Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''casablanca''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas Rápidas
    • Perguntas e Respostas & Roteiros
    • Cupons de Desconto
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Companhia para Viajar
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo e Mochilão roots
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 6 registros

  1. Gostaria de compartilhar com vocês minha viagem para Marrocos, muito embora ela tenha sido mais por motivos pessoais do que turísticos. A moeda do Marrocos é o Dirham marroquino. A maioria dos estabelecimentos também aceita euros, mas não cartão de crédito. 1 euro = 11 dirham. Casablanca Casablanca é a maior cidade de Marrocos. Hospedagem Fiquei hospedado na casa de parentes, localizada no bairro de Ain-Diab, bem próximo ao mar e longe do centro da cidade. Transporte O transporte público não funciona bem, com exceção do Casablanca Tramway (bastante limitado, mas pode lhe levar para a praia ou para a estação de trens). As pessoas se deslocam mais de táxi do que de ônibus (segundo alguns relatos que ouvi, o uber é mais caro do que o táxi). Existem dois tipos de táxi: Grand Taxis (brancos) - Possuem rotas definidas (levam do ponto A ao B). Petit Taxis (vermelhos) - Funcionam como um táxi normal. O detalhe interessante é que o táxi é compartilhado. Ou seja, ele pega vários passageiros pelo caminho (exceto se você quiser pagar por todas as vagas). Aeroporto O Aeroporto Mohammed V fica a + ou - 30 km do centro da cidade. É bastante moderno e seguro (só viajantes podem entrar nele). Possui apenas 2 terminais que ficam no mesmo prédio (desembarques no térreo e embarques no primeiro piso). Além do raio-x e de algumas entrevistas e revistas pessoais, você precisa entregar uma espécie de ficha especificando local de hospedagem, profissão, motivo da viagem, etc, tanto na chegada como na saída de Marrocos. Importante: brasileiros precisam mostrar o conteúdo de suas malas na chegada. Pontos turísticos - Mesquita Hassan II É a terceira maior mesquita do mundo e a única que pode ser visitada por não-muçulmanos em Marrocos. Comporta, aproximadamente, 25.000 pessoas. Visitas são guiadas e ocorrem às 09h, 10h, 11h e 14h (na sexta-feira os horários são diferenciados). O valor do ingresso é 120DH. Por mais 10DH você pode visitar o museu da mesquita (não vale a pena, só se você tiver tempo sobrando ou gostar de molduras). - Morocco Mall É o maior shopping center da África. Tem um aquário gigante e vista para o mar na praça de alimentação. Para entrar, você precisa passar por detectores de metal. - Catedral Notre Dame de Lourdes É a maior igreja católica em Casablanca. Vale a visita mesmo se você não for religioso. - Catedral do Sagrado Coração de Casablanca (Catedral Branca) Apesar do nome, deixou de ser igreja em 1956 e hoje é um centro cultural. Bonita por fora, mas infelizmente fechada para reformas. - Quartier Habous Bairro bonito e organizado em Casablanca. Além da arquitetura que se destaca, você também pode visitar o Mercado de Habous (para comprar azeitonas, frutas, roupas típicas e tecidos). - Velha Medina Lá você pode encontrar roupas, joias, peças de metal, louça, madeira e itens de couro. - La Corniche É a praia mais badalada de Casablanca e que possui os melhores restaurantes. Rabat É a capital do Marrocos. Apenas passei o dia na cidade. Foi o bastante para visitar os principais pontos turísticos. Pontos turísticos - Mausoléu de Mohammed V É onde está sepultado o pai e o avô do atual rei de Marrocos. Destaca-se pelo luxo e é protegido pela guarda real. - Torre Hassan É uma mesquita não terminada, ou melhor, é uma torre. Fica no mesmo sítio do mausoléu. - Kasbah dos Oudaias. É uma antiga e bonita fortaleza à beira-mar com corredores estreitos. - Jardim Andaluz É um jardim que fica no caminho para a Kasbah. Marrakech É a cidade mais conhecida do Marrocos e não é à toa: respira e transpira turismo. Porém, se eu tivesse que defini-la em uma única frase: nada é de graça em Marrakech. Uma simples pergunta, uma foto qualquer, uma visita a uma casa marroquina, tudo tem um preço. Hospedagem Fiquei hospedado no Riad Akka. Paguei 65 euros a diária, mas valeu a pena. Localizado dentro da Medina, é seguro, confortável, bonito e limpo. Fica ao lado do Palácio da Bahia e a 800 metros da Praça Jemaa El Fna. Transporte Se você se hospedar dentro da Medina, você não vai precisar usar táxis, exceto para chegar/partir do aeroporto/estação de trem ou para visitar alguns poucos pontos turísticos que vou destacar abaixo. Atenção: Estabeleça o preço antes da corrida ou exija que o taxímetro seja ligado, senão a chance de você ser enganado é de 100%. Pontos turísticos - Palácio da Bahia Palácio maravilhoso onde foram gravados cenas do filme Lawrence da Arábia, dentre outros. O ingresso custa 80DH. - Palácio El Badi Na verdade, são as ruínas que sobraram do palácio. Algumas pessoas adoram, outras acham horrível. Eu gostei bastante, especialmente pela história. o ingresso custa 80DH. - Praça Jemaa El Fna É onde tudo acontece. Durante o dia, você encontra vendedores de frutas, especiarias ou qualquer coisa que você queira comprar, além de encantadores de cobras, macacos para fotos, músicos, mulheres que fazem hena. Mas é durante a noite que a mágica acontece: luzes e sons por todas as partes, barracas de comidas típicas espalhadas pela praça inteira e mais turistas do que você pode imaginar. Vale a pena jantar ou beber algo nos restaurantes que ficam em algum lugar alto ao redor da praça. De cima o show parece maior ainda. Nas redondezas da praça você encontrará a maior parte dos souks que vendem de tudo, desde roupas até perfumes ou peças de metal. - Bairro Judeu Vale a visita pelo contexto histórico e fica no caminho para o Palácio El Badi. - Bab Agnou É um antigo portal da Medina que ainda resiste ao tempo. 2 minutos para olhar o portal e mais 1 minuto para tirar uma foto. - Mesquita Koutoubia Esta mesquita destaca-se na cidade de Marrakech. Próxima à praça Jeema, infelizmente não pode ser visitada por não-muçulmanos. - Tumbas Saadianas Embora não pareça interessante, é um lugar muito bonito. O ingresso custa 80DH. - Museu de Marrakech A arquitetura do local é fascinante. O ingresso custa 80DH. Dentro do museu há um senhor que escreve seu nome em árabe (ou de quem você quiser) em cartões postais. Lindo trabalho. Custa 20DH. - Jardim Secreto É um lugar bonito, mas que deve se destacar mais na primavera. Vale a visita pela calma, paz e silêncio (e pelo wi-fi grátis, pra quem se interessar). O ingresso custa 80DH. Se você quiser visitar a torre tem que pagar mais 30DH (não vale muito a pena). - Museu do Perfume O museu em si não é muito interessante, porém você pode ter uma aula sobre perfumes e fazer um especialmente pra você (com os ingredientes que você escolher). O ingresso custa 40DH. Para fazer um perfume seu (e pela aula), você terá que desembolsar 400DH. - Jardim Majorelle, Museu Berbere e Museu Yves Saint Laurent Para visitar estes locais você vai precisar usar táxis ou tuk tuks ou charretes, pois eles ficam localizados na parte nova da cidade, fora da Medina. O ingresso conjunto para os 3 locais custa 180DH. O Jardim é muito bonito e colorido. Yves Saint Laurent morou dentro do jardim por anos e lá foram espalhadas suas cinzas. O Museu Berbere destaca roupas e joias típicas de várias partes do Marrocos. Vale muito a pena, mas fotos não podem ser tiradas. O Museu Yves Saint Laurent conta a história do estilista por meio de fotos em ordem cronológica e de um filme de uns 10 minutos. Lá você também pode ver as peças de roupa que ele criou (manequins vestidos com as roupas). Infelizmente fotos não podem ser tiradas. - Souks de Marrakech Souks (mercados) são os locais em que você pode comprar desde echarpes/lenços/vestidos até itens de couro, metal, perfumes, especiarias ou recordações da cidade. São muitos, mas a maioria está próximo da Praça Jeema, como salientei acima. Não existe preço tabelado para nada nos souks, exceto comida. O vendedor sempre lhe dará um preço absurdo por aquilo que você quiser comprar. A partir daí começa a negociação: você oferece menos, ele pede mais. Minha dica é: tente pagar 30% do valor pedido inicialmente. Na pior das hipóteses, nunca pague mais do que 50%. Estabeleça seu preço e vá embora se ele não concordar (ele te buscará no corredor, não se preocupe). De qualquer forma, você sempre sairá pensando que pagou demais, mas não deixe este pensamento estragar sua viagem. Procure não demostrar interesse por algo que você não pensa em comprar e/ou não dê atenção aos vendedores, senão eles vão lhe incomodar para você "só dar uma olhada" ou "conferir as promoções". Alguns até lhe seguem, lhe seguram pelo braço, gritam, é bastante chato e constrangedor. Marrakech é o lugar para você ser mal educado: nem responda "bom-dia" aos vendedores (ou responda em francês para que eles não saibam de onde você é e siga em frente sem olhar pra trás). Dicas específicas para Marrakech Como salientei acima, tudo gira em torno de dinheiro em Marrakech. Se você parecer perdido, um bom samaritano surgirá do nada para ajudá-lo e depois pedirá um valor absurdo pela ajuda. Por isso, indico que você tenha um celular com internet ou um bom mapa consigo e, se precisar de ajuda, peça aos policiais ou a outros turistas. Se você tirar fotos das cobras ou dos macacos sem estabelecer um preço antes, os donos pedirão um valor absurdo pelas fotos. Se você precisar trocar dinheiro (câmbio), recomendo o do Hotel Ali. É seguro comer pratos quentes nas barracas da Praça Jeema à noite. Entregue-se...mas confira bem a conta no final (na verdade, confira o troco SEMPRE, em qualquer situação). Guias em Marrakech Cuidado com guias baratos em Marrakech. Na melhor das hipóteses, eles são apenas motoristas que mal falam qualquer língua além do árabe e só atuam como taxistas e não guiais (lhe deixam nos locais com prazo para voltar ao carro). Eu contratei um guia e valeu a pena cada centavo. Paguei caro pois estava sozinho, mas o preço é negociável sempre (quanto mais gente, melhor). Fiquei 3 noites e 4 dias em Marrakech, mas contratei ele por 2 dias (das 09h às 13h, embora ele tenha ficado comigo até às 14h.) Paguei 1400DH. Ele é espetacular e me dava dicas até de preços das coisas. Se alguém tiver interesse, o nome dele é Najib Khelfi. Ele fala árabe, francês e inglês e entende italiano também. Telefone: +212 6 63 09 17 64 (ele responde ao whatsapp). E-mail: [email protected] Também recomendo o Riad Marhbabikoum. Ele é considerado um dos melhores da cidade. Entrei em contato com o dono Khalil e ele me disse que não tinha vagas, mas que conseguiria pra mim em outro local, e assim o fez. É uma pessoa confiável em Marrakech para qualquer indicação. O telefone dele é +212 6 61 34 81 14. Minha viagem para Marrakech foi planejada em cima da hora, então acabei pagando preços mais salgados do que eu esperava com hospedagem e guia, mas valeu MUITO a pena mesmo assim. Não se assuste! Apesar de tudo que narrei de ruim, a cidade é maravilhosa. Sem dúvidas, a viagem mais incrível da minha vida. Eu não sei se posso postar links/endereços aqui, mas meu instagram é carlosrigoni, caso alguém queira ver minhas fotos.
  2. Oi gente, tudo bem? Dia 23/12 estarei indo de Guarulhos pra Cairo com conexão de quase 24h em Casablanca pela Royal Air Maroc, e ficarei um dia/noite em um hotel fornecido pela companhia. Gostaria de saber se vocês já ficaram esse tempo todo por lá, se precisaram trocar dinheiro (se sim, quanto?) porque quanto ao Egito, já estou instruído, mas me sinto 0 preparado pra essa conexão no Marrocos. Não sei nem se vou pegar minha mala ou se ela vai direto pro Cairo!! Se puderem me ajudar com respostas, ficarei muito grato.
  3. 📷 Clique aqui para ler o texto original com fotos. O Marrocos foi o destino mais diferente que já visitei até hoje! Apesar de ter sido pouco tempo, conseguimos conhecer bastante coisa em 7 dias. Estar de carro nos deu mais liberdade para explorar do nosso jeito esse maravilhoso país de paisagens, costumes e sabores tão diferentes! É importante entender que a cultura marroquina é muito diferente da ocidental e, assim como em qualquer outro país, é preciso respeitar suas regras e tradições, concordando ou não com elas. Como passar uma noite no Deserto do Saara? Informações básicas Capital: Rabat Moeda: Dirham Marroquino (1€ = 10DH aproximadamente) Língua: A língua oficial é o árabe, mas o francês também é muito falado. Há também o berbere, que é a língua do povo do deserto. Dá pra se virar bem com inglês e em alguns casos espanhol. Religião: O islamismo é a religião predominante. Cerca de 99% da população é muçulmana. Fuso horário: O Marrocos está 4 horas adiantado em relação ao Brasil (horário de Brasília) e é o mesmo horário de Portugal continental. Glossário Medina: Parte mais antiga da cidade, geralmente composta por uma praça central e um labirinto de ruas e becos cercados por uma muralha. Souks: Mercados de rua onde se vende de tudo: Temperos, roupas, artesanato, itens de decoração etc. Eles ficam sempre dentro da medina. Riad: Casa típica marroquina transformada em alojamento para hóspedes. Geralmente há um pátio central e os quartos são dispostos ao redor dele, espalhados pelos andares do pequeno prédio. Há desde opções mais simples, como hostels, até os riads de luxo. Mesquita: Local de culto religioso dos muçulmanos. Sukran: Obrigado Salaam Aleikum: Expressão usada para cumprimentar ao chegar em um lugar. Literalmente traduzido como “que a paz esteja convosco”. Como se vestir no Marrocos? Tanto mulheres quanto homens marroquinos usam muito o djellaba, uma espécie de túnica longa de manga comprida, com ou sem capuz, geralmente usada com calças por baixo. As mulheres geralmente usam o véu na cabeça e os homens costumam usar o babouche, uma sandália de bico pontudo aberta no calcanhar. As cores e estampas são as mais diversas possíveis. As mulheres de uma das vertentes do islã usam a burca, peça única que cobre todo o corpo, deixando só os olhos descobertos (as vezes cobertos com uma rede). As mãos ficam cobertas por luvas. Essa vestimenta é mais comum nas pequenas vilas do interior do país do que nas cidades maiores como Casablanca e Marraquexe. Para os turistas não há muitas regras. É recomendável usar roupas mais discretas como calças, saias ou vestidos longos, preferir blusas sem decotes ou alças e evitar peças muito justas. O lenço não é obrigatório para as mulheres, mas é um bom item para cobrir ombros ou pernas caso esteja se sentindo desconfortável com os olhares. É só usar o bom senso e respeitar a cultura deles que estará tudo certo! Quando viajar para o Marrocos? O clima no Marrocos é bem variado, até porque é um país que tem uma geografia que vai da praia ao deserto, da cidade à montanha. A minha experiência foi no começo de Junho, quase Verão. Já estava bem quente, pelos 30º, mas nada impossível de lidar. Tanto nas cidades quanto no deserto fazia muito calor durante o dia e uma brisa bem leve à noite. Nos meses de inverno a temperatura cai um pouco, há mais umidade e até neve nas montanhas do Médio e Alto Atlas. De modo geral as épocas mais recomendadas para visitar o Marrocos são a Primavera e o Outono, quando o clima está mais equilibrado. Se o destino for de praia, o Verão pode ser uma boa opção, assim como o Inverno, caso queira esquiar na neve. Como dirigir no Marrocos? Para dirigir no Marrocos não é preciso carteira de habilitação internacional. Tanto a brasileira quanto a europeia são válidas. É muito recomendado reservar o carro com antecedência. Há muitas blitz nas estradas, especialmente nas entradas e saídas das cidades, por isso esteja sempre atento à velocidade, cinto de segurança na frente e atrás e documentos em dia, claro! Caso leve multa, o pagamento é feito na hora. A maioria dos policiais foram simpáticos, mas eles claramente buscam algo de errado para poderem aplicar uma multa. As estradas são boas e tem sinalização em árabe e (geralmente) francês, mas nas cidades o trânsito é completamente caótico! Em muitos lugares há “flanelinhas” para estacionar na rua, se for o caso, negocie o preço. Os trajetos costumam ser longos e as vezes muito sinuosos, então o ideal é ter mais de uma pessoa para revezar na direção. Se for no verão ou mesmo um pouco antes, certifique-se de que o carro tem ar condicionado! Segurança no Marrocos No geral, eu me senti bastante segura no Marrocos, mas estávamos em um grupo de dois homens e duas mulheres. Talvez para uma mulher sozinha seja preciso um pouco mais de cuidado. Por ter lido muitos relatos preocupantes em relação à isso, estávamos atentos à possibilidade de golpes, mas com o tempo relaxamos e percebemos que apesar de existir esse tipo de perigo, a maioria dos marroquinos está realmente só querendo ajudar e ser atencioso. O tempo todo há pessoas oferecendo insistentemente de tudo: produtos das suas lojas nos souks, passeios, restaurantes e até drogas! Mas se não der atenção por algum tempo eles param, não há violência. O que existe de fato, assim como no Brasil e na Europa, são batedores de carteira. Mas é só ter atenção com seus pertences, especialmente nas Medinas, que estará tudo bem. Casablanca foi o lugar onde me senti mais intimidada, tanto com os olhares quanto com a dinâmica da cidade, caótica e muito suja. Mas ainda assim não houve nenhum perigo real. Uma coisa a ter atenção para não criar problemas é com o registro em fotos e vídeos. Se você pedir autorização prévia, eles geralmente aceitam aparecer ou deixam que fotografe seus produtos, caso contrário eles podem pedir que apague e muito provavelmente vão te dar uma bronca! Alimentação no Marrocos A gastronomia marroquina é muito rica em sabores! Ao andar pelas medinas a fome é constante, já que é impossível não se embriagar com o aroma dos temperos das mais variadas cores e paladares, sempre empilhados em formato de pirâmide. Os pratos mais famosos são o tajine e o cuzcuz. O primeiro é como um cozido, preparado em um recipiente que também se chama tajine e é geralmente feito de barro. A receita pode variar muito, geralmente as opções são carne, frango ou vegetariano. O cuzcuz marroquino também tem opções carnívoras e vegetarianas, sendo que a “mistura” fica por cima de uma base de cuzcuz. Outros itens na lista de iguarias maroquinas são o shoarma, espécie de sanduíche de carnes variadas enroladas no pão pita, entradinhas como o baba ganoush e o hummus, e ingredientes como azeitonas, tâmaras e frutos secos. Pela manhã é comum ter uma espécie de panqueca, sempre acompanhada de geléias e mel. No Marrocos praticamente não há bebida alcoolica. Em geral só é possível encontrar vinho, cerveja ou qualquer outra bebida em mercados grandes e afastados do centro ou em hóteis e restaurantes internacionais. O que se bebe frequentemente no país é chá de menta, faça frio ou calor! Não tivemos nenhum problema em relação à alimentação, mas é importante ficar atento pois nas barracas de rua não há muita higiene. Também não é recomendado consumir água da torneira. Roteiro 7 dias no Marrocos Nosso roteiro foi de 7 dias, ida e volta de Lisboa para Casablanca em Junho de 2019. Todo o trajeto foi feito de carro. Dia 1 – Lisboa -> Casablanca -> Marraquexe Chegada em Marraquexe no fim da tarde. Janta e passeio pela Medina. Hospedagem: Oasis Hostel Tempo aproximado dirigindo: 03:00 Dia 2 – Marraquexe Dia inteiro em Marraquexe. Passeio pela Medina, compras no souk, visita ao Palais Bahia. Hospedagem: Oasis Hostel Tempo aproximado dirigindo: 00:00 Dia 3 – Marraquexe -> Ouarzazate -> Garganta de Dades Saída de Marraquexe de manhã, parada para almoço em Ouarzazate, passeio pela Garganta de Dadès e pernoite em Boumalne. Hospedagem: Dar Outeba Tempo aproximado dirigindo: 06:00 Dia 4 – Garganta de Dades -> Garganta de Todra -> Merzouga (noite no deserto) Saída de Boumalne de manhã, passagem pela Garganta de Todra, chegada em Merzouga no meio da tarde e saída para a noite no deserto pelas 17:00. Leia aqui como é passar uma noite no Deserto do Saara! Hospedagem: Tenda no Deserto Tempo aproximado dirigindo: 04:00 Dia 5 – Merzouga -> Casablanca Saída de Merzouga de manhã e chegada à Casablanca no final da tarde. Hospedagem: Airbnb Tempo aproximado dirigindo: 09:00 Dia 6 – Casablanca Visita à Mesquita Hassam II, passeio pela Medina e o Souk, caminhada na beira do mar. Hospedagem: Airbnb Tempo aproximado dirigindo: 00:00 Dia 7 – Casablanca -> Lisboa Entrega do apartamento e saída para o aeroporto. Hospedagem: – Tempo aproximado dirigindo: 00:30 A única coisa que eu mudaria desse roteiro seria o trecho de Casablanca. Só há uma atração que realmente vale a pena na cidade, a Mesquita Hassan II, então meio dia é suficiente. Acho que teria sido mais interessante conhecer Fez ou Chefchaouen. 📷 Clique aqui para ler o texto original com fotos.
  4. Olá Mochileiros! Irei em agosto para o Chile e uma das minhas tantas dúvidas era quanto me custaria estar por lá durante uma semana. Para tanto fiz um esboço de roteiro que irá contemplar uma diversidade de atividades, que serão alteradas ainda devido à proximidade da viagem, clima na semana e disponibilização do calendário do Campeonato Chileno de Futebol (pois quero ver um jogo). Todavia, segue o esboço de forma que outros viajantes tenham uma noção de preços, e o que fazer. Fico à disposição para discutir possibilidades, sanar dúvidas e ouvir sugestões. CRONOGRAMA CHILE-1.pdf
  5. Devo viajar de São Paulo a Lisboa, com uma parada de apenas 1 hora e 50 minutos em Casablanca para troca de aeronave. Os dois vôos estão no mesmo bilhete. Terei que passar por toda a rotina de verificação do aeroporto? Pegar e despachar as malas novamente? Como deverei agir para não correr risco de perder o próximo vôo? Obrigada.
  6. Primeiramente quero agradecer o site e aqueles que indiretamente me ajudaram a montar meu roteiro. Então vamos lá, vou tentar escrever os detalhes essenciais nos quais me fizeram vir aqui inúmeras vezes. Bom, Marrocos era sonho exótico de uns longos anos, sou apaixonada por dança, musica árabe, e também já estava na hora de dar um primeiro passo na África, enfim este país foi o escolhido. Minhas ideias loucas com a europa, partem do principio em sempre fazer conexão em Paris, assim alguns dias livres, conheço outros países com calma, sem me limitar somente as capitais. Tentarei finalizar meu relato, pq as vezes esqueço, devido o tempo e acho que ja deixei algum relato por ai inacabado rsrs Trajeto realizado: 14/12/2014 Paris- Marrakech Marrakech – tour 2 noite e 1 dia ( rumo ao deserto) 15/12 – cidade de Quarzazate 16/12 – chegando em Merzouga, rumo as dunas 17/12 – volta a Marrakech, mas pulei da vam rumo ( pulo em Meknes) a Fés 17/12 e 18/12 – Fés 18/12 – Chefchaoeun 19/12 – Chefchaoeun 20/12 – Casablanca/ Rabat 21/12- Casablanca 22/12 – Marrakech Comprei uma passagem no vôo easyjet saindo direto do aeroporto Paris- Charles de Gaule à Marrakech Vôo custou : 80 € Contudo paguei assento,seguro e malas, melhor coisa que fiz foi escolher o assento, graça a deussss!!!! Tudo saiu por 165,08 €, caro mais enfim um investimento, depois vi preços melhores. Nada de arrependimento rs O que levei? Uma mochila de 25 litros contendo: 2 calças, 2 blusas, 1 fleece, 1 casaco, 1 echarpe, 1 toalha, 1 havaina, roupas intimas, perfume, escova de dente e creme dental. ( fim) Documentos , câmera, fone de ouvid, shapoom e sabonete. Dinheiro: 400 euros, seguindo meus objetivos, economizaria 200 euros, mas como esbanjei nos presentes, sobrou 80 euros. 1 euro = 10. 80 D dirhams Saindo de Paris, atendimento excelente da empresa, super educados, diferente dos seus clientes, teve atropelos, empurra empurra de malas, isso se estendeu ate a chegada ao aeroporto de Marrakech. Estava muito ansiosa, mas cansada devido a viagem anterior, sentei na janela, assim virei e durmi. Ao meu lado sentaram dois árabes ( marroquinos) creio. Enfim, devido ao cansaço dormi, e acordei com pulo, cara do lado estava com mão em cima da minha coxa, ele so tirou a mão e baixou a toca cobrindo o seu rosto. Fiquei sem ação, não disse uma palavra, mas também evitei, para não dar margem para uma conversa longa e talvez com bastante baixaria rsrs Pensei, meu deus porque não chega logo, parece tão perto no mapa rsrs, rezei ave maria, pai nosso, e dormi de novo. E acordei ao barulho da aeromoça passando com carrinho de vendas, e bonitão virado pra mim com pernas cruzadas lendo uma revista (folheando, eu sei lá), ele tinha levantado o braço da cadeira. Quando me virei, ele deixou a revista cair em cima de mim, ahhhhh pra que???!!! Não disse uma palavra so fiz gestos, tipo não toca em mim porra, baixei o braço da cadeira, sendo reforçado pela aeromoça. Ele pediu desculpas em francês, mas não falei nenhuma palavra. Segui as recomendações de uns amigos, tipo se falo alguma coisa que eles entendam, não vão me deixar em paz tão cedo, vai insistir e insistir. Chegando ao aeroporto, coração a mil, e com olhar de matar pro cara ao lado. Enfim, Marrakech, teve empurra empurra, povo não respeita a fila, um policia gritando: passaporte em mãos!!, quando tirei o passaporte do casaco,o policial viu e disse: Brésil, Brésil!! Rsrs enfim povo pegando papel para preencher, e eu procurando uma alma gringa pra emprestar uma caneta. Imigração é desastrosa, eles carimbam na ultima pagina do seu passaporte affs!!!! Participo bom tempo do couchsurfing, tentei fazer contatos, apesar de ler alguns relatos que muitos desses encontros foram desastrosos e se sentiram pressionados a fazerem algum tour, ou seja, maioria do povo marroquino que participa do couchsurfing esta envolvido com turismo. Mas tentei, fiz um contato com um rapaz chamado Samir, aparentemente legal, levei ate um presentinho que no fim da historia voltou comigo, em breve saberão o porquê! E fiz também contato com uma menina muitoo legal, show de bola chamada Kouloud, ela me fez conhecer tudo o que eu não tive oportunidade em ver antes de chegar em Casablanca. Voltando ao aeroporto de Marrakech, encontrei o Samir cara fechado, claro né, disse o horário do voo errado, ele tava me esperando a mais de 3 horas vixiiii Nada cordial, foi logo reclamando do atraso, e eu pedindo mil desculpas, saindo do aeroporto troquei 200 euros = 2.160,00 D Fomos ao ponto de ônibus, discutimos sobre o preço, sobre eu não ficar na sua casa, sobre eu não ter decidio fazer o tour do deserto... stress, stress Paguei 30 D no bus que vai direto a praça Place Jemaa El fna Reservei 2 noites no hostel Riad Dia em quarto com 12 camas, paguei 21 euros, recomendo, apesar do transito de hospedes, a recepção é agradável, a senhora que administra é atenciosa, fz de tudo para você se sentir a vontade. Aprovado!! E mais fica próximo a praça. O samir me acompanhou ate o hostel, lá cortei ele diversas vezes sobre o tour do dia seguinte, enfim nos despedimos, caso eu mudasse de ideia, enviaria uma mensagem a ele. Cheguei em Marrakech por volta das 10:30, então sai para encarar tal praça e melhor o mercado da cidade. Vi muitos turistas, então achei que não haveria problemas em andar sozinha, errado, tive e muitos, a cada passo era parada por alguém, como tava sozinha ( evidentemente), era visível, então aproveitavam, começavam com perguntas: Espanhola?? Mexicana?? Bonjour! Buenos Dias!!, e assim vinham repertorio completo de palavras isoladas, depois pediam em casamento, alguns tentavam me puxa, foi um inferno!!! Já no mercado, me infiltrei em grupo de gringos, andei com eles, fui a 2 museus rsrs 60 D Museu Depois tentei mais uma vez anda pelo mercado, fiquei pouco assustada, mal humorada, sem noção do que fazer, a praça tava sem graça, cobras magras, não vi agitação. Fiquei deprimida. Voltei ao hostel, tomei um banho e cai na cama para pensar no 1 dia, então decidi partir pro tour ao deserto, e fechei la msm no hostel por 80 euros ( 2 noite e 1 dia), esse passeio inclui estadia, café da manhã e jantar, almoço ficava por nossa conta, ou seja, era sempre no restaurante escolhido por eles, então o preço girava em torno de 100 D e 120 D, parece barato ao converter....mas para os padrões do Marrocos é bem caro. Não estou chorando na miséria, mas pago o que é justo rsrs Enfim cedo de manhã, tudo arrumado, café bem caprichado por 15 D Partimos para tão sonhado tour, nosso guia era bastante animado, mas ainda por saber que havia 4 brasileiros, fiz amizade com outros, gente maravilhosa e espero reencontra-los por esse mundão. Bom o passeio fomos rumo ao Alto Atlas, creio rsrs, incrível como a paisagem muda repentinamente, de neve ao céu azul, magnífico Ourzazate, passeio bem gringo, bem turístico, acompanhado de um guia, contando e mostrando tudo sobre a cidade. Após o passeio fomos almoçar, paguei 100 D, entendi somente no segundo dia que frutas da estação é sempre a mexerica rsrs, então não pedi mais, ate porque deveriam dar de graça, ao invés de ser paga, tudo quanto é canto da cidade tem essa fruta. Passamos a noite em hotel em meio as rochas, no dia seguinte fomos a um vilarejo conhecer pouco da cultura local, uma forma também de vender alguns produtos, depois fomos a Garganta de Dades, lindo, impressionante as paisagens.
×
×
  • Criar Novo...