Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''san blas''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas e Respostas
    • Destinos
  • Companhia para Viajar
    • Companhia para Viajar
  • Relatos de Viagem
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Lugares que já visitei


Próximo Destino


Ocupação

Encontrado 8 registros

  1. Antes de mais nada, sobre mim e minha esposa, tenho 59 e minha esposa 55 anos, frequentamos academia e caminhamos diariamente. Buscamos destinos que tenham contato com a natureza envolvido, colecionar experiências e conhecer pessoas com sua cultura. Um ponto fundamental que buscamos é segurança, logo, destinos que sejam bastante seguros. No Panamá, com exceção de San Blas que não é necessário, em todas as ilhas tinham policiais bem alertas. Em Cartagena também pode ficar bem tranquilo e andar à noite. Fiz esta viagem com minha esposa entre os dias 22/02 a 16/03/2018, ou seja, 23 dias. O caribe é um destino muito atraente com uma variedade de ilhas e de culturas, porém a dificuldade é de caber no bolso. Já tinha conhecido San Andrés e Providência, então procurava outro destino que não fosse à falência. Então encontrei no Panamá, Bocas del Toro e San Blás. Também desejava conhecer Cartagena. Então, fiz uma pesquisa de voos multidestinos que valeu muito a pena. Acrescentar Cartagena custou, pelo que lembro, apenas uns 100 a 150 reais a mais. O Panamá não é um destino de massa e também tem muito mais do que o Canal. É também o que chamam “hub de las Américas”, ou seja, é um lugar que permite a ligação ou conexão fácil com todas as três Américas e Caribe, e inclusive é saída de vários cruzeiros pelo Caribe. Mas além do óbvio Canal, também tem muito turismo de contato com a natureza. Nós passeamos bastante na capital Panamá City e também fomos à Bocas del Toro e San Blás. O Panamá é um destino um pouco caro para nós brasileiros mas economizando dá para encarar. O dólar oficial na época estava em torno de R$ 3,30. Bocas del Toro também é pouco conhecida pelos brasileiros, é um arquipélago com várias praias e também muito procurada para mergulho e surf. A natureza é preservadíssima. Sugiro pesquise em imagens no Google para San Blás e Bocas del Toro e tenho certeza que ficará de boca aberta e vão entrar na sua lista de desejos. Tanto San Blás como Bocas del Toro são muito frequentadas por europeus e americanos. Para quem nunca ouviu falar em San Blás, também um arquipélago com mais de 360 ilhas paradisíacas que parecem aquelas de desenhos animados com náufragos, tudo aquilo que imaginamos só haver na Polinésia Francesa. É uma região autônoma (como um país) administrada pelos índios Kuna Ayala. Muitas listas de viagem colocam como um dos destinos mais fantásticos do mundo, e eu também. Tinha visto um ótimo relato no Mochileiros anos atrás, mas tinha um pouco de receio de ser um pouco programa de índio, no caso, literalmente. Porém, não se preocupe com isso. Apesar de ter certa dificuldade de acesso, porque tem que ir de veículos 4x4 a viagem é dura e demorada, além de pegar uma lancha até a ilha desejada. Os índios só permitem 4x4. É um pouco cansativo, depois só alegria e paisagens que são tão lindas que até parecem falsas. Nós desfrutamos até do caminho até lá, foi a mais pura aventura. San Blás, como chegar: Para mais informações veja o que diz no blog da Lala Rebelo, que é uma especialista em Panamá, escreve para a revista Viagem & Turismo e residia na época no Panamá. https://lalarebelo.com/country-cat/caribe/panama-caribe/. O site Melhores Destinos também tem ótimos guias para San Blás e Bocas del Toro. Também neste blog encontrará ótimas informações http://www.daninoce.com.br/viagem/san-blas-kuna-yala/o-que-voce-precisa-saber-antes-de-ir-a-san-blas/. Alguns hostéis também organizam os pacotes para San Blás. Você vai ter que usar uma agência. Pode se hospedar com sua barraca ou em cabanas muito básicas mesmo. É para quem não tem frescura. Tínhamos visto no blog da Lala Rebelo a opção de se hospedar em um veleiro e conhecer várias ilhas. Então, foi o que fizemos. Acreditamos que viajar é também colecionar experiências e que essa nós tínhamos que ter. Foi caro e valeu cada dólar. Fizemos a reserva pelo site http://www.sailinglifeexperience.com/home/ que é tipo um “Booking” de veleiros e é bem seguro. Reservamos pagando 5% do valor fazendo uma remessa pelo Pay Pal. A proprietária do site, Marina, nos colocou em contato com o proprietário do veleiro pelo WhatsApp e combinamos tudo. O transporte terrestre de SUV 4x4 e de lancha até o veleiro foi organizado pelo capitão. Chegando ao porto, não se preocupe com a confusão, é bem caótico mesmo. Mas dá tudo certo. O motorista te coloca em contato com o índio responsável para te levar até o veleiro. Ou se for o caso, para as cabanas da ilha escolhida por você. Todos se comunicam via WhatsApp o tempo todo. Ah, escolhemos o veleiro Lycka, recomendado pela Lala, que agora foi vendido para outro casal. Ah, com a Marina pode escrever em português que ela gosta de praticar. No veleiro a comida e bebida estão incluídos no preço. Para chegar até a sua ilha ou barco você pagará: -Transporte em SUV 4x4 - US$50 por pessoa -Taxa de entrada no território Kuna Ayala US$20 por pessoa -Taxa do porto US$2 por pessoa -Lancha até a ilha desejada ou veleiro US$35, por pessoa por trecho (depende da distância do porto até a ilha) Combine com seu hotel de deixar parte da bagagem e leve apenas o mínimo como o que couber em uma mochila de ataque ou bagagem de mão e se não for impermeável (a prova de respingos) ponha na hora da lancha em um saco de lixo. Você vai sair do hotel em torno das 5 da manhã. Então, leve um lanche e evite tomar leite, pois pode dar enjoo. A estrada é muito sinuosa e li sobre tomar Dramin antes e pensei que era bobagem, mas não. Nós não precisamos, mas tínhamos. Alguém em seu transporte provavelmente vai vomitar. As curvas e o sobe/desce são terríveis. O trecho de lancha, dependendo das condições do mar também pode ser com bastante emoção. No nosso caso foi. Sabe aqueles saltos que os caras fazem com jet-skis, é coisa fraquinha perto do nosso traslado de lancha. Mas foi bem legal, nem minha esposa sentiu medo. Nosso itinerário foi o seguinte: -São Paulo –22/02 Viajar as 12:00 (meio-dia) para Panamá City -Panamá City – dia 23 a 24/02 (Viajar à noite para Bocas) -Bocas del Toro – dia 25/02 a 04/03 (Viajar às 6 da manhão para Panamá City) -Panamá City – dia 05/03 a 06/03 Viajar pela madrugada para San Blás -San Blas – dia 06/03 a 09/03 -Panamá City – dia 09/03 a 11/03 (Viajar as 7:25 para Cartagena) -Cartagena – dia 11/03 a 16/03 -São Paulo – dia 16/03 a 17/03 Panama City, o que fazer: -Albrook Mall – Shopping gigantesco. Você vai ter que passar por lá mesmo. Então aproveite. -Calçada Amador – andar de bicicleta. A vista parece com Miami ou Dubai. -Calle Uruguay – Bares, restaurantes e vida noturna -Canal do Panamá – É uma obra fantástica que mudou os rumos do mundo. Há uma segunda passagem mais moderna para navios maiores ao lado da turística que todos veem. Não deixe de ver o filme explicativo que é bem legal. -Casco Viejo –Catedral, o Palácio Presidencial (só é possível ver de fora e um pouco distante), Plaza de la Independencia, Teatro Nacional, Paseo de las Bovedas, Plaza Francia, Iglesia de San José, Plaza Bolívar, Ruínas da Companhia de Jesus, Teatro Nacional e o Convento Santo Domingo. -Cerro Ancon – morro com 200m de altura com vista da cidade e do canal -Cinta Costera – Calçadão a beira- mar -Ponte Las Americas – Mirante -Bio Museu – Não deixe de ir Dicas do Panamá -Se você tem alguma frescura San Blás e Bocas del Toro, então não vai ser a sua praia. -Procurei descrever como fomos e a logística. Mais informações sobre o Panamá veja no blog da Lala Rebelo. -Uso o site: https://www.numbeo.com/cost-of-living/ para ter uma estimativa de gastos. E é bem preciso. -Não se esqueça do Certificado Internacional de Vacinação para a febre amarela. -A moeda oficial do Panamá é o Balboa, mas o que é usado mesmo é o dólar. Então, não se preocupe em trocar. -Táxi Aeroporto Panamá. O valor é de US$30 até o hotel ou outros da zona costeira -Uber Aeroporto Panamá: Uber X: US$ 10-18; Uber XL US$ 14-22 (fiz um orçamento on-line) e dizem funcionar muito bem. -Os táxis não tem taxímetro, então pergunte no hotel para ter uma referência, quanto custa do ponto A ao B. Mas são bem baratos e vale pechinchar. -Compre um cartão (tarjeta) para o ônibus e outra para o metrô. As do metrô você compra em uma máquina. É bem simples, mas tem que pedir ajuda. E coloque uma pequena recarga. As do ônibus vendem na estação rodoviária que é junto ao shopping Albrook Mall. Você vai ter que ir lá mesmo, para comprar a passagem para viajar à noite para Bocas del Toro. Os ônibus saem entre 19:30 e 20:00h. Mas tem que comprar a passagem antecipada. Vá depois das 14:00 horas, dizem que antes não vendem. Não se preocupe, não é longe da zona hoteleira. Aproveite para dar uma volta no Albrook Mall que é enorme. Na rodoviária você vai comprar além da passagem, o táxi até o cais e o barco para Bocas Town, é tudo junto mesmo. Isso dá em torno de US$ 30. -O Albrook Mall é um shopping para todas as classes sociais e tem de tudo. Desde dentista até armas, de lojas populares até as de grifes caríssimas como Prada, etc. Tem duas enormes praças de alimentação e com preços que dão para pagar. São quase da metade de um campo de futebol cada. Localize-se pelos bichos em cada corredor, como o do pinguim, da girafa, do urso, etc. São estátuas enormes dos bichos, é bem prático para se guiar. -Você vai precisar da tarjeta do ônibus para acessar a plataforma dos ônibus na rodoviária para Bocas del Toro. E só vai saber disso na hora do embarque, então compre para evitar stress e aproveite para andar de ônibus que são muito envidraçados (vidros enormes). -Supermercado Riba Smith, bem próximo do hotel Ojos del Río (550m). Para comprar frutas e lanches. -Canal do Panamá- ingresso US$15. Táxi US$$10. Ônibus US$0,50. Os ônibus custam $0,25, mas tem que passar o cartão na entrada e na saída. O mesmo no metrô. -Compras no Panamá. Verificar se o preço inclui o imposto de 6% -Táxi do Hotel Ojos del Río Casco Viejo US$ 2 (ida) $5 na volta sim todos os taxistas pedem mais na volta, pechinche. -Escolhemos o Hotel Ojos del Río no Booking por estar localizado perto de uma estação do metrô e valeu a pena. -Jantar no Hotel Ojos del Río US$ $ 8. Massa caseira à bolonhesa, uma delícia. -Para ir ao canal do Panamá, compre um cartão para usar nos ônibus e metrô. Entre na estação de metrô mais próxima e compre o cartão nas máquinas automáticas, carregue-o com alguns dólares. Apanhe o metro para a estação Albrook (US$ 0,35). Tanto nos ônibus quanto o metrô tem-se que passar o cartão na entrada e na saída. É estranho. Do outro lado da avenida fica o terminal de autocarros de Albrook. Atravesse a passagem superior e chegará facilmente ao terminal. Atravesse o hall do terminal e, do outro lado, caminhe para a direita. É provável que veja uma fila com muita gente à espera dos ônibus que param lá ao fundo. O ônibus que precisa pegar diz Miraflores. O destino final é o em frente ao Centro de Visitas do Canal do Panamá (US$ 0,25) é bem fácil. Gostamos dos ônibus porque eles têm uma ótima vista panorâmica. -Para voltar de Bocas del Toro compre a passagem no mesmo lugar onde desembarcou. Outros lugares também vendem, porém na hora de embarcar está sujeito à confusão, nós vimos acontecer. Umas meninas tiveram que comprar outra passagem entre choro e falta de lugar. -Em Bocas del Toro procure se hospedar em Bocas Town, pois é onde tudo acontece e cada travessia para outras ilhas custa US$ 2. Então, faça as contas. O que fazer em Bocas Del Toro: -Bahia de los Delfines -Cayo Coral -Cayo Zapatilla. Estes costumam ser um pacote. -Bocas Del Drago -Playa Estrella (evitar sábado e domingo porque fica muito cheia) Na Isla Colón. Ir de ônibus (16 km) descer em Bocas del Drago e caminhar no sentido de volta pela praia. Comida cara. -Isla Carenero. Tem aluguel de caiaques. -Isla de los Pájaros. Linda, mas de difícil acesso, depende das condições do mar. -Paki Point (ou Playa Paunch) praia de surf. -Playa Bluff. Na Isla Colón. Ir de ônibus, a playa Paunch é na metade do caminho. Lindas playas para surf. -Isla Bastimentos. Red Frog Beach (surf) Ir de barco. E Praias: Playa Larga, Playa Polo, Playa Wizzard, Turtle Beach, e Cayman Beach. Cartagena -Castillo de San Felipe -Plaza San Domingo (Point à noite) -Palacio de la Inquisición -Museu del Oro Zenú -Museu das Esmeraldas -Museu Naval -Torre del Reloj -Los Zapatos Viejos -Convento de Santa Cruz de La Popa -Iglezia de San Pedro Claver -Iglezia de San Domingo -Plaza de San Pedro Claver (Point à noite) -Avenida San Martin o Carretera 2 (Bocagrande) -Café Havana (bar, música e agito) -La Vitrola (Restaurante, bar e agito) -Café del Mar -La Cocina de Pepina (comida típica e barata) fica no Getsemani -Playa Blanca (nós não fomos decidimos curtir mais da cidade) -Islas del Rosário – Também não fomos Dicas de Cartagena -Táxi Aeroporto Cartagena – COP 10.000–15.000 -Trocar alguns dólares por COP ao chegar ao Aeroporto de Cartagena e depois dentro da Cidade Amuralhada pode pesquisar em várias casas de câmbio. Passando pela Torre do Relógio é a segunda rua à direita. -Aproveite para comprar livros usados em espanhol e inglês nos inúmeros “sebos” junto da praça antes da Torre do Relógio. -Ficamos no bairro Getsemani no Hotel Boutique Casa Isabel. Recomendo, pois fomos super mimados. Tudo é bem perto, tem vários lugares mais econômicos e é cheio de mochileiros. Dentro da Cidade Amuralhada os hotéis em geral são mais caros. ORÇAMENTO (dólares) US$ PANAMÁ -San Blás: 1.142 (total) Taxa dique: 4 Taxa Kuna: 40 Lycka: 918 (+170 já pagos como sinal) Total 1088 Jipe: 100 Lancha: 80 -Hotéis Panamá: 600 -Compras Panamá: 250 -Ônibus p/ Bocas 120 -Ingressos e Passeios Panamá: 100 -Táxi Panamá: 120 -Alimentação Panamá: 780 Panamá total: 3.112 CARTAGENA -Hotel Cartagena: 325 (pago) -Alimentação Cartagena: 170 -Táxi Cartagena: 20 -Passeios Cartagena: 50 Cartagena total: 565 Total geral: 3.677 Os preços em Cartagena foram convertidos para dólares, mas tem que trocar por pesos colombianos (COP) e como era pouco (o hotel já estava pago), eu troquei tudo no aeroporto mesmo. Abaixo as fotos em sequência: -Canal do Panamá -Bio Museu -Calzada Amador -Bocas del Toro – Playa Estrella -San Blás – vista do veleiro -Vista do veleiro, também -Cartagena. Torre del Reloj à noite -Cartagena. Ruas
  2. Falaê pessoal! Depois de percorrer o Caminho Inglês para Santiago de Compostela: https://www.mochileiros.com/topic/60177-caminho-inglês-de-santiago-de-compostela-fotos-valores-dicas-perrecos-e-experiências/?tab=comments#comment-652252 E de me aventurar pelas montanhas bolivianas: https://www.mochileiros.com/topic/52252-missão-bolívia-9-dias-de-diversão-e-3-horas-de-decepção-sozinho-fotoscustosdicascausos/ O novo destino foi o Panamá! Sou de São Paulo e sempre tive curiosidade em conhecer o Panamá, mas nunca havia encontrado uma boa passagem para lá! Até que, do nada, apareceu uma passagem de SP - Panamá por R$2.300,00! Logo, desisti! Não cabia no orçamento... Mas, no mesmo dia, apareceu uma passagem RIO-Panamá por R$1.300,00! Aí não perdi tempo e comprei a passagem! Com mais R$238,00 comprei a passagem SP-RIO, todas os voos saíram e chegaram pelo aeroporto do Galeão. TimeTable: 22/08/2017 - Voo São Paulo - Rio de Janeiro 23/08/2017 - Voo Rio de Janeiro - Bogotá (escala) - Cidade do Panamá 24/08/2017 - Cidade do Panamá 25/08/2017 - San Blás 26/08/2017 - San Blás 27/08/2017 - San Blás 28/08/2017 - Cidade do Panamá 29/08/2017 - Cidade do Panamá 30/08/2017 - Voo Cidade do Panamá - Bogotá (escala) - Rio de Janeiro 31/08/2017 - Rio de Janeiro 01/09/2017 - Rio de Janeiro 02/09/2017 - Voo Rio de Janeiro - São Paulo Custo Total da Viagem: R$ 4.111,65 Sobre o Panamá: O Panamá é um país pequeno, situado entre a Costa Rica e a Colômbia, sua moeda é o Balboa que tem o valor de 1/1 em relação ao dólar americano, no país as moedas que circulam são de balboa e dólar e as notas são apenas de dólar. A língua oficial é o castelhano. Possui uma história muito rica e interessante, além de grandes contrastes com verdadeiros arranha céus, cassinos super elegantes e verdadeiras praias paradisíacas no mar do Caribe. Nos próximos tópicos vou detalhar o dia a dia dessa trip, com fotos, valores, dicas e sempre disposto e responder dúvidas!
  3. Fala galera.. Estou aqui para relatar a minha viagem a 3 cidades do Panama (Cidade do Panama, San Blas e Bocas Del Toro). Fui somente eu e minha namorada, embarcamos dia 29/01/2015 e retornamos dia 11/02/2015. Em anexo coloquei uma planilha de custos e planejamento. Embarcamos dia 29/01 de Guarulhos com destino a Cidade do Panama pela companhia aérea Copa Airlines. Cheguei a pesquisar por outras empresas, mas essa era a que tinha voos mais baratos e também sem escalas. A duração do voo é cerca de 7 horas. Ótima agencia e os voos ocorreram sem problemas (lanches muito bons, sem comparação com a Gol por exemplo). O valor da passagem foi de R$1800,00 por pessoa. OBSERVAÇÕES [*] É necessário o comprovante da anvisa de vacina de febre amarela (verificaram isso na entrada do Panama); [*] É necessário um passaporte com no mínimo mais 6 meses de validade na data de embarque (também verificaram isso no embarque); [*] Fuso horário de 2 horas normalmente. 3 horas no caso de horário de verão brasileiro; [*] Moeda local se chama Balboa, porém raramente é usada. A moeda corrente é o dolar americano. Recebemos apenas algumas moedas de troco em Balboa. A cotação é um dolar= um balboa; [*] Todos os dados de hostel esta na planilha em anexo. CIDADE DO PANAMA Chegamos a Cidade do Panama por volta de 10:00 da manhã e nos dirigimos a nosso hostel Villa Vento (taxi, no máx U$30,00) que eu havia reservado por email (dados na planilha em anexo). Hostel muito bom, com ótima localização e funcionários muito prestativos (principalmente Carmelo, Leo e Ezequiel) que nos ajudaram em tudo durante nossa estadia na Cidade do Panama. Primeiro dia(29/01) alugamos duas bikes no próprio hostel e fomos passear sem destino. Pegamos a ciclovia da praia e fomos no sentido do Mercado de Mariscos, passando por toda a costa. Almoçamos no mercado, onde temos diversas opções de peixes a preços bons (ceviche a U$4,00 e corvina a U$10,00). A costa é muito bonita e vale a pena para ter uma bela ideia do que é a Cidade do Panama. Fomos também a Casco Viejo, que é um centro histórico, com muitas igrejas e praças para conhecer. Segundo dia (30/01) fomos conhecer o canal do Panamá logo pela manhã. Impressionante toda a engenharia envolvida e sua complexidade. A duração é de umas 3 horas. Na saída, pegamos um taxi e pagamos cerca de U$40,00 para que ele fizesse um “City Tour” conosco. Ficamos com ele por mais umas 4 horas, conhecendo vários pontos da cidade, incluindo feirinhas de artesanatos e centros históricos. Terceiro dia (31/01) fomos a Cerro Ancon, que é cerro mais alto da Capital e de lá é possível ver toda a cidade! Ótimo para tirar umas fotos, e pra quem gosta de caminhadas e bike também é excelente! Muito verde e pássaros. Ficamos umas 2 horas e após isso fomos as compras no shopping Albrook Mall. Esse é um super shopping, imenso onde temos todos os tipos de lojas. Encontramos muitas coisas baratas, mas também muitas coisas que não estavam valendo a pena comprar (principalmente pelo valor do dólar na época que fomos R$2,80). Eu acabei comprando algumas camisetas, bermudas. Para se ter uma idéia, uma camiseta Gap estava por cerca de U$20,00. Eletronicos não estava muito atrativo (uma go pro 4 por cerca de U$400,00 o modelo mais simples). Neste dia fechamos no próprio hostel a nossa estadia em San Blas (3 dias e duas noites). Agendamos a saída para o dia 02/02 as 06:00. Quarto dia (01/02) fomos ao Calzada Amador que é um calçadão bem bacana para caminhar ou pedalar, e tem uma vista bem bonita da cidade do Panamá. Tem várias empresas que alugam bikes no local. Almoçamos novamente no Mercado de Mariscos. As noites na Cidade do Panama fomos quase todas para a Calle Uruguai, que é bem próxima do nosso hostel e tem diversos restaurantes e baladinhas. TRANSPORTE Do aeroporto para o centro: taxi U$30,00. Se for taxi compartilhado, U$10,00 OBSERVAÇÕES [*] Pegar Taxi fora do aeroporto; [*] Fechar o passeio para San Blas com antecedência no Hostel; [*] Imprimir localização do hostel no Google Maps. Taxistas não conhecem muito; [*] A estação rodoviária da Cidade do Panamá fica anexa ao centro comercial Albrook Mall. SAN BLAS Saimos do hostel dia 02/02 ás 05:30 da manhã (a pick up foi nos buscar). Deixamos nossa maior parte da bagagem no hostel, e levamos apenas duas mochilas pequenas com suprimentos para os 3 dias. Nosso primeiro destino foi a Isla Perro, onde chegamos por volta das 09:00. Esta ilha é a mais linda de todas, com um mar impressionante e ainda tem um barco naufragado bem próximo a ilha ótimo para se fazer snorkel. Almoçamos nessa ilha e saímos rumo a Ilha Franklin por volta das 14:00. Ficamos hospedados nela três dias, duas noites. Valor de U$26,00 por pessoa uma cabana privada (uma cama de casal). Esta ilha tem 3 refeições inclusas, banheiro com agua doce (quase doce, na verdade é uma agua salubre). A luz é ligada por volta das 18:00 e fica ligada até as 22:00, onde somente a luz do luar fica disponível. O lugar é perfeito, a praia é linda..paradisiaca. Vale muito a pena ir. Segundo dia (03/02) fomos visitar outras ilhas com os índios Kunas, todas lindas e vale muito a pena. Alias, todas as ilhas são comandadas por índios Kunas. A ilha tem alguns produtos para venda, como alguns salgadinhos, cerveja gelada e agua. Mas aconselho a levarem agua e alguns mantimentos para se manter durante sua estadia. Nós levamos salgadinhos para beliscar durante o dia e agua. Compramos dos índios apenas cerveja (U$2,00 cada). Terceiro dia (04/02) acordamos e arrumamos nossas coisas, pois partimos de volta a Cidade do Panama após o café da manhã, por volta das 08:00. Chegamos no hostel Villa Vento por volta de meio dia. Primeira coisa que fizemos foi ir ao terminal rodoviário comprar a passagem para Bocas Del Toro. Valor da passagem foi de U$28,00 por pessoa (mais U$5,00 de barco para chegar a Isla Colon) e a partida do ônibus é as 19:30. Nos aconselharam a comprar com antecedência para não correr o risco de esgotar. Retornamos ao hostel após comprar a passagem, pegamos nossa bagagem, tomamos um banho e ficamos curtindo o dia por la mesmo, aguardando o horário de partir para Bocas Del Toro. Valores do transporte para Cidade do Panama - San Blas por pessoa: [*] U$55,00 transporte ida e volta de 4x4; [*] U$12,00 taxa de visitação; [*] U$20,00 barco incluso ida e volta. OBSERVAÇÕES [*] Levar água e comida; [*]Levar dinheiro trocado; [*]Tomar dramin durante a viagem, estrada bem agitada; [*]Levar cordinha para varal, papel higiênico, pregadores; [*] Procurar ficar nas barracas de frente para o mar. Melhor sensação; BOCAS DEL TORO Partimos da cidade do Panama as 19:30. Onibus tem um ar condicionado muitoooo gelado, é sério, levem agasalhos e calça (único momento em toda viagem que coloquei calça e agasalho). Chegamos ao local chamado Almirante as 06:00 do dia 05/02 e é onde vc pega o barco para a ilha de Boca Des Toro. Bocas é um conjunto de ilhas, onde a ilha principal se chama Isla Colon, onde nos hospedamos no hostel Mar e Iguana. Esta ilha é bem estruturada, tem muitos restaurantes, mercados, baladinhas e é ponto de partida principal para os passeios por outras praias e ilhas. O hostel é bem legal, tem um pessoal bacana que ajudou bastante nós. Pagamos U$30,00 a diária para um quarto privado com banheiro, sem nenhuma refeição inclusa. Ele fica cerca de 10 minutos a pé do centro ou um taxi por cerca de U$1,00 por pessoa. No mesmo dia (05/02) fomos fazer um passeio que incluía as Islas de Los Delfines, Cayo Coralles, Zapatilla pelo valor de U$25,00 por pessoa. São praias bonitas, mas o tempo não nos ajudou muito. Choveu em diversos momentos e isso prejudicou até mesmo nosso snorkel. Além disso, aconselho a não fecharem passeios no próprio hostel e sim ir até o centro, onde existem diversas agencias com diversas opções de passeio com valores muitas vezes negociáveis. No dia 06/02. Fomos passar o dia na praia Red Frog. No centro, pagamos U$5,00 por pessoa para um barqueiro nos levar e trazer de volta no horário combinado. A praia é linda e para chegar nela vc caminha uns 5 minutos por dentro da mata. Tem restaurantes e tb um bar a beira mar. O sapinho vermelho (red frog) é bem difícil de ser encontrado, mas o barqueiro caminhou conosco por uns 5 minutos e finalmente encontramos um. Vale a pena conhecer esta praia. No dia seguinte (07/02) fechamos um passeio para a isla Estrella com Deep Surfing incluso. Galera, essa ilha vale a pena.. tínhamos que tomar cuidado ao caminhar pela beira do mar para não pisar nas estrelas. Fora isso, almoçamos os dois uma Lagosta enorme pelo valor de U$25,00. E para completar, o Deep Surfing, que é um passeio onde vc é puxado por um barco através de uma corda e vc se segura em uma prancha parecida com uma prancha de natação. Vc pode mergulhar com ela ou ir por cima da agua para respirar. Nada complicado e muito gostoso. Uma pena que o mar estava turvo e não deu para nós vermos muita coisa, mas mesmo assim valeu muito a pena. No dia 08/02, fechamos um passeio com uma agencia de mergulho. Como não tínhamos tempo e nem dinheiro para fazer o curso iniciante, fechamos apenas para acompanhar eles para realizarmos snorkel. Valeu muito a pena. Fomos a dois pontos de mergulho fantásticos e ficamos cerca de uma hora em cada ponto. Vimos diversos peixes, corais e para completar nossa felicidade, vimos uma arraia que parecia posar para nossas fotos..rs.. Pagamos U$15,00 por pessoa e valeu muito a pena. No ultimo dia (09/02), alugamos duas bikes no próprio hostel e nos dirigimos a Playa Bloffe. Uma estrada a beira mar, com alguns bares pelo caminho. A pedalada durou uma hora e meia até a playa Bloffe. Praia com ondas fortes e por isso muitos surfistas, onde só entramos no mar na parte mais rasa. Ficamos em um restaurante em frente a praia e aproveitamos o dia até cerca das 15:00. Retornamos de taxi (pick up com as bikes em cima) porque havíamos bebido um pouco e acabado de almoçar (não aguentaríamos pedalar mais uma hora e meia de retorno.rs). Voltamos ao hostel, tomamos um banho e partimos para o Almirante pegar nosso barco e posteriormente nosso ônibus de volta a Cidade do Panama. Observações: [*] Restaurante Coco Bambu é muito bom. Jantamos duas vezes nele, com valores acessíveis, comida e atendimento muito bons; [*] Bar Iguana muito bom e animado. Fica a beira mar e possui um píer no fundo do bar onde os mais animados podem pular no mar que mais parece uma piscina natural. Musica animada e bebida barata; [*] Existem vários bares e agitação noturna. Cada noite o agito é em um lugar diferente. Basta se informar. Chegamos a Cidade do Panama por volta de 04:00 e fomos para o Hostel Villa Vento, onde o pessoal gentilmente nos deixou passar o dia lá, até nosso horário do voo (inclusive nos deixaram tomar banho e utilizar a piscina). Ficamos até as 11:00, horário que partimos rumo ao aeroporto, afim de aproveitar e ver se tinha ainda algo interessante para comprar no free shop antes do nosso embarque (consegui um nike shox por U$120,00). Embarcamos de volta a SP as 15:45 e chegamos as 01:45 horario do Brasil (07:00 de viagem, 3 horas de fuso devido ao horário de verão). E assim foi nossa viagem. Espero que possam aproveitar este relato. Nossa viagem foi perfeita.. do jeito que queríamos e graças a outros relatos aqui do mochileiros. Um abraço a todos e caso precisem, podem me mandar email que respondo assim que puder. Viagem.xls
  4. Um dos vários paraísos que existem na Terra encontra-se no Panamá e se chama San Blas. Esse foi um dos principais motivos pelo qual eu queria conhecer o país e sem dúvida foi o ponto alto da viagem pelo meu primeiro destino na América Central. Sabe aquelas fotos de proteção de tela do seu computador?! Uma ilha com vários coqueiros, água cristalina e areia branquinha que parecem existir somente na nossa imaginação?! Pois é, assim é San Blás. O Arquipélago de San Blas é um conjunto de 360 ilhas, porém apenas 36 delas são habitadas – e quem mora nas ilhas são os Kuna Yalas. Essa comarca indígena possui total autonomia de San Blas, são eles que controlam a entrada de visitantes, o transporte entre as ilhas e as acomodações que existem – seus costumes e tradições seguem preservados até hoje. Todas as ilhas que conheci são incrivelmente paradisíacas, acredito que todas as outras também sejam assim. É importante você ter em mente que as ilhas possuem uma infraestrutura bem básica e rústica para receber os turistas, portanto não espere nenhum luxo. Como chegar Para chegar até o paraíso você terá que render a alguma agência de turismo. Você deve estar se perguntando o porquê disso se falei anteriormente que as ilhas são controladas pelos Kuna Yalas, certo?! O que acontece é que a “agência” será responsável pelo transporte até o “porto” de San Blas e também fará a reserva na ilha em que você deseja passar a noite. Todos os pagamentos são feitos separadamente: transporte terrestre para a agência de transporte, acomodação e transporte até as ilhas diretamente com os índios em San Blas. Por terra saindo da Cidade do Panamá- a partir da capital panamenha são mais ou menos 3 horas até as ilhas. O pessoal da agência irá te buscar no lugar em que você está hospedado bem cedo, como mais ou menos as 5:30hs da manhã. Depois disso são aproximadamente duas horas até o porto de San Blas e mais ou menos 40 minutos em lancha. Há outras opções para se chegar em San Blas, vindo da Colômbia há barcos que saem de Cartagena, a viagem dura alguns dias . Em El Porvenir, a “capital” de San Blas, há um aeroporto com voos domésticos, a única rota é Cidade do Panamá – San Blás As Ilhas Fique hospedado nas cabanas Senidup e gostei bastante. Nessa mesma ilha estão as cabanas Franklin, independente de qual delas você ficar a praia será a mesma. A diferença é que cada uma fica em um lado diferente da ilha e cada família Kuna Yala toma conta do seu lado. Apesar de todas as ilhas serem bem parecidas e bonitas a que eu mais gostei foi a Isla Perro, normalmente as pessoas vão pra lá apenas para passar o dia. Outras que são bastante procuradas são as Robinson e Ina. É bem fácil organizar com os índios Kuna Yala passeios entre as ilhas, e quanto mais pessoas interessadas, menor o preço. Preços (Novembro/2014) Vamos a parte mais importante, os valores. Fiz o trajeto saindo da Cidade do Panamá, ou seja, tive que comprar o transporte até lá com uma agência. Fiz tudo diretamente do hostel que estava hospedado, o Luna Castle, eles fizeram todas as reservas nas ilhas e não tive nenhum problema. O transporte Cidade do Panamá /Porto de San Blas custou 80,00 dólares ida e volta, sim, essa é a parte mais cara do passeio – paguei vinte dólares de adiantamento e os outros sessenta direto com o motorista que nos levou. A lancha até as ilhas custa 10,00 dólares por trajeto (vinte para ida e volta), você paga na hora que for embora diretamente para o índio responsável da ilha em que você ficou hospedado. As hospedagens tem uma pequena variação de preço dependendo da ilha que você escolher, fiquei nas cabanas compartilhadas da ilha Senidup – 26,00 dólares por noite com três refeições. As cabanas privadas custam, 40,00 dólares por noite, também com as refeições inclusas. Transporte terrestre – 80 dólares Transporte em lancha – 20 dólares Hospedagem (3 noites com café da manhã, almoço e janta incluso) – 78 dólares Gastos no mercado e na ilha – 20 dólares Total para 3 dias – 198 dólares, uma média de 66,00 dólares por dia. O que levar Nada de levar seu mochilão com todas as suas coisas para a ilha. Uma mochila pequena é mais que suficiente, o restante você pode deixar guardado no hostel em que ficou hospedado, todos eles já estão acostumados com isso e disponibilizam esse serviço sem cobrar nada. Levar aquelas coisas básicas que todo mundo leva quando vai a praia: toalha, umas bermudas, camiseta, protetor solar, repelente (na ilha em que fiquei não tinha mosquitos, mas é bom prevenir), dinheiro em espécie e trocado, passaporte original (tem que ser original, nada de cópia), lanterna, baterias de câmera já carregadas, papel higiênico e óculos de natação ou snorkel caso você tenha. Como falei, tudo na ilha é bem rústico e simples, a maioria delas vendem alguns itens como água, cerveja refrigerante e umas bolachinhas água e sal, não espere encontrar muita coisa. Todo o restante que você for consumir na ilha você deve levar (água, bolacha, pão, barra de cereal, frutas). As empresas de transporte costumam parar em um supermercado no caminho até San Blas para que possamos comprar algumas coisas, verifique se a sua faz essa parada, caso não faça compre tudo na Cidade do Panamá um dia antes. O texto foi originalmente publicado no meu blog (http://www.voltologo.net/san-blas-um-dos-paraisos-na-terra/)
  5. 12 noites de viagem. Voo da Copa Airlines direto do Rio para o Panamá. Pagamos um pouco mais caro para ser voo direto. A viagem foi ótima. O Panamá é um país muito interessante da América Central por sua diversidade de paisagens. Se alguém tiver alguma dúvida, pode falar! BOCAS DEL TORO Cidade do Panamá X Bocas del Toro Passagem de ônibus: $28 A compra dos bilhetes do ônibus: Saímos do aeroporto e fomos direto para a rodoviária comprar a passagem rezando para não ter se esgotado. Não dá para comprar online antecipado. A fila no guichê estava imensa e não tinha ninguém para atender. A atendente chegou 10 minutos antes do horário que o ônibus partia. Ela atendia em uma lentidão absurda, depois entendi que ela ainda fazia dupla função: vendia bilhetes e depois corria para a plataforma, e ficava na frente do ônibus recolhendo os bilhetes de quem subia. Tudo muito confuso. Quando chegou na nossa vez e disse que viajaríamos no mesmo dia, ela pediu para segui-la até o ônibus porque não daria tempo de emitir a passagem e que pagaríamos diretamente ao motorista. Mas, para entrar na plataforma precisa de uma tarjeta de transporte, que cobra $0,10 de cada um. Óbvio que não tínhamos isso e ninguém avisou. A sorte foi que uma cidadã caridosa passou o cartão dela para nós. Estávamos morrendo de fome de tanto tempo na fila. A viagem duraria 10 horas, fui tentar perguntar se não dava para pegar um ônibus mais tarde, ela toda grossa disse que não. Enfim, subimos no ônibus sem bilhete, sem pagar, com fome e muito irritados com a desorganização. No meio da viagem demos o dinheiro da passagem ao motorista. Sobre a viagem em si: o ônibus era novinho, confortável, o ar condicionado era MUITO gelado, fez 3 paradas ao longo da viagem. Tinha uma televisão maldita com som super alto que ficou ligada até às 2h da manhã!!! Reclamamos, é claro. Saímos 19h30 de Panamá City e chegamos às 6h em Almirante. O ônibus não vai direto para Bocas del Toro, o destino final é Almirante. Almirante X Bocas Town Taxi (!?) até o porto: 1 dólar por pessoa Barco até Bocas: $6 Quando você chega na rodoviária de Almirante tem que pegar um transporte até o porto. A viagem dura minutos e custa 1 dólar por pessoa. O motorista entulha o maior número de passageiros possível. O carro foi abarrotado de gente, e não havia porta para fechar a mala, mas as bagagens não caíram pelo caminho não. O carro era muito velho, não tinha nenhuma luz que funcionasse, bizarro! O barco para Bocas deve demorar uns 40 minutos, e a viagem é bem tranquila. Opinião geral sobre Bocas: - vale a pena ficar uns 4 ou 5 dias inteiros lá. Não vá com o tempo muito apertado pois chove muito, parece que o tempo é inconstante. - é um lado muuuito turístico! Então, você vai esbarrar com poucos panamenhos lá! Mas o clima é legal. - tem muito pernilongo: leve repelente! Comida: Tem muito restaurante legal, com culinária internacional, comida tailandesa, italiana, argentina. A maioria dos restaurantes tem happy hour na parte da tarde, então, se chover, vá pro bar encher a cara! Hospedagem em Bocas A ilha central é Bocas Town. Ficamos hospedados na ilha em frente, chamada Isla Carenero. O taxi custa só 1 dólar para fazer a travessia, e demora cerca de 2 minutos. Ficamos no Hotel Oasis Over the Sea. O hotel é bonito, limpo, organizado. Os quartos são grandes e confortáveis. O staff é ótimo, super atencioso, nos deu todas as dicas sobre o local. O valor foi o melhor custo X benefício da região. Essa ilha é bem calma, tem uma vista ótima. A única coisa que não gostei muito foi do café da manhã. O café da manhã é bem restrito: café, ovos, pão, fruta do dia e cereais. Passeios de Bocas Playa Estrella - Essa praia fica na própria Isla Colón. Pode chegar de barco ou de ônibus. Preferimos o ônibus que era mais barato. O ônibus sai da praça central a toda hora com destino a Bocas Del Drago. Desse local você anda 20 minutos até chegar a praia ou pega um barco por 1 dolar. Essa praia é maravilhosa. Parece uma piscininha, sem onda, água quente e cheia de estrelas do mar. Se você toca em alguma estrela, logo vem alguém te dar um mega esporro. Achei legal essa preocupação em resguardá-las. Nós passamos uma manhã nessa praia, mas dá para passar o dia inteiro. Passagem de ônibus: $2,50 Duração da viagem: 30 minutos Isla Zapatilla + Cayo Coral + Baía dos Golfinhos - Esse é o tour padrão e o preço também é padrão. Pode reservar na véspera, no próprio hotel ou vai a qualquer agência no centro. Preço: $35 Horário: 10h às 17h Primeiro passamos na Baía dos Golfinhos onde ficamos uns 15 minutos. Confesso que achava que não teria a menor graça. Mas foi legal ver os golfinhos sim. Depois paramos num restaurante sobre o mar para fazer o pedido do almoço de mais tarde. Depois fomos para Zapatilla onde ficamos 2 horas. A praia é bem bonita, com uma cor linda, MASSS minha experiência não foi da melhores. O tempo estava péssimo nos dias que estivemos em Bocas, mas sempre saia um solzinho em alguma hora do dia. No dia desse passeio também amanheceu chuvoso. Arriscamos, e simplesmente o tempo só piorou ao longo do dia. Na ida para Zapatilla caiu um temporal, ventava muito, ficamos ensopados dentro do barco, morrendo de frio. Quando chegamos em Zapatilla não tinha absolutamente nenhum abrigo, estávamos com frio, na chuva e tinha que esperar 2 horas. Tinha uma família com crianças e elas choravam muito querendo ir embora, que agonia. Demos uma caminhada na ilha, a água estava bem quente, mas não entramos na água pelo frio que sentiríamos ao sair. Passadas as 2 horas, o barco buscou e levou para Cayo Coral. Esse lugar é bem interessante: uma área bem rasa, cheia de corais, com água cristalina, bem legal para fazer snorkel. Mas a gente estava com tanto frio que perdemos a vontade de tudo. SAN BLAS O QUE É SAN BLAS? - um arquipélago formado por 365 ilhas localizado num território autônomo comandado pelos índios Kuna. Nem todas as ilhas são habitadas. Logo no começo, mais próximo do continente, tem umas 3 ilhas bem grandes onde residem a maior parte dos índios. Nestas ilhas não ha turismo e elas não são bonitas, pelo contrário são lotadas de lixo! Fiquei assustada quando o barqueiro fez uma parada nelas. As ilhas mais turísticas ficam mais distantes. O nome da hospedagem nas ilhas é “cabana”. Tem ilha que possui mais de uma cabaña, inclusive. Cada cabaña é controlada por uma família diferente. ONDE E COMO SE HOSPEDAR - Existem várias ilhas e tipos de hospedagem distintos. O valor é bem proporcional a qualidade do lugar. Pode acampar também. Tem cabana simples, com chão de areia (não recomendo, particularmente, explico minha experiência abaixo), tem com piso de madeira e banheiro privado, tem umas casinhas lindas sobre a água (não sei o nome da ilha, mas fica bem no começo, com um mar bem cristalino, eu tirei fotos quando passei em frente de barco) eu nem sabia dessa opção. Outra opção é ficar num veleiro, parece bem top, e não faço ideia do quanto custe. Ficamos hospedados na Ilha Chichime. A ilha é linda demais! Achei mais bonita que a Isla Perro. O mar de Chichime é impressionante, com diversas tonalidades e é muito deserta. Não é a toa que próximo da ilha ficam vários barcos atracados. A Isla Perro também é muito boa, mas fica muito cheia. Eu descobri que agora tem tipo um hotel lá. Tem uma construção de dois andares com quartos, tudo muito bonitinho. Se soubesse antes, teria me hospedado lá talvez. A Isla Diablo fica em frente a Perro, e é bem bonita também. Valores para 2 noites, quarto privado, por pessoa, incluindo: - Transporte Terrestre ida y vuelta (PTY-Port Barsukun-PTY) - Transporte de bote ida y vuelta (Puerto-Cabañas Ina-Puerto). - 2 Noches en Cabaña Privada - 3 Comidas diarias. - Un Tour a Isla Pelicano. Cabañas Ina: $150.00 - noche adicional $25.00 Cabañas Franklin o Senidup: $170.00 - noche adicional $35.00 Cabañas Eneida: $200.00 - noche adicional $50.00 Cabañas Chichime: $218.00 - noche adicional $50.00. Cabañas Diablo: $218.00 - noche adicional $50.00 Cabañas Iguana: $200.00 - noche adicional $50.00 Quarto com piso de madeira e banheiro privado: Nombre de Isla o Cabaña: Iguana -$285 - noche adicional $75.00 Nombre de Isla: Coco Blanco - $310.00 noche adicional $100.00 Agencia de turismo LAM TOUR Agendei tudo por e-mail bem antes de viajar. Eles pedem para esperar na recepção do hotel entre 5h e 5h45 da manhã. Fomos os primeiros a ser buscados. O motorista chegou antes das 5h. Só e permitido passar pela estrada carros grandes. Viajamos num 4X4 com 7 lugares mais o motorista. Não aconselho sentar no ultimo banco pois é muito apertado. Se você sente enjoo, tome remédio antes pois a estrada é terrível, muito sinuosa. Depois de buscar todos os passageiros, passamos no escritório da agencia de turismo para fazer o pagamento. Quem tem mala grande, é aconselhado a deixar no escritório. Mas eu vi muita gente levando bagagem grande. No prédio do escritório tem um mercado. É importante levar coisas para comer e beber porque tudo é muito escasso nas ilhas. Daí são cerca de 2 horas de viagem de carro. Quando chega na fronteira do território Kuna, temos que apresentar passaportes e pagar uma taxa de 20 dólares por pessoa. No porto tem que pagar mais 2 dólares por pessoa. Deste porto saem diversos barcos para diversas ilhas. Demora cerca de 1 hora o trajeto de barco. Saímos encharcados do barco tanto na ida quanto na volta. Tem muita onda, a coisa não é muito calma. As bagagens não molham, pois são colocadas num compartimento abaixo. - Há energia elétrica de 6PM ate 10PM. A energia é fornecida por painéis de energia solar. - Celular pega. Acho que só da empresa Movil. Eu não fiquei preocupada com isso, mas se informem se quiserem ter celular durante a estadia. PASSEIOS EM SAN BLAS: acho que todos os pacotes incluem um tour pelas ilhas. Fomas na Isla Perro, que tem um barco afundado e é legal para fazer snorkel, e na piscina de estrelas, que é uma piscina natural no meio do oceano cheia de estrelas do mar. Se quiser fazer mais passeios, é só negociar com o barqueiro e dar umas voltas. MINHA EXPERIENCIA - O barqueiro que nos buscou, proprietário das cabanas da nossa ilha, era um senhor muito gentil. Já me chamou atenção o fato dele andar com o celular pendurado, e já sair falando “já sei que vocês são vegetarianos” , explico: quando passamos no escritório avisamos que meu marido não comia peixe, ela passou uma mensagem para o índio pela internet. A informação chegou super rápido e funcionou. Eles fizeram refeição especial para ele. A comida de Chichime é ótima. Parece que é uma marca registrada no local. Continuando, pegamos o barco e passamos primeiro nas ilhas que servem de moradia para os índios para buscar umas pessoas da tribo. Quando chegamos a Chichime ficamos encantados. O lugar é lindo mesmo. Tomamos banho de mar, tomamos cerveja (quase quente, por 2 dólares). De dia foi tudo ótimo! Usar o banheiro coletivo também foi tranquilo. O banheiro nunca estava ocupado, a água do banho é salobra. MASSSSS, depois que a luz acabou e fomos dormir, nossa, tinha muitos bichos entre nós: largatixas (umas 20, sério), aranhas super enormes, caranguejos, bichos rastejantes, e muitos outros que nem sei como se chamam! Particularmente, não curti NADA dormir assim, porque os bichos subiam na cama, eu tomei vários sustos durante a noite com bicho sobre mim. Conversando com algumas pessoas, ouvimos gente que foi picada, e ficou com inchaço e tal. Com certeza dormir em barracas é melhor! Por isso, decidimos voltar uma noite antes. Já havíamos pago por 2 noites mas não dava! Falamos com o índio que eu tava me sentindo mal, e ele disse que não tinha problemas. Por sorte fizemos o passeio (que está incluso no pacote) logo de manhã, e de tarde, às 14h30 pegamos o barco de volta para o Panamá. Assim, a gente não perdeu quase nada! Porque voltaríamos no dia seguinte às 8h da manhã! Quando chegamos na Cidade do Panamá (umas 20h) passamos no escritório da Lam Tour para pegar as malas. A funcionária Jude foi muito atenciosa, perguntou sobre o meu “estado de saúde”, e, incrivelmente, devolveu uma parte do dinheiro por não termos dormido mais uma noite. Achei isso muito bacana. Aconselho muito conhecer San Blas, mas quem não curte dormir com toda a “fauna” local, melhor ficar numa hospedagem melhor ou fazer um bate e volta , um day trip. CIDADE DO PANAMÁ Taxi Aeroporto X Rodoviária: $35 Achamos bem esquisito o taxi não ter nenhuma identificação. Era um carro normal. Rezamos para não ser um golpe e correu tudo bem. O trânsito de fim de tarde é péssimo, mas o motorista andou super rápido e chegamos em meia hora. Acho que é normal andar acima dos limites de velocidade, e usar o celular dirigindo. Mas os motorista foi super prestativo e gentil conosco. Hospedagem: Passamos pela Cidade do Panamá duas vezes, uma antes e outra depois de San Blas. Nos hospedamos no Novotel, que é garantia de qualidade padrão Accor. Pegamos uma ótima promoção, e pagamos 44 dólares na diárias de final de semana, e 77 durante a semana. Sim, na maioria da rede Accor, que é mais voltada pro business, as diárias de fim de semana são mais baratas. Só que voltamos antes de San Blas. A mulher da Lam Tour nos recomendou uma hospedagem na cidade, já que não tínhamos reserva. Ficamos essa noite no Hotel Latino por 40 dólares o casal. O hotel era horrível!!! Evitem isso! Passeios: - Casco viejo – é onde fica a sede do governo. É um local de arquitetura mais antiga, contrastando com os arranha-céus da orla. Tem muitos restaurantes. Comemos duas vezes no Tantalo, que é bem famosinho, e gostamos muito. Lá também rola uma night. - Avenida Balboa – parece muito com o Aterro do Flamengo no Rio, parece que essa área é de fato um aterro também. O mar fede tanto quanto o da Baía de Guanabara, talvez um pouco mais. Ainda assim, é bem bonito tanto para andar nele, quanto para admirá-lo do alto dos prédios, sobretudo na parte da noite, quando brilham as luzes dos edifícios. Num domingo de manhã, alugamos aquela “quadricicleta” e ficamos dando uma volta. - Canal do Panamá – Tem que conhecer, né? Custa 15 dólares a entrada. Desde o terminal Albrook, taxi custa 10 dólares, mas também tem ônibus por 0,50! É super perto! - Hard Rock Café – Só o prédio já é maneiríssimo. Se não estiver muito caro, eu recomendo se hospedar aí. Lá tem vários bares e restaurantes em diversos andares. Fomos numa quinta-feira no topo do prédio, 62º andar. Pagamos 20 dólares por pessoa, só para entrar. Isso porque chegamos cedo! Eu achei bem caro, mas queríamos conhecer. Tem uma ótima vista da cidade, muito legal. Nas cercanias do prédio tem muitos bares também. Paramos em um bar na frente com música. Achamos curioso as garçonetes, além de serem bem bonitas, siliconadas e com uma roupa bem apertada, ficarem de papinho com os clientes, tomando uma dose aqui outra ali, abraçando os clientes. Depois puxamos papo com um taxista (taxista sempre conta as fofocas!!! Rs) e ele disse que os donos permitem que elas tenham um “trabalho paralelo” após o expediente. A maioria vem da Colômbia e elas cobram 200 dólares por uma hora de serviço. Com o dólar a R$4,10, isso significa que elas ganham em uma hora o salário mínimo do Brasil. Choquei! - Cassinos – Tem cassino em toda esquina! Acho que vale a pena conhecer VISÃO GERAL - Quase ou praticamente não tem bares pelas ruas. As pessoas não tem muito essa cultura de sentar no bar da esquina para beber. E, como muitos outros países, não é permitido beber na rua. - O engarrafamento é infernal! - Os carros são muito novos, e quase não se vê carro hatch, é tudo caminhonete, e os sedãs mais ralés são do tipo Toyota Corolla, e etc. - o salário mínimo é de 650 doláres, mas acho que a maior parte das pessoas ganha bem mais que isso. Tem algumas fotos no meu instagram: carolcasj Sites que usei muito: http://abraceomundo.com/ilhas-de-san-blas-como-escolher-a-hospedagem/#comment-2352489392 http://lalarebelo.com/
  6. Hola !!! Como é bom voltar a escrever... isso significa que viajei, então significa que estou feliz e animada pra contar como foi essa nova aventura !! O destino da vez foi o Panamá !! Engraçado que eu nunca tinha escutado muito falar sobre o país (o que é uma pena), mas acredito que em breve será um destino super procurado e concorrido !! Mais uma vez eu estava procurando uma viagem nova pras férias, a princípio seria Bolívia (o que ainda não desisti), mas olhando umas fotos e ouvindo falar tanto no meu seriado favorito (Prison Break) resolvi dar uma chance ao Panamá !! E não poderia ter escolhido melhor !! Tudo ficou a favor, desde o clima, as promoções e os amigos que conheci !! =D Pra iniciar tenho que falar das passagens, comprei com antecedência (pouco menos de 2 meses) pela CopaAirlines, que é a principal companhia do país, por 1.545 reais voo direto ida e volta partindo do Rio de Janeiro !! Ótimo não? Só em ser voo direto já foi um ganho !! E a Copa foi ótima também !! Voos no horário, excelente serviço de bordo, nada de problemas com bagagem.. só as poltronas que eu achei um pouco desconfortáveis. Mas no geral eu recomendo e volto a voar com eles ! Detalhe para se preparar, foram pouco menos de 7 horas de voo, mas tranquilo, sem turbulência ! Como o voo saiu na madrugada do Rio, e com o horário de verão, o Panamá fica com fuso horário 3 horas a menos que o Brasil, chegamos lá antes das 7 da manhã ! Dia inteiro pra aproveitar !! O transfer foi com um taxista do hostel, e ficou por 30 dólares (bem tudo será escrito em dólares, pois é a moeda corrente do país) ! Bem carinho, mas tava no preço.. é sempre mais ou menos isso que cobram mesmo. A não ser que queria se aventurar de ônibus.. mas ai levará horas pra chegar, o transito é bem pesado na cidade ! O hostel escolhido foi o Panamericana, que fica no Casco Viejo em frente a uma conhecida praça, a Plaza Herrera (Calle 10 y Avenida A # 8-31) e email [email protected] . A princípio reservei só duas noites pra depois de voltar de San Blas decidir se ficava lá ou não, então resolvemos ficar. O hostel não tem luxo é claro, mas gostei bastante !! Staff prestativo, quartos grandes e localização impecável, de lá é fácil chegar em qualquer lugar. O preço foi 35 dólares o quarto privado com banheiro e o restante das noites acabei ficando no privado com banheiro compartilhado (que estava sempre limpinho) por 25 dólares. Isso sendo o valor para o quarto pra dois. Eu também indicaria, a pesar de ser barulhento (que é pra mim o ponto fraco do albergue). Panamericana Hostel Dia 27/02/14 – Como chegamos de manhã, pudemos aproveitar bem esse dia !! Foi só chegar no hostel, deixar as coisas, tomar um banho e um café e partir pra rua !! Vou começar falando do Casco Viejo, onde fiquei e me apaixonei !! Eu não poderia ter escolhido lugar melhor pra ficar, já que AMO centros históricos !! O Casco é uma delicia.. andar por suas ruas e respirar aquele ar raiz do país não tem preço !! Esse primeiro dia tirei pra conhecer o Casco, e foi o que fizemos !! Com um mapinha na mão fomos desbravando o lugar !! Minha impressão foi maravilhosa !! É um lugar seguro, onde se encontra de tudo ! Barzinhos, pubs, artesanato, panamenhos, Kunas e cultura !!! Primeira parada foi em frente as ruinas da Igreja da Companhia de Jesus, já que era passagem do hostel. Eu amo ruinas.. e adoro ficar imaginando como era no passado ! Pra mim existe uma beleza única e especial nelas. Então eu paro e fico admirando.. sendo elas simples ou não. Um detalhe pra essas ruinas foi que reparei que eram abrigo de gatos !! Todos os dias tinha ali uma concentração de gatinhos. Igreja da Companhia de Jesus Dali fomos pra Catedral Metropolitana, na Plaza de La Catedral ou Plaza Major. Mas também ali esta a Plaza de la Independencia. Lá ate o inicio do século XX era o centro da capital. Com certeza é a catedral mais diferente que já vi, ela mistura estilos de arquitetura e é um charme ! Claro que não pude deixar de me apaixonar, não só por ela, mas como todo o lugar em volta !! Acredito que acabou sendo o lugar mais visitado da viagem (junto com o shopping) !! Era o lugar perfeito pra dar aquela relaxada e dar aquela olhadinha no face (sim lá o wi-fi é liberado). Na esquina da Catedral também tem uma feira de artesanato que já faz você sair querendo comprar tudo.. é realmente bem bonito o trabalho deles ! Plaza de La Catedral Depois caminhamos até a Plaza Bolívar, que tenho que admitir que não tem nada demais.. tem belos prédios ao redor que estão sendo reformados. Dali fomos pro Teatro Nacional, que é lindo por dentro !! Pudemos passear pelo prédio sem guia e sem pagar. Teatro Nacional Do teatro chegamos ao início do Paseo Esteban Huertas, que é um pequeno trecho da muralhara que protegia a cidade antigamente. O lugar é lindo.. cheio de flores, pássaros, bancas de artesanato e o melhor, uma paisagem maravilhosa !! Do topo do Paseo você vê bem o contraste do novo e velho Panamá ! Paseo Esteban Huertas No final do Paseo você já chega no Obelisco da Plaza Francia. Essa praça foi dedicada ao trabalho de construção do Canal do Panamá e as pessoas que morreram durante ele. É legal também !! Descendo e caminhando por alí esta Las Bovedas, um antigo galpão que fazia parte do sistema de defesa da cidade. Mas hoje me pareceu uma área boemia, com mesinhas para quem sabe uma musica ao vivo (não conferi na noitada). La Boveda Saindo da pontinha do Casco e voltando para a região da Catedral, passamos pelas ruínas do Convento de Santo Domingo ! Mais ruínas !! Gosto muito !! E as do Convento são lindas !! Me apaixonei mais uma vez.. passei um tempo lá.. tirando fotos, apreciando.. Convento Mais tarde um pouco, depois de muito caminhar pelo belo Casco chegou a hora de conhecer o famoso Mercado de Mariscos !! O lugar não é dos mais requintados, bem longe disso, mas com certeza vale a pena a visita !! Porque é impossível não amar o delicioso Ceviche artesanal que servem lá !! E o preço é convidativo também (2,25 dólares) !! Ai foi festa !! Já aproveitando a oportunidade pra experimentar a cerveja panamenha que também é boa !! Mercado de Mariscos Depois foi a vez de experimentar o sorvete artesanal francês Granclément, que fica na Av Central com Calle 3. Vale a pena, uma delicia !! Mais a noitinha paramos num barzinho que se tornou nosso point.. foram quase todas as noites lá ! O barzinho e restaurante se chama Tequila Bar !! A Piña Colada deles foi o melhor drink que já tomei !! Vicianteeee !! E os petiscos também ótimos, tudo mexicano ! E assim terminou o primeiro, e longo, dia de aventura !! 28/01/2014 – E lá vamos nós para o segundo dia no Panamá !! Esse dia reversei para compras, já que na manhã seguinte partiríamos para San Blas. Pensei em comprar algo pra levar, tipo roupas e acessórios... mas tenho que admitir que não foi uma boa ideia (no final do dia vou contar o que aconteceu).. Partimos cedo rumo ao Albrook, que é o shopping mais popular do Panamá ! Pegamos um taxi que cobrou 5 dólares, mas chegando la na porta ainda era muito cedo (o shopping só abre às 10h) então decidimos conhecer o cerro Ancon e o taxista disse que nos levava lá, nos esperava e trazia de volta ao shopping por mais 10 dólares (carinho sim, mas foi o que tinha) ! O Ancon é o cerro mais alto da Capital e de lá é possível ver toda a cidade ! Ótimo para tirar umas fotos, e pra quem gosta de caminhadas e bike também é excelente ! Muito verde e pássaros ! Ponte das Américas vista do Ancon Casco Viejo visto do Ancon Quando voltamos já estava na hora da abertura do shopping ! Então partiu compras !!! \o O Albrook é gigante, tem diversas lojas de grife, outlets, lojas de conveniência, eletrônicos, produtos de beleza, supermercado e etc.. é um paraíso !! Da pra passar horas e horas lá (que foi o nosso caso, chegamos às 10 da manhã e saímos quase às 20) !! As praças de alimentação também são muito boas, várias opções de almoço ou lanche, com preços variados. Os preços são melhores que no Brasil é claro, principalmente eletrônicos !! Cosméticos, óculos e relógios achei o preço parecido com freeshop, mas a vantagem que no shopping tem mais opções. Nos demos bem que além dos preços serem melhores, ainda estava tudo ou quase tudo em liquidação ! Mas nem tudo é festa.. na hora de ir pro caixa conte com o aumento de 7% em tudo de imposto do governo.. mas mesmo assim vale a pena !! Eu fiz uma festa na Zara, comprei muita coisa barata !! Eu comprei o chapéu Panamá numa loja especializada no shopping (Panama Hat) e foi mais caro do que achei no Casco, mas como queria levar pra ilha não tive escolha (30 dólares). Depois de muito andar e comprar, voltamos pro Casco de taxi (6 dólares) e fomos beber aquela Piña no Tequila Bar pra fechar com chave de ouro ! Tequila Bar Bem mais tarde voltamos para o hostel para arrumar as coisas pra ilha, já que sairíamos muito cedo no dia seguinte. Na hora de guardar as malas grandes que tivemos um probleminha.. Eu já tinha deixado uma vez no Peru e foi muito tranquilo. Foi a única vez então não sei se costuma ser como foi lá. Mas acontece que no Panamericana as malas ficam numa sala sem tranca e sem nenhum controle de quem deixou malas ali.. ou seja, a pessoa deixa a mala e depois pega sem grandes avisos ! Imagina estar com compras lá e alguém pegar sua mala e levar.. não gostei nem um pouco disso. Um mínimo de controle por parte do hostel não é difícil. Mas não teve outra saída.. e graças a Deus deu tudo certo ! Mas passamos a estadia inteira em San Blas imaginando se as malas estavam seguras.. 29/01/2014 – Dia de San Blas !! =D A empresa contratada para o passeio foi a LAM Tours, ela é bem famosa no Panamá e fiz todos os contatos antes de chegar no país. Vou deixar aqui os preços e contatos ! Email para contratar: [email protected] Custos: Jeep 4X4 (Ida e Volta) PTY - San Blas - PTY. $60.00 por pessoa e entrada em San Blas $10.00 por pessoa. Pagos diretamente na LAM Imposto do Porto $2.00 por pessoa. Pago quando chega lá no porto. O Bote depende da ilha que vai visitar: Cabanas Tubasenika (Franklyn), Cabanas Senidup , Cabanas Robinson (Mr. Robinson), Cabanas Iguana (Luis & Negro) custa $20.00; Cabanas Ina (Mr. Ina) $24.00; Cayo Chichime, Diablo, Perro, Elefante $30.00. Tudo sendo ida e volta do Porto até a ilha e a volta ao porto, por pessoa. Cabanas: - Cabanas Robinson $20.00 Dormitório e $25.00 Privada, por pessoa. - Cabanas Ina $20.00 Dormitório e $25.00 Privada, por pessoa. - Cabanas Senidup $26.00 Dormitório e $31.00 Privada, por pessoa. - Cabanas Tubasenika (Franklyn) $26.00 Dormitório e $35.00 Privada, por pessoa. - Cabanas Iguana $35.00 Dormitório e $50.00/60.00 Privada por pessoa. - Cabanas Diablo $35.00 Dormitório e $45.00 Privada, por pessoa. - Cabanas Chichime $30.00 Dormitório, Privada $40.00 por pessoa. Comidas: Todas as Cabanas incluem café da manhã, almoço e janta. A LAM solicita que no dia anterior confirme por email e no dia seguinte eles passam no seu hostel entre 5:30 – 6:00 da manhã para ir até a agencia pagar o jeep e a entrada e passam as informações para o passeio, você escolhe a ilha que vai ficar (escolhemos a Senidup) e então te dão um curto tempo para comprar alguma coisa pra levar pra ilha. Ai vai uma grande dica: comprem bastante lanchinho e agua ! Então partimos rumo ao paraíso !! Masss... antes passamos pelo inferno !! hehe A estrada até chegar ao porto é simplesmente a pior que já passei.. não de conservação, isso até que estava melhor que esperava, mas de curvas, subidas, descidas.. Nossa a estrada é toda assim.. parecia que estávamos andando numa montanha russa sem fim !! Todo mundo no carro enjoado.. eu deveria ter tomado um Dramin antes de entrar no carro, mas achei que a parte ruim seria o bote ! E ainda não tem acostamento !! Dá muito medo quando o jeep cruza com outro carro. São as piores 2 horas de meia da viagem ! Fato ! Ai se chega ao porto e parte de bote até a ilha !! Muitooo tranquilo, ainda mais depois do carro.. e foi pouco menos de 50 minutos até nossa ilha ! A paisagem é linda !! E a sensação de quando chega na ilha é que você acabou de entrar num cenário de filme !! Maravilhosamente perfeito !! Alguma bela ilha de San Blas... Chegamos por volta das 10 da manha.. foi só deixar as coisas na cabana e se jogar naquele mar maravilhoso !!! A cabana que ficamos foi compartilhada, com duas argentinas que conhecemos e nos tornamos amigos ! Tinha 6 camas, mas só ficamos nós 4 ! Muito tranquilo !! E super diferente.. a cabana é feita de palha e bambu, aí tem as camas artesanais também com o colchão (muito bom por sinal). O chão é de areia, claro !! E luz só a noite !! hehe Vale lembrar que lá tudo é muito simples.. aqueles que tem "frescura" com banho e comida podem ter alguma dificuldade... Mas garanto, vale a pena ! Senidup E os índios Kunas ?? Todas as ilhas de San Blas pertencem a eles !! E eles são uma simpatia ! Sempre alegres e prestativos !! A Kuna chefe que era meio carrancuda, mas estava sempre toda linda com as roupas típicas de sua cultura !! O kuninha, filho do dono da ilha, é uma amor ! Sempre curioso e o tempo todo brincando com os turistas ! É muito bom poder conviver com eles, poder ver como se comportam !! Adoro isso de ver de perto a cultura de um povo tão diferente !! Uns, como ela, ainda guardam muito as raízes! Mas é muito forte a presença da globalização entre os índios ! Kuna Kuninha fofo !! A vida em San Blas é uma delícia.. contemplar aquele mar azul, sombra de coqueiro, pássaros cantando e muita paz ! O tempo parece que não passa. Até porque lá se acorda bem cedo.. A rotina da ilha era: acordar 7 hora da manhã ao som da concha que os Kunas tocam com prazer, tomar café e curtir a praia até a hora do almoço que sai às 12h !! Depois mais praia ou passeios em outras ilhas !! Mais tarde, 17:30h, sai a janta ! Depois da jantar resta curtir mais a praia !! A noite reserva um céu estrelado incrível.. Prato típico Kuna ! Maricos ! Nesse primeiro dia só ficamos em Senidup mesmo ! A viagem foi cansativa e queríamos curtir esse dia só na nossa ilha !! Já nesse primeiro dia percebemos que pra quem tem fome a quantidade de comida não era suficiente.. Mas tudo que os kunas serve é muito saboroso ! Na barraquinha deles tem coisas pra vender, mas nada demais. A cerveja até que não é cara, estava 1,50 dólares. No final do dia fizemos mais 2 amigos, um casal muito gente boa formado por uma americana e um italiano ! Com eles foi sempre diversão ! E acabamos formando os 6 um grupo legal pra nosso passeio do dia seguinte ! 30/01/2014 – O dia começou cedo.. com o som dos pássaros e é claro da concha !! Aqui não tem escolha, acordar cedo é lei ! hehe A parte da manhã foi toda na Senidup, e é na hora do almoço que algum kuna pergunta se as pessoas vão querer fazer passeio de barco pra outras ilhas. Fomos então com nossos amigos novos !! O passeio custou 15 dólares e fazia duas paradas ! A primeira parada foi nas piscinas naturais !! Nossa parece de mentira.. peixinhos, estrela do mar, ilhas cheias de coqueiros em volta, agua cristalina e na cintura !! Piscinas Naturais A próxima parada foi na Isla Perro ! É a mais famosa de todas !! E muito linda !! Lá que tem o tal navio naufragado. Os kunas nos deixaram um tempo curtindo a ilha !! realmente a ilha é incrível, mergulhar perto no navio é muito legal. Tudo em San Blas parece magico ! Isla Perro A Ilha Diablo fica bem em frente da Perro, mas nela apenas passamos pra deixar um casal. Também parece belíssima (qual não é né?!). E então voltamos pra “casa”, se chega por volta de 16 e pouca. Cheios de fome!! Hehe Enquanto aguardávamos a janta, pudemos compartilhar um momento muito legal com nossos amigos !! fazer uma roda e compartilhar um Mate Argentino ! A noite foi mais uma vez estrelada e com boas companhias e boas conversas ! 31/01/2014 – Nosso último dia em San Blas.. dia de curtir mais um pouco nosso paraíso ! As amigas argentinas partiram cedo para outra aventura, e continuamos com nosso casal de amigos. O dia foi inteiro curtindo o lugar.. descansando também ! Praia cansa né !! hehe Não tenho muito o que falar, só que nunca foi tão bom não fazer nada ! Isla Senidup Na noite após a janta fechamos com o kuna nossa partida para o dia seguinte.. é aí então que se faz o check out. Paga as diárias, o bote e o que consumiu. Último pôr do sol na ilha.. 01/02/2014 – Dia da partida de San Blas.. Acordamos cedo como sempre com a concha.. as coisas já estavam arrumadas então foi só tomar café e esperar o barquinho dos kunas. Confesso que da uma dorzinha ir embora.. pegar o barco e olhar pra trás deixando o paraíso.. 3 dias é suficiente pra conhecer San Blas, mas a vontade é ficar mais um pouco.. hehe O trajeto de barco foi tranqüilo como na ida, e no meio do percurso já botei o Dramin pra dentro ! hehe (medo da parte do carro) Chegando no porto por volta de 9h, sabíamos que o carro viria no máximooo até as 10h, mas.... atrasou ! A LAM vacilou muito nesse assunto.. só fomos entrar no carro 10:30h. Uma hora e meia perdida.. sentada sendo comida pelos mosquitos.. hehe E outra, viemos enlatados no carro.. o motorista enfiou malas grandes no porta malas, com isso o banco foi pra frente, e nos que estamos sentados no banco traseiro ficamos amassados.. se foi um inferno na ida imagina essa volta.. andar naquela estrada montanha russa espremido !! Não é bom nem lembrar.. hehe Então finalmente chegamos no hostel ! Cheios de fome e putos da vida !! Mas a viagem continua !! Como já não estava cedo, o passeio que escolhi foi ir pra Causeway ! Mas antes, como estavamos com muita fome, comemos no Casco. Numa pizzaria bem na Plaza central que esqueci o nome ! Muito boa, mas carinha... ficamos com medo de não achar comida na Causeway, grande engano ! Dali mesmo pegamos um taxi, notei que na Plaza da catedral os taxistas cobram mais caro ! Acho que é devido ali ter muito turista ! O cara cobrou 15 dolares.. bem absurdo ! Chegando lá na Calçada Amador Causeway fomos direto pro free shop que tem lá !! Os preços não variam muito, mas nem comprei nada.. não achei vantagem e não tinha grandes variedades !! Continuamos o passeio então ! O lugar é bem bonito !! Um calçada enorme que liga tres ilhas a cidade !! É o lugar ideal pra quem gosta de caminhar, pedalar, ou simplesmente passear ! A paisagem é linda ! As dicas que posso dar é que lá tem bastante opções de refeições, lanches ou petiços. E achei as lembrançinhas mais baratas que no centro também !! E outra, não foi difícil achar taxi pra voltar. Caminhando pela calçada você vê muito taxi indo e vindo. Então é tranqüilo. O nosso de volta custou 8 dólares. Amador Causeway Amador Causeway Como era sábado, mesmo com o cansaço, queria conhecer um pouco da vida noturna do Panamá !! Então a escolha foi o Relic Bar !! É um pub bem famoso no Casco Viejo, que fica junto ao Luna´s Castle Hostel. O ambiente é super diferente !! Bem rústico, a parte do bar de dentro parece uma caverna ! hehe Lá tem gente de todas as idades, e muito turista !! O preço das bebidas não barato, mas também nada de absurdo !! Foi legal, valeu a visita ! Mas nem deu pra ficar muito.. estava morta com farofa.. hehe 02/02/2014 – Próxima parada, Panamá Viejo ! E lá vou eu fazer uma das coisas que mais amo em viagens.. ver ruínas !! =D A historia desse lugar é muito interessante, foi no Panamá Viejo que a cidade nasceu ! A antiga cidade foi fundada em 1519 e só foi crescendo e crescendo principalmente devido sua localização privilegiada, mas sofreu também com terremotos e ataques piratas, mesmo assim se mantendo em pé ! Masss em 1671 um Pirata maluco chegou com seus homens e acabou de vez com a cidade colocando fogo em tudo ! Foi então que a população decidiu sair de lá e reconstruir a cidade, se mudando então para o Casco Viejo ! Hoje Panamá La Vieja, como também é chamada, é considerada Patrimônio Mundial da Unesco !! Eu amei o passeio !! Vale muito a pena !! É lindo.. andar pelas ruínas.. imaginar.. apreciar.. eu amo !! Não pagamos para ver as ruínas, e acabou que não entramos no museu. O taxi de ida foi 6 dólares (bem barato porque é longe) e com isso já fechamos com o taxista pra nos levar pro aeroporto o dia de ir embora. Passamos um bom tempo andando (é bem grande) pela antiga cidade.. Não tenho muito o que falar.. então nesse caso eu mostro mais fotos.. Depois de tanto ver ruína, e como estávamos com tempo livre, resolvemos continuar nosso dia no Albrook ! hehe Comprar viciaaa !! O taxi até lá foi 5 dólares. Então fizemos mais umas comprinhas, comemos e voltamos pro hostel. E mais tarde pra fechar o dia adivinhem... Tequila Bar !! =D 03/02/2014 – Teoricamente o ultimo dia de passeio.. Faltava então o mais famoso de todos os passeios.. o Canal do Panamá !! Acordamos e fomos !! O taxi até lá foi 8 dólares e a entrada 15 dólares. Particularmente achei caro, mas não poderia deixar de ir né ! Endereço: Miraflores Locks. A construção é incrível ! Esse ano esta fazendo 100 anos !! E mesmo hoje ainda é considerado um dos maiores feitos da engenharia mundial. Fechando Navio passando... Finalizando a travessia.. Demos a sorte de poder ver 3 grandes navios passando !! É realmente interessante ver as eclusas enchendo e esvaziando, e aqueles gigantes atravessando na nossa frente ! Com o tíquete de entrada você também tem direito a conhecer o museu de lá, são 4 andares que vão contando a historia da construção do canal. Tem um andar só para a fauna e flora que é bem legal !! E em um dos andares (acho que no ultimo) tem um simulador que faz você se sentir dentro de um navio atravessando o canal !! Sem duvidas é um passeio para todas as idades !! Dali pegamos um taxi e fomos mais uma vez pro Albrook.. hehe Eu então decidi comprar uma câmera melhor !! Rodei as lojas e o melhor preço que encontrei foi na Photura. Comprei a Rebel T3i da Canon, com uma lente de 18-135mm. O preço não foi tanta diferença do Brasil.. Mas valeu a pena, custou 791 dólares, com um cartão de 8 GB. Esse preço já com os 7% de imposto. Outro valor de eletrônico que não disse, para se ter uma noção, foi o do Playstation 4 que meu irmão encomendou. Comprei na Panaphoto por 535 dólares o de 500 gigas. Compramos mais umas coisinhas e voltamos pro hostel (esse dia nem demoramos, fui mesmo pra comprar a câmera) Como ainda estava cedo eu quis aproveitar mais um pouquinho o Casco, e estrear minha câmera é claro !! Ainda não tinha tirado foto na aconchegante Plaza Herrera, em frente ao hostel. Agora era a hora !! Plaza Herrera Plaza Herrera (e o Panamericana ao fundo) Depois fomos pra Plaza da Catedral e por uma linda coincidência encontramos nosso casal de amigos da ilha !! Então continuamos o passeio ! Passamos novamente por todos (ou quase todos) pontos do Casco.. admirando aquele lugar encantador (já estou com saudades...) ! Paseo Esteban Huertas (nosso casal de amigos) Kuna vendedora no Huertas Plaza Francia Andamos, andamos e andamos.. e no final fomos apresentar o Tequila para eles !! hehe Assim foi nossa ultima noite.. muito agradável e em ótima companhia !! 04/02/2014 – Hora de partir... Sim, agora estava mesmo acabando.. então levantamos bem cedinho pra aproveitar !! Começamos por uma parte que só tínhamos feito passagem e não parada pra conhecer.. A Cinta Costera (ou melhor, o inicio dela) !! Dizem que foi inspirada no Aterro do Flamengo.. Mas só sei que é muito agradável !! Ótimo para passear e contemplar o Pacífico ! Tudo muito bem conservado e ainda estão ampliando ! Por ali que se chega no Mercado também. Cinta Costera Cinta Costera Ai aproveitamos pra comer o ultimo Ceviche lá.. e voltamos para o centro. Eu fui comprar as ultimas lembrancinhas e me despedir do Casco.. Então chegou a hora.. o taxista nos buscou como combinado e fomos pro aeroporto !! Lá foi tudo bem tranqüilo !! Fiz umas comprinhas no free shop (no não, lá são NOS free shop) e pegamos o avião de volta pro Brasil. Assim acaba mais uma viagem maravilhosa !! Voltei com uma ótima impressão do Panamá e seu simpático povo !! Até a próxima !!
  7. Pessoal, estive em San Blas no final de abril e fiquei devendo o relato por aqui. Afinal, tudo que descobri sobre este pedacinho do paraíso foi graças aos Mochileiros! Então senta que lá vem história! rs Eu e meu marido fomos comemorar um ano de casados e, como tenho pavor de insetos e afins enquanto durmo, não curti a idéia de ficar em uma cabana... Daí achei uma agência na internet (Panama Travel Unlimited) que oferecia camping, o que me pareceu perfeito! Acertamos tudo por email, mas sem precisar pagar nenhum sinal. Se chegando lá a reserva não se confirmasse, ainda dava tempo de correr ao Casco Antiguo tentar arrumar alguma coisa. Como ao chegar na Cidade do Panamá conseguimos confirmar tudo por telefone, passamos a 6ª no Allbrook Mall e sábado de manhã partimos para San Blas. Ficou marcado 05:00, 05:30, e achei que fosse atrasar, mas 05:00 o motorista estava no lobby do hotel! Não deu tempo de passar na agência (por causa das compras... hehe), então a moça deixou pagar direto ao motorista, US$280 por pessoa, por 3 noites. Pelo o que li aqui conseguiria algo mais barato negociando direto lá, mas realmente não queria ficar em uma cabana, aí não quis arriscar... A viagem levou umas 3h e a estrada está quase toda boa, com alguns trechos em obra. Alguns pedaços têm umas curvas bem arretadas, então quem tem tendência a enjoar é bom tomar um remedinho antes de começar a viagem. Tivemos que pagar os 10 dólares de “pedágio” e mostrar os passaportes aos kunas com roupa militar que tomam conta da “fronteira”. Muito curioso isso, eles realmente falam e agem como se fossem um outro país, embora obviamente não possam carimbar nada no passaporte... Depois disso você já está bem perto do “porto”, onde se paga mais 2 dólares e ganha uma fichinha, que não pode perder de jeito nenhum, porque tem que devolver na volta!!! Se perder ou não pegar a fichinha na ida, tem que pagar de novo. Aconteceu com um casal que estava na nossa ilha, eles pagaram mas não ganharam fichinha, daí tiveram que pagar de novo... Esperamos um tempo nosso barco e nessa hora os mosquitos apareceram. Embora não tenha sido nenhum ataque ensandecido, é bom levar repelente, Off mesmo deu conta. Estava imaginando algo bem precário, tipo uma canoa, mas nosso barco era bem bonzinho, com 4 fileiras de banco (3 pessoas em cada uma), além do lugar do piloto e o ajudante na proa. Levei sacos de lixo para embalar a bagagem e não molhar, mas nem foi necessário. Isso deve variar conforme a ilha, mas em geral achei os barcos que estavam por lá bons, mais ou menos iguais. Nossa ilha era a Coco Blanco, que é dividida entre 2 famílias, mas só um lado recebe turistas. Eles fazem day trip também, então chegando lá tomamos café e nos dividimos em 2 grupos. E aí veio a parte ruim (ou pelo menos tensa) da viagem: fomos informados que tínhamos recebido um upgrade e ficaríamos em uma cabana. Surtei, aí meu marido conversou com a “dona” da ilha e explicou que queríamos ficar na barraca, mas ela disse que estavam preocupados porque na noite anterior choveu e entrou água... Ficamos de ver isso na volta do passeio, pra não perder tempo. Aqui preciso abrir um parênteses: segundo a agência (que expressamente não se responsabiliza por nada, já que ficamos totalmente na mão dos kunas), visitaríamos as ilhas que o pessoal comenta aqui: perro, agujas, pelicano... Mas não vimos nada disso! Mas acabou que foi bem melhor assim, porque passamos por essas ilhas e, sinceramente, achei as ilhas que visitamos muito mais bonitas, sem falar que estavam vazias! A Isla Perro vive lotada, mesmo na 2ª feira, um horror! Fecha parênteses. Fomos então pra Cayos Holandeses, que estavam no pacote e realmente ficam um pouco mais distantes. O sol resolveu dar o ar da graça no caminho e aí surgiu aquele azul lindo do mar que a gente ama! Eles deram uma volta com a gente por várias ilhas e próximo ao arrecife. Estava muito fundo ali, mas a transparência da água era incrível! Deu pra ver uma arraia e estrelas do mar. Passou uma tartaruga também, mas perdi... Paramos em um dos cayos e o visual era muito bonito, mas achei fraquinho pra snorkel... Acho que teria sido melhor parar em um lugar que passamos antes, não sei por que não pararam ali... Onde ficamos tinha alguns corais, mas tinha muito mais mato no fundo, uma pena! Voltamos pra almoçar em Coco Blanco e ficamos lá o resto do dia. Como luz é artigo de luxo, o jantar é cedo (umas 18:30, 19h) e todo mundo dorme cedo também. Lógico que eu não ia esquecer do problema da barraca, daí antes de escurecer fomos ver isso e descobrimos que a barraca estava totalmente arrebentada! Eles começaram então a remendar as hastes com fita isolante pra conseguir deixar a barraca em pé, embora meio capenga. Na parte de cima não havia mais aquela proteção sobre a redinha de circulação de ar, por isso que entrava água, né! Tivemos que dar um jeito de rasgar e amarrar o saco de lixo que levamos pra fazer cobertura e não entrar água. Na redinha tinha vários buraquinhos, que ainda tentei fechar com durex que tinha na mala, mas é claro que descolou e aí fui na fé de que eram muito pequenos pra entrar algum bicho... Fora isso não tinha espeques, lógico, então distribuímos as coisas pesadas nos cantos pra barraca não voar (e como venta ali!). Eles nos deram um colchão e roupa de cama, mas preferi usar a minha, porque a higiene deles é meio precária, sem falar que nem água doce tem, né! (a água da ilha é de poço, mas a ilha é tão pequena que a água é super salobra, embora seja melhor que a do mar). O barulho do saco de lixo com o vento não era nada legal, mas com o cansaço dormimos de qualquer jeito... O lado positivo? O visu da barraca de manhã cedo era incrível, só aquele marzão, o sol nascendo e outras ilhas com seus coqueiros ao longe! No segundo dia fomos a Isla Perro Grande, que na minha opinião foi a mais bonita de todas. O visual era IN-CRÍ-VEL!!!! Tinha uma família kuna tomando conta da ilha e um grupo pequeno acampado. A ilha tinha chuveiro, pia e privada, aquela coisa meio improvisada, mas que dá perfeitamente pra sobreviver (e olha que sou meio fresquinha com banheiro...). E sim, a privada era de verdade, e não um buraco no chão!! Fizemos snorkel e dessa vez tinha uns corais mais bonitos, mas também não foi grande coisa. Peixe não tinha muito e os que tinham em geral eram pequenos e sem muita cor. Ali o que valia mesmo era ficar matando o tempo na praia, admirando aquela vista ruim... hehe No terceiro e último dia, nos levaram a Chichime, uma ilha um pouquinho maior, com um visual lindo também! Mais uma vez o snorkel decepcionou, mas o visual mais que compensou! Foi onde achei o mar mais bonito com seus tons de azul! E de novo, ilha praticamente nossa! Todo dia era o mesmo esquema: saíamos por volta de 10h, voltávamos lá pelas 14h para almoçar e passávamos o resto do dia em Coco Blanco, que era até bonito mas não como nas ilhas que visitamos. A quem interessar possa, a água do mar é quente, mas nem tanto (no nordeste tem água mais quente). No último dia, acabou a água “doce” da ilha. Sorte que eu já tinha tomado banho! Meu marido tomou banho de balde, com a água que eles tinham guardada em galões. Eles falaram que em 15 minutos a água voltava, mas não voltou. A gente acha que acabou mesmo a água do reservatório. Depois falaram que a bomba quebrou, deve ter sido de tanto que eles tentavam ligar e não funcionava, provavelmente porque não tinha água. Acho que teve gente que ficou sem banho, porque também não tinha muita água guardada... Não sei como ficou depois disso, porque fomos embora de manhã cedo, e usamos nossa água de beber para lavar mãos e rosto. Sobre a comida. Eles adoram fazer tortilla de maíz! É uma tortinha de milho meio sem graça, servida em praticamente todas as refeições. No café eu passava geléia (tinham várias lá) e no almoço e jantar comia puro mesmo ou com ketchup. Os peixes do almoço e jantar eram bem bons. O arroz, normal. A batata também. Um menino não comia peixe e serviram frango pra ele. Teve um dia que serviram uma espécie de pão no café que era uma delícia, mas esqueci o nome... Só que desconfio que compraram pronto e só esquentaram. Ah, tudo é frito, como comem gordura esses índios! Não é à toa que estão gordinhos, pra piorar são baixinhos... Às vezes serviam um refresco. Água tinha sempre, de graça (mas tínhamos levado as nossas, e é sempre bom levar, no caso de uma emergência ou mesmo porque pelo o que li água de graça não é a regra por lá). Tinha cerveja e vinho pra vender, mas não cheguei a ver o preço. No último jantar pagamos 8 dólares por um lagostin, que escolhemos ainda vivo, eles deixam presos no mar (ai, que dó...). Estava bom, mas podia ser melhor... Mas por esse preço, até injeção na testa! rs Detalhe: comemos a tal tortilla de maíz na Cidade do Panamá, no Manolo Caracol, e que DE-LÍ-CIA que era! Totalmente diferente do que os kunas faziam, até a textura era completamente diferente! Por lá só dá gringo, de tudo que é canto do mundo. Os kunas falam espanhol e alguns se arriscam um pouco no inglês. O filho do dono da nossa ilha se chama Roberto e é super gente boa, conversou à beça com a gente, inclusive contou umas histórias da cultura deles! Ele passa uns dias na capital, estudando inglês, pra receber melhor os turistas, pois muitos não falam espanhol. Achei o máximo isso!! O que me deixou chateada foi o que já tinha lido aqui, eles jogam todo o lixo no mar... Todas as ilhas, mesmo os Cayos Holandeses, que são mais longe, tinham muito lixo, de todo tipo, especialmente garrafas. Uma pena, um lugar tão bonito merecia ser melhor preservado, mas eles ainda não ganharam essa consciência... E os turistas podem até jogar alguma coisa, mas eu vi um kuna jogando uma garrafa no mar, e tinha galão de combustível também, que certamente não foi descartado por turista, né! No 4º dia acordamos e já viemos embora depois do café. Ficaria mais uns 2 ou 3 dias fácil, mas tudo que é bom passa rápido! Tivemos que esperar um pouco nosso motorista, que não foi o mesmo da ida, mas foi tudo certo. Chegamos por volta de 12h no hotel, loucos por um bom banho, mas felizes de conhecer esse lugar lindo e já pensando em um dia voltar, claro! Mas da próxima vez fico na Isla Perro Grande e, principalmente, levo a minha barraca!!!! Depois volto com mais calma pra postar umas fotinhos!
  8. Sabe aquela ilha de desenho, pequeninha, com areia branca, alguns coqueiros e mar bem azul? Pois é, ela existe, e fica no Panamá! O arquipélago de San Blas é um lugar lindo, paradisíaco, perfeito pra quem gosta de curtir uma praia maravilhosa com muita paz e tranqüilidade. San Blas tem 365 ilhas, mas só 36 delas são habitadas. Quem vive lá são os Kuna Yala, povo indígena que tem um modo de vida, cultura e leis próprios. É nas cabanas deles que você se hospeda quando vai para uma das ilhas, com pé na areia e a alguns passos do mar, espetacular! O esquema é roots, bem pouco conforto, já que não tem luz elétrica nem banheiro – mas, sinceramente, num lugar desses isso é só um detalhe! COMO CHEGAR Você pode ir pra San Blás de avião ou por terra, saindo da Cidade do Panamá. Para economizar na trip, a melhor opção é ir por terra mesmo. Nesse caso, você precisa fechar o transporte com alguma agência, só carros autorizados podem passar por lá. Os Kuna Yala, que tem suas próprias leis, ficam na estrada fazendo o controle de passagem (tem que até mostrar passaporte) e cobrando pedágio (!) O trajeto de caminhonete leva umas 2h30 por uma estradinha bem sinuosa até chegar no “porto”, onde você pega o barco para as ilhas. O trajeto de barco leva uns 45 minutos, e você precisa pagar 2 doletas cada vez que entra em uma das ilhas – é, esses índios são mega dinheiristas... AGÊNCIAS O “pacote” que você fecha com a agência na verdade é o apenas o transporte de caminhonete até o porto e a reserva da hospedagem + refeições (eles fazem contato com os Kunas e deixam tudo esquematizado). Fiz o passeio com a Lam Tours (http://www.lamtours.webs.com ), o contato é o Junier ((507) 6523-5639), um cara bem gente fina – a empresa é formada por ele + 3 irmãos, que fazem diariamente o trajeto até San Blás. Uma coisa ruim do passeio (não sei se todas as agências fazem assim) é que depois de buscar todos os passageiros nos hostels (eles têm 5 caminhonetes) eles levam todo mundo para a agência para pagar o transporte e dar uma explicação básica – vai fácil mais de meia hora nesse esquema. E como se não bastasse, eles ainda liberam a galera pra ir no mercado pra comprar as coisas que vão levar. Tudo isso atrasa um monte a saída do passeio. HOSPEDAGEM As diárias custam de 20 a 50 dólares, com café, almoço e jantar incluídos. Na opção mais econômica o valor é 20 dólares por pessoa em cabana compartilhada e 25 em cabana privada. Quando você fecha o passeio com uma agência já fica definida a ilha onde você vai se hospedar (é feita uma reserva com um Kuna Yala em uma das ilhas). Fiquei na ilha Narasgandup (Robinson), que é super bonita (acho que todas são), mas o que não curti é achei bem desorganizado, ninguém explicava direito o esquema da hospedagem, queriam cobrar mais caro do que tínhamos combinado com a agência, e quase todos os Kunas da ilha foram bem antipáticos com a gente (com exceção do Jorge, gente finíssima!). E além de tudo, o pessoal dali é bem porco, jogam o lixo no mar, um absurdo! Junto com a hospedagem estão incluídas as três refeições – eu esperava uma coisa simples mas gostosa, como um peixinho com arroz e salada, mas a comida de lá é bem ruinzinha... só pra dar uma idéia, em dois dias a comida foi atum enlatado! ILHAS / PASSEIOS Você pode passear por várias ilhas de San Blás, em algumas delas você pode se hospedar levando sua barraca ou ficar em cabanas das famílias de Kunas, como na Aguja e a Perro. O setor Cartí é onde ficam as principais ilhas, como Aguja, Diablo, Pelicano, Perro, Iguana, Chichime... A Isla Perro é a mais linda delas, com água em vários tons de azul e verde, parece photoshop. Ali tem um barco naufragado, você pode alugar um snokel na ilha (3 dólares). A Diablo fica bem perto dali, é a ilha que você vê na frente da Perro. Se estiver com mais tempo, vale conhecer os Cayos Holandeses. Ficam bem mais afastados, leva 2h de barco, mas são show de bola. O QUE LEVAR - Mochila pequena – nada de levar o mochilão inteiro, nem cabe na caminhonete! Leve apenas coisas suficientes para os dias que você for passar nas ilhas. A maioria dos hostels tem serviço de depósito, dá pra deixar sua mochila por lá. - Roupa de banho + toalha – é legal levar também uma cordinha de varal pra estender as coisas - Chinelo – dificilmente você vai usar alguma outra coisa além de chinelo por lá - Vela e fósforo + lanterna – isso você vai usar muito, já que não tem luz elétrica. Compensa acender umas velas na cabana e usar a lanterna pra se locomover pela ilha. - Repelente – o que não falta lá é pernilongo... não tem muita escapatória, mas repelente sempre ajuda - Snorkel ou óculos de natação – a água é transparente, vale mergulhar e ficar vendo os peixes e estrelas do mar - Protetor solar, óculos de sol, canga/toalha pra esticar na areia - Papel higiênico – até tem por lá, mas é melhor garantir! - Comes e bebes: é super importante passar no mercado antes de ir pra lá. Leve bastante água, suco e coisinhas para beliscar (barrinha de cereal, salgadinho, chocolate,bala). Dá pra comprar algumas coisas lá na ilha, como cerveja (não tããão gelada mas por um preço bom, 1,5 dólar), refri e alguns beliscos. - Baterias de máquina fotográfica e celular já carregadas – não esqueça que lá não tem energia elétrica. - Dinheiro trocado (em dólar mesmo, a moeda do Panamá, o Balboa, vale 1 dólar) – como os Kunas cobram tudo, é bom sempre ter notas menores, pra garantir. QUANTO VOCÊ VAI GASTAR Saindo da Cidade do Panamá pra San Blás, os gastos que você vai ter são: - transporte terrestre até o “porto” (ida e volta): U$ 60 (30 por trecho) - pedágio na estrada: U$ 6 - diária (com café, almoço e jantar): U$ 20/dia (aprox, dependendo da ilha) - transporte de barco: U$ 20 (10 por trecho) - taxa de entrada na ilha: U$ 2 (em cada ilha) = U$ 108 (considerando uma diária – compensa ficar mais dias pra diluir os custos e pra curtir as ilhas, que são lindas) OBS: o bom é que lá você não gasta quase nada, basicamente é o que consumir de bebida ou de extras, e passeios para outras ilhas (se fechar grupo, o custo fica barato, uns 5 doletas por passeio). Saiba mais sobre essa e outras viagens em http://www.mochilaotrips.com
×
×
  • Criar Novo...