Ir para conteúdo

Posts Recomendados

[info]Tópico para dicas de prevenção, riscos e dúvidas sobre malária[/info]

 

 

 

[align=justify][t1]MALÁRIA[/t1]

 

A Malária é uma doença infecciosa causada por um parasita (Plasmodium) que é transmitido pela picada do mosquito Anopheles. Assim, todas as regiões em que este mosquito está presente oferecem risco de transmissão da malária.

 

No Brasil o Anopheles é encontrado em áreas rurais e semi-rurais. Em cidades os casos são raros, mas pode haver transmissão nas regiões periféricas. Em outros países, como na Índia e diversos países africanos, a transmissão urbana também é importante. O mosquito pica preferencialmente à noite e dentro de habitações. Nas regiões com mais de 2.000 metros de altitude o risco de transmissão é muito baixo.

 

 

[t3]Áreas de Transmissão de Malária[/t3]

 

Veja neste mapa da Organização Mundial da Saúde as áreas que apresentam risco de transmissão de malária:

 

Global_Malaria_ITHRiskMap.JPG

 

No Brasil:

A principal área de transmissão de malária no Brasil ocorre na Amazônia legal (Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins). Nos outros estados brasileiros o risco de transmissão é muito pequeno, e maioria dos casos detectados foram adquiridos na região Amazônica ou em outros países.

 

No Mundo:

Veja aqui os países que apresentam risco: http://www.cives.ufrj.br/informacao/malaria/mal-paises.html

 

Estes países podem ser divididos de acordo com o risco de transmissão:

 

Alto risco – Oeste da África e Oceania

Médio risco – Restante de África, América do Sul e sul da Ásia

Baixo risco – América Central e restante da Ásia

 

 

[t3]Prevenção[/t3]

 

1- Proteger-se contra a picado do mosquito – Estas medidas devem ser adotadas em todas as áreas de risco

 

[list=]Não utilizar recursos sem comprovação da eficácia (vitaminas do complexo B, pílulas de alho) na profilaxia de qualquer doença transmitida por vetores.

Usar repelentes na pele à base de dietiltoluamida (DEET) ou picaridina (= icaridina), enquanto estiver ao ar livre. Lavar a pele, para retirar o repelente, quando for permanecer em locais fechados e protegidos contra insetos (ar-condicionado, telas protetoras contra mosquitos).

Antes de adquirir um repelente, certificar-se da concentração de DEET ou picaridina no produto. As concentrações não constam nas marcas mais conhecidas no mercado brasileiro.

Tomar cuidado para não aplicar repelentes (DEET ou picaridina) nos olhos, na boca ou em ferimentos. Não aplicar repelentes nas mãos de crianças pequenas, pelo risco de contato com olhos e boca.

Ler cuidadosamente as recomendações do fabricante do repelente. As concentrações de DEET habitualmente recomendadas são de 30% a 35% (máximo de 50%) e de 20% para a picaridina.

Procurar hospedar-se em locais que disponham de ar-condicionado. Se isto não for possível, utilizar “mosquiteiros” impregnados com permetrina (mantém-se efetivo durante vários meses) e inseticida em aerossol nos locais fechados onde for dormir (em hipótese alguma empregar inseticidas na pele). Os "mosquiteiros" também podem ser úteis na proteção contra triatomíneos ("barbeiros", transmissores da Doença de Chagas) e morcegos (transmissores da raiva).

Usar calças e camisas de manga comprida sempre que possível (sempre as condições locais de temperatura e umidade permitirem), para reduzir a área corporal exposta às picadas de insetos. Usar repelentes na roupa à base de permetrina ou deltametrina.

 

2- Medicamentos

Consulte um médico infectologista, informe-o sobre o seu roteiro e atividades que pretende realizar. Assim, o médico poderá avaliar a necessidade do uso de medicações na prevenção da malária. Não existe vacina contra a malária, a prevenção é feita com medicamentos (antibióticos). É importante consultar o médico pois a escolha da medicação depende do riso de exposição e dos tipos de Plasmodium presentes na região.

 

Atenção! As áreas de transmissão de Malária e Febre Amarela no mundo são bastante semelhantes, portanto é importante prevenir sempre as duas doenças!

 

 

[t3]Quando suspeitar[/t3]

 

A principal característica da malária é a febre, que vem acompanhada de calafrios, dor de cabeça, dores no corpo e mal estar. Estes sintomas podem ocorrer com intervalos, alternando períodos com febre e sem febre. Tais sintomas começam a se desenvolver cerca de 2 semanas após a picada do mosquito. Em alguns casos a malária pode ser grave, causando convulsões, confusão mental, insuficiência renal, dificuldade respiratória, coma e pode levar a morte. Portanto, sempre que estiver em uma área de risco (ou tiver retornado recentemente) e apresentar febre procure um médico!

 

 

Fontes:

CIVES

OMS

CDC[/align]

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Saudações!

Por experiência própria, recomendo que ao sinal dos primeiros sintomas, procure posto médico para fazer o exame de sangue por lamina.

já tive 5 vezes, essa maledita, e só posso dizer que é terrível! Ainda bem que existe tratamento.

No nosso pais, existem 3 tipos predominantes, a Vivax, Falcipara e a Malerie.

O problema é que se você estiver infectado e tomar remédio para tratar outro tipo, você pode piorar bastante.

Por isso o exame no posto médico é muito importante.

 

No meu caso, peguei a Vivax depois de um fim de semana em uma região com foco de malária.

Dessa primeira, se seguiu as outras 4 vezes (Recaída da primeira infecção) , por que o plasmodio se hospeda no fígado e/ou no baço, e o remédio as vezes não é tão eficaz.

 

Algumas pessoas confundem os sintomas iniciais com Dengue, mas a malária tem um característica única, a cada 24 horas há o pico de reprodução do plasmodio da Malária no sangue, ou seja, a cada ciclo de 24 horas a pessoa infectada sofrerá um calafrio fortíssimo. Pelo menos no meu caso (Vivax) foi assim.

 

As vezes, o mochilheiro precisa passar por uma região suspeita de foco de malária, nesse caso dou duas dicas de ouro:

1)Evitar a região depois das 17hrs, pois é o horário que o mosquito infectado sai para se alimentar

2)Usar camisa manga longa para evitar a picada do mosquito.

 

Procure sempre um posto médico.

 

Namastê

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Oi pessoal! Informação importante para quem viaja realmente mas a parte do tratamento ficou aquém do que o leitor espera eu acho.

 

Maioria das pessoas, vamos ser sinceros, quando viaja ou vai viajar para um país com incidência de malária, não vai ao médico. Quase todos acabam por se auto-medicar por isso é importante mostrar os diferentes tipos.

 

Claro que depende do país e do tempo de duração da viagem, mas tem como ter uma ideia de como fazer a profilaxia ou tratar a malária. Encontrei essa informação mas existe vários outros sites com informação bacana:

 

http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/secretarias/svs/malaria

https://www.euroclinix.net/pt/saude-do-viajante/malaria

https://agencia.fiocruz.br/malária

 

 

:)

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora


×