Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''esquel''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas Rápidas
    • Perguntas e Respostas & Roteiros
    • Cupons de Desconto
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Companhia para Viajar
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo e Mochilão roots
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 3 registros

  1. De carro pela Patagônia Norte, Argentina: Buenos Aires, Sierra de la Ventana, Puerto Madryn, Península Valdes, Esquel e Bariloche - 16 dias Fotos: https://www.flickr.com/photos/[email protected]/ Quando De 20/12/14 a 05/01/2015 Quilômetros rodados: 5.400 km Os viajantes Eu (Luis), minha esposa (Elisa) e meus filhos Felipe (12 anos) e Rafael (10 anos). A ideia da viagem Em 2011 fizemos uma viagem de carro de Campinas até San Pedro de Atacama, visitando vários lugares do norte da Argentina (relato aqui http://www.mochileiros.com/deserto-de-atacama-de-carro-e-com-criancas-t51654.html). Ficamos muito impressionados com a beleza das paisagens, organização, preços (custo-benefício muito superior ao brasileiro), etc. Nos deu uma vontade de querer visitar outros lugares da Argentina. Os candidatos seriam Cordoba, Catamarca, Península Valdes, Bariloche e a parte sul da Patagônia. Queríamos fazer outra viagem de carro por lá. Visitar todos estes lugares, saindo do Brasil, demandaria muito tempo e muita quilometragem. Tiramos a parte de Catamarca, por ser parecida com as regiões que visitamos no norte (Salta e Jujuy). Roteiro Veio a ideia de tomar um avião para Buenos Aires e de lá alugar um carro para a viagem. Ganharíamos tempo, eliminaríamos um longo trecho de locomoção e teríamos um carro com placa argentina, o que nos deixaria quase como locais e despertaria pouca atenção. Resolvemos fazer um triângulo, com início e fim em Buenos Aires, cobrindo o norte da Patagônia. Iríamos para a Puerto Madryn, como base para a Península Valdes e região. Depois cruzaríamos a estepe patagônica em direção aos Andes, fazendo uma parada em Esquel para visitar o Parque Nacional los Alerces. De lá seguiríamos para Bariloche, onde encontraríamos um casal de amigos, passaríamos o ano novo e exploraríamos a região. Depois era pegar a estrada e voltar até Buenos Aires, 1.600 km sem nenhuma atração realmente interessante. As cidades seriam: Buenos Aires, um dia Bahia Blanca, somente pernoite (depois trocado por Sierra de la Ventana) Puerto Madry, quatro dias Esquel, dois dias Bariloche, cinco dias Quehue, pernoite Buenos Aires, dois dias Fechamos um roteiro de 16 dias de viagem e fizemos as reservas de todos os hotéis pela internet (booking.com, etc) ou diretamente com os sites dos hotéis. Duas semanas antes da viagem conhecemos um viajante argentino aqui no Brasil e ele nos deu algumas dicas bem legais. Entre outras, disse que Bahia Blanca era uma cidade grande, sem atrativos, e que havia opções mais interessantes para pararmos (Las Grutas, Carmen de Patagones, Monte Hermoso). Depois de pesquisar na internet, encontramos Sierra de la Ventana, uma charmosa cidadezinha com um parque provincial próximo. Se chegássemos cedo poderíamos fazer uma trilha no parque. Mudamos a reserva de Bahia Blanca para lá. A viagem Sábado, 20 de dezembro de 2014. Pegamos um voo da Gol, que saiu atrasado de Guarulhos. Chegamos em Ezeiza, onde atrasamos ainda mais com a fila para trocar pesos no Banco de La Nacion Argentina e para pegar o carro na Europcar. Imaginava chegar no hotel umas 15:00, mas chegamos lá pelas 18:00. Ficamos no Hotel Two, que é bem central, perto da Av. Mayo. Demos uma descansada e saímos para um rápido tour pelo microcentro de Buenos Aires. Buenos Aires A primeira parada foi tomar um belo sorvete argentino para animar. Depois fomos visitar a Casa Rosada, Café Tortoni, Av. Mayo, Congresso, Corrientes, Obelisco, 9 de Julio, etc. A primeira impressão foi de que os preços estavam bem mais altos do que nas últimas vezes que estivemos na Argentina. No domingo (21/12), acordamos cedo, tomamos café e rumamos para Sierra de la Ventana. Tinha pouco movimento na cidade e foi bem tranquilo dirigir. Eu estava com um GPS Garmin, com um mapa da Argentina que baixei gratuitamente no site do Proyecto Mapear (http://www.proyectomapear.com.ar/). Tem vários arquivos POI que vale instalar no GPS. Sierra de la Ventana Pegamos a ruta 205 até Azul, onde pegamos a 76. As estradas são muito boas e com pouco movimento. Passamos por paisagens rurais muito bonitas, que ora lembravam a Europa, ora o interior dos Estados Unidos. Tudo muito plano. Quando apareceram as primeiras montanhas, era sinal que estávamos chegando em Sierra de la Ventana. Antes de ir para a pousada, fomos visitar o Parque Provincial Ernesto Tornquist (http://www.tornquist.gov.ar/index.php/turismo/donde-ir/parque-provincial-ernesto-tornquist.html). Fizemos a trilha da Garganta Olvidada, que é bem tranquila e leva pouco mais de uma hora para ir e voltar. Não é nada excepcional, mas valeu para fechar um dia de viagem com quase 600 km. Tem algumas trilhas bem mais longas e bonitas lá, mas não teríamos tempo para faze-las. A cidade de Sierra de la Ventana é pequena e bem bonita, com muito verde, cortada por um rio (Sauce Grande) e com um ar rústico de vila de montanha. Deu vontade de ficar lá mais tempo. Depois descobrimos que tem um trem que vai de Buenos Aires (ou de La Plata) até lá. Quem sabe numa próxima... Puerto Madryn No dia seguinte (segunda, 22/12) foi o de sempre: acordar cedo e pé na estrada para chegarmos em Puerto Madryn. Pegaríamos a ruta 3, que é a principal ligação de Buenos Aires com a Patagônia, por isto, tem bastante movimento e muitos caminhões. Cruzamos com vários brasileiros que iam de carro ou moto para Ushuaia. Longas retas até Puerto Madryn com a paisagem da estepe patagônica. Chegamos em Puerto Madryn com o sol ainda alto, achamos o hotel e fomos conhecer a orla da cidade. No dia seguinte (terça, 23/12), fomos até o Museu Paleontológico de Trelew e na pinguineira de Punta Tombo. Ambos valem a visita. No museu está o fêmur do maior dinossauro já encontrado e várias coisas interessantes. Punta Tombo A viagem de Puerto Madryn até Punta Tombo é longa, 180 km, com a parte final em rípio, mas chegando lá, você nem se lembra disto. O parque é muito bem organizado (ARP$ 90 por pessoa), com caminhos para visitar a área. Estes caminhos passam pelos lugares que os pinguins fazem ninho e criam os filhotes. É um espetáculo ver a quantidade e a festa dos pinguins. Além deles, tem guanacos (parentes das lhamas), emas, cuyzes (um pequeno roedor) e muitas outras aves. É um lugar privilegiado pela natureza. Dizem ter 500 mil pinguins lá. Para fechar com chave de ouro, quando estávamos próximos da praia apareceu uma baleia com um filhote, bem próximo, a uns 100 metros da costa. Península Valdes Na quarta (24/12), fomos visitar a península Valdes, http://www.peninsulavaldes.org.ar (ARP$ 180 por pessoa). Como já sabíamos, seria um dia com muita distância (uns 400 km, na maior parte em rípio) e sem muita infraestrutura. Então, leve o que você precisará e saia com o tanque cheio. Na entrada do parque nos informaram que a Punta Delgada estava fechada. Fomos para a Caleta Valdes. Na chegada já avistamos um grupo de orcas procurando lobos marinhos para o almoço. Fomos para a pinguineira da Punta Cantor, com pinguins, lobos e elefantes marinhos. O dia estava ensolarado, com a cor azul do mar dava uns visuais muito bonitos. Fomos em vários pontos de observação perto da Punta Cantor e depois seguimos para a Punta Norte. São vários quilômetros de rípio beirando a caleta, com paisagens bonitas e guanacos selvagens. Punta Norte é mais do mesmo (da Punta Cantor). Se você tiver pouco tempo, explore somente a área da Punta Cantor e volte. Não perderá nada especial. Depois da Punta Norte fomos até Puerto Piramides para conhecer e comer. O lugar foi mais bonito do que esperávamos. Vale a visita. No dia de Natal, diminuímos o ritmo. Visitamos a loberia de Punta Loma (16 km de Puerto Madryn, rípio), almoçamos em Puerto Madryn e tiramos o dia para descansar. Um passeio que queria ter feito era mergulhar (snorkel) com leões marinhos (ARP$ 1.100). Procurei para fazer no dia de natal mas as operadoras estavam fechadas. Fica para uma próxima. Dia 26/12 era para pegar a ruta 25 e cruzar a Patagônia rumo a oeste, chegando em Esquel. A ruta 25 tem trechos muito bonitos, seguindo o Rio Chubut. Parece muito o meio-oeste americano (Arizona), com cânions, mesas e montanhas avermelhadas. Paramos para comer e abastecer no pequeno vilarejo de Los Altares. Além de lá, alguns outros vilarejos têm postos de gasolina. Antes de Esquel pegaríamos a mítica ruta 40, que vai de La Quiaca a Ushuaia. Neste trecho ela está asfaltada e presenteia o viajante com belas vistas. Esquel Esquel é uma pequena e simpática cidade, onde funciona uma estação de esqui durante o inverno. No verão, os atrativos são a maria-fumaça La Trochita (http://www.patagoniaexpress.com/el_trochita.htm) e o Parque Nacional Los Alerces. Fizemos o passeio de trem no sábado (ARP$ 300 por pessoa) e o safári lacustre pelo PN Los Alerces no domingo (ARP$ 450 por pessoa). Ambos são altamente recomendados e precisam de reserva, que fizemos pela Diucon Viajes (http://www.diucon.com/). Leve lanche para o safári lacustre no parque. Do Parque de Los Alerces passamos por El Bolson rumo a Bariloche. A estrada é de uma beleza indescritível. É um atrativo por si só. Bariloche Em Bariloche dividimos nossa estada em dois lugares: um chalé de montanha e um hotel no centro. Foi bem legal fazer isto. O chalé foi um ponto alto, pelo visual e conforto. Lá encontramos um casal de amigos do Brasil e fizemos um memorável churrasco com carne argentina. A carne é outra coisa comparada ao que tomos aqui. Bariloche nos impressionou muito. Tínhamos por ela até um certo preconceito, mas tivemos que rever os conceitos. Fomos no Cerro Campanário (visual impressionante, segundo a National Geographic, um dos 10 mais bonitos do mundo), Cerro Catedral (muito frio e neve mesmo no verão), Circuito Chico (mais ou menos), Circuito Grande (espetacular!) e passeios no centro. Retorno a Buenos Aires De Bariloche a Buenos Aires tínhamos longos 1.600 km, quebrados em 2 dias e sem nenhum atrativo. Na saída de Bariloche, a estrada vai acompanhando o leito do Rio Limay, com visuais impressionantes, mas logo isto acaba e encaramos a estepe patagônica e a pampa, paisagens bem monótonas. Paramos para dormir no minúsculo vilarejo de Quehue após longos 900 km de direção. Neste dia pegamos a única estrada ruim na viagem, um trecho de 20 km na ruta 152, perto do Parque Nacional Lihue Calel. No último dia de viagem de carro, teríamos mais 700 km até Buenos Aires, cruzando a pampa cultivada. Chegamos com tranquilidade, mas o trânsito da cidade estava todo bagunçado, pois era a largada do Rally Dakar. Devolvemos o carro na Europcar em Puerto Madero e fomos ver a saída do rally. Depois fomos até Palermo, onde ficava o nosso flat. Palermo é o meu bairro preferido em Buenos Aires. Um misto de antigo e novo, com ruas arborizadas e com os parques. Aproveitamos um domingo de sol e na segunda pegamos o voo de volta ao Brasil. Mais uma vez, ficamos com um excelente impressão da Argentina e dos argentinos. E olha que eles estão em crise há décadas! Imagino como deveria ser nos tempos áureos. Dicas Aluguel de carro, estradas, gasolina, pedágio, etc Aluguei o carro diretamente pela Europcar (http://www.europcar.com/). Escolhi um carro da categoria de um Fiat Siena ou Renault Logan (me deram este). Optei por não fazer os seguros CDW e TDW, o que barateou bastante o preço. O meu cartão de crédito oferecia cobertura para isto. O aluguel ficou por US$ 40/dia, sem imposto. O carro tinha ar-condicionado e som com USB, mais nada. Apesar de já estar com 59.000 km quando pegamos, o Logan se portou bem. A média de consumo foi de 12 km/litro. O preço da gasolina na Argentina varia bastante de província para província. Em Buenos Aires saía por ARP$ 13 e em Chubut saía por ARP$ 8,7. Sempre colocamos a Super, na maioria das vezes nos postos YPF. Encontramos pedágios na grande Buenos Aires e na província de Buenos Aires. Preços variando de ARP$ 6 a 16. Nos demais lugares não havia pedágio. As estradas argentinas são normalmente de pista simples, com duas mãos. Isto não é um problema, pois a condição do pavimento é normalmente muito boa e a geografia ajuda muito (plano e sem curvas). Dá para andar a 120 km/h tranquilamente em quase todos os lugares. Não fomos parados pela polícia em nenhum lugar - talvez por estar com placa argentina. Em nossa viagem anterior para San Pedro de Atacama fomos parados muitas vezes na Argentina, mas não tivemos problemas com policiais pedindo dinheiro. Preços e Câmbio A sensação que tivemos é que os preços argentinos estão bem altos se calculados pelo câmbio oficial, mesmo os preços de supermercados. Fazendo o câmbio pelo paralelo, fica mais barato do que o Brasil. O preço de hotéis é bem mais barato do que no Brasil, por qualquer câmbio. O que pagávamos lá dificilmente conseguiríamos algo semelhante no Brasil. Se fizer a conta pelo paralelo, fica mais barato ainda. Como referência, uma refeição com bife de chorizo e acompanhamentos saía em média por ARP$ 150. O remis de Palermo a Ezeiza nos custou ARP$ 320. Hospedagem Todas as hospedagens aqui listadas são para quartos quádruplos. Buenos Aires, centro, Two Hotel (http://www.twohotelbuenosaires.com.ar/), a US$ 120 com café da manhã e estacionamento. Sierra de La Ventana. Ficamos no excelente Las Retamas (http://www.lasretamasapart.com.ar/), são habitações com quarto, banheiro, sala, cozinha e varanda, além de uma linda área comum com piscina. Foram ARP$ 800, café da manhã bem básico. O dono é o simpático Guillermo. Puerto Madryn. Hostel El Gualicho (http://www.elgualicho.com.ar/), quarto privativo com banheiro, além de café da manhã e estacionamento. Preço ARP$ 750. Já tinha lido muitos relatos positivos sobre o El Gualicho, mas fiquei positivamente surpreso. Muito bem organizado, limpo, uma energia bacana, pessoal atencioso e viajantes de todos os lugares. Tem uma cozinha compartilhada e ótimo espaço interno. Recomendo. Esquel: Esquel Apart (http://www.esquelapart.com.ar/). Apartamento mobiliado, bem cuidado, sem café da manhã, ARP$ 628. Bariloche, Cabañas Tierra Sureña (http://www.tierrasurena.com.ar/). Chalé alpino, espaçoso e bem mobiliado, numa paisagem sensacional, ao pé das montanhas. Tem área de churrasqueira (usamos e aprovamos!). Sem café da manhã. Diária: ARP$ 1.200. Bariloche, centro. Hotel Edelweiss (http://www.edelweiss.com.ar/). Hotel 4 estrelas com ares de classudão velha-guarda, mas com quartos modernos e espaçosos. Excelente atendimento e ótimo café da manhã, piscina aquecida no terraço panorâmico. Diária: ARP$ 1.750. Quehue, Hotel Quehue (http://www.ruta0.com/general-acha/hotel-hotel-quehue.htm). Hotel novo, num ponto intermediário entre Bariloche e Buenos Aires. Café da manhã básico (padrão argentino), por AR$ 700. Buenos Aires, Palermo. Flat Color Botanico (http://colorbotanico.com/). Flat novo, bem mobiliado, numa rua de paralelepípedos e coberta por árvores em Palermo Viejo. Excelente localização para Palermo, parques e estação de metrô (Plaza Italia). Sem café da manhã. Diária: ARP$ 1.100. Câmbio Referência – de 20 de dezembro de 2014 a 5 de janeiro de 2015 R$ 1,00 = 3,35 pesos (oficial no Banco La Nacion Argentina - Ezeiza) Oficial: US$ 1,00 = ARP$ 8,55 Blue (paralelo): US$ 1,00 = em média ARP$ 13 (variando de ARP$ 12 a 13.5) Acompanhar a cotação do oficial e do blue pelo site do jornal La Nacion: http://www.lanacion.com.ar/dolar-hoy-t1369 Como fazer câmbio no blue? Fora de Buenos Aires eu troquei dólares em lojas, postos de gasolina e cambistas. Nem todo lugar tem interesse em trocar e alguns oferecem taxas bem baixa. Em Buenos Aires, os cambistas da Calle Florida são a melhor opção. Tem a famosa Boston Cambio lá, além de muitas outras. Não tivemos problemas com notas falsas, mas já ouvi relatos de quem teve. Dólar ou real? Dá para levar qualquer um dos dois. Dólar é amplamente aceito, em qualquer lugar. Para reais é mais fácil trocar em cidades maiores, como Buenos Aires e Bariloche. Cartão de crédito? Levei e paguei algumas coisas com cartão de crédito, mas além do câmbio oficial ser desfavorável, o IOF piora ainda mais a conta. Vale levar como segurança. Sites úteis Ruta0, http://www.ruta0.com. Várias informações úteis sobre estradas, hotéis e conteúdo gerado pelos usuários. Muitos hotéis que não estão em outros sites podem ser encontrados lá.
  2. ESQUEL – PATAGÔNIA ARGENTINA P.N. LOS ALERCES – LAGOS FUTALAUFQUEN E KRÜGER Passei 20 dias na Patagônia Argentina fazendo trekking, 13 noites em barraca, 2 noites em refúgios de montanha, numa região muito bonita, compreendida entre Esquel, El Bolsón e Bariloche. As demais noites em hostel ou hospedajes, nas cidades. A ideia inicial era fazer Dientes de Navarino e Torres del Paine. Mas o incêndio em TDP me fez mudar de planos. Embora o circuito “O” já estivesse reaberto não queria caminhar por lá vendo a devastação causada pelo fogo. Deixo para o ano que vem, quando parte da vegetação (a rasteira) já deve ter regenerado. Dividi a viagem em 3 etapas: Esquel, El Bolsón e Bariloche. Para cada uma delas farei um relato. Iniciando as férias fui de Buenos Aires (BsAs) para Esquel. Não havia vôo para a cidade. Parece que o aeroporto não estava funcionando. Foram 26 horas de ônibus. Esquel é uma cidade pequena, de cerca de 32.000 habitantes, que fica exatamente na área de transição da estepe patagônica com os primeiros contrafortes dos Andes, na província de Chubut. Fiz amizade com outros passageiros do ônibus, dois irmãos argentinos, Luciano e Fernando, de BsAs. Saímos da rodoviária em busca de alojamento porque não dava para ir para o parque nacional devido ao adiantado da hora (cerca de 19 horas). O único ônibus diário para o Parque Los Alerces saia as 08 hrs. da manhã. Conseguimos um quarto com 2 beliches e uma casa de casal por 180 pesos para os três, no Hostel del Camiñante, a apenas 3 minutos de caminhada da rodoviária. Melhor, muito melhor, que pagar 60 pesos cada um para ficar num quarto coletivo com muito mais pessoas no mesmo hostel. Saímos para comprar algumas coisas como salame, pão e queijo, ruim para trazer no ônibus desde BsAs. Depois fomos jantar uma pizza e cerveja. O centro é pequeno. 27/02/2012 Dia seguinte, saímos para a rodoviária as 07:30 onde pegamos o ônibus para Villa Futalaufquen (AR$ 20), onde fica o Centro de Visitantes do Parque Nacional Los Alerces. Na fila da boletería conheci Luciano, paulistano, e Raquel, carioca. Olha o Brasil nos recantos da Patagônia! O ônibus levou quase 1 hora para chegar a Villa Futalaufquen, que fica numa das extremidades deste lago. Na entrada do parque a mesma descriminação que já observei em outros lugares na Argentina. Argentinos pagam AR$ 20 e estrangeiros AR$ 60. Aqui no Brasil não praticamos esta diferenciação. E, afinal, nós brasileiros somos estrangeiros ou cidadãos do Mercosul? Todo mundo foi na minha onda e quiseram fazer a trilha para o Lago Krüger. O guardaparque Emanuel nos deu boas informações sobre a trilha. O 1º pernoite na trilha só poderia ser feito no camping selvagem de Playa Blanca se tivéssemos calentadores (fogareiro). Para mim e para os argentinos não era problema, pois tínhamos. Mas Luciano e Raquel não possuíam. Disseram que comeriam comida fria. Mas o guarda foi conciliador. Sugeriu que já que estávamos em grupo os calentadores (meu e dos argentinos) poderiam ser utilizados pelos demais e assim todos obtivemos autorização para acampar em Playa Blanca. Começamos o trekking debaixo de leve chuva. O início é por uma estrada até porto Limonao ou numa trilha costeira ao lago, paralela a estrada. Cerca de uma hora depois estávamos passando ao lado de um hotel em Porto Limonao e começava a trilha de fato. Seguia ainda não distante do lago, nas fraldas de um morro quando, em determinado momento, virava a esquerda e subia o morro. O lago Futalaufquen lembra um “U” invertido. Começamos na ponta invertida direita (Villa Futalaufquen) e subimos direção Norte até quase a curva do “U”. daí cruzamos rumo geral Oeste para a outra perna do “U” invertido, subindo o morro. A subida estava molhada e um pouco escorregadia. A floresta era predominantemente Caña Colihue (espécie de bambu) e altos Coigües. Numa parada para descanso, uma coruja curiosa ficou nos mirando. No topo começamos a fraldear o morro no meio de uma vegetação bem mais baixa, boa parte composta de samambaias. Num ponto para descanso a chuva ficou mais forte. Emprestei o corta-vento para Luciano, pois ele não tinha um agasalho. Eu estava usando o meu abrigo de Gore, mais respirável. Recomeçamos e a vegetação molhada que roçava nas calças e botas rapidamente deixou-as molhadas e as pernas frias. A bota, de Goretex, rapidamente saturou e as meias ficaram encharcadas. Eu tenho uma grande desconfiança quanto ao Goretex nos calçados. Em minha opinião o material apenas ajuda o pé a transpirar melhor num dia quente, mas é ruim no quesito impermeabilidade. A água rapidamente entra na bota. Me arrependi de não ter colocado a calça impermeável e as galochas (gaiters) na parada. Sentia um frio desagradável nas pernas e pés, mas suportável. Nestas horas começo a andar mais rápido para gerar mais calor. Baixamos para um pequeno platô e finalmente avistamos o passo rochoso (1.050 metros) que indicava o ponto em que baixaríamos para Playa Blanca. A vista do passo é espetacular: a Playa Blanca linda, nosso destino, direto lá em baixo, as montanhas nevadas ao fundo. A llovizna tinha dado uma trégua. A descida é ingrime e escorregadia. Raquel descia lentamente com medo dos tombos. Fernando estava com o joelho detonado. Havia sofrido uma contusão no passado praticando caratê. Assim fomos a passo de tartaruga. Alguns tombos ocorreram. Chegamos a linda praia. Perto da água, os famosos arrayanes, árvores de tronco liso, parecendo a nossa jabuticabeira, só que de cor canela. Luciano, que é agrônomo, pensou se tratar da mesma família. Mas tarde soube por um guia que são da família do eucalipto. Armamos as barracas bem abrigadas, abaixo das árvores. Local muito bom para acampar, especialmente se o dia estivesse bonito, com sol. Luciano tinha uma tenda da Nautika e Raquel uma Cota 2 da Trilhas e Rumos. Fiquei preocupado com eles. Tomei um banho de lago apesar da garoa que recomeçava. Mesmo com a garoa e as nuvens baixas o lago e a praia estavam bonitos. Criava uma atmosfera intimista, mística. De calção de banho, descalço e com abrigo comecei a cozinhar e fiz uma sopa para Luciano e Raquel, para ao menos eles terem um prato quente. Raquel foi dormir cedo, cansada. Luciano logo depois. O Luciano argentino me ofereceu fideos (massa) que estava muito para ele e o irmão. Aceitei a gentileza. Eles estavam mal equipados. Durante a caminhada observei as mochilas deles e ficava condoído com a dor que deviam sentir nos ombros, pois não tinham o suporte de uma boa barrigueira. O peso estava todo nas alças dos ombros. As mochilas pequenas tinham várias coisas penduradas por fora, inclusive o saco de dormir. E estavam bem pesadas. Calçavam um tênis tipo kichute e um mocassim. Porém o mais importante eles tinham: garra e vontade de conhecer a belíssima natureza da Patagônia. Mais importante do que bons e caros equipamentos é a atitude mental das pessoas. E eram excelente companhia (buena onda), como a grande maioria dos argentinos que conheci nos quase 3 meses de Argentina. 28/02/2012 A manhã acordei sem pressa pois teríamos uma jornada de apenas cerca de 4 horas até o Lago Krüger. Foi Luciano paulistano que me acordou, perguntando por mim. Sua tenda estava meio que uma piscina. Muita água no chão. Não era produto da condensação. Parecia que o tecido e as costuras deixaram passar um pouco de água da chuva da noite. Minha tenda Ligthwave tinha também um pouco de água, mas era muito pouca, fruto da condensação da umidade da minha respiração durante a noite, o que ocorre especialmente em ambientes muito úmidos, como este, a margem de um lago e com chuva. O que me impressionou é que ele, apesar de tudo, conseguiu dormir a maior parte da noite. Só acordou praticamente pela manhã quando a água no chão alcançou o saco de dormir dele incomodando-o. Deve ser porque ele é um paulistano acostumado ao frio. Como baiano eu já teria acordado meia-noite, provavelmente. Raquel me disse que não teve problemas com sua Cota 2. Os argentinos, parece que também passaram frio de noite devido a algum vazamento na barraca deles. Saímos depois do café. Passamos por baixo de grandes troncos de árvores inclinadas e topamos logo depois com uma subida, menor e menos acentuada que aquela do dia anterior. Mas o chão estava bem mais molhado. Fomos lentos em respeito ao passo do Fernando, com o joelho avariado. O irmão, para ajudar, jogou a maior parte do peso na sua própria mochila e agora sofria com a dor nos ombros. Constantes paradas foram necessárias. Numa delas, as margens do Futalaufquen, tirei a foto do grupo. Luciano paulistano, que não tinha algo impermeável para por na cabeça, não vacilou. Improvisou uma touca com um saco plástico. Nada fashion, mas o que vale é o espírito de improvisação para proteção ao frio e a chuva. Cerca de meia hora antes do refúgio avistamos o lago Krüger entre as árvores. Mais adiante avistamos uma fumaça saindo do meio do bosque. Estávamos chegando! Ao chegarmos, vimos que o refúgio não é exatamente um refúgio. E um hotel com diárias de pensão completa a AR$ 550 por pessoa! O camping organizado custava AR$ 60/pessoa, incluindo o banho quente. Caro se considerarmos que um hostel, quarto coletivo, cobrava o mesmo. Em todo caso a área de bar/restaurante com lareira era bonito e podíamos usar e colocar nossas roupas molhadas penduradas em volta do aquecedor a lenha da sala. Até saco de dormir penduramos. Duas jornalistas (uma repórter e uma bonita fotógrafa) do La Nación, 2º maior jornal da Argentina depois do Clarín, estavam lá fazendo uma reportagem sobre a Patagônia que sairia numa edição especial em outubro. Fizeram perguntas e tiraram fotos do grupo. Pediram nossos e-mails para depois enviar a reportagem. O Luciano argentino, ao ser entrevistado, disse brincando que eu era o “macho-alfa” e guiei o grupo. Fiquei bastante encabulado e sem graça com esta declaração. Creio que não devem publicar isto! Seria engraçado a foto do grupo sair na reportagem. Tanta gente rica pagando uma grana para ter uma foto publicada na revista Caras, fazendo poses ridículas e nosso grupo saindo num jornal de graça, porque estávamos nos divertindo! Luciano paulistano e Raquel decidiram voltar no barco para Punta Matos, no outro lado do lago, onde passa o ônibus para Esquel as 19 horas. A passagem era AR$ 110/pessoa. Não é tão caro se considerarmos que são 40 minutos de navegação. O fato é que voltar pelo mesmo caminho, para Villa Futalaufquen, é muito cansativo. Sobretudo porque uma regra do Parque Nacional exige que não se acampe na Playa Blanca na volta, o que tornaria muito cansativa a jornada de dia inteiro (10 horas de trilha). Eu e os argentinos decidimos acampar e pegar o barco apenas no dia seguinte. O camping era arrumado e limpo, perto das margens do lago. Cada área correspondente a uma barraca tinha uma cerca de caña colihue que dava alguma privacidade, uma churrasqueira e mesa com bancos de madeira. Comemos no restaurante a pizza “Lago Krüger” (boa pedida), AR$ 60. 29/02/2012 Dia seguinte fomos para las Pangaranas, trecho muito bonito do rio Frey, a duas horas do refúgio. A trilha original ia até o lago da represa Amutui Quimei (8 horas ida-e-volta) mas por falta de uso foi fechada pela vegetação e não era mais habilitada pelos guardaparques. Seguindo para lá percebemos que a trilha era uma antiga estrada, que foi aberta na época da construção da represa. Trilha fácil e bonita. Las Pangaranas é um trecho do rio que forma um “S”. Local muito bonito. Luciano e Fernando aproveitaram para meditar em cima das pedras, a margem do rio. Fiquei impressionado como Fernando conseguiu fazer a posição do lótus, sentado, com o joelho arrebentado e meditar. Eu mesmo com o joelho bom não consigo esta posição! Ele disse que com a meditação esquecia a dor. Aproveitei para meditar um pouco também. Também tomei um banho de rio. Água fria, mas o dia estava bonito, com sol. Mas o horário da lancha não permitiu ficarmos mais tempo. Retornamos para o camping em cerca de 1:30 hrs e desarmamos rapidamente as barracas e fizemos as mochilas. A lancha saiu pontualmente as 18 hrs. Apenas nós como passageiros. Iríamos nos separar no ônibus, pois regressaria a Esquel e eles ficariam mais uns dias na área deste parque. No barco sugeri que eles visitassem o refúgio Cocinero nas montanhas, que tinha visto num livro, no que o piloto do barco se virou e disse-nos que o refúgio foi destruído a 2 anos atrás por uma avalanche. Os corpos de 3 andinistas que estavam lá foram encontrados dentro dos seus sacos de dormir. Um pesado silêncio caiu. Que sugestão ruim eu fui dar! Isto acontece volta e meia com os refúgios da Patagônia. Passamos pelo estreito Los Monstruos, que liga o lago Futalaufquen ao lago Krüger. Tem este nome devido as trutas de 12 kilos que pescavam ali no passado. Ao chegarmos a punta Matos, andamos 100 metros para atingirmos a estrada. O ônibus atrasou quase uma hora. Dentro dele, gente de todas as nacionalidades, especialmente franceses. Na sede do parque Luciano e Fernando saltaram e me despedi deles. Segui para Esquel. Lá decidi ficar num camping dentro da privacidade de minha tenda ao invés de num bunker dividido um quarto com troscentas pessoas. Devido ao adiantado da hora e ter parado para telefonar num locutório acabei encontrando o restaurante perto do camping fechado. Outro, só distante. Acabei jantando Miojo no camping. E eu que estava com vontade de comer um cordeiro patagônico na brasa.... Na manhã seguinte, ônibus para El Bolsón, seguinte etapa da minha viagem. Fotos: Partida do centro de visitantes de Villa Futalaufquen. Raquel, Fernando, Luciano argentino, Luciano paulistano. Vista do passo direção Oeste, para Playa Blanca. Lago Futalaufquen visto do passo, direção Norte. Eu e Raquel no passo. Playa Blanca debaixo de chuva, no entardecer. Luciano paulistano inventou a touca de montanha, nova indumentária técnica. Vista do lago Krüger da praia em frente ao refúgio. Caminho ao longo do rio Frey. Las palanganas - lugar muito bonito. Voltando para Esquel, rumo a Punta Matos. A frente o Estrecho Los Monstruos. Abraços, Peter
  3. De carro pela Patagônia Norte, Argentina: Buenos Aires, Sierra de la Ventana, Puerto Madryn, Península Valdes, Esquel e Bariloche - 16 dias Fotos: https://www.flickr.com/photos/[email protected]/ Quando De 20/12/14 a 05/01/2015 Quilômetros rodados: 5.400 km Os viajantes Eu (Luis), minha esposa (Elisa) e meus filhos Felipe (12 anos) e Rafael (10 anos). A ideia da viagem Em 2011 fizemos uma viagem de carro de Campinas até San Pedro de Atacama, visitando vários lugares do norte da Argentina (relato aqui http://www.mochileiros.com/deserto-de-atacama-de-carro-e-com-criancas-t51654.html). Ficamos muito impressionados com a beleza das paisagens, organização, preços (custo-benefício muito superior ao brasileiro), etc. Nos deu uma vontade de querer visitar outros lugares da Argentina. Os candidatos seriam Cordoba, Catamarca, Península Valdes, Bariloche e a parte sul da Patagônia. Queríamos fazer outra viagem de carro por lá. Visitar todos estes lugares, saindo do Brasil, demandaria muito tempo e muita quilometragem. Tiramos a parte de Catamarca, por ser parecida com as regiões que visitamos no norte (Salta e Jujuy). Roteiro Veio a ideia de tomar um avião para Buenos Aires e de lá alugar um carro para a viagem. Ganharíamos tempo, eliminaríamos um longo trecho de locomoção e teríamos um carro com placa argentina, o que nos deixaria quase como locais e despertaria pouca atenção. Resolvemos fazer um triângulo, com início e fim em Buenos Aires, cobrindo o norte da Patagônia. Iríamos para a Puerto Madryn, como base para a Península Valdes e região. Depois cruzaríamos a estepe patagônica em direção aos Andes, fazendo uma parada em Esquel para visitar o Parque Nacional los Alerces. De lá seguiríamos para Bariloche, onde encontraríamos um casal de amigos, passaríamos o ano novo e exploraríamos a região. Depois era pegar a estrada e voltar até Buenos Aires, 1.600 km sem nenhuma atração realmente interessante. As cidades seriam: Buenos Aires, um dia Bahia Blanca, somente pernoite (depois trocado por Sierra de la Ventana) Puerto Madry, quatro dias Esquel, dois dias Bariloche, cinco dias Quehue, pernoite Buenos Aires, dois dias Fechamos um roteiro de 16 dias de viagem e fizemos as reservas de todos os hotéis pela internet (booking.com, etc) ou diretamente com os sites dos hotéis. Duas semanas antes da viagem conhecemos um viajante argentino aqui no Brasil e ele nos deu algumas dicas bem legais. Entre outras, disse que Bahia Blanca era uma cidade grande, sem atrativos, e que havia opções mais interessantes para pararmos (Las Grutas, Carmen de Patagones, Monte Hermoso). Depois de pesquisar na internet, encontramos Sierra de la Ventana, uma charmosa cidadezinha com um parque provincial próximo. Se chegássemos cedo poderíamos fazer uma trilha no parque. Mudamos a reserva de Bahia Blanca para lá. A viagem Sábado, 20 de dezembro de 2014. Pegamos um voo da Gol, que saiu atrasado de Guarulhos. Chegamos em Ezeiza, onde atrasamos ainda mais com a fila para trocar pesos no Banco de La Nacion Argentina e para pegar o carro na Europcar. Imaginava chegar no hotel umas 15:00, mas chegamos lá pelas 18:00. Ficamos no Hotel Two, que é bem central, perto da Av. Mayo. Demos uma descansada e saímos para um rápido tour pelo microcentro de Buenos Aires. Buenos Aires A primeira parada foi tomar um belo sorvete argentino para animar. Depois fomos visitar a Casa Rosada, Café Tortoni, Av. Mayo, Congresso, Corrientes, Obelisco, 9 de Julio, etc. A primeira impressão foi de que os preços estavam bem mais altos do que nas últimas vezes que estivemos na Argentina. No domingo (21/12), acordamos cedo, tomamos café e rumamos para Sierra de la Ventana. Tinha pouco movimento na cidade e foi bem tranquilo dirigir. Eu estava com um GPS Garmin, com um mapa da Argentina que baixei gratuitamente no site do Proyecto Mapear (http://www.proyectomapear.com.ar/). Tem vários arquivos POI que vale instalar no GPS. Sierra de la Ventana Pegamos a ruta 205 até Azul, onde pegamos a 76. As estradas são muito boas e com pouco movimento. Passamos por paisagens rurais muito bonitas, que ora lembravam a Europa, ora o interior dos Estados Unidos. Tudo muito plano. Quando apareceram as primeiras montanhas, era sinal que estávamos chegando em Sierra de la Ventana. Antes de ir para a pousada, fomos visitar o Parque Provincial Tornquist (http://www.tornquist.gov.ar/index.php/turismo/donde-ir/parque-provincial-ernesto-tornquist.html). Fizemos a trilha da Garganta Olvidada, que é bem tranquila e leva pouco mais de uma hora para ir e voltar. Não é nada excepcional, mas valeu para fechar um dia de viagem com quase 600 km. Tem algumas trilhas bem mais longas e bonitas lá, mas não teríamos tempo para faze-las. A cidade de Sierra de la Ventana é pequena e bem bonita, com muito verde, cortada por um rio (Sauce Grande) e com um ar rústico de vila de montanha. Deu vontade de ficar lá mais tempo. Depois descobrimos que tem um trem que vai de Buenos Aires (ou La Plata) até lá. Quem sabe numa próxima... Puerto Madryn No dia seguinte (segunda, 22/12) foi o de sempre: acordar cedo e pé na estrada para chegarmos em Puerto Madryn. Pegaríamos a ruta 3, que é a principal ligação de Buenos Aires com a Patagônia, por isto, tem bastante movimento e muitos caminhões. Cruzamos com vários brasileiros que iam de carro ou moto para Ushuaia. Longas retas até Puerto Madryn com a paisagem da estepe patagônica. Chegamos em Puerto Madryn com o sol ainda alto, achamos o hotel e fomos conhecer a orla da cidade. No dia seguinte (terça, 23/12), fomos até o Museu Paleontológico de Trelew e na pinguineira de Punta Tombo. Ambos valem a visita. No museu está o fêmur do maior dinossauro já encontrado e várias coisas interessantes. Punta Tombo A viagem de Puerto Madryn até Punta Tombo é longa, 180 km, com a parte final em rípio, mas chegando lá, você nem se lembra disto. O parque é muito bem organizado (ARP$ 90 por pessoa), com caminhos para visitar a área. Estes caminhos passam pelos lugares que os pinguins fazem ninho e criam os filhotes. É um espetáculo ver a quantidade e a festa dos pinguins. Além deles, tem guanacos (parentes das lhamas), emas, cuyzes (um pequeno roedor) e muitas outras aves. É um lugar privilegiado pela natureza. Dizem ter 500 mil pinguins lá. Para fechar com chave de ouro, quando estávamos próximos da praia apareceu uma baleia com um filhote, bem próximo, a uns 100 metros da costa. Península Valdes Na quarta (24/12), fomos visitar a península Valdes, http://www.peninsulavaldes.org.ar (ARP$ 180 por pessoa). Como já sabíamos, seria um dia com muita distância (uns 400 km, na maior parte em rípio) e sem muita infraestrutura. Então, leve o que você precisará e saia com o tanque cheio. Na entrada do parque nos informaram que a Punta Delgada estava fechada. Fomos para a Caleta Valdes. Na chegada já avistamos um grupo de orcas procurando lobos marinhos para o almoço. Fomos para a pinguineira da Punta Cantor, com pinguins, lobos e elefantes marinhos. O dia estava ensolarado, com a cor azul do mar dava uns visuais muito bonitos. Fomos em vários pontos de observação perto da Punta Cantor e depois seguimos para a Punta Norte. São vários quilômetros de rípio beirando a caleta, com paisagens bonitas e guanacos selvagens. Punta Norte é mais do mesmo (da Punta Cantor). Se você tiver pouco tempo, explore somente a área da Punta Cantor e volte. Não perderá nada especial. Depois da Punta Norte fomos até Puerto Piramides para conhecer e comer. O lugar foi mais bonito do que esperávamos. Vale a visita. No dia de Natal, diminuímos o ritmo. Visitamos a loberia de Punta Loma (16 km de Puerto Madryn, rípio), almoçamos em Puerto Madryn e tiramos o dia para descansar. Um passeio que queria ter feito era mergulhar (snorkel) com leões marinhos (ARP$ 1.100). Procurei para fazer no dia de natal mas as operadoras estavam fechadas. Fica para uma próxima. Dia 26/12 era para pegar a ruta 25 e cruzar a Patagônia rumo a oeste, chegando em Esquel. A ruta 25 tem trechos muito bonitos, seguindo o Rio Chubut. Parece muito o meio-oeste americano (Arizona), com cânions, mesas e montanhas avermelhadas. Paramos para comer e abastecer no pequeno vilarejo de Los Altares. Além de lá, alguns outros vilarejos têm postos de gasolina. Antes de Esquel pegaríamos a mítica ruta 40, que vai de La Quiaca a Ushuaia. Neste trecho ela está asfaltada e presenteia o viajante com belas vistas. Esquel Esquel é uma pequena e simpática cidade, onde funciona uma estação de esqui durante o inverno. No verão, os atrativos são a maria-fumaça La Trochita (http://www.patagoniaexpress.com/el_trochita.htm) e o Parque Nacional Los Alerces. Fizemos o passeio de trem no sábado (ARP$ 300 por pessoa) e o safári lacustre pelo PN Los Alerces no domingo (ARP$ 450 por pessoa). Ambos são altamente recomendados e precisam de reserva, que fizemos pela Diucon Viajes (http://www.diucon.com/). Leve lanche para o safári lacustre no parque. Do Parque de Los Alerces passamos por El Bolson rumo a Bariloche. A estrada é de uma beleza indescritível. É um atrativo por si só. Bariloche Em Bariloche dividimos nossa estada em dois lugares: um chalé de montanha e um hotel no centro. Foi bem legal fazer isto. O chalé foi um ponto alto, pelo visual e conforto. Lá encontramos um casal de amigos do Brasil e fizemos um memorável churrasco com carne argentina. A carne é outra coisa comparada ao que tomos aqui. Bariloche nos impressionou muito. Tínhamos por ela até um certo preconceito, mas tivemos que rever os conceitos. Fomos no Cerro Campanário (visual impressionante, segundo a National Geographic, um dos 10 mais bonitos do mundo), Cerro Catedral (muito frio e neve mesmo no verão), Circuito Chico (mais ou menos), Circuito Grande (espetacular!) e passeios no centro. Retorno a Buenos Aires De Bariloche a Buenos Aires tínhamos longos 1.600 km, quebrados em 2 dias e sem nenhum atrativo. Na saída de Bariloche, a estrada vai acompanhando o leito do Rio Limay, com visuais impressionantes, mas logo isto acaba e encaramos a estepe patagônica e a pampa, paisagens bem monótonas. Paramos para dormir no minúsculo vilarejo de Quehue após longos 900 km de direção. Neste dia pegamos a única estrada ruim na viagem, um trecho de 20 km na ruta 152, perto do Parque Nacional Lihue Calel. No último dia de viagem de carro, teríamos mais 700 km até Buenos Aires, cruzando a pampa cultivada. Chegamos com tranquilidade, mas o trânsito da cidade estava todo bagunçado, pois era a largada do Rally Dakar. Devolvemos o carro na Europcar em Puerto Madero e fomos ver a saída do rally. Depois fomos até Palermo, onde ficava o nosso flat. Palermo é o meu bairro preferido em Buenos Aires. Um misto de antigo e novo, com ruas arborizadas e com os parques. Aproveitamos um domingo de sol e na segunda pegamos o voo de volta ao Brasil. Mais uma vez, ficamos com um excelente impressão da Argentina e dos argentinos. E olha que eles estão em crise há décadas! Imagino como deveria ser nos tempos áureos. Dicas Aluguel de carro, estradas, gasolina, pedágio, etc Aluguei o carro diretamente pela Europcar (http://www.europcar.com/). Escolhi um carro da categoria de um Fiat Siena ou Renault Logan (me deram este). Optei por não fazer os seguros CDW e TDW, o que barateou bastante o preço. O meu cartão de crédito oferecia cobertura para isto. O aluguel ficou por US$ 40/dia, sem imposto. O carro tinha ar-condicionado e som com USB, mais nada. Apesar de já estar com 59.000 km quando pegamos, o Logan se portou bem. A média de consumo foi de 12 km/litro. O preço da gasolina na Argentina varia bastante de província para província. Em Buenos Aires saía por ARP$ 13 e em Chubut saía por ARP$ 8,7. Sempre colocamos a Super, na maioria das vezes nos postos YPF. Encontramos pedágios na grande Buenos Aires e na província de Buenos Aires. Preços variando de ARP$ 6 a 16. Nos demais lugares não havia pedágio. As estradas argentinas são normalmente de pista simples, com duas mãos. Isto não é um problema, pois a condição do pavimento é normalmente muito boa e a geografia ajuda muito (plano e sem curvas). Dá para andar a 120 km/h tranquilamente em quase todos os lugares. Não fomos parados pela polícia em nenhum lugar - talvez por estar com placa argentina. Em nossa viagem anterior para San Pedro de Atacama fomos parados muitas vezes na Argentina, mas não tivemos problemas com policiais pedindo dinheiro. Preços A sensação que tivemos é que os preços argentinos estão bem altos se calculados pelo câmbio oficial, mesmo os preços de supermercados. Fazendo o câmbio pelo paralelo, fica mais barato do que o Brasil. O preço de hotéis é bem mais barato do que no Brasil, por qualquer câmbio. O que pagávamos lá dificilmente conseguiríamos algo semelhante no Brasil. Se fizer a conta pelo paralelo, fica mais barato ainda. Como referência, uma refeição com bife de chorizo e acompanhamentos saía em média por ARP$ 150. O remis de Palermo a Ezeiza nos custou ARP$ 320. Hospedagem Todas as hospedagens aqui listadas são para quartos quádruplos. Buenos Aires, centro, Two Hotel (http://www.twohotelbuenosaires.com.ar/), a US$ 120 com café da manhã e estacionamento. Sierra de La Ventana. Ficamos no excelente Las Retamas (http://www.lasretamasapart.com.ar/), são habitações com quarto, banheiro, sala, cozinha e varanda, além de uma linda área comum com piscina. Foram ARP$ 800, café da manhã bem básico. O dono é o simpático Guillermo. Puerto Madryn. Hostel El Gualicho (http://www.elgualicho.com.ar/), quarto privativo com banheiro, além de café da manhã e estacionamento. Preço ARP$ 750. Já tinha lido muitos relatos positivos sobre o El Gualicho, mas fiquei positivamente surpreso. Muito bem organizado, limpo, uma energia bacana, pessoal atencioso e viajantes de todos os lugares. Tem uma cozinha compartilhada e ótimo espaço interno. Recomendo. Esquel: Esquel Apart (http://www.esquelapart.com.ar/). Apartamento mobiliado, bem cuidado, sem café da manhã, ARP$ 628. Bariloche, Cabañas Tierra Sureña (http://www.tierrasurena.com.ar/). Chalé alpino, espaçoso e bem mobiliado, numa paisagem sensacional, ao pé das montanhas. Tem área de churrasqueira (usamos e aprovamos!). Sem café da manhã. Diária: ARP$ 1.200. Bariloche, centro. Hotel Edelweiss (http://www.edelweiss.com.ar/). Hotel 4 estrelas com ares de classudão velha-guarda, mas com quartos modernos e espaçosos. Excelente atendimento e ótimo café da manhã, piscina aquecida no terraço panorâmico. Diária: ARP$ 1.750. Quehue, Hotel Quehue (http://www.ruta0.com/general-acha/hotel-hotel-quehue.htm). Hotel novo, num ponto intermediário entre Bariloche e Buenos Aires. Café da manhã básico (padrão argentino), por AR$ 700. Buenos Aires, Palermo. Flat Color Botanico (http://colorbotanico.com/). Flat novo, bem mobiliado, numa rua de paralelepípedos e coberta por árvores em Palermo Viejo. Excelente localização para Palermo, parques e estação de metrô (Plaza Italia). Sem café da manhã. Diária: ARP$ 1.100. Câmbio Referência – de 20 de dezembro de 2014 a 5 de janeiro de 2015 R$ 1,00 = 3,35 pesos (oficial no Banco La Nacion Argentina - Ezeiza) Oficial: US$ 1,00 = ARP$ 8,55 Blue (paralelo): US$ 1,00 = em média ARP$ 13 (variando de ARP$ 12 a 13.5) Acompanhar a cotação do oficial e do blue pelo site do jornal La Nacion: http://www.lanacion.com.ar/dolar-hoy-t1369 Como fazer câmbio no blue? Fora de Buenos Aires eu troquei dólares em lojas, postos de gasolina e cambistas. Nem todo lugar tem interesse em trocar e alguns oferecem taxas bem baixa. Em Buenos Aires, os cambistas da Calle Florida são a melhor opção. Tem a famosa Boston Cambio lá, além de muitas outras. Não tivemos problemas com notas falsas, mas já ouvi relatos de quem teve. Dólar ou real? Dá para levar qualquer um dos dois. Dólar é amplamente aceito, em qualquer lugar. Para reais é mais fácil trocar em cidades maiores, como Buenos Aires e Bariloche. Cartão de crédito? Levei e paguei algumas coisas com cartão de crédito, mas além do câmbio oficial ser desfavorável, o IOF piora ainda mais a conta. Vale levar como segurança. Sites úteis Ruta0, http://www.ruta0.com. Várias informações úteis sobre estradas, hotéis e conteúdo gerado pelos usuários. Muitos hotéis que não estão em outros sites podem ser encontrados lá.
×
×
  • Criar Novo...