Ir para conteúdo

Itacaré-BA 6 a 13/10/12


Posts Recomendados

  • Membros

Relato Itacaré 6 a 13 de outubro de 2012

 

Primeira parte:

 

Dia 6 saímos de BH com direção ao aeroporto de Ilhéus, chegando lá chuva. Por sorte foi autorizado o pouso, senão demoraríamos muito tempo para chegar a Itacaré. Com mais uma hora e meia de van chegamos à Itacaré.

Ficamos na pousada Villa N’Kara, fechamos pacote de hospedagem + passagem aérea + translado. Sim, poderíamos fazer duas viagens com o preço do pacote. Mas quando descobri o Mochileiros.com o pacote já estava pago. Depois da descoberta, CVC “aquele abraço”, rsrrs.

Na própria pousada resolvi fechar os passeios com a própria CVC, pois já havia pesquisado preços aqui no site e com o desconto que a CVC deu ficou na faixa do preço das outras agências. Logo foi mais cômodo fechar para mim e minha mãe.

Sobre a hospedagem: gostei muito da pousada, pessoal atencioso, discreto, tudo limpo, bem decorado, dá a impressão que estamos em um sítio com tanto sossego, café da manhã farto e variado. A pousada fica em um condomínio próximo à praia da Concha. Nesse condomínio há inúmeras opções de pousadas. As ruas são todas de barro, e com uma chuvinha enormes poças d'água se formam. Achei um barato pois levei havaianas e tênis somente. Mas para quem levou sandálias meia-pata, salto agulha kkk a diversão acabou ali :lol:

Gostei muito da localização da pousada, fácil acesso ao centrinho, rua da pituba e também às praias.

 

20121117154839.jpg

 

Sobre os passeios:

 

Fiz diversos passeios, aproveitando relativamente pouco as praias de Itacaré. Mas particularmente não gosto muito de ficar o dia todo na praia, prefiro trilhas e coisas diferentes para fazer. Já minha mãe adora ficar na água.

No 1º dia só conhecemos as redondezas, centro comercial de Itacaré. Rua Pedro Longo, que reúne restaurantes, lanchonetes, farmácias e Rua da Pituba onde se localizam mais restaurantes, hostels e lojinhas. Almoçamos no restaurante Flor de Cacau, bem servido, deliciosa farofa de banana e um enorme e delicioso suco de cupuaçu.Demorou um pouco porque estava lotado. Dizem que baiano tem TALENTO, e no primeiro dia já sentimos na pele esse tá lento, ta lento pra comer, ta lento pra andar, rsrsr.

 

No 2º dia, domingo fizemos o “passeio” praias urbanas, incluso no pacote de viagem da CVC. Nada mais do que andar nas 4 praias Rezende, Tiririca, Costa, Ribeira. Passeio simples, percurso pequeno em uns 15 min se faz tudo e tirando foto haha. Tédio.

 

 

20121117155911.JPGrezende

 

 

 

20121117160742.JPGtiririca

 

 

20121117161237.JPGcosta

 

 

20121117161553.jpgribeira

 

Para ficar mais emocionante, na última praia que paramos (Ribeira) que conta com a maior infraestrutura conversamos com um guia nativo e pedimos que nos levasse à trilha da Prainha. O percurso em si até que não é dos mais difíceis, mas depois dos inúmeros relatos de assaltos colhidos por mim aqui no Mochileiros.com resolvemos, eu e mãe, não arriscar. Pagamos R$20 por pessoa, meio salgado para o trajeto curto. Mas quero destacar que um guia nativo faz até mais do que guiar no caminho, conta sobre os costumes, histórias locais. Nenhum valor paga as histórias, gírias e as coisas novas que aprendemos com eles. O nosso guia tem até nome artístico haha Zé Bob.

 

 

20121117162608.jpgZé Bob

 

Geralmente esse passeio vai até a Prainha (conhecida pelo fato do dono da Hang Loose ter uma casa lá, e ser considerada umas das mais belas praias..blá, blá, blá), mas Zé Bob entendido como é, sabia que nossas perninhas aguentavam um pouco mais e nos levou à praia de São José a trilha dessa praia passa por dentro de um condomínio particular. Muito bonita por sinal essa praia. E a maioria anda, anda e morre na Prainha hahah não conhece a de São José que é logo do lado. Poderíamos ficar o dia todo por lá, mas depois de uma água de coco e uma cocada de cacau, decidimos por o pé na trilha e retornar à praia da Ribeira.

 

 

20121117163553.jpg Trilha para Prainha

 

 

20121117163834.jpg Prainha

 

 

20121117164035.jpgmirante São José

 

 

 

 

20121117164401.jpgSão José

 

Pensa que acabou? Voltamos à pousada para tomar banho, e retornamos à Praia da Ribeira. De novo? Sim, porque decidimos que iríamos fazer o arvorismo e tirolesas que tem no parque do Conduru. A empresa tem uma base ali mesmo na praia da ribeira, chama conduru ecoturismo. Um jovem chamado Alessandro ficou responsável por duas loucas que MORREM de medo de altura. E de quebra ainda tirou fotos e fez vídeos muito bacanas dessa loucura que cometemos.

 

 

 

20121117164734.jpg Alessandro

 

Antes de começarmos o arvorismo sentamos nas mesas e pedimos uma tapioca de frango, quando o pedido chegou o susto: um pastel ensopado em óleo! Olhamos pra barraca e descobrimos que com o cansaço acabamos sentando na barraca de pastel e não na de tapioca. Risos engordurados. O arvorismo com tirolesas no circuito e sobre a praia saiu R$ 70 por pessoa, ::cool:::'> muitoo bomm!! Até pra quem tem medo de altura srrsrsrs!

 

 

 

20121117165518.jpg arvorismo Parque Conduru

 

 

20121117165744.jpg

 

 

 

20121117170102.jpg tirolesa

 

Mortas de cansaço retornamos à praia da concha e pedimos o prato do dia: moqueca de peixe no restaurante Malagueta, R$ 38 para duas pessoas. O peixe estava ótimo, porém os acompanhamentos horríveis, arroz duro... farofa estranha, etc. Não recomendaria, esta impressão não foi só nossa dentro da pousada.

Do lado do Malagueta há um armazém, bom para comprar água, lanches para os passeios...

 

No 3º dia fizemos o passeio 4 trilhas (R$35 por pessoa). De van seguimos até a entrada da trilha para a praia da Engenhoca. Muito bacana a mata e bem preservada, tirando os restolhos da obra embargada do Pestana.

 

20121117170844.jpg Engenhoca

 

Passamos pela praia Hawaizinho, Camboinha a partir dessas praias a trilha começa a ficar em um nível mais pesado, a maioria do trajeto é feito em encostas e como tinha chovido fica escorregadio dificultando para quem esta acima do peso, tem problemas no joelho ou simplesmente para quem não está acostumado com trilhas. Tinha muita gente de chinelo, vixi!De tênis eu já estava escorregando!

 

 

 

20121117171055.jpgHawaizinho

 

 

 

 

20121117171658.jpg Itacarezinho

 

Disseram que os preços do resort lá na praia de Itacarezinho eram caríssimos, mas dessa vez que fui o preço tava R$30,00 por pessoa, revertido em consumação. Nos relatos muitos diziam ser R$80-120. Na volta descemos na rodoviária e surpresa: o banco 24hs não tinha um real para saque. Depois de tomar banho na pousada resolvemos pegar um táxi na rodoviária e ir à Ilhéus tirar dinheiro (em itacaré muitos lugares aceitam cartão, mas nos passeios fora de itacaré é difícil encontrar quem aceite cartão). Fomos no táxi de Junior, rapaz novo e muito bacana. Como era noite nos acompanho nas ruas de Ilhéus, mostrou o Bataclan, casa de Jorge Amado, Bar do Vesúvio sem pressa. Super indico, ele também faz passeios guiados a esses lugares durante o dia e translados entre itacaré-ilhéus (Júnior (73)9971 8415).

 

 

 

 

 

 

20121117172030.jpg Bar do Vesúvio

 

 

 

 

20121117172308.jpg

 

 

20121117172545.jpg Casa de Jorge Amado

 

Quando chegamos a Itacaré jantamos no Manga Rosa: filé mignon, arroz, salada ao vapor nada surpreendente por um valor de R$32,00. Paguei foi pela decoração kkk. Ah! Mas adorei o banheiro, limpo, com fio dental disponível rsrsrs.

 

No 4º dia fomos para Morro de São Paulo (R$150 por pessoa): trajeto longo de van e depois de barco. Muito bonito muito diferente o transporte de mercadorias e malas de turistas em carrinhos de mão, remete ao tempo da escravidão, negros malhados empurrando os carrinhos pesados ladeira acima.

 

20121117173240.jpg Estacionamento de carrinhos de mão

 

Diferente ver mulas transportando cimento, tijolos para as construções.

 

20121117173513.jpg

 

Interessante estar em um lugar sem carro. Morro de São Paulo é bastante movimentado, bonito, mas o passeio de um dia é muito cansativo, tiraria pelo menos dois dias pra ficar lá. O cansaço foi tamanho que não saímos nem para jantar em Itacaré.

 

 

20121117173740.jpg mirante da tirolesa

 

20121117173957.jpg

 

Em breve a Segunda parte...

Editado por Visitante
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

Obs: gente no passeio de Morro de São Paulo, almoçamos no restaurante Sambass Café na segunda praia, indicado pela CVC. Estavamos um caco e não queríamos procurar outro. Não sei como a CVC teve coragem de indicar este restaurante. Apesar de badalado, música ao vivo, o atendimento é simplismente péssimo e vc divide seu prato com um milhão de moscas. Não tenho frescura não. Mas foi o pior almoço que já tive. Muito nojento. Quem também tinha feito pedido ficou assustado ao ver nossa mesa cheia de moscas. Decidi pedir um açaí pra vendedores de uma lanchonete e estava delicioso e o melhor: sem moscas! Fujam desse restaurante, é so estampa.

 

No 5º dia fizemos o passeio para Maraú (R$ 65 por pessoa): depois de sacolejar dentro de um Land Rover com os vidros fechados, estava chovendo e voando barro em todas as direções.

 

20121117203907.jpg

 

Chegando à praia, chuva, ventos fortes o sol firmou o bastante para uma pequena caminhada somente, restaurantes com os preços mais puxados. Não compensava passar o dia lá por causa do tempo, como não era maré cheia não formaram as piscinas naturais.

 

 

20121117204052.jpg

 

Resolvemos acelerar o passeio e ir ver as bromélias gigantes.

 

20121117204304.jpg

 

Lembre-se de verificar as marés para aproveitar o passeio.

Visitamos também a lagoa e praia de mesmo nome: Cassange. Lindas!

 

 

20121117212843.JPG Lagoa do Cassange

 

20121117213049.JPG Praia do Cassange

 

De noite, assistimos a roda de capoeira no bar Jungle e, na Praça dos Cachorros, fomos comer tapioca na Tapiocaria Bem Brasil, diversos sabores, sucos fartos. Valores de R$7-15, deliciosas. Tempo de espera pequeno.

 

 

20121117204548.JPG

 

No 6º dia fizemos o passeio Baía de Camamu (R$ 60). Faz jus ao título de 3º maior baía do mundo. Nunca tinha visto aquela quantidade de água! Fiquei boquiaberta com a dimensão desta baía. A escuna em si foi um tormento, muito estruturada, nova, mas passeio pra “turista ver”, pessoal dançando ao som das músicas da moda “eu quero tchu, eu quero tcha”, guias em seus momentos pop star ao microfone, altíssimo por sinal. A vontade que tinha era de empurrar a escuna. Se tivesse alugado uma lancha rápida com um grupo menor teria sido mais válido. Naquela imensidão toda, natureza maravilhosa eu preferia o silêncio às músicas de boate brega.

 

 

20121117204855.jpg Baía de Camamu

 

Parada para Ilha da pedra furada, paga-se R$5 para ver uma pedra furada haha muita gente não desceu, mas também não tem graça ir até lá e não descer certo?! Desci rsrsr.

 

20121117205228.jpg Ilha da pedra furada

 

Parada em Barra Grande, muito rápida só deu tempo de almoçar (almoçamos no Forte dos Frades- é um camping e serve refeições no modelo PF e executivo, muito bem servido, em toda viagem meu almoço que teve mais salada adoro! E por um preço minha gente de R$14, quem sentou nos quiosques da chegada: que dó!).

 

20121117205423.jpg

 

O mar lá não era tão bacana para banho. Como almoçamos bem tarde, ao chegar em Itacaré optamos por repetir a tapioca da Tapiocaria Bem Brasil e fomos no Mar e Mel restaurante ouvir um forró! Ouvir porque não sou muito de dançar srrsr.

 

No 7º dia, parecíamos estar a uma vida la em Itacaré, já estava me sentindo uma nativa. Conhecendo os caminhos, atalhos..rsrs. Resolvemos nesse dia fazer o Rafting no distrito de Taboquinhas. No caminho vários pés de Cacau, lindo e também de cravo da índia. Recebemos as instruções dos instrutores da Ativa rafting e aventuras (R$70 por pessoa com van até Taboquinhas) coletes e remo na mão começou a descida, a primeira a ser empurrada do bote pelo instrutor fui eu, que morro de medo de água, é morro de medo de altura e água srrs .. Com água meu medo é pior ainda. Srrs Passada o susto entrei na onda e o percurso do rio de Contas foi só aventura e risadas. O lugar é maravilhoso quando acaba da vontade de ir novamente.

 

20121117205824.jpg

 

 

20121117210206.jpg

 

Pra finalizar uma tirolesa caindo na água. Voltamos felizes e com os braços moídos de tanto remar rsrsr. Almoçamos no restaurante Casa de Taipa, self service (R$16,90), com bastante variedade e comida gostosa. Para jantar decidimos ir à bem falada Creperia do Tio Gu, crepes deliciosos e todos com nome de praia. Tanto o crepe doce como o salgado (R$20 grande) estavam deliciosos, atendimento excelente. Realmente vale a babação de ovo aqui no Mochileiros.com.

 

No 8º dia a vida em Itacaré estava tão boa, estávamos com tanto TALENTO que acordamos para tomar café da manha mais tarde, minha mãe foi até a praia logo pela manhã. Quando tomava café da manhã o guia da CVC me pergunta sobre minha mãe e minhas malas, nosso translado esperando na porta da pousada. Tínhamos simplesmente nos esquecido que o horário do voo sofreu alteração srrsrs. Arrumamos (amassamos) tudo dentro da mala que ainda não estava arrumada srrs. Pedi um taxi as 10 da manha para chegar a tempo (uma hora e meia de viagem) no aeroporto de Ilhéus meio dia. Sorte que Ney ((73) 9195 9089 – R$100 translado) é bom no volante minha gente, conhece muitos caminhos alternativos, pois devido ao feriado itacaré-ilhéus estava fervendo. Sufoco, despedidas e a vontade de ficar por lá! Até a próxima!

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 4 anos depois...

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

×
×
  • Criar Novo...