Ir para conteúdo

Europa de mochila e cuia


Posts Recomendados

  • Membros

Segue aqui o relato de minha viagem de um mes pela Europa.

 

Cheguei no dia 22 de janeiro de 2006 e foi a maior novela para passar na alfandega.Depois disso fui telefonar ao meu amigo em Sintra com quem ficaria hospedado e me dei conta que o oficial da imigração nao devolvera o meu livro de endereços e assim tive que ir aos achados e perdidos do aeroporto e aguardar mais de meia hora,até que me trouxessem o livro de volta.SEgui ao centro de Lisboa e lá peguei o trem para Sintra.Aí peguei um táxi até a casa do senhor com quem me hospedaria,visto que era bem longe do centro.Passei 4 dias com ele,andando de lambreta.Fui ao Palacio Nacional de Sintra.a quinta da Regaleira,ao castelo da Penha,ao Cabo da Roca(ponto mais ocidental da Europa),ao Convento de Mafra,enfim deu para passear bastante.Na quarta a noite 25 de janeiro parti para Madri.CHeguei no dia seguinte uma hora mais tarde que o previsto,visto que Portugal não adota a hora de inverno,eu só fui me dar conta disso mais tarde.O rapaz com quem me hospedaria me encontrou na rodoviaria de Conde de Casal.Após ele me explicar o funcionamento dos aparelhos,ele saiu para trabalhar e eu tomei um café e depois fiquei o dia inteiro passeando.Visitei o Jardim Botanico(2 euros,1 euro para quem tem a carteira YSIC),O Museu do Prado e o Reina Sofia(estes respectivamente no domingo e no sabado,quando a entrada é franca)comprei vários livros para meus estudos na feira de livros que tem na praça que tem ao lado do Museu do Prado.No domingo visitei a Feira de Lavapiés,onde pude comprar meias de lã e o livro de relatos da segunda viagem do Chê pela América Latina.Tambem pude provar uma paella por apenas 3 euros num bar que tem na rua desta feira. No sabado a noite saí com o meu amigo e 2 amigos dele para fazer a ronda noturna pelos bares de tapas.AS ruas ficam completamente lotadas de gente de todas as idades andando de bar em bar.No domingo a noite fui para Barcelona.Neste dia começou a nevar em Madrid. Chegando em Barcelona o clima estava bem melhor,um sol maravilhoso e temperaturas altissimas(16ºC) para o inverno.Nesta cidade visitei a Igreja da Sagrada Familia,o Castelo e o Parque de Montjuic,o Parque Guell e o estadio do Barcelona.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Respostas 31
  • Criado
  • Última resposta

Mais Ativos no Tópico

  • Membros

Fato muito importante a destacar em Barcelona,é a língua oficial, o catalão que apesar de bem parecido com o português na escrita é muito diferente na fala,não se consegue entender muita coisa de uma conversa em catalão.Esse é um dos pomos de discórdia entre os castelhanos e os catalães.O novo estatuto das comunidades espanholas em votação no parlamento espanhol,tinha uma referencia a nação catalã, o que foi mais do que suficiente para enfurecer os castelhanos.Também uma mãe castelhana que vive na Catalunha entrou com uma reclamação no ministerio da educação espanhol,por causa que a escola do filho dela só ensinava em lingua catalã.Muito interessante isto, eu não imaginaria um catalão reclamando em Madri a escola só lecione em espanhol.Em Barcelona encontrei aparelho de DVD por apenas 30 euros num supermercado.Nunca vi como os preços dos produtos na Europa sao hiperultrabaratos nos supermercados.Na Itália encontrei garrafa de 1,5 l de agua mineral por apenas 21 centavos de euro,o que equivale a 60 centavos de real.No supermercado proximo a minha casa custa 1,50 real.Chocolate na Alemanha encontrei por apenas 50 centavos,ou seja 1,45 real.AQui no Brasil a marca mais barata custa 3 reais e as outras de 4 reais para cima. Também em Paris jantei em um restaurante oriental por apenas 5 euros!!!!!!!!!!!!! No restaurante chinês de Porto Alegre não é possivel jantar por menos de 15 reais. Só para comparar em relação aos salários:uma caixa de super ganha en torno de 1200 euros na Alemanha e apenas 450 reais no Brasil.Uma babá ganha de 60 a 72 euros por dia na França,isto perfaz 1200 a 1440 euros se trabalhar apenas 20 dias por mes.Outra coisa que notei bastante é o orgulho dos europeus por seu passado imperialista-colonialista.Em todas as cidades é possivel encontrar monumentos homenageando os soldados mortos na invasão dos países africanos e asiáticos.Bem diferente da América Latina,onde os monumentos indesejados são retirados sem problema como foi o caso da placa de homenagem ao ditador Videla na praça Argentina de Porto Alegre,assim que acabou a ditadura foi retirada. A torre do Petróleo que havia sido retirada pelo exercito brasileiro no golpe de 1º de abril de 1964,foi recolocada assim que o ultimo ditador voltou para a caserna.Na europa é bem diferente,todas as placas e monumentos em homenagensa aos mortos pela FRança,Portugal,Inglaterra,etc permanecem,e os mortos na verdade foram mortos na defesa do imperialismo.Há um filme recem lançado na Europa "Joyeux Noel" que relata sobre a confraternização entre soldados inimigos durante o natal de 1914.A critica que Danielle e Pierre Roy fazem na resenha sobre o filme na revista La Raison é a de que "o filme não evoca os verdadeiros responsáveis que são os capitalistas franceses,ingleses,ingleses.Não se saberá jamais que é a luta até a morte pela partilha do mundo entre entre países imperialistas rivais que deu inicio as hostilidades."

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

No dia 2 de fevereiro parti para Montpellier.Lá chegando,a estação rodoferroviaria estava em obras, foi uma dificuldade para achar o caminho certo.Peguei o trem até a cidadezinha de Sète, onde fiquei até o dia seguinte.Esta é uma simpática cidadezinha litorânea com muitos barcos de pescadores e muitas marinas tambem.SEgui viagem para Roma. NO onibus encontrei um motorista que falava português, pois era casdo com uma brasileira e já estado algumas vezes aqui no nosso país. Cheguei em Roma muito cedo, as 8h30min, então fui ao banheiro fazer a barba e após isto me dirigi ao metrô para ir a estação Termini.Lá chegando fui ao cibercafé pois só poderia chegar no albergue que reservara ao meio-dia. Chegando no albergue, percebi a roubada em que me metera.O albergue Backpakers é pra lá de apertado, tem lockout de mais ou menos umas 4h e eles ainda tem um outro apartamento de dois dormitórios que usam como albergue,situado a umas 10 quadras do albergue principal.A maior dificuldade é usar o banheiro,pois é um só e individual para 10 pessoas,sem contar que os hóspedes do outro albergue vem a este apartamento-albergue para usar o banheiro.É hiperapertado e não tem armário.Ao menos encontrei um grupo de estadunidenses, os rapazes estudantes de teologia e a moça também candidata à diplomacia. Eis a revelaçlão que ela me fez:ela estava lendo um livro sobre estratégias para entrada nos países(leia-se INVASÔES),neste livro havia as análises das reações psicológicas e políticas dos povos dos países a serem invadidos.O incrível é que ela tenha dito isso para um estrangeiro sem a menor preocupação!! O lado deplorável de Roma é a ausência de banheiros,não há nenhum banheiro público na cidade(somente nas estações Termini e Tiburtina),éw de matar,ter que comer alguma coisa num bar toda vez que se precisa ir ao banheiro.Em Roma pude observar os vendedores ambulantes fugindo da polícia,exatamente como ocorre aqui no Brasil, a diferença é que lá na Europa a maioria desses ambulantes são estrangeiros,muito provavelmente ilegais.Depois de 4 dias em Roma, eu já não aguentava mais e foi com alegria que viajei a Munique, onde minha amiga me esperava. Lá chegando a neve caía intensamente e obviamente estava bem mais frio que em Roma.Fiquei quatro dias, de 8 a 12 de fevereiro e pude conhecer a nossa editora Dri Parra. De Munique eu viajaria Londres,mas aconteceu um problema,eu esqueci o documento do curso de inglês em alguma das casas que me hospedei.Mesmo tendo dinheiro e passagem da VARIG de retorno e empregos fixos e vitalícios(sou funcionário publicos) os CANALHAS da imigração não nos deixaram entrar,sim havia outros que não puderam entrar um sargento da policia militar e sua esposa,que idiotice esses anglo-saxônicos,qual o militar iria abandonar o seu emprego, incorrendo no crime de deserção, quando fosse mandado de volta ao país iria direto para a cadeia,além de perder o emprego.Depois do que disse aquela estadunidense,fica a lição, com países terroristas(Noam Chomsky,Piratas y Emperadores,2004) não tem moleza,é fogo neles!!! De Calais segui para Paris,onde cheguei na segunda 13 de fevereiro a noite.Fiquei até o sábado 18 de fevereiro.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

Em Paris aproveitei para visitar locais que não havia visitado na primeira viagem que fiz em 2001.Fui ao parque de la Villete,visitar Cité des Sciences,participei da festa de Saint Valentin na União Francesa pelo Esperanto,visitei Versailles,assisti ao filme "Sauf le respect que je vous dois" e participei de um programa na Rádio Libertaire onde fui entrevistado por uma e meia.Foi muito interessante este programa.Neste programa recebi publicações dos livre-pensadores franceses,também comprei o Le Monde Diplomatique, que tem otimas reportagens sobre o problema da imigração, além de um dossi~e completo sobre a América Latina.No dia 18 de fevereiro retornei a Madrid,ficando no hostal Amanda e aproveitei para pasear no Parque do Retiro e no Palácio Real. NO dia seguinte parti para Lisboa,onde embarquei de volta ao Brasil. Eu viajei de ônibus entre as cidades,e realmente são muito desconfortáveis,além dos banheiros quando têm permanecerem lacrados.Os onibus param demais e sempre em restaurantes hiperultracariíssissimos.UMa garrafinha de meio litro de agua mineral por 2,40 euros,é de matar. Mas esse tipo de problema também ocorre aqui.Me lembro de uma vez a uns 10 anos quando o onibus parou no restaurante Japonês em Sombrio,a garrafinha de agua custava 2 euros. Quando cheguei em Floripa,eu podia comprar 7 garrafas de 1,5 de agua com os mesmos 2 reais. Há os RUS em Paris custam 4,80 euros para quem tem a carteira internacional de estudante. Me esqueci de avisar que em Roma tem uma lavanderia na rua Varese,33 que anuncia 2,99 euros para lavagem de até 6 kg de roupa com staff falando inglês e francês. Mas chegando lá você descobre que tem que pagar outros 3 euros pelo sabão e a que a única língua falada por eles é o italiano!! COmo os capitalistas adoram enganar,eles nem se dão conta que asim 0o cliente só vai lá uma vez,alem de este passar propaganda negativa de tal empresa charlatã.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

Só para vocês terem uma idéia de como na Europa os preços são muito baratos para os europeus segue aqui a lista de preços da ViajesIberia de setembro de 2004.

VIagens ida e volta:

Buenos Aires= 578 euros

Quito= 555

Santo Domingo= 349

Tokyo= 541

New York= 277

 

è miuto barato mesmo,e nós aqui milhares de reais para viajar,é sacanagem!!!!!!!!!!!!!!!

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

Outro fato muito observavel: é a grande quantidade de pessoas mendigando,tocando nos metrôs.Em Madri não há nenhuma estação que não tenha uma pessoa tocando em troca de umas moedas. Também há muitos jovens oferecendo carnês de contribuição para ONGs de apoio a portadores de SIDA,de crianças orfãs, de ajuda a imigrantes,etc. O estado cai fora e o cidadão comum é chamado a resolver os problemas criados por esse estado empresarial a serviço do capital.Outra coisa que chamou a atenção é que os governos europeus utilizam os bilionários faturamentos com os museus,castelos,palácios,parques,igrejas para financiar o bem estar social do cidadão europeu nativo.Aqui no Rio Grande do Sul nós não precisamos pagar duas vezes para visitar museus,os impostos recolhidos de todos os cidadãos gaúchos e brasileiros são suficientes para isto. Até a visita aos estádios do Grêmio e do Inter são gratuitas,meu primo ficou espantado de saber que lá tem que se pagar para visitar estádios de futebol. Se alguém visitar 10 cidades européias e em cada uma visitar dez locais pagos,gastará tranquilamente 1000 euros só em ingressos para estes locais. è um absurdo.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

Fato inusitado ocorrido no metrô de Paris: de repente o trem para logo na saída da estação e fica vários minutos parado com as luzes paradas. Em seguida a motorneira fala pelo sistema de som do Metrô, " Nous avons arreté a cause de quelq'un que va uriner dans la voie, je le defie de faire ça." Essa foi muito cômica,todo mundo riu. Falando em metrô, as estações estão todas monitoradas por centenas câmaras de vídeo. Mas eu acredito que cãmara nenhuma consegue ver o que tem dentro das bolsas e mochilas dos passageiros. Principalmente após a publicação das caricaturas ofensivas ao Islã nos jornais europeus, confesso que ficava preocupado em andar nos metrôs. Outra dica para quem pensa em alugar auto. O aluguel só valerá a pena para viagens curtas,pois para viagens longas o gasto em pedágios será altíssíssimo, tem um pedágio a cada 100km mais ou menos.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

Outro fato interessante, é que na França também há um Movimento em Defesa da Língua Nacional como aqui no Brasil.Trouxe vários dos seus adesivos que são bem mais comportados que os do movimento MV-Brasil. Eis alguns deles:"Marre de l'anglais!" "L'ánglais nuit gravement aux langues."

 

Na revista romana "In altri Termini", há uma pérola de propaganda que diz que "Il futuro de l'Africa é nero" ou seja o futuro da África é negro. A Ong evidentemente pretende assegurar que fazendo caridade aos africanos na Africa é a solução para evitar que eles venham a Europa e por isso pede a generosa colaboração dos italianos. A idiotice em tudo isso é que os africanos não estão interessados em caridade e sim em salário decente e justo e por isso para estes, o futuro de seu continente continuará sendo branco!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros de Honra

Muitos brasileiros reclamam da tv alemä mas eu amo! Há documentários mil e reportagens muito interessantes. Uma que assiti há pouco tempo foi sobre os mendingos na Alemanha. Desde que cheguei, há 6 anos, a quantidade aumentou assustadoramente. E eu sempre pensava: Como isso é possível? O governo ajuda em tudo, inclusive paga apartamento e salário para os desempregados, de onde vem essa gente? Esse documentário mostrou a máfia dos mendigos. Säo pessoas pobres da Romenia ou Bulgária que vem para a alemanha mendigar. O dinheiro segue todo para essas máfias. Muito triste!

Mostraram todos os passos de uma adoslescente romena que eu vi em Stachus aqui em Munique. Mostrou onde ela mora, a família, e claro que os mafiosos näo quiseram dar entrevista, claro!!!

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


×
×
  • Criar Novo...