Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Entre para seguir isso  
Lljj

Uma história para levar na mochila (Relato pré-viagem)

Posts Recomendados

Continuando com a série Meus Jeans Viajantes*, trago a citação-tema desta semana. Prontos? Então vamos lá!

Citar

Oh! Quem poderá saber? Seja poupado aquele cujo coração tentou.

A Irmandade das Calças Viajantes, Ann Brashares

Comecei a arrumar as malas... Ou melhor, as mochilas.

Mochilas.thumb.jpg.60eaea56a3854a3b04cf5ed8e5386769.jpg

Meses atrás, quando aprendi sobre a utilidade das mochilas-cargueiras, fiquei alucinada com a quantidade de marcas e modelos. Devo o aprendizado – e parte da loucura – aos tópicos do fórum Mochileiros.com. Meu processo de pesquisa era mais ou menos assim: buscava as mochilas com melhores avaliações em sites → escolhia a marca que trazia mais vantagens → procurava um modelo que se adequasse à minha viagem → escolhia a mochila → pesquisava os comentários sobre ela no fórum → achava uma penca de opiniões negativas → voltava a pesquisar…

Quanto mais demorava para escolher, mais informações – e dúvidas – surgiam para me atormentar. Fiquei presa nesse círculo de pesquisa e indecisão até meados de maio, quando optei por um modelo Escape da Quechua, adaptado ao corpo feminino.

Quechua-Escape.thumb.jpg.c91b465f525119d2799e7a68e209ab1f.jpg

Um peso saiu das minhas costas ao fazer o pedido no site da Decatlon. Recebia as atualizações de entrega sentindo a expectativa de um pai que vai encontrar seu filho – sim, sou exagerada. Quando a mochila foi enviada para a loja em que seria retirada, estourou a greve dos caminhoneiros. A pobrezinha ficou presa em alguma BR; eu fiquei tipo assim:

Eu.jpg.cf966e1fbdadd805bddff5cdbc6e1676.jpg

Os dias se encheram de arrependimento, angústia e tensão enquanto eu ligava de hora em hora para a loja. Ninguém conseguia dar perspectivas de entrega. Quase quinze dias depois de ter feito o pedido, liguei para a central de atendimento solicitando o cancelamento da compra. Dada a situação do estado, que na época estava caótico com a falta de combustível, as lojas aceitavam cancelar até os pedidos fora do prazo. Porém a atendente me ofereceu outra opção: ela transferiria o pagamento para uma mochila que já estivesse no estoque da loja, assim eu só precisaria ir buscar. Enxergando a luz no fim do túnel, topei. Só que essa luz, na verdade, era um trem que vinha na minha direção, pois a mochila não estava no estoque.

Foi isso o que ouvi quando cheguei na loja. Era noite, tinha ido direto do trabalho, e corria o risco de não encontrar ônibus para voltar para casa. O desespero bateu com força, ainda mais ao constatar como as prateleiras estavam vazias e os corredores desertos. Mesmo assim, pedi que fizessem uma busca mais apurada, até me candidatei a ajudar. Era meu suado dinheirinho que estava em jogo.

O sistema apontava duas unidades no mostruário, porém ninguém encontrava as mochilas. Por mais vazia que estivesse, a loja ainda era enorme, e operava com um número reduzido de funcionários – o pessoal não conseguia chegar aos trabalhos.

A atendente me deu carta branca para participar da procura. Desembestada, sai pelos corredores. O cenário lembrava um filme distópico, daqueles pós terceira guerra mundial, no qual os mercados estão revirados e abandonados às traças. Na seção Montanha, as poucas mochilas restantes estavam misturadas entre si. Olhei uma por uma e nada. Olhei de novo para ter certeza. Nada. Mais uma vez por desencargo de consciência. Continuou o nada.

Vencida, cansada e com fome, retornei para a frente da loja. Pensava em cancelar aquela merda de vez quando um manequim atraiu minha atenção. Sim... no manequim! Uma das mochilas estava apoiada nas pernas, a outra, tombada no chão. Catei as duas num desespero que parecia haver quinhentas pessoas disputando comigo a posse delas. Carreguei aqueles trambolhos até a recepção. Fiquei com uma, que abracei como um bebê até chegar em casa.

Ok, nessa altura do campeonato, ainda lembra da citação-tema dessa postagem? Pode voltar lá em cima se quiser conferir. A moral disso tudo é que eu continuo tentando e espero continuar sendo poupada. :-)

 

*Série de postagens inspirada em citações da quadrilogia A Irmandade das Calças Viajantes. Posts anteriores disponíveis no blog www.lljj.com.br.

Texto original em: https://www.lljj.com.br/2018/07/uma-historia-para-levar-na-mochila.html

  • kkkkkkk 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
Entre para seguir isso  



×