Ir para conteúdo
Elias D. Teixeira

Viagem à Bolivia - La Paz - Salar de Uyuni - Sucre - Copacabana - Rodovia da Morte

Posts Recomendados

Introdução

Quando pensei em minha viagem de férias para o ano de 2011, a Bolívia não estava em meus planos. Na verdade sempre que penso nesta região, o primeiro país de que me lembro é o Peru, no entanto desisti porque os preços da visita a Machu Picchu foram elevados pelo governo. Não sei qual foi o motivo do aumento de preços, se para restringir o número de turistas (que talvez estivesse muito alto e colocasse em risco o patrimônio histórico) ou para obter uma melhor rentabilidade, mas seja lá qual for o motivo, desisti porque existem diversas opções para se divertir nas férias. Visitar o Peru e não ver a jóia Inca, não é admissível, no entanto ao ler diversos relatos na internet, verifiquei que poderia fazer uma boa viagem de férias exclusivamente pela Bolívia e não me arrependi desta decisão.

Este relato é uma forma de agradecer a diversas outras pessoas, que me precederam relatando suas viagens a todos os interessados. Isso é muito importante porque assim podemos ter uma boa idéia do que iremos encontrar pela frente, é uma oportunidade de viajar com estas pessoas e uma excelente forma de fazermos um roteiro de nossa futura viagem. Assim contribuo com esta fantástica fonte de informação, que é a internet e tenho certeza de que em minha próxima viagem poderei contar com as informações que VOCÊ irá me prestar. Assim é a vida.

 

Documentos e informações iniciais

Os documentos mínimos necessários para ir à Bolívia são a carteira de identidade (RG) com menos de 10 anos de sua expedição e um certificado internacional de vacinação contra febre amarela. Deve-se tomar a vacina em qualquer posto de vacinação, nesta oportunidade lhe será fornecido um certificado de vacinação com validade nacional, após isso se dirija a um posto da ANVISA em um aeroporto ou porto, para que seja feito o certificado internacional. Faço duas observações com relação ao certificado, a primeira é que antes de ir ao posto da ANVISA é necessário fazer um cadastro antecipado no site da ANVISA e notei que pessoas que não o fizeram, tiveram que acessar a internet em frente ao posto para que fossem atendidas, portanto é melhor se informar antes. A segunda observação é que ninguém me solicitou o certificado de vacinação em momento algum da viagem, no entanto, como isso é necessário, eu não tentaria viajar sem ele.

Se você pretende viajar com sua maquina fotográfica cuja resolução seja igual ou inferior a 10M, saiba que a partir do último trimestre de 2010 foi adotada uma norma (ou algo assim) da Policia Federal Brasileira que dispensa a apresentação da mesma no posto da policia antes da viagem, no entanto leve a nota fiscal de compra da mesma ou então será necessário demonstrar que ela não foi comprada durante a viagem em curso. Neste segundo caso tire fotos do seu cartão de embarque e sua foto antes de embarcar, o objetivo é fazer uma “prova de uso” da mesma. Eu tirei uma foto do cartão de embarque em frente a um espelho, mas nada disso foi necessário porque minhas bagagens não foram vistoriadas na chegada ao Brasil, já que a Bolívia não é um destino de “sacoleiros”.

Apesar do descrito no parágrafo anterior, lá existem bons preços para materiais esportivos (tênis, agasalhos, calças, mochilas, barracas de camping, casacos e artigos de couro, etc). Acredito que tudo estava mais barato que no Brasil e existem produtos de boa qualidade, basta procurar. Li em um relato antes de minha viagem no qual o autor dizia que “da próxima vez iria pelado para a Bolívia e compraria tudo por lá”. Existem ocasiões em que uma frase transmite um sentimento mais preciso do que muitos parágrafos.

Com relação à forma de transferir nosso dinheiro para a moeda local (bolivianos) acredito que a melhor seja a de levar dólares em espécie. Cheques de viagem possuem uma boa conversão lá (nosso dinheiro compra mais em cheques de viagem e o valor de troca é bem vantajoso, já que é bem próximo do valor pago pelo dólar), mas sua troca está restrita a poucos locais. Trocar reais por bolivianos diretamente também é possível, mas geralmente costumam pagar menos do que se você tivesse comprado dólares e os pontos de troca também são mais restritos. Eu cheguei a fazer cambio de dólar para bolivianos até em cidades muito pequenas, coisa que seria muito difícil para cartões eletrônicos e cheques de viagem.

Outro ponto muito importante está ligado à segurança. Durante o vôo de ida, ouvi o relato de uma moça que recomendava a outros brasileiros para ter cuidado com os taxis, pois existem alguns que possuem apenas faixas quadriculadas nas laterais, são “taxis coletivos” e em um deste tipo, ela foi assaltada por um passageiro. Existem outros táxis que, além das faixas laterais, possuem um luminoso na parte de cima (como os nossos) e estes são mais seguros, pois atendem apenas a um passageiro por vez (ou a um mesmo grupo). Utilizei táxis coletivos e tradicionais, que são muito baratos, nunca me cobraram mais por ser turista e não tive nenhum problema de segurança relacionado a eles ou de qualquer outro tipo durante a viagem, tenho que ser sincero e dizer que em todas as ocasiões me senti mais seguro lá, que em minha cidade (São Paulo). Mesmo assim sempre adotei os procedimentos de segurança que utilizo aqui: levava apenas o dinheiro que pretendia gastar (se bem que em La Paz, sempre é recomendável levar um pouco a mais, pois não é difícil encontrar algo “irresistível” a ser comprado) e cópias em lugar dos documentos originais.

Falando neste assunto, de utilizar cópias em lugar dos documentos originais, isso é muito utilizado pelos mochileiros em geral. Não tive nenhum problema com isso, exceto quando fui à cidade de Copacabana, pois como ela fica próxima à fronteira, fomos parados pela polícia e não aceitaram as cópias. Eu, assim como diversos mochileiros, tive que “retirar do esconderijo” meus documentos originais. Vejo esta questão da fiscalização como algo positivo já que em nosso país é possível viajar grandes distâncias sem nunca ser “parado ou verificado” por nenhum agente de segurança, lá as estradas são fechadas por correntes, os motoristas precisam descer dos carros para apresentarem seus documentos. No caso dos coletivos eles apresentam também a lista de passageiros (que podem ser verificados) e só depois seguem viajem.

Se gasta pouco na Bolívia, um hotel simples, mas com boa higiene, aquecimento central, TV a cabo, banheiro privado facilmente será encontrado na faixa dos US$11. Se retirarmos o aquecimento de água central e a TV a cabo, mantendo os outros requisitos, será possível pagar algo em torno de US$7. Comer em um restaurante “a La carte” sairá em torno de uns US$7 por pessoa, se for fast food ou um restaurante popular divida este valor pela metade. Uma sopa no mercado popular custa B$3 (menos que US$0,50). Lá um litro de gasolina custa um pouco mais que US$0,50 o que torna as passagens de ônibus e o transporte em geral bastante baratos se comparados aos nossos, para ter uma idéia as passagens para Copacabana ou Oruro, me custaram algo em torno de US$3,60 cada. Uma excursão de quase um dia inteiro para visitar Tihuanaco custou US$23 (excursão com guia + entrada no parque + almoço).

 

Relato da minha viagem

Saí de Guarulhos em uma tarde de sábado num vôo da Aerosur com destino a La Paz e escala em Santa Cruz de La Sierra. A duração da primeira etapa foi de 2h30min. Não se esqueça de levar uma caneta esferográfica em seu bolso para poder preencher os papeis de imigração bolivianos. Ao chegar ao aeroporto você passará pela imigração, caso utilize o RG (que é muito bem aceito em qualquer parte da Bolívia, ao contrário do que dizem relatos mais antigos na internet) receberá um papel (na verdade você o preencheu durante o vôo) que deverá ser conservado consigo durante toda a viagem e devolvido em sua saída do país. No saguão deste aeroporto existe um guichê no qual se pode fazer câmbio, caso queira utilizá-lo troque apenas o necessário para sua chegada à cidade de destino, pois como sempre, os aeroportos não são bons locais para isso. Eu troquei apenas US$50 e apesar de ter comprado um pacote de turismo no dia seguinte, só precisei de mais bolivianos na segunda feira.

De Santa Cruz de La Sierra são mais uma hora de vôo até La Paz. O aeroporto está localizado na cidade de El Alto. Os bolivianos deveriam ser reconhecidos internacionalmente por sua habilidade inigualável de nomear cidades, pois nunca vi um nome tão acertado. Em Santa Cruz estava um calor abafado, mas ao sair do avião em El Alto a temperatura era de 7 graus. Bem-vindo ao altiplano, aqui quando há sol, há calor, mas é só ficar um momento à sombra que o frio já aperta. Como cheguei à noite, o frio é normal.

Após pegar o táxi, na descida para La Paz, já estava me vangloriando de meu excelente estado de saúde, pois apesar do ar ser "mais leve", por estar a quatro mil metros de altitude, eu estava me sentindo muito bem. Como já era tarde resolvi comer um lanche em frente ao hotel e já pedi um chá de coca (afinal de contas é melhor prevenir que remediar). Ele é um pouquinho amargo, porém está mais para chá de nada com coisa nenhuma. Como estava cansado fui logo dormir e aí o “bicho começou a pegar”, porque acordei várias vezes com falta de ar. Não que eu estivesse morrendo, mas acredito que alguma parte em meu organismo pensava que sim. O mal estar decorrente da altitude depende de pessoa para pessoa, está relacionado também com a idade (li relatos de que crianças não sentem nada), mas demora algum tempo para se manifestar, o contrário também é verdadeiro, de forma que mesmo que se desça a uma altitude menor, seu desempenho físico não melhorará instantaneamente. No meu caso senti uma dor de cabeça bem fraca, dificuldade para dormir e desempenho físico ridículo, mas que me permitia caminhar sem nenhum problema.

Após levantar no domingo (pois acordar não seria um termo muito adequado) fui tomar café e pedi mais um chá de coca. Era ruim como o anterior, mas este era preparado com folhas e não com saquinho de chá. Depois de tomá-lo masquei as folhas (teria comido também as raízes e quaisquer outras partes da mesma planta, se elas estivessem disponíveis). Bom não é, o gosto das folhas é um pouco amargo, mas adormece a boca e o efeito é imediato. É por isso que não se vê os indígenas e seus descendentes tomando chazinho (gente esperta).

Com esse “gás extra” resolvi fazer uma excursão a Tihuanaco (ou Tiwanaco), que são ruínas de uma civilização pré Incaica. Antes estava em dúvida, mas escolhi este porque era o passeio que iria a uma menor altitude. No grupo, de umas quinze pessoas, eu era o único brasileiro. O guia, de nome Fred, era boliviano e sem nenhuma classe, coçava a barriga e o saco a qualquer momento, mesmo que estivesse falando ao grupo. Entre uma apresentação e outra, quando estava em campo aberto, descansava na grama como se fosse um cachorro velho, no entanto era muitíssimo simpático e não se limitava a explicar, fazia demonstrações de como as coisas funcionavam. Fez um trabalho excepcional, cativou a todos, uma figura carimbada com certeza, eu o qualificaria como um verdadeiro ícone boliviano: sua aparência nos faz pensar que nosso contato com ele não será bom, mas sua simpatia e seus bons serviços nos convencem de que estávamos redondamente enganados.

Na segunda-feira aproveitei para fazer câmbio e comprar roupas, principalmente um agasalho de “goretex” que é perfeito para este clima de montanha, pois não é muito quente (permite a transpiração da pele) e protege muito bem contra o vento. Também aproveitei para conhecer melhor a cidade, caminhando por várias de suas ruas. Durante o inicio da noite, entre 19 e 21h é o horário de pico de movimento de pedestres, há uma verdadeira multidão nas ruas e nos restaurantes.

Na terça-feira de manhã viajei de ônibus até a cidade de Oruro. Minha intenção era a de embarcar no “Expreso Del Sur” que parte neste dia da semana às 15h30min de Oruro a Uyuni. Caso tenha a intenção de viajar nesta linha de trem, consulte as diversas opções de horários e demais condições em http://www.fca.com.bo/, ou então faça uma pesquisa com estes nomes e encontrará diversas informações. Do “terminal de buses” de Oruro até a estação ferroviária é necessário utilizar um táxi. Só para ter uma idéia de valores, paguei o equivalente a US$3,60 na passagem de ônibus, cuja viagem demorou 3h30min e US$1,44 no taxi, que demorou uns 8min em seu trajeto. O táxi foi necessário por causa da distância e do tempo, pois comprei minha passagem às 12h30min e só estavam disponíveis os assentos da classe executiva. Depois de uma hora não existiam mais passagens disponíveis, estavam todas esgotadas.

Quando comprei minha passagem pensei que o atendente estava de sacanagem comigo e só me vendeu aquela passagem porque se tratava de um turista, pois ao olhar aquele trem enorme parado na estação e procurar ao redor, onde a vista alcançava, de que lugar viria uma multidão capaz de ocupá-lo totalmente? É... eu estava enganado porque um pouco antes da partida, que foi pontualmente às 15h30min, parecia uma invasão de baratas. Se não tivesse visto, não imaginaria que havia tamanha quantidade de desocupados e vagabundos neste mundo e todos escondidos em algum canto daquela cidade. É certo que muitos bolivianos também estavam viajando, porém a maioria era de estrangeiros, assim como eu, e março não é um mês de férias.

A largura das poltronas do trem era a mesma da encontrada em qualquer ônibus de viagem, mas o espaço para as pernas era um pouco restrito, pois para um homem alto como eu (de 1,70m) já estava um pouco difícil, imagine para um de verdade. No entanto a paisagem é tão encantadora que compensa todos os males da viajem, isso é tão verdadeiro que somente quando escurece é que você se dá conta do quanto o trem é “muquifento”. Não há como não relacioná-lo a cavalos, em alguns momentos pelo som, em outros pela velocidade, mas principalmente pelos coices que eles costumam dar no final do vagão. Além disso, sei que seria impossível, mas há uns trechos em parece que ele estava utilizando rodas ovais. Foram 7 horas de viagem, ótima antes e desconfortável depois do anoitecer.

Mesmo assim eu repetiria este mesmo roteiro. Só tomaria o cuidado de utilizá-lo em um período majoritariamente diurno. Depois soube que a companhia que administra a ferrovia é chilena e eles não fazem a manutenção adequada dos trilhos, o que causa o enorme sacolejo e a baixa velocidade em alguns trechos. O melhor de tudo é que, como não existe muito movimento próximo aos trilhos, a vida selvagem está bem ali, a alguns metros, e quando o trem passa os pássaros começam a voar. É muito bonito.

Para se chegar à cidade de Uyuni a maior parte dos turistas se utiliza de linhas de ônibus que partem de várias cidades (La Paz, Sucre, Oruro, Tarija, Potosi, etc) então, caso não faça questão de viajar de trem, escolha esta outra opção. Como as estradas próximas à cidade são de terra, não espere algo muito confortável, no entanto eu penso que esta viagem é melhor. Li relatos de que o serviço de ônibus intermunicipal da Bolívia era ruim, mas não tive esta impressão. Os melhores que já utilizei foram os da Argentina, depois disso Chile, Brasil e Bolívia estão praticamente no mesmo nível, o que diferencia um pouco são as estradas e a rede de apoio. Se estivermos em uma estrada de terra o conforto não será bom, seja aqui ou em qualquer outro local.

A chegada à cidade de Uyuni ocorreu às 22h30min. Não gosto de chegar a um local desconhecido durante a noite, mas é sempre emocionante, pois não tenho idéia do que irei encontrar. Ao descer de meu vagão sabia que teria que retirar a minha mochila, que havia despachado na estação de embarque, mas não fazia idéia de como isso seria feito. Bem, com certeza eu não era o único e resolvi seguir a maior parte das pessoas que estavam apenas com bagagens de mão. Descobri que era em uma sala, no final da estação, onde estavam sendo descarregadas todas as mochilas e bagagens. Os movimentos dos funcionários eram seguidos com atenção por uma multidão que se adensava minuto a minuto. “Isso vai demorar”, pensei, e resolvi ir ao banheiro. Quando retornei, a plataforma estava vazia (e fui só fazer um xixizinho). Entrei na sala e só encontrei minha mochila, abandonada em um canto qualquer. Eles colocaram todas as mochilas na sala, depois permitiram que todas as pessoas entrassem e pegassem suas bagagens, ao sair eles conferiram os canhotos com as bagagens. Esse procedimento foi muito eficiente e rápido.

Uyuni é uma cidade voltada ao turismo, não é necessário se preocupar com hospedagem e alimentação, tenho certeza que você encontrará locais para isso. Esta cidade é porta de entrada ao Salar de Uyuni que pode ser conhecido em excursões de um ou três dias, em carros SUV 4x4. Diferentemente de locais de difícil acesso no Brasil, aqui os carros são relativamente novos e bons, o que é igual é a precariedade dos pontos de hospedagem, mesmo assim havia banho quente em todos os locais em que estive hospedado e os pontos ruins são ofuscados pela simpatia e boa comida caseira.

Contratei uma excursão de três dias (e duas noites) por US$108, saindo e voltando a Uyuni, que incluía hospedagem, refeições e o valor da entrada para o parque. Pode-se também contratar uma excursão de três dias, cujo destino final seja São Pedro de Atacama, no Chile. Ou uma excursão de apenas um dia, visitando somente o Salar de Uyuni.

Na verdade basta um dia para visitar o Salar, no restante do tempo são visitados os arredores da cidade com picos nevados, vulcões, lagoas de diversas tonalidades, gêiseres e diversos animais. Como março está no final da época chuvosa e o Salar é como uma espécie de bacia, toda a água das chuvas dos últimos meses estavam represadas nele. Os carros tiveram que trafegar sobre uma lâmina d’água de uns 30cm de profundidade por uma distância de uns 4km. É estranho, parecia que estávamos no mar, mas a bordo de um carro. Lá visitamos o Hotel de Sal, que está em um nível um pouco mais alto que os arredores (acima da água) e pode-se “andar sobre as águas” porque o local é quase plano, fazendo com que a profundidade aumente muito suavemente. Em tempos de seca deve ser possível visitar outros locais, que estão inacessíveis aos veículos durante este período de cheia.

O SUV em que viajei, assim como a maioria dos outros, possuía o motorista e lugares para mais seis turistas. Existem outros em que há o motorista e uma cozinheira. No nosso caso o motorista era quem disponibilizava as comidas prontas na porta traseira do automóvel e nós nos servíamos, com direito a uma garrafa de coca-cola (sem gelo) por refeição. Um dos cuidados que se deve tomar é verificar se já estão vendidas todas as passagens, pois a partida pode ser atrasada se ainda estiverem faltando pessoas. Apesar de saber disso, quando comprei minha passagem eu era o terceiro passageiro e deu tudo certo (afinal de contas não é possível que todos sejam o sexto).

Para fazer esta viagem a agência de turismo irá lhe obrigar a levar apenas uma mochila pequena com o que for necessário para estes três dias, o restante das bagagens ficará guardado no escritório da empresa até o seu retorno. Eu optei por levar meu saco de dormir, pois o havia utilizado até este momento em todos os hotéis nesta viagem e não seria neste momento que iria desistir dele. Ele foi produzido no Brasil, de forma que, não está preparado para baixas temperaturas, mas para minha surpresa, as temperaturas enfrentadas foram as mesmas que havia encontrado em La Paz. Mesmo quem não levou saco de dormir conseguiu dormir bem, somente com o fornecido pelas hospedagens.

Um dos pontos que me preocupava era ter que dividir um espaço tão restrito, como o carro e alojamentos coletivos, com pessoas desconhecidas, mas essa na verdade foi a melhor parte do passeio, pois todos foram muito atenciosos e gentis uns com os outros, o que faz com que sinceramente eu ainda sinta saudades de cada um deles. O idioma principal desta viagem, assim como na maioria dos outros automóveis, é o inglês, então se você pretende praticar este idioma, está aí uma excelente oportunidade.

De Uyuni fui de ônibus a Sucre, saí às 9h e cheguei às 19h. Um ponto interessante da viagem é que não existe uma rede de apoio nas estradas para os passageiros de forma que em determinado momento o motorista parou o ônibus e disse que era “parada para ir al bano”. Já havia ouvido falar sobre isso, mas esta era a primeira vez que presenciava. Os homens vão para um lado (não muito longe) e as mulheres vão para o outro (um pouco mais longe), mas como acima de 3.000m de altitude não existem árvores, apenas pedras, não dá para se ocultar totalmente. Mas sabe como é... quem está interessado nisso? Só observo este detalhe como algo curioso, peculiar. Outro ponto interessante é que em momento algum, após qualquer parada em que os passageiros desçam, o motorista confere se estão todos a bordo, no máximo ele dá uma perguntada se voltaram todos. Como eu estava viajando sozinho, esta sempre foi uma grande preocupação.

Ao chegar a Sucre, não gostei da cidade, embora seja um lugar bonito. Talvez seja por estar sentindo falta de meus amigos da excursão anterior. Após sentir como é bom viajar em grupo, se sentir parte de um grupo, a volta à solidão não é muito boa. Ou talvez seja porque o tempo não estava muito bom, parecendo que a chuva cairia nos próximos dias. Escolhi ficar próximo à rodoviária, já que não necessitaria de transporte algum para me hospedar. No dia seguinte tomei conhecimento de que o centro da cidade estava distante e teria que me utilizar de táxis para chegar lá. O preço do táxi era de B$4 (o equivalente à US$0,58) e perdi o medo deste tipo de transporte, porque antes tive problemas para sinalizar que desejava utilizá-lo, ocorre que se deve gesticular com mais vigor do que fazemos aqui e, as vezes, é necessário gritar “táxi” também. Nada que não se possa aprender.

Na praça mais importante da cidade a primeira coisa que fiz foi tomar um excelente café em uma loja especializada nisso. Para compensar a falta do prazer da companhia de amigos, desfrutei do prazer do paladar. Em uma das laterais da praça existia um grupo de turistas e acabei por comprar aquele pacote turístico de um pouco mais de meio dia para um local que eu não fazia a menor idéia do que seria. Na verdade o que me interessava nesta viagem era o Salar de Uyuni e um passeio de bicicleta à estrada da morte, o restante era tudo “lucro”, então não estava me importando com os detalhes, afinal de contas, se gostasse do país, a Bolívia sempre “estaria à mão” assim como já considero outros países da América do Sul.

A excursão era para a cidade de Tarabuco, onde acontece uma feira semanalmente aos domingos (creio) com artesanato e demais atrativos. Este dia era especial, pois haveria apresentação de grupos folclóricos e o presidente Evo Morales estaria presente. A cidade estava lotada e o ônibus foi obrigado a nos deixar longe do centro, de outra forma seria impossível que ele conseguisse sair, pois outros veículos estacionados “travariam” sua saída.

Depois do Salar de Uyuni fiquei destemido e resolvi provar umas comidas populares. Logicamente tomo o cuidado de saber onde está o banheiro mais próximo, pois sempre é melhor prevenir do que remediar. Nos mercados populares existe algo como “barracas de comida” que servem vários pratos, dentre os quais resolvi provar as sopas, principalmente por serem mais confiáveis, afinal de contas tudo que ferve tem menor probabilidade de contaminação. Não me arrependi, pois elas são deliciosas, não me deram nenhum problema e ainda me diverti com a reação dos locais ao me verem comer entre eles. Tudo só não foi perfeito porque as cozinheiras costumam segurar o prato fundo pelas bordas e enchê-lo até que a ponta de um, ou de vários dedos, fiquem submersos na sopa. Deve ser uma simpatia, ou algo tradicional, mas como já me considero bem simpático, tomo o cuidado de ficar de olho e pedir para que ela pare de encher antes do “nível crítico”.

De Sucre fui a Copacabana, uma cidade que fica nas margens do lago Titicaca. Na verdade eu peguei um ônibus leito de Sucre a La Paz e de lá, um microônibus até o destino final. Sempre preferi viajar durante o dia para ver a bela paisagem, mas como em viagens noturnas eu poderia contar com este “luxo”, não dispensei. Mesmo porque tive um pouco de azar nas duas últimas viagens, pois o assento ao lado do meu foi ocupado por mulheres com bebês de colo. Minha sorte é que eles são do tipo “ninja”, não vomitam (pelo menos nestas oportunidades nada ocorreu) e em uma das vezes dormiu o bebe e a mãe e, por incrível que pareça, ninguém caiu de seu lugar. Desta vez preferi não arriscar, afinal de contas quando certas coisas acontecem, todo mundo dorme, menos eu.

O ônibus leito possuía apenas três assentos em cada fila (e não quatro como era o comum) e reclinava um pouco mais. As estradas bolivianas não possuem muito movimento durante o dia e acredito que à noite deve ser mais tranqüilo. Acredito que seja assim, não posso garantir porque dormi bem durante toda a viagem.

Logo após descer do microônibus e caminhar pela primeira rua, já vi várias lojas de câmbio, de lembrancinhas, restaurantes e hotéis. Tudo de que necessita um turista. Entrei em um hostal pequeno, que possuía um restaurante na frente, perguntei por um quarto com banheiro e ducha quente. O atendente me informou o preço de B$30 (que são US$4,32). Eu ia agradecer e nem queria ver o quarto, mas ele foi tão simpático que lhe acompanhei. Ao subir notei que tudo no caminho estava bem limpo e o quarto era muito bom (bem simples, mas bom). Fiquei por ali mesmo e este foi o meu recorde de preço baixo em hotéis na Bolívia.

Copacabana e o lago Titicaca valem uma visita. Além dos belos visuais, ainda se pode fazer uma caminhada de 9km na ilha do Sol, que é muito linda. As altitudes ficam entre 3.600 e 4.000m, o que exige bastante esforço e, no meu caso, umas boas folhas de coca, mas como já estava bem adaptado à altitude, consegui fazer o trajeto sem muitos problemas (melhorei bastante).

De Copacabana voltei à minha cidade do coração na Bolívia, que é La Paz. Sim, gostei muito de La Paz, porque lá havia tudo de que necessitava em termos de hotéis, compras, comida e passeios. Dentre os vários passeios disponíveis, optei por um que já havia visto na internet durante o planejamento da viagem: descer de bicicleta a estrada da morte, que interliga La Paz à cidade de Coroico. São 65km de descida que começam em 4.600 e terminam em 1.700m de altitude, praticamente não é necessário pedalar, o que é fundamental nesta altitude, pois essa distância eu não garanto nem em São Paulo, imagine em um local de altitude.

Até 2006 só existia a estrada antiga, que é linda e é a utilizada pelos vários grupos de ciclistas, mas ela não está fechada aos carros, nós cruzamos com dois automóveis e um caminhão, não é muito, mas basta uma bobeada para transformar o passeio em uma tragédia. Com a abertura da nova estrada, esta passou a ser utilizada pela população em geral, pois é asfaltada e mais segura. Uma coisa muito interessante na estrada velha é que como o precipício está do lado esquerdo de quem desce, utiliza-se a mão inglesa para que o motorista que desce possa colocar a cabeça para fora do vidro e ver exatamente onde está o pneu de seu veículo quando tiver que dividir a estrada com algum carro que esteja subindo. Ultrapassagem é algo que não existe por lá, a não ser que seja de bicicleta (ainda assim é muito difícil) e, dependendo de onde e como ocorrer, o turista pode perder imediatamente o direito ao passeio.

Uma coisa boa para os católicos é que os precipícios são tão íngremes e profundos que se cair, pelo menos terá a chance de rezar uma ave-maria antes de morrer com o impacto. Quando comprei o pacote me foi recomendado fortemente que não levasse minha câmera fotográfica, já que eles tiram as fotos do grupo e depois fornecem um CD. Nesta “gentileza” está embutida uma boa dose de segurança, porque alguns turistas já morreram ao tentarem tirar fotos enquanto pedalavam, aliás, nem mesmo trocar de marchas é permitido, pois uma olhadinha para verificar se a corrente respondeu ao comando, pode ser o fim.

Falando em corrente, eu protagonizei a única “beijada de chão” do passeio, já que a corrente da minha bicicleta saltou, travou a roda traseira e, como estava um pouco acima da velocidade, o chão foi ficando cada vez mais próximo até ficarmos juntinhos. No inicio do passeio achei que era um preciosismo ter que vestir uma roupa inteira sobre a de cada um e ter que usar capacete, luvas, joelheiras e cotoveleiras, mas foi isso que me livrou de uns bons arranhões. O câmbio da minha bicicleta teve “perda total” e recebi outra para continuar o passeio. Outras duas foram trocadas em nosso grupo, por motivos diferentes. Pensando bem, essa estrada da morte, com seus buracos, mata muito mais as bicicletas que as pessoas.

Meu acidente foi uma imprudência, já que eu não precisava estar tão rápido naquele momento, mas estava em um trecho sem abismos e sabe como é... o grande filósofo Max diz: “se você está no inferno, o que custa dar um abraço no Capeta?” Então, por que não acrescentar um pouco de emoção ao passeio? As vezes passa um pouco da conta, mas isso faz parte do jogo.

Foi muito bom visitar a Bolívia e pretendo voltar outras vezes. É um destino relativamente pouco comentado e utilizado, mas isso tende a mudar com as facilidades criadas para facilitar o trânsito de brasileiros e bolivianos entre nossos países e esta é uma das chaves para a integração necessária e desejável entre nossos povos.

Caso queira ver mais fotos desta viagem, por favor acesse o site http://www.flickr.com/photos/cazuza1234/

Um abraço,

Elias D. Teixeira

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Oi Elias, muito bom o teu relato! Se vc puder postar umas fotos para ilustrar, ficaria melhor ainda!

 

Se vc me permitir, eu gostaria de fazer uns comentários, para contribuir também com os amigos mochileiros.

 

- quando eu fiz meu certificado internacional de vacinação, o funcionário da ANVISA fez meu cadastro na internet na hora, e da minha esposa também, mas não tinha mais ninguém no posto e acho que foi mais rápido por isso;

 

- Em relação à máquina fotográfica, o ideál é fazer a DBA (declaração de bagagem acompanhada) antes do embarque, pois assim não será necessária a apresentação da nota fiscal no retorno. O mesmo serve para celular, relógio, perfume, e outros itens. Para mais informações acesse: http://www.receita.fazenda.gov.br/Aduana/Viajantes/DBA.htm

 

- Como moro em MS, fronteira com a Bolívia, achei interessante corrigir uma informação: nessa semana a policia apreendeu mais de 40 toneladas de contrabando, em um único dia de fiscalização, pois a Bolívia é um destino de sacoleiros, não de equipamentos eletrônicos como o Paraguai (também aqui ao lado), mas principalmente de roupas e calçados, cujas apreensões em altíssima quantidade são frequentes.

 

Obrigado pelo espaço.

Abraços.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

David,

 

Eu até tentei colocar umas fotos no texto da viagem, mas não consegui. Acho que estou ficando burro demais, ou impaciente demais para conseguir publicar as informações como se deve. O mesmo texto está no Scribd com fotos, mas aqui não consegui. Vou tentar.

 

Um abraço,

 

Elias

 

[picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110405212816.jpg 500 375 Legenda da Foto]Vamos ver se consigo publicar esta foto do deserto, do passeio de três dias nos arredores de Uyuni Parece que vai dar certo...[/picturethis]

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Elias a foto é belíssima!!!

Eu acho que os arquivos devem estar com mais de 1,5mb. Geralmente, quando dá problema pra publicar fotos é pq estão pesadas. Não sei se é o caso, mas se as outras fotos forem tão bonitas quanto esta então vale a pena continuar tentando!!!

Parabéns!!

 

Abraço.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

[picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110405221020.jpg 500 375 Legenda da Foto]Parada para o almoço. Apesar de estar morna, porque no passeio que escolhi não havia cozinheira, sempre gostei da comida oferecida.[/picturethis]

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

[picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110405221412.jpg 500 375 Legenda da Foto]A maquina fotográfica do pessoal da excursão de bicicletas na estrada da morte, não era lá essas coisas, mas minha máquina ainda está "viva" graças a isso (graças a não ter levado ela na excursão, onde seria destruída na queda que tive).[/picturethis]

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Ei Elias, muito bom seu relato!

Chorei de rir com os seus "causos", principalmente sobre o guia do Tihuanaco... hahahahaha ::lol3::

Super divertido.

Abraços

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parabéns pelo relato e pela viagem. Ano passado fiz uma viagem bem parecida com a sua apenas pela Bolívia, o link para o relato está abaixo. Um dia também quero voltar à Bolívia, até porque existem outras cidades por lá pouco explorados por turistas que tem muito a oferecer. Abraço!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Belo reato pco. Desejo fazer essa viagem a Bolivia e outubro.

Como vc disse no relato Uyuni não é tão movimentado assim.

Eu farei só La Paz e Uyuni, descobri um onibus q faz esse trajeto, fico meio bolado na passagem de volta de Uyuni - La Paz.

Mas vamos q vamos.

Só quero fazer Coroico, Chalcantaya e Uyuni.

Poderia ir pelo deserto do atacama, mas já conheço e, infelizmente, não tive tempo de ir a Uyuni. Então farei essa viagem só para ir a Uyuni, virou questão de honra rs.

Como te disse de La Paz a Uyuni aparentemente é tranquilo^atraves desse leito (dizem q é rss) . Mas fico preocupado ao regressar do passeio ao Salar de arrumar passagens para La Paz.

Vc acha q deve ser tranquilo arrumar esse onibus de volta a La Paz??? É facil andar por Uyuni, pois imagino q sendo uma cidade pequena deva ser tranquilo.

Valeu

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

André,

 

Como disse a viagem de La Paz a Uyuni não é muito confortável (mas já viajei em condições bem piores no Brasil), mas eu voltaria hoje sem nenhum problema, é muito bonito e interessante. Acredito que com onibus deve ser bem melhor. Com relação à volta de Uyuni para La Paz, compre a passagem antes de fazer o passeio de 3 dias e você estará garantido.

A viagem, na verdade, é bem tranquila. Só não é aconselhável para patricinhas e gente desse tipo, para outras pessoas é normal.

 

Um abraço,

 

Elias

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Elias,

muito bacana seu relato! Saiba que "chupinzei" várias informações para a construção do meu próprio roteiro - que acontecerá em agosto/setembro deste ano, começando em La Paz, entrando no Chile pelo Atacama e descendo até a região dos Lagos (Pucón/Puerto Varas).

 

As fotos também estão muito boas - tenho também o costume de tirar fotos de motivos diversos... Aquelas que tirou dos nativos, captadas sem eles fazerem "pose", ficaram ótimas! (o que aconteceu? Você pediu que eles fizessem "cara de paisagem" enquanto tirava as fotos? hehehe)

 

Agora, me diz uma coisa: você se lembra de onde se hospedou nas cidades de La Paz, Copacabana e Uyuni? Navegando pelos relatos no Mochileiros, tem várias indicações de hostels. Quero saber as suas!

 

Abraço

Mendes

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Mendes,

 

Com relação às fotos, eu realmente gosto muito de fotografar e comprei uma Sony HX1 que possui um recurso que qualquer um que goste de fotografar não dispensaria: é que o display dela "vira" e é possível tirar fotos com a máquina bem acima ou bem abaixo do rosto. O que eu fazia era pendurar a máquina no pescoço (como todo mundo faz quando não está utilizando a máquina), mas a minha estava ligada e discretamente eu fazia as fotos.

 

Com relação à hospedagem em La Paz fiquei no Hotel Sagarnaga e no Milton, ambos estão na mesma região que é excelente porque são lotadas de turistas e assim fica mais fácil não ser notado na multidão. Eles ficam na calle Sagarnaga e na Llampu (ou Illhampu, não me recordo, embora seja fácil verificar no Google maps). Se fizer a reserva no Brasil, só reserve um ou dois dias (por comodidade) porque lá é mais barato. Não faça como eu que paguei lá o mesmo preço daqui. Eles são muito simpáticos, mas verifique outros hoteis similares para saber se vc está pagando o preço de mercado.

 

Em relação aos hoteis em Copacabana e Uyuni são bem simples e sinceramente não me lembro dos nomes, mas tenho certeza que será fácil encontrar hospedagem.

 

Um abraço,

 

Elias

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Mendes,

 

Eu emburreci porque não lembro direito como carregar uma foto na mensagem, mas segue uma foto da HX1 com o visor na posição "engana povo". Afinal as maquinas costumam estar desligadas, mas nem todas estão e com esta é possível tirar uma foto de uma maneira não convencional.

 

Pensei que havia informado sobre os hotéis em La Paz, mas ao reler meu relato notei que bobeei neste aspecto. O hotel não é tão importante, mas eu considero fundamental estar próximo à calle Sagarnaga e Illampu (é esse o nome correto). Neste local existem diversas lojas, casas de câmbio, locutórios / lan houses, restaurantes e é lotado de turistas o que torna a região segura (pelo menos me senti assim lá). Eu saía para almoçar, jantar, comprar, visitas ao centro, etc, sempre a pé, até as 22:00 sem nenhum problema. Há os mais destemidos que circulam a qualquer hora, mas sabe como é... estamos na América Latina, eu não faço isso em minha cidade, quanto mais em outro país.

 

Eu paguei antecipadamente 2 dias no Hotel Sagarnaga aqui no Brasil a R$40,00 a diária, lá eu paguei o equivalente a uns R$38,00 por mais uma diária. Acidentalmente descobri que o preço do Hotel Milton (que fica perto porque as ruas se cruzam) era de R$20,00. Quando retornei a La Paz fiquei hospedado no Milton, que considero um pouco melhor. Os dois são bem simples, algo como 2 ou 3 estrelas, mas possuem TV a cabo, café da manhã (uma boa oportunidade de mascar folhas de coca) e WI FI.

 

Descobri o Hotel Milton "acidentalmente" porque eu ia sair de La Paz pela manhã e precisava comprar um protetor solar, fui procurar uma farmácia, mas todas estavam fechadas, o único tipo de estabelecimento que estava aberto eram os hotéis e para "não perder a viagem" perguntei o preço, e sabe como é... não há simpatia que justifique uma diferença de preços tão grande. Com relação ao protetor solar FPS 50 eu acredito que isso seja um bom aprendizado: ele custava R$32,00 em SP (no Carrefour) lá na Bolivia custava R$14,00. É importante dizer que era exatamente o mesmo SUNDONW FPS 50 (hecho en Brasil). Então amigos não se deixem iludir pelo "dia sem imposto" em que os comerciantes (e industriais) promovem um auê para dizer que sem imposto de 40% tudo seria melhor, que isso é a doença de nosso pais e blá, blá, blá. A verdade é que a margem de lucro deles é astronômica. Que tal criarmos um dia sem lucros abusivos????

 

Um abraço,

 

Elias

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

[picturethis=http://www.mochileiros.com/upload/galeria/fotos/20110722235202.jpg 500 365.53030303 Legenda da Foto]Ops... Cuidado com máquinas penduradas no pescoço, costumam estar desligadas, mas podem não estar.[/picturethis]

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora


×