Use o menu Tags para buscar informações sobre destinos! - Clique aqui e confira outras mudanças!

Ir para conteúdo
fabiano_cwb

Tailândia, Malásia, Cingapura + Austrália em 19 dias - Março/2014

Posts Recomendados

Pessoal

 

Segue meu relato da viagem ao Sudeste da Ásia (Tailândia, Malásia e Cingapura) e Austrália em Março de 2014.

 

Página 1 - Sudeste da Ásia (Tailândia, Malásia e Cingapura)

Página 2 - Austrália (Sydney e Melbourne)

 

Esta é a minha segunda viagem ao Sudeste Asiático. Estive nessa região em março de 2013 e visitei o Vietnã (Hanoi, Hoi An, Hue e Ho Chi Minh), Camboja (Phnom Penh e Siem Reap), Laos (Luang Prabang e Vientiane) e Tailândia (Bangkok), inclusive tem um relato dessa viagem aqui no Mochileiros.com. Gostei tanto do Sudeste Asiático que quando apareceu a primeira promoção de passagens aéreas não tive dúvida e acabei comprando um bilhete para conhecer outros lugares dessa região.

 

No caso foi uma promoção global da Qatar Airways, com desconto de 25% para vários destinos a partir de São Paulo. Fiz uma simulação no site da empresa aérea e o preço da passagem com ida para Bangkok e retorno por Melbourne era o mesmo que uma passagem de ida e volta para Bangkok. Os trechos entre os países fiz com a Air Asia (empresa low cost com base em Kuala Lumpur).

 

Em relação à hospedagem, optei por ficar em hotéis e guesthouses na Tailândia e na Malásia. Já em Cingapura e na Austrália acabei ficando em albergues.

 

mapa_viagem_2014.JPG.c1daa7b7219d35b19ab5142615a493a8.JPG

 

Roteiro:

 

27/02/2014 – Dia 01 – Curitiba – São Paulo

28/02/2014 – Dia 02 – São Paulo (conexão) – Doha

01/03/2014 – Dia 03 – Doha (conexão) – Bangkok (conexão) - Phuket

02/03/2014 – Dia 04 – Phuket – Koh Phi Phi

03/03/2014 – Dia 05 – Koh Phi Phi – Ao Nang

04/03/2014 – Dia 06 – Ao Nang

05/03/2014 – Dia 07 – Ao Nang

06/03/2014 – Dia 08 – Ao Nang – Koh Lipe

07/03/2014 – Dia 09 – Koh Lipe - Langkawi

08/03/2014 – Dia 10 – Langkawi – Kuala Lumpur

09/03/2014 – Dia 11 – Kuala Lumpur - Cingapura

10/03/2014 – Dia 12 – Cingapura

11/03/2014 – Dia 13 – Cingapura – Kuala Lumpur (conexão) – Sydney

12/03/2014 – Dia 14 – Sydney

13/03/2014 – Dia 15 – Sydney

14/03/2014 – Dia 16 – Sydney – Melbourne

15/03/2014 – Dia 17 – Melbourne

16/03/2014 – Dia 18 – Melbourne – Doha

17/03/2014 – Dia 19 – Doha (conexão) – São Paulo (conexão) – Curitiba

 

 

Gastos aproximados:

 

Somente Sudeste Asiático:

Pré-viagem (seguro) - USD 98

Passagens (voos, ferries) - USD 1.655

Hospedagem (hotéis e albergues) - USD 532

Passeios (tours, traslados) - USD 285

Alimentação (café, almoço, jantar, lanches) - USD 254

Pós-viagem (IOF, despesas financeiras) - USD 187

Total: USD 3.011

 

Sudeste Asiático + Austrália:

Pré-viagem (visto, seguro) - USD 214

Passagens (voos, ferries) - USD 2.067

Hospedagem (hotéis e albergues) - USD 720

Passeios (tours, traslados) - USD 790

Alimentação (café, almoço, jantar, lanches) - USD 407

Pós-viagem (IOF, despesas financeiras) - USD 292

Total : USD 4.491

 

 

Cotações aproximadas em 01/03/2014:

 

- USD 1 = BRL 2,50 (real brasileiro)

- USD 1 = QAR 3,65 (rial do Qatar)

- USD 1 = THB 33 (baht tailandês)

- USD 1 = MYR 3,33 (ringgit malaio)

- USD 1 = SGD 1,27 (dólar de Cingapura)

- USD 1 = AUD 1,12 (dólar australiano)

 

 

Despesas pré-viagem e vistos:

 

- Seguro-viagem: USD 98 (GTA – 20 dias)

- Visto Austrália: AUD 130 (aprox. USD 117)

 

 

Passagens aéreas e ferries:

 

- 27/02/2014 – Voo Curitiba (CWB) a São Paulo (GRU) - GOL – USD 39 (site da GOL)

- 28/02/2014 – Voo São Paulo (GRU) a Bangkok BKK – com conexão em Doha (DOH)

- 16/03/2014 – Voo Melbourne (MEL) a São Paulo (GRU) – com conexão em Doha (DOH) - Qatar Airways – USD 1.343 (site da Qatar Airways)

- 01/03/2014 – Voo Bangkok (BKK) a Phuket (HKT) - Bangkok Airways – USD 85 (site Bangkok Airways)

- 02/03/2014 – Ferry Phuket a Koh Phi Phi - Ferry Phuket – USD 16 (compra via Absolute Guesthouse)

- 03/03/2014 – Ferry Koh Phi Phi a Ao Nang - Ferry Phuket – USD 16 (site Ferry Phuket)

- 06/03/2014 – Combo Shuttle + Ferry Ao Nang a Koh Lipe - Tigerline – USD 31 (site Tigerline)

- 07/03/2014 – Speed Boat Koh Lipe a Langkawi - Tigerline – USD 39 (site Tigerline)

- 08/03/2014 – Voo Langkawi (LGK) a Kuala Lumpur (KUL) - Air Asia – USD 41 (site Air Asia)

- 09/03/2014 – Voo Kuala Lumpur (KUL) a Cingapura (SIN) - Air Asia – USD 44 (site Air Asia)

- 11/03/2014 – Voo Cingapura (SIN) a Sydney (SYD) – com conexão em Kuala Lumpur (KUL) - Air Asia – USD 245 (site Air Asia)

- 14/03/2014 – Voo Sydney (SYD) a Melbourne (MEL) - Tiger Airways – USD 91 (site Tiger Airways)

 

 

Hospedagem:

 

- Phuket / Tailândia

Absolute Guesthouse Patong Beach - 01 noite - quarto privativo (deluxe room) - USD 30 (site Absolute Guesthouse)

- Koh Phi Phi / Tailândia

Phi Phi Andaman Legacy Resort - 01 noite - quarto privativo (standard bungalow) - USD 73 (site booking.com)

- Ao Nang / Tailândia

The Dream Garden - 03 noites – quarto privativo (standard twim room) – USD 119 (site booking.com)

- Koh Lipe / Tailândia

The Box Lipe Resort - 01 noite – quarto privativo (standard double room) – USD 44 (site booking.com)

- Langkawi / Malásia

Malibest Resort - 01 noite – quarto privativo (standard brick family room) – USD 43 (site booking.com)

- Kuala Lumpur / Malásia

Renaissance Kuala Lumpur Hotel - 01 noite – quarto privativo (superior twin tower 1 king bed east wing) – USD 151 (site Marriot Hotels)

- Cingapura

5footway.inn Project Boat Quay - 02 noites – quarto compartilhado (single bed in superior quadruple room) – USD 71 (site booking.com)

- Sydney / Austrália

Sydney Harbour YHA - 02 noites – quarto compartilhado (1 bed in 4-bedded dorm ensuite) – USD 99

- Melbourne / Austrália

Melbourne Central YHA - 02 noites – quarto compartilhado (1 bed in 4-bedded dorm) – USD 89

 

 

Passeios:

 

- Koh Phi Phi / Tailândia

Longtail boat private 6 horas – USD 91

- Ao Nang / Tailândia

Hong Island Tour shared – USD 21

Four Islands Tour shared – USD 12

Railay Beach – USD 9

- Langkawi / Malásia

Island Hopping Tour shared – USD 9

- Kuala Lumpur / Malásia

Petronas Twin Towers – USD 24

Menara KL Tower – USD 30

- Cingapura

Singapore Flyer – USD 26

- Sydney / Austrália

Bridge Climb – USD 177

Sydney Opera House Tour – USD 32

Ecohopper Sightseeing – USD 36

- Melbourne / Austrália

Great Ocean Road Tour shared – USD 90

Eureka Skyview – USD 17

Formula 1 Australian Grand Prix – USD 84

 

 

Alimentação:

 

Esse item é bem variável, depende de cada pessoa. No meu caso, o gasto médio diário foi de USD 23 nos países do Sudeste Asiático e USD 30 na Austrália.

 

 

Despesas pós-viagem:

 

Basicamente são as despesas financeiras lançadas na fatura do cartão de crédito (taxas dos saques nos ATM’s, taxas de pagamentos via PayPal e IOF)

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 01 – Curitiba – São Paulo

 

Nesse dia trabalhei até 15:30h. Saí correndo do trabalho, passei em casa para pegar a mochila e depois fui para o aeroporto. O trajeto entre o centro de Curitiba e o Aeroporto Afonso Pena (CWB) estava em obras devido à Copa do Mundo 2014, ou seja, um caos. O que normalmente demora uns 30 minutos pode levar quase uma hora, dependendo do horário do dia e das obras que estão sendo executadas ao longo do caminho. E nesse dia fui premiado com uma greve dos motoristas e cobradores dos ônibus do transporte coletivo. O trânsito estava caótico e levei mais de uma hora para chegar ao aeroporto. Por isso é sempre bom sair de casa com alguma antecedência para evitar algum imprevisto no caminho.

 

Às 18:40h fui no balcão da GOL despachar a mochila (já tinha feito o check in online). A passagem aérea do trecho CWB-GRU comprei separadamente, pois a promoção da Qatar era somente para voos partindo de São Paulo. Então a mochila foi despachada até São Paulo e lá tive que despachar novamente na hora de fazer o check in do trecho internacional com a Qatar. Depois fui para a sala de embarque aguardar o voo, marcado para sair às 21:03h de Curitiba.

 

O voo saiu quase no horário. Após uns 40 minutos o comandante avisou que o pátio de aeronaves em Guarulhos estava lotado (!) e daí o avião tinha que ficar um tempo sobrevoando São Paulo. Esse voo geralmente demora uns 50 minutos, mas essa viagem demorou quase 2 horas! E depois para pegar a mochila na esteira em Guarulhos foram mais uns 20 minutos de espera...

 

Daí fui direto no balcão da Qatar. O voo saía às 03:15h da madrugada, mas o check in já estava aberto e tinha fila, com muitos grupos de chineses e indianos. Na entrada da fila, um atendente confere o passaporte e o visto (na caso do bilhete com retorno pela Austrália).

 

Quando chegou a minha vez, a atendente disse que estava procurando voluntários para mudar de voo, sendo que a companhia estava pagando cerca USD 250 e ainda poderia ganhar upgrade para a classe executiva para viajar no dia seguinte. A proposta era tentadora (a classe executiva da Qatar foi eleita várias vezes como a melhor do mundo). Mas como eu não tinha flexibilidade de horário (pois tinha uma conexão para Phuket com outra companhia aérea no dia seguinte) viajei nesse voo mesmo, no aperto da classe econômica, num voo com duração de quase 14 horas...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 02 – São Paulo – Doha

 

Lá por 01:00h fui para a sala de embarque, com todos os procedimentos de praxe (inspeção do raio-x, Polícia Federal, duty free, etc.)

 

O voo saiu no horário (03:15h). Logo em seguida foi servido o café da manhã e um pouco antes de chegar em Doha foi servido o jantar.

 

DSC08259.JPG.dfdc9911c83b2fa2649a8874e7933c3b.JPG

Entre as refeições, os comissários de bordo passam oferecendo bebidas (água, sucos) e snacks (barras de cereais, chocolates, sanduíches, frutas, sorvetes). O sistema de entretenimento também tinha várias opções, incluindo filmes que estavam passando nos cinemas (mas sem legenda em português).

 

O voo chegou em Doha às 22:30h (horário local). O fuso horário é adiantado 6 horas em relação ao Brasil (onde ainda eram 16:30h). O novo terminal ainda não estava pronto e o atual não tem fingers, então o desembarque foi remoto.

 

DSC08261.JPG.cca98176eb860838c34aac9493d1fa4f.JPG

O meu voo de conexão para Bangkok só saía na manhã do dia seguinte. Havia um voo com conexão imediata, mas o preço da passagem encarecia consideravelmente. Até considerei a hipótese de pegar um visto para pernoitar num hotel em Doha, mas era muito empenho pra ficar pouco tempo na cidade. O jeito foi ficar enrolando no aeroporto até a chamada para o embarque.

 

Dentro do aeroporto há o Oryx Lounge, que é grátis para os passageiros da classe executiva. Para os demais passageiros, é cobrada uma taxa de aproximadamente USD 40 pela permanência de até 6 horas. No lounge existem algumas mesas e sofás, além de um buffet com lanches e bebidas (não alcoólicas) à vontade. Acabei nem ficando nesse lounge, pois não tinha nenhuma poltrona livre (a ideia era ficar lá pra tirar um cochilo).

 

DSC08263.JPG.3713f29fc7dfa13f2103f2bbc3a3fdeb.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 03 – Doha – Bangkok – Phuket

 

Já amanhecendo, fui para o portão de embarque aguardar o voo da Qatar para Bangkok (o destino final desse voo era Hanói). O embarque também é remoto, o ônibus faz uma longa volta pela pista até chegar ao avião.

 

DSC08287.JPG.9149f2f78c7848f19cc58fffdb047f40.JPG

O voo também saiu no horário (08:35h). Foi servido o café da manhã e depois um lanche (pizza e bolo de banana).

 

DSC08312.JPG.6abed293d597d1ea937e4437f1ebd464.JPG

A duração desse voo é de 6 horas, mas devido à diferença do fuso horário de 4 horas, cheguei em Bangkok às 18:35h (horário local).

 

DSC08329.JPG.42e7120a5a55c713b1d578345ffbe22d.JPG

Antes de ir carimbar o passaporte na imigração, brasileiros precisam carimbar o formulário de arrival/departure (que é entregue para preenchimento durante o voo) no guichê do “Health Control”, que fica bem antes dos guichês do controle de passaporte.

 

DSC08321.JPG.069f502d3d829c735fe7081d19791afc.JPG

No Health Control foi bem rápido, mas a fila do controle da imigração demorou quase 45 minutos! Fui pegar a minha mala na esteira quase 1 hora depois que o avião aterrissou...

 

DSC08339.JPG.a2ace3c91ba25475e7986cee9842425f.JPG

Depois fui direto para o pavimento superior fazer o check in no balcão da Bangkok Airways, do voo doméstico para Phuket. O check in foi bem rápido, não tinha ninguém na fila.

 

DSC08343.JPG.1687898009496332e5e6e9513d1bbdfb.JPG

Aproveitei para sacar alguns baths (THB) num ATM antes de ir para a sala de embarque.

 

DSC08345.JPG.a65ebb88e18a7bcd40f6b457baf673aa.JPG

Como não estava com muita fome, passei na praça de alimentação e acabei tomando apenas um fruit shake (THB 150) e um pacote de castanhas de caju (THB 55), enquanto verificava alguns e-mails. O aeroporto de Bangkok disponibiliza wi-fi grátis, mas é preciso passar num dos balcões de informação e retirar um envelope com uma senha.

 

DSC08366.JPG.4657feb956aeef7ff973529926136089.JPG

DSC08368.JPG.87a419fc5e70a4b7dfcf18a04d73a901.JPG

DSC08369.JPG.62049f186b90be3cb222f0ba71833598.JPG

O embarque começou às 21:20h (também remoto). O voo para Phuket (HKT) saiu no horário previsto (22:15h). Nesse voo foi servido um lanche rápido, com penne, pão, presunto, suco e bolo de chocolate, além de chá e café.

 

DSC08379.JPG.7567da21addf83c8a28aad64821d99ad.JPG

Cheguei no aeroporto de Phuket às 23:25h. Na saída do desembarque, no local informado pelo Absolute Guesthouse, já estava o motorista que faria o traslado até a guesthouse localizada na praia de Patong, que fica a uns 40 minutos do aeroporto.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 04 – Phuket – Koh Phi Phi

 

Cheguei na guesthouse quase 1:00h da madrugada. O Glenn (inglês dono da guesthouse) estava me aguardando na recepção. Depois me mostrou o quarto, ar condicionado, cofre, wi-fi, etc. e me entregou o voucher do ferry para Koh Phi Phi (que eu também tinha pedido junto com a reserva da hospedagem). Como eu estava podre de cansado da viagem, só queria tomar um banho e depois cair na cama!

 

DSC08391.JPG.d8f340793b5bd633e2afd9024059b057.JPG

Na guesthouse não tinha café da manhã, mas perto há vários restaurantes que oferecem o serviço (continental breakfast, English breakfast, Swedish breakfast, etc.), além de lojas de conveniência (7 Eleven, Family Mart).

 

DSC08420.JPG.6be615e1ba2ec17bb05dc523c00271d3.JPG

Depois que acordei, fui caminhar até a praia de Patong, que fica a uns 15 minutos desde a guesthouse. No caminho havia vários bares, mas que estavam fechados por se tratar de um domingo de manhã.

 

DSC08443.JPG.cea0b2991304b8c44e8fbbdb8ba00bf4.JPG

Perto da praia havia alguns restaurantes abertos e acabei tomando o café da manhã por lá mesmo (THB 165).

 

DSC08488.JPG.6aee654c94d4d48d853254fcc6f6bcba.JPG

Na volta para a guesthouse, passei na loja do Hard Rock Café para comprar um shot glass para a minha coleção. É um dos únicos tipos de souvenir que compro durante a viagem, além de ímãs de geladeira.

 

DSC08522.JPG.48edae119afd81df343dc99eb2dcb2ea.JPG

A praia de Patong tem boa infraestrutura e digamos assim, é bem urbanizada.

 

DSC08479.JPG.fe1b8107b8aac15adfd8d51242fb271e.JPG

Fiz o check out meio-dia e fiquei esperando na recepção a van que me levaria até o píer.

 

O motorista passou em outros hotéis para pegar mais 6 passageiros, sendo que chegamos no Rassada Píer às 13:00h. Lá tem que entrar na fila do balcão da empresa de ferry Phi Phi Cruiser e apresentar o voucher. Em troca, eles dão um ticket para entregar na entrada do ferry e também um adesivo colorido para colocar na camisa.

 

DSC08552.JPG.92d20e26870064ee8de94d03f968ee57.JPG

Esse sistema de adesivos é extremamente prático e utilizado em toda a Tailândia. De acordo com a cor do adesivo, os guias sabem qual é o destino final ou qual o grupo do tour pertence o cidadão.

 

Comprei uma caixa de manga cortada em pedaços (THB 100) pra comer durante a viagem, já que não tinha almoçado (mas como tomei o café da manhã meio tarde não estava com muita fome).

 

DSC08560.JPG.3fb65ad9c053ac318e763f3276764933.JPG

O ferry estava cheio, não tinha lugar no deck externo nem no nível superior.

 

DSC08556.JPG.02ea0bda50266fb09d74c7bbdf442ce4.JPG

Acabei indo no piso inferior, que também estava bem cheio.

 

DSC08557.JPG.380b9895aa186d17854bbcbd85220e66.JPG

O ferry saiu às 13:45h e chegou em Koh Phi Phi Don às 15:30h.

 

DSC08575.JPG.ba3d2d8306e1c4e958881a3eb4b07d87.JPG

Já na saída do píer, precisa pagar uma taxa de visitação de THB 20 para manutenção da ilha.

 

DSC08562.JPG.b1a6726e2538c4b1ed8b84fa0b224137.JPG

Também na saída píer fica o pessoal dos hotéis com as plaquinhas com o nome dos estabelecimentos. É só procurar o nome do hotel, daí o pessoal já tem a lista com as reservas dos hóspedes.

 

DSC08572.JPG.9a9a29605a428fd4ecc829c7fc3d451c.JPG

Esse pessoal também leva as malas até os hotéis num carrinho de mão improvisado, já que não há carros em Koh Phi Phi Don.

 

DSC08582.JPG.e6d87733c8add34f02f47eeeccd7001c.JPG

Cheguei no Andaman Legacy Resort às 16:00h. Fiz o check in e paguei a diária (THB 2400, somente em cash).

 

DSC08602.JPG.bf1bab6f5c2f60b845f02add8f87b3c4.JPG

O meu bangalô ficava bem na frente do jardim com acesso à piscina.

 

DSC08584.JPG.81bdb63b0f74ac63777618e483aad55b.JPG

DSC08591.JPG.9cf8ab2700063bb0ca9c042d1ff0b057.JPG

DSC08655.JPG.121ee9d61c3442703c50c4b67b0bc2d4.JPG

Como cheguei tarde em Koh Phi Phi, já não havia mais passeios compartilhados para Koh Phi Phi Ley (onde fica Maya Bay). Procurei em várias agências, mas se eu fosse num tour compartilhado teria somente para o dia seguinte no período da manhã. O outro tour compartilhado que eu queria fazer era para Bamboo Island, só que também seria no mesmo horário ou no período da tarde (quando eu já não estaria mais em Koh Phi Phi), daí eu teria que escolher entre um ou outro.

 

DSC08604.JPG.1fde06bb7d46bb921056a1011ec51313.JPG

DSC08605.JPG.77bdd2c23d3145df5d44e40e7fde1d70.JPG

Fui até o local onde ficam os barqueiros com os longtails boats e fui abordado por um dos barqueiros. Ele mostrou a tabela de preços e perguntei pra ele se tinha como fazer os 2 passeios em 6 horas (nas agências tinha esse passeio, mas que durava o dia inteiro).

 

DSC08606.JPG.8c0e3378c30d356b0b884f7675e0356b.JPG

Ele disse que dava pra fazer, mas não teria muito tempo pra fazer snorkelling (isso era o de menos!). Fechei o longtail só pra mim por THB 3000 (esse é o preço mínimo, para duas pessoas). Deixei THB 300 como depósito e combinei com ele para sairmos bem cedo no dia seguinte, às 8:00h no mesmo local, com retorno até às 14:00h.

 

DSC08610.JPG.e038d30528211fd126bbd5c67c314460.JPG

Resolvido o passeio para o dia seguinte, fui até o Viewpoint para ver o pôr-do-sol. Acabei pegando a trilha mais longa por engano (até achei estranho porque quase não encontrei turistas no caminho). É uma subida cansativa, mas a vista compensa o esforço!

 

DSC08629.JPG.d2f51abac0faf96ada640cc202363e68.JPG

Depois do sunset, voltei para o hotel (desta vez pela trilha certa) e fui aproveitar a piscina do hotel. A trilha cansou um pouco e como eu estava um bagaço, fui fazer back e foot massage (THB 400, duração 1 hora) num dos vários estabelecimentos da rua perto do hotel.

 

Depois de colocar o esqueleto no lugar, fui jantar num restaurante também perto do hotel. Pedi o primeiro pad thai da viagem (THB 80) acompanhado de cerveja Chang (THB 60). Depois tomei um fruit shake de manga (THB 50) numa barraca de rua.

 

DSC08650.JPG.744628557df60052f7d1a44fc13e7262.JPG

Antes de voltar para o hotel passei num mercadinho para comprar água, suco e biscoitos para levar no passeio do dia seguinte.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 05 – Koh Phi Phi – Ao Nang

 

Acordei 06:40h, arrumei a mochila e fui tomar o café da manhã (incluso na diária).

 

DSC08661.JPG.2d239e9106cd47a55f3f44abb4751c42.JPG

Depois fiz o check out e deixei a mochila no luggage storage do hotel. Daí fui até o local combinado com o Yaree (nome do barqueiro) para fazer o passeio de longtail boat. Paguei o restante (THB 2700) e aluguei "fins" (nadadeiras) numa loja ali perto. O Yaree tinha snorkel e mascára no barco para emprestar, mas eu tinha levado o meu do Brasil.

 

DSC08670.JPG.0aa3d34e4ea2dfd6a89cdb48dbb06d5f.JPG

Saímos pontualmente às 08:00h do píer (essa é uma das vantagens de viajar sozinho, não precisa ficar esperando os atrasadinhos). O Yaree também levou a esposa no passeio para fazer companhia pra ele no barco enquanto eu fazia snorkelling ou ficava andando nas praias das ilhas.

 

DSC08686.JPG.8774a1b11b38afcdd6ae50eb4d4cacc7.JPG

Saindo de Koh Phi Phi Don em direção a Koh Phi Phi Ley, a primeira parada é num ponto para fazer snorkelling, num local onde às vezes “aparecem alguns tubarões (?)”. Eu já não sei nadar direito e ele fala que naquele horário poderiam aparecer alguns “peixões”; isso me deixou um pouco apreensivo, mas depois que caí na água essa preocupação deixou de existir, tamanha é a beleza dos peixes e corais de Koh Phi Phi Ley.

 

DSC08698.JPG.9457be8834f89645e462e7350c98c1d3.JPG

Próxima parada foi em Pileh Bay, visual animal!

 

DSC08719.JPG.702152a220c07f5dc91f49be452204b2.JPG

DSC08760.JPG.675476472feda1f49251f04cb70d06e3.JPG

Em seguida fomos em direção à principal atração da região, Maya Bay! Essa praia ficou famosa depois do filme “A Praia” com o Leonardo DiCaprio. A praia estava cheia, estávamos com dificuldade até para achar um lugar para “estacionar” o longtail boat. Um detalhe importante é que tem que ir quando for maré alta (high tide), senão fica uma extensa faixa de pedra e areia, bem diferente do cenário de cartão postal.

 

DSC08810.JPG.0727cd191c1809b3aad018c53b33186b.JPG

DSC08814.JPG.aba0ef37eec0b53726a64634bb6019aa.JPG

DSC08846.JPG.b0711b00a6391db5554b3b611a0b90b2.JPG

DSC08858.JPG.c7ce2e4ffef7a734622909b7c007f524.JPG

DSC08905.JPG.ef45f28838af01cb1eb74b7ce16f345c.JPG

Ainda em Maya Bay, há uma trilha que leva até outro lado da ilha (Loh Sa Ma).

 

DSC08989.JPG.cec5062993af146060d0949977839a77.JPG

DSC08991.JPG.8984b7b8fd1011547fe5ce45ba91326e.JPG

DSC08996.JPG.a455acacfc9757914223c70507922dab.JPG

Fiquei em Maya Bay por aproximadamente uma hora. Depois seguimos para Monkey Island.

 

DSC09013.JPG.8ec7f6942f556cc731479e25b6f0995f.JPG

DSC09028.JPG.ad401ba7437b8cfbf99fa182078adb1a.JPG

Chegando em Monkey Island, vários macacos se aproximam das pessoas na praia à procura de comida (e bebida!).

 

DSC09037.JPG.b3388ac526373e3a0f3dc98d22ca87a0.JPG

DSC09051.JPG.34f469419c54ee3ac6f9b16ced2d3ccf.JPG

Alguns são bem desinibidos...

 

DSC09056.JPG.99e57a0a3a6fc92d4af97488e2fc041c.JPG

A parada em Monkey Island foi bem rápida, até porque os macacos podem se tornar agressivos...

 

DSC09070.JPG.ecef3f91e75f630477d719cb1976eb2d.JPG

DSC09058.JPG.777ff8293d00c2e88f4c5944f127903a.JPG

Alguns minutos dali, paradinha em Mosquito Island, um lugar ideal para snorkelling.

 

DSC09128.JPG.68e52f55877bb42504ce2356da7ef1d9.JPG

DSC09137.JPG.14265952435d5ed3648cca0128827ab0.JPG

Depois do snorkelling, seguimos para Bamboo Island.

 

DSC09159.JPG.93748c78a4ba08f04962de1a869f6995.JPG

Sem palavras pra descrever o local, só estando lá mesmo!

 

DSC09181.JPG.03a51837841bfbc7646d290c187f39be.JPG

DSC09206.JPG.7bda1b858047a3f3df309309e85f5888.JPG

DSC09224.JPG.fa3f3729790a4aeb88286c0713969f08.JPG

DSC09240.JPG.7afb272c821ecd115da78776077c84f0.JPG

Ficamos lá até 13h, quando regressamos para o píer em Koh Phi Phi Don.

 

DSC09256.JPG.990b7aff5f659f8992e2ac1b1c904e31.JPG

DSC09259.JPG.90a4c9eb0c9a2ed9f055b9d4155913bf.JPG

DSC09269.JPG.18f6223e49537cb9bf1fd66eaa1c40bb.JPG

Chegando lá, fui almoçar num restaurante que era no caminho para o hotel. Pedi um green curry com arroz e um fruit shake (THB 270).

 

DSC09287.JPG.950e2f79332d19c98e97c13dd1816be8.JPG

DSC09290.JPG.2815a5e4510bf5c986fb3da29cf38cbd.JPG

Passei no hotel pra buscar a mochila e voltei para o pier para pegar o ferry para Ao Nang.

 

DSC09292.JPG.16c84ed55ab8fa55dd84bb9aae0a7703.JPG

O ferry para primeiro em Railay Beach. Lá não tem píer, os longtail boats se aproximam do ferry e o pessoal desce com as malas. Pra descer em Ao Nang também tem que fazer os mesmos malabarismos...

 

DSC09312.JPG.c6c25dce9bf180183d4a5d97f98b05b1.JPG

DSC09334.JPG.864eba1784876658c865891847ead448.JPG

DSC09335.JPG.385944580ff31e5d697fe74fb2116c1f.JPG

DSC09338.JPG.1306a54c7858dd9e1edb19c63c9ea345.JPG

O longtail boat deixa os passageiros num braço de mar e de lá há o transporte para os hotéis num caminhão tipo pau de arara.

 

DSC09340.JPG.0f21f34b6d36ee000483c709f7b47aac.JPG

Em Ao Nang me hospedei no The Dream Garden. É um tipo de guesthouse “boutique”, com excelente localização e atendimento, ótima relação custo-benefício, recomendo!

 

DSC09358.JPG.555e01535a2a8e01299e6e6044f63203.JPG

DSC09344.JPG.40323c654f3cead697d2674d8c9b2b3d.JPG

No The Dream Garden também funciona uma agência de turismo. Reservei com eles os passeios para Hong Island (THB 700) e o 4 Islands Tour (THB 400), de longtail boat.

 

DSC09357.JPG.c8e998801c928483d38186ad66f941f9.JPG

À noite, fui caminhar no centrinho de Ao Nang. Tem muitas lojinhas, bares, restaurantes, spas.

 

DSC09361.JPG.cd8413adde264da4f9d0cea92d7dbe32.JPG

Jantei um pad thai com uma cerveja local (THB 240) e depois de um dia agitado fui fazer foot massage num dos inúmeros estabelecimentos de Ao Nang (THB 250).

 

DSC09368.JPG.558759ce7e40841eb0d68e495f17a9c9.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 06 – Ao Nang

 

No The Dream Garden não tem café da manhã, mas isso não era problema já que na frente tem um McDonald’s e uma Starbucks.

 

DSC09566.JPG.81daf76b6886dc07115c954c22b3cb1b.JPG

O café da manhã foi no Mac mesmo, tomei um McCafé com um sanduíche (THB 155) e depois voltei para o Dream Garden esperar o transporte para o tour p/ Hong Island, que saiu às 8:30h com a empresa Krabi Kingdom Travel. A recepcionista do The Dream Garden também ofereceu uma toalha de praia para levar nos passeios.

 

O tour é num longtail boat com mais umas 20 pessoas. Saindo de Ao Nang, a primeira parada é em Daeng Island para snorkelling.

 

DSC09379.JPG.f4ec89ad0b41ff47080ce4b4591a3acd.JPG

Próxima parada é em Paradise Island, onde há uma praia de areia branca e águas mornas e transparentes, perfeita para nadar ou mesmo não fazer nada.

 

DSC09397.JPG.0fb05fdd992d5ffbfba7dd6db9776833.JPG

DSC09422.JPG.3872eeaf20a243a9774b8cc5da884712.JPG

Nessa praia é servido o almoço, que é preparado pelo próprio guia. Foi servido frango, arroz e acompanhamentos, além de água mineral.

 

DSC09430.JPG.aaabec1b0c3f01c061decb63ea613fd4.JPG

DSC09437.JPG.6a54ae0f4a1ff3aba31201252d217230.JPG

DSC09441.JPG.9ad7f39d7ac427939a490cb0f1cf5500.JPG

Saindo de Paradise Island, o tour segue para uma lagoa em Hong Island onde o pessoal fica nadando (como eu não sei nadar direito, fiquei no barco mesmo).

 

DSC09473.JPG.8374711c5c52448f0cfe41c435526c90.JPG

Depois chegamos finalmente em Hong Island.

 

DSC09484.JPG.64b456663aaf0aad3c6eb69a8a28be56.JPG

O visual é animal, areia branquinha, águas em tons esverdeados, parece uma pintura.

 

DSC09491.JPG.579df825fb09b79dc0355c86e2f50b65.JPG

Alguns turistas tinham agendado também o passeio com caiaque ao redor da ilha.

 

DSC09501.JPG.170295aef33a0229a38be7362dffe5e0.JPG

Já eu preferi ficar na praia fazendo absolutamente nada, só apreciando o visual. E que vista!

 

DSC09528.JPG.814b33f1bfbbe5769a2995add503b60c.JPG

O passeio de barco termina lá pelas 16h e depois a agência tem transporte até o hotel. Perto do hotel tinha uma barraca de comida de rua, pedi uma panqueca tipo thai (massa bem fininha e crocante) com nutella e também um fruit shake de manga (THB 80).

 

DSC09571.JPG.7b5457f2fb631514dabaa1dd55d92b13.JPG

DSC09578.JPG.67797f1313162c2f09d8f80cd645ec2c.JPG

No final da tarde fui caminhar na praia de Ao Nang até o pôr-do-sol. No final da praia apareceram alguns macacos procurando comida dos turistas...

 

DSC09684.JPG.ab4452db3d34f3d5e2f1ba1dca555c6b.JPG

DSC09663.JPG.b6a03ae331e44645350cdd39dbc91ffd.JPG

Pôr-do-sol na praia sempre é um dos momentos mais belos do dia. Havia algumas pessoas caminhando na praia e alguns locais pescando com rede.

 

DSC09647.JPG.8a7f546146a9691650c3a28d89f0109c.JPG

À noite voltei na mesma barraca na rua e jantei um pad thai com fruit shake (THB 100), emendando com uma thai massage ao lado do hotel (THB 200).

 

DSC09730.JPG.b9f5925e1d88d358eea0a103ef814b0c.JPG

DSC09732.JPG.bc9cff95c983f91c70194640e52ce431.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 07 – Ao Nang

 

Acordei e fui tomar café no Starbucks na frente do hotel. Pedi um cappuccino e um donut de chocolate (THB 205).

 

DSC09742.JPG.60e410f1e563f1e9e0052aec045ec859.JPG

Logo depois fui esperar o transporte da agência na frente do hotel para o 4 Islands tour.

 

O longtail boat também sai do mesmo lugar do tour do dia anterior.

 

DSC09744.JPG.c8f08c2a74ea766afdc005ecb3b4bd99.JPG

A primeira parada é em Tup Island.

 

DSC09833.JPG.f0b7bda124fb1c3452e47fb679e923fb.JPG

DSC09836.JPG.356d2d9126094a2ff4dd697c447cbd3f.JPG

Essa ilha é conectada à Chicken Island por uma estreita faixa de areia, que durante a maré baixa pode ser percorrida a pé.

 

DSC09788.JPG.6815e7fd54a4c9ae1af4daa47ae6d8e0.JPG

Quando chegamos, a maré estava um pouco alta, mas ainda era possível caminhar até a outra ilha.

 

DSC09810.JPG.d469412d976dcdb6d204b03fc51a04eb.JPG

Chicken Island tem esse nome devido à uma formação rochosa que lembra o galináceo.

 

DSC09860.JPG.af5eaee8bb8cc031f64d030a362fdb53.JPG

Depois fizemos uma parada para snorkelling.

 

DSC09882.JPG.d96126f504997fa305fa63aee287e6f8.JPG

DSC09872.JPG.4501d6a05052d6d296a08cac899bd41e.JPG

Ali perto também tinha um pessoal que estava praticando rock climbing.

 

DSC09912.JPG.54ac7d6585471febecec60719517395d.JPG

DSC09917.JPG.0c002cfedc9cd8ff93abbcfe3438c0b3.JPG

 

A próxima parada é Poda Island. E o lugar é Phoda mesmo!

 

DSC09932.JPG.9618c32278eb8b851794c51df3d6a917.JPG

Imagina só almoçar com essa vista...

 

DSC09953.JPG.224b142a95a084b744a9872005033a62.JPG

Mais um daqueles lugares horríveis dessa viagem #sqn

 

DSC09984.JPG.9ccdadf1f05c2f80e906f99293f60b2d.JPG

DSC09985.JPG.0d99b5f1d154e00eeda891b65ed9bd25.JPG

A última parada já é perto de Ao Nang, em Phranang Beach. Numa das extremidades da praia tem uma caverna, onde há praticantes de rock climbing.

 

DSC00013.JPG.f804f624a1519d32a7f83b94b93ddd46.JPG

DSC00040.JPG.c4e04664686ba49b04a4ea76305e54f7.JPG

Na caverna há uma espécie de templo dedicada a... a... bem, a alguma coisa relacionada com fertilidade...

 

DSC00021.JPG.b66a9aa9f0dec2ba197ca1b0c4ac7a2e.JPG

DSC00027.JPG.2cae0e0212cb8e648834df2d9767c701.JPG

A faixa de areia dessa praia é estreita, mas o mar é bem raso e praticamente sem ondas.

 

DSC00041.JPG.cc17a1088686d2629e4ac698811e0d8a.JPG

DSC00054.JPG.817ebb9ecb8ea4e1e2945467226460b6.JPG

DSC00059.JPG.eae3dfe1cfc585ca43abc5349b7a0c1b.JPG

Também tem que ter cuidado com os macacos, que ficam fuçando as sacolas do pessoal em busca de comida...

 

DSC00046.JPG.1c8625966cb8bd447a296f6c69deaa16.JPG

Por falar em comida, nessa praia tinha alguns longtail boats que tembém vendiam comida e bebidas, ótima ideia! Vai bem uma pancake de nutella com fruit shake (THB 100), na praia like a boss!

 

DSC00042.JPG.7083e92d7e4c977a523c3c4b7f33129e.JPG

DSC00085.JPG.36b2630fa5404e58df1296d3db5e28e8.JPG

No final do tour, a maré na praia de Ao Nang estava baixa e daí desci do longtail boat nessa praia mesmo, senão teria que ir até o local de partida e voltar com o caminhão pau de arara.

 

Na praia de Ao Nang tem os longtail boats que servem de táxi entre outras praias próximas. Peguei um longtail boat para Railay Beach. Como era meio tarde, eu era o único passageiro, daí tive que pagar um pouco a mais (THB 200) pelo trecho de ida. Na volta de Railay Beach para Ao Nang havia mais passageiros, daí o trecho de volta ficou mais barato (THB 100).

 

DSC00113.JPG.4f73c07c20375a1e9dc28f2f22be488c.JPG

DSC00120.JPG.31bffbd856724e7e7a62384bd4093834.JPG

Fiquei em Railay Beach até o final da tarde, quando saía o último longtail boat de volta para Ao Nang. Railay Beach é bem menor que Ao Nang, um pouco mais rústica, mas a praia é incrível, rodeada de paredões de pedra. Tem só uma ruazinha (Walking Street) onde ficam as lojas, bares, restaurantes e hotéis.

 

DSC00121.JPG.034c3099d088e9c38cacca1d22c19726.JPG

DSC00158.JPG.dc4f0fcb7e4d32c715186f4ece7c5dfa.JPG

De volta a Ao Nang, jantei no Lemon Restaurant ao lado do hotel (THB 220), comida muito boa e não tão “spicy” (steamed Rice, prawn with cashew nuts e mango shake).

 

DSC00190.JPG.7bef7a97672a7c89f548320e8742601d.JPG

E também emendei com uma thai massage (THB 250) antes de voltar para o hotel.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 08 – Ao Nang – Koh Lipe

 

Último dia em Ao Nang. A região tem mais lugares para serem visitados, como Tiger Cave Temple, Emerald Pool, Hot Springs e trekking com elefante. Mas como eu tinha poucos dias de férias, deixei esses passeios para outra oportunidade.

 

O café da manhã novamente foi na Starbucks, com cappuccino e croque monsieur (THB 240).

 

DSC00196.jpg.9898cb97a684a09c7f26af5b41664b41.jpg

Fiz o check out da guesthouse e fui andando até o local marcado para pegar a van da Tigerline Travel. O ponto de encontro ficava na mesma rua da guesthouse, a umas duas quadras, na frente da Ao Nang Bus Station / Tourist Information.

 

DSC00204.jpg.8115d5e3bb8e72a516bdd3e9ecd6e5bb.jpg

A ida para Koh Lipe foi no esquema de combo shuttle + speed boat, comprado no site da Tigerline Travel. O horário marcado para a saída é às 9h. Às 9:05h a van chegou no meeting point. De lá saímos em 9 pessoas e depois paramos num hotel no caminho para pegar mais 3 turistas. As bagagens vão no bagageiro na parte superior da van.

 

DSC00206.jpg.b106bdc38e107efa91732bcfcdde6ada.jpg

Às 11:40h chegamos em Hat Yao Píer, direto para um restaurante onde fica a atendente da Tigerline Travel que dá os já famosos adesivos de identificação para embarcar no ferry para Koh Lipe.

 

DSC00211.jpg.978c730d00a092cd827326e4b6e9e8fb.jpg

Lá já aproveitei para almoçar, tinha uma espécie de marmita (fried chicken with rice) por THB 50, pedi mais uma coca (THB 30) e depois peguei um sorvete Mega (THB 50).

 

DSC00214.jpg.b27c7340da90a37257d6a72043eb551f.jpg

O horário do ferry era 12:30h, mas teve um atraso e saímos 13:30h para Koh Lipe. O tempo de viagem é de 2 horas, chegamos quase 16h em Koh Lipe.

 

DSC_0082.jpg.a30f079f1656910e26ecf0d864905a7e.jpg

Em Koh Lipe não tem píer. O barco para numa “estação flutuante” improvisada. O ferry encosta de um lado e do outro lado encostam os longtail boats. Nesta mesma estação paga-se a taxa de conservação da ilha (THB 20) e THB 50 pelo longtail boat até a praia (que não está incluso no combo da Tigerline Travel).

 

DSC_0089.jpg.f101b36768df0efabba752ee50b3166b.jpg

DSC_0088.jpg.bc6aa786a16d9f7461e089732d06cde1.jpg

Descendo do barco em Pattaya Beach, precisa caminhar um pouco pela areia fofa até a Walking Street (que dó do pessoal com mala de rodinhas...)

 

DSC_0095.jpg.5b2779ab2e920e6631f09bf5e43bfe18.jpg

DSC_0102.jpg.15d0da841e13eee36d1d370b5b1863c3.jpg

Na entrada da Walking Street havia alguns moto-táxis, mas fui andando até o hotel The Box Lipe Resort (que fica nos fundos do The Box Bar, especializado em tapas espanholas).

 

DSC_0266.jpg.696b7637c2c943a8c2c82cd5471dbf64.jpg

DSC_0106.jpg.9f0264aec7a8a2e6f16c5dd713a050ec.jpg

DSC_0108.jpg.5b71b29d8e97a98b0ac80453e2c5f8de.jpg

DSC_0115.jpg.296031c63a067f3eb441d1efd2a4e0c9.jpg

A ideia era deixar a bagagem no quarto e de lá ir até Sunset Beach para pegar o pôr-do-sol.

 

DSC_0127.jpg.1fd182e790a6eb36621172c60c9df800.jpg

DSC_0174.jpg.708c0491e60051d8d16039faa56c5859.jpg

Voltei para o hotel e depois fui bater perna na Walking Street. Jantei no restaurante Thai Lady Pancake, que fica na frente do The Box. Pedi pad thai, mango sticky rice e uma cerveja local (THB 240).

 

E antes de voltar para o hotel, thai massage (TH 300).

 

DSC_0260.jpg.1e2b28e017f4fddf50c5dc85d1e33003.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 09 – Koh Lipe - Langkawi

 

Levantei cedo, às 7h já estava no The Box Bar para tomar o café da manhã (incluso na diária). Tinha algumas opções de menus, a que escolhi era a “saudável”, tinha suco, cereais, frutas e iogurte. Mas eu precisava tomar um café também, daí pedi um espresso (THB 70).

 

DSC_0270.jpg.f7f03073dde124a484648c955e9b6fb9.jpg

Depois do café da manhã fui para a Sunrise Beach e fiquei por lá até 10:30h, quando voltei para o hotel para fazer check out e deixar a mochila no luggage storage da recepção.

 

DSC_0283.jpg.53b57fe0524789a80e691338c3fa81e6.jpg

DSC_0298.jpg.524594a78b665527cbe94216762d0563.jpg

DSC_0305.jpg.f7035449a20392b8c34229051ffa47d0.jpg

Outra coisa que precisava fazer era encontrar o meeting point da Tigerline Travel para pegar o speed boat para Langkawi. No e-ticket não dizia o local de encontro, daí fui perguntando nas agências de turismo até encontrar o local, que ficava no Forra Diving (mergulho/snorkelling). Lá o atendente disse para estar às 14:30h para os procedimentos de check in e imigração (carimbar o passaporte com saída da Tailândia).

 

Daí fiquei enrolando em Pattaya Beach. Lá no final tem uma trilha que leva para uma paradisíaca praia particular.

 

DSC_0330.jpg.8bc3e23a44e531dba009ed8af65bc963.jpg

DSC_0333.jpg.216cfd07b46abf0bf8a7dd75e5bb4b0e.jpg

DSC_0335.jpg.cc3c3784701114217e486ffa6fce731f.jpg

 

Voltei para a Walking Street para almoçar no outro restaurante Thai Lady Pancake, perto da praia. Pedi prawn with cashewnuts, rice e mango shake (THB 200). No almoço o atendimento foi mais demorado, bem devagar... É até compreensível, estava muito quente e o povo fica com aquela moleza até pra falar com os clientes...

 

DSC_0358.jpg.4509873c0e5945ac80e155995591b915.jpg

Voltei para o The Box pegar a mochila e depois fui para o Forra Diving. De lá, fui encaminhado para uma espécie de agência de turismo na frente da praia, onde precisava apresentar o e-ticket impresso e entregar o passaporte para eles encaminharem para o escritório de imigração da Tailândia para carimbar a saída. O passaporte só é devolvido em Langkawi, quando o pessoal da agência providencia o carimbo de entrada na Malásia.

 

Ainda tinha um tempinho até a saída do speed boat. Aluguei uma cadeira na praia no bar ao lado da agência (THB 100), com direito a um refrigerante e lá fiquei esperando até às 16h, quando subi no speed boat e me despedi da Tailândia...

 

DSC_0363.jpg.35fff18b0442376102daeff316694b97.jpg

De speed boat, a viagem entre Koh Lipe e Langkawi demorou pouco mais de uma hora. Só que o fuso horário na Malásia é adiantado em uma hora em relação à Tailândia, então chegamos às 18h no horário local.

 

Em Langkawi há dois píers. O speed boat parou em Talaga Píer, que ficava mais perto do meu hotel. Se pegasse outro barco, poderia parar no outro píer e daí teria que pegar um táxi e atravessar a cidade até o outro lado.

 

DSC_0370.jpg.3049c6baeb4cd27cbf9a84624919f6eb.jpg

Em Talaga Píer, o pessoal fica aguardando até chamarem pelo nome para devolver o passaporte.

 

DSC_0378.jpg.6b53016c1cab0f90338a4e2deaaa8a5f.jpg

DSC_0373.jpg.ba8254926d0c7cbed78f8865aded7b97.jpg

Ali eu iria pegar um táxi até o hotel, mas o motorista de uma van que transportaria alguns passageiros até Pantai Cenang me deu carona até o meu hotel que ficava na mesma praia.

 

DSCF5006.jpg.7da9164e36aac3c4095cb8c46ba36f87.jpg

Chegue no Malibest Resort às 19h. Fiz o check in (paguei com cartão – MYR 40) e deixei USD 10 como depósito pela chave do quarto (depois eles devolvem no check out).

 

O meu quarto ficava num anexo do hotel, no outro lado da rua. Os quartos são bem grandes, cabem umas 4 pessoas.

 

DSC_0382.jpg.e7d1e76a9a02c4c410728e6c1b30a5bd.jpg

Na rua do hotel há algumas casas de câmbio, daí aproveitei para trocar os bahts da Tailândia por ringgits malaios.

 

Fui até o shopping Cenang Mall procurar uma loja pra comprar uma câmera barata já que a minha tinha dado pau na Tailândia e até então as fotos eram somente pelo celular. Achei somente uma Fuji (era a última na vitrine).

 

Ainda na rua do hotel, parei num quiosque e comprei o passeio Island Hopping (MYR 30) para a manhã do dia seguinte.

 

Outra coisa diferente na Malásia é o tipo de tomada. Parei numa loja de conveniência para comprar um adaptador universal (MYR 10,50), senão não teria como recarregar os gadgets.

 

Depois acabei jantando no Índia Palace, que fica anexo à recepção do hotel. Pedi prawn masala, rice e 2 sucos de manga (MYR 50, com os 10% de gorjeta).

 

Comida indiana é beeem picante. Para “harmonizar”, passei na loja da 7 Eleven e comprei um sorvete Haagen Dazs (MYR 10).

 

DSCF5008.jpg.e2bbfd97c2a12ca24f5054dbbabb39e3.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 10 – Langkawi – Kuala Lumpur

 

Acordei bem cedo e fui caminhar na praia na frente do hotel.

 

DSCF5022.jpg.5141701efafcd56cc11bd765e8848ae1.jpg

A Malásia é um país islâmico e é interessante ver as diferenças culturais numa praia.

 

O fato das mulheres usarem o véu não as impedem de entrar no mar e se divertirem como qualquer outro ser humano. Só é uma visão estranha para quem foi criado numa cultura ocidental que preza pelas liberdades individuais...

 

DSCF5026.jpg.a63863a186a01e669633dd8c7c417eac.jpg

No Malibest não tinha café da manhã incluso, daí fui até o KFC no Cenang Mall (lá também tinha uma Starbucks, mas ainda não estava aberta). O menu do café da manhã com chicken sandwich saiu por MYR 5,20.

 

DSCF5015.jpg.d934c47c12aacd3faa6893dbd0e06873.jpg

Voltei para o hotel, fiz o check out e deixai a mochila na recepção. Daí fiquei esperando até 9:10h, quando chegou a van do tour Island Hopping.

 

A van parou em outros hotéis para pegar outros passageiros até o local de saída dos barcos. Lá também tinha o mesmo esquema dos adesivos coloridos para colar na camiseta. Desse píer saíam vários barcos que faziam o mesmo roteiro.

 

DSCF5048.jpg.b1534b90d251e95332a7543fe56ac85b.jpg

A primeira é uma parada para fotos do Pregnant Maiden (uma montanha que parece com uma grávida deitada).

 

DSCF5057.jpg.f6637e4ed4782d726406362fd2db16bb.jpg

Depois uma parada na ilha onde fica o Lake of the Pregnant Maiden (Tasik Dayang Bunting), onde uma trilha leva até o lago no interior da ilha.

 

DSCF5074.jpg.15c4cabdb55a6da30453e2ac7f22ac36.jpg

Lá tem algumas piscinas junto ao lago pro pessoal nadar (também pode nadar no lago).

 

DSCF5091.jpg.4b0275a2afa09864e61132257727babb.jpg

Ainda nessa trilha há alguns macacos, que são atraídos pela comida trazida pelos visitantes.

 

DSCF5076.jpg.5b5ab34e4547eaa2e2bdb55e56d58adf.jpg

Depois o barco segue para outra ilha, onde os guias fazem a demonstração para alimentar as águias que vivem nesse local (eagle feed watching).

 

DSCF5124.jpg.18fc238daa01a5ed457b618c6222b1fd.jpg

A última parada é numa ilha onde tem uma praia, onde há várias atividades (paraglading, banana boat, snorkelling, etc).

 

DSCF5165.jpg.5ed4aa20185345362d886fd6f013eb1a.jpg

DSCF5160.jpg.71fcca88376a0630ff0f4b34d74a6c3b.jpg

DSCF5207.jpg.6f1ea6e673212c2906d3eb568f80a5f3.jpg

DSCF5168.jpg.a51e321f682d69d815a5d45023e01f21.jpg

O barco sai dessa ilha às 12:45h e chega no local da partida às 13h, onde há o transfer de retorno para o hotel.

 

Na rua do hotel há uma infinidade de restaurantes. Parei num restaurante de comida local e pedi algo mais simples, fried rice e suco de manga (MYR 16).

 

DSCF5211.jpg.8e6e6a9cb5c6670e964395ca3c9fc64c.jpg

No período da tarde tinha planejado ir até a Skybridge. Peguei um táxi até Oriental Village (MYR 30), mas chegando lá tinha um aviso que o cable car estava em manutenção (justo nesse dia! ::bad:: ). Fica pra próxima

 

DSCF5214.jpg.0c520f9dfe0c57b43fb858f943151a3b.jpg

DSCF5219.jpg.12387c98565c097b42b8947d3f796470.jpg

Pegar táxi na Malásia é extremamente seguro, não tem perigo de ser enganado. O mesmo preço da ida foi cobrado na volta para o hotel com outro taxista. Ele estava explicando que esses preços são tabelados. Se algum taxista tentar enganar um passageiro, ele pode até perder a licença.

 

Fiquei um tempo na recepção do hotel utilizando o wi-fi até o horário de ir para o aeroporto (dali era bem perto, cerca de 15 minutos). Peguei um táxi num ponto perto do hotel, a corrida saiu por MYR 20.

 

Fiz o check in no balcão da Air Asia (companhia low cost estilo Ryannair e Easyjet) com destino a Kuala Lumpur.

 

O aeroporto é pequeno, mas é bem organizado. Na sala de embarque tem wi-fi grátis. Também tem Starbucks, onde pedi um Frappuccino (MYR 12).

 

DSCF5243.jpg.ae59d70fad3b4d2d748f2d4a5fafafe4.jpg

O voo para Kuala Lumpur saiu às 17:45h e chegou uma hora depois.

 

DSCF5249.jpg.c1412464519ad9dedcf84360ffc553cc.jpg

A chegada em Kuala Lumpur não é no terminal KLIA (Aeroporto Internacional), mas no LCCT (Low Cost Carriers Terminal), onde fica a base da Air Asia.

 

DSC_0398.jpg.f1b99f1d4b4744a0d2a0e46fd812b7d9.jpg

Observação: foi bem nesse dia que o voo da Malaysia Airlines partiu para Pequim (e que até agora não foi encontrado o seu paradeiro) :cry: . No dia seguinte, vários amigos começaram a mandar mensagens para saber se eu estava bem e até então eu não tinha entendido o motivo dessa preocupação. Só fui ficar sabendo da notícia no dia seguinte, quando estava tomando café da manhã no hotel e as TV’s estavam fazendo a cobertura do desaparecimento do avião.

 

DSC02807.JPG.c7f942524158b399c71d41bb0466badb.JPG

Perto das esteiras para retirada das bagagens ficam vários guichês com as opções de transporte até o centro de Kuala Lumpur (que é bem longe). Optei pelo KL Transit, que é um combo. Do LCCT sai um ônibus até a estação Selamat. Nessa estação pega-se o trem expresso para a estação KL Sentral. O tempo total foi de aproximadamente uma hora, ao preço de MYR 12,50.

 

DSC_0402.jpg.94eeda3f8dcb3648e3df1402be395c5f.jpg

DSC_0414.jpg.9e933d1ee6d229493f528b79bd73d211.jpg

Chegando em KL Sentral, optei por pegar um táxi até o hotel (MYR 14), pré-pago no guichê da empresa de táxi.

 

DSC_0419.jpg.a891e24438697379c64d909c32f65b92.jpg

Quando fiz o planejamento desta viagem, minha intenção era ficar num hotel bom em Kuala Lumpur (nada de hostels nem guesthouses), porque era a cidade que estava bem na metade do roteiro da viagem. Depois de KL, as próximas hospedagens seriam em albergues, então eu queria um hotel um pouco melhorzinho. Consultando as tarifas no booking.com, mesmo os hotéis padrão 5 estrelas tinham preços acessíveis em KL (comparando com os preços praticados no Brasil, é claro). Outro fator para a escolha é que o hotel deveria ser perto das Torres Petronas, que é a principal atração da cidade.

 

DSC00037.JPG.b399841caad29271937a4c71cc7521fd.JPG

Considerando todos esses fatores, fiz a reserva no Renaissance KL Hotel no próprio site do hotel da rede Marriot (tarifa pré-paga). Quando cheguei na recepção do hotel para fazer o check in, o atendente disse que eu teria que fazer o check in em outro lugar, porque eu tinha ganhado um upgrade! ::lol3::

O maleteiro pegou a minha mochila (vejam só a situação, mochilão num hotel 5 estrelas) e me levou até o penúltimo andar, onde ficava o check in exclusivo para os quartos do LifeStyle Lounge (onde também ficam as suítes presidenciais).

 

DSC00039.JPG.a6a4622b4029af33714525030c23fe6c.JPG

É, definitivamente esse hotel foi uma ótima escolha!

 

DSCF5264.jpg.fc35af12fa9343030dbad65d81c67569.jpg

DSCF5258.jpg.75e939dcb576dfb41d75580f5eb1674d.jpg

Apesar de ter adorado o quarto e as mordomias do hotel, eu tinha pouco tempo na cidade e por isso deixei a bagagem no quarto e fui até o Traders Hotel ali perto, onde tinha o Skybar na cobertura (de onde se tinha uma vista animal das Petronas).

 

DSC_0438.jpg.a34953507dac35ec594e2221f2cfeca2.jpg

Como era noite de sábado, o bar estava lotado e acabei nem ficando muito tempo ali. Ali perto ficava o Hard Rock Café. A ideia era jantar ali, mas pelo adiantado do horário a cozinha já tinha fechado. Fui somente na Rock Store comprar o shot glass para a coleção.

 

Dali fui seguindo as luzes até chegar nas Petronas Twin Towers. A visão iluminada das torres é demais!

 

DSCF5288.jpg.0fd780546eec390b4f6413907f735352.jpg

Daí comecei a ficar com fome, mas a praça de alimentação do shopping que fica na base das Petronas já tinha fechado. O lugar para jantar seria no hotel mesmo, mas por sorte havia um festival (Family Fair) ali perto, onde tinham barracas com alguns pratos e bebidas. Fiz um lanche rápido (chicken burger e refrigerante de strawberry) por apenas MYR 7, enquanto cantores amadores se apresentavam no palco do festival.

 

DSCF5320.jpg.a92ac1fb0782e4510f0a46b59ef0698a.jpg

DSC_0448.jpg.f588d2e9cad5db30ee21f34cfacb4e7e.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 11 – Kuala Lumpur - Cingapura

 

Acabei acordando cedo para tomar o café da manhã. Tinha a opção do café continental servido no LifeStyle Lounge ou do buffet completo no restaurante do térreo com o “povão”. Nesse caso preferi o buffet com a plebe.

 

DSC_0455.jpg.3276ef6eaebf0eef2b38c3d157e8f256.jpg

DSC_0454.jpg.684b1521b39b5e1ae2ab3e5874617c24.jpg

Saí do hotel às 8h em direção às Petronas. Comprei o ticket on-line, então tinha horário marcado para a visita. Mas antes precisava mostrar o comprovante da compra no balcão para trocar pelo bilhete de acesso aos elevadores. Quem não comprou pelo site, teve que enfrentar uma longa fila.

 

DSCF5379.jpg.735ff05f77e67ff926710a5ea405b398.jpg

DSCF5384.jpg.f7f360565490d7e87826521722e8422e.jpg

O tour passa por dois pontos, primeiro na passarela que liga as duas torres (Skybridge) e depois no 86º andar.

 

DSCF5460.jpg.0cbf8f7441c378203ea03e4cd92f15a9.jpg

DSCF5466.jpg.d7c69aadf25be73ca014bbc7a5d6e8df.jpg

DSCF5512.jpg.3c5ecc6b0492f3eb230758db748aa4a7.jpg

DSCF5517.jpg.a8785a7fb67c8c9ac9432fb8265bc75c.jpg

Ao término do tour, passei no Suria KLCC, que é o shopping que fica na base das Torres.

 

DSC00008.JPG.4f0ba4f4c9a55e205da68439118c63b9.JPG

DSC00010.JPG.1ae0156ade50b7cf11151de08f5b4c61.JPG

DSC00011.JPG.d1be6ee428054f2d78f88db37b4f3d96.JPG

Depois voltei ao hotel e fiquei na piscina (estava muito quente em KL nessa época do ano).

 

DSC_0510.jpg.9410171cf19ae2c336fb9ef8098f4f55.jpg

O check out é ao meio-dia, deixei a mala na recepção e fui andando até a KL Menara Tower. No mapa parece que é perto do hotel, mas dá uma boa caminhada...

 

DSC00050.JPG.84cf864704f3aacbf4dcee164464a8a3.JPG

O ticket para visitação até o último andar custou MYR 99. Tem a opção de ir até a plataforma de observação (MYR 45). Essa é uma das torres de Telecom mais altas do mundo.

 

DSC00086.JPG.a27b8152833b9fd03090374f6c6a26e5.JPG

DSC00132.JPG.26a90c27fb1f77381e621896f73501c1.JPG

DSC00115.JPG.cb86bc19fcfc1598e5a0c1c582f92e64.JPG

De lá peguei um táxi até o Central Market (MYR 30). Demorou uns 15 minutos porque algumas ruas próximas ao mercado estavam em obras.

 

DSC00152.JPG.48ba9b4bd0461fd299eba5a8923fdf4a.JPG

Almocei num restaurante chinês (Yong Tau Foo), pedi um prato chamado rojak buah (macarrão frito com frango e legumes) por MYR 6,80.

 

DSC00143.JPG.eb8c7d592f58c74e3fa13a51f4a6e6c3.JPG

DSC00148.JPG.c32acd4f621f28eebe8d1b8d10a6d850.JPG

Do Central Market fui caminhando até Merdaka Square, onde fica uma das mesquitas mais famosas de KL.

 

DSC00164.JPG.b5cd5b7dd24b953edf607ae37fb327d6.JPG

Dali peguei o trem e monorail para a estação Bukit Bintang, na frente do hotel.

 

DSC00172.JPG.466b460bb72e0fd9b5d5b55be45d6fa8.JPG

DSC00187.JPG.6693ac6f63560aa0d68bc25f1a4b471d.JPG

DSC00191.JPG.b36d4ebdd95a26c6d1451741e176d2ed.JPG

Peguei a mala na recepção e fui de táxi até KL Sentral (MYR 20, com o taxímetro ligado).

 

Comprei o ticket do KL Transit (MYR 12,50). Mesmo esquema, vai de trem até a estação Tangak e de lá pega o bus shuttle para o terminal LCCT da Air Ásia, demorando aproximadamente uma hora no total.

 

DSC00194.JPG.01388a85585c8acda832af1c515ce556.JPG

O LCCT é um pouco confuso, porque dependendo do país de destino, o balcão do check in fica num setor diferente.

 

DSC00211.JPG.49e81a654c6e2c436b6a9cd12d285c23.JPG

Fui fazer o check in no balcão da Air Asia e na fila atrás de mim havia um grupo de franceses que estava indo para Bali na Indonésia, mas estavam em cima da hora do voo. Deixei eles passarem na minha frente, já que eu tinha mais tempo até o horário do meu voo para Cingapura.

 

Observação: boas ações geralmente são recompensadas, como logo vou contar numa situação que ocorreu em Cingapura. “Seja bom e o mundo será bom para você” (não sei quem é o autor dessa frase, mas é uma boa filosofia de vida, fica a dica). :wink:

 

Depois do check in, fui procurar um lugar para jantar no aeroporto. Achei um restaurante de comida típica e pedi dry noodle (macarrão frito com molho agridoce/picante) por MYR 14,95. Depois troquei os ringgits que sobraram por dólares de Cingapura numa casa de câmbio do aeroporto.

 

DSC00213.JPG.6095e5d12b3e631470df610fff9238e8.JPG

Às 18:30h fui para os procedimentos de embarque (raio-x, imigração, etc.)

 

O voo da Air Asia saiu de KUL às 20:10h e chegou em SIN às 20:50h.

 

DSC_0520.jpg.025b525928f0518d1ecf51927005c086.jpg

Eu cronometrei o tempo entre sair do avião e passar pela porta de desembarque, passando pela imigração, retirada de bagagem e inspeção da alfândega. No total, foram apenas 15 minutos! Não é à toa que o Aeroporto de Changi é considerado o melhor do mundo!

 

DSC_0525.jpg.090b5eaa062d4eb8d9f67bd80e9aa4aa.jpg

DSC00217.JPG.ac955347bc53f7e0ae84296dbbc590a0.JPG

No próprio aeroporto tem uma estação de metro que leva até o centro. O bilhete custou SGD 2,30 e é comprado nas máquinas automáticas.

 

DSC00218.JPG.4cf75b84b529f59952d428608ff504df.JPG

DSC00220.JPG.c6cacbc5e6396e5554a36779de268ef9.JPG

Pra chegar até o albergue desde o aeroporto é bem fácil (no próprio site do hostel tem uma mapa com o passo a passo).

 

Cheguei no 5footway.inn Project Boat Quay às 22:15h. Fiz o check in (tem que deixar SGD 20 pelo depósito da chave) e depois o recepcionista foi me mostrar o quarto (os corredores parecem um labirinto). Fiquei num quarto compartilhado com dois beliches com vista para o Singapore River. No meu quarto tinha um alemão que estudava medicina em Cingapura e uma jornalista malaia que estava cobrindo uma convenção na cidade.

 

DSC00801.JPG.a276fc9855886f2f60f89761929fb60c.JPG

DSC00228.JPG.a94a168b55192f78a407029f3c1be852.JPG

Aproveitei para lavar e secar as roupas na lavanderia self-service do hostel (MYR 12)

 

Enquanto deixei as roupas secando, fui até um McDonald’s ali perto fazer um lanche (SGD 5) e passei numa loja da 7 Eleven para comprar água mineral (SGD 2,60).

 

DSC00222.JPG.be1e194715043a0d352214eadb5ded9b.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 12 – Cingapura

 

Em Cingapura não deixei nenhum passeio planejado com antecedência. E também não tinha motivo pra acordar tão cedo, então saí da cama um pouco mais tarde nesse dia (afinal, estava de férias!).

 

No hostel tinha café da manhã servido na área comum na cobertura. Lá havia uma sacada com mesas e balcões com vista para a cidade.

 

DSC00233.JPG.93bdd7177891f40915145e45a7998ab7.JPG

DSC00238.JPG.1e126f8f94b9c95ea6639956ecc92de7.JPG

DSC00237.JPG.a3e144387479896a69317f76d75b75cb.JPG

Peguei um mapa da cidade no balcão da recepção e depois fui caminhando ao longo do Singapore River até a Marina Bay. Na rua do hostel há vários bares e restaurantes, alguns especializados em frutos do mar.

 

DSC00261.JPG.1bbb3cc872cbdc251ecad15979c30d19.JPG

DSC00264.JPG.d6c7561e5fa580d38ace047bda95132a.JPG

DSC00255.JPG.b3e46d02eb5972fd6fbe062608317c1b.JPG

No final do Boat Quay há alguns arranha-céus de arquitetura contemporânea.

 

DSC00284.JPG.f02af872a60330b2ccbdd31239934021.JPG

DSC00402.JPG.a34eab280fd5425394b4e81cdc6b0be5.JPG

DSC00449.JPG.e88f76efd8de73d487df4ad7edb59607.JPG

DSC00474.JPG.df76e3f34328692550851e57f9015e7c.JPG

Também há várias obras de arte espalhadas ao longo das margens do rio.

 

DSC00308.JPG.b99b666a968f37b139026995717e4865.JPG

DSC00319.JPG.43ac8cb3e7947f80dd58785a8d0e961b.JPG

DSC00324.JPG.2c032713a094f014a32ddf6aaf2adaee.JPG

Alguns metros mais a frente fica o Merlion, escultura com cabeça de leão que é um dos símbolos da cidade.

 

DSC00362.JPG.01e3282fe4eaa55249ee8c5afc15e7bd.JPG

Circulando a baía, logo se vê o hotel Marina Bays Sands (aquele da piscina de borda infinita) e o The Shoppes at Marina Bay Sands, um shopping center com marcas famosas anexo ao hotel.

 

DSC00406.JPG.3f260ac3aa9fa902569a63000f459714.JPG

DSC00484.JPG.dd5551eeab8cc97988a2314d61c341ae.JPG

DSC00505.JPG.dffa000d1db05a7839d668496c875fa1.JPG

No alto do hotel, além da famosa piscina, fica o Sands Skypark. É um terraço com vista panorâmica para a Marina Bay. Para acessar o Skypark, precisa comprar um ticket no valor de SGD 16 que é vendido na bilheteria localizada na área externa do hotel no subsolo. Outra opção é almoçar, jantar ou apenas tomar um drink num dos dois restaurantes localizados na cobertura. Eu cheguei a ir na bilheteria, mas como estava quase na hora do almoço, resolvi unir o útil ao agradável almoçando no Ku De Ta, que é o restaurante japonês do hotel localizado na cobertura.

 

DSC00540.JPG.04594d5de57d8c86f83a455451aa0edf.JPG

DSC00551.JPG.5d7617359af72cd388c1efa6696ecd89.JPG

Saindo da bilheteria, duas moças com uniforme do hotel me abordaram e perguntaram se eu gostaria de participar de uma pesquisa. Como eu não estava com pressa, disse que poderia participar, mas elas falaram que não seria com elas. A pesquisa era do tipo focal, onde um grupo de pessoas fica numa sala e sob orientação de um mediador conversam sobre um determinado assunto. Elas me deram uma carta do hotel (pra confirmar que não era pegadinha!), informando o local e horário, que era numa das salas de convenções do hotel, das 18:30h às 20:30h. Ah, o assunto era sobre comida, mas especificamente sobre o que leva um turista a escolher determinado tipo de restaurante.

 

DSC00541.JPG.f802ad7fffd86af362b5e5d689276584.JPG

DSC00546.JPG.eeeb37545336d8eff2fedc53cdad046b.JPG

Em seguida fui até a torre 3 pegar o elevador. É só avisar que você vai no restaurante que o acesso é liberado, mesmo não tendo reserva. Cheguei no restaurante localizado no 57º andar e as mesas com vista para a piscina já estavam ocupadas. Mesmo assim optei por ficar numa mesa na área externa, já que o clima estava bem agradável.

 

DSC00561.JPG.d50e8ec8edb6e3cb5eedf95520964a38.JPG

DSC00571.JPG.1a05ca5be99b597edd3c7646d45a00b7.JPG

Pedi o prato do dia com uma taça de vinho (SGD 68,40). Não é barato, mas estava muito bom! Atendimento, vista, comida, trilha sonora (estava tocando bossa nova!).

 

DSC00559.JPG.bb485331ac264230e1c37009df6d0c89.JPG

DSC00560.JPG.7f89e73a4700a202273171e79c9f5492.JPG

DSC00567.JPG.6682ed2bf68fbe691cd78cf06fffc56c.JPG

DSC00566.JPG.2cdbe21e4eca865db488bd1401ebaebc.JPG

DSC00573.JPG.3ef6830e2eaa7fea1f722b3b5763cf7f.JPG

Depois do almoço, voltei para o The Shoppes para acessar a escada rolante para a passarela que leva ao Gardens by the Bay (a escada fica meio escondida, ao lado da loja da Chanel).

 

DSC00585.JPG.8936b892c560488be0fd66f44baa17e2.JPG

DSC00582.JPG.e7f6b48842882f8932a57dab2336179a.JPG

DSC00637.JPG.e15295ff74057af8c160cfbfab5a74fc.JPG

O Gardens by the Bay é uma espécie de jardim botânico, com trilhas para caminhadas e torres de metal em forma de árvore. Também possui duas estufas de design futurista (acesso pago), que acabei não visitando por falta de tempo.

 

DSC00632.JPG.8d3aea9b305d79302bc895df64a3a7a1.JPG

DSC00614.JPG.48ef9bbccd9dcfd114e3cce51e760a13.JPG

DSC00640.JPG.87e4730953842fec87602fec86e485f1.JPG

DSC00659.JPG.4f6c3b0942eaeeeb4c2637b2ad0272fe.JPG

Dali era possível ver outro símbolo da cidade, a roda-gigante Singapore Flyer. Fui até lá andando (parece perto, mas é uma boa caminhada até lá!). A entrada custa SGD 33.

 

DSC00679.JPG.7ba64f516f6544e22eab252432105380.JPG

DSC00693.JPG.35696555ebd70f8593b825bc0b885a70.JPG

DSC00717.JPG.198b287666f3b25b48f5a14e090ca0a4.JPG

DSC00720.JPG.80d1a8e103db133990832a8730199123.JPG

De uma das cápsulas da Singapore Flyer se tem uma das melhores vistas da cidade.

 

DSC00733.JPG.c87b023031d9e145301f8d3c7210ca68.JPG

Outra coisa que eu precisava fazer era ir no Hard Rock Café para comprar o shot glass da coleção. O HRC fica na região de Orchard Road, onde ficam os maiores shopping centers da cidade. Para chegar lá, fui de metrô (SGD 1,30) até a estação Orchard e depois andei algumas quadras até achar o bar.

 

DSC00740.JPG.b23600a73218159a7997860975cdf0d9.JPG

Depois peguei o metrô em Orchard em direção à estação Bayfront (SGD 1,50), que fica no subsolo do Marina Bay Sands.

 

No horário combinado, fui até o local marcado no centro de convenções do hotel. Encontrei as duas moças que me abordaram de manhã e me encaminharam para uma sala onde havia mais sete turistas estrangeiros (uma australiana, um malaio e cinco americanos). Ficamos sentados ao redor de uma mesa, onde havia alguns lanches, doces, sucos e algumas plaquinhas (Yes/No) e blocos de anotações. Para conduzir a pesquisa, havia uma especialista em marketing contratada pelo hotel, que promovia o debate entre os participantes.

 

O assunto por si só é muito interessante (comida) e por coincidência todos os participantes eram “foodies”, mas cada um com um tipo diferente de percepção em relação à comida e restaurantes.

 

Esse foi o dia mais produtivo da viagem. Além de participar de uma pesquisa inusitada, no final todos os participantes ganharam um voucher do hotel para comer no restaurante Rise localizado no lobby do hotel. O valor do voucher foi de SGD 194 (aprox. 400 reais!) e ainda dava direito a duas taças de vinho. O voucher era suficiente para alimentar até 6 pessoas na faixa!

 

Além disso, cada participante também recebeu um envelope de agradecimento “Thank you!”. Dentro do envelope havia SGD 150 (equivalente a quase 300 reais!). Sem dúvida, foi o meu dia de sorte no ano!

 

DSC00745.JPG.1418400e60c442db578d59eece39235f.JPG

Saí da sala da pesquisa e fui direto para o restaurante. O buffet é animal, foi uma orgia gastronômica. Só a ilha de sobremesas era maior que muita confeitaria, tinha até sorvete de champagne rose e outras coisas que nem sabia que existiam. Comi e bebi tanto até não agüentar mais!

 

DSC00749.JPG.1c4c49734f39bf878a6928bbfa40273e.JPG

DSC00751.JPG.df89e401f6beaf51213f9a0faea3ea6a.JPG

DSC00756.JPG.e36c1c4b1d05782a1417967cb5d77327.JPG

DSC00761.JPG.fcb8d70438cac834a74814aa69e4b52a.JPG

DSC00755.JPG.bb193a0262a0791dfff0c98f5ed78f60.JPG

DSC00762.JPG.0e42f77cbadff6650f122282ca838206.JPG

Durante o jantar fiquei pensando no episódio do check in em KL com os franceses atrasados para o voo e naquele mantra “Seja bom e o mundo será bom para você”. E é fato.

 

Saindo do restaurante, minha ideia era voltar de metrô para o hostel, mas eu estava tão contente nesse dia que acabei voltando a pé (já aproveitando pra fazer a digestão). Fora que a noite em Cingapura também rende belas imagens!

 

DSC00773.JPG.488f717ecb4a73231734a255307831cf.JPG

DSC00776.JPG.9300833733bb2233c19392590299c163.JPG

DSC00789.JPG.59aedfa1b81b35d3206456e3b5f45bf2.JPG

DSC00791.JPG.b13abc491a41e488d55fee2b1934f387.JPG

DSC00796.JPG.16dde9ef45e29a6b8f7c3a0893845e30.JPG

DSC00225.JPG.955a146a7e42355a8444751272ff83a6.JPG

DSC00226.JPG.5222ef52637838ee5f845908ffe9b9b3.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 13 – Cingapura – Kuala Lumpur (conexão) – Sydney

 

 

Nesse dia também dormi até tarde, só saí da cama um pouco antes de acabar o horário pra tomar o café da manhã. Depois fiz o check out e deixei a mochila no luggage storage. Do hostel fui caminhando até Chinatown.

 

DSC00831.JPG.7fd3a0034cc59b31fd4d390c8f885442.JPG

Lá visitei um templo onde estava tendo uma cerimônia budista, comprei algumas lembrancinhas e também aproveitei para almoçar.

 

DSC00864.JPG.15fff4bfe5c54fbee14531408dab3d67.JPG

DSC00873.JPG.64a8d411d3e7795a457b240b1aa9bec8.JPG

DSC00883.JPG.93705a269e074bf90edb6b4946bcd817.JPG

DSC00874.JPG.57a0d5ddc68d28c69e0b7068b81348bc.JPG

No almoço, comi num dos quiosques da Food Court. Pedi um fried noodle (macarrão frito) e lime juice (SGD 7,00).

 

DSC00899.JPG.bba91a76c60b13fe910e455ccc47e728.JPG

DSC00902.JPG.bf7911215f4d4d24d5885d380d230952.JPG

DSC00904.JPG.1405035d50ebab70bac43c52171426c4.JPG

Depois peguei o metrô na estação Chinatown até Bayfront (SGD 1,30).

 

DSC00909.JPG.7d8d138b33f0e2cbdef3c53b90f0e1a1.JPG

DSC00912.JPG.67a962d3ca77394c3709d362c7be0f93.JPG

Minha ideia era subir até o restaurante Sky on the 57, mas apenas para tomar uma bebida. O problema é que naquele horário o bar ainda estava fechado (só abria depois das 18h). Daí fiquei na área externa do restaurante tirando algumas fotos da piscina e depois fui embora.

 

DSC00924.JPG.129cf0b2c0f7dd8876a82f5da7147f77.JPG

DSC00940.JPG.0ff79ae0b661f7a0fb7b2663b0e7af87.JPG

DSC00947.JPG.f89d922eaac93ea78645b71f8ea180fc.JPG

Voltei na estação Bayfront e peguei o metrô para Little Índia (SGD 1,60). É o bairro da colônia indiana, que é uma das maiores da cidade.

 

DSC00957.JPG.08570240b501957eeccf0f6a43eb3bd8.JPG

DSC00958.JPG.4ae20d635393332278c25c4833cbc2d0.JPG

De lá peguei o metrô (SGD 1,20) até Clark Quay, região famosa pelo agito da vida noturna, com seus bares e restaurantes. Passei numa sorveteria de uma rede japonesa e tomei um sorvete de chá verde (SGD 3).

 

DSC00969.JPG.bdbdd0177eab78e34fc23fd412ad108b.JPG

DSC00971.JPG.cb26f8b943f96b2703952e0aa98a634a.JPG

DSC00996.JPG.65f735dcc9629d355078587d3b98b80e.JPG

De lá fiz uma boa caminhada até o Raffles Hotel (segundo os guias de turismo, uma das instituições de Cingapura), passando pelo Parlamento e Suprema Corte.

 

DSC01010.JPG.ae0390a33249225c3dd86eec4d3abbd5.JPG

DSC01000.JPG.ab56ab3b960dc757a60bfccffd23c029.JPG

DSC01002.JPG.1b17020790ee2d06946a67fafb042937.JPG

Voltei para o hostel, mas antes de pegar a mochila parei na confeitaria que fica no térreo do hostel (Madame Pâtisserie) e tomei um suco (SGD 4).

 

Peguei a mochila e fui andando até a estação Clark Quay, de onde peguei o metrô para o aeroporto de Changi (SGD 2,20). Tem que fazer baldeação em duas estações, mas é bem tranqüilo. Do hostel até o aeroporto demorou cerca de uma hora.

 

Cheguei no aeroporto de Changi às 17h. O metrô para no terminal T2, de lá precisa pegar o skytrain até o terminal T1, onde fica o check in da Air Ásia.

 

DSC01027.JPG.bf292988cc71de19008ac2dd12a75557.JPG

DSC01030.JPG.e117be51ecda2c06489254a6243f7f4c.JPG

DSC01033.JPG.2d77525d0cf931d87d3ba71310638de8.JPG

DSC01035.JPG.e34146e8b6cb8d752c6402bb20be4540.JPG

O check in foi bem rápido e tranqüilo, nem precisei apresentar o papel com o visto australiano impresso (acho que eles já verificam isso no sistema eletrônico antes de emitir a passagem). Como a minha passagem era só de ida, mostrei a e-ticket da Qatar com a passagem de volta via Melbourne.

 

O meu voo para Sydney tinha conexão em Kuala Lumpur (foi o voo mais barato que encontrei). Existem inúmeros voos diretos de Cingapura para Sydney (Emirates, Singapore, Qatar, Qantas, etc.), mas os preços eram bem mais caros.

 

Depois do check in fui para a imigração (o interessante nesse aeroporto é que o raio-x fica depois da imigração, diferente da maioria dos aeroportos). Em cada portão de embarque tem um equipamento de raio-x. Não é à toa que Changi é considerado o melhor aeroporto do mundo.

 

O aeroporto também tem algumas atrações interativas. Tem uma espécie de árvore com um telão no alto, onde os passageiros tiram fotos e depois postam no painel.

 

DSC01046.JPG.7a93080b2d53ca0f0cdbbc78d38a1b2e.JPG

Tomei um café e um donut no Dunkin Donuts (SGD 3,50) e às 19:35h fui para o portão de embarque.

 

DSC01064.JPG.00f341cc7bd28a0d1ac4b66242aa7381.JPG

DSC01057.JPG.228561a45b0efd4d33cda1b00b064efc.JPG

O voo da Air Ásia para KL saiu às 20:10h. No avião, me ofereci para trocar de lugar para um casal pode viajar junto na mesma fila (sempre lembrando daquele mantra “Seja bom e o mundo será bom para você”).

 

Cheguei no LCCT em Kuala Lumpur às 21:10h. A chegada é no hall de trânsito internacional. Antes de entrar no terminal, o staff da Air Ásia confere novamente o bilhete e a documentação.

 

Aproveitei para fazer um lanche com os últimos ringgts que tinham sobrado na carteira, já que nos voos da Air Asia praticamente não há serviço de bordo (somente pago).

 

DSC01072.JPG.16787692eea0559adbb2e75a370bcc2f.JPG

Às 22h fui até o portão T14, de onde saía o voo para Sydney. Esse portão fica numa sala separada e na entrada é feito novo procedimento de segurança antes de embarcar, passando pelo a mala de mão pelo raio-x e depois um oficial confere o passaporte e bilhete. Também faz uma entrevista sobre o motivo da viagem, o período de permanência, etc.

 

DSC01075.JPG.59db75e80b3bee1840ffb2cba66f83b0.JPG

A oficial ficou olhando a foto no meu passaporte e não tava botando fé que eu era brasileiro (aliás, em todos os lugares que passei nessa viagem todo mundo achava que eu era japonês nativo). Ela pediu se eu tinha algum outro documento emitido no Brasil; por sorte eu estava com a minha carteira de motorista emitida pelo Detran.

 

A oficial agradeceu com um “Obrigado” em português e daí sim fui para a sala de espera.

 

O voo de KL para Sydney foi num Airbus A330.

 

DSC01084.JPG.70c33d26f8cfbe39c05fbae3d53cf21a.JPG

O avião saiu de KL no horário, às 23:25h e chegou em Sydney às 10:25h (horário local). A diferença de fuso é de 3 horas, sendo que o tempo total de voo foi de 7 horas. Outro detalhe desse voo é que não pode levar comida nem bebida a bordo (acho que é proibição da vigilância sanitária da Austrália), só pode consumir o que for comprado dentro no avião.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 14 – Sydney

 

 

Chegando no aeroporto de Sydney, primeiramente passei pela imigração (fila beeem demorada) e depois pela vigilância sanitária (que é bem chata); na alfândega passei direto.

 

Para ir do aeroporto até o hostel, há a opção de pegar o metrô até a estação Circular Quay e de lá ir caminhando até o hostel. O trecho de metrô leva cerca de 15 minutos, mais outro tanto caminhando até o hostel.

 

Preferi pegar uma van (shuttle compartilhado) que me deixava na frente do hostel. Paguei AUD 32 (ida e volta). Na volta, precisava ligar para a empresa para confirmar o horário para a van buscar no hostel.

 

DSC01110.JPG.99ecfa7483a939ee129a375558a1b0c3.JPG

Cheguei no hostel meio-dia, mas o check in só abria a partir das 14h. Deixei a mochila no locker (AUD 3) e fui almoçar. Ali perto havia alguns pubs e descendo algumas escadarias havia uma praça ao ar livre com vários restaurantes, lanchonetes e cadeias de fast food. Fui na lanchonete Playfair at The Rocks e pedi um sanduíche natural e um suco de maçã (AUD 13,50).

 

DSC01132.JPG.6da71027f9701fa1e2ee0ca06737380b.JPG

DSC01130.JPG.6e9521e52f989c9c0f85b3c7ef1d0f16.JPG

Depois do almoço, voltei para o hostel, peguei a mochila no locker e fui fazer o check in.

 

DSC01134.JPG.ef17e07ac5b7ba59aa926d94538dd5f7.JPG

Escolhi o YHA Sidney Harbour pelas recomendações nos sites de hospedagens e TripAdvisor. Os quartos possuem banheiro, lockers individuais e são bem espaçosos. O hostel também é eco-friendly. A desvantagem é que o wi-fi é pago (AUD 5 / dia) e o café da manhã também é cobrado á parte (cerca de AUD 7).

 

DSC01151.JPG.4d02ad4a733166deaab3bdb8aafa8c53.JPG

DSC01137.JPG.2d042b7e5c9b8ac380d03b3ff2ea8b9f.JPG

DSC01138.JPG.6cc7d7396e8cfbe6d69516286ba87ca8.JPG

DSC01136.JPG.8280862bfea7291ebf8851fb3ec05d8d.JPG

Um dos pontos altos é um terraço com vista para a Baía de Sydney.

 

DSC01142.JPG.c4ccd5892a2e9b976b3ad2f27cfdcd45.JPG

DSC01146.JPG.6cd765b187dc4031ae7dc725cbbef9b0.JPG

Como eu não tinha conseguido dormir direito no voo de KL para Sydney, assim que entrei no quarto deixei a mochila no locker e caí na cama. Deixei o alarme para despertar às 17:30h, porque às 18h tinha que estar na entrada da Bridge Climb para o passeio na ponte.

 

DSC01159.JPG.03352e1d18e9b0a8457b9d4764155559.JPG

Do hostel até o Bridge Climb é bem perto, cerca de dois minutos andando. Chegando na recepção, apresentei o voucher e fiquei na cafeteria aguardando o horário de início com o resto do meu grupo. Tomei um café e um donut de chocolate (AUD 7) e depois segui o guia.

 

Antes de qualquer coisa, é feito o teste com bafômetro, pois é expressamente proibida a entrada de pessoas alcoolizadas nesse passeio (que não é barato). Eu fui à noite porque era o horário mais barato (AUD 198). O passeio é um must-do em Sydney e valeu cada centavo.

 

Depois do teste do bafômetro, cada um recebe um uniforme, kits de segurança e audiofone. Também tem um teste simulando o trecho mais difícil das escadarias da ponte, pra ver se o pessoal realmente tem condições físicas de participar. Easy, easy.

 

Também é expressamente proibido levar mochilas, bolsas, carteiras, câmeras e celulares. Tudo isso tem que ser deixado num locker individual e você só leva a chave.

 

Quando a parte teórica acabou e finalmente começamos a subir a estrutura metálica da ponte, estava começando a anoitecer e já dava pra ver as luzes da cidade acendendo. Visual show de bola!

 

DSC01171.JPG.41bfce9b69cd4ff4c52e055269ef4d30.JPG

O passeio terminou 22:15h. Antes de voltar para o hostel, passei num McDonald’s e pedi o menu do McChicken (AUD 5,15).

 

DSC01188.JPG.f8825d228ea1e57780e2a74a06f4876d.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 15 – Sydney

 

Acordei 8h e estava chovendo! Primeiro dia de chuva em toda a viagem!

 

Fiquei enrolando um pouco, mas depois resolvi levantar e ir andando até a Sydney Opera House.

 

DSC01196.JPG.4343ab102207c63b26f8f7cc5a968baf.JPG

Com o tempo chuvoso, resolvi entrar na Opera House e comprei o bilhete para o tour guiado (AUD 35). A construção é impressionante, tanto por dentro quanto por fora. O tour demora cerca de uma hora. Os guias também são muito bons.

 

DSC01239.JPG.37cd03070162395adff037436d0ca1e2.JPG

DSC01243.JPG.3008a0be78cf694b8812d8303fefee94.JPG

DSC01247.JPG.64fd8ae8a159164fc243cefa9568cc28.JPG

DSC01260.JPG.835ab9b0f321fb4c451e8e867eb67b07.JPG

DSC01262.JPG.f8add3238350d64961c46d86f39eb51d.JPG

DSC01278.JPG.f4d18525d2606cc8ee5d56fd99c104a7.JPG

DSC01290.JPG.568d7be57a539410b068ac84e26a037e.JPG

Da Opera House, fui caminhando até Circular Quay, de onde saem os ferries. Comprei um passe de um dia da empresa Ecohopper (AUD 40) e de lá fui até Darling Harbour. Tinha parado de chover e depois fez um dia ensolarado.

 

DSC01304.JPG.e35af4f3220002592c1bb927a094cdd5.JPG

DSC01319.JPG.d0c18b06ea57abdf1900c421fb8e2966.JPG

DSC01332.JPG.61cbfb9d7bed0249f4966ba774e8f4f4.JPG

DSC01337.JPG.e5616c156fed16624606d97ad05446b1.JPG

DSC01372.JPG.6605a7ff6f115f0bee0aed20847757f9.JPG

DSC01395.JPG.07ab022b02a2dc4dba1b8612336ebb3f.JPG

DSC01418.JPG.45c17d556dd936b2a849e012a63a2edf.JPG

Almocei por lá mesmo, pedi um sanduíche e um suco (AUD 9,90).

 

DSC01410.JPG.2e793fe557cbb148fdecbd514081003f.JPG

Depois fui no Hard Rock Café que fica ali perto para comprar o shot glass para a coleção. Dessa viagem, acabei comprando quatro copos – Phuket, Kuala Lumpur, Singapore e Sydney.

 

DSC01405.JPG.3c9208bed7e9627144f56216244a27f3.JPG

De Darling Harbour, peguei o ferry até Manly Beach, que é uma das praias preferidas dos surfistas.

 

DSC01463.JPG.b7278ade6f465624aa088879b9b4338c.JPG

DSC01487.JPG.23ecfa2b53b2b767481ef164c51ece72.JPG

DSC01488.JPG.0d1408ca7f310403f2d7bdb303cd98dd.JPG

DSC01512.JPG.dd2e558ec543870d25374144724140ff.JPG

Passei a tarde nessa praia e peguei o último ferry para voltar até Darling Harbour. Parei numa cafeteria Gloria Jean (AUD 3,50) e depois fui caminhando até o centro.

 

DSC01555.JPG.9cbc8e81d50a7682b7b95ccc7bbdc144.JPG

DSC01571.JPG.8178e81fe4b90ae9a0e27731e2bcfb5e.JPG

DSC01585.JPG.f0cb8489ea0f24d37aee3f3e8206dcee.JPG

DSC01642.JPG.e06b149c827fc7b56775a7930fcf406b.JPG

DSC01644.JPG.f51a5ff063c4b093caa69102bbdabe74.JPG

DSC01672.JPG.41a1d592db2419659108422897d23799.JPG

DSC01683.JPG.e50f5afc289bf3191bad02d633256603.JPG

DSC01698.JPG.eb900884b579c2d37e0f717ffc20dbe0.JPG

Do centro, peguei o trem na estação City Hall até Circular Quay (AUD 3,80) e de lá fui andando até o hostel. Daí pensei que o shuttle do aeroporto foi a melhor coisa, fiquei imaginando carregar o mochilão pelas escadarias na região do The Rocks.

 

DSC01699.JPG.f0296de20126c6608411a0efca29f1d6.JPG

DSC01702.JPG.0d5eb72182e35edf1027be219f11cae6.JPG

Cheguei no YHA às 19h e naquele dia o hostel tinha preparado BBQ on the roof (AUD 7 com direito a um refrigerante). O churrasco tinha salada de folhas, salada de batata, duas salsichas e um pedaço de carne de canguru (até que não é ruim, parece alcatra).

 

DSC01715.JPG.3c86c0cb5268cbfb0cb29fd5767d8d09.JPG

DSC01717.JPG.0f664a25cef6c87450f7e94eb943035f.JPG

Fora a vista sensacional do terraço do hostel!

 

DSC01718.JPG.7fde73219347051b7baa29daf09a4d48.JPG

DSC01719.JPG.3bd82cf33393b35d06eb33d6390bf9fe.JPG

Depois fiquei um pouco na internet e depois cama, pois no dia seguinte tive que acordar bem cedo para ir para o aeroporto.

 

Dois dias em Sydney é muito pouco, precisava de pelo menos mais 3 dias (claro que vou ter que voltar pra essa cidade irritantemente perfeita).

 

O que faltou visitar: Zoológico, Bondi Beach (lê-se bondai), Olympic Park, Blue Mountains.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 16 – Sydney – Melbourne

 

Acordei bem cedo nesse dia, 06:00h já estava de pé. Na noite anterior deixei a mochila arrumada pra não fazer barulho e acordar os outros roomates. Vinte minutos depois fiz o check out e às 06:25h o airport shuttle passou em frente ao hostel.

 

A van passou em outros hotéis no caminho e chegamos no aeroporto às 07:15h (terminal doméstico). Fui até o balcão da Tiger Air fazer o check in, que foi extremamente rápido.

 

Fui direto pro raio-x e depois procurei uma cafeteria pra tomar o café da manhã. Pedi um cappuccino e um danish donut (AUD 7,00) de depois fui para a sala de embarque (08:40h).

 

DSC01739.JPG.5975275c6c455a5bbd7a99b77de5199a.JPG

O voo da Tiger Air saiu de Sydney às 09:10h e chegou em Melbourne às 10:45h. Também é uma companhia low cost, sem serviço de bordo (só pago).

 

DSC01744.JPG.f41ea29d7241fe2db094944a383e0319.JPG

O aeroporto de Melbourne está em reforma e daí o desembarque foi remoto e a retirada das bagagens foi num galpão improvisado.

 

Saindo desse galpão, segui o fluxo do pessoal e logo encontrei o local para pegar o Skybus, que é o meio de transporte mais rápido e barato para se deslocar do aeroporto até o centro da cidade.

 

DSC01752.JPG.b2793a9a29d4f840a10837356d01b7e3.JPG

DSC01755.JPG.6969655a91adf67aac757011316eba98.JPG

DSC01757.JPG.c9fd72d94cc7482e00b5527734bb9c9f.JPG

O ticket de ida custou AUD 18. Dentro do ônibus tem espaço para deixar a bagagem, mesmo malas grandes. O Skybus vai até a estação Southern Cross e de lá fui andando até o hostel.

 

DSC01772.JPG.c90651c89e5d617889e8e9438295129b.JPG

DSC01779.JPG.2eb3e7addbb0c290cb6fc8594df31dd1.JPG

Fiz reserva para duas noites no YHA Melbourne Central. Cheguei 12:10h e já fiz o check in, não precisei ficar esperando até 14h. Esse albergue era bem menor que o de Sydney e nos quartos não tinha banheiro, somente no corredor. O quarto que fiquei tinha dois beliches.

 

DSC01781.JPG.4e880e7420aaf57a964348140ed2b1e0.JPG

DSC01788.JPG.876b2428adaf627a7e06b9dbf19afe40.JPG

DSC01789.JPG.5a4ab4a72044d974dd99ce01ee4579fb.JPG

DSC01790.JPG.2fb2fc48b7b90e56f9eccf8b291478ee.JPG

DSC01791.JPG.9da1f37f768c73c2b71334e48e1bcb69.JPG

No meu quarto havia um senhor inglês e dois estudantes de Sydney, que vieram a Melbourne especialmente para assistir a corrida do Grande Prêmio de Fórmula 1 que estava acontecendo bem naquele final de semana. Quando estava pesquisando hospedagem em Melbourne, a maioria dos hotéis já estava lotada e por sorte consegui vaga nesse hostel.

 

Assim como no YHA de Sydney, nesse hostel também não tinha free wi-fi. O cartão para 3 dias custou AUD 10. Na recepção o pessoal também faz reservas para passeios, daí já reservei o tour para Great Ocean Road para o dia seguinte (AUD 99).

 

Para utilizar o sistema de transporte público de Melbourne precisa de um cartão (smart card). O pessoal da recepção de emprestou um cartão usado e depois fui na loja da 7 Eleven inserir créditos (coloquei AUD 6), suficiente para um dia.

 

A localização do hostel é ótima, bem perto do Yarra River. Fui andando até lá e depois atravessei uma ponte até o Crown Shopping Center. É um shopping de marcas famosas, mas mesmo nesses locais sempre tem uma praça de alimentação com cadeias de fast food. Acabei almoçando no Gochi, que é um restaurante japonês. Pedi bentou (“marmita” em japonês) e um chá gelado (AUD 21,40).

 

DSC01805.JPG.d438959d63eda232d3ea82b89b0cb3cd.JPG

DSC01827.JPG.f258b0f38b38d1b48c30f401f9e1b81c.JPG

DSC01837.JPG.37ae19cd479b72b1bdb7e6acec1c7b8a.JPG

DSC01854.JPG.61c5f72e46cf0f415dcbb526d4fb768d.JPG

DSC01855.JPG.d7c60ab91278c091a002fd4714a47445.JPG

DSC01856.JPG.172f64955e547925bb287267fdd631e5.JPG

Dali fui andando até a Federation Square, onde fica um centro de informações turísticas. Ali também há uma estação de trams (bondes) que estava organizada para levar o pessoal até o Albert Park, onde haveria a corrida de Fórmula 1 no domingo.

 

DSC01865.JPG.097936a23f029f0eb401dbea2efc476d.JPG

DSC01866.JPG.a08de6634b35a2413f6ac9faceee5d33.JPG

DSC01872.JPG.16f269148e4b71359c8d588ac5bb84a4.JPG

DSC01876.JPG.34270302b24d3a985db9545b1507bad8.JPG

DSC01886.JPG.bef73468b83b2cf380884b868af7cc57.JPG

Peguei o tram até o Albert Park para conhecer o trajeto que teria que fazer no domingo.

 

DSC01890.JPG.cf97e06fe9d0dc679c26ee63393bb52a.JPG

DSC01893.JPG.e5a95ab409821bd8c42144a3c0726c28.JPG

Depois fiz uma boa caminhada, indo até o Jardim Botânico e o Olympic Park. Melbourne foi sede das Olimpíadas de 1956 e atualmente o estádio olímpico é utilizado para jogos de cricket (um dos esportes mais populares no país).

 

DSC01934.JPG.efd6bd8bee5101b930e6cf471bcdbaea.JPG

DSC01927.JPG.e983b6b4e8479c333cabff4a1a02b591.JPG

DSC01967.JPG.e2128e6ebdfe44981197916a95976eab.JPG

DSC02002.JPG.56a87d4a0ec288d6005bdfbf98e4787e.JPG

DSC02020.JPG.a5715bef356c9ef179a1ba72219978e1.JPG

DSC02025.JPG.8f9313031a4d901d04171020c66ede94.JPG

DSC02015.JPG.846e83985b1181d64cf40fedb7a2b97d.JPG

Ali perto também ficam as quadras de tênis onde são disputadas as partidas do Australian Open (que faz parte do circuito do Grand Slam).

 

DSC02039.JPG.dd2c3e1826aeef4e0cf176bd8a398117.JPG

DSC02037.JPG.cae80a5b6c86eb381fcafcdad7ed4d99.JPG

DSC02045.JPG.d44aa78c96a2a93e053a452bcec3f557.JPG

Continuei a caminhada seguindo o Yarra River e cheguei novamente na Federation Square. Peguei um tram para o bairro de St. Kilda, onde fica uma das praias de Melbourne.

 

DSC02065.JPG.449595afd5005741a2ada7546c0a0bec.JPG

DSC02100.JPG.f82b9af1b2ffb33736a230b11f9b3727.JPG

DSC02112.JPG.a372722f0b1be09d87da17015c4d843f.JPG

Fiz uma caminhada pela orla até o píer e depois voltei de tram para Federation Square. Já começando a anoitecer fui a pé até o Eureka, que é o prédio mais alto de Melbourne. Para subir até o último andar, precisa comprar um ticket (AUD 18,50). A visita vale a pena.

 

DSC02115.JPG.1f07e6d60520b6a50779d2f6d5c0c753.JPG

DSC02126.JPG.035de91fdb46b678b495261117daad77.JPG

DSC02131.JPG.60c3c04cdca0fd69a7c78b2aa2a0aeab.JPG

DSC02133.JPG.d53c5179c9396d4e9d56d93931421831.JPG

DSC02144.JPG.a4a86abf3aad84050ca314f0ee7c1a53.JPG

Antes de voltar para o hostel, estava procurando um restaurante para jantar. No caminho, achei um barracão do Melbourne Wine and Food Month Festival. Havia um menu com duas opções de prato que fazem parte do cardápio de alguns dos mais famosos restaurantes da cidade, assim como algumas opções de vinho da região de Melbourne (Yarra Valley). O prato principal e uma taça de vinho Pinot Gris saíram por AUD 39 (é praticamente o mesmo preço de um jantar nas cidade em que o Restaurant Week no Brasil).

 

DSC02153.JPG.fd158ee8510d05e47f5a6bd044b7ac61.JPG

DSC02155.JPG.e13963848b864ab14ed0485e2105a9ff.JPG

DSC02160.JPG.b8fc8bebd8a63372ffb189a808ff3867.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 17 – Melbourne

 

Acordei às 06:30h (bem cedo!) porque o tour para a Great Ocean Tour saía às 07:00h. No hostel não tinha café da manhã, mas ao lado havia uma cafeteria e pedi um cappuccino (AUD 3,50). Comprei também um pacote de Tim Tam (é um biscoito que só tem na Austrália) na loja da 7 Eleven para comer na estrada.

 

A van passou no local combinado às 07:30h. O nome da guia/motorista era Nathalie, acho que foi a melhor guia de turismo que conheci até hoje. A Nath (como ela disse que poderíamos chamá-la) era extremamente bem humorada, organizada e conhecia muito bem os lugares. Fora a sensacional trilha sonora do seu iPod que estava tocando no sistema de som da van durante o viagem (Beatles, Doors, Roadiohead, Snow Patrol, Smiths, Cure, REM, Aretha Franklin, U2, Tears for Fears, Oasis, Gorillaz, Arcade Fire, The Verve...)

 

DSC02173.JPG.112c62324a8f22a75996dc8552275a1f.JPG

 

A primeira parada do tour foi na estrada mesmo, quando a Nath avistou alguns cangurus e daí paramos para algumas fotos.

 

DSC02183.JPG.2f2ce43a7d56e9ce311df8aaa0c61661.JPG

A próxima parada foi em Lorne, que é uma cidade com uma praia de surfistas (cidade onde fica a sede da fábrica de Rip Curl). Ali tomamos o café da manhã numa das mesas perto do mirante da praia.

 

DSC02176.JPG.44b72d40147c7b352c6bfdd956f1efb1.JPG

DSC02188.JPG.0040eeca91252a1eaa5a075626964905.JPG

DSC02203.JPG.5cacb7c60541dc3c952faae5055c0754.JPG

Depois paramos numa praia onde há um pórtico com o início da Great Ocean Road.

 

DSC02213.JPG.a9c82131c65677ff1077f080ad6462f7.JPG

 

Depois de algumas curvas, paramos num local onde havia uma lanchonete e toiletes. Nesse local também encontramos coalas nas árvores perto do estacionamento.

 

DSC02246.JPG.ee073856c64f82cebab7e78f33372703.JPG

DSC02299.JPG.3552f2ba8ab53a9e0999a8c83ae105f4.JPG

DSC02306.JPG.122f931acc6de97103a486ff07509c95.JPG

DSC02303.JPG.68e22c15b616d34a9fe1b04671104937.JPG

Continuando pela estrada, paramos num mirante para fotos e depois seguimos até Cape Otway Lighthouse, onde há um farol e também o local onde almoçamos (incluso no tour).

 

DSC02319.JPG.2f2b8372ecd210fde8fb5482af9e09e9.JPG

DSC02323.JPG.1b1343e66acb9446927b96cf7fd918c5.JPG

DSC02315.JPG.062ecc88d2bffae986fbce9874e4044a.JPG

DSC02316.JPG.334bf488b86ef209e9859d2ac7d518a3.JPG

 

Seguindo o tour, fomos até o Loch Ard Gorge, que é uma praia localizada entre as falésias. Uma das melhores vistas do tour.

 

DSC02355.JPG.e2b929a27e7948ff2cd2b30c6239b5e1.JPG

DSC02359.JPG.669aa52d276234a38984393e10f71220.JPG

DSC02413.JPG.fc865aa652a08a7c913aa4e20039f6f3.JPG

Depois fomos para o “grand finale”, os Twelve Apostles (Doze Apóstolos). São formações rochosas próximas a falésias. A Nath explicou que na verdade nunca foram doze rochedos e sim nove. Uma dessas rochas desmoronou alguns anos atrás e atualmente os “doze” apóstolos são apenas oito.

 

DSC02420.JPG.10b6c50d64c489ce6aefc5a1a4a252cb.JPG

DSC02428.JPG.d0f6b584ae6335d3dbb5a21b6e099929.JPG

DSC02446.JPG.607d0995a8666bf84737b7436c0464e7.JPG

Há uma passarela e depois uma escadaria (Gibsons Steps) que leva até a praia e de lá é possível sentir a altura dos rochedos.

 

DSC02461.JPG.9f30ce7e085227192eacdff4eb945a26.JPG

DSC02466.JPG.a80f62349ed04fdde4171154b8801228.JPG

DSC02478.JPG.c79c6d6bd855e7ffe7b051a311ffe5f2.JPG

Há uma opção nesse tour de fazer um passeio de helicóptero (acho que custava uns AUD 100), mas preferi ver as atrações do chão mesmo.

 

O retorno para Melbourne é por outro caminho, pegando uma autopista. Fizemos uma parada numa cidadezinha chamada Colac, para quem quisesse ir no banheiro ou fazer um lanche. Tinha um McDonald’s, uma KFC e um restaurante vietnamita de noodles. Fui no Mac mesmo.

 

Chegamos em Melbourne aproximadamente 20:00h. Do hostel fui andando até uma rua de pedestres localizada perto da Federation Square e ali perto fui num KFC garantir a janta (AUD 7,95).

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 18 – Melbourne – Doha

 

Último dia na Austrália. Acordei mais tarde (08:30h) e fiz o check out no horário limite (10:00h). Deixei a mochila no locker automático (AUD 4,00) que fica no terraço do hostel.

 

DSC02493.JPG.5901d09ff966f937504d83d3d7ff0987.JPG

Desci na cafeteria ao lado do hostel e peguei um cappuccino (AUD 3,50). Na frente do hostel havia uma parada de trams, incluindo o City Circle (que é free). Peguei esse tram e fiquei andando pela cidade até a parada perto do State of Vicitoria Library.

 

DSC02503.JPG.5036752b99712333bac7039661af9511.JPG

DSC02510.JPG.fcef14c0841ee2d78bbfc7bc98d69fcc.JPG

DSC02515.JPG.ffddd665e5ced32d0b9a6fac65f70b30.JPG

DSC02516.JPG.ee07d06a591070a3640b1bbe4caa5c43.JPG

Na frente da biblioteca havia algumas pessoas. Entrei na biblioteca para usar o wi-fi e na hora que saí já havia uma multidão. Eram pessoas protestando por tudo, contra o governo, pelos refugiados, contra o pedágio, pedindo mais transporte público, pelas minorias, pelo direito das mães e filhos, etc... Era uma bagunça organizada, mas sem confusão. Polícia agindo corretamente e sem vandalismo dos manifestantes, igualzinho no Brasil (#sqn).

 

DSC02521.JPG.fb47d93d0439cea18e5ea4ddf17cca25.JPG

DSC02523.JPG.86320d848b70151f82ae5b8e0335656a.JPG

DSC02528.JPG.262dbbbc7b946d44fbef6db9d883ed41.JPG

DSC02540.JPG.791d7d6c5e4bcc910efd6aec41b66fbb.JPG

DSC02559.JPG.21113b4a2d9d294a2d1fdd226878730a.JPG

DSC02585.JPG.46ab433b0ec9394de4dcf5971e628a5d.JPG

DSC02569.JPG.6d5b82a1a47d5ecc9980e010aa4ab744.JPG

Na rua da biblioteca havia alguns restaurantes. Fui almoçar num restaurante vietnamita, pedi rice vermicelli with fried chicken e uma cerveja Carlton (AUD 14,50).

 

DSC02570.JPG.e3056f78dc3b119055f12dae8c9fbef3.JPG

Às 13:00h peguei o tram para Albert Park. Tudo muito bem organizado e sinalizado, bem fácil chegar no local da corrida.

 

DSC02608.JPG.b5233b9c8742c51db7e474089c3c3479.JPG

DSC02609.JPG.6db89dcca9293a5cf032c5e3ff3b1572.JPG

DSC02611.JPG.872edf7c448f91597806281b6d759b60.JPG

DSC02614.JPG.3cbf4e6329bc88fd3c0fef6edc354e16.JPG

DSC02616.JPG.64ab9a9a9d0e55fa9c8b7135a94b2576.JPG

O GP da Austrália é um circuito de rua. No caso, é realizado nas ruas que contornam o Albert Park. Lá são montadas arquibancadas provisórias (ingressos mais caros). Quem compra o ingresso mais barato (no meu caso), tem que achar um bom lugar no gramado.

 

DSC02661.JPG.439fdb06b686d1eea450ed1f0c9bab1d.JPG

DSC02714.JPG.29cbd848cc27b8db3ebf11cf18c225a1.JPG

DSC02726.JPG.6d4468efebab62f478620f55b02896ef.JPG

Durante os dias do GP, há vários eventos na programação. No dia da corrida, teve apresentação de bandas de rock num palco dentro do circuito. A última apresentação foi da banda australiana Hoodoo Gurus (“come any time.....”), vi o show bem na frente da banda!

 

DSC02741.JPG.5b31c7d3581d2a3e0e88e49366db147a.JPG

DSC02755.JPG.d85f2720ea7ad980b12f385450201c75.JPG

DSC02767.JPG.0dd2090f14bb291fabff14a0557fc2a2.JPG

Também há exposição de carros de colecionadores, como Ferraris, Minis, Mustangs, etc.

 

DSC02670.JPG.5f98434ef00927eb9844ca0c71e04d05.JPG

DSC02683.JPG.e5fd575aa7480bd3ff18e25c41906fbb.JPG

Uma pouco antes da largada, os aviões da esquadrilha da fumaça sobrevoam o circuito, assim como um caça supersônico, além de um Boeing da Qantas (uma das patrocinadoras da corrida).

 

DSC02762.JPG.647a46f8dec809fac080b56a00441330.JPG

DSC02766.JPG.e4520624c40ffc4152643ee9f3e1b2e2.JPG

Uma cantora lírica entoa o hino nacional australiano e logo a seguir há a volta de apresentação e formação do grid de largada.

 

Fiquei sentado numa as curvas e fiquei esperando o Felipe Massa passar. Mas daí ouvi no autofalante que teve um acidente na primeira volta com ele e outro piloto e daí já era pra ele.

 

Rosberg ganhou a corrida, que acabou lá pelas 19:00h. Saí correndo pra pegar o tram e quinze minutos depois já estava no hostel. Peguei a mochila no locker automático (tive que pagar mais AUD 5 porque ficou mais tempo que o permitido) e daí fui andando até a estação Southern Cross.

 

Peguei o Skybus (AUD 18) e meia hora depois já estava no aeroporto.

 

DSC02798.JPG.4d1443a529a28a19ee2d11c4d180fd3b.JPG

Fiz o check in no balcão da Qatar, despachando a bagagem até o destino final (GRU). Passei novamente pela alfândega (controle de saída), raio-x e um procedimento diferente (checagem de sinais de radioatividade na bagagem de mão).

 

Fiquei enrolando no duty free e numa cafeteria.

 

DSC02801.JPG.8ee338c159fce184e77444460acb32bd.JPG

O voo para Doha saiu às 23:55h de Melbourne e demorou 14 horas, chegando em Doha às 06:20h do dia seguinte (horário local).

 

DSC02804.JPG.6cc6c16cc0a834c268017b77777b9fec.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora


  • Conteúdo Similar

    • Por vfmarques
      Em setembro de 2017 eu fui com meus pais para California, passei 2 semana por la. Segue abaixo o roteiro e relato da nossa viagem com algumas fotos:
      Aug 31 -> Toronto to San Francisco
      Sep 1 -> San Francisco
      Sep 2 -> San Franciso
      Sep 3 -> San Fransciso to Napa
      Sep 4 -> Napa to Lake Tahoe
      Sep 5 -> Lake Tahoe
      Sep 6-> Lake Tahoe to Yosemite
      Sep 7 -> Yosemite
      Sep 8 -> Yosemite to Monterey
      Sep 9 -> Big Sur
      Sep 10 -> Solvang & Santa Barbara
      Sep 11 -> compras no outlet
      Sep 12 -> Los Angeles area
      Sep 13 -> San Diego
      Sep 14 -> San Diego
      Sep 15 -> San Diego
      Sep 16 -> voo de volta para Toronto
      Sep 1: San Franciso
      Eu ja estive em San Francisco antes, voltei de novo para passear com meus pais ja que eles nao conheciam. De manha fomos passear no cable car, fomos ate Lombart Street. De la andamos ate  Firshman's Wharf and Pier 39. Estava super quente, a temperature estava batendo records de calor.  A tarde fomos andando devagar ate o bairro italiano - North beach e depois passeamos na Chinatown.
      Em San Francisco ficamos no hotel MayFlower, muito bom. Boa localizacao, bom cafe da manha, eu recomendo.


      Sep 2: San Franciso
      Hoje de manha nos comecamos com o city hall, fiquei super decepcionada com tanta gente dormindo na rua, especialmente jovens. Em volta do city hall, so tinha mendigos. De la fomos andando ate Alamo square. Depois andamos ate o Golden Gate park e dai para Union Square. 


      Sep 3: San Fransciso to Napa
      Pegamos o carro que tinh alugado logo de manha e nossa primeira parada foi Palace of Fine arts e depois Golden Gate bridge. Infelizmente era bem cedo e estava nebilna. Fomos ate Salsalito e andamos um pouco pela cidadezinha. De la fomos fomos ate Muir Woods, o estacionamento estava lotado, tinha gente parando quase 30 minutes da entrada do parque, ja estavamos desistindo quando o estacionamento do lado do parque abriu para 2 vagas :o) depois de passear pelo parque fomos em direcao ao Napa Valley onde iamos passar a noite. A estrada eh linda, parace um mar de plantacoes de uva. Paramos em alguns vinhedos no camigo... 




      Sep 4: Napa to Lake Tahoe
      Hoje de manha nos passeamos na area do Napa Valley, fomos ate Calestoga atraves da HWY 29, cheio de vinehos gigantes e dai voltamos pela estrada Silverado Road Trail, cheio de vinhedos tambem. A tarde pegamos a estrada em direcao ao Lake Tahoe.


       

      Sep 5:  Lake Tahoe
      De manha fomos em direcao a Esmerald Bay, com varias paradas para ver a vistas. De volta a cidade, eu queria ir na gondola, mas infezmente estava fechada, como era fora de temporada so abre em fim de semanas. Sorte que estava fechada, pois o tempo mudou rapido e comecou a chover forte. No fim da tarde parou e fomos andar pela regiao, adorei esse lugar. 


      Sep 6: Lake Tahoe to Yosemite
      Saimos cedo, pois tinhamos uma viagem longa ate Yosemite. Passamos pelo Lake Mono e dai entramos na HWY 120, conhecido como Tioga Pass que so abre durante o verao, nossa que estrada linda. Ja dentro do Yosemite park, tinhamos que ir ate o outro lado para ir em direcao ao nosso hotel. Passamos for varios lugares lindos: FairView Dome, Tenaya Lake, Olmsted Point, bridalveil fall,  Yosemite village e Lower Fall. O unico problema era a fumaca e cheiro de queimado, um pecado.
       



      Sep 7: Yosemite
      Dia para explorar parte do parque. Decidimos fazer a trilha para o Lake Mirror, ate chegar na trilha paramos varias vezes para foto. Depois da trilha fomos no Majestic Yosemite Hotel e dai fomos em direcao ao Glacier Point com varias paradas, Valley View, Tunnel View, Washburn Point. A vista do Glacier Point eh demais!! Uma pena que nao ia ficar mais no parque, um lugar que concerteza quero voltar para explorar mais.




      Sep 8: Yosemite to Monterey
      Pegamos a estrada cedo em direcao a costa. Chegando em Monterey, andamos pelo Fishrman's Wharf onde almocamos. A tarde passeamos um pouco em volta do aquario, mas nao entramos la. Depois fomos em direcao a Carmel, atraves da 17-mile drive. Passamos por Carmel River state beach ate chegar em Carmel-by-the-sea


      Sep 9: Big Sur
      Infelizmente a HWY 1 estava parciamente fechada por causa de um deslizamento de terra que aconteceu em Maio. Fomos ate Pfeiffer Park onde a estrada acabava, tivemos que voltar para Monterey e pegar HWY 101, dai fizemos un detour para descer denovo na HWY 1 para dirigir entre McWay Fall and Sand Dollar Beach e voltar para Hwy 101. Nossa utima parada do dia foi San Luis Obispo onde passamos a noite.



      Sep 10:  Solvang & Santa Barbara
      De manha passamos por Pismo beach e fomos em direcao a Solvang, bem dinamarquesa. Super legal a cidade, passamos horas andando por la. Dai fomos para Santa Barbara, outra cidade super gostosa.


      Sep 11:  compras no outlet
      Hoje nos passamos o dia no Camarillo outlet e depois fomos para LA.
      Sep 12:  Los Angeles area
      Hoje andamos em volta da area de Los Angeles, acabamos nao indo na cidade. Comecamos com Beverly Hill, parando na famosa Rodeo Drive e dai passeando de carro pelas mansoes. Depois fomos para Malibu. Depois fomos para Santa Monica, andamos na promenade e no famoso pier. Nossa ultima parada do dia foi Venice beach, onde andamos na boarwalk e visitamos os canais.




      Sep 13: San Diego
      Hoje dirigimos em direcao a San Diego, parando em varias cidades no caminho. Minha parada foi Long beach, depois veio Huntington beach, cidade cheia de surfistas. Passaos por Newport, com suas marinas e Dana Point, ate chegar em La Jolla. 



      Sep 14: San Diego
      Hoje comecamos o dia visitando Mission beach,. Deois fomos para o Balboa Park. A tarde nos fomos para Old Town, Ocean beach e Cabrillo National Monument.



      Sep 15: San Diego
      Ultimo dia em San Diego, comecamos com Coronado Island. Depois fomos no Gaslamp Quarter, passando pelo Pecto park. A tarde fomos no Sea Part village, andamos pelo Embarcadero ate o USS Midway Museum. Nossa ultima parada foi little italy antes de voltar para o hotel.


       
       
       
       
    • Por ederfortunato
      Em dezembro de 2017, passei 3 dias no Zimbábue e 15 dias na África do Sul, e devo agradecer a galera daqui do fórum que me ajudou muito através dos relatos,
      por isso, resolvi fazer um também!
       
      Eu vou focar nas dicas de passeios e trajetos para chegar nos lugares, e menos nos detalhes do que eu fiz no dia-a-dia(até porque tenho péssima memória).
       
      Pra quem gostou das fotos, eu posto muito mais no meu instagran, segue lá: http://instagram.com/ederfortunato/
       
      África do sul

      Roteiro: Foram 8 dias na Cidade do cabo, 2 dias em Joanesburgo e 4 dias no Kruger.
      Ficou boa essa quantidade de dias para cada lugar, não mudaria, mas caso dispusesse de mais tempo, ficaria uns 14 dias na Cidade do Cabo(queria morar lá pra falar a verdade rs).
      Uma coisa que compensou fazer, foi passar 4 dias no bairro de WaterFront e 4 dias na Long Street, fiz isso pra conhecer bem cada canto da Cidade do Cabo.
      E porque não conseguia me decidir onde ficar rs.
      Depois passei 2 dias em Joanesburgo, e acredito que foram suficientes(me lembrou muito São Paulo, e como sou daqui, não curtir rs).
      Finalmente, fui para o kruger, de van, caso você também vá via terrestre, reserve 3 dias no mínimo, pois de Joanesburgo pra lá, são umas 6 horas na estrada,
      por isso os dias de ida/volta acabam sendo quase perdidos. Tem um aeroporto mais próximo do parque, o Nelspruit, mas a passagem estava cara.
      Tirei a Garden Route do roteiro, pelo que vi precisa no mínimo uns 5 dias pra aproveitar bem.
       
      Passagens: Voei com a South African Airways, que é muito boa. Já que a ideia era conhecer mais um lugar além da África do Sul, escolhi ir para o Zimbábue.
      Pesquisando, percebi que se comprasse 3 trechos de uma fez, 1º São Paulo > Victoria Fall, 2º Victoria Fall > Cape Town e 3º Joanesburgo > São Paulo,
      acabou ficando mais barato do que se comprasse a ida/volta da África do Sul para o Zimbábue, recomendo usar a ferramenta do google para fazer essas
      pesquisa de preço por várias cidades.
      O trecho Cape Town > Joanesburgo, comprei pela FlySafair, só $250 Reais a passagem, tem muitas outras companhias de low-cost por lá, valeu a pena.
       
      Gastos: Com hospedagem, passeios, comida e transporte gastei $1.600 dólares pelos 15 dias(fora a passagem ida/volta do Brasil).
      Vou separar por cidade, assim ajuda a ter uma ideia melhor:
      8 dias na Cidade do Cabo: $850 dólares.
      2 dias em Joanesburgo: $100 dólares.
      4 dias no Kruger: $620 dólares.
      O lugar onde gastei mais do que deveria, foi o safári no Kruger, como eu estava sozinho, acabei tendo que apelar para uma agência,
      que cobrou $600 dólares o pacote de 4 dias, o valor compensou, pois estava tudo incluso, mas tenho certeza que se fizesse por conta,
      ou se estivesse com mais pessoas, gastaria bem menos.    
      No geral, o custo lá não é alto, é possível encontrar hospedagem a menos de R$50 Reais(em hostel) e refeições de R$15 a R$50 Reais,
      mas os passeios acabam sendo bem caros. Fiz vários day-tour que custavam em média R$200 Reais. Um dica que posso dar é fazer os
      passeios por conta própria, alugando carro e tentar ir em mais pessoas.
       
      Dinheiro: A moeda usada na África do sul, é o Rand, ele vale mais ou menos ¼ de 1 real, então 4 Rand = 1 Real, fiz esse calculo na hora de fazer as contas.
       
      Dólar/Rand/Real, o que levar? O melhor é comprar dólar aqui e trocar lá por Rand, talvez você tenha lido que não vale a pena, pois vai fazer
      o cambio duas vezes, e perde nas duas, bem... a verdade é que depende. Depende o quanto você perde, é possível perder mais fazendo apenas um câmbio,
      o que determina isso é se a moeda trocada é forte ou fraca.
      Nesse caso, você vai perder bem mais trocando diretamente Reais por Rand, do que se fizer Real > Dólar > Rand. Isso porque o Real é considerado
      uma moeda fraca por lá, quer dizer que ninguém, na áfrica, quer comprar Reais, isso faz com que o cambio dele seja baixo, diferente do dólar,
      que é uma moeda forte, e faz com que as casas de câmbio queiram comprá-la(mais do que real).
      Além disso, tenha em mente que levando dólares, você consegue um cambio melhor, mas tem o inconveniente de ter que andar com muito dinheiro,
      então leve uma doleira pra carregar a grana embaixo da roupa, e não ande com tudo, deixe uma quantia no cofre do hostel/hotel.
       
      Câmbio: Use sites como Melhor Câmbio para achar a melhor cotação, um outro que recomendo pra quem é de SP, é o Câmbio Store(é onde geralmente compro).
      Chegando na África do Sul, troque uma pequena quantia no aeroporto, que normalmente têm taxas ruins, e deixe pra trocar o resto do dinheiro num lugar que faça
      "câmbio alternativo"(casas de câmbio clandestinas, onde pagam melhor e não cobram taxas), tem um que achei por indicação, que fica na 39 Strand Street,
      o lugar parece meio "suspeito", tem portões com grade, o pessoal parece mafioso, mas vai sossegado que é de boas lá rs.
       
      Cartão de crédito: Você pode optar por usar apenas cartão, é aceito na maioria dos lugares em Cape Town e Johannesburg, de várias bandeiras,
      seja cartão de credito ou debito, inclusive você pode sacar Rand no caixa automático, e é bem fácil achar um caixa 24.
      Além desse ser o modo mais seguro, já que não precisará andar com muito dinheiro, mas é o pior pelas taxas do banco, como IOF por transação,
      além da cotação de dólar que o banco usa ser bem desfavorável.
       
      Idioma: A África do Sul tem 11 línguas oficiais. Quase todo mundo fala inglês, alguns com um sotaque que eu achei bem difícil no começo(sério,
      no primeiro dia eu fiquei perdidão, não entendia nada).
       
      Insetos: Era uma preocupação minha antes de viajar, acho que de muita gente também, até pesquisei um repelente bem forte, mas quando cheguei lá, não usei.
      Durante o safári, que foi o lugar onde mais estive em áreas selvagens, dormi num chalé que tinha aquelas mosquiteira na cama, então não foi problema,
      e durante as saídas, fiquei o tempo todo dentro do carro, e em momento algum vi mosquitos nele.
      Sobre o medo de malária, o perigo existem em algumas regiões do país, mas nenhuma das que eu passei, então não me preocupei em correr atrás de vacina,
      mas o que pesquisei é que é bem cara é não tão eficaz.
       
      Segurança: Na Cidade do Cabo, era bem tranquilo andar durante o dia, mas a noite a recomendação era de sempre pegar táxi e não caminhar,
      embora eu tenha achado que não parecia tão perigoso(e olha que eu sou de São Paulo).
      Já em Joanesburgo, até de dia é complicado andar por lá, e era recomendado nunca andar sozinho.
       
      Transporte: Vale muito a pena alugar um carro, pelo que pesquisei é bem barato. Porém não tão barato que compensasse pra mim que estava sozinho,
      o que fez a viagem ficar um pouco mais cara, já que para chegar em muitos lugares, tive que recorrer às agências turísticas.
      Outra coisa a se levar em conta, é que muitos lugares, como Cape Point, são bem melhor aproveitados de carro próprio do que passeios de agências.
       
      Uber: boa alternativa caso não alugue um carro, em alguns casos, deve compensar bem mais. O custo é realmente muito baixo(pude perceber
      que a maioria dos motoristas de Uber, são de outros países vizinhos, mais pobres que a África do Sul, e que foram pra lá conseguir um trabalho melhor).
      Recomendo que compre um CHIP de celular quando chegar, para poder chamá-los de qualquer lugar, eu não comprei pois sempre conseguia Wi-FI free,
      mas nem sempre era garantido, e as vezes tive que apelar para o táxi.
       
      Cidade do cabo
      Do aeroporto para o centro da cidade, teve ter uns 25 km de distância, eu usei o My City Bus, é o sistema de transporte público da cidade,
      funciona como o bilhete único aqui de SP, você precisa comprar um cartão e colocar credito nele, os ônibus são ótimos.
      No aeroporto me deram um mapa com todos os pontos de parada, por isso foi fácil chegar ao meu destino, o ônibus foi direto até
      um terminal no centro da cidade, e de lá eu peguei outro para o meu hostel, custou $100 Rand. Caso fosse de Uber ficaria uns $300 Rand,
      então preferi ir de ônibus, pra já ir sentindo a vibe da cidade.
       
      Hospedagem
      Fiquei em 2 hostel nessa cidade, no Atlantic Point Backpackers, ele é muito topzera, tem ótima estrutura, quarto espaçoso(coisa rara em hostel),
      um banheiro por quarto, ar-condicionado, locker grande no quarto, o café da manhã é bem completo, e eles organizam muitas atividades entre os hospedes,
      todo dia havia algo pra fazer, além de estar bem localizado, uns 10 minutos á pé do WaterFront, preço um pouco acima da média, mas vale totalmente.
      O outro hostel foi o Cape Town Backpackers(cuidado pra não confundir com outro bem próximo chamado The Backpackers), a equipe é bem solícita e
      me ajudaram muito. O hostel é OK, tem um estrutura bem mais simples, como um banheiro para vários quartos, apesar de ser mais barato que o outro,
      acabou ficando caro, por ele não oferece café da manhã. A localização, até que é boa, mas fica distante demais da Long Street,  tipo uns 15 minutos
      de caminhada. Os quartos não eram limpos todos os dias. O ponto positivo era o bar dentro dele, bom lugar pra socializar, mas acho que não voltaria lá,
      tem outras opções melhores
       
      O ônibus vermelho
      Você vai vê-los em todos lugar em Cape Town, são os ônibus turísticos de dois andares, que tem a parte de cima aberta, o site oficial é o City Sightseeing.
      Vale a pena dar uma olhada no site, seja para planejar e comprar o ingresso, ou para ver os pontos turísticos mais famosos e ir para lá por conta própria.
      Eu usei esse ônibus por uns 4 dias seguidos, e me quebrou muito o galho, pra ir de um canto para o outro da cidade, recomendo bastante.
      Um bom roteiro de um dia, nesse ônibus, é pegar o ingresso de $400 Rand, que inclui a entrada pra Montanha da Mesa. Então passar pela Long Street,
      depois a Montanha da Mesa, almoçar na Camps Bay e final do dia no WaterFront.
      Outra dica, eu fui comprar o ingresso no ponto 5, que fica na Long Street, um vendedor de lá me fez uma promoção muito boa, eu paguei $1120 Rand,
      pelo day-tour em Cape Point + o pacote Deluxe(3 dias pra andar no ônibus) + O Attractions City Pass(que dá uma entrada gratuita na maioria
      das atrações de Cape Town, veja aqui no site o preço de cada uma delas, e calcule se vale a pena pra você comprar).
      No final, compensou bastante, se eu somar as entradas das atrações que fui, davam bem mais do que paguei, mas só por causa do pacote
      que o vendedor me fez, então vá lá, e se não tiver cara de pobre sem grana igual eu, tente dar uma chorada no preço rs.
       
      Lions Head
      O melhor horário para ir é no final do dia, para ver o pôr-do-sol lá de cima, pois é muito bonito. Para chegar, chamei um Uber, que me deixou no portão,
      não precisa pagar nada para entrar.
      A subida leva apenas 1 hora, não chega a ser difícil, apenas algumas partes mais complicadas, onde existem umas escadas e correntes pra te ajudar a subir,
      tirando isso é bem tranquilo. Se for mesmo no final da tarde, lembre-se de descer logo, ou pelo menos tenha uma lanterna(do celular mesmo),
      o caminho fica bem escuro na volta. Também vale a pena procurar pela Wally's Cave, é um caminho alternativo e um pouco mais difícil,
      onde se tem uma vista pra Montanha da Mesa, recomendo buscar algum vídeo no YouTube mostrando como chegar lá, não vou explicar aqui porque
      fica complicado(e também porque eu não lembro rs).

      Montanha da Mesa
      Uma dica importante sobre lá: É possível vê-la de várias partes da cidade, e se você perceber que o tempo está aberto, suba!
      O clima lá é muito imprevisível e muda muito rápido, tem este site que você pode ver a condição do tempo, e se o teleférico está aberto ou
      fechado por causa do vento(me fudi 2 vezes indo lá a toa até descobri o site).
       
      Signal Hill
      Passeio padrão e muito bom, o ideal é ir para ver o pôr-do-sol, vale muito a pena, tem a opção de ir com ônibus vermelho, táxi, ou Uber.
      E não esqueça uma blusa pois faz bastante frio lá em cima, e leve vinho e um pouco de comida para um piquenique(ou muita pra uma farofada mesmo,
      ninguém vai te julgar por isso rs)
       
       
      Cape Point
      Ou Península do Cabo, passeio quase que obrigatório, fica a 70km da Cidade do Cabo, recomendo ir de carro para poder parar onde quiser,
      principalmente se fizer a rota pela costa oeste, tem muitos pontos cuja paisagem é muito bonita. Caso esteja sem carro, a maioria das agências/hostel/hotel
      e até o ônibus vermelho vendem esse passeio, a média de preço é a mesma, $800 Rand, incluindo uma parada em Boulders Beach,
      onde você pode conhecer a praia de pinguins(eu não esperava ver pinguins! na África, foi surreal), por $80 Rand a entrada. Já em Cape Point,
      é possível subir/descer pelo bondinho($50 Rand), ou a pé, só 20 minutos no máximo. A vista lá de cima é bem legal, além de ter uma trilha que
      circula por baixo pra chegar mais perto do final da rocha.
      Depois disso, é possível ir andando até o Cape of Good Hope(Cabo da Boa Esperança), deve levar uns 40 minutos numa trilha bem tranquila
      (caso esteja de carro, talvez seja melhor ir até lá pela estrada), para chegar lá, vá andando até uma praia que você com certeza viu lá de cima,
      que está à esquerda, ela se chama Dias Beach, e não é própria para banho, pois as ondas ali são bem fortes, mas dá pra andar pelo rochedo por cima dela.
      O final da trilha, no Cabo da Boa Esperança, é outro lugar obrigatório para visitar.
       
      Vinícolas
      Outro tour bem famoso, é o da rota de vinhos, é possível conseguir em qualquer agência/hostel e também no ônibus vermelho, não sei se todas fazem as
      paradas nas mesmas vinícolas, mas não deve ser muito diferente. O passeio é um bate e volta no mesmo dia, passando por várias vinícolas, e fazendo
      degustação de vinho em todas, além disso, a paisagem é muito bonita. Também é possível fazer por conta própria, indo diretamente nas cidades.
      A melhor e mais conhecida é Stellenbosch.
       
      Free walking tour
      Eu fiz o free walking tour deste site, eu gosto de fazer esses passeios, sempre que visito uma cidade nova, já procuro se tem algum,
      é a melhor forma pra conhecer a história da cidade e ainda ter algumas dicas de lugares pra visitar. Nesse em específico, as caminhas eram mais curtas,
      umas 2 horas, e havia 3 diferentes para escolher. Fiz o do centro histórico, e um outro chamado Apartheid to Freedom, valeu muito a pena esse segundo,
      é uma aula de história, mostrando sobre como era a vida das pessoas em Cape Town no período do Apartheid, e ver alguns objetos daquela época que
      ainda estão na cidade, mantidos como registro histórico(como um banco de praça escrito "apenas para brancos", é impactante).
      Não fiz o tour para o Bo-Kaap, que é o antigo bairro apenas para muçulmanos, onde as casas são coloridas, eu apenas dei uma passada por lá num outro dia,
      mas acredito que vale a pena conhecer mais detalhes históricos dali.
       
       
      Outros passeios e lugares que gostei:
       
      Two Oceans Aquarium: Fica do WaterFront, o melhor é ir às 14h00, que é quando eles alimentam os peixes, e tem um pequena palestra.
      Às 14h30 vá para parte de cima, para ver a alimentação dos pinguins.

      Museo do Rugby(The Springbok Experience Rugby Museum): Fica no WaterFront, ali dá pra ter uma ideia do porque o rugby é tão importante
      para os sul africanos, e como ele foi usado para unir a nação, fiquei com vontade de ir num jogo, mas não achei nenhum que iria acontecer enquanto estivesse lá.

      Mama Africa: Restaurante muito bom, voltado para turistas, fica na 178 Long Street, tem banda ao vivo, que toca músicas típicas.
      Se você quiser experimentar carnes exóticas, tem um prato chamado Wild Game, nele vem carne de Kudu(a melhor que comi), avestruz, javali,
      crocodilo e outros, custa $320 Rand, um pouco caro mas valeu muito a pena.

      Galbi Restaurant: Fica numa galeria na 210 Long Street, outro lugar com carnes exóticas, só que mais barato, o legal aqui é que você pode escolher
      a carne e cozinhar você mesmo! tem uma grelha em cada mesa, achei bem legal esse esquema.

      African Tradin Port: Fica no WaterFront, é uma loja gigante, uns 3 andares, vale a visita só pra ver os itens a venda, o preço é um pouco salgado,
      se gostar de algo, procure o mesmo item em outra lojinha, como as várias da Long Street, onde você pode negociar o preço.
       
       
       
       





       

       





      Hout bay

      Uma cidade costeira, próxima de Cape Town, com vários passeios interessantes,  é tranquilo ir de carro ou ir com o ônibus vermelho(a rota Mini Peninsula):

      Parque Kirstenbosch Botanical Garden, é um parque bem grande e bonito, caso você tenha vários dias disponíveis,
      vale fazer a visita e ficar um pouco por ali, talvez fazer um piquenique, pois é bem tranquilo e seguro pelo que percebi, no mais, é só um parque.
       
      World of Birds/Monkey Park, é um zoológico, que possui muitas aves, muitas mesmo! é quase um labirinto, e você vai passando de uma jaula pra outra,
      podendo chegar bem perto deles, é um ótimo lugar pra fotografar por causa disso. O único ponto ruim, é que dá uma certa dó de vê-los presos,
      eu li que as aves ali são resgatadas, e não poderiam ser re-inseridas na natureza, porque não sobreviveriam, mas ainda assim, dá uma dó deles.
      Existe também uma parte dedicada aos macaquinho, e é bem legal pois é possível chegar perto deles.
       
      Imizamo Yethu, é um tipo de povoado, bem pobre, e oferece visitas guiadas para conhecer aquela comunidade, a história dela,
      e ajudar com as instituições de caridade dali.
       
      Mariner's Wharf, é um cais, ótimo lugar para almoçar, muitos pratos de frutos do mar, e depois dá pra fazer o passeio de barco para a Seal Island,
      uma ilha cheia de lobos marinhos.







      Joanesburgo e Soweto

      Fiz o tour do Soweto, com uma agência chamada MoAfrika, mas acho que não foi tão bom, pelo que ouvi de outras pessoas, que fizeram outros tours,
      eles visitaram algumas instituições/ONG de ajuda aos moradores da região, no tour que eu fiz, não passamos por uma, e eu gostaria muito de ter conhecido.
      O passeio foi por algumas vielas de uma parte do Soweto, e entramos em uma das casas, no final teve uma apresentação de uma dança típica local,
      com alguns jovens, muito legal. Fizemos outras paradas, uma no museu do Hector Pieterson, que conta a história de uma revolta da população
      contra o governo, e da importância dos movimentos que nasceram do Soweto na luta contra o Apartheid, e a última parada foi no museu do Apartheid/museu
      do Nelson Mandela, os dois ficam juntos, e vale muito a visita, o tanto de informação que tem ali, é impossível ver apenas em uma dia, a maioria do
      material são vídeos, jornais e fotos da época, algumas partes são bem impactantes, mas sem duvida vale a visita.
       
      Minha opinião sobre esses tours do Soweto.(sinta-se livre pra pular essa parte se quiser rs). Sobre o tour em si, acho que ele é mais impactante pra
      quem mora em países desenvolvidos(europeus, americanos), pra quem mora aqui na América Latina, e mesmo em grandes cidades do Brasil,
      é possível achar pessoas em situações bem parecidas(ok, provavelmente não tão precárias como lá, devo dizer), não que deixe de ser uma boa experiência,
      conheço muitas pessoas que precisam de um "choque de realidade" daqueles, principalmente para lembrar que aquela é a realidade de boa parte do mundo,
      incluindo talvez o bairro onde elas moram. Ao mesmo tempo, me incomodou um pouco fazer esse tipo de "tour de miséria", perguntei para o guia,
      que era morador dali, o que os outros moradores achavam de ver vários turistas visitando o lugar, e tirando fotos deles.
      Ele explicou que, desde que as coisas por ali melhorarem, os moradores não se importariam, desde que aquela movimentação de turistas,
      também trouxesse uma melhora na vida deles, mesmo que pequena, eles aceitariam. Por isso, achei que faltou a visita em alguma instituição beneficente,
      no tour que fiz. E caso você vá visitar o lugar, não deixe de ajudar, da forma que conseguir, você vai sair levando algo dali, seja uma alegria pelas crianças
      que correm e pulam pra te abraçar, seja uma inquietação pela situação que aquelas pessoas vivem. E por levar essa lembrança,
      nada mais justo que deixar alguma ajuda em troca para eles.

       




      Safári
      Essa parte me deixou bem confuso antes da viagem, vários nomes e termos, vários parques, onde ir, como ir.
      Vou colocar aqui o que eu aprendi pra te ajudar a decidir.
      Existem muitas opções de safári para fazer em vários lugares da África do Sul, a maioria dos parques você pode chegar por conta, e dirigir por eles,
      ou contratando agência para te levar.
      Se você estiver em Cape Town, tem poucas opções, o mais perto o é Aquila Private Game Reserve, que mais parece um zoológico aberto.
      Entre os parques que merecem destaque, pelo tamanho e quantidade de animais, estão o Addo Elephant National Park,
      bem próximo de Port Elizabeth. O outro, e pode-se dizer o maior e melhor, é o Kruger National Park, fica a 6 horas de carro de Joanesburgo,
      ou pegando um voo para a cidade Nelspruit.
       
      Game drive: Você deve ter lido isso se já pesquisou, esse é o nome que as agências dão aos passeios de carro 4X4 para ver os animais
      dentro do parque. Esses game drive duram umas 4 horas, e são feitas ou bem no inicio ou no final do dia, num carro alto e aberto, para que os
      passageiros possam ver os animais e fotografar.
       
      Walk game: é uma caminhada dentro da área selvagem, juntos com dois guias armados para te acompanhar, um deles vai mostrando o lugar,
      ensinando sobre algumas plantas, animais que passagem por ali, muitas pegadas ou cocôs(no que eu fiz aprendi muito sobre isso rs).
      É possível ver alguns bichos, mas sempre mantendo distância, gostei mais desse passeio do que o de carro, isso porque eu gosto de andar na natureza,
      é mais empolgante do que andar de carro.
       
      Hospedagem: Existem várias opções, camping, tendas grandes, chalés e até casas.
      Caso você resolva ficar numa Private Reserve, algumas delas tem acomodações bem luxuosa-topzera(como a  Sabi Sand Game Reserve
      que eu queria ter ido, mas não deu por motivos de:$$$) e outras mais humildes que oferecem tendas em áreas mais afastadas,
      com banheiro compartilhado, uma espécie de camping, para quem quer uma experiência mais root's.
       
      Private Reserve ou Game Reserve: Em volta do Kruger, existem algumas áreas que são privadas, porém não possuem cercas de separação,
      então os animais acabam transitando para lá, e é possível ver nelas, a maioria dos animais que estão no Kruger. A vantagem aqui, é que os carros
      podem entrar em áreas mais difíceis, além de ter menos veículos circulando.
      Dentro dessas reservas, existem os Lodge, que são os lugares que oferecem pacotes com hospedagem/game drive/refeições.
      Da mesma forma que o Kruger, existem pra todos os bolsos.
       
      Dica de fotografia: Esqueça Go-Pro ou similares, com celular até que dá pra tirar dos animais que estejam mais próximos.
      O ideal é ter uma câmera com um bom zoom, prefira uma lente Teleobjetivas com no mínimo 200mm, pois muitos animais ficam distantes da estradas.








      Safári no Kruger
      Se o objetivo é economizar, o melhor é alugar um carro e ir por conta, reservando sua hospedagem pela internet(esse é o site oficial para escolher).
      A outra opção é fechar com uma agência, que vende pacotes all-inclusive, podendo escolher o tipo de acomodação(chalé, tenda, cabana),
      e o preço varia pra cada tipo.
      Eu escolhi a Viva Safaris, na ocasião ficou em $600 dólares o pacote de 4 dias, o que inclui: Transporte ida/volta de Johannesburgo para o Kruger;
      uma parada para os cânions Blyde River na volta; 3 noites num tipo de chalé bem confortável(eu escolhi tenda, mas deu "overbooking"
      e acabei ficando em chalé!); 3 jantares, 3 cafés da manhã; e um almoço(os outros almoços foram na estrada ou dentro do Kruger,
      mas que não ficaram caros); além dos passeios: e 1 Walk Game, 3 Game Drive de 4 horas na reserva privada, e mais 1 de dia inteiro dentro do Kruger.
      Até que compensou pois foi tudo organizados por eles, recomendo pra quem não quiser pesquisar muito pra fechar cada coisa em separado,
      dentre as agências que pesquisei, acho que foi a de melhor custo/benefício.

      Hospedagem: Quando reservar acomodação no Kruger, jogue no google o lugar, e veja no mapa, pois algumas dizer ser dentro do Kruger,
      mas não são. Não que isso seja ruim, muitas dessas reservas são ótimas, eu fiquei numa delas, mas só pra você ter certeza do que tá comprando.

      Game drive: Um conselho importante: tenha paciência quando fizer os safáris! pois é possível que você fique até uma hora inteira sem ver
      muitos animais, o parque é muito grande mesmo. Caso você esteja dirigindo por si, se vir muitos carros parados,
      chegue perto pois teve ter algum animal interessante alia

      Rota: Caso resolva dirigir por conta própria, no caminho para lá, faça uma parada no cânions Blyde River, tem uma vista belíssima.










       
       
       
    • Por paulodasilva
      Boa tarde amigos, venho relatar aqui a viagem de 29 dias que minha namorada e eu fizemos por 4 países. Depois de muito pesquisar aqui no site acabamos fazendo o seguinte roteiro:
      Santa Fé, Mendoza, Santiago, La Serena, Antofagasta, San Pedro de Atacama, Iquique, Arequipa, Cusco, Puno, Copacabana, La Paz, Potosí, Uyuni, General Guemes, Alegrete.
      Somos de Porto Alegre e fizemos a trip com um Gol 1.000, sem direção hidráulica mas com um ar condicionado que funciona perfeitamente, chamamos o auto de "El Tanque". No total foram 11.070 Km, 17 hoteis/hostels/pousadas, 4 países, uma infinidade de novos amigos. O custo total ficou por volta de 17 mil reais, 8.500 para cada, levamos 2.900 dólares em espécie.
      Dia 1 - Porto Alegre - Santa Fé
      Saímos de Poa dia 23/12/17 ás 6h da manhã, esse primeiro dia era um dos trechos mais longos da viagem, podem imaginar que quase não dormimos pois estávamos ansiosos para sair, foram alguns meses de planejamento e muitas dúvidas ainda pairavam pois não achei nenhum roteiro completamente igual ao que iríamos fazer. Malas no Tanque, check list feito e chimarrão na mão. Vamos lá!!
      O trajeto Poa até a fronteira muito tranquilo, a aduana estava vazia e foi muito rápido, mostramos passaportes, carta verde e segue o baile. Na Argentina que começaram algumas complicações, assim que entramos na Ruta 14 fomos parados pela polícia, uns sujeitos com roupas de milicianos nos pediram documentos e para ver o extintor de incêndio, então disseram que o mesmo estava vencido, na verdade ele venceria 31/12. Um dos sujeitos me levou para uma sala uns 200m do carro e outro ficou com minha namorada na porta do carro, lá dentro inventou mil histórias e tive que desembolsar depois de muito negociar, paguei 20 dólares. Ao longo desse trajeto fomos parados mais 5x, todas as vezes pediram as mesmas coisas e nenhum deles falou que o extintor estava vencido, nessas outras 5 paradas os policiais que nos pararam estavam com coletes verdes e nos pareceram mais "sérios" que aqueles primeiros que tinha roupas de militares e cara de malandro.
      Chegamos em santa fé já era noite e ficamos num hotel que havia reservado pelo booking, no outro dia sairíamos cedo novamente e o trajeto também era longo.
       
      Dia 2 - Santa Fé - Mendoza
      Acordamos cedo novamente e na recepção do hotel encontrei um casal de brasileiros que estavam sem dinheiro porque haviam pago tanta propina na estrada que não sobrou quase nada, então fiquei um pouco mais aliviado por ter sido extorquido apenas 1 vez, pois passei o caminho todo com raiva daqueles primeiros policiais.
      Saímos 7h com destino a Mendoza, lá ficaríamos 2 dias. Aqui algumas considerações: não tínhamos interesse em visitar vinícolas, pode parecer estranho pois a região é propícia, mas a verdade é que no RS acabamos visitando tantas na Serra que acaba que o processo é todo o mesmo; nas vinícolas os preços de vinhos são na maioria das vezes mais caros que no mercado da cidade e pq estaríamos dia 25/12 lá, feriado, então poucas estariam abertas. Nosso estilo de viagem é mais lado B e conhecer pessoas.
      Caminho cansativo, alguns pedágios, mas termina na Ruta 7, aí quase dorme no volante. A estrada toda duplicada e desemboca dentro de Mendoza. Chegamos estava anoitecendo, era noite de natal e estava absolutamente tudo fechado, então acabamos comendo num restaurante bem "pega turista" no centro da cidade, menu de natal que era caro e ruim, mas estávamos cansados mesmo, comemos e fomos dormir.
      Dia 3 - Mendoza
      Finalmente acordamos em um horário "digno" e fomos conhecer a cidade, praças e afins. Como estávamos quase sem Pesos e as casas de câmbio estavam fechadas, resolvi ir sacar dinheiro em um caixa eletrônico, sempre libero meu cartão (débito e crédito) no exterior, assim qualquer aperto consigo dinheiro, eis que a máquina engole meu cartão que "nunca mais voltou" (nessa parte imagina o Tim Maia cantando), fiquei apavorado, era o cartão que levamos com limite mais alto, que seria fundamental em qualquer imprevisto mecãnico, médico ou sei lá o que. Bom, passado a frustração e depois de 10 chutes na máquina fui cancelar o cartão e pensar em plano B. Lembramos que o NuBank vc consegue gerar boletos sempre que quiser, assim poderíamos gerar, pagar e liberar mais crédito sempre que precisasse.
      Resolvido o drama fomos finalmente passear, fomos nas 5 praças menores e no parque da cidade, parque General San MArtin  tem inclusive um estádio de futebol no meio, muitas famílias fazendo assado e tentando diminuir o calor nas sombras do mesmo. Foi muito legal e nos divertimos conhecendo o gigante parque, apenas uma loja de conveniência estava aberta, então compramos vinho, água e alguns petiscos e curtimos o feriado.
      Nota: Numa viagem dessas abridor de garrafas sempre é útil.
       



    • Por Carlosfuca
      Parte 1: Introdução e Roteiro
      O fato de poder pisar no Continente Africano está diretamente relacionado às minhas aspirações de pelo menos quatro anos pra cá. Tempo esse que pude saber que foi em África que se instalou os primeiros seres humanos do mundo, ou seja, o continente Africano é o Berço da Humanidade. De sua antiguidade clássica provem as primeiras civilizações que consolidaram diversos feitos avançados para época e que foram modelados para civilizações de outras partes. As dificuldades que se presenciam nos dias de hoje em África foi devido o advento das invasões europeias e também das invasões árabes, todo o passado de glória se perdeu e transformou no que podemos ver ainda no século XXI e o que ocorreu nos séculos anteriores de desmantelamento cultural e exploração intensa desde pelo menos o século XVI.
      De certo que existe a importância cultural (e de certa forma política), mas essa viagem teve um aspecto mais mochileiro/turístico com uma diversidade de atrações e com certeza contando com o espetáculo da natureza, a exuberante paisagem do sudeste africano. Foram 23 dias de viagem, onde parti de São Paulo dia 04 de Julho de 2017 e só retornei no dia 27 do mesmo mês.
      Antes de ir, apesar de estar próximo de se realizar um grande sonho e do que esse momento significava pra mim, o planejamento foi feito bem rapidamente utilizando o pouco de experiência que tenho em fazer meus roteiros com informações da internet. Não agendei previamente (no Brasil) nenhum "Tour", transporte ou acomodação, apenas comprei a passagem para Cidade do Cabo (Cape Town) pela Angola Airlines (TAAG) que custou R$1960,00, renovei meu passaporte e chequei se eu precisava tomar a vacina contra Febre Amarela. No caso não precisei, pois já havia tomado em 2011 quando fui pra Bolívia e essa vacina é valida por dez anos. Lógico que antes de tudo olhei os mapas, compilei os hostels no centro de Cape Town e tudo mais. Levei dinheiro em espécie e no Cartão VTM (Visa Travel Money) tudo em dólar, mas a moeda na África do Sul é o Rand (Zar). Na questão do visto para a África do Sul, pra turismo os brasileiros não precisam pagar nem agendar previamente, é apenas mostrar um passaporte contendo pelo menos 1 mês de validade antes da data de retorno pro Brasil e uma folha em branco, o visto valerá por 90 dias.
      Vou deixar pra detalhar essa encantadora e graciosa aventura nas próximas postagens, por enquanto vou deixar o esboço do roteiro. Recebi no passaporte carimbos de cinco países: África do Sul, Reino de Lesoto, Zâmbia, Zimbábue e Botsuana. A estadia foi maior na África do Sul e depois em Zâmbia, os outros três países visitei mais a região próxima das fronteiras fazendo um "Day Tour" em cada país.

      Do que eu havia planejado tudo correu muito bem, só não consegui conhecer a Ilha Robben (Robben Island) por ter chovido no dia em que eu agendei minha ida e não pude adiar porque no dia seguinte já estava marcado o inicio da viagem pelo BasBuz, uma van que percorre por toda a costa sul africana desde a Cidade do Cabo até Pretória (falarei mais sobre). Outro ponto que queria muito ir era o Museu Africano em Joanesburgo, mas não achei o local. Isto foi minimizado pelos diversos pontos altos da mochilada, como a subida na caminhada até a Montanha da Mesa (Table Mountain), o tour na Península do Cabo, a caminhada até a Tugella Falls na Cordilheira de Drakensberg, a ida as Cataratas Mosi-oa-Tunya/Victoria Falls em Zâmbia/Zimbabue, ou o Chobe Safari em Botsuana. 

       
      Dia 06/07/17
      Table mountain - Trekking sozinho pela Montanha da Mesa - Cidade do Cabo

      Dia 07/07/17
      ida ao centro comercial V&A Waterfront de manhã
      Praia - Camps bay beach à tarde
      Dia 08/07/17
      Cape Peninsula Tour (BasBuz)- Ilha das Focas, Praia dos Pinguins e Cabo da Boa Esperança
       
      Dia 09/07/17
      Era pra ser robben island mas foi cancelado pelo tempo chuvoso. Dia de descanso depois de breve caminhada pela cidade. Domingo tudo vazio. Ajeitar roteiro.

      Dia 10/07/17
      Viagem de Cape Town até Port Elisabeth por basbuz. O dia todo de viagem com a van.

      Dia 11/07/17
      Viagem de port elisabeth até durban. Chegando no Hostel Curiosity no Centro de Durban.

      Dia 12/07/17
      Sai umas 10h para o Kwa Muhle Museum, depois fui comer, depois pra região do porto e finalizando a tarde na Praia - South Beach.

      Dia 13/07/17
      Cheguei no Amphitheatre Backpackers em Northern Drakensberg e passei a tarde de boa. Fiz umas trilhas ao redor do Hostel.

      Dia 14/07/17
      Tugela falls tour - A segunda maior cachoeira do mundo e a maior da África, mas no inverno o volume de água é baixo.
      Beleza da Cordilheira de Drakensberg - Show!!!

      Dia 15/07/17
      Lesotho Day Tour - Lesoto é um país montanhoso incrustado na África do Sul e sem saída pro mar. A etnia predominante é Bashoto e a língua é o Sesoto (soto).
      Experiencia unica. Show!!

      Dia 16/07/17
      Amphitheatre Backpackers

      Dia 17/07/17
      Amphitheatre Backpackers

      Dia 18/07/17
      Viagem de van basbuz de Drakensberg até Joanesburgo, fiquei num hostel próximo do aeroporto Oliver Tambo.

      Dia 19/07/17
      Viagem de avião de Joanesburgo até Livingstone em Zâmbia
      Ao chegar andei pela cidade, povo muito acolhedor. Fiquei no Hostel Zinga Backpackers.

      Dia 20/07/17
      Grande dia nas cataratas Mosi-oa-Tunya (Victoria Falls). lados da Zâmbia e Zimbabwe.

      Dia 21/07/17
      Walk around the city centre. Change money to next day

      Dia 22/07/17
      Chobe Safari Day Tour em Botsuana

      Dia 23/07/17
      Viagem de volta a joburg. Do aeroporto um taxi até curiocity backpacker

      Dia 24/07/17
      Soweto Day Tour e Museu do Apartheid

      Dia 25/07/17
      Andando por joburgo.

      Dia 26/07/17
      Transfer até o aeroporto e volta pra São Paulo com escala em Luanda (transferência apenas).
    • Por paulorolan
      Gente antes de começar a ler o Post minhas resenhas, dicas, alegrias, melhores viagens e dicas, "Eu não terminei o Post"; Então não fiquem chateados, mas deixei várias, várias dicas do que fazer, e como fazer, dicas do que não fazer!!!! Valeu grande abraço e Viva as Férias, Viva Felicidade, Viva o Amor e Viva a Vida e Obrigado a Deus pela minha experiência!!!!
      Viagem Janeiro e Fevereiro 2017
      Olá amigos mochileiros, estarei escrevendo minhas opiniões, frustrações, dicas e maravilhosas férias que tive neste ano. Quero agradecer primeiramente a Deus por proporcionar estas férias, depois ao site e diversas dicas e sugestões proporcionando a nós mochileiros eternos a várias dicas e lugares desconhecidos para desbravar advindo de nossos sonhos.
      Quero agradecer também a duas pessoas incríveis (Naomi e Pedro Pedri) que prestaram seus dias e tempos preciosos em dividir suas experiências e vivências para nos proporcionar melhor conforto e segurança em lugares desconhecidos por mim, agora faço a minha parte dividindo sonhos e alegrias, pois férias não são só descanso e sim aventuras, descobrimentos, redescobrimentos, novos conhecimentos, algumas frustrações, mais muito mais, são as alegrias, paisagens, natureza, belíssimos lugares, lugares pintados por Deus, investidos de seu preciso tempo para nós reles mortais, desfrutar de seus desígnios.
      Neste post não colocarei fotos, pois nada melhor, imaginar um lugar dos seus sonhos e você ter impacto da realidade, nada é melhor você ver com seus próprios olhos a natureza e suas exuberâncias, colocarei aqui minhas observações, meus roteiros e minhas dicas.
      Podem ocorrer discordâncias de opiniões, mas o que seria do “Amarelo se não houvesse o Azul”, e é esta a beleza do ser humano suas discordâncias e seus acordos, suas idéias e opiniões, seus olhares clínicos para cada lugar visitado, este nosso Brasil como lindo é, como lindo está, tantos lugares a se conhecer, quantas portas e janelas e serem abertas ou reabertas, quantos horizontes a serem descobertos ou visitados, Viagem, Viagem sozinhos ou acompanhados, com amigos ou desconhecidos, Viagem livres como pássaros, leves como as matas e esperançosos como um olhar de sua filha, Viagem com o coração aberto, aberto a novas diferenças, a novos conquistas, a novos amigos, deixe o celular de lado e suas loucuras de apps, contas, jogos e distrações tente esquece-lo, compre uma câmera digital subaquática se possível, desliguem seus aplicativos e mídia social, invistam em boas conversas, em sua própria língua ou estrangeira, se comuniquem através de mímicas, arranhe seu inglês, francês qualquer outra língua, desenhe se for preciso, viva o momento como se fosse o único, e quando estiver em um lugar maravilhoso foque bem na paisagem, grave em sua memória na sessão “Paisagens Maravilhosas” “Awesome” lembre-se dos sonhos, momentos alegres e felizes enquanto você estava lá, abasteça seu coração e alma com as belezas presentes, purifique-se com o ar da mata, recarregue suas energias com a alvorada e pôr do sol, fale com o vento e consigo próprio, escute os anseios do corpo e purifique sua alma com presença de Deus, junte tudo para o seu retorno e rotina. Obrigado Deus por esta experiência e momentos que vivi.
      Bem meus roteiros para esta viagem Janeiro e Fevereiro 2017 foram Bertioga, Natal, Recife e Maceió, estarei dividindo em tópicos para aqueles que não querem ler o post todo, saliento que não gosto de falar de dinheiro ou custos, mesmo porque férias não é custo e sim Investimento.
      Sesc Bertioga – 25 Janeiro a 31 Janeiro 2017
      Bem Bertioga para mim foi uma grata surpresa e experiência, pois minhas férias começaria no Sesc Bertioga. Resolvemos conhecer por estar perto do litoral Norte e de tantas boas ressalvas positivas sobre, alguns sabem ou descobrirão que é extremamente difícil pernoitar em seu recinto, mas fomos agraciados pelo sorteio, lembrando que começamos e entramos no sorteio em Agosto/2016 (Site Sesc Bertioga) fomos sorteados em setembro/2016 para irmos em Janeiro de 2017, cinco meses antes da viagem planejada e lá descobri o porque!!!
      Pegamos a estrada no dia 25/01/2017 Feriado de São Paulo - Origem Osasco Destino Bertioga cerca de 2 horas de viagem, pela imigrantes sentido Cubatão, muito tranquila a viagem e bem sinalizada pedágio R$ 25,20 reais descida e subida cerca de R$ 10,00 reais, (este valor já não me recordo).
      Pois bem saímos daqui as 07:00 hrs e chegamos as 09:00 hrs, o primeiro check-in começava as 10:00 hrs, no site informava que começava as 12:00 hrs, mas resolvi arriscar e nos demos bem!!! Chegando seu check-in  consiste pegar primeiro as pulseiras dos hospedes, chave da casa, o cartão para suas despesas caso queira (recarregável) limite de R$ 50,00 reais diários e pagar o estacionamento R$ 13,00 reais para a estadia inteira. Nesta viagem resolvemos pegar a maior estadia que são 6 dias e meio, não existe mais, porém existe menos, logo colocarei os valores. Não é permitido você andar com o carro dentro do Sesc, seu percurso é restrito descarregar as malas em frente a casa e deixar o carro no estacionamento, você ganhará uma identificação para as suas saídas fora do Sesc. Fiquem de olhos nas atrações do Sesc pois elas costumam começar as 07:30 hrs e vão até as 23:00 hrs.
      Passeio:
      Bem ficamos na casa nº 8 muito aconchegante cabiam confortavelmente 12 pessoas em beliches de alvenaria, quartos espaçosos, ventilador, dois banheiros, cozinha confortável com frigobar, sem televisão (obrigado Sesc), sem telefone (obrigado Sesc). Nossa casa ficava bem próximo ao parque infantil aonde até os adultos podem desfruta-lo, lógico com limitações (não podem descer no Toboáqua ou escorregadores) mas pode desfrutar das fontes e canos d’águas muito gostosos por sinal, a piscina realmente é para crianças e somente crianças de até 12 anos podem desfruta-lo integralmente, a profundidade é cerca de 30 cm dá em nossa canela não oferece risco algum para os pequenos, mesmo porque ainda existe um guarda-vidas no local para mais segurança e conforto. Caminhando dentro do complexo, fomos conhecer o rendário longos cochilos após o almoço - Ahh o almoço o almoço e jantar– Nicho da Baleia, Salão de jogos, Caminho das pedras (relaxante) para mim não foi nada relaxante, mas fui fazer mesmo assim e voltaria a fazer. O Sesc possui uma mega estrutura para mim chega a ser comparado a um Resort, devido a sua estrutura, acomodações, espaço, lazer, comida e divertimento, não chega a ser um exagero não!!!!
      Alugamos bicicleta R$ 20,00 reais grande e R$ 8,00 reais duas pequenas por uma hora, mas existe a diária a R$ 25,00 reais comum e ainda pode sair do complexo. O salão de jogos é muito espaçoso e aconchegante, vocês pais e filhos que não conseguem ter interação com a prole, a proposta do Sesc é justamente esta, existe ping pong, dama, xadrez, centenas de jogos que podem jogar todos os membros da família, Caiaque para andar sobre o Rio, Xadrez Gigante (não brinquei, me arrependo), então aquele pimpolho que não larga o celular, só quer ficar nos apps e jogos eletrônicos, façam eles descobrirem os horizontes levantando um pouco suas cabeças, agora abaixadas e fixadas em seus celulares e jogos eletrônicos, forcem a barra um pouco se necessário, interagem com eles com Detetive, jogos de Macacos, Varetas, bolas de gude, jogos de cubos de madeiras,  rio para pesca (isca de graça), brinquem redescubram os sorrisos em seus rostos e o brilho em seus olhares, o Sesc proporciona isto em suas centenas de diversões, as atrações são para o dia inteirinho, sem descanso.
      Café da manhã, Almoço e Jantar, dependendo da sua estadia você terá um horário fixo devido a cor da sua pulseira, mais ainda é flexível pois existem “horários livres”, fiquem atentos.
      Dica: Levantem bem cedo tomem um café da manhã reforçado, e como já diziam, tomem um café como um Rei, almoce como um príncipe e jantem como um plebeu, mas não foi o meu caso, lá eu virei boi de engorda. Em todos os Sesc’s que já frequentei este é o melhor em termos de comida, por enquanto e até agora, o café da manhã é divino, ovos mexidos maravilhosos, frios muito frescos, pãezinhos, iogurte, mel, frutas, sucos, cereal, só para ter uma noção eu comia tudo isto somado a três pães com frios e etc rs rs rs. O almoço também com 2 tipos de carnes diferentes, frango, peixes, massas, saladas, arroz, feijão, sopas, caldos tudo muito bem preparado com muita higiene e limpeza, muito saborosos o jantar a mesma coisa. Existe a condição de você levar o refrigerante ou comprar lá, o refrigerante e suco cerca de R$ 3,00 reais.
      A piscina dos adultos na imagem parece imensa, mas fica apenas na imagem, é muito gostosa quando não cheia de gente, existem diversas atrações, hidroginástica em horários distintos, mais uma piscina para os pequeninos cerca de 30 cm profundidade, na piscina adulto que felicidade, podemos saltar e mergulhar da borda, em outros Sesc’s é proibido, existe um bar próximo a piscina onde porção camarão R$ 20,00 reais, batata cerca de R$ 10,00 reais, achei a música, muita alto para a piscina, minha namorada não então vai de cada um. No geral muito gostoso e agradável mesmo porque você tem logo ali o acesso a praia, “enjoou da piscina vá para a praia”, “enjoou da praia vá para a piscina”, vida chata hein rs rs rs. O acesso a todas as dependências do Sesc são através da identificação da pulseira, inclusive acesso a praia através do Sesc, houve até aula de surf para as crianças tinha até para adulto, mas deste eu não participei. A tarde noite mais atrações e diversões mesmo porque a piscina encerra as 18:30 hrs, participamos de um grupo de circo muito legal e divertido chamado “Corsários Inversos” uma atração a parte, ótima interação e diversão para todas idades, fiquei muito feliz, eles me chamarem para fazer parte de 30 min do espetáculo amei em tê-los conhecidos e indico aonde estiver se apresentando, muita diversão mesmo.
      O famoso mirante onde li alguns relatos que estava fechado e realmente está, o que é uma pena, pois a visão de lá é espetacular, segundo vídeos internet, pelas minhas contas já está fechado a cerca de 5 meses, gostaria de saber quando vão abri-lo novamente, quero muito conhece-lo.
      Passeio:
      Nesta semana estava, em meu roteiro, conhecermos a praia de “Itaguaré”, “Barra do Uma” e “Boiçucanga”, como estávamos bem próximos e não conhecíamos nenhuma destas, resolvi incluir e sair um pouco do roteiro do Sesc, outra feliz escolha.
      Boiçucanga (feliz escolha) 60 Km, cerca de 01:30 hrs a partir do Sesc, é muito bonito areia amarela e mar de ondas fortes (não aconselho para crianças) no meio da praia como em qualquer praia litoral norte e tranquila na parte perto das pedras (aconselho para as crianças), tomamos uma deliciosa caipirinha de Maracujá, bem próximo a entrada que escolhemos, tomamos muita água refrigerante para as crianças, voltaria com certeza!!!! Logo depois de 4 horas fomos para Barra do Una (outra feliz escolha) 21 km cerca de 30 min a partir Boiçucanga, encontro do mar com rio, muito bonito e gostoso, lá descobrimos um redutos de umas pessoas que não gostam de desfrutar dos prazeres da vida, muitas lanchas, barcos, jets, carros conversíveis, etc rs rs, mas o que eu queria mesmo era pegar ondas de body board, minha meta era pegas umas 20 ondas, peguei mais de 100, eu e o Kaique (12 anos), filho da minha namorada nos divertimos muito, ondas fortes mas não perigosas perfeita para o que queríamos. Tomamos outra caipirinha de maracujá, muito doce e não gostamos, as crianças brincaram até da caiaque na parte do rio, tudo com muita segurança e tranquilidade R$ 50,00 reais 01:00 hrs.
      Dica: Acho muito importante encontrar praias com rios próximos para podemos tirar o Sal do corpo, principalmente das crianças que possui pele muita sensível a altas temperaturas que estávamos sujeitos ali, ficamos por lá umas 04:00 hrs também, chegamos ao Sesc umas 20:30 hrs esbodegados mais felizes dos nosso passeios, voltaria com certeza!!!!.
      No dia seguinte não tínhamos que acordar tão cedo para conhecer;
      Frustração: Itaguaré (infeliz escolha) 16Km a partir Sesc 25 min, as vezes desejamos coisas que não conhecemos mas termos que conhecer e presenciar, para não retornarmos ou aconselhar nossos amigos, minha opinião!!!!  Pois bem, toda a alegria e satisfação do dia anterior foi trocado por frustração e brigas deste dia, saímos já tomados café da manhã, com o Sol já a pino e chegamos até a praia, a entrada é muito bonita no meio da mata, porém descobrimos que a praia é de surfistas, onda muito fortes e mar nervoso, não possui nenhuma infra, descuido nosso não levar guarda sol ou nos resguardar pelos improvisos, logo na entrada minha namorada pisa na “merda”, as crianças odiaram a praia, consequentemente tiram meu sossego e Vibe. Apesar de não ser a praia que queria conhecer aquela da foto, próximo ao rio etc, descobrimos 01:00 hrs depois que teríamos que andar mais 4 km a diante, a praia da foto fica na entrada do Rio Itaguaré, logo na entrada recebemos informações de como funciona e cuidados na reserva ecológica, havia um pessoal armado da guarda florestal, salva vidas falando que já houveram pessoas que se afogaram, ou seja um tormento de dia. Pois bem, ficamos lá umas 04:00 hrs com o mar revolto (impróprio para crianças) água do rio parecendo fervida para o chá da tarde, pessoas gritando, fazendo churrasco de domingo, as crianças de mal humor e irritadas e o meu sossego indo cada vez embora. Ou seja não foi legal ou proveitoso o dia, e também não volto mais lá, sem falar que rolou um tremendo stress entre todos (eu e minha namorada) (entre as crianças) em nossa chegada tanto é que nem fui jantar com eles neste dia. No dia seguinte, cabeça mais tranquila, estabilidade emocional recuperada houve uma bela “Conversa”, mas tínhamos mais 2 dias e meio de divertimento então brigas e discussões no passado, bora seguir em frente.
      Retornamos a nossa rotina de interação com as crianças, de jogos, risadas, brincadeiras e “Boi de engorda”, depois fui parar na balança mais 4 Kg a serem gastos durante minha viagem ao Nordeste que contarei logo a seguir.
       
      Minhas considerações finais:
      Retornamos para São Paulo dia 31/01/2017 as 12:00 hrs, voltaria com certeza para o Sesc Bertioga, em vista do que me proporcionou as alegrias e aprendizados e aconselho a todos irem, tomara que não na mesma época, pois a concorrência vai ser maior rs rs.
      Excelente comida, estadia, acomodações, diversões e tranquilidade .
      Valor gasto, para 2 adultos e 4 crianças (3, 8, 10 e 12) Frustração: minha filha de 3 anos não foi, porém não paga também, café da manhã, almoço e jantar.
      R$ 2.210,00 reais para 6 dias e meio;
      R$ 1.000,00 reais Namorada (pedágio, combustível, gasto Sesc, visitação as praias, bebidas diversas e outros);
      R$ 500,00 reais Eu (pedágio, combustível, gasto Sesc, visitação as praias, bebidas diversas e outros);
      Total Sesc Bertioga R$ 3.710,00 reais
      Nota: 9.5
       
      Natal – 02 Fevereiro a 06 Fevereiro 2017
      Bem de volta a São Paulo, parada estratégica de 1 dia e meio, lavar as roupas, encher a mala de mais bermudas e cuecas e vamos que vamos, depois de um ano e meio trabalhando, ouvindo chefe na orelha, problemas e problemas sérios, quero voltar renovado, pilha recarregada, renovar corpo e alma. Certooo vou voar de avião, adoro, todo o trajeto São Paulo X Natal X Recife X Maceio X São Paulo (planejei 6 meses para todo o translado de avião) ahh eu merecia, trabalho para que? Não é mesmo.....
       Minha namorada morre de medo, vou contar mais adiante, pensa numa pessoa “Cagona” mandei ela para Recife sozinha de avião, com conexão ainda..., nunca tinha voado kkkkkkkkkkkk.....depois eu conto mais!!!!
      Natal é a segunda vez que visito, a cidade está em meu coração, quero torna-la minha segunda casa um dia, pretendo um dia morar lá, gosto muito da Infraestrutura, Comodidade, Lazer, Diversão, Entretenimento, Praias paradisíacas, estratégico ao meu ver, para o Nordeste  etc etc etc, sou apaixonado por Natal, abaixo segue meu roteiro e vou falar em cima dele.
      Gosto muito de experimentar coisas novas, comidas, passeios e hospedagens e neste não foi diferente, da última vez que fui a Natal “2015”, fiquei hospedado em um Hostel chamado “Fun Hostel” era de um publicitário do Rio de Janeiro o Fabio, gente boa por sinal, ele tem outro em Buzios do irmão ou parente, o de Natal muito bem localizado, muito bem cuidado, extremamente limpo, moveis, mobília novas adorei ficar lá, mas resolvi me hospedar em outro, mesmo porque foi orientação do próprio Fabio e busquei informações aqui no site. Enfim encontrei e fui orientado a ficar no
      Frustração: “Albergue da Costa”, uma das piores escolhas que fiz na minha vida, você leu certo, piores escolhas que fiz na minha vida.
      Ressalvas:
      Historicamente existe uma rixa ou uma “P....a” que eu não sei quem inventou isto ou quando surgiu, o infeliz que plantou a sementinha da discórdia entre Paulistas X Cariocas, gente estou de férias, quero ficar zem, buscar paz, sossego e tranquilidade, quero fazer novas amizades, conhecer novos lugares, passar boas dicas, nadar com peixinhos, ficar horas e horas no mar contemplando a natureza etc etc, mas infelizmente presenciei o fato!!! Quando cheguei em Natal desembarquei com o calor maravilhoso, clima agradável, tudo que eu queria...
      Dica: Transfer Aeroporto a Ponta Negra “Natal Transfer” R$ 35,00 reais, vale muito a pena, já havia solicitado no próprio hostel, me levaram certinho show.
      Quando cheguei no hostel já vi a sua cara e cuidados, nada a ver com “Fun Hostel”, sou adepto a albergue, quando  me hospedo, estou em busca de uma boa cama, chuveiro e um bom café da manhã, depois fazer amizades, conversas, o dia rende para mim, 06:00 hrs já estou levantando.
      Pois bem, fui recepcionado por duas atendentes extremamente mal educadas, bocudas Luciana “A Carioca”, Evellyne “A internauta” e Marcelo ou Henrique “O Atleta”, este último não sei o nome direito dele, enfim o dono do Hostel; continuando, para começar toda aquela fotos dos quartos, área de lazer, bar, piscina, história do albergue passou por várias reformas, sonhos e trabalhos na Argentina para construir um sonho tudo blá blá blá, blá blá blá, blá blá blá acredito muito na premissa Esforço X Trabalho X Realização, mas não se aplica a eles, para começar as atendentes; primeiros contatos:
      - Fala bicho blz? Quem é você?
      - Sou o Paulo tenho uma reserva aqui....
      - Vai falando mais que a minha memória está sequelada....
      (se vocês adivinharem quem me recebeu assim, pago uma gelada para cada um que me cobrar.... escrevendo agora rs rs rs estou rachando de dar risadas, mas foi exatamente assim o primeiro contato... Eu sou bicho? Me pareço com um? minha mãe será que é uma ursa e não estou sabendo, ahhh meu Deus crise de identidade! Memória sequelada, isto quer dizer esquecimento????
      Normal levei na esportiva, mesmo porque estou de férias tranquilo, novos contatos, terras distantes, saber lidar com as diferenças etc etc.
      - Ahhh então é você que é o cara teimoso, que quer, porque quer ficar no quarto misto.... (A internauta)
      - Eu tinha reservado este, mas o quarto está com algum problema?
      - Sei lá, quem vai dormir lá é você!!!
      Nesta hora já havia subido, a paciência um pouco esgotada, fui parar em um quarto lotado, camas horríveis, banheiro minúsculo, beliche mole parecida saída de um tufão, moveis antigos, largados e sujos, piscina água verde, mata sem cortar e aparar, a campainha é igual a usada em fazenda, para chamar o gado, e a localização do Albergue horrível, detestei, depois de outras conversas elas próprias me disseram, que o Hostel iria fechar, porque o dono queria ter estilo de vida das “Kardashian” rs, será que tem motivo??? Mais tarde fui pedir outra ajuda:
      - Meninas depois preciso de uma ajuda.... (Paulo)
      - Vai falando, vai falando, vai falando.... (a Carioca)
      - Vocês podem me ajudar com a tábua da maré e ver os passeios que dependem dela? (Paulo)
      - Vê você, usa o seu celular... (a Carioca)
      - Tem algum micro ou internet que posso ver? (Paulo)
      - Só existe um e está quebrado (A internauta)
      Penso eu: Meu Deus aonde eu vim parar, sai logo daqui, vai procurar seus passeios, ver o mar azul turquesa, com mistura de verde, vá respirar ar puro, ver o morro do Careca, passear na areia, foi o que fiz.
      Dica: Programe seus passeios as piscinas naturais Maracajaú e Perobas, de acordo com a Tábua da Maré, depois te explico melhor como funciona, todos os passeios, as piscinas naturais, dependem dela, eu já sabia disto e fui atrás para me programar.
      1 Dia – Maracajaú + Punaú (Preferência ficar somente nestes locais)
       
      03/02/2017 – Perobas (Passeio lancha para Parrachos)
       
      Maracajaú (perfeito o lugar, maravilhoso o passeio, “Awesome”), mas infelizmente o mar só estava bom um único dia, na semana da minha estadia, então resolvi Perobas ***(antes de continuar lendo, vá até os asteriscos logo abaixo, leia minhas resenhas e depois retorne aqui...)
      R$ 120,00 reais, mais R$ 30,00 reais do almoço lá, nunca tinha feito, comprei o passeio através da “Buggy Brazil”, não conhecia, procure as agentes Patricia ou Paula (ela é meio doidinha mas gente boa), deixo o contato e telefone depois, existe também o “Mar Azul” guia e agente “Caio” um paulista da Zona Leste gente fina de mais, depois deixo o contato, aprendi muito com ele, existe a “Lizzandra” agente “Laura” uma Argentina que não trabalha mais lá mas deixo o contato também, agora em seu lugar está um agente Uruguaio, esqueci o seu nome, muito gente boa e feliz da vida, me ajudou muito em momento de desespero, depois eu conto!!! Comprei também o passeio pela Buggy do quadricículo para lagoa Carcará.
      Ressalvas:
      *** No dia marcado ao passeio, acordo 06:00 hrs da manhã, café da manhã está longe de ser servido, começa as 07:30 hrs, me arrumo, passo protetor, pego meu Kit mergulho bugigangas e celular perto para caso aconteça alguma coisa, pois aconteceu.....
      (cont ***) Ai ai, não sei por onde começar tantas coisas ocorreram neste viagem, que vou voltar a viajar de novo, de novo e de novo. Fui orientado pela agente Paula para eu estar as 06:30 hrs em frente ao hostel porque ninguém conhecia-o, segunda ela, com celular perto, deu 06:40 hrs, 06:50 hrs, 07:00 hrs, 07:30 hrs e nada da Van, meu Deus esqueceram eu aqui, tentei ligar na agência e telefone não existe, comecei muito bem aqui em Natal hein, minhas férias estão indo por água a baixo, está sendo destruída, Paulo não desista, enfrente a parada, você não voou mais de 2.240 km para isto, e aí que aparece o Atleta.
      (cont ***) Olho para o lado e vejo um cara de sunga vermelha se exercendo logo nas primeiras horas do dia, penso que é um hospede, dou bom dia me responde bom dia e tudo certo, lembre-se eu esperando a van e já desesperado! Ele termina seus exercícios e me pergunta?
      - Vai para passeio? (O atleta)
      - Vou sim, vou para Perobas, mas a Van ainda não passou, acho que me esqueceram aqui. (Paulo)
      - Que horas são? (O atleta)
      - 07:40 hrs... (Paulo)
      - Perobas a Van passa 07:15 hrs no máximo (O atleta)
      - Aonde você contratou o passeio? (O atleta)
      - Na Buggy Brazil... (Paulo)
      - Não trabalhamos com eles... (O atleta)
      (cont ***) Neste momento tinha descoberto o dono do Hostel ele foi muito solicito comigo nos primeiros instantes, até a página 2, ele tentou ligar para a Buggy tb não conseguiu, tentou me vender um outro passeio para Maracajaú, que eu sabia que a maré estava horrível aquele dia, e ainda fez um comentário desnecessário com a agente de turismo, deixa para lá... Nesta hora entrei em desespero total, buggy total no sistema, colapso financeiro, queda mundial da bolsa. Peguei minhas coisas e fui correndo mais de 30 min pela orla para chegar a agência, errei o local fiquei rodando como um peru para achar, quando eu encontro, bem na frente existem outros turistas que a agência havia esquecido, pronto!!!! Mundo abaixo, terremoto, maremoto, tsunami e tempestade em um único lugar. Olho para o lado a Paula (Doidinha) tentando ligar para Deus e o mundo, detalhe 08:15 hrs da manhã. Enfim depois de toda esta catástrofe no primeiro dia em Natal, cidade comedor de camarão, sou potiguar de coração, a Van me aparece, pega os turistas perdidos e encontro o motorista da Van (Esqueci o nome), parece Senhor dos Aneis II aonde a sociedade do Anel Frodo e Aragorn estão encurralados no castelo e quando derrepente soa a trombeta do exercito Elfos Armados e blindados para salva-los, ufa foi exatamente assim que me senti. Mais um adendo, o motorista havia me falado que havia passado 5 min depois da minha saída e detalhe eu vi ele passando ao meu lado, mas como não tinha emblema da buggy não reconheci, e ainda o atleta tinha informado que eu tinha desistido do passeio, tentou vender outro para mim e informado ao motorista que tinha saída a mais de 30 min daquele instante.
      Passeio:
      Maravilhoso o passeio amei muito, primeiramente fui para Punaú, este passeio antes era feito junto com Maracajaú, agora eles desmembraram, Punaú é uma fazenda que este sim, está eternamente em reforma maravilhoso o lugar, excelente para estar com crianças e tudo mais, água rio altura da canela, mar incrível foi meu batismo em Natal, existe uma tirolesa no local R$ 5,00 reais por descida (legal), o almoço não sei mas creio ser bem salgado pois uma água      R$ 5,00 reais, mas levarei e levo minha filha de 3 anos com certeza lá, mas vou alugar um carro da próxima vez - falando em alugar carro depois conta mais!!!! - Depois de cerca de 02:30 hrs em Punaú fomos para a tão sonhada Perobas, uma lancha pequena para um grupo de 6 a 8 pessoas, já foi emoção do inicio, lanchinha enfrentado as ondas que mais parecem de pedra
      Dica: não aconselho este passei “Perobas + lancha” para as piscinas naturais com crianças!!! Talvez de catamarã, talvez para não ainda!!!! Mas finalmente, estava em Natal e suas belezas naturais, nadando com os peixinhos coloridos, no meio do oceano, tirando e filmando fotos submersas, minha câmera digital é subaquática uma das melhores aquisições que fiz na vida, junto com o meu Kit mergulho (Extremamente essencial estes dois itens), estava tudo lindo maravilho, diversão total, quando derrepente no retorno a costa me aconteçe a “M...a” anunciada.
      Ressalvas:
      Quando você planeja umas férias destas, pelo menos para mim, tento me blindar de todos os problemas possíveis e inimagináveis, a final de contas eu trabalho com TI, meu chefe me exige isto, minha rotina me exige isto, meu trabalho exige isto, mas como dizem “M...as” acontecem, problemas aparecem e soluções são necessárias... como se não tivesse passado por problemas dias antes, por enquanto e até agora. Mas vamos a frente e enfrente, aqui em São Paulo eu tinha percebido que minha câmera estava meio embaçada quando tirava fotos subaquáticas mas eu nem liguei muito, mas me resguardando fui atrás de assistência tentei trocar o Kit de vedação, sabia que iria utiliza-la e muito aqui, só que o técnico da autorizada me cobrou R$ 400,00 reais na época para trocar, fui na Santa Efigênia, ninguém fazia o serviço, na Itália ela me custou R$ 600,00 reais, meu irmão que trouxe-a, já tinha 5 anos de uso comigo e ainda aguentando, acreditei que ela ainda aguentava, pois bem, não aguentou!!!! Detalhe segundo dia dos 22 total no Nordeste das férias, piscinas naturais, mergulhos, paisagens etc etc etc. E agora aonde eu vou arrumar está câmera aqui, se nem em Sampa consegui, nesta hora não conseguia pensar em mais nada, nenhuma alternativa a não ser arruma-la, imagina quanto custaria ela aqui mais de R$ 1.000,00 reais e agora e agora??? Eu não tenho esse dinheiro!!!! Levei mais de 12 sabonetes, 2 tubos de pasta dental, 2 tipos de protetor solar (pois sou alérgico), 2 pares de chinelos, bermudas diversas, cuecas diversas, dinheiro a mais para emergências para os passeios, mas nunca pensei em levar, 2 máquinas digitais, e ainda meu celular é só aquele que faz e recebe ligação. Estava muito receoso em comprar um novo celular (outra história mais adiante), minha namorada disse que vivo na era das cavernas pois nem Whatsup tenho, agora eu pergunto, trabalho com tecnologia o dia inteiro, trabalho em um ambiente aonde se eu colocar todos os servidores que tomamos conta, enche um apartamento de 100 metros quadrados e ainda falta, você acha que quero isto para mim, eu não, mesmo porque, proposta de férias é desligar total, derrubar os disjuntores, investir em conversas, deixar os celulares Mega Blaster Poderosos, com processadores e aplicativos capaz de controlar a sua própria casa a km de distâncias, alguns deles controlam até a vida dos próprios donos!!! Sai fora, deixe-o de lado, quero contemplar o corpo, alimentar o espírito e alma de coisas boas. Você acha que um advogado quer saber de quantos processos e audiências com o juiz ele vai enfrentar nas férias???? Você acha que um médico quer saber de quantos pacientes ele terá que operar nas férias??? Você acha que engenheiro quer saber dos cálculos que tem que fazer nas férias???? Lógico que não...então cada um...cada um.....!!!!
      Volto a Buggy Brazil para suspender meu passeio de quadricículo que seria no dia seguinte para eu ir atrás da câmera, até que encontrei o abençoado Uruguaio feliz da vida que me deu uma enorme dica, no momento de desespero. Fale com aquele cara ali que ele pode te ajudar, depois coloco o nome, pediu para eu procurar uma loja chamada “Samurai Assistência Técnica” especializada em consertos de máquinas digitais, detalhe era sábado, acordei bem cedo peguei o ônibus para o Centro de Natal, esta loja fica em frente ao Shopping Cidade Jardim, eles até arrumariam R$ 175,00 reais com muito esforço e dedicação porém destroem a capacidade de fotos aquáticas, então parti para comprar um kit de proteção para câmera, não encontrei em parte alguma, quando derrepente encontrei a salvação da minha vida
      Frustração: Alecrim presentes, aonde o vendedor me ofereceu aos 47 min do segundo tempo uma parecida com a Go Pro, (câmera Sports HD) resolução boa, gravação subaquática por R$ 400,00 reais. Pensei pronto estou de volta a vida com minhas fotos e filmagens. Comprei cartão de crédito parcelado em várias vezes, todo feliz e deixei a outra lá na assistência. Chegando em casa comecei a testa-la e fazer filmagens e logo percebi alguma coisa errada, resolução das fotos e filmagem, lembrando estava véspera do passeio quadricículo, um dia inteiro perdido em Natal a procura da câmera, vou testa-la amanhã!!!
      Batata fotos com baixíssima qualidade e filmagem horrível. Voltei a loja na segunda feira, pois domingo não abria, consegui troca-la por outra, detalhe parecida e agora estava pouco feliz, pois perdi um dia de filmagem e fotos, mas pensei o que é um dia em vista dos cerca 19 que tenho adiante, pois é, só pensei, Lembrem-se nada que está ruim não possa piorar!!!! A câmera também está com defeito só que estou agora véspera de embarcar para Recife e sem ânimo para ir atrás de novo!!!! (Até hoje 02/03/2017 não resolvi o problema), ou seja preciso comprar outra para as próximas férias.
      04/02/2017 – Depois de passar todo o perrengue, beirando as 14:00 hrs fui para o meu lugar preferido de Natal, um cantinho muito especial para mim, tomar um banho de mar, relaxar, reenergizar-se e pronto, mas este, não dividirei com vocês.
      Passeio:
      05/02/2017 – Lagoas Arituba, Carcará, Alcaçuz, Juventude (passeio quadricículo 4x4)
       
      Com a câmera com defeito mesmo, fui ao passeio, desta vez ocorreu tudo bem, a Van me pegou no horário no hostel e chegamos no horário estipulado, passeio R$ 220,00 reais, fora o almoço cerca de R$ 30,00 reais. Eu queria conhecer as lagoas de um modo diferente, então resolvi comprar este, queria conhecer Arituba, Carcara, Alcaçuz e Juventude, já a emoção tomou conta no início do passeio, porque é muito, muito louco pilotar o quadricículo, fizemos um teste rápido na mini pista deles, aquele troço é forte de mais, fiquei com vontade de comprar um para mim, nunca tinha andado de moto e além do que pilotar nas dunas, falésias e o bicho é 4x4 show!!! O passeio consiste em passear no meio da floresta, subir e descer uns declives a aclives e passear nas dunas. A agência fica na praia Pirangi do Norte, Panamirim, bem próximo ao maior Cajueiro do mundo.
       
      Dica: você pode até ir de ônibus a Pirangi e contratar o passeio lá, a agência “Terra Molhada”, pode ser a mesmo coisa, talvez mais barato, aí já não sei.
       
      As paradas são nas lagoas Amarela está seca seca, lagoa Alcaçuz (mais ou menos, esperava mais) e a tão famosa Carcará pelas fotos lindo lugar só na foto, tempo média de parada para conhecer e banhos 40 min, Carcará neste dia como era final de semana tinha um evento lá da Bandeirantes, SBT e Record imagina o furdunço que estava aquele lugar, mas fui muito bom conhecer e tirar fotos, virei até celebridade pois os moradores queriam tirar fotos em cima do meu quadricículo, foi legal!!!
       
      Dica: Não vá a estes passeios das lagoas de final de semana, já tinha lido a respeito, mas fui do mesmo jeito, não voltaria “De final de semana”; Carcará existe um passeio de pedalinhos para mim dispensável, na lagoa, se não tivesse tanta gente seria mais legal, mesmo porque descobri que dá para ir de carro lá, mas não voltaria sozinho de carro não, não tem nada para fazer lá, a não ser encher a cara (mas não era o meu foco) e nadar na lagoa. Mas o passeio foi salvo e foi muito legal andar de quadricículo do que propriamente conhecer as lagoas, voltaria a fazer, pelo quadricículo. Os guias até me filmaram a toda velocidade pilotando-o, muito show amei!!!!
       
      Frustração: Soube pelas pesquisas e conversas que tive lá, a Lagoa Arituba fede a urina (mais de 4 pessoas, inclusive morador me confirmou isto), era bonito no passado e agora de longe e só para tirar fotos então atentem-se. Lagoa da Juventude secou, morreu. Em Natal eles estão com problemas muito sérios de falta de chuva o que temos aqui em abundância eles perecem com o recurso, tanto é que no passeio da lagoa de Jacumã, eles a represaram para também não morrer. Outro passeio que tinha feito no passado foi a lagoa da Coca Cola, também morreu, secou! Triste estas informações mais atuais e reais.
       
      Passeio:
      06/02/2017 – Lagoas Jacumã Aerobunda, Tirolesa e Kamikaze, Pitangui) (Possibilidade Aluguel Carro, atravessa a balsa).
       
      Bugueiros recomendados - Marcilio (84) 99960-8334/99927-1103, Moal (Informações Albergue da Costa)
       
      Preferir passeio de buggy o dia inteiro
       
      Desta vez decidi voltar a Natal, pois da última fiquei 19 dias, praticamente todos os dias um passeio diferente e não conheci todo Natal, este retorno o foco e objetivo era “Lagoa de Jacumã”. Muito eu li e busquei informações sobre o tão falado “Moal” ou “Marcílio”, o quanto eu li a respeito destes caras deveriam ser os príncipes de Natal, gente boa, bons passeios, ótimas aventuras, etc etc etc. Lenda, Lenda, tudo lenda, sabe aquela coisa não acredite em tudo que lê, passei na pele o sufoco. Meus cinco dias em Natal, todos, afirmo todos os dias tentei contatar o Príncipe Moal para o passeio em Jacumã, pedi ajuda até para Carioca e a Internauta, para o passeio na Lagoa Jacumã; não consegue ir sem Buggy, todas as agências, não quiseram me incluir para fechar um grupo, repito 5 dias praticamente tentando fechar o passeio, não me aceitaram pois eu estava sozinho e quem tinha não queria um forasteiro!!! Pensei o príncipe Moal vai me salvar, a Carioca até conseguir falar com Príncipe Moal e Príncipe Marcílio, mas ambos informaram, “Não faço este passeio exclusivo”, “Não tenho como encaixa-lo em nenhum de meus passeios”, “Só faço se ele pagar o buggy inteiro R$ 400,00 reais e ainda talvez”, pois este não é o meu foco..... Imagina um cara frustrado, agora some uma 10 caras frustrados, agora multiplique por 100, este era eu!!!!! Meu retorno a Natal foi quase que exclusiva motivo Jacumã, queria descer no Kamikaze, na tirolesa, adoro sports radicais, pois bem, mais um problema para coleção.
       
      Quer saber a frente e enfrente, vou neste lugar mesmo que seja voando!!! Mal sabia da minha peregrinação... este era minha única alternativa no momento, uma das loucuras da viagem. Começando peguei um ônibus até o Shopping Cidade Jardim 30 min, depois peguei o Nº 77 até (esqueci a cidade) 01:30 hrs e depois peguei um táxi comunitário até a Lagoa 40 min, total de trajeto cerca de 02:30 hrs. É muito longe de condução, fora que neste vilarejo o descaso do governo é tão grande, tão grande que - Se uma mãe estiver com filho doente as 19:30 hrs da noite, esquece que nem taxi vai te pegar, além do mais hospital que não existe, uma vergonha este descaso. Pois bem, cheguei a Lagoa todo preocupado, aonde eu estava, que lugar é este, totalmente desnorteado, imagina aqueles taxis que carrega cachorro, periquito, galinhos e nós... Na lagoa tinha uma casa/restaurante que serve comida para os turistas (XXXX) eu desnorteado com as minhas coisas, fui atrás de informação, cada descida kamikaze R$ 13,00 reais, descida tirolesa    R$ 13,00 reais, comprei 2 Kamikaze e 1 tirolesa, melhor coisa que fiz!!!! O lugar é fantástico, primeiro fui tomar um banho de lagoa para relaxar e me reequilibrar, depois fui tirar uma fotos do lugar com quem? Minha super câmera Sports HD “F.....a” quebrada!!! Voltei e dei mais um mergulho, que delícia de lagoa, até então não tinha tantos Buggys das agências, quando resolvi... vai ser agora, vou descer de tirolesa primeiro, que sensação, show, já tinha valido por 01:00 hrs de viagem, agora vou dar outro mergulho na lagoa, porque aquele escorregador é insano, antigamente as pessoas desciam de costas e blz, agora eles descem de cabeça ... em cima de uma prancha a cerca de 60Km por hora, a uns 40 mtrs de altura, eu também tinha que descer. Depois de 15 min tomando coragem, pedi para um cara lá embaixo, me filmar. Pegando aquele carrinho, movido a motor de fusca que te puxa a uma velocidade – O Carrinho descarrila comigo em cima – Puts cagou....quase me machuquei não é um bom presságio.... vou me arrebentar todo, vou quebrar o pescoço...como o águia da PM vai me resgatar aqui....Minha filha vai ficar sem Pai....um monte de “M....a” passou pela minha cabeça.....respira...respira a frente e em frente. Lá de cima acreditem não são só seus pensamentos que travam, quando você coloca a prancha embaixo de você e começam a jogar água na lona....O instrutor segura a prancha firme, levanta a sua cabeça e a ponta dela e vaiii..... Ai meu Deus... Ai meu Deus.... Nãooooooooooo........ Nãooooooooooo..... e despenco a 60 km por hora.... – Nossaaaaaaaaaaaaaaa, que delícia, dá uma impressão que você vai ser arremessado para fora da lona e decolar da lagoa - Pronto viagem perfeita, valeu todo o sacrifício, muito show... finalmente fiz o que vim fazer, deslizei uns 20 mtrs na lagoa, “Awesome”!!!! “Awesome”!!!! Vamos a segunda vez??? Calma respira, analisa, dá um mergulho antes, relaxa!!!!! Tinha até umas crianças descendo quase de pé com a prancha.
       
      Dica: Quando você for, segure bem firme a prancha em sua cabeceira, junto os cotovelos bem próximos ao peito e unidos erga a cabeceira dela e permaneça até você parar na lagoa, existem uns barquinhos de apoio próximo, muitos perdiam o controle e imaginam, “Vídeo Cassetada”. Umas duas vezes que descer, já pega o jeito, e fiquem tranquilo, não possui “Perigo”, lógico por sua conta e risco!
       
      Minha permanência na lagoa girou em torno de 3 horas, o que eu via de Buggys chegando e partindo com 40 min de permanência, é muito pouco tempo, fora as filas imensas para descer na Tirolesa e Kamikaze. Meu medo maior foi estar no meio do nada e ficar sem apoio para voltar, coisa da minha cabeça, dava para eu permanecer mais umas 02:00 hrs que o taxi comunitário iria me buscar, margem de segurança é até as 17:00 hrs, depois disso eu não aconselho. Como eu havia pegado o telefone do ponto de táxi mais próximo de Jacumã, foi tudo tranquilo!!! Mas eu voltaria de carro.
       
      07/02/2017 – Neste dia, acordei cedo tomei café da manhã, fui fazer minha respeitável despida de Natal, agradece-la novamente pela minha estadia e principalmente de continuar linda do jeito que está.
      Minhas considerações finais:
      * Não volto mais ao Albergue da Costa e não indico, mesmo por que é bem capaz que não existe mais, as meninas me falaram que provavelmente vão fechar, e com certeza existe motivos para tal.
      * Restaurantes para comer os tão famosos (Tábua de Carne, Camarões, Barraca do Caranguejo e Coral), não fui em nenhum deles, pois não me importo em comer em lugares “sofisticados”, comendo o básico e ficar bem alimentado Show, almocei/jantei a maioria dos dias no Praia Shopping Girafas pois ficava bem próximo ao Hostel, preferi investir em excelentes passeios, em excelentes paisagens, é nisto que invisto minhas viagens.
      * Na época Natal, estourou o problema no Presídio Alcaçuz, não me senti em nenhum momento constrangido ou cerceado pelas minhas caminhadas, existia um Jipe dos Fuzileiros Navais e policiais fazendo patrulha, andava com $$$ no bolso e tranquilo.
      * Fiquei extremamente decepcionado com os príncipes Moal e Marcílio o que se tornou para mim Lenda Urbana.
      * Para compras o Vilarte Ponta Negra, muitas variedades e principalmente preço mais em conta do que os famosos Centro de Artesanato e Feirinha do Artesanato, inclusive aonde consegui fazer degustação de cachaça e licores para presentes nos outros não tinha. Castanha inteira a boa achei por R$ 20,00 reais 400 g.
      * Apesar dos pesares Natal está em meu coração e voltarei com certeza.
      Investimento:
      Passagem área ida e volta Natal cerca de R$ 800,00 reais;
      Hostel quarto compartilhado R$ 120,00 reais;
      Passeios, alimentação, lembrancinhas e câmera com defeito cerca de R$ 1.300,00 reais.
      Nota: 8
       
       
      Voando para Recife....
      Recife – 07 Fevereiro a 11 Fevereiro 2017
      Nossa como é gostoso voar de avião, dois anos e meio sem voar, sentir aquele friozinho na Barriga, olhar para os painéis do aeroporto e dizer “Estou indo embora, lógico que não estou continuando minhas tão sonhadas férias, eu era potiguar agora vou virar Recifense”, ô delícia de pensamento e sensação. Saí de Natal rumo a Recife um calor de 38˚ no aeroporto, lembrando:
      Dica: Paguei novamente o transfer para o aeroporto R$ 40,00 reais, agora ficou um pouco mais caro pois o motorista não tinha troco – penso eu que me deu um calote de R$ 5,00 reais – mas de boa fica de caixinha eles foram super pontuais...
      Tirando fotos no aeroporto, indo para lá e para cá, meu que viagem maravilhosa estou tendo, apesar dos problemas passados, vou chegar em Recife vou pegar o carro alugado, vou conhecer uma nova cidade, nadas com os peixinhos nas piscinas naturais, obrigado Deus....
      Quando reservei o carro fiquei muito preocupado, pois não a conhecia e estava muito receoso em alugar, nunca tinha feito, encontrei a locadora Budget, nunca havia falado mas quando cheguei em Natal ainda estava receoso com a locadora, será que existe, será que vai dar certo, mas olho para o lado e me tranquilizo pois até em Natal tinha um guichê deles, 0800 então Recife fichinha, como o carro era para Recife tranquilo. Paguei muito barato cerca de R$ 280,00 reais com seguro todo o período em Recife. Desembarquei no aeroporto, um sol, um clima uma temperatura maravilhosa, fui tomar uma água e fui ao banheiro, fui fazer o nº dois, fiquei por lá um tempo, consequentemente fiquei preso na área de desembarque, rs rs rs...de boa chamei uns funcionários para ligar para a administração e logo abrirão o portão para mim. Fui atrás do guichê da Budget muito rápido o atendimento e tranquilo, eu só não esperava o “Caução”, não sabia que tinha isto e mesmo porque tinha deixado o cartão de crédito para comprar outra coisas, mas sem choro R$ 800,00 reais de caução, uiiii doeu na alma um pouco. Quando o senhor retornar com o carro estornamos o caução. Vamos até lá pegar o carro eu tinha reservado um Nissam March, pois me atendia super bem preço e custo e iria andar mito em Recife queria dar comodidade para mim e a minha namorada, afinal era a primeira vez que estávamos viajando para tão longe e sozinhos, e ainda para um paraíso. Não tinha o carro ele me deram, um Ford Ka, novinho, vidro, trava, direção, porta trecos diversos e entradas USB, limpinho show.
      Dica: Carro com estes itens parecem banais mas de extrema importância, logo irei contar o porque, não pego mais carro sem estes itens básicos e principalmente você precisa ter GPS.
      Perguntei ao funcionário da locadora como faço para ir para Porto de Galinhas, lembrando não tinha GPS (pois  iriamos usar o da minha namorada), é bem tranquilo é uma reta só ele me deu as orientações certinho e fui se embora. Ainda meio receoso, afinal de contas 1º vez a cerca de 2000 km de distância da minha cidade e sem GPS....rs rs doidera nehhh....mas saindo do aeroporto, peguei a reta e fui, logo começam a aparecer as placas de identificação e sentido, mas mesmo assim parei em um posto e perguntei novamente, o rapaz me aconselhou e eu aconselho vocês a pegar a via pedagiada R$ 7,00 reais, porém muito melhor e muito mais fácil, lembrando Recife apesar de ter metrô e transporte público, sofre por problemas de grandes capitais, trânsito. Chegando próximo a entrada de Porto de Galinhas, ô que brisa maravilhosa, temperatura agradável, parei em uma pousada para pedir informação aonde ficaria a minha. Gente eu já sabia, tinha conhecido um Recifense, mas agora encho minha boca para falar “O povo hospitaleiro e gentil hein....” Nossa todos os recifenses que conversei ou encontrava são extremamente gentis.... O atendente da pousada ligou até para a minha pediu mais informações e me orientou certinho, cara muito obrigado, não vou lembrar da pousada. Chegando em frente a pousada, igualzinha a Foto em frente a uma pracinha agradável e tranquila,
      Dica: Pousada Liras da Poesia ou Pousada Branca, é a mesmo lugar, mas muito, muito boa a pousada/hostel, totalmente ao contrario da minha estadia em Natal, não vou nem citar mais o nome. Excelente atendimento, custo X benefício excelentes, excelente café da manhã e Rabanada!!!!!!!. Nossa não sou muito fã de doces, mas aquele Rabanada com leite condensado, são dos Deuses!!!!
      Estava com saudades da minha “pretinha” que na verdade é morena, mas sabia que aquele Sol iria deixa-la Jambo e queria saber acima de tudo sua experiência em voar de avião, sozinha com conexão, Kkkkkkkkkkkkkk que gostoso sacanear os outros, saudavelmente é claro, o que rende vários momentos de descontração e risadas.
      Em São Paulo, levei-a para o aeroporto de Congonhas expliquei detalhadamente aonde ela iria fazer check in, desembarque com o carro do pai dela, direção dos portões, expliquei voo de conexão pega suas bagagens do destino e não conexão, blá blá blá, blá blá blá. Saindo do aeroporto 15 dias antes do seu embarque e aí decorou está tudo bem?
      - “Lógico, agora está tudo bem, quero ver na hora do meu voo, fica com o celular ligado hein, pelo amor de Deus...” (Letícia)
      Três dias antes do embarque meu a Natal:
      - Você quer perguntar alguma coisa sobre o voo? Anotou todas as dicas e principalmente se der alguma “m....a” fixe seus olhos nos comissários eles tem treinamento para salvamento e resgate, posição fetal para impacto da aeronave,   (falei de sacanagem o final só para dar uma pilhada kkkkkkkkkkkkkkk)... (Paulo)
      - O que salvamento e resgate.... (Leticia)
      - Lógico, acidentes acontecem kkkk... (Paulo)
      Recentemente tinha acontecido aquela tragédia com o time as Chapecoense e outros passageiros, que Deus os tenha e confortem suas famílias....
      Adentrei ao portão da pousada e logo vi, uma pessoa bronzeada e brilhante, era ela, subimos até o quarto e sem explicações agora!!!!
      Sua chegada em Porto de Galinhas foi dia 05/02 eu já estava em Natal, resolvi deixa-la 2 dias sozinha só para saber como é viajar sozinha, longe de tudo e de todos, é uma sensação “Maravilhosa”, conhecer novos ares, novas pessoas, novas oportunidades, novas culturas e línguas. Uma coisa que aprendi a dar valor quando comecei a viajar sozinho é:
      - Pensamos que o mundo só está ao nosso redor, nossa cidade, bairro e emprego, devemos sair desta redoma e ampliar e conquistar novos horizontes e visões, quantas e quantas coisas temos a conhecer e a descobrir, basta querer, quantas oportunidades e conquistas teríamos se ficássemos em nosso “Mundinho”!!!! Viva com amor e intensamente, afinal nossa vida é hoje e o agora, desfrute destes prazeres, que Deus nos deu, se permita alçar novos sonhos e conquistas, o mundo é tão grande e muito além de nossas fronteiras imaginárias, devemos ultrapassa-las sim com consciência e serenidade, deguste de novos sabores e odores, descubra as belezas e riquezas de Porto por exemplo e como tem riquezas...
      O voo:
      Este é um breve relato dela.... Pernas bambas na entrada do aeroporto, sudorese no embarque. Qual é a sensação de alguém viajar sozinha de avião pela primeira vez e sozinha, terrível é lógico, o estômago vai parar na boca, a decolagem é o pior momento, avião sacudindo e um barulho quase ensurdecedor, sensação claustrofóbica se sentindo dentro de uma lata de sardinha com asas, náuseas diversas, cabeça explodindo e quando o avião pousa nossaaaaaa, que doidera, e depois avião subindo novamente quase vomitei, não tinha as tv  das poltronas, peguei a internet do avião e baixei o aplicativo da TAM, enfim ela passou muito mal!!! Precisou comer um boi para se restabelecer. Seus relatos com detalhes e dinamismo foram que renderam as risadas!!! Mas disse que não voa mais sozinha, kkkk, agora eu mando ela para o Egito!!!! kkkkkkkkk
      Sensações que não percebo mais e acredito que passageiros assíduos também. Uma grande novidade para os marinheiros de primeira viagem, segundo ela e minha opinião, valeu tudo a pena, quando vi este mar verde esmeralda transparente, já tinha passado todas as náuseas.
      Estava meio cansado da viagem, mas mesmo assim fomos dar uma volta em Porto, lembrando que já eram quase 17:00 hrs e anoitece muito rápido no Nordeste inteiro, então quase não deu para ver as praias, fomos caminhar no centrinho de Porto, que gostoso, novos ares, novo lugar para ambos, novos sonhos, novos horizontes!!!!
      Em porto, é muito bem estruturado, tem lavanderia, restaurantes, lojas de conveniência, lojinhas diversas, um pouco salgado os preços, em relação a Natal e Maceió. A pousada é muito bem localizada 10 min agradáveis de caminhada, perto do centrinho. Restaurante Gauchão para comer a vontade R$ 29,00 reais, (mais ou menos a comida) lavanderia R$ 15,90 o Kg roupa, água R$ 4,00 reais; mas lembre-se, nada disto é custo e sim investimento para você e sua vida, com planejamento e organização você não passará problemas. 
      Meu roteiro vou deixar abaixo, me planejei mal, no quesito dias, Recife/Porto de Galinhas é lindo de mais, tanto é no meu Ranking Porto ficou em segundo lugar, desta viagem, pouquíssimos dias para aproveitar suas belezas, voltarei com certeza agora com no mínimo 10 dias, e não chega a ser exagero!!!
      Minha previsão para o roteiro em Recife:
      07/02/2017 – Porto de Galinhas, Maracaípe e Ponta de Serrambi;
      08/02/2017 – Coroa do Avião, Forte Orange e Marinha Farinha (Parque aquático);
      09/02/2017 – Gaibu, Calhetas e Cabo de Santo Agostinho;
      10/02/2017 – Praia dos Carneiros e Tamandaré;
      11/02/2017 – Recife Olinda;
      Passeio:
      08/02/2017 – Coroa do Avião
      Coroa do avião foi um achado na internet, busquei as melhores praias de Recife e logo veio esta, cerca de 100Km de Porto de Galinhas, 01:40 hrs de viagem, gente acordem cedo, como falei, o dia rende para mim!!!!  Colocamos no GPS e ele nos levou até a Praia de Gavoa, em frente a um resort, aparentemente abandonado, não sei se funciona mais, pois só havia um guardinha na guarita, pedi informações e pude deixar o carro em frente a portaria, tranquilo e sossegado. Chequem no google maps, Coroa fica no meio do oceano, como a maré estava muito baixa conseguimos atravessar de “Gavoa” até “Coroa do Avião” a pé com a água no tornozelo mas subindo bem devagar. A distância cerca de uns 500 mtrs de caminhada, que sensação deliciosa caminhar em pleno oceano, sabendo que ali logo vai estar inundado, avistamos uns moradores pegando sururu, um deles me disse que existe umas piscinas naturais que é muito bonito, porém só de barco e maré baixa, outra nova janela a ser explorada!!! Pois bem chegando a coroa não parece aquela foto linda do post, mas em cima da ilha aí sim, vemos a imensidão e sua energia, que delícia, fomos recepcionados pelo garçom Leandro (não me lembro), logo nos instalou em seu mini restaurante, muito simpático e atencioso, quando derrepente  meus olhos saltaram  - Redes de descaço dentro do mar - Nosaaaa o que eu mais queria tirar uma bela foto (agora no celular da Leticia), desfrutar um sol 40° relaxamento total e tomando uma água de coco e com o plano de fundo o Forte Orange.
      Eitaaaaaaa vida mais ou menos, até ali já valeu as quase 02:00 hrs de estrada. Água deliciosa, mar um pouco revolto, mas porque a maré aquele dia estava cheia, comemos até duas lagostas por R$ 130,00 reais, nossaaaa..., vida de rei. O gosto não é dos melhores, para o meu paladar, mas estava muito bem feito, é a segunda vez que como e vai ser a última, prefiro ainda outros peixes, frutos do mar etc. Ficamos ali até o último cliente, de vez em quando chegavam umas lanchas enormes para nos visitar e tomar uma cervejinha, não foram muitas ainda bem, resolvemos caminhar em toda a sua extensão, acredito que deva ter 1,5 km, em toda parte tirava foto e banho de mar, lá não existe banheiro, estamos no meio do mar. Resolvemos conhecer o Forte Orange contratamos uma barquinho R$ 15,00 reais a travessia do canal por cabeça, passeio dispensável ao meu ver, pois está em reforma e acredito que no futuro se torne igual ao Forte do Reis Magos - Natal, muito louco o lugar; voltaria lá uma segunda vez sim. Como adoro lanchas, nadar, mar verde etc, pedi para o piloto da lancha se podia dar um mergulho no meio do canal!!!! Adivinha o que ele respondeu, lógicooooooooooooo!!!! Nossa estava a mil, mergulhei no meio do oceano, entre Coroa e Forte,  que delícia, tirei umas fotos e filmei, pronto, fechou o passeio em grande categoria, sucesso, piloto muito gente boa, fechamos com ele até nosso retorno a Gavoa R$ 30,00 cabeça.
      Gente lindo o lugar, volto com certeza, dependendo da maré dá para levar crianças, maravilhoso o lugar!!!! Amei. Gastamos o total com água de coco, água, lagosta, cerveja R$ 280,00 reais os dois. Retornamos a Porto felizes da vida.
      Neste mesmo dia, arriscamos ir para Olinda, quem vai a Recife a não conhece Olinda, não foi para Recife, mas chegamos muita tarde já a noite e cansados, eu queria conhecer o circuito do carnaval, achei a tão famoso Rua do Bom Fim, onde “Iveti” canta para todos. Tiramos várias fotos com os poucos bonecos gigantes que encontramos, fomos conhecer a Igreja da Sé, não sabia mas existem somente três no Brasil, Recife, São Paulo e Rio de Janeiro, e para subir aquela ladeira, parece mais um precipício, só 4x4, pois subimos a pé, lá de cima o mirante é uma vista única, pena que não deu muito para apreciar pois a noite encobria tudo. Compramos alguns suvenirs, passamos umas 03:00 hrs em Olinda, eu sei que fomos chegar em Porto de Galinhas 22:30 hrs exaustos!!!! Mas cheios de alegria e emoção!!!
      Dica: Coroa do Avião muito protetor solar, beber muita água de coco, verificar tábua da maré (sem muita preocupação), chegar cedo!!! Chore para os garçons nos preços eles são gente boa, as duas lagostas eram R$ 250,00 reais. Não ande com muito dinheiro em Olinda ruas pouco iluminadas e escuras, mas foi tudo tranquilo, sem sustos ou maiores preocupações.
      Passeio:
      09/02/2017 – Porto de Galinhas, Maracaípe e Ponta de Serrambi
      Eu ainda não tinha conhecido até o momento as piscinas naturais de Porto - Oxxxxi como assim, pois é, me planejei mal com relação aos dias para a minha estadia - Mas enfrente e a frente, acordamos cedo tomamos um delicioso café da manhã, que por sinal, Excelente Pousada/Hostel Liras da Poesia, comi a famosa Rabanada com Leite condensado, nosaaaaa que delícia, lembro que comi mais de 15, nem aí para aumento de peso, estou de férias!!!!
      Chegamos as piscinas 08:00 hsr da manhã. Descobrimos lá que; para você frequentar as famosas piscinas com o formato do mapa do Brasil e outras mais adiante, você tem que pegar uma pulseira de acesso/controle, pois a fiscalização dentro mar é forte e existe, sem pulseira, sem fotos!!!! E bem na nossa vez, acabaram as pulseiras e só tinha para o dia seguinte, existe um limite de pessoas para frequentar as piscinas, concordo com a fiscalização e está certíssimo, mas não desanimamos, pegamos nossos kits mergulhos e fomos em outras piscinas mais perto e maravilhosas do mesmo  jeito, vimos a Dory, Peixe palhaço, peixinhos mais variados e coloridos possíveis, tiramos excelentes fotos da vida marinha, que delícia de mar, nossa como é lindo Porto de Galinhas, ficamos de queixo caído, ficamos no mar mais de 04:00 hsr filmando, nadando e relaxando. Depois de muita alegria e satisfação, olhos cheios de entusiasmos e apaixonados cada vez mais pelo lugar, fomos até a praia de Maracaípe, vizinha de porto, 10 min andando sentido lado direito, nadamos, tomamos uma água de coco maravilhosa, geladérrima!!! Maravilhoso mar. Depois fomos para Serrambi, bem próximos de carro, entramos em restaurante (não me lembro o nome) que um manobrista tinha falado R$ 15,00 reais prato feito e água de coco R$  2,00 reais, que nada preços altíssimos, pouco variedade, não gostamos o mar revolto e maré alta, não gostei da praia faixa de areia estreita e mal entramos no mar. Descobrimos um rio com encontro com o mar, lá tinha até cavalo marinho, mas através de passeio, não fizemos ficamos na praia/rio mesmo, não gostei, muito perigoso, não levem as crianças lá, correnteza forte e perigosa, rio traiçoeiro, muito melhor ficar na praia de Maracaípe estava muito mais gostoso, mas valeu a pena para conhecer, tirar fotos e relatar.
      Passeio:
      10/02/2017 - Calhetas, Gaibu e Cabo de Santo Agostinho
      Neste dia estava previsto, no meu roteiro, conhecer estas praias, porém mudamos de planos, por que?
      Estávamos as vésperas da despedida de Porto, e eu queria que a Letícia fechasse com chave de Ouro Porto de Galinhas, então sacrifiquei este dia para nós conhecermos Maragogi, o supro sumo das praias de Maceio, “Awesome”, a Galinha dos Ovos de Ouro de Alagoas, o tão famoso Passeio das Galés!!!!!!!!!! Agora muita atenção neste post e relatos extremamente importantes!!!!!!!
      Respiro para grandes emoções....
      10/02/2017 – Maragogi (Intenção passeio para as Galés)
      Este foi a minha pesquisa para as minhas férias em Maceió, logo abaixo deixarei exatamente minha pesquisa, minhas considerações, dicas etc.
      “___/___ / 17/02 – Maragogi - Passeio deve ir nas Galés – Galés é diferente ≠ de Barra Grande que é diferente ≠ de Taocas (Quero ir especificamente para as Galés) – Maré abaixo de 0,5. Maragogi Dreams no bar Burgalhau na praia de Burgalhau (ao lado de Maragogi). La tem passeios para outras galés inexploradas, tem banana boat e um montão de outras coisas. Telefone (xx)xxxx-xxxx Email [email protected] - Burga Nautica / [email protected] – Restaurante Frutos do Mar. Corre o risco de chegar num horário que a maré já está subindo, ou seja, não propício para o passeio das piscinas naturais de Maragogi, Os passeios das agências normalmente saem por volta das 8h, fazem o "hotel tour" pegando os outros turistas e vão para a praia. Retornam por volta das 15h e tem quem reclame que é muito cedo. Analisar se houver no mesmo dia maré baixa em dois momentos distintos, vale a pena ficar, perguntar sobre passeio buggy/quadricículo quando a maré está bem baixa, passeio na orla, pensar em levar Bike para conhecer Praia Barra Grande, Praia de Antunes, Praia Xaréu,  caminhar até a barreira de corais, também para entrar nas piscinas naturais, avaliar conhecer Rio Maragogi, as praias de Maragogi são: Praia de São Bento, Praia do Camacho, Praia de Maragogi, Praia de Burgalhau, Praia de Barra Grande, Praia do Antunes, Praia do Dourado Praia de Xaréu, Praia de Ponta Mangue e Praia de Peroba, se gostar de caminhar, da Praia do centro de Maragogi siga em direção sul até o Rio Maragogi, é bem legal, paisagem bonita e rende um bom banho de mar ou rio. Acho dá tempo de fazer no dia do passeio as Gales 135 Km”
      Seguindo este roteiro, já impresso desde São Paulo, analisando todo santo dia para nada dar errado, perguntando mais, pesquisando mais e no final das contas, quer dizer no meio das contas “Deu ruim!!!”.
      Saímos de Porto de Galinhas 06:00 hrs da manhã, pois as pesquisas mostravam que a mare excelente para Maragogi 0.3 as 10:30 hrs seria no dia 10/02. Chegando lá, encontramos o Bar Burgalhau conforme pesquisa, fomos logo abordados pelos agenciadores de passeios, cobrando “Para o passeio as Galés R$ 100,00 por cabeça”, estamos no horário para a maré baixa até então estava tudo bem, insiste várias vezes, mais de 4 X... este passeio vai para as Galés? Sim é para as piscinas. Este passeio é a do foto principal dos catamarãs, sim é para este lugar que vou leva-los. Desconfiei, desconfiei, mas mesmo assim ok fechamos. Aqui a gente não passa cartão, detalhe eu esqueci o $$$ no Hostel, blz ele deu um jeito e pagamos no cartão. O (fulano) me disse que existem os três passeios Galés / Barra Grande e Taocas, mas que todos são iguais e a vida Marinha são as mesmas. Não acreditei muito, mas vamos lá.
      Dica: Levem dinheiro em espécie.
      Esperamos no Burgalhau, bar até que gostoso, vista muito gostosa, mar azul, aconchegante até, preços de pratos razoáveis. Ele havia me pedido um tempo pois iriamos com a lancha cheia, esperamos mais de 01:00 hsr e já tinha batido o horário da maré, um casal, chegou em cima da hora e atrasou a todos, primeira constatação que tínhamos comprado gato por lebre, pontualidade. Quando subimos na lancha, já atrasados inclusive pelo horário da tábua, o piloteiro Mal encarado, Bocudo, Ignorante, só sabia reclamar, não falou nada sobre o lugar e atrativos, segundo ponto de desconfiança (subiu as anteninhas e pensei, fizemos “Cagada”!!!). Perguntei para o piloto, aonde fica as Galés, fica a direita do Bar Burgalhau, lá para baixo, mais próximo a praia de Maragogi, mas “ninguém faz mais este passeio”, terceiro ponto, pronto constatação total “fizemos sim cagada”.
      Eles nos levaram as piscinas naturais de Barra Grande, para um turista desavisado nosso tudo lindo e maravilhoso, mas como sou macaco veio, e meu nível de exigência é extremamente alto para passeios, o lugar mais parecia um estacionamento de lanchas, águas turvas, vida marinha quase zero, peixes minúsculos mal dava para ver e a minha cara de desgosto, de frustração e a cara da Letícia de quero embora, “f....eu” o passeio inteiro!!!!
      Não nos divertimos como o esperado, muito ruim o passeio, fomos enganados duas vezes, águas turvas, o lugar era o estacionamento do Carrefour de Sábado, lancha quase passou por cima de mim, o piloto da lancha ameaçou de deixar-nos lá mesmo, “TOTALMENTE HORRÍVEL O PASSEIO”. Nunca mais volto lá, frustração total, meu Deus, isto aqui são as Galés, a tão famosa praia de Maragogi, mentira, não acredito!!!
      Dica Importante: Anota aí um telefone e um restaurante. Restaurante “Taocas”, telefone do Grande Mergulhador Alisson o salvador (82) 9 8224 8001, pode falar que fui eu que indiquei, ele vai lembrar do Paulo do São Paulo que estava bravo porque ele foi para Barra Grande, o Alisson foi o meu salvador de Maragogi.
      Dica Importante: Restaurante=Taocas ; Galés=Alisson
      Depois do passeio, 40 min intermináveis, de pura frustração e arrependimentos, voltamos a praia e ainda outro agenciador me perguntou:
      - E aí gostou do passeio? (Agenciador)
      - Muito abaixo da minha expectativa. (Paulo)
      A Letícia de mal humor eu com cara de tacho, fomos procurar alguma agência que fazia o passeio, eu descobri, mas não vou passar o nome, lembre-se “Galés=Alisson; Alisson=Galés ”, até que encontramos o restaurante Taocas aonde foi minha consagração, paramos para comer um peixe frito Delicioso, atendente super simpática e sorridente, não vou lembrar seu nome, minha salvadora, depois conto mais. Pedimos o prato R$ 65,00 reais para dois e com muita fartura, suco; vamos tentar nos acalmar e relaxar. Rolou um stress grande entre nós dois, olha que dia hein!!! Antes do prato chegar achei esta agência, que não vou falar, fica em frente ao restaurante Taocas, bem de esquina. O passeio para as galés fica R$ 75,00 reais por cabeça e nós fazemos aqui, porém só vai ter até o dia 17/02, pois depois disto as piscinas fecharão, eu iria embora de Maceió somente dia 21/02, então dava tempo para encarar o passeio de novo. Blz fechou volto outro dia.
      Depois de conseguir o passeio que eu queria, mais barato que paguei, discutir com a Leticia, queríamos tomar um banho de mar, na hora de pagar a conta, esqueci de pegar minha carteira no carro em Burgalhau, detalhe havíamos andado cerca de 2 Km em plena praia, sol rachando. Voltei correndo pela praia, passei de novo no rio Maragogi, atrás do Pontal Maragogi, uma espécie de hotel, mas é ponto de apoio das agências CVC e outras. Não queria nem encontrar o (fulano) na minha frente, tirei o carro rapidamente e fui até o Taocas, a Le já estava mais tranquila e paciente e eu também, fizemos as pazes lá mesmo.
      Dica Importante: Então quando forem a Maragogi, nem passem em frente do Burgalhau, roubada total, fujam de lá, nunca mais volto. Vá direto ao Restaurante Taocas, tentem ligar ou mesmo procurem o Alisson alí perto mesmo, ele fica bem ao lado do restaurante, em uma associação de Jangadeiros Tur, lá tem uma equipe de mergulhadores profissionais, todos muito gente boas, vão poder te ajudar caso não o encontrem; ou contratem o passeio ali, tem um Negrão gente boa, simpático e sorridente, como todo Baiano, dono de uma lancha laranja, da associação de Jangadeiros Tur, pode contratar com ele também. Me recordo de um post que li sobre as opiniões e dicas sobre Maragogi junto com o Post da “Naomi”, existe um cara, vou tentar pesquisar, que ele fala exatamente as diferenças de Barra Grande, Galés e Taocas muito interessante o Post e tudo que ele fala alí é verdade.
      Dica Importante: Quando for até Maragogi, para você ter certeza aonde eles vão te levar faça a seguinte pergunta para o agenciador:
      - Qual é o sentido das Galés?
      - Se ele te responder seguindo em frente ao Restaurante Taocas, são cerca de 30 min mar a dentro, você vai para as Galés...
      - Se ele te responder, sentido em frente ao Restaurante Burgalhau, são cerca de 15 min mar adentro, você vai para Barra Grande....
      - Se ele te responder, sentido a direita Restaurante Taocas, cerca de 15 min mar adentro você vai para Taocas....
      Minha experiência falando o que é realmente o passeio as Galés. (Este eu conto em Maceió), sou Recifense por enquanto lembra? Então até mais.... vá lá e me encontre.
      Retornamos a Porto, depois de um dia turbulento, arriscamos ir para Muro alto, mas já estava muito tarde, a maré em Porto é muito alta a partir das 16:00 hrs, e não aproveitamos nada, mas voltarei com certeza. Chegamos a tarde/noite,  tomamos duas caipirinhas Seriguela e Abacaxi com pinga Pitú, em frente as piscinas naturais, sentados na areia, vendo o entardecer do sol, que imagem linda.
      Passeio:
      11/02/2017 – Porto de Galinhas
      Ai ai, aqui me despeço desta terra maravilhosa, de povo solidário e gentil, de visões e experiências incríveis, ai que saudade está me batendo, mas não menos antes da dar um último mergulho nas Piscinas Naturais, ai que saudade, que delícia.
      Como era nosso último dia, eu iria continuar minhas férias mas a Le retornaria para São Paulo, então resolvemos acordar cedo para o último mergulho, levantamos 05:00 hrs da manhã, que delícia, caminhamos até a praia com o céu claro e mar um pouco turvo nada para se preocupar. Neste dia, como está no meu face, está a foto mais incrível que conseguimos capitar, está bem na capa do meu perfil, Porto de Galinhas as 06:30 hrs da manhã. A Le estava com receio de entrar no mar, então eu entrei primeiro e falei daqui a pouco eu volto e falo se o mar está bom ou ruim kkkkk – fiquei mais de 50 min analisando se o mar estava bom – kkkkk é lógico que estava, eu que não queria deixa-lo, e depois veio “brigar comigo” porque esqueci ela lá kkkkkkk – mas estávamos muito felizes em ter conhecido Porto, os ambulantes arrumando as barracas, o Sol cada vez mais quente, a água um pouco turva, mas mesmo assim consegui ver “meus” peixinhos coloridos. Quando você está no mar sozinho, você consegue esq                uecer de todos os problemas, mas é lógico que bate uns pensamentos loucos....Quando estava sozinho eu e o Mar me lembrei que estava em Recife e justamente no horário em que os tubarões se alimentam, água turva, nossa saio ou não saio, está muito gostoso aqui, água quentinha, ai ai....Calma respira, os tubarões não se alimentam em arrecifes e você está sobre um, lembra??? Que pensamentos doidos nehhhh, mas saibam que esta informação é importante, se estivesse em qualquer outra praia Recife saiba que existe a possibilidade, depois te conto um relato. Mas felizmente não aconteceu nada, até aí estamos nadando tranquilamente nas piscinas, curtindo nossas férias, um ao outro, e de olho no relógio. Saimos do mar depois de 02:30 hrs nadando, fomos rapidamente a Pousada/Hostel tomar nosso último banho e nos despedir do pessoal.
      Dica: Aconselho muito Liras da Poesia vale muito, muito a pena, e como eu falei peçam a rabanada com leite condensado, doce dos Deuses.
      Malas dentro do carro, coisas arrumadas, GPS sentido Aeroporto Recife e bye bye Recife, obrigado por tudo, por nos receber, por nos acolher e voltaremos com certeza. Já dentro do Aeroporto minha despedia da Le e meu sonho continuando, umas atrapalhadas é claro, devido minha ansiedade de devolver o carro, fazer cheque in, voo no horário mas cabeça nas nuvens e a Leticia pegando voo novamente sozinha para Sampa, eita que aventura kkkkkkkkkkkkk, imagina o que aconteceu kkkkkkkkkkkkkkk passou mal de novo, as vezes é gostoso dar risada das desgraças dos outros.....só para sacanear......mas foi mais tranquilo!!!
      Porto realmente foi um excelente descoberta, voltarei com certeza.
      Passeio:
      05/02/2017 - Praia do Carneiros
      Relatos da Letícia – Ela gostou muito, vale a pena  conhecer, lugar lindo, excelentes fotos pois eu vi, igrejinha famosa, faixa de areia um pouco curta, mas valeu a pena R$ 60,00 reais. Não vou entrar em detalhes, pois minhas visões e expectativas são outras, então fica aqui o relato.
      Investimento:
      Passagem área ida Natal para Recife 1 adulto R$ 200,00 reais;
      Passagem área SP para Recife ida e volta 1 Adulto R$ 700,00 reais;
      Hostel quarto feminino (ar condicionado) 2 diárias R$ 150,00 reais, com carteirinha HI Hostel;
      Hostel quarto casal para dois (ar condicionado) R$ 700,00 reais, com carteirinha HI Hostel;
      Aluguel do carro para todo o período R$ 285,00 reais;
      Passeios, Alimentação, lembrancinhas e gastos diversos R$ 1.800,00 para os dois;
      Nota: 9.70
      Voando para Maceió....
      Maceió – 11 Fevereiro a 21 Fevereiro 2017
      Minha última fase de minhas férias, está acabando, que nada, tenho mais dez dias de puras emoções e descanso ainda, então mergulhe em suas férias. Chegando no aeroporto cerca de 40 min de voo bem tranquilo Recife a Maceió, a mala já com algumas lembrancinhas, havia despachado alguma pela Le, e agora sozinho em Maceió.  Em toda a minha estadia em Maceió senti o clima e os ares não foram os mesmos do que os outros lugares em que estava, Bertioga, Natal e Recife, talvez por estar chegando ao final de minha viagem, não sei, mas em toda a minha permanência em Maceió, não em Maragogi que para mim é outra Maceió, o clima é meio pesado!!!
      No aeroporto fui atrás de um transfer para o albergue, pensei que era o mesmo preço de Natal, “mas só que não”, todos os transfer R$ 75,00 reais para o destino, deixa quieto; logo os taxistas começam e te abordar e oferecer o serviço, taxistas clandestinos, ai aí “Clandestino”, esta palavra me fez ficar com calafrios nos primeiros dias, logo logo te conto!!!
      Fechamos o preço a R$ 50,00 reais, lembre-se taxista clandestino, calça jeans igual a borracheiro, atravessava sinal vermelho e na calçada, falando das mulheres como se fossem objetos de prazer e algo a mais, não podia ver uma na rua que logo começavam os assédios, palito de dente na boca igual a caminhoneiro e por aí vai. Bem ele falou que meu trajeto era de 38 km, mas consultei no google maps foram 24 km, ele conhecia o albergue e me levou certinho cerca de 50 min de carro, no trânsito. Meu Deus o que é este trânsito um dos piores do mundo ao meu ver, para mim chega a ser pior do que de São Paulo, mais um problema de todas as grandes capitais, horrível, principalmente em horário de pico, transporte público precário, existe o metrô para tentar aliviar o trânsito, mas sem investimentos em transporte público, população desesperada ou já acostumada com o descaso, detestei esta parte, mas estou de férias.
      Enfim chegamos ao Albergue, nesta viagem depois de pesquisa, fechei com o “Brazuka Hostel, Ponta Verde – Unid Maceio”, eles possuem duas unidades uma em Maceió e outra em Maragogi. Só conheci a de Maceió e ouvi várias coisas e opinião de Maragogi, vou falar mais a frente. O albergue é de um Argentino chamado Facundo, muito solicito no que eu precisei, possui até que uma proposta boa, mas para mim não funciona muito bem, de ter voluntários em troca de hospedagem, para ajudar na manutenção e hospedagens dos hospedes, e um “Bar Man Argentino” exclusivo no hostel, depois falarei mais, o porque das aspas!!!
      Pois bem, como já tenho experiência em outros Hostels, pois já me hospedei em mais de 10 diferentes, posso falar com propriedade, a proposta é muito boa e de extrema necessidade os voluntários, porém você tem que ter empregado fixo no Albergue, pois imaginem uma situação:
      Você possui um carro e infelizmente bateu, leva para o funileiro ele arruma ficou em sua opinião bom, só que na semana seguinte você bate novamente o carro no mesmo lugar, leva novamente ao funileiro, só que desta vez é outro profissional que vai arrumar, vai ficar do mesmo jeito e igual ao anterior? Não nehhhh.... Aí na semana seguinte você bate de novo no mesmo lugar e outro funileiro arruma, vai ficar igual ao anterior, lógico que não!!!!!
      O que eu quero dizer com esta analogia? Um albergue ou qualquer estabelecimento em que recebem pessoas, precisam de cuidados e rotinas iguais todos os dias, para receber bem seus hospedes, ter um bom café da manhã igual todas as manhãs, serviço de limpeza, cuidados no quarto, banheiros, piscina, arrumar coisas quebradas igual a chuveiro, micro-ondas,  simplesmente ter um padrão, mas infelizmente não é isto que acontece no “Brazuka Hostel”. O clima do Hostel é bem agradável sim, muito gostoso várias pessoas do mundo inteiro, nunca fiquei em um só lugar Brasil, EUA, Alemanha, Argentina, Chile, França e Espanha, é muito legal esta miscigenação, muito interessante. Porém o Hostel em sí, é muito largado, muito judiado. Uma casa enorme, confortável, cheio de banheiros, quintal enorme, piscina, infelizmente judiado e largado. Não chega ao clima e estadia do albergue de Natal “Albergue da Costa”, mas está próximo, o de Natal é muito ruim, muito pior, nunca mais volto!!!!
      Primeiramente fui recepcionado por uma voluntária a “Jenny” uma graça de pessoa, muito educada, gentil uma Chilena que mora na Espanha, de 20 e poucos anos desbravando o mundo e o Brasil. Com certeza ela não recebeu as orientações corretas do proprietário, Facundo, acredito que, quando você tem um negócio você tem que respira-lo 24 hrs por dia, você tem que estar atento a problemas, a dificuldades a coisas quebradas, a dicas, opiniões tudo que possa agregar ao seu negócio, mas infelizmente não acontece em seu caso.
      Chegando ao Hostel a Jenny me encaminhou para um quarto coletivo masculino, eu tinha reservado o coletivo feminino, desfiz toda a minha mala, minhas coisas e fui dormir um pouco, pois estava exausto. O Facundo não se encontrava. Cheguei no Hostel por volta das 14:30 hrs a dormi até as 16:00 hrs, felizmente consegui descansar, uma coisa que não gosto é dormir na cama de cima beliche, mas não tinha escolha. Como eu falei e repito, quando me hospedo em um, procuro uma boa cama, chuveiro e um bom café da manhã, o resto é consequências....
      Tomei um banho e fui conhecer novos ares e fui direto a praia fazer uma caminhada, a partir de agora vou colocar meu roteiro, minha pesquisa em cima deles falo minhas considerações. Coloquei as legendas (desenhos) na frente, ajuda a bater o olho e identificar o que é o que.
      A orla de Maceió é muito extensa e muito bonita, muito gostoso caminhar, correr logo nas primeiras horas da manhã, a tarde muita gente de bicicleta, adultos, poucas crianças mas muita a se fazer e conhecer. Não entrei, neste dia, na praia, pois como ficaria muitos dias em Maceió, precisava alugar um carro, que nesta viagem também indispensável, e fui atrás de locadoras, precisava sacar dinheiro e comer, fui fazer tudo neste dia. Como qualquer outro lugar novo e desconhecido, me perdi para voltar ao Hostel, e como me perdi desta vez para encontrar o Hostel, só para se ter uma idéia me acostumei com o lugar, no quinto-dia, de tão perdido, tão perdido que fiquei, mesmo porque o anúncio do Hostel informava que ficava a 20 min a pé, que nada, 15 min no máximo você, está na praia eu que não sabia andar mesmo. Até que para mim bem localizado, houve história de outras pessoas que não gostaram, outras gostaram, com relação a localização ficou meio a meio.
      Dica: Existe o mercado Compre Bem faz parte da rede “Walmart” igual a de São Paulo, muito barato as coisas, excelente dica que obtive no site, próximo ao Hostel, bem próximo a praia, em frente ao ponto de Taxi.
      Passeio:
      12/02/2017 - Garça Torta e Riacho Doce
      “Previsão 12/02/17 / Efetivo 12/02/17 - Garça Torta e Riacho Doce pra mim os melhores lugares na terra, água é muito boa, praia tranquila, praticamente deserta. ² Peça auxílio ao cobrador para descer no restaurante Lua Cheia, descendo você entra na ruazinha atrás do restaurante dá acesso a esses dois bares, ambos na beira da praia (Milky é na beira da praia e tem acesso pra ela e você pode escolher ficar na areia ou na parte mais abrigada, na do Seu Manoel você fica na areia) Garça Torta 13 km, Riacho Doce 16 km.
       
      u - Ipioca
      ² - Bar do Seu Manoel (conhece como bar do Carlinhos), Milky Bar: Público é LGBT e friends, barman é formada em coquetelaria em Londres
      ä - Restaurante do Zezé, no centrinho de (Riacho Doce)”
       
      Acordei de manhã, agora já instalado em outro quarto nos fundos do Hostel, aonde ao final da noite, finalmente conheci o Facundo o proprietário, me hospedaram em um quarto com 12 camas balançantes, dois ventiladores que mais pareciam uma turbina de avião, teto baixo e buracos no teto, tanto é que levantava a mão e o alcançava; armários muito receio de encostar neles com medo de pegar tétano, de tão podre e corroído estavam. Mas de qualquer forma foi o melhor local, naquelas condições, pois peguei a cama de baixo, perto da janela e no fundo da casa, dormi todos os dias tranquilamente, com muito calor é lógico.
      Praticamente todos os dias, eu era o primeiro acordar, queria aproveitar o máximo, meu relógio despertava 06:30 hrs da manhã quase todos os dias, e quando o passeio era longe acordava mais cedo ainda. O café da manhã são preparados pelos voluntários, agora voltem a analogia funileiro!
      Café da manhã do Hostel, razoável, até o de Natal era melhor, gente me desculpa, mas é impossível nesta altura do campeonato, não fazer comparações, estava na estrada a cerca de 20 dias, mas tentava me alimentar bem, para um dia corrido.
      Fui a praça próximo ao Hostel, peguei o ônibus de acordo com a pesquisa, “Ipioca” demorou mais de uma hora para passar, pois era Domingo e cerca de 01:00 hrs para chegar ao destino. Pedi ajuda ao cobrador para descer em Riacho Doce e assim começa minha aventura em terras alagoanas, de agora em diante sou Alagoano de coração!!!!
      De bermuda, protetor, câmera digital “f....a”, camiseta e dinheiro, fui conhecer Riacho Doce, praia realmente tranquila, mas muita aquém de “Melhores lugares da terra”. Gente não quero criar confusão ou muito menos discórdias, neste post, estou dando minha opinião, minhas ressalvas e minhas dicas, mesmo porque agradeço e muito ao Pedro e Naomi,  porque se não fossem eles, não teria direção e norte para conhecer o que eu conheci, muito obrigado do fundo do coração aos dois pelas suas valiosas dicas.
      Fui caminhar na praia tirei algumas fotos entrei no mar um pouco, mas não gostei muito, a praia estava cheia de algas marinhas, dá aquela impressão de água suja, não curto, mar pouco revolto, areia amarelinha bonita até, mas permaneci lá somente umas 02:00 hrs. Tomei uma água gelada e uma água de coco em um barzinho/pousada bem próximo ao rio Riacho Doce.
      Caminhando voltando sentido Garça Torta, muito melhor que Riacho Doce, primeiramente fui ao “Milk”, bar realmente agradável, boas instalações e clima gostoso. Fui perguntar ao garçom se era aqui, que se preparavam os famosos Drinks de Londres, se a dona tinha formação no exterior, etc, não soube me responder!!! Foi aí que conheci o atual dono do Barzinho “Zeus” era o seu nome, um coroa de cabelos grisalhos com os seus 1.90 mts de altura, paulista que comprou o bar a cerca de 5 anos da antiga dona - a formada em Londres - muito gente boa, extremamente simpático e gentil com seus cliente, me disse que o bar tinha entrado para a Revista Veja como um dos melhores drinks de Maceió, fiz várias perguntas a ele qual era a proposta do bar, seu publico etc, etc ficamos conversando cerca de uns 25 min, muito simpático por sinal. Realmente o clima é muito gostoso, bem em frente as águas mornas de Maceió, público eclético, grande parte familiares frequentavam neste dia, mesas debaixo de coqueiros enormes, com sombras deliciosas para cada sol de Maceió.
      Resolvi experimentar uma caipirinha de maracujá, o básico primeiro para saber como é, depois poderia pedir algo mais requintado, preparado por seus garçons, nada de mais!!! Não achei melhor nem pior das que havia tomado, estava gostoso, muito gelo, mas bem preparada, nada de sul real. A caipirinha de maracujá que tomei na entrada da praia Boiçucanga SP estava muito melhor, Pedi uma porção de petiscos da casa “Bolinhos de peixe” se não me engano, era o diferente da casa, pouquíssima quantidade, gostoso até, pelo preço estava razoável e tomei uma água de coco no copo, queria ter tomado no próprio cocô, na hora estavam uns Djs tocando funk, odeio funk, para mim música lasciva, promiscua, nada a acrescentar a ninguém, só traz destruição e terror as famílias. Ele disse que entraria outro tipo de músicas, não esperei para ver, fiquei cerca de 01:30 hrs, voltaria e aconselho irem com seus amigos e familiares, sem este estilo de música, final das contas cerca de R$ 50,00 reais mais couver, ele não me deixou pagar agradeci muito e me fui embora.
      Bem ao lado, está o Bar do Carlinhos, seu pai chamava-se Manoel, estava fechado um tempo, o filho Carlinhos resolveu abri-lo novamente e gente.... Lotado de gente, clima extremamente agradável, muitos homens e mulheres pais e mães de família estavam ali para descansar e curtir o que? Um poderoso som de gaita e uma banda afinando seus acordes, começaria ali um mega Blues, alguém imaginaria um Blues em frente a praia, em plena Maceió terra do forró, cerveja extremamente gelada, ahhh é aqui eu vou me instalar. Pois bem fiquei.
      Estava de pé, bem em frente ao barzinho, lugar simples porém aconchegante e vi um Homem cabelos compridos e brancos, estilo metal, dando atenção a todo mundo, logo percebi que era o Carlinhos fazendo a social. Pedi ao garçom uma mesa, mas era impossível no momento estava lotado de gente, então pedi uma cadeira mesmo, os garçons estavam a mil com os atendimentos, chamei o Carlinhos e pedi novamente, 1 min depois chegou. Deixei minhas coisas em cima e bora para um mergulho, que delícia de água, que delícia de lugar, que delícia de esfera, voltei preocupado com as minhas coisas, que nada, mania de Paulista que vai ser roubado. Quando voltei chamei o Carlinhos para umas perguntas, fiz as mesmas perguntas a ele sobre o bar, e foi muito simples direto, “O Bar é isto aqui que você está vendo, Rock and Roll, famílias tranquilas e diversão”, ficamos conversando cerca de 10 min desta vez, ele estava muito ocupado!!! Peguei minha cerveja gelada, tomei uns golinhos e de novo para o mar, agora com trilha sonora do Blues, que delícia de lugar, mais tarde pedi um prato executivo porção de arroz, batata e frango cerca R$ 20,00 reais quantidade muito pouca pelo preço razoável, para enganar a fome, cerveja cerca de R$ 8,00 reais eu sei que fiquei lá umas 04:00 hrs realmente muito gostoso o lugar, voltarei com certeza e indico também,  minha conta cerca de R$ 70,00 reais, agora tive que pagar, me despedi do Carlinhos agradeci a hospedagem e conversa, de volta a ponta verde, ônibus lotado, cachorro, periquito, galinha todos a bordo e vamos que vamos, programa de família privilegiadas por  morarem perto das belezas de Maceió!!! Final da tarde cheguei em Ponta verde cerca das 18:30 hrs. Primeira coisa tomar um belo de um banho, hidratar o corpo e lavar minhas coisas, pois a câmera continua “f.....a”.
      Dica: Quando vamos a praia, sabemos que Sol e Mar combinam para descanso, paz e tranquilidade, mas existem as consequências, nossa pele, os dois juntos castigam e muito, pesquisando descobri o “Johnson’s Óleo Baby com Amêndoas”, hidrata e amacia a pele, este é um dos itens indispensáveis em minhas viagens, quase nunca descasco, minha pele não arde pós sol e principalmente tenho alergia a protetor solar então, depois do banho, tomo outro com ele, depois disto minha idas a praias nunca mais passei perrengues, fico bronzeado mais uns 15 dias.
      Neste mesmo dia, fui até o Compre Bem, comprar alguns mantimentos, comprei várias Águas de garrafinha, comida congelada Lazanha, Escondidinho muito prático, fácil e barato para mochileiros, Coca-Cola e uma caixinha de cerveja Stella Artois. Quero fazer um adendo aqui, ultimamente e faz alguns anos em minha fase da vida, diminui e muito a bebida, por questão de escolhas, porque agora sou Pai e também não faço a menor questão em beber nas minhas viagens, não quero meu cérebro entorpecido de álcool diante das belas e exuberantes paisagens que encontro em minhas empreitadas, quero que as imagens permaneçam muito tempo em minhas memórias e lembranças. Só para ter uma ideia para comparação, se eu tomei 10 latinhas de cerveja nestes 28 dias viajando, estou exagerando e muito! Mas resolvi comprar a Stella, gosto muito dela e queria comemorar comigo mesmo minhas tão sonhadas férias. Chegando ao Hostel, deixei na geladeira e freezer, com o meu nome identificado, e mais tarde fui dormir..... (continua)!
      Passeio:
      13/02/2017 – Previsão Francês
      No dia 13 já estava previsto eu ir para a tão famosa Praia do Francês e também alugar um carro, porque no dia seguinte 14/03/2017 era o último dia para eu voltar a Maragogi, e também da Tábua da Maré, as piscinas seriam fechadas a passeio por causa da ressaca. Então resolvi suspender este passeio.
      Demorei dois dias para encontrar o carro através do Ipad do “Bar Man Argentino”. Reservei através do site Expedia o na locadora Budget, a primeira vez muito barato, tinha dado tudo certo em Recife, carro excelente para o meu uso, tudo acertado, reserva feita preço estipulado em R$ 500,00 reais para todo o período em Maceió, só faltava pegar o carro no aeroporto e pagar!!!! Só que não, tudo errado!!! Outro Desespero com frustração em minhas férias.
      Logo de manhã aguardando contato com outra locadora, precisava de um carro com GPS, pois como sou extremamente perdido e andaria muito para as praias, acessório indispensável, só que o agente queria me alugar o carro sem GPS e falei que não, isto me atrasou horrores para a minha reserva do aeroporto. Pedi a Leticia em SP, enviar um Uber para mim, o cara chegou rapidinho e foi bem tranquilo, detalhe viagem Hostel até aeroporto R$ 34,00 reais, “Mesmo preço do taxista borracheiro!!!”  Uber em Maceió funciona e muito bem. Chegando ao aeroporto quase aos 40 do segundo tempo, fui até a Budgte, quando para o meu desespero:
      - O senhor alugou o carro através do site expedia? (Atendente)
      - Sim... (Paulo)
      - O senhor vai querer contratar o seguro e GPS? (Atendente)
      - Não, porque pelo site, já fiz isto... (Paulo)
      - Não fez não... pelo site o senhor só alugou o carro, pelo sistema só está reservado o carro, este site Expedia engana as pessoas mesmo... (Atendente)
      - E quanto ficaria mais estes itens? (Paulo)
      - R$ 990,00 reais, R$ 400,00 reais a mais do orçamento.... (Atendente)
      Naquele momento meu mundo desabou, e agora, não tenho dinheiro, não tenho o calção necessário, já dispensei as outras locadoras e agora e agora???? Detalhe que se tivesse agido com mais calma e tranquilidade, eu já tinha encontrado uma locadora na Orla, logo após o posto Policial, quase ao lado banco itau com valor de R$ 660,00 reais sem GPS, mas acredito eu que ele poderia dar um jeito.
      Sem chão, desolado no aeroporto e com o último dia para ir a Maragogi na cabeça, (lembrando da minha frustração já passada em Maragogi), não havia mais tempo de fechar passeio para Maragogi, nem para as Galés, tenho que fazer alguma coisa, “Situações extremas, requer medidas extremas”....
      O que eu vou falar aqui, eu não indico e não sei se faria novamente, mas infelizmente era meu último recurso, já cansado e extremamente exausto, aluguei um Carro clandestino no próprio Aeroporto, aquele com contrato de papel de pão e pagamento adiantado em dinheiro. Consegui um Logan 2015, sem vidro, sem trava, sem GPS e só com ar condicionado, por R$ 600,00 reais. Depois deste instante, estava parecendo uma vadia se prostituindo, para valer a pena minhas férias, passando um monte de “m....a” na minha cabeça. Esses caras vão vir atrás de mim, vai me roubar o carro, vai me assaltar, vou para delegacia, vai cagar toda as minhas férias, olha o que estou fazendo????
      Saindo do aeroporto, fui atrás de GPS para comprar, encontrei uma Loja do Extra que estou com problemas até hoje com eles, aqui em SP já acionei até o Procon e Reclame Aqui. Procurando e procurando e o dia indo embora, não encontro GPS em nenhum lugar de Maceió, até que bateu uma ideia, ainda preocupado com o possível assalto dos agenciadores do aluguel do Carro.
      Não tenho celular, minha namorada vive me enchendo o saco para eu comprar um e na verdade preciso de um, vou atrás de um baratinho. Entrei em uma das centenas lojas do Extra e começo a pesquisar um máximo de R$ 400,00 reais que não tinha e não estavam nos meus planos e que tenha GPS e 4G, parcelei a compra no cartão de crédito. Rapidamente o vendedor me mostrou um que aparentemente me atendia, não vou explicar o problema aqui que estou tendo, mas ele me garantiu que funcionava GPS e 4G. Agora tenho que comprar um plano de Internet, para uso do GPS. Mais R$ 40,00 reais de plano, não estavam nos meus planos.
      Dica: Quando estiver em viagem, é muito mais barato vocês comprarem um plano de voz e dados do estado local,  seja DDD 82, 84 etc para uso de internet e voz, do que você usar seu plano de qualquer cidade que more, depois é só cancelar e tudo certo. Sei disto o porque minha namorada com o plano dela de SP em Recife gastou mais R$ 150,00 reais de voz/dados para uso pessoal e nosso GPS. Sendo que lá tinha um plano de R$ 40,00 reais, a claro funciona muito bem no Nordeste, igual a Vivo aqui em Sampa.
      Celular GPS configurado, carro em mãos e tanque cheio, com os olhos atentos a motoqueiros e ladrões, procurando algum rastreador dentro do carro, eles poderiam roubar o carro de madrugada no Hostel, olha o tamanho das besteiras que passavam na minha cabeça. Agora tenho que comprar um suporte para celular, mais R$ 25,00 reais que não estavam previstos, eu sei que depois de toda esta correria das 08:00 hsr da manhã até as 15:00 hrs da tarde resolvendo problemas, pois não consegui visualiza-los antes, precisa urgentemente de um banho de mar, terapia de relaxamento instantâneo. Ou seja, mais de R$ 1.000,00 reais gastos em menos de 4 horas; levo dinheiro para emergências, mas não imaginaria que isto seria uma..... Havia uma galera do Hostel que estavam me aguardando para irmos ao Francês desde a manhã, iriamos todo juntos. Resolvi então ir para praia Pajuçara.
      Passeio:
      13/02/2017 - Pajuçara
      “Previsão 11/02/17 / Efetivo 13/02/17– Pajuçara: É a praia mais bonita da parte "central" de Maceió, águas claras e calmas, aqui ocorrem os passeios de Maceió. À tardezinha/noite, as vans dos passeios ficam paradas perto da feirinha de Pajuçara, (Verificar se tem passeio para Guaxuma, Garça Torta e Riacho Doce juntos) oferecendo os passeios. Trabalham geralmente com vans e praticam preços menores do que as agências mais conhecidas, preços são praticamente tabelados, aos domingos, a Av. Silvio Carlos Viana (trecho Pajuçara / Ponta Verde) fica interditada para carros e, além do calçadão e da ciclovia, as pessoas podem circular pelas pistas que ficam bem movimentadas, agradável área de lazer, ao longo da orla aluguel de bicicletas, na praia de Pajuçara fica uma fileira de jangadas, que fazem o passeio pelas piscinas naturais de Pajuçara. É um passeio tradicional da cidade, mas disseram que as águas estão turvas e vale pelo passeio de jangada em si e não pelas piscinas 700 Mtrs”.
       
      b - Aluguel Bikes
      - Piscinas naturais (Caio Mar)
      - Feirinha da Pajuçara / Pavilhão do Artesanato (Av. Sílvio Carlos Viana, 1447, Ponta Verde) / Mercado Municipal
      u - Circular 2
      ² - Bar/Balada Soró Sereno/Maikai (eclética), cerveja gelada e barata / Barraca do Pirata / Botequim Paulista (Rock)
      ä - Parmegianno, Av. Dr. Antônio Gouveia, 1259, 3313-9555, 9331-7032”
       
      Bem realmente as águas são calmas e turvas, não consegui ir as piscinas naturais imaginei que seriam “turvas” e não seria tão legal quanto Porto de Galinhas, já era final da tarde, para este passeio, quando fui pesquisar, R$ 30,00 reais por cabeça mas tem que chegar cedo 07:00 hrs para reservar na Orla, não me arrependo de não ter feito, mesmo porque agora tenho uma impressão e opinião formada sobre Maceió, mas só vou contar no final. Realmente todas as agências ficam na Orla aguardando os turistas, os passeio em si, são muito mais baratos do que  Natal ou Porto de Galinhas.
       
      Se existisse um passeio igual nestas três cidades que conheci, ficaria mais ou menos assim o investimento, em Natal  R$ 120,00 reais, Porto R$ 150,00 reais e Maceió R$ 80,00 reais e tenham ciência que, todos ficam restritos aos horários das agência, vou dar exemplos a frente. O aluguel de bicicletas são aquelas de duplas, cadeira uma do lado da outra, meio pesado ao meu ver.
       
      Dica : Feirinha da Pajuçara e Pavilhão do Artesanato são bem legais, o Pavilhão muito mais, mais variedades e preços melhores, não fui em nenhum bar acima, tentei ir no Barraca do Pirata mas estava fechado já as 21:00 hrs.
       
       
       
       
       
       
       
      Dica ²: Se você estiver com a pretensão de curtir a noite de Maceió, “Esquece”, “Ouviu esquece!!!!!”, “Ouviu de novo Esqueceeeeeee!!!!” Toda a orla, bares e da cidade dormem cedo, só para ter uma ideia, os tão Famosos, Mega Blaster “Barraca Lopana” e “Barraca kanoa” 22:00 hrs nem música tem direito, passei mais de 5 vezes na frente e a noite, nem de final de semana, pré carnaval dá ânimos aos Alagoanos, vida noturna aos Baladeiros é horrível, vários alberguistas reclamaram disto, eu nem me importei, porque não era o meu foco, mas se estivesse na pele ficaria muito decepcionado. Diferente de Pipa em Natal, não frequentei, mas 02:00 da matina é cedo!!!! Então pensem bem quais são os propósitos!!!! Em Natal existe o “Calangos” em Pipa das 02:00 hsr da matina até 08:00 hrs vendo o sol raiar.
       
      Dica ä: Para comer realmente o Parmegiano é muito bom é bem servido, eu que como igual a um Dinassauro, o prato pequeno o básico fiquei muito satisfeito, filé a “Parmegiano” R$ 26,00 reais é uma delícia, muito saboroso e muito bem feito, detalhe chopp uma delícia também. Existe outro lugar bem próximo ao Pavilhão do Artesanato o “Comida de Mainha” R$ 29,00 reais come até morrer, comida achei mais ou menos, mas come até morrer, muita variedade.
       
      Passeio:
      14/02/2017 - Maragogi
      “Previsão 17/02/2017 / Efetivo 14/02/2017 – Passeio deve ir nas Galés – Galés é diferente ≠ de Barra Grande que é diferente ≠ de Taocas (Quero ir especificamente para as Galés) – Maré abaixo de 0,5. Maragogi Dreams no bar Burgalhau na praia de Burgalhau (ao lado de Maragogi). La tem passeios para outras galés inexploradas, tem banana boat e um montão de outras coisas. Telefone (xx)xxxx-xxxx Email [email protected] - Burga Nautica / [email protected] – Restaurante Frutos do Mar. Corre o risco de chegar num horário que a maré já está subindo, ou seja, não propício para o passeio das piscinas naturais de Maragogi, Os passeios das agências normalmente saem por volta das 8h, fazem o "hotel tour" pegando os outros turistas e vão para a praia. Retornam por volta das 15h e tem quem reclame que é muito cedo. Analisar se houver no mesmo dia maré baixa em dois momentos distintos, vale a pena ficar, perguntar sobre passeio buggy/quadricículo quando a maré está bem baixa, passeio na orla, pensar em levar Bike para conhecer Praia Barra Grande, Praia de Antunes, Praia Xaréu,  caminhar até a barreira de corais, também para entrar nas piscinas naturais, avaliar conhecer Rio Maragogi, as praias de Maragogi são: Praia de São Bento, Praia do Camacho, Praia de Maragogi, Praia de Burgalhau, Praia de Barra Grande, Praia do Antunes, Praia do Dourado Praia de Xaréu, Praia de Ponta Mangue e Praia de Peroba, se gostar de caminhar, da Praia do centro de Maragogi siga em direção sul até o Rio Maragogi, é bem legal, paisagem bonita e rende um bom banho de mar ou rio. Acho dá tempo de fazer no dia do passeio as Gales 135 Km”
       
      b - Possibilidade aluguel de Bicicleta em Pajuçara e levar ou aluguel de Buggy/Triciclo Bugalhau
      - Passeio deve ir nas Galés / Tábua da Maré / Piscinas Naturais
      ä - Bar Burgalhau / Restaurante Corais do Maragogi (Compra passeios)
       
      Último dia para ir a Maragogi, presenciar um dos lugares mais maravilhosos da terra, em minha singela opinião, pois não acredito que minha primeira experiência “daquilo” seja “Maragogi”, a tão famoso foto dos parrachos, dos arrecifes, dos catamarãs atracados junto um ao outro é Photpshop!!!
      Acordo 04:30 hrs, já tinha conversado com o agente da agência de passeios, como eu falei não vou falar o nome, dias antes sobre o passeio e ele tinha sido bem claro:
      - “Nós fazemos o passeio para as Galés, fica R$ 75,00 por cabeça, mas você tem que dar um sinal para reservar, ou caso não queira, tente chegar cedo, talvez ainda consiga....
      Pois bem, não reservei, resolvi apostar, as vezes eu gosto de viver fortes emoções... Saio do Hostel 05:00 hrs da manhã, o céu claro e o sol já esquentando os motores, sei que de Maceió até Maragogi são 140 km, cerca de duas horas, calculei 07:00 hrs estaria lá tranquilamente. Já na estrada, GPS posicionado, bateria Ok celular, levei cabo USB e carregador, mas pensei que não “usaria” engano meu, com o coração aberto e receptivo, 06:40 hrs chego novamente a Maragogi, ai ai, que delícia de lugar e férias, estou com tempo de sobra resolvo parar no “Posto Ipiranga – Auto Café”, já bate uma fome, e cérebro meio lento da viagem, estaciono o carro o Sol já a Pino.
      Eu não tenho o costume de tomar café preto ou suas variações, mas neste dia tomei, quero deixar o cérebro atento e focado no passeio. Olho o cardápio e vejo “Ovos mexido a moda do chefe”, nossa lembrei na hora de Bertioga, que delícia de ovos mexidos, resolvi pegar e um café médio com leite – Nunca tomei um café da manhã no meio da estrada, podemos dizer industrial, tão gostoso na minha vida, o que era aquele “Ovos mexido a moda do chefe” aquilo é maravilhoso, se tivesse mais tempo, comeria mais umas duas porções fácil, falei até para caixa atendente da minha satisfação e prazer de ter provado e comido, maravilhoso, agora o de Bertioga ficou em segundo plano. Fazendo um Jabá, realmente o Posto Ipiranga cumpre o que fala, volto com certeza, café com leite muito bem feito, nem parece de maquina expressa. “Awesome”.
      Chegando ao Restaurante “Taocas”, encontro novamente a garçonete simpática e batemos um papo rapidamente, ela pergunta da Leticia falo que está tudo bem mas agora retorno a ficar sozinho nas minhas férias, peço um favo de carregar meu celular pois bateria tinha ido já para o espaço, ainda bem que levei o carregador, não sabia que estes celulares consumem um bateria que só....
      Vou até a agência e ainda estava fechada, era 07:15 hrs, resolvo tomar uma água de coco gelada para esperar, em paralelo resolvo ir a outra agência para ver se tinha o passeio o rapaz falou que tinha sim, ótimo se der errada em um o outro vai dar certo. Tomo toda minha água e vou até a agência de esquina, o agenciador me recebe:
      - Bom dia, dias atrás vim aqui falar sobre o passeio das Galés e hoje resolvi fazer...
      - Você reservou?
      - Não, mas você tinha falado que poderia ter a chance de chegar mais cedo e ainda dar tempo...
      - É mas infelizmente não dá mais, todos os lugares estão lotados, o catamarã está lotado...
      - Não tem outra agência ou um encaixe?
      - Não este passeio como é o último dia, é muito concorrido...
      Já sabia destas informações, corri o risco e paguei o preço, neste meio tempo vem outro agenciado de camisa preta me oferecendo o passeio para as Galés, não fechei o passeio pois estava esperando a informação da outra agência, quanto é R$ 75,00 reais, nós vamos naquela lancha laranja, deixa eu saber alí primeiro que depois te procuro, Ok então qualquer coisa estarei aqui meu nome é “Alisson”.
      Já beirando as 08:00 hrs outro agenciado ligando para um para outro, tentando lugar e alí liguei minhas anteninhas, vai dar “m....a” de novo, o porque eu não reservei antes isto, as vezes sou muito teimoso, para certas coisas... 08:15 hrs o agenciador me fala que também não tem mais lugar, os catamarãs já estavam lotados....ai ai ai ai!!!! Não creio que está acontecendo de novo comigo!!!! Ai meu Deus hoje é o último dia para ir as Galés....não vou embora sem ir ao passeio, me recuso, não aceito isto novamente, minhas estadia em Maceió este era o único propósito!!!!
      Vou atrás do cara de camisa preta e não encontro mais, adentro ao restaurante e encontro ele já fechando o passeio com um casal de Carioca.
      - “Alisson ainda tem o passeio?” (Paulo)
      - Sim... (Alisson)
      - Aceita cartão? (Paulo)
      - Não, só em espécie... (Alisson)
      - Tudo bem, tinha levado dinheiro mesmo.... (Paulo)
      - Pergunto novamente, este passeio é para as Galés?  (Paulo)
      - Sim, nós só vamos para as Galés... (Alisson)
      - Qual é o sentido das Galés? (Paulo)
      - Em frente ao “Restaurante Taocas”, cerca de 30 min mar adentro. (Alisson)
      Valores fechado, horário estipulado por ele para nós aguardamos em frente ao restaurante cerca de 09:30 hrs partimos, resolvo tomar outra água de coco e passar mais protetor solar.
      Eu ainda desconfiado, cabreiro, sentado tomando minha água de coco, minutos mais tarde ele retorna, oferendo outro passeio no mesmo, agora para fazer mergulho, bla bla bla, bla bla bla, bla bla bla aqui começa minha história com o meu “Salvador Alisson”...
      - Alisson, cara vou te contar uma história, vou ser sincero e direto com você!!!!
      - Cara dias atrás vim até Maragogi esperando ir as Galés, eu e minha namorada, só que eles me levaram para outro lugar que mais parecia um estacionamento de Shopping, águas turvas, vida marinha escassa cara horrível, minha namorada super estressada, queria ter dado a ela uma surpresa para ela fechar com chave de ouro do Nordeste, o piloteiro quase nos abandonou em alto mar, cara estou aqui como turista, você acha que sou idiota? Em São Paulo fiz milhões de pesquisas, eu sei o que eu quero, eu sei o que vim fazer aqui, eu sei para onde eu quero ir, mas agora você me querendo vender outro passeio, sem eu fazer este??? Cara deixa eu fazer o básico e depois conversamos, e eu vomitando mais e mais minhas frustrações de minha experiência agoniante anterior - Alisson só ouvindo - até o casal de Cariocas parou o que estava fazendo para ouvir meu desabafo.... ele calmamente me respondeu....
      Aqui começa uma aula do passeio e cultura.
      - Paulo para onde você foi chama-se “Barra Grande”, se você que saber para onde é a galés vou te dar uma dica....
      Faça a seguinte pergunta para o agenciador:
      - Qual é o sentido das Galés?
      - Se ele te responder seguindo em frente ao Restaurante Taocas, são cerca de 30 min mar a dentro, você vai para as Galés...
      - Se ele te responder, sentido em frente ao Restaurante Burgalhau, são cerca de 15 min mar adentro, você vai para Barra Grande....
      - Se ele te responder, sentido a direita Restaurante Taocas, cerca de 15 min mar adentro você vai para Taocas....
      Nós somos uma equipe de mergulhadores profissionais, você vai embarcar em nossa lancha somente com mergulhadores credenciados, eu não sou agenciador de passeios eu sou mergulhador, eu até vendo passeio mas este não é meu foco, mas tudo bem, entendo sua frustração e depois do passeio você me fala a sua opinião, fique tranquilo que 09:30 hrs saíremos....
      Alí percebi, que ele era um cara diferenciado, nós ficamos quase 25 min conversando antes do passeio...
      09:32 hrs ele aparece novamente, vamos embora? Estão prontos? Uma atenção, uma cordialidade, uma pontualidade sem precedentes, a barco tinha cerca de 10 mergulhadores um negrão parece um armário Baiano, se apresenta como comandante e responsável pela sua equipe de mergulhadores, gente boa com sorriso cativante e extremamente simpático como todo Baiano.
      O Alisson se acomoda ao meu lado e os 30 min de mar adentro, mais outra aula sobre o que é Maragogi e o que faríamos lá...
      Antigamente Maragogi recebia cerca de 3000 turistas diários, mas a fauna começou a sentir o impacto então a Marinha resolveu baixar isto para cerca de 800 diários, e este número vai diminuir mais, nós como somos embarcação de mergulhadores, temos uma licença especial com tempos especiais, toda embarcação só pode ficar no máximo entre 01:30 a 02:00 hrs nas galés nós vamos ficar mais de 02:30 hrs em alto mar, muito cuidado com os corais e ouriços são perigos e cortam como se fossem navalhas, existe um cordão de proteção e isolamento nas Galés aonde nenhuma embarcação pode ultrapassar somente a fiscalização e o socorro, nós vamos deixa-los perto desta proteção, vamos descer e te levaremos cerca de 00:05 min a nado até as galés, qualquer problema ou ajuda me procure estaremos a disposição....
      Nesta hora meu queixo já estava no fundo do mar, junto com as belezas submersas e extremas, exuberante “Awesome” do lugar, agora sim eu estava na tão famosa foto “Cartão Postal de Maragogi, as Galés”. Descemos da embarcação, coloquei meu snorkel, os mergulhadores já com os seus aparatos, o Alisson junto, pediu para nós segurarmos no colete e não precisa ajudar a nadar pois ele estava com as nadadeiras, e ainda me diz:
      - “Paulo relaxa, e aprecie a vida marinha....” (Alisson)
      Neste instante, me corto nos arrecifes, ele logo fica apavorado e me ajuda, milésimos de segundos depois, quando abaixo a cabeça e vejo a transparência das águas, uma Dory, quase do tamanho de uma Pizza, peixes mais coloridos e graciosos do mundo, esqueço meu joelho sangrando, somente tinha um pensamento, agradecer muito a Deus pelo o que me ocorreu e o que passei - Maragogi nas Galés, definitivamente foi o lugar mais Maravilhoso, Belo, Incrível, “Awesome”, de toda as minhas férias – estava definitivamente mergulhando em um aquário natural gigante, nadando com os mais belos peixes ao meu lado, as Galés é gigante, para cada braçada e respiro, um peixe colorido e diferente apareciam, realmente a Leticia perdeu!!!!!!!!!!!!!!!
      Eu sei que fomos os primeiros a chegar e os últimos a sair, ficamos em alto mar quase 03:00 hrs nadando e me divertindo, mergulhei até uns 5 mtrs para pegar umas sujeiras de turistas como “Amarradinhos de cabelo”, “plásticos” que estavam no fundo, perigoso aos peixes, fazendo a minha parte, o Alisson fez uma filmagem com a minha excelente câmera sobre os corais, nadando com os peixes, apesar do pesar ficou legal, nunca mais esquecerei esta experiência.
      Eu sei que na volta não tinha palavras e nem pensamentos, estava imerso em pura satisfação e paz de espírito e no fundo uma voz....
      -“Paulo.....Paulo....Paulo e aí gostou?” (Alisson)
      - “Quase pulei para cima dele, para dar um forte abraço e agradece-lo pela imensa experiência que acabara de ter” (Paulo).
      Dica Importante: Restaurante=Taocas ; Galés=Alisson, Agência=Jangadeiros Tur
      Dica Importante: Vão direto ao restaurante “Taocas”, telefone do Grande Mergulhador Alisson O Salvador (82) 9 8224 8001, pode falar que fui eu que indiquei, ele vai lembrar do Paulo do São Paulo que estava bravo porque ele foi para Barra Grande. Tentem ligar ou mesmo procurem ele alí perto do restaurante, na  associação de Jangadeiros Tur, lá está a equipe de mergulhadores profissionais que lhe falei, todos muito gente boas, ou o Baiano Negrão gente boa, simpático e sorridente, como todo Baiano, dono da lancha laranja, da associação de Jangadeiros Tur.
      Feliz da vida curtindo mais um pouco a praia, dando mais uns mergulhos naquele Azul Turquesa, depois fui tirar sal do corpo, muito importante em terras aonde o Sol é muito quente e a água muito salina, me refresquei mais ainda e de volta ao Hostel, meus 280 km viajados mais felizes até agora.
      Já no terceiro dia nem me lembrava mais de minhas loucuras e devaneios sobre o carro, estava tudo muito bem e tranquilo, carro grande, econômico porém básico.....
       Em algumas das minhas vindas de Maragogi senti esta dificuldade, acessórios básicos como vidro, travas e USB são indispensáveis em um carro, e você só da conta quando você não os tem, parei algumas vezes para pedir informação e lá vai o desconforto de baixar os vidros manualmente,  travar os pinos dentro do carro e USB que não tinha. Chegou uma hora que meu novo celular estava dando uns “paus” reinicializando e desligando sozinho, devido ao calor extremo, e principalmente não aguentava a carga que havia dado no dia anterior, logo requisitei o USB do rádio que mal funcionava, consequentemente o GPS e celular me deixou na mão umas 4 vezes, uma foi a pior, aonde estava voltando de Maraga e o celular não carregava mais, não ligava simplesmente travou e detalhe estava no meio do nada e a escuridão bem próximo eram cerca de 17:50 hrs as 18:30 já está um breu que só, mantive a calma, já tinha passado por ali antes, mas não consegui por muito tempo, me perdi no meio da escuridão e no meio do nada, em uma estrada que só tinha passado duas vezes e detalhe não sabia voltar para o Hostel sem GPS, as ruas muito confusas e o condutor que aqui lhes falam também, passeio um perrengue, viagem de retorno prevista para duas horas terminou em mais de 04:30 hrs para o hostel, então:
      Dica: Quando forem alugar um carro, não esqueçam de ver estes itens indispensáveis Vidro, Trava, Direção, Ar condicionado, carro econômico e principalmente USB, vários, para carregar o celular, no carro em Recife tinha tudo isto, não senti problemas e não sabia de sua importância. Alguns carros possuem suporte para smarthphones no console outros você precisa de suporte para celular grudados no vidro, tentem deixar na saída de ar, pois ajudam a refrigera-lo, evitando assim os “paus” de não ligar.
      Com relação a passeio buggy/quadricículo quando a maré está bem baixa e levar Bike, não senti falta, mesmo porque o lugar é belo de qualquer ângulo e bike é dispensável, areia em muitos lugares muito fofa e você não vai querer estar debaixo de um Sol de 40° com um trambolho para se preocupar.
      Maragogi para mim é outra Maceió...logo mais explico melhor.
      Passeio:
      15/02/2017 – Praia do Paripueira
      “Previsão 14/02/2017 / Efetivo 15/02/2017 – Praia do Paripueira – Se você vai por conta própria, peça uma pulseirinha de cliente avulso aos atendentes que estão na área do estacionamento; ela será necessária para reservar o passeio, ao entrar, vá direto à fila da bilheteria para comprar o passeio, a permanência na área dos corais é de até 2h30, Paripueira, nade sobre o coral e alcance a área deserta das piscinas, aproveitar melhor o passeio, não fique junto com todo mundo coladinho ao muro de corais, vá nadando com cuidado até a piscina do outro lado dos corais, ali a densidade demográfica é mínima 31 Km.
       
      - Piscinas naturais (Rest Mar & Cia) 4 km depois passar pelo clube Hibiscus em Ipioca / Passeio catamarã, 3293-2031
      u - Circular 2
      ² - Soró Sereno/Maikai (eclética), cerveja gelada e barata
      ä - Quiosque da Jaraguá (mais sossegado) / Restaurante Mar e Cia
       
      Ahhh, aonde estou? Quem sou eu? O que estou fazendo aqui? Viagem, viagem e viagem, que delícia, perder a noção do tempo, não saber que dia é da semana, não ter compromissos marcados, reuniões estressantes, agendas cheias, nada mais é que Férias, única e exclusiva descanso, revitalizar corpo e alma.
      Acordei as 06:30 hrs da manhã, tomei meu banho como Paripueira era próximo, não precisava acordar tão cedo rs, mas sinceramente nem ligaria, um café da manhã razoável, mas está tudo bem, os voluntários faziam o que podiam, indispensável sua ajuda ao Hostel João e a Jenny, amigos que quero levar para o resto da vida. Conversei com o pessoal um pouco, dei uma relaxada no Hostel, passei protetor, escovei os dentes e bora para a estrada. Meu GPS não apaguei os destinos até hoje 11/04/2017, faço inveja a mim mesmo, quando o olho.
      Paripueira de fato é bem tranquilo de se chegar, mesmo porque sentido Maragogi, você passa em frente, então estava memorizado o caminho, mas coloquei no GPS mesmo assim. Chegando ao Restaurante Mar & CIA, uma frota de micro ônibus e vans de agências, estacionei o carro e você paga R$ 5,00 reais para entrar. Logo fui atrás do passeio as piscinas naturais, cerca de R$ 60,00 reais o mais barato logo na portaria do restaurante, peguei minha pulseira e fui caminhar procurar outros agentes, mesmo porque o folder dos passeio já estavam me cobrando isto, só que a partir do Hostel com translado, então pensei que seria mais barato alugar ele lá!!!! Engano meu...
      O lugar é muito bem estruturado e enorme, porém comida e bebida não são baratos não, um prato individual cerca de R$ 65,00 reais, o básico ainda hein, arroz, feijão, batata frita, salada, carne ou peixe. Caminhando pela praia em busca do passeio, existem mais dois restaurantes a esquerda do Mar & CIA que vendem os passeios, mas também R$ 50,00 reais por cabeça, logo pensei existe alguma coisa errada....estou aqui, não paguei o translado, vim por conta própria e os passeio estão com o mesmo valor das agências??? Algo está errado. No horizonte encontro um dos agentes clandestinos de moto correndo pela praia oferecendo os passeio, o que que eu fui fazer???????
      Frustração: Seu nome “Camarão”, apelido na verdade, decorem bem este nome “Camarão”!!!! Crustáceo abdome longo podem ser água doce ou salgada, aquele que você arranca a cabeça e come o resto, fruto do mar que é gostoso frito, marinado, na paella etc. Mas não desceu na garganta desta vez, entalou, quase engasguei e morri na praia. Um cara cheio de protetor labial branco, moto biz vermelha correndo de um lado para outro. Me ofereceu o passeio as piscinas naturais a R$ 50,00 reais, também recusei, logo ele percebeu que perderia o cliente abaixou para R$ 40,00 reais, não deveria ter pago, seria melhor ter comprado o passeio na portaria conforme dica que eu mesmo ignorei!!!!
      Passeio comprado depois de 01:30 hrs a procura e horário programado, este cara me coloca em sua garupa a sai a procura de vagas em algum catamarã, olha a presepada!!!!! Vamos em um, vamos em outro, vamos em outro e vamos em um e nada de me encaixarem, porque ninguém aceitava o ticket clandestino e o forasteiro aqui que lhes fala. Mas o motivo foi que a fiscalização estava forte aquele dia, e eles não colocam ninguém a mais nos catamarãs quando chega ao limite está corretíssimo, afinal de contas quem quer correr o risco de um acidente??? Eu sei que este cara já sabendo da impossibilidade de arrumar uma vaga para mim, já impossível uma vaga, aos 00:43 hrs do segundo tempo, os barcos não sairiam mais, vende mais um passeio agora para uma família inteira, vai vendo a “prese....” da “presepada”, eu sei que tinha um total de 8 para o passeio. Os catamarãs começaram a ficar lotados de gente, e nós ficando para trás, o sujeito me vira depois de 02:30 hrs aguardando, e me diz:
      - “Olha seu eu não conseguir encaixa-lo, devolvo o seu dinheiro....” (Camarão)
      - “Mas eu não quero o dinheiro, quero fazer o passeio...” (Paulo)
      -“A fiscalização está forte hoje, muita gente e está perigoso embarcar todo mundo...” (Camarão)
      - “Cara quero ir ao passeio... ” (Paulo)
      As 11:30 hrs da manhã, último catamarã disponível para o passeio acham vagas para todo mundo inclusive para a família, nos reunimos para embarcar próximo ao Catamarã e os fiscais pedindo os bilhetes de embarque, não temos bilhetes, estamos com o “Camarão”, então aguardem aqui....ai ai ai...o stress começou e retornar!!!!
      Conversando com os agentes autorizados do Mar & Cia, me explicaram que era bem provável que ninguém do Camarão embarcaria, pois todos os catamarãs estavam lotados, tentando descontrair um deles me disse:
      - “Mas fique tranquilo, você pode voltar amanhã, pena que você vai perder o melhor passeio de Maceió.... ” (Agente)
      - “rs rs Melhor passeio comparado a Maragogi, nas Galés???” (Paulo)
      - “Este aí fica no chinelo....” (Agente)
      Olha a besteira que ouço com a minha cabeça cheia, então fui a desforra, vamos fazer uma aposta...
      - “Seu achar que realmente este passeio é melhor que as Galés, eu pago novamente o passeio agora para você, se você perder você paga para mim OK?” (Paulo)
      - “Aquela lábia alagoana, sendo simpático, tentando me convencer com história e boto marinho, que derrepente ele avistou no fundo do mar.....”
      - “Me espere aqui que eu volto e digo minha opinião...”, pergunta se ele estava lá quando retornei....
      Os catamarãs já em deslocamento, lotados 11:45 hrs o piloteiro assinalando para todo mundo que estava cheio, não cabia mais ninguém, aí o desespero tomou conta....
      Me aproximei do “Camarão” agora já dentro do mar a 5 metros para embarcar; uma alma salvadora, por dó e piedade de mim, conversou com o piloteiro e permitiu meu embarque, agora perguntem e a família que havia comprado??? Se “f......am” lógico!!!
      Agora o agente autorizado, mais uma em “Camarão”, se não fosse por mim ele iria ficar aí, é logico que eu agradeci enormemente depois....
      Ufa passado o desespero, agora dentro do Catamarã, lotado de pessoas e crianças, grande maioria Argentinos, o barco não liga.....Pronto não deveria ter vindo, esta “b....a” vai afundar, olha a tragédia anunciada!!!! Depois de 00:30 hrs o barco liga e vamos ao destino....
      Passeio bem tranquilo, Catamarã bem lento e seguro, muitas crianças com coletes e os tripulantes ajudando todo mundo, passeio seguro para ir com crianças, lógico que não os desdentados, acima de 6 anos Ok???
      Chegando as piscinas naturais, um viagem cerca de 25 min mar adentro, uma multidão aglomerada, bem diferente das galés e a estrutura, mais uma vez e última Alysson meu Salvador!!! Águas turvas, vida marinha bem escassa, mar um pouco revolto, mas tranquilo, para relaxar muito parecido com Barra Grande em Maragogi. Depois das Galés passeio insuperável de Maceió, Paripueira se tornou dispensável, voltaria novamente as piscinas de Paripueira??? Não, obrigado já conheço!!!!
      Cerca de 01:30 hrs nas piscinas naturais, já retornando a praia, bem tranquilo novamente, um turista me perguntou porque queria comprar, mas agora só para o dia seguinte.
      -“E aí gostou?” (Turista)
      -“Olha vou ser sincero, nota 5, quer fazer para conhecer Ok, mas para mim dispensável...” (Paulo)
      Agora tento almoçar no restaurante, quando descubro os preços, logo desisti, como quando retornar.  Começo a caminhar sentido a direita do restaurante, havia me esquecido que havia um rio lá, você atravessa por ele inclusive, investindo mais uns 20 minutos de caminhada, você se depara com a praia deliciosa e areias cantantes, o rio está logo atrás, mergulhei nos dois é lógico, melhor que o passeio das piscinas, mas foi bom ter conhecido, ter a experiência para contar a vocês, agora sei o que quero fazer quando voltar, por lá permaneci mais umas 02:00 hrs longe da badalação e forró do restaurante. Hora água salgada, hora água doce, adorei esta praia, principalmente fazendo um spa com as areias, muito gostoso e relaxante.
      Por volta das 16:00 hrs retorno ao restaurante para fechar minha conta, paguei a entrada, retorno a Maceió já anoitecendo.
      O restaurante em si é legal e estruturado, existem estrutura e brinquedos para os pequeninos brincarem e os pais ficarem tranquilos e relaxados, levaria minha filha para lá sim, mas só por causa do restaurante, da praia e rio a direita, bem próximo ao Mar & Cia.
      Com relação ao Soró Sereno/Maikai (eclética), não fui e não me arrependo, estava tranquilo e sossegado. Conforme o folder o passeio a Paripueira consiste, “nas entre linhas”, R$ 60,00 reais somente o translado e o passeio a praia, não o as piscinas naturais, mais R$ 50,00 reais, então fiquem atentos, o carro te possibilita fazer o seu roteiro e horário. Mas, somente neste em específico, Paripueira o carro é dispensável, poderia ter ido de Agência, que não me arrependeria, me divertiria igual.
       
       
×