Ir para conteúdo
Mochileiros.com
MichelleLima1

De ônibus pela América do Sul - São Paulo , Argentina, Chile, Peru, Bolívia e norte do Brasil - em 23 dias

Posts Recomendados

Obrigada ao mochileiros.com

 

Esse é meu primeiro tópico e essas são as primeiras palavras que eu quis escrever, um agradecimento, pois sem os relatos que li por aqui, essa viagem não teria sido possível.

 

Em julho de 2015, eu e meu marido saímos de Santos, litoral sul de São Paulo e seguimos rumo à capital do estado, de onde sairia o ônibus que nos lavaria à Santiago, primeira cidade do nosso roteiro.

 

Estávamos realmente assustados porque nunca havíamos saído do país e não falavámos bem o espanhol.

Embarcamos na rodoviária do Tiête ainda em Sampa às 14h do dia 5, em um ônibus onde ninguém falava português direito. ::essa::::mmm:::dãã2::ãã2::'>

O ônibus era convencional, tinha tv, ar condicionado e banheiro (que era apenas para fazer o n° 1", como enfatizava a placa na porta).

Como compramos a passagem com atecedência, pudemos escolher os lugares da frente, onde deu para esticar as pernas e ter um pouco mais de conforto.

Nosso ônibus dispunha de um "rodomoço", um atendente chamado Juan e a gente não entendia uma só palavra do que ele dizia. Quando ele chegou até nós e soltou: "Basura ?" Eu e meu marido ficamos nos olhando com cara de tontos, sem saber do que se tratava. ::lol4:: até que, na quarta vez que ele nos perguntou isso, entendemos que ele estava perguntando se tínhamos lixo pra jogar fora. afffff

 

Assim seguimos, vendo filmes em espanhol, sem entender uma só palavra. Detalhe: o Juan era meio sanguinário e só curtia filme de morte e violência.

 

E como o nosso país é grande.

Na primeira grande parada, às 5 da manhã do dia seguinte, o frio era tão grande que descemos para tomar um banho, mas não tivemos coragem. Estávamos em alguma cidade do Rio Grande do Sul.

 

Atravessamos a fronteira com a Argentina um tempo depois, por Uruguaiana naquela tarde. Antes, como a temperatura já estava mais agradável, tomamos um banho e depois almoçamos.

 

Eu nunca havia passado por uma imigração antes e não tinha ideia do que fazer, então apenas seguimos a multidão, tanto no lado brasileiro e depois no lado argentino. Foi bem tranquilo.

Passamos 24 atravessando a Argentina, por cidades que eu nunca tinha ouvido falar antes. As paisagens eram de tirar o fôlego.

 

 

SAM_0046.JPG

 

 

 

A visão do Aconcágua encheu meus olhos de lágrimas e a cordilheira dos Andes ao fundo emoldurava o percurso.

 

SAM_0030.JPG

 

Rodamos por toda aquela noite, cortando a Argentina.

Na tarde seguinte, antes do esperado, chegamos à Mendoza onde faríamos nossa última parada para o almoço e banho, antes de iniciarmos a subida pelos Andes.

Todos no ônibus concordaram em seguir viagem, sem essa parada, pois assim, chegaríamos à Santiago antes do anoitecer.

 

SAM_0061.JPG

 

SAM_0055.JPG

 

 

Um acidente talvez, atrasou tudo. Ficamos parados por quase 4 horas nos Andes.

A previsão de chegada à Santiago voltou à ser por volta das 8 da noite. :cry:

 

Chegamos na Aduana Argentina/Chile e passamos por uma rigorosa revista de objetos pessoais e malas. Até cachorro cheirou nossas malas. Me senti a Sol da novela "América" tentando entrar nos EUA.

Um casal do nosso ônibus levava peças de roupas para revender , talvez sem declarar, ficou com os pertences retidos, sendo estes contados um à um, o que nos atrasou ainda mais.

Foi triste ver haitianos que viajavam conosco no ônibus serem recusados na aduana, por problemas de documentação e/ou dinheiro e obrigados à se virarem para voltar para sabe Deus, onde.

 

Saí da fila da imigração e tratei e voltar para o lado externo do edifício para ver a neve com mais calma. Era a primeira vez que víamos neve, que a tocávamos. Foi um momento inesquecível.

 

SAM_0100.JPG

 

SAM_0080.JPG

 

 

Meu marido estava bem, mas eu, estava quase morrendo sem ar e um pouco tonta, com os olhos ardendo.

Perguntei à um "Carabinero" (policial chileno, muito simpático por sinal) à que altura estávamos.

3.000 m foi sua resposta. Nossa, eu estava sentindo os primeiros efeitos da altitude no meu corpo. Fiquei peocupada, pois, eu iria enfrentar altitudes bem maiores ainda.

 

Voltamos para o ônibus e seguimos viagem. O hino Chileno começou à tocar e foi emocianate ver o patriotismo dos presentes. Todos cantavam e faziam festa, orgulhosos e felizes por retornarem ao seu país.

 

Descemos a temida estrada Los Caracoles, com neve acumulada no acostamento e sem nenhum "guard rail" que nos separasse do abismo lá embaixo. Curvas fechadíssimas de 45° ou menos. Foi um dos momentos mais assustadores da minha vida.

 

Chegamos à Santiago bem tarde da noite, quase 22h do dia 7.

 

Não tínhamos idéia de como chegar ao apartamento que tínhamos alugado pela internet e acabamos conhecendo na rodoviária, um senhor e sua esposa que nos ajudaram. Fomos todos de metrô, sem conseguir nos comunicar direito e eles fizeram a gentileza de desviar do caminho deles e nos deixar quase na porta do nosso apartamento. Fomos ouvindo histórias sobre Santiago, sobre a ditadura chilena e descobrimos que aquele senhor era um ex- prisioneiro da ditadura, preso por defender o fim desse regime político.

 

Chegamos ao nosso apartamento e como vimos o movimento das ruas do centro, comércios abertos, nos sentimos seguros e fomos bater perna. Fizemos compras em um mercadinho com nosso espanhol ridículo e comemos a melhor pizza de nossas vidas no Papa Jonh's.

 

Dormimos em seguida, pois nosso dia seguinte seria de muita bateção de perna.

 

::otemo::::otemo::::otemo::::otemo::::otemo::

 

Espero que esse relato inspire outros à fazerem o mesmo, assim como outros relatos escritos aqui no site me inspiraram. Obrigada por lerem.

Outros relatos meus ainda virão.

 

http://www.2demochila.blogspot.com

Editado por Visitante

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
pedro.pezzi    0

Show! No final de julho vou até o Rio Branco - Acre, atravessar a fronteira pro Peru e fazer o caminho de volta de ônibus. Gostei do relato e também da sua escrita, com certeza vou acompanhar!

 

Obrigado por compartilhar a experiência! :D

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Show! No final de julho vou até o Rio Branco - Acre, atravessar a fronteira pro Peru e fazer o caminho de volta de ônibus. Gostei do relato e também da sua escrita, com certeza vou acompanhar!

 

Obrigado por compartilhar a experiência! :D

 

Obrigada por acompanhar, Pedro. ::otemo:::D

É um trajeto incrível, cheio de surpresas incríveis. Valeu muito à pena. Vá com certeza.

Editado por Visitante

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Rumo ao Atacama

 

Passamos 4 dias incríveis em Santiago. Visitamos museus, batemos perna no centro e fomos às estações de esqui.

De ônibus, fomos por conta própria à vinícula Undurraga e também à Viña del Mar e Valparaíso (onde fizemos um free walking tour incrível por lá).

 

SAM_0560.JPG

Nós na Vinícola Undurraga.

 

 

 

 

SAM_0279.JPG

 

SAM_0330.JPG

Free walking tour em Valparaíso. Você dá gorjetas à guia _vestida igual ao personagem de "Onde está Wally"_ se você achar que o tour valeu à pena. E vale.

 

 

 

 

 

SAM_0217.JPG

 

SAM_0614.JPG

 

20150711_150802.jpg

 

 

Infelizmente acho que ficamos pouco tempo na Capital chilena. Precisávamos de no mínimo mais um dia lá (no mínimo). Deixamos de ver muitas coisas legais, como os cerros, o museu dos direitos humanos, os parques e etc... RESUMINDO: VAMOS TER QUE VOLTAR.

 

 

Bem, como o hostel no Atacama já estava reservado, não deu para prolongarmos nossa estadia.

Com muita dor no coração, na manhã do dia 12 de Julho, deixamos Santiago.

 

Fizemos o check out e nos dirigimos ao terminal rodoviário. Nosso ônibus sairia às 13h45 daquela tarde.

 

Encontrar esse ônibus, alguns dias antes, foi uma comédia. A TurBus _empresa mais que conhecida no Chile_ era a única que chegava efetivamente até a cidade de San Pedro, porém, era também a mais cara.

Saímos então, de guichê em guichê, nos informando sobre as demais empresas, o trajeto que elas faziam, os serviços do ônibus, etc.. Naquele portunhol que só Jesus entende.

 

Acabou que escolhemos uma empresa boa e barata, porém que só nos levaria até a cidade de Calama, distante 1h30 de San Pedro. De lá, teríamos que nos virar. Massss, lendo na internet afora, disseram que haviam vários ônibus, de várias empresas que realizavam o pequeno trajeto entre as duas cidades. Ia ser fácil.

 

O ônibus que saiu de Santiago era muito confortável, servia jantar (uma delícia por sinal) e café da manhã, e às 13h45 embarcamos.

A vigem demorou 24 horas.

 

 

 

As paisagens eram lindas e foi assustador ver tudo mudar de repente. Das folhas alaranjadas, passamos para o nada do deserto.

E essa paisagem nos acompanharia até muito depois da fronteira com o Perú.

 

 

SAM_0709.JPG

 

SAM_0714.JPG

 

Fizemos algumas paradas noturnas.

Passamos por cidades que eu nunca ouvira falar antes e algumas conhecidas de não sei onde, como Copiapó, La Serena... (os nomes não me eram estranhos de jeito nenhum)

O frio era intenso.

 

O oceano Pacífico nos acompanhava sempre à esquerda, e vez ou outra surgia, deslumbrante, apesar da paisagem desértica.

 

 

No geral, a viagem foi muito tranquila. Apenas um incidente de madrugada: o pneu do ônibus furou e ficamos um tempo parados na estrada.

 

Na manhã seguinte chegamos à Antofagasta. A cidade me surpreendeu. Não esperava ver prédios residenciais, comerciais, um porto enorme, bem no meio do deserto.

Um grupo de adolescentes brasileiros subiu no nosso ônibus. O destino deles era o mesmo que o nosso: San Pedro.

 

Antofagasta-660x350.jpg Imagem tirada do Google

 

 

Na mesma tarde chegamos em Calama.

Uma cidade movimentada, com fama de violenta. Apesar de que eu não vi nada que eu não veja todo dia em uma cidade brasileira.

 

A empresa que nos levou tinha um tipo de loja/guichê. Um prédio só dela. Em Calama, não tinha um terminal rodoviário como conhecemos aqui, com todas as empresas de ônibus concentradas em um só lugar, aliás, cada empresa de ônibus ficava espalhada em um local difirente da cidade. Terrível.

 

A gente experimentou isso quando, ao desembarcar, descobrimos que a mesma empresa de ônibus que nos trouxe até Calama, até tinha uma linha que ia de Calama à San Pedro, porém, dalí à 5 horas e 30 minutos.

 

Espertos, decidimos não esperar e saímos rodando feito baratas tontas à procura de outras empresas que fizessem o trajeto. Todas estavam com horários lotados.

E a gente lá, de um lado para o outro com nossas mochilas cargueiras nas costas procurando um jeito de sair da cidade, sob o sol do deserto. Affffffff

 

 

Pior: depois de mais de uma hora rodando sem resultados, acabamos voltando de onde viemos e compramos a tal passagem no horário super tarde.

 

Quando chegamos à San Pedro já ia escurecer. Estávamos famintos e cansados.

 

20150713_190013.jpg

 

SAM_0718.JPG

 

Passamos uma noite deliciosa, com a amena temperatura de -3° em um quarto sem aquecimento. Foi osso

 

::ahhhh::::Cold::::ahhhh::::Cold::::ahhhh::::Cold::::ahhhh::

 

http://2demochila.blogspot.com/

Editado por Visitante

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Muito bacana essa viagem!

 

Muito obrigada por ler Almir. ::otemo:::D

 

Foi realmente muito legal. Aconteceram coisas incríveis, que só foram possíveis por termos feito desse jeito alternativo.

Foram dias de aventura e aprendizado.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Muito bom relato Michelle! Poderia me informar quanto ce pagou nas passagens SP a Santiago e de Santiago a calama? Em setembro vou rodar a América do Sul de ônibus em três meses! Haha

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Muito bom relato Michelle! Poderia me informar quanto ce pagou nas passagens SP a Santiago e de Santiago a calama? Em setembro vou rodar a América do Sul de ônibus em três meses! Haha

 

 

Olá Jardel. Obrigada por ler ::otemo:::D e ótima viagem para você em Setembro. Que ótimo tempo que você vai ter. Vai conseguir conhecer tudo com calma.

 

Fui com a Chilebus, e em julho do ano passado, a passagem custou R$ 400,00 por pessoa, em ônibus convencional (único tipo de ônibus que a empresa dispunha na época).

 

Infelizmente não tenho certeza do valor que paguei para sair de Santiago à Calama. Vou procurar certinho nas minhas bagunças hoje à noite (guardei muitos papéis da viagem) e coloco aqui assim que achar, ok?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Piterdog    5

Muito interessante! Em 3 meses parto daqui pró norte do país e depois vou decer pelos países vizinhos! Espero passar por Atacama TB e Santiago na volta!! Vou fazer tudo isso de carona e gastando o mínimo, nesses trajetos TB existem bastante bus barato ne? Sem ser de viagem

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá!!

 

Em maio to pretendendo sair de Santiago para San Pedro.

Inicialmente, pensei em ir por Mendoza-Salta-San Pedro, mas com esse real super desvalorizado, ainda estou pensando direitinho...

 

Se conseguir achar o valor da passagem de Santiago pra Calama, bota o valor aqui, por favor.

 

 

Obrigada!!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Muito interessante! Em 3 meses parto daqui pró norte do país e depois vou decer pelos países vizinhos! Espero passar por Atacama TB e Santiago na volta!! Vou fazer tudo isso de carona e gastando o mínimo, nesses trajetos TB existem bastante bus barato ne? Sem ser de viagem

 

Obrigada pela leitura ::otemo::

 

Nossa, que incrível. fazer a viagem de carona deve ser o máximo.

 

Olha, usei Ônibus de viagem de São Paulo - Santiago - Calama - San Pedro - Arica.

Só para cruzar a fronteira com o Peru usamos o táxi coletivo.

 

Depois de cruzar a fronteira com o Peru, voltamos para os ônibus, rumo à Arequipa, depois Cusco e Machu Picchu ( fizemos a trilha da hidrelétrica para economizar - também para os próximos relatos).

Depois , Cusco - Puerto Maldonado - Iñapari e assim por diante... revezando com vans, tuk tuks (super barato) e táxi brasileiro (o que nos custou uma fortuna ::quilpish::::prestessao:: , mas também nos rendeu uma breve visita à Bolívia.

 

Mas com certeza devem existir meios mais baratos de locomoção se você procurar bem. E se você for de carona, vai economizar mesmo, além de ter uma baita experiência com os locais. ::otemo::

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Olá!!

 

Em maio to pretendendo sair de Santiago para San Pedro.

Inicialmente, pensei em ir por Mendoza-Salta-San Pedro, mas com esse real super desvalorizado, ainda estou pensando direitinho...

 

Se conseguir achar o valor da passagem de Santiago pra Calama, bota o valor aqui, por favor.

 

 

Obrigada!!

 

Obrigada por ler, Vanessa ::otemo::

Sim, tá complicado viajar com essa desvalorização do real. ::bad:::oops::cry:

Mas vá sim, se puder.

E vou olhar minhas bagunças de viagem hoje, e amanhã coloco o valor da passagem aqui, assim que der.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Muito bom relato Michelle! Poderia me informar quanto ce pagou nas passagens SP a Santiago e de Santiago a calama? Em setembro vou rodar a América do Sul de ônibus em três meses! Haha

 

 

Achei o que faltava. De Santiago à Calama pagamos 30.000 pesos chilenos ( cerca de R$ 150,00 na época, por pessoa ).

A empresa de ônibus que escolhemos foi a CikTur e como contei no relato, gostei muito.

O ônibus era bom, double deck, novo, serviam jantar e café da manhã e o banheiro estava sempre cheiroso. ::otemo::

 

 

Entrei agora no site deles e parece que eles têm passagem para San Pedro (direto, agora). Bom verificar e ver se compensa.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
LF Brasilia    1

Acompanhando...

 

Michelle, fiquei curiosa para saber por que vocês optaram pelo ônibus no trecho São Paulo - Santiago. É que fiz uma simulação no site da TAM e encontrei voos por esse mesmo preço (aprox. R$400 o trecho).

 

Vocês queriam ver a transição nas paisagens? Adaptar-se à altitude dos Andes? Viajar sem medo de avião?

 

Fiz muitas viagens longas de ônibus e até gosto mas, depois que algumas quadrilhas começaram a agir aqui perto de Brasília, acabei desistindo. :(

 

Obrigada e parabéns!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Acompanhando...

 

Michelle, fiquei curiosa para saber por que vocês optaram pelo ônibus no trecho São Paulo - Santiago. É que fiz uma simulação no site da TAM e encontrei voos por esse mesmo preço (aprox. R$400 o trecho).

 

Vocês queriam ver a transição nas paisagens? Adaptar-se à altitude dos Andes? Viajar sem medo de avião?

 

Fiz muitas viagens longas de ônibus e até gosto mas, depois que algumas quadrilhas começaram a agir aqui perto de Brasília, acabei desistindo. :(

 

Obrigada e parabéns!

 

 

Olá, muito obrigada por ler... ::otemo::::otemo::

 

Então, na época em que fomos, em Julho de 2015 (temporada de esqui), as passagens estavam no mínimo R$ 1.300,00 ida e volta, por pessoa, isso para ir e voltar por Santiago. Se só fôssemos ficar em Santiago, realmente compensava, pelo conforto e rapidez do avião.

 

Como a idéia era conhecer várias cidades ao longo do percurso, se fizéssemos só a ida até Santiago e o resto de ônibus, só a ida nos custaria R$ 1.000,00 por pessoa::ahhhh:: ::ahhhh::

 

E se fizéssemos tudo por avião, conhecendo as mesmas cidades, (fiz milhares de simulações em vários simuladores) só de passagem de avião, gastaríamos mais de R$6.000,00 ::ahhhh::::ahhhh::::ahhhh::::ahhhh::::ahhhh::

 

Eu tinha milhagens smiles acumuladas e dava para usar para voltar do Acre até São Paulo.

E como realmente estávamos exaustos de tanto andar de ônibus e esse trecho seria o nosso último (já dentro do Brasil) , fizemos de avião. Deixamos para o fim pois estaríamos mais cansados do que na ida (que era pura empolgação). E medo de avião? tenho sim, e muito ::lol4::::lol4:: mas enfrentei ::otemo::

 

Outra coisa: Eu me virava com inglês e "portunhol", mas viajar dois dias ouvindo somente esse idioma, ajudou demais. Quando chegamos à Santiago, eu já me sentia confiante o suficiente para me comunicar e entendia tudo.

 

 

Quanto à altitude, acho que ir por terra ajudou sim. Deu tempo pra gente se acostumar aos poucos.

Fomos subindo progressivamente ao longo das cidades que fomos conhecendo e quando chegamos à Cusco (nosso último destino), já estávamos mais que acostumados e não nos sentimos mal.

Sem falar que foi algo indescritível atravessar os Andes. Uma experiência diferente de tudo. Quando lembro, me emociono. Foi desafiador também, porque eu não sabia o que eu iria encontar, se daria certo, se eu teria coragem...

 

Nos sentimos super seguros, durante toda a viagem. E olha que morríamos de medo de deixar nossas mochilas no compartimento de carga.

Medo para valer, só sentimos no Peru. E ainda assim, medo das estradas, que ficavam à beira de abismos, sem guard rail, e cheias de curvas perigosíssimas, principalmente no percurso até a Hidrelétrica ( de onde saía a trilha até Machu Picchu). Fizemos ::mmm:::mmm:::xiu::8)

 

Posso dizer que no nosso caso, a ventura começou quando decidimos embarcar no ônibus. ::otemo::

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Sumi por um tempo, mas voltei. (a faculdade me consome )

 

Em meu último relato eu havia acabdo de chegar à San Pedro do Atacama. Passamos 5 dias com paisagens de tirar o fôlego: vulcões, salares, cores do céu inigualáveis, tour astronômico, termas, lagunas e muito, mas muito frio mesmo. Affff ::Cold::::Cold::::Cold::::Cold::

 

Foi triste, mas tivemos que partir.

Nosso destino agora seria o Peru, com paradas em Arica e Tacna, mais uma vez em ônibus.

 

Um dia antes de nossa partida, conhecemos um grupo de brasileiras muito simpáticas na praça em frente à Igreja de San Pedro. Elas estavam procurando um restaurante barato para almoçar.

Iríamos partir todos na mesma noite com destino à Arica, então combinamos de nos encontrar no terminal rodoviário de Arica e cruzar a fronteira juntos, no mesmo táxi coletivo. As empresas de ônibus que nos levariam eram diferentes. A nossa era a Expresso Norte e a deles, Turbus.

Deixamos San Pedro em horários próximos.

 

Viajamos a noite inteira. Às 5 da madrugada chegamos em Arica.

O local combinado de nosso encontro era o terminal internacional de Arica, do outro lado da rua onde nosso ônibus nos deixou. Pedimos informações à uma patrulha de Carabineros e chegamos no terminal sem problemas.

Assim que entramos fomos abordados pelos milhares de taxistas que fazem a travessia entre os dois países. Cada um vendendo o seu peixe, o valor era o mesmo e os táxis só partiam depois de completos .

Sentamos em um banco e ficamos esperando pelas brasileiras. Lembrando agora, eu nem lembro se nos apresentamos e dissemos nossos nomes ::tchann::::tchann::::tchann::

Um velhinho, motorista de táxi, nos abordou e ofereceu seu serviço de travessia. Lembro que gostei dele de cara e o achei muito simpático. Mas como estávamos esperando as outras brasileiras, recusamos.

Esperamos por duas longas horas... ::hãã2::::hãã2::::hãã2:: e nada. Não sei até hoje o que aconteceu.

Bem, decidimos não esperar mais e para nossa alegria, o velhinho tinha exatamente duas vagas livres no táxi. Pagamos a taxa de embarque + o valor da travessia e seguimos viagem.

 

O carro era bem antigo, enorme. Cabiam 5 pessoas + o motorista ::hein:::hein:::hein:::hein:

 

Nossos companheiros de viagem eram: um casal de chilenos e um jovem Peruano. A viagem foi muito divertida e conversamos muito, sobre os mais variados assuntos. Cruzamos a fronteira.

Terminamos nossa viagem no terminal rodoviário de Tacna. Sãos e salvos ::otemo::::otemo::::otemo::::otemo::

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Vou falar que não trago boas lembranças de Tacna.

Descemos na Rodoviária e logo nos vimos em meio à um lugar desorganizado e fomos abordados por uma enxurrada de vendedores de passagens de ônibus e vendedores em guichês que gritavam para que trocássemos nosso dinheiro com eles. Escolhemos um guichê com uma boa cotação e trocamos nossos últimos pesos chilenos por Soles.

Faltava agora escolher a empresa de ônibus que nos levaria à Arequipa.

 

Um homem muito simpático nos ofereceu a empresa na qual ele trabalhava e infelizmente não me lembro o nome dela (acho que meu cérebro bloqueou). Só me lembro que não era a "Flores" (que era bem mal falada por lá). Pedimos para primeiro olharmos os ônibus e ver se eles estavam em bom estado e tudo ok. Pechinchamos o preço e concordamos em pagar o valor estabelecido pelo vendedor.

Ele nos levou ao guichê da empresa e lá descobrimos que comprando direto no guichê era mais barato, pois não se pagava o cachê do vendedor. Mas aí era tarde demais, já havíamos entregado nosso dinheiro. ( eita burrice ::putz::::putz::::putz::::putz:: ). Outra coisa que nos confortou foi que, se aquele homem não tivesse aparecido, dificilmente teríamos achado a tal empresa, cujos ônibus "pareciam" em ótimo estado e novos. Tinha até rodomoça.

Ledo engano.

Os ônibus eram realmente novos, mas um cheiro de urina nos acompanhou por toda a viagem, sem falar que éramos atrações turísticas lá. Todos nos encaravam o tempo inteiro e foi meio assustador. Tirando tudo isso, a viagem até Arequipa foi tranquila. ::tchann::::tchann::::tchann::::tchann::

 

 

Bem... até aquele momento, o Peru ainda não havia me encantado. A paisagem eternamente desértica, a pobreza extrema de algumas regiões em que passávamos, precipícios, nada animador...

Mas chegar em Arequipa fez tudo valer à pena. Tirando o taxista mal educado que nos levou da rodoviária até nosso Hostel. ::vapapu::::vapapu::::vapapu::::vapapu::::vapapu::

 

Nos hospedamos em um hostel no centro, bairro muito lindo e charmoso e pegamos uma festa típica Arequipeña. A música, a Plaza de Armas cheia, as construções em Sillar(pedra vulcânica branca), as roupas típicas... Finalmente eu caí de amores pelo Peru.

Tratamos de procurar um restaurante bom e barato e amamos a comida, a chica morada...

Depois caminhamos, visitamos museus, experimentei helado de Pisco ( sorvete com um certo teor alcólico ... óooteeeeeemoooo) ::otemo::::mmm:::essa::::dãã2::ãã2::'> e nos sentamos na Plaza de Armas, apenas vendo o tempo passar, só observando as pessoas.

No Hostel bebemos Arequipeña , (cerveja típica da região)e preparamos os mais maravilhosos hambúrgueres que já comemos. ::love::::otemo::::love::::otemo::::love::::otemo::

 

Uma pena que aquela cidade era apenas uma parada rápida. De um dia e meio apenas, somente para quebrarmos o rítimo louco que seria ir direto do Atacama até Cusco (nosso real destino no Peru).

Me arrependi muito de ter escolhido passar tão pouco tempo por lá. Uma pena. Voltarei.

Compramos passagens para Cusco com a Oltursa, diretamente no guichê da rodoviária de Arequipa.

 

Aqui vão algumas fotos de Arequipa.

 

XJPCPyvM3N2nhS7HjtTm1B_SOM9EdA7z-Bm83V-lQm1z20uycXhUzRD3uB_0AHgiWK3fUDRI4QVfeug5W3vwxtfcU_L4lHasF4KH7szTf2I-vsvOl0Q8KIKk0cC-0jOyU4-zuq91btjt2LJxck5gf0GSUzZv9RnZX3dzHGIqpIT23cSr1dda1FJ49LljfqDJU2BDlGyigyTCyhUcPB-NpUBdeMr8HcYlB5Bx5aKMs510p5i5hzCPkYg87XJjIZz6dsaHiHEwn-0gXkQDtc15C1wHcAfc4K2xDEFyqO2B9DOb8UymDTh7o22QtpmVvUIPljXrur6GfKdrF7g3usrd6RYDXRs1S2DE6MXnfiSOcQMkXU5cC9KHU8-0RbO6dKQBvWExUeLNcremSaHdJshISB8Kf1ZXeJJ3TcARa7BqGxakbUhhk-ksseHeujZfCMcdnyGtUXWKBwYvhgdkGA2F0m1iZqfI4wCc9NPvJWrMz51IyGSG8aSVxVToRKHHKGCm45p34Wpy85oXUSKhotMnajiP9DHw1Q_weOHmLZb0NYNC1wj9uSxYWh7SGBCrUwHPWeWDFAxiH0oibMm5UDH97csT_sUnL2CB=w557-h742-no

 

JYCVrW-MMMHFrRpZARVg9aZ9rY91Rxifz6Np-TyeDPohVjmooSSe8JLf8bHsm4Caa2Q-qLPMPruEqaFy91k8e6QZaGEFVQ7b4SqulO8H7mzvp3DPjhRzuxpJ5Oip5qsCnEuvE-ms9HBDj4HTFbKFQ2kFDTKGa2ps8qO686yqqP3Qgt1HTAjQMgE3RnVFNQj8NAfBtJSkxkNqGiFC77gn8pnVCaH5QlSa7qFdczss3OKAE_dRA-pqvDDqBr_KmQQ3i4cDAo8AuPxo8yEfmNDIkPZHmtxqHbyj0umGEaLq3lrSCGYXmu7Iv1D8X59DUxZ0zpY0GBFkVZAQqRbnHUxm5-8glcqg5-uWkjKt8LKLiB_guxaKWarQ_3UOB9BfBQfjaAxNwN-uj3gtQ9oKqPSrYvpEmFP2hZwMvCkKSwU2B7I3XfnLw2cNPIIirzPTXjuO7xHngDkrlQrC48FnFWDkNEDkwgsRqzjU7uTGRN29QcYQRwyGBnH7wbLbofIA2KEp-GGJ-wRbiTpPrnWCHFRxfTOdlWRU0tFq1tWsBzwKOKvfZ2S3i3s7mbI39Q44aMvHDxcqDGXGJaxS5WvQk048wkqE3clCTV9F=w990-h742-no

 

r0Nf7dvgBHFOBUaam4Zxjxi_n2DCyXdcT8eE_HzHko4pfv9150U8hl6kyroA2fB-ioVUOIae9uCkdc6N2l6qr6Fq79G-_ZO0njQ-x5b-5zrbsxIDjiQ1iBhrv2p8-xK8f-LOz6pikBTTSF2IkuKOADo0_QEvQDKfxX1EWCPlQu5Mmr6vEPQTPgPNeApUQPrUHGJqBJLD8ix3KVbY5aGYrJsKq7tINzX1R9UT63Ekn2M5vs2k3H4PghwOqSBqR7GeGT5PGknt3wiur1bewBAFhFJd_WgEW3AEjYwvgAXLT7uG7F_boEof2BarbUc40oN6Pkq45A9Jz0GlLEabzFeLsLH2GCs1Vlk_QmV1DXNlR6ZqzYUa7SYdxi_Ia7Fip_4kpKEvlYra6Enbz0tF2I320jv2nEgd_ine6wEh2HPjfc5ExlYqK5_uc15p-2VbqxOw5TRS5pLNpRQDrAKOG0-Zqg8iSK2lftRjbEtRxNPwGOKGWBoomT2SoeZ-FIfBS1bhbMObjSFXzKC_xS_4ifRP1ej2Sh4_sGQ43cJJj4p0P2f_8b0gCeZhHW0j1S7r6ySsMLD6aoLLYKCPgs0o8CYV5uKi19lFJq7_=w557-h742-no

 

s3ukUJwwPcQHfhM81-6zvB7nTvBnBhHIOS7wFDFgLTKcM692LI7kcF0wX1NJLX2qLyRQ7zcH7KIEFFL_zxzUgbKqZU3s1AtVceXf5V4U65UjZXAIYlpxpzYKIX94S3MRZDQigMr-rNmq4BS2DFM8NDC7LC1ZRZhR1z_w0pWetO_vBhGaL3tkMlkKw_gr9ZU3VKY9Fl4ELIHkPjvFWUNWX_eXA0408EgHMb4NvsDQE6PJ6RFT0FOEJOPfV5AZ5pGxolUQtaaWfY3t5tHAehVQqKQJPtB4zwC7kZ2SCxYtG0efCUQ-yi9LseTBVq-A_zxi66HXxPh8DjGqIzZEFCrQPFlMHE9Wkv22PsG_QOF4DCzO2uxUo11lCOzSIY95Ou5mfnmuQicL0BEygRuPnqqsu22S0U3ZOc5BuTcUy0sVnXVplA8kwHPho8Dqj-GsaoI2gILlv7eSypYSlGdQLKCwzBLeIMsVMPa_IzfQwFpDzxtvODB-w6m_Oxf44uJ49p3oaeBTwLTf6roOmtofu0xjb78iwdBF2QoPkjh6xCWp4idtxcU__FrbylSBwCaMG80po-K0wK2SBlB3FovFuMiMteT6V4_UfsD1=w557-h742-no

 

IfXjYfrLN1AKLIQ0xWFvqae67msislmj4l-C_kgnroEIo9pk8Y3aUjfPmHyqGxScYbHpk8suJbRGQEg8Mv6SgWfxJH4JpOgIin69fxoku5MuFJwkQpvsOlusRhkcue0cNoWKu6UFTi9G9A3nDrPlEKctl2xI6wOnP8Ma1ACJ-tpzxAyhP-yrGTfD-Wax278y12EPs19iRv3DPrkGZqDxsEY3tdnkOjuB9WyQXqU6p0YDH-Xar70vXRWNTvIXUo3JcDEwAL6fzv-aOyrbcXGGk4etDhzYOEiFTV93-v9zbLaxriAvT5DfAL4CNcX6r666hMW4FJUIWRnf306q1x-R3R_0K91_wdsamuWQ-ijSQP3izrN_ZzFqMcQTcPvwDFD9CWOiTlimn27W8SafoLEJSeJRWkbt8109i8ANJOWEKMc5pbIxEQwgziNuWMXLJfbH7DTIeNYdsIOK56cQHwoIB_1H3jhIXCKv70zWIbKcs4MGwR_smaw6T_pnvczRiJInIFKYCzD2GNO-GvCW3sz0nLRzJf2-Lu2bteqGJ5BDhPvlTED_ae_jYUpcpoNE7cIk7poQyAX3DAfKg--w8nMF2A2ADeqN8Tn8=w557-h742-no

 

rd0JfGFQpjekcreJjyVpdiBLBBADFuQFDvTngSIXm-ujGbIJLfZcxZQAIATTA0_F6p1B_sRDlr4FEh1vfUuNvKOfzpD514_Zip3Oyfwwg8Lg_ijPqnz3JrCYIg6CyCz1FEbMxJmzwp_H_gUwUDMIstBn59nCDA3Hkk4CZfS3eTDhCttzsOZu6xx_KjFeoV_dB7iyeUNbqkgAGwJA_gpxPjtCjiVvlCSyfqEcWAGiY_8-hF7Kdps-zHL27DFoSFuEY6nxSweT2_qOt8jQ5Tf2HPN8rPm05ALJQmfJAm7Mzs2BQKs9WRwVvRfs-IFZWloOGa6nQX9_sN8g8ULmQNGnyFlOWsE_0nbXpW04D5HPKj1E6P_qz2t9LDdjrxWr-pUxoEajNa15GO79M86uKVBQejGWW3BjzaCxe9MIavjH2J_OhROGCU18_xxGrRe8l_W1FCoqETTeanMwGVKQrYUzX7G87i_TN0VmazmBrDXWX-r5WhN55vkMLaBvr625t9cB4Xdusnrsh3dh1uCxkwxAiJ7jm026pPLK9nlrk-LfvU1_bsyXuQ67X_OP6rF-RBE25U93TwkPVNU6-cKUtAPoFYSkEf3_ch1z=w557-h742-no

 

cPpojMQtFb96DjQBS2QvxNC41WrrrwOAjIlRsglsnY9sM6ZLIAk7px54DW0fLF-j-4HXN_wzkJTleEOQd5uTAcuWgq9fG2rFSALCxG8W9B4uaUapriyjhbLAZ6Kh5ZdFo3yzAkKrlJj_WX56-GOmQaLspigDjdyMQBuc-eJsjufH7Rwrg-TQQKbKAZZvylKhbyjprQSMaDcFpEBkc7ZlS1z7iB4_PotWGUkHeO3QnSKM7KGkMyELR_W-Mz4H5UyQwVahIof3UvXkZe7xmio1CwoEJm05NCAQ7WDHctqxqyzcYdXRDel8gGbM2GmnNdKJh0zvJyayZgCVVnp3ip40pdEwH1XrfPX4mQo1V6a1qirnDiWgjBhj_VUNeaatt82ubVD70j22vWMfMJigeJGsuChc1EjJaBZhmjjP8PjgP4BhqX0nh8v0hdGcP01cV0n2ghHaVeCk9qRYftqXq5BQ-2qgWfLQLRxMFXGIorAQ2sDaakNz3T14N7O_wma_dDkKFjCJwIHPljg41VGYW5E8XTN0m7Td_HMAz0vGTr7DRh20-H8uMdabsTCxBYPzhowEkKFF9m8vCMq26feLpGCF6jwHcr9fqHt-=w557-h742-no

 

5J9yMS43VvYatTLpvma-Shf47RUo3SuvmzKhkuvJrzpLdIuquLyOnaX0GXM7q5ZIKzq2MsU88AozPuGOsF-N7bqn57kBRTNxLtMuz9iq1DGIbRhsRHK2H7ewEXUlTNH4nlAyMQv8ta69aHzAwyvjc1pi733z2Pu8JnBMJ5AgYtsfgnMdciRR4HDtGn2vKddQ-UZRwL8J5HNVSx6Xrapm8heDLrzTh8TuiMVTg_hCbot0TwLqIPnDcLv_x7LGXPPrYko78_GQw6PGtsLRzYft2-fZCktCZAybHd38_risBsz3vOU30x_IYqMy97Joq1M1I4Sfm9M_2ku4dIieTu9czKRIThgo3bMgaDtd1fKxL74-ii05B2TLXv-ZuzqaJAr5L6yXCg26mEOwXXM6ulSFpCLzNqz4_nerK-dTJt8X3JtlSk0jkVjEsfXBn5QE2fCmuO5k4A2Pi5iOm9uXK9Zn5oMlrf9qx5IPG0BlT29vZzkpn7JVBOmS-iNT9D6lNlCXstLkldDTl7OQp8yCNmnBAqPWle6O2Gq-p8nhNPgtMya1ThorPNyv-wYWrwMfCCUnhuk58ENnpWBixBwoHoTVxq6MF3iZ_Enh=w990-h742-no

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Ivo.pe    2

Michelle, belos relatos.

Já fui 3x para o Chile e estou pretendendo ir uma 4a vez agora em janeiro, porem, em pesquisas feitas ultimamente, está tudo mega caro, e em milhagens tb.

Fiquei interessado por essa viagem de onibus e gostaria de saber quantos dias dura essa viagem ou em horas, por gentileza.

Vc achou o mínimo confortavel para a viagem nao virar um tormento?

 

Obrigado

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Ola, Michelle!

 

Obrigada pelo relato, esta ajudando muito nas minhas pesquisas. Vou viajar com meu namorado e o dinheiro também esta beeeem contado, então gostaria de saber qual o foi o gasto médio, por dia, do casal. E também a empresa de ônibus que vocês compraram a passagem. Valeu :)

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora


×