Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''santiago''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas e Respostas
    • Destinos: Perguntas e Respostas & Roteiros
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Companhia para Viajar
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo e Mochilão roots
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 69 registros

  1. Olá galera, tudo bem? Estoy procurando a um tempo e não tenho encontrado nada recente de pessoas que foram de Santiago à Atacama, alguém sabe qual melhor forma ou uma forma simples de ir de Santiago para o Deserto do Atacama? E quanto mais ou menos posso gastar em dólar ou peso chileno? Valeu!
  2. O horizonte chileno, com suas montanhas nevadas em todo o redor que fazem da cidade um vale, é tão balsâmico quanto o mar. É um cenário um tanto inacreditável, ver-se numa metrópole enquanto os olhos alcançam picos cobertos de neve em meio ao sol. Fizemos essa viagem em setembro de 2018. Começamos em Santiago, visitamos Valparaíso e seguimos para o San Pedro do Atacama (farei os posts das cidades separadamente). Ficamos 3 dias na capital e foi suficiente. Nos hospedamos em Providência, bairro cheio de bares e restaurantes, com uma vida noturna bem ativa e de fácil acesso para todo lugar. Ali também fica o shopping Pátio Bellavista, um shopping aberto, pequeno e charmosinho. Cerro San Cristóbal Santiago pede a ida a um lugar alto para entender a cidade-vale. Das duas opções que a cidade oferece, uma é algo super urbanóide, chamado Sky Costanera, uma espécie de Empire State chileno, o prédio mais alto da América Latina. A outra é um teleférico em meio a natureza que leva até o Cerro San Cristóbal. É claro que escolhemos a que o homem portou-se de maneira um pouco menos troglodita com o mundo. O Cerro San Cristóbal, lá no topo da cidade, poderia ter menos pessoas, mas a vista vale o passeio. Nos impressionou ver uma camada de névoa ao longe e saber que é poluição. É triste e sem nexo ver o homem construir locais e acessos a pontos altos numa tentativa de apreciar o horizonte e seguir produzindo carros e ônibus e fábricas para tornar todo esse trabalho vão. Subimos de teleférico e descemos de funicular. Há a opção de subir e descer a pé, para quem curte uma escalada. Endereço: Pio Nono, 450 - Bellavista Site: http://www.parquemet.cl Horário de funcionamento Funicular: de segunda a terça, das 14h30 às 19h30; quarta a sexta das 12h30 às 19h30; sábado e domingo, das 10h30 às 19h30. Teleférico: de segunda a terça, das 14h30 às 19h30; quarta a sexta, das 12h30 às 19h30; sábado e domingo das 10h30 às 19h30. Lastarria Lastarria é o bairro charmoso da cidade. Ruazinhas pequenas, cafés, restaurantes, o Centro Cultural Gabriela Mistral - primeira poeta chilena a receber um Prêmio Nobel e alguém de quem os chilenos sentem imenso orgulho. Vale uma visita para ver o que está rolando na programação ou para tomar um café e um solzinho no pátio interno. Ali perto também tem sorvetes maravilhosos. A paleta de pistache é de outro mundo. Você encontra no Empório La Rosa, que fica nas esquina da Calle Merced com o Parque Forestal, outro lugar imperdível para caminhar, brisar ou fazer um picnic. Emporio La Rosa - Calle Merced, 291 La Chascona La Chascona é o xodó de Santiago, e não poderia não ser. A casa que Pablo Neruda construiu para encontrar-se com Matilde, por um período sua amante e depois sua mulher até a morte, é toda pensada para ser parte da natureza que a rodeia, fazendo do lugar uma espécie de ninho de amor. Chascona significa descabelada, e era assim que ele chamava sua Matilde. A casa é quase um clichê do romantismo poético, com as iniciais M e P espalhadas nas janelas de ferro de todos os cômodos. O amor chega a ser palpável ali. Colecionadores de arte e grandes amantes dos encontros, Pablo e Matilde moldaram uma casa que permitia a delicadeza de receber diferentes amigos em ambientes destintos e em todos eles, muitas referências ao mar. A casa foi brutalmente invadida e inundada no golpe militar que levou Pinochet ao poder e Salvador Allende ao suicídio - o que entendo ser a morte acelerada de Neruda, que sofria de um câncer há anos e, ao saber da cruel invasão, foi para o hospital e morreu dias depois, de tristeza e desgosto. Matilde, que foi uma mulher forte e importante e figura essencial nas causas de direitos humanos, lutando com Neruda contra a ditadura chilena, fez questão de velar o marido ali, no meio daquele vandalismo descomunal. Transformou as 3 casas de Neruda em uma fundação, abrindo-as ao público e levando o poeta para perto das pessoas. Os dois estão enterrados juntos numa delas, Isla Negra, de frente para o mar. Endereço Fernando Márquez de la Plata 0192, Barrio Bellavista, Providencia, Santiago. Fone: +56-2-2777 87 41 / +56-2-2737 87 12 Site: [email protected] Horário de Funcionamento • Março a dezembro: terça a domingo de 10:00 a 18:00 hrs. • Janeiro e fevereiro: terça a domingo de 10:00 a 19:00 hrs. • Segunda - fechado. Valores • Entrada geral: $7.000 (Siete mil pesos) por pessoa. • Entrada preferencial: $2.500 para estudantes e chilenos maiores de 60 anos. *Os estudantes estrangeiros devem apresentar a Credencial Estudantil Internacional O que não recomendamos: - A ida ao mercado municipal para comer o famoso King Crab é uma furada. O lugar é super turístico, meio sujo e a iguaria é fortunosa, quase 500 reais o prato e convenhamos, apesar de imenso, é um caranguejo. - Sky Costanera, o prédio mais alto da América do Sul. Uma torre imensa e espelhada, plantada no meio da cidade, totalmente comercial e com a vista de toda a metrópole. Não subimos. Nosso estilo de viagem não é tão urbano assim. *** https://www.instagram.com/trip_se_/
  3. Olá Mochileiros! Irei em agosto para o Chile e uma das minhas tantas dúvidas era quanto me custaria estar por lá durante uma semana. Para tanto fiz um esboço de roteiro que irá contemplar uma diversidade de atividades, que serão alteradas ainda devido à proximidade da viagem, clima na semana e disponibilização do calendário do Campeonato Chileno de Futebol (pois quero ver um jogo). Todavia, segue o esboço de forma que outros viajantes tenham uma noção de preços, e o que fazer. Fico à disposição para discutir possibilidades, sanar dúvidas e ouvir sugestões. CRONOGRAMA CHILE-1.pdf
  4. Olá, pessoal, saio neste sábado, 13 de julho de Niterói, Rio de Janeiro, em direção a Santiago no Chile de mochilão. Quero descer até Montevideo, visitar Buenos Aires novamente, Mendoza, e seguir até Santiago. Queria chegar em Santiago até dia 22 de julho. Gostaria de dicas diversas, sobre o caminho a percorrer, segurança, banhos, tempo, também aceito ofertas para couchsurfing... Ah, preciso de seguro viagem pra cada lugar?
  5. Fui para Santiago em Junho/18 (24/06/2018 a 29/06/2018) e acabei esquecendo de relatar por aqui. Mas nunca é tarde. Meu roteiro foi: Dia 1. RJ/Santiago Dia 2. Santiago - City Tour Dia 3. Embalse El Yeso Dia 4. Valle Nevado/Farellones Dia 5. Valparaiso e Viña del Mar Dia 6. Museus e Feira de Artesanato Santa Lucia - Voo Santiago/RJ O cambio estava 1/148 Pesos na Augustinas. Passagens: Uns R$800,00 pela Avianca, voo com atraso na ida. Refeição e Aeronave foi nota 10. Recomento a Avianca. Tranfer Aeroporto/Hotel/Aeroporto: Fizemos pela Transfer Brasil. Recomento, confiável e barato. Claro que tem opções mais baratos tipo onibus, mas vale o conforto. Busca no hotel com hora marcada e aceita pagamento em reais. Show de bola. Hospedagem: Apart Hotel Carlton House, Maximo Humbset 574 Centro U$ 26.00 pelo site Decolar. Hotel simples, café da manha simples, porém escolhi pelo preço e localização, já que só iríamos utilizar o hotel para durmir. Fica em frente ao Cerro de Santa Lucia e perto da Rua Augustinas, onde tem tudo. Seguro-viagem: Pela própria decolar.com, e foi super barato, acho que uns 20 reais por pessoa. Passeios: Agência Morande, fechados na Augustinas. Não conhecia a agência, acabei fechando lá na hora e não me arrependo. Super boa e o preço mais barato ou igual as outras agências, com diferencial que fizeram um desconto para fechar os 3 passeios e o atendimento fora do normal, ótimo. Os passeios foram: Embalse El Yeso: Para nós o melhor passeio, Valle Nevado/Farrelones: Bom para conhecer e brincar na neve. Val Paraíso e Vina Del Mar: Vale pela cultura e paisagens no caminho. OBS. Não lembro os valores exatos, mas acredito que todos não passaram de uns 140.000 pesos. Outros. Fomos em cervejarias (pois sou viciado em cervejas artesanais) a tarde/noite e alguns restaurantes temáticos. Museu da ditadura foi muito bom, City Tour etc. Comemos a Centolla no restaurante Ocean Pacific's. E comemos muito no restaurante La Piccola Italia. Dia 1 - Peguei o Voo Noturno para RJ-Santiago, atrasou e resultado, cheguei depois de meia noite, uma friaca do Cão. Dia 2 - City Tour e Restaurantes. Dia 3 - Embalse El Yeso Dia 4. Valle Nevado/Farellones Dia 5. Valparaiso e Viña del Mar Dia 6. Cerro San Cristobal e Cerro de Santa Lucia, e restaurante Los Vikingos (foto de carne de cervo) Cevejaria Kross e Kustman Em resumo, o passeio valeu muito a pena. Santiago é uma cidade fantástica, bem limpa e segura. Observações DINHEIRO - Voltaria fácil. Único detalhe, como nosso real estava desvalorizado, as coisas ficam bem caras, principalmente comida na rua. Saquei no santander de lá. Tem em tudo quanto é canto. Levei reais também. Melhor cambio, Calle Augustinas (tem que ficar procurando pq tem inumeras casas de cambio). VINHOS - Vinho é muito barato no mercado, encontramos garrafas por 600 pesos (aprox 4 reais). Mais barato que água. Como não gosto muito, comprei apenas alguns pra trazer. As vinículas não sei dizer se é bacana. Tenho amigos que foram e adoraram, mas como não sou fã nem fui. CERVEJA - Como prefiro cerveja, tomei todas que consegui. Não vou falar que é ruim porque não existe cerveja ruim, mais não são como as artesanais do Brasil que tem um padrão superior, é diferente. ÁGUA - As águas de lá tem gosto. Foi difícil encontrar uma marca que não tinha, mas encontramos. O jeito é pesquisar ou ir na tentativa e erro. Não tive coragem de ficar tomando da torneira (os chilenos fazem isso), o gosto é bem ruim. LOCOMOCAO - Só fiquem atentos ao utilizar uber lá. É bem mais seguro e barato que táxi, porém tem que ter cuidado pois os taxistas não aprovam e tivemos um pequeno problema ao pegar em uma avenida movimentada. Jogaram pedra no carro e quebrou o vidro de tras (o app uber me extornou a corrrida e me deu suporte - show). Eles percebem que vc entra pelo banco de trás e sabem que é aplicativo, entao, se possivel andem pelo carona no banco da frente, e ainda pegue em ruas menos movimentadas, longe de taxistas. Taxistas são "espertos" (troco errado, dao voltas, dinheiro falso) então como fiquei sabendo disso nem utilizei. Porém metro e onibus lá funciona bem, se for pra economizar é otimo. PASSEIOS - Todos os passeios saem bem de manha, mas bem de manha mesmo, entao nao da tempo para tomar cafe no hotel. Comprem algumas coisas para levar nos mercados e economizem. IDIOMA - Os chilenos falam muito rápido, é dificil no começo Eles são um pouco frios (é cultura, eles não são mal educados, só são frios) tb, entao paciencia. Já com os estrangeiros é tranquilo entender. Como tem muitos venezuelanos lá imigrantes é de boa. Em hoteis, normalmente são venezuelanos. CENTOLLA - Prato típico. Carangueijo gigante. Não é nada de mais, vale para experimentar, mais pra quem nao gosta de frutos do mar não recomendo. Até porque é bem caro (aprox 200 reais por pessoa em media) OBRIGADO A TODOS DA COMUNIDADE MOCHILEIROS QUE AJUDARAM. SE PRECISAREM DE ALGUMA COISA, É SO ENTRAR EM CONTATO. ABÇS
  6. ~~ Em Santiago existem bares e baladas de todos os tipos e gostos, não tem como fazer uma listinha que agrade todos, mas farei uma listinha com lugares que fui para conhecer, algum deles pode te agradar... Se quiser saber mais me manda uma mensagem que posso te ajudar! +56949727331 [mention=394502]perdidosnatrip[/mention] =) ~~ Tem tantos países e histórias nessa foto que dá vontade de voltar no tempo ~~ Vamos lá ! No BellaVista você encontra de tudo um pouco, eu particularmente não sou a fã numero um de lá, devido a grande quantidade de bêbados e vendedores pelas ruas, mas o maior fluxo de pessoas está por lá, porque querendo ou não, é o ponto mais divulgado e conhecido da vida noturna ! [emoji6] Se quer Reggaeton no BellaVista, na rua PioNono, você encontra lugares como Campus Central, Espacio Harvard, Oxford, Bora Bora, são baladas/bares de fácil acesso e muita gente sempre, e nas ruas ali por perto você encontra a Ex Fabrica, Club Chocolate são mais difíceis de entrar, mas são melhores também... E claro tem o Club57, sou um pouco suspeita de falar de lá, porque sempre vou lá levar hospedes, eu amo aquele lugar, as musicas que são bem variadas entre reggaeton, eletrônica, funk, cumbia, anos 80, tem duas barras e a área vip excelente com mesas e sofás, com ela tudo lá fica melhor ! E trabalhei um tempo com eles, então caso queira ir, e não pagar entrada, me chamaa [emoji5] Mas se quer outros tipos de Discos no BellaVista tem também, vá ao Jammin-Club se quer Reggae e Dancehall; conheça o Micro Club se quer curtir uma Musica Eletrônica; se é mulher e solteira, conheça o Club Burbujas; se é homem e solteiro, conheça o Diosas; se quer dançar/aprender Salsa, conheça o Maestra Vida.... Agora o melhor está nas baladas Gay Friendly, se quer dançar todo tipo de musica que existe e com gente que saiba dançar, conheça ao menos uma... Por ali, temos Hangar, Soda , Club Príncipe e a Bunker – essa é uma coisa incrível , não vou muito porque é grande e lotada, mas não perca a oportunidade de ir na Bunker em uma quarta-feira, a maior festa de estrangeiros em Santiago, acontece lá e nesse dia... E por favor, se for, me convide ! Em outros bairros, você também encontra discos/bares excelentes que agradam todo tipo de pessoas. Em Providencia temos : o Club Subterraneo, a Fausto, Jazz Corner, Ex Oz, EsquinadoSamba (BR) e a/o Mito Urbano que assim como a 57, tem um espaço diferenciado no meu coração porque toda semana passava por lá ... Por outros bairros de Santiago, temos o Club Caleido, La Batuta, Teatro Caupolican, Club Matta em Ñuñoa, a Blondie e o Club Hipico na Alameda, Club Femme em Vitacura... E chegando a parte alta de Santiago, se estiver próximo a ela ou quiser conhecer, entre Vitacura e Las Condes acontece o melhor After Office - minha opinião, e temos lugares excelentes, como o Club Amanda, Sala Gente, Sala Omnium, Club Eve, MosaiCafé, e claro que a calle Isidora 3000 não ficaria de fora da minha lista, lá esta o primeiro hotel W da América do Sul, além de lindo com vista para a cordilheira, tem o Red20ne, o W Lounge e a famosa baladinha Whiskey Blue ! Se você leu até aqui e gostou do assunto da um LIKE ^^ Se quer outras dicas me chama +56949727331 ou segue no insta[mention=394502]perdidosnatrip[/mention] [emoji4] Ficarei feliz em saber que tem alguém por ai que está curtindo e sendo ajudado pelos meus relatos [emoji4] Um beijinho e BoaViagem [emoji14] .
  7. Roteiros para Viajantes é um blog de viagens, principalmente para encorajar mulheres a viajarem sozinhas e acreditam que tudo vai ser muito complicado. Estudos mostram que mulheres preferem viajar sozinhas pela independência e liberdade. Organizando o seu próprio roteiro, tendo a possibilidade de conhecer novas pessoas e ter experiências únicas. Geralmente, as mulheres que viajam sozinhas acabam tendo uma autoconfiança melhor de si, mesmo com alguns medos, elas tentam enfrentá-los, mostrando que sempre é possível buscar seus objetivos. Veja também o infográfico: [Infográfico] Mulher Viajante: Não tenha medo de viajar sozinha. Minha missão é incentivar as mulheres a viajarem, mesmo sem companhia. Mostrando que viajar sozinha e planejar sua viagem melhora a autoestima, confiança, a saúde mental e até mesmo a depressão. Roteiros para Viajantes pode ajudá-la a planejar sua viagem de forma mais prática e fácil. Saiba mais: https://www.roteirosparaviajantes.com.br/
  8. Mochilão Mochilão La Paz, Uyuni (BOL) – Salta, Córdoba (ARG) – San Pedro do Atacama, Santiago (CHL) - Arequipa, Cusco (PER) “Não tenha medo de morrer feliz, tenha medo de viver triste”. – (Jeison Morais) Porque mochilão? Quando disse para minha família e amigos que iria fazer uma viagem com uma mochila cargueira nas costas ao invés de malas, sozinho, pelo Peru, Bolívia e Chile, e sem data pra voltar, a grande maioria duvidou que eu realmente a faria, essa maioria também questionou os destinos escolhidos e o restante embarcou na ideia dizendo o quanto isso era incrível e como gostariam de fazê-lo, quando retornei alguns quilos mais magro e moreno de sol, mas com aquele brilho nos olhos que só quem viveu um mochilão conhece, o que ouvi de todos foi o quanto era corajoso, louco e como devia ter sido incrível toda a experiência. Acho que pra embarcar em um mochilão nós temos que estar em um modo diferente de ver o mundo e creio que todos os mochileiros, independente do nível de experiência, irão fazer uma mesma constatação, essa forma de viajar única vai te colocar em situações frequentemente mais desafiadoras que outras, em contato com pessoas reais em seus ambientes reais, e se você não estiver minimamente conectado e inclinado psicologicamente para isso, toda a experiência será muito frustrante. Penso que qualquer pessoa pode ser colocada em uma viagem de luxo em um cruzeiro internacional e com um mínimo de disposição será maravilhosa essa experiência, mas nem todo mundo pode fazer um mochilão se não estiver realmente disposto a experimentar o que isso significa. Definitivamente mochilão não é pra gente fresca. O meu primeiro mochilão, mesmo que ainda não tivesse noção que o era, aconteceu por um acaso no começo de 2017 em um relato que já postei aqui no site e vocês podem conferir no clicando no link Conhecendo Manaus, através dele creio que também terão uma noção melhor de quem sou e como essa viagem foi importante pra adquirir uma nova visão de mundo que desembocou nessa aventura pela América do Sul. Antes de prosseguirem devo avisar que na época, agosto de 2018, tinha montado um roteiro saindo de Rondônia ondo moro, e seguiria até Cusco no Peru pelo Acre, depois faria Ayacucho, Ica, Arequipa e Puno – Peru, em território boliviano tinha pretensão de fazer Cobacabana, La Paz, Potosi e Uyuni onde atravessaria o salar até chegar ao Chile para fazer o Atacama e terminaria em Santiago onde já havia me aplicado como worldpackers para o começo de outubro durante um mês, até então não tinha ideia de como voltaria para o Brasil, mas para iniciar a viagem marquei a data quase para o fim de agosto, tinha a intensão de ficar dois meses viajando, mas na verdade não tinha data certa pra voltar, ela seria quando o dinheiro, R$ 7.000,00, chegasse ao fim, mas o que ocorreu foi bem diferente do que “planejei” inicialmente, a viajem durou 45 dias e o roteiro foi bem mais enxuto, quanto ao dinheiro, esse não teve salvação, foi todo e a viagem não poderia ter sido melhor, pode parecer loucura mas além de acreditar em algo como “o destino” haha, as coisas estaticamente planejadas nunca funcionaram muito bem pra mim, hoje depois de três meses findados o mochilão, não alteraria em nada do que fiz, mas não recomendo a ninguém que saia sem um norte bem definido pra países onde não dominam a língua e costumes, tenha em mente um bom e detalhado planejamento, obvio que as coisas podem sair do rumo esperado, faz parte, mas se seguir as dicas de todos os mochileiros decentes que conheço e conheci, as chances de dar errado são mínimas, quanto a mim só posso agradecer ao universo, Deus, aos deuses, a sorte e o que mais acredite por ter colocado pessoas tão incríveis no meu caminho e por tudo ter dado tão certo, desde antes da viagem, quanto durante ela. Durante o relato vou tentar descrever os passeios, locais de visitação, meios de transporte, custos e sempre que necessário, em separado, as dicas e macetes que achei úteis. Também pretendo publicar um livro, a parte, com detalhes do mochilão mais voltados para as experiências e pessoas que conheci durante essa viagem, quando tiver concluído, pra quem tiver interesse, aviso com mais detalhes, nele deverão estar presentes todas as informações que vou passar neste relato pro Mochileiros, mas como o que nos interessa aqui são informações mais voltadas para custos e dicas do que sensações em si, lá vamos nós. GRATIDÃO E PLANEJAMENTO Com o acesso a internet e a vários sites e grupos online de mochileiros que compartilham seus relatos e experiências de viagens, ficou muito mais fácil planejar um mochilão para qualquer destino já percorrido por alguém neste planeta. Quando estava na fase de me maravilhar com os relatos, a ideia inicial era ir de ônibus percorrendo toda a costa oeste do Brasil até o sul, e prosseguir pelo Uruguai, cruzar a Argentina e por fim subir o Chile até o Atacama, neste primeiro momento o Chile seria o único destino de parada, tendo apenas as paisagens dos outros dois países sul americanos como complemento da viagem – aqui início os meus agradecimentos, primeiramente ao @Gedielson quem fez esse percurso e depois um relato repleto de detalhes além da disponibilidade de outras informações nos comentários, gratidão a ti mano, a diferença é que ele saiu do sul do Brasil – depois de adiar o mochilão já no começo do ano acabei por encontrar outro mochileiro aqui no site, o @Diego Moier, um parceiro muito solicito que iniciou suas postagens sobre um famigerado roteiro pela Bolívia, Chile e Peru, no começo de junho, nesse momento já havia adiado duas das três vezes minha viagem remarcando tudo para agosto, de maneira que pude acompanhar ansioso cada postagem que o Diego fazia sobre sua jornada, a partir de então meus planos se alteraram completamente, e um novo roteiro começava se desenhar na minha mente, meu mochilão estava apenas começando. Devo dizer que o relato do Diego é muito completo e detalhado, tu é fera mano, e ele teve outras duas inspirações principais por assim dizer, uma delas, o @rodrigovix, também serviu para inspirar a minha viagem com um relato muito top, detalhado e engraçado – Rodrigo não te conheço cara, mas lendo sua história era como se estivesse vendo tudo na minha frente com os olhos brilhando – devo dizer muito, mais muito obrigado mesmo pela disponibilidade de vocês Diego e Rodrigo por postarem seus relatos, isso inspirou, guiou e foi a base do meu mochilão, mesmo que no fim tenha percorrido outros destinos que alteraram em parte o roteiro inicial, mas isso é assunto pra depois, por hora, gratidão a vocês e a todos que compartilham suas aventuras aqui, espero poder contribuir e inspirar alguém também em fazer algo incrível como mochilar haha, e antes de prosseguir peço desculpas pelo atraso em começar a postagem, mas depois que a gente larga tudo pra viajar, ainda tem uma vida repleta de boletos nos esperando, mas prometo fazer as postagens o mais rápido possível a partir de agora. Durante semanas parte do meu tempo livre se resumia em ler e buscar informações dos destinos que pretendia percorrer pela viagem, as informações que não tinha no relato dos meninos eu ia buscando em outros relatos, e acredite, relatos super detalhados e repletos de dicas é o que não faltam na rede, agradeço mais uma vez todos que desbravaram não só novos territórios físicos e geográficos como também compartilharam suas experiências na internet, sem vocês tudo teria sido muito mais difícil e talvez nem ocorrido teria, então muito obrigado. Voltando do momento gratidão, a síntese pra quem se dispõe a cair na estrada é ter uma boa operadora de internet para poder navegar e encontrar muita informação e conselhos detalhados de gente que já fez esses percursos, eles são uma base segura para montar sua viagem e planejar os roteiros, passeios, gastos com alimentação, costumes, dicas de lugares para comer, dormir, se divertir, o que levar, o que não levar, cuidados que se deve ter e muito mais, e mesmo que tenha preguiça de ler tudo, lhe garanto que a fase de se maravilhar vai te impedir de fazer outra coisa que não ler e ler e reler todos os relatos e dicas que possa achar. Viajar por países andinos, em qualquer época do ano, vai lhe exigir o mínimo de roupas de frio, como moro na Amazônia brasileira, roupas de frio é item em falta em meu guarda roupas, então, se esse também for seu caso, comece por uma lista de roupas que irão te livrar de virar um picolé brasileiro em terras estrangeiras, o segredo para isso é se vestir em camadas, no mínimo um conjunto segunda pele térmica, depois uma blusa de frio fleece e por ultimo uma jaqueta corta vento, três camadas devem ser suficientes para enfrentar até menos dez graus que foi a temperatura mais baixa que enfrentei durante a viagem e estou aqui com todos os dedos para contar a história, no entanto é possível que enfrente temperaturas ainda mais baixas dependendo da estação do ano, no mais a sensação de frio varia de pessoa pra pessoa, então nesse caso menos não é mais. Por outro lado um mochilão, apesar do nome no aumentativo, não é uma mala nem um mini guarda roupas, poucas coisas cabem dentro dele, ainda mais se tratando de roupas de frio que tendem ser mais volumosas, assim sendo, é importante que tenha bom senso na hora de montar sua lista e mais bom senso ainda na hora de montar seu mochilão e não se preocupe, ao final da viagem você vai ver que não precisava ter levado tudo que colocou nele, não porque irá adotar o habito de algumas nações de não tomar banho todos os dias – e não estou falando dos sul americanos –, e sim porque há serviços de lavanderia em boa parte dos hostéis ou cidades por onde vai passar, então não compensa carregar metade de seu guarda roupas nas costas. Leve roupa pra passar de uma a uma semana e meia, isso deverá ser o suficiente para se virar, até porque repetir roupas é algo mais que comum nestas viagens o importante será passar pelo teste do olfato, se aprovado, é o que tem até o próximo banho. Por isso é importante ter noção de para onde se está indo, em qual época, os passeios que pretende fazer, é nesta base que poderá montar sua mochila, de forma eclética, talvez não tenha pretensão de ir para um lugar frio, mas vai que durante a sua passagem o tempo mude e a temperatura caia para menos vinte célsius, é bom ter aquele agasalho que sua mãe tanto fala, tudo bem que você vai morrer de qualquer jeito, mas vai morrer mais quentinho pelo menos. Como tinha pretensão de fazer alguns trekkings, e pelo menos um ao certo, investi em um coturno impermeável, não façam isso, pelo menos não de última hora, hoje ele está muito confortável, mas durante a viagem eu amaldiçoei cada segundo do momento que tive a ideia de compra-lo, além do que, mesmo que não impermeáveis, existem calçados mais apropriados para trilhas que um coturno – a menos que você seja um militar e assim como eles muito mal pagos pra sofrer – aconselho que invista até mesmo em um bom tênis de corrida e caminhada que será mais confortável e inteligente, uma vez que o outro calçado que levei foi um tênis já bem gasto com o qual fazia minhas caminhadas pela cidade e foi ele quem me salvou de ter um ataque do coração, acabou que só usava o coturno quando estava me deslocando em algum transporte entre as cidades porque se coloca-se no mochilão teria que me livrar de três quartos das minhas roupas, risos de raiva. Mas antes das roupas e calçados, antes de pensar em viajar, tenha sempre em dias seus documentos atualizados e prontos, já havia tirado meu passaporte um ano antes e foi este documento que usei para sair do Brasil – mesmo que atualmente a maioria dos países sul americanos exijam apenas a carteira de identidade com menos de dez anos de expedição, o passaporte é o melhor documento para viagens – também é importante ter conhecimento das condições necessárias para entrada e/ou permanência nos destinos escolhidos, para tanto o Ministério das Relações Exteriores do Brasil, disponibiliza na web uma pagina onde constam os documentos e procedimentos necessários, como documentos exigidos, necessidade de visto e moeda, vacinação, alertas para turistas, entre outros, esse tipo de planejamento é muito importante porque a retirada de documentos geralmente ocorre de forma lenta em determinadas regiões do país, como a minha por exemplo e pode atrasar sua viagem em meses. No mais é importante ter em mente que as atualizações referentes a procedimentos de entrada em outros países se alteram com frequência, por isso é importante estar sempre de olho em possíveis mudanças como a necessidade de vacinação para entrar em outras nações, quando exigido, a comprovação só é feita através do Certificado Nacional de Vacinação, documento expedido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária em seus escritórios regionais e locais, mas é possível que nem todo município disponha do serviço, o mesmo vale para a confecção de passaportes e vistos. Tendo os documentos prontos é importante também pensar em ter uma cobertura mínima em caso de possíveis problemas, ter seguros de toda espécie é uma boa opção, mas um fundamental é o seguro saúde uma vez que em terras estrangeiras qualquer procedimento que exija atendimento hospitalar vai lhe custar muito dinheiro fora a medicação e outros possíveis gastos, então invista em uma cobertura deste tipo tendo em vista os lugares em que vai se aventurar e passeios que pretenda fazer. Hoje existem diversas opções de bons planos que fornecem uma ótima cobertura com valores bem acessíveis a todos os bolsos e gostos, e lembre-se, ninguém pensa em morrer – bate na madeira – mas se ficar doente no exterior já é ruim, partir pra outra é ainda pior, o custo e burocracia são infernais, claro que não estará aqui para ver isso, mas em muitos planos um auxilio translado também está incluso no preço final, por isso olhe bem tudo que está incluso e compare, tem planos com mais opções e preços mais baixos, basta pesquisar. Pra terminar seu planejamento, você irá necessitar de uma mochila de ataque, certamente você a carregará na frente enquanto estiver com seu mochilão e é nela que estarão seus itens de higiene pessoal, acessórios e eletrônicos, remédios, tipo uma farmácia mesmo e umas roupas básicas pra sobreviver, e comida, e água, e lenços umedecidos, e acho que é só, então segue uma lista do que eu levei pro meu mochilão, aqui não vou passar os valores porque nesse quesito o que conta é a pesquisa e disponibilidade de produtos e serviços que terão, já falei que moro no norte, então só de frete pra cá se vai metade dos custos dos produtos, quando não mais. Haaaa, acaba que minha lista ficou mais enxuta que a lista em que me baseei, @Diego Moier pra variar, então vale muito ler o relato dele e de quem inspirou ele também, porque se fores alguém mais detalhista, a lista deles é bem mais completa, no mais eles tem boas dicas referentes a moeda, dindin, dinheiro mesmo, uma vez que eles levaram dólar para aumentar o poder de negociação, já eu levei apenas nossa desvalorizadíssima moeda nacional na época (no auge da campanha eleitoral), e apenas reais, nada de cartão de credito internacional, cartão pré-pago ou qualquer outra forma de dinheiro, unicamente porque as taxas pra sacar ou usar essas formas de pagamento no exterior são muito ruins para nós, então preferi tentar a sorte e trocar moeda nas casas de cambio de lá mesmo, pra quem puder trocar reais por dólares antes da viagem, a depender da cotação, é sempre bom, pois é a moeda forte em qualquer lugar, assim como o euro, quanto as outras formas de pagamento/dinheiro, é recomendável ter uma outra opção em caso de furto ou roubo, mas nesse quesito ao menos os países que visitei são muito mais tranquilos e seguros que o Brasil, no mais se tu não for assaltado aqui não é lá que será, apesar da infinidade de golpes que aplicam contra turistas, tem que ficar de olhos bem abertos todo o tempo. DOCUMENTOS: Passaporte, Carteira de Identidade, Certificado Internacional de Vacinação e vou incluir aqui o Seguro Viagem. Dica: Caso tenha feito reservas de hospedagem e outros serviços como seguro saúde, leve os comprovantes impresso e também tenha registros dos documentos e comprovantes em formato digital no celular e e-mail. OBJETOS: 01 Mochila Náutica 60 l (recomendo, é muito boa e saiu por uns R$ 350,00 no Mercado Livre). 01 Mochila (para notebook, com três compartimentos, ela serviu como mochila de ataque); 01 Celular, cartão de memória, carregador e fone de ouvido (que também serviu como câmera, mas se puder invista em uma câmera profissional, a menos que o seu telefone seja o top das galáxias fotográficas); 01 Money Belt (também conhecida como doleira, para guardar seus trocados e documentos junto ao corpo e não largar nunca); 01 Cadeado (pelo menos um); 01 Lanterna (não usei, mas é útil a depender do roteiro, como subir as escadarias para Machu Picchu ainda de madrugada ou trekkings noturnos); 01 Pasta (para guardar todos os papéis possíveis e impossíveis que estou encontrando agora); 01 Caderno e caneta (gosto de escrever e desenhar). CALÇADOS: 01 Coturno Impermeável (já falei sobre isso); 01 Tênis (também já falei); 01 Chinelo de dedo Rider (depois quero receber pelo merchandising). ROUPAS: 01 Toalha de banho (se puder invista em uma de secagem rápida, microfibras); 01 Toalha de rosto; 07 Pares de meias; 01 Sunga; 12 Cuecas; 02 Calças jeans; 01 Bermuda jeans; 01 Bermuda moletom; 06 Camisetas (03 foram suficientes); 02 Camisetas de manga longa; 01 Conjunto segunda pele térmica; 02 Blusas fleece; 01 Jaqueta corta vento; 02 Calças moletom (se puder invista em uma corta vento); 01 Capa de chuva; 01 Óculos de sol (invista em um bom); 01 Par de luvas de frio, 01 gorro e 01 boné; 01 Cachecol e 01 Meia de lã grande (comprei durante a viagem para travessia do salar); ITENS DE HIGIENE PESSOAL OBRIGATÓRIOS E ESSENCIAIS: Escova, pasta de dentes e fio dental; Lenços umedecidos (não sei como vivi sem saber da existência deles até esse mochilão, e sim eles irão salvar sua vida, ou a vida dos seus companheiros pelo menos); Sabonete e shampoo; Hidrante corporal e hidratante labial; Protetor solar; Desodorante e perfume; Pente e creme para pentear (a menos que seja careca); Papel higiênico. Dica: não é necessário entupir sua mochila de ataque com muitos e grandes itens, você poderá compra-los nas cidades que passar, mas em geral esses itens são muito mais caros principalmente no Chile e Argentina, se comparados aqui com o Brasil, leve apenas o básico e se for necessário compre algo por lá. REMÉDIOS: Algo para diarreia (tendo em vista a quantidade de reclamações, principalmente na Bolívia); Algo para o fígado (caso houvesse uma infecção intestinal e necessitasse dar uma ajuda ao nosso órgão responsável por eliminar toxinas); Algo para azia e má digestão (já percebeu que o medo com as comidas internacionais foi grande); Algo para febre, dor de cabeça e gripe (três em um mesmo); Algo para dor muscular (além de comprimidos, também comprei na forma de emplasto); Curativos (curativo adesivo, esparadrapo e gaze); E algo para amenizar o mal da altitude, o famoso soroche. Dica: De todos os itens da minha farmácia particular, não usei nenhum dos relacionados para o estomago, no entanto eles serviram para uma companheira de viagem no Atacama, ela passou muito mal e os remédios ajudaram a aliviar os sintomas, os restantes foram todos usados, adicionados uma aspirina (ácido acetilsalicílico - ASS) que comprei no Chile em virtude de uma inflamação nas amidalas, e deu pra quebrar o galho até chegar ao Brasil. Quanto ao usado para o mal de altitude, o escolhido foi o Diamox, seguindo algumas dicas de outros mochileiros, no meu caso tive que parar de usa-lo no terceiro dia, pois estava me fazendo muito mal, talvez seja mais aconselhável o uso de pastilhas que são vendidas no Peru chamadas Sorojchi Pills e que prometem resolver o problema, como são indicadas especificamente para essa finalidade, é melhor que o Diamox que pode ajudar a combater o soroche, mas não foi feito para essa finalidade. Por fim, automedicação não é algo a ser recomendado ou encorajado, fármacos podem gerar efeitos colaterais adversos, por isso passe em um médico ou no mínimo converse com um farmacêutico sobre alguns remédios para melhorar a imunidade e ajudar em possíveis casos de adversidade na viagem. APLICATIVOS: Com poderosos smartphones temos a mão uma infinidade de aplicativos que podem potencializar as experiências de viagem, no meu caso, o Windows Phone não mantem uma boa e atualizada base dos mesmos, mas se você possui sistemas mais comprometidos com seus usuários vai encontrar bons apps para facilitar sua vida no mochilão. Booking / HostelWorld (para descobrir hostéis e hotéis com preços bons e avaliações de usuários); Maps Me / Mapas da Microsoft (com eles você baixa mapas que poderão ser usados off-line, possuem boa precisão e riqueza de detalhes e informações como pontos turísticos, acomodações, restaurantes, avaliações de usuários, etc.); Google Tradutor (dispensa apresentações, o app possui uma série de funcionalidades muito uteis pra quem ainda não domina completamente outros idiomas); TripAdvisor (pra quem procura detalhes de pontos turísticos a partir da interação dos usuários, considero o app mais confiável); Dropbox / Google Drive / One Drive (apps para backups, e sim, você pode acidentalmente entrar com celular em um lago salgado no meio do Atacama e perder tudo, mas se tiver salvado na nuvem, pelo menos suas fotos estarão preservadas); Skyscanner / Google Flights / Rome2Rio (esses apps são para quem busca passagens aéreas principalmente, o Rome2Rio também indica passagens de ônibus, trem e barcas e vem cheio de informações como horários, itinerários e preços); Oanda / XE Currency (apps gratuitos para conversão de moedas); Movit / Citymapper (te mostra às linhas e itinerários de trens, metrô e ônibus e qual é o caminho mais rápido pra chegar ao seu destino, tendo aplicação em mais de 1.000 cidades deste mundão velho de meu Deus); Mochileiros (app aqui do Mochileiros.com que disponibiliza os relatos e o fórum pra conversa com outros viajantes). Ainda existem outras infinidades de apps, como os de hospedagem nas mais variadas formas, Airbnb, Gamping, Couchsurfing; para encontrar companhias de viagem, no caso o Tourlina é apenas para as meninas que estão na estrada, já o Tongr é para uma maior interação com os locais, enfim apps não faltam, pena nem sempre estarem disponíveis em todos os sistemas operacionais. Com tudo pronto, partiu mochilão.
  9. A ideia de fazer o relato do meu mochilão pelo chile é partilhar com os outros um pouco da experiência de viajar e servir de incentivo e orientação do que fazer (ou não fazer). Vamos lá! Diário de bordo 1 Sai de Londrina no domingo dia 18/12 às 7:45. Nunca pensei que uma simples viagem de Londrina para ctba pudesse demorar tanto. O ônibus entrou em tudo quanto é cidade, distrito e vila. Mas tbm fez uma parada na famosa "soledade". A máquina de suco natural de laranja é a melhor. Bem, depois de ser "assaltado" com os preços da Parada Soledade, foi hora de seguir viagem. Cheguei em ctba as 17:30. Quase 9 horas de viagem pra percorrer 400 km. O ônibus para Santiago estava previsto de saída às 20:00, mas só chegou as 22:00. A única opção que tive de ônibus foi a Chilebus. Deu trabalho pra compra a passagem, mas tudo funcionou bem. O que me tranquilizou foi que tinha algumas irmãs/freiras, da ordem trapista, que iriam embarcar no mesmo ônibus que eu e já haviam viajado outras vezes neste ônibus e disseram que ele costuma mesmo atrasar. Detalhe, uma das irmãs veio me perguntar se eu estava com bagagens e se eu não poderia assumir uma de suas bagagens. Infelizmente não dava neh. Não dá pra confiar nem em uma trapista hehe. Bem... As 22:00 o ônibus chegou. Embarquei e seguiu viagem. Logo que entrei, de tão cansado que estava eu dormi fácil. Não era nem 1:30 já passamos em Floripa em Porto Alegre as 6:40. Diário de bordo 2 Esse foi um dia de estrada. Saímos de porto alegre as 7:00, rumo ao interior do RS. O motorista não tinha dó de pisar no acelerador hehe Tbm não tinha dó de nós, só foi parar em Uruguaiana, última cidade do Brasil. Paramos para tomar banho e comer. Ahn banho... Como me fez bem! O guia disse que seria uma parada de 1:30. Ficamos um pouco mais de 2 horas parados. Foi bom pq arrumei uma tomada e deu para completar a carga do cel. Depois, mais duas horas parados nas alfândegas do Brasil e Argentina. Engraçado como é uma burocracia burra. Fiscalizam tanto para não fiscalizar nada. Seguimos viagem, agora do lado argentino. No começo pegamos umas estradas ruins, o ônibus andava muito devagar. Foi possível observar um belo por do sol. Depois de servido um lanche logo dormi. Acordei em uma parada lanche e banheiro, mas acho que demorei acordar e so deu tempo de ir ao banheiro rsrs e logo já voltamos para a estrada e dormi dnovo. Diário de bordo 3 Já acordei bem mais no interior argentino. Estava em Rio Coarto, a 465 km de Mendonza. Fizemos uma rápida parada em um posto de gasolina para uma ida no banheiro. Tentei comprar algo de comer, me informaram que não aceitavam reais e nem dólar. Depois, já dentro do ônibus me falaram que conseguiram comprar com reais. Uma pena, estava faminto heheh Agora já é possível perceber alguma mudança na paisagem, já não tão tradicional. Quando chega em Mendonza, aí sim vc percebe que está em outro país. De longe vc começa a avistar os Andes com seu topo ainda coberto de gelo. A sensação de passar pelos Andrés e incrível. Impressiona a grandeza. Depois de muito subir, atravessamos para o lado chileno, e depois de uma via Crucis na alfândega chilena, voltamos a rodar. Se a subida do lado argentino já é lindo, a descida do lado chileno é de tirar o fôlego. A chegada em Santiago foi tranquila. Uma rodoviária apertada, lotada, lembra o camelo de Londrina ou até mesmo a região da 25 de março. Logo que desembarquei, fui atrás de comprar um chip local e trocar alguns pesos chilenos, o que pude fazer na rodoviária mesmo. Na rodoviária tbm tinha mc donalds. Pensei que seria a solução pra minha fome infinita. Pqp, pior Mc q já comi na minha vida! Lanche, suco(sem gelo), batata... Tudo parecia ser do dia anterior. Mas, enfim, eu tava com fome... E mesmo comendo um pouco, continuei com fome kkkkk Chamar um uber não foi tão prático como é no Brasil, mas deu certo. Cheguei no hostel. Hostel Chic. Muito bom! Limpo, organizado, confortável. Tomei um banho e fui dormir, estava exausto. Diário de bordo 4 Acordei antes do cel despertar. Acho q é a vontade de viajar heheh Meu ônibus para San Pedro saia as 9:30, então coloquei o cel para despertar as 7:45 pra ter um tempo de ajeitar as coisas, utilizar do banheiro, tomar café e voltar para a rodoviária. Eu já tinha comprado a passagem no dia anterior. Levantei, arrumei as coisas, tomei café e fui...rodoviária. Comprei passagem pela Turbus. Saiu o equivalente a R$ 250,00. Um tanto barato pelo tanto que vou percorrer. A previsão é de 22 horas de estrada. Tinham me recomendado não pegar o Turbus, mas acho que estavam enganados. O bus e muito confortável e o melhor de tudo é que da pra carregar o cel é o carregador funciona de vdd, ao contrário de muito ônibus que conheço no brasil. Obs. Perdi um carregador portátil de cel no hostel. Inexplicavelmente ele sumiu. Ainda bem que tenho outro. Agora é só esperar chegar em algum lugar descente para comer. Hunnn Quase 10 horas na estrada e o lugar descente para comer não chegou. Não é que não chegou o lugar descente, é que não chegou lugar algum para comer. Graças a Deus que sou o mínimo prevenido e do Brasil eu trouxe algumas porcarias, tipo, bolacha passatempo e pingo de ouro, foi o que salvou. A paisagem, desde que saí de Santiago não mudou muito. Muita montanha e um lugar bastante árido, com pouquíssima vegetação. Cidades uma distantes das outras, com uns 100 km ou mais. Ahn, no meio do trajeto foi possível avistar o oceano pacífico (eu nunca tinha visto outro oceano além do atlântico). Emocionante. Por um bom tempo viajamos com ele a esquerda. O sinal de celular/internet funciona muito bem aqui (pelo menos com o chip q comprei). Funciona até atravessando túnel. Fiz um amigo. Um australiano que sentou ao meu lado depois de algumas cidades. Por sorte ele fala um pouco de espanhol e português. Pq meu inglês é muito amador hahah. Aproveitei uma entrada em uma cidade para comprar algo de comer. Não foi uma parada. Foi só embarque e desembarque, mas o australiano, vendo meu desespero por comida, segurou (pq senão o bus tinha me deixado) o bus enquanto eu comprava um salgadinho da Elma chips. Horrível e caro, diga-se de passagem kkkkk No bus serviram uma bolacha, tipo walfer e um suco (doce que nunca vi igual) Deu pra dar uma enganada na fome. Obs. O cenário muda quando chegamos em alguma cidade. Embora de ruas estreitas, elas parecem bem organizadas, mesmo entre tantas montanha, pedras e areia. Apesar de longa e cansativa, a noite dentro do bus foi tranquila. Agora é só chegar no Atacama. Diário de bordo 5 Primeiro dia no Atacama. Depois de mais de 20 horas de viagem, chegou. Meu hostel ficava bem perto da rodoviária. Cheguei às 9, mas meu check in era só às 14. Victor, que toma conta do hostel deixou eu ingressar, tomar um banho e deixar as coisas mesmo antes do check in. Banho tomado, fui atrás de agências para fazer os tours. Pesquisei algumas, mas a que melhor se encaixou no que eu queria foi a Ayllu, uma agência praticamente brasileira. Fechei com eles ao meio dia e o primeiro tour foi às 14. Só o tempo de almoçar e já ir. Almocei em um restaurante bom. Tortilhas acompanhada de guacamole. Mui bueno! Passei no hostel, peguei a mochila e foi para o tour. Termas de Puritana. Foi quase um tour vip, uma vez que estava só eu e mais um casal de SP. Eduardo e sua namo (não lembro o nome, então pode ser Mônica rsrs). Termas é top demais. Um oásis que corre no deserto. Uns 3000 m de altitude e a temperatura média da água é de 25 a 32 graus. São 7 piscinas, todas próprias para banho. Uma água muito cristalina. É possível ver o fundo em qq lugar q vc estiver. Tentei tirar fotos debaixo da água, mas sem muito sucesso hehe Depois de experimentar das 7 piscinas, foi a hora do lanche da tarde (oferecido pela agência), com prato principal cevichi, muuuuito bom, acompanhado de vinho branco e mais um monte de coisas que nem me lembro. Foi um tour sensacional. Voltei para o hostel já quase de noite. Achei que em San Pedro do Atacama demora muito escurecer. Até 9 ainda está claro. Cheguei exausto no hostel. E ao invés de tomar uma banho e descansar, não... Tomei um banho e fui atrás de uma agência que faz o tour astronômico. Consegui pegar a última vaga do ano, porém, o tour saia a meia noite. Contratei mesmo assim, queria muito fazer. Tem duas horas e meia de duração, ou seja, voltaria as 2:30 da madrugada. Detalhe, as 5:30 a van do tour do dia seguinte passaria no hostel me pegar. Apesar da canseira foi muito bom ter feito o astronômico. A vista do céu aqui do Atacama não tem igual. Uma guia, Alessandra, dava explicações sensacionais, cativante. Faz vc se apaixonar por astronomia. Depois de mais de uma hora de aula a céu aberto, somente com os astros iluminando e um frio de zero grau, foi a hora de observar os astros nos telescópios. Outra experiência única. E para finalizar o tour, tivemos uma espécie de bate papo com um e astrônomo, Alan. Algo sensacional tbm. Acompanhado de chocolate quente. Ônibus me deixou no hostel. Só apaguei. Já dormi com a roupa de acordar no dia seguinte. Ou melhor, dali 3 horas hehehe. Diário de bordo 6 Dia de conhecer as Lagunas Altiplânicas, Vale de la luna e Vale de la muerte. Acordei cedo, muuuuito cedo. Me confundi com o fuso horário kkkkk Mas graças a Deus que foi mais cedo e não mais tarde. Sem contar que já tinha ido dormir bem tarde na noite anterior. Bem... A van passou me buscar no hostel com algum atraso (isso se repetiu outras vezes ). Logo quando saímos em direção as altiplânicas o guia avisa q teremos duas horas de viagem e seria bom que a gente dormisse para chegar bem descansado. Dormir era uma coisa que eu precisava muito. Mas, pera... Cade o encosto de cabeça no banco da van?? Simplesmente não tinha kkkkk (conforto nessas vans tbm nao era o forte da agência) Tentei de várias formas. De varias mesmo, e depois de bastante malabarismo ajeitei um jeito desajeitado para tentar dormir. A canseira era tanta q consegui. Quando estava para chegar nas lagunas, acordei com os sacolejos da van. Chegamos em Piedras Ojas primeiro. Onde tbm tem lagunas. Fazia tanto frio que quase não foi suficiente a roupa que estava vestindo. Somente com o rosto de fora e isso com alguma proteção de óculos de sol, ainda sentia frio. Uma delícia! Piedra Ojas é perfeito. Suas pedras avermelhadas, com contraste do sal das lagunas, as lagunas que mais parece um espelho de tanto que refletem perfeitamente as montanhas que a cercam. Depois de curtir essa paisagem espetacular e poder tirar algumas fotos, a agência preparou um delicioso café da manhã. Eles montaram o café neste cenário. Ainda que fosse meu costumeiro pãozinho com manteiga e café já seria muito bom. Depois dessa etapa, fomos para as Lagunas Altiplânicas, tem os nomes mas não me recordo agora. São perfeitas tbm. Com um azul vivo que parece filtro de foto. Nessas lagunas vc não pode chegar tão perto. Mas tem uma trilha entre uma e outra, com um caminho desenhado por pedras, que vc pode percorrer, um trecho de uns 2 km. Lógico que eu quis fazer. O cenário vai ficando mais espetacular conforme vc vai percorrendo a trilha. Mas, detalhe, estava a mais de 4000 m de altitude, era meu primeiro tour com tanta altitude, então, 2 km se tornam 20 hehehe No final da trilha eu estava quase morrendo. Alguns tinham andado mais rápido do que eu, outros ficaram pelo caminho, e estava só eu e minha garrafa de água de 1,6 que já estava bem menos da metade. Quase desisti, mas era uma questão de honra. Finalmente cheguei na segunda laguna. Recompensador. E a van estava lá esperando. Na volta passamos pelo linha do trópico de capricórnio, o que para mim não é grande coisa rsrs(moro bem perto deste trópico), mas foi bom saber que estava no mesmo grau que em casa. Voltamos para a agência. Serviram almoço pra nós e seguimos para o segundo tour do dia: vale de la luna e vale de la muerte. Tour este onde faz muito sol e muito calor. Entao... Ja comprei mais uma garrafa de 1,6 l de água. E lá fomos. Primeiro no vale de la luna. Sebastian foi o nosso guia neste tour. Primeiro atravessamos uma caverna formada com o trabalho da água do oceano sobre os tantos minerais dessa região, principalmente o sal. Vc pode ver e tocar nos cristais de sal ao longo de toda a caverna. Quando começamos a entrar na caverna, confesso que fiquei com medo. Sei lá... Va que dá um terremoto bem na hora q estou dentro heheh vai saber! Mas não, foi dboa. Alguns trecho da caverna ela se torna bem apertada, por isso o guia recomendou q não levasse nada além do celular, até pq precisaria da luz do cel em algumas partes, mas eu, com medo de dar um terremoto e acabar preso dentro da caverna, levei minha garrafa de água rsrs A experiência na caverna foi além de minhas expectativas. Quando saímos da caverna, subimos um bom trecho a pé, na beira de uma duna enorme de areia. Ao chegar no topo é possível ter uma vista que 360° do vale de la luna. O vale tem este nome pelo fato de todo o seu terreno é muito similar com o terreno lunar. Todo acidentado, cheio de crateras. Parecido com o que vemos nos filmes daquilo que deve ser a lua ou marte. A sensação é indescritível. Uma pergunta não sai da cabeça: como tudo aquilo se formou? Quando ocorreu? Foi somente a força da natureza? Parece impossível! A impressão que fico é que foi tudo cuidadosamente desenhado. Depois do mirante foi a vez de percorremos aquilo que chamam de anfiteatro. Um paredão imenso de rocha avermelhada que lembra muito uma arena do tipo romana. Passamos tbm pelas três marias. Tres, ou melhor, apenas duas rochas em pé, solitárias. Digo duas pq originalmente eram três, mas a algum tempo um turista subiu em uma para tirar uma foto e ela se quebrou. Diz a lenda que foi um brasileiro, porém, eu e meus companheiros de tour resolvemos mudar a lenda e dizer que foi um turista argentino rsrs. Saindo dali fomos para o Vale del la muerte e Pedra do Koiote. Cenário que lembra bastante o do desenho do Papa-léguas. Ali foi nos serviram um lanche da tarde, sempre acompanhado de um bom vinho e apreciamos o por do sol. Retornamos para a cidade e embora estivesse quase morto de canseira, precisei sair para trocar dinheiro. Faz parte da vida de um viajante. Diário de bordo 7 Hj a van até q não atrasou tanto (taaaanto). Era para passar as 5:30 e passou quase as 6. O problema é q a agência colocou 11 pessoas em uma van com 10 lugares e por isso tivemos que passar em um outro local para por um banco a mais. Isso sim ajudou a atrasar ainda mais. Saímos às 6:30. Isso foi ruim. Pq o tour da manhã era nós Gêiseres del Tatio e o fenômeno dos gêiseres são mais intensos na madrugada. Por isso é importante sair o mais cedo possível. As outras agências iniciam o tour dos gêiseres as 4:30 da madrugada. Deixo aqui minha indignação com a Agência Aylu, e sinceramente, se hj fosse escolher uma agência, com certeza não seria ela. Por causa do atraso, nosso guia subiu os 4500 metros de altitude muito rápido, o que acredito que ajudou no mal estar que senti ao chegar no local dos gêiseres. A princípio eu pensei que não conseguiria sair da van. Mas bem capaz... Não tinha como não conhecer este fenômeno. A água sai da terra a uma temperatura média de 80°, o que nessa altitude é mais q suficiente para ferver. O cheiro de enxofre é forte. Um cheiro que parece com o cheiro de ovo cosido. O nosso guia foi muito rico nas informações que passou. Acrescentou muito ao tour. Vapores por toda parte. Águas saindo da terra como se fosse um chafariz. Por todo o parque existem áreas delimitadas para evitar acidentes. Há relatos de turistas que sofreram graves danos com acidentes e outros que até mesmo morreram, tendo em vista que facilitaram e abusaram do espaço. Apesar de algum temor de acidentes, quando respeitado os limites, o tour é tranquilo. Em vários pontos é possível tocar na águas fervendo. Claro que fiz isso por várias vezes. Até pq ajudava a descongelar a mão que estava congelada do frio. Nos gêiseres tem tbm uma piscina térmica que os turistas podem banhar-se. Entrei só um pouco, pois não é recomendável a permanência de mais do que dez minutos, devido a presença de alguns minerais que pode ser prejudicial a saúde. Eu tbm nem queria ficar muito. Tava frio e a água não é taaao quente assim na piscina. Ao sair da piscina tomamos um excelente café da manhã ali nos gêiseres mesmo. A altitude me fez muito mal. Senti mal do estômago, muita fadiga, um mal estar e tontura. Ao contrário dos outros dias, não tive dor de cabeça, mas a sensação não é nada legal. Ao descermos dos gêiseres, passamos por um vale belíssimo. Cheio de verde, vida animal e vegetal. Geralmente os turistas param ali para apreciação da paisagem e claro, tirar umas fotos, mas a nossa van não parou, somente passou bem de vagar, parando em alguns pontos, mas não descemos. Por um lado, eu estava tão mal e até achei bom não ter que descer. Ao retornar para San Pedro, fui imediatamente em uma farmácia q tinha perto da agência e comprei um "sal de frutas". Foi tomar e a mal estar passou imediatamente. Graças a Deus! Pq dali a pouco já tinha o tour da tarde para fazer e não queria perder de jeito nenhum. Algum tempo de espera e já sentindo fome (claro rsrs), partimos em direção as Lagunas Escondidas. Não ficam tão longe de San Pedro. As duas vans lotaram e por isso eu é uma outra turista, Nathalia, tivemos que ir de Hilux, VIPs kkkkk Foi legal que o tivemos um guia só para nós dois. Mas, mesmo tendo um guia só para nós dois, ele não nos alertou de algo muito importante sobre as lagunas escondidas. Bem... As Lagunas Escondidas é um complexo de 7 lagoas formadas por águas subterrâneas e que por estar em uma área rica em sal, elas são praticamente conhecidas como lagoas salgadas. A coloração delas são perfeitas. Contrastam com o branco do sal e variam entre um verde bem claro e vários tons de azuis. Em duas dessas lagoas é possível entrar e o mais interessante, além da beleza, é que a concentração de sal é tão grande que por mais que vc queira ou tente, não consegue afundar. As lagoas aptas para o banho e a primeira é a última. Então, como logo a primeira já era apta para banho, já providenciei minha sunga e cai na água. Como sabia q não afundava, entrei com aquele típico salto meio que abraçando os joelhos. Pqp kkkkkkkk Foi isso que o meu guia vip não me alertou. Não deveria molhar o rosto (claro). É tanto, mas tanto sal que fica insuportável ele no rosto, lábios, olhos e nariz. Logo que mergulhei de cabeça e todas as outras pessoas fizeram um coro de NAAAAO, um colega me arrumou uma garrafinha de água doce que limpei minha mão e depois limpei o rosto. Com isso fiquei zero km. Deu pra curtir a lagoa sossegado. O que me conforta é que outro colega fez o mesmo que eu heheh A sensação de não afundar é muito boa. Estranha no começo, mas assim q vc pega o jeito da coisa fica muuuuito bom. A água é fria e tinha bastante vento, mas, dois min que vc está na água já está acostumado e não quer mais sair. Mas o almoço nos esperava. Um delicioso frango acompanhado de uma especie de pure de batata. Sempre regado com vinho. Comi muuuuito e depois de alimentado fomos percorrer as outras lagunas. O terreno é lindíssimo e é ajuda na beleza das lagunas, como relatei acima. Ao chegar na última (apta para banho), o sol já estava mais baixo e o vento aumentava. Confesso que estava com medo do frio, mas mesmo assim entrei e foi show. A última é muito melhor q a primeira. Maior, mas funda, mais espaço, mais beleza. Se é que isso é possível. Retornamos para a agência. Ao voltar para o hostel, acompanhei algumas meninas que estavam no tour e se hospedavam para o mesmo lado. Paramos em um sorveteria e tomamos sorvetes com alguns sabores exóticos. Delicioso1 Passei na rodoviária para tentar comprar passagem para Santiago. Já estava fechada. Véspera de natal é complicado. Cheguei no hostel, arrumei um pouco da minha bagunça, preparei as tralhas do dia seguinte. Estava quase que sozinho no hostel. só havia mais um casal, mas em acomodação bem longe. Banho tomado, sai para trocar dinheiro e comer com um casal de amigos que conheci no tour. Por ser véspera de natal, os poucos restaurantes que estavam abertos estavam lotados. Encontrei o Felippe e a Rebeca no restaurante combinado, porém, muito mais tarde que o combinado. mas, deu bom! Como eles já tinha jantado, participei só dá sobremesa. Muito boa por sinal. Voltei para o hostel e dormi. Pq amanhã tem mais. Último dia. Diário de bordo 8 Último dia em San Pedro. O dia não começou tão cedo, até pq hj é só um tour. Preferi ir até a agência do que esperar a van passar no hostel me buscar. Até pq quis passar na rodoviária tentar comprar passagem. Não consegui comprar pela internet. Dei azar, rodoviária fechada. Normal, dia de natal neh. Fui para a agência. Não deu tempo de tomar café e já saímos. Dia de visitar o tão esperado Salar de Tara. A caminho de lá passamos pertinho do vulcão Licancabur. Ver de perto é sensacional. Parte do tour foi tbm o famoso Protetor do deserto do Atacama Depois, mais estrada. Mas a estrada não é algo fixo. É no meio do nada. O guia é que vai fazendo em meio as pedras. O caminho é longo, mas todo o trajeto é belíssimo. Ao chegar no Salar de Tara o espetáculo é ainda maior. Imenso, parece que que não tem fim. Um paredão de pedras em meio a penhascos e vales. A vontade é ficar admirando a paisagem por horas. São pedra e rochas de vários formatos, cores e tamanhos. Ainda passamos por outros penhascos de cores diferentes e formas perfeitas q contrastam com o céu azul. Perfeito. A última etapa do tour foi na Lagoa dos Flamingos. A van nos deixou em uma parte bem ao alto, perto do paredão de pedras e descemos por uma trilha. Perfeito! Curti cada momento. Afinal era meus últimos momentos neste paraíso. No fim da trilha, um delicioso almoço nos aguardava. Salmão com mais um monte de coisa. Dessa vez, como já tinha acompanha as outras refeições, fiquei por último para me servir. Sabia q não ficaria sem. E por isso pude pegar bem mais que o normal hahahah Na hora que cheguei na mesa a galera me chamou de pedreiro kkkkkkkk Foda-se, comi muito bem A volta foi bem rápida, até pq não aguentei o sono e dormi uma parte do caminho. Quando cheguei em San Pedro, nem fui para o hostel. Pedi para me deixarem na rodoviária. Graças a Deus deu tempo de comprar a passagem ainda para o dia 25. Era 4 da tarde e o bus saia as 18:45 para Santiago. Comprei uma das últimas passagens. Corri para o hostel. Do qual já tinha feito o chek out, mas o Victor autorizou eu deixar minha mochila lá. Então, tomei banho bem tranquilo, separei o q precisava levar comigo dentro do bus. Carreguei o cel é o carregador portátil e pronto, partiu Santiago com alguns dias de antecedência uhul Que venha Santiago! 20 horas de viagem. Entrei no bus e tomei um dramim. Nem precisava, mas foi só para garantir que dormiria e apaguei geral. Diário de bordo 9 Dormi tanto que fui acordar já era umas 10 da manhã. Já estava até bem perto de santiago. Por isso, esse fim de viagem foi dboa. Lendo, comendo, dormindo, contemplando o Pacífico. Chegando em Santiago a paisagem muda. Fica muito mais verde. Desembarquei em Santiago peguei o metrô e fui para o hostel que eu teria reserva para dali dois dias. O jeito era arriscar. Quando cheguei no hostel, o cara foi taxativo: só se tiver reserva; estamos lotados. Ele me indicou outros vários ali na região mesmo. Fui em um vem perto, em uma rua paralela. Nada, lotado. Bateu uma preocupação hahah Fui para o próximo do mapa, hostel Kombi. Nesse tinha vaga. Ufaaa. E era bem barato. Precisava de 3 noites em Santiago, mas como já tinha a reserva da última noite, contratei por duas. Tomei um banho e sai explorar um pouco da região onde estava. Muito legal por sinal. Deu tempo de conhecer um parque e um pouco do comércio da região, já que nessa época do ano o sol se põe em Santiago quase as 9 da noite. Comi tbm, estava faminto. Passei no mercado e comprei mais umas porcarias pra comer. Sempre gosto de ir em mercados em outras cidades. Minha mãe tbm ama hahaha Eu acho q é como participar um pouco da vida local. Voltando no hostel, coloquei um miojo pra fazer, mas daí fui comunicado que rolaria uma pizza no hostel. Resolvi pagar e participar. Seria uma forma de interagir. Só que não. No hostel haviam vários gringos. Até aí tudo normal. Foda é quando eles falam outra língua q não o espanhol. Mas vários falavam espanhol, mas eram argentinos e chatos (não acho que todos os argentinos sejam chatos pfv). Tentei interagir, mas sem chance. Só conversavam entre eles. E olha q sou fácil fácil de fazer amigos. Mas com esses argentinos, sem chance hhahah Comi a porcaria da pizza. Não passava de uma massa ruim d pão com molho de tomate barato. Recheio quase não tinha. Ou seja, não valeu de quase nada rsrs Sem problema, valeu a experiência de conhecer estes argentinos mal humorados kkkkkk e fiz amizades com algumas chilenas e chilenos (estes sim bem legais). Deitei e apaguei. Diário de bordo 10 Acordei às 9 para tomar o café que era servido até as 10. Depois tomei um banho e era dia de explorar a Santiago. No meu quarto tinha um chileno. Pensa num mlk bom de papo. O que os argentinos não eram de conversar, esse chinelo era. Depois de conversar sobre várias coisas, fui tomar um banho e sai para o tour. Sempre de metrô, que Santiago é muito bem servida. Te leva por onde precisar. Primeira parada foi no Museu da História Natural, o Museu Nacional, que fica dentro de um parque com muito verde. Só o parque já valeria a pena. Mas o museu é muito top. Fiz bem em escolher ele como destino. Depois dali fui para o museu dos Direitos Humanos, um museu da ditadura militar do Chile. É muito interessante e importante o museu, mas confesso que deveria ter ido primeiro nele e depois no da História Natural. Pelo simples motivo que vc sai de lá um tanto deprimido. Mas valeu, foi bom! Percorri um trecho da cidade a pé mas estava longe do meu próximo destino, então resolvi pegar o metrô em direção a outro parque. Parei para comer (claro haha) e depois só curti a natureza. Voltei para o hostel caminhando. Não cheguei tarde no hostel. O chileno estava la. Conversamos um pouco. Ele saiu Eu tomei banho e sai tbm. Como a região que eu estava era de muitos bares, sai dar uma passeada. Resolvi entrar em um e tomar uma cerveja. Neste bar tinha tipo um standard. E como eu era o único brasileiro ali, logo tornei parte do show. Foi muito engraçado. Diário de bordo 11 Último dia em Santiago. Acordei cedo para aproveitar o café do hostel. Tomei um banho. Arrumei minhas coisas. Fiz o check out. Deixei a mochila no hostel e fui em direção ao edifício mais alto da América latina, Gran Torre Costenera. E possível subir nele e apreciar toda Santiago em 360°. O elevador sobe muito rápido. O ouvido chega a tampar. Lá de cima e show. Um edifício novo. Muito bem cuidado e dizem ser resistente a terremotos. Eu e um grupo de turistas tivemos o acompanhamento de uma guia que falava português, ajudando bastante a entender a história de Santiago e seus principais pontos. O edifício fica agregado a um grande shopping. Tinha ouvido falar que tinha nesse shopping lojas de departamentos com ótimos preços. Não sei o que é ótimos preços pra esse povo. Pra mim tava tudo muito caro. Só comprei uns vinhos e chocolate. Ou seja, quase tudo q uma pessoa precisa na vida kkkkkk Passei no meu novo hostel, fiz o check in e fui deixar a mochila no quarto. Este hostel tbm era muito bom. Praticamente um hotel, mas vc fica no quarto com várias pessoas. De cara já encontrei com um brasileiro. Trocamos algumas informações e ali, na hora já combinamos de pegar uma balada. Afinal, está era minha última noite no Chile. Votei para o antigo hostel pegar minha mochila e o brasileiro já tinha comunicado com outros dois brasileiros do novo hostel sobre a balada, ou seja, iríamos os 4. A balada começava as 23 mas quem chegasse até a meia noite não pagava a entrada. Era tudo o que 4 brasileiros em fim de viagem precisavam kkkk Descansei um pouco, fui ao mercado comprar porcarias pra comer durante a viagem do dia seguinte, tomei um banho. Comi um MC (claaro) e fomos pra balada. Eu tinha olhado no mapa e visto q não era longe, por isso resolvemos ir andando. Pelo menos na região em que estávamos a cidade de Santiago é bem tranquila Chegamos dentro do horário free. A balada não era das melhores, mas isso se compararmos ao Brasil. Pq acho que de Santiago deve ser uma das boas. Tava bem lotado e a música era boa. Valeu a pena para encerrar a viagem ao Chile. Acho q não gostamos muito. Só fechamos, literalmente, a balada kkkkk Fomos os últimos a sair. Chegamos no hostel às 5:00. Valeu, valeu, valeu! Diário de bordo 12 Acordei às 6:30. Precisava pegar o metrô e chegar no terminal rodoviário umas 7 para embarcar as 8. Foi tranquilo. Gastei meus últimos pesos chilenos no rodoviária e partiu Brasil. Apesar de estar com sono, quis curtir um pouco mais das paisagens do Chile e dos andes. Como demorou na fronteira Chile/ Argentina, aproveitei e puxei um ronco. Depois, mais de andes e aí sim, depois de ter descido eu dormi. Apaguei. Acordei já muito dnoite. Paramos em um posto e gastei o q tinha de pesos argentinos. Pra que voltar com dinheiro neh?!. Comi e voltei a dormir. Diário de bordo 13 Amanheceu o dia, ainda era Argentina. Ta louco, é estrada que não acaba mais. Na verdade, eu que escolhi andar tanto por estrada. Preferia até mesmo fazer todo esse trajeto dirigindo, mas, como não era possível, optei em fazer de bus mesmo. Também poderia ter optado em ir de avião. O preço não era muito diferente e tenho ciência de que todo esse tempo de estrada eu poderia ter aproveitado por lá. Afinal, foram mais de 10.000 km rodados de bus. Mas, a intenção era essa mesmo. Rodar de bus. Passar por lugares que um voo de pouco mais de duas horas não me proporcionaria. Conhecer lugares que o buzão passou. Conhecer pessoas que esse tempo no bus oportunizou Enfim... Perto do meio dia chegamos na fronteira Argentina/Brasil. Trâmite dos dois lados. Saímos de lá quase as 2 da tarde. Paramos em um restaurante. Parada de duas Horas para banho e almoço. Saímos umas 4 horas. Estrada e um pouco de chuva. Passamos por porto Alegre quase meia noite e dormi pra passar logo a viagem. Diário de bordo 14 As 5:30 da manhã passamos por Floripa. Em ctba chegamos as 10. Deu tempo de comprar a passagem do bus q sai às 11:00. Porém, esse bus demora pra caramba pra chegar em Ldna, pois ele vai parando em tudo quanto é lugar (parecido com o da ida). Chegada em Londrina ás 20:00. Mas graças a Deus a viagem foi toda tranquila, sem nenhum incidente, superou minhas expectativas. Obrigado Senhor!
  10. INTRODUÇÃO E PREPARATIVOS para quem quiser, tem a versão mais bonitinha em PDF aqui -> RELATO TRIP - @der_wanderlust .pdf PROMESSA FEITA, PROMESSA CUMPRIDA... Fala galera mochileira e não-mochileira, Depois de ter colocado o pézinho pra fora desse Brasilzão pela primeira vez na vida na minha primeira trip internacional, me sinto na obrigação moral de retribuir a toda ajuda que eu recebi de outros mochileiros que já tinham feito esse rolê antes, e que compartilharam suas experiências de viagem, para que pessoas como eu, que nunca tinham comprado sequer uma passagem aérea antes, pudessem viver uma das experiências mais incríveis da vida: mochilar!!! Então, cumprindo a promessa que fiz antes de viajar, cá estou eu, escrevendo este relato, que também espero que inspire muitas outras pessoas a pegarem sua mochila e partirem pro mundo, porque viajar é preciso!!! RESUMÃO O clássico mochilão pelos três países, 40 dias, desembarcando em Lima, indo pra Ica, Arequipa, acampando com escoteiros do mundo todo em Cusco, depois indo pra Puno, passando por Copacabana, La Paz, fazendo a travessia do Salar do Uyuni e chegando no Atacama e descendo até a capital chilena para pegar o voo de volta para casa. Tudo realizado entre julho e agosto de 2018, rodando mais de 5.000 km, só andando de bus entre cidades (porque pobre tem que fazer o dinheiro render kkkk). E por falar de dinheiro, vamos a parte interessante. João, quanto custou essa brincadeira toda? Pois bem, vamos por partes: Comida, transportes, hospedagens e passeios fora do acampamento (30 dias) R$ 4743 (1000 euros) Lembrancinhas e bugigangas pra família toda R$ 667 (parte em dólar, parte em reais) Passagens Áereas (Londrina-Lima/Santiago-Londrina) R$ 1476 (em reais mesmo) Acampamento em Cusco (10 dias, tudo incluso) R$ 1409 (exclua isso da sua planilha) Chip Internacional EasySIM4U R$ 120 (e ganha 6 revistas super tops) Seguro Viagem (40 dias) R$ 110 (economizei 500 dólares com ele) Excluindo o monte de blusa, chaveiro, cobertor, poncho que eu comprei lá (tudo é muito barato no Peru e na Bolívia), foram R$ 7850 tudinho mesmo. O que mais me pesou foram as passagens aéreas, por eu ter que sair do meu país Londrina-PR (pequena Londres com preços de Suíça), que só tem um aeroporto regional, as passagens saíram uns 300 reais mais caras do que se saísse de Guarulhos, só que ai gastaria com ônibus até São Paulo e no fim das contas daria na mesma. Então, considerando os 30 dias que eu estava na viagem “regular”, ou seja, que eu não estava acampado, minha média foi de R$ 163 por dia (alimentação, passeios, ingressos, hospedagem e transporte). Saiu um pouco caro, mas muito mais barato do que se eu tivesse ido de pacote de agência de viagem que se vende aqui no Brasil. O ROTEIRO O roteiro eu mostro detalhado aí embaixo com o mapa do My Maps (usem o My Maps, é muito bom pra quando você está planejando que lugares quer conhecer, ver quais cidades são próximas, quanto tempo de deslocamento e coisas assim). O roteiro por cidades ficou desse jeito: 20 jun – Londrina/Lima 21 jun – Lima - (City Tour) 22 jun – Lima/Ica - (Miraflores) 23 jun – Paracas/Huacachina - (Reserva Nacional e Islas Ballestas) 24 jun – Arequipa - (City Tour) 25 jun – Arequipa - (Trekking Canion del Colca) 26 jun – Arequipa/Cusco - (Trekking Canion del Colca) 27 jun/05 ago - Acampamento Vale Sagrado 06 ago – Cusco - (Maras e Moray) 07 ago – Cusco - (Dia no Hospital) 08 ago – Cusco/Águas Calientes - (Trilha hidrelétrica) 09 ago – Machu Picchu - (Huayna Picchu) 10 ago – Águas Calientes/Cusco - (Trilha de volta) 11 ago – Cusco - (Montanha Colorida) 12 ago – Cusco - (Laguna Humantay) 13 ago – Cusco/Puno - (Mercado San Pedro) 14 ago – Puno/Copacabana - (Islas Flotantes de Uros) 15 ago – Copacabana/La Paz - (Isla del Sol e Isla de la Luna) 16 ago – La Paz - (City Tour) 17 ago – La Paz - (Downhill Estrada da Morte) 18 ago – La Paz/Uyuni - (Chacaltaya e Vale de la Luna) 19 ago – Uyuni -(Salar 3 dias) 20 ago – Uyuni - (Salar 3 dias) 21 ago – Uyuni/San Pedro de Atacama - (Salar e Vale de la Luna) 22 ago – San Pedro de Atacama - (Lagunas Escondidas e Tour Astronomico) 23 ago – San Pedro de Atacama/Santiago - (Geyseres del Tatio) 24 ago – Santiago - (1700 km rodados pelo Chile) 25 ago – Santiago - (City Tour) 26 ago – Viña del Mar/Valparaíso - (Bate e volta) 27 ago – Santiago - (Cajón del Maipo) 28 ago – Santiago/Londrina Quando eu sai do Brasil, planejava ficar mais dias em Huacachina e menos em Arequipa, planejava fazer o tour do Vale Sagrado Sul em Cusco, assim como outros passeios em San Pedro de Atacama, mas como não viajei com o roteiro amarrado, ou seja, não tinha comprado passagem de bus nenhuma, nem reservado passeios ou hostels (exceto por Machu Picchu), pude muda-lo na hora, seja por amizades que fiz no caminho, ou por perrengues como o dia 07/08 que eu passei no hospital (isso eu conto depois). Por isso eu não recomendo comprar nada daqui do Brasil, nem reservar passeios, nem passagens de ônibus, nem hospedagem, tudo você consegue lá na hora, pechinchando e barganhando, assim você consegue preços melhores e não fica com o roteiro amarrado, você tem mais flexibilidade caso mude de ideia ou aconteça alguma coisa. Não tem segredo, tem que pesquisar, na internet, em blogs de viagens, no Mochileiros.com, em relatos de quem já foi, no meu caso, peguei um roteiro de 20 dias num blog, e fui adaptando, adicionando cidades e passeios, vendo os ônibus e hostels que eu poderia usar. Para os passeios, eu procurava nos relatos do Mochileiros.com e via as agências que a galera recomendava e já ia anotando o nome e o preço que pagaram pelos passeios. Para a hospedagem, eu procurava no Booking.com o nome da cidade, ordenava pelo menor preço, e ia vendo as avaliações da galera, se tinham curtido o lugar, mas sem reservar nada, só anotava o nome, o preço da diária, e quando chegava na cidade, ia direto nele (muitas vezes reservava o hostel pelo Booking quando chegava na cidade, pra não ter que pagar em caso de cancelamento). Para os transportes entre cidades, procurava no Rome2Rio as empresas que faziam o trajeto, o preço médio das passagens e já deixava anotado, mas também comprava só quando chegava na cidade, teve alguns que deixei pra comprar no dia da viagem mesmo. Para a alimentação, era na raça mesmo, perguntava para os locais mesmo onde tinha lugar bom e barato para comer, mas para planejamento, calculava R$ 40,00 por dia com comida. Tinha vez que gastava R$ 10,00, tinha dia que gastava R$ 50,00, mas fome não passava kkk. QUANTO LEVAR? Depois de definir o roteiro, ia anotando numa planilha no Excel mesmo, o roteiro por dia, os preços médios dos passeios, dos ônibus, das hospedagens, mais uns R$ 40,00 por dia pra comer, somei tudo e levei uns 20% a mais, só pra garantir. Funcionou bem, pelas minhas contas, eu precisava levar 1400 euros, trouxe 400 de volta, que já estão guardados para a próxima trip. Mas ainda levei meu cartão de crédito internacional, já desbloqueado para operações no exterior, só para uma possível emergência. Felizmente não precisei usá-lo. PREPARATIVOS Passagens Aéreas As duas piores partes da viagem são: comprar passagens aéreas e comprar moeda estrangeira, porque independentemente do quanto você pesquisa, parece que sempre você tá perdendo dinheiro. As passagens eu recomendo comprar uns 4 ou 5 meses antes da viagem. As minhas, comecei a procurar em janeiro, comprei em março, pra uma viagem para julho. Como eu tinha definido o roteiro primeiro, sabia que queria chegar por Lima e sair por Santiago, então procurava em todos os sites de busca possível na vida. Usei a opção “Múltiplos Destinos” ou “Várias Cidades”, passagens Londrina-Lima (20/07) e Santiago-Londrina (27/08), o Skyscanner tinha os melhores preços, mas ainda assim estava meio caro (R$1600). No site da Latam, Avianca, tudo acima de R$1800. Aí por acaso eu fui andar no centro da cidade um dia e passei em frente a agência da CVC, estava com sede, aí pensei, vou entrar, fingir que quero um orçamento e tomar uma água né? Tinha certeza que na agência de turismo seria o lugar mais caro. A atendente fez a busca no sistema dela, aí me disse: “R$ 1500 e pouco com bagagem despachada”, e eu: “como assim???? Mais barato que no site da Latam”. Acabei comprando lá, e como paguei a vista, teve um descontinho lá e saiu por R$1476 (comprei a passagem em março, minha viagem era em julho). Depois, de vez em quando eu olhava nos sites de busca e o preço não abaixava mais, então acredito que peguei a passagem com o preço mais barato possível kkk. A única coisa, é que em junho, a Latam trocou as escalas do meu voo de volta, ai a CVC me ligou para avisar que se eu voltasse no dia 27/08, teria uma escala noturna gigante no Rio de Janeiro, e acabaria chegando no dia 28/08, então ela me propôs voltar dia 28/08 num voo que eu pegaria escalas menores e chegaria no mesmo dia. Aceitei, o que foi a melhor coisa, porque ganhei um dia extra no fim da viagem. Chip Internacional Vou ser bem sincero, eu queria muito não ter comprado, mas como estava com tudo sem reservar, não conhecia nada, e queria dar um up no meu Instagram, fazer uns stories legais e postar tudo (pobre quando viaja tem que mostrar pra meio mundo, né?), e ainda por cima apareceu uma promoção da Revista Aprendiz de Viajante, que na compra de 6 revistas por R$ 120,00, de brinde ganhava um chip da EasySIM4U, com 4G ilimitado por 30 dias em todos os países, acabei comprando, não me arrependo, a internet funcionou muito bem mesmo, nas cidades, em alguns passeios, até em Machu Picchu funcionava, só no Salar do Uyuni que não tinha sinal nenhum. Também é possível comprar os chips nos países, não custa caro, mas tem que por crédito, troca o número, e tem franquia limitada, além de trocar o chip sempre que troca de país. Esse chip internacional funcionou nos 3 países, mas não servia pra ligações, apenas dados móveis. Além disso, como viagem era de 39 dias, e o chip só funcionaria por 30 dias, coloquei sua data de ativação para a partir do 9° dia, assim teria internet nos últimos 30 dias. Nos primeiros dias teria que me virar pedindo “la contraseña del wifi”. Usar chip brasileiro no exterior é pedir para pagar absurdos no fim do mês. Moeda Estrangeira Essa parte é com certeza a mais complicada, como levar dinheiro para a viagem? Reais, dólar, euro, cartão internacional, tele sena? Primeiramente, o cartão, mesmo sendo mais seguro, cobrava muitas taxas, fora os impostos que eram altíssimos para uso no exterior, além disso, muitos lugares não aceitam, então já risquei da minha lista. Bem, a moeda do Peru é o Novo Sol (S/)(PEN), da Bolívia é o Boliviano (Bs.)(BOB), e do Chile é o Peso Chileno ($)(CLP), por serem moedas “fracas”, suas cotações para compra no Brasil são as piores, então, ou compre dólar/euro no Brasil para trocar lá, ou leve real e troque lá. No meu caso, depois de muitas contas, cheguei à conclusão de que compensaria levar dólar ou euro, ao invés de reais. Para saber se compensa é só usar a formulinha que eu desenvolvi kkk (Quanto consigo em Soles levando Dólares) / (Quanto consigo em Soles levando Reais * Preço do Dólar em Reais) Se essa conta for maior do que 1, leve dólar, caso contrário, leve reais. Essa fórmula serve para todas as outras moedas, substituindo Soles por Bolivianos, Pesos, ou qualquer outra moeda fraca. Também pode ser substituído o Dólar por Euro, ou Libra, ou outra moeda forte. País Peru Bolívia Chile Real 0,77 PEN 1,65 BOB 152 CLP Euro 3,80 PEN 8,00 BOB 753 CLP Dólar 3,25 PEN 6,90 BOB 650 CLP As cotações estavam assim, então preferi comprar euros. No Banco do Brasil a cotação estava melhor que nas casas de câmbio, e para funcionários, não é cobrada a taxa de operação, então se você tem algum parente ou conhecido que trabalhe lá...#ficaadica. Enfim, comprei 1400 euros por R$4,72 para levar, depois comprei mais 250 dólares por R$4,04, e na véspera, minha tia ainda me deu mais R$300 para comprar um poncho de lhama kkk. Toda essa grana devidamente guardada num saquinho de plástico com um papelão no meio para não amassar, dentro de uma doleira que eu usava amarrada na coxa (na cintura é muito manjada) por baixo da calça, com medo de alguém roubar aquilo assim que eu saísse do aeroporto. Importante, não dobrar as notas de dólar ou euro, lá eles são bem chatos com isso. Voltei para casa com R$200,00, 400 euros e 20 dólares. Seguro Viagem Aproveitei a Black Friday de 2017 e comprei o seguro viagem da Allianz Mondial, por R$109, plano América do Sul Standart, para 30 dias, estava com 50% OFF. Aí, em março, quando comprei a passagem para mais de 30 dias, liguei lá, expliquei a situação, aí cancelaram minha apólice, devolveram todo meu dinheiro, e fizeram uma nova apólice de 40 dias por R$110, pasmem. E pelo menos no meu caso, não foi um gasto, foi um investimento muito bem usado. Certificado Internacional de Vacinação Essa porc%#** desse certificado, teoricamente é obrigatório para entrar na Bolívia ou Amazônia Peruana, aí todo mundo se mata pra conseguir, tendo que ir em algum posto da ANVISA para tirar (é de graça), aí chega na hora da viagem e ninguém nem pede (ninguém me pediu). Mas é a famosa Lei de Murphy, se você viajar sem, tenha certeza de que te pedirão, então não arrisque, procure onde é o posto da ANVISA mais próximo da sua casa e faça esse certificado. Ingresso para Machu Picchu O famoso ingresso, como eu ia na alta temporada (junho a agosto) e queria subir a Huayna Picchu (aquela montanha que aparece no fundo de MP), tive que comprar o ingresso em abril para poder subir em agosto. Caso você não queira subir nenhuma montanha ou vá na baixa temporada, não precisa de tanta antecipação. O acesso ao parque é limitado a 2000 pessoas por dia. Pedi para um guia turístico que mora em Cusco que conheci num grupo de viagens do Whatsapp, para que ele comprasse para mim, para que eu conseguisse o desconto de estudante. Mandei foto da minha carteirinha (ISIC e normal) e ele conseguiu comprar com desconto, de 200 soles, paguei 125. Mas caso você não tenha carteirinha, pode comprar pelo site oficial http://www.machupicchu.gob.pe/, ou pode deixar para comprar lá em Cusco mesmo. Mochilas De bagagem de mão, eu levei uma mochila de ataque de 30 L daquelas da Decathlon (comprem essas coisas na Decathlon que é top e barato), com uma pastinha com o passaporte, certificado de vacinação, passagens aéreas e minha caderneta de anotações. Já pra despachar foram: uma cargueira de 85 L da Conquista que eu já tinha há anos, com praticamente tudo dentro, além de um saco de dormir para -15° (emprestado de um amigo), um isolante térmico inflável (também da Decathlon e também emprestado de um amigo) e minha barraca Azteq Katmandu 2/3. Para não despachar esse monte de coisa amarrado e correr o risco de perder tudo ou alguém enfiar drogas na minha mochila cheia de zíperes (minha mãe assiste aquelas séries de aeroportos no NetGeo e ficou morrendo de medo kkk), eu pedi pra um amigo que trabalha com tapeçaria e ele costurou um saco para colocar tudo dentro e com um zíper só para poder passar um cadeado e deixar a mãe tranquila (ficou parecido com uma bolsa de academia). O que levar? Para detalhar melhor, tá aí uma lista completinha de tudo que eu levei: · 1 bota impermeável (Yellow Boot Timberland), 1 tênis (All Star velho), 1 par de chinelos e 1 par de alpargatas. · 2 toalhas de banho (1 normal e 1 daquelas da Decathlon que seca rápido) e 1 toalha de rosto, Kit banho (shampoo, condicionador, sabonete e bucha). · 1 estojo (pasta, escova, fio dental, desodorante, perfume, repelente). · Hidratante e protetor labial (levem, senão a boca e o rosto de vocês esfarelam no deserto). · 4 calças (2 jeans, 1 de sarja com elástico e 1 de moletom) e 2 bermudas (1 jeans e 1 de praia). · 8 camisetas. · 12 cuecas e 7 pares de meia. · 2 camisetas segunda pele. · 3 blusas (2 de lã e 1 de moletom). · 1 casaco impermeável corta-vento (R$199 na Decathlon, melhor investimento). · Pacote de lenços umedecidos. · Remédios usuais (antialérgico, sal de fruta, band-aid, para dor de garganta, Dramin) · Pasta com os documentos. · Doleira com a grana (dólar e euro). · Carteira com a grana trocada, cartão de crédito internacional para emergências, carteirinha de estudante. · Celular, carregador, fones de ouvido, bateria extra, adaptador. · 2 cadeados e algumas sacolinhas plásticas. · Caderneta e caneta. · 1 óculos de sol e relógio de pulso. · 1 rolo de papel higiênico. · 1 pacote de paçoca rolha e 1 saco de bala de banana (pra fazer a alegria da gringaiada). Me arrependi de levar tantas blusas porque lá acabei comprando mais (Mercado São Pedro em Cusco é sucesso), luvas, toucas e cachecóis não compensa levar daqui, porque lá tem mais bonitos e mais baratos. Devia ter levado e acabei me esquecendo, protetor solar, lá é caríssimo, aí tinha que ficar pedindo emprestado pros outros, e não esqueçam que nos Andes o Sol é mais forte, fora o vento e a secura do ar, então levem creme, hidratante para o rosto e lábios porque vão usar e muito! DIÁRIO DE BORDO Nos capítulos seguintes, vou contar como que foram os passeios, dia por dia, tentei lembrar e ser o mais fiel possível com todos os fatos passados, contando os perrengues, minhas impressões, também tentei contar tudo do modo mais descontraído que eu consigo ser (uiii ele é superdescontraído ele hehe). Coloquei algumas fotos para tentar ilustrar o que eu vivi, os lugares por onde passei, a grande maioria delas foi tirada do meu celular mesmo, como não tenho câmeras profissionais, nem GoPro, tive que me virar nos trinta com meu Galaxy S7 Edge, mas felizmente, a câmera dele é bem razoável, algumas poucas fotos, lá na parte do Atacama, foram tiradas com um iPhone X de um desconhecido que eu pedi para tirar do celular dele, porque o meu estava sem bateria e ele me mandou pelo Whatsapp depois. O relato em si acabou ficando mais longo do que o planejado, então, caso você não esteja com muita paciência para ler tudo, ou queira só um resumo, no final de cada dia eu coloquei um quadrado cinza com todos meus gastos diários, nome das empresas de bus, de algumas agências, dos hostels onde fiquei hospedado. Além disso, coloquei também algumas caixas coloridas com informações importantes em destaque, deem uma olhada nelas. Do mais, é isso, espero que curtam, e qualquer coisa, pergunta, dúvida, me chamem no Instagram @der_wanderlust que eu respondo com o maior prazer. Bora lá!!!
  11. SAÍDA DE REC-SCL No começo de Maio, a empresa aérea GOL abriu promoções com destinos para a América do sul, então surgiu a ideia de conhecermos Santiago, vi que as passagens estavam por R$ 1.069 cada, comprei primeiro a do meu esposo e quando fui comprar a minha, do nada a empresa aumentou o preço da passagem para R$ 1.456. Então a minha dica é, quando for comprar, compre as duas ao mesmo tempo, para não correr o risco de acontecer o que aconteceu comigo. Comecei então a pesquisar e encontrei muitas dicas legais aqui no mochileiros.com, descreverei algumas delas com preços atualizados da minha viagem no decorrer do texto. A minha ideia era conhecer Santiago e uma cidade chamada de Pucón que fica situada no Sul do Chile, gosto de roteiros de aventura então eu tinha lido que em Pucón tinha o Vulcão Villarrica que é ativo e algumas agências faziam a ascensão a ele, fora as Termas Geométricas e Reserva Huilo Huilo, que me deixaram com muita vontade de conhecer este lugar. Então me empolguei, li e pesquisei muito! Fechei as pousadas todas pelo site da Booking.com daqui do Brasil mesmo. E os passeios deixei para fechar por lá, pois tinha lido que daqui do Brasil os preços eram bem maiores e lá conversando pessoalmente a gente poderia encontrar preços bem mais em conta. E era tudo verdade!😁 O único passeio que fechei daqui do Brasil foi para Embalse Y Yeso com a empresa Sousas Tour, o valor do passeio em reais foram R$ 557, 89 por pessoa (CLP$ 106.000) que por sinal foi a melhor escolha que fiz, são muito pontuais e honestos. Além de no final do passeio rolar um lanchinho com queijos e vinhos...Amazing!!!😍 Falarei um pouco mais ao descrever meus roteiros. Mas depois andando pelas ruas de Santiago, eu vi que há outras empresas que fazem esse passeio por valores mais em conta, basta negociar. Mas eu super recomendo o Sousas Tour!!! Saímos de Recife às 5hs da manhã fizemos o check in, despachamos as malas, passamos pela PRF e embarcamos. Fizemos uma escala no aeroporto de São Paulo-GRU, aguardamos mais ou menos uma hora e meia e pegamos o voo para Santiago. No avião indo para Santiago os comissários de bordo nos entregam um formulário para preencher que teremos que apresentar a PRF quando desembarcamos em Santiago. No avião eles dão duas opções de comida para você escolher, Pasta ou frango com arroz, mais uma sobremesa e algo para beber que pode ser suco, água ou refrigerante. Dica, peguem a pasta, pois o frango tem um aspecto de pálido, tipo cru. 🤮 Meu esposo escolheu na ida pasta e na volta o frango e se arrependeu! 😅 Levamos Reais escondidos na doleira, pois tínhamos visto muitos relatos que não era muita vantagem utilizar os cartões de créditos, pois o dólar além de estar a US$ 3,45 tinham as taxa de IOF, devido a isto levamos dinheiro vivo. 🤑 Chegando em Santiago, fizemos o câmbio de R$ 200,00 no aeroporto, a pior cotação R$ 1,00 era R$ 169 pesos chilenos, mas o grande problema fica na taxa de IOF que eles ainda descontam. Deveria ter trocado apenas R$ 100, 00 que era o suficiente, pois dava para pegarmos a Van (Transvip), o valor da van foi de R$ 42,00 por pessoa ( CLP$ 7.000), lá no aeroporto existe essa Van, você compra o ticket assim que você pega as malas, tem um loja da transvip que é show de bola 🤘. Você mostra ao atendente o endereço que quer ir e eles te deixam bem na porta. É superprático e muito mais barato do que pegar táxi que em todo lugar eles te enrolam e te cobram horrores. 1º Dia em Santiago Em Santiago ganhamos uma hora devido ao fuso horário e chegamos as 15:30hs, a Van nos deixou por volta das 16:30hs. Eu tinha Reservado uma diária para casal no Hostel Princess Insolente R$ 130 reais a diária, pagamos em dólar para não pagar o IOF. Fica próximo ao centro, mas durante à noite não tem nada para ir. Um outro detalhe é que na recepção te pedem um valor antecipado pelas chaves do quarto, dizem que é pra no caso de vc perder, já está pago o valor. Mas a verdade é que no Chile tudo eles pedem propina (gorjeta) e no final das contas, eles seguram seu dinheiro caso você não o peça de volta, como somos brasileiros e mais espertos, pedimos de volta é lógico...ahhahahah...😉 Abaixo tá a foto da área de lazer do hostel, é bem charmosinho. Ahhh, e esse é o gato do meu esposo. Assim que deixamos as bagagens no Hostel, fomos caminhando até o Centro de Santiago, Rua das Agustinas para fazermos câmbio. Achamos a casa de Câmbio Brollanos e conseguimos a melhor cotação, R$ 1,00 era 187 pesos chilenos. Na frente fica um monte de gente te oferecendo por uma cotação bem melhor, mas não arrisquei pra não correr o risco de pegar notas falsas😳. Voltamos para o Hostel, descansamos um pouco e saímos para comer alguma coisa. Escolhemos um cachorro quente, pois não tínhamos muita experiência em fazer os pedidos, pois o cardápio vem em espanhol e achamos melhor não arriscar, já que na rua estávamos sem internet para consultar. Cada cachorro quente saiu por 3.800 pesos! 😲 Caro pra caramba, e vinha com umas coisas bem ruins dentro tipo palta (abacate), e uma salada lá que parecia repolho só que bem azedinho. Enfim, não gostamos muito!🤢 Voltamos para o Hostel, descansamos e fomos dormir, estávamos exaustos e no dia seguinte as 4h da manhã a empresa Sousas Tour iríamos nos buscar para conhecermos o Embalse y Yesso. Passamos na recepção e perguntamos se era possível nos servirem o café da manhã mais cedo pois teríamos este passeio, sem problemas, ela nos disse. 2º Dia Passeio para Embalse Y Yesso Acordamos cedo, tomamos banho, detalhe, água gelada porque não conseguimos regular a temperatura do chuveiro 😢, nos arrumamos e fomos tomar o café. Nos serviram dois sanduiches de caixa que já estavam prontos e um suco. Assim como todo bom brasileiro, nos atrasamos e o Guilherme dono e guia da Sousas Tour chegou pontualmente no Hostel para nos buscar. Até nos deu uma bronquinha pelo atraso e ele estava coberto de razão😊, pois em cada Hostel que ele parava para pegar um turista que por sinal, era brasileiro, atrasava de 10 a 20 min e no final a gente acabou pegando um transitozinhoooo para sair da cidade😅, o que atrasa o nosso passeio. O Guilherme fez quatro paradas antes de chegarmos ao Embalse Y Yesso, a primeira foi para tomar café numa padaria já no final de Santiago, como nós dois já tínhamos tomado café, utilizamos o banheiro e compramos uma água grande 1.800 pesos. A água mineral é muito cara e a maioria das pessoas tomam água da torneira. Foi à única vez que compramos água no Chile!😏 Pegamos estrada, o Guilherme é super gente fina falou sobre os problemas no Chile, comentou que o sistema de saúde é péssimo, as Universidades são todas particulares, nos mostrou os bairros ricos e os pobres de Santiago, nos disse que o salário mínimo lá se equivale a R$ 1.500 no Brasil, mas o custo de vida em Santiago é alto. A segunda parada que ele fez, foi na ponte, depois uma numa loja, passou o caminho todo falando sobre o frio e que tínhamos que nos proteger e comprar gorros, luvas e etc. Mas na Verdade, a gente nem precisou. Comprei porque fiquei com medo, mas na vdd, nem utilizei quando cheguei lá. Abaixo tem fothênhas meu pouvooo! Foto da lojinha que paramos pra comprar os acessórios!!! 1 charme, não é? Achei o Chile tão PhoPho!!! A Segunda foto foi na Ponte, era bem estreita e só passava um carro de cada vez e detalhe, eles passavam numa carreira só! Vôuteeee! A ponte parecia que ia cair com todos nós! 😳 Aqui a foto do meu maridão, né?! Não podia faltar!!! Esse passeio é ôthemoo gentiii, e eu não poderia passar o caminho todo sem tirar fothênhassss, então, toxma foto pra cima!!!! O boy amaaaa essa touquinha da Alemanha e eu acho...hahahahhaha...🤣 Fothênhas juntos para registrar o time! Juro que é a última foto desse passeio, antes de chegar ao Embalse y elso...rsrsrsrsr Thanrammmm!!! Chegamos, deu pra sentir, né? Beachooo, esse lugar é muito topster! Foto de blogueirinho porque eu sou muito Phoda de fotógrafa...ahhahahahahaha... Tá, eu confesso que ele é mais fotogênico, mas eu sei encontrar os melhores ângulos...hahahhahaha...Nossas DR's de viagens é sempre por conta das fotos...hahahhahahahah🤣 Apachetas, bom!!! Esse é o meu novo vício! Aprendi que as apachetas eram feitas pelo povo andino para marcar o caminho por onde passavam, desta forma eles poderiam percorrer toda montanha atras de comidas e ervas e na volta, eles conseguiam achar o caminho por contas das apachetas que deixavam. Tem uma brincadeira legal que rola pela America do sul, por onde você for, você faz uma apacheta e pede algo que gostaria de alcançar, diz a lenda que quando a apacheta se desfazer, seus pedidos são realizados. Mas a verdade sobre elas é que quando você para pra empilhar pedras, requer atenção, paciência, calma, concentração e fé. Você acaba buscando o equilíbrio das pedras, quando você finaliza a apacheta, você tem paz! É uma sensação muito Phodaaa!!! Na volta do passeio, ficamos na rodoviaria do centro de Santiago por volta das 5hs. Pedimos ao guia que nos deixasse por lá. Compramos duas passagens para Pucón, o valor das passagens foi de R$150,00 por pessoa (CLP$ 28.050). O horário de saída do ônibus era umas 21hs, então fomos comer alguma coisa na lanchonete, jogar papo fora e esperar a hora de partida. Compramos cadeiras semi-cama, já que passaríamos à noite viajando que fosse no mínimo um pouco confortável. A viagem de Santiago para Pucon é aproximadamente 11 horas. Os ônibus são bem seguros, tem um sensor de velocidade, o motorista não pode ultrapassar de 100km que ele dispara e todo os passageiros ficam cientes. Ahhh, e no ônibus servem lanchinho!! Recebemos à janta e fomos dormir, quando já estávamos próximos a Pucon, recebemos o café da manhã. Bem Maraaaaaa, né gentxxx! Igualzinho ao Braselllll! 3° Dia - Pucón Chegamos em Pucón umas 8hs e tudo ainda tava puta escuroooooo, além de frio! Esperamos o céu clarear mais um pouco dentro da rodoviária e quando deu umas 9hs, saímos para procurar. a merda é que eu tinha me esquecido de ver no mapa a localização porque estávamos sem internet na rua. Passamos horassss procurando e nadaaa! 😢 Ninguém sabia nos informar! A dica é, se puder, compre um pacote de net daqui do Brasil mesmo, ou assim que chegar lá, providencie um chip. Nossa sorte é que encontramos um casal de Argentinos que estavam procurando o hostel deles com um GPS. Gentx, não sei vocês, mas o meu anjo da guarda é muito Phodaaaa e não dorme no ponto. O casal achou pra gente o Hotel Lounge Brasil, o valor da hospedagem foi de R$ 400,00 o casal durante três dias, eu já tinha reservado daqui do Brasil mesmo, utilizei o site da booking, aliás, adoro esse site! Chegamos no Hotel e a recepcionista Maria nos tratou super bem e até deixou a gente fazer o checkin antes da hora. Um beijo Maria, sua lindaaa! Ela aqueceu o nosso quarto, porque gente, Pucon é muitooooo frio e nós fomos no inverno! Chuva era bóiaaaa! Abaixo tem uma fothênha pra vocês verem que delícia de lugar. Bom, deixamos as malas no hotel e pernas pra quê te quero. Fomo comer alguma coisa e achamos uma subway, lá eles vendem uns sabores diferentes dos daqui do Brasil e tem a opção de guacamole (abacate). Pedimos dois subways e fomos numa agencia (Aguaventura) fechar o pacote das termas geométricas (R$ 120,00 por pessoa), pois eu estava super ansiosa para conhecer. E, que lugar é aquele Brasellll? Conseguimos por um precinho bem em conta, negociar pessoalmente é sempre a melhor opção. O passeio ficou marcado para as 15hs, fomos para o hotel e aguardamos eles irem nos buscar. Tava chovendo e eu fiquei preocupada de estragar o passeio, mas o guia nos informou que dia de chuva é o melhor dia para conhecer as termas 😳, só entendi quando cheguei lá...🤣 Gentxxx, tava um frio de lascar o quengo do ser humaninho ( 0ºC), mas a piscinas são muito quantes (45°C). Pra tirar a roupa foi toda uma oração e quando entramos na água parecia que iriam tirar o nosso couro...hahahha...Mas calmaaaa, isso é o choque térmico. Depois que você se acostuma, não quer mais sair de lá. Eu amei esse lugar, amei Pucon! Olha a chuva de fotos pra vocês sentirem a sensação! Toxmaaaa! Primeiro o boy magia, depois ME! Sai daí boy, que vem chuva de fotos minhas...ahahhahaha🤣🤣🤣🤣 Nessa, eu tou com friooo!!! A água tava uma delícia e o passeio foi adorável. Voltamos à Pucon e programamos o passeio do outro dia que seria escalar o Vulcão Villaricca, mas infelizmente como tava chovendo muito e tinha risco de ocorrer avalanches, não pudemos ir. 4° Dia - Pucón Marcamos apenas um dia de neve na base dele (R$ 120,00 por pessoa). Exploramos a sua base e conhecemos aos arredores. Abaixo tem fothênhaaasss! Conhecemos uma galera Brasileira, só pra variar...hahahhah...Que eram da Baêaahhh! Ôh povo Maraaaa! 😍 Oiiii, você quer brincar na neve? hahahahha...Brasileiros adoram uma neve, principalmente quando é a primeira vez!!! Meu melhor par! Na volta fomos explorar um pouco a cidade de Pucon, já que só teríamos mais um dia para regressar à Santiago. E gentx, pense numa cidade charmosinha, eu super me encantei, é bem seguro por lá, embora eu tenha sido furtada 🤬... Nunca vacilem com suas coisas, o meu celular estava no bolso do casaco. Fomos num supermercado Eltit que fica na Av. Libertador General Bernardo O' Higgins, próximo do hotel e num picar de olhos, perdi o meu celular. Na saída do supermercado haviam uns peruanos vendendo alfajor, vieram me abordar e eu não quis, quando cheguei no Hotel, fui procurar o meu celular e o canto mais limpo do mundo. Fiquei muitoooo 🤬! Mas voltando ao assunto da cidade, toxma foto pra tu sentir! Tem esse coração próximo da praça, você pode comprar um cadeado e gravar o seu nome e o nome do love, não é phopho! A areia da praia tem essa cor preta devido aos fragmentos vulcânicos de erupção que ocorrem neste lugar, pois a cidade é arrodeada de vulcão e tem o Villaricca que é um vulcão ativo. 5º Dia - Pucón Bom, chegamos no último dia em Pucon, seguimos para a Reserva Ecológica Huilo huilo, gentx que lugar linduuuu Brasel, e super fofo pra quem tem crianças, eu super indico. Como sou um pouco criança ainda...hahhahahah...adoro essas coisinhas de duendes e fadas. Saca só as fothênhas! Quando a bruxinha seduz o boy magia...hahhahahahah🤣 Tava chovendo muito e na foto não dá pra ver direitinho, mas a água é bem azul, segundo o guia é água de origem glacial, por isso tem essa cor! 😍 Fadinhasssssssss! Gentx, essa fadinha custou 80 pesos, lembro muito bem desse preço! Esta árvore enorme atrás de mim é um dos hotéis que tem na floresta encantada, por dentro é super lindo. Dica, se puderem, reservem pelo menos uma noite nesse lugar. Olhem como é aconchegante por dentro. Fim da nossa estadia em Pucón!!! Bora seguir o baile pra Santiago!!! huhuhuhuhuhu...Voltamos com o guia para Pucon, compramos nossas passagens de volta à Santiago, no mexmoo esqueminha. Jantamos no restaurante e seguimos viagem. No ônibus nos deram dois lanches! Um na janta e outro no café da manhã. A diferença é que esse ônibus não fez a mesma rota da ida a Santiago. Ficamos em outra rodoviária completamente diferente e detalhe, no mesmo dilema de sem internet pra descobrir o que fazer. 6° Dia - Santiago Chegamos por volta das 8hs da manhã em Santiago e tudo escuro ainda. Perguntamos a um guarda como faríamos para pegar o metrô. Ele nos explicou direitinho e fomos simbora por esse mundo de meu Deus, eu tava morrendo de medo, pois dizem que em Santiago é mais perigoso e como eu tinha sido furtada em Pucon, tava torando aço. Mas deu tudo certo!!! Ficamos em um hostel no bairro de Providência bem perto do Bela vista, que é um bairro bem badalado pros jovens, tem cerveja, paqueras e drogas...😳...Muitaaaa agitação! Chegamos no hostel Che lagarto, fizemos checkin, ele fica bem no centro, virando a esquina tem o Cerro de Santa Lúcia, muito bonito a vista de lá. Segue fothênhas porque eu sei que vocês já estavam com saudades delas...hahhaha Tem o funicular que você pega pra subir e ter uma vista maravilhosa das Cordilheiras dos Andes arrodeando Santiago. Dica, pegue só a opção de ida, é mais barato e você já desce bem próximo ao Costanera. Eu não fui ao Costanera,almoçamos no Restaurante Giratório, enquanto vc almoça, ele dá um giro de 360º graus, desta forma vc vê a cidade toda sem sair do lugar, é super charmosinho. Ah, tem que resevar por que é lotadooooo,o legal é que você almoça ao som do Tom Jobim, delícia, né??? Pegamos o bondinho pra descer! Nas ruas de Santiago! Hora do almoçooo! 8° Dia Santiago - Valparaíso e Vina del mar Segundo dia em Santiago, pegamos um metrô e fomos até a rodoviária para pegar um ônibus que nos levasse para conhecer Valparaíso e Vilna del Mar! Dica, evitem os horáriso de pico do metrô pois as passagens ficam mais caras. Fechamos um pacote turístico quando chegamos em Valparaíso, pois sozinhos nos perderíamos e lá é um pouco esquisito, mas a grande vantagem mesmo é que eles otimizaram o nosso tempo e conseguimos ver os dois lugares em um dia só. Pechinchei e consegui um precinho bem em conta dizendo que éramos estudantes...ahahahhah...Segue mais fothênhassss! Valparaíso é um charme gentx e super colorido, cada casa tem uma cor, e muito grafite nas paredes, dá pra tirar fotos bem legais. Eu super me apaixonei!!!! Depois do almoço fomos para Vina del mar, é uma cidade vizinha,ela é governada por uma prefeita mulher e ela faz questão de espalhar flores pela cidade. É muito phopha!!! Saca as Fothênhassss! Bom gentx, esse foi o meu roteiro no Chile, eu espero voltar, pois quero muito conhecer o deserto do Atacama e a Ilha de Páscoa. Eu vou dá uma procurada na minha agenda de viagens para disponibilizar alguns valores pra vocês, porque eu não lembro de cabeça. Xêru e segue o baile pra próxima viagem!!! 20170610_123029.mp4
  12. Olá amigos da comunidade Mochileiros.com. Aqui é o Thiago e a Priscila. Nós moramos na cidade de Blumenau-SC. Em dezembro de 2018 fizemos nossa viagem de carro até San Pedro de Atacama no Chile. A comunidade mochileiros.com nos ajudou bastante, pois no site conseguimos várias dicas e conhecemos outras pessoas que também nos ajudaram com informações. Por esse motivo queremos compartilhar nossa experiência. E quem sabe poder ajudar ou até mesmo encorajar outras pessoas a saírem do sofá e encarar essa aventura. Para realizar esta viagem primeiro nós fizemos algumas pesquisas, como por exemplo: documentos necessários, seguros obrigatórios, melhor roteiro, condição das estradas, hotéis, pontos turísticos, custo com passeios, custo com alimentação, custo com gasolina, custo com pedágios, melhor câmbio, o que levar na bagagem, etc. Juntamos todas essas informações numa planilha e então começamos a trabalhar nela. Então no mês de Setembro/2018 começamos a fazer as contas e preparar tudo o que precisava para viajar. Nessa primeira parte vamos tentar abordar o máximo de informações com relação ao roteiro, situação das estradas, GPS, câmbio, aduanas, seguros, itens obrigatórios, pedágios e combustível. Na segunda parte vamos falar um pouco sobre San Pedro de Atacama e sobre os nossos passeios. Então vamos ao que interessa: Nessa viagem foram 04 pessoas: Eu (Thiago), minha esposa Priscila, meu Pai e a namorada do pai. Saída de Blumenau: 22/12/2018. Chegada em San Pedro de Atacama: 25/12/2018. Saída de San Pedro de Atacama: 31/12/2018. Chegada em Blumenau: 03/01/2019. Carro utilizado: Peugeot 207, ano 2012. Motor 1.4, c/ 04 portas. Roteiro/Condição das estradas/Pedágios: Dia 01 - Blumenau - SC x São Borja - RS. Total: 860 Km. Esse caminho é o mais curto, porém tem muitos trechos com pista ruim (buracos, desníveis, etc.), além disso tem muitos radares e lombadas eletrônicas. O motorista tem que ficar atento. Pedágios: Nenhum. Dia 02 - São Borja-RS x Presidência Roque Sáenz Peña - Argentina. Total: 620 Km. As estradas são boas, pelo menos são melhores que do que as do Brasil. Pedágio 01: logo que passa a Aduana, já tem um guichê de pedágio. Valor pago em moeda brasileira: R$ 50 para veículos de passeio. (na volta ao Brasil, o valor é R$ 65) Pedágio 02: RN-12 aprox. no Km 1262. Valor: 50 Pesos Argentinos. Pedágio 03: RN-16 aprox. no Km 05. Valor: 40 Pesos Argentinos. Pedágio 04: RN-16 aprox. no Km 60. Valor: 65 Pesos Argentinos. Dia 03 - Presidência Roque Sáenz Peña (Argentina) x Salta (Argentina). Total: 630 Km. As estradas também são muito boas. Observação: na RN-16, entre os KM 410 e 481 a estrada é "horrível". Tem muitos buracos. Buracos gigantes. Você vai perder tempo desviando deles. Pedágios: RN-09 chegando na cidade de Salta. Valor: 25 Pesos Argentinos. Dia 04 - Salta (Argentina) x San Pedro de Atacama (Chile). Total: 580 Km. As estradas também são muito boas. Observação: Nós usamos o caminho Paso de Jama, que é melhor, pois é todo asfaltado até San Pedro de Atacama. Pedágios: Nenhum. *Na volta pra casa fizemos o mesmo trajeto. Hospedagem: Dia 01 - Dormimos na casa de parentes. Não tivemos gastos com hospedagem nesse dia. Dia 02 - Ficamos hospedados no hotel de campo El Rebenque, que fica na cidade de Presidência Roque Sáenz Peña (Argentina). Dia 03 - Ficamos hospedados no hotel Pachá, que fica na cidade de Salta (Argentina). Dia 04 - Ficamos hospedados no hostal Casa Lascar, que fica em San Pedro de Atacama (Chile). Aqui dormimos dia 25, 26, 27, 28, 29 e 30 de dezembro/2018. *Na volta pra casa ficamos nos mesmos hotéis. Câmbio: Peso Argentino: nós trocamos todo o dinheiro brasileiro por Peso Argentino na aduana, que fica logo depois da Ponte internacional, saindo de São Borja-RS. Valeu muito a pena trocar o dinheiro na aduana, pois pagamos 0,10 por cada Peso Argentino. Já em Blumenau a melhor taxa que encontramos foi 0,15. Comparação de preços Blumenau x Aduana Argentina: R$ 1 Mil reais trocados em Blumenau valem: 6.666 Pesos Argentinos (sendo: 1000 / 0,15) R$ 1 Mil reais trocados na Aduana valem: 10.000 Pesos Argentinos (sendo: 1000 / 0,10) Peso Chileno: nós trocamos R$ 1 Mil (reais) em Pesos Chilenos aqui em Blumenau, para ter um pouco de dinheiro na chegada à San Pedro de Atacama. O restante do dinheiro brasileiro nós trocamos em San Pedro de Atacama. Trocar o dinheiro em San Pedro valeu muito a pena, pois recebemos 170 Pesos Chilenos por cada R$ 1,00 (Real). Já em Blumenau a melhor taxa que encontramos foi de 154 pesos Chilenos por cada R$ 1,00 (Real). Comparação de preços Blumenau x San Pedro de Atacama: R$ 1 Mil reais trocados em Blumenau valem: 154.000 Pesos Chilenos (sendo: 1000 x 154) R$ 1 Mil reais trocados em San Pedro de Atacama valem: 170.000 Pesos Chilenos (sendo: 1000 x 170) *Compare antes de trocar seu dinheiro. Combustível / Postos de abastecimento: Na Argentina tem dois tipos de gasolina: a Super (comum) e a Infinia (aditivada). Infinia: variava de 45 a 48 pesos. Super: variava de 41 a 44 pesos. *Abastecemos com gasolina Infinia nos Postos YPF. *No Chile não abastecemos, por isso não informamos os tipos e preços que existem. Na Argentina tem muitos postos de abastecimento durante o trajeto. O último posto fica bem próximo da Aduana, no Paso Jama (divisa entre Argentina e Chile). Depois da Aduana não tem mais posto durante o caminho. Vai ter um posto somente em San Pedro Atacama (distância entre Aduana e San Pedro Atacama: 160 KM aprox.) GPS: Nós utilizamos dois aplicativos de geolocalização: o Google Maps e o Maps.me. Levamos dois Smartphones, em um deles usamos o Maps.me e no outro com Google Maps. Antes de sair nós fazíamos os trajetos pela rede WiFi e depois saíamos para a estrada. Os dois aplicativos funcionaram muito bem no modo off-line. Dica: o aplicativo Maps.me funciona totalmente no modo off-line. Para isso é necessário baixar os mapas off-line da região que você vai passar. Exemplo: nós baixamos todos os mapas da Argentina, do Chile e também dos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. Seguros obrigatórios para seu carro: Na Argentina: seguro Carta Verde. Você pode fazer em qualquer corretora de seguros. Ele cobre danos a terceiros em caso de acidentes. Nós fizemos o seguro com a Porto Seguro, com a cobertura de até 15 dias. Custo: R$ 125. Débito em conta corrente. No Chile: seguro SOAPEX. Você pode fazer este seguro com a HDI do chile. Só digitar no Google "HDI Chile". Ele cobre danos a terceiros em caso de acidentes. Nós fizemos o seguro direto no site da HDI Chile, com a cobertura de até 10 dias. Custo: R$ 40. Pagamento somente no cartão de crédito. *Veja se o seu cartão está liberado para realizar esta compra. Observação: em nenhum momento a polícia ou aduana nos cobrou esses documentos. Seguros para você: Nós optamos por não fazer nenhum seguro de vida ou de acidente. Mas as empresas de seguro oferecem inúmeras modalidades. Avalie a que melhor se enquadra com seu bolso. Itens obrigatórios para o carro: Na Argentina: Vários blogs e pessoas nos disseram que teríamos que levar um monte de coisas no carro. Então nós entramos em contato com o departamento de trânsito da Argentina e também com o consulado Argentino no Brasil que fica em Florianópolis. Segundo eles, os itens obrigatórios são: - 01 Extintor de incêndio (exceto em motos); - 02 triângulos de segurança; - Além dos demais exigidos no Brasil (pneu estepe, chave de rodas e macaco). E tem também os itens recomendados: (notem que são recomendados, não obrigatórios) - Kit de primeiros socorros; Portanto, não é obrigatório levar o tal do "cambão", que muitos blogs informam ser obrigatórios. No Chile: Considerar todos os itens obrigatórios citados acima. E no Chile todos os motoristas são obrigados a ter no carro um "colete refletivo". Caso o motorista precise sair do carro para alguma manutenção ou emergência ele precisa estar vestindo o colete. Isso é LEI NACIONAL. Na dúvida leve um colete também. Observação: Na Argentina fomos parados diversas vezes pela polícia. Em quase todas as cidades que passamos ao longo do caminho a polícia nos parava para solicitar algum documento. Algumas vezes eles pediam os documentos de identidade e do carro. Em outras eles faziam o teste de bafômetro. Mas em nenhum momento a polícia precisou revistar o nosso carro. No Chile não fomos abordados. Aduana Brasil x Argentina: Muito tranquilo. O atendente solicita os documentos do carro e identidades. Preenche um formulário no computador. Por último entrega um recibo (parecido com um cupom fiscal de mercado). Este recibo precisa ser bem guardado, pois ele será útil na Aduana Argentina x Chile. Não tem custo. Aduana Argentina x Chile: chato/demorado (pode ter fila e os atendentes são malas) A Aduana que nós passamos foi no Paso Jama. Tem 06 guichês. É necessário preencher um formulário em espanhol. Nesse formulário tem uma parte que fala se você está levando algum alimento que é "proibido". Após passar em todos os guichês eles entregam um recibo (parecido com um cupom fiscal de mercado). Este recibo precisa ser bem guardado, pois ele será útil na Aduana Chile x Argentina. Comidas não podem passar. Exemplo: frutas, verduras, carnes, lanches, etc. Tudo que é animal ou vegetal fica na Aduana. Alimentos processados passam. Alegação deles é que pode haver alimentos contaminados ou pragas. Se no formulário estiver a opção NÃO, mas na hora de revistarem o carro eles encontrarem alguma coisa, você leva uma multa. Após sair dos guichês vem um fiscal da vigilância sanitária e inspeciona o carro. Só depois de inspecionar o carro você está livre para seguir viagem. Não tem custo. *Na volta pra casa é necessário fazer tudo de novo, porém a vigilância sanitária não revistou o carro dessa vez. Espero que tenham gostado dessa primeira parte. Se tiverem algum comentário ou dúvidas por favor nos retorne. Um abraço.
  13. [info]Tópico para compartilhar dicas sobre Santiago, Valparaíso e Viña del Mar Participe! Deixe aqui aquela dica de passeio que você adorou, aquele bar nota 10 que conheceu, daquele restaurante bom e barato ou daquele outro que serve um prato especial que você adorou. Vale também a dica daquela noitada inesquecível que você foi em Santiago, Valparaíso e Viña del Mar. Regras do Tópico Neste tópico não serão aceitas perguntas, apenas dicas sobre Santiago, Valparaíso e Viña del Mar. Perguntas devem ser postadas nos Tópicos de Perguntas e Respostas. Todas as perguntas postadas aqui serão deletadas pelo editor deste fórum.[/info]
  14. O vídeo abaixo mostra detalhadamente o valor gasto com combustível, hospedagem, alimentação, passeios, lembranças e seguros da viagem realizada entre os dias 02 de Janeiro de 2018 ao dia 21 de Janeiro de 2018. Eu Matheus Verdan, sai do Rio de janeiro e o Iago Luiz de São Paulo e juntos fomos do Atlântico ao Pacifico, do Rio a Santiago e voltamos. Rodamos cerca de 10000km em duas Tenere 250 por cerca de 19 dias. O valor final mostra exatamente quanto gastamos na viagem e serve de base para calcular o seu gasto. ► Saiba o preço do combustível no Chile e na Argentina. ► Valor gasto diariamente com alimentação. ► O custo da hospedagem na viagem. ► Quanto custa e onde contratar o seguro SOAPEX, seguro CARTA VERDE e Seguro Viagem. Links uteis: Seguro obrigatório Chileno - SOAPEX - https://www.hdi.cl/venta/Index.aspx Seguro Viagem - https://www.seguroviagem.srv.br/ Vídeo da viagem - https://youtu.be/qNx7PDM1Yxw Observação: O valor final esta somado com a multa que explico no vídeo. Se quiser qualquer informação sobre a viagem, será um prazer ajudar. Para acompanhar todas as fotos dessa trip espetacular entre no meu instagram: @mathverdan https://www.instagram.com/mathverdan/ @iagoluizoli https://www.instagram.com/iagoluizoli/ Gostou do Vídeo? Deixe aquele LIKE, não esqueça de COMPARTILHAR com seus amigos. ► Motos utilizadas: Duas Tenere 250 ► Dificuldade da estrada: Médio ► Partida: Rio de Janeiro - BRL ► Chegada: Santiago - CHL ► Percurso: 10000 km Locais Visitados: ► Laguna Cejar ► Salar de Tara ► Salar de Atacama ► Laguna Tuyajto ► Gêiseres del Tatio ► Valle de la Luna ► Monjes de la Pacana ► Mão do Deserto ► Los Caracoles ► Salinas Grandes ► Lagunas Miscanti y Miniques (Altiplânicas) ► Concha Y Toro ► Fuerte Neptuno <embed src="https://youtu.be/ewTS6nON73s" autostart="false" height="250" width="500" />
  15. Primeiramente, gostaria de avisá-los sobre dois pontos importantes: 1: o meu relato está sendo feito um ano após a minha viagem. 2: Se você quer uma viagem inesquecível em algum país na América do Sul, então com certeza você deve conhecer o Chile! Estando ciente destes dois pontos, então vamos iniciar com meu relato, minhas dicas e experiências. Bora lá? A Recepção que tive ao chegar em Santiago Iniciando que tive muita sorte antes mesmo de chegar em Santiago, pois eu não tinha Transfer marcado e pretendia pegar um táxi ou Uber para me levar até o Hostel que eu ia ficar (reservarei um tópico unicamente sobre o hostel). Entretanto, não foi necessária nenhuma destas opções, pois tive a incrível oportunidade de sentar do lado de uma senhora no avião e fiz amizade com a mesma. Ela era brasileira, de São Paulo assim como eu, mas morava há alguns anos no Chile com seu marido. E ela ofereceu uma carona até o meu Hostel que era caminho da casa dela. Como senti confiança nela e realmente parecia ser uma ótima pessoa, logo, aceitei. E pra início de viagem, já me senti bem naquele país e bem recebido. Assim sendo, minha grande preocupação era que estivesse tudo OK a reserva que eu havia feito do hostel, porque eu nunca tinha feito uma viagem para fora do Brasil e também não havia feito reserva de hotel/hostel da forma que fiz. Contudo, ao chegar no hostel eu também fui super bem recepcionado pela equipe e deu tudo certo, logo, percebi que seria um viagem única e assim foi! Fui bem tratado em absolutamente todos os lugares que fui e irei relatar ao longo do texto. Onde eu me hospedei nestes 5 dias? Fiquei hospedado em um hostel. Para quem não sabe, hostel é um espaço compartilhado, ou seja, como um hotel, porém com quartos compartilhados. Na maioria das vezes utilizado justamente por viajantes, para troca de experiências, boas conversas, novas amizades, além de ser mais barato que um hotel. Se você se identifica com estes itens que citei, um hostel é uma ótima opção, caso contrário, reserve um hotel. O hostel que me hospedei foi o CLH Suites Santiago, o Che Lagarto. Ele fica localizado na San Antonio 60, Santiago. Para quem não conhece, a San Antonio fica bem no centro de Santiago, então você ficará super bem localizado e próximo de muitas coisas para ver e fazer na cidade. O tratamento da equipe do hostel é simplesmente excelente, desde a sua entrada até a saída. Se você precisar de dicas de roteiros, onde ir, chamar um Uber ou qualquer coisa, saiba que os funcionários estarão dispostos a ajudá-lo. O hostel contava com café da manhã já incluso e se você quisesse, dentro de um determinado horário, você podia utilizar a cozinha para você mesmo preparar a sua comida. Ah, o café da manhã era excelente, com bastante opções de comidas e isso porque sou ovolactovegetariano! De noite, você podia optar ao invés de ficar no saguão do hotel, poderia ficar no terraço do hostel, pois lá tinha um DJ tocando diversas músicas e no terraço tem lugar pra você ficar bebendo, conversando e se divertindo. Os quartos que fiquei dispunham de beliches confortáveis e um banheiro compartilhado, mas limpo e com boa estrutura. A grande sacada do hostel é você conversar com as pessoas hospedas, fazer amizades e ter ótimas experiências e isso no Che Lagarto eu encontrei! Fiz amizade com brasileiros, argentinos, uruguaio, colombiano, canadenses e norte-americanos. Veja só! Mais lá na frente do texto irei especificar quanto foi que gastei com hospedagem, passagens e tudo mais. Onde eu fui? O que conhecer? Não irei fazer em ordem cronológica a minha viagem, somente irei apontar e comentar brevemente sobre alguns dos locais que fui. Vamos lá? Catedral Metropolitana de Santiago - Para os fiéis ou não, a Catedral de Santiago é um ponto a ser conhecido, seja por ser um dos pontos turísticos de Santiago, quanto pela sua bela arquitetura Neoclássica. O interior da catedral é simplesmente maravilhoso! Lembrando que não é pago para entrar e conhecer o ambiente, ou seja, é gratuito! Endereço: Plaza de Armas, Santiago, Región Metropolitana. Iglesia de San Augustin- Se ainda você quiser permanecer em contato com artes sacras e belas arquiteturas de igrejas católicas chilenas, outro local a ser conhecido seria a Iglesia de San Augustin. Uma igreja consideravelmente pequena, da Ordem de Santo Agostinho, porém muito linda! Vale a visita. Endereço: Estado 180, Santiago, Región Metropolitana. Cerro San Cristobal: Esse sim é um lugar que você não pode deixar de conhecer quando for ao Chile, com uma vista simplesmente única lhe dá condições de visualizar boa parte da capital chilena, além de uma vista maravilhosa das cordilheiras, tanto em solo quanto pelo passeio pelo oferecido por teleférico. Para chegar até o Cerro você irá pagar um valor (que não me recordo quanto, porém bem barato) para te levar até o Cerro assim como você também pagará uma taxa caso queira passear de teleférico (e vale muito a pena, tenha certeza disso!). Casa Museo "La Chascona" - Para quem ama poesia tanto quanto eu, considero como outro lugar que você não deve deixar de conhecer. La Chascona foi a casa onde viveu na minha modesta opinião, um dos maiores poetas de todos os tempos e uma das figuras mais importantes da história chilena, Pablo Neruda. Ao visitar a sua casa/museu você entenderá que Pablo Neruda não somente fora importante para a literatura chilena, mas sim também, para a luta política/social no Chile. A visita é interativa, pois você recebe uma espécie de "telefone" e nele contém botões com números, cada número representa um cômodo da casa e ao apertar o botão você terá uma narrativa sobre a história de cada cômodo e objeto da casa. A narrativa é feita em espanhol! A entrada não é gratuita, custou na época cerca de $ 7.000 pesos (não é tão barato), mas se você é fã de Neruda, deve ir! Outro detalhe importante, não é permitido fotos no ambiente. Endereço: Fernando Márquez de La Plata 0192, Santiago, Providencia, Región Metropolitana. Museo Chileno de Arte Precolombino - O Museu de Arte Pré-colombiana vai inspirar e te encantar através da maravilhosa arte pré-colombiana, nos conectando com as raízes indígenas não somente do Chile, mas também da América. Certamente um dos melhores museus da América do Sul! Bem informativo, mas não somente informativo, mas contendo certas exposições até interativas. Contém lindas peças de cerâmicas, metal, algodão, lã, pedra, osso, madeira e etc. Utilizando-se de diversas técnicas para fazer a arte, sendo elas feitas antes da chegada dos europeus na América. Muito válida a visita, porque você vai se encantar e agregar muita cultura e conhecimento. A entrada custou $4.500 pesos. Endereço: Bandera 361, Santiago. Mercado Central: Para quem é paulista, sabe o Mercadão no Centro de São Paulo? Certo, pensou!? Esse é o Mercadão, porém o de Santiago, mas ainda acho nosso Mercado Central mais atrativo que o deles, mas ainda a visita é válida. Lá eles vendem peixes frescos, tem restaurantes e barracas vendendo souvenirs. A entrada evidentemente é gratuita. Você pagará pelo que consumir/comprar. Endereço: San Pablo, Santiago, Región Metropolitana Bellavista: O bairro da Bellavista é um local também obrigatório para conhecer no Chile, porque ele tem diversos bares, restaurantes, galerias e é um local ótimo seja no período diurno ou então para curtir à noite, pois também para quem gosta, oferece diversas baladas de diferentes gêneros. Não deixe de visitar! Valparaíso e Viña del Mar Fui um único dia para os dois lugares que são bem próximos. Consegui ir pegando um ônibus com saída no Terminal de Santiago. Infelizmente vou ficar devendo qual foi o valor que paguei nas passagens, mas lembro-me que não foi um valor tão caro e a viagem não é tão desgastante, levando um pouco mais de duas horas se não me falha a memória, porém você irá apreciar a vista no decorrer da sua viagem. Valparaíso é uma cidade simplesmente encantadora, muito bonita! Nela você encontrará organização, lindos restaurantes e casas com pinturas a óleo nas paredes, além de muros grafitados. As ruas também são muito lindas, muitas delas de paralelepípedo. Outro detalhe é que a cidade não fica longe do mar, tornando-a assim com uma paisagem deslumbrante! Museo Municipal de Bellas Artes/Palacio Baburizza: Um local que gostei de ter ido em Valparaíso foi o Museu de Belas Artes da cidade. O Museu contém peças de grande valor artístico, principalmente pinturas a óleo de artistas sejam chilenos ou estrangeiros. A fachada do museu por si só já vale ser vista. Veja a foto abaixo! A entrada custou: $4.000 pesos. Endereço: Paseo Yugoslavo 176 C°, Alegre, Valparaíso. Já em Viña del Mar eu aproveitei para conhecer alguma praia e pegar um pouco de Sol. Me deparei com uma praia simplesmente limpa e bonita. Conhecia a Playa Reñaca e recomendo muito! Fui juntamente com os amigos que fiz no próprio Chile, de diversas nacionalidades, estes da foto abaixo. Eu sou o de camiseta vermelha e óculos! Considerações finais Galera, fica impossível eu apontar absolutamente todos os lugares que fui e conheci. Os restaurantes eu vou apontar numa outra postagem, pois fui em restaurantes vegetarianos/veganos, ou seja, não agradará todos os públicos. Porém, o que mostrei até então são locais que ao meu ver, lhe trará uma experiência diferente para a sua viagem, tornando-a inesquecível, pois é o que esperamos de uma viagem assim. O Chile é o lugar ideal para curtir a noite, buscar aventuras, ver belas paisagens e acima de tudo, fazer belas amizades. Você com certeza irá voltar para casa com a mala cheia! Cheia de histórias e novas experiências. Custo da viagem: Passagens Ida e Volta: R$684,00 (Voo oferecido pela empresa aérea Avianca) 5 dias de hospedagem no Che Lagarto: R$ 420,00 Dinheiro que converti de reais para peso: R$ 727,92 o que me deu em pesos chilenos $120,000,00 (cobrando R$7,92 de IOF pela casa de câmbio aqui no Brasil). Total de gastos = R$ 1.832,00.
  16. Ola, amigos! Janeiro e férias! Decidi dessa vez ir para Santiago e San Pedro do Atacama. Fui com um amigo que topou de ultima hora essa trip. Vou tentar relatar o máximo que eu consegui sem ocupar muito o tempo de vocês. Qualquer duvida, só falar. Achei importante e que eu quase não via aqui na hora de ler os relatos foi o valor em pesos e em reais também, pra ter uma média melhor, então vou tentar sempre relatar os dois. Dia 6 ao 11 - Santiago Dia 11 a 16 - Atacama. Santiago Dia 06 - 1º dia. A viagem começou cedo, tinha conexoes a serem feitas e uma rapida e breve experiencia no Couchsurfing. Chegamos em Santiago por volta de 1h da manha do dia 06. Na saída do aeroporto trocamos o minimo de pesos possivel, apenas o básico pro transfer, no valor de $7500 (+/- R$35) pesos e para o metro até o hostel no dia seguinte, $600 pesos (+/- R$3). Visto que o check-in do Hostel começava as 14h, optamos por ficar uma noite na casa da Alicia, encontrei-a pelo site do Couchsurfing e foi uma experiência bem agradavél e por isso quis relatar aqui. Não foi tão simples e rapido como eu esperava que fosse e como teria lido relatos tambem. Demorei pra encontrar a Alicia; uma pessoa muito gente boa e com a casa super aconchegante e agradável, perto do metro, o que facilitou a nossa vida. Ela saiu de manhã para trabalhar e deixou a casa toda pra gente. Deu 11h e nossa aventura de achar o metro e o hostel tinha começado. Pra minha surpresa, foi mais facil que o esperado. O metro tem várias linhas, mas tinha muitas placas bem sinalizadas, o que foi um alivio e tanto. A linha vermelha me pareceu ser a principal, e a única que precisei usar. Chegamos tranquilamente ao Che Lagarto, hostel que reservei pelo booking. Muito bem localizado e muito bem estruturado. Fica num prédio com 10 andares, com elevador, terraço com bar, area social na recepção com tv e sinuca. Os funcionários sao muito prestativos e te ajudam nas mais diversas duvidas que você tenha. A cozinha é um espetaculo a parte, enorme, bem montada e com tudo que você precisa. Os quartos são enormes, como se fossem dois ambientes, cada um com duas beliches...no meio ficam os lockers, estreitos mais bem altos, você pode alugar um cadeado na recepção ou levar o seu. O café parece um banquete, maravilhoso. Fomos andar aos arredores, fazer o cambio e tudo mais. Demos sorte de achar o cambio por 196 na Rua Augustina e aproveitamos para trocar tudo de uma vez, já que as casas de cambio no Atacama o real é bem desvalorizado. (pra fazer a conta, seria a quantia em real levada x196, que daria o valor em pesos chilenos que você teria.) Resolvemos almoçar num bar meio famoso por lá, conhecido por ter tido a presença do Bill Clinton e que por coincidência ficava ao ladinho do hostel. A noite, fomos conhecer a animação do bairro Bella Vista, aproveitar também, que era uma sexta feira. Acabamos numa boate chamada Club 57, que tocou tudo que é ritmo, até um pouco de br hahaha mas esse povo é meio parado ainda no Kuduro e Michel Teló, garantiu boas risadas. A entrada custou $5000 pesos (+/- R$25) e descobrimos depois que apresentando a pulseira do hostel não pagava nada Dia 07 - 2º dia Conhecendo mais os arredores, paramos no Cerro Santa Lucia, parada obrigatória pra qualquer turista. É tudo muito rústico e lindo de se ver. Subindo e subindo você chega no ponto principal e tem de presente uma vista e tanto do centro de Santiago e das Cordilleras. Na volta, ja tarde, resolvemos andar um pouquinho e almoçar no restaurante Mama Rockers. Todo moderno e alternativo. O hamburguer valia cada centavo e ficamos cheio até o dia seguinte. Custou por volta de $5000 pesos (+/- R$25) + refri $1000 e poucos pesos (+/- R$6). Terminamos o dia em um grupão que tava no hostel rumo a mais uma baladinha em BellaVista, dessa vez nao pagamos, que um dos meninos era local e conhecia os organizadores. Foi num lugar meio rústico ao pé do Serro San Cristobal, no final da rua Pio Nono (a principal), a festa era só de Reggaeton e eu amei demais já que amo um reggaeton hahahha. Dia 08 - 3º dia. Acordamos, tomamos café e seguimos ao metro em direção a estação Pajaritos, aonde se encontra tambem um terminal de onibus para varios locais incluindo Valparaíso, nosso destino. Tem varias e varias agencias no centro que faz o passeio Valparaiso+Vina del Mar por volta de $20-25 mil pesos (+/- R$100-120), mas resolvemos ir por conta já que queriamos uma certa propriedade sobre nossos passos e do que fazer, além de ser bem mais barato. Na estação, pagamos $4000 (R$20) pesos pela ida e $5000 (R$25) pela volta, mais compramos separadamente e talvez se comprarem ida+volta saia mais barato ainda. Chegamos no terminal de onibus de Valpo e com o mapinha na mão (não larguei por nada e nos ajudou demais) seguimos em direção a subida mais conhecido de lá. demoramos por volta de 20 a 25 min caminhando tranquilamente e chegamos na escadinha principal, onde os guias e alguns turistas tambem estavam subindo. É uma subida boa e cansativa, mas a cada vez que se olhava pra tras via um visual e tanto. Desde o começo do passeio, apesar dos gastos baixos, eu e meu amigo resolveos tirar o dia e nos presentear com um jantar mais careiro, com direito a vinho e entradas hahahah e decidimos ser em Valparaiso. Foi delicia e pagamos cada um uns $10.000 (+/- R$50) com direito a entrada, prato principal e sobremesa, tudo muito delicioso. Descemos o morrinho e fomos andando pela Av. Brasil, conhecido por ter varias universidades e os estudantes ficarem na praça em frente que é estreita mais do tamanho da rua inteira, toda de coqueiros e com um arzinho muito agradavel. Terminamos o dia vendo o por do sol na frente dos leões marinhos (parada obrigatoria em valparaiso). Voltamos ao Hostel e ficamos em galera bebendo e conversando madrugada afora, já que era Domingo e tanto o bar do hostel como a cidade é meio parada. Dia 09 - 4º dia Café da manha bem farto pra aguentar o dia e seguimos rumo a outro ponto obrigatório em santiago, o Cerro San Cristobal. Fomos andando do hostel até lá, é uma boa andada de uns 40min, mas paramos por diversos lugares para conhecer e tirar fotos. Chegando lá ja tinha uma fila bem grande, mas até que foi bem rapido. Pagamos a Funicular ida e volta para subir e descer mais rapido ate o Cerro. $2000 pesos (R$10). É um passeio rapido e muito gostoso. Subindo e subindo o Cerro você da de cara com o Santuário, o lugar é muito muito bonito e emocionante, da uma paz interior muito boa, e tem uma musica ambiente própria ao Santuário. Dia 10 - 5º dia Como era nosso ultimo dia, resovelmos tirar o dia para comprar as lembrancinhas e dar mais uma volta aos arredores. Fomos até o palacio La Moneda, aproveitamos para dar uma entrada e ver como era por dentro tambem. Tava rolando um exposição do Picasso e tudo mais. Depois de muita andança finalizamos o dia no hostel com muitos vinhos e petiscos. Aliás, indico demais vocês provarem o Tostitos e o Ramistas Crisp, uma deliciaaa. Atacama Dia 11 - 1º dia Chegamos em Atacama por volta de meio dia. Nosso voo de Santiago X Calama foi as 8h e chegamos por volta de 10:15h, depois o transfer de Calama ate Atacama de 1:30h. Reservamos o Hostel Siete Colores, que fica próxima a rua principal, Caracoles. Fizemos o Check-in e fomos direto pechichar os tours nas agencias, já que queriamos fazer um passeio já no mesmo dia. Depois de passar por umas 5 agencias, fechamos com a Tani Tani. Tivemos um feedback bom de umas brasileiras que chegaram na hora que estavamos lá e que ja estavam no ultimo passeio. O valor total de 5 passeios ficou em $63 mil pesos (+/- R$320) + 15mil (+/- R$80) de entradas (nas entradas usei sempre minha carteirinha de estudante, IMPORTANTE: vale qualquer coisa, até comprovante no celular, vi aqui de gente dizendo que tinha que tirar a carteirinha brasileira de estudante, e apesar da minha ser, vi varias que nao eram, inclusive meu amigo mostrava só o comprovante de que estudava na faculdade e pelo celular). Os passeios que eu fiz foram: Valle de La luna, Piedras Rojas + Lagunas Altiplanticas, Lagunas Escondidas e Geyser del Tatio. Marcado 15h na agencia, seguimos ao Vale de La luna, que passou pela Cordillera del Sal, as tres marias e outros pontos lindos de viver. Finalizamos com uma bela vista do por so dol. Chegamos de volta as 21h e fomos descansar no hostel. Dia 12 - 2º dia. Passeio a Piedras Rojas e Lagunas. acordamos bem cedo, que o passeio começava com a van nos pegando no hostel as 7h. Passou pela Laguna Chaxar, Piedras Rojas e as Altiplanticas. Na volta, a tarde, uma parada pelo Tropico de Capricornio. Esse passeio contou tambem com o Almoço, muito gostosinho, por sinal. E no final, ainda fomos a uma cidadezinha ao lado ver lhamas <3 Na volta, fomos a um Bar chamado Lola, com musica ótima e tambem rolava karaoke por la, um clima muito bom. Os bares e restuarantes em Sao Pedro fecham normalmente a 00h, sem excessão. Na sexta e sabado alguns funcionam ate 01:30h. Dia 13 - 3º dia Foi dia de Lagunas Escondidas, aquela que você boia de tanto sal. É tudo muito lindo e te faz pensar como que a natureza apronta uma coisa tao linda dessas. Na volta, tem uns snacks bem servidos, na pedra do coiote, pra ver o por do sol. Dia 14-15 - 4º e 5º dia. No dia 14, tiramos um day off, pra curtir o centro, almoçar, comprar lembrancinhas e queriamos alugar a bike e ir até Pukara de Quitor, não rolou, ninguem tinha bike pra alugar no dia, então fica ai a vontade pra próxima. No dia 15, tinhamos o Geyser, o passeio é famoso por começar bem bem cedo, as 4h da manha e por fazer bem frio e chegar a temperatura negativa. Tem a altitude bem alta, 4.300m. Ideal você se agasalhar MUITO. Fui com tres blusas, um casaco de lã, luva, legging, calça jeans, duas meias e tenis esportivo. E senti friooo! Nesse passeio tem o Desayuno (cafe da manha) incluido e muito gostoso. Tambem passei bem mal por conta da altitude, fiquei fraca, e com falta de ar. a Dificuldade de respirar aliás, durou o dia todo. Muito valido levar bala ou planta de Coca, alguns guias tambem lhe dão. Dia 16 - Volta pra Casa Em poucas palavras, o atacama foi a coisa mais bonita que meus olhos ja viram, voltei de alma e coração lavados. Resumão de valores, se eu esquecer de algum, só perguntar. Pra atingir um valor equivalente do peso em real, usem a regrinha de multiplicar por 5. Ex: $2000 pesos, equivalente a R$10, pois 2x5=10 Aero RioXSantiago (com conexao ida e votla em SP) - R$1500 Aero SantiagoXCalamaXSantiago - R$380 DICONA: Comprei pela Latam. Procurem na aba anonima por ''latam chile'' e comprem diretamente de lá, vai aparecer tudo em pesos mas é só usar a regrinha da conversão que dá tudo certo, é muito mais barato, coisa de R$200 a R$300 reais, ou mais. Só que precisa ser de cartão internacional, tá? e esse valor ja incluiu ida e volta+taxas+IOF) Transfer aero de CalamaXAtacama (ida e volta) R$100 ($20 mil pesos) Transfer Aero ao Centro de Santiago R$40 ($7.500 pesos) - Taxi sai por volta de 15mil pesos, é fretado e valor fixo. Pacote com 5 passeios no Atacama R$320 ($63 mil pesos) Hostel Che Lagarto em Santiago, 5 diarias R$220 Hostel Siete Colores no Atacama, 5 diárias R$400 Gastos em Santiago R$600 ($127 mil pesos) Gastos no Atacama, com o transfer incluido R$400 ($84 mil pesos) TOTAL DE GASTOS (FORA PASSAGENS QUE PODEM VARIAR): R$1980 Ainda me sobrou 40mil pesos, que troquei no aero mesmo, na volta. É isso, espero que curtam.
  17. Olá Farei uma viagem em julho/2019 por alguns lugares na América do Sul e gostaria de algumas dicas, sobre locais a visitar, transporte, estadia, etc. Viajarei de São Paulo no dia 30 de junho e chegarei em Buenos Aires as 2h do dia 1/7. Será uma viagem de 20 dias, sendo meu maior foco em Santiago, Chile. Passaremos também por Mendoza, Colônia do Sacramento e Montevidéu. O roteiro é mais ou menos o seguinte: 1 a 4/7 - Buenos Aires (saindo para Mendoza pela manhã) 4 e 5/7 - Mendoza (passagem e passeio local) 5 a 12/7 - Santiago 12/7 - saída de Santiago com destino a Colônia do Sacramento ou Montevidéu, porém, pensamos em ir até Mendoza e de Mendoza a Buenos Aires para então, ir ao Ururguai. 13 a 16/7 - Colônia do Sacramento 16 a 20/7 - Montevidéu 20/7 - São Paulo (Qual seria a melhor opção de valor? Ir até Buenos Aires e depois São Paulo? ou direto de Montevideo para São Paulo?) Se puderem me ajudar, serei muito grata. Grande beijo a todos. Mônica
  18. Amoni

    Passagem Santiago-Calama AJUDA!

    Pessoal, algm conseguiu ou sabe como comprar o trecho Santiago-Calama pela Sky air lines ou Jet smart? Já tentei de tudo, sem parcelar, pelo site Atrapalo, colocando os valores em dólar...Não sei mais oq fazer, algm tem uma dica, solução que nao seja Latam Brasil? Obs: meu cartão já é lberado pra compras internacionais
  19. Oi, pessoal! Fui ao Chile tem alguns dias (26/03/18 - 31/03/18). Vou colocar aqui o que tenho salvo ainda do roteiro que programei. E ao final deixarei algumas observações gerais sobre a viagem. Espero que ajude alguém. Meu roteiro não foi um roteiro SUPER barato, mas também não saiu caro. Ao final da viagem, com transporte, alimentação, lembrancinhas, passeios, restaurantes, e baladas, gastei R$1.600,00, pegando a cotação 184, 183 e 181 (fiz três trocas de câmbio em 3 dias diferentes, por isso a variação), sendo que 150,00 troquei no aeroporto, logo na chegada, por 169 (mesma cotação das casas de câmbio no Brasil no dia, porém, não paguei IOF ou taxa de câmbio, algo que eu teria pago se tivesse trocado por aqui antes de ir). Já "ouvi" pessoas neste fórum criticarem meu roteiro chamando minha viagem de "esnobação", e que isso aqui é fórum para mochileiros e blábláblá. Então antes de tudo quero dizer que eu realmente não estava com um orçamento apertadíssimo, mas também não estava gastando horrores. Foi minha primeira viagem sozinha pra fora, então com certeza cometi erros (como conto no relato abaixo), e também não quis correr grandes riscos, mas no geral acho que fiz boas economias, mesmo tendo ido em dois restaurantes considerados caros e turísticos, e feito um dos passeios com agência. Enfim, fica aqui o relato para levarem em consideração algumas coisas na hora da viagem de vocês, seja ela mochileira, baixo custo c/ conforto ou esnobação haha. Antes de mais nada, SOBRE TRANSPORTE: me locomovi somente por metrô e ônibus. Para facilitar, eu indico a vocês baixarem o aplicativo Moovit e usá-lo na hora de usar meio de transporte público em santiago. Foi a minha SALVAÇÃO. Eu colocava como local de saída a estação de metrô quando saía do Hostel, ou o endereço onde eu estava, quando não estava perto de nenhuma estação. E colocava como destino o endereço do lugar que queria ir. O aplicativo dá pra você qual a cor do metrô que tem que pegar, para qual direção, em qual estação, avisa qual estação é pra descer, se tem que pegar ônibus também manda a localização do ponto de ônibus pra você seguir pelo GPS, informa qual o número do ônibus pegar e onde descer. Enfim, praticamente carrega a pessoa. MELHOR COISA DA VIDA. Usem sem dó. Eu só me locomovia assim por lá e deu super certo. 1ºDIA - 26/03 - SEGUNDA 1) Câmbio no aeroporto: Troquei R$150,00 na casa de câmbio Afex (fica à direita da saída para a área de pegar as bagagens, saindo do duty free). Errei em ter trocado tanto, já tinha uma ideia que o meu transfer até o hostel ia ser por volta dos $7.500 pesos, mas fiquei com medo de só trocar 10 mil pesos (que era minha intenção original) e acabei trocando 150 reais em uma cotação de 169, o que rendeu por volta de 25.000 pesos. NÃO VALEU A PENA. Deveria ter trocado só o necessário para o transfer. Sobre o transfer: em todo lugar que li diziam ser a melhor maneira para ir até o hostel. Não cheguei a verificar o transporte público, porque como estava sozinha e cheia do dinheiro para trocar quis pegar uma van mesmo. Transfer Compartilhado é mais em conta, o motorista espera a van encher ou passar 15min, dependendo do que acontecer primeiro (geralmente lota, porque chegam várias pessoas no mesmo avião e quase todo mundo vai pros transfer, pelo que vi lá), e aí a van van deixando as pessoas em seus hotéis. Demorou 1h até o Hostel onde fiquei (Kombi Hostel - no bairro Recoleta, localizado a duas quadras do Patio Bellavista). O hostel que peguei ficava no centro, e fui a última a ser deixada, todo mundo que estava hospedado na região do metro Santa Lucía e Plaza de Armas (centrão de Santiago) desceu antes de mim. As duas empresas de transfer que vi no aeroporto (depois de pegar as malas você passará por um último raio-x, da receita deles, acredito. Saindo desse raio-x já dá pra ver os balcões das empresas à esquerda): Transvip e Transfer Delfos. Dá para fazer simulação de preço nesses links (clique no nome da empresa que coloquei aqui). Paguei 7.500 pesos com a Delfos, que era a que não tinha fila no momento em que cheguei, mas pelo site da transvip estava saindo o mesmo preço. Na hora em que fui contratar o transfer já quis contratar o de volta e deixar garantido, mas o atendente me entregou um cartão e disse que era para entrar em contato por whatsapp com eles mais próximo da data da volta para agendar e que o preço sairia o mesmo que eu estava pagando ali (7.500). Acontece que quando eu mandei whats para ele na quinta (voltei no sábado) a pessoa quis me cobrar 8.000 pesos. Expliquei toda a situação do aeroporto e que o preço que haviam me passado tinha sido 7.500. Depois de um pouco de conversa (com ajuda do google tradutor kkk) consegui que fizessem por 7.500. Fica aí a dica e alerta! 2) Câmbio: nas ruas (calle) Agustinas e Moneda estão as casas de câmbio com a melhor cotação, perto da Plaza de Armas. Ficam abertas das 9h às 18h, entre o Paseo Ahumada e calle Banderas, no centro de Santiago. Aos sábados ficam abertas até as 14h, e aos domingos sempre tem uma ou outra casa aberta até as 14h, mas não é garantido (a do shopping Costanera fica aberta - Afex). No shopping costanera tem essa casa de câmbio com preços bons também, mas com certa diferença para as da agustina, então só indico para casos de necessidade porque não é a mesma coisa. A casa de cãmbio dentro do Patio Bellavista (um mini centro comercial no bairro Bellavista - centro) é a pior de todas. Nem cheguem perto. Só trocar dinheiro nas casas da rua (ficam várias casas uma ao lado da outra na agustina), não subir nos prédios (algumas podem ser golpe pelo o que me informaram no hostel) e não esquecer de pedir notas pequenas também para ter trocados (1.000 pesos). A JM Cambios costuma ter a melhor cotação, mas você pode verificar qual a melhor enquanto anda ali, eu sempre olhava todas, nas 3 quadras em da agustina em que estão mais aglomeradas, para depois trocar. https://www.cambiosantiago.cl/ - acompanhar câmbio (geralmente lá o preço é um pouco melhor do que neste site). 3) Sky Costanera: Peguei metrô na estação Santa Lucia e desci na estação Los Leones. Comprei Tarjeta BIP na estação (necessária para pegar a maioria dos ônibus e os metrôs - custou $1.550 sem carga).Vou deixar aqui a foto que bati dos preços do metrô. Sobre o Skycostanera, é a torre mais alta da América Latina, com um mirante no topo. Pode ter fila para subir, embora subam várias pessoas de uma vez. Localizado no Shopping Costanera Center. A visita ao mirante custa 15.000 pesos. Bilheteria se encontra no 1º andar. Se você for fazer compra nesse shopping, dá para ir no Informação para Turistas na entrada do shopping e pedir o cartão de desconto para turista. Basta mostrar o RG ou passaporte que eles dão um cartão válido por 7 dias para compras no shopping, mas não são todas as lojas que tem desconto. Porém, no dia em que fui, comprei um pizza individual da Domino's por $1.000 pesos, que foi meu almoço hahah Já ouvi dizer que às quartas-feiras, se não me engano até as 17h, a subida ao mirante é gratuita, então quem quiser economizar... Apenas verifiquem essa informação, porque não tenho certeza, é uma informação que escutei de outro mochileiro. Nesse shopping aproveitei e fui no mercado Jumbo, onde comprei os vinhos que quis trazer de lembrancinha muito mais em conta. Já tinham me dito que na vinícola concha y toro eram mais baratos os vinhos dela, mas não achei isso não, os que vi saiam quase o dobro na vinícola. Sem falar que no Jumbo você ainda pode aproveitar uma promoção ou outra que estiver acontecendo (final de mês estava cheio de promoção!). http://www.skycostanera.cl/pt/precos-e-horarios/#pt/planejamento Horário: de seg a dom das 10h às 22h (última subida ao mirante às 21h). Endereço: Avenida Andrés Bello 2425, Providencia, Región Metropolitana. Tomar cuidado em Providencia, dizem que possui maior ocorrência de furtos. 2ºDIA - 27/03 - TERÇA 1) Vinícola Concha y Toro: Tour marcado às 10h (em português). Peguei metrô às 8h. De fácil acesso por transporte público, possível ir de forma independente. Peguei Metrô na Baquedano, desci na estação La Mercedes, onde peguei o metrô vermelho, e desci na estação Plaza de Puente Alto. Tinha um ponto em frente a estação Plaza de Puente Alto, peguei o ônibus (metrobus) que me levava até a esquina da viníciola (a vinícola é virando à direita, bem próxima - ônibus 73, 80 ou 81 - Alto Jahuel param na esquina) que custou 600 pesos. A viagem de metrô e ônibus dura cerca de 1h, mas eu não estava em horário de pico. O tour tradicional dura cerca de 50min a 1h, guiado em português, e custa 16.000 pesos. Na vinícola aceitam o Brazilian Travel Card de desconto, que se faz pela internet antes de ir. Eu não sabia disso quando eu fui, mas fica a dica pra quem puder fazer antes. Pelo pouco que pesquisei sobre depois que voltei, esse BTC é um cartão que custa U$7, e você compra online (http://braziliantravelcard.com/), e tem direito a vários descontos em vários lugares nas principais cidades do Chile (não só Santiago). Vale a pena vocês conferirem se o valor pago no cartão compensa pelos descontos recebidos. O desconto dado na vinícola, por exemplo, seria de 2.400 pesos. Durante o tour foram feitas 3 degustações. Endereço: Avenida Virginia Subercaseaux 210, Pirque / Ramon Subercaseaux, 210 – Pirque. Horário: Segunda a Domingo. 10:00 as 17:10. Site para reserva do tour: https://www.conchaytoro.com/tour-wine-experience/reserva-tu-visita-pt/ 2) Passeo Ahumada: rua comercial fechada, não passa carros, apenas pessoas. Parei em um dos "cafés com pernas", são cafés em que as pessoas ficam em pé ao redor das mesas na calçada e as atendentes usam short curto, basicamente isso. Fiz várias compras nesse local, inclusive de perfumes e maquiagem, o resto não achei tudo isso. Vale a penas pesquisar os preços nas lojas dali. Aproveitei que estava no centro e fiz todo o tour pelo centro: Plaza de Armas, Catedral Metropolitana, Palacio La Moneda (não fiz o tour interno, mas pelo que pesquisei é gratuito para turistas. Também não vi a troca de guarda, porque em março ela só acontecia nos dias pares) 3) Restaurante Giratório: restaurante chamado Giratorio no 18ª andar de um edifício no bairro Providência. Próximo ao shopping costanera. A cada 1h o restaurante completa uma volta em seu próprio eixo, proporcionando vista da cidade e das cordilheiras. Fácil acesso através de metrô (descer na estação Los Leones - o restaurante fica em frente à saída da estação, mesma estação que se usa para descer quando vai para o Shopping Costanera). Realizar reserva antecipada (reserva por telefone ou e-mail). Fui bem no pôr do sol (19h), e a vista estava linda, mas já me disseram que no horário de almoço eles tem o Menu do Dia por um preço bem mais em conta. Espera máxima de 10min, não pode atrasar mais que isso. Gastei no meu jantar 26.500 pesos. Incluindo prato principal (lombo de porco com molho), um acompanhamento (purê apimentado), 2 long necks, uma água, sobremesa, e a gorjeta. Sinceramente, eu queria muito ir nesse restaurante pela vista e pela experiencia de estar em um lugar que gira. Então, pra mim, valeu a pena. A comida é bom, porém não é nada excepcional, mas pelo menos não peca. Eu achei caro sim, mas eu analisei o preço analisando os restaurante da cidade onde moro, em que um jantar sai basicamente a mesma coisa e não são nada turísticos como o Giratorio é. Então assim, vale você fazer a análise do que você está esperando: a experiência ou a comida. Se for pela comida, você pode achar lugar com a mesma qualidade por menos. Se for a experiência, vale a pena. Apenas frisando que eu comi apenas metade desse prato e metade da sobremesa, porque são porções grandes, às vezes compensa mais pedir um segundo acompanhamento e comer duas pessoas um único prato principal (carne). É que eu estava sozinha e não tive essa opção. Endereço: Avenida Nueva Providencia, 2250, Piso 16, Providencia-Santiago. Site: www.giratorio.cl (Reservas pelo telefone ou email [email protected]) Telefone: (56)22232-1827 ou (56)22334-5559 3ºDIA - 28/03 - QUARTA 1) Valparaíso: Peguei metrô na Baquedano, e fui até Universidad de Santiago (duração: 20min). O Terminal Alameda fica praticamente dentro do metrô, hora que desembarca já dá para ir seguindo as placas da TURBUS. A cada 15min sai do Terminal um ônibus até Valparaíso (duração: 1h30min). Paguei $3.000. Os ônibus da Turbus param em dois terminais Alameda (estação de metrô Universidad de Santiago, mais próximo do centro) e Pajaritos (na estação de metrô de mesmo nome), ambos estão praticamente dentro das estações de metrô. Na ida o ônibus para primeiro no Alameda, depois em Pajarritos, e na volta para primeiro em Pajaritos e depois no Alameda. Pode-se descer em qualquer um deles, aquele que for mais conveniente para a pessoa. Não comprei pelo site porque ouvi dizerem que não compensaria. Em Valparaíso passei muito frio. Saí de Santiago achando que iria passar calor (porque 11h em Santiago já estava todo mundo de short) cheguei lá e estava com uma neblina forte e muito fria a cidade. Fica a dica pra quem vai achando QUE por ser próxima de Santiago será a mesma temperatura: NÃO É. Na cidade fui primeiro no Porto (Muelle Barón) a pé ver os supostos lobos marinhos (não vi nenhum). Depois fui pelo centro da cidade até o Cerro Concepción. Sinceramente, só andar pelas partes mais altas da cidade já dão uma boa vista, eu não cheguei a subir o cerro porque como estava passando muito frio, desanimei e desci logo pra entrar em um restaurante e comer. Fui até o Reloj Turri, ali perto tem alguns restaurante. Almocei em um deles por $3.000 o prato do dia. Fui para o outro porto, Muelle Pratt. Tem feira de artesanato bem na frente dele. Comprei ali lembrancinha de Valparaíso e Viña del Mar (preço pouca coisa melhor que a Feira da Santa Lucía nas coisas de cobre). 2) Viña del Mar: Lá pelas 13/14h fui para Viña del Mar. Preferir ir de ônibus. Qualquer um que esteja passando pela Avenida Errázuriz (avenida da orla, bem em frente ao porto Muelle Pratt), indo sentido Viña del mar (sentido rodoviária da Valparaíso), eles param na frente do relógio das flores. Peguei um por $400 pesos. Do Relógio das Flores segui a pé pela orla até o Castillo Wulff. Bem próximo. Dá para entrar no castelo e é grátis (Horário: de terça a domingo, das 10h às 13h30 e das 15h às 17h30). Depois segui a pé para o Cassino, também seguindo a avenida da orla (você verá do outro lado da ponte o cassino). Dá para entrar de um lado e sair pelo outro, inclusive jogar. Grátis. Pelo horário segui para o Palacio Carrasco (Aberto das 9h às 17h30min e aos sábados das 10h às 13h). Paga para entrar. Quando fui estava fechado para reforma, então não consegui entrar. Fica na mesma quadra que o museu Fonk, logo ao lado dele. Segui para o Museu Fonk (Aberto das 10h às 18h. Entrada $2700). Tem uma feirinha de artesanato na frente, mas se for querer comprar algo ali sai mais caro que na feira de Valparaíso ou na do Cerro Santa Lucía em Santiago. Comprei lembrancinhas Rapa Nui (essa estátua) na feira do Bairro Bellavista, na rua Pio Nono, em Santiago, ela é pequena, porém com ótimos preços também. Melhor do que comprar em Valparaíso ou Viña del Mar. http://www.museofonck.cl/ Por último vi o Palacio Rioja (aberto das 10h às 13h30 e das 15h às 17:30). Fazem vistas guiadas para grupos, mas é preciso agendar pelo email ([email protected]), indo sozinho não precisa agendar. Guia em espanhol. Duração de aproximadamente 20 a 30 min. É um palácio onde você passa por quase todos os cômodos da casa. Muito bonito e gratuito, sem falar no jardim do lado de fora. Ao final do dia fui curtir um pouco o restante do sol na areia da praia. Fiquei até o sol se pôr, e depois fui embora para Santiago. Para ir ao Terminal Viña del Mar fui de uber. Gastei $1.500 pesos do começo da praia Acapulco até o terminal. A cada 30min sai um ônibus para Santiago. Paguei na minha volta $3.000 pesos. 4ºDIA - 29/03 - QUINTA 1) Bairro Patronato (bairro ao lado do Bellavista). Bom para comprar grandes quantidade de cachecóis e lenços. É a 25 de março de Santiago. Ir com roupa boa para provar roupas por cima, se for o caso, porque a maioria das lojas não deixa experimentar ou sequer tem provador. No Bairro tem uma Nicoply (loja chilena de roupa feminina), não cheguei a entrar nela, porque não me chamou a atenção pelos preços que vi online antes de ir, mas muita gente gosta de visitar. Comprei nesse bairro cachecol e lenço de lã de alpaca. São muito bonitos e a maioria dá desconto levando mais de 6 unidades. Trouxe vários para dar de lembrancinha, então consegui comprar cachecol de lã por 800 pesos cada (cerca de 5 reais, na cotação que peguei na época), e lenços também de lã (mais fina) por 1.800 pesos. Se estiver comprando muita coisa vale a pena pedir desconto. Diferentemente do Brasil, no Chile tudo abre tarde. Fui 9h para o bairro e pouquíssimas lojas estavam abertas, então se programem bem pra não perder tempo esperando loja abrir. 2) Outlet Buenaventura: Fica em um dos bairros mais afastados de Santiago. Muita gente disse que não dá pra chegar lá por transporte público e que era necessário pagar uber para ir, o que faria o preço das compras ali sair elas por elas. Acabei indo apenas porque meu pai tinha me dado dinheiro para comprar camisas da lacoste para ele (que no Brasil são 500,00 mais ou menos) e eu não tinha encontrado nenhuma loja que as vendesse no Costanera. Pelo aplicativo Moovit coloquei que iria sair da estação de metrô Baquedano e consegui ir por ele até a estação Zapadores, onde desci e peguei um ônibus no ponto que se encontra na esquina e que no final parou bem enfrente ao outlet. Sobre os preços, como a cotação que peguei estava cara (184 foi a mais barata que consegui) acabei não comprando muita coisa ali porque os preços não compensavam tanto por causa da cotação, mas não por causa do preço em si. Mas as camisas do meu pai, por exemplo, saíram por R$160,00 (BEM abaixo dos R$500,00 pagos por aqui), e basicamente o mesmo preço que ele havia pago em dólares em uma viagem que ele fez aos Estados Unidos alguns anos antes ($40 dólares cada em 2015 no EUA). Ou seja, dependendo do que for comprar por lá, compensa e MUITO. 3) Cerro Santa Lucía: O Cerro faz parte de um parque florestal pequeno. Da para subir por rampas e escadas até o mirante, passando pela Terraza Neptuno (fonte de água). Passem pela feira de artesanato do local. É a mais barata. Fica do outro lado da avenida, em frente ao cerro. Melhor lugar para comprar principalmente jóias de lapislazuli. 4) Restaurante Bali Hai: O restaurante que mais gostei. Você paga 32.000 pesos (aperitivo, entrada, prato principal, sobremesa), bebidas e gorjetas separado. Tem um show durante o jantar que dura cerca das 21:30 às 23/23:30. Nesse show de dança que acontece durante o jantar inteiro os dançarinos trazem as mais diversas culturas das diferentes partes do Chile, fazendo as coreografias conforme o jeito de dançar de cada lugar, inclusive das tribos da polinésia. Muito divertido o lugar e o show. Os dançarinos tiram as pessoas para dançar em vários momentos durante o espetáculo. Se tivesse que escolher entre Giratorio ou Bali Hai, seria Bali Hai. Embora o preço seja mais caro, achei a comida mais gourmet e fora o show de dança que foi muuuito bom e animado. Cheguei no restaurante por metrô + ônibus. O ponto de ônibus é bem em frente ao restaurante. E mesmo voltando a noite sozinha não me senti insegura em nenhum momento. Endereço: Av Cristobal Colon 5146, Las Condes.Santiago, Chile. Reservas: [email protected] 5ºDIA - 30/03 - SEXTA 1) San José del Maipo + Embalse el Yeso + Baños Colina (dia inteiro): Para ir a melhor forma é por agência de turismo (média de 55.000 pesos - paguei 50.000 com a empresa Viaja Brasil). Passeio dura 9 horas. Van sai cedo e chega somente a noite em Santiago. Levem lanche na bolsa e umas duas garrafas de água, porque lá na entrada do Embalse tem apenas uma lanchonete com preços mais altos. A empresa Turistik (https://turistik.com/pt/) faz o passeio, e em Embalse el Yeso é oferecido uma taça de vinho, queijos, castanha e azeitona para os turistas. O passeio passar pelo vilarejo San Jose de Maipo, pelo Embalse, por cachoeiras de degelo, e finaliza com um almoço em um restaurante típico na volta. Outra empresa para comprar o tour recomendada é o Get Your Guide (https://www.getyourguide.com.br). É possível perguntar antes por mensagem por quais pontos o tour passa, se inclui os 3 ou só 2 deles. A que usei foi a empresa Viaja Brasil Tour (http://www.viajabrasiltour.com.br/tours.html). O passeio custou 50.000 pesos. Durou o dia inteiro. Saímos às 06h da manhã de Santiago, com parada para comprarmos café da manhã em San José del Maipo. Depois seguimos para Baños Colinas, onde curtimos as termas e comemos no almoço um piquenique de vinho, suco, frios, bolachas, e biscoitos (esse almoço incluso no preço do pacote). Seguimos, por fim, até o Embalse. Chegamos em Santiago por volta das 19h. Levar várias garrafas de água, porque por causa da altitude é necessário ficar tomando água o tempo todo para evitar mal-estar. 6ºDIA - 31/03 - SÁBADO Tinha me programado para ir de manhã ao Cerro San Cristobal e depois pegar meu transfer para o aeroporto. PORÉM, fui em uma balada no Bairro Bellavista com o pessoal do hostel na noite anterior e no outro dia estava mor-ren-do. Não tive condições. Acabei ficando no hostel mesmo, porque meu transfer me buscava às 11h, e eu acordei tarde e ainda tinha malas para fazer antes de ir. INFORMAÇÕES GERAIS HOSPEDAGEM: A hospedagem no Chile tem 19% de imposto além do preço da acomodação, mas estrangeiros não precisam pagá-la se pagarem em dólar americano ou cartão de crédito. DICA - levar em dólar o valor da hospedagem. ENTRADA: Não precisa de passaporte, apenas RG com menos de 10 anos. Não se aceita outro documento de identificação sem ser RG. TRANSPORTE: Transporte público na cidade: ônibus não aceita dinheiro, metrô aceita. O ideal para economizar é comprar um Tarjeta BIP (1.550 pesos + 100 de recarga mínima) em qualquer estação de metrô (bilheteria) ou Centros Bip!, que é necessário para pegar ônibus, e também serve para metrôs. E com ela tem-se o direito a até duas integrações de ônibus + metrô no intervalo de 2 horas pagando-se uma só (o valor cobrado na integração é só o do metro) (http://www.tarjetabip.cl/). Preços e horários do metrôs: variam de R$3,50 a R$4,50 (https://www.metro.cl/tu-viaje/tarifas). Uber: o preço do uber para o táxi em um caminho do hotel para o aeroporto varia uns 3.000 pesos (uber: 15.200). Tendo como base o meu hostel que ficava próximo ao Pátio Bellavista. Usa-se o mesmo aplicativo do Brasil, mas na hora de pedir o preço já aparece em CHL. Intermunicipal: A melhores companhias são Pullman, Turbus, e JAC. As rodoviárias não são como as do Brasil, uma companhia pode parar em vários terminais. Tem que ficar atento para saber qual é o terminal certo de saída e de chegada. https://www.ventapasajes.cl/pullmanbus/?id=1511197013782 https://www.turbus.cl https://www.jac.cl/ ALIMENTAÇÃO: os restaurantes colocam placas na frente com o “Menú del dia”. São menus com entrada, prato principal e sobremesa (postre), em média por 6.000/8.000 pesos. Come-se bem e mais barato que os demais pratos. Geralmente isso é só no almoço. TOMAR CUIDADO: no bairro Providencia tem ocorrência de furtos. Não dar bobeira, ser o típico brasileiro: mochila na frente do corpo, nada de celular nos bolsos, nem usar muitas jóias e usar doleira. Essas dicas valem para todos os bairros do Chile. Fiquem bastante atentos, pois na volta para o Brasil estava conversando com uma brasileira no aeroporto e ela me contou que havia sido furtada nas imediações da Plaza del Armas (centro de santiago). Ela deixou a bolsa do lado do caixa em uma loja, logo em seguida um idoso esbarrou nela, derrubando um monte de moeda que ele tinha na mão, e ela começou a prestar atenção nele e na filha dela que tentava catar as moedas, e quando virou de volta, a bolsa dela já tinha ido com os passaportes dentro e tudo. Ou seja, Chile não é Noruega. Ainda é América do Sul, ainda é perigoso, a gente só não tem tanta noção porque o perigo no Brasil é muito maior. Mas isso não significa que Chile é Suíça. TOMADA: 220V com 2 pinos redondos iguais as do Brasil antigas.
  20. Oi mochileiros! Tudo bem? Procurei bastante algo sobre ficar hospedado em Valparaiso e Viña, porem geralmente acho apenas relatos de bate e volta! Vou em janeiro pra lá, conhecerei Santiago inicialmente, mas a ideia é ficar uns dias em Valparaiso também, até para tentar conhecer algumas praias diferentes da região com calma. O que vocês acham de ficar hospedado em Valpo? Vale a pena? Quais praias na região vocês indicam? Obrigada!
  21. Olá Mochileiros e Mochileiras! Vim aqui deixar meu relato de viagem ao Chile e Patagônia por algumas razões. Uma delas é por conta de uma das minha cias de viagem, a minha avó. Acredito que muitas pessoas talvez tenham até vontade de fazer uma viagem dessas com pais, ou avós ou até mesmo crianças e tenham receio por acharem muito "selvagem". Mas tem como fazer uma viagem dessa ficar acessível a essas pessoas e ainda sim ser incrível para todos. A outra razão é para compartilhar algumas dicas e perrengues pelos quais passamos e ajudar outros viajantes. Escolhemos viajar em outubro pois li que era quando inicia a temporada de passeios na Patagônia. O bom é que o clima já está bem mais ameno comparado ao inverno, porém, ainda não é a alta temporada, o que torna os passeios menos caros (eu não disse baratos, ok?) e as atrações menos cheias de gente. Saímos de Brasília no dia 11 de outubro à noite, pela GOL e fizemos conexão no Rio de Janeiro. Como nosso voo para Santiago era só no dia 12 de manhã, dormimos em um hotel perto do Galeão. SANTIAGO 1º DIA - SEXTA-FEIRA O voo para Santiago foi bem tranquilo, acho que pelo RJ são 4h20 de duração. Nem tínhamos pousado na capital e já estávamos maravilhadas lá de cima com a majestosa Cordilheira dos Andes. Foi o primeiro (de muitos) contatos que tive com as paisagens de tirar o fôlego do Chile. Vai vendo... Como chegamos sem nenhum peso optei por trocar alguns no aeroporto, algo que desse para pegar uma condução até o nosso apartamento e outras despesas iniciais. A cotação do aeroporto é bem ruim, o ideal é trocar o resto depois no centro da cidade. Se bem me lembro, no dia que chegamos estava 1 real = 160 pesos. Pesos trocados, optei por pegar um táxi pois estava com a minha avó. Sei que dá para pegar Uber, porém, como ainda não é legalizado, fiquei com medo de não conseguir encontrar o ponto de embarque. Outra coisa que também é possível são os ônibus para o centro, mas deixarei para quando eu voltar sozinha. Ao chegar vários taxistas irão te abordar, nem olhe para o lado, vá direto para as empresas credenciadas de táxi. O preço para o bairro de Providência é de R$ 20.000 pesos (cerca de R$ 120 reais). Chegamos no nosso apartamento (aluguei pelo Air Bnb e achei um excelente custo benefício. A hospedagem saiu por R$ 1092 reais para 4 dias. Muito organizado, excelente localização, ótima receptividade e uma vista.....ah meu bem, veja por você mesmo....) Vou deixar o link aqui para quem se interessar: https://www.airbnb.com.br/rooms/21106715 Feito o check-in fomos direito para o centro de Santiago com dois objetivos: trocar pesos e comprar um chip de dados de internet para o meu celular. A Afex (a mesma casa de câmbio do aeroporto) fica na Rua Augustinas e estava com uma cotação boa. Trocamos por 1 real = 177 pesos, ou 1000 pesos = R$ 5,65, além de alguns pesos argentinos para a viagem até El Calafate. O chip eu comprei por R$ 2 mil pesos de um vendedor ambulante brazuca que estava no centro. Com o chip já instalado eu fui na farmácia Cruz Verde, fiz uma recarga de R$ 5 mil pesos. Depois fui na loja da Entel, que fica do lado e pedi orientações ao vendedor para a instalação do pacote de dados. Tudo configurado, fomos direto para o shopping Costanera Center almoçar e conhecer o mirante "Sky Costanera". Porém, aqui, vai mais uma dica importante: atente-se às condições meteorológicas para não jogar seu dinheiro fora. Como chegamos em um dia ensolarado, céu aberto, eu pensei: por que não? Porém, chegando lá em cima, percebi que as cordilheiras estavam todas encobertas por "Smog", que é aquela névoa de poluição comum em grandes metrópoles. Ou seja, pagamos salgados 15 mil pesos (cerca de R$ 90 reais) para ver prédios e carros, o que já dava pra ver bem legal da varanda do nosso apto. Terminada nossa experiência, fizemos umas comprinhas de comida no supermercado Jumbo (depois voltarei a falar desse mercado), pegamos um táxi no subsolo do shopping (mais seguro do que pegar na rua, pois os da rua são muito exploradores) e voltamos para casa. 2 DIA - SÁBADO Sábado de manhã fomos dar uma caminhada pelos bairros de Providência e Bellavista, para conhecer a região. Sugeri à minha vó que fôssemos caminhando até a famosa casa do Pablo Nerura, La Chascona, porém, chegando lá, percebemos que era impraticável entrarmos, pois são muitos degraus para conhecer tudo e seria muito cansativo para a minha avó. Retornamos ao nosso apartamento para encontrar a minha tia que havia acabado de chegar do Brasil e seguimos de metrô até o Bairro Paris-Londres. Lá é bem pitoresco, tem umas ruas de paralelepípedo e uma arquitetura diferente. É lá também que tem um memorial para as vítimas da Ditatura do Pinochet, mas quando chegamos, infelizmente, tinha acabado de fechar, então só fizemos umas fotos na entrada mesmo. Mais uma dica: se pretende trocar câmbio no sábado, fique atento, pois as casas fecham ao meio dia, ok? Seguimos andando pelo centro, com várias lojas e comércio variado até chegarmos na Plaza de armas. Conhecemos a Catedral e em seguida o Mercado Municipal. O prédio do mercado é bem bonito, entramos, demos uma olhada e saímos, pois achamos o cheiro de peixe um pouco desagradável...rsrsrs mas vimos muitas pessoas por lá comendo a famosa Centolla, o caranguejo gigante das águas geladas da Antártida. Colocamos na cabeça que não sairíamos do Chile sem provar essa iguaria, porém, em outro lugar. De lá, seguimos para o Bairro Bellas Artes, onde tomamos um café. Depois, voltamos para o apartamento para descansar um pouco e à noite fomos conhecer o famoso Pátio Bellavista, onde tem diversos bares e restaurantes e costuma ser bem movimentado à noite.reservar 3º DIA - DOMINGO Separamos o domingo para conhecer uma vinícola, por indicação de amigos fomos até à Santa Rita. Aqui vai mais uma dica: reserve com antecedência, para conseguir mesa no restaurante. Infelizmente, como deixei para comprar no dia, não havia mais vagas no restaurante e acabamos almoçando no café que fica dentro da vinícola, que tem uma comida bem mais ou menos. Para chegar até a vinícola fizemos uma simulação de quanto custaria se fôssemos de Uber. Cerca de 15 mil pesos, quase 90 reais. Então optamos por ir de metrô até a estação Las Mercedes e de lá pedimos um Uber, que nos custou 5 mil pesos. O passeio foi bem legal, compramos o tour em Português que tinha a degustação de 3 vinhos, além de alguns tipos de queijos. Acho que foi 16 mil pesos, se não me engano. A vinícola é bem bonita, os vinhos são muito gostosos e têm um bom preço. Saí de lá com apenas uma garrafa pois queria voltar para o Brasil com rótulos de várias vinícolas. O tour demorou cerca de 1h, almoçamos e pegamos uma charrete (carreta como eles chamam) até a porta da vinícola para tentar pegar um ônibus até a estação de metrô, pois como o lugar é meio fora de mão ficamos com receio de nenhum uber querer nos buscar. Por sorte, passou um táxi na porta pedindo 15 mil pesos para nos deixar na estação do metrô. Eu disse: "moço está muito caro". Ele respondeu: "10 mil pesos". Eu retruquei: "O uber nos deixou aqui por 5 mil". Depois de pechinchar ele acabou topando e voltamos até o metrô pelo mesmo preço da ida. Chegamos em Providência por volta de 17h e minha ideia era ainda subir o Cerro San Cristobal, pois tinha lido que lá é muito bonito, tem uma vista panorâmica da cidade e um por- do-sol divino. Porém, como era domingo estava lotado, uma fila imensa para entrar e o parque fecha às 18h. Por conta disso, acabamos não conseguindo conhecer o cerro, vai ter que ficar para uma próxima visita à cidade. À noite fomos jantar no restaurante famoso "Como água para chocolate", porém, não achei nada demais. O ambiente é bacana, mas a comida é bem sem tempero. Sou mais a minha...hehehehe 4º DIA - SEGUNDA-FEIRA Separamos esse dia para conhecer o Cajon del Maipo, mais precisamente a represa Embalse El Yeso. Optamos por alugar um carro e ir por conta própria, para termos a liberdade de decidir quanto tempo iríamos ficar e também pelo fato de eu ser traumatizada com excursão. Reservei com antecedência pela internet um carro na Chilean - United rent a car, no Bairro Bellavista, cerca de 500m a pé do nosso apartamento. O bom é que poderíamos retirar o carro lá e devolvê-lo no dia seguinte no aeroporto, onde precisaríamos ir para tomar nosso voo para Punta Arenas. Pegamos um carro comum, compacto, com ar condicionado. Deu conta legal do passeio, mas o clima ajudou bastante também. GPS do celular ligado, seguimos em direção ao Cajon del Maipo e o bom desse passeio é que não só o destino é lindo, mas todo o caminho também. E como estávamos por conta própria, podíamos parar na estrada para tirar fotos e admirar as belezas do caminho. De modo geral achei a estrada bem tranquila, mas como eu disse, o dia estava lindo e o clima ajudou muito. Depois de passar pela porta da represa a estrada fica um pouco pior, com curvas bem sinuosas e o chão de terra. Nesse trecho em especial é bom ir devagar e ficar bem atento, pois o espaço é bem estreito para dois carros passarem. Ao chegar mais perto da represa, para nossa surpresa: um grande engarrafamento. O lugar estava muito, mas muito cheio. E como têm trechos que não passam dois carros, você tem que esperar um monte de carro descer para conseguir subir. Muita gente já ia largando o carro pelo meio do caminho e subindo a pé, mas o sol estava muito forte e minha vó estava no carro, então esperamos cerca de 1h para conseguir subir. Depois, ficamos sabendo que aquele dia (15 de outubro) é feriado no Chile, então se eu puder te dar uma dica é: evite ir em domingos e feriados para não passar por isso. No dia em que fomos tinham vendedores ambulantes, banheiro químico, etc. Não sei se é assim todo dia ou se estava assim por conta do feriado. Então aproveite para tirar a aguinha do joelho no restaurante que tem antes da entrada de acesso à represa (El Tarro). Outra opção (bem mais barata) é levar seu próprio lanche. O clima lá é muito doido, estava quente, um sol de rachar e do nada dava uma rajada de vento congelante! Vá de roupas confortáveis, use muito protetor solar e leve um bom casaco para os momentos de vento. Perrengues à parte, o lugar é muito bonito e todo passeio valeu muito a pena. PUNTA ARENAS 5º DIA - TERÇA-FEIRA Saímos bem cedinho para o aeroporto rumo ao nosso primeiro destino da Patagônia chilena: Punta Arenas. E por que escolhemos essa cidade? Pois o sonho da minha avó (e confesso, meu também) era conhecer os pinguins de Magalhães, uma colônia que pode ser visitada de barco a cerca de 40 minutos da cidade. Mas vou contar dessa cilada passeio já já. Continuando, fomos até Punta Arenas de Sky Airlines, uma empresa low cost do Chile e a viagem foi ótima, sem nenhum contratempo. Chegando no aeroporto retirei o carro que havia reservado pela Avis, dessa vez um carro melhor, pois íamos pegar algumas estradas mais longas com ele. Detalhe importante: como iríamos cruzar a fronteira até a Argentina, foi preciso fazer uma solicitação à empresa com 10 dias de antecedência da viagem para que eles providenciassem a documentação necessária a ser apresentada. Sem isso você não consegue atravessar a fronteira. Segundo detalhe importante: ao chegar no nosso hotel (link para o hotel: https://www.booking.com/hotel/cl/finis-terrae.pt-br.html) me dei conta de que havia perdido o meu papel da PDI (que eles te dão na imigração quando você entra no país). Sem esse papel você pode ter problemas para sair do Chile. Por sorte, havia a poucas rua do hotel um prédio da PDI e foi bem fácil para eu tirar uma segunda via. Como não tínhamos nada programado para esse dia acabamos indo conhecer a famosa Zona Franca de Punta Arenas e achamos uma loja com preços incríveis para comprar casacos e roupas de frio. Não lembro o nome, mas é uma loja de departamento grande, é bem fácil de achar. Fizemos nossas compras e voltamos à cidade. À noite fomos jantar em um restaurante chamado La Marmita, bem aconchegante e perto do nosso hotel. Gostamos tanto de lá que voltamos no dia seguinte para almoçar. O Ceviche e a Centolla são bem gostosos! 6º DIA - QUARTA-FEIRA Esse, para mim, foi o dia mais marcante da viagem. Se por um lado, eu amei, por outro, odiei. Vou dizer por que. Contratamos o passeio até a Isla Magdalena com a empresa Solo Expediciones. Não é nem um pouco barato são 63 mil pesos por pessoa (Cerca de R$ 380 reais), mas para mim valia tudo para ver os pinguinzinhos em seu habitat natural. E lá fomos nós, às 6h30 da manhã até a agência para pegar o traslado. Um ônibus nos levou até um porto para tomar o barco bote até a Isla Magdalena. Juro, devia ter umas 30 pessoas e o barco era bem pequeno, parecia uma cápsula motorizada. Só de ver aquilo já me deu uma agonia, mas tudo bem, eu estava lá para me aventurar. Quem me conhece sabe que eu tenho problema com barco, pois enjoo muito fácil e por isso mesmo tomei um remédio antes de ir. Só que eu não tinha noção de como era o tal estreito de Magalhães. Parecia que o nosso barquinho estava participando do programa "Pesca mortal" do Discovery, ele pulava tanto, mas tanto, que eu não aguentei nem 10 minutos antes de perder a minha dignidade na frente de todos. Não teve jeito, fiquei os 40 minutos da ida passando muito, mas muito mal mesmo. O bom é que assim que o barco atracou e eu coloquei os dois pés em terra firme o enjoo passou na hora e pude curtir os meus tão sonhados pinguins. Dica: lá tava fazendo um dia lindo, muito sol, e mesmo assim a sensação términa era de -3º. Ou seja, vá bem agasalhado. Mesmo assim, a 1h que passei com os pinguins me fez esquecer todo o perrengue que eu passei, foi muito incrível a experiência. Na volta o barco circundou a Isla Marta para o pessoal ver e fotografar os Leões Marinhos, mas eu ainda estava muito nauseada e só conseguia pensar em voltar logo para terra firme e recuperar a minha dignidade. Esse dia foi a primeira aventura de verdade que a minha vó viveu na viagem, pois não foi fácil se segurar dentro daquele barco com um mar tão revolto. Se você gosta muito de pinguins e não curte barcos, uma opção é visitar a Pinguineira Otway, que tem acesso a partir do continente. Retornamos do passeio as 13h, almoçamos e já pegamos estrada até Puerto Natales. Sobre essa estrada: ela faz parte da Ruta del fim del mundo e foi a melhor que eu dirigi na minha vida. Muito bem pavimentada, pouco movimentada, muitas belezas pelo caminho. Dá vontade de meter o pé, hehe, mas tem que tomar cuidado com os ventos laterais que desestabilizam o carro. São pouco mais de 3h de Punta Arenas até a cidade que é a porta de entrada para o parque Torres del Paine. Dica importante: encha o tanque do carro antes de sair de Punta Arenas, pois não existe um posto sequer entre uma cidade e a outra. PUERTO NATALES Como essa época do ano no Chile demora bastante para escurecer, chegamos lá em Puerto Natales por volta das 18h e ainda conseguimos pegar um belo pôr-do-sol na praça da cidade. Fiquei impressionada com a quantidade de cachorros de rua que existem por lá e são todos muito lindos, dá vontade de levar pra casa. Fizemos o check-in no hotel (Link para do hotel: https://booki.ng/2T5VvVf), demos uma volta no centrinho e fomos jantar em um restaurante muito bom chamado Cafe Kaiken. Lá, experimentei o famoso prato chileno Lomo a lo pobre, que é uma carne de vaca com dois ovos fritos em cima, cebola e batata frita. Estava muito gostoso! 7 º DIA - QUINTA-FEIRA Seguindo a programação, reservamos todo o dia para conhecer o parque Torres del Paine. Na minha opinião, o segundo ponto alto da viagem, um dos lugares mais bonitos que já conheci. Existem inúmeras opções de conhecer o parque, seja a pé, seja de carro, seja de excursão. Como estava com a minha vó, optamos por ir de carro, no esquema bate e volta e, para mim, foi muito lindo e suficiente. Existem duas estradas que dão acesso ao parque, uma mais longa e uma mais curta. Nós fizemos a mais longa na ida (é bem mais bonita e também em melhor condições) e a mais curta na volta (depois percebemos que apesar de mais curta não é mais rápida, porque tem muita curva, é de terra e não é bem sinalizada). Na ida, além de ver as lindas montanhas de gelo no horizonte, vimos muitos animais, ovelhas, vacas, cavalos, tem um mirante lindíssimo do lago Sarmiento já perto da entrada do parque. Logo mais a frente, nos deparamos com a cena mais linda, um guanaco sozinho pastando na beira da estrada com as montanhas cobertas de gelo ao fundo. Emocionante! Seguimos direto em direção às Lagunas Amarga e Azul, pois além de muito bonitas são os trechos do parque com maior chance de ver os Guanacos, animais que parecem uma mistura de Lhama com camelo. E não foi diferente do esperado, tem muitos mesmo, inclusive tome cuidado pois eles correm no meio da rua e podem pular na frente do carro. Fizemos fotos incríveis e quando nos preparávamos para entrar na Portaria Sarmiento percebemos que o carro estava com 1/4 de tanque. Que amadorismo da nossa parte! Já tinham me alertado que lá não existem postos de gasolina, mas foi uma distração nossa mesmo. A única solução que encontramos para não inviabilizar nosso passeio foi voltar até Puerto Natales, abastecer e retornar ao Parque, desta vez direto para a portaria Sarmiento. Chegando lá de volta, pagamos o ingresso para entrar no parque (21 mil pesos por pessoa, vale ressaltar que pode ser pago no cartão de crédito) e nos deram um mapinha bem completo com todas as atrações do parque. De cara já vimos o trajeto que poderia ser feito de carro e seguimos em direção ao salto grande e ao lago Nordenskjöld. No meio do caminho, paramos para tirar fotos no mirador deste lago, que é maravilhoso e seguimos para a cafeteria Pudeto, onde fizemos um lanchinho (mais uma vez, se quiser economizar, leve seu próprio lanche). Em seguida subimos de carro para o mirante do salto grande, paramos o carro, fizemos uma caminhada rápida e já demos de cara com o paraíso. Desse ponto é possível fazer uma caminhada de aproximadamente 1h até o Mirador Cuernos, porém não fizemos pois estávamos com a minha vó e achamos melhor poupá-la pois ainda tinha muitas coisas para ver. Seguimos pela estrada de carro em direção ao lindíssimo lago Pehoé, onde também tem um mirante que nos rendeu mais um show de fotos e vista espetacular. Nossa próxima parada era o Lago Grey, então não perdemos tempo e rumamos para lá, pois já começava o cair da tarde. Estacionamos o carro e fizemos uma caminhada bem agradável de uns 30 minutos por um bosque que tem uma ponte bem bacana que passa por cima do rio Pingo. Seguimos em frente até chegar ao lago, que tem uma prainha toda de pedra. Contemplamos, fizemos fotos, porém decidimos não caminhar até o mirador Grey por dois motivos: já estava escurecendo e a vó já demonstrava sinais de cansaço, então como já íamos ver glaciares na Argentina, resolvemos voltar. Para otimizar nosso retorno a Puerto Natales voltamos pela estrada que passa pela sede administrativa do parque (aquela mais curta que eu falei antes). Foi um pouco tensa a volta, pois já era tarde, o sol começou a cair e a estrada é bem sinuosa, escura, tem muito coelho que se joga na frente do carro (ainda bem que não atropelamos nenhum) e é bem estreita, sem sinalização...enfim, a volta definitivamente não foi legal, talvez se não tivéssemos perdido tempo no passeio pela falta de combustível na ida a gente tivesse conseguido voltar mais cedo e não passar por isso. À noite, para recuperar as energias fomos direito para o restaurante comer. Desta vez escolhemos um chamado El Bote, que tem a melhor carne que eu já comi em toda a minha vida (carne mechada). Serve muito bem duas pessoas, sobrou bastante, e olha que eu comi muito! EL CALAFATE 8º DIA - SEXTA-FEIRA Escolhemos dar um pulo para conhecer a Patagônia Argentina, mais precisamente o Parque Nacional Los Glaciares, onde tem um dos glaciares mais bonitos do mundo, o Perito Moreno. Seguimos para El Calafate ainda de manhã e cruzamos a fronteira sem problemas, pois toda a documentação estava correta. Dica importante: existem dois caminhos para El Calafate, um mais curto e um mais longo. Tanto o pessoal da locadora de carros, quanto da fronteira nos alertou para evitarmos o mais curto, pela condição ruim da estrada. Então optamos, por segurança, pegar o caminho mais longo, que é cerca de 4h30 de viagem saindo de Puerto Natales. Não tem posto de gasolina durante um longo trecho, então encha o tanque antes de sair de Puerto Natales. Na entrada da província de Santa Cruz, já na argentina, os policiais pediram para abrirmos o porta-malas, mas só deram uma olhada por cima e já nos liberaram. Na primeira cidadezinha já paramos em uma loja para comprar um chip Argentino de celular para acesso de dados de internet. Não foi tão fácil configurar dessa vez pois precisava ligar na operadora e informar alguns dados, mas o rapaz da loja foi bem gente boa e nos ajudou. Apenas pediu para quebrarmos o chip quando terminasse a viagem, já que estava com os dados dele. Continuamos a viagem, mais longa e bem mais tediosa que as anteriores, pois são muitos trechos sem absolutamente nada para se ver, apenas campos de vegetação rasteira, trechos com retas sem fim, parecia que nunca ia chegar no nosso destino. Finalmente chegamos em El Calafate por volta de 15h e fomos direto para o hotel fazer o check-in e deixar as malas (Link do hotel: https://www.booking.com/hotel/ar/aca-el-calafate.pt-br.html) Logo na recepção nos informaram que se quiséssemos conhecer o Glaciar Perito Moreno ainda naquele dia teríamos que sair naquela hora. Então, apesar do cansaço foi o que fizemos, pois não teríamos outra oportunidade de fazê-lo. O acesso ao parque para o Perito Moreno é uns 80km de El Calafate, a estrada é bem tranquila. Logo na entrada do Parque você tem que pagar para entrar (custa 600 pesos o ingresso por pessoa, cerca de R$ 70 e é possível pagar com cartão de crédito). Dentro do parque a estrada também é bem bonita, apenas é preciso ficar atento às curvas. Chegamos no tão esperado Perito Moreno e para nossa surpresa era o horário em que as excursões estavam indo embora, o que eu achei ótimo, pois quanto menos gente, melhor. Lá, tem uma placa com todas as trilhas que podem ser feitas pelas Plataformas. Ao todo, são 5, com tempos e níveis de dificuldade diferentes. Independentemente da trilha, as vistas são espetaculares. Se fizer silêncio você consegue ouvir barulhos como se fossem explosões, do gelo se desprendendo e caindo na água. De arrepiar. Minha vó acabou não descendo com a gente pois ficou com medo de se cansar muito na volta, além disso, o pessoal do hotel foi sacana e fez um terrorismo com o lance das escadas, disseram que era muito exaustivo, etc. Então eu e minha tia descemos pela trilha central, de cerca de 1h enquanto minha vó ficou no mirante lá do alto, perto do restaurante. Quando estávamos voltando acabamos descobrindo que tem um acesso diferente para pessoas com mobilidade reduzida para um mirante que é um pouco mais abaixo e melhor, mas já era bem tarde quando descobrimos e ela acabou não conseguindo descer. À noite voltamos para a cidade para comprar chocolates artesanais no centrinho e jantar. Eu comi no pior lugar da minha vida, um restaurante chamado San Pedro. Além do atendimento péssimo, o bife era muito duro e sem gosto. Fiquei com uma péssima impressão da comida Argentina, pois vinha comendo muito bem no Chile. Quando retornamos ao hotel tivemos uma desagradável surpresa: o padrão de tomada deles é completamente diferente do nosso e do chileno! Nós não tínhamos adaptador, então tivemos que pedir para deixar nosso celulares carregando na recepção. 9º DIA - SÁBADO Fizemos uma reserva antecipada do passeio Rios de Hielo para conhecer mais glaciares do parque. Acordamos bem cedo, pegamos o carro e seguimos para o Puerto Punta Bandera, um acesso diferente do parque Los Glaciares de onde saem embarcações. Estávamos com poucos pesos argentinos e eu já sabia que a gente teria que pagar novamente a entrada do parque, mas não sabia se eles aceitavam cartão por essa outra entrada de acesso ao parque. Perguntei para a empresa que nos vendeu o passeio e eles não souberam nos informar (o que eu achei absurdo). Perguntei no hotel e eles nos disseram que aceitava. Pois bem, fomos até o tal porto e para nossa surpresa, a entrada do parque por esse acesso é apenas em dinheiro. Por conta disso, minha tia desistiu de fazer o passeio e voltou para a cidade, o que foi muito chato. O barco saiu do porto às 9h e foi navegando pelo lago argentino em direção ao primeiro glaciar, o Upsala. No caminho já é possivel ver vários icebergs enormes e todo mundo corre pra fora do barco para tirar foto, mas nesse dia estava nublado em bem frio, então tava difícil ficar muito tempo lá fora. Depois de um bom tempo de navegação chegamos ao Glaciar Upsala, ele é muito, mas muito grande. Não é permitido às embarcações chegar muito perto dele, pois ele está regredindo. Então o barco para em frente a um enorme bloco de gelo para as pessoas fotografarem. Em seguida, ele segue pelo outro braço do lago Argentino em direção ao glaciar Spegazzini, no caminho vemos mais diversos pedaços enormes de gelo até chegar bem pertinho do glaciar e para para mais um tempo de fotos. O passeio terminou por volta de 14h30 (sim, ele é bem longo e eu achei muito tempo de passeio, até um pouco cansativo). Depois descobri que tem um passeio de 1h de duração que visita outro glaciar, acho que teria sido melhor fazer este. Terminado o passeio retornamos ao centro de El Calafate para comermos e abastecermos o carro, pois voltaríamos no mesmo dia a Puerto Natales. Se eu já tinha achado a estrada cansativa na ida, a volta foi muito pior, pois choveu durante todo o trajeto. Para coroar nossa volta, o pessoal da fronteira do Chile nos pediu para tirar todas as malas do carro para passar no raio X, muito bom para quem já estava podre de cansada. rsrs Em Puerto Natales, já de noite, fomos direto para o restaurante comer (voltamos ao El Bote, pois gostamos muito da comida e do atendimento) e dormimos no mesmo hotel que havíamos nos hospedado antes. PUNTA ARENAS - SANTIAGO 10º DIA - DOMINGO Acordamos bem cedinho, abastecemos o carro e pegamos estrada para Punta Arenas, rumo ao aeroporto. Nosso voo para Santiago era meio dia e chegamos por volta de 15h30. Como nosso voo para o Brasil era no dia seguinte, optamos por ficar hospedadas perto do aeroporto (Link do hotel: https://www.booking.com/hotel/cl/lq-by-la-quinta-santiago-aeropuerto.pt-br.html) Como tínhamos tempo de sobra, fizemos o check in e fomos de uber para o supermerado Jumbo, que fica dentro do Costanera Center. Lá tem uma adega excelente, com muitas opções boas de vinhos a preços ótimos. Fizemos as nossas compras, até comprei uma malinha de mão para trazer as minhas garrafas (trouxe 7 no total na bagagem de mão). Eles também te dão plástico bolha de graça para embalar os vinhos. À noite voltamos ao hotel, jantamos e retornamos ao Brasil no dia seguinte às 15h muito cansadas, mas felizes pela grande experiência que tivemos no Chile. Com certeza algo que levarei por toda a minha vida! Gracias, Chile!
  22. Bom dia, Neste tópico vou falar especificamente de valores, depois faço outro relato contando minha experiência sensorial, mas já aviso, o Chile é maravilhoso, podem ir sem medo de ser feliz, mal cheguei e já quero voltar lá pelo menos umas 10 vezes mais hahahaha. Passagem ida e vol Latam – 1170,00 Hostel Che Lagarto Santiago 10 Noites 340,00 Alimentação 600,00 Cajon del Maipu/Embalse El Yeso 160,00 Farellones (sem ski) 170,00 entrada + 130,00 transfer + 60 reais de alimentação Aluguel de roupas 120,00 (completo) Viña del Mar 60,00 City Tour Passagem ida e volta Tourbus – 100,00 Cambio $162,00 *Ida pra Santiago, comprei a passagem pelo 123Milhas, muito mais barato e bastante seguro comprar, não tive problemas, emitiu minha passagem 3 horas depois que confirmei o pagamento, por cartão de débito. Recomendo olhar bem os horários de conexão, porque eu não reparei e tive que ficar 10 horas numa conexão noturna em Rosário-AR e mais 10 horas na volta em Córdova-AR, na ida é até aceitável, porém na volta, muito cansativo e estressante. *Hostel eu reservei 6 dias pelo HostelWord, e depois comprei mais quatro dias lá mesmo. Quem paga em espécie a diária tem um acréscimo de 19%, então optei em pagar no cartão mesmo, mas é um risco, porque quando fui o dólar e estava a 3,89 e hoje a 4,31, então cada um vê o que melhor lhe convém. Hostel limpo e organizado, cozinha fica disponível das 7:00 da manhã até as 22:00 horas, tem a opção de café da manhã, staff muito bacana e gente boa, a limpeza do quarto acontece dia sim dia não. Mas o diferencial principal é a localização, fica bem no centro, tudo perto, passeio, mercado, pontos turísticos, metro, o ponto de ônibus é na frente. *Alimentação, caríssima e eu particularmente, não gostei da comida, mas o que é de gosto é regalo da vida não é, então depende do paladar, mas em média um prato de Pollo com papa Frita sai em torno de 30 reais, e isso em lugares populares onde os locais vão comer, o montante que eu gastei da pra ser menor sim, mas mesmo comprando em mercado ainda assim, não vai sair barato, até porque a nosso real está super desvalorizado lá. *Farellones, não tive sorte, o dia que eu fui não estava tudo branquinho, porém tinha uma quantidade razoável de neve, mas durante a madrugada caiu uma nevasca enorme, um grupo que estava no meu hostel foi no outro dia disse que estava tudo coberto de neve, então depende se São Pedro vai com sua cara ou não hehe. Não deixem de levar comida, lá tem pouquíssimas opções e tudo não sai a menos de 60 reais, levem sanduíches e água que da pra passar o dia e ser muito feliz, o valor da entrada inclui a tirolesa, a descida de boia, o ski bunda, o carrinho de gelo. Mas não inclui a aula de ski e o aluguel das roupas, não posso falar quanto a isso porque optei em não fazer. *Cajon del Maipo/Embalse el Yeso, fui no dia após a nevasca, vocês não podem imaginar o quanto é lindo, o valor citado, inclui o transfer e um comes e bebes no final do passeio, então levem comida também e muita água, lá não tem opção nenhuma para comprar. Paramos num local onde era uma passagem de trem e dizem que um rapaz se matou la por amor e tem muitas homenagens a ele, achei bacana. O meu transfer também fez uma parada em San Jose de Maipo, uma cidadezinha pequenininha, acolhedora, mas não vi nada excepcional, a não ser a cordilheira ao redor, mas isso tem em Santigo também, conto melhor depois, mas Cajon e Embalse El Yeso é daqueles lugares que todo mundo devia conhecer uma vez na vida. Cajon del Maipo é a rota que fazemos para Embalse el Yeso, eu fui achando que era um lugar específico, tipo um único ponto, mas não é não. *Aluguem roupas em Santiago, sai muito mais em conta, quase metade do preço, no bairro Bella Vista tem lugares mto mais baratos que a parada das vans no dia do passeio. *Viña del Mar e Valparaiso, primeiro um conselho, vão bem cedinho, pra conseguir aproveitar e conhecer tudo, eu não fiz isso, talvez por isso eu não curti muito o passeio, mas valeu a experiência, outra coisa, o clima de lá é muito diferente de Santigo, sai de Santiago na hora do almoço estava maior calor, cheguei em Viña estava bem frio, outra coisa, optem por chegar por Valparaiso, que os passeios pelas casinhas coloridas tem que ser de dia, porque a noite (hora que eu consegui chegar lá não da pra ver nada :/), em resumo, contratei um passeio na rodoviária mesmo, pessoal bem gente boa, pechinchei e o passeio saiu por 60,00 reais. Em suma, vou voltar um dia para Viña e Valparaiso, pra tentar tirar a impressão ruim que tive, porque não curti muito, mas acho que isso foi por culpa minha, mas Valparaiso parece uma grande favela, não estou dizendo isso no sentido pejorativo, mas porque parece mesmo, casinhas no morro uma em cima da outra. O transfer me levou a alguns lugares turísticos, ficamos por alguns minutos. Mas como eu disse, um dia vou dar uma nova chance àquele lugar. E não se iludam quando falam que da pra fazer a pé e tal, é tudo muito grande lá e muito longe uma coisa da outra, não da pra fazer a pé e eu acho que um dia é muito pouco, pelo menos durmam uma noite por la. Então é isso, vou escrever um novo post contando sobre a experiência em si, e as impressões que eu tive sem me apegar muito a parte monetária. Espero que tenha ajudado. Desculpem qualquer erro de português, digitei meio que correndo hahaha. Beijos e até a próxima.
  23. pauloperuna

    Santiago

    Oi Caio No Cajon del Maipo eu estive no Embalse el Yeso e nos Baños Colina. O Embalse é lindo mesmo e dá pra ir de carro alugado, fui num Suzuki Gran Vitara 4X4, mas não precisou do 4X4, dá pra ir de carro pequeno, mas vai ter que ir com mais cuidado e mais devagar. O Banõs Colina só vale a pena porque já está ali perto, então vale a pena dar uma chegadinha e relaxar nas piscnas quentes, veja também o Baños Morales que me parece ter uma estrutura melhor que o Colinas, como você vai com bebê, talvez seja mais interessante. Leve comida para o bebê pois no caminho as opções não são das melhores. Quanto a Viña e Valpo eu realmente iria num bate e volta, Valpo o imperdível na minha opinião é a La Sebastiana e Viña eu fui no museu Fonk só pra ver o Muai, a Quinta Vergara estava fechada pra reforma, o Castillo Wulff é rápida a visita e o relógio de flores e a praia também. Como foi rápido por lá eu fiz Isla Negra no mesmo dia, mas talvez fique meio corrido pra você, então outra opção se sobrar tempo é dar uma passada em uma vinha em Casablanca quando estiver voltando de Valpo, a Indomita é uma boa opção, pois está bem na beira da estrada, outra seria a Casas del Bosque que é perto e muito bonita. Pelo google maps dá pra você ver as localizações, as distâncias e se programar. Não aluguei o GPS, usei o Waze, colocava os pontos que queria visitar no hotel usando o wifi e depois ele conseguia mesmo sem internet localizar todos eles. Uma dica, se usar Waze em Santiago, muitas vezes quando está dentro dos túneis ele perde o sinal, mas ele indica o nome da saída que você deve pegar e você pode se guiar pelas placas. Combustível vi a gasolina 93 que é a mais barata de 686 a 720 CLP. Se precisar de mais alguma ajuda é só avisar. Um abraço
  24. Serro de Santa Lucia - Santiago Fala galera Mochileira!!! Preciso deixar aqui um pouco da minha contribuição para esse site tão maravilhosa que me ajuda em diversas formas!!! Em setembro de 2017 fiz minha primeira viagem internacional. O destino escolhido foi o Chile... amei muito o lugar e pretendo voltar e fazer a patagônia um dia! O destino foi escolhido de forma espontânea, precisava tirar férias... eu tinha programado ir ao Peru, mas estava receosa da fazer uma viagem de 25 dias sozinha pelo Peru , mexendo aqui no Mochileiros.com descobri um grupo no Whatsapp de uma galera que iria fazer o Chile em Setembro, me animei e me juntei a eles! Obrigado @thiagocmuniz !! Ia fazer a minha viagem praticamente sozinha e ir encontrando esses brasileiros no decorrer da viagem de acordo com o roteiro de cada uma... mas por sorte, meu roteiro bateu perfeitamente com uma menina maluca e gente boa e a companhia dela fez toda a diferença nessa viagem, ficamos juntas em todos os momento de alegria, bebedeira e desespero (mochilão sem desespero não é mochilão de verdade). Então eu só tenho a agradecer a esse site por me permitir conhecer pessoas e me proporcionar viagens sem igual. Agora vamos ao que interessa! Meu cronograma foi assim: 08/09 (Sexta) - Rio - Santiago - Cheguei em Santiago 09/09 (sábado) - Santiago - Passeio pelo centro de Santiago, comidas e Balada!! \o/ 10/09 (domingo) - Santiago - Ressaca, ressaca, ressaca e chuva 11/09 (segunda) - Santiago - Eu ouvi neve??? - Farellones 12/09 (terça) - Santiago - Calama - Atacama - Dia de câmbio e deslocamento 13/09 (quarta) - Atacama - Ventania e passeio cancelado 14/09 (quinta) - Atacama - Passeio de Bike / Laguna Cejar 15/09 (sexta) - Atacama - Termas Puritama / Tour Astronômico 16/09 (sábado) - Atacama - Piedra Rojas e Fiesta Patria \o/ - Siiim, pude dançar no Ataca 17/09 (domingo) - Atacama/Santiago - Geiser Del Tatio / desespero! perdi o passaporte. E agora? 18/09 (Segunda) - Santiago - Rio - Até a próxima Vou tentar simplificar um pouco os meus gastos: Levei tudo em dólar. Quando comecei a comprar os dólares a vantagem em relação ao real era enorme, mas quando cheguei lá o dólar desvalorizou bastante e a diferença não foi tão grande. eu realizei do Rio 3 compras de 300 dólares com cotações bem diferentes. Fiz a média do que gastei nas 3 compras do dólar e a média do valor do meu dólar em relação ao real ficou em 3,30... O cálculo para saber se está vantajoso real ou dólar na cotação que peguei: 1 dólar = 622 pesos 1 dólar = 3,30 reais 1 real = 185 pesos 3,30 * 185 = 610,5 pesos Nesse cálculo o dólar estava 21,5 pesos mais vantajoso. Diferença bem pouca, mas toda economia é válida =D Fiz somente 2 Câmbios no Chile - dia 09/09 o dia seguinte que cheguei e 12/09 antes de ir para o Atacama... E foi a melhor coisa!!! No Atacama o Real estava valendo 155/160 e o dólar estava 600 pesos Então, evitem trocar dinheiro no Atacama... Como eu fui prevenida, fiz os meus cálculos de quanto ia gastar e troquei 50 dólares a mais por garantia e com isso emprestei (ambiei) pesos com as amigas que levaram a menos. ATENÇÃO! NÃO FAÇA CÂMBIO NO AEROPORTO!! - Quando cheguei no aeroporto de Santiago estava uma vergonha o câmbio!!! o Dólar estava 540 e o Real estava 145 e ainda paga uma taxa lá d 1% se não me engano. Para sair do aeroporto eu paguei no cartão de crédito 6.500 pesos (+- 35,00 reais) num transfer muito bom que fechou para mim e mais 2 casais de brasileiros que conheci no avião. O tranfer me deixou na porta do Hostel, se não me engano o nome era Delfos... é amarelinho. GASTOS: Transporte aéreo: Rio - Santiago Rio (Latam) - R$ 1117,00 + Santiago - Calama - Santiago (Sky Airlines) R$ 420,00 (atenção, acredito que foi mais vantajoso comprar em Pesos do que em dólar, a conversão estava melhor pelo meu cartão assim) Hospedagem: Santiago - Che Lagarto (4 diárias) - Total - R$ 240,00 com café da manhã bem bom - Cama em dorm. c/8 (Paguei pelo feminino e fiquei no misto para acompanhar a amiga nova. San Pedro Atacama - Chill Hostel (5 diárias) Paguei pelo Airbnb - R$ 203,00 - Cama em dorm c/6 (feminino) Gastos durante a viagem: Como eu disse anteriormente, eu levei 900 dólares. Durante a viagem gastei 690 dólares + 26 mil pesos no cartão Por que eu utilizei o cartão? Foram 6.500 pesos do Tranfe pois não tinha pesos em espécies quando cheguei e 19.000 pesos (+- 100 reais) de um jantar simples com pizza média e bebida no dia 11//09, pois cheguei tarde de Farellones e não consegui trocar dinheiro. Arredondando: O total dessa viagem foi de R$ 4.400,00. Não considerei uma viagem cara, pois se tratando do Chile, consegui fazer o meu dinheiro render (exceto pela passagem aérea que dei bobeira e logo depois que comprei ficou 400 reais mais barata). Eu já saí do Brasil com passeios fechados (todos eu paguei somente quando cheguei) Farellones que reservou foram as meninas do grupo, não me recordo o nome da agência, mas o guia e o vendedor eram brasileiro: Vendedor Patrick +55 19 98166-7899 No Atacama foi tudo com a Maravilhosa Carla Boechat do blog fuigosteicontei.com.br que estava morando lá na época e fechou tudo para mim O que levei? Vestuário: 2 calças térmicas - 2º pele 3 leggins 1 Calça Moletom 1 short 3 Blusas - manga longa 4 blusas - manga curta 2 blusas alça 1 blusa 2° pele 2 fleeces 1 Corta Vento 7 Meias 2 luvas 1 cachecol 1 tênis (All Star) 1 Bota (Nord Outdoor) 1 Chinelo 1 óculos sol e grau 2 biquínis 10 calcinhas 2 Sutiãs calcanheira Higiene: 1 Shampoo 1 condicionar 1 creme para pentear 3 ampolas Pantene - Muito útil 1 papel higiênico 1 lenços umedecidos 1 Sabonete corpo e rosto 1 pinça 1 gilete 1 Bepantol 1 Batom de cacau 2 Toalhas 1 Pente 2 Protetor solar corpo e resto 1 desodorante 1 Repelente 1 Escova de dente 1 Pasta 1 fiodental Saúde band aid Nebacetim esparadrapo Gases Algodão Dipirona Tylenol Resfenol / Benegripe Dorflex Imosec Cataflan Diamox Benalete Alcool em gel descongex / loratadina Neosoro / Rinosoro Vonau Flash (enjoo} Colírio Antissépticos cicatrizantes para machucados em geral (spray) Estomazil, Eno Obs: Usei vários desses.. principalmente pq uma amiga se machucou no Atacama e deixei boa parte da minha farmacinha com ela. Outros: doleira 2 Cadeados 1 carregador de celular 1 caderno 1 caneta 1 copias dos documentos 1 travesseiro 1 adaptador / T - Não precisei Lanterna Pilhas Sobre o clima de setembro Peguei muuuito frio em Santiago.. Houve nevasca no domingo, que foi ótimo para a minha vista em Farellones na segunda! a maioria dos dias em Santiago era difícil ficar sem luva e cachecol. Mas no Atacama é deserto, neh? Era muuuuuito quente durante o dia e muuuuuito frio a noite! (Não subestime o frio do Tour Astronômico! é muito frio mesmo e vc vai precisar de todas as camadas). Próximo capítulo: Enfim, chegou o dia!
×
×
  • Criar Novo...