileiros que foram assaltados em BS AS, resolvi seguir alguns conselhos que li aqui e em outros sites. - Usar uma doleira (money Belt); - Fazer uma lista com os endereços da embaixada ou consulado brasileiro; - Levar RG e passaporte, deixei o passaporte onde estava hospedado e levei o RG comigo. - Distribuir o dinheiro e cartões entre money belt e carteira. Meu cartão do Itau deixava na money belt, junto com uma cópia do seguro viagem, RG, lista de endereço importantes e 500 pesos. Na carteira eu deixava meu cartão do Nubank e o dinheiro que gastaria; - Tirar fotos de documentos e deixar no celular; - Qualquer tipo de documento impresso (roteiro de viagem, seguro viagem, rg, endereços e etc), ter uma cópia de tudo no celular e no e-mail; - Essa dica foi dada por uma amiga argentina, evite pegar celular ou câmera fotográfica em cruzamento. Geralmente passam de moto puxando o celular. Tecnológica Aqui umas dicas na parte de tecnologia que me ajudou muito. - Caso você use o celular para tirar foto e não vai postar nas redes sociais, recomendo instalar o google photos. O app sincroniza as fotos tiradas ou recebidas diretamente para o serviço da google. Assim caso você perca o celular, não perderá as fotos que já foram sincronizadas. Como eu não possuía 3g e o meu roaming não funcionou. Toda noite sincronizava usando a conexão wifi dos lugares que eu estava; - Maps.me, como eu não tinha 3g o maps.me ajudou-me muito porque o mapa era offline. - Criar um mapa com os pontos turísticos e outros lugares no google maps. Esse é o mapa que eu criei com os pontos turísticos e alguns restaurantes. Dá para criar algumas rotas, achei bem legal. - EasyTaxi ou Uber, caso você consiga conexao wifi ou 3g, utilize esses apps para se locomover pela cidade, se não quiser pegar o metro. Uma amiga argentina disse que é mais seguro chamar um táxi pelo app que diretamente na rua, porque o preço geralmente não varia tanto do que foi simulado; - O app restorando mostra alguns restaurantes em BS AS e a média de preços, também pode ser pesquisado por bairro ou tipo de comida. O lado negativo que nem todos os restaurantes estão no app; - Existem dois apps um chamado Banelco MAP e o outro LINK Celular, mostram onde estão os caixas eletrônicos para poder sacar dinheiro. Não os achei tão preciso assim. Eu consegui sacar dinheiro dentro do banco Macro porque usava o mesmo sistema Banelco. No Banco de la Nación utiliza um outro sistema; - Se o celular for um pouco mais antigo, remova qualquer app, foto, música ou documentos que não sejam importantes para a viagem. Deixando o celular mais rápido para abrir o app de foto ou verificar o mapa; Diversas - Compre o cartão SUBE do metro dentro de alguma estação, sai mais barato que comprar em kiosko. Paguei 25 pesos no cartão e é bem simples andar de metro em Buenos Aires; - Caso a sua viagem seja econômica como foi a minha, evite restaurantes turísticos. Em alguns casos no mesmo bairro, em duas ou três quadras de diferença, encontra-se restaurantes onde se consegue economizar até 60 pesos; - Se possível compre um frasco pequeno e leve um pouco de protetor solar. Paguei 254 pesos em um da Nivea. E leve também escova e pasta de dente, evite gastar com essas coisas, caso a viagem seja econômica; - Se for comprar algum produto de higiene recomendo ir na farmacity, é bem mais em conta que em outras farmácias. - Não sei se são todas as operadoras, mas a Movistar para ativar o chip é necessário o número do DNI (RG argentino). Eu ativei o meu usando o DNI de uma amiga e como ela usava Personal não ia ter problema. Eu achei bem difícil encontrar cartão de recarga e meus dois cartões de crédito e débito não funcionaram para recarregar pelo site. Por fim consegui encontrar um cartão e recarreguei, mas o 3G não funcionou hahahaha. - Mercados chinos e o mercado Dia, são mais em conta que o Carrefour Express. - As melhores águas que tomei foram Kin e ECO de los andes, as outras eu achei um pouco estanha. Dia 16 Dez - São Paulo - Buenos Aires Peguei o avião às 19:10 em Guarulhos e cheguei as 20:50 no Aeroparque (não existe horário de verão na argentina). Cheguei e depois de 1 hora começou a chover muito forte. Como já havia lidos sobre os táxis no país preferi pegar um remis oficial, paguei 460 pesos até caballito, onde ficaria na casa de uma amiga. Troquei 2 mil reais no banco de la nacion, a cotação estava R$ 5,40, deu 10800 pesos. Eu tinha visto a cotação antes de pegar o avião e na CambioMaisBrazucas estava a 5,60, preferi perder alguns pesos e optar pela comodidade. Apesar do remis ser bem caro, compensou o preço. Cheguei tranquilo em Caballito, era quase meia noite, jantei com a minha amiga e fui dormir. Dia 17 Dez - Palermo Acordei cedo e fui em busca de medialunas em Caballito, encontrei um lugar chamado medialunas de la abuela, comprei 4 e deu 28,00 pesos. Passei em uma farmacia para comprar um desodorante Rexona 53 pesos. Esperei a minha amiga voltar e saímos para Palermo de ônibus. Eu não fiquei muito tempo na parte dos restaurantes e bares, meu objetivo era conhecer parques e bosques. O tempo ajudou bastante, estava sol e com bastante vento, lindo dia. O lugar é muito bonito e eu achei bastante limpo, pelo tamanho da área. O que me surpreendeu bastante em todos os lugares que eu fui, é muito comum você ver pessoas passeando com seus cachorros. Não é uma pessoa isolada, são muitas, achei bem legal isso. E os cachorros lá parecem ser bem tranquilos, não avançam e não saem latindo igual uns louco. Infelizmente não sei porque, mas o Rosedal estava fechado e algumas partes do bosque também, era final de ano e estavam armando umas atrações natalinas para as crianças. Passei pelo Jardm Botânico, Monumento de los Espanhóis, Rosedal (Por fora apenas), Planetário, bosques e terminamos na costanera norte. Recomendo verificar bem o caminho para a costanera norte ou pegar um taxi, escolhemos um caminho bem pouco movimentado e nos perdemos diversas vezes até encontrar um local que dava para entrar. Alguns pontos da costanera são fechados. A parte dos bosques e plazas são bem abertas e grandes, é difícil saber quando termina uma plaza e começa outra. A parte dos bares para os bosques são um pouco distantes, se você não gosta de andar e não quer pegar taxi, melhor se planejar. Mas no final valeu muito a pena, não fiquei para ver o pôr do sol que deve ser incrível nesse ponto. Já era quase 16 e fomos almoçar em um lugar chamado McNaff se nao me engano, paguei 247 pesos , um hamburguer, pizza, coca e água. A noite fui jantar com a minha amiga no Bronx Bar em Caballito, que é um bairro que tem bem menos turistas e possui muitos barzinhos e restaurantes. Pedi uma bandiola com batata frita, chimichurri e uma jarra de cerveja artesanal de mel, ficou 262 pesos por pessoa. Porções são grandes e a carne é deliciosa. Dia 18 Dez - Micro Centro e Retiro A argentina estava votando uma nova lei para aposentadoria e no dia 18 era esperado manifestações no centro, que iniciariam por volta das 11:30, no dia 19 era esperado greve do transporte público e eu só consegui passagem de ônibus para Misiones dia 21. Teria um día a menos em Buenos Aires, então fui tentar conhecer Micro Centro e Retiro em um só dia. Acordei as 05:00 e sai de casa as 06:40, passei na Farmicity e comprei pomada para queimadura de pele e protetor solar, tive problemas com o sol no primeiro dia, total 344,08 pesos (tragam protetor solar do Brasil !!!!). Comprei o cartão sube dentro da estação, 25 pesos e carreguei 50 pesos. Desci na estação Plaza de Mayo. Fui seguindo o meu roteiro, Parque Colón, Casa Rosada, Plaza de Mayo, Cabildo Buenos Aires, Catedral Metropolitana, Monumento a las Cataratas, Monumento Don Quijote, Palacio Barolo, Congresso Nacional, Obelisco, Teatro Cólon e Plaza Gal Lavalle. Achei tudo muito bonito, os prédios antigos as ruas largas e bem conservadas, os comércios não possuem letreiros enormes como aqui, são bem discretos, essas coisas me deixou muito maravilhado pelo local. Eu li em outros relatos de pessoas dizendo que a cidade era suja. Novamente não achei, onde eu moro é pior. Como era esperado manifestação alguns lugares estavam com barreiras. O lado bom de ter acordado cedo, tinham poucas pessoas na rua. Quando terminei de conhecer todos os lugares da minha lista eu vi que ainda eram 09:30. Fui para Retiro. Em Retiro fui apenas conhecer A Plaza de San Martin, Edificio Kavanagh, Torre Monumental, Igreja Santisimo Sacramento e na volta passei no El Ateneo e na frente do edifício The Water Company que é muito bonito. Não me passou uma boa sensação Retiro, achei o lugar um pouco estranho, mas a Plaza San Martin,o Edifício e a Igreja são belíssimos. Na Plaza San Martin, fui abordado por um homem dizendo que era de uma ong e começo a me dar dicas turistas e no final de tudo, pediu-me dinheiro para ajudar, dei 20 pesos. Passei no mercado Día e comprei dois pacotes de bolacha, 15 pesos. Já eram mais ou menos 11:00 horas e algumas ruas de acesso às estações de metrô estavam fechadas. Nesse momento me bateu uma hora e meia de total burrice e acabei caminhando do micro centro até a estação de trem do Bairro Once. Bairro bem diferente dos turísticos, um bairro mais sujo, com mais moradores de rua e pessoas te olhando direto. A minha inteligência voltou e peguei o metrô direto para Caballito, cheguei por volta das 13:30. Almocei na casa da minha amiga e passei a tarde toda tomando mate no parque Rivadavia, um dos pontos altos da minha viagem. Foi muito interessante conhecer essa rotina que eles tem, uma rotina totalmente diferente da minha. O parque muito bem cuidado, as pessoas tranquilas descansando depois de um dia de trabalho. A noite fui jantar em um restaurante em Caballito, infelizmente não me lembro o nome, gastei 210 pesos, pedi um lanche e uma coca. Dia 19 Dez - Recoleta Meus dias na casa da minha amiga terminaram. Iria agora para o quarto que eu aluguel no Airbnb, em Recoleta por 3 dias a 260 reais. Para minha sorte o metrô estava de greve, só funcionava ônibus. Como eu estaria de mala, não quis arriscar pegando ônibus e eu acho difícil me localizar neles. Esperei passar um taxi que estivesse escrito Rádio Taxi e peguei para Recoleta, quando chegou no local o motorista disse 300 pesos. Eu abri a carteira na frente dele, quando ele viu que eu tinha mais dinheiro, ele disse que eram 350 pesos. Não quis debater, nem reclamar, paguei e me livrei. Dica quando for pegar taxi, deixa 300 pesos no bolso, não abra a carteira na frente deles hahahaha. Não tive sorte com Taxista, nenhum era de muito assunto. Deixei a mala no quarto, tomei um banho e sai, começou a chover então tive que abortar a missão e voltar para casa. Encontrei um Carrefour Express e fui comprar algumas coisas; Bolacha: 8 pesos Agua 500ml : 25 pesos Alfajor: 10 pesos Aproveitei para comprar um chip movistar por 25 pesos e recarreguei 50 pesos (não duram nada 50 pesos). Comprei um guarda-chuva por 150 pesos. Dei um tempo no quarto e fui seguir o meu roteiro. Parei na casa de la milanesa e pedi uma milanesa tradicional e uma garrafa de água, 250 pesos. O tamanho é absurdo e extremamente macia a carne. Passei bem a tarde toda só com a essa milanesa. Após almoçar fui seguir o meu roteiro, Basilica Senhora del Pilar, Centro Cultura, Buenos Aires Design, Parque Carlos Thays, Plaza Repuclica del Brasil, Faculdade de Direito, Floralis, Plaza Francia e Museo de Arte. O ponto alto foi a faculdade de direito, edifício lindíssimo e muito imponente. Está sendo construída uma linha de metrô ao lado da faculdade, isso vai melhorar muito para estudantes e turistas. Em Recoleta eu comecei a ver brasileiros, antes eu não tinha visto nenhum. Voltei à casa para descansar e a noite fui jantar no Restaurante Pichi Huasi Parrila, pedi um asado de tira e uma lata de quilmes, 310 pesos. Recoleta os preços são bem diferentes, é um bairro bem caro e me indicaram esse restaurante por ter um bom custo beneficio. Gostei muito da comida, não tenho o que reclamar. 20 Dez - Puerto Madero. Acordei cedo, fui no Carrefour novamente e comprei uma água de 1 litro por 36 pesos, um alfajor, iorgute e bolacha por 43 pesos. Antes de ir a Puerto Madero encontrar uma amiga, eu ia ver onde ficava o CambioMaisBrazucas, eu ainda tinha 1500 reais para serem trocados. Infelizmente, não teve um dia que eu não me perdi, em vez de ir para um caminho, eu acabava indo para outro e aí teria que voltar tudo de novo. O que era para ser algo de 10 min, levava meia hora hahahahaha. Mas se perder faz parte, e nesse dia eu me perdi algumas vezes para tentar encontrar a casa de cambio. Andei pelo micro centro, na região da Calle Flórida e depois de algumas horas rodando, acabei deixando para outro dia e fui para Puerto Madero encontrar minha amiga. Puerto Madero não teve roteiro, apenas caminhei em volta, conversando, vendo alguns lugares, tirando algumas fotos, é muito bonito o lugar, realizaram um excelente trabalho revitalizando o bairro. Por volta das meio dia fomos almoçar no mostaza (uma rede de fast food argentina). Pedi um lanche extreme bacon, 160 pesos. Dica você pode pedir apenas um hamburguer com queijo, o combo acaba ficando 70 pesos, com coca e batata. Depois do almoço caminhamos pelas ruas de Puerto Madero e fomos a uma exposição no antigo prédio dos correio. No final da tarde voltei para casa. A noite fui jantar empanadas, eu ainda não tinha comido. Fui no Restaurante Anastacia, peguei 3 empanadas mais uma coca, 140 pesos. Dia 21 Dez - Recoleta Como eu tinha uma viagem marcada para Misiones, tive que encurtar a minha passagem por Buenos Aires. Tomaria um ônibus às 20:00 no terminal retiro. No dia anterior o dono da casa onde eu fiquei, disse que no shopping de Recoleta tem um guichê de câmbio. Como eu não queria mais ficar me perdendo e me encontrando pelas ruas e não achei segura a Calle Flória para ficar andando com dinheiro recém trocado. Resolvi cambiar no próprio shopping. A cotação estava 5,20 no shoppping e no CambioMaisBrazucas estava 5,40 ou 5,60, não lembro direto. Troquei 1500 por 7800 pesos. Agora com dinheiro trocado precisaria passar o tempo até chegar às 20:00. Fui de novo para os pontos turísticos de Recoleta, só que dessa vez entrei no Cemitério, Recoleta Design, entrei na Basílica Nuestra senhora del Pilar e fui ver as embaixadas francesa e brasileira, dois prédios lindos. Não gostei muito de entrar no cemitério e ficar tirando fotos de túmulos, não fiquei muito tempo e sai. Não achei interessante o Buenos Aires Design, além de ser bem caro as coisas, eu não encontrei nenhum produto feito na argentina, era tudo chinês. A Basilica é simples mas linda. Almocei no Almacen de la Pizza, pizza com massa fina e molho caseiro, excelente lugar. Pedi uma pizza de mussarela e uma água por 214 pesos. Voltei para casa, tomei um banho e o dono da casa chamou um taxi de confiança para me levar até o Terminal Retiro, 280 pesos. Eu cheguei muito cedo no terminal antes das 18, tive que esperar muito tempo até o ônibus chegar. Tem que tomar muito cuidado dentro desse terminal, nesse lugar eu senti medo. 22 Dez até 3 Jan Cheguei na cidade de Leandro N. Alem em Misiones, para passar o fim de ano na casa de uma amiga com os seus familiares. Nesse momento da viagem eu não programei nada e não fui para conhecer pontos turísticos. Fui para conhecer as pessoas e descansar, colocar os pensamentos em dia. Então peço desculpas, mas não poderia dar muitas informações sobre Misiones. O final de ano novo aonde eu fiquei não tem fogos, armaram uma baladinha no centro da cidade e fiquei por lá até as 06:00. Misiones é um departamento que faz fronteira com o Rio Grande do Sul, é onde está Puerto Iguazu e o relevo lembra muito o Brasil, com morros. Diferente de Buenos Aires que é totalmente plana. Eu pude perceber que existem diversas atrações turísticas em várias cidades; cachoeiras, trilhas, rios e as ruínas de San Ignacio entre outras coisas. Mas as coisas são longe uma das outras, não dá para sair fazendo tudo a pé. Ou vai de ônibus de uma cidade para outra ou de carro. O valor dos ônibus variam muito, peguei ônibus pagando 25 pesos e ônibus pagando 35 pesos. Acredito que seja por conta da distância. É comum encontrar brasileiros e muita gente falando portunhol, por conta da proximidade com o Brasil, se fala muito portunhol. Em duas cidades onde fui visitar, existia um casino. Em relação a preço eu não achei tão diferente de Buenos Aires. O pessoal local disse que em Puerto Iguazu as coisas são bem mais caras. Considerações finais. Para economizar na viagem optei por não fazer nenhum programa que fosse pago. Infelizmente fiquei com tanto medo de ficar sem dinheiro que acabei economizando demais e poderia ter jantando ou tomado um café da manhã em um lugar mais bacana. Mas são aprendizados. Dentro do Terminal Retiro existem Remis Oficial, acredito ser mais seguro. Do terminal Retiro até o Aeroparque paguei 180 pesos no Remis Oficial, o Remis que eu peguei não tinha identificação nenhuma. Recoleta é um bom lugar para se hospedar se você ainda não conhece a cidade, porque dá para ir a pé para os principais bairros. Mas é um bairro mais caro para se comer. Optei também por não conhecer os bairros de la Boca e San Telmo e ver dança de tango, não me chamou tanto atenção. Argentino é muito acostumado a comer pão. É normal ter pão na mesa durante o almoço e janta. Não entrei em nenhum Outlet, meu objetivo de viagem não era esse. Acabei entrando no shopping de recoleta e os preços desse shop fazem o peso e o real valerem a mesma coisa hahaha. Não se enganem, apesar do real valer mais, algumas coisas acabam saindo mais caras comprando na argentina que no brasil. Passagem Avião Gol ida e volta comprada em Agosto = R$1.600 Seguro Viagem Porto Seguro = R$ 320 ( comprem outro mais barato ) Saquei 2000 pesos no caixa eletronico, não lembro a cotação, mas é cobrado uma taxa para usar o caixa eletrônico. Não recomendo. Ônibus ida e volta Buenos Aires - Leandro N. Alem = 3200 pesos. Vale a pena? Eu sou meio suspeito para dizer se vale a pena ou não viajar para Buenos Aires, porque para mim foi um sonho realizado, sempre tive vontade de ir para Buenos Aires do que para Disney por exemplo. Então valeu muitíssimo a pena, foi uma excelente experiência de vida, me fez ver algumas coisas de outra maneira e realizar um sonho e cumprir uma meta. Concerteza eu voltarei à cidade, e farei coisa que acabei não fazendo nessa viagem. Espero que esse meu relato possa ajudar alguém que esteja planejando conhecer Buenos Aires. Obrigado.
×
×
  • Criar Novo...