Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Entre para seguir isso  
Murilo Andrade

Brumadinho - Ouro Preto - Belo Horizonte - Governador Valadares / Janeiro 2017

Posts Recomendados

BELO HORIZONTE:

02 – 01 – 2017:

Saí de Vitória da Conquista na noite anterior, chegando a tarde em Belo Horizonte. Fui de “carona” conseguida através do aplicativo Blablacar, o motorista dirigia muito bem e a viagem ficou bem em conta, recomendo demais.

Chegando em BH, fui para um hotel (Hotel Madrid – somente para passar uma noite é razoável) próximo a rodoviária, pois no outro dia viajaria para Brumadinho. Aproveitei a tarde para passear pelo Centro de BH, saindo da praça Rio Branco em direção ao Mercado Central de Belo Horizonte. Cidade excelente para uma boa caminhada, tanto pela qualidade das ruas, quanto pela sensação de segurança.

O mercado é um local com muita variedade de produtos, especialmente de comidas (rs). Destaco o restaurante Casa Cheia, com uma vista do alto de todo o interior do mercado, oferece um cardápio excelente, ao começar pelas deliciosas almôndegas exóticas:

  20170102_150305.thumb.jpg.2ccd03817be7301a01266074d4b9844a.jpg

Continuei batendo perna pelo centro de BH, a cada esquina um prédio, igreja, casa com arquitetura interessante. Cidade muito boa de percorrer a pé.

Fiquei impressionado com Igreja de São José:

20170102_174759.thumb.jpg.7cb80d23d518bd8d3ea48e008f7d1eec.jpg

A noite retornei ao hotel para descansar.

BRUMADINHO:

03 – 01 – 2017:

No dia anterior já havia comprado minha passagem de ida e volta para Brumadinho, com chegada e partida no estacionamento do Instituto Inhotim, centro de arte contemporânea de renome mundial. Já estava com ingresso a postos, comprado antes da viagem.

Fui para a rodoviária bem cedo, chegando em Inhotim por volta das 09:30h, onde descemos no estacionamento da própria instituição. Deixei minha mochila na recepção do local, desde o início percebi a excepcional estrutura do local.

Digo desde já que não entendo nada de arte, apenas gosto de admirar o que instiga à reflexão e (nem sempre rs) é belo.

O lugar é impressionante, para todo lado que você olha enxerga alguma coisa impressionante, sejam as representantes da flora brasileira e mundial (o Instituto possui a maior coleção de palmeiras do mundo) sejam, claro, as esplêndidas obras de arte contemporânea espalhadas por todo o local.

20170103_102830.thumb.jpg.4ece524c8ee04d45a482bb40f37ae7ff.jpg

O Instituto é imenso, devendo ser feito um planejamento prévio sobre por onde vai se iniciar o passeio, recomendo começar pelo lado esquerdo do instituto, especialmente por causa da enorme ladeira no circuito laranja. O mapa fornecido na entrada é de imensa ajuda e sua utilização é bem intuitiva, ademais o parque é bem sinalizado e possui funcionários muito prestativos.

Destaco algumas obras que mais me interessaram no Instituto Inhotim.

Galeria Adriana Varejão, um conjunto imenso de obras em azulejos em uma estrutura impressionante, visceras  e órgãos humanos substituem cimento e tijolos nessa parede:

20170103_104552.thumb.jpg.a7cd56b2fac861fe782128893fd333ce.jpg

20170103_103947.thumb.jpg.d7ab4eb5f4b5e5d831d525a174366ac6.jpg

Essa obra, bastante interativa (viewing machine), oferece um panorama incrível e uma nova forma de ver não só do parque, mas de todo o seu entorno servindo como um gigantesco monóculo com caleidoscopio:

20170103_110636.thumb.jpg.edf6d1e08c296dd8bcade46060da0a21.jpg20170103_110715.thumb.jpg.cdafc4bfe82f0302dfbcb3d04dbab006.jpg

Esta obra achei muito interessante ao propor demonstrar o poder do acaso (beam drop inhotim), no qual o artista, usando um guindaste, deixou cair sobre um poço de concreto uma série de vigas de aço:

20170103_124803.thumb.jpg.d8985d698d0caab74c8a77b0c0e88c62.jpg

Árvore de metal interagindo com árvores de verdade (Elevazione):

20170103_132553.thumb.jpg.c0efaea3f50c3c77dc47ed1a9a656eaa.jpg

Galeria Cosmococas, um lugar incrivel e de grande interatividade. Piscina onde podemos mergulhar os pés, redes onde podemos deitar, chão inesperado..são diversas as propostas. Foi o lugar que mais gostei nesse primeiro dia de visitas:

20170103_135827.thumb.jpg.b390091c9c4e38c313f7769d4fd04bf2.jpg

Ao final das visita, beeem cansado, fui aguardar o transfer do Hostel70. Ali já conheci pessoas que estavam hospedadas no local. A própria dona do hostel foi-nos buscar, Nathi, uma pessoa excepcional.

O hostel, um local simples e muito bem localizado, superou as minhas expectativas especialmente pelo atendimento, todas as pessoas que ali trabalham se mostraram super atenciosas e prestativas. Naquela mesma tarde fomos a um morro local em busca do por do sol, mas em razão do tempo nublado não podemos ver, em compensação apresentou-se uma paisagem deslumbrante e o belo momento no qual as brumas (névoa) tomam conta das serras de Brumadinho, serpenteando por entre os morros:

20170103_191602.thumb.jpg.6fee4b89bf6c9c5fad293f2f2b53a97c.jpg

De volta ao Hostel, fiquei por ali mesmo, após o jantar, hora de bater papo até tarde da noite com os outros hóspedes. Dei sorte de encontrar uma galera super gente boa, desde fotografo e professores de São Paulo até estudantes “black blocks” de Brasília, passando uma adolescente que tinha “fugido” de casa, para quem acabei dando consulta jurídica a mesma e ao pai que estava na França rs

 

04 – 01 – 2017

Acordei cedo, após um bom café da manhã no Hostel70, partimos para mais um dia de desbravamento do Inhotim. Já levei minha mochila, pois de lá mesmo voltaria para Belo Horizonte.

Dessa vez fiz o percurso mais longo (roteiro rosa) e com uma ladeira gigante (rs).

Como era o dia de gratuidade, o local estava lotado. Por isso fui direto para a última obra, no fim do percurso, Som da Terra, uma cúpula na qual encontra-se um poço com 202m de profundidade com microfones que captam os sons emitidos pelo terra. Não sou nem um pouco místico, mas ali é um lugar mágico sem sombra de dúvidas. Fiquei por um bom tempo, refletindo ao som das profundezas da terra e descansando após a longa caminhada kkk:

20170104_103557.thumb.jpg.4ebe796db36178a16680af09191972bc.jpg20170104_103942.thumb.jpg.88c17d9eda94782d1eb3fc9d74b83a49.jpg

Saindo dali fui até a uma galeria, uma impressionante cúpula espelhada no meio da mata, que guarda a obra Lama a Lâmina – que resgara o confronto entre os orixás que representam o ferro e a fauna. Apesar de, na minha humilde opinião, expor a destruição da natureza que tanto assola o nosso país e, em especial, aquela região de minas amplamente atingida pela exploração mineral:

20170104_105243.thumb.jpg.100b90a18e3efcc158b57af7ae3a3b4f.jpg

20170104_105820.thumb.jpg.6c551285626d15bb1ab73b7cb18bf3d3.jpg

Dirige-me depois a galerias que expõe uma série de obras de áudio, vídeo e imagens:

Na galeria Claudia Andujar estava acontecendo uma exposição fotográfica com a temática de índios do Brasil:

20170104_115227.thumb.jpg.ddbd8d3e2c0a9c782bd3b922848e422e.jpg

Na galeria Miguel Rio Branco haviam expostas imagens e vídeos projetados em tecidos com a temática de nudez, muito interessante ao nos dar uma visão leve e reflexiva sobre o tema:

20170104_120832.thumb.jpg.9c03da041a30c5c59d45dfa905a9791f.jpg

Ainda passei no complexo do Instituto no qual se localiza biblioteca, lanchonete e uma enorme coleção taxonômica de borboletas.

Fui para o estacionamento, onde o ônibus da Viação Pássaro Verde já aguardava para retornarmos para Belo Horizonte.

 

Algumas considerações sobre Inhotim:

- O acesso à Inhotim por ônibus é bem tranquilo, com ônibus saindo diariamente da rodoviária de Belo Horizonte, com destino tanto ao próprio instituto quanto a cidade de Brumadinho.

- A caminhada é nível médio, é bom ter disposição, caso não, vale a pena contratar o uso dos carrinhos para se deslocar pelo complexo.

- Em todo o instituo encontram-se banheiros e bebedouros, muito bem cuidados. Quanto a água, vale a pena levar uma garrafinha em razão das distâncias a serem percorridas. Existem restaurantes e lanchonetes, com preços condizentes com o local, vale a pena levar umas barras de cereais ou lanches mais práticos rs.

- O uso do mapa é fundamental, mas os funcionários e uma excelente sinalização dá segurança para se deslocar pelo parque.

- Recomendo ao menos dois dias de visitação, tempo suficiente para ver todo o parque. Ver, não conhecer, pois ai seriam necessárias algumas semanas rs. Fiz o circuito amarelo e laranja no primeiro dia e o rosa no segundo, mas no pique e com bastante disposição...mas, não contratei os carrinhos kkkk

- Por fim, destaco que, por mais que não entenda-se nada de arte contemporânea, o Inhotim é um local impressionante tanto pela estrutura quanto, especialmente, pela natureza e pelas obras ali existentes.

 

OURO PRETO

04/01/2017

Cheguei na rodoviária de Belo Horizonte e imediatamente comprei minha passagem para Ouro Preto, viagem bem tranquila, cheguei em Ouro Preto por volta das 20:00h, fui andando até o hostel (Brumas Hostel – uma enorme casa colonial no alto da cidade, com uma estrutura simples, compensada pela disposição dos proprietários do local e pelo excelente café da manhã rs, e a 1 minuto de caminhada da praça principal da cidade).

Fui procurar um local para comer, sai do hostel, passei por uma igreja e me deparei com a seguinte imagem, que deixou-me impactado pela impressionante arquitetura colonial na noite de Ouro Preto:

20170104_205604.thumb.jpg.a17e7d0fd874da79b9ecec584a46dd10.jpg

Senti naquele momento o que as fotos nos livros e internet não conseguem traduzir, ver mais de três séculos de história ao vivo e a cores é outra coisa rs.

Fui até uma hamburgueria na praça principal da cidade, hambúrguer muito bom. Voltei ao hostel para descansar, mas lá encontrei um fotografo de Montes Claros, muito gente boa, e voltamos até a famosa Rua Conde de Bobadela para tomar a famosa cachaça mineira.

 

05/01/2017

Acordei cedo, afinal era dia de conhecer a Ouro Preto.

Meu café da manhã, o tradicional colonial mineiro, foi com essas vistas:

20170105_072715.thumb.jpg.0843c4f23dea530c9d9511fcdc4d0d99.jpg

20170105_072836.thumb.jpg.92bebf305861add5bda64ffc6f4c87f6.jpg

 

A mesma imagem da noite anterior, mais ampla e tão bela quanto a cidade no período noturno, com o pico do Itacolomi ao fundo:

20170105_075643.thumb.jpg.ea06d2552376fe04aa662b5234f1b0fe.jpg

A praça Tiradentes, principal da cidade, onde se localiza o Museu da Inconfidência, que vale a pena demais a visita e de onde tirei a foto seguinte, e antiga Escola de Minas de Ouro Preto, ao fundo na imagem:

20170105_111749.thumb.jpg.57ac2b126b84f2e5c6672e16546f97f3.jpg

Após visitar o Museu da Inconfidência, saí dali e iniciei um périplo pelo lado oeste da cidade, visitando primeiro a Igreja de Nossa Senhora do Carmo, onde conheci uma sanfoneira de São Paulo, excelente musicista e fã de Elomar rs. Deu boas dicas sobre a cidade. Foto da igreja:

20170105_112757.thumb.jpg.3a2edd3778c819c818257b9197d02e3d.jpg

Fui até o Teatro Municipal de Ouro Preto, o mais antigo do Brasil. Depois passando por um beco, saí na Rua Conde da Bobadela dos bares (Porão), restaurantes e botecos (Satélite) da cidade:

20170105_120349.thumb.jpg.6fa7d00c91b644ab0c33175b060ccc8d.jpg

Dei uma volta pelos fundos da Igreja do Carmo, passando pela Escola de Odontologia de Ouro Preto, após uma boa caminhada, já saí na lateral da Igreja de São Francisco de Assis, cujo largo se localiza uma feirinha de artesanato, com muita coisa feita de cristais e outros minerais:

20170105_125606.thumb.jpg.5393ab6a8a32d9203d34fb6453b937fd.jpg

Por fim, voltei para almoçar no restaurante Forno de Barro, na praça da Inconfidência, onde serve a tradicional e deliciosa comida mineira. Reencontrei também almoçando lá a sanfoneira paulistana e o fotógrafo de Montes Claros, além de conhecer um estudante alemão de intercambio que estava hospedado no Brumas Hostel também.

Após o almoço, saímos nós três para um passeio pelo lado leste da cidade, começando por uma visita pelo interior da Igreja de São Francisco de Assis. Depois seguimos até as Igrejas Nossa Senhora da Conceição (segunda foto a partir do pátio da Mercês) e Nossa Senhora das Mercês (na primeira foto a partir da frente da Conceição):

20170105_151424.thumb.jpg.31438ca6ce71540d72bddd70c566c098.jpg20170105_152815.thumb.jpg.dac5b645b40fc542cd88effdbf8656e1.jpg

 

Fomos até uma uma antiga mina de ouro, não entramos, apenas tomamos um belo açaí para recuperar as forças e enfrentar novamente as ladeiras no retorno ao hostel. A noite fomos, eu, o estudante alemão e um professor de história para O Porão novamente, um bom papo acompanhado por uma cerveja estupidamente gelada.

06/01/2017

Madruguei para assistir o nascer do sol, ao lado da igreja de São Francisco de Assis:

20170106_060854.thumb.jpg.73915b94d1d1f5f9a0365855cfcb04dd.jpg

 

Igreja de Santa Efigênia no topo ao lado do sol nascente:

20170106_064824_Richtone(HDR).thumb.jpg.d5b6abee51ba1c468b681642e732873b.jpg

Inicialmente, tinha previsto que nesse dia iria até Mariana. Mas, acabei decido-me por ir, juntamente com o intercambista alemão, até o Pico do Itacolomy (1.772m) pela trilha de 7 Km no parque de mesmo nome. Fomos de ônibus até a entrada do parque e dali a pé em direção ao centro de visitantes (5km), mas demos sorte de pegar uma carona após 2km rsrs

A trilha é mediana, mas conta com pontos íngremes, locais nos quais inclusive precisa-se de apoio das mãos na subida, mas as paisagens são surpreendentemente belas a cada passo dado.

Vista de Ouro Preto:

20170106_123516_Richtone(HDR).thumb.jpg.45730c166fdcf179ff7291bce2704b19.jpg

Após uma longa e sinuosa trilha, chegamos ao Pico do Itacolomy, local de onde dá para visualizar a cidade de Mariana:

P1060061.thumb.JPG.171a8729af3d645ff91b154f2dba03ff.JPG

P1060059.thumb.JPG.4cb0f8769e26e43bb98403f387a999d7.JPG

Saindo do local do pico, após subir uma trilha apertada em meio as pedras chega-se ao topo da serra do Itacolomy, uma bela visão de 360º na qual se vê a imensidão das terras mineiras:

20170106_142633.thumb.jpg.5a49c4396cae994cb8f0b453a8576fb4.jpg

Tivemos que descer a trilha meio que na pressa rs, uma vez que começou a se formar uma forte tempestade com fortíssimos trovões, para nossa sorte pegamos chuva apenas próximo do centro de visitantes:

20170106_145332.thumb.jpg.719c9ac47f7abf7c3a12fe4c97ad0206.jpg

P1060036.thumb.JPG.e66512f6c06d15fccbaf6461fbbc4157.JPG

Após a longa e sedenta trilha de volta (levem muita água rs) até o centro de visitantes, voltamos de carona até a cidade.

Lá após um pesado almoço mineiro, pegamos carona com o fotografo de Montes Claros para Belo Horizonte, sem tempo nem para tomar um banho kkk.

 

Algumas considerações sobre Ouro Preto:

- Ouro Preto tem uma boa estrutura turística, com diversas opções de turismo histórico-cultural e bares/restaurantes.

- Andar pela cidade é uma excelente opção para turistar, mas é importante ter folego para enfrentar as ladeiras da cidade rsrs.

- A visita das igrejas é imperdível, mas diante dos custos vale a pena selecionar umas duas para conhecer (a Igreja de São Francisco é fundamental).

- Mariana é visita “obrigatória” para quem vai para Ouro Preto, mas diante do meu tempo exíguo preferi fazer a trilha do Pico do Itacolomy.

- Por fim, vale a pena demais conhecer trezentos anos de história do Brasil, passando pelos períodos do Brasil colônia e sua mineração, a inconfidência, as escolas de minas e odontologia, além da impressionante arquitetura das igrejas e palacetes.

 

BELO HORIZONTE:

06 – 01 – 2017:

Chegamos em BH já a noite, fui para o apartamento no qual havia reservado um quarto através do Airbnb. Fui muito bem recebido pelos proprietários, pessoas super hospitaleiras, além de estar localizado em um excelente local, próximo a estação de trem de Belo Horizonte.

A noite fui para ao famoso Edificio Maletta com o pessoal que conheci em Ouro Preto, lá tomamos uma no Objetoria, depois saímos para o Sindicato do Choppe:

20170107_005821_Richtone(HDR).thumb.jpg.75ed85b107911c008f5b500a8ab22784.jpg

07 – 01 – 2017:

Tirei a manhã para conhecer o complexo cultural da Praça da Liberdade, um complexo de museus e centros culturais no entorno de uma belíssima praça, na imagem com o Edíficio Niemeyer ao fundo:

20170107_101544_Richtone(HDR).thumb.jpg.08ae1c9d8ad5d27680ba2c3529a2bd9c.jpg

Fui primeiro ao Centro Cultural Banco do Brasil, no qual ocorria uma exposição de arte denominada ComCiência, que trazia uma interessante proposta sobre a perspectiva da vida humana e animal em um futuro distópico:

20170107_115322_Richtone(HDR).thumb.jpg.05c13d4743960afa4a3bf9ed87c1c76b.jpg20170107_094620_Richtone(HDR).thumb.jpg.d1d3d78de167ff10de621fa708b4524e.jpg

Agora, o Memorial Minas Gerais Vale, focado na história do estado de Minas e do seu povo com interessante acervo de mídia sobre a formação do povo mineiro:

20170107_101705.thumb.jpg.287641342a4b461456830a1a51bd71f9.jpg

20170107_104410.thumb.jpg.19790dffab51bc0863b88c62cd4c353b.jpg

Saindo dali fui até o Museu das Minas e dos Metais, focado na metalurgia e mineração, atividade de forte importância econômica em Minas a ponto de inclusive oferecer o primeiro nome ao Estado. Lá encontra-se farto acervo audiovisual e interativo, além de grande coleção de minérios, inclusive um meteorito no qual todos os visitantes podem tocar. Na imagem, o Museu de Minas e dos Metais e ao fundo o Espaço de Conhecimento da UFMG, dedicado as ciências:

20170107_111518_Richtone(HDR).thumb.jpg.158eaea7a0482229a937d3fc7cd38864.jpg20170107_124222_Richtone(HDR).thumb.jpg.2fb3de68a0c30bd125f6fbbbb4173c3c.jpg

 

Enquanto esperava a abertura do planetário do Espaço do Conhecimento da UFMG fui até a famosa Sorveteria São Domingos, sem dúvida o sorvete mais delicioso que já tomei. No Espaço pude assistir a uma representação de uma noite nos céus da Inglaterra que inspirou Shakespeare em seus escritos.

Na volta para o apartamento onde estava hospedado passei no Parque Municipal Américo Gianetti, uma bela peça de interação entre arquitetura e a natureza no centro de uma metrópole, e além de parar na interseção da Avenida Bahia com a Álvares Cabral (a “quando cruza Ipiranga a Avenida São João” de BH), afinal nada mais beozontino que subir Bahia e descer Floresta:

20170107_143433_Richtone(HDR).thumb.jpg.6a68569b8454bec2f23f68f2268de22b.jpg

No período da tarde fui até a Praça do Papa, no alto da cidade de Belo Horizonte, emoldurada pela Serra do Curral ao fundo. Além de ter um dos mais belos por-sol, acompanhado por centenas de pessoas:

20170107_182802_Richtone(HDR).thumb.jpg.84998f2799d1ab384779a639e96e4a52.jpg

20170107_190358_Richtone(HDR).thumb.jpg.d517ff8a75e89baaec4e28e2c38e03a6.jpg

No mais, sem dúvida, a melhor vista de Belo Horizonte também está aqui:

20170107_183422.thumb.jpg.7dbba0a9d9a07952c740dda573351a99.jpg20170107_200841_Richtone(HDR).thumb.jpg.89ece3c45708bf79f4103e47a0b89663.jpg

 

Voltei para o apartamento por volta das 21:00hs, pois no outro dia teria que acordar cedo para não perder o trem para Governador Valadares.

 

Algumas considerações sobre Belo Horizonte:

- Ouro Preto tem uma excelente estrutura urbana (transporte público, opções de lazer noturno, etc), com diversas opções de turismo histórico-cultural e bares/restaurantes.

- Andar pela cidade é uma excelente opção para turistar, ruas amplas e praticamente sem ladeiras e onde qualquer um pode facilmente se localizar em razão da organização bem racional e planejada das vias públicas.

- Fiquei muito pouco tempo na cidade, pequei por não ter conhecido todos os lugares mais interessantes da cidade, mas isso serve como desculpa para voltar em outra oportunidade rsrs

 

08 – 01 – 2017:

Acordei cedo, pois o trem sairia as 07:00 (sem atrasos rs) da estação central de Belo Horizonte, ainda bem que fiquei hospedado bem próximo de lá. Vagões confortáveis, com televisores e tomada individual, além de vagão restaurante e serviço de bordo (almoço incluso):

20170108_064611_Richtone(HDR).thumb.jpg.2a1c0037c7a62f5d47d5a844c1ab34b0.jpg

20170108_070357_Richtone(HDR).thumb.jpg.6b3dc6102eb2da4f44d48d0c88005644.jpg

O melhor dessa viagem de mais de 600km sem dúvida foram as belas paisagens vistas pela janela do trem, minas gigantescas, pontes que desafiam grandes distâncias, bucólicas cidadezinhas a beira da ferrovia, florestas e fazendas:

20170108_081825_Richtone(HDR).thumb.jpg.cce42e2cb82524722d74988efbbe3725.jpg20170108_082131.thumb.jpg.61b5500ff8dc46651607d6ed1fdef12d.jpg20170108_090133_Richtone(HDR).thumb.jpg.4a042cb913d0ec630c8a8f19ac0fe79b.jpg

20170108_095557.thumb.jpg.7da5a5679d8d984d4a960d38608a9a31.jpg

 

GOVERNADOR VALADARES:

08 – 01 – 2017:

Cheguei em Governado Valadares por volta das 15:00hs, Célio Nobre já me aguardava nas proximidades da estação de trem. Próximo destino - Pico da Ibituruna. Objetivo – voo livre de parapente:

Ibituruna.thumb.jpg.5dbaa93253d9f6244aa59bd208c6e547.jpg

Lá de cima além de avistarmos a cidade de Governador Valadares, ainda se tem uma vista em 360º da imensidão dos Gerais, que dão o segundo nome desse tão belo Estado:

20170108_160226_Richtone(HDR).thumb.jpg.012a5bee9f5cab40da9208db6d2f1e00.jpg20170108_161225_Richtone(HDR).thumb.jpg.a00c1b35b0682eb53f81ba52379d465c.jpg

Simplesmente incrível a sensação de liberdade e paz, nenhum resquício de medo ou temor, apenas admiração naquele momento:

2025555456_Voo1.thumb.jpg.faaca19545a0d01a4c343455cad060b4.jpg666338142_voo2.thumb.jpg.a3a4813ba32617d68977bd75cae13e76.jpg968358356_voo3.thumb.jpg.c64ef1df75e282e45c0357ba35643061.jpg

 

Após esse incrível voo, fui ao shopping dar tempo até o horário de ir a rodoviária pegar meu ônibus com destino a Bahia rs

 

Algumas considerações sobre a viagem de trem e Governador Valadares:

- Viagem de trem foi uma das partes mais surpreendentes deste meu périplo mineiro, já que nunca tinha viajado assim, experiência que valeu demais a pena a um custo menor até mesmo que viagem de ônibus. Recomendo demais. Vale a pena ficar algum tempo no último vagão, vista incrível.

- O voo de parapente em Gov. Valadares não tenho palavras para descrever, apenas isso.

 

 

 

 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
Entre para seguir isso  



×