Ir para conteúdo

8 dias alemanha e áustria. Do Natal em Innsbruck a Reveillon


Posts Recomendados

  • Membros

[creditos]Este é um post resumido do relato de viagem completo no meu blog, acompanhe os posts com TODAS AS FOTOS aqui :

 

A vida do viajante - EUROPA 2013[/creditos]

 

Neste último reveillon realizei um sonho de muitos brasileiros : passar o natal nos Alpes. De quebra, aproveitei o reveillon na Alemanha. Vou fazer um resumo do relato de viagem, que estou colocando no meu http://avidadoviajante.blogspot.com.br/search/label/Europa%202013 para ajudar quem quiser um fim de ano maravilhoso como esse sem gastar muito.

 

[t3]Roteiro de viagem de 8 dias :[/t3]

 

TER (24/12) INNSBRUCK (CONDOR+LUFTHANSA)

QUA (25/12) MUNIQUE (TREM)

QUI (26/12) MUNIQUE/FUSSEN/MUNIQUE (TREM)

SEX (27/12) NUREMBERG (CARRO)

SAB (28/12) NUREMBERG/BAMBERG/ROTHENBURG (CARRO)

DOM (29/12) VALE DO NECKAR-BURGENSTRASSE/HEIDELBERG (CARRO)

SEG (30/12) HEIDELBERG/SPEYER/HEIDELBERG (CARRO)

TER (31/12) WORMS/MAINZ/FRANKFURT (CARRO)

QUA (01/01) FRA / RECIFE (CONDOR)

 

[t3]COMO É VIAJAR PELA CONDOR[/t3]

 

A viagem começaria com um vôo doméstico da TAM de Fortaleza até Salvador. Somente a partir de lá, embarcaria no trecho internacional entre Salvador e Innsbruck, com uma conexão em Frankfurt. O aeroporto em Salvador tinha uma fila considerável para check in na Condor, mas mesmo o vôo atrasando uma hora em Fortaleza, chegamos com três horas de antecedência em Salvador, então não tivemos problemas para embarcar. O vôo Salvador - Frankfurt saiu na hora prevista e ocorreu sem maiores incidentes.

 

O pouco espaço entre as poltronas (achei menor que o espaço em vôos domésticos da tam e gol) era compreensível devido ser uma empresa low-cost, mas o que me surpreendeu negativamente foi o atendimento simplório da tripulação. Não adiantava nada acender a luz de atendimento, ninguem sequer aparecia para saber o que você estava precisando. Na hora da refeição, só estava disponível uma única opção : frango com salada, pão, queijo, manteiga e sobremesa. Apenas as bebidas não alcóolicas são gratuitas. Outro ponto negativo foi que a água sem gás acabou no meio do vôo, ficando disponível apenas água com gás, que não é a bebida ideal para matar a sede. Outra observação é que a tripulação não falava português, somente alemão e inglês. As opções de entretenimento também são bastante simplórias : monitores coletivos e filmes em inglês. Ah, não esqueça de levar seu fone de ouvido porque a empresa apenas vende os que tem a bordo a 5 euros.

 

Chegamos em Frankfurt às 9h da manhã (horário alemão) e fomos para a imigração que foi bem tranquila. O oficial deixou fazer a imigração da família em conjunto, o que foi um alívio (somente eu falava inglês). Fez poucas perguntas, apenas quantos dias iriamos ficar e liberou rapidinho. Pegamos as malas e fui direto fazer o check-in para o segundo trecho da viagem, que seria operado pela Lufthansa. Tentei fazer o check in nos totens de autoatendimento, mas a máquina não concluia o processo. Pedi para uma simpatica funcionário me auxiliar na operação, mas ela também não conseguiu e me encaminhou para o balcão de atendimento avançado. Lá me informaram que o ticket estava com algum problema, pois o sistema não liberava a emissão do bilhete.

 

Logo, bateu um frio na barriga, sabe quando você pensa, agora ferrou? Acontece que havia efetuado uma troca de nome nessas passagens , após uma verdadeira guerra com o escritório de São Paulo e dos Estados Unidos da Condor. (..). Demorou muito mas a Condor aceitou meus argumentos e efetuaram a troca das passagens, só que "esqueceram" de trocar os nomes no segundo trecho da passagem operado pela Lufthansa. Imaginem o desespero em plena véspera de Natal ficar retido no aeroporto de Frankfurt?

 

Fui de imediato ao guichê da Condor, expliquei o ocorrido e exigi que algum funcionário da companhia me acompanhasse até a Lufthansa para resolver a situação. O atendimento deles não foi muito simpático, mas pelo menos imprimiram uma nova passagem com o número do código da reserva da Lufthansa. Com essa nova passagem voltei a Lufthansa, mas novamente não consegui efetuar o check in. Já exausto, expliquei novamente a situação para uma simpática atendente que, após inúmeras ligações não conseguia efetuar o check in da minha mãe e da minha tia, justamente os nomes que haviam sido trocados após a compra das passagens.

 

Somente uma meia hora depois, para minha surpresa, a atendente simpática propôs que embarcássemos com o nome original das pessoas que a passagem foi comprada. Estranhei muito o fato, ainda mais sabendo que na Alemanha há um rígido controle de imigração. Porém, ela explicou que sendo um vôo para dentro da comunidade européia, não seria exigido que fosse apresentado o passaporte no embarque. Pra mim a idéia dela fazia sentido, e foi com esse jeitinho alemão que minha tia embarcou com o nome da minha mulher e minha mãe com o nome de solteira, diferente do que constava no passaporte.

 

 

[t3]Os alpes visto de cima[/t3]

 

Quando tomamos o ônibus para o avião que iria nos levar a Innsbruck, um novo susto : trata-se de um avião bimotor, operado pela Tyrolean Airways. Pesquisando no google descobri que trata-se de uma bombardier Q400. Como nunca havia voado numa aeronave deste tipo, bateu um certo receio no começo, mas logo a primeira impressão se dissipou e tenho que dizer que esse vôo foi um verdadeiro passeio panorâmico. A aeronave voava baixo, reconheci a cidade de munique e logo adiante a visão inesquecível dos Alpes. Continuamos voando pelo que parecia ser um vale dentro das montanhas cobertas de neve, repletos de vilarejos, riachos e florestas : a impressão que tinha era que a aeronave voava mais baixo que algumas montanhas que rodeávamos. Essa visão era tudo o que precisava para readquirir o ânimo e espantar o cansaço da viagem e da luta para poder chegar até ali, finalmente a ficha estava caindo : iria passar o Natal na Europa do jeito que planejei.

 

DSC02903-1.jpg

 

Bombardier bimotor do trecho FRANKFURT - INNSBRUCK

 

20121224132946(1).jpg

 

 

Dicas :

 

Escritório da condor em São Paulo :

 

[email protected]

Telefone : 11 3106-3295 / 3106-2386

 

Escritório da condor nos EUA :

 

[email protected]

Editado por Visitante
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

[t1]Como é passar o Natal em Innsbruck[/t1]

 

[t3]Aeroporto de Innsbruck - Áustria[/t3]

 

Após um emocionante vôo panorâmico no bimotor por cima dos Alpes, aterrisamos no Aeroporto de Innsbruck por volta de 14h. Assim que você coloca a cabeça para fora do avião já é recepcionado pela majestosa visão do paredão de rochas do nordkette (uma das montanhas que rodeam a cidade). A densa névoa que se aproximava foi um alívio espetacular para quem havia saído do calor de 30 graus do Nordeste brasileiro.

 

Retiradas as malas, pegamos o único táxi em todos os dias de viagem da Europa, incluindo os 21 dias que já havia passado anteriormente. Não que o táxi seja caro, especialmente se você viaja em grupo de três ou quatro pessoas, mas sempre acho mais prazeroso interagir com a população local.

 

Para quem ainda não sabe, quase todos os aeroportos que passei no velho continente, existe transporte público de qualidade pelo menos até o centro da cidade. Em Londres e Paris, por exemplo, o metrô me deixou praticamente na porta do hotel. Desta vez, porém, decidi abrir uma exceção primeiro porque já estávamos exaustos das horas de viagem e da confusão no aeroporto de Frankfurt e segundo, porque ainda queríamos chegar o mais rápido possível ao hotel para aproveitar o resto do dia (e da noite) de véspera de Natal. O táxi era muito confortável (estilo van) e custou pouco mais de 10 euros até o hotel. Deixamos as malas no IBIS Innsbruck e segui esse roteiro a pé de 2,6 km pelos principais pontos turísticos que já sabia que estariam abertos na véspera de Natal.

 

[googlemap]https://maps.google.com.br/maps?saddr=Hotel+ibis+Innsbruck,+Sterzinger+Stra%C3%9Fe,+Innsbruck,+Rep%C3%BAblica+da+%C3%81ustria&daddr=Maria-Theresien-Stra%C3%9Fe,+Innsbruck,+Rep%C3%BAblica+da+%C3%81ustria+to:Burggraben+3,+Innsbruck,+Rep%C3%BAblica+da+%C3%81ustria+to:Tiroler+Volkskunstmuseum,+Innsbruck,+Rep%C3%BAblica+da+%C3%81ustria+to:Golden+Roof,+Herzog-Friedrich-Stra%C3%9Fe,+Innsbruck,+Rep%C3%BAblica+da+%C3%81ustria+to:Dom+Sankt+Jakob,+Domplatz,+Innsbruck,+Rep%C3%BAblica+da+%C3%81ustria+to:Hotel+ibis+Innsbruck,+Sterzinger+Stra%C3%9Fe,+Innsbruck,+Rep%C3%BAblica+da+%C3%81ustria&hl=pt-BR&ie=UTF8&ll=47.266213,11.396492&spn=0.009552,0.022724&sll=47.265715,11.396485&sspn=0.009552,0.022724&geocode=FcQs0QIdlvKtACHvrPB9corMYykpDn6e4mudRzHvrPB9corMYw%3BFaw00QIdDN6tACnFwDVV42udRzHVPRmyDa2lxg%3BFcA90QId8NqtAClXjBd1-2udRzELJKdf9fHnpA%3BFfhC0QIdEOKtACG0nQbsB6Dvzim39VOI-2udRzG0nQbsB6Dvzg%3BFc1C0QIdsNitACHl0LuV6gKTjSkDgzLI-2udRzHl0LuV6gKTjQ%3BFXtG0QIdFNutACGQ_tjdAuzEoimjgDHZ-2udRzGQ_tjdAuzEog%3BFcQs0QIdlvKtACHvrPB9corMYykpDn6e4mudRzHvrPB9corMYw&oq=Dom+Sank&t=h&dirflg=w&mra=ls&z=16[/googlemap]

 

[t3]Innsbruck - A cidade alpina dos Habsburgos[/t3]

 

Possui aproximadamente 170 mil habitantes e é a maior cidade da região do tyrol, nos alpes austríacos. A cidade tem uma estreita relação com a dinastia imperial dos Habsburgos, que monopolizaram durante quase 600 anos a eleição de Imperador do Sacro Império Romano-Germânico, instituição governante da Europa Central durante mais de 1000 anos, somente dissolvido no ano de 1806.

 

Innsbruck era uma das cidades preferidas de vários Imperadores e nobres da família imperial, que costumavam se refugiar na cidade em busca da tranquilidade e do seu clima agradável. O centro histórico da cidade (altstadt) está repleto de edifícios e monumentos deixados como legado por essa família para as gerações futuras. Além disso, no inverno, a cidade é uma das mais procuradas estações de ski da Europa, tendo sediado as Olimpíadas de Inverno em duas ocasiões, contando com uma excelente infraestrutura para o turismo de aventura.

 

[t3]Altstadt - O centro histórico[/t3]

 

A primeira parada obrigatória foi a movimentada Maria-Theresien-Straße. O nome da rua provém da Imperatriz Maria Theresa dos Habsburgos. Após a morte do seu pai que não deixou herdeiros masculinos, Maria Theresa enfrentou a resistência de várias regiões do Império que se recusavam a aceitar uma imperatriz mulher. Para minimizar a situação, foram coroados como Imperadores do Sacro Império Romano seu esposo Franz I e após a morte deste, seus filhos, mas quem governava de fato era essa poderosa mulher, cuja presença até hoje se faz notar em vários monumentos e obras em toda a Áustria. É desta rua que se tem uma das melhores vistas do nordkette, que pode ser conferida aqui embaixo :

 

DSC02913-1.jpg

 

Conforme previsto no roteiro, ainda deu tempo de aproveitar pelo menos por uns 20 minutos a feira de natal da cidade, provar um doce típico delicioso e a primeira wurst (salsichão) da viagem. A igreja do Espírito Santo fica na mesma praça e também vale uma visita.

 

DSC02921-1.jpg

 

DSC02924-1.jpg

 

A próxima parada foi no museu de cultura do Tyrol, que se encontrava parcialmente fechado : apenas uma encantadora exposição de presépios estava aberta. Do lado do museu, fica a HofKirche, a famosa igreja imperial. Dentro do santuário, impressiona as estátuas em tamanho maior que o real de várias personalidades ligadas à familia dos Habsburgos, dentre antigos imperadores da família e até ancestrais espirituais, passando pelos imperadores romanos, de quem se julgavam descendentes. Até uma estátua do mítico Rei Arthur pode ser encontrada. Chama atenção também o belíssimo cenotáfio (tumba vazia) do Imperador Maximiliano, já que o mesmo se encontra sepultado em Viena. Não perca a visita a estes museus em nenhuma hipótese quando estiver em Innsbruck!

 

DSC02926+(1).JPG

 

DSC02930-1-1.jpg

 

DSC02937-1+(1).JPG

 

DSC02945-1.jpg

 

Saindo da igreja, pode-se avistar o palácio imperial e as montanhas da região ao fundo. Nesse momento, já aproveitamos para visitar o Hofburg e comprar o Innsbruck Card, um cartão que dá direito a você utilizar todo transporte urbano dentro da cidade e visitar todos os museus que encontrar aberto, além de subir os alpes pelo trem e teleférico e visitar o zoológico alpino.

 

O Hofburg, ou palácio imperial, construído pela Imperatriz Maria Teresa, é uma versão menor do palácio homônimo de Viena. Seguindo a tradição dos Habsburgos, não tem a suntuosidade de outros palácios como Versalles e do rei Ludwig II, mas vários objetos bem preservados nos quartos abertos ao público. A exceção fica por conta do salão principal, uma autêntica obra prima repleta de pinturas da família imperial.

 

DSC02953-1-1.jpg

 

[t3]Frohe Weihnachten! - A noite de véspera do Natal[/t3]

 

Logo chegou a hora de conferir a apresentação de Natal na principal praça da cidade, chamado Festival Tower Music. Eu não sabia muito bem do que se tratava, somente lá descobri que era uma apresentação instrumental de músicas de natal entre três prédios históricos que formavam um triângulo entre si ao redor da praça. O principal deles é o Golden Roof, ou telhado de ouro. Uma sacada do prédio em que a família imperial de Maximiliano I costumava observar o movimento da cidade e, ao mesmo tempo, podia ser observada pelos súditos.

 

Em frente à edificação estava a árvore de Natal, a mais linda que já vi na vida, toda natural. O prédio do restaurante Weinhaus Happ e da Torre StadtTurm também eram utilizados por outros grupos que se revezavam na apresentação das músicas natalinas. O momento mágico aconteceu quando a árvore de natal foi acesa e todas as bandas tocaram a música noite feliz, uma composição do padre Joseph Mohr dali mesmo do Tyrol, cantada em uníssono pela multidão na praça em todas as linguas imagináveis. A música é simbolo do natal universalmente conhecida.

 

 

DSC02976.JPG

 

 

Encerrada a apresentação, voltamos ao hotel para uma ducha e logo voltamos a praça para a ceia de natal no restaurante WeinHauss Happ, o mesmo restaurante que foi utilizado na apresentação musical. Já havia feito as reservas do Brasil (o que se mostrou providencial, pois quase todos os restaurantes fecham nesta noite) e desfrutamos de um maravilhoso jantar especial de Natal regado a um vinho austríaco, com direito a entradas, prato principal e sobremesa.

 

O edifício em que se situa o restaurante em si é um atrativo à parte, construído em 1484, conserva mais de 600 anos de tradição em vinhos e refeições na praça principal da cidade. Recomendo uma visita a esse belo restaurante para quem estiver em Innsbruck.

 

DSC02986-1.jpg

 

Ao sair da ceia , nos deparamos com a praça vazia e fomos dar uma volta pelas deliciosas vielas do centro histórico. O costume das famílias austríacas é passar o natal em casa com a família, deixando as ruas quase desertas. Demos uma passada na Catedral da cidade, porém o cansaço não permitiu ficar até a missa do galo, que dizem ser maravilhosa, fico imaginando os órgãos musicais centenários tocando as músicas natalinas. Mas sempre é bom deixar algo para uma próxima vez...

 

[t3]Marien Theresien Strasse em detalhes[/t3]

 

Acordamos no dia Vinte e Cinco de Dezembro às oito horas da manhã. Quem falou que vida de viajante é fácil? Aproveitamos as ruas desertas para bater fotos de alguns outros pontos de interesse. Percorrer a Marien Theresien Strasse é uma surpresa a cada esquina. Logo no seu início, existe o Arco do Triunfo, construído pela Imperatriz para homenagear seu marido falecido e também o casamento do seu filho. Mais à frente estão o cassino e diversas lojas de grifes de marcas, culminando na coluna de St Anne e a espetacular vista do Nordkette. A rua então adentra o centro histórico e passa a se chama Herzog Friedrich Strasse que termina no famosíssimo telhado de ouro.

 

P1060901-1-2-2.jpg

 

P1060908-1.jpg

 

 

[t3]Subindo os Alpes Austríacos[/t3]

 

Mas o objetivo principal do dia era subir a montanha mais conhecida de Innsbruck : a Nordkette. O acesso é feito pela estação de trem na praça em frente à HofKirche. No moderno trem, após cruzar o rio Inn, pode-se alcançar as estações Alpenzoo e Hungerburg. De lá , deve-se pegar um bondinho para mais dois estágios de subida , chamados Seegruber e Hafelekar, este último a 2229 m acima do nível do mar. Em cada parada, existe um restaurante de apoio que serve desde cafés até refeições completas. Do restaurante, pode subir uma rampa escorregadia que lhe levará direto a um plateau coberto de neve, com uma vista espetacular de toda a extensão das montanhas dos Alpes.

 

P1060932-1+(1).JPG

 

P1060946-1.jpg

 

DSC03021-1.jpg

 

Para quem já fez o passeio ao Zugspitze, o ponto mais alto da Alemanha nos Alpes, notei algumas vantagens : a primeira diferença que percebe-se é que o trajeto de trem até o Hafelekarspitze demora bem menos tempo, assim como o preço é bem inferior. Em relação à vista, dei azar de subir no Zugspitze em um dia que estava nevando e com uma densa névoa que não podia enxergar uns 2 metros a frente do nariz, então curti mais a vista do Hafelekar.

 

Por outro lado, a descida em um estágio do Zugspitze vencendo o desnível de 2962 m de uma vez só no bondinho é bem mais dramática e bonita, além do que se ganha "de bônus" a vista do lago Eibsee. No mais, em opções de pontos de apoio, o restaurante do Zugspitze também é mais completo e oferece mais opção ao turista.

 

Mas o que mais me impressionou foi a sensação térmica que fazia lá em cima. Mesmo com vestimentas adequadas (as mesmas que já utilizei pra enfrentar a neve em Santiago, Bariloche e Alemanha) senti a extremidade dos membros praticamente congelarem dessa vez. Ficou até difícil bater fotos, pois o vento praticamente não deixava tirar as luvas. Posso dizer sem sombra de dúvidas que foi o lugar mais frio em que estive e, olha que nesse assunto tenho até certa experiência.

 

[t3]O Zoológico[/t3]

 

Na volta, descemos na estação Alpenzoo e fui dar uma conferida na atração homônima, cujo ingresso também está incluso no Innsbruck Card. Este zoológico se destaca pela coleção de animais nativos dos Alpes, notadamente lobos, ursos e aves de rapina. De hábitos predominantemente noturnos, não é fácil encontrar os bichinhos ativos no frio do dia.

 

P1060978-1.jpg

 

[t3]O Castelo de Ambras[/t3]

 

Voltando à cidade programei o tempo exato pra visitar a última atração do dia que o tempo permitiria em Innsbruck : o castelo Ambras. Para chegar lá, pode-se utilizar o ônibus turístico SightSeeing Bus. Tanto o ônibus quanto a entrada do castelo também estão inclusas no Innsbruck Card. O castelo é um pouco afastado da cidade e no caminho passamos por diversas outras atrações como o estádio olímpico de Innsbruck.

 

O castelo de Ambras foi construído pelo Duque Ferdinando, filho de Maria Teresa e está repleto de objetos da coleção particular desse nobre da Casa dos Habsburgos. Entre as curiosidades dos salões do castelo estão a armadura de um gigante da corte e do próprio Ferdinando, além de um retrato do Príncipe Vlad, o conde Drácula. Apesar do pouco mobiliário, o salão principal do castelo é simplesmente sensacional., um dos mais belos que já conheci,

 

P1060989.JPG

 

P1070003.JPG

 

[t3]Avaliação Final[/t3]

 

Devo dizer que a cidade de Innsbruck me surpreendeu positivamente, havia lido muitos relatos divididos entre os que amavam a cidade e os que achavam supervalorizada. Eu, particularmente, adorei Innsbruck como a cidade perfeita para se passar um natal em família. A cidade é limpa, organizada e bonita, fácil de andar a pé e a maioria das atrações se concentram no centro histórico da cidade. Você só precisará usar o excelente sistema de transporte público para alguns pontos mais distantes (basicamente o castelo Ambras, a Zeughaus, o Zoológico e o Nordkette) . Um dia livre inteiro e um Innsbruck Card na mão é o tudo o que você precisa para curtir todas as atrações da cidade sem pressa e de forma econômica.

 

 

Dicas de Viagem :

Hotel Íbis Innsbruck - Sterzinger Strasse 1, Innsbruck 6020, Áustria.

Restaurante e Hotel Weinhaus Happ - Herzog-Friedrich-Straße 14

Innsbruck Card - À venda nos museus e Centro de Informações Turísticas (Centro e HBF). Preço em dez/12 : 21 euros.

Editado por Visitante
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

[t1]Como é viajar de trem na Áustria e Alemanha (Innsbruck a Munique)[/t1]

 

[t3]Como economizar em passagens de trens na Alemanha e Áustria[/t3]

 

Depois de voltar ao Hotel e fazer o check out, atravessamos a rua para a HBF, onde pegaríamos o trem para Munique. Como também já havia comprado a passagem antecipada pelo site da OBB, a companhia ferroviária austríac, a esperamos com calma a chegada do trem regional para Munique.

 

Falando em trens, o transporte ferroviário, tanto na Alemanha quanto na Áustria, é frequentemente o meio mais confiável e rápido de deslocamento que existe. A vantagem em relação aos ônibus, carros ou avião, é que são confortáveis, rápidos, baratos , não tem burocracia de checkin e normalmente levam do centro de uma cidade a outra. Essas qualidades são válidas mesmo os trens mais simples. Estes são os trens regionais, de sigla RE ou REX, nos quais não é possível reservar assentos antecipadamente (pense neles como metrôs que interligam cidades). Já os trens de outras categorias, como EC e IC (euro-city e inter-city) têm comodidades a mais, como reserva de assentos, vagões restaurantes e etc. E ainda há o moderníssimo e rápido trem bala alemão, conhecido pela sigla ICE.

 

Aqui vale uma dica importante : ao viajar de trem na Alemanha e na Áustria fique atento aos chamados tickets regional. Se você estiver viajando em grupo então será a maior barbada que pode encontrar para se deslocar entre as cidades do seu roteiro.

 

Funciona assim : ao invés de comprar tickets individuais para cada pessoa que esteja viajando em conjunto, as empresas ferroviárias alemã e austríaca, chamadas deutsche bahn e a obb, respectivamente, oferecem a possibilidade de comprar um único ticket coletivo que vale para todos os integrantes do seu grupo. A quantidade de pessoas varia de 1 a 5, assim como o preço da passagem. Esse mesmo ticket pode ser usado de forma ilimitada durante certo horário para qualquer viagem dentro da região permitida daquele ticket regional.

 

Os horários em que são permitidas as viagens são 9:00 até 3:00 da manhã do dia seguinte em dias de semana e o dia inteiro a partir das 0h, em feriados e fins-de-semana. Já a região permitida para viajar varia conforme o ticket, por exemplo, o Bayern Ticket, permite viagens entre qualquer cidade do Estado da Bavária, além de cidades vizinhas como Salzburg, na Áustria.

 

E quais tickets regionais existem ? Consulte todos os tickets regionais existente aqui na página da db bahn. De forma semelhante, o ticket coletivo chamado ÖBB Einfach-Raus-Ticket permite até 5 pessoas viajarem por qualquer trem regional do país por apenas 32 euros durante todo o dia. E as vantagens não param por aí, estes mesmo tickets regionais permitem utilizar qualquer outro meio de transporte urbano dentro das cidades da região, como ônibus, metrô e bondes. Realmente, é uma economia e tanto.

 

No caso da minha viagem, ao invés do caro trem bala de 40 euros por pessoa para o trecho Innsbruck-Munique, optei em comprar dois tickets coletivos, o ÖBB Einfach-Raus-Ticket e o Bayern Ticket. Os dois passes podem ser comprados de forma simples e online pelo site da obb e da deutsche bahn. É só imprimir e levar consigo, junto com o documento de identificação que você indicar no momento da compra. Dessa forma, ao cruzar a fronteira você já estará com o ticket alemão comprado e não precisa sequer sair do trem até chegar no seu destino.

 

Acabei fazendo um excelente negócio, pois além de economizarmos uns 90 euros, a viagem em trem regional (via Mittenwald) de Innsbruck a Munique pelos Alpes é qualquer coisa de espetacular, com vistas cinematográficas, do mesmo jeito que haviam me dito nos fóruns do tripadvisor. O trem corta diversos vilarejos por dentro das montanhas e a paisagem é tão bonita que você nem liga pro tempo a mais gasto dentro do trem em relação a opção mais rápida (e cara) do trem bala.

 

P1070031-1.jpg

 

P1070033-1.jpg

 

Chegamos em Munique ainda cedo da noite, peguei o metrô para a KarlPlatz e ainda pegamos um trecho da missa de Natal na MichaelKirche. Minha mãe ficou muito emocionada e todos nós agradecemos a dádiva de estar naquele lugar maravilhoso. Infelizmente, o acesso ao túmulo do rei Ludwig II estava fechado, mas descobri as relíquias de Cosme e Damião, que da outra vez que estive nesta igreja me passaram desapercebidas. Ainda tentei passar pela FrauerKirche, mas a mesma se encontrava fechada para reformas. As luzes da Rathaus estavam fascinantes esta noite.

 

Com a alma devidamente alimentada pela fé, tratamos de satisfazer a fome do corpo. Munique, como todos sabemos é a capital mundial da cerveja, sede da tradicionalíssima Oktoberfest. Como não podia deixar de ser, fui apresentar aos meus familiares a mais típica e conhecida cervejaria da bavária, hoje patrimônio da cidade : a HofBrauHaus, inaugurada em 1589.

 

No cardápio, além das tradicionais cervejas tipo Helles (Pilsen) e Weizen (Trigo), havia um tipo especial de cerveja de Natal , deliciosa diga-se de passagem. Até minhas "mães" entraram na dança e pediram uma Radler, uma tradicional mistura de suco de limão e cerveja servida na Bavária. Para acompanhar não poderiam faltar os famosos salsichões, o joelho de porco com chucrutes e bretzel. Voltamos para o hotel devidamente no clima da capital da cerveja...

 

 

P1070060+(1).JPG

 

 

Aliás por falar em hotel, gostei bastante do Mercure Munchen Center, principalmente dos mimos do frigobar. Havia cervejas, águas, sucos, biscoitos, uma cafeteira e até espumante, tudo incluso na diária que não era das mais caras. Além disso, a decoração era de muito bom gosto.Parabéns pro hotel, mereceu um excelente no tripadvisor =)

 

Em relação a localização também era boa. Fica bem pertinho da estação de trem principal. Em se tratando de uma metrópole do tamanho de Munique, é compreensível encontrar vários personagens urbanos indesejados, tipo desocupados, imigrantes ilegais e ciganos na região das estações de trem. Mas achei a área bem policiada e tem como vantagem a opção de diversos mini-mercados e lanchonetes abertas durante a noite dentro do prédio da HBF.

 

Dicas

Hotel Mercure Munchen Center - Senefelderstrasse 9

ÖBB Einfach-Raus-Ticket - Disponível no site da Obb

Bayern Ticket - Disponível no site da Deutsche Bahn

Hofbrauhaus - Platzl 9 80331 München, Alemanha

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

[t1]Utilizando o Bayern Ticket para fazer um bate-e-volta até Fussen[/t1]

 

Dia 26 de Dezembro, diferentemente do Brasil, é feriado na maioria dos países da Europa, incluindo a Alemanha. Como já expliquei no post passado, fins de semana e feriados são ótimas opções para usar o Bayern Ticket. Um dos melhores passeios bate-e-volta quando se está hospedado em Munique é pegar o primeiro trem da manhã e visitar os castelos do Rei Ludwig II em Fussen, uma das atrações mais visitadas do país.

 

Apesar da distância, a viagem até Fussen dura menos de 2 horas. Mas chegue cedo para pegar um bom local no trem, pois Munique esta sempre lotada de turistas, a grande maioria asiáticos, e não há reserva de lugares em trens regionais. Apesar do nosso hotel estar localizado ao lado da estação de trem, acabamos calculamos mal o tempo e chegamos na estação atrasados. Resultado : o trem estava quase lotado. Os poucos lugares que ainda restavam, estavam dispersos em vagões diferentes. Na hora, fiquei com receio de bater a fiscalização e sermos multados, pois uma das condições do Bayern Ticket é que todos estejam viajando juntos, mas devido ao cansaço decidimos ir sentados, mesmo que fosse em vagões diferentes. Quando já estávamos quase chegando em Fussen, o fiscal passou para conferir os tickets, mas foi super tranquilo, não incomodou de forma alguma meus pais que estavam em outro vagão, nem sequer precisei acompanhá-lo para mostrar onde eles estavam. No mais, é só curtir a paisagem do trajeto, campos bem cuidados coroados pelos Alpes aos fundos.

 

 

DSC03034-1.jpg

 

 

Ao desembarcar em Fussen, já são disponibilizados vários ônibus vermelhos esperando para levar aos castelos, que ficam na cidade vizinha de Schwangau. Note que não é necessário pagar a passagem de ônibus, pois, o próprio bayern ticket pode ser usado em todo o trajeto sem qualquer custo adicional. Nesse momento, já havia me dado conta de ter subestimado a quantidade de turistas naquela época do ano e me arrependi de não ter feito a reserva antecipada da visita guiada aos castelos.

 

Mesmo sendo um dos primeiros a chegar no ticket center, o ticket combinado (que permite visitar os dois castelos existentes no lugar ) só teria entrada para as 13h da tarde. Como ainda queria voltar para Munique cedo de forma a aproveitar um pouco da noite da cidade, decidimos visitar somente o Neuschwanstein. Portanto, fica aqui a dica para fazer a reserva antecipada dos tickets se pretender visitar os dois castelos.

 

[t3]Visita ao Castelo de Neuschwanstein[/t3]

 

O castelo de Neuschwantein é a síntese do espírito romântico dos cavaleiros europeus. Seu idealizador, o Rei Ludwig II da Bavária, levou a coroa à beira da falência para construir essa verdadeira elegia à loucura. Não foi àtoa que esse monumento levou à sua deposição e posterior morte, não se sabe até hoje se foi suicídio ou homicídio. O certo é que o Rei possuia um fenomenal bom gosto, que pode ser observado em seus castelos, em Bondsee, Linderhof e Schwangau. Este último, o mais extravagante deles, é justamente o castelo de Neuschwanstein. Construído em cima de uma colina na porta dos Alpes, este castelo inspirou Walt Disney a criar o castelo da Bela Adormecida, até hoje a principal marca dos estúdios Disney.

 

Para se alcançar o castelo, deve-se subir a colina ou tomar uma das carruagens terceirizadas que sobem as ingremes encostas da montanha. A pé, a subida demora uns 45 minutos e de carruagem leva-se cerca de 15 minutos. O problema é que a fila para se embarcar nas simpáticas carruagens é frequentemente gigantesca. Vários guias impressos especializados alertam que há possibilidade de perder o horário de entrada para a visita guiada. E foi justamente isso que aconteceu conosco, pois meus pais não quiseram fazer a subida a pé. Felizmente, a administração do castelo resolveu o problema nos alocando em um outro horário. A visita pode ser feita com audio guide em português e não é uma visita demorada. Por falar nisso, já havia feito a mesma visita em Maio de 2012 e reparei que desta vez não mostraram sala de jantar do rei, um dos compartimentos mais interessantes do castelo. A sala possuia um mecanismo de baixar e levantar a mesa principal, para que o rei não tivesse contato com a criadagem. Outra curiosidade é que aparentemente o Rei não gostava de ser retratado, pois só há uma única foto do rei no imenso castelo. Extravagante não? Mas de qualquer forma, apesar do castelo nunca ter sido finalizado internamente, vale muita a pena a visita.

 

20121226131834(4)-1-2.jpg

 

Após a visita, a maioria das pessoas fazem a trilha até aponte a ponte de Marienbrucke, de onde se tem a melhor vista do castelo. Desta vez, porém, uma barreira impedia o acesso à estrada, provavelmente devido às nevascas comuns à essa época do ano. Porém, ninguém parecia querer perder a oportunidade de tirar uma foto na ponte e várias pessoas simplesmente ignoravam o aviso e pulavam a barreira. Como eu já conhecia o caminho e sabia que não tinha nada demais nele, fiz o mesmo e deixei meus familiares esperando por mim na entrada principal do castelo. O caminho realmente estava bastante escorregadio em vários pontos, com algum gelo acumulado e várias outras barreiras, mas nada iria impedir de curtir a paisagem fenomenal do caminho.

 

 

DSC03074-1-2.jpg

 

DSC03082-1.jpg

 

No caminho de volta ao ponto de ônibus, há várias lojinhas de souvenir, barracas de lanches e bons restaurantes. Eu lembro que há também o belíssimo castelo de Hohenschwangau a ser visitado. Este era a residência oficial dos pais de Ludwig II e onde ele mesmo passou sua infância. Se tiver tempo, não perca a visita, pois vale bastante a pena (já fiz essa visita em outra viagem).

 

DSC03106-1.jpg

 

[t3]Mais cervejarias em Munique[/t3]

 

Ainda utilizando o bayern ticket , a dica é voltar a Munique e aproveitar o impecável sistema de metrô U-Bahn e S-Bahn para conhecer melhor a cidade. Minha primeira parada foi na igreja do Espírito Santo, pequena, mas muito charmosa, fica quase ao lado de São Pedro que, infelizmente, já estava fechada. A badalada do Old Pete, o sino desta Igreja, pode ser ouvido a centenas de metros de distância.

 

Agora era hora de conhecer mais outras famosas cervejarias da cidade. A primeira parada foi na Paulaner, marca muito conhecida no Brasil.A paulaner in tal é mais restaurante bem legal e o prato principal da casa é o leitão da bavária, acompanhado pela cerveja da casa. Dessa vez escolhi a dunkel, cerveja preta bastante forte para acompanhar o prato acima e adorei a escolha. Para quem curte o assunto, a munich dunkel é uma cerveja de baixa fermentação como uma pilsen (lager), mas de sabor mais encorpado e amargo.

 

 

DSC03131-1.jpg

 

 

DSC03142-1.jpg

 

Aproveitando o resto da noite, passamos ainda em outra beerhall, mais ao estilo da Hofbrauhaus. A escolhida foi a tradicionalíssima Augustiner. É a mais antiga cervejaria de Munique, fundada em 1328 e é considerada a última grande cervejaria local da cidade, que se sustenta sem qualquer espécie de marketing. A festa continuou aos goles de helles, dunkels, weiser e radlers retiradas diretamente dos barris de madeira sem conservantes. E foi assim, em grande estilo, que nos despedimos da capital da cerveja.

 

[t3]Avaliação Final[/t3]

 

Munique é uma cidade completa, uma metrópole repleta de atrações para todos os gostos, com igrejas, museus e cervejarias de alto nível. Já viajei duas vezes para essa cidade e ainda não conheci nem metade das suas atrações. Nas imediações da cidade, o palácios de nyphenburg e o campo de concentração de Dachau também valem uma visita. E, para fechar com chave de ouro, confira os castelos do rei Ludwig II, especialmente o Neuschwanstein Seu único problema sera arranjar tempo para fazer tudo isso... =))

 

 

Dicas :

Paulaner im Tal. Prove o leitão "orgânico", especialidade da casa.

Augustiner Bierhalle. Opções de chopp no barril. Neuhausestrasse 27.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

[t1]Nuremberg, a cidade dos contrastes[/t1]

 

[t3]Nuremberg - A cidade[/t3]

 

Mais uma vez utilizamos o bayern ticket para chegar até Nuremberg, com aproximadamente meio milhão de pessoas , uma das maiores da Alemanha. Embora formalmente pertencente à região da Bavária, Nuremberg é a capital da Francônia, que tem costumes diferentes do restante do país.

 

A associação que as pessoas costumam fazer da cidade com o nazismo vem de dois fatos que aconteceram na cidade marcaram a história : as festas e convenções promovidas na cidade pelo partido de Hitler e o julgamento internacional dos nazistas pelos seus crimes de guerra, no episódio conhecido como Tribunal de Nuremberg.

 

A cidade possui um bom sistema de metrô (integrado ao bayern ticket), restaurantes e hotéis. Dessa vez ficamos no Íbis Altstadt, que pode ser acessado por túneis direto da estação de trem, embora eu, particularmente, nunca tenha acertado o caminho correto =). O centro da cidade é relativamente compacto e praticamente todas as atrações são acessíveis a pé, exceto o centro de documentação nazista.

 

A exemplo de Innsbruck, muitos viajantes nos fóruns pela Internet tem uma opinião forte a respeito da cidade, considerada como descaracterizada pelos turistas mais ortodoxos. Particularmente tive uma impressão bem diferente, pelo menos do centro histórico. É verdade que existem vários prédios modernos espalhados pela cidade e a maioria dos prédios antigos são reconstruções após a 2ª guerra mundial, já que a cidade foi completamente arrasada. Porém, a altstadt (centro historíco) é um dos mais agradáveis que já conheci da Europa e definitivamente já vale a visita.

 

Não esperava, por exemplo, encontrar tão bem preservada a linda muralha que circunda a cidade e suas incontáveis torres medievais, assim como o castelo relativamente pouco divulgado da cidade. Como se não bastasse os atrativos visuais, a cidade ainda possui uma vida cultural intensa, com diversos museus cujo acervo valem o ingresso. Fiquei somente 1 noite na cidade e tentei aproveitar o máximo que pude, mas há muito mais o que se ver. Definitivamente, é uma cidade que não pode ficar de fora do seu roteiro na Bavária-Francônia.

 

[t3]Museu Germânico[/t3]

 

A primeira parada foi no impressionante Museu Germânico. Este é o maior museu do gênero do país, retratando todos os aspectos do povo alemão, desde artefatos arqueológicos das tribos germânicas ancestrais, as vilas conquistas ou fundadas pelos romanos, vestimentas e materiais utilizados pelo clero medieval até aspectos modernos da diversidade cultural alemã. É facilmente acessível pelo metrô, desça na estação opernhaus e curta a vista das imponentes muralhas que circundam todo o centro histórico. O prédio em que o museu está localizado é uma atração à parte, compreendendo uma mistura de estilos de um antigo mosteiro e uma moderna recepção. A galeria de pinturas, contendo obras de vários artistas famosos, destaca-se pelas obras de Albrecht Duher. Outra sala famosa é a de instrumentos musicais, contendo a maior coleção de pianos do mundo. O museu é imenso, portanto antes da visita, procure selecionar previamente o que deseja ver.

 

[t3]Centro histórico[/t3]

 

Se tiver pouco tempo na cidade, você pode seguir o roteiro de 4,3 km para conhecer todas as atrações do centro histórico. A igreja teve uma forte influência na formação e consolidação da cultura alemã. Mesmo as cidades pequenas possuem muito frequentemente duas ou mais igrejas riquíssimas que valem uma visita, mesmo para quem não é religioso. Nuremberg está repleta de igrejas belíssimas tanto na margem inferior quanto superior do rio Pegnitz. Um fato curioso é que as igrejas do lado sul são luteranas, enquanto do outro lado do rio são católicas. O povo alemão é majoritariamente protestante, mas o luteranismo é um tipo de protestantismo bem diferente dos evangélicos brasileiros. As igrejas luteranas, por exemplo, se assemelham muito com as igrejas católicas, na realidade praticamente não percebo diferença alguma. Até meus pais, católicos, não conseguiram perceber diferença acentuada. As igrejas luteranas tem nome , imagens e altares de santos. Talvez porque muitos desses templos já existiam antes mesmo da reforma protestante, quando muitas delas se tornaram luteranas. É mais uma diferença filosófica do que visual. O principal santuário católico da cidade é a Igreja de St Sebaldus, cujas torres são vistas de praticamente qualquer ponto da cidade. O interior da igreja também é muito rico e bem ornamentado. Não perca o relicário contendo os restos mortais do Santo de mesmo nome, padroeiro da cidade, uma obra de arte admirável gótica feita de bronze. Outra igreja famosa é a luterana LorenzKirche. construída como um espelho da SebaldusKirche do outro lado do rio. Dentro do templo se destaca o primoroso tabernáculo de 1493.

 

[googlemap]https://maps.google.com.br/maps?saddr=Hotel+Ibis+Nuernberg+Altstadt,&daddr=St.+Katharina+Open+Air+N%C3%BCrnberg,+Am+Katharinenkloster,+Nuremberg,+Rep%C3%BAblica+Federal+da+Alemanha+to:49.4517512,11.0815812+to:49.4519067,11.0801104+to:49.4518749,11.0798424+to:St.+Lawrence's+Church+(Lorenzkirche),+Lorenzer+Platz,+Nuremberg,+Rep%C3%BAblica+Federal+da+Alemanha+to:Heilig-Geist-Spital,+Spitalgasse,+Nuremberg,+Rep%C3%BAblica+Federal+da+Alemanha+to:49.45407,11.0768419+to:Kaiserburg,+Burg,+Nuremberg,+Rep%C3%BAblica+Federal+da+Alemanha+to:Spielzeugmuseum+N%C3%BCrnberg,+Nuremberg,+Rep%C3%BAblica+Federal+da+Alemanha+to:St.+Sebald,+Winklerstra%C3%9Fe,+Nuremberg,+Rep%C3%BAblica+Federal+da+Alemanha+to:Albrecht-D%C3%BCrer-Stra%C3%9Fe,+Nuremberg,+Rep%C3%BAblica+Federal+da+Alemanha+to:Br%C3%A4ust%C3%BCberl+Schwarzer+Bauer,+Bergstra%C3%9Fe,+Nuremberg,+Rep%C3%BAblica+Federal+da+Alemanha+to:Hotel+Ibis+Nuernberg+Altstadt&hl=pt-BR&ie=UTF8&sll=49.452775,11.078635&sspn=0.00975,0.022724&geocode=FYKE8gIdtBOpACFSfDx2hcPUFCk5AQwkp1efRzFSfDx2hcPUFA%3BFbOS8gIdvBmpACEVx6lZnVSC7CnXeJYQpFefRzEVx6lZnVSC7A%3BFeeS8gIdbRepACldeb0QpFefRzHNo0SINfPxjw%3BFYKT8gIdrhGpACmZjjAypFefRzFBtwWln0HTSw%3BFWKT8gIdohCpACmbyRLNpVefRzHnErO3b6Rs_g%3BFfWP8gIdjQqpACHOOgydTHrGdCm_M5MhGFifRzHOOgydTHrGdA%3BFXyY8gIdTg2pACFfgo2otTxMZCmhhHCkpVefRzFfgo2otTxMZA%3BFfab8gId6QSpACkdzpp4r1efRzE23uFtRo7gjw%3BFb6p8gIdxwSpACGbnPLsPeNSCikHkkpIsFefRzGbnPLsPeNSCg%3BFRme8gIdV_uoACHM7fOcSUWdlSn1LJmsr1efRzHM7fOcSUWdlQ%3BFcqg8gIdDwOpACGhXM3-PgoeoCn_Vt-_r1efRzGhXM3-PgoeoA%3BFZKl8gIdGvqoACl3E3UvrlefRzE72-dktqEtRQ%3BFYyn8gIdjv2oACG8BjrUR3n97ClnRTDUsVefRzG8BjrUR3n97A%3BFYKE8gIdtBOpACFSfDx2hcPUFCk5AQwkp1efRzFSfDx2hcPUFA&t=h&dirflg=w&mra=ls&via=2,3,4,7&z=16[/googlemap]

 

DSC03213-1-2.jpg

 

DSC03191-1.jpg

 

É notável para o turista a grande variedade de museus. Tive a oportunidade de visitar o museu dos brinquedos e foi uma verdadeira volta ao tempo. Não há quem não se emocione ao encontrar um boneco que marcou sua infância. O destaque fica por conta das miniaturas de ferrovias minunciosamente elaboradas. A casa de Albrecht Duher, o filho mais famoso da cidade, também é hoje outro museu interessante, contendo vários objetos pessoais e de trabalho deste grande pintor medieval.

 

DSC03202-1.jpg

 

As outras grandes atrações do centro histórico são a Haupt´platz e o Kaiserburg, ou castelo imperial.

 

DSC03164-1.jpg

 

A praça principal da cidade, chamada Hauptplatz , é o coração do centro histórico. Embora frequentemente ocupada pelas barracas de comerciantes, a beleza da praça é notável pelos prédios que a circundam e pela fonte bela, a Schonner Brunnen, obra-prima da arquitetura gótica alemã. Na realidade a fonte é uma torre de igreja, mas está fincada no chão da praça. No topo dela, um anel de ouro é alvo frequente do assédio dos turistas, pois é dito que traz boa sorte para quem tocá-lo.

 

Quase em frente a fonte, encontra-se a Frauerkirche, ou igreja de Nossa Senhora, e o belo relógio com desfile de figuras alegóricas diariamente às 12:00. Na praça, ainda há diversas opções de cafés e restaurantes. Não deixe de experimentar uma Tucher, cerveja local, especialmente a versão bock.

 

Da Hauptplatz, sobe-se uma íngreme colina em direção ao Castelo Imperial, Antes de visitar a cidade, havia conseguido poucas informações sobre o castelo e me surpreendi positivamente com a conservação e beleza deste patrimônio, uma das mais importantes residências imperiais do Sacro Império Romano-Germânico. Durante aproximadamente meio século (1050 a 1571), era costume que todos os imperadores passassem pelo menos um tempo neste Palácio. Infelizmente, cheguei em um horário tardio e perdi a visita guiada, mas mesmo por fora a grandiosidade do lugar ficou na memória. A vista lá de cima é inesquecível e me lembrou muito da cidade de Praga na República Tcheca.

 

DSC03223-1.jpg

 

DSC03167-1.jpg

 

DSC03185-1.jpg

 

[t3]Paulaner Pilhoffer[/t3]

 

Havia reservado a noite para degustar algumas das especialidades da cozinha da Francônia. Primeiro tentamos a BRATWURSTGLOCKLEIN, casa histórica especialista na famosa salsicha de Nuremberg. Mas o atendimento encerrava às 20h e fomos então ao restaurante da Paulaner. Além das indispensáveis salsichas da cidade, mais finas e assadas, experimentei o Schweineschulter, que nada mais é que ombro de porco. Isso mesmo, e não é que era gostoso? Depois dessa maratona, caímos exaustos para acordar cedo no dia seguinte.

 

 

Salsicha de Nuremberg

 

P1070077-1.jpg

 

P1070078.JPG

 

[t3]O campo do zeppelin (Zeppelin Field)[/t3]

 

DSC03224-1-2.jpg

 

A última atração que visitamos na cidade foi o Zeppelin Field, uma tribuna onde aconteciam os desfiles e festas do partido nazista. O prédio ainda está de pé até hoje, conservado naturalmente pelo tempo. É assombroso pensar que foi ali que Hitler fazia seus discursos mais inspirados para a multidão. O dia estava raiando e a luz do sol sobre a Tribuna dava um ar todo especial ao momento, me fazendo pensar que por pior que sejam as injustiças e atrocidades que enfrentamos, sempre há de existir um recomeço.

 

Próximo ao campo, encontram-se ainda o prédio do ex-Congresso Nazista e o Centro de Documentação, o maior acervo sobre o terror do nazismo do mundo. Infelizmente, não deu tempo de visitá-los por dentro, já que a próxima cidade (Bamberg) estava nos esperando.

 

[t3]Avaliação Final[/t3]

 

Nuremberg foi talvez a maior surpresa do meu roteiro, não esperava tanto da cidade. O centro histórico é verdadeiramente deslumbrante e há muito o que se fazer pela cidade, desde admirar suas belas ruas dentro das muralhas até passar um bom tempo dentro dos museus da cidade. O Museu Germânico e o Centro de Documentação Nazista lhe ocuparão facilmente durante o dia inteiro.

 

Dicas :

Germanisches National Museum - KartauserGasse 1

Ibis Altstadt Nuremberg.

Paulaner Pilhoffer. KonigStrasse 78. http://www.pillhofer.net/

Editado por Visitante
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 2 semanas depois...
  • Membros

Mariano e Karina,

 

Tudo bem comigo Mariano, e com voce? Os maiores custos são sem dúvida as passagens de avião que normalmente são bem mais caras na época do fim do ano,mas peguei uma boa promoção da Condor e usei milhas nos trechos nacionais. É difícil sair promoções para essa época, mas não impossível.

 

Eu tenho registrada todas as despesas da viagem e acreditem se quiser saiu por menos de 5 mil reais por pessoa incluindo tudo, inclusive dinheiro que levamos para souvenirs. Um bom planejamento pode fazer diferença para quem está com a grana curta. Apesar das passagens de avião serem mais caras, percebi que a hospedagem é bem mais barata nessa época. Quanto maior a preparação, maior a diversão, dêem uma olhada nesse post http://avidadoviajante.blogspot.com.br/2013/01/europa2013-mais-dicas-para-elaborar.html

 

Karina, As despesas detalhadas POR PESSOA, são as seguintes :

 

- Passagens e transportes de trem = 1955

- Seguro = 47,99

- Aluguel de carro 206,95

- Hospedagem 483,92

- Euros 2045

TOTAL : 4730

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

[t1]Dias 5 e 6 : Cidades históricas alemãs : Bamberg e Rothemburg ob der Tauber[/t1]

 

 

[t3]Começou o roteiro de carro[/t3]

 

Os planos para esse dia incluiam duas das mais bem preservadas cidades não só da Alemanha, mas de toda a Europa. Apesar de facilmente acessíveis de trem, inclusive pelo bayern-ticket, planejei a visita a essas cidades por carro alugado, pois me daria maior liberdade e economia de tempo no roteiro que havia previsto daqui por diante. Nos próximos posts, explicarei em maiores detalhes como é viajar de carro pela Alemanha no inverno, quais suas vantagens e desvantagens.

 

A primeira parada foi na cidade de Bamberg (se pronuncia ´bam-berg), onde almoçamos e seguimos adiante até a encantadora Rothenburg ob der Tauber.

 

[t3]Bamberg - A cidade[/t3]

 

Saímos de Nuremberg cedinho da manhã em direção a Bamberg, cidade com pouco mais de 70 mil habitantes na região da Francônia. Seu grande atrativo é, digamos, a cidade inteira. Exatamente isso, a cidade é tombada como patrimônio mundial pela UNESCO, reconhecida por muitos como o centro histórico melhor preservado de toda a Alemanha, caracterizando-a como uma autêntica cidade da Baixa Idade Média.

 

Outra importante marca da cidade são suas micro-cervejarias, que produzem uma intensa quantidade de cervejas artesanais de altíssima qualidade, conhecidas no mundo inteiro, destacando-se a tradicional e típica cerveja defumada, chamada Rauchbier, de sabor encorpado e distinto de qualquer outra variedade de cerveja. A Schlenkerla (pronuncia-se ti´lênkerla) e a Klosterbrau são cervejarias consideradas patrimônio da cidade.

 

Um passeio pelas ruas da cidade é tão agradável, que quase não se sente o tempo passar admirando a arquitetura dos seus lindos edifícios e a vida pacata de seus habitantes.

 

20121228131622(1)-1+(1).JPG

Vista do centro histórico

 

DSC03249.JPG

Construções rústicas que sobreviveram ao tempo

 

[t3]Bamberg - O Centro Histórico[/t3]

 

A arquitetura da cidade é bem distinta, composta de várias prédios simples, mas de muito coloridos e de bom gosto. Logo ao atravessar a ponte que leva à altstadt, o visitante é surpreendido pela visão da antiga prefeitura (Alte Rathaus), que parece flutuar em uma ilha sobre o Rio Regnitz.

 

DSC03230-1.jpg

A Altes Rathaus

 

20121228104846(1)-1+(1).JPG

Detalhe da Rathaus

 

Tinha poucas horas para aproveitar e montei um roteiro de 3,2 km http://goo.gl/maps/fb4pB que permitisse ter uma boa idéia da cidade. Caminhando pelas ruas de pedra, logo chega-se a igreja de Nossa Senhora, em que se destacava o lindo presépio montado ao lado do altar principal. Seguimos então em direção a uma pequena viela que leva a Catedral de Bamberg. No caminho já ficamos atônitos com a beleza da arquitetura medieval rústica das coloridas casas em que pedras e madeira ainda são aparentes.

 

[googlemap]https://maps.google.com.br/maps?saddr=City-Altstadt+Tiefgarage+M%C3%BCller+OHG,+Geyersw%C3%B6rthstra%C3%9Fe+5a,+96047+Bamberg,+Deutschland&daddr=B%C3%B6ttingerhaus+to:Klosterbr%C3%A4u+to:Obere+Pfarrkirche+to:Dom+in+Bamberg+to:Neue+Residenz,+Domplatz,+Bamberg,+Rep%C3%BAblica+Federal+da+Alemanha+to:Missionshaus+Sankt+Heinrich,+Obere+Karolinenstra%C3%9Fe,+Bamberg,+Rep%C3%BAblica+Federal+da+Alemanha+to:Fr%C3%A4nkisches+Brauereimuseum,+Michelsberg,+Bamberg,+Rep%C3%BAblica+Federal+da+Alemanha+to:Elisabethenstra%C3%9Fe+to:49.8926512,10.8830003+to:Schlenkerla+to:Altes+Rathaus+to:Geyersw%C3%B6rthstra%C3%9Fe+5a&hl=pt-BR&ie=UTF8&sll=49.892146,10.885005&sspn=0.002416,0.005681&geocode=FXlE-QIdWCOmACE5Yq69ZED0YCkNliUgESOiRzE5Yq69ZED0YA%3BFcw_-QIdQxymACE66VQyvjpvQCmrqqqq5iKiRzE66VQyvjpvQA%3BFdM_-QId3x-mACGTrhyurEJwTCn7hApKFyOiRzGTrhyurEJwTA%3BFRhB-QIdshWmACEZQ6WXPRbDzymvOPgMFyOiRzEZQ6WXPRbDzw%3BFa5G-QIdYA2mACHBZw1HOvJ3CCm9OZg0FiOiRzHBZw1HOvJ3CA%3BFeBI-QIdpA2mACFEKphPsRf-9inFIOA2FiOiRzFEKphPsRf-9g%3BFZtG-QId7P-lACFPrLVAicOO6ymjFV4MPSOiRzFPrLVAicOO6w%3BFSpR-QIdSfSlACHveg_nvE8-tClbcysJPCOiRzHveg_nvE8-tA%3BFUhQ-QIdTBCmAA%3BFStN-QIduA-mACkT68YRFiOiRzHx1YL15mJTIw%3BFTxJ-QIdexemACE-ALpwiVlJvSmNJun1FiOiRzE-ALpwiVlJvQ%3BFd1I-QId6x6mACEVJ7njmwayKSlJHh7HFiOiRzEVJ7njmwayKQ%3BFeBG-QIdqiemACk9WXI7ESOiRzF2Z1KKeLV3LQ&t=h&dirflg=w&mra=ls&via=9&z=16[/googlemap]

 

DSC03261-1.jpg

Arquitetura de Bamberg

 

A Catedral de Bamberg ou KaiserDom é um monumento gigantesco que completou 1000 anos (sim, isso mesmo!) em 2012. O templo abriga diversas obras de arte mundialmente reconhecidas, dentre elas a estátua do cavaleiro anônimo, de autor desconhecido e diversos túmulos de reis e membros da Igreja, entre ele o papa Clemente II, o único Papa enterrado acima dos Alpes. Pela lateral, se acessa o museu diocesano, com um rico acervo de vestes, ornamentos e reliquias sagradas. A mais bizarra delas são as cabeças ornamentadas de diversas personalidades da igreja, entre elas, a de alguns santos expostas em redomas de vidro. Outro destaque do museu é a DomKreuz, uma belíssima cruz , símbolo da catedral, que é utilizada até hoje em procissões como esta.

 

Outros prédios que chamam a atenção na cidade são os dois palácios conhecidos como a nova e antiga residência dos príncipes-bispos. A Antiga residência (Alte Hofhaltun) se assemelha muito a um castelo, com um pátio central rodeado por várias construções fortificadas. Já a Neue Residenz tem a fachada que lembra de certa forma o palácio de Versailles, de Paris. Dentro da residência, há um belo jardim e uma a linda vista da cidade emoldurada com a Igreja de São Miguel ao fundo.. Outro curioso ponto de interesse da cidade é a vila de pescadores, chamada de pequena Veneza, situadas nas margens do rio Regnitz e os prédios da cervejarias Klosterbrau e Schlenkerla.

 

DSC03279-1.jpg

The Bamberg Reiter - O cavaleiro desconhecido

 

DSC03274-1.jpg

Tumulos imperiais da KaiserDom

 

DSC03283-1.jpg

KaiserDom

 

DSC03281-1.jpg

Residência nova do Príncipes-bispos

 

DSC03290-1.jpg

Igreja de St miguel vista do jardim da Residência Nova

 

DSC03291-1.jpg

Residência Antiga do Príncipes-bispos

 

DSC03301-1-2.jpg

Little Venice

 

[t3]Bamberg - As cervejarias[/t3]

 

Meus planos eram visitar as tradicionais cervejarias da cidade logo de manhãzinha, aproveitando para tomar o café da manhã. Porém, esqueci que esta era uma pacata cidade do interior e não achei uma só taverna aberta antes das onze horas. Quando finalmente paramos para almoçar na famosíssima Aecht Schlenkerla, nos deparamos com o restaurante completamente lotado. Mesmo assim, não desisti e me servi no balcão mesmo, não podia ir embora sem experimentar a tal cerveja defumada. É realmente totalmente diferente, acabei levando um copo, um barril e algumas cervejas da marca que não encontramos facilmente no Brasil, como as do tipo Doppelbock e Oak Smoke.

 

DSC03305-1.jpg

A tradicional Schlenkerla

 

DSC03306+(1).JPG

 

[t3]Rothenburg ob der Tauber - A cidade[/t3]

 

O próximo destino do dia era uma velha conhecida da época que percorri a Rota Romântica da Alemanha. Stua-se na região da Francônia, às margens do Rio Tauber e tem uma economia fortemente voltada ao turismo.

 

Rothenbug obt é simplesmente a mais sensacional de todas as cidades medievais que já conheci. Totalmente fortificada, cada pequeno recanto dentro das suas muralhas tem uma história própria para contar : caminhando poucos metros você encontra a casa do prefeito que salvou a cidade da invasão austríaca, logo depois a casa do primeiro farmacêutico da cidade, mais adiante a esquina das ruas x e y era o local onde as pessoas eram degoladas e assim por diante. É um lugar verdadeiramente mágico, em que os vultos do passado se misturam ao burburinho dos carros e turistas do presente. Uma jóia verdadeiramente única em todo o mundo.

 

Para nossa sorte, Rothenburg escapou várias vezes de ser destruída durante a história. Na mais famosa delas, conta-se que após um penoso cerco à cidade, o General Austríaco chamado Tilly convocou uma reunião na taberna situada na praça com as autoridades locais para comunicar que tomaria a cidade no dia seguinte. Para apaziguar os ânimos, foi servido aos austríacos o melhor vinho local, num canecão, contendo um galão, o qual, como era de hábito na época, passava de boca em boca (como o chimarrão gaúcho), para cada um tomar um gole. Tilly então zombou dos autóctones, apostando que não haveria homem local capaz de beber o conteúdo total do canecão de vinho, sem respirar uma só vez. O prefeito Nusch então tomou para si o desafio sob a condição de que a cidade fosse poupada, sendo homenageado até hoje no carrilhão que toca das 11h as 14h na Marktplatz que retrata a cena do "Master Draft" com perfeição.

 

[t3]Rothenburg ob der Tauber - O centro histórico[/t3]

 

Depois de acomodar as bagagens nos Gasthof Butz, corremos para pegar aberta a igreja de St Jakob, a maior da cidade. Trata-se de uma igreja evangélica luterana, construída entre 1311 e 1484, conhecida por abrigar o Altar do Sangue Sagrado, que dizem conter uma cápsula de cristal com uma gota do sangue de Jesus Cristo. Verdadeira ou não a lenda, a Igreja vale bem a visita de qualquer forma.

 

Mesmo fora de época, o clima natalino está sempre presente em Rothenburg. Em Dezembro então, a cidade se transforma basicamente em um grande presépio a céu aberto. Visitamos aquela que julgo ser a maior loja de artigos de Natal do mundo, a Kathe Wohlfarth´s, no mesmo prédio que abriga o conhecido museu do Natal, que funciona o ano inteiro. Presépios, bonecos de madeiras, todas as lembranças são tão caprichadas que dá vontade de levar tudo para casa.

 

Rothenburg tem ainda a vantagem de tão pequena que em uma hora demos uma volta pela metade do centro histórico , admirando a saída para o jardim que outrora abrigou o castelo da cidade. A marca de óleo quente no portal de entrada nos faz lembrar de quanto a vida medieval era dura para uma cidade próspera, frequentemente alvo de invasores. Em Rothenburg não se preocupe com mapas, pois todos os caminhos o levarão à marktplatz, praça central da cidade, em que se destacam o prédio gótico da Rathaus e o relógio de figuras animadas que representam o meisterdrunk.

 

DSC03312-1.jpg

Altar do Sangue Sagrado

 

DSC03313-1.jpg

Altar do Sangue Sagrado de Cristo, relíquia de 1270 ac

 

DSC03389-1.jpg

Markplatz

 

 

Voltamos ao hotel e finalmente pude me deliciar com a cerveja defumada acompanhado de um joelho de porco caprichado. Para acompanhar não deixe de levar um dos famosos doces da cidade , as schneballs.

 

DSC03342-1.jpg

Prato da Francônia

 

[t3]Rothenburg ob der Tauber - A Muralha[/t3]

 

O símbolo indefectível de Rothenburg são suas muralhas e foi percorrendo elas que começamos o dia seguinte, aproveitando para sentir os primeiros raios de sol da manhã fria iluminar essa cidade imortal. Pode-se rodear praticamente a cidade inteira por cima de seus bem preservados muros e torres, de onde se tem uma bela vista do burgo e do vale do rio Tauber abaixo.

 

DSC03379-1.jpg

Vista a partir das muralhas

 

DSC03377-1.jpg

Vista a partir das muralhas

 

A cidade oferece ainda uma boa quantidade de museus que contam histórias medievais de: guerras, intrumentos de tortura, brinquedos e modos de vida antigos. O guardião da noite, ou nightwatchman, é outra atração imperdível quando você estiver na cidade, é um personagem que nos guia através das casas e ruas escuras e estreitas da cidade iluminados pelo lampião, desvendo as histórias ocultas pelo tempo.

 

[t3]Avaliação Final[/t3]

A Alemanha possui um conjunto admirável de cidades históricas praticamente intocadas desde o período do seu apogeu Medieval, onde se destacam Bamberg e Rothenburg ob der Tauber. Se você gosta de história, lugares pacatos e monumentos a admirar não deixe de conferir essas lindas cidades, distantes entre si pouco mais de 150 km. São duas cidades pequenas, em que é possível conhecê-las em pouco tempo, preferencialmente um dia livre para cada uma.

 

[t3]Dicas :[/t3]

Gasthof Butz. Boa pousada localizada a um quarteirão do marktplatz, com restaurante aberto ao público com bons preços e comida de boa qualidade. Kapellenplatz 4. Rothenburg obt.

Kathe Wohlfarth. Uma das maiores lojas temáticas de artigos do Natal do mundo. Herngasse 1. Rothenburg obt.

Aecht SCHLENKERLA Rauchbier. A mais conhecida cervejaria e restaurante de Bamberg. Dominikanerstrasser 6. Bamberg.

Editado por Visitante
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

[t1]Dia 6 : Burgenstraße : A Rota dos Castelos no vale do rio Neckar[/t1]

 

[t3]As Rotas Turísticas da Alemanha[/t3]

 

Rothenburg fica na intersecção de dois dos mais famosos roteiros temáticos alemãos. Um deles, talvez o mais conhecido de todos, é a Rota Romântica que começa na cidade dos bispos de Wurzburg e termina nos Alpes, no castelo de Neuschwanstein em Fussen. A outra é a Burgenstraße, ou Rota dos Castelos, que se extende desde a cidade alemã de Mannheim ate à dourada Praga, capital da República Tcheca. São mais de 1000 quilômetros no coração destes dois países, contendo uma enorme diversidade de castelos medievais nem sempre intactos, alguns deles em ruínas, outros transformados em confortáveis hotéis. Se você estiver interessado, o site em inglês com todas as informações da burgenstrasse fica neste link http://www.burgenstrasse.de/showpage.php?SiteID=1&lang=2.

 

DSC03399-1.jpg

A rota dos castelos

 

Nos posts passados já comentei sobre boa parte da Burgenstraße : o Kaiserburg em Nuremberg, o Altenburg e a Neue Residence de Bamberg, além da própria cidade de Rothenburg ob the Tauber. O roteiro de hoje sai de Rothenburg em direção à romântica Heildeberg, que possui o maior castelo de toda a Alemanha. No caminho, seguiremos pelo vale do Rio Neckar, onde existem dezenas de belas cidades preservadas, tais como Bad Winpfen e Eberbach, cada uma com seu próprio castelo facilmente avistado a partir da rodovia B37.

 

[t3]Schwabisch Hall - A cidade[/t3]

A primeira parada é na cidade de Schwabisch Hall, situada meio fora da rota turística, em uma cadeia de montanhas de média altitude. Antiga centro medieval produtor de sal e de moedas, chamadas helles, a economia e importância da cidade foram gradativamente diminuindo ao longo do tempo e hoje poucos conhecem o lugar, que guarda diversos tesouros bem preservados, entre eles uma das mais belas MarktPlatz do país, segundo o guia Michelin.

 

Estacionamos o carro pertinho do centro e fomos conferir o belo casario ao redor da praça, coroada pela imponente presença gótica da Igreja Evangélica de St Michel, com sua famosa escadaria de 59 degraus. A presença da Rathaus, em estilo Barroco, vários restaurante e, uma bela fonte de 1450 completam o elegante visual da praça.

 

DSC03401-1.jpg

Rathaus de Schwabisch Hall

 

DSC03400-1.jpg

A Fonte de 1450

 

DSC03404-1.jpg

A igreja de St Miguel e a escadaria

 

Subindo os degraus nos deparamos com uma imensa imagem do século 13 do arcanjo Miguel.

 

IMG_20130224_111552.jpg

São Miguel

 

Dentro da Igreja, mais surpresas : o ossuário de cidadãos do período medieval impressiona, assim como as diversas obras de arte barrocas e funerárias. Repare na grandiosidade do teto da Igreja, simplesmente inesquecível para quem teve o prazer de contemplá-lo. A vontade de ficar mais um tempo na cidade era grande, mas seguimos adiante rumo a cidade de Bad Wimpfen.

 

DSC03416-1.jpg

Igreja Evangélica de São Miguel

 

DSC03423-1.jpg

Cristo Crucificado no altar da Igreja Evangélica de São Miguel

 

DSC03425-1.jpg

Monumento funerário na Igreja Evangélica de São Miguel

 

20121229121913(1)-1.jpg

Detalhes do teto - Igreja Evangélica de São Miguel

 

20121229122327(1)-1.jpg

Ossuário na Igreja Evangélica de São Miguel

 

DSC03433-1.jpg

O sepultamento de Jesus - Igreja Evangélica de São Miguel

 

[t3]Bad Wimpfen - A cidade-spa[/t3]

 

Pequena cidade às margens do Rio Neckar, se destaca pelas prédios do antigo castelo da cidade (KaiserPfalz), em particular a belíssima Blauer Turm (Torre Azul). Sua origens remontam à época do antigo Império romano tendo mais tarde se transformado em importante centro eleitor do palatinato do Sacro Império Romano Germânico. Atualmente, a cidade é conhecida pelas casas de banhos terapêuticos, famosas em toda a região.

 

DSC03477-1.jpg

Um spa de banho

 

DSC03436-1.jpg

Torre Azul da Kaiserpfalf

 

DSC03472-1.jpg

As ruas de Bad Wimpfen

 

DSC03479-1.jpg

Adlenbrunnen - A fonte da águia

 

É possível percorremos as ruas do seu pequeno centro histório em pouco tempo. Fiz um mini roteiro de 1,3 km http://goo.gl/maps/qOa4U do guia Michelin. Vários prédios históricos possuem placas com o nome e breve descrição, muito útil para o turista com um dicionário de alemão na mão.

 

[googlemap]https://maps.google.com.br/maps?saddr=Marktplatz,+Bad+Wimpfen,+Rep%C3%BAblica+Federal+da+Alemanha&daddr=Blauer+Turm,+Burgviertel,+Bad+Wimpfen,+Rep%C3%BAblica+Federal+da+Alemanha+to:Roter+Turm,+Bad+Wimpfen,+Rep%C3%BAblica+Federal+da+Alemanha+to:Klostergasse+to:Langgasse+to:49.2295059,9.1615764+to:49.2295901,9.161617+to:Restaurant+Friedrich,+Hauptstra%C3%9Fe,+Bad+Wimpfen,+Rep%C3%BAblica+Federal+da+Alemanha+to:Marktplatz,+Bad+Wimpfen,+Rep%C3%BAblica+Federal+da+Alemanha&hl=pt-BR&ie=UTF8&ll=49.229485,9.162544&spn=0.002883,0.004823&sll=49.229402,9.162396&sspn=0.001442,0.002411&geocode=FToz7wIdFM6LACmZ-gKtPCeYRzEY3u-0m9EOWA%3BFVYy7wIdl9KLACFerKQMWcLTOynp0a1QIyeYRzFerKQMWcLTOw%3BFdAv7wIdctuLACFKIRLTpXZjfCmTzM-cIyeYRzFKIRLTpXZjfA%3BFRor7wIdXseLAA%3BFYot7wIdqsyLAA%3BFcEu7wIdaMuLACnxvmi2PCeYRzH2GZB9MeuR8Q%3BFRYv7wIdkcuLACnxvmi2PCeYRzH2GZB9MeuR8Q%3BFb4x7wIdXciLACH-OP51fixAYin5TPyXPCeYRzH-OP51fixAYg%3BFToz7wIdFM6LACmZ-gKtPCeYRzEY3u-0m9EOWA&oq=markt&t=h&dirflg=w&mra=dpe&mrsp=6&sz=19&via=5,6&z=18[/googlemap]

 

A cidade possui ainda uma boa variedade de igrejas de destaque, entre elas a Igreja Protestante situada na parte alta da cidade (Wimpfen am Berg) e a católica Igreja de São Pedro, um pouco longe do centro histórico na cidade baixa (Wimpfen am Tal). Na minha visita só encontrei aberta a Dominikanerkirche , uma igreja paroquial católica que,, embora muito bonita, não era tão impressionante quanto outras que já havíamos visitado.

 

As vistas panorâmicas do rio Neckar são um show à parte, principalmente a partir da Torre Vermelha. Uma vez no centro, não deixe de conferir a pitoresca fonte da águia, a Adlenbrunnen, de 1576, e o antigo prédio do Hospital da cidade , onde hoje funciona uma galeria de arte.

 

DSC03440-1.jpg

Casas do centro histórico

 

DSC03462-1.jpg

Placas nos monumentos históricos

 

DSC03460-1.jpg

O vale do rio neckar

 

20121229141755(2)-1.jpg

A cidade alta e a Blauert Turm - Wimpfen am Berg

 

[t3]Os castelos do rio Neckar - Guttenberg, Hornberg, Zwingerberg e Heidelberg[/t3]

 

A partir daqui começa a proliferação de castelos ao longo de ambas as margens do rio Neckar. A primeira parada foi no Burg Guttenberg, que abriga um complexo de prédios, entre eles um museu, uma taverna e um hotel. Uma coleção de aves de rapina domina o pátio central interno. No verão é possível ver interessantes apresentações desses animais a céu aberto. No inverno, infelizmente, quase tudo estava fechado, o acesso era restrito a algumas poucas áreas. Mas a visão por fora do paredão de pedras já valeu a visita, é exatamente a imagem que fazemos de um castelo medieval.

 

 

DSC03483-1.jpg

Vista do Burg Guttenberg

 

DSC03496-1.jpg

Centro de Pesquisa de Aves de Rapina

 

20121229153706(1)-1.jpg

Entrada do Burg Guttenberg

 

Separados por poucos quilômetros, encontra-se o Burg Hornberg, outra imensa fortaleza, alcançável por uma estreita estrada em cima de uma colina com uma excelente vista do rio Neckar. O Burg abriga hoje um hotel-castelo e um restaurante, assim como uma boa loja de vinhos logo na sua entrada. Como demoramos muito no Guttenberg, perdemos a hora e não tivemos muito tempo para explorar o complexo, mas as fotos testemunham a beleza dos prédios.

 

DSC03502-1.jpg

Vista do Burg Hornberg da estrada

 

DSC03505-1.jpg

Burg Hornberg

 

No caminho até Heidelberg, é possível avistar ainda diversos outros castelos , a maioria em ruínas, dentre os quais me chamou muita atenção o burg Zwingenberg, estrategicamente posicionado em uma curva do Rio Neckar.

 

DSCF0344-1.jpg

Burg Zwingenberg (Foto tirada em movimento)

 

Finalmente alcançamos nosso destino final do dia : o castelo de Heidelberg, um dos maiores castelos da Alemanha, verdadeiro tesouro arquitetônico que desafia o tempo. Mas deixemos para falar dos encantos de Heidelberg no próximo post, inteiramente dedicado a esta magnífica cidade .

 

DSC03556-1.jpg

O Castelo de Heidelberg

 

[t3]Avaliação Final[/t3]

 

Se você deseja ver castelos, não há lugar melhor para isso do que a Burgenstrasse. No trecho que corresponde ao vale do rio neckar há potencial para explorar os vilarejos e antigos castelos por vários dias. Muito deles são apenas charmosas ruínas, outros funcionam como românticos hotéis. De toda forma, não deixe de conhecer essa charmosa região nas vizinhanças de Heidelberg.

 

[t3]Dicas :[/t3]

Hotel Íbis Heidelberg. Localização razoável, quase dentro da estação de trem. Willy Brandt Platzt 3

Burg Guttenberg

Burg Hirschhorn

Editado por Visitante
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

×
×
  • Criar Novo...