Use o menu Tags para buscar informações sobre destinos! - Clique aqui e confira outras mudanças!

Ir para conteúdo
pedroquintellarj

Aracaju, Canindé de São Francisco, Maceió e Maragogi - Casal - 2 semanas - com fotos

Posts Recomendados

INTRODUÇÃO:

Assim como minhas últimas viagens, o objetivo desta era, ao mesmo tempo, uma viagem ao estilo mochileiro e romântica com a namorada. Quem ler o relato vai perceber um pouco dessa mistura.

A ideia inicial era conhecer o Cânion do Xingó (Canindé de São Francisco) e Maragogi. A partir daí, a viagem foi se ampliando, envolvendo as capitais mais próximas dos respectivos pontos turísticos. Assim, foram incluídas as cidades de Aracaju e Maceió. A primeira semana ficaria reservada p/ a parte de Sergipe (Aracaju-Canindé) e a segunda semana p/ a parte de Alagoas (Maceió-Maragogi). O período escolhido seria o início de abril, envolvendo a semana santa, tentando pegar a baixa temporada e, ao mesmo tempo, evitar chuvas, normalmente, previstas p/ a partir de maio. Entretanto, por indisponibilidade da minha namorada a viagem passou a ser de 17/04 até 01/05, tendo, nesse meio, a semana santa. P/ a semana santa, visando redução de custos, foi escolhida a cidade de Canindé, pois, após pesquisa, foi verificado q seria possível pagar diárias normais e não aqueles pacotes mais caros de feriado. Assim, o trajeto da viagem ficou estabelecido subindo p/ o norte, iniciando em Aracaju, subindo p/ Canindé, depois p/ Maceió e, por último, Maragogi. A ideia inicial era voltar por Recife, porque ficaria tudo mais perto e o preço do vöo seria o mesmo, porém surgiu uma promoção da GOL na época de compra da passagem, com o preço de volta a R$10,00, fazendo o preço do voo cair pela metade, mas tendo q ir e voltar da mesma cidade. Logo, iniciamos a viagem em Aracaju e, após Maragogi, tivemos q voltar, novamente, a Aracaju p/ retornar ao RJ.

OBS.: Não foram incluídos gastos supérfluos de viagem nos cálculos, porque isso é individual, de cada um. Como exemplo, são as lembrancinhas de viagem, q eu até citarei no relato, p/ uma ideia de preço, mas não entrarão nos cálculos.

VÔOS E TROCAS DE CIDADE

. Conforme falado acima, o primeiro planejamento da viagem era iniciar por Aracaju e seguir na direção norte, voltando pelo aeroporto de Recife, após passar por Maragogi. Entretanto, a GOL lançou promoção em comemoração aos seus 10 anos, com o trecho de volta a R$10,00. Na promoção era exigido q o vôo chegasse e saísse da mesma cidade. Assim, optamos por Aracaju como aeroporto base. O vôo custou ida e volta, com taxas R$275,30 p/ cada um.

. A primeira troca de cidade foi entre Aracaju e Canindé de São Francisco. A opção por Canindé ao invés de Piranhas se deu porque, após pesquisa nos tópicos relacionados nos Mochileiros, a cidade me pareceu mais perto do ponto de partida p/o Cânion do Xingó, bem como por ser mais fácil a chegada a partir de Aracaju. Contudo, quanto à distância dos pontos turísticos, após a viagem, percebi não haver muita diferença. Piranhas é um pouco mais movimentada e um pouco mais bonita, mas é um pouco mais isolada (a parte de Piranhas Velha, q é o q importa). A entrada p/ o Cânion, realmente, é um pouco mais próxima de Canindé, assim como a entrada p/ a Usina Hidrelétrica do Xingó (apesar de essa já ser do lado de Alagoas). Já o passeio p/ a Grota do Angico/Trilha do Cangaço parte de Piranhas Velha. Juntando esses pontos e outros mais a opção foi por Canindé. De Aracaju p/ Canindé existem três empresas de ônibus: Coopertalse (http://www.coopertalse.com.br), Coopetaju (http://www.coopetaju.com.br) e Bomfim (http://www.bomfim.com.br). As duas primeiras são micro-ônibus normais, que fazem o transporte direto, em diversos horários e com ponto final na praça central de Canindé e custam R$19,00. Já a Bomfim, passa pela cidade e você tem q saltar na estrada, mas é dentro da cidade mesmo. A distância é só de um quarteirão da estrada p/o ponto das outras duas empresas. O ônibus é de turismo e a passagem custa R$19,25. Sei q há o horário de 18:25, porque é o q fui, mas não sei informar se há outros horários. A viagem dura cerca de 3h30.

. A segunda troca de cidade foi de Canindé p/ Maceió. Foi um pouco mais difícil, porque a maioria dos transportes p/ Maceió saíam de Piranhas. Além disso, queríamos sair cedo p/ aproveitar o dia em Maceió. Conseguimos uma dica de van q nos pegaria no hotel em Canindé e iria p/ Maceió. Parece q ela faz esse caminho todo dia de manhã cedo. O motorista da van se chama Ricardo e seus contatos são: (82) 8815-3482 / 8827-3802 / 3686-3117. O Ricardo nos pegou de carro no hotel em Canindé, por volta das 5h30 da manhã, e nos levou até a Van em Piranhas, na sua casa. A van ainda pegou mais pessoas em casa e seguiu p/ Maceió. Teoricamente, isso tudo era p/ ter demorado até 3h30, mas não sei por que demorou 5hs de viagem desde a saída em Canindé, com uma parada p/ café. A van tem ponto final na praia da Avenida, próxima ao Centro, mas também não muito longe da Pajuçara. A passagem custa R$35,00 de Canindé e R$25,00 de Piranhas. A van é grande, bem estruturada, nova, com ar-condicionado e TV q passa clipes de música. O banco tem até mecanismo p/ inclinar. O único problema é q o motorista superlotou a van durante uma parte do trajeto, colocando até um banquinho plástico extra, mas a viagem foi tranquila. Destaque-se q a Real Alagoas também faz o trecho Piranhas-Maceió, acho q no final da tarde.

. A terceira mudança de cidade foi de Maceió p/ Maragogi. As empresas q fazem esse trajeto são a Real Alagoas (http://www.realalagoas.com.br) e a DEF Transportes e Turismo. Pelo q pesquisei os horários da Real Alagoas são: 4:15 e 11:00 (tanto Maragogi-Maceió, quanto Maceió-Maragogi) e a passagem é R$15,50. Os horários da DEF são: 5:30, 8:30, 13:00 e 16:20 (Maceió-Maragogi); 5:00, 9:00, 12:00 e 16:30 (Maragogi-Maceió) e a passagem é R$12,50. O tempo de viagem é de, aproximadamente, 3 horas. Ambos são ônibus de turismo, mas um pouco acabadinhos. Ponto final na pracinha central de Maragogi.

. A quarta mudança de cidade seria a volta Maragogi-Maceió, que faríamos no dia do nosso vôo de volta ao RJ. Ressalta-se q nosso vôo sairia às 5h30 de Aracaju. Então, a volta começou no dia anterior, mas queríamos sair o mais tarde possível, evitando ficar muito tempo no aeroporto. Haviam as opções das mesmas empresas acima (DEF e Real Alagoas), mas o último horário era 16:30 e eu queria voltar à noite. Assim, fechamos o transfer de carro com o Paulista (Gilson), pelo preço R$150 o carro (neste caso, deu R$75,00 p/ cada um, mas com 4 pessoas seria só R$37,50 cada um). Optamos pelo conforto, nesse caso, e, também, pela opção de poder curtir a cidade e descansar até a noite.

. O quinto trecho era a volta Maceió-Aracaju. Como falado, nosso vôo era 5h30 da manhã. O último ônibus saindo de Maceió p/ Aracaju era às 18hs, p/ cerca de 6hs de viagem. Sendo assim, perderíamos praticamente 12hs sem fazer nada, sendo q o horário não bateria com a volta de Maragogi de ônibus, oq faria com q tivéssemos q sair na hora do almoço de Maragogi, ou seja, iria ser um transtorno gigantesco e acabaríamos perdendo um dia inteiro p/ voltar ao RJ. Destaque-se q o ônibus Maceió-Aracaju custava R$60,00 (empresa Bomfim). Após pesquisas, descobrimos q o vôo Maceió-Aracaju pela Azul estava R$89,00 com as taxas, saindo às 2h30 e chegando às 3h15. Sendo assim, se encaixava perfeitamente em nosso horário. Por isso optamos pelo vôo da Azul Maceió-Aracaju, ganhando assim, por volta de 12hs em nosso dia, oq resultou também na opção do transfer de carro anteriormente citado.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

HOTÉIS

Destaque-se, nesse ponto, que, normalmente, opto por hotéis q estejam na região central da cidade ou próximos dos pontos a serem visitados durante à noite, porque, à noite, o transporte é sempre mais complicado.

. Aracaju – Ficamos no Hotel Rekinte (www.hotelrekinte.com.br). O Hotel é localizado a poucos metros da praia de Atalaia, considerada a principal turisticamente. Sua rua é em frente aos arcos da praia do Atalaia. Além disso, fica a umas 3 quadras da passarela do caranguejo, maior concentração de bares e restaurantes de Aracaju. O hotel é barato, com a diária p/ casal a R$99,00 na época em q fomos. Tem uma piscina grande e boa. Café da manhã na forma de buffet muito bem servido. Quarto confortável com TV a cabo, ar-condicionado e frigobar. Wifi gratuita no próprio quarto. Ainda é próximo do Terminal Sul de ônibus, oq traz mais opção de transportes. O único problema é o banheiro, porque a privacidade é zero. A porta do banheiro é de vidro escurecido, igual a “box” de chuveiro, ou seja, consegue-se ver tudo oq está se fazendo lá dentro. Isso é um pouco chato se você estiver dividindo o quarto com alguém q não tenha intimidade...

As outras opções q poderia indicar: Real Praia Hotel (www.realpraiahotel.com.br - R$150,00 casal + 10% - também na orla da Atalaia); Viamar (www.viamarpraiahotel.com.br – R$162 casal – orla da Atalaia); Nascimento Praia Hotel (www.nascimentopraiahotel.com.br – R$110,00 – orla de Atalaia). Todas essas opções são um pouco mais longe da passarela do caranguejo.

. Canindé do São Francisco – Ficamos na pousada Centro (telefone: 79-3346-1204 / 79-9960-7548 / 79-9967-2349), indicação da Renata Maciel (http://renatamaciel.multiply.com/) q comentou no Fórum do Mochileiros.com. A diária foi R$50,00 o casal, sem café da manhã. A pousada é bem simples, mas o quarto é todo novo, pintura nova, com ar-condicionado, TV e frigobar. Pegamos o quarto principal, q ainda tinha uma varandinha particular p/ a rua. Destaque-se que, nessa varandinha, pegava o sinal da Wifi gratuita q a prefeitura disponibiliza na praça da frente. O único problema (q já sabíamos antes) é q o banheiro só tem água fria e não tem um box fechado. É só um chão um pouco rebaixado, então, molha tudo e você tem q ficar passando o rodo...rs Nada demais também... A porta do banheiro também não protege muita a intimidade porque tem espaços por cima e por baixo, mas nada que atrapalhe muito. A melhor coisa da pousada são as pessoas. O Bonfim, dono da pousada, foi nos buscar no ponto do ônibus q nos trouxe de Aracaju, marcou todos os passeios p/ gente e foi muito prestativo e simpático. O Gerônimo, funcionário do hotel, também é muito gente boa.

Outras opções: tem o Xingó Parque Hotel, q se diz um Resort, mas não ouvi comentários muito bons dele não, além de ser caro e longe do centro da cidade. Você fica preso nele ou gasta mais dinheiro de transporte (www.xingoparquehotel.com.br). A outra opção q vi e q parecem próximas ao centro são o China Hotel (R$148,00 o casal com café da manhã – telefone: 79-3346-1204) e o Canindé Hotel (R$80,00 casal com café – telefone: 79-3346-1247).

. Maceió – Ficamos no Hotel Verde-Mar (www.hotelverdemar.com.br), com diária a R$136,00 o casal. Em Maceió primamos um pouco pelo conforto e resolvemos ficar num hotel melhor. Hotel 3 estrelas, mas não tão caro. A CVC inclui esse hotel em seus pacotes. Ótima estrutura e de frente p/o mar. Quarto confortável, com TV a cabo, frigobar e ar-condicionado split. Hotel muito bom. O único defeito é não ter wifi. Café da manhã ótimo, muitas opções e com uma pessoa fazendo tapioca na hora de diversos sabores. É só pedir. A localização é no início da orla da praia da Pajuçara, próximo de onde sai os passeios de jangada p/ as piscinas naturais da pajuçara e dos centros de artesanato. A localização é boa, mas seria um pouquinho melhor se não fosse tão no início da Pajuçara. Então, as vezes, tem q se andar um pouco mais p/ chegar nos locais, mas a boa estrutura do hotel compensa e o custo-benefício do hotel é ótimo. Dá p/ ficar apoiado na borda da piscina com uma vista linda da praia.

Em Maceió, diferente das outras cidades da viagem, há albergue (Albergue Plano B – www.www.albergueplanob.com.br). A localização me pareceu boa: na Praia da Ponta Verde. Pelo q vi na cidade, a melhor localização é entre a Pajuçara e a Ponta Verde. A diária em quarto coletivo é R$40,00 em baixa temporada e R$50,00 em alta.

Outras boas opções, dependendo da intenção: Pousada Aquarela do Brasil (www.pousadaaquareladobrasil.com – R$99,00 casal); Pousada da Sereia (www.pousadadasereia.com.br/pousada.php – R$130,00 o casal); Hotel Paraíso das Águas (www.hotelparaisodasaguas.com.br - R$150,00 o casal); Hotel Tambaqui ( - R$175,00 o casal); Pajuçara Praia Hotel (www.pajucarahotel.com.br - R$190,00 casal); Hotel Enseada (www.hotelenseada.com.br - 210,00 casal).

. Maragogi – Ficamos na Pousada Olho D'Água (www.pousadaolhodagua.com - R$99,00 casal no quarto lateral ou fundos e R$109,00 casal no quarto de frente p/o mar). Ficamos no anexo q estão terminando de construir, por isso ficamos sem wifi. Sem problemas, porque o quarto era ótimo, o melhor da viagem. Cheirando a novo ainda e todo moderno. Ar-condicionado split, TV LCD, frigobar, cama box, muuuito espaçoso. Como escolhemos de frente p/ o mar, tinha uma varanda q dava de frente p/a praia, mas era no térreo. Dava p/ ouvir o mar do quarto. Nosso quarto era o 301. Sugiro p/ quem for. A localização era muito boa também. Na orla da praia de Maragogi, a poucos metros do centro da cidade e perto de todos os restaurantes da orla.

Outras opções: Pousada Mariluz (quase do lado da pousada Olho D'Água – não sei o preço - http://www.pousadamariluz.com.br/pousada.htm); Pousada Porto dos Corais (www.feriasbrasil.com.br/al/maragogi/ond ... doscorais/ - R$95,00 casal); Portal de Maragogi ( www.portaldomaragogi.com.br - a partir de R$161,00 casal no quarto standard); Areias Belas (www.hotelareiasbelas.com.br/index.htm - R$210,00 lateral e R$225,00 de frente p/o mar – me pareceu ser de ótima qualidade, no início da praia do centro de maragogi).

 

1º dia (17/04 – dom/noite - Aracaju):

. Como já citado acima, compramos o vôo na promoção da GOL, com valor de retorno a R$10,00. O vôo saiu 19:45 do Galeão, aeroporto internacional do RJ, e chegou 21h45 na conexão, em SSA. Saiu 0h45 de SSA e chegou 1:30 em Aracaju.

. Lanche no Giraffas do aeroporto de SSA (Trio Croc): R$12,20

. O hotel Rekinte era próximo ao aeroporto e pegamos o táxi do aeroporto mesmo, que não foi tão caro. Táxi do Aeroporto até o hotel: R$11,00 p/ cada um.

. Diária do Hotel Rekinte – R$49,50 p/ pessoa.

TOTAL INDIVIDUAL DO DIA: 72,70

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

2º dia (18/04 - 2ª feira - Aracaju):

. Manhã → Saímos um pouco tarde, porque estávamos cansados da viagem. Por volta de 11hs chegamos na Praia do Atalaia e ficamos +- 1h. Tomamos um coco na praia (R$2,00). Tinha bastante lixo na areia. A praia do Atalaia tem uma faixa de areia longa. Achei interessante que o mangue ao redor da praia foi preservado, deixando o ecossistema natural, diferente do RJ, por exemplo. O calçadão muito bem urbanizado, com quadras e outras opções de lazer é bem legal também. Andamos toda a orla, passando pelo oceanário (estava fechado – aberto de 3a a domingo). Apesar de fechado, o oceanário parece valer uma visita. Após, passamos por um centro de artesanato fraco, chegando até o farol da Coroa do Meio. Queríamos ir andando até o calçadão da 13 de julho, mas percebemos q era muito longe. Então, próximo ao farol e ao centro de artesanato, pegamos um ônibus (R$2,25 p/ cada um) até o Calçadão da 13 de julho. Saltamos em um dos primeiros pontos do Calçadão. Almoçamos ali, no restaurante Carne de Sol do Ramiro (indicado pelo guia 4 rodas). Simples, mas gostoso e bem servido. Nem tão barato. Custou R$56,54 p/ o prato, uma jarra de suco e um refri (paguei R$30,00). Um prato muito bem servido de meia carne de sol mista (garçom falou q era p/ dois, mas 3 comiam trankilo). Era misto porque vinha um pedaço de carne e outro pedaço a escolher entre maminha, lombo e frango, além de diversos acompanhamentos. Ficamos com a maminha.

. Tarde → Continuamos andando pelo Calçadão da 13. O calçadão é mais uma área muito bem urbanizada, com ciclovia, espaço para relaxar e p/ exercícios. Ainda no calçadão, subimos no mirante, q tem uma vista do Rio Sergipe e ali do calçadão, mas não é nada d+, porque não é muito alto. Depois, continuamos andando bastante na beira do rio. Tomei uma água num quiosque (R$1,50). Fomos até a ponte do imperador, que foi onde o imperador desembarcou quando visitou a cidade e de onde, também, avistamos a famosa ponte estaiada que leva até Barra dos Coqueiros. Não deu tempo de ir até a ponte e passar até a Ilha de Santa Luzia. Voltamos de ônibus (vimos alguns parques interessantes p/ visita, no caminho por dentro; acho q era o parque da sementeira). Passamos no mercadinho e fizemos umas compras (6,00 cada um). Ainda deu p/ pegar uma piscininha no hotel ao anoitecer.

. Noite → P/ não ficar todos os dias à noite na Passarela do Caranguejo, pegamos a dica no mochileiros.com da Orlinha do Bairro Industrial, onde há uma vista p/ ponte estaiada. A vista é bonita, mas nem tanto. Fomos de ônibus, não me lembro o número, mas o hotel informou e saía do terminal sul, pertinho. O problema é que salta um pouco longe e passa por lugar bem escuro e estranho. Sugiro ir de táxi, apesar de não ficar tão barato. Ficamos no Bar Canoas, que era o único aberto. Tinha música ao vivo, tocando MPB. Boa música. O local estava até animadinho. Foi bom p/ relaxar, mas não sei se valeu tanto a pena ir até lá. Consumo: uma cerveja, dois pastéis, um caldinho de feijão e um refri (R$26,40 – paguei R$17,40). Táxi de volta custou R$22,00 (11,00 p/ cada um).

 

CUSTOS:

49,50 – hotel - http://www.hotelrekinte.com.br/v02/home.asp

6,75 - 3 ônibus

2,00 – coco

1,50 – água

6,00 – compras no mercadinho

30,00 – almoço

17,40 - barzinho

11,00 – taxi

TOTAL INDIVIDUAL DO DIA: 124,15

 

20110524015829.JPG

Arcos da Praia do Atalaia

 

20110524020016.JPG

Ponte do Imperador

 

20110524020226.JPG

Vista da ponte na Orlinha do Bairro Industrial

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

3º dia (19/04 – 3ª feira – Aracaju):

Manhã e tarde → Acordamos cedo p/ o passeio p/ Mangue Seco. O ônibus da excursão chegou mais cedo do q o combinado e saímos correndo do café. Fechamos com a Nozes Tour, q parece ser a agência mais famosa da região (R$80,00 cada um – pode parcelar em até 3 vezes no cartão). Bom serviço, apesar de terem esquecido um casal na volta e o cataramã ter que voltar p/ buscá-los... rs No caminho, pedi p/ darem um pulo na Praia do Saco, mas não deu tempo. Deu p/ avistar do barco a praia do Saco e não me pareceu tão interessante assim... ainda mais perto de Mangue Seco, q é muito bonita. P/ os interessados, o caminho do Saco é o mesmo q o de Mangue Seco. Após +-2hs de ônibus chegamos no lugar onde pegamos uma escuna (tem uma ponte em construção q vai fazer a ligação com a Bahia, pelo q entendi). A escuna (uns 20min) nos deixou em Mangue Seco, mas não na praia ainda. Dividimos o buggy com outro casal q estava no mesmo hotel com a gente (R$70 o buggy – R$17,50 p/ cada um). Há um caminho mais longo q explora mais dunas e custa R$160,00. Sinceramente, acho q não vale a pena, porque iria acabar não aproveitando a praia direito depois. Andamos de buggy durante +- 45min e o motorista fez umas 4 paradas pelas dunas p/ fotos. A primeira parada é no “centro” da cidade, próximo de uma igrejinha e lojinhas, onde comprei um imã (R$2,50). Após, o buggy vai pelas dunas até a praia e deixa no restaurante Asa Branca (também tem a pousada de mesmo nome na descida da escuna). Restaurante com atendimento muito lento, mas tem redes ao lado das mesas p/ dar aquela descansada sensacional de frente p/ o mar! Que vida boa!!! Consumo: misturamos petiscos, q davam quase um prato, porque achamos q valia a pena: carne de sol com farofa e porção de batata frita + dois sucos, uma água-de-coco e um refri = 57,36 – paguei 29,00. Ambulantes (mulheres locais) passam vendendo várias comidas típicas. Compramos cocada (R$2,00), mas tinha aratu na folha de bananeira (R$5,00) e pastel de forno (R$3,00). A praia é muito bonita, de frente p/ um monte de dunas e, praticamente, deserta. Vale muito a pena!

Voltamos às 14:30 p/ o buggy (ficamos pouco mais de 3 horas na praia). Depois, pegamos a escuna de novo. Na volta de ônibus, paramos num boteco q é a casa de uma figura famosa na região: Zé Baiano (diz ele q tem 6 mulheres, 3 namoradas, 57 filhos, etc.). Mas nenhuma mulher apareceu... acho q está mais p/ conversa fiada... só sei q o cara tem 3 carrões e um deles importado...rs Chegando, tomamos um picolé (4,00) e compramos um imã (2,00 p/ mim e 2,00 p/ gabi).

. Noite → Descansamos e, de noite, fomos na passarela do caranguejo. Uma grande concentração de bares, mas nada d+ também... Só o restaurante Cariri e mais uma churrascaria são + bonitinhos... o resto é bem simples... A intenção era ir no Bar Coqueiral, q disseram ser interessante, com música ao vivo e com um show divertido de um dos sócios do bar, mas, para nossa surpresa, parece q o bar acabou. Acabou ou estava fechado p/ reformas, porque estava tudo fechado, sem mesas, sem nada... Acabamos no Point do Caranguejo, que ainda é junto com o Bar do Joquei (pedimos coisas nos dois) – R$52,25 (uma casquinha de siri, uma jarra de suco, um refri, um pastel e uma pizza) paguei R$26,25.

 

CUSTOS:

49,50 – hotel - http://www.hotelrekinte.com.br/v02/home.asp

97,50 – passeio mangue seco + buggy

4,00 – picole

29,00 – almoço mangue seco

26,25 – bar à noite

TOTAL INDIVIDUAL DO DIA: 206,25

 

20110524020746.JPG

Vista das Dunas de Mangue Seco

 

20110524020920.JPG

Relaxando na rede em Mangue Seco

 

20110524021107.JPG

Passarela do Caranguejo

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

4º dia (20/04 – 4ª feira - Aracaju):

. Manhã e Tarde → Dia do passeio Delta do São Francisco (saída 8hs). Nozes Tour (R$110,00 – pode pagar no cartão em 3x). Passeio bem legal com almoço incluído, bebidas não incluídas. Demora +- 2hs/2hs e meia cada trecho de ônibus de ida e volta p/ a cidade de Brejo grande, onde pegamos a escuna, no Rio São Francisco. Foi interessante ver a população ribeirinha, tomando banho, pescando, lavando roupa, tudo junto, no Rio São Francisco. De Brejo Grande fomos navegando até o Delta. Logo no início, são servidas frutas. Na ida, avistamos também a cidade de Piaçabuçu-AL, onde foi gravado o filme “Deus é brasileiro”. Nesse ponto, é importante fazer um destaque. Escolhemos fazer o passeio p/o Delta por Aracaju, porque parecia um pouco mais perto e, também, pela logística de divisão de dias de passeio, mas o passeio p/ o Delta pode ser feito, também, saindo de Maceió, de onde se pega um ônibus q leva a Piaçabuçu. De lá saem escunas como as de Brejo Grande p/o Delta. Quando já estávamos em Maceió, acabamos descobrindo q valia mais a pena fazer o passeio saindo de Maceió, porque sairia mais barato (R$85,00) e o tempo era praticamente o mesmo, mas aí já era... já tínhamos feito...

Voltando ao passeio: depois de chegar próximo ao encontro com mar, voltamos a um ponto q tem lagos naturais e dunas, onde o barco fez sua parada. Lá há várias pessoas vendendo artesanato e cocadas, em cima de seus próprios barcos. Chamam de “shopping dos pescadores”. Compramos 4 imagens de São Francisco de tamanho médio. Cada uma sairia R$8,00, mas, na promoção, saíram as 4 juntas R$25,00. Tem uma lagoa natural feita pelo Rio São Francisco muito gostosa p/ tomar banho e a vista do alto das dunas é maravilhosa. Só podemos ficar lá por uma hora. Parece q é o tempo q o Ibama permite... Depois voltamos ao barco e o almoço é servido lá mesmo. Um buffet com boa comida. Tomamos no barco, ainda, uma água (R$2,00), uma cerveja (R$3,50) e um suco (R$2,50). Começou uma chuvinha chata no final.

Saltamos, na volta, na feirinha, próximo ao centro de cultura e lazer. Um pouco fraca. Gabi comprou uma coruja feita de conchas R$3,00. Comemos tapioca por lá (R$9,50 carne-seca com catupiry e R$5,00 queijo com manteiga +2,00 água).

. Noite → Forró no Bar do Cariri. Dá p/ ir a pé do hotel. Melhor restaurante da Passarela do Caranguejo. Mais movimentado e com enfeites típicos. Tem um espaço separado no fundo para forró ao vivo. Custa R$20,00 p/ entrar nesse espaço, mas acabamos não entrando, porque minha namorada não tava bem. Fomos com um casal de amigos do hotel (Marcelo e Cláudia). Ficamos só na parte do bar mesmo. Gastei R$25,00 (uma parte da isca de peixe que custava R$30,00, um refri R$3,00 e o couvert artístico R$5,00). Obs.: também tinha música ao vivo na parte do bar, mas era mais p/ sertanejo.

 

CUSTOS:

49,50 – hotel - http://www.hotelrekinte.com.br/v02/home.asp

110,00 – passeio ao delta do Rio São Francisco com almoço incluso

5,00 – água +suco no barco

11,50 – tapioca + água

25,00 – Cariri (noite)

TOTAL INDIVIDUAL DO DIA: 201,00

 

20110524021736.JPG

Lago natural do Rio São Francisco

 

20110524022011.JPG

"Shopping dos pescadores"

 

20110524022213.JPG

Restaurante Cariri

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

5º dia (21/04 – 5ª feira – Aracaju/Canindé de São Francisco):

. Manhã → Acordamos um pouquinho mais tarde e, depois de tomar o café, fomos curtir um pouco a piscina do hotel. Após, arrumamos as coisas p/ sair. Paguei R$2,20 de água consumida do frigobar.

. Tarde -> Pegamos um táxi e, segundo orientação do recepcionista do Hotel Rekinte, fomos p/ a Rodoviária Velha, q era próxima ao centro (vale mais a pena sair de lá). Só q o motorista do táxi entendeu errado e nos levou p/ a Rodoviária Nova (mais longe) e nós não percebemos... achamos q era a velha mesmo... Custou R$24,00 (R$12,00 p/ cada um). Chegando na rodoviária, p/ nossa surpresa, não havia mais vaga nos ônibus da Coopertalse p/ Canindé. Tudo lotado. Eu temia isso e havia conversado na recepção do hotel sobre o assunto no dia anterior. Entretanto, falaram q eu não teria problema p/ comprar na hora, q não precisava me preocupar, porque eram muitos horários. Na Coopertaju, também não tinha mais. Por sorte, ainda havia passagem na Bomfim. Entretanto, só p/ as 18h45 e ainda eram +- 13h30... Como não tinha jeito, compramos. Mas não dava p/ ficar mofando ali... ainda mais pq a Rodoviária Nova, ao contrário da Velha, é bastante isolada (e nem sabíamos q estávamos na Nova ainda). Então, pensamos, pensamos... avaliamos q era melhor dar uma volta no shopping, p/ matar o tempo, mesmo custando um dinheiro, porque não parecia ser tão longe... e comeríamos melhor... Alugamos um guarda-volume (2,50 cada volume pequeno – colocamos 3 = 7,50). Fomos de táxi p/ o shopping Jardins (R$9,00 p/ cada um). Comemos no restaurante a quilo King's Kilo (gastei 18,70 com comida e bebida e comi mt bem, inclusive com comida japonesa). Acabamos entrando no cinema e vendo “Rio”, que ironia... (R$7,50 cada um – meia entrada). Após o filme, ainda passamos no supermercado, rapidamente, pois a Gabi queria comprar uns produtos p/ ela. Acabei comprando um biscoito recheado (R$2,00). Pegamos um táxi e pedimos p/ ir p/ rodoviária velha. Foi aí que descobrimos o erro! Quando o motorista falou q havíamos chegado, percebemos q não era aquela rodoviária e falamos p/ ele, descobrindo o equívoco q havia ocorrido antes. Ainda bem que tínhamos um tempinho sobrando... conseguimos chegar na Rodoviária nova na hora, mas o táxi acabou mais caro (R$13,00 p/ cada um) e embarcamos às 18h45.

. Noite → Viagem durou +- 3h30, com uma parada (comprei uma água – R$1,00), e saltamos não mais na pracinha, como saltaríamos com a Coopertalse. Tivemos q saltar na Caixa d'água da DESO, próxima ao Centro, na própria estrada (mas a estrada passa dentro da cidade mesmo). Com o atraso, acabamos não podendo dar a volta pela cidade como programado. P/ nossa surpresa, o dono do hotel (Bonfim) nos esperava no ponto de descida do ônibus, nos recepcionando pessoalmente. Ajudou a carregar as malas e tudo. Foi muito atencioso. Por ter reservado com antecedência, ficamos com o melhor quarto: o da frente, que tem até uma varandinha particular. O dono reservou nosso passeio p/ o Cânion do Xingó no dia seguinte, conforme eu havia pedido pelo telefone à tarde, porque não haveria tempo de eu chegar e reservar. Após nos instalarmos, o funcionário do hotel Gerônimo nos levou, pessoalmente, até uma pizzaria perto (La Favorita) que pedimos p/ mostrar como chegar. É tudo pertinho. Pizzaria caseira, com serviço muito bom, forno à lenha e barata. Suco de laranja gostoso da fruta. Gastamos R$27 com pizza grande R$22,00 (8 pedaços – sabor meio mussarela, meio calábria, q é calabresa c/ catupiry e parmesão), uma jarra pequena de suco R$3,00 e R$2,00 de gorjeta (porque não tinha 10%, mas o atendimento foi mt bom). Assim, ficou R$13,50 p/ cada um. Voltamos p/ o hotel p/ dormir.

 

CUSTOS:

2,20 – água no hotel

12,00 – táxi p/ rodoviária nova

7,50 - guarda-volume

9,00 – táxi p/ o shopping

18,70 – almoço no shopping

7,50 – cinema

2,00 - biscoito

13,00 – táxi p/ rodoviária

1,00 – água

25,00 – hotel em Canindé POUSADA CENTRO

19,25 – ônibus Aracaju-Canindé

13,50 – pizzaria

TOTAL INDIVIDUAL DO DIA: 130,65

 

20110524022805.JPG

Piscina do Hotel Rekinte

 

20110524022944.JPG

Pizzaria de Canindé de São Francisco

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

6º dia (22/04 – 6ª feira – Canindé de São Francisco):

. Manhã → O passeio p/ o Cânion do Xingo foi marcado p/ 8h15. Existiam em diversos horários, praticamente, de hora em hora. Entretanto, não sei se isso ocorreu por ser feriado. Mesmo assim, me parece que sempre há vários horários. P/ chegar lá, não deu p/ nos programarmos muito, porque chegamos tarde no dia anterior. Bonfim (dono da pousada) resolveu tudo p/ nós. Primeiro tentou conseguir um carro p/ nos levar, mas todos os seus carros estavam alugados, por ser feriado, e não devolveram quando deveriam. Então, chamou dois mototáxis de confiança. O transporte lá é um pouco complicado mesmo e o mototáxi é o meio mais utilizado. Não deu p/ negociar muito e conseguimos fechar a R$30,00 p/ cada um, pelos três trechos (ida p/ a saída do barco p/ o Cânion, ida p/ a Usina Hidrelétrica – nosso passeio da tarde – e volta p/ o hotel). Os mototaxistas eram super gente boa. O Edgar (79-98410533), um deles, ria o tempo inteiro, sempre animado. O passeio de catamarã p/ o cânion sai do restaurante flutuante Karrancas, q tem uma estrutura legal. O passeio custa R$50,00 e dura entre 3hs e 3h30. O passeio é ótimo. A vista é bem diferente de tudo oq já vi. São grandes paredões rochas, com a água esverdeada e muito bonita do Rio São Francisco. O vento transforma as rochas em verdadeiras obras de arte. O banho no rio é feito numa parte cercada propriamente p/ isso no Talhado. O chato é que a parada p/ isso é só de 1 hora. No mesmo local, você pega um pequeno barco e vai por dentro de um espaço pequeno entre as rochas. É uma tranquilidade muito boa por ali. Custa R$3,00 por pessoa esse mini-passeio de uns 10mins. Vale a pena. Após o período de banho, retornamos ao catamarã. Voltamos e saltamos no Restaurante Karrancas, onde almoçamos. Poderia pedir um prato ou comer livremente no buffet. Seguindo dicas anteriores do fórum, que diziam que o pedido demora, bem como considerando q o restaurante estava bem cheio, comemos no buffet (R$28,00 p/ cada um – coma à vontade). Várias opções no buffet e comida boa. Pedimos ainda um suco e uma água cada um (R$4,00 o suco e R$2,50 a água). Comprei um imã na loja do Karrancas R$4,00.

. Tarde → Combinamos com os mototáxis às 13hs e eles chegaram pontualmente. Eles nos levaram p/ a Usina Hidrelétrica do Xingó, que fica logo depois da fronteira com Piranhas (mesmo assim, ainda é mais perto de Canindé). No caminho, ainda pararam p/ tirarmos umas fotos da barragem da Usina de longe. P/ visitar a Usina custa R$40,00 o carro (ou seja, pode ser até R$10 por pessoa, se encher o carro, mas p/nós, q éramos 2, o valor foi de R$20,00 p/ cada um). Se for com seu próprio carro ou mototáxi nos custaria somente R$30 os dois juntos, mas como não havíamos combinado com os mototaxistas, resolvemos escolher a opção do carro. Como tínhamos duas vagas sobrando no carro, oferecemos ao dois mototaxistas, que ficaram muito, muito felizes. O Edgar, um deles, nunca tinha ido lá e ficou mais animado ainda do q já é! Comprei uma água R$2,00. O passeio começa no Centro de Recepção de Visitantes e inclui um vídeo de uns 10 mins sobre a construção da Usina, uma explicação de mais uns 10 mins em uma maquete de como tudo funciona e mais uns 5 mins p/ tirar umas fotos de frente p/ a Usina. Depois, fomos de carro até a Usina em si. Paramos em cima da barragem e vemos as comportas. É incrível o tamanho. Recebemos mais explicações. É interessante. Depois, fomos até o prédio onde estão as turbinas. Chegamos perto de onde desce a água represada p/ as turbinas. Dá até p/ ouvi-la. Após, descemos até próximo das turbinas e às avistamos. Essa 2a parte do passeio dura uns 40mins. Terminando, pegamos as motos e fomos embora p/ o hotel. No caminho, paramos na entrada de Canindé e tiramos umas fotos com as estátuas de Lampião e Maria Bonita. Chegamos no hotel por volta de 16hs e ficamos relaxando um pouco.

No fina da tarde, pedi p/ o Bonfim marcar o passeio da Rota do Cangaço p/ o dia seguinte. Além disso, telefonei p/ uma pessoa indicada por uma das pessoas do Receptivo da Usina p/ ir de Van p/ Maceió no domingo cedo, oq tava bem difícil de conseguir, mas ficou tudo acertado, conforme falei acima.

. Noite -> Estava tudo fechado e voltamos na pizzaria La Favorita, único comércio aberto por ser 6a feira santa e a cidade ser muito religiosa. Dessa vez comemos uma pizza média (6 pedaços), metade 4 queijos e metade marguerita, com borda de catupiry, e um suco de laranja (R$20,00 – R$10 p/cada um).

 

CUSTOS:

25,00 – hotel em Canindé – Pousada Centro

50,00 – passeio ao Canion do Xingó

20,00 – Usina Hidrelétrica do Xingó

30,00 – transporte mototaxis

34,50 – almoço no Karrancas + bebidas

2,00 – água mineral

10,00 - pizzaria

TOTAL INDIVIDUAL DO DIA: 171,50

 

20110524023427.JPG

Contraste das rochas do Cânion do Xingó com a água verde do Rio São Francisco

 

20110524023634.JPG

Passeio entre as rochas do Cânion

 

20110524023808.JPG

Usina Hidrelétrica do Xingó

 

20110524024018.JPG

Igrejinha de Canindé de São Francisco

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

7º dia (23/04 – sábado - Canindé de São Francisco):

. Manhã → Amanheceu chovendo, mas passou rápido. Pela manhã, fomos fazer o passeio da Rota do Cangaço (Grota do Angico), que inicia de barco, a partir da cidade de Piranhas Velha. Combinamos com o Bonfim o translado, que ficaria R$10,00 cada trecho p/cada um. O passeio iniciaria às 9hs e antes de pegar o translado, tomamos café na padaria de Canindé (um queijo quente p/ cada um R$0,75 e um achocolato p/ mim R$1,00 e dois p/ a Gabi R$2,00). O passeio inicia em um catamarã, mais simples que o do passeio p/ o Cânion e custa R$35,00 cada um. Após +- 45min navegando, chegamos ao restaurante, que tem uma estrutura pequena de praia à frente e de onde sai a trilha p/ a Grota, onde Lampião e Maria Bonita foram assassinados. A parada lá é de +- 3 horas. O passeio pela trilha custa R$4,00 por pessoa, quantia q vai p/ a guia que acompanhará na trilha. A trilha é +- leve, mas alguns despreparados não estavam aguentando. Dura +- 1h30 a ida e volta. Interessante fazer uma trilha pela vegetação seca da região. Chega-se a região aberta no meio do mato, chamada Grota do Angico. É o local onde Lampião, Maria Bonita e seu bando foram encurralados e mortos. Lá há uma placa e duas cruzes e a guia para e explica oq aconteceu. Depois da trilha ficamos tomando banho de rio. Comprei uma água – R$2,00. Acabamos não almoçando lá p/ aproveitar mais o banho de rio e comemos apenas o biscoito q levei. Chegamos de volta em Piranhas +- 13h30. Ao sair, encontramos com um primo de meu pai de Recife e combinamos de nos encontrarmos mais tarde, porque ele estava entrando no passeio de 14hs.

. Tarde → Almoçamos no Restaurante Badauê, um dos q ficam na beira do rio. Comemos peixada de surumbim, um suco del vale de 750ml e um refri (R$47,10 – R$23,55 cada um). À tarde, ficamos passeando pela cidade de Piranhas Velha, que é uma cidade com arquitetura antiga, bem bonitinha e com um monte de casas coloridas. Entramos no museu do Cangaço, q é de graça, mas também é bem pequeno e não tem quase nada. Comprei uma dupla de imãs de lampião e maria bonita – R$6,00. Subimos a escadaria longa da igreja que fica de um lado da cidade e tem uma vista muito bonita e, depois, subimos a outra longa escadaria que leva a outro ponto alto da cidade (acho q é de um pequeno farol q tem lá) e onde também tem um restaurante. A vista também é muito boa. Por último, subimos a torre do relógio, onde tem um café. Comemos uma trufa cada um – R$2,50, uma fatia de torta – R$4,00 e uma água – R$2,20. Assim, ficou R$5,60 p/ cada um. Depois, +- às 18hs, encontramos com o primo de meu pai e sua namorada e sentamos em barzinho p/ tomar uma cerveja. Os bares espalham mesas e cadeiras nas ruas na parte central da cidade. Gastei R$8,00 com cerveja e um caldo verde. Depois, o primo ofereceu para nos levar de carro até Canindé e, por isso, dispensamos o nosso translado com o Bonfim, economizando o dinheiro da volta.

. Noite → Como tínhamos q acordar por volta das 4h da manhã, p/ ir p/ Maceió, ficamos descansando. Saí, comprei dois cheeseburgers + um refri + 2 bombons + uma água na lanchonete Mister X (em frente à praça principal), p/ comermos no quarto mesmo (R$12,50).

 

CUSTOS:

25,00 – hotel em Canindé - Pousada Centro

39,00 – Rota do Cangaço (Grota do Angico) + trilha

10,00 – translado até Piranhas

1,75 – café da manhã

2,00 - água

23,55 – almoço em Piranhas

5,60 – café na torre do relógio

8,00 – bar em Piranhas

12,50 – lanche à noite

TOTAL INDIVIDUAL DO DIA: 127,40

 

20110524024626.JPG

Grota do Angico

 

20110524024759.JPG

Vista de cima da escadaria da Igrejinha de Piranhas

 

20110524024945.JPG

Barzinho em Piranhas

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

8º dia (24/04 – dom. – Canindé/Maceió):

. Manhã → Acordamos bem cedo p/ pegar a van q conseguimos p/ Maceió. Ele foi indicado pelo Ricardo do Receptivo da Usina e também se chama Ricardo. Tomei café no Shaparral (quiosque, na pracinha, quase em frente ao hotel), q era a única coisa aberta e q parece ser 24hs. Um pão c/ queijo + um cafezinho = R$1,50. Às 5h30, o Ricardo da van veio nos buscar. Pegou-nos de carro e buscou sua van em casa em Piranhas. Foi pegar cada passageiro em casa, oq demorou. A van era grande, espaçosa, com ar e até TV passando shows. O problema é q ele superlotou até Arapiraca. Houve uma parada, na qual tomei um todynho (R$1,50) e a Gabi comeu sanduíche com queijo e todynho (R$3,50). A van demorou demais e chegamos +- às 10h30 em Maceió, quando o previsto era umas 9h30. Acabou sendo até melhor, porque conseguimos entrar no hotel. A van teve ponto final na praia da Avenida, próxima ao Centro. Pegamos um taxi p/ o Hotel Verde Mar na Pajuçara, que não era longe R$11,00 (R$5,50 p/ cada um). Conseguimos, conversando na recepção, entrar no quarto às 11hs mesmo, porque a diária só começaria 12hs. Nos instalamos. Hotel muito bom, de primeira linha e de frente p/ o mar.

. Tarde → Saímos p/ passear por toda a orla de Pajuçara e Ponta Verde. Por toda à tarde, andamos e fomos quase até o fim da Ponta Verde. Por ser domingo, a pista da orla da Pajuçara fica fechada p/ carros e tem um monte de gente andando a pé, de patins, de bicicleta. Um clima bem legal. Decidimos comer no restaurante a kilo e nos indicaram um muito bom, mas caro. Foi o restaurante Alecrim Verde (R. Deputado José Lages, 49), indicado, inclusive, no Guia 4 rodas. Ficamos ali mesmo p/ comer melhor e não perder tempo. Gastei R$40,00 (entre comida e bebida) e comi bem. Ainda tomamos um pouquinho de sorvete na sorveteria q não me lembro o nome, na esquina da mesma rua (gastei R$2,00). Depois do almoço, ficamos na praia da Ponta Verde até o pôr do sol. Iríamos comer casquinha de Siri no Massagueirinha – Ponta Verde (dizem ser a melhor casquinha de Maceió). Contudo, como é um pouquinho longe, acabamos desistindo. Após, voltamos andando e na Pajuçara, passamos no pavilhão de artesanato e na feirinha de artesanato. Um fica em frente ao outro. Tem bastante coisa. Comprei um imã R$3,00 e uma água R$2,00. Chegamos mortos de cansados.

. Noite → Foi o único dia q dava p/ encaixar uma night, porque, nos outros dias de fim de semana, estávamos em cidade pequena. Então, fomos ao Maikai, sempre indicado como o point da cidade. Entretanto, estava bem ruim. É composto por chopperia e uma casa ao lado, estilo boate. O taxi ate la deu R$13,00 (R$6,50 p cada um). Chegamos às 23hs e a chopperia já estava fechando. Entramos na boate (R$25,00 cada um). Era o maior pagodão. O espaço ate parecia legal. Mas tava fraco, um pouco vazio... e p/ completar, fomos fazer um pedido e disseram q a cozinha já estava fechada. Ficamos chateados porque não havíamos comido ainda e disseram, na porta, q funcionaria ate umas 2hs... não esclareceram q a cozinha fecharia. Então, aproveitamos e pedimos p/ sair com o dinheiro de volta, por falta de informação. Falei com o gerente e conseguimos. Deu p/ conhecer o local o suficiente. Pegamos outro taxi (R$12,00 – 6,00 p cada um) e fomos ao bar-restaurante Parmegiano. Bom e barato, na praia da Pajuçara. La pedimos 2 casquinhas de siri, isca de frango, uma porçao de pizza branca com gorgonzola, um suco de acerola c laranja e uma agua – R$38,25 (19,25 p cada um). Após, taxi ate o hotel (R$6,00 – 3,00 p cada um). Impressiona como a vida noturna é fraca em Maceió. Tudo fecha muito cedo. Cidade muito bonita e tranquila de dia, mas de noite, tem muita gente pedindo dinheiro. Além disso, a noite pareceu ser bem perigosa. Próximo ao Maikai, por exemplo, tem muita população de rua. Nunca vi tanto gente pedindo dinheiro na porta de uma boate. Além disso, todos os taxistas alertaram p/a violência na noite da cidade.

 

CUSTOS:

35,00 – van Canindé-Maceió

68,00 – hotel Verde Mar Maceio (Gabi paga só R$60,00)

5,50 – táxi p/ o hotel

42,00 – almoço + sorvete

2,00 – água

6,50 – táxi p/ o Maikai

6,00 – táxi p o Parmegiano

19,25 – Parmegiano

3,00 – táxi p o hotel

TOTAL INDIVIDUAL DO DIA: 187,25

 

20110524025429.JPG

Praia da Pajuçara

 

20110524025614.JPG

Mais uma da Pajuçara

 

20110524025744.JPG

Fim de noite no Restaurante Parmegiano

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

9º dia (25/04 – 2ª – Maceió):

. Manhã → acordamos um pouco mais tarde e fomos tomar o café maravilhoso do hotel. Após, ficamos curtindo a piscina do hotel.

. Tarde → Almoçamos num restaurante próximo ao hotel q tem o buffet livre (R$17,90), na orla de Pajuçara mesmo, e chama La Bodega. Nada d+. Gastei R$23,00. Após, partimos p o passeio de jangada em Pajuçara. Muuuito legal, mesmo o tempo não estando muito bom. Indico o jangadeiro Juca, q nos atendeu bem d+. Vale procurá-lo. Eu esperava mais peixes, mesmo tendo visto bastante. O passeio custou R$20,00 (tabelado) e dura por volta de 2hs, incluindo ida, volta e permanência lá. Vale a pena! Ainda aluguei snorkel por R$10,00 e paguei R$3,00 numa água na jangada bar. Muito importante observar a tabela da maré e ir próximo ao horário mais baixo da maré. Após, já no fim de tarde, passamos na sorveteria Bali, que tem mais de 70 sabores e é indicada pelo Guia 4 rodas. Muito boa e com vários sabores peculiares. Gastei R$8,50. Voltamos p/ o hotel p relaxar.

Noite → Decidimos ir num restaurante bom de frente p/ o mar, que parece um castelo e chama Famiglia Giuliano (mas tem vários nomes num só – Foca Bier e Spetus Grill além do Famiglia). Fomos de táxi (R$11,00 – R$5,50 p cada um). É bem bonito, mas já estava fechando às 22h30, apesar de eu ter ligado e terem dito que fechava à meia-noite. Reclamei, mas acabamos ficando lá mesmo. Pagamos o rodízio de massas, pizzas e petiscos, apesar de já estar bem fraco. P/ nos compensar, cobraram só um rodízio. Assim, a conta toda deu R$27,17 (um rodízio, um refri e uma água) – R$13,60 p/ cada um. Pegamos um táxi p voltar por R$13,00 (R$6,50 p cada um). Comprei uma água de 1,5l no hotel (R$2,00 p cada um)

 

CUSTOS:

68,00 – hotel Verde Mar - http://www.hotelverdemar.com.br

20,00 – passeio de jangada em pajuçara

10,00 – snorkel

3,00 – água

23,00 – almoço

8,50 – sorvete

5,50 – táxi p/ restaurante à noite

13,60 – Famiglia Giuliano (Foca Bier)

6,50 – táxi p/ hotel

2,00 – água grande

TOTAL INDIVIDUAL DO DIA: 160,10

 

20110524030220.JPG

Piscina do Hotel em Maceió

 

20110524030356.JPG

Jangadas p/ as piscinas naturais da Pajuçara

 

20110524030551.JPG

Dando comida aos peixes nas piscinas naturais da Pajuçara

 

20110524030736.JPG

Restaurante Famiglia Giuliano/Foca Bier

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

10º dia (26/04 – 3ª feira – Maceió):

. Manhã e Tarde → Fomos fazer o Passeio p/ as Praias do sul de Maceió: Francês, Barra de São Miguel e Gunga. Fechamos com a empresa Jaraguá Turismo (tel: (82) 3337-2780 / 3337-2781 / 9931-2323 / 9992-9111), no próprio hotel (R$25,00 cada um), saindo às 8h30. Destaque-se que há empresas, na rua, próximas aos centros de artesanato, oferecendo o mesmo passeio por R$20,00, mas acabamos ficando com a Jaraguá, que parecia ter uma estrutura um pouco melhor. O guia Rinaldo é bem divertido. A parada no Francês é rápida, dura 20mins. A praia não me pareceu ter nada d+. Apenas ser um pouco “badalada”, ter um certo movimento, com vários quiosques com mesas pela areia. Após, o ônibus partiu p/ Barra de São Miguel. Mais 15mins de parada. A praia é mais tranquila e mar bem calmo, pelos recifes que a protegem. De lá saem pequenas lanchas q levam p/ a Praia do Gunga, com parada nos recifes, que tem aquários naturais, e num banco de areia no meio do mar. Esse passeio de lancha dura cerca de 50min e custa R$20,00 p/ cada um. Quem quiser pode seguir no ônibus p/o Gunga, viagem q dura 20mins. Optamos por ir de lancha. Esse passeio vale a pena. Bonito e divertido. O Gunga também é maravilhoso. Muito bonito. Achei o melhor passeio de toda a viagem! Tem um lado mais calmo (laguna) e outro q é a praia mesmo, com mar mais agitado. Assim que chegamos, resolvemos fazer o passeio de buggy (R$30,00 p/ cada um, reservado com nosso guia). Entretanto, acabei fazendo uma besteira: só raciocinei depois q deveria ter negociado diretamente com os bugueiros, q, com certeza, sairia mais barato... mas já era... O passeio surpreendeu de tão bonito. Vai até grandes falésias. Dá p/ tirar ótimas fotos de cima delas. Em uma parada, você pega a areia das falésias e se pinta e toma banho numa nascente de água doce que se encontra com o mar. Muuuito bom. Na volta, sentamos numa das barracas da laguna (Beach's Bar). Importante destacar que não se paga nada p/ sentar. Contudo, deve-se tomar cuidado p/ não ser cobrado por algo, como as cadeiras. Se isso ocorrer, é bom procurar o gerente e o guia do seu receptivo, porque fomos orientados de que essa cobrança não é p/ ser feita. Só tomei duas águas (R$2,50 cada uma). Comi um pastel de carne-seca com requeijão (R$5,00) com as vendedoras que ficam circulando pelas mesas. Achamos q não valia a pena almoçar lá e perder tempo de curtir aquela praia linda. A laguna tem vários peixinhos q ficam atrás dos seus pés. No Gunga, fica-se até 15h15 (+- 4hs lá). Há, várias barraquinhas com comida e artesanato, um pouco mais p/ dentro da orla, no mesmo local de onde saem os buggys. Na volta, saltamos na Feirinha da Pajuçara e fomos direto almoçar no Parmegiano, pois havíamos gostado de lá. Comi um parmegiana de filet + 1 água e a Gabi 1 filet a moraes + 1 água (R$42,24 – R$21,12 p/ cada um). Após, fomos até a Feirinha e ao Pavilhão de artesanato. Comprei um lápis talhado p/ meu irmão (R$8,00), um quadrinho com uma pintura p/ um amigo (R$8,00), bolsa p/ minha mãe e p/ uma amiga (R$14,00 cada). Passamos numa farmácia e voltamos p/o hotel.

. Noite → Fomos ao conhecido Forró Lampião (Virgulino), q é o mais indicado aos turistas e está localizado na Praia da Jatiuca. É um quiosque na beira da praia. Então, cuidado com os dias chuvosos. Legalzinho, mas estava meio vazio. Disseram q funcionaria até umas 2hs, mas meia-noite só tinha a gente. Como sempre, a noite lá acabando cedo... Além da banda de forró ao vivo, teve a apresentação da personagem Nega-Maluca (disseram q ela participou do programa Praça é Nossa e Jô Soares) fazendo um pequeno show com piadas e música/dança. Cada cerveja lá (skol lata pequena – 273ml) custava R$2,50 e há couvert artístico de R$8,00. Assim, consumimos 6 cervejas, uma isca de peixe e mais o couvert artístico, no total de R$50,00 (R$25,00 p/ cada um). Táxi de ida e volta custou R$14,00 cada um.

 

CUSTOS:

68,00 – hotel em Maceió (do pacote da CVC) - http://www.hotelverdemar.com.br

25,00 – passeio praias do sul (francês, gunga, etc.)

20,00 – passeio de lancha Barra de São Miguel-Gunga

30,00 – buggy no Gunga

5,00 – 2 águas no Gunga

5,00 – pastel no Gunga

21,12 – almoço no Parmegiano

25,00 – forró no Lampião

14,00 – táxi de ida e volta do Lampião

TOTAL INDIVIDUAL DO DIA: 213,12

 

20110524031144.JPG

Na piscina natural de Barra de São Miguel

 

20110524031325.JPG

Banco de areia entre Barra de São Miguel e Gunga

 

20110524031458.JPG

Vista de cima das Falésias do Gunga

 

20110524031627.JPG

Laguna no Gunga

 

20110524031800.JPG

Forró no Lampião

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

11º dia (27/04 – 4ª feira – Maceió/Maragogi):

. Manhã → Acordamos e fomos tomar um café reforçado, porque decidimos só almoçar em Maragogi. Depois ficamos na piscina do hotel e jogando sinuca. Saímos 12hs, quando terminava a diária. Gastamos mais R$8,41 cada no hotel, além da diária, com ligações, 10%, taxa de turismo... Fomos de táxi p/ a rodoviária (14,00 – 7,00 p/ cada um). A empresa de ônibus escolhida p/ ir p/ Maragogi foi a DEF (R$12,50), mais barata e q tinha mais horários, inclusive oq queríamos, às 13hs. Além dela, tem a Real Alagoas. Comprei dois biscoitos na rodoviária (R$2,00).

. Tarde → A viagem durou 3hs e chegamos em Maragogi às 16hs, saltando no centro. A pousada Olho d'Água é perto do ponto, que fica na praça central. A pousada é boa e pegamos um quarto novíssimo, muito espaçoso, com decoração moderna, ar split silencioso, TV lcd... Melhor quarto da viagem! Depois de nos instalarmos, fui procurar fechar o passeio p/ o dia seguinte. Perdi um tempo com isso, porque estava difícil arranjar um passeio que fosse até Barra de Santo Antônio/Carro Quebrado, como eu queria. Falei na pousada, liguei p/ uns contatos e dei uma volta pela cidade p/ ver se tinha melhor opção. Acabei fechando com o Gilson (Paulista), oq será melhor discorrido a seguir. Comprei uma água de 1,5l por R$2,00 no mercadinho da praça central.

. Noite → Sem ter almoçado, só com o café da manhã e biscoitos, fomos comer no único restaurante japonês da cidade e q nos disseram ser o único do litoral até Maceió. É o Vila Sushi, q fica na pousada Vila Maragogi. Pequeno, mas acolhedor, com decoração bonita, ótimo atendimento e comida boa. O preço é de restaurante japonês normal de qualquer lugar... logo, não é barato. Entretanto, se gostar de comida japonesa, a visita vale muito a pena. Comemos dois temakis filadelfia (R$11,90 cada), uma porção de hot filadelfia crocante com 12 peças (R$15,90), uma porção de filadelfia com 8 peças (R$11,90), dois sucos (R$3,50 cada), uma porção de hot filadelfia normal com 10 peças (R$14,90) e um refri (R$3,50). Total de R$84,70 com o serviço. Paguei R$52,47, porque consumi mais. Voltamos p/ o hotel, porque começou a chover.

 

CUSTOS:

8,41 - extras hotel maceio (ligações, 10%, taxa de turismo...)

54,50 – hotel em Maragogi - http://www.pousadaolhodagua.com/

7,00 – taxi p/ rodoviária

12,50 – ônibus p/ Maragogi

2,00 – biscoito

2,00 – água

52,47 – Jantar Japonês

TOTAL INDIVIDUAL DO DIA: 138,88

 

20110524032503.JPG

Restaurante Japonês Vila Sushi

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

12º dia (28/04 – 5ª – Maragogi):

. Manhã e Tarde → Conforme decidido e já marcado no dia anterior, resolvemos fazer passeio praias do sul de Maragogi, de carro (R$200,00 pelo carro – R$100,00 p/cada um, mas o valor era pelo carro). O passeio foi com o Paulista (Gilson – tel.: (82) 9663-8900 / 9174-5231 / 3296-2182), motorista/guia extraoficial muito gente boa. Nesse ponto, destaque-se que entendo q não acredito q valeria a pena alugar um carro, pois, só o carro já custaria um R$100,00. Um guia, q seria necessário, principalmente, p/ chegar à praia de Carro Quebrado, já custaria mais uns R$70,00 a R$80,00. E ainda tem a gasolina. Além disso, o carro de nosso transporte era muito mais confortável do q qualquer um q poderíamos alugar... E lá fomos nós. O tempo não ajudou muito. Iríamos iniciar por Japaratinga e seguir passando pelas praias até Barra de Santo Antonio. Então, pelo tempo ruim, resolvemos passar direto e começar por Barra de Santo Antonio, fazendo o caminho voltando. Antes, demos uma passada em Paripueira, p/ ver como era. Parece q lá só é interessante p/ fazer o passeio de catamarã até as piscinas naturais. A praia não é muito bonita. Após, fomos p/ Barra de Santo Antonio, passamos pela ponte nova (q existe há um ano +-) e chegamos à Ilha de Crôa. O local não tem muita estrutura. Da Ilha da Crôa, inicia-se o caminho p/ chegar na Praia de Carro Quebrado. Acho q é necessário um guia a partir desse momento. O guia Vanderson nos auxiliou a partir dali. Nos contou q a água do mar avançou e destruiu casas e a estradinha q contornava a ilha. Seguimos p/ a praia de Carro Quebrado. Não parecia haver passeio de jipe mais, conforme informações q recebemos. O Vanderson falou q as pessoas só tem chegado de lancha. Fomos de carro pelo caminho q o Vanderson foi indicando, passando por uma caminho cheio de lama e pelo meio do mato em alguns momentos, até chegarmos à praia de Carro Quebrado. Muito cuidado p/ não atolar se tiver chovido recentemente. Andamos umas 2 horas pela praia, por mirantes e pelo meio do canavial. A praia é muito linda. Totalmente deserta. As falésias são gigantescas e a combinação com a praia é d+. Há ainda mais cores de areia nessas falésias do q no Gunga. Após curtirmos o local, pegamos o carro e continuamos o caminho, entrando na chamada Rota Ecológica, após Barra de Santo Antonio. Passamos primeiro em Barra do Camaragipe, que é uma praia bonita e de águas claras. Seguimos p/ São Miguel dos Milagres. A praia também é bem bonita. A maioria das praias lá é assim: lindas, com águas muito claras e desertas. Algumas menos desertas, porque próximas às cidadezinhas. De lá, passamos na praia de Porto da Rua, que é no meio de uma cidadezinha. E, depois, chegamos à praia do Patacho, uma das cinco praias mais bonitas do Brasil, segundo o guia 4 rodas. Praia muito bonita e deserta, água clara e cheia de coqueiros. Contudo, ainda preferi a de Carro Quebrado. No caminho p/ o Patacho, acabamos pegando uma poça no meio do coqueiral q causou problemas no carro q era eletrônico, atrasando um pouco a viagem. Com o ritmo lento, chegamos à Porto de Pedras. Não visitamos o peixe-boi, q era no caminho, porque achamos muito sem graça pagar R$30,00 só p/ ver o peixe-boi. P/ isso, melhor ir no zoológico né... De lá, pegamos a balsa (paguei os R$8,00 da balsa), q nos levou até Barra de alguma coisa... não me lembro o nome... Chegando, logo após, em Japaratinga, q tem uma bela praia, na qual a faixa de areia fica gigantesca com a maré baixa. O tempo piorou e resolvemos almoçar por ali, pois já eram por volta de 16hs. Comemos no restaurante Mamma alguma coisa, na orla de Japaratinga. Dividimos uma jarrona de suco de 1,5ml (R$10,00) e um prato de file com fritas (36,00). Com o serviço, ficou R$25,30 p cada um. Debaixo de um temporal gigantesco, não deu p fazer mais nada e pegamos o carro p o hotel.

. Noite → O planejamento era ir p/ o Vibe Pub, mas esse não existe mais, conforme conversei com no centro de informações turísticas de Maragogi. Os donos desse Pub, abriram um espaço chamado “De Boa”, q teria um forró, no qual pensamos em ir, só q o temporal foi tanto, q não dava nem p sair do quarto. Então, tivemos q ficar por lá mesmo e pedir apenas uma pizza no quarto. Saiu R$37,00 (R$18,50 p cada um) uma pizza grande (8 pedaços) meio mussarela, meio Regina Especial (calabresa, presunto, catupiry e palmito), mais duas latas de refri, na pizzaria Regina, q já haviam nos indicado como a melhor. Na madrugada, com o temporal, chegou a acabar a luz da cidade.

 

CUSTOS:

54,50 – hotel em Maragogi - http://www.pousadaolhodagua.com/

25,30 – almoço

100,00 – passeio de carro pelas praias desertas do sul de maragogi

8,00 – balsa

18,50 – pizza no quarto

TOTAL INDIVIDUAL DO DIA: 206,30

 

20110524033236.JPG

Cores das areias das Falésias de Carro Quebrado

 

20110524033413.JPG

Mirante na Praia de Carro Quebrado

 

20110524033729.JPG

Praia do Patacho

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

13º dia (29/04 – 6ª – Maragogi):

. Manhã → Tempo nublado novamente, infelizmente. Hora de conhecer as praias de Maragogi. Resolvemos seguir a pé p/ o Norte de Maragogi, em busca de piscinas naturais que estariam próximas da orla. Fomos andando, pela praia do Centro até passar pelo Rio dos Paus com água nas canelas (só dá p passar com a maré baixa) e, assim, chegamos à praia do Bugalhau. Andamos mais até Barra Grande, passando, ainda, por mais um riozinho. Todas essas praias são bem bonitas, com águas muito claras e pouco movimento, tirando alguns hotéis q existem na orla. Pelo menos, quando passamos, estava assim... Paramos algumas vezes p/ banhos. Fomos até o fim de Barra Grande, mas a maré já estava enchendo. Nos falaram q havia algumas piscinas por ali, mas não avistamos. Já era quase 13hs e resolvemos almoçar no restaurante Sabor D´Maragogi, q fica na beira da estrada AL-101. Comemos um salmão à moda do cheff, com uma jarra de suco e uma bola de sorvete (R$26,00 p cada um).

. Tarde → Saindo do almoço, pegamos uma van (R$1,50 p cada um) até a Praia da Ponta de Mangue, p/ conhecê-la, mas com a maré alta, não tinha nem faixa de areia, muito menos piscina natural, q eu havia lido no fórum dos Mochileiros. Pegamos nova van de volta p o Centro (R$2,50 p cada um). Tomei um picolé de brigadeiro (R$2,25). Após rápida passada no hotel, andamos, então, p/ o lado sul da praia de Maragogi, com a maré já descendo no fim de tarde, a faixa de areia crescendo, gente jogando futebol na beira do mar... estava bonito. Fomos só até a frente do Salinas de Maragogi. Ficamos um pouco por lá até anoitecer. Na volta passamos por um mercadinho, no qual comprei biscoitos e água (R$7,00) e, depois, nas lojas de artesanato (comprei um ima R$2,00, dois chaveiros R$2,00 cada e uma camiseta R$22,00). Passamos pela Tapioca da Martha, indicada pelo Guia 4 rodas, q é na orla mesmo, próxima ao nosso hotel. Dividimos uma de queijo com presunto, porque é bem grande (R$8,00 – R$4 p cada um). Realmente, é gostosa e bem servida.

. Noite → Iríamos sair p/ jantar, mas, novamente, desabou um temporal e ficamos no quarto mesmo, dormindo cedo e comemos apenas biscoitos.

 

CUSTOS:

54,50 – hotel em Maragogi - http://www.pousadaolhodagua.com/

26,00 – almoço

4,00 – vans

2,25 – picolé

7,00 – mercado

TOTAL INDIVIDUAL DO DIA: 93,75

 

20110524034105.JPG

Praia do Bugalhau

 

20110524034328.JPG

Por do Sol em Maragogi

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

14º e 15º dia (30/04 e 01/05 – sábado e domingo – Maragogi/Maceió/Aracaju/RJ):

. Manhã → O planejamento era fazer o Passeio às Galés, porque era o dia com a melhor maré em que estaríamos em Maragogi, de acordo com a tábua (0,5, contra 0,6 no dia anterior), e, ainda com saída um pouco mais tarde (7:30, contra 6:45 no dia anterior), não perdendo o café do hotel, além da esperança de um tempo melhor. O passeio foi marcado na própria pousada, q tem convênio com o restaurante Corais de Maragogi, custando R$10,00 mais barato que o normal, ou seja, R$40,00. É necessário ficar atento se o passeio vai mesmo p/ as Galés principais, pois várias pessoas comentaram pela cidade q existem empresas q levam p/ Galés alternativas q não são tão boas. Entretanto, p/ nossa grande tristeza e surpresa, não foi possível fazer o passeio. Houve um grande temporal durante toda a noite e madrugada. Junto com a falta de vento na manhã, as piscinas ficaram turvas e não era possível ver nada. O tempo ainda estava horrível. Então, o pessoal do receptivo do restaurante veio nos avisar sobre isso, p/ deixar claro q não daria p/ ver nada (porque haviam acabado de ir lá de lancha) e q todos já haviam cancelado. Não havia oq fazer. Infelizmente, perdemos a principal atração de Maragogi... Devido ao tempo ruim e à tristeza pela falta das Galés, resolvemos absorver o prejuízo e relaxar o resto do dia. Cortamos, também, o passeio q faríamos após as Galés, pelo tempo ruim. Iríamos dar uma passadinha em Japaratinga e seguir p/ passar toda a tarde na Praia de Carneiros. Esse passeio iria custar R$90,00 (R$45,00 p/ cada um) com o Gilson (Paulista) de carro, com o qual já havíamos feito passeio p/ as praias do Sul, mas cancelamos. Fomos descansar.

. Tarde → Almoçamos no restaurante Corais de Maragogi um frango recheado e com molho branco + 2 sucos (R$26,40 p/ cada um). Após o almoço, ficamos um pouco nas espreguiçadeiras do restaurante na beira da praia e, depois, fomos tomar um sorvete (R$1,00 p/ cada um – duas bolas – não lembro o nome da sorveteria, mas é bem no centro, próximo à igreja). Depois, o Gilson fez o favor de nos levar em uns lugares de carro p/ comprar uns doces q estávamos interessados, mas não encontramos oq queríamos. Então, compramos sequilhos, q são tradicionais de Maragogi (R$1,50 cada saquinho de 100g – comprei 4 R$6,00).

. Noite -> Após análise de nossas possibilidades, durante nossa estada em Aracaju e após pesquisas, avaliamos q era melhor ficar mais meia diária em Maragogi e comprar um vôo de Maceió-Aracaju, p/ não se desgastar com mais 5/6hs de ônibus e não chegar tão cansado no fim de férias. Afinal, a diferença não era tão grande assim (um ônibus Maceió-Aracaju pela Bonfim estava R$60,00 e nosso vôo com taxas custou R$90,00 p/ cada um). Além disso, os horários de ônibus não eram muito favoráveis e ficaríamos muito tempo no aeroporto p/ pegar nosso vôo p/ o RJ em Aracaju, q seria às 5hs da manhã (o último ônibus da Bonfim Maceió-Aracaju era às 18hs). No mesmo sentido, por horários desfavoráveis no trecho Maragogi-Maceió (todos os ônibus eram de manhã/início da tarde) e buscando relaxar depois das economias durante a viagem, negociamos um transfer com o Gilson (Paulista) nosso motorista em outras oportunidades. O preço, q entendi ser justo, foi de R$150,00 (R$75,00 p/ cada um). E assim pudemos sair às 22hs da noite de Maragogi como queríamos, chegando meia-noite e pouco em Maceió, p/ nosso vôo p/ Aracaju pela Azul q era 2hs e pouco. Antes de sair de Maragogi, comprei mais dois chaveiros (R$2,00 – R$1,00 cada) e comemos no Vila Sushi mais uma vez, porque é bem gostoso e p/ nos despedirmos do casal q trabalha lá sozinho e cuida de sua bebezinha linda. Gastei lá R$33,37 (um koni filadelphia, metade de uma porçao de hot filadelphia, metade de porção de filadelphia e um refri). Voltamos p/ o quarto e aguardamos o Gilson, saindo por volta de 22hs (horário escolhido também devido ao medo das condições das estradas após os temporais).

 

CUSTOS:

27,25 – meia-diária hotel Maragogi

26,40 – almoço

1,00 – sorvete

33,37 – Vila Sushi

75,00 – transfer Maragogi-Maceió

89,00 – vôo Maceió-Aracaju

TOTAL INDIVIDUAL DO DIA: 252,02

 

 

TOTAL DA VIAGEM P/ PESSOA (sem vôo): R$2.285,07

 

VÔO P/ PESSOA: R$275,30

 

TOTAL DA VIAGEM P/ PESSOA COM VÔO: R$2.560,37

 

CONCLUSÃO:

A viagem foi ótima, apesar de ter perdido a principal atração de Maragogi. Pelo menos aprendi a lição: nunca mais um passeio principal ficará p/ o último dia. Isso ocorreu, também, porque, uma vez por mês (acho é uma vez por mês, mas não tenho certeza, talvez sejam duas), existem dois dias seguidos nos quais não há passeios p/ as Galés, pela maré ruim. Esses dois dias foram justamente, no dia de nossa chegada em Maragogi e no dia seguinte. Logo, sobraram dois dias p/ fazer o passeio e eu resolvi pegar o que tinha a maré melhor. Acabei me dando mal... Então, atenção na tábua das marés!

Todos os lugares da viagem são lindos. A cor do mar é única. Vale muito a pena, ainda mais p/ viajar com a namorada, como eu fui. Vale um destaque especial p/ as pessoas conhecidas durante a viagem. Em todos os lugares, fomos tratados bem demais! Pessoas humildes e muito simpáticas! Em cada lugar, uma pessoa diferente e marcante.

A viagem saiu um pouquinho mais caro do que eu imaginava. Contudo, há que se destacar que todos os hotéis (exceto o de Canindé) foram de muito bom nível.

Tivemos um pouco de problema com o mau tempo no fim da viagem. Então, se puderem, optem por viajar p/ esses lugares antes de abril, apesar de o período normal de chuvas mais fortes ser a partir de maio.

É isso... espero ter ajudado com meu relato! Qualquer dúvida, estou à disposição.

Abs

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Pedro,

 

Seu relato está show de bola!!!! Muito bacana mesmo!!! ::otemo::

 

Esses contratempos em viagens sempre acontecem mas como vc mesmo falou, serviu de lição e experiência para a próxima!!!

 

A sua foto na Passarela do Carangueijo está massa, aliás vc tá parecendo um carangueijo !!!! ::lol4::::lol4:: ahuahuahuahuahua

 

Parabéns pela trip!!!!! nosso país é lindo, né??? ::love::

abraços!!! ::otemo::

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Fala cara,

 

o relato está muito bom e completo (nem li tudo ainda). Assim, fica mamão com açúcar fazer essa viagem depois.

 

Parabéns! ::otemo::

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parabéns pelo relato!

Eu visitei alguns destes lugares mas em dezembro do ano passado e foi uma viagem maravilhosa.

DAcabamos deixando para uma próxima viagem para fazer o mergulho de cilindro.

Foi interessante a idéia de alugar um carro com guia...naquelas regiões tem trechos complicados pra quem não conhece.

A Praia de Carneiros é linda mas é meio que "reservada", pra ir por terra tem que entrar num dos restaurantes, dizem que é melhor de lancha. A gente tava de carro, daí entramos por um restaurante, mas não foi tão fácil.

Eu não sabia que tinha aquele passeio onde Lampião e Maria Bonita morreram....gostaria de ter ido. Achei Piranhas uma cidade bem bonitinha. E São Chico então......maravilhosos né?

 

Abraço

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Vivi_couto,

 

A viagem foi perfeita! E ver o Rio São Francisco, com todo seu tamanho e beleza, foi maravilhoso mesmo!

 

Só uma coisa: Maragogi tb vale a pena se vc ficar só com o snorkel! Não é só o mergulho com cilindro não... P/ falar a verdade, nem sei se vale tanto a pena assim o mergulho com cilindro nas galés, pq seria bem rápido... o passeio das galés iria ficar tão corrido q não sei se daria p/ aproveitar direito... Mas não deu p/ confirmar esse pensamento, pq o mau tempo me impediu né...rs

 

Obrigado pelos parabéns!

 

Bjs

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Vlw aih Pedro. Suas dicas a respeito de Canindé do São francisco ajudaram muito no planejamento da nossa viagem, o lugar é realmente lindo, uma viagem q vale muito à pena. Mas tenho umas dicas também, pra quem estiver planejando fazer a viagem aos câniores do São Francisco:

 

1. Como o Pedro, também fiquei hospedado em canindé do São Francisco, a hospedagem lá é bem mais barata que em Piranhas, mas quem puder gastar uma graninha a mais, aconselho ficar hospedado em Piranhas mesmo, a noite em Caninndé do São Francisco mal tem um lugar para se comer, tivemos que ficar no hotel nas noites que ficamos lá, já em Piranhas tem lugares bem legais, aliás a cidade inteira é muito charmosa, à noite dá pra sair e tomar uma cervejinha, dando uma voltinha pela cidade, afinal é bem pequena e dá pra ver tudo sem necessidade alguma de carro;

 

2. O passeio à trilha de Angicos custa bem menos se você resolver ir em um dos barquinhos que sai de Piranhas. Assim como o Pedro, também fui de catamarã, que sai da margem do lado de Canindé e custa R$ 50, mas pelo que me informei, saindo de um dos barcos da margem de Piranhas, esse preço pode ser reduzido á metade;

 

3. Se puderem Dêem um pulo até Paulo Afonso, a cerca de 80 km de Canindé, tem paisagens maravilhosas lá também...

 

Bem, é só isso que queria acrescentar, a descrição e as dicas do Pedro já são bem completas...

 

Como já disse é uma viagem q vale mt a pena...

 

abraços. ::otemo::

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora


  • Conteúdo Similar

    • Por Paola Rafaelly
      12/12- SUCRE
      Fala gente! Vi que já tem uma galera acompanhando o relato e fico muito feliz de saber que estou ajudando alguém  Então, tentarei escrever o relato em até dois meses, afinal, quero escrever tudo bem detalhamente com preços e tudo mais, e sei que é bem chato ficar esperando um relato muito tempo. 
      Eu esqueci de falar que nós levamos todo nosso dinheiro em dólar, porque vale mais a pena, o real não compensa muito lá fora. Indico também trocarem o dinheiro aos poucos, porque você corre menos risco de perder dinheiro. Pra vocês terem noção, trocávamos nosso dinheiro aos poucos e pagávamos R$3,30 mais ou menos e quando fomos trocar da ultima vez, pagamos R$3,45, imagina quanto dinheiro não vai nesses 15 centavos.
      Bom, dito isso, vamos lá. Chegamos em Santa Cruz 1h20 e o nosso voo para Sucre seria só 11h. Passei as 10h mais entediantes da minha vida, tentando dormir naquele banco duro do aeroporto, mas sem sucesso né. Dada a hora do embarque, fizemos o check-in, foi bem tranquilo, mas façam com antecedência porque ouvi falar que sempre tem muita fila. Nós voamos com a Amaszonas e gostei da de voar com a companhia. O avião estava cheio com todos os bancos ocupados. Foi servido apenas um café com leite, mas não esperava mais que isso, eu tava na maior larica e o cafezinho deu pra dar uma enganada, uma dica é sempre levem uns snacks do Brasil, a larica vai bater e você não pensar duas vezes antes de gastar aquela grana no aeroporto. Por sorte, ainda tinha sobrado algumas comidinhas na mochila e eu comi. O voo durou uns 40min ou menos, foi bem rápido.

      Dica: Eu indico comprar a passagem aérea para Sucre, vi em muitos relatos que as estradas da Bolívia não são muitos boas e até um pouco perigosas, sem contar que a viagem é bem demorada, então invistam nisso. Compramos ainda no Brasil.
      Chegamos em Sucre e detalhe: não tínhamos nenhum boliviano, porque pensamos "ah, vamos deixar pra trocar dinheiro no aeroporto de Sucre" maior erro que cometemos. Quando chegamos no aeroporto e fomos procurar uma casa de cambio, NÃO TINHA NENHUMA! Nós fodemos legal haha Ficamos besta de como um aeroporto não tinha uma casa de cambio, e pior é que o aeroporto ficava no meio do nada, não tínhamos pra onde ir hahaha 
      Então, lá fomos nós procurar um taxista que aceitasse dólar ... Achamos um que estava cobrando Bs.60 e acabamos fechando por $10 (obvio que perdemos dinheiro). Depois de uns 20min. chegamos a Plaza de Armas. Como eu já tinha baixado o mapa da cidade e eu já tinha um hostel em mente, então foi fácil encontrar o lugar- se o mapa não tivesse nos levado para o lugar errado- mas depois de tanto andar, encontramos o bendito hostel. Ficamos no Kutur Berlin, super indico esse hostel galera, foi bom e barato, bem localizado e já tinha café incluso (melhor café da manhã da viagem). 
      Deixamos nossas coisas, tomamos uma ducha, fomos trocar dinheiro e finalmente comer. Eu estava quase desmaiando de fome, encontramos um restaurante bem legal (e barato ). Se chama Condor cafe, é um lugar bem aconchegante. Comprei um pastel de queso (com uma massa bem diferente do nosso pastel hahaha) e um refrigerante com aparência de xixi e gosto de guarana. 

       
      Depois fomos numa loja comprar agua e uma batatinha (que eu odiei). Fomos passear um pouco pela cidade e devo dizer que eu não dava nada pra Sucre, mas cheguei lá e me encontei pela cidade, ela é bem charmosa, vale a pena ficar um dia na cidade e conhecer seus principais pontos. Fomos no mirador de la Recoleta e em um outra praça, cujo nome não lemro. Fomos numa especie de parque dos dinossaouros (não é aquele pago), eu não sei porque, mas os bolivianos tem um apego com dinossauros, que eu não compreendo hahaha Depois fomos só andando e admirando a cidade. Fomos ao mercadão e acabamos comprando umas uvas com uma venderdora muito simpatica, que até nos deu umas uvas de brinde. 

      Eu queria ter mais fotos da cidade pra mostrar pra vocês, mas não vai ser possível e mais tarde eu conto o porquê. 
      Cuidado com o que vocês vão comer desse mercadão, porque os Bolivianos no geral não são muito higiênicos e algumas coisas são meio duvidosas. Se for comprar frutas, lave muito bem. Por exemplo, tinha uma mulher arrumando o cabelo da filha do lado das carnes (que também estavam com um cheiro bem estranho ). Então, fiquem espertos.
      Fomos procurar um lugar pra comprar nossas passagens para o Uyuni, a ideia inicial era comprar direto no terminal, mas não valia muito a pena porque teríamos que pagar o táxi, então íamos acabar gastando mais. Compramos no nosso hostel e pagamos um preço Ok, pagamos até mais barato do que havíamos planejado  Compramos pro dia seguinte as 18h.
      Fomos pra Plaza a noite e como estava no mês natalino a Plaza estava linda, toda iluminada <3 Ia ter meio que uma festa no hostel mas eu preferi dormir, porque eu estava morta. Dormi tão bem que nem ouvi o barulho da festa haha Já no outro dia, tomei aquele café da manhã divino do Hostel, como lá também é um restaurante, então o café da manhã é TOP. Acabei conhecendo o Tomek, da Polônia e a Francesca, da Alemanha. Ficamos conversando um bom tempo e a Francesca nos eu varias dicas do Uyuni. Saímos pra conhecer mais da cidade, mas eu já estava meio cansada da cidade, pois já tinha conhecido tudo lá  Almoçamos no hostel mesmo, encontramos o Tomek e almoçamos juntos. Não, e que almoço top hein haha Comi sopa como entrada (é sempre sopa), depois batata, arroz com mais alguma coisa, um refresco de Gergelim (horrível) e de sobremesa foi uma salada de frutas, adorei. 
      Como não tínhamos nada pra fazer, jogamos Uno com o Tomek e foi bem divertido (Uno uni as pessoas, já to avisando ). Tomek nos levou em um Cafe muito legal, que eu amei de verdade, se eu pudesse voltaria lá agora. Era uma loja de chocolate mas também uma cafeteria. Parece que eu experimentei o chocolate de verdade, o lugar se chama Para tí, se puder, vá nesse lugar.

       
      Já estava dando nosso horário, então fomos arrumar nossas coisas. Infelizmente não conseguimos nos despedir do Tomek, então tivemos que ir. Fomos pra Plaza para encontrar um táxi e acabamos encontrando um Brasileira, chamada Nádia e foi muito bom encontrar alguém da minha terra (e eu nem sabia que estava com saudades), ficamos um bom tempo conversando e quando percebi já estava um pouco atrasa para o embarque, então fomos comprar água e achar um táxi.
      Fiquem espertos com os táxis, pois assim que eles veem que você é turista,  já aumentam o preço. Eu indico perguntar sempre antes pra alguém ou algum nativo, quanto custa o táxi, porque assim você vai com o preço em mente. Se eles jogarem um preço muito diferente, já fala "no, no voy pagar eso, tengo poca plata" e ameaça ir embora, ele abaixam o preço rapidinho . Sempre pechinche, dá certo na maioria das vezes. Pegamos o táxi e depois de uns 15min chegamos. Parecia uma guerra, todo mundo gritando no seu ouvido, tentando te puxar pra agência deles haha é horrivel, foca no que você quer e não dá corda pra ninguém la hahaha chegamos no guichê pra pegar nossas passagens, comprem a passagem sempre com antecedência (pelo menos um dia antes) porque essa companhia (aviação 6 de Octubre) é a única que faz o trajeto direto pro Uyuni, então lota bem rápido.
      Pagamos a taxa do terminal e ficamos esperando dar o horário, nesse meio tempo conhecemos o Vicent, da França. Muito simpático, ele disse que ia pra Cusco na mesma época que a gente, então já trocamos contatos e combinamos de nos encontrar lá. Dado o horário nos despedimos dele e fomos pro ônibus. Tivemos que rodar o terminal inteiro pra encontrar a bosta daquele ônibus, que não estava no lugar indicado na passagem. Bolivia é terra sem lei galera, tivemos que ir pedindo informação até achar o bendito ônibus. Encontramos e fomos encarar 11h de viagem.
       
      GASTOS:
      Táxi: $10 
      Câmbio: $1= Bs.6,90 (Trocamos $165= Bs.1137)
      Água: Bs.5
      Batata: Bs.5
      Pastel de queso: Bs.9
      Refrigerante com aparência de xixi: Bs.6
      Uvas: Bs.20 
      Passagem pro Uyuni: Bs.80
      Almoço: Bs.23
      Café: Bs.9
      Água: Bs.6
      Táxi para o terminal: Bs.12
      Taxa do terminal: Bs.2,50
       
       
    • Por Micheli Cruz

      Para quem gosta de curtir um final de semana, férias, feriadão super tranquilo com a família em uma ilha paradisíaca localizada no baixo sul da Bahia irá se surpreender com os encantos naturais em que essa ilha nos proporciona.
      A idéia dessa viagem surgiu através do meu pai que é nativo e sempre convidou a família pra passar as férias e enfim concordei também a partir de 2008 em conhecer os encantos da ilha.
      A ilha de Boipeba é inserida no Arquipélago de Tinharé e é cercada de um lado pelo oceano e de outro pelo estuário do Rio do Inferno.
      Contemplada por uma floresta densa da Mata Atlântica, restinga, dunas, extensos manguezais e praias paradisíacas com coqueirais e recifes de grande valor ecológico e paisagístico.

      Quem for de Salvador enfrenta uns 300 km, a viagem é demorada. Sempre quando eu viajo vou pelo Ferryboat. Você pega uma estrada pela BA001 até a cidade de valença baixo sul da Bahia. E por Valença tem mais um trecho pela frente. A caminho você vai encontrar placas indicando Morro de São Paulo, Boipeba. Você segue o caminho onde tem escrito Boipeba, ainda vai passar por uma estrada de Barro até Torrinhas, onde você vai pegar um barco ou lancha se preferir.
      O bom de viajar pelo rio é ir descobrindo aqueles lugares que estão fora dos roteiros oficiais de turismo. Por exemplo, bares, restaurantes, flutuando no rio, frequentados pelos nativos. A dica aqui é comer ostra crua, cultivada aqui mesmo no rio.
      A maior atração de Boipeba está mesmo no mar. As piscinas naturais são de um azul tão forte e limpo que você tem a sensação de estar mergulhando num aquário. As piscinas ficam a mais de um quilômetro da praia.


    • Por leticiaMR
      Olá Pessoal,
      tudo bem?
       
      Fui para a Ilha de Boipeba, agora no reveillon.
      Eu e meu namorado começamos a nossa jornada no aeroporto de guarulhos no dia 29/12.
       
      CHEGANDO EM SALVADOR - COMO CHEGAR A ILHA
      Chegamos em Salvador ainda no dia 29/12 as 06h da manhã, de lá pegamos um Uber até o Terminal Marítimo de São Joaquim (R$40,00) ** lá o uber não esta regularizado, então vale a pena ficar de olha se tem algum CET ou PM)**
      Chegando no terminal e de se assustar, é lotado e o povo vai te atropelando, então relaxa e não deixa a muvuca te irritar. O Ferry sai lotado e demora mais de 1 hora de viagem ( até todo mundo entrar e etc e sai por R$4,80 de seg a sex) sábado e feriados R$7,50.
       
      O Ferry faz a travessia ate a cidade de Bom Despacho, de lá você toma um ônibus até a cidade de Valença. O horário dos ônibus é sincronizado com o Ferry, então na hora que você desembarcar do Ferry, não enrola muito e compra a passagem (R$23,00/pessoa) Tem uns caras que fecham o carro até Valença também, que sai um pouco mais caro que o ônibus, porém mais rápido (já que não faz parada). Sai em media uns R$30,00 por cabeça, fechando em 4 pessoas o carro.
       
      Chegando em Valença, existem 2 possibilidades
      1º Ir até o porto e pegar uma lancha direto para Boipeba (R$60,00/70,00) pessoa
      2º Pegar um ônibus até a cidade de Graciosa (R$3,50) e de graciosa pegar uma lancha de R$25,00/pessoa até Boipeba.
       
      Nos pegamos o ônibus e fomos até graciosa, pois a nossa grana era curta e vou te falar, compensa bastante. O ônibus é mega rápido e não demora nem 15 minutos pra chegar no porto de graciosa, lá já ter uma galera pra te levar.
       
      CHEGANDO EM BOIPEBA
       
      Depois da maratona de quase 5/6 horas de viagem, nos chegamos a Ilha de Boipeba
      No centrinho, onde o barco te deixa, você tem opções de mercadinhos, lanchonetes e etc, HAAAAAAA bom avisar, em Boipeba não existe caixa eletrônico e quase todos os comércios não aceitam cartão, então LEVEM DINHEIRO. Alguns estabelecimentos, até fazem um rolo ( você passa 200 no cartão e ele de dá 150). Mas nossa caminhada não terminada ali, já que o nosso camping era na Praia de Moreré (linda, maravilhosa, de tirar o folego). Ali no porto, tem uns meninos que oferecem carregar a sua bagagem nos carrinhos de rolimã por uns R$10 conto. Nos como somos roots, fomos andando.
       
      PARA CHEGAR EM MORERÉ
       
      Bom para chegar a praia, você precisa pegar um Trator, caminhamos até o ponto do trator (20 minutinhos) e de lá partimos R$10,00/pessoa. O Trator só sai com o minimo de 10 pessoas, então nos tivemos que esperar um tempo. Chegando em moreré, as opções ficam cada vez menores, existem apenas 2 mercadinhos ( que por milagre aceitavam cartão, mas os únicos lugares da praia inteira que aceitavam) Os preços são mais caros que no centrinho de Boipeba, então aconselhamos levar o máximo de coisas de casa ou comprar em Salvador e levar.
       
      CAMPING DO CEPACOL
       
      Nos ficamos no camping do cepacol, que fica na ponta esquerda da praia bem de frente pro mar.
      O camping é muito grande os dois campi ng do lado eram da mesma família. O Dono do camping é gente finíssima, assim como todo o pessoal que trabalha lá. Banheiro limpinho, lugar pra colocar a barraca com grana, uma cozinha com fogão a lenha e com alguns utensílios para cozinhas ( uma boa fazer uns rangos no camping, por que comer fora é caro, os pratos saem quase R$40/pessoa) No camping existem uns opções de café da manha MARAVILHOSAS, um pão de hambúrguer com um ovo (R$4,00) sucão daora de acerola (melhor da ilha) 4 dolatas tbm. Nenhuma opção de comida sai mais de R$10 reais. Além do mais, o camping é o mais movimentado ( se você quer uma boa bagunça. o cepacol é o lugar) Forro todos os dias, sambinha raiz. uma delicia mesmo. O valor do camping é R$20 reais a diária e se for casal ele faz por R$35 a diária.
       
      O QUE FAZER?
       
      Em geral todas as praias são muito lindas, dá pra ir andando até o centro de Boipeba e vendo as praias uma nice, a maioria tem poucos quiosques, então levem um lanchinho. Você pode pagar uma lancha e conhecer o Morro de São Paulo, saindo de moreré (R$100/pessoa) ou ir ate Castelhanos R$60,00 pessoa. Vocês tem que comer o bolinho de apim de lagosta do camping verde (em moreré), ELE É SENSASIONAL. Serio cara, parece um enroladinho de salsicha bem barrudo, e cheio de lagosta, sai 6 mangos e com uma cervejinha fica sensa.
       
      No centrinho de morerê, tem a barraca do Seu Cristóvão, que faz uma caipirinha otina R$10,00
      Mas o que vale é procurar por um PAULINHO, sai pergutando que alguém te fala onde encontrar o dito. O Paulinho pesca uma lagosta por R$40/kilo pra você meu chapa. Mas você precisa encomendar 1 dia antes. De resto o lugar é magico e qualquer coisa feita lá, vai ser incrível.







    • Por nnaomi
      Período: 01 a 09/12/2013
      Cidades: Cairú - Ilha de Boipeba e Morro de São Paulo (MSP)
       
      A Costa do Dendê tem natureza privilegiada com praias, baías, costões rochosos, rios, estuários, nascentes, lagoas e cachoeiras emolduradas por vegetação como manguezais, restingas e coqueirais. São 115 km de litoral. Inclui outros municípios, mas nessa viagem foi contemplado apenas Cairu, cujos locais mais famosos são Morro de São Paulo e Boipeba. Cairu deriva do tupi-guarani Aracajuru que significa Casa do Sol. Trata-se do arquipélago fluvial do Rio Una, cujas principais ilhas são Cairu, Tinharé e Boipeba. A sede da cidade de Cairu está localizada na ilha homônima e Morro de São Paulo na Ilha de Tinharé.
       
      MSP e Boipeba são duas ilhas vizinhas, tão próximas e tão distintas. É comum ficar hospedado em uma delas e conhecer a outra em um passeio bate e volta. Recomendam não dividir a estadia entre as duas ilhas, pois como são muito diferentes, ao gostar de uma, a probabilidade de antipatizar com a outra é alta. Entretanto, fiquei nas duas ilhas e gostei de ambas, cada qual com suas belezas e características peculiares. MSP tem mais infraestrutura, noites animadas, e recebe fluxo maior de turistas, já Boipeba lembra mais uma pacata vila de pescadores com praias mais tranquilas, ainda que a infraestrutura e o fluxo de turistas estejam crescendo. O que ambas têm em comum, são as belas praias e paisagens.
       
      Confira abaixo as dicas e o relato de viagem. Ficamos hospedados na Vila de Velha Boipeba na Ilha de Boipeba e na Vila em MSP.
       
      Obs.: Além da seção "Dicas" antes do relato, há outras dicas específicas espalhadas pela página. ATENÇÃO: Não possuo nenhum vínculo com pousada, hotel, restaurante, agência, loja e qualquer outro tipo de estabelecimento divulgado nos meus relatos de viagem. "Outras opções" referem-se às indicações que recebi de guias ou funcionários de CITs ou são provenientes de pesquisa. Dessa forma, alguns estabelecimentos, bem como alguns dos pontos turísticos, não foram visitados por mim e, portanto, recomendo que antes de utilizar qualquer serviço, verifique com a secretaria de turismo da cidade se os dados são atualizados e/ou verossímeis.
       
      Índice
       
      A cidade
       
      Como chegar
       
      Quando ir
       
      Onde ir em Boipeba
       
      Onde ir em Morro de SP
       
      Onde ir em Cairu
       
      Onde ir em Valença
       
      Onde ficar em Boipeba
       
      Onde ficar em Morro de SP
       
      Onde comer
       
      Dicas (Contatos úteis, Postos de Informações Turísticas, Links úteis, Receptivos Turísticos e Dicas)
       
      Mapas
       
      Sugestão de roteiros
       
      Relato de viagem
       
      Relatos 2013:
      21 dias em SE e AL - fev-mar/2013 - Parte 1: Aracaju | Parte 2: Maceió | Parte 3: Maragogi
    • Por vfmarques
      Em setembro de 2017 eu fui com meus pais para California, passei 2 semana por la. Segue abaixo o roteiro e relato da nossa viagem com algumas fotos:
      Aug 31 -> Toronto to San Francisco
      Sep 1 -> San Francisco
      Sep 2 -> San Franciso
      Sep 3 -> San Fransciso to Napa
      Sep 4 -> Napa to Lake Tahoe
      Sep 5 -> Lake Tahoe
      Sep 6-> Lake Tahoe to Yosemite
      Sep 7 -> Yosemite
      Sep 8 -> Yosemite to Monterey
      Sep 9 -> Big Sur
      Sep 10 -> Solvang & Santa Barbara
      Sep 11 -> compras no outlet
      Sep 12 -> Los Angeles area
      Sep 13 -> San Diego
      Sep 14 -> San Diego
      Sep 15 -> San Diego
      Sep 16 -> voo de volta para Toronto
      Sep 1: San Franciso
      Eu ja estive em San Francisco antes, voltei de novo para passear com meus pais ja que eles nao conheciam. De manha fomos passear no cable car, fomos ate Lombart Street. De la andamos ate  Firshman's Wharf and Pier 39. Estava super quente, a temperature estava batendo records de calor.  A tarde fomos andando devagar ate o bairro italiano - North beach e depois passeamos na Chinatown.
      Em San Francisco ficamos no hotel MayFlower, muito bom. Boa localizacao, bom cafe da manha, eu recomendo.


      Sep 2: San Franciso
      Hoje de manha nos comecamos com o city hall, fiquei super decepcionada com tanta gente dormindo na rua, especialmente jovens. Em volta do city hall, so tinha mendigos. De la fomos andando ate Alamo square. Depois andamos ate o Golden Gate park e dai para Union Square. 


      Sep 3: San Fransciso to Napa
      Pegamos o carro que tinh alugado logo de manha e nossa primeira parada foi Palace of Fine arts e depois Golden Gate bridge. Infelizmente era bem cedo e estava nebilna. Fomos ate Salsalito e andamos um pouco pela cidadezinha. De la fomos fomos ate Muir Woods, o estacionamento estava lotado, tinha gente parando quase 30 minutes da entrada do parque, ja estavamos desistindo quando o estacionamento do lado do parque abriu para 2 vagas :o) depois de passear pelo parque fomos em direcao ao Napa Valley onde iamos passar a noite. A estrada eh linda, parace um mar de plantacoes de uva. Paramos em alguns vinhedos no camigo... 




      Sep 4: Napa to Lake Tahoe
      Hoje de manha nos passeamos na area do Napa Valley, fomos ate Calestoga atraves da HWY 29, cheio de vinehos gigantes e dai voltamos pela estrada Silverado Road Trail, cheio de vinhedos tambem. A tarde pegamos a estrada em direcao ao Lake Tahoe.


       

      Sep 5:  Lake Tahoe
      De manha fomos em direcao a Esmerald Bay, com varias paradas para ver a vistas. De volta a cidade, eu queria ir na gondola, mas infezmente estava fechada, como era fora de temporada so abre em fim de semanas. Sorte que estava fechada, pois o tempo mudou rapido e comecou a chover forte. No fim da tarde parou e fomos andar pela regiao, adorei esse lugar. 


      Sep 6: Lake Tahoe to Yosemite
      Saimos cedo, pois tinhamos uma viagem longa ate Yosemite. Passamos pelo Lake Mono e dai entramos na HWY 120, conhecido como Tioga Pass que so abre durante o verao, nossa que estrada linda. Ja dentro do Yosemite park, tinhamos que ir ate o outro lado para ir em direcao ao nosso hotel. Passamos for varios lugares lindos: FairView Dome, Tenaya Lake, Olmsted Point, bridalveil fall,  Yosemite village e Lower Fall. O unico problema era a fumaca e cheiro de queimado, um pecado.
       



      Sep 7: Yosemite
      Dia para explorar parte do parque. Decidimos fazer a trilha para o Lake Mirror, ate chegar na trilha paramos varias vezes para foto. Depois da trilha fomos no Majestic Yosemite Hotel e dai fomos em direcao ao Glacier Point com varias paradas, Valley View, Tunnel View, Washburn Point. A vista do Glacier Point eh demais!! Uma pena que nao ia ficar mais no parque, um lugar que concerteza quero voltar para explorar mais.




      Sep 8: Yosemite to Monterey
      Pegamos a estrada cedo em direcao a costa. Chegando em Monterey, andamos pelo Fishrman's Wharf onde almocamos. A tarde passeamos um pouco em volta do aquario, mas nao entramos la. Depois fomos em direcao a Carmel, atraves da 17-mile drive. Passamos por Carmel River state beach ate chegar em Carmel-by-the-sea


      Sep 9: Big Sur
      Infelizmente a HWY 1 estava parciamente fechada por causa de um deslizamento de terra que aconteceu em Maio. Fomos ate Pfeiffer Park onde a estrada acabava, tivemos que voltar para Monterey e pegar HWY 101, dai fizemos un detour para descer denovo na HWY 1 para dirigir entre McWay Fall and Sand Dollar Beach e voltar para Hwy 101. Nossa utima parada do dia foi San Luis Obispo onde passamos a noite.



      Sep 10:  Solvang & Santa Barbara
      De manha passamos por Pismo beach e fomos em direcao a Solvang, bem dinamarquesa. Super legal a cidade, passamos horas andando por la. Dai fomos para Santa Barbara, outra cidade super gostosa.


      Sep 11:  compras no outlet
      Hoje nos passamos o dia no Camarillo outlet e depois fomos para LA.
      Sep 12:  Los Angeles area
      Hoje andamos em volta da area de Los Angeles, acabamos nao indo na cidade. Comecamos com Beverly Hill, parando na famosa Rodeo Drive e dai passeando de carro pelas mansoes. Depois fomos para Malibu. Depois fomos para Santa Monica, andamos na promenade e no famoso pier. Nossa ultima parada do dia foi Venice beach, onde andamos na boarwalk e visitamos os canais.




      Sep 13: San Diego
      Hoje dirigimos em direcao a San Diego, parando em varias cidades no caminho. Minha parada foi Long beach, depois veio Huntington beach, cidade cheia de surfistas. Passaos por Newport, com suas marinas e Dana Point, ate chegar em La Jolla. 



      Sep 14: San Diego
      Hoje comecamos o dia visitando Mission beach,. Deois fomos para o Balboa Park. A tarde nos fomos para Old Town, Ocean beach e Cabrillo National Monument.



      Sep 15: San Diego
      Ultimo dia em San Diego, comecamos com Coronado Island. Depois fomos no Gaslamp Quarter, passando pelo Pecto park. A tarde fomos no Sea Part village, andamos pelo Embarcadero ate o USS Midway Museum. Nossa ultima parada foi little italy antes de voltar para o hotel.


       
       
       
       
×