Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Posts Recomendados

Dias 21 e 22 de Abril de 2018, 34kM. Participantes Silvio Moser (eu), Jorge Moreira e Diogo Rhoden.

Fomos de carro até a Barragem do Salto, ponto de inicio do trekking. Passamos pela barragem e ´pegamos a estrada por caminhos do interior em meio aos campos de São Chico em direção à Barragem do Blang.

Dali 10 Km chegamos no Blang, me surpreendi com o tamanho da barragem, parecia muito menor pelo Google Earth. Pretendíamos fazer um almoço ali, mas o tempo se armou e prometeu um aguaceiro. Combinamos de recolocar as mochilas e tocar direto até a Barragem do Divisa, afinal, tomar chuva ali parado é melhor andando ao destino. O terreno é todo por estradas, mas com muitos aclives e declives acentuados, então cansa por isso. Chegamos à Barragem do Divisa, onde onde montamos acampamento e pernoitamos. Lugar muito show, tranquilo, com área muito boa para armar acampamento. Armamaos as barracas, catamos lenha então começou a chover. Foi meia hora, tempo pra tirar um cochilinho e descansar da caminhada do dia. Logo passou a chuva e deu certo a proteção que fizemos para a lenha e churrasqueira de pedras com uma lona.

Fizemos um salsipão (salsichão com pão) com mostrada Hemmer na brasa da fogueira e daí pra dormir foi um abraço; No outro dia de manhã cedo levantamos e fomos esperar a aurora. Foi um momento mágico, a premiação de todo sofrimento da caminhada.

Fizemos um cafezão, com direito à café passado, salame, bolachas, resto de salsichão e daí fomos dar uma explorada no local. Fomos no vazadouro da represa e exploramos o terreno abaixo, com direito a cascatas e piscinas naturais. Um espetáculo. 

Hora de desmontar o acampamento e dar adeus à este belo local. Aconselho uma visita. Show!

20180421_101221(0).jpg

20180421_110706.jpg

20180422_061035.jpg

20180422_091712.jpg

IMG-20180423-WA0021.jpg

IMG-20180423-WA0005.jpg

20180422_062630.jpg

20180422_064946.jpg

20180422_065425.jpg

20180422_065735.jpg

20180422_102953.jpg

20180422_104400.jpg

20180422_091712.jpg

20180422_122634.jpg

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por Celso Machado
      Sempre acompanho os relatos aqui na Página, imaginando um dia poder fazer alguma dessas viagens e trilhas. Não encontrei nada menos justo do que contribuir compartilhando o relato de uma trilha que fiz com minha namorada e um casal de amigos.
       
      A principio iriamos com um grupo para a Ferrovia do Trigo, porém ficamos sabendo que o local foi fechado para visitações (acho que na verdade sempre foi, porém agora possui fiscalização). Ficamos bem tristes, estávamos bem empolgados, mas fazer o que?!
       
      Então eu e meu amigo Adriano decidimos procurar algum lugar próximo a nossa cidade (Três Coroas - RS) para podermos ir, meio que de última hora. Lembramos do Parque das 8 Cachoeiras (São Chico) e do Canion Fortaleza (Cambara do Sul). Decidimos em ir para São Chico, a cidade fica a uns 40 km de nossa cidade e a uns 120 km de Porto Alegre.
       
      Partimos Eu, Grasi, Adriano e Aline no sábado dia 24/06/2017 as 8 h 30 min da Casa da Grasi que já fica no caminho para a estrada que liga Três Coroas a RS 020 que vai a São Chico. Apesar de boa parte da estrada ser de chão batido, ela é bem tranquila. Por ali passamos pela entrada do Centro Budista de Três Coroas. Para quem quiser visita-lo, vale muito a pena!!! Lugar super bonito, diferente, místico... parece que você não está no Brasil, pra quem quiser conhece-lo basta ir até Três Coroas, o legal é que você pode aproveitar outros pontos turísticos na cidade como: campings, rafting, tirolesa...tem bastante coisa, a cidade é pouco conhecida, mas dá uma pesquisada (fica ao lado de Gramado, famosa cidade da serra e Igrejinha, cidade da Oktoberfest). Depois de sair desta estrada, chegamos a RS 020, estava pouco movimentada, mas é bom ir devagar, pois possui muitas curvas!
       
      Demoramos uns 40 minutos pela RS 020 e logo chegamos a São Chico, passamos pelo Lago São Bernardo, cartão postal da cidade e logo pegamos uma estradinha que nos levou ao Parque das 8 Cachoeiras. É bem perto do lago, tipo uns 3 a 4 km.
       
      A entrada do Parque custou 20 reais por cabeça , o parque tem estrutura para camping, tem algumas cabanas pra alugar, também tem um restaurante com buffet livre (R$ 20,00) fica aberto até as 15 horas. Como só passamos o dia, levamos bastante lanche e água.
       
      No estacionamento ficamos amigos da cadelinha do parque, segundo consta na coleira, seu nome era "Marcha". Foi bem amigável conosco e nos seguiu até uma parte do trajeto, nos serviu como uma especie de guia. Tem foto dela no final do post, alias todas as fotos estão no final.
       
      Logo partimos para nossa primeira trilha, as mais longas e difíceis do parque, Descemos por uma escadaria toda encoberta por folhas secas de pinho ilhote que cercavam a descida. O local é todo estruturado com placas, na entrada eles te dão um mini mapa.
       
      Pegamos a trilha para as Cachoeiras Pilões (30 metros de altura, dificuldade 4) e Ravina (35 metros de altura, dificuldade 5). Logo de cara tínhamos que descer uma escada bem íngreme feita de ferro (25 metros de altura ), o local é bem úmido, então a atenção deve ser redobada! Descemos mais alguns barrancos, que pra nós foram as partes com maiores dificuldades da trilha (e de todo o parque), por ser escorregadio e ficar bem num barranco mesmo.
       
      Logo chegamos a cachoeira Pilões, que na minha opinião é a mais fraquinha, o que valeu mais foi o desafio da descida. Por ali no mesmo caminho se vai na Ravina, porém por ter que cruzar por dentro d'água, ser inverno e, ficarmos o resto do dia com os calçados molhados, decidimos não ir (queremos voltar no verão rsrs), até você pode
      ir pulando pelas pedras, mas achei meio arriscado, por conta de serem escorregadias. Eu fui até um pedaço pra ver o terreno, mas foi bem complicado, então voltei.
       
      Voltamos pela trilha, subimos a escada e logo chegamos a parte que leva para as cachoeiras mais longas do parque, Quatrilho (40 metros de altura, dificuldade 4) e Gêmeas Gigantes (98 metros de altura, dificuldade 5), ali deve se fazer somente se for bem cedo, tipo antes do meio dia. Partimos em direção as duas cachoeiras. A trilha é bem tranquila, tem bastante descida e subida, passamos por uma pinguela (ponte que balança) e com mais alguns minutos de trilha chegamos a uma bifurcação. Para a esquerda Gêmeas (trajeto bem longo) e na placa diz que passa 22 vezes por dentro d'água , não pensamos duas vezes e pegamos a direita e fomos para a Cachoeira do Quatrilho. Na minha opinião, a mais bela das Cachoeiras do parque. Ali comemos nossos sanduíches, tomamos água e tiramos algumas fotos. Depois do descanso, voltamos o trajeto e fomos para nosso ponto de partida (no estacionamento).
       
      Após descansarmos mais um pouco, fomos para as Cachoeiras mais próximas ao Parque, Remanso (75 metros de altura, dificuldade 1) e Escondida (40 metros de altura, dificuldade 2).
       
      A trilha que vai até a Cachoeira do Remanso é a mais fácil de todo o parque, é quase uma rua. A cachoeira é bem bonita, porém no dia que fomos, o local estava um pouco sujo, não sei se era por causa da chuva de alguns dias atrás. O legal dessa cachoeira é que você fica bem de frente ela e, tens uns paredões em volta. Fica praticamente dentro do negocio todo rsrs.
       
      A Cachoeira Escondida é bem fraquinha comparada as outras, vale mais a pena pela trilha, que é em meio a pedras, cruza pontezinhas, até achei que ela é mais difícil de chegar do que a próxima cachoeira que fomos (Neblina), não sei o critério de avaliação do nível dificuldade, mas tudo bem . Nessa trilha foi a primeira vez que vimos outras pessoas (turistas) no parque, acho que por ser mais perto .
       
      Após voltarmos dessas duas Cachoeiras, fomos em direção as últimas do nosso trajeto. Voltamos ao estacionamento e seguimos para a parte de cima do parque onde se encontram a Cachoeira da Neblina (45 metros de altura, dificuldade 3) e a da Ronda (100 metros de altura, dificuldade 3, no site diz 3, mas no parque diz 4 hehe). Optamos por fazer só a da Neblina, pois já estávamos exaustos e a da Ronda segundo a placa era de dificuldade 4, em uma escala até 5. A trilha é bem tranquila, não sei se é porque eu me encantei com a Cachoeira do Quatrilho, que achei essa bem fraca e não tão bonita...rsrs
       
      Chego ao fim meu relato, segue algumas dicas importantes:
       
      Leve tênis e meia reserva;
      Vá no verão se quiser aproveitar e se refrescar, pois a do Quatrilho tem uma piscina natural bem legal;
      Vá cedo e comece pelas mais difíceis.
      Você já pode fazer um roteiro antecipado visitando o site do parque.
       
      Até a próxima!

















  • Seja [email protected] ao Mochileiros.com

    Faça parte da maior comunidade de mochileiros e viajantes independentes do Brasil! O cadastro é fácil e rápido! 😉 

×