Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''cerradomineiro''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas e Respostas
    • Destinos - Perguntas e Respostas
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Companhia para Viajar
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo e Mochilão roots
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação

Encontrado 2 registros

  1. TRAVESSIA LAPINHA X FECHADOS Molhados e com um frio de lascar, essa é a nossa situação quando desembocamos no minúsculo vilarejo de Lapinha da Serra recém-chegados da travessia do não menos minúsculo, vilarejo do Tabuleiro. Poderíamos ter chegado até aqui simplesmente pegando um ônibus de Belo Horizonte até Santana do Riacho e depois nos pondo a caminhar por uns 10 km até esse povoado perdido num fim de mundo no meio da SERRA DO ESPINHAÇO, mas preferimos ir até Conceição do Mato Dentro e caminhar por 3 dias por aquela que é considerada a travessia mãe dessas incríveis montanhas, Travessia Tabuleiro x Lapinha, uma incrível jornada que nos apresenta logo de cara a sensacional CACHOEIRA DO TABULEIRO com seus 273 metros de queda, a maior do Estado de Minas Gerais. ( Cachoiera do Tabuleiro) A Travessia Tabuleiro x Lapinha é uma caminhada linda e há muito tempo figura entre as grandes travessias clássicas do Brasil, mas a Serra do Espinhaço é tão impressionante que outras grandes caminhadas são praticamente desconhecidas da grande maioria dos montanhistas e excursionistas do país, ficando renegada somente aos locais do Estado devido a dificuldade de logística, o que é uma pena porque ela tem o poder de nos apresentar um cerrado vibrante donde cachoeiras impressionantes saltam para grandes poços de águas cor de coca cola, em um dos cenários mais belos do país. Eu e o Anderson Rosa com tempo de sobra já havíamos resolvido que cruzaríamos parte da Serra do Espinhaço e havíamos nos preparado para isso e como a primeira parte da empreitada havia sido concluída com sucesso e mais sedo do que prevíamos, ao desembocarmos em lapinha da Serra ainda na metade do dia, resolvemos descansar no vilarejo e pôr nossas roupas e sacos de dormir para secar por causa da chuva que havíamos pego no topo do Pico do Breu na noite anterior. ( Lapinha da Serra) Passamos a noite em um camping e logo pela manhã empacotamos nossas coisas, passamos pelo centro do vilarejo aonde sua maior atração são duas igrejinhas no minúsculo centro e partimos pela estrada principal, a mesma que liga Lapinha à Santana do Riacho. O vilarejo é minúsculo e perdido no tempo, tanto que por hora não existe nem sinal de celular, mas se engana quem pensa que não há nada para fazer , na verdade é uma gama de atrações imensas entre subir montanhas como o Pico do Breu e da Lapinha e outras infinidades de cachoeiras ao redor e o grande lago que a cerca, mas por hora vamos nos contentar em usar esse bucólico povoado como ponto de partida para uma das caminhadas mais espetaculares do Espinhaço e botando a mochila nas costas , tratamos logo de apertar o passo traçando como principal meta do dia chegar primeiro até a grande Cachoeira do Bicame. Partindo, portanto da igrejinha do vilarejo, tomamos a rua principal que vai nos levar para o norte, sendo esse o mesmo caminho para Santana do riacho. Estamos passando ao lado de uma cadeia de montanhas ao nosso lado esquerdo e do lado direito teremos como companhia toda a cadeia principal da Serra do Espinhaço, com o Pico da Lapinha a nos espiar ao longe. É uma pernada em meio a fazendas e sítios e sempre sendo saudados pelos moradores locais, mas uma hora depois ou quase 4 km, a estrada de terra faz uma curva violenta para esquerda, abandonando o sentindo norte e quase que voltando para o sul e é nesse cotovelo, em meio a várias placas que abandonamos a estrada principal em favor de outra que sai a direita. Continuamos acompanhando o espigão mestre do Espinhaço, mas agora caminhando por uma estradinha mais modesta. O sol já estava de lascar logo pela manhã e por um golpe de sorte passo por nós uma caminhonete pequena e ao parar já nos interpela se aquele é o caminho para a famosa Cachoeira do Bicame. Anderson nem responde à pergunta e já vai para cima do motorista na tentativa de angariar uma carona. O casal que estava em férias e carregava metade da casa na traseira, logo arruma um lugarzinho para nos levar em meio as tranqueiras e mais 2 km à frente deixamos a estradinha e adentramos numa porteira junto à um pé de manga, onde o caminho se estreita e mal dá passagem ao veículo. Com muito custo conseguimos avançar por mais 1500 metros, mas numa subida mais forte o motorista arregou e decidiu parar o carro à beira do caminho e seguir o resto na caminhada. Bom, na caminhada iríamos eu e o Rosa, porque eles pretendiam seguir o resto do caminho de bicicleta, então nos despedimos da nossa carona e tratamos logo de pôr as pernas para trabalhar e não deu nem 10 minutos de caminhada para descobrimos que o carro não iria muito longe mesmo. Acontece que a sequência do caminho é dentro de uma grande fazenda particular (FAZENDA CACHOEIRA), meio que pertencente ao grupo Boticário que a transformou em uma RPPN e além de proibir a entrada com veículos motorizados, ainda limitou o número de visitantes a no máximo 30 pessoas por dia, o melhor é que não cobram nenhuma taxa de visitação. Abrimos a porteira e adentramos na fazenda onde uma placa explica as regras do lugar, mas como estávamos numa segunda-feira, sabíamos que éramos os únicos a se aventurar por aquelas bandas, então nem nos preocupamos com a possibilidade de não nos deixarem passar por excesso de visitantes. Sinceramente, acho difícil barrarem alguém pelo simples fato que a sede da fazenda está muito, mas muito longe da porteira, que é onde se faz a contagem e seria uma crueldade fazer alguém voltar para trás depois de andar tudo aquilo. Outros 3 km de andanças por um caminho extremamente lindíssimo em meio a afloramentos rochosos e temos que abrir outra porteira e mais 1 km de caminhada estamos na Sede do Parque, próximo a própria sede da fazenda. Ali é o lugar onde encontraremos água, banheiro e deveremos nos cadastrar para poder seguir a travessia, mas ao chegarmos encontramos tudo abandonado. Na verdade, 2 km antes de ali chegarmos, encontramos o guardinha que libera a autorização para seguir e ele estava cuidando de afazeres particular num dia sem nenhum movimento e sem muita burocracia nos fez assinar a entrada para o parque. Nossa maior preocupação era que ele nos barrasse por estarmos com uma cargueira nas costas, já que acampar é proibido, mas nem foi preciso contar alguma lorota, o rapazinho parecia estar meio cagando e andando para o que iriamos fazer e rapidamente se livrou da gente, mais rápido do que a gente querendo no livramos dele. Enquanto comíamos alguma coisa na sombra da sede do Parque, passou por nós uns cavaleiros da fazenda e essa seria as últimas pessoas que veríamos nos próximos 4 dias. A estradinha faz uma curva para direita e logo desce à um riacho com ponte de madeira, deixa a entrada do casarão a direita e pouco mais à frente uma placa indica que devemos entrar à esquerda numa bifurcação e abandonar de vez a estradinha. O caminho a seguir é na direção da grande montanha a nossa frente, atravessando pequenos tablados de madeira que foram colocados estrategicamente para escaparmos do charco e aí mergulhamos num jardim florido que vai encantando a alma numa beleza estonteante, porque nessa época do ano, em plena primavera, o cerrado explode em cores e belezas inenarráveis, onde a vida vai brotando a cada centímetro de solo pobre e nos fazendo parar a cada minuto para aplaudir tamanha formosura. A trilha vai perdendo altura rapidamente, logo vemos que estamos nos dirigindo para o vale o Rio das Pedras e 3 km depois, numa curva para direita somos apresentados sem muita cerimônia para o MIRANTE DA BICAME, uma visão esplendorosa da cachoeira de mesmo nome, despencando nas escarpas da serra. É uma visão de encher os olhos, algo que até emociona de tão bonito, num senário de tirar o fôlego. Nos sentamos ali naquela pedra e deixamos nossos pensamentos correr e nossa emoção aflorar, aproveitando para guardar na nossa mente cada centímetro daquela paisagem e o melhor de tudo era que estávamos sós, porque o casal que havia nos dado carona simplesmente desistiram de seguir o retiro. Aquele paraíso era só nosso e quando nosso coração se encheu e quase transbordou de alegria, escorregamos pela trilha e fomos abraçar de vez aquela cachoeira, e não deu nem mais 20 minutos de caminhada em meio às canelas de Emas, já estávamos lá, a nos jogarmos dentro daquele poço avermelhado para aplacar o calor, já que a tarde já se fazia presente, com o sol a pino a nos iluminar. ( Mirante do Bicame) A CACHOEIRA DO BICAME até que não é muito alta, mas a composição da paisagem com um poço enorme e profundo com águas avermelhadas a transforma numa visão quase que única no meio do cerrado e mesmo não muito cheia como estava agora, é algo que nos hipnotiza. Ficamos por lá um bom tempo, nadando no grande poço e deixando a vida passar sem nos preocuparmos com o tempo, mas quando nos lembramos que nosso objetivo era acampar no tal poço do soberbo, demos o ultimo mergulho e partimos. (Cachoeira do Bicame) Deve haver uma trilha que sobe até o topo da grande cachoeira, mas nós não nos preocupamos em ir investigar e já nos agarramos a uma canaleta bem ao lado da queda e foi por ela que mediante a uma escalada tranquila, conseguimos chegar ao topo, onde as águas despencavam no vazio, se jogando para dentro do poço. Esse é mais um cenário de tirar o fôlego, com pequenos poços, cascatinhas e pedras coloridas e a vontade que dá é ficar por ali mesmo, apreciando o mundo lá de cima. O caminho natural é atravessar para a outra margem e como o rio não estava muito cheio, mal molhamos nossas botas pulando de uma pedra a outro. Atravessando, a trilha vai seguir para a esquerda, descendo novamente para o pé da cachoeira e seguindo quase margeando o rio, descendo as vezes por trilha e outras vezes varando pela vegetação rasteira. Logo o rio começa a encachoeirar novamente e vai ficando cada vez mais lindo e é nessa hora que será preciso começar a se afastar do rio, subindo para depois pegar o sentido noroeste e caminhar por mais de 2 k e aí virar completamente para o sul e caminhar por mais de 1,5 km para voltar novamente ao rio e tudo isso simplesmente para dar a volta em uma montanha porque pelo rio é tarefa quase impossível, tendo que enfrentar abismos gigantes. Pois é, esse é o caminho oficial e tradicional para se voltar ao rio, mas quem quiser seguir pela trilha de cima (vou explicar isso depois) , não precisa seguir para o sul, pode simplesmente continuar sentido norte/nordeste, só não vai conhecer o Poço do Soberbo, mas nós não somos tradicionalistas, a gente tá longe de nos prendermos aos roteiros tradicionais , então para variar, resolvemos enfiar os pés pelas mãos e inventar moda, ao invés de contornarmos a tal montanha para escapar dos abismos, vamos ao encontro dele e que Deus tenha piedade das nossas almas .(rsrsrsrsrrsrsrrsrs) ( Parte alta do Bicame) Abandonando a trilha, agora vamos descendo margeando o Rio das Pedras, rasgando mato no peito, tentando nos desviar da vegetação espinhuda do cerrado mineiro e não demora muito já somos recompensados pela exuberante CACHOEIRA DO SMOKE, bela e solitária, nos convidando para um mergulho em seu poço igualmente deslumbrante. A tarde já se avizinhava de vez e não poderíamos nos dar ao luxo de ficar nos deleitando em poço e piscinas naturais ou noite poderia nos pegar no meio do cânon e não seria nada bonito para a gente. ( CACHOEIRA DO SMOKE) Fomos desescalando a escarpa, abrindo caminho a força em meio às canelas de emas esturricadas por causa de queimadas antigas e cada patamar que baixávamos, uma nova cachoeira surgia e era cada uma mais bonita que as outras e essa queda abaixo da Cachoeira do Smoke também era um convite para nos banharmos no seu poço, mas por causa do tempo vai ficar para próxima e para marcar território vou chamar de Segunda Queda. O terreno que até então era difícil, agora se transforma em quase impossível de passar, descemos mais um patamar com enorme dificuldade para apreciarmos de cima do barranco a Terceira Quedaabaixo do Bicame. Cada cachoeira era mais bonita que a outra e quem nos dera ter tempo suficiente para podermos nos perder em suas quedas, muito porque nossa realidade agora mudou de difícil para imprestável e nos vimos lascado, sem pai e sem mãe à beira de um abismo por onde o Rio das Pedras quase que se suicidava, saltando em meio a um cânion estreito, e agora José? (segunda queda abaixo do Bicame) ( terceira queda abaixpo do Bicame) Paramos para analisar os mapas e tentar traçar uma estratégia, mas nada parecia nos convencer que passaríamos por aquele abismo. Pensamos na possibilidade de cruzar o rio para outra margem, mas o mapa topográfico nos dizia que apenas trocaríamos 6 por meia dúzia, então só nos restou a ingrata missão de nos agarrarmos às grades paredes e tentarmos chegar ao cume da montanha para tentarmos uma diagonal até o fundo do vale. Em meio às pedras escorregadias lá foram dois tontos, agarrando as unhas aonde era possível até atingir um dos pico , e quando chegamos ao alto, descobrimos que ele era apenas um cume menos de outra montanha gigante. Aí, ao invés de subirmos essa nova montanhas, tivemos a ideia estúpida de tentar contorná-la pela parte de dentro do abismo, descendo escorregando e usando as velhas canelas de emas como apoio. Aquela manobra tinha tudo para dar errado, abaixo dos nossos pés umas duas centenas de metros nos chamavam para uma tragédia e eu não estava nada contente com rumo que aquela travessia estava tomando e uma hora fiquei mesmo sem saída, muito porque eu era o cara que ia atrás e quando chegava para fazer os movimentos, o Anderson já havia levado todos os apoios que eram possíveis, que no caso, não passavam de canelas de emas queimadas. A tarde já estava no fim, mas nosso pesadelo continuava e vendo que aquelas manobras já haviam ultrapassado qualquer bom senso que prestasse, tentamos tomar uma diagonal para direita e nos afastar do cânion, mesmo assim uma passagem estreita fez com que minha mochila se mancomunasse com a força da gravidade tentasse a qualquer custo me matar. Fiquei paralisado, tentando chamar a atenção do Anderson para ver se ele que já ia à frente conseguisse me ajudar a sair daquela situação em que eu havia me metido, mas só ouvi a voz dele dizendo que o caminho era aquele mesmo. Eu num primeiro momento pensei que teria que me livrar da minha mochila para não ser arrastado junto, mas consegui cravar as unhas na terra e alcancei um arbusto um pouco mais firme e me puxei para cima. ( Cachoeira do Abismo) De onde estávamos já conseguíamos avistar a trilha correndo lá embaixo e conseguimos achar uma linha que acabou nos levando com mais segurança até ela, aí viramos para a esquerda e começamos a descer novamente em direção ao rio, tendo agora como companhia a grande Cachoeira do Abismo, a mesma que nos queria, mas vai ficar querendo. ( rsrsrsrsr) Nosso próximo passo era atravessar o rio para sua margem esquerda e localizar alguma trilha que fosse descendo. Atravessar até que foi fácil porque usamos uma espécie de ponte natural que ia de um lado a outro do rio, mas ao chegarmos do outro lado, trilha nenhuma encontramos e o traklog que começamos a seguir não ia para lugar nenhum e mais atrapalhava que ajudava. O Rosa já estava nervoso porque se dizia esgotado fisicamente e queria acampar a qualquer custo e eu não arredava o pé de tentar acampar no tal poço do soberbo, mas a gente descia o rio, tentando seguir o traklog e passava cada vez mais raiva, então resolvemos abandonar de vez aquela merda de marcação e fazer nosso próprio caminho. Atravessamos novamente o rio e o seguimos pelo lado direito, atravessamos por dentro de um mato fechado até novamente sairmos no aberto, junto a uma clareira embaixo de uma grande árvore e aí o Rosa protestou veementemente para que acampássemos ali. Estávamos tão perto do soberbo que eu achei um desaforo ficar ali e admitir a derrota, mesmo sabendo que a noite já se avizinhava , então mesmo com o Anderson puto de raiva, forcei a barra para que atravessássemos o rio e andássemos mais um pouquinho até interceptarmos de vez a trilha de baixo e logo em seguida ganharmos uma estradinha à esquerda, que em menos de 10 minutos nos levou até o antigo GARIMPO DE DIAMANTES, onde meia dúzia de casas de pedra abandonadas nos convida para soltarmos nossas mochilas e darmos por encerrado aquele grande dia de aventuras, justamente nos domínios do incrível POÇO DO SOBERBO. Aquele cenário era sul-real, o pôr do sol iluminando as paredes que circundavam o poço do Soberbo, refletindo em todos os cantos, transformava o local em um lugar único. As casinhas construídas de pedra, feito uma vila medieval que mais parecia uma Machu Picchu sertaneja. As habitações infelizmente perderam seu telhado e apenas uma ainda se mantinha em pé e ao abrimos a porta fomos surpreendidos por encontrar um lugar perfeitamente habitável e nossos olhos brilhavam com a possibilidade de usá-la como abrigo naquele lugar magico, mas o Anderson não deu o braço a torcer, mesmo diante daquele achado extraordinário e apenas se calou , mas eu fiquei feliz de ter batido o pé para acamparmos ali, sem vento e sem nem precisar montar nossa barraca, mas por medo de algum camundongos, o Andersom resolveu mesmo assim se proteger dentro da tenda artificial. Foi uma noite bem dormida e acordamos só quando achamos que deveríamos já que tínhamos tempo de sobra. Enquanto o Rosa foi cuidar de lavar a louça fui dar umas voltas pelo lugar, que outrora fora usado como garimpo de diamantes. O poço é formado pelas águas do Rio das Pedras e do Rio Soberbo, que se encontram e depois vão se enfiar em um outro cânion gigante e até desci aonde as águas despencam no vazio, mas ao me aproximar, uma corrente de ar ameaçou me jogar vale abaixo, então recuei e voltei para o acampamento. O Poço do Soberbo deve ter dezenas e dezenas de metros de profundidade e suas águas escuras, mas limpíssimas, nos convidam para um banho, mas ainda é cedo para tanta molhaceira, então jogamos às mochilas nas costas e partimos para a continuidade daquela travessia. Retornamos pela mesma estradinha da tarde anterior e interceptamos novamente o Rio das Pedras no exato local aonde ele se encontra com o Rio Soberbo e encontramos a TRILHA DE BAIXO. É preciso explicar agora o que são essas trilhas: A trilha de baixo é o caminho tradicional que liga Lapinha da Serra até Fechados e deveria ser a nossa rota dessa caminhada, mas tem um porém, essa trilha corta a FAZENDA DO DANTE, um fazendeiro cabra macho que costuma enfiar o trabuco na cara de quem se atreve a invadir suas terras e para não bater de frente com ele ou seus jagunços, quem se atreve a fazer essa bela travessia tem como opção usar a TRILHA DE CIMA, ou seja, é obrigado a subir uma patamar e caminhar por outras montanhas, indo “paralelo” a trilha principal. Nós estávamos com os dois roteiros no GPS, mas ao invés de já nos metermos no caminho que nos levaria até a trilha superior, escapando das garras sanguinolentas do tal de Dante, preferíamos inventar outra coisa e por hora resolvemos usar a trilha de baixo mesmo, indo de encontro com o matador de montanhista. A trilha segue paralela ao rio Soberbo, subindo quase encostada às suas margens e logo somos surpreendidos por uma placa: “ Caiam Fora, Propriedade Particular”, mas como a gente não sabia ler, passamos batidos e nos enfiamos no meio do cerrado, meio que pressionados por duas paredes de cada lado. Nosso próximo objetivo era chegarmos até o tal POÇO DO RUBINHO e em meia hora, talvez um pouco mais, ao vermos que estávamos bem perto, preferimos varar mato e interceptar novamente o Rio Soberbo, exatamente um pouco abaixo do Rubinho. Acontece que a gente poderia chegar ao Rubinho continuando pela trilha e mais à frente fazer um desvio, mas ficamos com medo de encontramos alguma casa habitada que nos fechasse o caminho ou nos causasse algum problema. O POÇO DO RUBINHO é outro lugar incrivelmente belo, de onde uma cachoeira despenca vindo da grande fenda que parte a montanha ao meio e ao chegarmos lá não me restou outra coisa a fazer senão me jogar nas suas águas profundas e por lá ficar até que o Andersom dissesse que era hora de partir. Mas aí é que estava o pulo do gato, a gente sabia que a passagem pela tal fazenda do Dante poderia nos causar problemas, então teríamos que achar um meio de fazer a passagem da trilha de baixo para a trilha de cima e fazendo um estudo sobre a topografia, descobrimos que poderia ser possível interceptar o nosso caminho subindo todo o cânion do Rubinho escalando. Na teoria poderia funcionar, mas se fossemos barrados pelo terreno seria um tempo jogado fora e um esforço desnecessário. Eu queria já tentar escalar a própria cachoeira do Rubinho, mas o Anderson achou melhor subirmos escalando o paredão pela sua esquerda. Foi uma subida bem íngreme e cansativa e por fim tivemos que escorregarmos até cairmos de vez da parte de cima da cachoeira do Rubinho, onde outra cachoeira igualmente deslumbrante e com um poço profundo nos faz cair o queixo. Em um primeiro momento ficamos ali paralisados, tanto pela beleza, quanto pela dificuldade em escalar a queda d’água. Saímos pela esquerda, caminhando ao lado do poço até nos encostarmos junto ao véu. Escalar na unha era algo quase impossível, mas não havia outra saída, então ajudei o Rosa a tentar alcançar uma canela de ema até poder se elevar e ganhar outras agarras que o levou finalmente para o patamar definitivo e foi aí que agradecemos por portarmos um pedaço de corda porque sem ela eu teria ficado lá embaixo sem poder subir. (SEGUNDA QUEDA DO RUBINHO) É impressionante como esse lugar era bonito e o principal era saber que estávamos passando em um lugar onde pouca gente já havia chegado, umas cachoeiras isoladas do mundo, em um lugar perdido no meio do cerrado mineiro. Aquela TERCEIRA QUEDA não era muito alta, mas nem precisava ser com aquele poço incrivelmente belo e foi muito tranquilo subir escalando seus degraus ao lado das suas águas e a gente que já estava estarrecido diante de tanta beleza, quando chegamos ao próximo patamar tivemos que arriar nossas mochilas, respirar fundo e com calmar nos sentarmos para apreciar aquela paisagem estonteante. A QUARTA QUEDA e última queda daquele complexo de cachoeiras, onde a fenda já terminava, nos dá de presente um poço incrível e enquanto a Rosa resolve fazer uma boquinha, não me contento somente em olhar e já me jogo nas águas frescas de um dia ensolarado e calorento. Somos donos absoluto daquele paraíso e não há um só sinal de passagem humana por ali, muito porque quem vem pela própria trilha de cima se amedronta com a possível descida perigosa, mas quem se atrever a investigar vai encontrar uma língua de pedra que poderá leva-lo para dentro do cânion e consequentemente para essa cachoeira. O dia já ia pela metade quando finalmente emergimos na parte de cima desse degrau da Serra porque aqui no Espinhaço as montanhas parecem ser divididas em patamares e depois de ficarmos envolvidos com tanta água, era hora de enfrentar a dureza do serrado. Agora havíamos localizado a tal TRILHA DE CIMAe ela seria nossa companhia pelos próximos dois dias. Mas a verdade tem que ser dita, de trilha mesmo só o ameaço porque praticamente não se consegue andar por uma linha concreta e e aí não temos outra coisa a fazer se não seguir o traklog que foi nos passado ou ao menos nos mantermos bem perto dele, tendo-o sempre como referência , mesmo porque seria impossível seguir por essa rota sem nunca ter estado ali, mesmo com mapas e bussola, sem uma noção para onde seguir é pedir para ser um andarilho sem rumo. Mesmo sendo um terreno relativamente fácil de andar por se tratar de vegetação baixa e com boa visibilidade é preciso não dar bobeira com um acidente porque naquele fim de mundo celular é coisa imprestável para comunicação. Num primeiro momento ficamos meio desorientados tentando localizar o rabo da trilha, mas ao vermos que essa trilha mal existe, nos apegamos ao gps e fomos navegando tendo o traklog como referência e o terreno vai subindo, ziguezagueando montanha acima, meio que paralelo ao Rio Soberbo, mas não perto dele, coisa de talvez 1 km de distância. A subida foi dura, nos perdemos em vários momentos e acabamos ficando sem água e somente uns 2 km depois que deixamos o rio é que conseguimos encontrar um riacho com águas frias para largar as mochilas e nos acabarmos de tanto beber. É uma paisagem de largas vistas, com plantas incríveis, sempre com a visão esplendorosa do vale do Rio Soberbo a nossa direita. O terreno parece que vai arrefecer um pouco, mas logo volta a subir novamente e parece que vai nos levar para o início de um vale, mas logo o gps nos indica que temos que tomar um caminho por dentro de alguns arbustos e de supetão somos surpreendidos com um casebre junto a um curral relativamente novo. Ainda eram antes das cinco da tarde, mas não tivemos duvidas que deveríamos acampar por ali mesmo, junto a um gramadinho em frente do rancho, que parecia estar ali apenas para marcar território, servindo de abrigo temporário e de depósito de materiais ligados a cavalaria. Montamos nossa barraca e fomos dormir muito cedo, estávamos cansados da árdua jornada que havíamos empreendido, primeiro escalando os penhascos dos cânions do Rubinho, depois torrando os miolos até aqui chegar. Não existe água junto ao casebre e chegamos a investigar em uma matinha próxima, mas o riacho estava seco e só conseguimos fazer uma janta e um café na manhã seguinte porque ao encontrarmos a porta aberta, conseguimos pegar um pouco dentro do barraco, mas antes matamos a cede chupando umas canas que por lá encontramos. A partida na manhã seguinte foi lenta e preguiçosa. A trilha volta pelo mesmo lugar que chegamos e continua para o norte, vai se elevando lentamente por um caminho que à primeira vista parece mais um carreiro de vacas, mas ali não havia nem vaca e nem qualquer sinal de vida humana e continuamos naquela vastidão, sempre com os olhos abertos para admirarmos uma infinidade de plantas rasteiras e pequenos arbustos de todas as formas, além de inúmeras formações rochosas. Estamos num degrau do espinhaço e ao longe era possível avistar o Vilarejo de Inhames perdido no horizonte. Vamos perdendo altura bem devagar, passamos por um riacho para molharmos a goela e não demora para percebermos que estamos sendo levados pelo terreno para calha de outro rio e quando lá chegamos, jogamos a mochila ao chão logo depois de atravessarmos o próprio CÓRREGO DOS INHAMES e enquanto o Andersom descansa à sombra de uma árvore torta, aproveito para me jogar na água e por lá ficar feito um hipopótamo tentando escapar do calor nas savanas africanas. ( córrego dos Inhames) O próximo trecho de pernada vai em direção a um capão de floresta isolado e ao longe vamos nos guiando em direção a um pequeno telhado que pensamos ser uma casa, mas quando lá chegamos vimos que não passava de uma casinha de cocho, usada para alimentar os animais, que também não existiam por lá. O sol agora esquentou de vez e a gente aperta o passo tentando encontrar logo mais um riacho para refrescar a moringa e quando mais um córrego é encontrado, é hora de enfiar a cabeça dentro para baixar a temperatura. Esse rio é a própria nascente de um rio maior que vai descer em direção ao vale e entrar dentro de uma grande floresta. Vamos descendo paralelo a esse vale verdejante e ao darmos uma bobeira, perdemos o caminho do traklog. Tentamos varar mato subindo um pequeno morrote, mas logo ficamos travados numa vegetação entrelaçada e aí ao avistarmos um casebre lá de cima, que era alimentado por uma trilha do outro lado do vale, resolvemos retroceder e varar mato no peito, atravessar o riacho e interceptar essa trilha até o casebre, que por sinal estava abandonado. Voltamos para trilha, agora acompanhando o rio pela sua direita e 500 metros depois o atravessamos e subimos até a metade de uma colina e logo notamos que outra vez havíamos perdido o caminho, que na verdade continuava paralelo ao rio. A trilha se alarga de vez e vamos adentrando numa floresta refrescante até darmos de cara com uma porteira, onde uma placa anuncia que estamos entrando nos domínios da FAZENDA PINHÕES DA SERRA. Não demora muito e somos encurralados por alguns cães barulhentos e vislumbramos a possibilidade de podermos ver gente, mas quando chegamos na sede da fazenda, encontramos tudo vazio e não foi dessa vez que a gente conseguir encontrar outros seres humanos nessa travessia. ( sede da fazenda Pinhões da Serra) Uma estradinha partindo para a esquerda nos serve de caminho e quando ela vira à direita inventamos de cruzar o rio e interceptar outra estradinha gramada e a seguimos por um bom tempo até percebermos que novamente estávamos perdidos e longe do caminho. Nos recusamos a voltar pelo mesmo caminho, então inventamos de varar mato na diagonal para tentar interceptar novamente a trilha e nos vimos atolados dentro de um brejo por um bom tempo até conseguirmos voltar para direção correta e pegar o estirão final que vai descendo sem dó até que umas 4 da tarde, quando o sol já queimava tudo a sua volta, demos nas barrancas do lindo RIO PRETO, hora de dar um basta, descer as mochilas e dar por encerrado mais um dia de caminhada. O Rio Preto é um rio belíssimo, com águas escuras e avermelhadas e ali naquele local seve meio que de ponte natural para quem quer cruzá-lo. Cinquenta metros a baixo uma prainha nos convida para montarmos nossa barraquinha, mas antes de isso fazermos, largamos tudo o corremos para um banho renovador. O calor foi imenso durante todo o dia e nuvens pretas se apresentam para nos dizer que a noite poderemos ter um pouco de chuva, então armamos nossa barraca na areia e tratamos de cobri-la com um plástico. E o trabalho realizado foi muito providencial porque a noite a chuva veio com gosto, o que não foi de todo ruim porque serviu para aplacar o calor e pela manhã o sol retornou com força para ser nosso companheiro por mais um dia de travessia. A trilha tradicional parte do outro lado do Rio Preto e vai continuar seguindo na direção norte até que é preciso escolher entre virar a esquerda para Fechados ou a direita para Cemitério do Peixe, mas nós estamos longe de sermos tradicionalistas e estudando novamente o mapa, resolvemos que iríamos descer margeando o Rio Preto até interceptarmos a TRILHA DE BAIXO novamente. Em um primeiro momento tudo estava correndo bem, estávamos conseguindo encontrar um bom caminho pelo lado esquerdo, mas foi aí que dei uma bobeira monstro, não percebi no GPS que o rio havia dado uma guinada para direta e continuei navegando para esquerda pensando que o vale que eu estava seguindo fosse o vale do próprio Rio Preto. acabamos nos perdendo quase 1 km longe do nosso caminho e pior, tivemos que varar mato e escalar paredes ingrimes para tentar voltar. Não peciso nem dizer que o Andersom ficou pistola da vida com o meu erro de navegação e passou umas 3 horas resmungando. Pulei à frente e tracei um azimute direto para interceptar a trilha de baixo e fomos nos enfiando cada vez mais numas piramberas até que a tal trilha apareceu. Pegamos a trilha para a direita e não demora muito interceptamos mais um casebre, mais um barraco abandonado. Agora estávamos seguindo outro traklog, mais sinceramente era um caminho imprestável, que mais atrapalhava do que ajudava. Quando a cerca do casebre termina, entramos a esquerda e fomos meio que contornando a casa até que o traklog se mete no meio de uma quiçaça, sem trilha sem qualquer vestígio de caminho e aí a gente toca varar mato tentando conseguir nos aproximarmos novamente do Rio Preto. Depois de muito custo chegamos ao rio e o atravessamos para o outro lado, interceptando um afluente e subindo por uma meia hora até cruzá-lo também, mas antes disso paramos para fazer um almoço porque aquele dia não estava sendo fácil. Com a barriga cheia e o espírito renovado, retomamos nossas andanças, primeiro subindo o rio e depois descobrindo uma trilha que se enfiou dentro de uma fenda da montanha e começou a subir para valer. O caminho era realmente bonito, mas as dificuldades passadas ao longo desse dia junto com o calor infernal nos fizeram apressarmos o passo até que o terreno arrefeceu de vez e voltamos a caminhar com a imensidão do cerrado. Uma parede gigante nos fez companhia por um certo tempo, uma muralha do lado direito e foi um sobe e desce pequenas colinas intermináveis até que o caminho vira para esquerda e adentra no meio de vegetação mais densa, num labirinto de caminhos até pularmos uma porteira e voltarmos a subir e descer colinas. Numa olhada rápida no mapa observamos que a descida final para o vilarejo de FECHADOS faria uma curva para direita, contornando uma montanha e depois se enfiando numa ladeira interminável até o povoado. Acontece que o Anderson ainda continuava meio bolado e inventou de querer cortar aquela volta imensa, simplesmente varando mato em linha reta, mas havia um problema: O mapa nos mostrava um vale gigantesco com paredes escarpadas, resumindo, era uma furada dos infernos, mas como eu já havia dado uma mancada grande na saída do Rio Preto, fazendo a gente rodar em círculos, achei melhor nem dar muito palpite e deixar a navegação final por conta dele. E assim foi, nos enfiamos tentando descer aquela pirambeira, às vezes galgando alguns morrotes, mas sempre enfrentando uma vegetação entrelaçada por galhos retorcidos. Mas o pior ainda parecia estar por vir quando nuvens negras começaram a se formar, ameaçando desabar sobre nossas cabeças. A tarde já ia longe, sem água a boca secou rapidamente e cada vez parecíamos nos enfiar num caminho sem volta. Eu nem dava mais palpites, só ficava de olho no traklog do meu celular, tentando ver se pelo menos estávamos indo para o rumo certo, mas já temia que poderíamos ficar na mão porque a bateria já agonizava. O Anderson ia à frente e eu já me arrastava atrás, pensando na possibilidade de encontrar um pouco de água e vislumbrar algum lugar que pudéssemos esticar nossa barraquinha e finalmente depois de despencarmos barranco abaixo, um veio de água salvador foi encontrado e quando já estudávamos seguir descendo o vale, que seria sem dúvida uma estupidez, encontramos um rabo de trilha que seguia em direção a trilha principal. Fomos seguindo por esse caminho, mas ele próprio se perdeu no meio do nada e aí toca a gente varar mato no peito novamente até que por um golpe de sorte fomos interceptar uma trilha antiga no degrau da montanha e por ela seguimos quase que noite à dentro até finalmente encontramos sinal de civilização, numa casa em construção, mas bem ao lado da grande trilha que nos levaria de volta para o povoado. Estávamos realmente gastando as últimas forças, já utilizando as energias reservas e quando o Anderson deu a ideia de ao invés de acampar na casa em construção, seguirmos caminho até o povoado, não tive nem forças para dizer não, apenas me levantei e como um boi que segue caminho para o matadouro, me pus a caminhar e deixar que minhas pernas me carregassem trilha abaixo, perdendo altitude no meio da floresta escura e sombria. ( FECHADOS) Aquele final de caminhada, descendo aquela trilha tradicional, levou uma eternidade, mesmo que não tenha passado de míseros 50 minutos e logo que passamos por uma cachoeirinha que desaguava à beira do caminho, fizemos uma curva e desembocamos numa estradinha de terra e ganhamos o estirão final até que de supetão demos de cara com o povoado. Logo na primeira casa um cachorro barulhento anuncia a nossa chegada e dela saí um senhor que nos interpela, perguntando de onde surgimos. Ao saber que estávamos vagando há 4 dias pela Serra do Espinhaço e que ele era o primeiro rosto humano que víamos nesse tempo todo, imediatamente nos chamou para dentro e nos convidou para um banho, enquanto sua esposa preparava uma janta. Uma hora atrás estávamos perdidos no limbo da floresta e do Cerrado mineiro e agora aquela família nos recebera como filhos sem nunca ter nos vistos antes e até então, surpreendentemente, o cara que ao contrário de mim que já está acostumado a chorar diante da beleza ou das agruras da vida, desabou emocionalmente. Aquele ser de aparência forte e até meio turrão em alguns momentos, não segurou as lagrimas, era o jeito que o Anderson Rosa arrumou para agradecer por nós dois as boas vindas dos “nativos” de FECHADOS. A família que nos acolheu arrumou um lugar para que pudéssemos passar a noite e logo quando o sol nasceu corremos para o centrinho do vilarejo a fim de pegar o único ônibus que por ali passava, na verdade só existem 3 ônibus por semana que liga Fechados à Santana do Pirapama e ele vai recolhendo de tudo pelo caminho, desde gente até animais, sacos de farinha, mantimentos, vai cruzando uma infinidade de pequenas áreas agrícolas, lugares onde o progresso passou bem longe e mais de 3 horas depois desembarcamos no seu final, bem na hora de pegarmos um ônibus para Sete Lagoas e de lá para a capital mineira, onde conseguimos um carona por aplicativo até São Paulo. Nossa passagem pela Serra do Espinhaço, nesses 10 dias que lá estivemos, serviu para que tivéssemos uma noção clara das riquezas naturais que se escondem nesse rincão mineiro, uma natureza ainda em estado bruto que se mantém preservada e longe das farofas humanas que ultimamente vem entupindo as trilhas e montanhas desse país. Fomos lá com o intuito de fazer uma bela caminhada pelos campos floridos do cerrado mineiro e trouxemos na bagagem uma grande aventura, simplesmente porque num determinado momento resolvemos jogar no lixo roteiros pré-estabelecidos e deixamos nos levar pela curiosidade e pela vontade incontrolável de nos jogarmos atrás do novo e do desconhecido. Divanei Goes de Paula – outubro/2018
  2. TABULEIRO X LAPINHA “Grande, enorme, gigante! É como um minúsculo nada que me jogo na grandiosidade daquele poço de onde despenca nada mais nada menos que a maior Cachoeira de Minas Gerais. O mergulho é meio estabanado devido a presença de rochas submersas, mas ao submergir das águas geladas, me lembro de outrora quando estivera naquele lugar há mais de 15 anos e sem muito titubear, boto forças no braço e tento alcançar o lugar donde as águas despencam dos 273 m de queda livre, mas o vento e as ondas criadas pelo deslocamento de ar me fazem tomar um rumo diferente e então nado na diagonal até me ver a salvo numa ilha rochosa. Tomo novamente a direção da cachoeira e meu olhar se perde nas alturas colossais e pulando de pedra em pedra, atravesso um arco-íris para me projetar atrás do grande véu aquático e lá me perco na euforia do momento. Nem me lembro mais quem sou eu, não sei se sou criança ou um homem de meia idade e por alguns minutos me entrego ao deleite que me assombra a alma, agora tomada por uma felicidade imensa, perdido na magia de uma das maiores atrações naturais do Brasil. “ A travessia Lapinha x Tabuleiro é um dos maiores clássicos em se tratando de caminhadas no país, mas por incrível que pareça, ainda se trata de uma ilustre desconhecida entre os grandes centros, ficando renegada apenas ao mineiros e alguns montanhistas mais safos. Claro que todo mundo que é ligado ao esporte pelo menos uma vez na vida já ouviu falar dessa travessia, mas a distância e a logística péssima, fez com que muita gente experiente acabasse por deixar essa travessia tradicional em segundo plano e eu não escapei de ser um deles, tendo ensaiado por várias vezes me enfiar naquelas paragens. Não posso dizer que desconhecia totalmente a Serra do Espinhaço porque já havia estado por lá tempos atrás, mas nunca para uma grande caminhada, sempre como turista, para visitar os parques nacionais e alguns vilarejos perdidos, como o próprio vilarejo do Tabuleiro. Tendo pelo menos 10 dias de férias, resolvi que era chegado a hora de riscar essa caminhada da minha lista e como o Anderson Rosa também estava com tempo sobrando, combinamos de emendar uma grande travessia no Espinhaço, nos perdendo por mais de uma centena de quilômetros entre o vilarejo do Tabuleiro, passando pelo Vilarejo de Lapinha da Serra e depois esticando até o vilarejo de Fechados e o que a gente achava que seria uma bela caminhada pelo serrado mineiro, acabou por se tornar uma grande aventura duríssima, porque onde a gente põe a mão ou no caso os pés , a gente tem o poder de transformar o passeio numa ida ao inferno, desnecessário, mas um dia a gente aprende.( rsrsrsrsr) (Conceição do Mato Dentro) Aproveitando a vinda de uns mineiros para capital paulista, que vieram assistir a final da Copa do Brasil de onde o time de Belo Horizonte levou a taça ganhando de um timinho de Itaquera, pegamos uma carona combinada no aplicativo e picamos a mula para a capital mundial do pão do queijo e às nove da manhã já havíamos sidos cooptados por uma lotação que iria nos levar de Belo Horizonte até o município de Conceição do Mato Dentro, que por sinal, havia mudado pouco desde que lá entive no início dos anos 2.000, continuava o mesmo fim de mundo de sempre. Conceição é daquelas cidades minúscula, onde certamente o Judas teria perdido as botas, mas nosso destino seria ainda mais distante, talvez lá para onde o Judas passa férias. Convencemos um taxista a nos dar um desconto e nos levar para o vilarejo de Tabuleiro distante quase 30 km, mesmo com as nuvens enegrecidas que ameaçavam desabar e transformar as estradas de terra num atoleiro. Numa viagem quase que interminável, tendo que fazer desvio por caminhos pouco dantes navegados, chegamos ao Tabuleiro na parte da tarde e fomos desovados num lugar vazio e em meio as chuvas que acabaram vindo, como o prometido. (vilarejo do Tabuleiro) O vilarejo conta com um amontoado de casa distribuídas em formas aleatórias, espalhadas pelo terreno montanhoso e seu centrinho fica num lugar estranho, uma subida abaulada e do ponto mais alto desponta uma igrejinha magnífica que foi reformada há pouco tempo e faz o charme do lugarejo. Deixei o Anderson cuidando das mochilas e fui ver uma vaga no camping na entrada da vila, aliás, o mesmo que havia ficado gratuitamente 15 anos atrás e que hoje era administrado por um senhor que cobra um preço camarada para se instalar com barraca( 15 reais), mas como ainda era cedo, resolvemos dar uma voltar e tirar umas fotos da singela igrejinha e foi lá que conhecemos o Dinei, morador local que nos emprestou um sinal de internet e por fim nos ofereceu a construção de uma lanchonete para que pudéssemos passar a noite. Na manhã seguinte sem muita pressa e depois de um bom café, jogamos as mochilas nas costas e partimos para o início da trilha que está a quase 4 km do vilarejo, mas não demorou muito e ao passar por nós uma perua escolar que se dirigia para a portaria do Parque do Tabuleiro, não nos furtamos em esticar o dedo e angariar uma carona salvadora. O Parque Municipal e Natural do Tabuleiro engloba boa parte dessa travessia e é o guardião da cachoeira de mesmo nome. Esse parque nem existia quando por aqui estive em 2003 e hoje conta com uma portaria que cobra 10 reais para se acessar a queda d’água, mas fornece coletes salva-vidas para todo mundo, além de ter estruturado quase toda a trilha, instalando tablados e passarela para dar acesso para todo mundo, um exemplo a ser seguido por qualquer parque. Quem vai fazer a travessia para Lapinha da Serra e não vai até a cachoeira nem precisa pagar, mas esse não era o nosso caso porque fazer a travessia sem ir ao grande poço da queda é de uma burrice gigante porque talvez essa seja uma das grandes atrações naturais do Brasil. Explicando melhor, existem dois caminhos: o tradicional que vai passar pela direita da Cachoeira e vê-la apenas do mirante e o alternativo que vai contornar pela esquerda, subindo em paredão íngreme e já saindo no topo da cachoeira, claro que existe a opção de ir até onde a queda despenca, voltar e escolher qualquer caminho, mas como veríamos no decorrer dessa travessia, são poucos os que escolhem fazer essa travessia partindo do Tabuleiro, a grande maioria prefere partir de Lapinha da Serra. Sempre pensei que esse caminho escolhido pela maioria seria para deixar a grande atração do roteiro para o final, a grande cereja do bolo, finalizar com um grande banho na Cachoeira do Tabuleiro, mas depois descobriríamos que o grande motivo seria outro. Nos despedimos dos guarda parques e viramos à esquerda e já pegamos a trilha que nos levaria até embaixo da queda do Tabuleiro. Como relatei, um caminho todo demarcado e com infraestrutura para que pessoas de idade e crianças possam seguir com segurança, mesmo que seja uma trilha puxada para esse seguimento, não se gasta pouco mais de uma hora até cachoeira. O Caminho é lindo demais e aos poucos a queda d’água vai se mostrando imponente e vai devastando a nossa capacidade de medir tamanhos. Vamos perdendo altitudes , passando por alguns mirantes incríveis e quando menos esperamos já estamos com os pés do Ribeirão do Campo de águas avermelhadas e escuras, um colorido único que vai rasgando a vegetação rupestre e aí vamos pulando de pedra em pedra, atravessando o rio em ziguezague, ás vezes somos jogamos para às margem e somos obrigados e transitar por dentro da vegetação, mas sempre seguindo setas pintadas caprichosamente para facilitar a passagem sem que tenhamos que molhar as nossas botas, pelo menos na época da primavera quando o rio está menos cheio . A cada passo dado em direção aos pés da grande queda, mais fascinante vai ficando o passeio, a vontade é largar mochila e tudo mais para trás e sair correndo e se jogar aos pés desse deus em forma líquida e se banhar no seu glorioso manto molhado, porque mais que um prazer é mesmo uma grande honra poder estar num lugar único como aquele. Quando estacionamos nossos corpos extasiados junto ao grande poço de águas escuras, apenas 4 ou 5 testemunhas se refrescavam naquela sexta feira de outubro. O sol incidia direto no poço e o véu da maior cachoeira de Minas Gerais e a terceira mais do país, se espalhava numa dança frenética, num vai e vem belíssimo e para nossa sorte, a Grande CACHOEIRA DO TABULEIRO havia sido encorpada pelas chuvas do dia anterior. Ela estava tão bela quanto 15 anos atrás, quando também pegamos ela com um volume alto e não demora nada para eu me despir da minha pele fabricada e me atirar nas águas frias e tentar nadar em direção ao véu, mas por mais que eu me esforçasse, foi impossível prosseguir por causa das ondas e da correnteza que insistia em me jogar de volta para as margens, então apenas nadei bravamente até uma pedra submersa e com um dorso de baleia aparente e lá ganhei fôlego, preferindo agora seguir pela margem esquerda até me posicionar embaixo dos 273 metros de queda livre e lá sentir toda energia daquele monstro caindo sobre minhas costas. Os minutos que lá passei foram uma eternidade, gritei palavras desconexas, frases sem sentido, invoquei a minha infância com todo o vigor da minha alma, eu estava feliz como poucas vezes estivera antes. Deixamos a grande cachoeira para trás e voltamos a descer o rio, agora na intenção de encontrar a trilha que nos levaria para o topo dela. Sabíamos que o nosso caminho seguiria para a direita de quem desce e logo depois de uma pequena grutinha localizamos um totem de pedra que nos indicou por onde deveríamos subir, mas basicamente essa trilha sobe o barranco do outro lado do rio pra quem vem lá da sede do parque, no nosso caso que estávamos voltando da cachoeira , tivermos que fazer uma escalaminhada inicial até que a trilha se consolida de vez e fica bem visível , toda forrada com pedrinhas brancas e quando se chega ao alto, pegamos para a direita numa placa do parque , junto a um amontoado de telhas . Vamos caminhado, agora mais em nível, meio que paralelo ao grande morro de onde a cachoeira desaba, mas logo se percebe que deveremos subi-la contornando o morrão pela sua esquerda. Quando nos aproximamos de vez da montanha continuamos subindo até um grande patamar para descobrir que havia mais um grande morro para ser cruzado, mas como acabei desgrudando os olhos do traklog passado por uns amigos mineiros, acabamos nos enfiando nesse patamar e seguindo reto, varando uns arbustos até darmos com os burros n’água. Verdade mesmo que o nosso burro não chegou nem perto da água, acabamos saindo no alto do penhasco com a visão do rio lá embaixo, sem conseguirmos descer sem que fosse preciso sacar de uma corda. (Ribeirão do Campo) Bom, o Anderson já estava pistola comigo porque havíamos caminhado numa subida do cão e não fomos dar em lugar nenhum. Eu até tentei achar um caminho para tentarmos descer para ver a cachoeira despencando no vazio, mas acabei por desistir e como ele já estava aporrinhando para voltarmos para trilha correta e com toda razão, interceptamos um rabo de trilha e navegamos beirando o Ribeirão do Campo pelo alto até conseguirmos perder altitude e nos acabarmos de tanto beber água. Enquanto o Andersom se acabava numa cachoeirinha, desci o rio para bater umas fotos de umas cachoeiras maiores e até pensei em seguir o rio pela margem até para ver a Tabuleiro despencando no vazio, mas achei que gastaria muito tempo para ir e voltar e como a tarde já ia pela metade, voltei para onde estava o Rosa, comemos um lanche e partimos. A sequência do caminho é do outro lado do rio, passamos por uma bifurcação para a direta que provavelmente levará para vistas do salto da cachoeira e continuamos subindo. Não é um grande desnível, mas é uma trilha longa para quem já teve que vencer o desnível desde o pé da cachoeira com a mochila carregada. Vamos caminhando devagar, desprezando algumas bifurcações que provavelmente servirá de atalho para a trilha principal que vem lá da sede do parque e quando o terreno nivela, vamos nos perdendo naquela vastidão sem fim, tentando adivinhar para onde seguirá nosso caminho, mas logo ao cruzar uma porteira, nos damos conta que devemos manter os olhos bem presos ao chão, ainda mais depois de quase pisarmos numa jararacuçu. Nosso traklog indicava que estávamos perto do camping e apoio do seu Zé, mas somente quando a noite caiu foi que conseguimos enxergar as luzes ao longe que nos serviu de guia. Debruçado na janela, seu Zé nos recebe com um boa noite e uma galera de Belo Horizonte se espanta com nossa chegada tão tardia. Seu José nos autoriza a montarmos nossa barraquinha na varanda, muito porque as nuvens negras que nos acompanhou a tarde toda ainda ameaçavam desabar, mas não choveu e logo após um banho gelado e uma janta quente, nos jogamos na nossa casa de mato e só acordamos quando o sol veio nos avisar que era hora de retomarmos mais um dia de caminhada. Nos despedimos dos nossos anfitriões e partimos pela trilha que agora se parece com uma estradinha e que se inicia atrás da casa, logo depois da porteira. As vistas se alargam muito e a caminhada vai seguindo com pouco desnível por caminho muito obvies e de fácil navegação, tão fácil que a gente bobeou e ao invés de pegarmos a trilha para a esquerda 1 km depois do camping, passamos reto e seguimos enfrente pelo caminho aberto por mais 1600 m e só percebemos o erro porque nos vimos diante de uma bifurcação. Diante da burrada e da pernada desnecessária, resolvemos não voltar e sim varar mato pelo cerrado, mas agora sem tirar o olho do gps do celular que apontava que o nosso caminho deveria seguir para o sul, totalmente oposto do caminho que estávamos seguindo. Cortar caminho sem trilha em campos de altitude não é problema e é até prazeroso poder deslumbrar um tanto de novas plantas rasteiras do qual não estamos acostumados a ver e menos de meia hora depois reencontramos a nossa trilha bem onde uma ponte natural feita de raiz cruza um riacho. Mais 1 km de caminhada em campos abertos e vamos passando por uma espécie de brejo, que vai cortar dois capões de mato a distância, com uma formação rochosa muito bonita a direita e uns 15 minutos depois desembocamos num rio lindo com água abundante, cor de coca-cola e depois de um gole d’água, cruzamo-lo para o outro lado e vamos subindo levemente por mais vinte minutos até cruzarmos a porteira e a placa que delimita o início do Parque natural do Tabuleiro e ganharmos a rua de terra. Nosso caminho segue na estradinha para a esquerda, mas não dá nem 200 metros já interceptamos um rabo de trilha saindo para a direita e vamos descendo em direção a CASCALHEIRA , uma passagem muito bonita , quase uma fenda que vai despencando montanha abaixo, contornado o abismo até ganhar o fundo do vale, num plano muito bonito, todo florido e com caminho estreito já com vista para os picos que compõe toda essa paisagem lindíssima. O caminho é bem gostoso de ser trilhado e o esforço é mínimo por não haver nenhum desnível considerável e meia hora depois cruzamos mais um riachoem meio a uma matinha, no qual paramos para matar nossa sede e refrescar nossa moleira já que o sol não estava para brincadeira. Seguimos até que a trilha se enfia dentro de um capão de mato e sobe beirando uma cerca de arame até desembocar numa porteira, onde é possível avista ao longe uma casa do lado direito. A partir de agora o Pico do Breu já nos acena com um convite para subi-lo e vamos descendo em direção a ele e ao Rio Parauninha e logo quando passamos em frente do lugar marcado para pegar à esquerda e seguir para a área de acampamento da Dona Ana,resolvemos mandar o traklog as favas e cortar caminho direto para o Pico, como se ele próprio tivesse nos enfeitiçado. Abandonamos, portanto, a trilha batida e fomos traçando um caminho com o GPS até reencontrarmos no fundo do vale o RIO PARAUNINHA, com suas águas vermelhas e convidativas. Depois de um breve descanso e de termos localizado a trilha que vai galgar a encosta do Breu, recolhemos um litro e meio de água por pessoa, já que não sabíamos se teríamos fontes no topo ou a caminho do dele. A subida é meio confusa, as vezes os totens dão o caminho, outras vezes a trilha aparece em meio às pedrinhas brancas, mas a única coisa que não deixa de ser óbvia é que tem que tocar para cima e foi aí que a gente descobriu porque absolutamente ninguém costuma fazer esse roteiro vindo de Tabuleiro e somente de Lapinha da Serra. É uma subida dos infernos, principalmente para quem como nós está com uma mochila carregada para 10 dias de travessias. Vamos ganhando terreno metro à metro, centímetro à centímetro e quanto mais se sobe mais difícil vai se tornando o caminho. Eu já não vinha passando muito bem por causa do clorim que usamos para tratar a água, coisa que eu sabia que sempre me fazia mal. Estava com cólicas terríveis por causa de uma dor de barriga e aquele diabo daquela trilha não arrefecia de jeito nenhum. Para piorar o tempo fechou no cume e as nuvens desceram violentamente e nos pegou nas encostas. Quando a gente pensava que estava chegando, sempre aparecia outro ombro para ser galgado e eu já estava quase mandando aquele cume a merda e acampando em qualquer lugar, mas como o Rosa acabou se adiantando, me vi na obrigação de tentar acompanha-lo, muito porque, o abrigo estava com ele. Claro, poderíamos ter evitado tudo aquilo, poderíamos apenas ter seguido pelo caminho tradicional e não subir o Pico, apenas contorna-lo, mas não, a gente tem que inventar moda e escolher a porra do pior caminho. O Andersom sumiu das minhas vistas, fiquei para trás me contorcendo e me arrastando em meio a vegetação de altitude, sem saber se estava indo para o lado certo ou não e quando o terreno se estabilizou e galguei uma parte plana, avistei um grande totem de pedra que marcava os 1.687 metros do cume do PICO DO BREU, joguei minha mochila ao chão e dei por encerrado aquele dia de caminhada, hora de procurar um lugar para acampar e fazer uma janta quente. O Pico do Breu é o ponto mais alto do caminho e a vista lá de cima é realmente deslumbrante, mas por causa do mau tempo no cume, conseguimos ver muito pouco e por um breve espaço de tempo, toda a crista que vai levar ao Pico da Lapinha. Assim que escureceu, o tempo fechou de vez e uma garoa fina tomou conta do lugar. Não havia nenhum sinal de acampamento no topo, muito porque deve até ser proibido e além do mais, quem parte de Lapinha da Serra deve chegar aqui super sedo, sendo desnecessário acampar aqui, mas não é o nosso caso e então, depois de tirarmos algumas pedrinhas de um lugar mais plano, montamos nossa barraquinha e fomos tratar do jantar. Enquanto o Anderson cozinhava, perguntei para ele se não seria bom tentar esticar a lona superior da barraca com algumas pedras e como ele achou meio desnecessário, não dei muita liga, afinal de contas eu ainda estava envolto com minhas cólicas abdominais e estava querendo era ficar quietinho, mas essa atitude preguiçosa iria nos cobrar um preço. A neblina que durante o dia havia varrido o topo do Breu, à noite se transformou em uma garoa fina e os ventos açoitaram nossa barraquinha fazendo com que a lona de fora grudasse na de dentro e tudo o que era seco se encharcou. Estávamos tão cansados que ninguém se animou a sair lá fora com o mal tempo para tentar esticar a lona e de manhã ainda tivemos a cara de pau de praguejar contra as forças da natureza ao invés de aceitar nossa incompetência. Mesmo molhados, ficamos deitados até tarde, meio que em estado letárgico, sem coragem de levantar e encarar o tempo ruim que ainda persistia e só quando não houve mais jeito foi que tomamos coragem e resolvemos enfrentar o nosso destino. Rapidamente desmontamos tudo e jogamos para dentro das mochilas e saímos voados do cume, mas não fomos muito longe porque logo nos vimos perdidos na encosta depois que o cume acabou. Acontece que a descida é pela esquerda, numa fenda que despenca logo para baixo, mas o mal tempo nos fez rodarmos um pouco mesmo seguindo pelo traklog do gps. A descida é rápida e o caminho curva-se para a esquerda e ao atingir a crista se nivela e vamos galgá-la em direção ao Pico da Lapinha. O caminho com tempo ruim é meio confuso, mas ao longe avistamos umas estacas pintadas de azul, passamos por algumas nascentes que nos ajuda a repor a nossa água que nos faltou no cume do Pico do Breu e uma meia hora depois, talvez um pouco mais, chegamos à uma bifurcação. Para a esquerda é a descida que poderia nos levar para o Rio Parauninha e interceptar a trilha tradicional, e para a direita é a continuação para o Pico da Lapinha e a sequência da trilha que também poderá nos levar para o próprio vilarejo de Lapinha da Serra. Mesmo com mal tempo resolvemos seguir pela crista da serra e pouco mais de 3 km depois interceptamos a própria trilha final que vai subir ao cume do PICO DA LAPINHA. A vista lá de cima deve ser soberba, mas com o tempo fechado como estava, achamos perda de tempo e esforço inútil, então passamos direto, agora nos guiando por estacas vermelhas, o que nos deixou curioso para saber quem havia sinalizado tão bem essa crista de montanhas, jamais havíamos visto isso em lugar nenhum, mas não tardaríamos em saber que isso tinha seu preço. Da entrada para o pico da Lapinha, a trilha vai perdendo altitude e uns 15 ou 20 minutos depois demos de cara com um surpreendente abrigo de montanha, todo bem conservado e até com fogão à lenha e banheiros limpos. Imaginamos que poderia ser a sede do parque, mas logo saberíamos do que se tratava. O lugar aonde foi construído o abrigo é lindíssimo, mas um pouco exposto e o vento que vinha encanado pelo vale estava de congelar, ainda mais porque estávamos molhados, então tiramos algumas fotos da paisagem e do Pico da Lapinha e descemos rapidamente, tentando sair de dentro das nuvens para alcançarmos o sol que iluminava o vilarejo que já estava à vista. A trilha vai descendo para valer e o horizonte vai se alargando até podermos ver o grande lago que deixa tudo mais encantador. De degrau à degrau, vamos cada vez mais nos aproximando do vilarejo, passamos por um rio de onde placas indicam haver cachoeiras, mas já não nos alegramos mais em ir conhecer, queremos mesmo é poder finalizar essa travessia o quanto antes a fim de nos aquecer e poder comer algo porque o estomago já está nas costas. Uma última curva nos leva até uma casa e uma porteira nos fecha o caminho de onde duas pessoas nos aguardam babando para nos interpelar sobre o caminho que fizemos. Foi ali que descobrimos que todos aquelas cristas e montanhas ficavam em área particular e que a tal construção se tratava de uma portaria para cobrança do acesso. Tivemos que responder um monte de perguntas, mas a nossa astúcia de montanhistas antigos já nos fez optarmos pelos famosos “migués”, demos uma de “João sem braço”, dizendo que não sabíamos de nada e que havíamos acampados em um lugar distantes, tão distante que nem nós sabíamos explicar onde ficava. Enfim, nos deixaram passar sem cobrar os 25 reais pela passagem por suas terras, mas nos avisaram que da próxima vez teríamos que pagar. Balançamos a cabeça, ainda nos fazendo de bobos, nos despedimos dos cobradores de impostos e seguimos nosso caminho passando pelo campinho de futebol até finalmente desembocarmos num camping junto ao minúsculo vilarejo, num fim de mundo sem sinal de celular ou quaisquer outras modernidades. O dia mal havia chegado a sua metade, poderíamos nos pôr a caminhar por mais uns 10 km e ganhar o povoado de Santana do riacho de onde poderíamos tentar um ônibus para Belo Horizonte, mas apesar de termos chegado ao final dessa clássica travessia, nossas pretensões era seguir caminho para outro vilarejo perdido na Serra do Espinhaço, mas a travessia para FECHADOS é outra história, uma outra aventura surpreendente que será contado em um momento oportuno. A travessia Tabuleiro x Lapinha ou vice-versa é sem dúvida uma das mais clássicas travessias de todo o Brasil e conta a seu favor o fato de estar afastada dos grandes centros como Rio e São Paulo, o que faz dela ainda uma caminhada deslumbrante devido ao pequeno fluxo de pessoas, mas muito mais do que isso, é poder caminhar em um ambiente onde a farofa ainda não chegou e ainda é possível andar sem ver um único vestígio de lixo e muito menos tropeçar em banheiro humano largado em qualquer lugar e só isso já valeria qualquer sacrifício, mas não é só isso, esse roteiro tem a honra de poder lhe apresentar nada a menos que grandiosa Cachoeira do Tabuleiro que com certeza constará em qualquer lista das grandes atrações naturais do país e como bônus esse roteiro nos apresenta também o fantástico Pico do Breu e sua serra pontilhada por outras montanhas incríveis , incluindo o Pico da Lapinha. Nosso primeiro contato com o Espinhaço fez com que a gente ficasse completamente deslumbrados com essa serra, porque descobrimos caminhos e possibilidades ainda quase que inexplorados ou ao menos conhecidos apenas pelos nativos do Estado e uma vez picado pela mosca do Serrado é impossível deixar de se apaixonar por essas veredas. Divanei Goes de Paula - outubro/2018 AGRADECIMENTOS: Aos mineiros Francisco Cardoso ( CHICO TREKKING) e ao Robson Oliveira ( TRILHANDO TREKING) , foram os nossos contatos em Minas Gerais e se há alguém capaz de guiar ou passar informações, esses são os caras e a eles todo o meu respeito e admiração.
×
×
  • Criar Novo...