Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
iaosp

15 dias pela Nova Zelândia (ilhas norte e sul) de campervan - Inesquecível!!!

Posts Recomendados

Olá pessoal!

Este relato é uma forma de retribuir por todas as informações a que já tive acesso aqui no mochileiros.com. Já foram algumas viagens e sempre busco algo aqui para auxiliar na montagem dos roteiros. Então, nada mais justo do que compartilhar minha experiência pela NZ, que, por sinal, foi espetacular! Foram 15 dias rodando as duas ilhas, grande parte de campervan. Simplesmente conheçam esse país e se surpreendam!!

Confesso que conhecer a NZ não era uma prioridade, sequer estava no top 5 da minha wishlist. Mas, quando apareceu a promoção de vôo SP-Auckland por R$ 2.400,00 (ida e volta com taxas), não pensei duas vezes e comprei e convoquei companhia. Ah, já deixo aqui uma dica: caso ainda não tenham, instalem os apps do Passagens Imperdíveis e Melhores Destinos no seu celular. Foram as notificações desses apps que mostraram essa promoção imperdível!

As passagens foram compradas pela cia Qantas, mas alguns dos voos foram operados pela LATAM. Os voos foram os seguintes:

IDA

Sampa (26/08 18:45) – Santiago (26/08 23:15) – Voo operado pela LATAM em um Airbus A320

Santiago (27/08 01:10) – Auckland (28/08 05:05) – Voo operado pela LATAM em um Boeing 787-8 Dreamliner

VOLTA

Auckland (12/09 06:50) – Sydney (12/09 08:30) – Voo operado pela Qantas em um Airbus A330-300

Sydney (12/09 11:35) – Santiago (12/09 11:10) – Voo operado pela Qantas em um Boeing 747-400

Santiago (12/09 15:26) – Sampa (12/09 19:20) – Voo operado pela LATAM em um Airbus A320

 

Obs: Vocês devem estar se perguntando sobre essa volta maluca, em que fomos primeiro pra Austrália para depois voltar para Santiago, né? Sim, foi uma perda de tempo, mas foi a promoção que conseguimos. Pelo menos podemos falar que conhecemos o aeroporto de Sydney! =D

 

Informações e dicas importantes:

1 – Brasileiros não precisam de visto para entrar na Nova Zelândia para viajar até três meses e também não é exigido certificado de vacinação.

2 – Adquirimos dólares neozelandeses em BH, onde moramos, e levamos tudo em espécie mesmo. Quando compramos a cotação estava 1NZ$ = R$ 2,70. Viajamos com NZ$ 3.700,00, cada. No final da viagem sobrou uns NZ$400,00 para cada, aí esbanjamos em um jantar melhor e em gastos com lembrancinhas. Ainda assim sobrou um pouco e trocamos por dólares americanos no aeroporto de Sydney.

3 – Viajamos de Campervan (chamado pelos kiwis simplesmente de “campa”) pois queríamos ter liberdade de poder parar quando e onde quiséssemos, sem ter um roteiro engessado. Alugamos o camper na Jucy e pegamos o modelo Condo, que contava com fogão, pia, geladeira, duas camas de casal, sofá e com capacidade para até 4 pessoas. Não tinha banheiro. Foi uma experiência nova e valeu super a pena. Contudo, optamos por não fazer a travessia da ilha norte para a ilha sul de barco pois era MUITO CARO (MESMO)! Por isso, fizemos duas locações de camper na viagem: a primeira em Auckland, devolvendo em Wellington e a segunda em Queenstown, devolvendo em Christchurch. Para ir da ilha norte para a ilha sul voamos de Wellington para Queenstown.

4 – Se você vai viajar de Camper pela NZ, você tem que baixar o app Campermate, pois ele irá te auxiliar demais na busca por campsites, postos de gasolina, dump stations, etc. Isso porque viajando de campervan pelo país não se pode parar o carro em qualquer lugar para dormir. Existem os campsites, alguns pagos e outros públicos, mas estes últimos normalmente não oferecem estrutura de banheiro com chuveiros e cozinhas, então durante toda a viagem acabamos ficando nos campings pagos. Por sinal, a maioria deles nos surpreendeu pela limpeza, estrutura, organização e funcionários simpáticos. Pagamos uma média de NZ$22,00 a diária, por pessoa, pelo campsite. Pegamos sempre os powered sites, uma vez que precisávamos de plugar o carro na energia para fazer funcionar o aquecedor durante a noite.

5 – Nosso campervan era movido à gasolina (91 Petrol) e o abastecimento era feito por nós mesmos nos postos. Você chega, para o carro, abastece e, se não quiser pagar na própria bomba com cartão de crédito, vai ao interior da loja de conveniência do posto e informa o número da bomba pro atendente. Para ele você irá fazer o pagamento. Uma dica muito boa: existe uma rede de postos na NZ chamada Mobil que oferece desconto de 6 centavos de dólar no preço da bomba se você tiver um cartão, tipo de fidelidade. Esse cartão você pega nos próprios postos da rede, sem custo. Sempre procuramos abastecer na rede Mobil e conseguimos economizar um pouco mais! Pagamos uma média de NZ$2,20 no litro da gasosa, sendo que na ilha norte, em Rotorua, chegamos a pagar NZ$1,90 e na ilha sul, bem mais cara, uma média de NZ$2,35.  

6 – Dirigir na NZ exige bastante cuidado, principalmente no início. Lá é mão inglesa (tudo pela esquerda) e dá um certo nó na cabeça no início, mas com algumas horas você já acostuma e pega o jeito. É necessário ter sua CNH original e uma permissão internacional para dirigir ou a tradução da CHN para alugar carros no país. Levamos a Permissão Internacional e deu tudo certo!

7 – Fechamos todos os passeios praticamente na hora ou com no máximo um dia de antecedência, utilizando em alguns deles os cupons dos panfletos e revistas para turistas. O único deles que não conseguimos na hora foi o Hobbiton e tivemos que reservar pro dia seguinte pela internet, pagando pelo cartão de crédito, algo que não queríamos, mas tivemos que fazer.

8 - Como viajamos no inverno (agosto e setembro), pegamos dias bastante frios na ilha sul (temperatura entre -1º e 8º, em média) ou seja, se forem nesta época, estejam preparados. Apesar disso, não passamos perrengue com o frio para dormir na campervan, o que era minha preocupação. O aquecedor portátil disponibilizado atende muito bem e aquece até demais!

9 - Se soubesse da facilidade para lavar roupa nos hostels e campings da NZ, teria levado menos roupa. Em todo lugar há maquina de lavar e secar no esquema self-service. Normalmente NZ$4 para lavar e NZ$2 para cada ciclo de secagem de 20 minutos. Muito prático. Usamos bastante durante a viagem!

10 - Segue a planilha elaborada antes da viagem, com todos os custos. Adianto que os custos dos campsites estão todos superestimados e que alguns passeios não foram feitos (como Gloworm Cave em Te Anau), mas ela dá uma boa ideia de gastos. No final das contas, gastamos menos que o previsto. Ao longo do relato colocarei os custos efetivos de cada passeio e tudo mais.

planilha.thumb.png.f780f947f91cb925dfa1e475d5658526.png

Bom, o roteiro resumido da trip foi o seguinte:

26/08 – Voo de Sampa para Santiago

27/08 – Voo de Santiago para Auckland

28/08 – Auckland

29/08 – Auckland à Rotorua (Campervan)

30/08 – Rotorua (Campervan)

31/08 – Rotorua à Taupo (Campervan)

01/09 – Taupo à New Plymouth (Campervan)

02/09 – New Plymouth à Wellington (Campervan)

03/09 – Wellington

04/09 – Wellington à Queenstown (Avião)

05/09 – Queenstown

06/09 – Queenstown à Te Anau (Campervan)

07/09 – Te Anau à Milford Sound à Wanaka (Campervan)

08/09 – Wanaka à Mount Cook (Campervan)

09/09 – Mount Cook à Tekapo (Campervan)

10/09 – Tekapo à Christchurch (Campervan) à Auckland (Avião)

11/09 – Auckland

12/09 – Retorno para o Brasil

 

Vamos ao relato, dia a dia....

 

DIA 01 (28/08) – Chegada em Auckland

Sobre os voos da LATAM, tanto de Sampa a Santiago, quanto de Santiago a Auckland, posso dizer que foram bons, sobretudo o voo no Dreamliner. O único aspecto negativo foi que o voo de Santiago para Auckland durou aproximadamente 13 horas e só serviram duas refeições: um jantar (muito bom – risoto com salmão grelhado e aspargos) logo após a decolagem e um café da manhã pouco antes de pousarmos. Ou seja, ficou um tempão, tipo umas 8 horas sem serviço de comida. Eu confesso que fiquei com MUITA fome e não via a hora de chegar o café da manhã logo.

imageproxy.php?img=&key=eaf2ee9296aa936cIMG_20180827_030308301.thumb.jpg.9af520d294900ca7d228c1bb2ca61a68.jpg

(Jantar no voo da LATAM)

Bom, chegamos em Auckland por volta de 5 da manhã e assim que chegamos no terminal há uma infinidade de folhetos e revistas informativas para turistas. Dica: pegue tudo, principalmente a revista ARRIVAL, pois tem vários cupons de descontos para passeios, bungy jumps, restaurantes, etc.

Ao passar pelo free shop no desembarque logo vimos as empresas de telefonia oferecendo chips para turistas. Já tinha lido antes de viajar que compensava comprar no free shop pois não teria incidência de imposto e seria mais barato. De fato, foi mesmo. Fiz uma pesquisa antes de ir e tinha visto que o pacote de dados de 3GB para 20 dias era NZ$49. Acabou que compramos no free shop mesmo, por NZ$43, o chip da Spark de 3GB e ainda tinha direito a alguns minutos de voz.

Chips comprados, fomos para a fila da imigração. Super tranquilo! No avião eles já tinham distribuído o formulário. Já chegamos com ele preenchido e a fila estava pequena. A agente de imigração fez pouquíssimas perguntas do tipo: quanto tempo vai ficar, veio para cá por qual motivo, etc. Sem mistério algum e em poucos minutos, ENTRAMOS NA NZ!!

Já sabíamos que havia um shuttle que saía do aeroporto e nos deixaria perto do nosso hotel e nos dirigimos até o guichê. A empresa chama SkyBus e o trecho aero-centro custa NZ$18. Existem vários pontos de parada e havia um a um quarteirão do nosso hotel. Ficamos no Ibis Budget Central, bem perto da SkyTower. Achamos a localização excelente. É um hotel simples, mas atende demais para quem só precisa de cama para dormir e chuveiro quente.

Nesse dia, chegamos no hotel por volta de 7h, bem antes do horário de check in. Por isso, nos foi cobrada uma taxa adicional para entrar no quarto, algo em torno de NZ$30. Aceitamos pois estávamos cansados após viajar mais de 20h e precisávamos de um banho.

Logo em seguida saímos para procurar um lugar para tomar café da manhã. Ficamos andando pelas ruas perto do hotel e os estabelecimentos ainda estavam abrindo. Achamos um pequeno lugar chamado Our Café, na Hobson Street, cujos donos eram uma família de chineses, todo muito simpáticos e divertidos. No dia seguinte voltamos no local pra tomar café da manhã novamente. Um café da manhã caprichado (2 torradas, linguiça, macarrão enlatado, bacon diferente, ovo, hash brown) era NZ$10.

Depois de encher o bucho, fomos caminhando pelos arredores para conhecer a cidade. Pegamos depois um ônibus para o Mount Eden, que é a cratera de um vulcão inativo de onde se tem uma vista panorâmica de Auckland. Passeio de graça e que vale muito a pena. Lindíssimo!

IMG_20180828_100829121_HDR.thumb.jpg.39b1ac31ecb9e45a5bc7debff9242e1b.jpg

DSC_0108.thumb.JPG.d2a38ee3f164c2f457b5784f4b37ea57.JPGIMG_1192.thumb.JPG.4ccb4f1dc2c4ef31590f833d8d935abb.JPG

(Fotos no Mount Eden)

Voltando do Mount Eden, caminhando, encontramos um restaurante tailandês (Khao San Project) e não pensamos duas vezes para entrar e pedir um Pad Thai (saudades da Tailândia!!). Pagamos uma promoção de NZ$10 pelo prato. Muito bom e permitiu que relembrássemos o gostinho da comida tailandesa. 

aa57d8e8-30b4-4f69-8218-5df2b208c5f3.thumb.jpg.b7029dedb24ccfe8a5642f9e85ebaa8f.jpg

(Pad Thai)

Nesse mesmo dia em Auckland fomos à SkyTower, a maior torre do hemisfério sul. O ticket para subir na torre custa NZ$29, mas com o cupom de desconto da revista ARRIVAL conseguimos baixar um pouco esse valor, mas não lembro quanto. Vale a pena o passeio? Achei cara a entrada (como a maioria das coisas na NZ), mas é um passeio meio que indispensável. Apesar de termos pegado um dia nublado e com um pouco de chuva, tem-se uma vista linda da cidade, bem legal. Há um restaurante panorâmico no topo da torre, caro para os padrões de mochileiro. 

IMG_20180828_180201149.thumb.jpg.4cc66a3421694d0480ac1b42a9546237.jpg

IMG_20180828_154337989.thumb.jpg.f30401896471a0312bb77e8e211c5e9d.jpg

(SkyTower)

Depois da SkyTower fomos comer e depois cama, pois o cansaço era enorme. Comer na NZ não é nada barato. Acabou que durante a viagem abusamos dos fast-foods, principalmente Burger King e Dominos que tinham promoções por NZ$5.

 

Continua...

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Eae, blz?

Entao, você chegou a planejar +- o quanto cada um iria gastar? Pelo qual motivo vocês decidiram levar dinheiro em espécie e não usar o cartao de credito?

Estou planejando meus roteiros para a viagem em Fevereiro/2019, ficarei 17 dias, e ai estou em dúvida se devo utilizar cartão de crédito ou levar dinheiro em espécie... Não acabou sendo desconfortável levar dinheiro em espécie?

Vlew!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Seja [email protected] ao Mochileiros.com

    Faça parte da maior comunidade de mochileiros e viajantes independentes do Brasil! O cadastro é fácil e rápido! 😉 

×