Ir para conteúdo
brufavaro

TRAVESSIA MAMANGUÁ E JOATINGA - 2013 (Com fotos e valores)

Posts Recomendados

Travessia realizada entre os dias 26/12/12 e 09/01/13 por mim e pelo meu namorado Gilberto.

 

[t3]Dia 1: Paraty[/t3]

 

Diferente das outras viagens, resolvemos que não valia a pena irmos de moto, pois tínhamos 20 dias de férias e havia tempo a perder. Assim, saímos às 11h20 da rodoviária de São José dos Campos em direção à Paraty. A viagem foi tão ou mais cansativa do que se tivéssemos ido de moto, pois levou 7 horas para chegarmos. Lá por volta das 5h30 da tarde chegávamos a Paraty e, por sorte – ou não, eu já havia reservado o hostel mais barato da cidade: Central Hostel Paraty.

 

02.JPG

 

Muito bem localizado, bem no centro histórico de Paraty, pagamos R$90 a diária pelo quarto de casal, incluindo o café da manhã. O hostel é bem ruinzinho... quarto pequeno e abafado, com um ventilador de teto que não refrescava nada e fazia um barulho desgraçado, e o pior: à noite choveu e alagou todo o chão do quarto, de modo que tivemos que acordar pra jogar todas as nossas coisas pra cima de um armário. O café da manhã era bem simples (café, leite, pão e mamão), mas a estrutura dos banheiros e chuveiros até que era bacana.

 

À noite saímos para, pela primeira vez na viagem, comermos um prato de peixe (R$21pp) e ficarmos bebuns:

 

05.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

[t3]Dia 2: Paraty mirim – Saco do Mamanguá[/t3]

 

Depois de tomarmos café, pegamos um ônibus na rodoviária de Paraty em direção à Paraty-Mirim (às 9h00), chegando por lá cerca de 10h30. O acesso à praia se dá por uma estradinha de terra de 7km, que estava bastante alagada devido às chuvas da noite. Vimos alguns carros atolados e depois descobrimos ser de um amigo nosso, daqui em diante chamado Tiago, que estava indo com uma galera pra Praia de Calhaus (por barco).

 

- Horários do ônibus Paraty - Paraty mirim de 2ª-6ª: 5h30 - 6h45 - 8h00 - 9h30 - 11h00 - 12h50 - 14h30 - 16h00 - 17h30 - 19h00 - 22h35

- Horários do ônibus Paraty - Paraty mirim de domingo: 6h30 - 9h30 - 11h00 - 13h00 - 16h00 - 17h00 - 19h00 - 22h35

 

Antes de começar o relato das trilhas propriamente ditas, é extremamente importante deixar claro que Gilberto e eu somos um casal sedentário: nos alimentamos de feijoada, pizza e macarrão. Frequentamos rodízios para comer bastante e depois dormimos 3 horas para fazer a digestão. MAS, às vezes, ainda fazemos alguma coisa: nadamos, andamos de bike, damos uma corridinha. O que já nos faz sentir valentes o suficiente para resolver ir de bike de São Paulo à São José dos Campos, encarar travessias etc. Portanto, é muito importante levar isso em conta quando eu deixar minhas avaliações sobre a dificuldade dos percursos. ::tchann::

 

Voltando.

 

Já em Paraty Mirim encontramos o início da trilha, que fica no fim da praia, à direita. Trata-se, na verdade, de uma subida desgraçada. :shock: Nos abastecemos de barrinhas de proteína e energético e começamos a caminhada. Nesse momento dois caiçaras iniciaram o percurso e desapareceram na nossa frente, sem nunca mais serem vistos por nós.

 

07.JPG

 

Levamos cerca de 30 minutos para subir, quando fizemos a 1ª pausa. Com as pilhas recarregadas, começamos a descida, que foi mais fácil. Cerca de 1 hora depois avistamos uma entrada para uma 1ª praia, já no Mamanguá. Bom lembrar que em alguns momentos da descida a trilha fica bastante fechada, mas é só seguir que não tem erro.

 

Sei que passamos por umas 5 praias com propriedades particular construídas. Queríamos chegar ao restaurante do Dadico, que conhecemos da outra vez que estivemos por lá, mas já era 13h e nos disseram que era necessária uma caminhada de mais 1 hora para chegarmos lá. Foi quando encontramos a tal Praia Grande (que de grande não tem nada) e lá o barqueiro Junior topou nos levar para o outro lado do Saco por R$25 (os dois).

 

06.JPG

 

Achamos uma boa, desistimos do Dadico e chegamos na Praia do Cruzeiro (Camping do Sr. Orlando, R$15 diária por pessoa) a tempo de almoçarmos uma porção de lula (R$35) com acompanhamento individual de arroz, feijão, salada e farofa (R$10 por pessoa).

 

 

Montamos a barraca e caímos na água, que estava sensacionalmente quente. Ficamos até umas 4h da tarde, tomamos banho e arrumamos as coisas todas dentro da barraca. Nesse momento percebemos que, ainda que seja um peso significativo nas costas, foi uma escolha incrível ter levado um colchão de ar auto inflável.

 

A praia do Cruzeiro é um lugar incrível. A recepção dos donos do camping (Sr. Orlando e D. Maria) é sempre muito gostosa e tivemos a sorte de chegar e ter apenas mais um casal acampando.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

[t3]Dia 3: Praia do Cruzeiro[/t3]

 

Diferente de todas as dezenas de relatos que li por aqui sobre essa travessia, Gilberto e eu NÃO a fizemos nos 4 ou 5 dias que são necessários para percorrê-la de uma tacada só. Por duas razões óbvias: não estávamos preparados fisicamente para isso e também porque tínhamos tempo para aproveitar bastante cada pedacinho do trajeto.

 

08.JPG

 

Então, no dia seguinte, não partimos e curtimos a praia pela manhã. Conhecemos um casal que chegou com uma canoa havaiana, na qual o Gilberto deu um delicioso rolê e me deixou chupando o dedo. ::bruuu::

 

Enquanto estávamos lá de boa, vimos uma família de playbas (completinha: o pai pançudão, a mãe e filha com cara de frescas e o namorado bombado) subindo em direção ao Pico do Pão de Açúcar de sunga xadrez, biquínis de renda, chinelinhos de dedo e afins.

 

Agora explico a relevância desse comentário: ficamos o dia todo adiando subir nesse pico por pura preguiça. E as únicas coisas que fizemos foram dormir, comer e tomar umas brejas no bar do Cruzeiro (R$4 a lata Skol).

 

Decidimos subir impreterivelmente no dia seguinte, crentes de que haviam instalado alguma espécie de bondinho para que aquela rapaziada tivesse decidido subir.

 

A visão preconceituosa e classista mandou um abraço! :twisted:

 

11.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

[t3]Dia 04: Pico do Pão de Açúcar[/t3]

 

Bem, estávamos no dia 29/12, pré véspera de ano novo e o que temíamos aconteceu: desde ontem à noite não parou de chegar gente (via barco de Paraty Mirim) nessa praia: uma família com mais de 15 pessoas que trouxe a casa inteira, com direito à churrasqueira, ao cachorro e à sogra. Um grupo de caras que passou a tarde inteira para montar a barraca. Muita gente sem noção que falava alto e não tinha a menor percepção de estar em um camping e não em sua própria casa.

 

Enfim, meu lado velha ranzinza foi aflorando e chegou ao seu grau máximo no decorrer do dia e decidimos ir embora no dia seguinte.

 

Mas, havia ainda o dia pela frente: almoçamos um PF de peixe (arroz, feijão, salada e peixe, R$20pp) e decidimos subir o Pico do Pão de Açúcar no fim da tarde, para pegar o pôr do sol. Por volta das 4h30 iniciamos a pernada ladeira acima.

 

Não demorou 2 minutos para lembrarmos como era íngreme e escorregadia aquela subida. Subimos passando o maior perrengue, pensando em como os playbas do dia anterior haviam subido, mas o visual de lá de cima compensou tudo e até nos esquecemos do suor pra chegarmos até lá.

 

29.JPG

 

Assim que pisamos no topo, apareceu um cara chamado Boris que estava fazendo exatamente o mesmo percurso que a gente. Mas não conseguimos acompanhá-lo SEQUER na descida daquele pico, quanto mais na travessia inteira, então achamos prudente não sugerir nossa companhia pro resto da viagem.

 

E para piorar nosso lado, já estávamos nos sentindo duas jamantas emperradas, lá pro fim da descida, cerca de 7 horas da noite, encontramos um casal que ainda pretendia subir o pico, no escuro!

 

Detalhes: o cara com TODA a mochila dele nas costas, a moça de chinelinhos, cabelo solto andando e comendo um pacote de miojo cru. 1h30 depois os encontramos de volta da trilha (que fizeram) com cara de quem havia acabado de sair do spa.

 

Não muito depois fomos dormir bem cansados, enquanto o colega Bóris ainda tomava um vinho e jogava cartas com a galera.

 

Tudo isso aflorou em nós a certeza de que somos muito sem preparo e que isso tem que ser resolvido como a 1ª meta de 2013. :roll:

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

[t3]Dia 05: Praia do Cruzeiro – Praia de Calhaus[/t3]

 

Saímos por volta das 10 horas, depois de tirarmos uma foto com o Sr. Orlando e Dona Maria.

 

31.JPG

 

Seguimos em direção à Praia do Engenho, de onde parte a trilha para a Praia Grande do Cajaíba. Segundo o Sr. Orlando, fica a cerca de 40 min de caminhada, umas 5 praias à frente. Mas pegamos a bifurcação errada e, ao invés de seguirmos beirando a praia, fomos por uma outra trilha mais acima e aparentemente bem fechada.

 

O certo é, na primeira bifurcação, pegar a trilha da esquerda, descendo para a praia. Em um momento essa trilha torna-se até pavimentada, passando por umas escadas dentro da propriedade de moradores locais.

 

O resultado é que, dos 40 minutos previstos, demoramos 2 horas até, enfim, chegarmos na Praia do Engenho. Essa praia parece praia particular, com uma casona enorme. Lá fomos orientados pelos funcionários a pegar uma trilha que sai por detrás da casa, subindo pela lateral à direita.

 

Logo no início temos que passar por um fio d’água que corre por umas pedras. A trilha toda é bem marcada e não há bifurcações. No entanto ela é bastante íngreme e ficamos subindo cerca de 2 horas, com várias pausas.

 

Considerei uma trilha pesada, escorregadia por conta da umidade da chuva dos dias anteriores. Aliás, no geral da travessia, por unanimidade (Giba e eu) foi eleito o trecho mais cansativo. Amo você, bastão de caminhada.

 

Passamos o maior perrengue, que só não foi pior porque o sol não estava aparecendo, embora estivesse bastante quente. Depois de 2 horas de subida, encaramos 1 hora de descida, não tão íngreme, mas também bem cansativa, pois nossas pernas já estavam fracas e tínhamos muita fome.

 

Por volta das 15h30 chegamos na Praia Grande do Cajaíba. Tinha medo de encontrar um tal “Robinho” que li em outros relatos, e ele viesse atrás de nós com sua arma impedindo que acampássemos por lá. Só que não. A praia, por conta do fim de ano, estava agitadíssima. Grande parte dela de fato é deserta, mas em um dos cantos existe um quiosque e até um camping.

 

Almoçamos um PF de peixe (R$25pp) e ficamos lá pensando no que iríamos fazer. A próxima praia ficava a cerca de 30 minutos à frente, mas não tínhamos forças pra continuar. Não gostávamos da ideia de ficar na Praia Grande, que também estava muito agitada.

 

A preguiça falou mais alto e pegamos uma lanchinha (R$10pp) para nos levar até a praia de Calhaus, onde aquele meu amigo que atolou o carro tinha alugado uma casa (poderíamos acampar na varanda dele). Desse jeito, não conhecemos a praia de Itaóca... só de longe.

 

IMG_4191.JPG

 

Chegando em Calhaus, notamos que não seria tão fácil encontrar o Tiago, pois a praia não era tão pequena assim. Ficamos parados num posto de saúde esperando algo acontecer, e a noite ia chegando.

 

Diante da possibilidade de não encontrar meu amigo, resolvemos perguntar para uma pessoa que estava em uma “casa” ao lado do postinho onde poderíamos acampar. Descobrimos que aquilo era uma escola e o professor, Julio Cesar, estava passando suas férias por lá. Ele nos disse que sem nenhum problema poderíamos acampar ali mesmo, de frente pro mar, na varanda do posto.

 

32.JPG

 

No fim, o Tiago nos encontrou, mas preferimos ficar ali mesmo e aproveitar a vista pro mar.

 

À noite, dois guarda-parques apareceram dizendo que nosso camping se caracterizava como “selvagem” e portanto, não poderíamos ficar ali, tendo que sair na manhã seguinte.

 

O professor Julio se mostrou uma excelente companhia, um cara muito gente boa, bom de papo. Nos convidou para preparar o jantar com ele, e nos permitiu usar a cozinha e o banheiro da escola.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

[t3]Dia 06: Praia de Calhaus[/t3]

 

Logo pela manhã desmontamos a barraca com medo dos guarda-parques e a deixamos escondida semi -montada na varanda da escola. Almoçamos com o professor um delicioso PF de lula ao leite de coco (R$15pp). Conhecemos a galera que estava com o Tiago e eles nos convidaram para passar o ano novo com eles.

 

Até topamos, mas estávamos com a grana contadinha e não achamos nenhum peixe para comprar, pois os pescadores não saíram para pegar os peixes do cerco durante a tarde. Assim, resolvemos que nosso ano novo seria como de fato queríamos: com nada muito especial, numa praia tranquila, olhando o mar e sentindo o ar do litoral encher o peito de paz pro próximo ano. Quer mais do que isso? ::otemo::

 

34.JPG

 

Ficamos com o professor Julio, e o Gilberto preparou um delicioso patê de atum que comemos com bolachinhas e cerveja até quase meia-noite.

 

Perto de virar o ano, o professor teve uma ideia: pegar emprestada do dono do bar (que estava jogado bêbado na areia) uma canoa enorme e ir remando até uma praia próxima (Pouso do Cajaíba) onde estava o agito e teriam vários fogos de artifício.

 

E foi o que fizemos: num mar calmo, lua cheia, calor, vento fresquinho nós fomos até lá ver os fogos de longe.

 

O Giba remando em pé como um verdadeiro caiçara! Aliás, o Gilberto não podia ver uma canoa durante a viagem que ele já queria ajudar a puxar/empurrar... ficou aguado querendo ir pescar camarão com o Sr. Orlando... deve ter nascido caiçara em outra vida.

 

35.JPG

 

Foi tão especial, tão maravilho, que eu não tenho dúvidas em dizer: foi a melhor virada de ano da minha vida e um daqueles poucos momentos memoráveis que compõe nossas mais deliciosas lembranças (tô poética hoje).

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

[t3]Dia 7: Praia de Calhaus[/t3]

 

Acordamos cedo e encontramos o Tiago que chegava em casa, de ressaca, às 7h30 da manhã. Almoçamos um PF de peixe (R$12pp), tomamos umas tantas e ficamos de boa o dia todo, sem fazer nada além de tomar um sol, entrar no mar, beber uma breja com o Julio e dormir.

 

33.JPG

 

Ah, importante: como fazia muito calor e tínhamos levado cada um de nós um moletom, resolvemos deixar isso com o Tiago, que voltaria de carro, tirando um peso da mochila.

 

Guarde essa informação.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

[t3]Dia 08: Calhaus – Martim de Sá[/t3]

 

Acordamos umas 9 horas, arrumamos tudo e partimos em direção à praia Martim de Sá. Para nossa surpresa, o professor Julio resolveu nos acompanhar, pois ainda que lecionasse ali na comunidade já há mais de 20 anos, nunca havia ido até essa praia. Louco, né?

 

Uns 20 minutos de caminhada à frente chegamos em Itanema, que é uma praia bem pequena, com camping e quiosque também.

 

Seguimos mais uns 40 minutos e chegamos até Pouso do Cajaíba. De lá nos informamos e descobrimos que a trilha seguia por detrás de uma escola, à direita. Pegamos essa trilha, com várias bifurcações. Ela foi ficando bem fechada, cheia de casas em construção... foi quando notamos que mais acima havia um clarão, uma passagem.

 

Saindo de Itanema:

 

36.JPG

 

Fomos até lá e achamos uma trilha enorme, mais parecia uma rua. Resolvemos segui-la e, de fato, esse era o caminho certo, mas não sei de onde ele sai na Praia do Pouso, ou qual bifurcação peguei errado.

 

14.JPG

 

Ainda que tivesse algumas subidas e estivesse chovendo, a trilha foi bem tranquila. Em pouco menos de 1 hora já estávamos no ponto mais alto e depois foi só descida. Ouvi dizer que tem duas grandes pedras durante essa subida de onde se segue por uma pequena entrada e encontra-se água. Mas não confirmei isso.

Ao final da subida encontra-se uma bifurcação importante que leva à cachoeira da Sumaca ou à Martim de Sá. A placa que indicava essa informação dizia que para Sumaca anda-se por mais 2 horas e mais 40 min para Martim.

 

Chegando em Martim de Sá:

 

IMG_4244.JPG

 

 

Já em Martim caímos direto no Camping do Seu Maneco (R$15 diária pp), comemos um PF de peixe, para variar um pouco (R$15 pp, peixe, arroz, feijão e farofa), montamos a barraca e nos despedimos do Prof. Júlio, que voltou para Calhaus.

 

Começou a esfriar (cadê meu moletom?) e a chuva engrossou bastante. Nossa barraca não é das mais tops e ficamos com muito medo de entrar água dentro. Ainda mais porque não estávamos num lugar privilegiado, havia uma corrente de água passando bem ao lado, mas o camping estava lotado e não havia como mudar a barraca de lugar.

 

::Cold::

 

Fomos dormir com frio e rezando para não entrar água na barraca.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

[t3]Dia 9: Martim de Sá[/t3]

 

Acordamos e ainda chovia.... e ficou o dia todo chovendo. Por conta disso, nem vimos a cara da praia. O camping estava vazio, pois todos estavam dentro das barracas. Só saímos para almoçar um PF de ovo (R$12), ficamos lendo sem fazer nada.

 

IMG_4279.JPG

 

Até que, de repente, um grupo que tinha feito uma verdadeira pousada de lonas resolveu ir embora e deixar tudo para trás. Explicação: como chovia muito, o mar estava bem “bravo” e nenhum barco saia ou chegava para fazer o trânsito de turistas. Assim, para ir embora, as pessoas tinham que pegar a trilha até Pouso do Cajaíba... e muitos estavam indo embora deixando tudo pra trás pois não queriam levar peso.

 

Quem pode, pode, né?

 

IMG_4251.JPG

 

Bom pra gente, pois rapidamente nos apossamos do espaço deles, que deixaram as lonas todas “no esquema” pra nos proteger da chuva. Foi ótimo, pois a barraca deu uma secada, não precisávamos mais nos preocupar com a água entrando nela e também tínhamos a possibilidade de ficar para fora dela enquanto chovia.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

[t3]Dia 10: Martim de Sá – Ponta Negra (1ª tentativa)[/t3]

 

 

Acordamos e São Pedro havia ouvido nossas preces: não chovia mais. Tomamos café e combinamos de sair rumo à Cairuçu após o almoço. Lavamos a roupa suja, desmontamos e limpamos a barraca e encontramos um rapaz de Mogi das Cruzes chamado André que também estava aguardando para seguir rumo à Ponta Negra.

 

Logo após o almoço seguimos em frente. Existem duas maneiras de iniciar a trilha até Cairuçu.

 

A primeira delas, mais fechada e longa é por fora do camping do Seu Maneco, saindo de sua propriedade, à esquerda.

 

A segunda (a que não conhecíamos), mais rápida e fácil, é por dentro do camping. Ambas passam por uma cachoeira em cerca de 5 minutos de caminhada, mas em pontos diferentes dela. Estava bastante cheia, mas demos as mãos, os bastões de caminhada e conseguimos passar.

 

Seguindo cerca de 15 minutos adiante, numa trilha bastante aberta e agradável, pois ela vai margeando um vale, encontramos um segundo rio. Esse sim bastante cheio... na verdade assustador. Tentamos subir seu curso para encontrar algum tipo de passagem ou trechos com melhores condições, mas nada.

 

 

17.JPG

 

Entrava-se no rio já com a água na coxa... o “cagaço” falou mais alto e voltamos ao Seu Maneco com o rabinho entre as pernas (pois ele insistiu para que esperássemos mais um dia).

 

Chegando lá ele não quis que pagássemos por mais uma noite e nos ofereceu ficar em seu rancho que era um verdadeiro resort! Na beira da praia, coberto, com um vento fenomenal que secou tudo o que estava úmido, inclusive a gente. Aliás, o Seu Maneco é uma figura a parte nessa praia: não permite nem bebidas alccólicas nem drogas em seu camping e espalha centenas de mensagens alto astral e de preservação da natureza pelo local. O camping é gigante, e toda sua família trabalha pra ele: na organização do lugar, na recepção dos turistas, na cozinha etc.

 

 

IMG_4266.JPG

 

Notamos que o céu estava clareando bem e decidimos partir novamente na manhã seguinte.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

[t3]Dia 11: Martim de Sá – Ponta negra (2ª tentativa)[/t3]

 

Às 9 horas saíamos do camping do Seu Maneco. Cerca de 30 minutos à frente encontramos o rio que não conseguimos ultrapassar no dia anterior. Hoje ele estava bem mais baixo e, sem grandes dificuldades, o atravessamos.

 

Dali em diante passamos por muitos rios. Muitos mesmo. Perdi as contas e não consegui organizar pra anotar. Rios grandes e pequenos. De qualquer maneira, nenhum foi tão grande quanto o segundo.

 

27.JPG

 

Cerca de 1h10 depois, avistamos uma porção de casas bem coloridas e bonitas fora da trilha, próximo ao litoral. Achamos que pudesse ser Cairuçu, então descemos para ver.

 

IMG_4322.JPG

 

Não havia ninguém em nenhuma casa. A cidade parecia deserta. Gilberto desceu até o mar pois havia ouvido barulhos de motor. O André e eu ficamos com preguiça e esperamos. Ele voltou com a informação de que ali era o Saco das Enchovas, na verdade. E que Cairuçu ficava cerca de 15 minutos à frente, segundo o CPS (Caiçara Position System).

 

A trilha é muito bonita, não só pelos rios que a cortam, mas porque temos sempre uma linda visão do litoral... do mar. De tirar o fôlego.

 

22.JPG

 

De fato, logo adiante encontramos a entrada de Cairuçu das Pedras. Para chegar até a praia deve-se pegar uma descida MUITO íngreme e cheia, muito cheia, cheia mesmo, de pedras! Ah vá!? Chegando lá encontramos uma moradora lavando roupas que nos vendeu três PFs de ovo (R$13pp), retirados do almoço que havia feito para sua família.

 

Enquanto esperávamos ela preparar o rango, tomamos banho numa piscina feita por eles que segura a água que cai das cachoeiras. A praia é de areia grossa e ondas fortíssimas. Simplesmente sensacional. A praia mais bonita e diferente que já conheci, sem sombra de dúvidas. ::otemo::

 

24.JPG

 

Pudemos presenciar os filhos da senhora entrando com uma canoa por entre as pedras da praia... nesse momento o Gilberto Caiçara pirou!

 

25.JPG

 

Almoçamos, fizemos uma hora por lá e estávamos criando coragem para encarar o trecho de subida que todos os relatos dizem ser “o pior”: de Cairuçu das pedras até Ponta Negra.

 

Saindo de Cairuçu:

 

26.JPG

 

Da praia seguimos em direção à casa do Sr. Apricho, ainda em Cairuçu. Ele é dono de um camping (R$15pp) que eu gostaria muito de ter me “hospedado”... ficará para a próxima vez. O Sr. Apricho nos explicou que deveríamos seguir até o Rancho do Josivaldo e, saindo do rancho, pegar a trilha da direita, a mais discreta. Essa é uma bifurcação que os mochileiros costumam citar (e errar) segundo os relatos.

 

Depois disso encontramos poucas bifurcações, mas sempre pegamos a opção mais aberta, mais marcada e deu certo. No topo do morro (cerca de 3 longas horas depois), encontramos a tal da “toca da onça”, uma pedra imensa que faz um clarão, e que espero não tenha onças por perto.

 

IMG_4372.JPG

 

Depois dessa pedra, chega-se ao topo do morro (onde tem sinal de celular!!) e em uma grande bifurcação. Ficamos uns 20 minutos tentando decidir qual dos caminhos tomar. Até que, escolhemos o caminho da esquerda – e depois descobrimos que ambos levam ao mesmo lugar...

 

Mais 1 hora de descida, chegamos em Ponta Negra, por detrás das casas dos moradores. Já na praia, tomamos umas brejas para comemorar o tal “Trecho mais difícil” – que nem achamos tanto assim.

 

39.JPG

 

Achamos a praia muito movimentada e estranha... fomos direto pro Camping da Branca (R$10pp), que fica no pé da trilha que parte pra Praia do Sono, tomamos mais umas tantas e fomos dormir, exaustos. ::dãã2::ãã2::'>

 

28.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

[t3]Dia 12: Ponta Negra – Praia do Sono[/t3]

 

Saímos por volta das 10 horas da manhã e em cerca de 1h30 depois encontramos a entrada para Antiguinhos.

 

40.JPG

 

Só então percebemos que já havia passado a entrada para Galhetas e nem nos demos conta... paciência. Passamos apenas pelo Rio Galhetas, que estava baixo. Descansamos um pouco em Antiguinhos e logo em seguida (não sei, foi muito rápido... 10 minutos?) chegamos em Antigos.

 

42.JPG

 

De Antigos tomamos a trilha que vai para a Praia do Sono e às 12h30 estávamos descendo para a última praia da travessia. E para fechar com chave de ouro, eu tomei um tombo enorme nos últimos 100 metros da descida. Faz parte.

 

43.JPG

 

Ficamos no camping da Ismênia (R$15pp), bem no início da praia, do lado de quem chega de Ponta Negra. A estrutura de banheiros e cozinha é excelente e montamos a barraca de frente pro mar – o que é mais difícil de fazer nos campings do outro lado da praia. Almoçamos (surpresa!!) um PF de peixe (R$20pp)!

 

IMG_4439.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

[t3]Dia 13: Praia do Sono[/t3]

 

Acordamos muuuuito tarde e fomos conhecer o tal “Poço do Jacaré”, depois de tomarmos um Açaí (R$14). A trilha sai detrás da igreja e é parcialmente sinalizada. Na verdade, muito pouco sinalizada. Perguntamos várias vezes pelo caminho certo, pois não é tão óbvio chegar lá.

 

IMG_4426.JPG

 

O poço realmente é uma delícia e vale a pena a caminhadinha, que durou cerca de 30 minutos (ida).

Resolvemos que PF de peixe não dava mais e comemos uma porção de camarão (R$40).

 

O resto foi aquilo: uma vida muito chata de praia, mar, sombra, comidas, bebidas, caminhadas, fotos etc.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

[t3]Dia 14: Praia do Sono[/t3]

 

Ficamos o dia todo na praia de pernas pro ar e almoçamos uma lula recheada (R$45).

 

47.JPG

 

 

[t3]Dia 15: Praia do Sono – São José dos Campos[/t3]

 

Acordamos, tristemente arrumamos nossas coisas, tomamos um Açaí de despedida e fizemos a trilha que leva à Vila do Oratório em 1h15.

 

44.JPG

 

De lá, pegamos o ônibus (por volta das 12h) que leva à Paraty (R$8,00pp)

 

Em Paraty tivemos a linda surpresa de que não havia ônibus para São José naquele dia, somente no dia seguinte. Como não estávamos cogitando passar mais uma noite em algum hostel por lá e deixar um rim como pagamento, resolvemos tentar seguir pra qualquer lugar.

 

Pegamos um ônibus para Ubatuba (R$25) e de lá uma carroça em formato de ônibus intermunicipal para Caraguatatuba (R$12). E só então pegamos um ônibus para São José dos Campos (R$ não anotei), onde ficaríamos.

 

Chegamos já bem tarde da noite, bastante cansados.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

[t3]Fim[/t3]

 

No total, fizemos 15 dias de travessia. Achei uma excelente opção, uma vez que a ideia principal era aproveitar as praias.

 

Com relação aos gastos, o que pesou mais no orçamento foram os almoços (que eram janta também, porque eram feitos já bem tarde)... Devido à quantidade de dias, optamos por não levar nenhum equipamento de cozinha e ingredientes para almoço, por isso comemos PF todos os dias.

 

No entanto, levamos tudo o que comemos no café da manhã e lanche de trilha para os 15 dias, e isso foi o que pesou bastante na mochila. Mas a vantagem é que era um peso que ia diminuindo dia a dia.

 

Separamos o café/lanches por dia:

 

IMG_4065.JPG

 

IMG_4066.JPG

 

 

Para ter ideia de como proceder usei esses dois excelentes sites, de pessoas muito 10:

 

Carol Emboava: http://www.cozinhanamochila.com.br/

 

Jeff Almeida: http://www.piaventura.com.br/planejamento-de-cardapio-para-trilhas/

 

É isso aí! Fica aqui meu primeiro relato nesse site que acompanho há tantos anos. Espero poder contribuir para a travessia de alguém!

Contato: [email protected]

 

Todas as fotos:

 

http://

https://plus.google.com/photos/103870018358058935144/albums/5832663383407485809" onclick="window.open(this.href);return false;

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá Brufavaro!

 

Parabéns pelo belo relato de um lugar fantástico. Fiz a travessia no carnaval do ano passado [4 dias] e fiquei encantado com tudo que vi. Imperdível mesmo.

 

Um abraço

 

Marcos.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Muito obrigada, Marcos!

 

Dei uma olhada no seu relato da região e realmente me pareceu uma boa opção trilhar Laranjeiras - Laranjeiras!

Ideias guardadas para as próximas... ::otemo::

 

Abraço

Bruna

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

[t3]Algumas informações úteis retiradas de um panfleto que peguei pelo caminho:[/t3]

 

Telefones:

 

Viação Colitur: 21 3371-1238

Ass. Barqueiros de Trindade: 24 9834-0057

 

Descrição e classificação das trilhas:

 

1. Paraty-Mirim - Curupira: 4h - moderada

2. Curupira - Laranjeiras: 3h30 - moderada

3. Praia do Engenho - Praia Grande: 4h - pesada

4. Praia Grande - Pouso do Cajaíba: 4h - moderada

5. Pouso do Cajaíba - Martim de Sá: 1h30 - moderada

6. Martim de Sá - Sumaca: 1h30 - moderada

7. Martim de Sá - Ponta Negra: 7h - pesada

8. Ponta Negra - Praia do Sono: 2h30 - moderada

9. Praia do Sono - Vila do Oratório: 1h30 - moderada

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

brufavaro, que relato maravilhoso!

 

Parabéns pela viagem, pelas lindas fotos tiradas e pelo companheiro que te acompanha nessas aventuras (ou é você que acompanha ele? haha)

 

Pretendo um dia fazer essa travessia e as suas dicas vão me ajudar bastante.

 

Muito obrigado por compartilhar com a gente ::otemo::

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá, Boreiajr!

 

Fico muito feliz que tenha gostado!

Sobre quem segue quem: acho que um empurra o outro, rs.

 

Espero mesmo que um dia te sirva para planejar essa travessia e, precisando, estamos aí!

 

Abraço,

Bruna

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora


×