Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''deserto do saara''.

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Fazer perguntas
    • Perguntas Rápidas
    • Perguntas e Respostas & Roteiros
  • Encontrar Companhia para Viajar
    • Companhia para Viajar
  • Enviar e ler Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Planejar e relatar experiências em Trilhas e Travessias
    • Trilhas e Travessias
  • Tirar dúvidas e avaliar Equipamentos
    • Equipamentos
  • Outros Fóruns
    • Demais Fóruns
    • Saúde do Viajante
    • Notícias e Eventos

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que contenham...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 4 registros

  1. 📷 Texto original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/deserto-do-saara-roteiro/ É difícil não colocar uma noite sob o estrelado céu do Deserto do Saara como a melhor parte de uma viagem cheia de pontos altos pelo Marrocos! Várias empresas, hotéis e hostels oferecem roteiros até o Deserto saindo de Marraquexe e outras cidades do Marrocos, mas como estávamos em quatro e a ideia de passar a maior parte do tempo em um ônibus turístico não agradava a nenhum de nós, decidimos alugar um carro e fazer o trajeto por conta. Depois de passar pelas cidades de Marraquexe e Ouarzazate, pelas sinuosas montanhas do Alto Atlas e as cenográficas Gargantas de Dadès e Todra, chegamos finalmente à Merzouga, a porta de entrada para o Deserto do Saara! Estávamos confusos sobre como reservar a hospedagem no Deserto. Nossa ideia inicial era chegar até Merzouga e lá encontrar uma empresa ou hotel que oferecesse esse serviço. Nas pesquisas que fizemos parecia ser uma prática comum e em Marraquexe nos disseram que não haveria problemas. Mas na noite anterior, já no meio do caminho, descobrimos que a possibilidade de conseguir algo em cima da hora para o mesmo dia seria baixa. A solução foi inusitada, mas não poderia ter sido mais perfeita! Com a ajuda do Said, simpático funcionário do Riad Dar Outeba, onde estávamos hospedados, fechamos um acampamento de luxo no Deserto! Em todas as vezes que me imaginei dormindo no Deserto do Saara, nunca pensei que seria possível ter uma cama enorme e um chuveiro quentinho. Como a palavra “luxo” não combina muito comigo, fiquei com medo de que esse conforto a mais tirasse um pouco a autenticidade da experiência, mas logo ao chegar vi que estava completamente enganada. O valor oficial do acampamento onde ficamos é de 600DH (Dirhams) por pessoa, o que convertendo dá por volta de 60€ e inclui: Transporte ida e volta de 4×4, tenda privativa para 2 pessoas com banheiro e chuveiro, jantar completo, café da manhã, garrafinhas de água gelada, chá de boas vindas e estacionamento em Merzouga. Fomos no mês de Junho, já quase verão, e estava muito quente, então roupas leves e confortáveis bastam. Você muito provavelmente vai parar em algum lugar no caminho e comprar um lenço (é irresistível) e sairá já com ele na cabeça para encarar o calor do deserto. Todos os vendedores ensinam como usar, e se não fizerem, os guias o fazem. Se for muito friorento(a) vale levar um casaquinho fino para a noite. Chegando em Merzouga, fomos encaminhados para uma pousada onde deixamos o carro estacionado e esperamos (tomando chá de menta num calor de 40º) até que fosse a hora de partir pra dentro das dunas de Erg Chebbi! Há algumas formas de chegar até os acampamentos; de 4×4, de quadriciclos e o mais comum, montado em dromedários. Eu estava decidida a não ir com a última opção, pois acho que é uma forma de exploração animal e apesar de saber que o corpo deles é preparado para esse tipo de clima e de “função”, não acho certo e não quis apoiar a prática. Como o quadriciclo era a opção mais cara, decidimos ir de 4×4. Ficamos sabendo que atualmente, para a segurança dos turistas, não é mais permitido que os acampamentos sejam montados em partes mais afastadas do Deserto do Saara, então todos eles agora ficam a uma curta distância da cidade. De 4×4 o trajeto dura por volta de 10min e tem a emoção de um rali pelas dunas! De dromedário o tempo é em média 1h30. O acampamento fica em um vale em meio às dunas e é encantador! No nosso caso tivemos uma enorme tenda privativa com banheiro, chuveiro e até tomadas e entradas USB! São 8 tendas e mais um espaço comum para as refeições. Do lado de fora, tapetes e lanternas davam o charme àquele lugar que parecia cenário de filme! Ao chegar fomos recebidos pelo Mohamed, que além de extra simpático, adora falar português! Conversamos um pouco com ele enquanto tomávamos mais chá de menta (sim, chá quente, no deserto!) e depois partimos para vivenciar um pouco do Deserto do Saara! Caminhamos até o topo de uma duna, de onde a vista é de tirar o fôlego, e arriscamos algumas descidas de sandboard. Lá de cima vimos um pôr do sol tão lindo que entrou para o top 5 da minha lista imaginária! Mesmo não sendo tão afastado da civilização, a sensação é de estar no meio do nada. É uma emoção incrível caminhar por aquelas enormes dunas e se sentir como um grãozinho de areia! Naquele momento estávamos animados demais para apreciar o silêncio do Deserto, mas não imagino lugar melhor no mundo pra passar horas sozinha pensando na vida. Na volta para o acampamento passamos pelo “estacionamento de dromedários” e obviamente não resisti àquelas carinhas sorridentes! Eles são dóceis e fofos, nos deixam chegar perto e interagir um pouco. Nessa hora fiquei muito feliz com a minha escolha de não ter ido até lá sobre suas corcovas. Não é que eles não sejam bem tratados, mas vê-los presos por cordas, um colado ao outro como escravos acorrentados não me pareceu certo. Cheguei em um estado tão deplorável na tenda que só consegui pensar que ter aquele chuveiro só pra mim foi mesmo um bom investimento! Depois de um tempinho de relax, chegou a hora da janta! Era tudo tão delicioso que me senti em um restaurante cinco estrelas, mas ainda melhor, porque lá eu podia estar de chinelo e sentia a brisa do Deserto batendo no meu rosto. Foi um jantar completo, com entrada, salada, prato principal e sobremesa! Regado a muita água porque aquele calor todo desidrata e porque praticamente não há bebida alcóolica no Marrocos. Embora as especialidades marroquinas sejam o cuscuz e o tajine, eles não estavam no menu dessa vez, o que achei ótimo pois era só o que estávamos comendo durante a viagem. Quando já estávamos todos rolando de tanto comer, sentamos em volta da fogueira para ver uma animada apresentação de música berbere, um som alegre e hipnotizante, marcado pela batida dos tambores e outros instrumentos típicos. De forma bastante simplificada, os berberes são o povo do deserto. Há diferentes ramificações e diferentes línguas (que são no geral mais orais do que escritas), mas a bandeira deles é de ser um povo livre. Talvez por seu passado nômade, tenham se tornado mais abertos em relação à várias ideias, e essa foi uma das mais agradáveis surpresas da viagem. Os berberes são pessoas simples e extremamente gratas pela vida, são todos muito simpáticos e acolhedores, e ficam super felizes em mostrar sua cultura aos viajantes. E é exatamente por isso que digo que o fato de ser um acampamento de luxo não tirou a autenticidade da experiência, porque eles foram eles mesmos, e não funcionários de um alojamento de luxo. Nós rimos juntos, conversamos, aprendemos palavras, dançamos, contamos piadas e tivemos uma troca incrível, de gente pra gente. E para terminar esse dia perfeito, subimos novamente as dunas só pra ficar olhando um pouco aquele céu estrelado. Tinha esperanças de ver estrelas cadentes, mas o Mohamed disse que elas só apareceriam mais no meio da madrugada. Juro que queria ter levantado pra tentar a sorte, mas acho que o cansaço era tanto que perdi a oportunidade. Eu sei que a essa altura você deve estar se perguntando, e os escorpiões? Nós não vimos nenhum, mas tenho que confessar que estava bem apreensiva. Não fiquei descalça e andava com a lanterna do celular iluminando meus passos. Segundo os locais não é muito comum vê-los durante o dia, eles preferem sair à noite quando o clima está mais ameno. Durante a viagem ouvimos relatos de gente que viu escorpiões enormes e até cobras. Lá eles estão preparados caso avistem um, mas é sempre bom ficar atento. No dia seguinte acordamos às 05:50 pra ver o nascer do sol, outro espetáculo inesquecível! E depois de um café da manhã dos deuses nos despedimos do Saara, voltando pra casa com o tênis cheio de areia e o coração cheio de amor. 📷 Texto original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/deserto-do-saara-roteiro/
  2. 📷 Clique aqui para ler o texto original com fotos. O Marrocos foi o destino mais diferente que já visitei até hoje! Apesar de ter sido pouco tempo, conseguimos conhecer bastante coisa em 7 dias. Estar de carro nos deu mais liberdade para explorar do nosso jeito esse maravilhoso país de paisagens, costumes e sabores tão diferentes! É importante entender que a cultura marroquina é muito diferente da ocidental e, assim como em qualquer outro país, é preciso respeitar suas regras e tradições, concordando ou não com elas. Como passar uma noite no Deserto do Saara? Informações básicas Capital: Rabat Moeda: Dirham Marroquino (1€ = 10DH aproximadamente) Língua: A língua oficial é o árabe, mas o francês também é muito falado. Há também o berbere, que é a língua do povo do deserto. Dá pra se virar bem com inglês e em alguns casos espanhol. Religião: O islamismo é a religião predominante. Cerca de 99% da população é muçulmana. Fuso horário: O Marrocos está 4 horas adiantado em relação ao Brasil (horário de Brasília) e é o mesmo horário de Portugal continental. Glossário Medina: Parte mais antiga da cidade, geralmente composta por uma praça central e um labirinto de ruas e becos cercados por uma muralha. Souks: Mercados de rua onde se vende de tudo: Temperos, roupas, artesanato, itens de decoração etc. Eles ficam sempre dentro da medina. Riad: Casa típica marroquina transformada em alojamento para hóspedes. Geralmente há um pátio central e os quartos são dispostos ao redor dele, espalhados pelos andares do pequeno prédio. Há desde opções mais simples, como hostels, até os riads de luxo. Mesquita: Local de culto religioso dos muçulmanos. Sukran: Obrigado Salaam Aleikum: Expressão usada para cumprimentar ao chegar em um lugar. Literalmente traduzido como “que a paz esteja convosco”. Como se vestir no Marrocos? Tanto mulheres quanto homens marroquinos usam muito o djellaba, uma espécie de túnica longa de manga comprida, com ou sem capuz, geralmente usada com calças por baixo. As mulheres geralmente usam o véu na cabeça e os homens costumam usar o babouche, uma sandália de bico pontudo aberta no calcanhar. As cores e estampas são as mais diversas possíveis. As mulheres de uma das vertentes do islã usam a burca, peça única que cobre todo o corpo, deixando só os olhos descobertos (as vezes cobertos com uma rede). As mãos ficam cobertas por luvas. Essa vestimenta é mais comum nas pequenas vilas do interior do país do que nas cidades maiores como Casablanca e Marraquexe. Para os turistas não há muitas regras. É recomendável usar roupas mais discretas como calças, saias ou vestidos longos, preferir blusas sem decotes ou alças e evitar peças muito justas. O lenço não é obrigatório para as mulheres, mas é um bom item para cobrir ombros ou pernas caso esteja se sentindo desconfortável com os olhares. É só usar o bom senso e respeitar a cultura deles que estará tudo certo! Quando viajar para o Marrocos? O clima no Marrocos é bem variado, até porque é um país que tem uma geografia que vai da praia ao deserto, da cidade à montanha. A minha experiência foi no começo de Junho, quase Verão. Já estava bem quente, pelos 30º, mas nada impossível de lidar. Tanto nas cidades quanto no deserto fazia muito calor durante o dia e uma brisa bem leve à noite. Nos meses de inverno a temperatura cai um pouco, há mais umidade e até neve nas montanhas do Médio e Alto Atlas. De modo geral as épocas mais recomendadas para visitar o Marrocos são a Primavera e o Outono, quando o clima está mais equilibrado. Se o destino for de praia, o Verão pode ser uma boa opção, assim como o Inverno, caso queira esquiar na neve. Como dirigir no Marrocos? Para dirigir no Marrocos não é preciso carteira de habilitação internacional. Tanto a brasileira quanto a europeia são válidas. É muito recomendado reservar o carro com antecedência. Há muitas blitz nas estradas, especialmente nas entradas e saídas das cidades, por isso esteja sempre atento à velocidade, cinto de segurança na frente e atrás e documentos em dia, claro! Caso leve multa, o pagamento é feito na hora. A maioria dos policiais foram simpáticos, mas eles claramente buscam algo de errado para poderem aplicar uma multa. As estradas são boas e tem sinalização em árabe e (geralmente) francês, mas nas cidades o trânsito é completamente caótico! Em muitos lugares há “flanelinhas” para estacionar na rua, se for o caso, negocie o preço. Os trajetos costumam ser longos e as vezes muito sinuosos, então o ideal é ter mais de uma pessoa para revezar na direção. Se for no verão ou mesmo um pouco antes, certifique-se de que o carro tem ar condicionado! Segurança no Marrocos No geral, eu me senti bastante segura no Marrocos, mas estávamos em um grupo de dois homens e duas mulheres. Talvez para uma mulher sozinha seja preciso um pouco mais de cuidado. Por ter lido muitos relatos preocupantes em relação à isso, estávamos atentos à possibilidade de golpes, mas com o tempo relaxamos e percebemos que apesar de existir esse tipo de perigo, a maioria dos marroquinos está realmente só querendo ajudar e ser atencioso. O tempo todo há pessoas oferecendo insistentemente de tudo: produtos das suas lojas nos souks, passeios, restaurantes e até drogas! Mas se não der atenção por algum tempo eles param, não há violência. O que existe de fato, assim como no Brasil e na Europa, são batedores de carteira. Mas é só ter atenção com seus pertences, especialmente nas Medinas, que estará tudo bem. Casablanca foi o lugar onde me senti mais intimidada, tanto com os olhares quanto com a dinâmica da cidade, caótica e muito suja. Mas ainda assim não houve nenhum perigo real. Uma coisa a ter atenção para não criar problemas é com o registro em fotos e vídeos. Se você pedir autorização prévia, eles geralmente aceitam aparecer ou deixam que fotografe seus produtos, caso contrário eles podem pedir que apague e muito provavelmente vão te dar uma bronca! Alimentação no Marrocos A gastronomia marroquina é muito rica em sabores! Ao andar pelas medinas a fome é constante, já que é impossível não se embriagar com o aroma dos temperos das mais variadas cores e paladares, sempre empilhados em formato de pirâmide. Os pratos mais famosos são o tajine e o cuzcuz. O primeiro é como um cozido, preparado em um recipiente que também se chama tajine e é geralmente feito de barro. A receita pode variar muito, geralmente as opções são carne, frango ou vegetariano. O cuzcuz marroquino também tem opções carnívoras e vegetarianas, sendo que a “mistura” fica por cima de uma base de cuzcuz. Outros itens na lista de iguarias maroquinas são o shoarma, espécie de sanduíche de carnes variadas enroladas no pão pita, entradinhas como o baba ganoush e o hummus, e ingredientes como azeitonas, tâmaras e frutos secos. Pela manhã é comum ter uma espécie de panqueca, sempre acompanhada de geléias e mel. No Marrocos praticamente não há bebida alcoolica. Em geral só é possível encontrar vinho, cerveja ou qualquer outra bebida em mercados grandes e afastados do centro ou em hóteis e restaurantes internacionais. O que se bebe frequentemente no país é chá de menta, faça frio ou calor! Não tivemos nenhum problema em relação à alimentação, mas é importante ficar atento pois nas barracas de rua não há muita higiene. Também não é recomendado consumir água da torneira. Roteiro 7 dias no Marrocos Nosso roteiro foi de 7 dias, ida e volta de Lisboa para Casablanca em Junho de 2019. Todo o trajeto foi feito de carro. Dia 1 – Lisboa -> Casablanca -> Marraquexe Chegada em Marraquexe no fim da tarde. Janta e passeio pela Medina. Hospedagem: Oasis Hostel Tempo aproximado dirigindo: 03:00 Dia 2 – Marraquexe Dia inteiro em Marraquexe. Passeio pela Medina, compras no souk, visita ao Palais Bahia. Hospedagem: Oasis Hostel Tempo aproximado dirigindo: 00:00 Dia 3 – Marraquexe -> Ouarzazate -> Garganta de Dades Saída de Marraquexe de manhã, parada para almoço em Ouarzazate, passeio pela Garganta de Dadès e pernoite em Boumalne. Hospedagem: Dar Outeba Tempo aproximado dirigindo: 06:00 Dia 4 – Garganta de Dades -> Garganta de Todra -> Merzouga (noite no deserto) Saída de Boumalne de manhã, passagem pela Garganta de Todra, chegada em Merzouga no meio da tarde e saída para a noite no deserto pelas 17:00. Leia aqui como é passar uma noite no Deserto do Saara! Hospedagem: Tenda no Deserto Tempo aproximado dirigindo: 04:00 Dia 5 – Merzouga -> Casablanca Saída de Merzouga de manhã e chegada à Casablanca no final da tarde. Hospedagem: Airbnb Tempo aproximado dirigindo: 09:00 Dia 6 – Casablanca Visita à Mesquita Hassam II, passeio pela Medina e o Souk, caminhada na beira do mar. Hospedagem: Airbnb Tempo aproximado dirigindo: 00:00 Dia 7 – Casablanca -> Lisboa Entrega do apartamento e saída para o aeroporto. Hospedagem: – Tempo aproximado dirigindo: 00:30 A única coisa que eu mudaria desse roteiro seria o trecho de Casablanca. Só há uma atração que realmente vale a pena na cidade, a Mesquita Hassan II, então meio dia é suficiente. Acho que teria sido mais interessante conhecer Fez ou Chefchaouen. 📷 Clique aqui para ler o texto original com fotos.
  3. Roteiro Marrocos (11 dias) INFORMAÇÕES GERAIS Visto: dispensa de visto por até 90 dias Passaporte: deve ter validade de pelo menos 6 meses da data do retorno ao Brasil Vacinas: não exige vacina da febre amarela Quando ir: mar-maio e set-nov Capital: Rabat Moeda: dirham marroquino (MAD), podendo ser comprado fora ou dentro do país Idioma oficial: árabe e francês Cod. telefone: +212 Padrão bivolt: 220V Tomadas: C e E Empresas aéreas: Royal Air Maroc (RAM) Trem: ONFC Ônibus: CTM e Supratours VIAJANDO SOZINHA PELO MARROCOS Antes de decidir viajar ao Marrocos, pesquisei muito a respeito pois li e ouvi muitos relatos negativos quanto à presença da mulher no país, como por exemplo, perseguição e assédio. Por este motivo, optei por viajar com agência de viagens (o que nunca havia experimentado) e, ao final, posso dizer que foi uma boa escolha diante dos argumentos que tratarei mais adiante. A agência escolhida foi a Almanatour (esta informação não é patrocinada), porque somente ela oferecia o tour em novembro pelo tempo e locais pretendidos. O Marrocos é um país em expansão e com uma arrojada política de estruturação voltada ao turismo. Assim, a agência, especificamente, cumpriu com todos os serviços contratados, mas de uma maneira geral, os serviços ainda são ruins, mesmo nos hotéis estrelados, mas é um caminho a ser percorrido. Quanto à perseguição e assédio mencionados anteriormente, por duas vezes, em Fez e Marrakech, abandonei o tour para andar sozinha pela cidade e as impressões são as seguintes: 1. O Marrocos é um país muçulmano, portanto, você deve respeitar a figura da mulher dentro da religião; 2. Independente de ser homem ou mulher, você será extremamente assediado no que diz respeito às compras; e nesse aspecto, eles são incansáveis. Por isso, a dica é: óculos escuros e um educado “no, thanks”; 3. Evite tirar fotos com animas e fazer tatuagens nas praças principais das grandes cidades; um triste fato é que os vendedores sempre estarão prontos a lhe enganar nos valores comercializados. Assim, algumas situações que vimos ou enfrentamos: a. Um colega do tour tirou uma foto com um animal, em Marrakech, e o rapaz lhe disse que pela foto ele poderia pagar a quantia que quisesse. Após a foto, o colega ofereceu 5€, o que foi recusado pelo rapaz, que passou a exigir 20€. Nesse momento, o rapaz passou a ir para cima do colega, que começou a chamar a polícia, quando o rapaz empreendeu fuga. b. A noite, tirei uma foto de uma praça, em Marrakech, e um rapaz, saindo não-sei-de-onde, me pediu dinheiro pois possivelmente havia saído na minha foto. Expliquei que a foto não estava boa, apaguei e ele se convenceu e foi embora. c. Antes de partir de determinado ponto turístico, eu e uma colega do tour perguntamos a alguns policiais quanto era um táxi de onde estávamos para o hotel; eles nos informaram que o valor girava em torno de 20 a 25 MAD. Quando abordamos os taxistas, nos cobraram 80 MAD e aí começam a querer negociar. Ao final, voltamos a pé porque ficamos com receio de negociar valor certo e ser cobrado a maior, quando chegássemos ao destino. Assim será em relação a tudo que você tenha que pagar no país. Por esta razão, contratei um tour com tudo incluído e fugi de todos estes percalços. Conclusão: o Marrocos é um país lindo, incrível, de cultura apaixonante. Nas grandes cidades medievais vê-se grande número de turistas nas ruas durante todo o dia e noite. Caminhe a vontade pelas medinas, praças e demais pontos turísticos; você, mulher, não será perseguida. Enjoy! CLIMA NO MARROCOS Por estar próximo ao deserto, acreditava que o Marrocos era sempre quente. Ledo engano. Faz frio e muito frio. Respeite as estações. Fui em novembro (final do outono) e as temperaturas foram sempre amenas (8o a 20o) e mesmo no deserto fez frio durante o dia, mas sob forte sol. ROTEIRO DIA A DIA Por uma questão didática, expus o roteiro descriminado pela agência, em seu site, e farei comentários, quando julgar necessário. Dia 01: Marrakech “Chegada ao Aeroporto. Transfer para o hotel escolhido. Jantar incluído.” Dia 02: Marrakech – Essaouira – El Jadida – Casablanca “Saída para Essaouira logo depois do café da manhã. Visita da cidade, almoço opcional em um restaurante da cidade. Pela tarde vamos em direção a Casablanca. Durante o trajeto faremos paradas em Oualidia e El Jadida. Visita de orientação da cidade de Jadida ou Mazagão (que foi uma antiga cidade portuguesa) e na época considerada o melhor refúgio na Costa Atlântica no ano de 1769. Chegaremos em Casablanca para o jantar e alojamento no Hotel.” Essaouira Medina da Essaouira Dia 03: Casablanca – Meknes e Fez “Começamos o dia conhecendo Casablanca, a capital econômica do Marrocos: Mercado Central, distrito de Habús, o Palácio Real, a Praça de Mohamed V, a zona Residencial de Anfa, o exterior da Mesquita de Hassan II. Saída para Meknes para visitar a capital “Ismaelita”, a qual tem as maiores muralhas de Marrocos (40 km); a famosa porta de Bab Mansour, os estábulos reais e o bairro Judeu. Almoço durante o trajeto (Opcional). Continuação a Fez. Jantar e alojamento.” A parada não permite entrar na Mesquita de Hassan II, em decorrência do tempo. Se estiver sem excursão e decidir entrar na mesquita, é necessário um véu para cobrir ombros e colo. Casablanca Estábulos reais Dia 04: Fez “Todo o dia será dedicado a conhecer a Capital Espiritual do Marrocos; visitaremos a Medina Medieval e veremos as escolas muçulmanas mais antigas (exteriores) “Attarine e Medersa Bou Anania”, que fazem parte das Universidades Islâmicas mais antigas do mundo. Durante a nossa visita, também visitaremos a fonde água Nejjarine, a mais antiga da medina, o Mausoléu de Moulay Idriss e a Mesquita de Karaouine, vista exterior somente. Almoço típico (não incluído) em um restaurante local no coração da Medina. Na parte da tarde, visita aos mercados mais tradicionais, os zocos e a parte de Fez Jdid. Jantar e alojamento no hotel.” Neste dia, eu e uma colega do tour decidimos deixar o grupo e passear sozinhas pela principal medina de Fez: Fez El-bali. Passamos cerca de 05 horas no local, guiadas pelo GPS do celular. Esta medina possui mais de 9000 ruelas, portanto, não se percam. Negociamos, compramos, almoçamos e voltamos para o hotel. O táxi foi contratado por 300MAD/30€ (ida e volta) no próprio hotel. Medina Fez El-Bali Dia 05: Fez-Rabat-Marrakech “Saída até a cidade sagrada de Moulay Idriss pelas ruínas de Volúbilis, via a cidade Romana até Rabat, a Capital Administrativa. Visita ao Palacio Real Mechouar, ao Jardim e a Kasbah Oudaya (fortaleza Medieval), ao Mausoléu de Mohamed V e a Torre da Mesquita de Hassan. Almoço opcional durante o trajeto. Continuação da viagem por estrada autopista até Marrakech. Check-in no hotel , Jantar e alojamento.” Volubilis Rabat Dia 06: Marrakech “Todo o dia dedicado para conhecer Marrakech, a segunda mais antiga do Império, também chamada de “A Pérola do Sul”. A visita a parte histórica incluirá o Jardim da Menara, a Tumbas Saadianas, o Palácio Bahía, a Koutoubia e o Museu de Dar Si Said. Almoço no hotel. Durante a tarde visita dos Zocos de Marrakech e dos bairros dos artesãos, para apreciar a diversidade do local, incluindo a conhecida zona da praça mais famosa do Marrocos, a Djemaa El Fna e seu incomparável ambiente noturno. Jantar típico (opcional) nas Tendas do famoso restaurante “Chez Ali” encantador por suas apresentações de diferentes grupos folclóricos das regiões de nosso país. Alojamento.” Ao final do tour, por volta das 17:30h, abandonamos o tour e continuamos na Praça El Fna pelo resto da noite, até por volta das 22h, quando voltamos sozinhas ao hotel a pé. Koutoubia Palacio Bahia Djemma El Fna Dia 07: Marrakech, Ouarzazate e Zagora “Café da manhã no hotel, partida para Ait Ben Haddou através de Tizi N`tichka (2260 m. de altitude). Visita à famosa Fortaleza, a Kasbah, que serviu como cenário para filmes famosos e atualmente é patrimônio da UNESCO. Almoço (opcional) em um restaurante local frente a Kasbah e continuação para Zagora, cruzando o Valle de Draa. Uma paisagem única nos acompanhará neste dia. Jantar e acomodação no hotel.” Ait Ben Haddou Dia 08: Zagora – Nkob – Tazzarine – Erfoud “Saída para Tamgroute, visita ao centro de artesanato e de acordo com a disponibilidade, visita a Livraria Corânica, que contém livros antigos e documentos que datam de antes do século XII. Partida para Erfoud, através de pequenos povoados bereberes como Tansikht e N´Kob, onde é possível ver cenários esplêndidos do pré-Saara e das Vilas Berberes da cadeia de montanhas. Almoço (opcional) em Tazzarine em um pequeno villarejo no deserto. Pela tarde, continuação para Erfoud através da vila de Alnif e Rissani, local de nascimento da atual dinastia Alaouita. Jantar e acomodação no hotel.” Centro de artesanato Alnif “Neste dia, poderá realizar estas excursões opcionais: Opcional 1 : Excursão em Jeep 4×4 a Merzouga para ver o pôr do sol ou o nascer do sol nas dunas de Merzouga Opcional 2 : Excursão em Jeep 4×4 a Merzouga para ver o pôr do sol e Jantar na Tenda árabe em pleno deserto e regresso ao seu hotel em Erfoud Opcional 3 : Excursão em Jeep 4×4 a Merzouga para ver o pôr do sol e Jantar na Tenda árabe em pleno deserto + dormir em uma Tenda Árabe” Optei por dormir em uma tenda árabe. Assim, ao chegar ao deserto, fomos ver o pôr-do-sol, jantar e pernoite na tenda. A tenda possui cama de casal, luz elétrica, tomadas, chuveiro elétrico, mas não possui aquecedor. Na saída do hotel em Erfoud, em direção ao deserto, há vários vendedores que oferecem véus e colocam na cabeça dos turistas. Dunas do Deserto do Saara Pôr-do-sol no Deserto do Saara O passeio nos dromedários custou 30€ O passeio para o nascer do sol custou 20€ Dia 09: Erfoud – Tineghir – Ouarzazate “Caso a noite anterior tenha sido passada no hotel em Erfoud, você poderá optar por fazer uma excursão saindo em 4×4 ainda a noite para admirar o nascer do sol nas dunas do deserto. Depois do café da manhã, saída para Tineghir; visita da magnífica Garganta de Todra, um desfiladeiro que atinge uma altitude de 250 metros. Almoço (opcional) em um restaurante localizado ali mesmo, aos pés da garganta. À tarde, seguiremos nosso roteiro em direção a Ouarzazate pela famosa estrada das Mil kasbas, passando por lugares inesquecíveis como El Kelaa M’gouna e pela aldeia de Skoura. Jantar e alojamento no hotel.” Garganta de Todra Dia 10: Ouarzazate – Marrekech “Café da manhã e visita panorâmica da cidade de Quarzazate, antes de iniciar o caminho até Marrakech. Ao chegar em Marrakech, almoço no hotel, resto dia livre. Opcional: um jantar típico marroquino no coração da Medina.” Infelizmente, todos os jantares que pagamos durante a viagem somente incluíam um único prato típico, chamado Tajine (um cozido de legumes e verduras com/sem carne/frango). Assim, se você pretende provar o famoso cordeiro ou cuscuz marroquino, fuja dos jantares pagos. Dia 11: Marrakech-aeroporto “Café da manhã e transfer até Marrakech para Aeroporto Menara para embarque, conforme horário previsto para o voo.” Além das principais cidades medievais contidas neste tour, você ainda pode visitar: CHEFCHAOUEN (Mesquita Azul) A única maneira de chegar em Chefchaouen é por terra, ônibus ou carro. A cidade fica mais ao norte do país, e chegar até ela é tranquilo. Saindo de Marrakech, é uma longa viagem, pois Chefchaouen fica a quase 600km de distância, passando por Casablanca, Rabat e Fez. CASCADES D’AKCHOUR (40min de carro de Chefchaouen) O ponto de partida dos táxis é ao lado do posto de gasolina (só tem um na cidade). É só chegar e falar que quer ir para Akchour. CASCATAS DE OUZOUD (160km de Marrakesh)
  4. Gostaria de compartilhar com vocês a fantástica viagem que fiz para o Marrocos com esta agência Viagens_em_Marrocos Encontrei o site da agência "viagens_em_marrocos" sem querer, estava pesquisando sobre viagens em Marrocos e eis que surge o próprio. No começo fiquei insegura, mas resolvi mandar um e-mail e rapidamente o Omar me respondeu. Omar me mandou vários roteiros, até definir quantos dias queria e pedi para sair do Tanger, pois estaria na Espanha e queríamos atravessar de ferry-boat. Omar me mandou o roteiro de 10 dias saindo e chegando no Tanger. Após essa definição passamos a nos falar por whatsapp, foi incrível, pois todas as dúvidas que eu tinha, o Omar me esclarecia. Chegamos no Tanger dia 18/10/2019 e Mustafá (nosso guia) e Mouhamed (nosso motorista) foram nos buscar. Ali começou a incrível viagem pelo Marrocos. Fomos para Chefchouen / Fes / Mersouga / Erg Chebbi / Dades / Marrakech / Rabat, esses foram os locais aonde pernoitamos. O roteiro é muito mais completo, passamos por muitas cidades, visitamos as ruinas romanas de Volubilis, que não estava no nosso roteiro, mas falei com o Omar e ele prontamente incluiu essa visita, que valeu muito a pena. O ponto alto foi o deserto, andamos de 4 x 4 nas dunas, sensacional e depois fomos de camelo para o nosso magnifico acampamento Sirocco Luxury Camp, maravilhoso, lá conheci o Youssef irmão do Omar, foi muito atencioso, foi até a nossa tenda para nos comprimentar. Os hóteis são maravilhosos, sempre muito atenciosos com a gente. Depois do deserto visitamos, as Gargantas de Todra, os estúdios de cinema, atravessamos o Alto Atlas, paisagens deslumbrantes. Depois de Marrakech, fomos para Casablanca enfim pudemos entrar em uma Mesquita, aliás uma baita Mesquita - Hassan II. Ao final depois de Rabat passamos por Asilah e nos divertirmos na praia foi bem legal e no fim passamos na Caverna de Hercules que também não estava na programação mas atenderam nosso pedido e depois nos deixaram no Tanger onde atravessamos de volta para a Espanha no dia 27/10/2019. Em duas cidades tivemos guias locais. A guia local Fátima de Fes foi sensacional, muita história para nós contar. O guia local de Marrakech Mustafá também muito experiente. Na despedida nos emocionamos muito, pois nosso guia Mustafá e nosso motorista Mouhamed nos protegeram como se fossemos da familia deles, nos tornamos amigos que vão ficar para sempre em nossos corações. Recomendo muito "Viagens em Marrocos" são sensacionais! As viagens são privadas, estávamos em 5 pessoas, era tudo em função da gente, foi maravilhoso. Foram 10 dias inesquecíveis! Em relação a reserva demos um sinal feito através do paypal e o restante quando chegamos pagamos em Euros, super tranquilo. Meu enorme agradecimento ao Omar que junto com sua equipe maravilhosa me proporcionou uma Viagem Incrível. Contatos da agência Viagens em Marrocos: http://viagens-em-marrocos.com/ E-MAIL: [email protected] / [email protected] WHATSAPP - Omar: +212 668 477 203 / Youssef: +212 661 347 126 Ana Maria
×
×
  • Criar Novo...