Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''chefchaouen''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas Rápidas
    • Perguntas e Respostas & Roteiros
    • Cupons de Desconto
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Companhia para Viajar
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo e Mochilão roots
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 2 registros

  1. Olá, pessoal que frequenta o site “Mochileiros.com”. Depois de muita enrolação, segue aqui o meu relato de uma viagem de 16 dias pelo Marrocos, a partir da Espanha, de 31 de outubro a 15 de novembro de 2017. Fez parte de uma viagem maior que começou em 30 de agosto e em que percorri Portugal, Suíça, Itália, Londres, Paris, Madri, e que finalizei com o Marrocos. Por sua vez, essa viagem “maior” fez parte de um 2017 semi-sabático e que me trouxe muuuita realização. As informações que obtive neste site nessa e em praticamente todas minhas viagens recentes sempre foram muito relevantes. Então, está aqui minha retribuição. Precisando, é só entrar em contato que tenho o maior prazer em ajudar a esclarecer qualquer dúvida. Vamos lá: 30-10: Da estação Sur de autobus de Madrid (bem próxima ao metrô Mendes Alvaro, uns dois minutos a pé) pra Tânger, no Marrocos (passagem comprada pela Internet da “InterBus” dois dias antes – três trechos, de ônibus entre Madrid/Algeciras, das 22:00 às 6:00, e depois, saindo literalmente ao lado de onde o ônibus anterior te deixa, para o trecho Algeciras/Tarifa, das 7:00 às 7:35 - e travessia do Estreito de Gibraltar, a partir das 8:00, tudo por uns € 65,00 – no detalhamento da passagem, só a travessia do estreito consome € 38,00). O trecho intermediário não estava explícito na passagem, o que me preocupou um pouco, mas deu tudo certo. Detalhe: é bom ficar de olho nesta passagem pra quem pretende fazer esse trecho de ônibus, pois, ao contrário do Brasil, não é tão comum se viajar de ônibus pela Europa, ou seja, as passagens podem se esgotar, a depender do trecho em questão. Então, é bom compra-la o quanto antes. Teria sido possível um preço melhor se tivesse comprado ainda antes, mas tinha dúvidas quanto a permanecer ou não mais dias na Espanha (acabei ficando um pouco mais do que o previsto, pois Madri mereceu, êta cidade incrível). 31-10: Uma dúvida que me consumiu nesta viagem foi quanto ao tempo necessário pra aduana, imaginava que poderia não ser suficiente. Mas, na verdade, a “aduana” Espanha-Marrocos é feita na própria embarcação e até que foi rápido. Me pareceu que a embarcação só parte depois que a aduana encerra seus trabalhos. Ou seja, sem estresse. Chegando a Tânger, consegui uma carona até a rodoviária ao ajudar uma senhora com suas malas. Como teria 16 dias no Marrocos e estava ansioso para chegar em Chefchaouen, abri mão de conhecer Tânger, que me pareceu uma cidade super interessante e de boa infraestrutura urbana, para os padrões de uma país emergente. Fica pra próxima viagem. Por 35 dirhans (a moeda marroquina) o equivalente a três euros, comprei uma passagem pra Chefchaouen. Pra se ter uma base, taxistas se ofereciam pra fazer o trajeto por 60 euros. Cada euro vale 11 dirhans. Façam as contas e vejam de quanto seriam as perdas. Foi uma viagem de pouco mais de 100 km feitos em quase três horas. Mas valeu imensamente pela economia. Além de que, te dá uma noção da realidade marroquina e passa por Tetuão, uma das mais importantes do norte do Marrocos. Chegando em Chefchaouen, neguei todo o assédio de taxistas e quem mais fosse que oferecia serviços e hotel, pra conseguir chegar sozinho às proximidades da medina (cidade velha), a menos de 1,5 km, e procurar um hotel. Achei o Hotel Zerktouni (bem simples), na Rua Zerktouni, 9 (tel 0539882694). Assim como a maioria dos hotéis locais, alguém sempre fala espanhol ou algo parecido, então dá pra se virar numa boa. 100 dirhans por uma diária. Viva o Marrocos I. Deixei minhas coisas e fui pra medina, a menos de 100 metros do hotel. Pra quem não sabe, medina é o que corresponderia ao centro histórico de uma cidade marroquina, cercado por muralhas. Nela, funcionam mercados, feiras, casas de artesãos, barbearias, mesquitas, lares, restaurantes, ambulantes e todo tipo de comércio tradicional. Geralmente, são muito interessantes e tentadores para “ocidentais”. E bem fáceis de se perder, é sempre bom estar acompanhado por um mapa ou ter algum ponto de referência, como um cartão do hotel ou uma mesquita mais famosa (sempre há inúmeras, pra todo lado). E é um lugar privilegiado para se entrar em contato com o que há de mais tradicional no país, e, ao contrário do que se vê mundo afora, ou seja, muita coisa fake, aqui tudo me pareceu autêntico. Por exemplo, as pessoas vestem o que realmente corresponde aos seus hábitos. Mas é perceptível que, fora da medina, diminui consideravelmente o número de pessoas com indumentária tradicional, e o comércio vende de tudo que se venderia no Brasil, por exemplo. Andei um pouco ao léu, fiz uma refeição (delicioso tajine de frango ao molho de limão com batatas fritas e suco de laranja natural por 47 dirhans, pouco mais de 4 euros, no restaurante Assaada, bem próximo à porta “Bab El Aín” da medina). Viva o Marrocos II. Quem viaja pra cá vai sempre encontrar essa opção de alimento, que é o Tajine, uma modalidade de preparo, servido quentinho em uma espécie de prato de barro coberto por uma tampa também de barro que conserva o calor por um certo tempo. Tem de vários tipos. Continuei andando pela medina, tirei fotos de casinhas e cenários azuis – o forte de Chefchaouen - e fui parar na mesquita espanhola, como eles chamam uma certa construção já fora da cidade mas bem próximo dela, a uns cinco minutos de caminhada após atravessar a porta Bab Onsar, e o rio Ras El Maa, e indo um pouco além, até alcançar a tal mesquita, pequenina e que nunca chegou a ser usada, que dá pra uma bela vista panorâmica dos arredores. Voltei, me perdi, me reencontrei geograficamente, belisquei “docinhos-mara”, comprei pão caseiro e queijo. Show de bola. Daí você volta pro hotel e dá de cara com gente ali ajoelhada fazendo orações, sem falar das mesquitas que, cinco vezes ao dia, anunciam as preces em alto e bom som. Benvindo ao Marrocos. Obs: Chefchaouen se mostrou um bom lugar para trocar euros por dirhans. Aqui encontrei quem me desse 10,80 dirhans por euro, o que é praticamente a cotação que aparece na net como câmbio oficial. Não sei como seria em Tânger, pois não tive a oportunidade de explorá-la, tão grande era minha vontade de conhecer Chefchaouen. OBS: na verdade, depois de 16 dias no Marrocos, verifiquei que as casas de câmbio praticam valores muuuito parecidos, todas nessa faixa. Foto: Chefchauen (significa algo como “olhe as montanhas”) vista da “casbá”, ou seja, a parte fortificada da medina. Esta cidade se tornou minha maior paixão no Marrocos. Chama atenção pela maioria das casas adotarem uma coloração azul. A origem disso é incerta, mas parece estar ligado a tradições judaicas, seus primeiros habitantes. Mas há também quem diga que essa cor espanta mosquitos. 01-11: Acordei tarde, me distrai com a internet, mensagens, facebook. Ontem, zanzando por aqui encontrei outro hotel mais barato, mais limpinho e dentro da medina (Hotel Abi Khancha, em frente à mesquita de mesmo nome, Avenue Assaida Alhorra, 57, por 60 dirhans a diária, tel. +212539986879, +212602246223 e +212626878426, [email protected]) e lá fui eu trocar de hospedagem. Fiquei tão entusiasmado com o dia anterior que resolvi abdicar das trilhas que pretendia fazer nos arredores em prol de mais uma procura pelos melhores ângulos da cidade azul. E valeu a pena, pois ela não decepciona. É única mesmo. Além do entusiasmo com a cidade, incrível, tem o fato de se estar mergulhando na rotina local, com tudo o que ela contém e ainda mais na cidade velha (a medina), com aquele “trupé” de mulas, motos, corredores estreitos, pórticos, pequenas praças e feiras, o colorido dos produtos à venda expostos nos muros e nas lojas, os habitantes locais entrando e saindo das mesquitas (numerosas, em todo lugar tem uma), enfim, a realidade marroquina em gênero, número e grau, com toda sua intensidade em odores, cores e afetos, é notório que esse país não quer que você fique indiferente a ele. Encantador e envolvente. E assim foi o dia, entre mercados de rua com produtos ultracoloridos, comidinhas e bebidinhas curiosas (tipo suco de tâmara, muito doce mas tem lá seu valor gastronômico, por 12 dirhans). Mandei pro papo também um tajine de carne com ovo (30 dirhans) e um cuscuz de carne de cordeiro com legumes (35 dirhans), mais suco de laranja (a laranja daqui tem um “tchan” – 12 dirhans – na Espanha é quase sempre extremamente ácida). No caso do cuscuz, é praticamente o que se come em Pernambuco e diferente do baiano, ou seja, feito com farinha de milho mas comido seco, com a carne e os legumes por cima. Muito bom! Foto: sucessão de construções coloridas na medina, com o onipresente azul. É tudo assim grudadinho uma casa na outra, dando pra corredores estreitos pra circulação (carros não entram). E muitas parreiras nos telhados. Às vezes, formam um verdadeiro túnel com seu emaranhado. Pra quem puder, procurem ficar hospedados dentro da medina para se ter uma noção melhor do que há de mais tradicional por aqui. Foto: ruelas estreitas com produtos à venda nos muros. Fotos: dois dos recantos mais charmosos da medina em Chefchauen.
  2. Primeiramente quero agradecer o site e aqueles que indiretamente me ajudaram a montar meu roteiro. Então vamos lá, vou tentar escrever os detalhes essenciais nos quais me fizeram vir aqui inúmeras vezes. Bom, Marrocos era sonho exótico de uns longos anos, sou apaixonada por dança, musica árabe, e também já estava na hora de dar um primeiro passo na África, enfim este país foi o escolhido. Minhas ideias loucas com a europa, partem do principio em sempre fazer conexão em Paris, assim alguns dias livres, conheço outros países com calma, sem me limitar somente as capitais. Tentarei finalizar meu relato, pq as vezes esqueço, devido o tempo e acho que ja deixei algum relato por ai inacabado rsrs Trajeto realizado: 14/12/2014 Paris- Marrakech Marrakech – tour 2 noite e 1 dia ( rumo ao deserto) 15/12 – cidade de Quarzazate 16/12 – chegando em Merzouga, rumo as dunas 17/12 – volta a Marrakech, mas pulei da vam rumo ( pulo em Meknes) a Fés 17/12 e 18/12 – Fés 18/12 – Chefchaoeun 19/12 – Chefchaoeun 20/12 – Casablanca/ Rabat 21/12- Casablanca 22/12 – Marrakech Comprei uma passagem no vôo easyjet saindo direto do aeroporto Paris- Charles de Gaule à Marrakech Vôo custou : 80 € Contudo paguei assento,seguro e malas, melhor coisa que fiz foi escolher o assento, graça a deussss!!!! Tudo saiu por 165,08 €, caro mais enfim um investimento, depois vi preços melhores. Nada de arrependimento rs O que levei? Uma mochila de 25 litros contendo: 2 calças, 2 blusas, 1 fleece, 1 casaco, 1 echarpe, 1 toalha, 1 havaina, roupas intimas, perfume, escova de dente e creme dental. ( fim) Documentos , câmera, fone de ouvid, shapoom e sabonete. Dinheiro: 400 euros, seguindo meus objetivos, economizaria 200 euros, mas como esbanjei nos presentes, sobrou 80 euros. 1 euro = 10. 80 D dirhams Saindo de Paris, atendimento excelente da empresa, super educados, diferente dos seus clientes, teve atropelos, empurra empurra de malas, isso se estendeu ate a chegada ao aeroporto de Marrakech. Estava muito ansiosa, mas cansada devido a viagem anterior, sentei na janela, assim virei e durmi. Ao meu lado sentaram dois árabes ( marroquinos) creio. Enfim, devido ao cansaço dormi, e acordei com pulo, cara do lado estava com mão em cima da minha coxa, ele so tirou a mão e baixou a toca cobrindo o seu rosto. Fiquei sem ação, não disse uma palavra, mas também evitei, para não dar margem para uma conversa longa e talvez com bastante baixaria rsrs Pensei, meu deus porque não chega logo, parece tão perto no mapa rsrs, rezei ave maria, pai nosso, e dormi de novo. E acordei ao barulho da aeromoça passando com carrinho de vendas, e bonitão virado pra mim com pernas cruzadas lendo uma revista (folheando, eu sei lá), ele tinha levantado o braço da cadeira. Quando me virei, ele deixou a revista cair em cima de mim, ahhhhh pra que???!!! Não disse uma palavra so fiz gestos, tipo não toca em mim porra, baixei o braço da cadeira, sendo reforçado pela aeromoça. Ele pediu desculpas em francês, mas não falei nenhuma palavra. Segui as recomendações de uns amigos, tipo se falo alguma coisa que eles entendam, não vão me deixar em paz tão cedo, vai insistir e insistir. Chegando ao aeroporto, coração a mil, e com olhar de matar pro cara ao lado. Enfim, Marrakech, teve empurra empurra, povo não respeita a fila, um policia gritando: passaporte em mãos!!, quando tirei o passaporte do casaco,o policial viu e disse: Brésil, Brésil!! Rsrs enfim povo pegando papel para preencher, e eu procurando uma alma gringa pra emprestar uma caneta. Imigração é desastrosa, eles carimbam na ultima pagina do seu passaporte affs!!!! Participo bom tempo do couchsurfing, tentei fazer contatos, apesar de ler alguns relatos que muitos desses encontros foram desastrosos e se sentiram pressionados a fazerem algum tour, ou seja, maioria do povo marroquino que participa do couchsurfing esta envolvido com turismo. Mas tentei, fiz um contato com um rapaz chamado Samir, aparentemente legal, levei ate um presentinho que no fim da historia voltou comigo, em breve saberão o porquê! E fiz também contato com uma menina muitoo legal, show de bola chamada Kouloud, ela me fez conhecer tudo o que eu não tive oportunidade em ver antes de chegar em Casablanca. Voltando ao aeroporto de Marrakech, encontrei o Samir cara fechado, claro né, disse o horário do voo errado, ele tava me esperando a mais de 3 horas vixiiii Nada cordial, foi logo reclamando do atraso, e eu pedindo mil desculpas, saindo do aeroporto troquei 200 euros = 2.160,00 D Fomos ao ponto de ônibus, discutimos sobre o preço, sobre eu não ficar na sua casa, sobre eu não ter decidio fazer o tour do deserto... stress, stress Paguei 30 D no bus que vai direto a praça Place Jemaa El fna Reservei 2 noites no hostel Riad Dia em quarto com 12 camas, paguei 21 euros, recomendo, apesar do transito de hospedes, a recepção é agradável, a senhora que administra é atenciosa, fz de tudo para você se sentir a vontade. Aprovado!! E mais fica próximo a praça. O samir me acompanhou ate o hostel, lá cortei ele diversas vezes sobre o tour do dia seguinte, enfim nos despedimos, caso eu mudasse de ideia, enviaria uma mensagem a ele. Cheguei em Marrakech por volta das 10:30, então sai para encarar tal praça e melhor o mercado da cidade. Vi muitos turistas, então achei que não haveria problemas em andar sozinha, errado, tive e muitos, a cada passo era parada por alguém, como tava sozinha ( evidentemente), era visível, então aproveitavam, começavam com perguntas: Espanhola?? Mexicana?? Bonjour! Buenos Dias!!, e assim vinham repertorio completo de palavras isoladas, depois pediam em casamento, alguns tentavam me puxa, foi um inferno!!! Já no mercado, me infiltrei em grupo de gringos, andei com eles, fui a 2 museus rsrs 60 D Museu Depois tentei mais uma vez anda pelo mercado, fiquei pouco assustada, mal humorada, sem noção do que fazer, a praça tava sem graça, cobras magras, não vi agitação. Fiquei deprimida. Voltei ao hostel, tomei um banho e cai na cama para pensar no 1 dia, então decidi partir pro tour ao deserto, e fechei la msm no hostel por 80 euros ( 2 noite e 1 dia), esse passeio inclui estadia, café da manhã e jantar, almoço ficava por nossa conta, ou seja, era sempre no restaurante escolhido por eles, então o preço girava em torno de 100 D e 120 D, parece barato ao converter....mas para os padrões do Marrocos é bem caro. Não estou chorando na miséria, mas pago o que é justo rsrs Enfim cedo de manhã, tudo arrumado, café bem caprichado por 15 D Partimos para tão sonhado tour, nosso guia era bastante animado, mas ainda por saber que havia 4 brasileiros, fiz amizade com outros, gente maravilhosa e espero reencontra-los por esse mundão. Bom o passeio fomos rumo ao Alto Atlas, creio rsrs, incrível como a paisagem muda repentinamente, de neve ao céu azul, magnífico Ourzazate, passeio bem gringo, bem turístico, acompanhado de um guia, contando e mostrando tudo sobre a cidade. Após o passeio fomos almoçar, paguei 100 D, entendi somente no segundo dia que frutas da estação é sempre a mexerica rsrs, então não pedi mais, ate porque deveriam dar de graça, ao invés de ser paga, tudo quanto é canto da cidade tem essa fruta. Passamos a noite em hotel em meio as rochas, no dia seguinte fomos a um vilarejo conhecer pouco da cultura local, uma forma também de vender alguns produtos, depois fomos a Garganta de Dades, lindo, impressionante as paisagens.
×
×
  • Criar Novo...