Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Dérien

Europa 24 dias - França / Rep.Tcheca(Praga/Cesky Krumlov) / Alemanha - COM FOTOS!!!

Posts Recomendados

Marcos,

Se puder ficar uma semana em Praga, melhor ainda. Muita coisa nós não conseguimos conhecer. Muitas marcas de cerveja sem serem apreciadas (rsrsrsrs).

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Nîmes nem tanto, mas Carcassone já tá ficando bem popular. Todas são muito belas. Praga é realmente uma cidade muito bonita, ainda hei de conhecer ...

 

Carcassone eu já conhecia para falar a verdade, mas Nimes me surpreendeu, assim como a catedral de Albi.

 

Praga é única Marcos, não deixe de passar por lá na próxima vez que for à Europa!!! Por mim largava tudo aqui e iria virar musico de rua lá em Praga...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Nem falem ... eu já ia para Praga em setembro, mas tive que adiar a viagem da Europa porque minha esposa não deve ter férias e as minhas podem mudar por uma possível mudança de emprego. É f............

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Puxa, Marcos, isso quando acontece é uma merda mesmo . . . Mas, você sabe, é só esperar . . . Com certeza essa oportunidade vai aparecer . .

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Muito bom o relato, meus parabéns!

Prestei atenção especialmente à parte que fala sobre Praga.

Já tinha visto ouros relatos, mas foram um pouco mais "expressos".

Gostei das partes das cervas, também é algo que me atrai muito.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

É isso aí Brunoww, o tour "cervejístico" em Praga é obrigatório. Dá pra passar o dia só degustando, tantas são as opções.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

PARTE 4

 

Acordamos para o nosso terceiro dia em Praga com muito entusiasmo. Os dois dias anteriores nos havia deixado eufóricos e a expectativa era de que esse clima de deslumbramento não fosse acabar tão cedo. Compramos algumas coisas no supermercado em frente ao hotel, montamos uns sandubas (presunto Parma, queijos diversos, defumados, tudo muuuuito barato!) e saímos rumo ao Josefov, o bairro judeu de Praga.

 

O povo judeu está em Praga desde o século XII, quando fundaram uma comunidade próxima à Praça da Cidade Velha; no passado, chegaram a viver lá perto de 180 mil pessoas. Ao longo da história, os judeus de Praga sofreram diversos massacres e perseguições, sendo o último à época da Segunda Guerra Mundial, quando os nazistas tiveram a intenção de criar no bairro um museu para uma raça extinta (o Terceiro Reich tinha a convicção de que conseguiria eliminar completamente todo o povo judeu da face da Terra). Nesse museu do horror seriam expostos objetos dos mais diversos tipos, frutos de pilhagens em casas judias e sinagogas de toda a Europa Central. Tais objetos simbolizariam a vida e os costumes de um povo que, executados os planos nazistas de extermínio, não mais existiria.

 

Do hotel ao Josefov dá uns dez minutos de caminhada. Passamos pela Praça Velha e aproveitei pra tirar uma foto dos pedaços de tender defumando no gira-grill nas barracas da praça.

 

PA050191.JPG.042e8a295656a4607442dab02fc452c4.JPG

 

Depois, a gente seguiu por uma longa avenida até chegar ao bairro. Essa avenida é uma espécie de passarela por onde desfilam as lojas chiques européias, como Louis Vuitton, Prada, Gucci, e o escambau! Ou seja, passamos direto e de nariz empinado (afinal de contas não nos misturamos com esse tipo de gente!).

 

PA050202.JPG.b1f9975f31eb3910b61db274474ac421.JPG

 

Já no Josefov, compramos o ticket que dava direito a entrar em todas as sinagogas e ainda no cemitério. Os lugares são bem próximos uns dos outros, num raio de no máximo 2 quarteirões.

Começamos pela Velha Sinagoga, a mais antiga da Europa ainda em funcionamento, construída no século XIII. Logo na entrada os homens já recebem um kipá para cobrir a cabeça. Como eu já estava de boné, guardei como lembrança. Lá dentro a gente tem acesso ao salão principal, que é muito bem conservado, mas é proibido tirar fotos: como o espaço era pequeno e tinha muita gente olhando, achei melhor não arriscar, apesar da tentação. Depois seguimos para as outras sinagogas, onde objetos sacros, vestimentas ritualísticas e documentos estavam expostos e contavam um pouco dos mais de 800 anos de história do bairro e seus moradores. Mas nada podia nos ter preparado para o que vimos na sinagoga Pinkas.

Você entra e sobe até o 2º andar. Chegando lá, percebe que há vários salões interligados. Aproxima-se das paredes e vê que todas, do rodapé ao teto, estão completamente cobertas por palavras miúdas, quase ilegíveis, praticamente emendadas umas às outras. Ali estão os nomes dos quase 80.000 judeus da República Tcheca que foram assassinados sob o regime nazista. É quando você percebe o quão frio e superficial um número isolado pode ser. Falar em oitenta mil pessoas assassinadas pode não suscitar em quem ouve uma real percepção da tragédia, ainda mais se compararmos às milhões de mortes contabilizadas ao final da guerra, assustadores números de oito dígitos. Mas a visão dos oitenta mil nomes cobrindo as paredes daqueles salões atinge em cheio o visitante, deixando-o verdadeiramente consciente das reais e brutais dimensões do apocalipse nazista. Imaginem então o que provocaria no espírito a visão de oitenta mil corpos . . .

Depois de atravessar os salões há uma sala, pequena, mas que guarda entre suas paredes um registro sensível da inocência das crianças, sempre esquecidas em tempos de guerra. Ali estão expostos centenas de desenhos feitos pelos meninos e meninas judias do campo de concentração de Terezin, próximo à Praga, de onde algumas escaparam (242), e onde muitas morreram (aproximadamente 7.000). Do lúdico ao sombrio, do amor ao ódio, da esperança ao desespero, os desenhos refletem o que ia no espírito de cada uma daquelas crianças, cujas mentes inocentes sofriam, perturbadas, com a crueldade de uma guerra que, como todas as outras, não reconhecia sua condição infantil.

Depois dessa experiência bastante introspectiva, seguimos para o Antigo Cemitério Judaico. Esse cemitério, além de ser muito antigo (alguns estudiosos afirmam que ele data do século 10), traz outra característica que foge do lugar comum. Como já foi dito, ao longo da história os judeus de Praga sofreram várias espécies de perseguição, dentre elas a segregação e confinamento da população judaica no Josefov por séculos. Sendo assim, com o passar dos anos, o espaço no cemitério acabou se tornando insuficiente para atender a demanda. A saída encontrada foi ir “enterrando” o próprio cemitério à medida que acabava o espaço para novas sepulturas, cobrindo-o completamente e criando, assim, uma nova área para os sepultamentos. No total foram 12 camadas de terra sobrepostas umas às outras ao longo dos séculos. Como, segundo os preceitos judaicos, as lápides não podem ser removidas, as mais antigas, cujos túmulos haviam sido cobertos de terra, eram recolocadas sobre as novas camadas de solo. Essa é a razão pela qual as lápides ficam tão próximas umas das outras, quase encavaladas, desenhando um cenário caótico que é a marca registrada do cemitério e a razão por ele ser tão admirado e visitado. Eu achei tudo muito legal, tanto o visual quanto a própria história do lugar. Secretamente, tirei algumas fotos enquanto caminhava por entre as lápides. Só como curiosidade, esse cemitério é o mesmo que dá nome ao romance do escritor Umberto Eco, O Cemitério de Praga.

 

PA050200.JPG.f00fc3f8abd27e73d39f2675bcd69532.JPG

 

PA050197.JPG.84d3818403093d13fa36e71e1486c4bd.JPG

 

Por último, fomos à Sinagoga Espanhola, de longe a que tinha o interior mais deslumbrante. Chegava a lembrar uma mesquita, tamanha a quantidade de detalhes nas pinturas de suas paredes (meu deus, tomara que não haja extremistas lendo esse texto!!). No alto, um lustre enorme com o formato da Estrela de Davi. Ali foi mais difícil tirar as fotos sem ser percebido, porque tinha uma tiazinha com cara de encrenqueira que não parava de “caçar” possíveis transgressores da regra. Mas eu dei um “balão” nela e sai clicando às cegas. As fotos não ficaram como eu queria, mas tá valendo . . .

 

PA050203.JPG.01424b151f61ab9116fefbf77a019314.JPG

 

PA050206.JPG.25e03da55895505c64a769f57870f415.JPG

 

Na volta do Josefov, reparamos mais detalhadamente em algo que já nos havia chamado a atenção: não existem cachorros de rua em Praga. Não vimos nem unzinho sequer! E não é porque a carrocinha da prefeitura (nem sei se existe isso lá!) captura e leva pro abate. A verdade é que o povo tcheco é apaixonado por cães. Até sessão de cinema para os cachorros assistirem com seus donos existe por lá! Já li que todo tcheco que se preze tem um cachorro, e que se você se mudar pra lá e quiser ser bem recebido na sociedade praguense, o primeiro passo é ter um ou dois cachorros. Nas ruas, a todo instante você encontra um praguense passeando com seu cão/cães. Eles os levam a todos os lugares! Até em restaurante eu vi pets deitados ao pé das mesas! No metrô também vi muitos! Na verdade, onde os cães não podem entrar há placas sinalizando a proibição; se não tiver uma placa proibindo, é certeza que os donos vão entrar com seus animais. Não poder entrar é a exceção à regra.

Fomos então conhecer o Igreja de Nossa Senhora Vitoriosa, onde está exposta a estatueta do Menino Jesus de Praga. Eu esperava uma baita igreja, com uma arquitetura impactante. Ledo engano. A igreja é bem simples por fora (ainda mais se comparada às outras igrejas e catedrais que conhecemos ao longo da viagem) e por dentro é uma igreja no estilo barroco, mas sem nada de especial. A estátua fica em um pequeno altar do lado direito da nave central, e não no altar principal. E estávamos admirando a obra de arte que é o altar quando algo chamou a atenção da Jô: uma imagem bastante familiar para nós brasileiros, mesmo os não religiosos. Ao lado do altar do Menino Jesus de Praga, uma estátua de Nossa Senhora de Aparecida, doada pelo embaixador do Brasil, nos deixou com um gostinho de saudade do nosso país. Não havia como não reparar, já que a cor negra de sua pele é inconfundível e diferente de qualquer outra estátua de Nossa Senhora pelo mundo. Depois entramos em uma sala, no fundo da igreja, onde estão expostas diversas roupinhas que são utilizadas para vestir a estatueta, costuradas por princesas e mulheres da alta nobreza ao longo dos últimos três séculos. Por último, compramos uma lembrança pra minha mãe em uma loja do lado de fora de igreja, já que a loja de dentro, a oficial, praticava um preço nada espiritual, um verdadeiro assalto.

 

PA040164.JPG.30bd9fd92df7a5215a1cc99bbc16127b.JPG

 

PA040165.JPG.7209ec6517317a8d3560f2f391868ae4.JPG

 

PA040171.JPG.76d282f845dc80c89e701c51db2e4440.JPG

 

Antes de voltarmos para o hotel, fomos comer alguma coisa. Como estávamos próximos ao Castelo, segui uma dica postada no Mochileiros.com sobre um restaurante medieval que havia por ali. O nome do lugar é U SEDMI ŠVÁBŮ, ou, traduzindo, OS SETE SWABIANS, que é o nome de um conto dos Irmãos Grimm (a Swabia é uma região cultural e lingüística da Alemanha, e não uma região física, demarcada). Foi muito fácil achar a taverna (palavra que combina muito mais com a época medieval do que restaurante) e quando entramos deixamos o século 21 pra trás e retornamos à Idade Média.

O interior é propositadamente “decorado” para se ter a sensação de um ambiente medieval: armaduras de cavaleiros, iluminação à base de velas (com candelabros cobertos pela cera derretida de centenas delas, como esculturas de uma caverna), cabeças de animais selvagens penduradas pelas paredes, peles felpudas cobrindo os bancos, paredes enegrecidas pelo tempo, tudo ali criava uma atmosfera que remetia à época da História que inspirou a maioria dos contos de fantasia. Dei cordas à imaginação e me permiti viver a minha própria. Para tornar o momento ainda mais único, eis que surge do nada uma dançarina com quatro malabares em chamas, executando uma dança alucinada e cheia de contorcionismos. Não sei se tinha isso na época medieval, mas que foi legal, ah, isso foi.

 

PA040160.JPG.e7ec687f27e0a1345f740a4d6541b135.JPG

 

PA050213.JPG.2ef944bb3537afd8957ac64adc022ec8.JPG

 

No dia seguinte acordaríamos bem cedo, para pegar o ônibus que nos levaria a Cesky Krumlov, uma pitoresca cidadezinha no coração da República Tcheca.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Valeu gtfontana! Tô tentando correr com o relato pra não ficar muito tempo sem postar! Daqui a pouco completa um ano de viagem e eu ainda não terminei o relato.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.




×
×
  • Criar Novo...