Ir para conteúdo

Dublin - Guia de Informações


Posts Recomendados

  • Membros

[align=center]Dublin - Irlanda [/align]

 

[align=justify]Dublin deve seu nome à palavra Dub Linn, ou seja, lagoa negra. Nessa porão de água, formada quase na foz do rio Liffey, os celtas tinham um santuário religioso. Essa posião estratégica voltada para o canal entre as ilhas britânicas foi tomada pelos vikings no século 8 e, depois de muita briga, os mesmos acabaram expulsos pelos celtas. O alívio não durou muito, porque uns poucos séculos depois aportaram os normandos. Dessa mistura (sobretudo dos vikings) é que vem o cabelo vermelho dos dublinenses, a cultura dos pubs e provavelmente a simpatia.

 

Informações

Código de acesso: 01

Centros de Informaões: Há um centro no aeroporto para reservar hotel aos recém-chegados (?2), fornecendo também inúmeros folhetos, mas cobrando por alguns mapas - que você pode conseguir gratuitamente em certos albergues. Funciona de seg/sáb das 9h-18h. O principal CI está em O'Connell Street 14, a 150m da ponte, no centro de Dublin e fica aberto de seg/sáb das 9h-19h, domingos até 15h30 (alta temporada) e seg/sáb das 9h-17h30 (baixa temporada). Dentro do que era a Igreja de St. Andrews, na praça de mesmo nome, há também um megacentro de informaões, desses com senha e sofás de espera, vendendo mapas, tickets e tudo o mais, repleto de panfletos do país. Para chegar lá, da ponte, siga a O'Connell para o sul, depois pela Westmoreland e vire à direita em Suffolk Street. Funciona no mesmo horário do CI do aeroporto.

Internet: O melhor cyber café em localizaão é o Global Café. Fica num subsolo na O'Connell 8, abre de seg/sáb das 9h-23h, domingos 10h-22h. Cobra ?1,50/15min, tem PCs e Imacs, uns petiscos e um atendimento cheio de sorrisos. Desconto para estudantes: com carteirinha internacional os mesmos 15 minutos saem por ?1,25. Única desvantagem: no verão, ar-condicionado fortíssimo.

 

Na cidade

Orientação

Dublin é cortada ao meio pelo rio Liffey. A leste estão o mar e o porto.. Ao norte do rio está a zona mais feia e ao sul, os bairros mais atraentes e charmosos. Uma das pontes centrais, a O'Connell Bridge, atravessa a O'Connell Street tornando esta rua o eixo básico Norte/Sul. Aliás, as explicaões de como chegar nos lugares baseiam-se todas nesta ponte como referência.

 

Chegando e saindo

De avião chega-se pelo único aeroporto de Dublin, a 40 minutos do centro. Pegue um ônibus expresso para lá do ponto 1 na saída do aeroporto por ?3,50. Ele pára em vários pontos no centro e o motorista vai indicar o melhor lugar para você descer. A estaão rodoviária de Dublin (Busáras) fica a uns 8 minutos a pé da ponte O'Connell e concentra o tráfego de ônibus no território nacional e internacional. Chegar via balsa significa cair em Dun Laghoire, a 20km do centro. De lá, a melhor aposta é pegar o D.A.R.T. (vide Circulando, abaixo) até Tara Station e caminhar ao longo do rio, indo para a esquerda rumo ao centro.

 

Circulando

Dublin não tem metrô. Tem meramente um trem aéreo chamado D.A.R.T. que liga a determinados pontos na costa, fazendo uma barriga para passar dentro da cidade. A menos que você vá tomar a balsa para a Inglaterra, este transporte não é útil, pois suas estaões não servem nenhuma área de interesse dentro da cidade. Ainda assim, os dublinenses orgulham-se deste pseudo-metrô.

 

Os ônibus que servem a capital irlandesa são de fácil acesso e são mais econômicos se usados com o passe de um dia a ?4, ou a de 3 dias a ?7.. Pergunte ao motorista, se precisar de indicaão. Eles conhecem todos os pontos turísticos e são bastante simpáticos (na verdade como todos os irlandeses) - e não duvide se fizerem uma parada fora de ponto para ajudá-lo, sabendo que você vem do país do futebol.

 

Bicicletas em Dublin quebram um grande galho; a cidade praticamente não tem morros e as pequenas elevaões você tira de letra. Além disto, as distâncias são de um tamanho exato para pedalar, um pouco curtas para ônibus, um pouco longas para fazer tudo à pé. Dois lugares para alugar: na Gardner Street com a Bresford Place (saindo da Bus Aras para a direita) há ótimas mountain bikes por ?12,50/dia e ?50/semana. E no quintal do Óige (Albergue HI), uma filial do Irish Cycle Hire, aluga excelentes bikes (?7,50/dia, ?37,50/semana), com mochilas próprias, do tipo que ficam acopladas ao bagageiro da bicicleta e podem transportar a bagagem sem se apoiar nas costas do sujeito. Outra vantagem é que eles têm lojas em muitas outras cidades e você pode, por uma taxa adicional (?12,50), retirar uma bike em Dublin e devolver em Galway, por exemplo.

 

Estar de bicicleta ou mesmo a pé, significa enfrentar um pouco do trânsito complicado da capital da Irlanda. Carros andam pela esquerda, como na Inglaterra e, no melhor espírito latino, respeitam pouco a faixa de pedestres. Afortunadamente, o centro é cheio de calçadões.

 

Acomodação

An Óige Dublin, albergue HI. 61 Mountjoy Street. Fone 8301766/8301600. Ônibus 10, ou a pé, saindo da O'Connell Street, suba até o fim, siga pela Parnell, pela Frederick Street até chegar à Dorset Street e siga pela mesma à esquerda, virando a primeira à direita. E-mail: [email protected]. Diária ?10/13 pelo dorm (baixa/alta temporada), ?31/34 double. Apresenta quartos bem espaçosos, limpos e simples. Café da manhã básico, banheiros no corredor (com aquele ar de vestiário), um belo quintal, onde se abrigam uma churrasqueira, uma garagem e o barraco da Irish Cycle Hire. Lock-out 10h/14h, sem curfew. Dentro há também internet em 2 quiosques e um centro de informaões turísticas próprio, além de cozinha para hóspedes e lavanderia.

 

Avalon House, albergue IHH. 55 Augier Street. Fone 4750001/4750303. Pegue o bus 16,19 ou 22 da rodoviária ou caminhe da Ponte O'Connell, passe pela Westmoreland St., a St.-Stephan's Green West, vire à direita na York Street. Fica na esquina com Augier Street. Diária em dorm ?10/13,50, duplo com banheiro ?18/21, single com banheiro ?20/23, valores para baixa e alta temporada. Tem 281 camas, 16 duplos, WC em alguns quartos ou no fim do corredor. Café da manhã incluído (muffin, iogurte, suco e café). Lock-out 10h/14h, sem curfew. Cozinha para hóspedes, bikestorage, internet. Aluga toalhas. Safe box obrigatório durante o curfew (garfam ?1,50 de aluguel pelo cadeado mais ?6 de depósito). Definitivamente o mais organizado e confortável da cidade; portanto, o mais procurado e difícil de achar vaga.. Nem por isso é mais caro que a média. Localizaão ok, na zona sul, a 10 minutos a pé do centro.

 

Globbetrotter, albergue IHH. 46 Gardiner Street. Fone 8735893/8788787. Saindo da rodoviária, passe sob a ponte até a Gardiner Street. Este é um hotel que dispõe de alguns dorms, e muito bons por sinal. Acabamento de primeira, camas novinhas e carpete limpo. Diária ?14/18 (baixa/alta temporada). Total de 94 camas ou 80 quartos de hotel variando de ?27,50/62 por pessoa. Lock-out 10h/14h, sem curfew. Lenóis e café fraco incluídos; WC no quarto e cozinha disponível.

 

Mount Eccles Court, albergue IHH. 42 North Great Georges Street. Fone: 8780071/8746472. E-mail: [email protected]. Saindo da rodoviária, suba a Gardiner Street, vire à esquerda na Parnell e à direita na N. G. Georges Street. Diária ?9/10,50 por dorms e ?17/20 por doubles (baixa/alta temporada). São 136 camas, com 4 quartos duplos. Lenóis e café da manhã incluídos. Lock-out 10h/14h, sem curfew. Este é um quebra galho instalado em um prédio antigo cujos banheiros são um pouco sujos, mas utilizáveis. Os quartos dão impressão de insegurança, mas para isso há um safe box na recepão. Cozinha disponível.

 

Ashfield House, albergue IHH. 19/20 D'Olier Street. Fone 6797734/6790852. E-mail: [email protected]. A partir da ponte O'Connell, siga para o sul e na primeira bifurcaão tome a esquerda na D'Olier. Diária ?17/22 e ?28/37 double. Inclui café e lenóis. O mais central de todos. Staff atencioso, aluga toalhas, WC no quarto e cozinha disponível. Lock-out 10h/14h, sem curfew. Bastante simpático.

 

Marlborough, albergue IHH, 81/82 Marlborough Street. Fone 8747629. Diárias em dorms a partir de ?9, incluindo café da manhã. Paralelo à O'Connell Street, tem 76 camas e cozinha disponível, mas não é dos mais silenciosos.

 

Brewery hostel, albergue IHH. 22/23 Thomas Street. Fone 4538600/4538616. E-mail: [email protected]. Tome o ônibus 123 da O'Connell para chegar lá, pois é um bocado distante. Diária ?10,50/12 pelo dorm (baixa/alta temporada), safe box grátis. São 51 camas em dorms para 8 pessoas com WC em suíte, cozinha p/ hóspedes, sala de TV, churrasqueira, tudo muito limpo e saudável. Lock-out 10h/17h, sem curfew. Este hostel recebe o nome da cervejaria Guinness, da qual é vizinho.

 

Isaac's Hostel, albergue independente, 2-4 Frenchman's Lane. Fone 8749321. Atrás da Busáras, a estaão de ônibus. Diária ?10/11,50 em dorms pequenos e grandes e ?22/40 para double/single room. São 210 camas. Café da manhã não incluído, dispõe de internet e cozinha. Estilo bagunçado, o maior problema é o barulho.

 

Jacob's Inn, albergue independente 21-28 Talbot Place. Fone 8555660. Numa rua (feia) transversal ao Isaac's Hostel e portanto quase ao lado da rodoviária, sua fachada esconde o prédio novo que é. Diárias ?13,50/18/19/23 em dorms/quads/trip/doub, todos quartos com banheiro. Tem 212 camas, sem café da manhã, mas dá pra comprar algumas coisas por ali. Cozinha disponível, grande e concorrida.

 

Comes & Bebes

Dublin, na qualidade de capital, tem uma certa variedade de restaurantes internacionais, muitos indianos e italianos, cobrando de ?11 a ?20 por pratos clássicos. Fish and chips (peixe com fritas) também são populares. Uma boa e criativa alternativa, comum a outras cidades de médio porte da Irlanda, são as lojas de conveniência que sempre têm um balcão de frios, saladas e laticínios com um atendente disposto a socar numa baguete tudo o que você pedir. Pegue o pão do tamanho desejado numa bacia e leve até o cara, indicando o que você quer e pague em torno de ?2 pela idéia toda. Os tradicionais pubs servem boas refeiões, por algo entre ?7,50/10, na verdade um acompanhamento das caras cervejas (de ?2 a ?3,50). Mas, enfim, esta é a Irlanda e, a menos que você não goste da bebida cevada, não deixe de tomar uma (ou duas, ou...)

 

Atrações

Dublin Writer's Museum 18 Parnell Square. Ônibus 3, 10, 11, 13, 16 ou 19. Suba a O'Connell até o fim (sentido norte) e siga pela Parnell Square até o outro lado da praça. Entrada ?5,50/5 (menores de 18). Abre de seg/sáb 10h-17h, dom 11h-17h. Dublin tem essa coisa de ser uma "cidade de escritores", meio que auto-intitulada, é verdade. Há vários museus tratando do tema, e este não foge à regra: um prédio antigo com fotos, desenhos e manuscritos originais dos grandes autores irlandeses, entre eles Joyce, Shaw, Yeats e Pearce. Quase todos têm um museu próprio com muito mais material, mas se você quiser a versão diet, esse é o lugar.

 

Hugh Lane Municipal Gallery Parnell Square. Acessível com os mesmos ônibus para o Writer's Museum. Abre de ter/qui 9h30-18h, sex/sáb até 17h, domingos 11h-17h. Entrada gratuita, exceto para o estúdio de Francis Bacon, expoente irlandês na pintura, que custa ?7,50/3,50 (mas é grátis nas terças pela manhã). É uma galeria genérica, sem uma linha definida; a maioria das obras pertenceu ao colecionador particular que dá nome ao museu, incluindo alguns Monets e outros pintores do séc. 19, contemporâneos e muitos irlandeses. Um punhado de esculturas e tímidas instalaões completam o acervo.

 

James Joyce Museum 35 North Great George Street. Suba a O'Connell até a Parnell, vire à direita e depois à esquerda na North Great Georges. Entrada ?5,50. Abre de seg/sáb 9h30h-17h, domingos 12h30h-17h. Este museu reúne material biográfico sobre a vida e a obra do ilustre James Joyce, o escritor irlandês mais conhecido no globo, famoso especialmente por Ulisses, Dublinenses e o intraduzível (e há pouco traduzido) Finnegan's Wake, publicado no Brasil sob o título Finnínicus revem.

 

Turismo Cultural

 

James Joyce

Escritor irlandês nascido em 1882, teve uma rígida formaão católica e aos 20 anos vai a Paris estudar Medicina. Largou o curso para dedicar-se apenas à literatura, mora novamente na Irlanda, Suça e Itália, publicando seu primeiro livro em 1907, Chamber Music. Em 1922 publicou (apenas em Paris) sua obra-prima: Ulisses. Considerada a obra de ficão de língua inglesa mais importante do século 20, deu início ao romance moderno, aclamando seu autor como um gênio da literatura. A história se passa em um único dia com 3 personagens (Stephen, Leopold e Molly) num cotidiano repleto de paródias e meditaões sobre sexo, psicanálise e religião, com uma linguagem rica e detalhada. Acusado de pornográfico, o livro foi evidentemente proibido nos EUA e Inglaterra, sendo liberado apenas, respectivamente, em 1934 e 1936, alguns anos antes da morte de seu autor, em 1941.Dublin Castle (Castelo de Dublin) Castle Street. Pegue a O'Connell para o sul, siga pela Westmoreland, vire à direita na College St., siga pela Dame St. até a Castle St. Entrada ?3,80/2,55 (estudante). Abre de seg/sex 10h-17h, sáb/dom 14h/17h. Não há nada de muito impressionante neste castelo. Tours a cada 45 minutos pelos State Apartments mostram o que restou da arquitetura de interiores de estilo normanda, onde hoje funcionam inúmeros órgãos governamentais. No verão, a cripta torna-se palco de performances musicais, circenses e teatrais, praticamente todas as noites em torno das 20h, a preços que variam de ?6 a ?10. Retire o programa no CI. Os fundos do castelo são pintados em cores vivas, no padrão do Pelourinho de Salvador (guardadas as devidas proporões), pouco condizente com o aspecto original do monumento.

 

Christ Church (Igreja de Cristo) Christ Church Place. Pegue a O'Connell para o sul, siga pela Westmoreland, vire à direita na College St., siga pela Dame St., passe o castelo seguindo pela Castle St. até Christ Church Place. Entrada ?3/1,50 (estudante). Abre 10h-17h. É uma bela-porém-não-majestosa igreja normanda; iluminaão interna e externa bem sacadas, realçando as linhas do prédio. Monumento a Strong Bow, o conquistador normando do século 12 que dominou a cidade por certo tempo.

 

Dublinia (Museu) St Michaels Hill, ao lado da Christ Church. Entrada ?5,75/4,50 (estudante). Abre de abr/set 10h-17h, de out/mar 11h-16h, domingos 10h-16h30. Recriaão de Dublin desde o século 12, sob o domínio do normando Strong Bow. Mostra cenários com objetos da época numa seqência em que o percurso inicial você faz com audiofones enquanto observa as cenas. Não deixe de brincar com os recursos interativos da Dublínia, como os troncos de madeira que prendiam seus prisioneiros pelas mãos e cabeça e vestindo as roupas medievais irlandesas.

 

Dublin's Viking Adventure (Museu) Essex Street West. Da ponte da O'Connell vá para o sul, siga pela Westmoreland, direita na Fleet Street, passe pela Temple Bar, siga pela Essex Street East até tornar-se Essex Street West.. Entrada ?6. Abre de ter/sáb 10h-16h30. Mesma idéia do Dublinia, mas talvez mais bem estruturada. Este passeio retrata as invasões vikings no século 6, passando por diversos cenários. O diferencial fica por conta dos atores a caráter que interagem com o visitante, explicando os detalhes e respondendo perguntas. No começo, há um barco simulado que se move sobre trilhos, ligado a um espetáculo em vídeo que dá a impressão de que você é um viking navegando para a Irlanda. O prédio encontra-se sobre um antigo sítio arqueológico descoberto nos anos 70.

 

Irish Museum of Modern Art Military Road. Ônibus 68, 68A, 69, 78A, 79 ou 123. Siga o rio Liffey para oeste (pela margem sul) até a ponte da South Circular Road, vire à esquerda e suba a rua até a entrada do museu. Abre de ter/sáb 10h-17h30, domingo 12h-17h30. Entrada franca. Antigo hospital transformado em museu em 1990, hoje abriga coleão de pintores modernos, irlandeses e estrangeiros. O ponto alto é um galpão nos fundos que funciona como atelier para artistas-residentes, na intenão de aproximar o espectador do processo de criaão.

 

St. Patrick's Cathedral Patrick Street. Pegue a O'Connell sentido sul, siga pela Westmoreland, vire à direita na College Street, siga pela Dame Street, dobre à esquerda na South Great Georges Street, direita na Stephan St.. Upper, e siga pela Golden Lane até o fim. Abre de seg/sex 9h-18h, sábados até 16h e domingos 10h-15h. Entrada ?3,50/2,50 (estudante). Incrível um país onde o museu é grátis e a igreja é cobrada. Este símbolo da religiosidade irlandesa foi construído no século 5 e depois reformado pelos normandos 4 séculos mais tarde. No local, St. Patrick batizou os primeiros irlandeses cristãos. Belíssimo exemplo de arquitetura normanda. Parque legal à sua volta.

 

Kilmainhaim Jail (presídio/museu) Inchicore Road. Ônibus 79 saindo de Aston Quay (margem do rio). Pára em frente. Entrada ?4/2 (estudante). No verão abre 9h30-16h45, no inverno de seg/sex até 16h, e domingo 10h-16h45, fechando aos sábados. Foi uma prisão construída segundo os novos modelos de repressão social dos séc. 18 e 19: bastilha irlandesa e sede de execuões e torturas. Durante a Grande Fome no séc. 19, duplicou sua ocupaão com "ladrões de galinha" que cometiam pequenos delitos e abrigou também os eméritos revolucionários de 1916, que lutavam pela independência do país. A visita às instalaões penitenciárias é guiada a cada 35 minutos. Nos intervalos, uma boa dica é o documentado museu da história recente da Irlanda.

 

Trinity University Pearse Street. Pegue a O'Connell sentido sul, na bifurcaão siga à esquerda na D'Olier Street e depois esquerda na Pearse Street. Esta universidade foi fundada em 1592 e sua maior atraão são os Books of Kells, manuscritos de cunho religioso ricamente ilustrados por monges na tradião gráfica celta. Os livros em si não causam muito impacto, mas as ilustraões mais belas estão ampliadas na forma de painéis luminosos e podem ser conferidas no museu da universidade. De seg/sáb 9h30-17h e domingos 12h-17h, por ?6/5 (estudante).

 

Guiness Brewery Market Street. Ônibus 51B, 78A ou 123 parando na Guinness.. Entrada ?6/5 (estudante). Abre no verão de seg/sáb 9h30-17h, domingos 10h30-16h30. No inverno de seg/sáb 9h30-16h, domingos 10h30-16h. A mais célebre das cervejarias irlandesas, que, como todas as outras tradicionais européias, abriu um museu dentro da velha fábrica. Aqui você vê a parafernália industrial envolvida no processo de produão da cerveja, incluindo ainda as peças publicitárias da Guinness durante os anos. Para os apreciadores da pretinha, ganha-se um copo grátis no fim do passeio.

 

Old Jameson Distillery Bow Street. Ônibus 67, 67A,68,69,79 ou 90. Pela margem norte do rio Liffey, siga para oeste até a Arran Quay, pegue à direita em Lincoln Lane, que vai desembocar em Bow Street. Entrada ?5/3,50 (estudante). Abre 9h30-18h. Destilaria do whisky Old Jameson, com tour de 45min, saindo a cada meia hora. É bem interessante, incluindo degustaão. A lojinha oferece souvenirs bem legais (o que pode incluir uma garrafa por ?10 que no Brasil sairia por R$50).

 

National Gallery Merrion Square West. Pegue a O'Connell sentido sul, siga pela Westmoreland, passe a universidade, vire à esquerda na Nassan St., siga pela Lenister St., que vira Clare St., e dobre à direita na Merrion Street Upper ou ônibus 5, 6, 7, 8 ou 10, além da estaão Pearse do D.A.R.T. Abre seg/sáb 10h-17h30, domingo 14h-17h, quintas até 20h30. Entrada franca. Todas as pinturas irlandesas famosas do século 15 ao 19 e mais alguns estrangeiros em exposiões temporárias, incluindo Picasso, Caravaggio, Velazquez e outros no acervo permanente.

 

National Museum Kildare Street. Pegue a O'Connell para o sul, passe a Westmoreland e a universidade, vire à esquerda em Nassan St., e à direita em Kildare St. Ou pegue ônibus 5, 6, 7, 8 ou 10, além da estaão Pearse do D.A.R.T. Abre de ter/dom 10h-17h. Entrada franca. Museu de artefatos neolíticos, celtas, vikings e normandos, contando a história dos povos que ocuparam a Irlanda. Coisa para menos de uma hora.

 

Compras

Dublin tem duas ruas tradicionais de compras: Grafton Street, que é um calcadão continuando ao sul da O'Connell quando esta acaba em frente ao Parlamento, e a Henry Street, também um calçadão, desta vez uma travessa da O'Connel em sua parte norte, próxima ao centro de informaões e à ponte. Nesta rua localiza-se um medonho shopping center, bem como algumas grandes magazines e muitas lojas de CD (música é um dos principais produtos de consumo irlandês, e com justiça). Cheque a Virgin na mesma rua.

(Fonte:UOL)[/align]

Link para o comentário
  • 7 anos depois...
Visitante
Este tópico está impedido de receber novos posts.
×
×
  • Criar Novo...