Ir para conteúdo

Argentina e Uruguai (Buenos Aires - Colonia - Montevideo) - 10 dias


Posts Recomendados

  • Membros

Depois de pegar muita informação aqui no fórum, me sinto na obrigação de retribuir postando um humilde relato da viagem que fiz agora em dezembro. Fomos eu, minha esposa e meus pais. Acabou que fiz tipo um diário da viagem, por isso ficou muito grande e talvez um pouco cansativo, me perdoem por isso. De qualquer forma, espero ajudar os amigos daqui.

 

O vôo da TAM estava marcado para sair do Rio dia 13/12 às 17:48, mas decolou quase 23:00. Na situação do momento, “pelo menos não foi cancelado”. Chegando em BsAs, fizemos o câmbio no Banco de La Nacion do próprio aeroporto, com a cotação a R$ 1,00 = A$ 2,25, e contratamos o serviço de Remis do Transfer Express por A$ 207,00 (Éramos quatro e precisou de um carro maior, por causa das malas). Carro maior, preço mais caro.

 

Em BsAs ficamos no Hotel Mundial (http://www.mundialhotel.com.ar/PT/hotel.html). O hotel é simples e os quartos são pequenos, mas a cama é muito confortável, o chuveiro é ótimo e a localização é muito boa (Apesar de não ser no Centrão). Fica na Av. de Mayo, pertinho da 9 de Julio e da Praza Del Congreso. Tem diversos bares e restaurantes próximos ao hotel, além de um mercadinho (meio vagabundo). Outro diferencial do hotel, o café da manhã é muito bom. Segura a onda por um bom tempo. Além disso, o preço é excelente! Pagamos R$ 117,00 na diária do quarto duplo. Resumindo, achei o custo benefício muito bom!

 

1º dia: (Microcentro / Puerto Madero / Florida / Plaza San Matin)

 

Do hotel fomos andando pela Av de Mayo até a Plaza Del Congreso. O prédio do Congresso é mesmo muito bonito e imponente. De lá pegamos e metrô até o Centro pela famosa “Linha A”, o metrô mais antigo da América Latina. Esse metrô é uma atração à parte, visual bem diferente e muito interessante. Detalhe a viagem de metrô custa A$ 1,10. No Centro conhecemos a Casa Rosada e a região e fomos dar uma volta por Puerto Madero. O lugar é realmente muito bonito e o “clima” é super agradável. Depois voltamos para o Centro e subimos pela Calle Florida (minha mãe entrava em todas as lojas). Almoçamos num restaurante chamado “La Posada de 1820”, comida boa e ambiente bacana. Após o almoço continuamos pela Florida, conhecemos a Galeria Pacífico e subimos até a Plaza San Matin. Essa praça é muito bonita e bem cuidada, passamos um bom tempo nela descansando e apreciando a tranqüilidade. Antes de chegar à praça nossa primeira experiência com o famoso sorvete FREDDO. Realmente é tudo aquilo que falam, fantástico! Obviamente experimentei o de “Dulce de Leche”! Voltamos de metrô (lotado) para o hotel pra descansar um pouco (Havíamos chegado as 3:30 da manhã no hotel). À noite demos uma volta por perto do hotel, pela 9 de Julio e redondeza. Comemos pizza numa pizzaria muito barata, e a pizza era até boa. Depois ainda tomamos uma casquinha (Cono) de doce de leite no McDonalds, muito boa!

 

Gastos do dia (Casal) – Em pesos argentinos

Metrô – 4,40

Almoço – 130,00

Freddo – 20,00

Água – 4,00

Adaptador para tomada – 5,00

Mercado – 20,00

Jantar – 20,00

McDonalds – 3,50

 

2º dia: (Bus Turístico / La Boca / Bombonera / Recoleta)

 

De novo de metrô para o Centro, lá pegamos o ônibus turístico na Diagonal Norte com Florida. Achei esse ônibus turístico uma opção interessante, tem a explicação dos pontos turísticos em português (gravação) e com isso vc entende melhor a história do lugar e dos monumentos. O segundo andar é aberto e proporciona uma vista legal da cidade. E o legal é que vc pode sair e voltar para o ônibus livremente nas paradas. Informações http://www.buenosairesbus.com/. Saltamos na parada de San Telmo, mas não conhecemos nada por lá, só passamos no McDonalds pra mais uma casquinha de doce de leite. Hehehehe Embarcamos no próximo ônibus para ir ao Caminito (La Boca). Andamos por lá, parando em cada lojinha de souvenir, tentando ver cada pedacinho daquelas duas ruas confusas. O lugar é bem interessante e curioso, e vale muito a pena gastar tempo observando cada detalhe, cada “beco”. DICA IMPORTANTE: NÃO tire foto com uns casais vestidos de dançarinos de tango! Se for tirar, combine o preço antes para não ser “extorquido” como nós fomos! Eles já chegam te colocando o chapeuzinho e se vc não falar nada, e só bater a foto, depois te cobram na cara de pau mesmo. ::grr::

 

Almoçamos em um pequeno restaurante na rua que vai do Caminito ao La Bombonera chamado “La Rinconcito”, comida boa e barata. No Caminito mesmo tem uns restaurantes com shows de Tango que devem ser legais, mas mais caros tb. Depois do almoço fomos andando até o La Bombonera (muito perto do Caminito) e compramos a visita ao Museu + Estádio. Confesso que a visita ao estádio foi menor do que imaginava, pq não se entra nos vestiários e nem no campo, mas de qualquer forma é uma visita obrigatória para quem é fã de futebol. O guia da visita é muito figura, disse que no Brasil é corinthiano e ficou o tempo todo zoando um são paulino, não sei como o cara não apelou. Enfim, mesmo sendo menos do que eu esperava, valeu muito a pena.

 

Voltamos para o Caminito e pegamos o Ônibus Turístico para completar o roteiro do ônibus. Passou pelo Parque Costanera Sur, Puerto Madero, Palermo, Plaza Itália e Recoleta, onde ficamos. Conhecemos o Buenos Aires Design e a redondeza do cemitério, não entramos pq já estava tarde. De lá andamos (muito) descendo a Av Callao. Visual bem bacana do bairro, lembrando um pouco a Nossa Senhora de Copacabana, no Rio. Andamos até a Av. Corrientes (eu acho) e pegamos o metrô de volta para o hotel. Não saímos para jantar esse dia e comemos uns sanduíches no hotel mesmo.

 

Gastos do dia (Casal) – Em pesos argentinos

Metrô – 4,40

Bus Turístico – 140,00

Extorsão nas fotos – 40,00

Almoço – 100,00

La Bombonera (Visita) – 80,00

McDonalds / Águas / Quilmes / Refris – 34,00

Lembrancinhas – 75,00 (Caminito é ótimo pra comprar lembrancinhas pros amigos!)

 

3º dia: (Delta do Tigre / Puerto Madero)

 

Programamos ir ao Delta do Tigre neste dia. Resolvemos ir de trem “normal” e voltar no Tren de la Costa. Saímos do hotel e fomos de metrô até a estação de trens do Retiro (Tipo a Central do Brasil - RJ). De lá pegamos o trem direto para Tigre (1 hora de viagem). Chegamos em Tigre e andamos um pouco perto da estação de trem, que parece ser o “centro”, tomamos um segundo café da manhã no McDonalds e fomos procurar um jeito de pegar algum barco para conhecer o delta e os rios. Sem ter idéia de como comprar o bilhete ou para onde ir, paramos em um quiosque de uma empresa de turismo que enfim nos explicou como funciona. Tem uns passeios que vc só anda de barco e volta e uns passeios onde vc para em alguma ilha (num restaurante) e pode andar pela ilha e depois comer no restaurante, escolhemos esse e compramos nesse quiosque mesmo. O preço foi de 25,00 pesos (ida e volta), e se vc consumisse mais que 25,00 pesos no restaurante, ganhava um desconto de 5 pesos.

 

Vc não precisa comprar de alguma empresa de turismo, pode comprar no guichê da própria empresa de transporte, mas vc precisa saber para onde ir e é meio complicado. Quando vc entra no barco e o barco sai, vem um cara perguntando pra onde vc vai, basta mostrar o bilhete. Na sua parada o cara avisa. Mas preste atenção!

 

Chegando no restaurante (El Remanso) andamos um pouco pela ilha apreciando a paisagem. O lugar é simplesmente fantástico, lindo. As casas todas muito bem cuidadas, é realmente um lugar muito diferente do eu já tinha visto. Voltamos para o restaurante e almoçamos um peixe delicioso. Depois ficamos por ali esperando o barco de volta para Tigre.

 

Em Tigre fomos andando até a estação do Tren de La Costa e o pegamos de volta para BsAs. O Tren de la Costa não vai até o Centro de Buenos Aires, a estação final dele é em Olivos (Se não me engano), mas faz “baldeação” com o trem “comum” na estação Bartolomé Mitre, que vai até o centro de Buenos Aires, na estação central do Retiro.

 

Obs.: O Tren de La Costa só vale a pena para quem está com tempo para parar nas estações pelo caminho, já que vc pode sair e voltar para o trem quantas vezes quiser. Há pelo menos duas estações que parecem que vale a pena conhecer, San Isidro e Barracas, além de outra que tem uma feria de antiguidades nos finais de semana (Não descemos em nenhuma). Se vc não for parar e descer nas estações, não vale a pena pegar o Tren de La Costa, é melhor voltar no trem comum que é 10x mais barato e volta direto. Outra coisa, tem uma empresa de turismo em Buenos Aires que faz um passeio para Tigre indo no Tren de La Costa e voltando de barco até BsAs, com um passeio de barco pelo Delta do Tigre incluso, não lembro o valor exato, mas não era muito caro. A empresa é a http://www.sturlaviajes.com.ar/new2/

 

Tigre foi talvez o melhor passeio da viagem.

 

Chegando à estação Retiro pegamos um taxi para o Puerto Madero, desta vez para conhecer com mais calma, tirar fotos (no primeiro dia ficamos sem bateria) e ficar a toa curtindo a tranquilidade e beleza do lugar, simplesmente relaxando. Passar um fim de tarde em Puerto Madero é programa obrigatório. Aproveitamos e compramos as passagens do BuqueBus para Colônia.

 

Dica: Na estação de trens de Retiro tem uma loja de artigos esportivos (tênis, camisas, shorts) muito grande e com os preços muito bons.

 

À noite fomos jantar num restaurante pertinho do hotel chamado “La Posada”. Comida muito gostosa e ambiente super agradável.

 

Gastos do dia (Casal) – Em pesos argentinos

Metrô – 4,40

Trem para Tigre – 2,70

McDonalds – 15,00

Passeio no Tigre – 50,00

Almoço – 80,00

Tren de La Costa – 30,00

Alfajores / Água / Chicletes – 10,00

Trem comum de volta para Retiro – 2,20

Taxi para Puerto Madero – 15,00

Jantar – 130,00

 

4º Dia: (Basicamente compras)

 

Como o dinheiro (Pesos) estava acabando, fomos de manhã trocar mais. Novamente no Banco de La Nacion (No Centro) e estava a mesma cotação (R$ 1,00 = A$ 2,25). Voltamos para o hotel e embarcamos na furada que é o “Tour de Compras” gratuito, anunciado num flyer na portaria do hotel. O motorista te busca e te leva em umas lojas de artigos de couro e roupas de marca. O negócio é muito esquisito, as lojas não tem nem placa e só abrem por dentro (toca o interfone o motorista se identifica e alguém abre a porta), quem passa na porta nem imagina que tem uma loja ali. Os preços de couro não achei muito bons e as roupas de marca estavam muito com cara de falsificadas. Depois que o motorista percebeu que não iríamos comprar mesmo, fechou a cara e cortou o assunto. Hahahahahahaha

 

Por fim, pedimos que nos levasse de volta ao hotel. Eu já tinha lido que o melhor lugar para comprar couro é na Calle Murillo, então pegamos a informação no hotel de como chegar e fomos de metrô.

 

Eu não fui para comprar e só compraria se achasse alguma coisa bem em conta, com o preço bem melhor do que aqui, o que não foi o caso. Os preços são pouco melhores que aqui no Brasil. Ainda vale a pena? Sim, vale. Mas não espere comprar uma boa jaqueta de couro por R$ 150,00 ou 200,00, vc não vai achar.

 

Almoçamos na região mesmo, num lugar chamado Pizza Crespo, simples e barato. Comemos um menu executivo que tinha prato do dia, refrigerante e sobremesa (Muitos restaurantes tem essa opção). De sobremesa sorvete. É impressionante como até os sorvetes mais simples e menos famoso lá são muito bons!

 

Depois fomos subindo a Gurruchaga até mais ou menos a altura da Aguirre, lá estão as melhores lojas outlets (Puma, Lacoste, La Martina, Timberland, etc). Os preços realmente são bons, tênis da Puma por R$ 130,00 em média, comprei um moletom por menos de R$ 80,00, minha esposa comprou uma bolsa de couro da Puma por menos de R$ 80,00. Quem tem costume de comprar roupa de marca cara aqui, eu não tenho, acha aquilo um paraíso. Polós da Lacoste por R$ 100,00/120,00, terno Yves Saint Laurent por R$ 500,00, camisas Calvin Klein e Ralph Lauren muito baratas tb (comparando com o preço aqui). Depois subimos para a Córdoba onde ficam os outlets da Nike e Adidas e algumas outras boas lojas. Como não sou de gastar muito dinheiro com roupa de marca, não comprei muita coisa. Voltamos de taxi para o hotel e a noite jantamos em uma pizzaria perto do hotel mesmo.

 

Gastos do dia (Casal) – Em pesos argentinos

Metrô – 4,40

Almoço – 70,00

Taxi – 25,00

Jantar – 50,00

Águas – 9,00

Ps: Naturalmente, não estou contando as compras.

 

5º Dia: (Palermo / Abasto / Tango)

 

Este foi o único dia que o tempo ficou nublado. Saímos cedo do hotel e fomos de metrô para Palermo. Descemos na estação Plaza Italia, que é uma praça muito bonita. De lá fomos conhecer o Jardim Botânico, que é um lugar bem grande e muito bonito, bem tranqüilo. De lá seguimos pela Av. Sarmiento até chegar ao monumento “A Los Españoles” e na grande área verde de Palermo. Ali ficamos um tempo só curtindo o lugar e relaxando. Depois fomos andando até o Jardim Japonês que é um lugar muito bonito e bem cuidado, vale a visita. De lá fomos andando pela Av. Del Libertador, curtindo os diversos parques, praças e áreas verdes, até chegar na altura da Plaza Francia, já na Recoleta. Uma dica: Depois descobrimos que existe aluguel de bicicletas naquela região. Certamente seria menos cansativo fazer o percurso de bicicleta. Hehehe

 

Almoçamos em um restaurante do outro lado do cemitério. Comi uma “Milanesa” que não estava muito boa, mas a carne que meu pai pediu estava boa. Depois do almoço eu queria ir ao cemitério, mas como era aniversário da minha mãe, ela pediu para ir em algum lugar para ela fazer umas “comprinhas” (Quero ver gente viva e não gente morta, disse ela. Hehehe). Então pegamos um taxi para o Abasto Shopping. É um shopping nada diferente dos shoppings daqui, a única coisa interessante foi ver a loja Zara, que aqui é bem cara, e lá é praticamente uma C&A. Votamos de taxi para o hotel.

 

À noite fomos ao show de Tango. Optamos pelo “Sabor a Tango”, só o show, sem o jantar. O lugar do show, um antigo teatro, é muito bonito e o show é inesquecível, mas ficamos em uma mesa bem longe do palco, e a visão do palco não era das melhores, o que fez eu me arrepender de ter escolhido essa casa. Destaque tb para o preço de 30,00 pesos por uma garrafa de refri de 295ml!!! ::ahhhh:: O show foi bom, mas eu recomendaria ir numa casa mais “famosa”.

 

Ps: O hotel marcou o show pra gente, o que nos deu o translado de ida e volta para o lugar do show.

 

Gastos do dia (Casal) – Em pesos argentinos

Metrô – 4,40

Entrada Jardim Japonês – 16,00

Água / Refri – 8,00

Almoço – 70,00

Taxi Recoleta – Abasto – 15,00

Taxi Abasto – Hotel – 16,00

Show de Tango – 280,00

Jantar – 80,00

 

6º Dia: (Colonia Del Sacramento)

 

Acordamos cedo e fomos de taxi para o porto pegar o Buque Bus pra Colonia (Buque Lento – R$ 140,00 – Casal). A espera para embarcar e depois pra “zarpar” foi um pouco longa, mas a viagem no Buque é divertida e muito confortável, e no free shop do barco se encontra preços atrativos. Chegamos em Colônia pouco antes do meio dia (fomos no Buque lento) e pegamos um taxi para a pousada. Deixamos as malas na pousada, tomamos um banho e saímos pra almoçar. Almoçamos no restaurante El Porton, que eu recomendo (Fica na avenida principal da cidade, perto do Bairro Histórico). Comida muito gostosa e preço muito bom!

 

Depois do almoço fomos andando meio sem rumo pela parte velha de Colonia, só curtindo o visual das ruas, das casas, das flores... A cidade é inacreditavelmente linda! Fomos no aquário, no farol, de onde se tem uma vista fantástica da cidade inteira, na famosa Calle de los Suspiros, enfim andamos muito pela parte velha da cidade, sempre sem se preocupar muito com o rumo, só curtindo. Colonia é fantástica, o clima do lugar parece mágico, a cidade parece que parou no tempo, pelas casas e pelos inúmeros carros antigos espalhados pela cidade. Acredito que seria o lugar ideal para uma lua de mel. Mais tarde meus pais voltaram pra pousada e fui com a patroa curtir o belo por do sol no píer. À noite jantamos no bairro histórico, não lembro o nome do restaurante, é exatamente ao lado do El Drugstore. Comemos massa, que estava excelente, e o ambiente tb era nota 10. Depois ficamos andando a toa pela cidade. O bairro histórico à noite é muito interessante e romântico, pois as ruas têm pouca iluminação, imitando a época antiga.

 

Acho que qualquer coisa que eu escrever sobre Colonia não fará jus à beleza e magia de lá.

 

POUSADA: Em Colonia ficamos na “Posada Del Rio”. Pousadinha muito simples, café da manhã fraco, porém bem localizada, bem perto do bairro histórico. Como só ficamos uma noite, deu pro gasto, mas recomendo “arriscar” em outra pousada. O valor que pagamos foi em torno de R$ 140,00 a diária.

 

Gastos do dia (Casal) – Em pesos argentinos (Em Colonia aceitam-se Pesos Argentinos e Uruguaios, e tb Reais)

Taxi para Buque Bus – 16,00

Comida no Buque – 50,00

Taxi para pousada – 18,00

Almoço – 80,00

Sorvetes / Água / Refri – 40,00

Entradas (Aquário e Farol) – 14,00

Lembrancinhas – 30,00

Jantar – 110,00

 

7º Dia: (Colonia Del Sacramento x Montevideo)

 

Após o café alugamos um carrinho de golf para rodar pela cidade. Como estávamos em quatro pessoas optamos pelo carrinho de golf, mas tb alugam scoters, o que eu acho mais legal. O aluguel pode ser por hora ou diária e o valor já inclui gasolina. Aproveitando o carrinho, fomos até a rodoviária (Ao lado do Porto) comprar as passagens para Montevideo e trocar dinheiro. (Pegamos a cotação de R$ 1,00 = 10,50 Uruguaios). Compramos a passagem na empresa COT para às 16:00. De lá pegamos a Rambla Costanera e fomos seguindo na incrível velocidade de 20km/h (máxima do carrinho de golf) apreciando a praia e as belas casas. Seguimos até a Plaza de Toros, que é uma bela construção abandonada onde se realizavam touradas. Infelizmente o acesso à área interna é fechado e proibido. Na verdade existe um belo furo na cerca onde se consegue passar para área interna com facilmente, mas preferi respeitar a proibição e não entrar. Foi até bom, pq tinha uma viatura da polícia bem perto dali e eu não tinha visto. Dali visitamos o Museu dos Naufrágios, que é um museu bem interessante, que conta um pouco da história das guerras marítimas e dos naufrágios que aconteceram naquela região, além de mostrar um pouco como era a vida dos piratas e como é a vida dos “caçadores de tesouros” do mar. Realmente é muito interessante.

 

Na volta minha esposa cismou de parar em alguma praia do Rio da Prata pra entrar na água. Paramos então quase chegando de volta em Colonia e ela pôde entrar um pouco na água. Pra quem tem tempo sobrando em Colonia é até gostoso curtir uma “praia de rio”.

 

De lá voltamos ao centro e almoçamos no mesmo restaurante El Porton do dia anterior. Desta vez comemos a Parilla típica uruguaia, mas eu particularmente não gostei muito, tinham muitas partes tipo “miúdos” que não me agradam.

 

Após o almoço pegamos as malas que ficaram guardadas no hotel e aproveitamos o carrinho para levá-las à rodoviária. Devolvemos o carrinho de golf no porto (ao lado da rodoviária – vc pode pegar o carrinho num lugar e entregar em outro) e pegamos o ônibus para Montevideo. O ônibus é tão confortável quanto um bom ônibus de viagem aqui do Brasil e as estradas são ótimas. Duas horas depois estávamos desembarcando no terminal rodoviário de Tres Cruces, em Montevidéu. De lá pegamos um taxi para o hotel e descansamos um pouco.

 

Após um cochilo fomos caminhando até a “Rambla” (o hotel ficava a três quadras da Rambla). Curtimos um lindo por do sol em família e ficamos um tempo batendo papo e relaxando. É curioso como as pessoas lá aproveitam a cidade. A Rambla estava lotada de pessoas caminhando, andando de bicicleta ou patins, ou simplesmente sentadas jogando conversa fora, sempre com o tal mate nas mãos, ou com uma Patrícia. E isso em plena segunda-feira!

 

De lá andamos até a altura do Parque Rodó e comemos em um restaurante ao lado do parque de diversões. Experimentamos o famoso Chivito e não nos arrependemos. Depois voltamos de táxi ao hotel.

 

HOTEL: Em Montevidéu ficamos no Hotel Iberia (http://www.internet.com.uy/hoiberia/home.html) e gostamos muito. Quarto bonito e confortável. Bem localizado, apesar de ficar em um bairro antigo (Barrio Sur) e meio pobre. Fica a três quadras da Rambla e da avenida principal (18 de Julio). Fica próximo tb da Ciudad Vieja. O café da manhã é cobrado a parte e opcional e a dona (Sylvia) é extremamente simpática e atenciosa. O hotel tb tem computador e internet de graça na área comum. Não tem elevador, é isso é meio ruim, mas eu recomendo com força o hotel. A única forma de fazer a reserva é mandando e-mail para eles. O valor é o informado no site.

 

Gastos do dia (Casal) – Em Reais

Aluguel Carrinho de Golf – 45,00

Passagem para Montevideo – 40,00

Entrada Museu dos Naufrágios – 8,00

Almoço – 60,00

Taxi Terminal Tres Cruces ao Hotel – 12,00

Jantar – 40,00

Taxi Restaurante ao Hotel – 9,00

 

8º Dia: (Centro e Ciudad Vieja)

 

Não tomamos café da manhã no hotel e sim em um restaurante próximo. Estava bom, mas no hotel provavelmente seria mais econômico. Fomos andando pela 18 de Julio até a entrada da Ciudad Vieja. Ali tem a bela Plaza Independencia, onde tem o Mausoléu ao Artigas e a Puerta de La Ciudadela. Dali fomos andando pelas ruas da Ciudad Vieja. É um lugar interessante, com belas construções antigas, mas tem uma coisa curiosa, a parte “de cima” está super bem cuidada, renovada, mas a parte “de baixo”, mais próxima ao rio, parece largada, abandonada e deserta. Fomos ao Museu de Arte Pré Colombiana, interessante. E depois seguimos até o Mercado do Porto, que é um lugar bem “pitoresco”. Lembra o Mercado Central de BH, mas com os restaurantes mais organizados e melhores. Meus pais não quiseram comer lá e por isso almoçamos em um fast food de comida mexicana, voltando para o Centro (Ainda na Ciudad Vieja). Depois voltamos para o Centro e ficamos passeando por ali. Minha mãe e esposa entrando em cada loja. Rsrsrs.

 

Dica para as mulheres: Tem uma loja chamada Emporium Indian (ou alguma coisa assim) que tem roupa feminina muuuuito barata! Minha esposa e minha mãe “se perderam” nessa loja.

 

De noite fomos de taxi até Pocitos e comemos uma pizza. Depois ficamos na passeando pela “orla”. Voltamos de taxi para o hotel.

 

Gastos do dia (Casal) – Em Reais

Café da Manhã – 20,00

Águá / Refris / McDonalds – 20,00

Entrada Museu – 6,00 (Brasileiros e outros membros do Mercosul pagam meia)

Almoço – 17,00

Mercado – 21,00 (Café da manhã do dia seguinte e outras bobeiras)

Taxi ida Pocitos – 17,00

Taxi volta Pocitos – 14,00

 

9º Dia: (Parque Rodó / Punta Carretas)

 

Tomamos o café da manhã comprado no mercado no dia anterior e fomos de taxi para o Parque Rodó. Aproveitamos e marcamos com o taxista para nos levar no dia seguinte no aeroporto. O Parque Rodó é um lugar muito agradável e bonito, uma grande área verde no coração de Montevideo. Ficamos um tempo só curtindo o lugar. Dali fomos andando até o shopping Punta Carretas (Minha mãe adora shopping, pro desespero do meu pai! Hahahah) e lá almoçamos. Depois meu pai cismou de voltar ao Mercado do Porto só para comprar alfajor em uma loja que ele já tinha ido no dia anterior. Voltamos ao Hotel de demos mais um passeio com por do sol pela Rambla, tipo uma despedida e jantamos em um restaurante no centro chamado Facal. Muito bom.

 

Gastos do dia (Casal) – Em Reais

Taxi para Parque Rodó – 7,00

Almoço – 40,00

Taxi para Mercado do Porto – 15,00

Alfajores – 18,00

Água / Cerveja / Gatorade – 11,00

Mercado – 17,00

Jantar – 65,00

 

10º Dia: (Volta pra casa)

 

Mais uma vez tínhamos passado no mercado no dia anterior e tomamos café no quarto. Só esperamos a hora marcada com o taxista, que chegou exatamente no horário combinado e fomos para o aeroporto. Ele foi seguindo toda a orla e pudemos ver como são bonitas as praias mais afastadas do centro de Montevidéu. O valor pago pela viagem do hotel ao aeroporto foi de R$ 40,00 (bem barato) e o taxista (Sr. Roberto) muito gente boa.

O vôo de volta foi tranqüilo e pontual. O chato foi a conexão em SP, com uma espera (já sabíamos disso) de 5 horas.

 

 

Considerações Gerais:

 

- Achei as cidades bem "seguras" de uma forma geral. Em nenhum momento me senti inseguro, ou com receio, mas vale ficar atento, principalmente a noite, e evitar áreas mais desertas.

 

- Esse papo de que argentino não gosta de brasileiro é tudo conversa fiada! Não senti isso em momento nenhum, muito pelo contrário, todos sempre foram muito simpáticos. Duas vezes nos ofereceram ajuda para nós localizar e nem pedimos!

 

- Os argentinos adoram conversar, principalmente os taxistas. Difícil é fazê-los parar de falar! :lol:

 

- Buenos Aires é uma cidade muito fácil de se locomover e se achar. Com a ajuda de um bom mapa vc não se perde nunca!

 

- Os uruguaios são muito simpáticos e parece que adoram brasileiros, fomos super bem tratados lá. A impressão que dá é que eles são muito parecidos conosco, parece ser um povo mais caloroso.

 

- Não tivemos nenhuma dificuldade com o idioma, apesar de não conhecer bem o espanhol. Eles entendem muito bem o "portunhol" e com um pouquinho de esforço a gente entendia tudo tb. A maior dificuldade é na hora de pedir comida nos restaurantes, muita coisa no cardápio vc não consegue saber o que é, mas os garçons tem a boa vontade de tentar explicar. Procure um pequeno "dicionário espanhol-portugues de alimentos e comida" antes de ir. :D

 

- A comida em Buenos Aires é feita com pouco sal (para os nosso padrões), mas é bem gostosa. Experimente tb as massas, que são deliciosas e bem leves! No Uruguai a comida já é um pouco mais temperada.

 

- Não sei postar fotos aqui. :oops:

 

That's all Folks! Se quiserem perguntar alguma coisa, terei prazer em ajudar. (Isso é, se alguem conseguiu ler todo esse livro :lol: )

  • Gostei! 1
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

Olá,

adorei seu roteiro...

estou programando minhas ferias para junho...

e quero ir para Montevideo, colonia e Buenos...

vai me ajudar muito suas dicas...

uma duvida: em montevideo vc só usou pesos? ou em alguns lugares aceitam reais?

caso eu lembre de mais alguma coisa te pergunto.

valeu!!!

Luciana

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 3 semanas depois...
  • Membros
Olá,

adorei seu roteiro...

estou programando minhas ferias para junho...

e quero ir para Montevideo, colonia e Buenos...

vai me ajudar muito suas dicas...

uma duvida: em montevideo vc só usou pesos? ou em alguns lugares aceitam reais?

caso eu lembre de mais alguma coisa te pergunto.

valeu!!!

Luciana

 

lciossani, em Montevideo é mais difícil vc achar lugar que aceita real, é melhor trocar seus reais por pesos uruguaios mesmo. Se não me engano, peguei a contação de R$ 1,00 = 10,80 Uruguaios.

 

Desculpe a demora em responder.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 2 semanas depois...
  • 11 meses depois...
  • 2 meses depois...
  • Membros
Muito bom os seus relatos. Só fiquei com uma dúvida, o Banco de La Nacion funciona 24 horas por dia todos os dias da semana ?

 

Renatus, desculpe a demora em responder.

 

O do aeroporto (Ezeiza) parece que fica aberto 24 hs x 7 dias da semana, já o do Centro (ao lado da Casa Rosada) funciona no horário bancário deles, que acho que é de 10:00 as 15:00.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 2 anos depois...

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

×
×
  • Criar Novo...