Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''bruges''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas e Respostas
    • Destinos - Perguntas e Respostas
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Companhia para Viajar
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo e Mochilão roots
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação

Encontrado 3 registros

  1. MauroBrandão

    Bruges

    Desapareceu os informes de Bruges , por esta razão estou recolocando aqui as informaações desta lindíssima cidade, chamada a Veneza da Bélgica, é uma cidade que da para conhecer em um dia mas para curtir 2 dias, fica a poucas horas de Bruxelas. BRUGES Pegamos o trem na madruga, preço L$ 21,00 para ir até Dover, pegamos o rápid speed L $ 15,00 e atravessamos o canal da mancha, até Calais, na França. Alugamos um carro e fomos a Bruges,detalhe, nem vimos a passagem da fronteira entre a França para Bélgica. Chegamos a Bruges umas 11;00 hora, é uma pequena cidade medieval com canais como Veneza, da para conhecer em um dia folgado, conhecer não curtir, a cidade é muito linda e merece uma esticada de Bruxelas até lá, fica aproximadamente 01.30h de trem, o ponto central é a praça que é inteirinha rodeada de prédios medievais assim como toda parte turística entre os canais, que só podem ser admirados num passeio de barco. Bruges é chamada a Veneza da Bélgica toda cortada por canais com muitos prédios antigos. A praça onde está o prédio da prefeitura construído em 1376 é um ponto de destaque, onde se encontra um museu com muitas obras de arte, entre as atrações, na capela, tem um pedaço de linho com as gotas de sangue de Jesus, não fui para conferir, o que chama atenção também é a torre medieval construída no século 13 entre outras os portões medievais em volta da cidade, o Museu da Cerveja, Museu Groeninge entre tantas. no fim do dia nos procuramos um albergue que constava na relação Albergues da Juventude ficava próximo a uma estação Aeólica, parece que já esta fora da listagem do albergue da juventude, ainda bem, tem um cheiro de enxofre muito desagradável, (um fato a parte) pedimos um quarto duplo individual (tinha 3 beliches) quando retornamos as 23.00 horas tinha um casal dormindo juntos numa cama de solteiro( beliche superior) e duas garotas 18 anos dormindo uma em cada cama superior dos beliches restantes, moral tivemos que dormir de roupa com um calor infernal, e as meninas passaram a noite inteira reclamando de ronco do meu amigo he he He. O casal não agüentou, levantaram na madruga e foram embora, sei lá para onde. Depois de tomar um bom café, foi o que valeu, com tudo pagamos E$ 18,00 cada um, seguimos bem cedo para Amsterdã, que também não vi a passagem pela fronteira entre a Bélgica e a Holanda, só pagamos um pedágio nada mais que é outra história, que vou colocar no tópico Holanda.
  2. Meu Roteiro de 7 dias Dia 01 a 04. Paris - Givenchy (jardim Monet) - Roen - Mont Saint Michel - Vale do Loire (castelo chambord) - orleans - Paris. Locomoção de De carro. #Vários pedágios. Dia 05 a 06. Paris - brugge (Bélgica), Bruxelas ( Bélgica) - Paris. Locomoção de carro #1 pedagio somente. (10€). Dia 07 - Paris Gasolina =\ 1.76€/l. Locomoção em Paris: mêtro - baixe o mapa da cidade no Google maps. Alugar carro é perder dinheiro com estacionamento. A noite não paga na rua. Locomoção aeroporto orly - Paris ... dividimos o táxi com outros dois brasileiros. E assim ficou o mesmo preço do Uber (30€). Chamamos o Uber, mas ficou difícil chegarmos até ele sem conhecer o aeroporto. E os franceses gostam de falar francês viu..: inglês não curtem muito não!!! Tem a opção de metro. Mas depende das malas para locomoção. Se tiver de mochila cargueira se joga. Peça informação em inglês começando pelo menos um “bonjour”. Pôr-do-sol geralmente é 21hs. Ótimo para passear. O dia dura muito mais. Temperatura (estamos na primavera) variou de 4 a 15 graus). Pegamos uma frente fria que chegamos a tremer!!! Esperava uma temperatura mais amena. 1• dia Chegamos meio dia. Fomos para o hotel. Passamos no monoprix para comprar vinho (várias opções com preço ótimo) , queijo (variedades de queijo com preço muito bom, Brie/Camembert é baratinho), frutas e chocolate para comemorar meu aniversário. Sentamos à Beira do rio Sena. Seguimos em direção a torre. Já tinha ingresso para subir as 19hs, pois queria ver o Pôr-do-sol lá de cima. Deu tudo certo e foi nosso primeiro contato com Paris. 2• dia Pegamos o metro sentido ópera garnier (entrada grátis) - (a sala principal de festas é impressionante), nem a sala de espelhos de versailles me impressionou tanto). Atrás está as galerias laffayete. Existem três prédios, dois de compras (lojas de grife para passear mesmo rs) em geral e um gourmet, onde tem restaurantes, supermercado, vários quiosques com doces, frios e bebidas. Nos indicaram um italiano. Prove o ravióli com trufas negras com um vinho da casa. De lá seguimos para o Atelie des lumieres (exposição de Van gogh 3D, que você entra nos cenários), mas estava lotado. Se quiser ir compre com antecedência de 3 dias on line no site oficial (10€). Não vende na bilheteria. Seguimos para o cemitério do Père-Lachaise, onde está enterrado algumas celebridades como Alan Kardec, Jim Morrison. Não estava no roteiro, mas era próximo. De lá pegamos um metro e seguimos para o bairro de monmatre .. conhecemos a igreja Sacré-Coeur, passamos pela praça onde está o muro do eu te amo, tomamos sorvete em forma de flor na amorino e fomos conhecer a fachada do Moulin rouge. Não entramos, sem condição o preço do espetáculo.. 170 euros. Metrô custa hoje 1.90€ o ticket, compramos o pacote de 10 tickets por 14,90€. Valeu mais a pena. Vi que não compensava comprar a diária. 3• dia Alugamos um carro. Tomamos um café da manhã em uma padaria próxima. Média: 1 café e croissant 🥐por 3,90 €. E fomos para o jardim de Monet. Lindo o jardim. 10€ para entrar. Seguimos para a cidade de Rouen - cidade do interior da França onde morreu Joana D’Arc. E caminhamos pela cidade. Almoçamos aqui. Seguimos para a cidade de Pontorson, onde está o mont saint Michel e chegamos 17hs. Estacionamos o carro (pago 14€ 🤨- vale pela entrada do mont) e pegamos um ônibus grátis para o monte. Não paga para entrar no mont. É lindooooo, é imenso. Jantamos uma pizza com aquele molho caseiro especial dentro do mosteiro (não provei o famoso omelete de forno). Andamos por lá e Vimos o pôr-do-sol, que foi por volta das 21hs. Na volta estava um vento friooooooo. Para esperar o ônibus foi uma tortura. Nos hospedamos na aubergie de la baie (267 reais). Super confortável. Bom custo. Da para ver o monte de longe. Mas só é bom se você tiver carro. Porém se você for de trem+ônibus para o mont, que é a opção sem carro fique em frente ao Mont em portonson (ex: hotel Gabriel, vert, e outros) ou fique dentro do mosteiro (média de 700 a 1000 reais a diária). Muitas pessoas fazem um bate e volta de Paris de ônibus ... outra opção viável. 4• dia No dia seguinte fomos em direção ao Vale do Loire visitar o castelo de chambord. No caminho passamos pela linda de cidade de blois. Tem um castelo lá que só vimos de longe. Almoçamos em um lugar que a dona era uma simpatia. Era estilo espoleto, mas com macarrão artesanal. 6€ o prato. O castelo de chambord vale a visita. É imenso. A escadaria é famosa, pois foi desenhada por da vinci. Entrada 10€. Seguimos de carro e paramos na cidade de orleans. Na minha opinião foi a catedral mais linda que vimos em toda viagem. Amei a cidade. Cheia de bares e restaurantes charmosos. Está a 120km de Paris. Seguimos para Paris felizes depois de um percurso delicioso pelo interior da França. Ao chegar em Paris fomos para o trocadero. Lugar de melhor vista para a torre Eiffel. Jantamos no restaurante le wilson, fica na rotatória atrás do trocadero. Escolhemos uma das opções de formule: Entrada foi tipo um patê de frango com salada, o prato principal uma carne com fritas e sorvete de pistache de sobremesa. 5• dia No dia seguinte seguimos para o palácio de Versalhes. Está próximo a Paris. Em Versalhes descobri alguns detalhes. Não vá cedo. A não ser que queira visitar com ele cheio. Quando chegar compre o ingresso com direito a castelo/jardim (27 €- achei caro pelo que vi), e siga pela lateral dele, que você chegará aos jardins sem a fila da entrada. Precisa mostrar o ticket para entrar. Explore o jardim. E visite o Trianon ao fundo. Trianon foram aposentos de Maria Antonieta. Volte ao castelo. O jardim é imenso. Tem a opção de alugar bicicleta e aquele carrinhos de golfe. Fizemos tudo a pé. Quando voltamos à frente do castelo a fila continuava grande. Vi que tinha um restaurante dentro do castelo, que se chama ore, e que se você consumir algo lá dentro você pode entrar por uma entrada preferencial ao castelo. Foi o que fizemos. Almoçamos lá dentro. Comi um macarrão com trufas negras muito bom. Fiz reserva na hora pelo TripAdvisor. Não entra sem reserva. Tem a opção no restaurante de café +entrada e almoço + entrada, se você estiver sem ingresso. Então você não precisa comprar ingresso antes. Veja se compensa. Visitamos o castelo e quando saímos fomos conhecer as carruagens reais no prédio da frente. É grátis. Em frente ao castelo de Versalhes foi o lugar mais em conta que encontramos souvenir vendido por ambulante: chaveiro da torre, a torre em miniatura e imãs de geladeira. Retornamos a Paris. Como era cedo. Fomos de carro conhecer Notre Dame (fechada para reconstrução). Só tiramos fotos distante. Tiramos fotos na frente do Louvre 18:30. Que estava fechado e vazio. Ótima opção se quiser exclusividade. Em horário de visita é cheio de gente na frente. Seguimos para o arco do triunfo. Depois fomos conhecer o estádio do Paris Saint German. Depois retornamos ao hotel. Jantamos no monoprix (ficava atrás do nosso hotel e é forma econômica de comer). Lasanha + macarrão ao pesto + dois refrigerantes de 600ml foi 15€ para duas pessoas. Levamos morangos grandes e suculentos (3€) e nutella (2€) do supermercado como sobremesa para comer no hotel. Ai vai uma dica ótima: tanto monoprix quanto Carrefour tem boas opções de lanches/comidas rápidos, inclusive sobremesas como tortas, doces e macarrons. Mais em conta que cafés e restaurantes. Se estiver em apartamento a melhor opção é piccard, uma variedade de opções congeladas e o preço é ótimo. 6• dia Fomos de carro até brugge - em Bruxelas. A arquitetura muda totalmente. Cidade pequena. Seria como gramado é para porto alegre. Para os amantes de cerveja esse é o lugar. É também lugar do chocolate belga e do waffle (média de 5€). O bar cambrinus é lindo e a comida é deliciosa. O chops variam de 2.8 (25ml) a 8 € (1litro). Tomamos o da casa (delicioso), hoeggarden, delirium, leffe. Fizemos um passeio de barco pelo canal de brugges. É legalzinho, mas nada imperdível. Dura 30 minutos. 10€ Achei os refeições mais caras que Paris: formule de 17 a 20 €. Dormimos no ibis e seguimos no dia seguinte para Bruxelas. (1 hora de carro até Bruxelas). Em Bruxelas andamos pelo centro (catedral, palácio do rei, museus, teatro), comemos a famosa batata frita belga (existe briga com os franceses sobre a origem), fomos em jardins e seguimos para o bar da delirium (em frente tem a escultura da menina fazendo xixi). Tomamos alguns chops. Fomos conhecer a escultura famosa do menino fazendo xixi. Comemos waffle na rua (5€). Fomos conhecer o atomium, estrutura com várias esferas gigantes. Não subimos. Mas tem a opção e dizem ter uma linda imagem da cidade. E retornamos a Paris!! 7• dia (último 😓) Último dia e fizemos o percurso turístico a pé. 1dia para conhecer os principais pontos turísticos a pé. Inicie seu tour a pé pela estátua da liberdade (tem metro próximo)... e vá margeando o rio Sena. Passe pela ponte bir-hakeim. Tem uma vista linda da torre e o Rio. Passe ao lado da torre Eiffel. Comemos um crepe delicioso ao lado carrocel e sentamos ali na beira do rio. Se for a intenção entre na torre Eiffel. Siga até a pont alexandre III, ponte mais linda e imponente de todas. Na ponte a direita estará o museu militar onde está o corpo de Napoleão bonaparte. Ao lado o museu d’orsey, onde estão obras de da vinci e Monet. A direita estará o grand palace com seu teto de vidro. Só passamos na frente. Seguimos até a praça da Concórdia. No meio a direita você verá a champs elisier (avenida com lojas de grife pe de Paris) e lá no fundo o arco do triunfo. Siga reto e vá visitar a rua dos guardas-chuvas.. se chama Village Royal. De lá pegamos um mêtro, pois fomos almoçar nos restaurante próximos a Notre Dame, bem próximo a shakespeare company (livraria). Há formule por 10 a 15 € com entrada, prato principal e sobremesa. Escolhemos o maison blanche, restaurante francês na rua de la Huchette. Provamos a tão falada sopa de cebola. Comemos um filé ao molho com fritas e confit de pato com fritas. Torta de maçã e mousse de chocolate de sobremesa, tudo por 15 € por pessoa. Os garçons são uma simpatia. Fomos margeando o sena, sentido Notre Dame ao louvre... vimos a antiga pontes dos cadeados. Retiraram todos de lá, mas você observa que na próxima ponte encheram novamente de cadeados 🤷‍♀️. Descansamos um pouco no jardim das tuileries. Sentamos ao lado do bosque e depois da maior fonte. E seguimos para entrar pelo louvre pelo carrocel do louvre (dica: menos fila que pela frente) as 16hs (fecha às 18hs, mas as 4as e 6as fecha as 22hs). Não havia fila. Deixamos a monalisa por último. E a sala estava relativamente vazia. Os aposentos de Napoleão são surreais. Entrada do louvre 15 €. Só vale a pena se você gostar de arte. Não achei imperdível para mim. Saímos e de lá fomos tomar uns chops artesanais no bar au trappist, fica próximo a Notre Dame. Comemos um hambúrguer artesanal delicioso. Voltarei a Paris só para comer esse hambúrguer de novo. Rs. Ao final do dia, não tínhamos mais pés para andar. Rs. Fim da viagem. Retorno ao aeroporto fomos de Uber: 30€.
  3. [creditos]Esse e outros relatos você ver em http://www.uziporai.com.br Dê uma passada por lá.[/creditos] Estando em Bruxelas é quase imperdoável não fazer uma bate-volta a Brugges. Como Chegar A menos de 100 km da capital, é muito fácil chegar até lá. Basta pegar um trem que saia de alguma das principais estações de Bruxelas, partindo da Estação Central, por exemplo, o percurso pode durar entre 1:03 hora a 1:52, o tempo de duração é informado antes de realizar a compra que pode ser feita tanto pela internet através do site oficial da empresa: http://www.belgianrail.be/en/Default.aspx ou pode ser feita também comprar por meio das máquinas disponíveis nas estações. Preço A ida e a volta nos finais de semana custam em torno de 15 euros, já no meio da semana, o preço sobe para 28 euros. Pelo que andei pesquisando, esse desconto parece não funcionar na alta temporada. Embora os trens sejam muito bons e quase nunca seja necessário comprar as passagens com antecedência, é bom não arriscar durante o verão europeu, pois a quantidade de turista quadruplica e se deixar para comprar de última hora, pode não encontrar vaga no horário desejado. Assim que cheguei à Brugges por volta das 10:30 da manhã, quase não tive coragem de sair do trem. O frio estava mais intenso do que o inverno no Alasca e olha que já estava se aproximando o verão. Para conseguir encarar o frio passei no Starbucks e comprei o chocolate-quente mais caro da minha vida, 4,20 euros. Pelo menos eu descobri que o Starbucks entrega de graça um mapinha da cidade. Então mesmo que você não compre nada, passe lá e pegue o seu mapa. Embora Brugges seja pequena, o mapa ajuda a encontrar as atrações. Atrações Seguindo um pouco os demais turistas e também as placas que diziam “Centrum”, fui adentrando num mundo que parecia de outro século e realmente era. Construções de 1600, igrejas medievais como a Catedral de Nossa Senhora. Brugges já parecia Salém, a cidade das Bruxas. Como a temperatura de 5 graus já estava me deixando vesgo, aproveitei o comércio aberto para comprar uma luva. Há uma infinidade de lojas se comparada ao tamanho reduzido do município, mas atenção, tente não cair na cilada, pois embora os preços não me parecessem altos, é um crime gastar o seu precioso tempo em Brugges com compras. Andando apenas mais um pouco, logo se chega ao centro, onde está o Market, o Campanário e outras construções de tirar o fôlego. Apesar das belezas, senti falta dos famosos canais, ainda não havia visto nenhum. Olhei no mapa e fui atrás dele. Se Brugges é chamada de Veneza do Norte, imaginei que o que não faltaria por lá eram canais. Para a minha surpresa, os canais são poucos se comparado à Veneza e até mesmo à Amsterdam, mas pelo menos os que têm são bonitos. Medo Após ver o moinho, sair daquela parte correndo, mas para conhecer melhor a cidade, voltei por outra rua, a qual para o meu desespero estava completamente inabitável, nem casas havia lá, apenas um muro de uma fábrica de um lado e do outro lado um muro alto com cara de cemitério. Tentei manter a coragem e a mantive até que apareceu uma Mercedes preta com os vidros fechados. Por algum motivo, a velocidade da Mercedes reduziu drasticamente, dando indícios que ia parar e foi aí que minha pose de corajoso acabou e eu sair correndo desvairado por Brugges como se estivesse fungindo de um monstro voador. É o mal de ter imaginação fértil. Com essa carreira quase que eu entrei sem querer numa corrida profissional que estava tendo na cidade. Por ser pequena, Brugges oferece muitas atividades paralelas. Mas como eu só corro quando tenho medo, resolvi explorar um pouco mais à cidade, dessa vez, nas zonas movimentadas. Lá tem um museu da batata frita que a entrada custa 6 euros e outras atrações que não entrei por falta de tempo e de dinheiro. O mais bonito, no entanto, é de graça. Fiquei fascinado com a Grand Place de Brugges, com os cavalos, com as lojas de chocolate e até as de cerveja, embora eu não beba, mas para quem gosta deve ser uma espécie de catarse, pois são mais de 3 mil tipos de cerveja, nem sabia que existiam tantas. E também não podiam faltar as lojas sobre o Ri Tim Tim. Onde Ficar Para crianças e até para os adultos também, há um parque de diversões logo ao sair da estação central, mas é aquela coisa, para um bate-volta, o parque perde a preferência. Muita gente se questiona se vale a pena dormir em Brugges. Eu acho que isso depende muito, principalmente devido a uma questão financeira. Hospedagem em Brugges é muito mais cara que em Bruxelas, mas talvez seja vantajoso caso seu próximo destino fique mais próximo saindo da cidade das Bruxas. Conclusão Também me parece que é um lugar mais para família e casais, talvez o viajante solitário se sinta entediado se passar mais de um dia. Em todo o caso, recomendo com veemência que você tire um dia para admirar este incrível mundo velho, o qual não se encontra em qualquer lugar. Próxima parada: Antuérpia. [creditos]Para ver mais fotos de Brugges, ou ler o post original, é só acessar: http://www.uziporai.com.br/2014/07/relato-de-viagem-belgica-brugges-admiravel-mundo-velho.html[/creditos]
×
×
  • Criar Novo...