Ir para conteúdo

Marrocos: Marrakesh e Deserto de Zagora em 4 dias.


fabio_matsuo

Posts Recomendados

  • Colaboradores

Parte I – Dia 1

 

Marrakech eu defino da seguinte maneira: imagine que você nunca tenha ido a São Paulo, mas te disseram que é um ponto turístico. Quando você chega na cidade escolhe um táxi e descobre que o seu hostel está localizado em uma das travessas da Avenida 25 de março e apesar de ter um ótima classificação pelo site está cheio de de gente nas ruas, carros e motos disputando espaço com os pedestres em ruas estreitas e sujas, vendedores querendo te vender de tudo, crianças pedindo dinheiro, parece a visão do inferno. Daí você se pergunta por que escolheu este lugar para as férias e tem vontade de ir embora na mesma hora. Porém a medida que o susto passa e andamos pela cidade descobrimos que além daquele lugar existe também uma Avenida Paulista, um Parque do Ibirapuera e outros bons lugares...assim é Marrakech... e o meu hostel localizado dentro da Medina, o centro velho da cidade. Marrakech a primeira vista é um choque e a segunda paixão total...

 

Quando cheguei no aeroporto, uma desorganização, já era tarde e todos disputando um lugar na fila. Passei fácil pela imigração pois já tinha as reservas do hostel impressas comigo. Peguei um taxi que me custou 20 euros até o hostel, mas se negociar muito bem chega a 10 euros. Agora o susto maior foi ver o meu taxi entrando dentro de um lugar que parecia um vilarejo pobre, não sabia que meu hostel estava localizado dentro desse lugar, a Medina, a medida que eu ele percorria as ruela eu me assustava, era realmente um choque cultural.

Não julgue a primeira vista... você só entenderá a cidade quando andar pela ruas, entenderá que as pessoas ali estão lutando pela sobrevivência. A cidade é mágica, é alí que suas idéias pré-concebidas se acabacam.

 

20110602165245.jpg

Aeroporto de Marrakesh.

 

Abdul, o dono do hostel, me recebeu com um "Salamaleco" e um sorriso e com isso todas as barreiras se quebram... poderia ser um comerciante simpático... mas era mais que isso, era um vencedor, um homem que no meio da pobreza africana descobriu o seu modo de ser alguém, estudou geografia, conquistou muito, mas não perdeu o mais importante: a humildade... Abdul é único! É sem dúvida o comerciante mais gente boa que conheci em toda a minha vida.

Antes de conhecê-lo, imaginem que eu já estava assustado com o local e imaginem o Abdul abrindo a porta do meu quarto com um chute na porta? Não, aquilo já estava sendo demais.. hahahaha.. mas depois essa má impressão passou.

 

Subi até o terraço, ainda me perguntando porque havia escolhido Marrocos...foi quando conheci os 5 estudantes de NY e me sentei para conversar, na mesma hora Abdul me serviu um chá com hortelã e sentou-se ali para ouvir nossas histórias... Ao mesmo tempo chegou ao terraço um casal de amigos que mais pareciam estar em Lua de Mel, eram Liza e Manoel, dois argentinos que moram na Espanha. Em dez minutos mudei a minha idéia de ir a Casablanca e decidi me aventurar no deserto de Zagora...

 

Deserto de Zagora – Dia 2

 

Acordei cedo, tomamos café, um cha verde com hortelã, pão sírio com manteiga e geléia... Pegamos uma van e 9 horas de van até chegar no deserto. Passamos pela cidade onde existe o museu do cinema e onde foi filmado “Sex and the City”, Gladiador e outros filmes, o nome do lugar é Ouzazarte.

 

Chegamos com o sol se pondo e ali nos esperavam a tribo dos Berdies, nativos, com nosso meio de transporte, os camelos. O sol já se punha e seguimos sobre os camelos no escuro. Meia hora até chegar ao nosso acampamento. Barracas no meio do deserto, sem banheiros ou chuveiros, nada!

 

A noite caiu e foi aí que vivi a melhor experiência da minha vida... que sigo contando..

 

Ao redor de uma fogueira, tambores improvisados. Não menos importantes que o violão e as vozes que formam um coral num dialeto próprio. Uma experiência única e inesquecível. O único luxo, uma luminária a gás. Sem banho, sem banheiros. Nove horas de viagem e mais meia hora sobre camelos, assim foi a chegada no deserto... Na noite de Zagora... um jantar dentro das cabanas... sopa com pães, depois batatas, legumes, frango numa tigela única, comendo em comunidade, dividindo experiências, risadas e um pouco da cultura de cada um dos países que ali estavam. Brasil, México, Alemanha, Espanha, Argentina, Estados Unidos, todos juntos, sem fronteiras, sem diferenças... Todos com um único objetivo: a cultura do povo Berdie. Ainda ao redor do fogo, todos dançando, cantando, batendo palmas... e quando a maioria foi dormir ali estavam, Liza, Manoel, José (*), Agustín (*), a tribo Berdie e eu...... A medida que o fogo diminuía nos aproximávamos mais e mais... No que restou do fogo, uma chaleira e pães, ninguém se importa de se sentar na areia. Agora, só a luz da lua... é possível caminhar no deserto, a visão se acostuma... Integração total com os nativos... sem máscaras... sem imaginar que estávamos num teatro... soubemos da vida deles... Comunicação? Algumas palavras em inglês outras em espanhol... e desenhos no chão... é ali que aprendemos também que se aprende muito na escola da vida... Até o silêncio diz muitas coisas... reflexão...auto conhecimento... será que precisamos de muito?

 

Fim do fogo... fim do dia...

 

Minha cama? Um cobertor sobre a areia... Meu teto? As estrelas... Pra que ter cinco se eu posso ter um milhão....

 

 

(*) Agustín e José... dois argentinos... que tive o prazer de conhecer nesta viagem... Agustin vivem numa cidade da Argentina e José vive numa cidade da Espanha, são amigos desde crianças quando José morava na Argentina. Nos conhecemos no transporte... dois loucos... dois "boludos", professor de Educação física e baixista de banda, respectivamente.

 

20110602165534.jpg

 

20110602165600.jpg

 

20110602165638.jpg

 

20110602165653.jpg

 

 

De Zagora a Marrakech, Dia 3

 

Ao som de U2, voltamos para Marrakech pelas mesmas curvas intermináveis que viemos... o cenário... pequenos vilarejos, casas simples feitas com barro em meio as montanhas...roupas coloridas secam sobre as pedras... Montanha após montanha... o cenário não muda... e Meca? Para que lado está? Será que todas essas pessoas conseguirão seguir os ensinamentos de Maomé ir pelo menos uma vez na vida para lá?

 

Parte II - Marrakech

 

Enfim chegamos de volta a cidade... um quarteirão antes o motorista nos pediu dinheiro, dois euros cada um... merecia? Óbvio que não! Não se para em lugares caros no meio da estrada só porque ele comeria de graça. Todos ali, mochileiros... fizemos de conta que não entendemos. Hora do banho merecido.

 

Encontramos mais tarde os dois argentinos na praça principal da Medina, exatamente onde dias desses um café foi explodido... por que não um Kebab e uma coca num lugar barato? Mais risadas, mais próximos... andamos pelas ruelas da Medina, mais risadas... mas onde estava a cerveja? Fomos buscar onde não era proibido, ou seja, fora da muralha que separa a Medina do resto de Marrakech... ali descobri a "Avenida Paulista" de Marrakech... e o quanto a cidade é desenvolvida... mas cadê a cerveja? Achamos... mas quem iria pagar quase 15 reais por uma? Mais risadas.... mais amigos nos tornávamos... aula de espanhol para mim e aulas de português para José... De volta ao hostel... mais risadas no terraço, agora tínhamos com a gente os dois argentinos agora, mais e mais risadas.... Música de Maria Rita no celular de José... mais conversas... mais risadas... mais risadas... a medida que adentrávamos na madrugada... mais o coração se apertava a despedida estava próxima.. todos sentiram isso... era o último dia de todos que ali estavam... os quatro num voo três horas mais tarde... o meu, só as onze da noite... mas onde iriam dormir os dois argentinos? Eles não estavam com a gente no mesmo hostel... penetras... mais risadas... Acordei e todos já tinha partido...

 

Filme editado:

 

Marrakech – Dia 4

 

Conhecer Marrakech, esse era o objetivo... não tinha dado tempo ainda... cheguei tarde e fui no outro dia direto para o deserto... Agora era eu sozinho... bandeira do Brasil no bolso, água na mochila e muita caminhada... o bom de ser brasileiro é que as pessoas dali se identificavam com a gente... acenavam... diziam "Brasil"... e eu retribuía...

 

Não fui muito além da Medina... prefiri ficar por ali mesmo na grande praça... onde ali se podia comprar desde um dente, uma dentadura completa até uma coruja... foi ali também que vi as famosas serpentes subindo (Nossa, soou estranho isso, não? hahahah) ao som da flauta...Vários artistas nas ruas.

 

Conheci o lado mais desenvolvido da cidade que fica fora da Medina, fora da muralha. Quando já estava anoitecendo, voltei ao hostel para pegar minha mala e partir para o aeroporto, Abdul não me deixou sair sem jantar, ele havia feito o tradicional Cuscuz Marroquino, uma espécie de arroz triturado com batatas, cenoura, frango. Ajudei o Abdul a tirar a mesa e conversamos mais...

 

Desci até o quarto, onde estavam duas brasileiras e Abdul foi até lá nos servir chá... Como havia dito, Abdul foi um pai pra todos mundo em Marrocos. Outra coisa muito interessante que vi foi que na hora em que estava partindo para o aerporto a moça que cuidava da limpeza estava saindo também, mas não parecia a mesma, desta vez estava toda coberta com as roupas tradicionais muçulmanas, diferente das roupas normais que usa para trabalhar... E esse foi a minha experiência de Marrakech... a melhor e maior experiência da minha vida...

 

O que levo do Marrocos... é a experiência de vida... a cultura... Voltarei ...isso é uma certeza...

 

Site do hostel: http://www.tripadvisor.com/Hotel_Review-g293734-d671440-Reviews-Riad_Douzi-Marrakech.html

 

Valor: 7 euros com café da manhã.

Passeio para o deserto: 60 euros muito bem pagos.

Troque seus euros no aeroporto, o câmbio é igual ao da cidade... 1 euro = 10 dihrans.

 

 

Ps1: Encontrei novamento os Argentinos José e Agustin, mas desta vez na cidade deles em Canãda de Gomes, Argentina dois meses depois.

 

filmes-editados-reencontrando-amigos-mochilao-marrocosx-argentina-milao-x-londres-veneza-x-paris-t55963.html

 

PS2: Essa foi a minha melhor experiência, mas também tive a PIOR experiência, essa foi em Istambul....e outro relato:

 

istambul-turquia-nada-mais-poderia-dar-errado-t56418.html

 

Contato:

Email: [email protected]

Facebook: http://www.facebook.com/profile.php?id=1798751993

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 4 meses depois...
  • Membros

Fantástico o seu relato. Gostei demais... sou viajante como você e tenho relatos aqui e viagens que nem relato fiz, mas penso em ir para a África, porém me espanto com relatos de viajantes como por exemplo um de Madagascar, lugar que eu gostaria de explorar... pois bem, vendo esse relato eu me animei a ir ao Marrocos. Mas antes estarei indo ao México em dezembro e Canadá em julho, mas ainda terei uma viagem para a China (quero saltar da Macau Tower e irei pra China com esse objetivo principal).

Cara as fotos foram excepcionais. A de vcs pulando foi a que eu mais gostei... fantástico esse seu relato.

Forte abraço,

Mizangelo Barros. (Facebook Mizangelo Barros tb).

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 3 semanas depois...
  • Colaboradores
Fantástico o seu relato. Gostei demais... sou viajante como você e tenho relatos aqui e viagens que nem relato fiz, mas penso em ir para a África, porém me espanto com relatos de viajantes como por exemplo um de Madagascar, lugar que eu gostaria de explorar... pois bem, vendo esse relato eu me animei a ir ao Marrocos. Mas antes estarei indo ao México em dezembro e Canadá em julho, mas ainda terei uma viagem para a China (quero saltar da Macau Tower e irei pra China com esse objetivo principal).

Cara as fotos foram excepcionais. A de vcs pulando foi a que eu mais gostei... fantástico esse seu relato.

Forte abraço,

Mizangelo Barros. (Facebook Mizangelo Barros tb).

 

 

Mochilar é sempre muito bom! Obrigado amigo!

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 4 semanas depois...
  • 1 mês depois...
  • 4 meses depois...
  • Membros

Já estou planejando o meu roteiro pra uma Eurotrip do ano que vem, e agora quero colocar Marrocos no meio, rs

Pensei em sair de SP e ir pra Madri ou Barcelona e de lá pro Marrocos.

 

Fiquei encantada com seu relato, achei sensacional!

 

Queria ir numa época em que não seja muito frio e nem muito calor, pois no começo do ano já experimentei o inverno europeu ::Cold:: ! rs

Qual a melhor época no ano pra ir pro Marrocos, na sua opinião?!

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

Nossa, sensacional o relato. Tudo que eu busco em uma viagem!

 

Estou indo no final do Ano fazer um roteiro muito ouca, tentando encaixar Marrocos no meio. Uma pergunta: você lembra quanto pagou pelo voo e em qual cia aerea?

Pelo que vi da RyanAir - a unica low cost que conheço - não tem voo de lá para Lisboa, que é de onde pego avião para o Brasil...

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

×
×
  • Criar Novo...