Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Colombia (Cartagena, Barranquilla, San Andrés Islas) e Panamá


Posts Recomendados

  • Membros

COLOMBIA 2012

 

Um pouco atrasado, mas sempre é tempo.

 

Começamos a organizar nossa viagem 4 meses antes, com todas as cidades de destino já certas. Passagens, reservas de hotéis são os principais, pois já foi meio complicado com 4 meses antecedência conseguir bons preços e boa localização.

Nossa viagem começou partindo do Rio de Janeiro, aeroporto Galeão pela empresa Copa Airlines, com destino a Cartagena, Colombia com conexão na cidade do Panamá, no vôo de 6h17 manhã. O avião é o 737 700 Boing, que são os mesmos utilizados pela Gol em vôos domésticos no Brasil. Depois de 7h horas e 2 lanchinhos a bordo chegamos ao Panamá, aeroporto Tucumem com um Duty Free gigantesco, mais parecido com shopping, considerado o maior do mundo. Depois de 1h, embarcamos para nosso destino, Cartagena de Indias, num avião fabricado pela EMBRAER, menor, porém mais confortável. Voo de 1h com um lanche.

Passagens áreas: Copa Airlines

- Rio Janeiro/ Cartagena c/ escala no Panamá

- Cartagena/ San Andrés Islãs

- San ANDRÉS Islas/ Panamá

Cartagena/ Barranquilla (Aluguel carro por 4 diárias na Localiza)

 

CARTAGENA DE INDIAS (4 noites)

 

Chegando a Cartagena, o aeroporto estava todo em obras, e fomos para o desembarque passando pela imigração, sem nenhum transtorno. Passaportes carimbados, fomos pegar as malas que já estavam fora da esteira e um homem nos abordou com um carrinho de bagagens. Pensando que era um funcionário do aeroporto, deixamos que ele colocasse a bagagem no carrinho e levasse o mesmo ate o guichê da loja de cambio. Ai que percebemos que não havia carrinhos para uso dos passageiros, mas sim, que havia esses homens com carrinhos próprios para carregar as malas e você por obrigação lhe dá uma propina (gorjeta).

 

Quando fomos fazer o cambio, nos foi pago para cada 1 real, 600 pesos. Perdemos nisso, 40% da cotação feita pelo Banco Central do Brasil. Depois pesquisando na cidade, descobrimos que lá só fazem cambio de dólar ou euro, então não viaje com real para Colômbia, a melhor saída é levar euro ou o dólar que aceitam em qualquer lugar na cidade, e a cotação estava a 1,700. Ainda, quem tiver conta em Banco que disponibilize saque no exterior em moeda local, utilize, pois a cotação fica praticamente 1 por 1. ::tchann::

 

Voltando ao aeroporto, o cidadão que pegou nossas malas, nos arrumou um mapa de Cartagena e nos levou até um táxi, que nos cobrou 10.000 pesos (aprox. R$10,00) até o Centro histórico, na cidade amuralhada onde ficava nosso Hotel, aprox. 15 min do aeroporto. Vale lembrar que não há taxímetro, então sempre pergunte quanto custa até o destino antes de entrar no táxi, porque o preço varia bastante.

 

Chegando ao Hotel Pátio de San Diego por volta de 14h, com reserva feita antecipadamente para 4 noites pagamos 620.000 pesos, deixamos as malas no quarto. O hotel não é luxuoso em vista de alguns Hotéis da cidade como o Sofitel Santa Clara, mas possui padrão 3 estrelas, muito charmoso e bem decorado, com apenas 9 quartos e um ótimo atendimento (inclui café da manhã).

 

Hotel Pátio de San Diego (Cartagena)

 

Com o mapa da cidade em mãos fomos desbravar os encantos de Cartagena. Só as ruas e suas casas antigas, mas muito bem conservadas e casarões datados do séc. XVI, já são um espetáculo a parte. Nossa primeira parada foi a praça Simon Bolívar onde tem um monumento e alguns bares e restaurantes ao redor.

 

Prosseguimos para outra praça onde visitamos o Palácio da Inquisição espanhola, construção antiga com diversos instrumentos de tortura. Pagamos 14.000 por pessoa a entrada.

Seguimos nosso passeio pelas ruas, até a praça Santo Domingo, onde depois das 16h30 a igreja é aberta a visitação gratuita, antes disso cobram 10.000 por pessoa com Guia. Essa praça possui vários restaurantes, mesas espalhadas na calçada e vendedores ambulantes. A noite fazem apresentações de dança local, uma espécie de dança africana.

 

Nossa parada seguinte foi na Praça San Pedro Claver, onde também tem a maior Igreja, e pode-se visitar os aposentos privados do padre, o jardim interno, e outros cômodos do casarão anexo a Igreja. (8.000 pesos por pessoa), é um bom passeio.

 

Dali, fomos para puerta Del Reloj, uma espécie de praça onde ficam uma das muitas saídas/entradas da cidade amuralhada, com um relógio gigantesco numa torre e dois arcos dão saída para uma área externa da muralha, onde há outra praça com os monumentos dos Pégasos, e o Centro de Convenções, (uma construção oponente), e o caes de onde partem as lanchas para as Ilhas Rosário e Praia Branca.

 

Voltamos ao Hotel para descansar, pois se anda muito, tudo é perto, mas são tantas ruas e construções encantadoras que você caminha por horas apreciando tudo.

Fomos jantar na Praça Santo Domingo, as garçonetes dos restaurantes de lá, te abordam a todo momento, então sentamos na mesa de um deles que fica no meio da praça mesmo, espalhadas e pedimos uma pizza. O tempo todo os ambulantes passam oferecendo de tudo, colares, pinturas, cigarros, até músicos oferecendo uma canção. Se percebem que você gosta então, tocam varias e você claro, tem que dar um regalo. Pagamos 57.000 pesos por uma pizza, 2 refrigerantes e 1 cerveja Aguila que é local, nada muito sofisticado e 2 mil pesos para o artista que tocou uma musica para nós.

 

No dia seguinte, fomos as 10h (hora de abertura) para o Castelo San Felipe de Barajas, um passeio que não pode faltar. Já deixo a dica para passar protetor solar. Caminhamos uns 15 minutos até lá, passando pelo monumento da Índia Catalina, ou pode-se pegar um táxi até o castelo por aprox. 6.000 pesos. O passeio com áudio Guia custa 44.000 para 2 pessoas, (17.000 cada entrada + 10.000 o áudio guia). Sugerimos pagar pelo áudio Guia, pois ele relata toda historia do Castelo e é muito interessante, um passeio cultural indispensável, sem falar na vista la de cima. Ambulantes estão por todo lado, querendo te vender de tudo que possa imaginar. Levamos aprox. 2h para percorrer todo o trajeto. Aconselhamos chegar no castelo as 10h, hora em que abre, pois depois das 12h fica muito cheio e como muitas partes são estreitas como os túneis subterrâneos, o passeio irá demorar muito mais.

 

 

Saímos de lá e fomos em busca de um local para almoçar. Achamos um restaurante próximo a universidade de Artes, uma praça e o restaurante se chama Juan Del Mar, na Plaza de San Diego N° 8 - 12. Um local super agradável, com uma fonte, decoração lindíssima, que serve frutos do mar. Pedimos um risoto de camarão (para 2 pessoas), o almoço com 4 refrigerantes saiu por 71.000 pesos.

 

 

O resto dia passeamos a ermo pelas ruas e no fim de tarde fomos caminhar sobre a muralha que cerca a cidade, um passeio indispensável.

A noite fomos jantar no Crepes & Wafles, uma rede de restaurantes Colombiana, melhor lugar para se comer na cidade, com um preço justo, comida boa e sobremesas maravilhosas. Refeição para 2 com sobremesa e café, gastamos 50.000 aprox. (incluindo 16% de IVA + 10% serviços). Vale a pena voltar lá varias vezes.

 

 

Na manha seguinte, já havíamos comprado no próprio Hotel (Patio de San Diego), os tickets para o passeio na Praia Branca e Ilhas do Rosario. Chegamos no local indicado por volta de 9h manha, La Bodeguita que fica bem próximo a Torre Del Reloj a direita, só atravessando a avenida, e esperamos 1h pra embarcarmos. Se você comprar no próprio local, vai em um barco maior de 2 andares, mais confortável, que não balança tanto, mas porém mais lento. Se comprar nos hotéis, provavelmente vai de lancha com 30 pessoas (indicação se não tiver criança e idosos, pois balança e salta muito, mas se torna a diversão da viagem que dura aprox. 40 minutos até a Ilha do Rosário).

Na ida, fazem uma parada para quem quer ficar na Praia Blanca (tem opções de comprar ticket só pra praia Branca), os demais seguem para Ilha do Rosário passando por inúmeras pequenas ilhas, águas cristalinas, corais onde pode-se fazer o snorkeling por 20.000 pesos, ou ir ao Aquário um pouco mais a frente (entrada 20.000 por pessoa), lá entre varias espécies de peixes, um crocodilo imenso, tem tubarões, tartarugas e os graciosos golfinhos, no qual fazem um espetáculo com saltos e outras acrobacias, outra parte da viagem que não se pode perder.

 

Ficamos no aquário por volta de 30 min e voltamos para praia Branca, onde nos foi oferecido incluso no pacote do passeio um almoço simples, com um peixe frito inteiro, uma salada e o arroz de coco com um refresco de limão. Fomos advertidos de que também haveria muitos ambulantes oferecendo de tudo, ate massagens por 30.000. Pagamos 10.000 por uma barraca (guarda-sol), pesquise porque o preço varia. As 16h, foi marcado para estarmos em frente a nossa lancha (Doña Luly), o mar na volta é mais agitado, balança muito mais que na ida, mais é divertido e inevitavelmente você fica molhado, principalmente se sentar no meio até lá trás na lancha.

 

 

No quarto e último dia em Cartagena, fomos a Bocagrande pesquisar preços de carro para alugar, pois iríamos para Barranquilla de carro. Achamos algumas locadoras com preços absurdos de no mínimo 160.000 pesos o dia para o Spark (carro tipo twingo). Desistimos do carro, pois em frente ao aeroporto tem uma sucursal da localiza onde reservamos o twingo por 99.000 pesos a diária, para pegar no dia seguinte pela manhã. A praia de Bocagrande tem coqueiros ao longo da orla, as barracas para alugar, mas a areia é preta e a água escura, horrível para quem esta acostumado com as praias brasileiras.

 

Voltamos para o Hotel, alugamos uma bicicleta no próprio Hotel, e fizemos o trajeto ate o Reloj, saímos por ali em direção a Calle Del Arsenal que fica a direita depois de atravessar a Praça dos Pégasos, onde tem vários bares, e no fim um Bar de onde pode observar o por do sol e ao fundo o Castello de San Felipe. A noite fomos num bar chamado Tu Candela (na praça da Torre Del Reloj), pagamos 10.000 pesos a entrada com direito a 1 cerveja (Club Colombia ou Aguila), o preço da cerveja lá era 10.000 pesos, a musica local como a cumbia, e outros ritmos. Uma balada tipicamente local, mas muito divertida.

No quinto dia pela manha, fomos de táxi até a locadora de carro (10.000 pesos), e partimos pra Barranquilla.

 

BARRANQUILLA (4 noites)

 

Saimos do Hotel as 9h em Cartagena, pegamos nosso twingo e as 10h partimos rumo a Barranquilla pela via litorânea que é a rota mais fácil e com belas paisagens.

Chegamos por volta de 14h no Hotel Majestic (Carrera 53 # 54 - 41), tivemos um pequeno contra-tempo pois nossa reserva pela Booking.com, havia sido cancelada 15 dias antes da nossa viagem sem termos sido comunicados. No fim, ficamos no hotel em um quarto com 2 camas de solteiro, e pagamos quase o dobro do preço da reserva que havíamos feito. Pagamos U$800 por 4 diárias de carnaval, sendo que nossa reserva daria aproximadamente U$458.

 

Nossa primeira impressão foi péssima, a cidade é muito suja com lixo por todo lado na maior parte, o sistema de ruas é cartesiano e não há bons pontos turísticos para se visitar. A Catedral Metropolitana Maria Reina (Calle 53, carrera45) é grande, porém feia, parece uma caixa imensa com vidraças coloridas mal preservadas. O Museu Romântico é uma casa velha de 5 cômodos, que conta a historia de um escritor famoso de Barranquilla Gabriel Garcia Márquez, (calle 54 #59-199) e te cobram 5.000 pesos. O Hotel nos deu uma programação completa do carnaval, com local, dia e hora das festas.

 

No dia seguinte (17/02), fomos a um festival da cerveja onde pagava-se a entrada 50.000 pesos duas pessoas se chegasse ate as 19h. O local é um estádio de futebol chamado Romélio Martinez, e as musicas locais. Ficamos umas 2 horas, parecia mais um show típico local brega do que o primeiro dia de carnaval.

 

No dia 18/02, a tarde fomos a Via 40, onde estava acontecendo a Batalha de Flores, e desfilam cerca de 200 blocos. As pessoas começam a chegar de manhã e o desfile inicia as 13h, e quando chegamos por volta de 14h já havia começado e não conseguimos entrar nos “Palcos” que são arquibancadas ao longo de toda Via (cerca de 2km extensão), e na rua por detrás dos palcos pouco se vê porque tem muita gente e são como a classe trabalhadora de Barranquilla, com muitos sprays de espuma, uma espécie de pó branco que parece maisena que ficam pintando os rostos e jogando uns nos outros, muito ambulante, churrasquinhos jogando fumaça e calor com a temperatura acima dos 30ª, ou seja, uma confusão imensa, não conseguimos sequer bater uma foto do desfile tamanha era a confusão. Voltamos pro Hotel passamos por uma briga na rua, e decidimos não voltar no dia seguinte como programado para outro desfile chamado Grand Parada no mesmo local.

 

Santa Marta

 

Resolvemos, já que estávamos de carro, ir conhecer Santa Marta que ficava a 1h de carro de Barranquilla, cerca de 100km. Estrada está em ótimo estado, alguns trechos em obra, viagem tranqüila. Apesar de passar por algumas comunidades pobres no meio do caminho com crianças fantasiadas (já que era Carnaval) pedindo esmolas no meio da rua (literalmente paravam os carros).

 

A cidade tem um passeio pra mergulho com golfinhos em Rodadero que perdemos pois a ultima lancha sai 14h30 e chegamos 5 min depois no local. O bairro de Rodadero também é onde fica a melhor praia, águas claras, alguns restaurante na areia da praia onde os garçons te abordam a todo momento oferecendo almoço, e continuando a caminhar pela praia, também vimos um parque aquático pequeno.

 

A Praia não é muito extensa, mas é bonita e muito melhor que ficar em Barranquilla. Fomos circular nas ruas por detrás da praia que um calçadão até metade dela mais menos, e achamos ‘suvenirs’ mais baratos que em qualquer lugar e as mesmas coisas, e ainda gravam o nome da cidade ou “Colombia” em qualquer coisa que você compre ao contrario dos outros lugares. Como exemplo, compramos um calendário de madeira por 10.000 pesos (Cartagena era 18.000), um dominó de madeira também por 15.000 pesos (Cartagena estava por 25.000), e achamos 2 porta moedas por 5.000 pesos. Feita nossas compras voltamos para Barranquilla e fomos jantar mais uma vez no shopping que ficava bem próximo ao Hotel Majestic.

 

SAN ANDRÉS (3 noites)

 

Manha seguinte, aeroporto rumo ao Paraiso, Islas de San Andrés a 820km de Cartagena.

Check-out ok, as 9h30 partimos novamente a Cartagena onde pegamos nosso vôo para San Andrés Islas, chegamos as 11h no aeroporto, entregamos nosso carro alugado na Localiza que fica em frente.

 

Na fila do check-in descobrimos que teríamos que pagar uma taxa de contribuição para manutenção e melhoramentos da Ilha de aproximadamente 42.000 pesos por pessoa. Embarcamos sem problemas, vários brasileiros no vôo e chegamos a San Andrés pouco mais de 1h depois já fascinados com a vista da ilha do avião.

 

Ficamos 1h na fila da aduana, pegamos um táxi até o Hotel Decameron San Luis que ficava no outro lado da Ilha por 20.000 pesos. Pagamos no Hotel por 3 noites cerca de R$1.400,00 reais “ALL INCLUSIVE”. Nos informamos no Hotel sobre os passeios na Ilha e como já tínhamos programado, compramos o passeio para Johnny Cay e Aquario (US40 por pessoa), Aquanautas (US62 por pessoa) e mergulho (US80 por pessoa).

 

Alugamos uma moto (bis) por 24h a um custo de 60.000 pesos e rodamos ao redor da ilha que tem 110 mil habitantes (maioria no centro). Como ficamos no Decameron San Luis que é o mais afastado, meio de transporte só taxi e é caro pra ir voltar toda hora, e é super tranquilo andar de moto por la tendo um mapa na mao, mas se for ficxar no Centro, é muito movimentado e se faz tudo a pé. Para os passeios a propria empresas levam ate o local de embarque. ***Algumas áreas como as que ladeiam o aeroporto nos foram sugeridas para não circular principalmente a noite, pois há muito desemprego na ilha e há muitos roubos por lá, é como se fosse a periferia da ilha, que você observa quando esta chegando na ilha.

 

O comercio no centro em grande parte são lojas da LA RIVIERA, que também tem muitas lojas no Duty Free do Panamá (o maior do mundo) e algumas lojas grandes com marcas famosas, mas nada com preços mais baixos do que qualquer Duty Free. Achamos uma loja de perfumes bem mais baratos, chama-se La Perfumerie, é uma loja grande sem riscos de falsificações na Avenida das Américas nº360, onde compramos por exemplo o Polo Black por US44 doláres sendo que na La Riviera custava US58 em média. As lojas fecham as 20h.

 

No dia seguinte pela manha meu namorado foi fazer mergulho. Custa U$80, e o instrutor chamado Mauricio o levou a piscina do hotel para a aula de instruções de aprox. 30 min, e depois fomos para West View onde é feito o mergulho (fui acompanhando porque só tinha ele). O mergulho dura 1h a 10 metros de profundidade.

 

Na parte da tarde fomos fazer o Aquanautas, um passeio onde você coloca uma espécie de capacete conectado a um cabo que libera oxigênio. Descemos por uma espécie de escada de corais e caminhamos por uns 20 minutos entre os peixes e o mergulhador que vai acompanhando o grupo de 4 pessoas, leva pão picado para dar aos peixes que ficam nos rodeando e até chegam a nos mordiscar, mas não dói, apenas sente algo pegando em você, super tranqüilo e mágico. Eles tiram fotos de você e fazem filmagens, e depois te vendem por U$40, opcional. Sugiro comprar, porque é uma boa lembrança e eles incluem fotos de peixes, outros vídeos, ou você compra uma maquina fotográfica por 40.000 pesos com 27 fotos, mas é difícil bater as fotos debaixo d’agua pois precisa estar a uma distancia pra conseguir enquadrar a foto e embaixo da água não te dá essa agilidade e alem disso o mergulhador te chama toda hora pra bater foto e filmar, mas as fotos ficam boas também.

 

No dia seguinte, Johnny Cay, Aquário e, pagamos U$40 dólares por pessoa, e ficou agendado que as 9h na recepção do Hotel. Na hora marcada o pessoal da agencia Over Receptour que nos vendeu o passeio nos deu uma pulseira identificadora do grupo, e uma sacola de presente, depois nos colocou em um táxi e fomos para o local de onde partiu o passeio. Esperamos um pouco e o nosso Guia (Gustavo) nos deu as orientações necessárias.

 

O passeio de barco ate a ilha dura uns 10 min. Chegando lá, o guia que vai com o grupo dá algumas instruções, pois a ilha é uma reserva e ficamos lá até 12:30. Voltamos ao barco em direção ao Aquário que é uma ilhota no meio do mar com uma barreira de corais imensa ao redor que não ultrapassa 1,20 metros de profundidade onde alugamos snorkeling e ficamos observando os peixes e corais que cercam a ilha.

 

Nos ofereceram incluso no pacote, um almoço com opção de peixe frito ou frango, arroz, salada, fruta pão frita especiaria local e banana verde frita (parece um bolinho) muito saboroso. Enquanto almoçávamos nos ofereceram um passeio por 20.000 pesos para ficar 30 minutos em um barco com fundo de vidro para observar os peixes e corais e outro rapaz cobrava 5.000 para tentar achar uma manta raia pelos corais e bater foto. Preferimos ficar com o snorkeling que pagamos 5.000 por pessoa e fizemos o mesmo que os outros (ninguém achou a manta raia naquele dia e pagaram os 5.000 do mesmo jeito). Atravessamos para a outra ilha com água na cintura, onde também é possível dar a volta observando os corais petrificados e a água verde esmeralda maravilhosa. Voltamos para o Aquário e partimos de la as 16:30.

 

De volta ao hotel, pegamos nossa bis alugada por 50.000 24h, e fomos novamente ao centro de San Andrés caminhar pela orla que é muito bonita. A noite assistimos um show oferecido pelo nosso Hotel Decameron San Luís de dança maravilhoso com tema marinheiro, regado a muita pina colada “all inclusive” no Hotel.

Manha seguinte do dia 22/2, malas arrumadas, check-out feito, fomos para o aeroporto rumo a Panamá.

 

No aeroporto, pegamos um dia de revista fora do comum. Assim que chegamos tivemos que entregar o comprovante da taxa de entrada na ilha em um guichê. No meio da fila do check-in, uma mesinha com 2 policiais abrindo a bagagem de todos. Mas não era simplesmente abrir e remexer em toda mala, era no meio da fila no saguão do aeroporto com todo mundo em volta vendo sua mala aberta e Deus saiba o que poderia sair lá de dentro...rs. Após esse constrangimento, check-in feito, entramos no embarque, mais uma checagem no passaporte, outra paradinha pra carimbar o passaporte de saída, e la dentro mais uma revista na bagagem de mão por policiais, mais uma vez remexendo todos os bolsos possíveis que tivessem na mochila, sacola ou lá fosse o que você estivesse carregando e claro, os passaportes. Em resumo, foram 9 pontos em que foram feitas revistas, entrega e checagem de documentos e etc. Vôo no horário, embarcamos, pouco mais de 1h, chegamos ao Panamá.

 

 

PANAMÁ (2 noites)

 

No panamá, devido as distâncias serem maiores, fizemos uns cálculos rápidos e sairia mais barato alugar um carro para circularmos. Alugamos por 2 dias na empresa DOLLAR no próprio aeroporto, um Picanto 2012 com GPS incluso por U$60 a diária. São muito eficientes, rápidos, não levamos nem 20 minutos para sair de lá já com o carro. Partimos para o nosso Hotel que ficava em Amador Ave, muito bom chamado Country Inn em Amador Av. & Pelicano Ave., com quartos super espaçosos, café da manhã maravilhoso com uns bolinhos de banana muito bons que fizemos trafico pro lanchinho...rs.

 

Malas no quarto, fomos a nosso primeiro destino no Panamá, o Shopping Albrook Mall que fica em frente ao Terminal Rodoviário da Cidade do Panamá, simplesmente gigantesco, com diversas entradas representadas por enormes estátuas de bichos respectivamente relacionado a letra da entrada (é bom não esquecer por onde entrou pra não perder tempo se localizando). O shopping lá fecha cedo, cada dia da semana um horário, segunda a quarta as 20h, quinta e sexta as 21h e sabado e domingo as 22h, mas algumas lojas fecham antes. Para compras é o melhor!

 

Comprinhas feitas, voltamos ao Hotel fomos jantar no restaurante Frydays, muito semelhante ao OutBack, que fica anexo ao Hotel. Pedimos uma montagem de pratos que escolhemos a carne, o acompanhamento e o molho, por U$57 com bebidas em refil.

 

Manhã seguinte, Zona de Livre Comércio de Colón de enlouquecer qualquer ser humano ::hahaha:: . Isso foi uma viagem a parte por vários motivos. Primeiro porque fica a 60km da Cidade do Panamá onde estávamos e havíamos lido muitos relatos de que não era um bom lugar pra ir por causa de assaltos, não vimos nada disso lá, super tranqüilo sem nenhum transtorno. Segundo, na primeira indicação de entrada, o guarda que faz a vigilancia nos mandou fazer alguma coisa, acreditamos que tenha sido fazer a volta pra entrar por outro lado, como não entendemos nada que ele falou em espanhol mega enrolado, concordamos e seguimos em frente, ninguém nos barrou, e paramos em frente a um Banco, passando por armazéns enormes com containeres gigantescos e caminhões. Começamos a circular pelas ruas, e aos poucos fomos chegando nas lojas. ::otemo::

 

O lugar é simplesmente uma cidade de lojas, algumas vendem só por atacado e te perguntam você entra se é ‘por mayor’, como fomos pra comprar a varejo eles nem deixam entrar. Até então, não sabíamos o tamanho da Zona livre, até pegarmos um guia numa loja que é gratuito e numa outra loja o vendedor nos mostrou o mapa que tinha no guia. Aí sim, vimos o quanto íamos andar e achamos as lojas que queríamos comprar. É bom ir marcando por onde você anda, porque no fim, com tanta loja, entra e saí com certeza vai se perder e ir marcando no mapa ajuda muito.

 

Bom, chegamos antes das 10h e andamos e compramos até umas 16h, até entrarmos em uma loja em que a mulher nos perguntou se tínhamos guia, e dissemos que não. Então ela nos informou que teríamos problemas pra sair de lá na fiscalização. Aí então que descobrimos que entramos pelo lugar errado, que teríamos que ter feito um registro de estrangeiro quando entramos e teríamos que ter um guia que facilita a saída mediante pagamento de ‘propina’ aos policiais. Ficamos pasmos de termos entrado pelos fundos sem nenhum problema, e a dona da loja e o esposo dela prontamente chamou um guia pra nós sem nos cobrar nada. Nosso Guia chamava-se Roberto, contato (6408-6297) super gente boa ::otemo:: , explicou o que teríamos que ter feito, e nos ajudou a achar nosso carro que a essa altura não fazíamos idéia de onde estava. Passados 15 minutos caminhando, pagamos U$35 de propina que ele entregou na saída ao guarda e mais um regalo a ele de U$20, e saímos sem problema algum.

 

Depois do sufoco, voltamos dando gargalhada pro Hotel da nossa façanha na Zona livre. Das compras, tudo vale a pena, Nike Shocks a U$70, Mac Book Air por U$1.000, Carolina Herrera New Your a U$70, e uma mala maravilhosa da SwissBrand grande por U$75. ::hãã2::

 

 

Na volta nosso GPS deu a louca e não achava mais nosso Hotel, paramos em um posto de combustível e gentilmente um taxista disse que nos levaria até a entrada e acabou que nos guiou na porta do Hotel... ainda existe gente boa nesse mundo..rs. Exaustos e felizes, largamos nossas compras e fomos para o Albrook Mall mais uma vez comprar chuteira Nike a U$70, pois não achamos em Colón e jantamos mais uma vez na Crepes & Wafles, rede de restaurante Colombiana que adoramos, preços justos, comida excelente e ótimo atendimento.

 

Na manhã seguinte e ultimo dia de férias, não podíamos deixar de ir ao Canal do Panamá, fizemos o check-out no Hotel, malas no carro, chegamos la por volta de 10h manhã. Felizmente, conseguimos ver a travessia de um petroleiro e o funcionamento do Canal. Estava muito cheio, e brasileiros por todo lado pra variar, fotos foi meio difícil de tirar, mas sempre se dá um jeitinho. Passada 1h lá, tiramos fotinhos, filmamos a travessia, e fomos pro aeroporto. Chegando lá, pra nossa surpresa, estávamos incluídos nos passageiros em stand by no vôo que voltaríamos para o Rio de Janeiro.

 

Em resumo, tivemos que ficar no Panamá mais uma noite, recebemos hospedagem 5 estrelas no centro da cidade no hotel El Panamá, alimentação e transporte e um bônus de U$400 dólares por pessoa para ser usado em passagens. Chegamos no aeroporto 13h e chegamos no Hotel depois de toda burocracia pra sair do aeroporto as 19h.

 

Com isso, fomos a outro Shopping que não havia dado tempo de ir, o Multiplaza (U$4) de táxi, mas como fecha as 21h, pouco fizemos, mas lá realmente são as lojas de grifes famosas (Anne Klein, Hermes, Louis Vuitton, Guess, Hugo Boss, Givenchi, Ralph Lauren,etc). Na manha seguinte, caminhamos em torno do Hotel para conhecer o lugar, é um centro com muitos Hotéis, comercio, almoçamos 12h e na hora marcada nosso taxista estava nos esperando pra irmos ao aeroporto.

 

E como não podia faltar, mais um stress pra que a Copa Airlines pagasse o protect Bag que havíamos colocado no dia anterior. Depois de 1h de espera, em bom português, porque brigar em espanhol não é nada fácil..rs, rapidinho a mulher deu jeito de pagar nosso prejuízo.

Transtornos passados, check-in feito, embarcamos sem problemas, observando as pessoas que assim como nós, ficariam em Overbooking no dia seguinte assim como nós.

A viagem foi tranqüila, e em 7h estávamos no Rio de Janeiro, chegamos por volta de 1h da manhã, passamos pela aduana, Duty Free, e o responsável da Receita nem nos olhou, ou seja, fiscalização zero.

 

Qualquer informação adicional, estou a disposição!!!!

 

Algumas fotos da viagem:

 

 

20120820113933.JPG

Hotel em Cartagena

 

20120820114300.JPG

Castelo San Felipe de Barajas

 

 

20120820114445.jpg

Pratos do Crepe & Wafles

 

20120820114659.JPG

Praia Branca

 

20120820114805.jpg

Imagens do Panamá

 

20120820124522.JPG

Aquanautas

 

20120820124629.jpg

Montagem - Cartagena

 

20120820124706.jpg

Montagem - san Andrés Islas

 

 

Até a Próxima...

  • Gostei! 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 3 semanas depois...

  • Membros

Você nao deu sorte mesmo em Barranquilla, comecando pela escolha da localizacao do teu hotel. Além disso era carnaval, você nao podia esperar um festival de musica eletronica ou rock no festival da cerveja né. Pra mim Barranquilla é sem duvida a melhor cidade da Colombia. O povo é muito hospitaleiro sem contar que a cidade é linda demais, e o norte da cidade é muito moderno.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 1 mês depois...
  • 6 meses depois...
  • 1 ano depois...
  • Membros

Adorei seu relato, Vanessa!!!!! Muito detalhado, do jeito que gosto!! Ainda sou um pouco insegura para viajar entao gosto de saber exatamente tudo..rs.

Vou para Cartagena e San Andres com minha tia em Janeiro/2015 e vou aproveitar muito as dicas que postou aqui!!! Obrigada!!!!

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 2 semanas depois...
  • Membros
Adorei seu relato, Vanessa!!!!! Muito detalhado, do jeito que gosto!! Ainda sou um pouco insegura para viajar entao gosto de saber exatamente tudo..rs.

Vou para Cartagena e San Andres com minha tia em Janeiro/2015 e vou aproveitar muito as dicas que postou aqui!!! Obrigada!!!!

 

Também adorei o relato da Vanessa... As fotos então, grande estímulo para minha viagem...

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
×
×
  • Criar Novo...