Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''valparaiso''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas e Respostas
    • Destinos
  • Companhia para Viajar
    • Companhia para Viajar
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Equipamentos
    • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
    • Trilhas e Trekking
  • Viajar sem dinheiro
    • Viajar sem dinheiro
  • Viagem de Carro
    • Viagem de carro
  • Viagem de Moto
    • Viagem de moto
  • Cicloturismo
    • Cicloturismo
  • Outros Fóruns
    • Outros Fóruns
  • Promoções
    • Voos Baratos

Categorias

  • América do Norte
  • América do Sul
  • Ásia
  • Brasil
  • Europa
  • Oceania
  • Oriente Médio

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Lugares que já visitei


Próximo Destino


Tópicos que recomendo


Ocupação

Encontrado 14 registros

  1. Primeiramente, gostaria de avisá-los sobre dois pontos importantes: 1: o meu relato está sendo feito um ano após a minha viagem. 2: Se você quer uma viagem inesquecível em algum país na América do Sul, então com certeza você deve conhecer o Chile! Estando ciente destes dois pontos, então vamos iniciar com meu relato, minhas dicas e experiências. Bora lá? A Recepção que tive ao chegar em Santiago Iniciando que tive muita sorte antes mesmo de chegar em Santiago, pois eu não tinha Transfer marcado e pretendia pegar um táxi ou Uber para me levar até o Hostel que eu ia ficar (reservarei um tópico unicamente sobre o hostel). Entretanto, não foi necessária nenhuma destas opções, pois tive a incrível oportunidade de sentar do lado de uma senhora no avião e fiz amizade com a mesma. Ela era brasileira, de São Paulo assim como eu, mas morava há alguns anos no Chile com seu marido. E ela ofereceu uma carona até o meu Hostel que era caminho da casa dela. Como senti confiança nela e realmente parecia ser uma ótima pessoa, logo, aceitei. E pra início de viagem, já me senti bem naquele país e bem recebido. Assim sendo, minha grande preocupação era que estivesse tudo OK a reserva que eu havia feito do hostel, porque eu nunca tinha feito uma viagem para fora do Brasil e também não havia feito reserva de hotel/hostel da forma que fiz. Contudo, ao chegar no hostel eu também fui super bem recepcionado pela equipe e deu tudo certo, logo, percebi que seria um viagem única e assim foi! Fui bem tratado em absolutamente todos os lugares que fui e irei relatar ao longo do texto. Onde eu me hospedei nestes 5 dias? Fiquei hospedado em um hostel. Para quem não sabe, hostel é um espaço compartilhado, ou seja, como um hotel, porém com quartos compartilhados. Na maioria das vezes utilizado justamente por viajantes, para troca de experiências, boas conversas, novas amizades, além de ser mais barato que um hotel. Se você se identifica com estes itens que citei, um hostel é uma ótima opção, caso contrário, reserve um hotel. O hostel que me hospedei foi o CLH Suites Santiago, o Che Lagarto. Ele fica localizado na San Antonio 60, Santiago. Para quem não conhece, a San Antonio fica bem no centro de Santiago, então você ficará super bem localizado e próximo de muitas coisas para ver e fazer na cidade. O tratamento da equipe do hostel é simplesmente excelente, desde a sua entrada até a saída. Se você precisar de dicas de roteiros, onde ir, chamar um Uber ou qualquer coisa, saiba que os funcionários estarão dispostos a ajudá-lo. O hostel contava com café da manhã já incluso e se você quisesse, dentro de um determinado horário, você podia utilizar a cozinha para você mesmo preparar a sua comida. Ah, o café da manhã era excelente, com bastante opções de comidas e isso porque sou ovolactovegetariano! De noite, você podia optar ao invés de ficar no saguão do hotel, poderia ficar no terraço do hostel, pois lá tinha um DJ tocando diversas músicas e no terraço tem lugar pra você ficar bebendo, conversando e se divertindo. Os quartos que fiquei dispunham de beliches confortáveis e um banheiro compartilhado, mas limpo e com boa estrutura. A grande sacada do hostel é você conversar com as pessoas hospedas, fazer amizades e ter ótimas experiências e isso no Che Lagarto eu encontrei! Fiz amizade com brasileiros, argentinos, uruguaio, colombiano, canadenses e norte-americanos. Veja só! Mais lá na frente do texto irei especificar quanto foi que gastei com hospedagem, passagens e tudo mais. Onde eu fui? O que conhecer? Não irei fazer em ordem cronológica a minha viagem, somente irei apontar e comentar brevemente sobre alguns dos locais que fui. Vamos lá? Catedral Metropolitana de Santiago - Para os fiéis ou não, a Catedral de Santiago é um ponto a ser conhecido, seja por ser um dos pontos turísticos de Santiago, quanto pela sua bela arquitetura Neoclássica. O interior da catedral é simplesmente maravilhoso! Lembrando que não é pago para entrar e conhecer o ambiente, ou seja, é gratuito! Endereço: Plaza de Armas, Santiago, Región Metropolitana. Iglesia de San Augustin- Se ainda você quiser permanecer em contato com artes sacras e belas arquiteturas de igrejas católicas chilenas, outro local a ser conhecido seria a Iglesia de San Augustin. Uma igreja consideravelmente pequena, da Ordem de Santo Agostinho, porém muito linda! Vale a visita. Endereço: Estado 180, Santiago, Región Metropolitana. Cerro San Cristobal: Esse sim é um lugar que você não pode deixar de conhecer quando for ao Chile, com uma vista simplesmente única lhe dá condições de visualizar boa parte da capital chilena, além de uma vista maravilhosa das cordilheiras, tanto em solo quanto pelo passeio pelo oferecido por teleférico. Para chegar até o Cerro você irá pagar um valor (que não me recordo quanto, porém bem barato) para te levar até o Cerro assim como você também pagará uma taxa caso queira passear de teleférico (e vale muito a pena, tenha certeza disso!). Casa Museo "La Chascona" - Para quem ama poesia tanto quanto eu, considero como outro lugar que você não deve deixar de conhecer. La Chascona foi a casa onde viveu na minha modesta opinião, um dos maiores poetas de todos os tempos e uma das figuras mais importantes da história chilena, Pablo Neruda. Ao visitar a sua casa/museu você entenderá que Pablo Neruda não somente fora importante para a literatura chilena, mas sim também, para a luta política/social no Chile. A visita é interativa, pois você recebe uma espécie de "telefone" e nele contém botões com números, cada número representa um cômodo da casa e ao apertar o botão você terá uma narrativa sobre a história de cada cômodo e objeto da casa. A narrativa é feita em espanhol! A entrada não é gratuita, custou na época cerca de $ 7.000 pesos (não é tão barato), mas se você é fã de Neruda, deve ir! Outro detalhe importante, não é permitido fotos no ambiente. Endereço: Fernando Márquez de La Plata 0192, Santiago, Providencia, Región Metropolitana. Museo Chileno de Arte Precolombino - O Museu de Arte Pré-colombiana vai inspirar e te encantar através da maravilhosa arte pré-colombiana, nos conectando com as raízes indígenas não somente do Chile, mas também da América. Certamente um dos melhores museus da América do Sul! Bem informativo, mas não somente informativo, mas contendo certas exposições até interativas. Contém lindas peças de cerâmicas, metal, algodão, lã, pedra, osso, madeira e etc. Utilizando-se de diversas técnicas para fazer a arte, sendo elas feitas antes da chegada dos europeus na América. Muito válida a visita, porque você vai se encantar e agregar muita cultura e conhecimento. A entrada custou $4.500 pesos. Endereço: Bandera 361, Santiago. Mercado Central: Para quem é paulista, sabe o Mercadão no Centro de São Paulo? Certo, pensou!? Esse é o Mercadão, porém o de Santiago, mas ainda acho nosso Mercado Central mais atrativo que o deles, mas ainda a visita é válida. Lá eles vendem peixes frescos, tem restaurantes e barracas vendendo souvenirs. A entrada evidentemente é gratuita. Você pagará pelo que consumir/comprar. Endereço: San Pablo, Santiago, Región Metropolitana Bellavista: O bairro da Bellavista é um local também obrigatório para conhecer no Chile, porque ele tem diversos bares, restaurantes, galerias e é um local ótimo seja no período diurno ou então para curtir à noite, pois também para quem gosta, oferece diversas baladas de diferentes gêneros. Não deixe de visitar! Valparaíso e Viña del Mar Fui um único dia para os dois lugares que são bem próximos. Consegui ir pegando um ônibus com saída no Terminal de Santiago. Infelizmente vou ficar devendo qual foi o valor que paguei nas passagens, mas lembro-me que não foi um valor tão caro e a viagem não é tão desgastante, levando um pouco mais de duas horas se não me falha a memória, porém você irá apreciar a vista no decorrer da sua viagem. Valparaíso é uma cidade simplesmente encantadora, muito bonita! Nela você encontrará organização, lindos restaurantes e casas com pinturas a óleo nas paredes, além de muros grafitados. As ruas também são muito lindas, muitas delas de paralelepípedo. Outro detalhe é que a cidade não fica longe do mar, tornando-a assim com uma paisagem deslumbrante! Museo Municipal de Bellas Artes/Palacio Baburizza: Um local que gostei de ter ido em Valparaíso foi o Museu de Belas Artes da cidade. O Museu contém peças de grande valor artístico, principalmente pinturas a óleo de artistas sejam chilenos ou estrangeiros. A fachada do museu por si só já vale ser vista. Veja a foto abaixo! A entrada custou: $4.000 pesos. Endereço: Paseo Yugoslavo 176 C°, Alegre, Valparaíso. Já em Viña del Mar eu aproveitei para conhecer alguma praia e pegar um pouco de Sol. Me deparei com uma praia simplesmente limpa e bonita. Conhecia a Playa Reñaca e recomendo muito! Fui juntamente com os amigos que fiz no próprio Chile, de diversas nacionalidades, estes da foto abaixo. Eu sou o de camiseta vermelha e óculos! Considerações finais Galera, fica impossível eu apontar absolutamente todos os lugares que fui e conheci. Os restaurantes eu vou apontar numa outra postagem, pois fui em restaurantes vegetarianos/veganos, ou seja, não agradará todos os públicos. Porém, o que mostrei até então são locais que ao meu ver, lhe trará uma experiência diferente para a sua viagem, tornando-a inesquecível, pois é o que esperamos de uma viagem assim. O Chile é o lugar ideal para curtir a noite, buscar aventuras, ver belas paisagens e acima de tudo, fazer belas amizades. Você com certeza irá voltar para casa com a mala cheia! Cheia de histórias e novas experiências. Custo da viagem: Passagens Ida e Volta: R$684,00 (Voo oferecido pela empresa aérea Avianca) 5 dias de hospedagem no Che Lagarto: R$ 420,00 Dinheiro que converti de reais para peso: R$ 727,92 o que me deu em pesos chilenos $120,000,00 (cobrando R$7,92 de IOF pela casa de câmbio aqui no Brasil). Total de gastos = R$ 1.832,00.
  2. Fui para Santiago em Junho/18 (24/06/2018 a 29/06/2018) e acabei esquecendo de relatar por aqui. Mas nunca é tarde. Meu roteiro foi: Dia 1. RJ/Santiago Dia 2. Santiago - City Tour Dia 3. Embalse El Yeso Dia 4. Valle Nevado/Farellones Dia 5. Valparaiso e Viña del Mar Dia 6. Museus e Feira de Artesanato Santa Lucia - Voo Santiago/RJ O cambio estava 1/148 Pesos na Augustinas. Passagens: Uns R$800,00 pela Avianca, voo com atraso na ida. Refeição e Aeronave foi nota 10. Recomento a Avianca. Tranfer Aeroporto/Hotel/Aeroporto: Fizemos pela Transfer Brasil. Recomento, confiável e barato. Claro que tem opções mais baratos tipo onibus, mas vale o conforto. Busca no hotel com hora marcada e aceita pagamento em reais. Show de bola. Hospedagem: Apart Hotel Carlton House, Maximo Humbset 574 Centro U$ 26.00 pelo site Decolar. Hotel simples, café da manha simples, porém escolhi pelo preço e localização, já que só iríamos utilizar o hotel para durmir. Fica em frente ao Cerro de Santa Lucia e perto da Rua Augustinas, onde tem tudo. Seguro-viagem: Pela própria decolar.com, e foi super barato, acho que uns 20 reais por pessoa. Passeios: Agência Morande, fechados na Augustinas. Não conhecia a agência, acabei fechando lá na hora e não me arrependo. Super boa e o preço mais barato ou igual as outras agências, com diferencial que fizeram um desconto para fechar os 3 passeios e o atendimento fora do normal, ótimo. Os passeios foram: Embalse El Yeso: Para nós o melhor passeio, Valle Nevado/Farrelones: Bom para conhecer e brincar na neve. Val Paraíso e Vina Del Mar: Vale pela cultura e paisagens no caminho. OBS. Não lembro os valores exatos, mas acredito que todos não passaram de uns 140.000 pesos. Outros. Fomos em cervejarias (pois sou viciado em cervejas artesanais) a tarde/noite e alguns restaurantes temáticos. Museu da ditadura foi muito bom, City Tour etc. Comemos a Centolla no restaurante Ocean Pacific's. E comemos muito no restaurante La Piccola Italia. Dia 1 - Peguei o Voo Noturno para RJ-Santiago, atrasou e resultado, cheguei depois de meia noite, uma friaca do Cão. Dia 2 - City Tour e Restaurantes. Dia 3 - Embalse El Yeso Dia 4. Valle Nevado/Farellones Dia 5. Valparaiso e Viña del Mar Dia 6. Cerro San Cristobal e Cerro de Santa Lucia, e restaurante Los Vikingos (foto de carne de cervo) Cevejaria Kross e Kustman Em resumo, o passeio valeu muito a pena. Santiago é uma cidade fantástica, bem limpa e segura. Observações DINHEIRO - Voltaria fácil. Único detalhe, como nosso real estava desvalorizado, as coisas ficam bem caras, principalmente comida na rua. Saquei no santander de lá. Tem em tudo quanto é canto. Levei reais também. Melhor cambio, Calle Augustinas (tem que ficar procurando pq tem inumeras casas de cambio). VINHOS - Vinho é muito barato no mercado, encontramos garrafas por 600 pesos (aprox 4 reais). Mais barato que água. Como não gosto muito, comprei apenas alguns pra trazer. As vinículas não sei dizer se é bacana. Tenho amigos que foram e adoraram, mas como não sou fã nem fui. CERVEJA - Como prefiro cerveja, tomei todas que consegui. Não vou falar que é ruim porque não existe cerveja ruim, mais não são como as artesanais do Brasil que tem um padrão superior, é diferente. ÁGUA - As águas de lá tem gosto. Foi difícil encontrar uma marca que não tinha, mas encontramos. O jeito é pesquisar ou ir na tentativa e erro. Não tive coragem de ficar tomando da torneira (os chilenos fazem isso), o gosto é bem ruim. LOCOMOCAO - Só fiquem atentos ao utilizar uber lá. É bem mais seguro e barato que táxi, porém tem que ter cuidado pois os taxistas não aprovam e tivemos um pequeno problema ao pegar em uma avenida movimentada. Jogaram pedra no carro e quebrou o vidro de tras (o app uber me extornou a corrrida e me deu suporte - show). Eles percebem que vc entra pelo banco de trás e sabem que é aplicativo, entao, se possivel andem pelo carona no banco da frente, e ainda pegue em ruas menos movimentadas, longe de taxistas. Taxistas são "espertos" (troco errado, dao voltas, dinheiro falso) então como fiquei sabendo disso nem utilizei. Porém metro e onibus lá funciona bem, se for pra economizar é otimo. PASSEIOS - Todos os passeios saem bem de manha, mas bem de manha mesmo, entao nao da tempo para tomar cafe no hotel. Comprem algumas coisas para levar nos mercados e economizem. IDIOMA - Os chilenos falam muito rápido, é dificil no começo Eles são um pouco frios (é cultura, eles não são mal educados, só são frios) tb, entao paciencia. Já com os estrangeiros é tranquilo entender. Como tem muitos venezuelanos lá imigrantes é de boa. Em hoteis, normalmente são venezuelanos. CENTOLLA - Prato típico. Carangueijo gigante. Não é nada de mais, vale para experimentar, mais pra quem nao gosta de frutos do mar não recomendo. Até porque é bem caro (aprox 200 reais por pessoa em media) OBRIGADO A TODOS DA COMUNIDADE MOCHILEIROS QUE AJUDARAM. SE PRECISAREM DE ALGUMA COISA, É SO ENTRAR EM CONTATO. ABÇS
  3. Oi, pessoal! Fui ao Chile tem alguns dias (26/03/18 - 31/03/18). Vou colocar aqui o que tenho salvo ainda do roteiro que programei. E ao final deixarei algumas observações gerais sobre a viagem. Espero que ajude alguém. Meu roteiro não foi um roteiro SUPER barato, mas também não saiu caro. Ao final da viagem, com transporte, alimentação, lembrancinhas, passeios, restaurantes, e baladas, gastei R$1.600,00, pegando a cotação 184, 183 e 181 (fiz três trocas de câmbio em 3 dias diferentes, por isso a variação), sendo que 150,00 troquei no aeroporto, logo na chegada, por 169 (mesma cotação das casas de câmbio no Brasil no dia, porém, não paguei IOF ou taxa de câmbio, algo que eu teria pago se tivesse trocado por aqui antes de ir). Já "ouvi" pessoas neste fórum criticarem meu roteiro chamando minha viagem de "esnobação", e que isso aqui é fórum para mochileiros e blábláblá. Então antes de tudo quero dizer que eu realmente não estava com um orçamento apertadíssimo, mas também não estava gastando horrores. Foi minha primeira viagem sozinha pra fora, então com certeza cometi erros (como conto no relato abaixo), e também não quis correr grandes riscos, mas no geral acho que fiz boas economias, mesmo tendo ido em dois restaurantes considerados caros e turísticos, e feito um dos passeios com agência. Enfim, fica aqui o relato para levarem em consideração algumas coisas na hora da viagem de vocês, seja ela mochileira, baixo custo c/ conforto ou esnobação haha. Antes de mais nada, SOBRE TRANSPORTE: me locomovi somente por metrô e ônibus. Para facilitar, eu indico a vocês baixarem o aplicativo Moovit e usá-lo na hora de usar meio de transporte público em santiago. Foi a minha SALVAÇÃO. Eu colocava como local de saída a estação de metrô quando saía do Hostel, ou o endereço onde eu estava, quando não estava perto de nenhuma estação. E colocava como destino o endereço do lugar que queria ir. O aplicativo dá pra você qual a cor do metrô que tem que pegar, para qual direção, em qual estação, avisa qual estação é pra descer, se tem que pegar ônibus também manda a localização do ponto de ônibus pra você seguir pelo GPS, informa qual o número do ônibus pegar e onde descer. Enfim, praticamente carrega a pessoa. MELHOR COISA DA VIDA. Usem sem dó. Eu só me locomovia assim por lá e deu super certo. 1ºDIA - 26/03 - SEGUNDA 1) Câmbio no aeroporto: Troquei R$150,00 na casa de câmbio Afex (fica à direita da saída para a área de pegar as bagagens, saindo do duty free). Errei em ter trocado tanto, já tinha uma ideia que o meu transfer até o hostel ia ser por volta dos $7.500 pesos, mas fiquei com medo de só trocar 10 mil pesos (que era minha intenção original) e acabei trocando 150 reais em uma cotação de 169, o que rendeu por volta de 25.000 pesos. NÃO VALEU A PENA. Deveria ter trocado só o necessário para o transfer. Sobre o transfer: em todo lugar que li diziam ser a melhor maneira para ir até o hostel. Não cheguei a verificar o transporte público, porque como estava sozinha e cheia do dinheiro para trocar quis pegar uma van mesmo. Transfer Compartilhado é mais em conta, o motorista espera a van encher ou passar 15min, dependendo do que acontecer primeiro (geralmente lota, porque chegam várias pessoas no mesmo avião e quase todo mundo vai pros transfer, pelo que vi lá), e aí a van van deixando as pessoas em seus hotéis. Demorou 1h até o Hostel onde fiquei (Kombi Hostel - no bairro Recoleta, localizado a duas quadras do Patio Bellavista). O hostel que peguei ficava no centro, e fui a última a ser deixada, todo mundo que estava hospedado na região do metro Santa Lucía e Plaza de Armas (centrão de Santiago) desceu antes de mim. As duas empresas de transfer que vi no aeroporto (depois de pegar as malas você passará por um último raio-x, da receita deles, acredito. Saindo desse raio-x já dá pra ver os balcões das empresas à esquerda): Transvip e Transfer Delfos. Dá para fazer simulação de preço nesses links (clique no nome da empresa que coloquei aqui). Paguei 7.500 pesos com a Delfos, que era a que não tinha fila no momento em que cheguei, mas pelo site da transvip estava saindo o mesmo preço. Na hora em que fui contratar o transfer já quis contratar o de volta e deixar garantido, mas o atendente me entregou um cartão e disse que era para entrar em contato por whatsapp com eles mais próximo da data da volta para agendar e que o preço sairia o mesmo que eu estava pagando ali (7.500). Acontece que quando eu mandei whats para ele na quinta (voltei no sábado) a pessoa quis me cobrar 8.000 pesos. Expliquei toda a situação do aeroporto e que o preço que haviam me passado tinha sido 7.500. Depois de um pouco de conversa (com ajuda do google tradutor kkk) consegui que fizessem por 7.500. Fica aí a dica e alerta! 2) Câmbio: nas ruas (calle) Agustinas e Moneda estão as casas de câmbio com a melhor cotação, perto da Plaza de Armas. Ficam abertas das 9h às 18h, entre o Paseo Ahumada e calle Banderas, no centro de Santiago. Aos sábados ficam abertas até as 14h, e aos domingos sempre tem uma ou outra casa aberta até as 14h, mas não é garantido (a do shopping Costanera fica aberta - Afex). No shopping costanera tem essa casa de câmbio com preços bons também, mas com certa diferença para as da agustina, então só indico para casos de necessidade porque não é a mesma coisa. A casa de cãmbio dentro do Patio Bellavista (um mini centro comercial no bairro Bellavista - centro) é a pior de todas. Nem cheguem perto. Só trocar dinheiro nas casas da rua (ficam várias casas uma ao lado da outra na agustina), não subir nos prédios (algumas podem ser golpe pelo o que me informaram no hostel) e não esquecer de pedir notas pequenas também para ter trocados (1.000 pesos). A JM Cambios costuma ter a melhor cotação, mas você pode verificar qual a melhor enquanto anda ali, eu sempre olhava todas, nas 3 quadras em da agustina em que estão mais aglomeradas, para depois trocar. https://www.cambiosantiago.cl/ - acompanhar câmbio (geralmente lá o preço é um pouco melhor do que neste site). 3) Sky Costanera: Peguei metrô na estação Santa Lucia e desci na estação Los Leones. Comprei Tarjeta BIP na estação (necessária para pegar a maioria dos ônibus e os metrôs - custou $1.550 sem carga).Vou deixar aqui a foto que bati dos preços do metrô. Sobre o Skycostanera, é a torre mais alta da América Latina, com um mirante no topo. Pode ter fila para subir, embora subam várias pessoas de uma vez. Localizado no Shopping Costanera Center. A visita ao mirante custa 15.000 pesos. Bilheteria se encontra no 1º andar. Se você for fazer compra nesse shopping, dá para ir no Informação para Turistas na entrada do shopping e pedir o cartão de desconto para turista. Basta mostrar o RG ou passaporte que eles dão um cartão válido por 7 dias para compras no shopping, mas não são todas as lojas que tem desconto. Porém, no dia em que fui, comprei um pizza individual da Domino's por $1.000 pesos, que foi meu almoço hahah Já ouvi dizer que às quartas-feiras, se não me engano até as 17h, a subida ao mirante é gratuita, então quem quiser economizar... Apenas verifiquem essa informação, porque não tenho certeza, é uma informação que escutei de outro mochileiro. Nesse shopping aproveitei e fui no mercado Jumbo, onde comprei os vinhos que quis trazer de lembrancinha muito mais em conta. Já tinham me dito que na vinícola concha y toro eram mais baratos os vinhos dela, mas não achei isso não, os que vi saiam quase o dobro na vinícola. Sem falar que no Jumbo você ainda pode aproveitar uma promoção ou outra que estiver acontecendo (final de mês estava cheio de promoção!). http://www.skycostanera.cl/pt/precos-e-horarios/#pt/planejamento Horário: de seg a dom das 10h às 22h (última subida ao mirante às 21h). Endereço: Avenida Andrés Bello 2425, Providencia, Región Metropolitana. Tomar cuidado em Providencia, dizem que possui maior ocorrência de furtos. 2ºDIA - 27/03 - TERÇA 1) Vinícola Concha y Toro: Tour marcado às 10h (em português). Peguei metrô às 8h. De fácil acesso por transporte público, possível ir de forma independente. Peguei Metrô na Baquedano, desci na estação La Mercedes, onde peguei o metrô vermelho, e desci na estação Plaza de Puente Alto. Tinha um ponto em frente a estação Plaza de Puente Alto, peguei o ônibus (metrobus) que me levava até a esquina da viníciola (a vinícola é virando à direita, bem próxima - ônibus 73, 80 ou 81 - Alto Jahuel param na esquina) que custou 600 pesos. A viagem de metrô e ônibus dura cerca de 1h, mas eu não estava em horário de pico. O tour tradicional dura cerca de 50min a 1h, guiado em português, e custa 16.000 pesos. Na vinícola aceitam o Brazilian Travel Card de desconto, que se faz pela internet antes de ir. Eu não sabia disso quando eu fui, mas fica a dica pra quem puder fazer antes. Pelo pouco que pesquisei sobre depois que voltei, esse BTC é um cartão que custa U$7, e você compra online (http://braziliantravelcard.com/), e tem direito a vários descontos em vários lugares nas principais cidades do Chile (não só Santiago). Vale a pena vocês conferirem se o valor pago no cartão compensa pelos descontos recebidos. O desconto dado na vinícola, por exemplo, seria de 2.400 pesos. Durante o tour foram feitas 3 degustações. Endereço: Avenida Virginia Subercaseaux 210, Pirque / Ramon Subercaseaux, 210 – Pirque. Horário: Segunda a Domingo. 10:00 as 17:10. Site para reserva do tour: https://www.conchaytoro.com/tour-wine-experience/reserva-tu-visita-pt/ 2) Passeo Ahumada: rua comercial fechada, não passa carros, apenas pessoas. Parei em um dos "cafés com pernas", são cafés em que as pessoas ficam em pé ao redor das mesas na calçada e as atendentes usam short curto, basicamente isso. Fiz várias compras nesse local, inclusive de perfumes e maquiagem, o resto não achei tudo isso. Vale a penas pesquisar os preços nas lojas dali. Aproveitei que estava no centro e fiz todo o tour pelo centro: Plaza de Armas, Catedral Metropolitana, Palacio La Moneda (não fiz o tour interno, mas pelo que pesquisei é gratuito para turistas. Também não vi a troca de guarda, porque em março ela só acontecia nos dias pares) 3) Restaurante Giratório: restaurante chamado Giratorio no 18ª andar de um edifício no bairro Providência. Próximo ao shopping costanera. A cada 1h o restaurante completa uma volta em seu próprio eixo, proporcionando vista da cidade e das cordilheiras. Fácil acesso através de metrô (descer na estação Los Leones - o restaurante fica em frente à saída da estação, mesma estação que se usa para descer quando vai para o Shopping Costanera). Realizar reserva antecipada (reserva por telefone ou e-mail). Fui bem no pôr do sol (19h), e a vista estava linda, mas já me disseram que no horário de almoço eles tem o Menu do Dia por um preço bem mais em conta. Espera máxima de 10min, não pode atrasar mais que isso. Gastei no meu jantar 26.500 pesos. Incluindo prato principal (lombo de porco com molho), um acompanhamento (purê apimentado), 2 long necks, uma água, sobremesa, e a gorjeta. Sinceramente, eu queria muito ir nesse restaurante pela vista e pela experiencia de estar em um lugar que gira. Então, pra mim, valeu a pena. A comida é bom, porém não é nada excepcional, mas pelo menos não peca. Eu achei caro sim, mas eu analisei o preço analisando os restaurante da cidade onde moro, em que um jantar sai basicamente a mesma coisa e não são nada turísticos como o Giratorio é. Então assim, vale você fazer a análise do que você está esperando: a experiência ou a comida. Se for pela comida, você pode achar lugar com a mesma qualidade por menos. Se for a experiência, vale a pena. Apenas frisando que eu comi apenas metade desse prato e metade da sobremesa, porque são porções grandes, às vezes compensa mais pedir um segundo acompanhamento e comer duas pessoas um único prato principal (carne). É que eu estava sozinha e não tive essa opção. Endereço: Avenida Nueva Providencia, 2250, Piso 16, Providencia-Santiago. Site: www.giratorio.cl (Reservas pelo telefone ou email [email protected]) Telefone: (56)22232-1827 ou (56)22334-5559 3ºDIA - 28/03 - QUARTA 1) Valparaíso: Peguei metrô na Baquedano, e fui até Universidad de Santiago (duração: 20min). O Terminal Alameda fica praticamente dentro do metrô, hora que desembarca já dá para ir seguindo as placas da TURBUS. A cada 15min sai do Terminal um ônibus até Valparaíso (duração: 1h30min). Paguei $3.000. Os ônibus da Turbus param em dois terminais Alameda (estação de metrô Universidad de Santiago, mais próximo do centro) e Pajaritos (na estação de metrô de mesmo nome), ambos estão praticamente dentro das estações de metrô. Na ida o ônibus para primeiro no Alameda, depois em Pajarritos, e na volta para primeiro em Pajaritos e depois no Alameda. Pode-se descer em qualquer um deles, aquele que for mais conveniente para a pessoa. Não comprei pelo site porque ouvi dizerem que não compensaria. Em Valparaíso passei muito frio. Saí de Santiago achando que iria passar calor (porque 11h em Santiago já estava todo mundo de short) cheguei lá e estava com uma neblina forte e muito fria a cidade. Fica a dica pra quem vai achando QUE por ser próxima de Santiago será a mesma temperatura: NÃO É. Na cidade fui primeiro no Porto (Muelle Barón) a pé ver os supostos lobos marinhos (não vi nenhum). Depois fui pelo centro da cidade até o Cerro Concepción. Sinceramente, só andar pelas partes mais altas da cidade já dão uma boa vista, eu não cheguei a subir o cerro porque como estava passando muito frio, desanimei e desci logo pra entrar em um restaurante e comer. Fui até o Reloj Turri, ali perto tem alguns restaurante. Almocei em um deles por $3.000 o prato do dia. Fui para o outro porto, Muelle Pratt. Tem feira de artesanato bem na frente dele. Comprei ali lembrancinha de Valparaíso e Viña del Mar (preço pouca coisa melhor que a Feira da Santa Lucía nas coisas de cobre). 2) Viña del Mar: Lá pelas 13/14h fui para Viña del Mar. Preferir ir de ônibus. Qualquer um que esteja passando pela Avenida Errázuriz (avenida da orla, bem em frente ao porto Muelle Pratt), indo sentido Viña del mar (sentido rodoviária da Valparaíso), eles param na frente do relógio das flores. Peguei um por $400 pesos. Do Relógio das Flores segui a pé pela orla até o Castillo Wulff. Bem próximo. Dá para entrar no castelo e é grátis (Horário: de terça a domingo, das 10h às 13h30 e das 15h às 17h30). Depois segui a pé para o Cassino, também seguindo a avenida da orla (você verá do outro lado da ponte o cassino). Dá para entrar de um lado e sair pelo outro, inclusive jogar. Grátis. Pelo horário segui para o Palacio Carrasco (Aberto das 9h às 17h30min e aos sábados das 10h às 13h). Paga para entrar. Quando fui estava fechado para reforma, então não consegui entrar. Fica na mesma quadra que o museu Fonk, logo ao lado dele. Segui para o Museu Fonk (Aberto das 10h às 18h. Entrada $2700). Tem uma feirinha de artesanato na frente, mas se for querer comprar algo ali sai mais caro que na feira de Valparaíso ou na do Cerro Santa Lucía em Santiago. Comprei lembrancinhas Rapa Nui (essa estátua) na feira do Bairro Bellavista, na rua Pio Nono, em Santiago, ela é pequena, porém com ótimos preços também. Melhor do que comprar em Valparaíso ou Viña del Mar. http://www.museofonck.cl/ Por último vi o Palacio Rioja (aberto das 10h às 13h30 e das 15h às 17:30). Fazem vistas guiadas para grupos, mas é preciso agendar pelo email ([email protected]), indo sozinho não precisa agendar. Guia em espanhol. Duração de aproximadamente 20 a 30 min. É um palácio onde você passa por quase todos os cômodos da casa. Muito bonito e gratuito, sem falar no jardim do lado de fora. Ao final do dia fui curtir um pouco o restante do sol na areia da praia. Fiquei até o sol se pôr, e depois fui embora para Santiago. Para ir ao Terminal Viña del Mar fui de uber. Gastei $1.500 pesos do começo da praia Acapulco até o terminal. A cada 30min sai um ônibus para Santiago. Paguei na minha volta $3.000 pesos. 4ºDIA - 29/03 - QUINTA 1) Bairro Patronato (bairro ao lado do Bellavista). Bom para comprar grandes quantidade de cachecóis e lenços. É a 25 de março de Santiago. Ir com roupa boa para provar roupas por cima, se for o caso, porque a maioria das lojas não deixa experimentar ou sequer tem provador. No Bairro tem uma Nicoply (loja chilena de roupa feminina), não cheguei a entrar nela, porque não me chamou a atenção pelos preços que vi online antes de ir, mas muita gente gosta de visitar. Comprei nesse bairro cachecol e lenço de lã de alpaca. São muito bonitos e a maioria dá desconto levando mais de 6 unidades. Trouxe vários para dar de lembrancinha, então consegui comprar cachecol de lã por 800 pesos cada (cerca de 5 reais, na cotação que peguei na época), e lenços também de lã (mais fina) por 1.800 pesos. Se estiver comprando muita coisa vale a pena pedir desconto. Diferentemente do Brasil, no Chile tudo abre tarde. Fui 9h para o bairro e pouquíssimas lojas estavam abertas, então se programem bem pra não perder tempo esperando loja abrir. 2) Outlet Buenaventura: Fica em um dos bairros mais afastados de Santiago. Muita gente disse que não dá pra chegar lá por transporte público e que era necessário pagar uber para ir, o que faria o preço das compras ali sair elas por elas. Acabei indo apenas porque meu pai tinha me dado dinheiro para comprar camisas da lacoste para ele (que no Brasil são 500,00 mais ou menos) e eu não tinha encontrado nenhuma loja que as vendesse no Costanera. Pelo aplicativo Moovit coloquei que iria sair da estação de metrô Baquedano e consegui ir por ele até a estação Zapadores, onde desci e peguei um ônibus no ponto que se encontra na esquina e que no final parou bem enfrente ao outlet. Sobre os preços, como a cotação que peguei estava cara (184 foi a mais barata que consegui) acabei não comprando muita coisa ali porque os preços não compensavam tanto por causa da cotação, mas não por causa do preço em si. Mas as camisas do meu pai, por exemplo, saíram por R$160,00 (BEM abaixo dos R$500,00 pagos por aqui), e basicamente o mesmo preço que ele havia pago em dólares em uma viagem que ele fez aos Estados Unidos alguns anos antes ($40 dólares cada em 2015 no EUA). Ou seja, dependendo do que for comprar por lá, compensa e MUITO. 3) Cerro Santa Lucía: O Cerro faz parte de um parque florestal pequeno. Da para subir por rampas e escadas até o mirante, passando pela Terraza Neptuno (fonte de água). Passem pela feira de artesanato do local. É a mais barata. Fica do outro lado da avenida, em frente ao cerro. Melhor lugar para comprar principalmente jóias de lapislazuli. 4) Restaurante Bali Hai: O restaurante que mais gostei. Você paga 32.000 pesos (aperitivo, entrada, prato principal, sobremesa), bebidas e gorjetas separado. Tem um show durante o jantar que dura cerca das 21:30 às 23/23:30. Nesse show de dança que acontece durante o jantar inteiro os dançarinos trazem as mais diversas culturas das diferentes partes do Chile, fazendo as coreografias conforme o jeito de dançar de cada lugar, inclusive das tribos da polinésia. Muito divertido o lugar e o show. Os dançarinos tiram as pessoas para dançar em vários momentos durante o espetáculo. Se tivesse que escolher entre Giratorio ou Bali Hai, seria Bali Hai. Embora o preço seja mais caro, achei a comida mais gourmet e fora o show de dança que foi muuuito bom e animado. Cheguei no restaurante por metrô + ônibus. O ponto de ônibus é bem em frente ao restaurante. E mesmo voltando a noite sozinha não me senti insegura em nenhum momento. Endereço: Av Cristobal Colon 5146, Las Condes.Santiago, Chile. Reservas: [email protected] 5ºDIA - 30/03 - SEXTA 1) San José del Maipo + Embalse el Yeso + Baños Colina (dia inteiro): Para ir a melhor forma é por agência de turismo (média de 55.000 pesos - paguei 50.000 com a empresa Viaja Brasil). Passeio dura 9 horas. Van sai cedo e chega somente a noite em Santiago. Levem lanche na bolsa e umas duas garrafas de água, porque lá na entrada do Embalse tem apenas uma lanchonete com preços mais altos. A empresa Turistik (https://turistik.com/pt/) faz o passeio, e em Embalse el Yeso é oferecido uma taça de vinho, queijos, castanha e azeitona para os turistas. O passeio passar pelo vilarejo San Jose de Maipo, pelo Embalse, por cachoeiras de degelo, e finaliza com um almoço em um restaurante típico na volta. Outra empresa para comprar o tour recomendada é o Get Your Guide (https://www.getyourguide.com.br). É possível perguntar antes por mensagem por quais pontos o tour passa, se inclui os 3 ou só 2 deles. A que usei foi a empresa Viaja Brasil Tour (http://www.viajabrasiltour.com.br/tours.html). O passeio custou 50.000 pesos. Durou o dia inteiro. Saímos às 06h da manhã de Santiago, com parada para comprarmos café da manhã em San José del Maipo. Depois seguimos para Baños Colinas, onde curtimos as termas e comemos no almoço um piquenique de vinho, suco, frios, bolachas, e biscoitos (esse almoço incluso no preço do pacote). Seguimos, por fim, até o Embalse. Chegamos em Santiago por volta das 19h. Levar várias garrafas de água, porque por causa da altitude é necessário ficar tomando água o tempo todo para evitar mal-estar. 6ºDIA - 31/03 - SÁBADO Tinha me programado para ir de manhã ao Cerro San Cristobal e depois pegar meu transfer para o aeroporto. PORÉM, fui em uma balada no Bairro Bellavista com o pessoal do hostel na noite anterior e no outro dia estava mor-ren-do. Não tive condições. Acabei ficando no hostel mesmo, porque meu transfer me buscava às 11h, e eu acordei tarde e ainda tinha malas para fazer antes de ir. INFORMAÇÕES GERAIS HOSPEDAGEM: A hospedagem no Chile tem 19% de imposto além do preço da acomodação, mas estrangeiros não precisam pagá-la se pagarem em dólar americano ou cartão de crédito. DICA - levar em dólar o valor da hospedagem. ENTRADA: Não precisa de passaporte, apenas RG com menos de 10 anos. Não se aceita outro documento de identificação sem ser RG. TRANSPORTE: Transporte público na cidade: ônibus não aceita dinheiro, metrô aceita. O ideal para economizar é comprar um Tarjeta BIP (1.550 pesos + 100 de recarga mínima) em qualquer estação de metrô (bilheteria) ou Centros Bip!, que é necessário para pegar ônibus, e também serve para metrôs. E com ela tem-se o direito a até duas integrações de ônibus + metrô no intervalo de 2 horas pagando-se uma só (o valor cobrado na integração é só o do metro) (http://www.tarjetabip.cl/). Preços e horários do metrôs: variam de R$3,50 a R$4,50 (https://www.metro.cl/tu-viaje/tarifas). Uber: o preço do uber para o táxi em um caminho do hotel para o aeroporto varia uns 3.000 pesos (uber: 15.200). Tendo como base o meu hostel que ficava próximo ao Pátio Bellavista. Usa-se o mesmo aplicativo do Brasil, mas na hora de pedir o preço já aparece em CHL. Intermunicipal: A melhores companhias são Pullman, Turbus, e JAC. As rodoviárias não são como as do Brasil, uma companhia pode parar em vários terminais. Tem que ficar atento para saber qual é o terminal certo de saída e de chegada. https://www.ventapasajes.cl/pullmanbus/?id=1511197013782 https://www.turbus.cl https://www.jac.cl/ ALIMENTAÇÃO: os restaurantes colocam placas na frente com o “Menú del dia”. São menus com entrada, prato principal e sobremesa (postre), em média por 6.000/8.000 pesos. Come-se bem e mais barato que os demais pratos. Geralmente isso é só no almoço. TOMAR CUIDADO: no bairro Providencia tem ocorrência de furtos. Não dar bobeira, ser o típico brasileiro: mochila na frente do corpo, nada de celular nos bolsos, nem usar muitas jóias e usar doleira. Essas dicas valem para todos os bairros do Chile. Fiquem bastante atentos, pois na volta para o Brasil estava conversando com uma brasileira no aeroporto e ela me contou que havia sido furtada nas imediações da Plaza del Armas (centro de santiago). Ela deixou a bolsa do lado do caixa em uma loja, logo em seguida um idoso esbarrou nela, derrubando um monte de moeda que ele tinha na mão, e ela começou a prestar atenção nele e na filha dela que tentava catar as moedas, e quando virou de volta, a bolsa dela já tinha ido com os passaportes dentro e tudo. Ou seja, Chile não é Noruega. Ainda é América do Sul, ainda é perigoso, a gente só não tem tanta noção porque o perigo no Brasil é muito maior. Mas isso não significa que Chile é Suíça. TOMADA: 220V com 2 pinos redondos iguais as do Brasil antigas.
  4. Camilla Provenzano

    Valparaiso - Vale ficar hospedado?

    Oi mochileiros! Tudo bem? Procurei bastante algo sobre ficar hospedado em Valparaiso e Viña, porem geralmente acho apenas relatos de bate e volta! Vou em janeiro pra lá, conhecerei Santiago inicialmente, mas a ideia é ficar uns dias em Valparaiso também, até para tentar conhecer algumas praias diferentes da região com calma. O que vocês acham de ficar hospedado em Valpo? Vale a pena? Quais praias na região vocês indicam? Obrigada!
  5. coinetekarla

    Chile - Agosto de 2018 - 10 dias

    Bom dia, Neste tópico vou falar especificamente de valores, depois faço outro relato contando minha experiência sensorial, mas já aviso, o Chile é maravilhoso, podem ir sem medo de ser feliz, mal cheguei e já quero voltar lá pelo menos umas 10 vezes mais hahahaha. Passagem ida e vol Latam – 1170,00 Hostel Che Lagarto Santiago 10 Noites 340,00 Alimentação 600,00 Cajon del Maipu/Embalse El Yeso 160,00 Farellones (sem ski) 170,00 entrada + 130,00 transfer + 60 reais de alimentação Aluguel de roupas 120,00 (completo) Viña del Mar 60,00 City Tour Passagem ida e volta Tourbus – 100,00 Cambio $162,00 *Ida pra Santiago, comprei a passagem pelo 123Milhas, muito mais barato e bastante seguro comprar, não tive problemas, emitiu minha passagem 3 horas depois que confirmei o pagamento, por cartão de débito. Recomendo olhar bem os horários de conexão, porque eu não reparei e tive que ficar 10 horas numa conexão noturna em Rosário-AR e mais 10 horas na volta em Córdova-AR, na ida é até aceitável, porém na volta, muito cansativo e estressante. *Hostel eu reservei 6 dias pelo HostelWord, e depois comprei mais quatro dias lá mesmo. Quem paga em espécie a diária tem um acréscimo de 19%, então optei em pagar no cartão mesmo, mas é um risco, porque quando fui o dólar e estava a 3,89 e hoje a 4,31, então cada um vê o que melhor lhe convém. Hostel limpo e organizado, cozinha fica disponível das 7:00 da manhã até as 22:00 horas, tem a opção de café da manhã, staff muito bacana e gente boa, a limpeza do quarto acontece dia sim dia não. Mas o diferencial principal é a localização, fica bem no centro, tudo perto, passeio, mercado, pontos turísticos, metro, o ponto de ônibus é na frente. *Alimentação, caríssima e eu particularmente, não gostei da comida, mas o que é de gosto é regalo da vida não é, então depende do paladar, mas em média um prato de Pollo com papa Frita sai em torno de 30 reais, e isso em lugares populares onde os locais vão comer, o montante que eu gastei da pra ser menor sim, mas mesmo comprando em mercado ainda assim, não vai sair barato, até porque a nosso real está super desvalorizado lá. *Farellones, não tive sorte, o dia que eu fui não estava tudo branquinho, porém tinha uma quantidade razoável de neve, mas durante a madrugada caiu uma nevasca enorme, um grupo que estava no meu hostel foi no outro dia disse que estava tudo coberto de neve, então depende se São Pedro vai com sua cara ou não hehe. Não deixem de levar comida, lá tem pouquíssimas opções e tudo não sai a menos de 60 reais, levem sanduíches e água que da pra passar o dia e ser muito feliz, o valor da entrada inclui a tirolesa, a descida de boia, o ski bunda, o carrinho de gelo. Mas não inclui a aula de ski e o aluguel das roupas, não posso falar quanto a isso porque optei em não fazer. *Cajon del Maipo/Embalse el Yeso, fui no dia após a nevasca, vocês não podem imaginar o quanto é lindo, o valor citado, inclui o transfer e um comes e bebes no final do passeio, então levem comida também e muita água, lá não tem opção nenhuma para comprar. Paramos num local onde era uma passagem de trem e dizem que um rapaz se matou la por amor e tem muitas homenagens a ele, achei bacana. O meu transfer também fez uma parada em San Jose de Maipo, uma cidadezinha pequenininha, acolhedora, mas não vi nada excepcional, a não ser a cordilheira ao redor, mas isso tem em Santigo também, conto melhor depois, mas Cajon e Embalse El Yeso é daqueles lugares que todo mundo devia conhecer uma vez na vida. Cajon del Maipo é a rota que fazemos para Embalse el Yeso, eu fui achando que era um lugar específico, tipo um único ponto, mas não é não. *Aluguem roupas em Santiago, sai muito mais em conta, quase metade do preço, no bairro Bella Vista tem lugares mto mais baratos que a parada das vans no dia do passeio. *Viña del Mar e Valparaiso, primeiro um conselho, vão bem cedinho, pra conseguir aproveitar e conhecer tudo, eu não fiz isso, talvez por isso eu não curti muito o passeio, mas valeu a experiência, outra coisa, o clima de lá é muito diferente de Santigo, sai de Santiago na hora do almoço estava maior calor, cheguei em Viña estava bem frio, outra coisa, optem por chegar por Valparaiso, que os passeios pelas casinhas coloridas tem que ser de dia, porque a noite (hora que eu consegui chegar lá não da pra ver nada :/), em resumo, contratei um passeio na rodoviária mesmo, pessoal bem gente boa, pechinchei e o passeio saiu por 60,00 reais. Em suma, vou voltar um dia para Viña e Valparaiso, pra tentar tirar a impressão ruim que tive, porque não curti muito, mas acho que isso foi por culpa minha, mas Valparaiso parece uma grande favela, não estou dizendo isso no sentido pejorativo, mas porque parece mesmo, casinhas no morro uma em cima da outra. O transfer me levou a alguns lugares turísticos, ficamos por alguns minutos. Mas como eu disse, um dia vou dar uma nova chance àquele lugar. E não se iludam quando falam que da pra fazer a pé e tal, é tudo muito grande lá e muito longe uma coisa da outra, não da pra fazer a pé e eu acho que um dia é muito pouco, pelo menos durmam uma noite por la. Então é isso, vou escrever um novo post contando sobre a experiência em si, e as impressões que eu tive sem me apegar muito a parte monetária. Espero que tenha ajudado. Desculpem qualquer erro de português, digitei meio que correndo hahaha. Beijos e até a próxima.
  6. Qdo revisitamos Santiago em novembro de 2017, já tínhamos comprado passagem para o feriado de 1º de Maio de 2018, com milhas. Custou a bagatela de 10.000 milhas por trecho somente. Irrecusável. Os planos variaram desde então e a verdade é que eu havia reservado um hostel no Lastarria para os 4 dias. Mas mudei pouco antes da viagem: Passaríamos o 1º dia na Isla Negra, conhecendo a casa do Neruda que nos faltava, pernoitaríamos em Valparaíso e voltaríamos para Santiago. Ficou +- assim: Dia 1 – Isla Negra, Valparaíso Dia 2 – Valparaíso, Viña del Mar Dia 3 – Cajon del Maipo Dia 4 – Santiago E assim fizemos. Por alguma falha séria da minha parte, eu memorizei que o voo partia às 19hs do Galeão. Na verdade ele foi alterado algumas vezes desde a compra. E na verdade ele partia às 18hs. Saí do trabalho às 16, pegamos um taxi às 16:30 e ... deu tempo. Somente no aeroporto eu me dei conta do horário! Estou piorando. Chegamos tarde da noite em Santiago, pegamos nosso taxi direto para o hotel. Eu havia reservado um hotel pertinho do Patio Bellavista, assim rolaria alguma saída na chegada. Hotel boutique maneiro, a 55 USD. Achei bom preço. Rodamos um pouco pela área para ver o agito, e tinha muita gente nas ruas. Estacionamos num canto no Patio mesmo, onde curtimos cervas e o vai e vem. Fomos dormir umas 2 da manhã. Dia 1 – Isla Negra e Valparaíso Acordamos cedo, umas 8hs. Depois do café, saí para fazer um câmbio rápido – desnecessário, pq tinha na rodoviária – e partimos para a rodoviária. Pegamos o metrô e descemos na Estação Universidade Santiago. Lá fomos abordados por umas meninas, uniformizadas que nos sugeriram pegar o Pulmann, que, segundo elas, era mais rápido. Ok, aceitamos. Compramos para as 11:30. 6 K cada. Eram 10:40, então fizemos hora por lá. Câmbio por lá estava 595 CLP por USD, o mesmo que no centro da cidade. O busum atrasou um pouco, mas lá fomos. Chegamos na Isla Negra umas 13:30. Vantagem de viajar leve é que vc carrega sua bagagem nas costas numa situação dessas numa boa. Fomos andando para a Casa do Neruda. Eu tinha receio de longas filas e tal, mas não havia ninguém na nossa frente. Maior tranquilidade. Pegamos o audioguia e lá fomos. Antigamente era guiada, agora não mais. Curtimos muito, espetáculo de lugar. “Completamos” as cass do Neruda, mas ainda voltaríamos à Sebastiana. Visual sublime dessa, com vista direto para o mar. Uma bela visita. Na volta fui comprar passagens, e a moça da cia disse que era apenas fazer sinal no ponto de ônibus. Ok. Havia gente já na espera no ponto. E logo chegou um, amem. Deu 3K e alguma coisa por pessoa. Eram umas 15hs, sinal de que nossa estadia foi de 1,5h no geral. Uma hora depois estávamos em Valparaíso. Decidimos ir andando para o hostel, assim respiraríamos um pouco a cidade. Os arredores da rodoviária, naturalmente, não são lá muito agradáveis, mas foi bacana o trajeto, conforme fomos nos afastando. Reservamos um hostel subindo um dos morros, perto de uma rua onde rola uma night intensa. Largamos as mochilas e saímos para explorar o fim de tarde. Em direção ao Cerro Concepcion, que é onde rola o agito que queríamos ver. Passamos pelo parque onde era uma antiga prisão, tinha uma galera local curtindo. Depois ficamos rodando o Concepcion de cima pra baixo e para os lados. Percorrendo os caminhos estreitos e grafitados, pasajes, ascensores, e tudo o mais que houvesse pela frente. Que lugar bacana de noite, é aquele! Belíssimas construções, belíssimo visual, belos e divertidos grafites. Lugar que merece mais tempo de curtição noturna. Curtimos um lindo pôr do sol avermelhado no Paseo Iugoslavo, e então a fome falou mais alto. Estávamos só de café da manhã. Jantamos num lugar marromeno, e logo embicamos num segundo turno na cervejaria Altamira, que fica ao lado de um ascensor. Muito boa! Rola muita atração artística e gastronômica no Cerro Concepción. Recomendo muito curtir a noite por lá. Rola muito grafite também, deve valer a pena buscar um walking tour dedicado a isso – para quem curte, claro. De todo modo, andando pelas ruas e ruelas, vc vai se deparar com alguns belos exemplares de arte de rua. A vontade de esticar a noite era grande, mas precisávamos medir as forças e havia um dia inteiro seguinte a (re?) desbravar (de dia), então fomos dormir não tão tarde. Dia 2 – Valparaíso e Viña del Mar Domingo acordamos cedo para o café. Nem havia amanhecido! às 7 da matina Ideia era sair cedo mesmo, dar um rolê numas áreas lá de baixo, depois subir para a Sebastiana. Tava bem nublado. Fomos no arco inglês, pracinha da catedral (tínhamos passado no dia anterior), depois fomos subir. O ascensor estava fechado, então fomos de escada mesmo. Naquela hora da manhã, só havia bebuns. Na praça e na escadaria. Talvez assustem, mas... vivemos no Rio, né? Curtimos um pouco do Museu a Céu Aberto, que anda precisando de uma repaginada, mas que ainda proporciona um belo visual. E seguimos subindo até a Sebastiana, onde fomos um dos primeiros a chegar. Visitamos a casa (novamente, no meu caso), curtimos bastante. As casas do Neruda são muito maneiras de se conhecer. E, para quem se dispõe a ouvir o audioguide, as histórias são bem interessantes também. É pena que minha insensibilidade com poesia me limite a curtição da obra dele. Depois disso repeti meu trajeto de anos antes, seguindo por toda a Av. Alemania até descer no Paseo Iugoslavo. Entramos no Museu de Belas Artes, não exatamente pelas obras, mas pelo Palácio em si, que é muito bonito. Visitamos rapidamente. Descemos de ascensor para a Praça Sotomayor, e seguimos a pé para o Artilleria. Exatamente o que eu me lembrava de ter feito antes. E, tal qual antes, havia fila para o ascensor Artilleria. Tal qual antes, subi a pé. Curtimos o visual, as casinhas, e não muito mais que isso – rola um mercado pra turistas lá em cima. Descemos a pé mesmo, e, de volta à praça, pegamos o metrô para Viña del Mar. Tanto em Santiago quanto lá, vc tem de comprar o cartão magnético para viajar no metrô. Desagradável para quem está lá só por uma viagem, mas vamos em frente. Acho que já era assim qdo fui. Devia ter guardado o cartão! Em Viña fomos direto para a Quinta Vergara, mas o Palácio que eu queria ver estava em reforma. Andamos um pouco pelo parque e seguimos para o Palacio Rioja, mas chegamos na hora em que estava fechado para o almoço. Putz (sim, falta de planejamento detalhado!). De qq forma, é bem bonito. Passamos, mas não entramos dessa vez, no Museu Fonck. Foi bem legal quando fui, mas não quis repetir. Fomos descendo para o litoral. Viña é bem agradável em suas ruas internas, muito arborizada. No litoral, uma cena interessante: estava bem nublado, e até friozinho. E a galera na praia. Cheia de roupa de frio, claro. Um conceito diferente de praia. Quando estive lá da outra vez havia galera na praia tbm, mas pegando sol. Fazia calor. Passamos pelo Cassino, visitamos o Castelo e fomos até o tradicional relógio, ponto seguro de milhões de fotos. Era hora de dar uma pausa e conseguimos encontrar um bar que servia bebidas sem precisar comer. Amem! No Chile geralmente é difícil encontrar lugares que sirvam apenas bebidas, vc necessariamente tem de pedir alguma comida para acompanhar. Depois de saborosos piscos sours e cervejas, lá fomos pegar nosso metrô de volta. Chegando em Valpo, pegamos um taxi que passou no albergue (mochilas!) e nos deixou na rodoviária. Já era fim de tarde, pegamos rapidamente um busum para Santiago. Da outra vez em que estive em Valparaíso, em 2010, eu cheguei de manhã desde Santiago, peguei um busum para a Sebastiana, conheci a Casa do Neruda, e depois segui andando até descer pelo Paseo Iugoslavo. Gostei muito da vibe na época, e deu aquela sensação de que valeria um retorno para um pernoite. A sensação que tive dessa vez é de que teria valido a pena mais de um pernoite. Que tenha uma próxima vez. Reconfirmei a vibe Santa Tereza (RJ) que eu tinha sentido da outra vez. Com o diferencial evidente do fator segurança. Rola muita comparação entre Valpo (mais antiga, mais bagunçada, mais perigosa, mais artística) e Viña (mais moderna, mais organizada, mais tranquila, mais praiana). Gosto muito de ambas, mas minha base é Valpo mesmo. De busum, descemos na Pajaritos, pegamos metrô e chegamos ao nosso hostel no bairro Lastarria por volta das 20hs. Mal chegamos e marcamos com umas amigas da Katia de nos encontrarmos para jantar. Tentamos o Tango, umas choperias, mas tava tudo cheio. Encontramos um famoso, mas que foi meio marromeno. Várias coisas faltando, lomo que tava faltando mas depois passou a ter – e aquilo não era lomo mesmo. Depois da janta, compramos umas Kross no mercado para saborear no quarto mesmo. Dia 3 – Cajon del Maipo Eu já tinha pré-acertado a visita a Cajon del Maipo por whatsapp com a TripChile. Precisava apenas confirmar qdo chegasse a Santiago, e assim fiz, na noite anterior. Cedo pela manhã lá estávamos esperando a van para o passeio. Chegou umas 7hs. Fomos os últimos a entrar, e todos eram brasileiros. Não era lá muito confortável para dormir, então fui vendo filme. Primeira parada, até para um café da manhã, foi em San Juan del Maipo. Tomei um café e depois fiquei rodando pela pracinha da pequena cidade. Fazia um friozinho muito bom. Lá é base para várias atrações pelas montanhas. Nosso guia era um simpático chileno que cometeu o deslize de perguntar ao grupo sobre Lula, e ainda com o agravante de elogiar o falecido ditador Pinochet. Ou seja, receita certa para a discórdia. Felizmente a galera não esticou a corda. A primeira atração é o Embase El Yeso, uma represa belíssima que é área de mineração também. Logo, há um certo conflito de espaço entre as vans de turistas (amplamente de brasileiros naquele dia) e os caminhões. O visual é espetacular. Embora estivesse frio, ainda não havia começado a nevar. Era final de abril (último dia!), consta que normalmente começa a nevar em Maio. Com ou sem neve, o lugar é muito bonito. Pena mesmo é que só temos meia hora por lá. É o mal dos tours. Eu teria ficado bastante mais tempo curtindo o lugar. Talvez uma próxima vez. Mais 1h de viagem, e chegamos às Termas Colina. Galera nas piscinas de água quente. Funciona assim: as mais acima são mais quentes. Não consegui entrar. Ficamos numas intermediárias, só que mais próximas de baixo. Curtimos bastante. Também tem horário limite, e usamos o tempo todo de que dispomos. Ideal para lá é levar chinelos (#ficaadica), facilita muito a coisa de tirar e colocar roupas e caminhar de e para as piscinas. Tinha bastante gente por lá, muitos brasileiros naturalmente. Mas ouvimos muita gente falando espanhol tbm. Vi que muita gente vai para lá de carro, arma uma tenda, faz churrasco, etc. Curte o dia. Parece ser um programa bacana. Aquele visual belo e seco típico da região, o rio passando lá embaixo, o sol direto (fez sol!) na cabeça, o vento. Uma experiência. Depois dos banhos quentes, fomos curtir um piquenique com a galera. Estava incluso (e eu nem sabia!). Garrafão de vinho e tira-gostos. Daria para ficar lá até o sol se por, mas a partida é relativamente cedo, umas 14 ou 15hs +-. De modo que chegamos umas 17hs de volta a Santiago. Eu teria ficado mais tempo! Ainda que seja um tour com belíssimos visuais e a experiência nas termas, deve se levar em conta que dura 10 hs do dia, das quais vc passa a maior parte do tempo na van, indo e vindo e se deslocando entre as atrações. E não é nada barato, custa 45 CLP por cabeça. Mas a ótima lembrança do visual e da experiência é o que fica, ao menos para mim. Consideraria, no entanto, repetir o passeio, mas por conta própria. Como chegamos ainda com luz Em Santiago, saí para passear pelo bairro Itália, que ainda não havia conhecido. O CC Gabriela Mistral, que fica ali no Lastarria, estava com as atrações fechadas na 2ª feira. Percorri Baquedano, e me embrenhei nas ruas do bairro Itália, que é bacana. Algumas áreas estavam se preparando para a noite, que começaria logo a seguir. Nesse dia fomos jantar com as meninas na pizzaria Tiramisu. Mais uma vez. É badalada em excesso, pra falar a verdade (minha opinião, claro). É bom, mas não tanto assim para lotar do jeito que lota. Tem fila pra entrar, enquanto os vizinhos ficam com espaço sobrando. Na saída ainda demos um rolê pela Isidora Goionechea antes de pegar o metrô de volta para nossa área. Tinha uma cervejaria que eu estava tentando conhecer, a Jose Ramon, mas que vivia cheia. Chegando lá, mesmo tarde da noite, estava cheia novamente. Então fomos dormir. Aproveitei um mercadinho para comprar uns refris vermelhos locais. Eram bons! Dia 4 – Santiago Terça-feira era 1º de Maio. Um dos feriados onde mais se fecham atrações pelo planeta (tipo 1 de Janeiro e 25 de Dezembro). Não deu outra, tava tudo fechado em termos de atrações mesmo. Nesse dia ganhamos o café da manhã de cortesia do hostel. Muito simpático! Saímos para passear e a Avenida principal estava fechada para o desfile de 1º de Maio. O CC Gabriela Mistral sequer abriu. Na altura de onde estávamos ficava o palco, presumo que era o final do desfile. Fomos então ao encontro das massas, em direção ao Palácio do governo, que foi onde nos encontramos com a galera desfilando. Em frente ao palácio havia barreiras, mas fora dessa área o acesso era livre. Ficamos observando e fotografando os sindicatos e outras associações de trabalhadores (assim como diversas representações comunistas) desfilando. Uma moça chilena carregava um cartaz pedindo “Lula Livre”. Geralmente era desfile com cartazes, algumas fantasias, mas havia algumas coreografias tbm, acho que de grupos de artistas. Tudo na paz, ainda bem. Depois de um tempo, embicamos para o centro. Tudo fechado mesmo, absolutamente nenhum museu aberto. O mercado abriu. Fizemos então uma caminhada pelo Parque Florestal, depois fizemos uma pausa na região do Bellavista. A Kross estava aberta e não lotada, como na sexta-feira em que lá estivemos. Curtimos algumas boas cervas, caminhamos nos arredores. Região bacana, aquela. Tem opções para diversos gostos e bolsos. Ainda revimos o Cerro Santa Lucia, e depois ficamos curtindo o Bairro Lastarria e toda aquela efervescência cultural que rola por lá. Artistas de rua, bandas, feirinha, painéis espetaculares nas fachadas de um prédio. Almojantamos no Tambo e depois ficamos bebericando pisco sour até a hora de ir embora. Uber para o aeroporto deu 13 CLP, acho que havia promoção de taxis por 20 CLP no hostel. Chegaríamos ao Rio de madrugada. E assim foi mais uma viagem explorando cantos pelo mundo!
  7. Turistando.in (Juliana)

    Blog Turistando.in: 10 atrações em Viña del Mar

    Passamos um dia inteiro em Viña del Mar (dormimos no Jaguar, um hostel muito legal) durante o inverno e com nosso filho de quase 3 anos e criei um post mostrando que a cidade não é tao sem graça como muitos dizem. Neste post, elenquei 10 coisas a se ver na cidade e que fizemos caminhando: https://www.turistando.in/o-que-fazer-em-vina-del-mar/
  8. SANTIAGO COM VALPARAÍSO, VIÑA DEL MAR E MENDOZA Santiago é uma cidade muito agradável com povo muito simpático, eu e meu marido fomos em fevereiro no forte do verão que é muito quente durante o dia mas refrescante na noite. 1- Aeroporto: para ir ao seu destino pode pegar um táxi( em torno de 150.000 pesos até o centro) ou um transfer. Nós pegamos o ônibus da empresa Starbus que sai do portão 4 ou 5 do aeroporto e custa 3200 pesos por pessoa. O final da linha é em frente à estação LOS HEROES. A partir daí pode pegar um táxi ou metrô. O problema é que as estações do metrô não tem escadas rolantes nem elevadores e só aconselho se você tiver pouca bagagem. 2- Metrô: o valor da passagem muda conforme o horário. Nos horários de pico fica em 1600 pesos e nos demais 1340 pesos. É muito fácil andar de metrô em Santiago. 3- Hostal: Nós ficamos no Hostal Providência ( Av. Vicuña Mackenna,92) de ótima localização, café da manhã excelente e 2 brasileiros na recepção. Só tem um inconveniente no verão pois não tem nem ventilador nos quartos, mas como refresca à noite o problema não fica tão sério. Este hostal é muito grande, tem 53 quartos e uma diversidade de hóspedes o que proporciona um excelente convívio para altos papos. Nas noites de sábado tem uma “janta” que custa 4000 pesos por pessoa e consiste em um prato de macarrão e duas taças de vinho. Tem também o dia do “terremoto” e do “pisco” que são bebidas típicas e é gratuito. 4- Câmbio: é melhor trocar seus reais em Santiago pois tem muitas opções de lojas tanto no Paseo Ahumada como na Av. Agustinas. Para chegar aí descer na estação do metrô Universidad de Chile , aí também se encontra um grande número de lojas e centro financeiro. Depois pode ir pela Av. Agustinas em direção ao Cerro Santa Lucia. 5- Cerro Santa Lucia um lugar muito bonito para um passeio e vista da cidade. Quase na saída(ou entrada depende por onde vens) tem uma barraca que vende bebidas e salgados. Aproveita para experimentar uma bebida típica chamada “ mote com huesillos” bem gelada. É um suco de pêssego, com a fruta inteira cozida dentro e uma espécie de canjica. Pode também tomar só o suco. É uma delícia! Em frente ao Cerro há uma feira de artesanato onde se pode comprar lembranças a bom preço. Caso vá direto ao Cerro sem passar pelo centro a estação do metrô é a Santa Lucia. 6- Shopping Costaneira e Sky Costaneira: metrô Tobalaba. O shopping é muito grande e bonito, com 5 andares. Tem o supermercado Jumbo onde se pode comprar os vinhos para trazer ao Brasil. Lá eles dão o plástico bolha para embalar as garrafas. Aproveitem!!! De dentro do shopping, descendo a escada rolante próxima à entrada, ficam os elevadores para o Sky Costaneira. Este é o maior edifício da América com 61 andares e pode-se subir ao último andar para uma vista incrível da cidade e da cordilheira. Imperdível! Preço: 8000 pesos por pessoa. 7- Parque Arauco e Shopping: Bairro Las Condes - Descer na estação Escuela Militar e pegar o ônibus que deixa na frente do shopping. Na frente do Parque tem o novo centro financeiro que é um conjunto de edifícios todos em vidro. Um show à parte. O Parque Arauco não é muito grande mas é onde as famílias se encontram para passar algumas horas com as crianças. No shopping se encontram as lojas mais famosas e caras do mundo como: Louis Vuilton, Mont Blanc, Omega, Victoria Secret e outras. 8- Pátio Bellavista: Metrô Baquedano, atravessar a avenida e a ponte sobre o Rio Mapocho e seguir em frente. Lugar para um jantar mais requintado, muito bonito. Na rua que passa ao lado, A Pio Nono, é o melhor lugar para um happy hour ou esticar a noite. Lá, as calçadas ficam cheias de mesas por uns dois quarteirões e pode-se tomar o “terremoto” ( bebida típica ) ou comer uma “chorrillana” ( morro de batata frita com ovos e bife = 6000 pesos) 9- Vinícola: escolhemos a Cousiño Macul . Descer na estação do metrô Quilin e pegar o ônibus D17 no Mall Paseo Quilin. Muito boa a visita guiada, imperdível. 10- Visitar no Centro: Plaza de Armas, Catedral Metropolitana, Museu histórico nacional ( de 3ª à dom, gratuito), Museu de arte pré-colombiana, Palácio de la moneda. VALPARAÍSO E VIÑA DEL MAR Quando chegamos para comprar passagem no Terminal de Buses Alameda ( metrô Universidad Santiago) para irmos pra Valparaíso, uma moça nos atacou e ofereceu um tour. Foi a melhor coisa que fizemos pois não seria possível conhecer tudo o que queríamos andando sozinhos. O nome da empresa é Rodotour e fica em frente aos guichês de passagens da Turbus. O tour inclui passagem ida e volta mais tour pelas duas cidades. Pode-se fazer a reserva com antecedência que sai mais barato( [email protected]). O passeio saiu 20000pesos por pessoa. Na chegada à Valparaíso fomos recebidos pelo guia Alejandro muito simpático que ficou com a gente das 11h até as 18hs. O micro estava lotado de brasileiros( prá variar). Valparaíso é uma cidade bem diferente pois possui 42 cerros onde vivem 80% da população. Esses cerros são muito altos e se sobe de carros ou ascensores (elevadores). Visitamos a La Sebastiana( uma das casas de Pablo Neruda). Ali perto tem a Plaza dos Poetas com esculturas de Neruda e Gabriela Mistral. Visitamos praças e monumentos. No caminho para Viña o tour nos leva à um Restaurante para o almoço. È muito caro, e algumas pessoas do grupo ficaram chateadas e um casal se retirou. Não gostei disso pois não deveriam levar o grupo para este local. Nós gastamos quase o preço do tour no almoço! Viña del Mar: é uma cidade muito bonita e como era verão estava lotada. Podemos ir só à Praia Reñaca pois as outras estavam interditadas pelo fenômeno “marejada” que são ondas de até 4m que invadem as praias. A água é muito gelada e varia de 10° à 15° e eu só molhei os pés no Pacífico.(E era verão!). Visitamos o Museu Fonck onde tem um dos 6 moais originais fora da Ilha de Páscoa. TRAVESSIA DA CORDILHEIRA E MENDOZA A travessia da cordilheira foi o passeio mais esperado por mim e um sonho realizado. Compramos as passagens com dois meses de antecedência para ter a garantia de sentar nos primeiros bancos do andar de cima do ônibus ( lado direito) da companhia Andesmar ou Cata. Saímos de Santiago as 8 horas para aproveitar o dia, é claro. É uma viagem incrível de tirar o fôlego não só pelas belas paisagens como pelos “caracoles”. Ela dura umas 7 horas pois perde-se mais ou menos 1 hora ou mais na imigração. Como era verão não vimos neve, uma pena. Mendoza é uma cidade agradável, limpa e bonita e como ficamos apenas uma noite e um dia fizemos o tour no ônibus de turismo. No centro tem muitos barzinhos na Peatonal Sarmiento. No final da tarde pode-se passear tranquilamente pela Plaza Independência, Paseo Alameda e Parque Central. O ponto turístico mais importante é o Parque General San Martin que possui escolas, uma universidade, teatro e zoológico. Voltamos para Santiago no ônibus das 23hs.
  9. Primeiro quero agradecer ao Mochileiros.com por todo conteúdo disponibilizado que tanto me ajudou na organização dessa viagem. Quero dizer que as infos aqui compartilhadas, não só me incentivaram como me ajudou a fazer uma estimativa real de gastos para o meu estilo de viagem (voltei com R$100,00 porque acabei pulando muitas refeições menos em função do clima seco), o que foi excencial para a minha experiência. Então vamos lá! Comprei a passagem pra Santiago em setembro, em princípio ia somnte para lá. A vontade de ir ao Atacama era grande apesar da grana ser curta. Vi num tópico sobre sobre as passagens da SKY airlines (obrigada pessoa maravilinda), e num dia pós drinks cheguei alegrinha e bam, comprei uma passagem por 75USD -muito barata!!Como já sabia que os custos lá eram grandes, optei por ficar só duas noites- me arrpendi fique mais dois dias, Santiago é cara também. Meu roteiro ficou assim: Poa- Guarulhos- Stiago 24/12 Stiago-Calama-San Pedro - 25/12 San Pedro - 26/12 San Pedro- Calama - Santiago - 27/12 Santiago- 28/12 Santiago 29/12 Valparaíso/Viña- 30/12 Saniago- Guarulhos-31/12 Guarulhos-PoA - 01/12 Saí de Porto Alegre por volta das 13h esperei em guarulhos até às 20h (tempo que pareceu uma eternidade), cheguei em Santiago às 11:55 de lá aqui já era 00:55, imigração vazia e tinha um papai noel andadando por lá catei o Wifi gráis do aeroporto e fui dar Felix Natal pra família. Terminadas as comemorações fui catar um banco pra dormir. Frio pra cara*** ainda bem que estava com a corta vento amarrada na cintura, tive que me cobrir. Dormda, ás 3h fui pra área de embarque - a de embarque domésticos é melhor que a de internacionais- e me arrependi de não ter ido dormir por lá, bem mais confortável... Embarquei às 4h o voo saiu 5 e pouco. O voo, low cost, não tem serviço de bordo grátis é bem apertado, ainda bem que sobraram umas poltronas e pude deitar, dormi até Calama. Ahhh se você quer ver as cordilheiras sente do lado esquerdo, tanto vindo do Brasil quanto pra Calama. Chegando em Calama peguei o transfer da Lincabur, eles cumprem direitinho o lance das reservas então, apesar de ter chegado ás 7:20 saímos só às 9h pra esperar gente de um outro voo mas assim, a mesma seriedade vale pra volta, assim me disseram no hostel: Lincabur sempre passa!!! Iniciamos o caminho e que caminho, acordilheira ali sempre acompanhando, demorou cerca de 1:40h até San Pedro. Cheguei no hostel (Pange Norte), amei! O Staff era uma menina americana muito fofa, me ajudou a guardar a mochila e eu já saí em busca de tours pra tarde. Como era natal, muita coisa estava fechada, orcei em alguns lugares e fechei dois tours com a Tani Tani, fiz Valle de la Luna e Piedras Rojas por 45000CHL (o cara me deu 10000 de desconto pra fechar), troquei uns reais pois tinha tocado 100000CHL em PoA (a 180, o que foi uma cotação igual ás que peguei no Chile) e ahei que podia icar sem grana muito rápido e no outro dia o tour era o dia todo, achei um lugar na Taconao que estava trocando a 182, troquei mais 30000 e fui me preparar pro Valle. Passei num Armazém que tem próximo do hostel, comprei uma água de 6l por 1600CHL(vai por mim compre) pra reabastecer minha garrafa de 1,5l que tinha comprado no aeroporto e que já tinha ido.Comprei um pacote de pão com 4 tipo hamburger por 2000CHL uma lata de atum por 1750CHL e um tomate, fiz um sanduiche no hostel, troquei os tenis por uma bota, pus um boné a corta vento e na mochila água, salgadinho, protetor e bpantol (leve Bpantol! e use, use muito pq é seco pra cara*** e sua boca nariz vão sentir). Dei uma volta na pracinha, tirei umas fotos usei o wifi gratis da praça e fui pra agência pegar a van pro passeio. o passio, que vou dizer... maravilhoso! Você ve paisagens indescritíveis, passa por dentro de cavernas, sobe dunas enoooormes e , se tiver minimamente sentimento, vai se sentir insgnficante nesse mundo. No passio já comecei a conversar com duas Brasileiras de São Paulo, umas amadas. Descobrimos que iríamos fazer o tour do dia seguinte juntas e já combinamos! Ah elas tinham perdido as malas no voo da LAN pq era necessário pegar e despachar de novo pra Calama então, fiquem atentos. Depois do Valle subimos na Pedra do Coiote para o por do sol, aqui o vento pega, então LEVE CASACO! E leve boné (melhor que chapéu pois venta muito e o chapéu vooa vc pode perder se cair fora das trilhas onde não se pode pisar) pois o sol é de rachar e reflete na areia, nem preciso dizer que óculos escuros tb são ítem de primeira nescessidade. Chegamos perto das 21h, no hostel e fui pra fila do banho que estava um alvoroço pois a água estava acabando... consegui, mas tava um fiapo, fazer o que... deserto e hostel cheio.Na fila, conheci uma brasileira de Floripa, depois do banho sentei com ela e mais uns paulistas e catarinenses, muitas conversas sobre as viagens ... cama, podre, e tendo que levantar ás 6:30h pro passeio. Uma coisa divina desse hostel que achei, além da área comum que propicia o enconro dos hóspedes, é o colchão e a roupa de cama um mínimo de conforto depois do cansaço da viagem e das dunas. Continua...
  10. Olá mochileiros Em janeiro de 2017, depois de muitos preparativos, muitos fóruns lidos e muita pesquisa no santo Google Maps , eu e meu companheiro Danilo fizemos um pequeno mochilão pela América do Sul, sendo que nossa primeira parada foi o Chile, onde passamos 9 dias e tivemos algumas das melhores experiências de nossas vidas. Como o Mochileiros.com foi fundamental para a montagem da nossa viagem, resolvi contar um pouquinho de como foi nossa maravilhosa estadia nas terras de Pablo Neruda para vocês. Relato Bolívia: https://www.mochileiros.com/a-impressionante-bolivia-salar-de-uyuni-la-paz-copacabana-lago-titicaca-e-isla-del-sol-com-fotos-e-precos-2017-t141313.html Relato Peru: Chile, o que dizer de você? Um país de extremos, onde você encontra geleiras, grandes lagos e temperaturas abaixo de 20 graus ao sul, uma das cidades mais urbanizadas das Américas no centro e o deserto mais seco do mundo ao norte. Um país com belezas naturais impressionantes, praias, montanhas, ótima infraestrutura e um povo super simpático, educado e hospitaleiro, que ao descobrirem que você é brasileiros, abrem um sorriso de orelha a orelha e demonstram interesse em saber mais sobre nosso dia a dia. Claro que o país inúmeros problemas, assim como qualquer outro país e as marcas da terrível ditadura militar de Pinochet ainda são bem visíveis na sociedade. Para ver mais fotos, acesse meu insta: https://www.instagram.com/rafah.meireles/?hl=pt-br ou face: https://www.facebook.com/rafael.henriquecarter Uma das minhas preocupações (e a de qualquer mochileiro) era o custo de vida do país, pois a maioria dos relatos que encontrei dizia que o Chile era um dos países mais caros da América Latina, que não deixa de ser verdade em alguns pontos, mas que no geral me surpreendeu positivamente, sendo bem mais barato que seus vizinhos Argentina e Peru, por exemplo. Mas claro que isso varia muito do padrão de viagem de cada um. Fiquei hospedado em hostel, dei preferência a comer em lugares baratos e as vezes sobrevivia só com empanadas haha, preferi utilizar o transporte público ou ander a pé do que pegar um táxi e com isso investi o dinheiro com os passeios, esses sim um pouco salgados, mas que super valem a pena. Dos países que visitei, esse foi o que mais encontrei brasileiros. Em todos os principais pontos turísticos sempre encontramos alguém que simplesmente olhava pra gente e falava: Vocês são brasileiros né?! Eu tbm sou haha. E é incrível como a gente se reconhece. Obs: Ao todo, o mochilão saiu por cerca de 5.500 reais por pessoa, sendo que só de passagem foram 2.000 Inclusive, poderia até ter gastado menos do que gastei, então, fica a dica ALIMENTAÇÃO: A alimentação, que é uma das coisas que mais pesa no bolso do viajante, foi uma grata surpresa. É possível comer bem e muito por pouco - sem falar nas diversas opções. Em quase todos os restaurantes e lanchonetes é possível encontrar pratos prontos, inclusive o famoso Lomo a lo Pobre, por cerca de 4 mil pesos (cerca de 19 reais). Nas redes de fast food é vendido kits de lanches para até 3 pessoas por um pouco mais (compramos um combo de 3 cachorros quentes com bebidas e fritas por 6.500 pesos, ou 30 reais na rede Pedro, Juan & Diego do Costanera Center). As tradicionais empanadas custam cerca de 700 pesos (3-4 reais). A culinária chilena não é tão diferente da brasileira, mas tem suas particularidades, sendo que talvez a maior delas seja a La palta (creme de abacate) que é servido em praticamente tudo, inclusive no cachorro quente (chamado de completo). Truta, ceviche e o pastel de choclo também são pratos comuns no país e que tive a oportunidade de experimentar. CÂMBIO: Em Santiago, o melhor lugar para cambiar é na rua Augustinas, no centro, onde existem umas 10 casas especializadas uma do lado da outra e todas com cotações diferentes entre si, então é sempre bom dar uma pesquisada. No dia, a melhor que encontrei foi 1 real > 196 pesos. Para quem precisar trocar dinheiro em um domingo (foi o meu caso), recomendo a casa de cambio situada no subsolo do shopping Costanera Center, que apesar da cotação péssima - 1 real > 180 pesos - me ajudou a não passar fome no dia haha. Para quem vai ao Atacama, recomendo trocar dinheiro em Santiago mesmo, pois a cotação em San Pedro é de morrer 1 real > 160 pesos, foi a melhor cotação que encontrei . Se não tiver outro jeito, as casas de câmbio ficam espalhadas epla região da Calle Caracoles. HOSPEDAGEM: Como já mencionado, optei por ficar em um hostel, o Chile Lindo Hostel - super recomendo, pois 5 diárias saíram por 175 reais com café da manhã, além de sua localização ser no centro, na calle Moneda. Mas existem opções para todos os gostos e bolsos . Uma coisa que acho super importante antes de reservar o hotel é verificar bem sua localização, ver se é de fácil acesso, se é próxima das atrações que você mais se interessa, enfim, porque não adianta nada você pegar um hotel super barato se ele fica afastado de tudo, pq ai vc terá que gastar com locomoção. ROUPAS (o que levar): Nós usamos uma mochila 70 litros + uma bolsa de ataque, o que foi suficiente para toda a viagem. Apesar de ser verão e do clima extremamente seco e quente em Santiago, passamos muito, mas muito frio em Embalse El Yeso, então aconcelho levar pelo menos um casaco corta vento em qualquer aventura que vc for fazer pelas montanhas. Em San Pedro as noites e as manhãs também são bem geladas, assim como alguns passeios onde a altitude é maior (lagunas Altiplânicas e o final da tarde no Valle de la Luna). Algo que foi indispênsavel foi o tênis (dê preferência para tênis de escalada) pois chão é escorregadio e íngreme em vários lugares. Em Vina del Mar, é legal levar roupa de banho, pelo menos para pegar um sol na areia, já que acho meio dificil alguém se arriscar nas águas super geladas do Pacífico SEGURANÇA: Em poucos lugares me senti tão seguro quanto no Chile, principalmente na capital, Santiago. Andei em regiões degradadas a noite, lugares vazios, utilizei minha câmera em grandes aglomerações e em nenhum momento me senti inibido por alguém. Foi sorte? Pode ser, mas se comparado com as grandes cidades brasileiras, Santiago é um paraíso. Os carabineiros (guardas chilenos) estão presentes em todos os principais pontos turísticos da cidade e nas ruas centrais e são super solícitos caso necessite de alguma informação. Vina del Mar e San Pedro de Atacama são mais tranquilas ainda. Em Valparaíso não senti a mesma liberdade e preferi nem utilizar minha câmera, mas também não tive problemas. Mas claro, vale tomar algumas medidas de segurança e não relaxar, já que os furtos são muito comuns, principalmente no metro, então sempre fique de olho nos bolsos e em sua bolsa, evite grandes aglomerações e mantenha a tenção redobrada sempre, pois é no momento do descuido que as coisas acontecem TRANSPORTE: Não tenho o que reclamar das estradas que passei no Chile - são todas asfaltadas, inclusive as que estão no meio do deserto, sem buracos e bem sinalizadas. Em Santiago, o metro é sem dúvidas a melhor opção para locomoção (é limpo e serve boa parte da região metropolitana. Custa cerca de 700 pesos, dependendo do horário). Não peguei ônibus e táxi nenhuma vez (não vi necessidade). Além disso, é bom tomar cuidado com os táxis da capital. No hostel ouvi a história de duas francesas que tomaram um táxi do aeroporto até o hotel no centro e pagaram 150 mil pesos, isso pq o motorista viu que eram turistas e ficou dando voltas com elas Aliás, para fazer esse trajeto, nós pegamos uma transferência da TransVip, que é uma van que leva a pessoa do aeroporto até o hotel e que custa 7 mil pesos por pessoa - super recomendo já que é bem mais barato que um táxi e mais seguro que pegar um ônibus. Ficamos 5 dias em Santiago, sendo que um desses dias visitei Valpo e Viña e 3 dias em San Pedro de Atacama. Abaixo está o roteiro que fiz nessas cidades, incluindo os pontos turísticos que visitei (coloquei os mesmos em negrito para facilitar) e alguns comentários. Espero que meu relato seja útil assim como o Mochileiros.com foi útil para minha viagem Dia 07/01 - Voo Guarulhos/SP > Galeão/Rio Dia 08/01 - Voo Rio > Santiago Transferência Aeroporto > Hostel no centro Dia 12/01 - Ônibus Santiago > Valparaíso Ônibus Viña del Mar > Santiago Dia 13/01 - Ônibus Santiago > San Pedro de Atacama (24 horas de viagem) Dia 1 - Santiago Nós chegamos em Santiago por volta das 12.30 hrs vindo de um vôo de São Paulo com escala no Rio. Foram 5 horas de vôo e apenas a linda vista da Cordilheira dos Andes com alguns picos nevados em pleno verão já são impressionantes (Imagina no inverno!). Peguei uma transferência até meu hostel e depois de fazer o check-in e tomar um banho fomos bater perna. O roteiro do dia foi: Costanera Center: popular shopping situado no bairro de Providencia e que é um dos mais luxuosos da cidade. Tem 5 andares das mais variadas lojas e pros mais diversificados bolsos, sendo que o Wi-fi é liberado em todos os andares. É no subsolo do shopping que existe uma casa de câmbio que funciona aos sábados e domingos (apesar da cotação ruim). Anexado ao shopping fica a Gran Torre Santiago, o edifício mais alto da América Latina - 64 andares e 300 metros de altura. No alto da torre fica o Sky Costanera, o famoso mirante que oferece uma vista 360 graus de Santiago. O valor para subir é de 8 mil pesos durante a semana e 10 mil pesos aos finais de semana - é um preço salgado para um mochileiro mas a vista que o mirante oferece da cidade é de encher os olhos. Fiquei arrepiado. Aproveitamos também para conhecer a Igreja Militar que fica ao lado do shopping Vista do Sky Costanera: Dia 2: Cajon del Maipo, Embalse el Yeso e Palácio de la Moneda Acordamos cedo e fomos para a região de Cajon del Maipo, onde fizemos várias paradas ao longo do trajeto até chegar ao principal destino do dia. Paramos no Rio Mapocho e em vários mirantes em meio a Cordilheira dos Andes que oferecem vistas dignas de cartões postais. Depois de quase 3 horas finalmente chegamos em Embalse El Yeso, um dos luagres mais lindos que visitei na vida! . O lugar nada mais é que uma represa formada pelo degelo dos Andes no verão, mas o grandioso lago de águas azuis emoldurado pelos picos ainda nevados formam uma paisagem deslumbrande. Vale muito a pena!!!. Existem várias agências que fazem esse passeio. Fomos com a Sousas Tour, especializada em brasileiros e não me arrependo, já que os guias são super legais e atenciosos, a van que nos leva pelas montanhas é bem confortável, o almoço servido é muito bom e o preço não é muito diferente do cobrado por outras agências (53 mil pesos por pessoa, mas recebi desconto por fechar dois passeios). Voltando do passeio que dura aproximadamente 9 horas, fomos visitar a região do la Moneda. Eis o roteiro: Igreja de la Glatitud Nacional, na avenida Ricardo Cumming Avenida Bernardo O'Higgins - principal avenida de Santiago, é repleta de construções históricas e imponentes, igrejas, jardins e monumentos. Igreja San Ignacio, na rua Padre Alonso de Ovalle Paseo Bulnes - Um dos lugares mais agradáveis da cidade, é um grandioso boulevard que se inicia em frente ao La Moneda e que é repleto de jardins, cafés e restaurantes Cripta O'Higgins - local onde está os restos mortais do libertador Bernardo O'Higgins. Fica na Plaza Bulnes. Palácio de la Moneda - Residência oficial da presidente do Chile, era a antiga casa da moeda do país, daí seu nome haha:P Centro Cultural La Moneda - Fica localizado no subsolo do palácio. É uma grande área reservada para exposições temporárias (estava tendo uma exposição com obras do Picasso ) e e uma exposição permanente que é gratuíta. Dia 3: Centro Histórico Igreja Santa Helena, na Calle Huérfanos Igreja do Sangue Precioso, na Calle Compañía de Jesus Plaza Brasil Basílica El Salvador Plaza de la Constitución e Troca de Guarda - Conseguimos pegar o finalzinho da famosa troca de guarda que é feita em frente ao La Moneda Paseo Ahumada - Rua transformada em calçadão com inúmeras lojas, cafés, restaurantes e artistas de rua Igreja San Agústin Teatro Municipal Plaza de Armas - marco zero da cidade, é ao redor dessa grandiosa e movimentada praça que estão importantes e belíssimos prédios históricos que ajudam a contar a histórica de Santiago. É aqui que está o famoso Monumento ao Indigena. Catedral Metropolitana Palácio dos Correios Museu Histórico Nacional Congresso Nacional Palácio da Justiça Museu de Arte Pré-Colombiana Mercado Central de Santiago Plaza Part Academia e Museu Nacional de Bellas Artes Parque Florestal - agradável e arborizado parque Plaza Italia Plaza Baquedano Museu Violeta Parra Igreja San Francisco de Borja, na calle Carabineros de Chile Centro Cultural Gabriela Mistral PUC Chile Cerro Santa Lúcia - um dos lugares que mais gostei em Santiago. É um grande morro em meio a selva de pedra e que é repleta de jardins, fontes, monumentos e claro, inúmeros mirantes - o mais famoso e alto é a torre do Castelo Hidalgo. Biblioteca Nacional Paris - Londres - sinceramente, esperava mais Igreja San Francisco - a mais antiga da cidade Uffa, perceberam que eu gosto de visitar igrejas né ?! hahah. Esse foi o dia que mais andamos e tudo sem utilizar transporte - emagreci umas gramas ai . Com exceção do Museu Pré-Colombiano, todas essas atrações saõ gratuitas. Dia 4: Vinícola e San Cristóbal Vinícola Concha Y Toro - fechamos esse passeio com a agência Sousas Tour (27 mil pesos por pessoa, sem o desconto) e durou aproximadamente 4 horas. Acompanhados da guia Macarena (quem não lembra da música? ) visitamos as instalações da vinícola que fica nos arredores de Santiago. Não é um passeio imperdível, mas é interessante (o auge do passeio é o Casillero del Diablo). Páteo Bella Vista - saindo da vinícola fomos até o Bella Vista, que é um grande centro comercial com as mais diversas lojas e restaurantes (caros por sinal) e foi aqui que tivemos umas das cenas mais engraçadas da viagem. No McDonald's, fomos pedir um sorvete Mc flurry Ritter, porém na hora de usar o portunhol, o Danilo pediu um sorvete sabor Hitler ( que isso não volte a acontecer!) Cemitério Geral de Santiago - andamos pra caramba até chegar ao principal cemitério da cidade, onde estão enterradas algumas das personalidades mais famosas do Chile. O cemitério é enorme, tem um urbanismo bem diferente e sem dúvidas vai agradar aos amantes de arte tumular, como eu haha. É necessário ter uma permissão para fotografar dentro do cemitério - pode ser tirado na hora, na secretária. Cerro San Cristóbal e Funicular - Uma das atrações mais famosas de Santiago, o Cerro San Cristóbal é um grandioso morro pertencente ao Parque Metropolitano, o terceiro maior parque urbano do mundo! Para subir até o mirante, a opção mais utilizada é o Funicular (paga-se 2 mil pesos por pessoa) e em poucos minutos chega-se no alto do cerro, mas não em seu topo - o Santuário de la Concepcion é o ponto mais alto do Cerro e para chegar lá é necessário subir um conjunto de escadas. No alto do cerro se existem várias lanchonetes, lojas, capelas, uma igreja, além claro de proporcionar uma linda vista de toda a cidade (mas não é a mais bonita, o do Sky Costanera é mais). Dia 5 - Val e Vina Nesse dia fomos até o Terminal Alameda e compramos uma passagem de ida para Valparaíso pela Turbus (5 mil pesos, mas não me lembro rs)e duas horas depois chegamos a cidade, que parece que parou no tempo. Visitamos: Plaza Victoria Catedral de Valparaíso Biblioteca Municipal Avenida Brasil e seu Arco Plaza Sotomayor Monumento aos Heróis de Iquique Armada do Chile Palácio da Justiça Ascensor El Peral Paseo Yugoslavo Palácio Baburizza Ascensor Artilleria Paseo 21 de Mayo Descemos o mirador e fomos até a e=Estação Central onde pegamos o confortável e moderno metro de Valparaíso (1.200 pesos por pessoa) e fomos até Vina del Mar, onde descemos na estação Miraflores e visitamos: Relógio de Flores Praia de Caleta Abarca Avenida La marina Castelo Wulff Cassino de Vina Plaza Vergara Teatro Municipal Dia 6 - ida a San Pedro Esse foi o dia mais relax em Santiago, onde aproveitamos para trocar mais dinheiro e comprar algumas coisas no supermercado Jumbo do Costanera Center (super recomendo, vende basicamente de tudo e por preços interessantes). A noite fomos até ao Terminal Alameda onde pegamos um ônibus da Turbus até San Pedro de Atacama - compramos a passagem no dia que chegamos em Santiago, pois ficamos com medo de não haver assentos disponiveis para o dia que sugerimos e pagamos 35 mil pesos por pessoa em um bus de dois andares semi leito. Porém, é bom sempre dar uma pesquisada no site da Lan Chile, porque do nada eles lançam promoções de passagens para o Atacama mais baratas que as de ônibus. Dia 7 A viagem dura 24 horas e é extremamente cansativa. Saindo da região metropolitana de Santiago, a paisagem ao longo da rodovia não se altera, é sempre o deserto que nos acompanha. As duas ultimas paradas são em Antofagasta e em Calama, até finalmente chegarmos em San Pedro de Atacama, por volta das 20 hrs. É impressionante vc ver aquele oásis enorme no meio do deserto Ficamos hospedados no Hostel Paso los Toros, que fica próxima a rodoviária e a algumas quadras da praça central. Apesar da ótima localização, o hostel deixou muito a desejar em conforto e comodidade, por ser bem rústico e simples, mas entre todos as opções que encontrei no Booking.com, essa era mais barata (220 reais por pessoa três diárias) - o barato saiu caro para mim . San Pedro a noite é super agitada (me lembrou muito o Centro Histórico de Paraty a noite), cheia de bares e restaurantes que ficam lotados de turistas, principalmente na Calle Caracoles É muito bom! Dia 08 Nesse dia fomos bater perna e conhecer todo o centro da cidade (algo que não demora muito haha, já que San Pedro é um ovo). Fomos na linda Igreja de San Pedro e na Praça central, feira de artesanatos e no Rio San Pedro que estava cheio devido as chuvas dos últimos dias (tivemos muita sorte de pegar ele cheio). As ruas da cidade são em sua maioria de terra e as casas seguem um padrão arquitetônico único, o que deixa tudo mais charmoso e lindo de se ver ! 2017! A tarde fomos visitar o tão famoso Valle de la Luna, que fica a apenas 30 minutos de carro de San Pedro. Fechamos um pacote com a agência Senda Mística (Calle Toconao, 10 mil pesos por pessoa com guia bilingue). O vale é fantástico e é um dos lugares mais mágicos e lindos que já estive - destaque para o Mirante do Coyote. Dia 09 Acordamos cedo e fomos para nosso último passeio no Atacama, Piedras Rojas e as Lagunas Altiplânicas. Para chegar lá, fechamos um pacote novamente com a agência Senda Mística (35 mil pesos por pessoa com café da manhã, almoço e café da tarde) e gostamos bastante do guia e das comidas servidas. O passeio inclui a visita pelo vilarejo de Socaire, Monumento aos Meridianos, Piedras Rojas, Lagunas Miscante e Miniques, vilarejo de Toconao, Salar de Atacama e Laguna Chaxa - Um lugar mais lindo que o outro !!!! Vale muito a pena esse passeio. Dia 10 Acordamos cedo e demos continuidade ao mochilão - o destino do dia era a Bolívia. Fomos com a agência Colque Tours até a imigração e de lá seguimos pela aventura de passar 3 dias no deserto Continua no relato Bolívia: https://www.mochileiros.com/a-impressionante-bolivia-salar-de-uyuni-la-paz-copacabana-lago-titicaca-e-isla-del-sol-com-fotos-e-precos-2017-t141313.html Outros relatos: https://www.mochileiros.com/buenos-aires-e-la-plata-5-dias-com-fotos-roteiro-e-relato-do-golpe-da-tinta-verde-t131086.html https://www.mochileiros.com/visitando-o-centro-historico-de-florianopolis-praia-de-canasvieiras-t138293.html https://www.mochileiros.com/bate-e-volta-em-campos-do-jordao-na-alta-temporada-junho-2016-t131749.html https://www.mochileiros.com/um-dia-em-angra-dos-reis-vindo-de-paraty-com-roteiro-e-fotos-t138227.html post1261123.html#p1261123
  11. Júnia Pimenta

    Valparaíso e Viña del Mar

    [info]O objetivo deste tópico é trocar informações e reunir depoimentos e dicas sobre as cidades de Valparaíso e Viña del Mar. Se você está com alguma dúvida em relação às cidades, coloque-a aqui que sempre um mochileiro de plantão irá ajudar. Se já conhece Valparaíso e Viña del Mar, conte para nós como foi sua experiência, seja ela negativa ou positiva, deixando dicas e demais informações para mochileiros perdidos. Para isso basta clicar no Botão Responder![/info] [linkbox]Guia de Santiago por Mochileiros.com Escreva seu Relato sobre Valparaíso e Viña del Mar Procurando companhia para viajar para Valparaíso e Viña del Mar? Crie seu Tópico aqui! Valparaíso e Viña del Mar - Tópico de Perguntas e Respostas Relatos sobre Valparaíso e Viña del Mar: Relato sobre viagem de treze dias ao Chile, incluindo Valparaíso e Viña del Mar pelo mochileiro Leo Caetano Relato sobre viagem de dezenove dias ao Chile, incluindo Valparaíso e Viña del Mar pelo mochileiro Xunfos Relato sobre viagem de carro ao Chile, incluindo Viña del Mar pelo mochileiro Marioluc Relato sobre viagem de dezessete dias ao Chile, incluindo Valparaíso e Viña del Mar pelo mochileiro apmontemor Relato sobre viagem ao Chile, incluindo Valparaíso e Viña del Mar pelo mochileiro Leandro Monção Relato sobre viagem de sessenta dias ao Chile, incluindo Valparaíso pelo mochileiro Dickens Relato sobre viagem em casal ao Chile, incluindo Valparaíso e Viña del Mar pelo mochileiro Anderson Mauro Relato sobre viagem de treze dias ao Chile, incluindo Valparaíso e Viña del Mar pela mochileira Carla Nogueira Relato sobre viagem de dezessete dias ao Chile, incluindo Viña del Mar pelo mochileiro O. Coelho Relato sobre viagem ao Chile, incluindo Valparaíso e Viña del Mar pelo mochileiro Sergio Soares Relato sobre viagem de vinte e dois dias ao Chile, incluindo Valparaíso e Viña del Mar pelo mochileiro Rafael Xavier[/linkbox]
  12. Marcella Th

    Mochileira de 1a viagem

    Cansada da rotina aproveitei a oportunidade quando saiu minhas tão aguardadas férias e resolvi colocar a mochila nas costas como sonhava desde sempre. Baixei um aplicativo "quanto custa viajar" e escolhi o Chile por ser um País do Mercosul e não necessitar visto, nem passaporte nem vacina alguma. Fechado o destino, resolvi buscar as cidades para conhecer. A princípio minha escolha seria Santiago (porque meu vôo ia para lá) e depois iria subindo para Atacama. No fim acabou não rolando pq o valor dos passeios ia passar do meu orçamento, já que levei uns 1400rs para todas as despesas de 8 dias total usufruídos, e vou te falar que os "mil e tantos pesos chilenos" confundem a gente no início. Então levei para hostel, alimentação, passeios, e deslocamentos, talvez daria se não escolhesse outros trajetos pois no Chile o que tem de lugar bonito pra conhecer vou te falar hein?... [emoji5] Fechei 3 dias em Santiago, fiquei num hostel no bairro Bellavista bem boêmio e bem movimentado (que já no início um rapaz no ônibus do aeroporto já quis me assustar dizendo que era "peligroso" e que chegando lá pegando táxi era mais seguro, equivocado pq fui de boa para o hostel muita gente jovem caminhando) enfim na vdd não era meu foco Santiago mas valeu, o passeio mais legal que fiz foi para Cajon del Maipo - Embalse el yeso, que geralmente se faz com empresas de turismo eu paguei 30 mil mas o nome da empresa não lembro pq foi indicado lá, mas foi muito bom que vai ficar marcado p sempre no meu caderninho. Ah se vc fizer no inverno se prepare para alguma lama na subida e leve calçado impermeável por conta da neve se for no inverno. Depois fui para Valparaíso de ônibus com a empresa Turbus (uns 3 mil pesos chilenos) fiquei 1 dia e achei muito pouco, passei uma raivinha básica pq ninguém dava a direção certa já que lá tem 3 Cerros próximos e só acertamos o último. [emoji19] Tirei mais foto em Vina del Mar e fui p ver o tal Reloj das flores e o bendito foi danificado porque uma árvore caiu em cima [emoji22] O bom de Valparaíso é que curti mais a vibe do hostel lá e fiz amigos muito queridos. Depois com uma amiga que conheci lá (brasileira também) seguiu viagem restante comigo, média 12hs de ônibus pagamos cerca de 11mil pesos chilenos com a empresa Condor que tem funcionário excelente que põe até o travesseiro na tua cabeça e claro a cobertinha kkkk, fomos para Pucón (uouu que cidade, lugar e paisagens lindas [emoji7] ) já descendo do ônibus ficamos fascinadas pelo Vulcão Villarrica que gritamos e o pessoal na rodoviária riu [emoji12] ficamos num hostel muito aconchegante tbem, tinha lareira, bem limpo e organizado, 1° dia só caminhamos pela cidade bem pequena e fácil acesso a tudo, 2° dia fomos ao parque Heurquehue (lindooo, trilhas que fizemos de boa sempre seguindo as placas e sempre que possível memorizando o trajeto. Subimos até uma cascada e não chegamos a seguir até a rota dos Lagos mais 2km a frente senão perderíamos o ônibus de volta a cidade. Este ônibus que sai 3x da cidade ao parque e que vc paga uns 3mil pesos ida e volta e o horário que pegamos saiu às 8:30 da manhã da cidade e voltou às 14:10 do parque. No último dia lá aproveitando fomos de ônibus também a "Ojos del Caburgua" cachoeira e muito verde depois fomos encerrar nossa viagem de Pucon a playa blanca em Caburgua também linda demais. A natureza da um show! Depois pegamos nosso ônibus de volta (com o coração partido pra voltar ) a Santiago onde nosso vôo iria sair o dela pela manhã e o meu a noite. Nos despedimos e aí fui deixar a mochila então no Kombi hostel (este que fiquei de início) e fui dar um rolê pelo Cerro San Cristóbal peguei um funicular pra subir paguei uns 3 mil pesos chilenos (ida e volta) e comprei uns suvenires lá e apreciei a vista linda por sinal e assim fechando meu mega sonho de mochileira que pretendo logo marcar o próximo. [emoji5]
  13. Vou tentar fazer um relato aqui detalhado sobre minha viagem em Agosto/14 no Chile, já que peguei tantas dicas aqui no fórum. Na viagem principal estávamos meu marido e eu, mas nos 2 primeiros dias tivemos a cia de um casal de amigos que estava por lá. Pegamos as passagens por milhas e pagamos apenas as taxas de embarque. A princípio o voo seria GIG-GRU-SCL-GRU-GIG, mas na volta quando fomos fazer o check-in a atendente nos perguntou se queríamos voltar num voo direto ao Rio. Claro que aceitamos, a parte ruim é que chegamos 13:30hs para o voo que seria 15:50hs e o novo voo sairia apenas as 18hs. Mas no final chegamos no mesmo horário no Galeão e ficamos fazendo hora no free shop de Santiago que é bom, mas está em obra e vai ficar muito melhor. Na ida um pit stop no novo terminal de Guarulhos para conhecer. Realmente um free shop de primeiro mundo. Os preços eram os mesmos praticados em qualquer outro do Brasil (que são um pouco salgadinhos), mas o terminal está bonito e cheio de lojas. Durante o voo foi tudo tranquilo. O que achei ruim foi o lanchinho dado pela TAM pelo único motivo que meu voo saía do RJ às 7:50hs da manhã e de SP saía 12:50hs, comemos um lanche em Guarulhos, mas como as pessoas precisam estar no mínimo com 2 horas de antecedência no aeroporto, ou seja, às 10:50hs, acho que seria digno da parte deles oferecer um almoço, até porque as pessoas precisam sair de casa de manhã e se apresentar no portão de embarque com em média 40min de antecedência, ou seja, às 12:10hs. Como alguém iria almoçar antes? E só chegamos em Santiago às 16hs, que no horário de Brasilia seria 17hs. Fora isso tudo tranquilo. Vista linda das cordilheiras. Chegamos em Santiago às 16hs, fizemos imigração, alfândega etc e fomos procurar o transfer que tínhamos contratado da Transvip. Só um parênteses, é proibido entrar no chile com QUALQUER alimento, eles olham tudo no raio x e jogam no lixo. Segundo o guia da Concha y Toro é pra evitar pragas vindas de outros países. Após todos os trâmites, pegamos o transfer compartilhado por 12.000 pesos para o casal. Eles deixaram apenas uma pessoa em Bella Vista e logo depois foi nossa vez. O hotel que escolhemos fica em providência e se chama Oporto Hotel Butique. Gostei muito do hotel, todos os funcionários são muito atenciosos, o café da manhã é muito bom e o bairro é excelente. A localização é boa, mas numa próxima vez eu ficaria mais próximo do metrô. Ficava apenas 15 minutos andando do metrô Los Leones e também do Costanera Center, que inclusive tem um supermercado dentro, mas 15 min andando à noite numa temperatura de 0° é meio pesado, único ponto negativo. Café da manhã do hotel: [/url] Nesse dia como estávamos cansados, apenas fomos ao Costanera comer nossa única REFEIÇÃO do dia, já que a TAM não colaborou rs, passamos no mercado pra comprar água e alguns petiscos e voltamos pro hotel pra dormir. Mas na verdade quando voltamos pro hotel já era cerca de 21hs. O recepcionista nos informou que era muito tranquilo andar ali à noite, que não tem perigo, e realmente todos os dias caminhávamos bastante e nunca vimos nada demais. No Costanera comemos em um restaurante italiano chamado Farina e foi um dos melhores pratos que comi em toda viagem. Era muito bom mesmo e eu sou exigente com massas, meu marido também gostou bastante. 2 pratos de massa e 2 limonadas deu 25.000 pesos (cerca de U$50). Achei um pouco caro comer no Chile no geral. Distância pro Costanera: No dia seguinte: Concha Y Toro, Mercado Municipal, Cerro San Cristóbal, Giratório....
  14. [info]Tópico para compartilhar dicas sobre Santiago, Valparaíso e Viña del Mar Participe! Deixe aqui aquela dica de passeio que você adorou, aquele bar nota 10 que conheceu, daquele restaurante bom e barato ou daquele outro que serve um prato especial que você adorou. Vale também a dica daquela noitada inesquecível que você foi em Santiago, Valparaíso e Viña del Mar. Regras do Tópico Neste tópico não serão aceitas perguntas, apenas dicas sobre Santiago, Valparaíso e Viña del Mar. Perguntas devem ser postadas nos Tópicos de Perguntas e Respostas. Todas as perguntas postadas aqui serão deletadas pelo editor deste fórum.[/info]
×