Troca de informações e relatos de trilhas e travessias na região sudeste do Brasil. Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.
#391207 por Cris*Negrabela
07 Ago 2009, 17:13
Essa travessia aconteceu no último final de semana e foi o primeiro trekking para a maioria dos "Sem Limites". E esse relato foi escrito pela katish e devidamente "pitacado" por mim...hehehe

Desde que fomos para Paranapiacaba e mais bebemos que andamos, concordamos que estava na hora de fazermos a primeira "pernada pra valer". Foi quando o Fábio sugeriu a travessia entre SFX e MV. Ajusta daqui, pega informação ali, confirma acolá, fechamos o roteiro: subir pela trilha do Jorge, apartir da Fazenda Monte Verde, acampar no Platô, e no dia seguinte, descer pela trilha da Faz. Santa Cruz. Pensando em eliminar os quase 20km de subida entre a Fazenda Santa Cruz e a Fazenda Monte Verde, onde deixaríamos os carros, contatamos o Ritchie, taxista de SFX, acertando o valor de resgate.

Roteiro fechado, convites feitos, fecharam na empreitada Fábio, Felipe, Eros, Cris, Vivi, Katia e a Mayla.

Saímos de SP na sexta feira a noite com destino a São Francisco Xavier, onde chegamos perto da meia noite. Erramos a saída da Dutra em São José dos Campos (dica: pegue a saída a Rod. dos Tamoios e mantenha-se na pista local ) e tivemos que fazer o retorno mais lá na frente. Em São José dos Campos é fácil, basta seguir as placas para Monteiro Lobato e São Francisco Xavier. A estradinha entre São José dos Campos e Monteiro é sinuosa, sem acostamento e mal sinalizada... Chega a ser quase hipnótica, vai dando um sono... Já entre Monteiro Lobato e São Francisco Xavier a estrada está mais bem sinalizada embora seja tão sinuosa quanto o trecho anterior, o asfalto é novo. Cuidado com vacas atravessando a pista! Por pouco não "viramos estatística" por conta dum "incidente bovino"...

Nos hospedamos no Pouso do Poeta (R$ 20,00 pp sem café - (12) 3926-1716, com Sílvia). Pousadinha simples mas bem ajeitadinha, uma construção separada da casa principal. No andar de baixo tem uma cozinha e um banheiro, no andar de cima são 3 quartos sendo uma suíte. Acordamos cedo no sábado, 6 horas da manhã, mas só conseguimos sair da pousada as 7:20. Pausa na praça central para o café e para acertar o resgate com o Ritchie, taxista da cidade, para nossa volta no domingo.

Seguimos então para a fazenda Monte Verde, onde começa a trilha do Jorge que leva ao mirante de SFX e tb ao ponto onde parte a trilha pra MV. Após 5km de estrada de terra sinuosa deixamos o carro no estacionamento da referida fazenda, alguns alongamentos e iniciamos a caminhada as 9 da manhã ao lado da porteira no final da estrada. A trilha do Jorge nem chega a ser uma trilha, é uma estrada antiga e erodida, bem aberta. A subida é íngreme e constante, sem tréguas. Para nossa sorte o tempo estava agradável, um solzinho gostoso, mas com uma brisa refrescante. Nossas mochilas tornam a subida mais lenta, em cerca de 2 horas chegamos a bifurcação onde à direita vai pra MV e seguindo reto ao mirante. Escondemos nossas cargueiras no mato e subimos até o mirante. Longa pausa pra apreciar a vista e jogar conversa fora e voltamos à bifurcação para almoço. Na descida de volta a bifurcação, encontramos o BrunoSJC, aqui do mochileiros.com. Encontramos também um guia de SFX, o Miragaia, acompanhando um casal que subia até o mirante. Ótimo guia, nos deu algumas dicas que foram muito úteis, falou sobre a natureza ao redor e se despediu nos deixando com uma ótima impressão.

Pouco depois das 13 horas iniciamos a descida até MV. Aqui sim, o caminho parece mais com uma trilha, mata mais fechada e bem demarcada. Em alguns pontos, os bambus fecham o caminho quase completamente, então é como brincar de "cama de gato" pra passar em alguns trechos. Num certo ponto, chegamos a perder a trilha! O emaranhado de carafás escondia a continuação dela em um ponto que "parecia" uma bifurcação. Passamos direto e só depois de nos enroscarmos todos no bambuzal que percebemos o erro. A descida até Monte Verde parece interminável, há muitos troncos caídos pelo caminho (para o desespero da Mayla, que por ser baixinha, tinha que apelar para o malabarismo para transpor alguns) e pontos escorregadios, garantindo tombos memoráveis e gargalhadas ídem.

Passadas 3 horas cruzamos o último riacho e duas cercas de arame farpado com passagem para pedestres e desembocamos numa estradinha de terra em MV. Desanimados com a idéia de subir a Rua das Montanhas a pé com carros jogando poeira vermelha em nós, decidimos andar até o centro de MV, seguindo a dica do Miragaia, e tentar transporte até a mais perto do platô, onde passaríamos a noite. 1 hora depois e chegamos ao centro..

O ambiente urbano, somado a uma ou outra cara feia ou de espanto dos carros que passavam por nós, o conforto e o cheiro de comida deram uma cortada no clima.. sentamos na praça em frente ao bradesco, mais conversa fiada e acertamos com 2 táxis de nos levarem até o café platô (pagamos 30 reais pela corrida dos dois carros). No café sentamos, pedimos cervejas e dá-le mais conversa fiada... quando fomos ver já passava das 6 da tarde! Reunindo as últimas forças iniciamos a subida até o platô. Levamos cerca de 1 hora nesta última subida, embora a lua banhasse de luz nosso caminho ligamos nossas lanternas, afinal já estávamos encervejados, cansados e pesados, combinação ótima para tropicões! Aproveitamos a bica d'água no meio da trilha para abastecer nossas garrafas.

Passamos o início do platô e adentramos na mata novamente por uma trilha secundária, encontrando um lugar ótimo para nossas barracas. Rapidamente montamos acampamento e preparamos o jantar (foi aí que parte da turma descobriu que valeu a pena o peso extra: batemos uma senhora pratada de feijão com paio e linguiça, arroz com seleta, batata palha e farofa! Miojo é para os fracos!hehehe). Mais um pouco de conversa fiada e as 21h, a Katia e a Mayla resolveram se recolher, embaladas pelo som do vento farfalhando as folhas das árvores. O resto da turma ainda ficaram até as 23h experimentando receitas alcoólicas variadas, o que invariavelmente resultou numa bela gorfada protagonizada pelo Eros e comentada à exaustão no dia seguinte.

Acordamos no sábado as 7 da manhã com o som do rádio da Mayla. Preguiçosos, fomos levantando e tomando café, arrumando as coisas lentamente e, adivinhem? jogando conversa fora. Seguimos, do local do acampamento até o platô e ficamos embasbacados, admirando o "mar de nuvens" abaixo de nós, do lado paulista da serra - a vista formada pelas nuvens ralas e uns poucos picos acima chegava a lembrar a vista da costa de Ubatuba.

De volta ao acampamento, Katia e Eros desceram novamente até a bica para buscar água, e só saímos do local do acampamento lá pra 11 da manhã. Logo encontramos a trilha que leva ao Chapéu do Bispo e mais em frente dá acesso a trilha que leva à Pedra Partida e Pedra Redonda. Os meninos ainda se arriscaram a subir o Chapeu do Bispo, mas a forte ventania somada a inclinação da pedra apelou ao "bom senso" (traduzindo, bateu cagaço mesmo).

Paramos pra almoçar na estradinha entre as 2 trilhas, e Vivi e Eros aproveitaram pra bater um PF no bar mais alto do Brasil, o Starbar. Imaginávamos gastar cerca de 3 horas pra descer a trilha da fazenda Santa Cruz, e havíamos marcado resgate para as 17h, então quando o relógio avisou 13:30 iniciamos a descida ao lado da porteira no final da estradinha. Puro engano.. pouco mais de uma hora depois já estávamos cruzando a porteira que dá início a trilha.

Mais uma descida íngreme por trilha bem aberta de pedras soltas. Saímos da fazenda e sentamos na estrada por volta das 15h, como nossos celulares estavam todos sem sinal e pretendíamos adiantar o resgate, Mayla e Cris foram até a fazenda ver se conseguiam completar a ligação. A Dona Maria, que trabalha na Fazenda Santa Cruz foi muito prestativa, mas confirmou a informação que o Miragaia havia nos dado: o dono da fazenda proíbe a passagem quando está por lá, já tendo até mandando subir novamente pela trilha quem havia descido. Ela até contou que naquele sábado, dois outros trilheiros que tentaram subir por lá haviam sido barrados, chegaram na fazenda ao mesmo tempo que o dono. As meninas conseguiram completar a ligação, então foi só aguardar pelo Ritchie.

Ás 16h o taxi chegou, levando a Katia e o Felipe até a fazenda Monte Verde pra buscar os carros. Na volta ainda eles ainda econtraram dois trilheiros voltando para SFX, e ao oferecer carona, a katia descobriu que o Rafael e o Edson eram os meninos que haviam sido impedidos de subir a trilha pela Sta Cruz no sábado! Carona dada, companheiros resgatados, restava somente bebemorar o final da trilha na pracinha da cidade. Assim fizemos e partimos em torno das 19:30, de volta pra SP, onde chegamos às 23h.

#391401 por Fábio Borges
07 Ago 2009, 22:57
Só lembrando que só vi a vaca ou o boi quando ele virou para o carro e o farol refletiu os olhos dele kkk o pessoal estava sonolento, mas a vaca provocou uma dose de adrenalina impar kkkk
belo relato Cris e Katia
beijos
#391407 por Cris*Negrabela
07 Ago 2009, 23:27
comentários pertinentes:

- Respeite o limite de 40km da estrada entre Monteiro Lobato e SFX... curvas beeem fechadas podem esconder uma vaca (como já cantava Raulzito...."Não pare na pista!");

- Dá pra notar pelo relato que a gente fez o trekking mais "relaxado" da história hehehe... isso nos ensinou algumas coisas importantes sobre planejamento de tempo, porque até começamos bem, mas como toda a parada acabava por se tornar uma "reunião" devido ao bate-papo, perdemos muito tempo útil... e trilha que começa ou termina na proximidade de um bar... não dá certo hahahaha

- O feijao em caixinha da Camil vale o peso! Aquela pratada foi fundamental pra fechar o dia de pernadaa - e deu certo porque planejamos o rango em coletivo (um levou o feijao, outro o arroz, outro os (dois) fogareiros, outro a farofa e a batata. Demorou uns 15 minutos pra ficar pronto na espiriteira... e ficou bom pra daná! Uma caixinha de feijao alimenta bem duas pessoas, pesa bem menos que uma lata de feijoada, e se fizer "qui nem nóis" que jogamos um paio no meio... nhaaaaaam....
#391561 por Cris*Negrabela
08 Ago 2009, 21:47
Jorge Soto escreveu:Sem limites, como assim??? Poxa, ces fizeram td as pressas e ficaram sem ver o Pico do Selado e a Pedra Partida, pô! Aquilo é o melhor de td pernada!


Olha Jorge... sem limites foi a nossa enrolação e a nossa capacidade de falar mais que a boca...

Pense em tudo que nao deve ser feito no que se refere a uma caminhada... risque uns 25% da lista e pode ter certeza que os outros 75% nós fizemos hahahaha. Isso inclui esquecer os relatos impressos (inda bem que tem uma "memória de elefante" integrando o grupo), ir com bota cheirando a loja de tão nova pra trilha, levar pelo menos 3kg totalmente desnecessários na mochila, e o que mais nos comprometeu: enrolar horas jogando conversa fora nas paradas que fizemos!

Passamos pela porteira da trilha do jorge as 9h20... pouco depois das 11h00 os últimos integrantes chegaram (se arrastando) na bifurcação, o que consideramos um ritmo até que razoável pra 5km e 1000m de subida. E achar isso razoável foi, afinal, o nosso erro, pois apartir daí ficamos totalmente relaxados, perdendo muito tempo na Pedra da Onça e mais tempo ainda nas paradas a toa que fizemos nas descidas - o que nos fez chegar no centro de MV mais de 16h! Isso sem falar a parada no bar!

No dia seguinte, acordamos e continuamos no ritmo relaxado e preguiçoso... começamos a despertar por volta das 7h, com parte da turma se dando conta do saldo da pernada - um pé cheio de bolhas por conta da bota nova (a gente bem que tentou avisar...), um joelho do tamanho de uma bola de volley por conta da descida ingreme... vendo isso e somado a desinformação (não sei de onde enfim pegamos a info que levaria 3h pra descer a trilha ate a fazenda Santa Cruz)... morreu o pique, nao dava pra forçar! Preferimos deixar os picos pra póxima... Daí enrolamos maaais ainda e só estávamos prontos pra andar as 11h!

Tem milhares de coisas a corrigir: programar as paradas, tem gente ( hmm eu? ::mmm: ) precisando melhorar o condicionamento nas subidas, não levar peso a toa, agilizar a saída do acampamento...em resumo, a pernada não foi de todo inútil - definitivamente um trekking xinfrim, mas absurdamente divertido. Pelo menos, aprendemos como diversas coisas não devem ser feitas para aproveitarmos mais o que os lugares tem a oferecer...
#391656 por Jorge Soto
09 Ago 2009, 06:56
Ahhh, entendi.. entao deveria ser Sem Limites & Sem Noção! ::lol4:: by the way, td mundo sabe q a combinacao pernada + breja nao é nada salutar p/ qq cronograma q se preze, alem da falta de disciplina c/ horarios! Falta de condicionamento tb nao é entrave algum p/ nada, pois é um item q pode ser compensado de outra forma: saindo mais cedo! E por ai vai.. De qq forma, vcs durtiram, mesmo com esses contratempos.. e por isso ja ta valendo! Vivendo e aprendendo!
#391699 por Cris*Negrabela
09 Ago 2009, 11:50
Sem limites, sem noção, sem foco, sem disciplina, mas divertidos pra caramba ::lol4::

Eu nem arrisco dizer que um dia esse grupo será "austero e sério" - num dáááá, olha o naipe das criaturas reunidas! heehhe Mas pelo menos já sabemos onde (e o mais importante: o porquê) temos que mudar e que nas próximas, não dá pra fazer do mesmo jeito (isso inclui, desviar da triha pra passar no bar!)

"Foco e disciplina", como diz a Claudia, que foi com a gente para o Lopo. Se nem isso resolver .... ai é caso de levarmos um ::quilpish:: !

::toma::
#391738 por Speedy Gonzales
09 Ago 2009, 14:59
Eaeeee pessoal!!!

Gostei muito do relato de vocês meninas!!! Muito bem narrado!!! :lol:

Meeeww, to querendo fazer essa trilha aae até MV.
Aliás, oque tem em MV pra se ver?!
Uma passadinha rápida no mirante de SFX?!
Aparentemente a Pedra Redonda fica no meio da caminhada, alí na divisa, né não?! E ela parece ser a estrela da região junto da Pedra Partida.
Eu sou aqui de SJC, pertinho de SFX e nunca fui trilhar por aquelas bandas... :|

Aliás... to doido pra fazer minha primeira trilha de verdade, com pernoite e tals... Claro que gastando muito pouco e me divertindo muiiitoo!! :P
Em quanto tempo oceis fizeram tudo isso?! Desde sampa até Sampa denovo?! rs

Da próxima vez que forem me avisem, eu to dentro! ^^

Abraços!!

--
stealporch@hotmail.com
#391751 por Cris*Negrabela
09 Ago 2009, 16:15
A gente encarou essa presep...digo pernada num fim de semana, seguindo como base outros relatos bem mais detalhados que esse ehehe
Pelas minhas contas... nao gastamos mais que $70 (isso quem gastou mais).
Acho uma boa pra quem nunca fez nada do gênero... vai andar pra caramba e descobrir porque uma boa mochila faz diferença! hehehe

Ah, se seu joelho não é nenhuma brastemp... leve bastão, nem que seja um cabo de vassoura! hehehe
#391756 por ogum777
09 Ago 2009, 16:41
negrabela escreveu:A gente encarou essa presep...digo pernada num fim de semana, seguindo como base outros relatos bem mais detalhados que esse ehehe
Pelas minhas contas... nao gastamos mais que $70 (isso quem gastou mais).
Acho uma boa pra quem nunca fez nada do gênero... vai andar pra caramba e descobrir porque uma boa mochila faz diferença! hehehe

Ah, se seu joelho não é nenhuma brastemp... leve bastão, nem que seja um cabo de vassoura! hehehe


é, agora tá virando trilheira... hahaahhahahaha ::hahaha:: ::hahaha:: ::hahaha:: ::hahaha:: ::hahaha:: ::hahaha::
a gente fala, mas o povo não ouve... hehehehehe
#391780 por Cris*Negrabela
09 Ago 2009, 18:54
::lol4::
desde quando eu virei um poço de sabedoria? ::lol3::

Eu já fiz trilha de cerca de 1h30 pra chegar em camping com tudo dentro da "Tartaruga Ninja" (mochila de lona, verde e enorme, que só tem as alças). Era mais jovem, mais leve e mais disposta. E sempre era um martírio vencer um morrinho idiota... sentia as costas doerem horrores nos dias seguintes por conta disso...

E acabo de andar dois dias seguidos com a Mont Blanc nas costas... a cargueira é usada, surrada pra danar, enquanto eu sou o suprasumo da aplicação do termo "roliça" e com pouco condicionamento. E nem senti a mochila! OOOutra Vida!!!hahaha
#391795 por ogum777
09 Ago 2009, 19:58
negrabela escreveu:::lol4::
desde quando eu virei um poço de sabedoria? ::lol3::

Eu já fiz trilha de cerca de 1h30 pra chegar em camping com tudo dentro da "Tartaruga Ninja" (mochila de lona, verde e enorme, que só tem as alças). Era mais jovem, mais leve e mais disposta. E sempre era um martírio vencer um morrinho idiota... sentia as costas doerem horrores nos dias seguintes por conta disso...

E acabo de andar dois dias seguidos com a Mont Blanc nas costas... a cargueira é usada, surrada pra danar, enquanto eu sou o suprasumo da aplicação do termo "roliça" e com pouco condicionamento. E nem senti a mochila! OOOutra Vida!!!hahaha


então, fia, vc tá escalada pra no "mochilas, qual comprar" ficar respondendo e contando isso pra tudo quanto é mina que chega perguntado de ochila. 90% delas optam pelo visual da mochila, e eu fico batendo sozinho na tecla que precisa ser adaptada ao corpo feminino... faz diferença, não faz? faz pra dedéu! :!: :!: :!: :!: :!:

mochila não tem que ser esse ou aquele modelo, mas o adequado. puts, é tão difícil fazer as pessoas entenderem...

é, tá virando mochileira.. hehehehe
#391821 por Augusto
09 Ago 2009, 22:05
Vou fazer coro com o Jorjão.
Vcs deveriam ter ido no topo da Pedra Partida (dava para ir logo pela manhã e voltar no maximo 2 hrs depois) e se pudessem chegar também no topo do Selado, no dia anterior.

O visual desses pontos é um dos melhores de MV.
Vale a pena.

Mas pelo menos da próxima vez já fica a dica: nada de preguiça e enrolação. ::lol4:: ::lol4:: ::lol4:: ::lol4:: ::lol4::
Quem vai para a trilha quer mesmo é andar. ::otemo:: ::otemo:: ::otemo:: ::otemo:: ::otemo::


Abcs

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 2 visitantes