Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Peça ajuda, compartilhe informações, ajude outros viajantes e encontre companheiros de viagem!
    Faça parte da nossa comunidade! 

Fabio 101

Diário de Bordo - Pico da Bandeira / Espírito Santo

Posts Recomendados

15/6/06

 

Chegamos em Vitória (Espírito Santo), por volta das 7:00 da manhã e fomos direto para o Hotel “Camburi Praia Hotel” de ônibus circular nº 212. O Hotel era “sem vergonha”, de frente para a praia de Camburi, na Av. Dante Micheline. Pagamos R$73,00/diária com café da manhã, o valor cobrado é muito acima do que o Hotel oferece.

Dormimos um pouco e às 15 horas fomos de ônibus para a rodoviária. O transporte coletivo de Vitória é muito bom, os moradores são receptivos e passam as informações com grande satisfação. Chegamos na rodoviária e compramos as passagens para Guaçui, era uma das etapas para chegarmos à cidade de Dores do Rio Preto (cidade onde há principal entrada para o Parque Nacional do Caparaó, pelo lado do Espírito Santo). Com as passagens em mãos voltamos para o Hotel. Fizemos uma parada rápida no Centro de Vitória, até então todo o comércio estava fechado devido ao feriado de Corpus Christi. Chegamos no Hotel, descansamos mais um pouco e fomos a um quiosque em frente a praia. Pedimos uma porção de camarão, uma de batata frita (ambas muito bem servidas) e 2 cervejas, andamos na orla da praia e voltamos para o Hotel, pois na manhã seguinte, teríamos uma viagem de cinco horas e meia pela frente.

 

 

16/6/06

 

Pegamos um ônibus até a rodoviária, saímos sem café da manhã, o Hotel não cumpriu o combinado, chegando na rodoviária tomamos um café rápido e logo na seqüência, embarcamos. Após 5 horas de viagem, chegamos à pequena cidade de Guaçui no interior do Espírito Santo. A idéia inicial era nos hospedar em Dores do Rio Preto, mas decimos ir para Pedra Menina que é um sub-distrito de Dores, depois de uma conversa com um taxista da região. *Algo muito importante a ser relatado é o tempo de viagem de Guaçui até Dores que é de 1:20; de Dores à Pedra Menina é de 1 hora. A cidade de Pedra Menina é o melhor lugar para quem quer subir o Pico da Bandeira, embora super pequena (parece que existe só uma rua) fica 20 minutos “de carro” até a entrada do Parque Nacional do Caparaó.

Na própria rodoviária de Guaçui colhemos algumas informações e conseguimos o telefone de uma pousada em Pedra Menina, liguei para a Pousada dos Anjos, fui atendido por Sr. João Querubim, dono da pousada que me informou que seria impossível nos hospedar, pelo motivo de lotação, mas deu o telefone de uma simpática senhora “Dona Marlene”, que nos ofereceu uma hospedagem em sua casa (R$15,00 diária por pessoa). Esta é uma atividade comum por lá, pois a vila está iniciando o processo de exploração do turismo. Pegamos o ônibus para Dores, chegando na cidade, fomos almoçar no melhor restaurante “Restaurante da Dona Consuelo” (uma pensão), pagamos R$5,00 por pessoa, comida a vontade e sobremesa.

Terminamos nosso almoço e voltamos para a nossa jornada, como estávamos entediados e ansiosos, pegamos um táxi (R$50,00) para Pedra Menina, pois os ônibus tinham horários marcados, como perdemos o das 16h pegaríamos o próximo que era apenas às 18h e chegaríamos muito tarde para subir ao pico (detalhe: os ônibus em Pedra menina passam de duas em duas horas ou até mais).

Chegamos ao vilarejo de Pedra Menina, que possui uma única rua, mas é exatamente uma única rua, não foi nada difícil encontrar. D. Marlene que nos recebeu muito bem, nós deixamos as mochilas e começamos a nos preparar para a subida, sem descanso, sem banho, sem alimentação, resumindo: fiz tudo que não deveria fazer, até então a subida seria realizada à noite. Nós estávamos decidimos subir naquele momento, devido informações erradas, fui informado que a subida era fácil e rápida, tudo mentira. TOMEM CUIDADO, PARA NÃO CAIR NA MESMA ROUBADA QUE EU. O mesmo taxista fez mais uma corrida de 20 minutos até a um ponto de apoio que fica à 10 minutos do portão principal do parque (Guarita do IBAMA). Este ponto de apoio, nada mais é que uma casa de um Alemão, chamado Sasha que trabalha no transporte das pessoas, Pedra Menina/Acampamento Base e vice-versa, o acampamento Base do Pico da Bandeira (chama-se Casa Queimada, é uma área de camping, com sanitários e água encanada e um espaço de refeição, nada luxuoso, mas muito melhor do que se vê por aí). Chegamos na casa do Alemão, (eu e minha esposa), acertamos o transporte, R$60,00, em grupo é bem melhor porque o valor pode ser dividido entre as pessoas, como éramos em dois, acabou ficando caro.

Fomos embora, chegamos na entrada principal do Parque por volta das 20:30, é permitido entrar até às 22:00, o guarda não queria deixar a gente subir porque, contrariando todas as informações que eu havia coletado, era necessário fazer reserva antecipada para ingressar, bastava uma ligação. Esta dica é muito importante.

Depois de uma boa conversa, o guarda liberou a nossa entrada. Pagamos a taxa de R$9,00 por pessoa, e logo depois ele nos informou que lá na Casa Queimada era muito frio, mas eu nunca imaginei que fosse tão frio, eu achava que estava bem agasalhado. Negligenciei a dica do guarda, estava totalmente despreparado, e o pior, eu não levei nada para a subida: barraca, saco de dormir e etc, pois os nativos disseram que não era necessário. Levei somente a mochila de ataque, com algumas coisas dentro: água, chocolate, lanterna e mais um agasalho.

Passamos a cancela, o Alemão levou a gente até o acampamento, mais 50 minutos de estrada de terra, muito íngreme e perigosa.

Como a primeira idéia era subir o pico a noite, em uma conversa com o João Querubim, ele me garantiu que a subida para o Pico, era igual a uma romaria, tinha gente subindo que não acabava mais. Então eu achei que iria chegar no acampamento e iria subir na seqüência.

 

TUDO ERRADO !!!

 

Cheguei no acampamento, não tinha ninguém subindo naquela hora. Tinha um grupo do Rio de Janeiro muito bem preparado, que começaria a subida às 3:00 da manhã, eu cheguei ás 21:30, além de não ter onde esperar, eu não estava tão bem preparado assim. Pedi para o líder do grupo para que eu e minha esposa pudéssemos acompanhar o grupo, ele concordou, mas depois eu comecei a sentir medo. Todas as pessoas que estavam acampadas, tinham abrigo e estavam muito bem preparadas para passar a noite. A temperatura chegou a -8º, é um absurdo, para quem não tem tinha nem mesmo uma barraca.

Neste momento minha esposa começou a chorar, sentamos na porta do banheiro (vestiário) num frio que eu nunca havia imaginado. Ficamos ali por um momento, me senti culpado por toda aquela desgraça. Estávamos no relento da noite, sem abrigo, comida e roupa adequada, sem poder voltar para a casa da D. Marlene porque estávamos muito longe e não sabíamos como chegar por causa da mata fechada, minha garganta deu um nó. Não sabia o que fazer !

Até que chegou uma moça, perguntou o que estava acontecendo, contamos o ocorrido, ela chamou um amigo dela para nos ajudar. O grupo de pessoas acampadas que ela fazia parte era grande, e por um acaso estavam sobrando barracas. Ele simplesmente nos emprestou uma barraca! Já não estávamos mais no relento, tínhamos agora uma barraca!

Passamos a noite inteira cochilando em pequenos intervalos, só com a roupa do corpo, contando os minutos para a noite acabar! Foi uma noite tenebrosa, eu só pensava em ir embora!! Eu poderia facilmente ter morrido de hipotermia, isso é seriíssimo.

Combinei com minha esposa, que assim que o sol nascesse iríamos embora. Estava decidido!

 

 

17/6/06

 

Quando vi os primeiros raios de sol, me enchi de esperança, minha confiança havia retornado, estava decidido a ir embora!!

Eu e minha esposa saímos da barraca, não agüentávamos mais, ela olhou para mim e disse: -Depois do que passamos durante a noite, vamos embora?! Vamos subir esta porra!!! (SANTA FRASE).

- Então vamos! (Eu disse)

Logo em seguida o Leonardo apareceu, e veio nos auxiliar. Nos apresentou para o restante do grupo, fomos muito bem recebidos, nos forneceu café da manhã, lanche para a trilha e passou algumas boas dicas, “gente finíssima”, após este episodio, comecei a olhar com outros olhos a necessidade das pessoas.

Este grupo era de Colatina (Espírito Santo), foram sensacionais, inesquecíveis.

Uma dica muito importante para quem vai subir o pico de manhã, é partir logo cedo, para retornar cedo, no meio da mata escurece muito rápido.

Minha esposa conheceu na porta do banheiro uma moça chamada Tati, que iria subir o morro naquele horário, pedimos para irmos no seu grupo, ela concordou e fomos; detalhe eles são de Colatina. Ela estava com o seu marido (Faiçal), o Adolfo (era a 4º vez no mês que ele iria subir o pico), mais a esposa e os filhos do Adolfo, o mais novo tinha 9 anos.

Enfim começamos a subida, logo de início percebemos que o Adolfo e seus agregados estavam em uma forma muito melhor que à nossa, eles subiram muito mais rápido que nós. Eu, Vanessa, Tati e Faiçal, subimos no mesmo ritmo.

Passamos a longa subida juntos, foi bem legal.

A medida que íamos subindo, deslumbrávamos uma linda paisagem com um vento cortante; algo extremamente diferente de tudo que eu já havia feito. Estava curtindo cada momento da subida. Não é um percurso difícil e não é necessário uso de cordas. A trilha inteira é sinalizada, é só respeitar o caminho, aqui sim é fácil, mas é necessário preparo físico. Foi demais !

Ao chegar no cume da Montanha, tive a sensação de superação, em vista do que tinha acontecido, foi algo fantástico, ver todas aquelas nuvens, estar em um lugar pouco visitado, uma paisagem fantástica, foi um momento marcante na minha vida, que certamente não irei esquecer. Para quem gosta de trilhas, Pico da Bandeira tem que estar no topo da lista de lugares a conhecer.

Após uma seção de fotos (15 minutos), lá vamos nós novamente, agora no sentido contrário, é a parte mais perigosa, portanto cuidado, a firmeza das pernas não é mais a mesma.

E lá fomos nós, eu e a Vã, o Faiçal e a Tati, descemos sem maiores problemas, demoramos 3 horas para descer e quatro para subir.

Chegamos no acampamento base sem problemas, o Faiçal nos ofereceu uma carona para descermos até Pedra Menina e que foi muito bem aceita. Em Pedra Menina nos despedimos satisfeitos com a superação e felizes com os novos amigos.

Chegamos na pousada na D. Marlene, não fizemos mais nada a não ser tomar banho, jantar (R$5,00) e dormir. Fomos dormir por volta das 20:30.

 

 

18/6/06

 

Acordamos por volta das 9:00 da manhã demos uma volta pelo vilarejo e começamos o trajeto de volta. Quando era aproxidamente 20:30, chegamos em Vitória, tudo que havíamos passado, agora fazia parte do passado, nos hospedamos em um hotel legal, pedimos uma pizza que o slogan era “A verdadeira Pizza Paulistana”, de paulista não tinha nada, era muito ruim, para conseguir engolir, era necessário colocar catchup e maionese. Dormimos cedo, pois no dia seguinte era hora de voltar para casa.

 

 

19/6/06

Acordamos, fomos para o aeroporto; E o que aconteceu ?

Overbook de novo, ocorreu um overbook na ida também !

Saímos de Vitória às 11:00 da manhã, chegamos em São Paulo às 13:00, deixei a Vanessa no aeroporto e fui direto para o trabalho. Cheguei atrasado mas cheguei. Saí do trabalho, fui o mais rápido possível para a casa, não via a hora de rever a minha cama.

 

 

 

 

 

 

 

NOTA

 

Espero que este diário, possa ser de grande ajuda para todos aqueles que tenham a intenção de subir o Pico, não ficaria nenhum um pouco contente em saber que alguém passou, o que eu passei, todo o aperto que infelizmente eu vivi, foi devido a falta de informação e negligência, esta foi a minha 1º viagem, eu não tinha idéia de como preparar uma viagem deste estilo.

Hoje, sou mochileiro devido a esta viagem, orgulhosamente, posso dizer as viagens seguintes, tem sido perfeitamente realizadas.

Nunca mais eu passei frio em viagem.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

É Fabio.

Subir montanhas sem um preparo não é facil não.

 

A uns 10 anos atras, eu subi pelo lado mineiro e fiquei lá no topo do Bandeira esperando o por do sol.

Tava um sol daqueles, mas conforme foi entardecendo, o frio veio junto.

 

Não cheguei a passar frio como vcs, mas ficou de lição.

Planejamento acima de tudo, porque vc nunca sabe o que te aguarda lá em cima.

 

E as fotos?

 

 

 

Abcs

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Oi Fábio ! Muito legal o relato, vai ser de grande ajuda pois pretendo algum dia subir o Pico da Bandeira !

 

ahhh ! uma dúvida: pra acampar no acampamento base, só é necessário ligar com antecedência ?

 

Valeu !!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Sem duvida !!

Ligue antes e faça um pré-agendamento de qdo vc irá visitar o parque e já era !!

Não esquece de levar a barraca e etc !!

 

Boa vigem, aproveite o passeio e não economize nas fotos !!

 

Um abraço,

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Oi, Fábio,

O seu post me esclareceu e deu todas as dicas necessárias para quando eu voltar lá. Está muito bom e detalhado. Obrigado.

Também estive com minha família em Pedra Menina. Não chegamos a entrar numa roubada porque, apesar de dizerem que o caminho era tranquilo, estávamos em um carro comum e tivemos que desistir de subir ao Parque - não pensava em ir até o pico. Aí eu pensei: tenho que me hospedar em Pedra Menina e alugar um transporte adequado para fazer o passeio. Hilário foi quando íamos subindo, o caminho começou a piorar e perguntamos a uma senhora na beira da estrada: Estamos perto do parque? - Ih, fica longe prá caramba! Ela respondeu. Rimos muito e voltamos. Era a antítese do 'logo ali' dos meus conterrâneos mineiros...

Uma dica: se estiver de carro, ou arranjar transporte, vá de Pedra Menina até Patrimônio da Penha. A estrada é linda (até a divisa com Patrimônio da Penha, a estrada de terra é razoável, depois, é excelente) e há algumas cachoeiras interessantes. Outra dica: hospede-se na Fazenda Mundo Novo, encostadinha no distrito de Mundo Novo. 'Seu' Antônio não cobra muito (R$ 50,00 por pessoa, mas é pensão completa, mais lanchinhos à tarde, bolos, doces etc.), quase tudo que você come é feito na própria fazenda (leite, queijo, pão, macarrão, biscoitos, geléias, bolos, doces, carne, frango, verduras, legumes) e o dono é uma verdadeira simpatia. Não espere luxos, mas um quarto limpo e honesto (banheiro coletivo) e um bom papo.

Abraços,

Ademário

Niterói-RJ

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Fábio, muito bom seu relato e bem vindo à família MOCHILEIROS, Ademario valeu pelas dicas também!

 

Acabei de voltar da travessia de Lapinha <-> Tabuleiro, na Serra do Cipó e agora estou começando a planejar a próxima trip que no caso será o Pico da Bandeira!

 

Pelo que pude ver pelos relatos não há longas distâncias a serem percorridas, se chegarmos no parque e acamparmos no parte de baixo, acordando no nascer do sol pode-se subir e descer do Pico no mesmo dia?

 

Se vc's passaram tanto frio ::Cold:: em fevereiro creio que terei que me preparar bem para ida em julho!!!

 

Sobre o telefone do parque, alguém tem? Poderiam colocar aqui? Eles tem algum site?

 

Valeu gente e boas trilhas!!!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Pelo que pude ver pelos relatos não há longas distâncias a serem percorridas, se chegarmos no parque e acamparmos no parte de baixo, acordando no nascer do sol pode-se subir e descer do Pico no mesmo dia?

 

Existem 2 acessos ao parque. Um por Minas e um pelo ES.

 

MINAS:

São 9km de subida e 9km de descida.

Sao possíveis 2 acampamentos: um na tronqueira e um no terreirão. A tronqueira é o inicio da trilha, até este ponto é possível ir de carro, inclusive carros pequenos (gol, palio etc). Muitas pessoas costumam acampar na tronqueira e fazer todo o trajeto de 9km durante a noite pra chegar no pico por volta de 5:30, 6h da matina e ver o sol nascer. Sem cargueira e com um bom preparo dá pra fazer numas 4h. Particularmente não gosto de fazer dessa maneira.

A outra alternativa é fazer os 4,5km iniciais e acampar na segunda área de acampamento, o terreirão. Lá existem banheiros com chuveiros (agua MUITO gelada, mas ouvi dizer que recolocaram os aquecedores solares, nao tenho certeza) e a casinha de pedra. Se for ficar na casinha, chegue cedo pra conseguir um lugar, dependendo da época é complicado. Mas for de barraca mesmo, a área é bem grande. Como disse, neste ponto, voce está na metade do caminho. Costuma-se acordar por volta de 2:30h 3h da manha pra comecar a subida. Nao suba cedo! O frio lá em cima é tenso!

 

ES

São 3,5km de subida e o mesmo de descida. Porem, muito mais puxada que por minas e mais bonita tambem. Pelo ES, a maior parte do percurso é no topo das montanhas.

É possível somente um acampamento na Casa Queimada. Lá é bem parecido com Minas (banheiros, chuveiros etc). O percurso todo faz-se com umas 3h, em média.

 

Agora em qual dos dois ir?

Eu prefiro por minas, hehehehehe... Mas o visual pelo lado do ES é fantastico.

Independente disso, por ambos os lados, existem muitas cachoeiras legais. Vale a pena conhece-las.

 

Se vc's passaram tanto frio em fevereiro creio que terei que me preparar bem para ida em julho!!!

Leve roupas quentes. A partir de maio até final de julho temperaturas negativas sao comuns a partir do terreirao.

 

Sobre o telefone do parque, alguém tem? Poderiam colocar aqui? Eles tem algum site?

http://www.icmbio.gov.br/parna_caparao/

Dá pra fazer a reserva on-line.

 

Espero ter ajudado e se precisar de mais alguma informacao é só gritar ae... ::otemo::

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Uma coisa que gosto de fazer é chegar mais cedo na portaria de minas, ir subindo de carro e parando no vale verde, vale encantado e cachoeira bonita (essa é alta viu! hehehehe...)

 

Todas as trilhas sao super bem marcadas. Alias uma das coisas que tem deixado o parque um pouco erodido e feio. Como a movimentacao de pessoas é intensa durante ttodo o ano, muitas trilhas sao formadas paralealamente a trilha original, o que acaba matando um pouco de plantas e fazendo o "rastro".

 

Lá no incio da trilha na tronqueira tem algumas mulas pra alugar, na época era 30 reais, nunca usei não.

 

Uma outra dica, se a previsão for de chuva, sugiro que deixem o carro na portaria. O trajeto portaria-tronqueira é ingreme e variando com partes calcadas e outras de terra. Já desci algumas vezes com o carro rabiando... hehehehe.. Neste caso, alugue um jipe, acredito que deva estar uns 40 reais a viagem. Colocando bastante gente dentro fica baratim. Pelo menos evita um prejuízo maior ainda! hehehehehe...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Grandes Viajantes,

Realmente, planejamento é tudo em uma expedição deste tipo. Eu já estou com minha passagem em mão e chego em vitoria dia 02/julho e dia 03 cedo pego o onibus pra Guaçui e sigo o mesmo itinerário do amigo acima.

Só tenho uma dúvida que gostaria que quem já foi me ajudasse. É possivel depois de um pernoite em Pedra Menina acordar cedo e caminhar até a Casa Queimada em um dia, passando pela entrada do PN etc? Sei das possibilidades dos carros fazerem este transporte, mais gostaria muito de ir a pé. É possivel?

Por sorte terei tempo para permanecer no PN, e quero tirar o dia seguinte desta caminhada para descansar e subir ao pico apenas na madrugada descansado e ver o amanhecer lá de cima.

 

Para quem perguntou sobre os sites, segue um que me balizou muito bem para o planejamento, alem do site do ibama já citado:

 

www.portaldocaparao.com

 

Ainda bem que estou decidido a mais de um mes a fazer essa trip e estou com toda a logistica feita, horarios e preços de onibus, hotel em vitoria escolhido, passagem aérea (que na azul estava quase o preço do onibus) na mão, e comprando os ultimos acessorios que serão necessários.

 

Escreverei um diário depois da viagem e prometo postar todas as fotos, mesmo porque, com 20 dias de férias, depois do PN sigo para o sul da bahia, mais essa história contarei em outro topico.

 

Abraço a todos e bons ventos.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Só tenho uma dúvida que gostaria que quem já foi me ajudasse. É possivel depois de um pernoite em Pedra Menina acordar cedo e caminhar até a Casa Queimada em um dia, passando pela entrada do PN etc? Sei das possibilidades dos carros fazerem este transporte, mais gostaria muito de ir a pé. É possivel?

 

Sim... muita gente faz isso... passe na cachoeira da farofa!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.




×
×
  • Criar Novo...