Ir para conteúdo
morganriva

relato Uma volta na Bolívia em 22 dias: Santa Cruz - Sucre - Uyuni - La Paz - Isla del Sol - Huayna Potosí - Cochabamba

Posts Recomendados

Morgan vi que vc levou uma Nikon D3100 e gostaria de saber qual lente você levou para fazer os registros? Valeu a pena levar a Gopro e a câmera? Estou na dúvida se levo as duas tbm ou só uma.

 

Parabéns pelo relato e estou no aguardo pela continuação. Abraços

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Muito legal seu relato, está em ajudando muito com muitas dúvidas que tenho sobre a minha viagem, vou sozinho agora no dia 09/09, aguardo ansioso a continuação!!!

Bom saber sobre as agencias, eu havia mandado emails para a Colque e Cordillera, as duas me passaram preço igual 950 bolivianos, vou deixar para fazer a reserva quando chegar lá!

A minha dúvida é: vc so conseguiu onibus direto de Sucre para Uyuni as 9:30 da manha??? Porque pra mim seria melhor passar o dia em Sucre e tentar um onibus noturno chegando de manha em Uyuni para economizar com hospedagem e aproveitar melhor o dia.

Aguardo resposta, parabens pelo relato!

Thiago

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Muito legal seu relato, está em ajudando muito com muitas dúvidas que tenho sobre a minha viagem, vou sozinho agora no dia 09/09, aguardo ansioso a continuação!!!

Bom saber sobre as agencias, eu havia mandado emails para a Colque e Cordillera, as duas me passaram preço igual 950 bolivianos, vou deixar para fazer a reserva quando chegar lá!

A minha dúvida é: vc so conseguiu onibus direto de Sucre para Uyuni as 9:30 da manha??? Porque pra mim seria melhor passar o dia em Sucre e tentar um onibus noturno chegando de manha em Uyuni para economizar com hospedagem e aproveitar melhor o dia.

Aguardo resposta, parabens pelo relato!

Thiago

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Pessoal, desculpem a ausência! Logo logo posto o próximo dia!

Enquanto isso algumas respostas:

 

 

Prisilva

Resolvi que tbm vou ao Huayna Potosi.

Kd vc pra relatar a sua experiência, amigo?

Eu vou com calma, sabe. Dependendo da reação do meu corpo diante da altitude e como será meu rendimento nos dois primeiros dias no rolê do Huayna, vou tentar ir até o topo mas, vou respeitar os meus limites. Provavelmente vou contratar um guia só pra mim, pra não prejudicar ngm, já que será minha primeira aventura nesse tipo de subida.

 

Pri,

Que legal! Recomendo muito a subida. Já que você decidiu subir Huayna, recomendo que faça uma boa aclimatação antes, que é o fator mais importante pra chegar ao topo. Não chegue na Bolívia e vá logo pra montanha, passe pelo menos uns 7 ou 10 dias em altitude superior a 3.000m.

Quanto ao guia, ter um só para você é também muito importante. Eu fui assim, mas foi por sorte. Recomendo que você procure uma agência que ofereça isso mais usualmente. É mais caro, mas vale a pena com certeza! Se você tiver que desistir não atrapalha a subida de ninguém, e se alguém tiver que desisitir não atrapalha a sua subida. Agências que ouvi falar muito bem: Altitude6000 e Refúgio Huayna Potosí.

 

 

viniciusgomez

Morgan vi que vc levou uma Nikon D3100 e gostaria de saber qual lente você levou para fazer os registros? Valeu a pena levar a Gopro e a câmera? Estou na dúvida se levo as duas tbm ou só uma.

 

Parabéns pelo relato e estou no aguardo pela continuação. Abraços

 

Oi, Vinicius

Levei a lente 18-55, padrão da câmera.

Achei que valeu a pena levar as duas sim. A GoPro com o bastão foi muito útil para as selfies (rsrs), pro downhill (acoplada no capacete), pra escalada (por ser leve), e também tira boas fotos de paisagem por causa da lente grande angular. Mas quanto à qualidade de imagem nada como a Nikon... Confesso que fiquei com medo por questões de segurança, mas correu tudo bem!

 

Thiagopvix

A minha dúvida é: vc so conseguiu onibus direto de Sucre para Uyuni as 9:30 da manha??? Porque pra mim seria melhor passar o dia em Sucre e tentar um onibus noturno chegando de manha em Uyuni para economizar com hospedagem e aproveitar melhor o dia.

Aguardo resposta, parabens pelo relato!

Thiago

 

Thiago,

 

Desculpa a demora para responder. Tem ônibus direto noturno sim, se não me engano sai às 20h30 e chega em Uyuni antes do amanhecer, se tudo der certo.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Fiquei muito tempo sem escrever, sorry! Mas tô de volta!

Mudei de cidade, de trabalho, de vida, mas agora tô instalado e tenho até um escrivaninha pra digitar! Aí vai!

 

DIA 6 - UYUNI | Lagunas de todas as cores

 

Eu acabei ajustando meu relógio de pulso pra despertar as 6h, então acordei antes de todo mundo. Quando deu 6h30 e o relógio da Beatriz despertou eu já estava em pé e tinha tudo arrumado.

Esperei o pessoal para tomarmos café da manhã juntos. Foram só uns pães secos com geleia, cream crackers, chá e café (solúvel). Nada demais, mas por incrível que pareça eu gostei muito dos pães secos da Bolívia!

Alguns grupos já tinham saído e outros não tinham nem começado a tomar café ainda, acho que os guias combinam uma agenda de horário de partida, pra não saírem todos juntos.

Saímos do hotel de sal com as nossas mochilas por volta das 7h45,um pouco depois do combinado, e ainda levou um bom tempo pra o Miguel arrumar tudo em cima da 4x4, de modo que partimos só depois das 8h. Estava um friozinho suportável e a manhã já estava bem ensolarada. Fui novamente no banco da frente.

Antes de sair do vilarejo o Miguel perguntou se queríamos parar no armazém para comprarmos água e snacks. Todos concordamos. Não sabia que tinha um armazém por perto. Foi uma surpresa boa, porque o meu estoque de água já estava no fim. Achei engraçado o nome do mercadinho, comentei com o pessoal, mas só a Beatriz entendeu o trocadilho:

 

5comentarios.PNG.6676930f2c678e2b7becc0fec09546a4.PNG

 

Seguimos pela estrada poeirenta que margeava os trilhos do trem. Depois de uns 45 minutos, paramos em um ponto e tiramos algumas fotos nos trilhos. Às vezes alguns grupos nos ultrapassavam, às vezes ultrapassávamos alguns grupos.

Depois dessa parada andamos por mais cerca de 1 hora. Em um ponto a estrada de chão fazia uma intersecção com uma rodovia maior, onde naquela hora estavam passando muitos caminhões. Acabamos ficando atrás deles e pegamos MUITA poeira, a ponto de não ser possível enxergar 10 metros a frente. O Miguel teve que reduzir bastante a velocidade.

Em poucos minutos fizemos mais uma parada, dessa vez no mirador do Vulcão Ollage. O vulcão ficava relativamente longe do mirador, mas era possível ver a fumaça que sai constantemente das suas fumarolas. Estávamos a mais de 4.100m de altitude e o topo do vulcão fica a 5.870m. Ficamos lá por cerca de meia hora.

 

Embarcamos novamente e seguimos caminho, dessa vez para as lagunas. Nesse trecho da estrada você entende por que é preciso de tração nas quatro rodas pra fazer o tour. A estrada (se é que se pode chamar aquilo de estrada) é um amontoado de pedras, cheia de sobes e desces, que percorremos bem devagar. O motorista tem que conhecer muito bem o caminho pra não deslizar e ficar com a roda presa em algum buraco. Depois de chacoalharmos muito por cerca de 1 hora, chegamos a primeira laguna, a Laguna Hedionda. Linda, azulada, refletindo as montanhas e os vulcões, cheia de flamingos. Um pouquinho fedida, porém.

Como já era quase meio dia, decidimos almoçar por lá mesmo. A comida foi parecida com a do dia anterior, arroz, salada, carne e coca-cola. (Tudo frio, menos a coca-cola). De sobremesa, maçã farelenta. Almoçamos sentados nas pedras apreciando a vista da laguna.

 

São muitas lagunas nesse segundo dia e é um pouco difícil lembrar o nome de todas elas, mas a próxima parada foi, se não me engano, na Laguna Blanca. Essa é a famosa laguna com uma plaquinha de "wi-fi" no meio do nada. Sempre pensei que fosse piada, inclusive no dia, mas me contaram depois que realmente tem wi-fi e que realmente funciona. É preciso pagar alguma coisa pra usar, se não me engano 15 Bs. O Miguel nos deixou na beira da Laguna e fomos andando pela margem, tirando fotos, pra encontrarmos ele na casinha onde fica a "administração" e os banheiros. Ficamos lá por uns 15min, não mais do que isso.

 

Em seguida fizemos uma breve parada na Laguna Honda, só pra tirar umas fotos.

 

Pouco depois das 15h chegamos no Árbol de Piedra. O árbol é uma formação rochosa esculpida pelo vento em forma de árvore. Ficamos cerca de meia hora lá, tiramos muitas fotos, escalamos algumas rochas e eu aproveitei pra ir no banheiro (tem um banheiro lá). Há um tempo atrás as pessoas escalavam o árbol, mas hoje em dia isso é proibido. Não que exista alguém cuidando, mas tem uma placa lá.

 

Em seguida partimos para aquela que seria nossa última parada: a tão esperadaLaguna Colorada. O Miguel explicou que a laguna tem essa cor por causa de uma espécie de alga que vive na água, mas que só as algas não são suficientes. Para se ver bem a cor vermelha é preciso que haja vento, e o melhor horário pra ter vento é no final da tarde. Eu estava torcendo por um furacão, porque já soube de várias pessoas que foram para lá e, por falta de vento, só viram a Laguna Rosa-bebê.

Quando estávamos chegando na Laguna o Sam começou a fazer várias perguntas SEM NOÇÃO pro Miguel, e a gente riu demais!

Primeiro ele perguntou "por que a Laguna era vermelha?". Ok, essa o Miguel respondeu.

Aí ele perguntou "por que essas algas que dão a coloração vermelha só estão nessa laguna e não estão nas outras?". ::essa:: . O Miguel riu e disse que em 15 anos como guia nunca ninguém tinha perguntado isso. Naturalmente ele não sabia a resposta.

Não satisfeito, ele perguntou "por que alguns flamingos eram mais cor-de-rosa e outros menos?" Acho que essa o Miguel chutou e respondeu que era por causa da alimentação deles.

Então o Sam fechou com chave de ouro e perguntou ''quantos flamingos ao todo vivem nas lagunas?" Nessa hora já estava todo mundo gargalhando. O Miguel despistou e disse pra ele perguntar pro pessoal lá da Laguna Colorada, porque eles deveriam saber. ::lol4:: .

 

Chegamos na Laguna e ela estava IMPRESSIONANTEMENTEVERMELHAAAA!!! Tinha bastante vento e estava bem friozinho. Era um dos lugares que eu estava mais ansioso pra conhecer na Bolívia e fiquei muito feliz que as condições estavam boas. É algo difícil de imaginar, uma lagoa com água vermelha, encarnada como sangue. Com certeza é um dos pontos altos do tour pelo Salar. Ficamos uns bons 20 minutos circulando a laguna e tirando fotos. Assumi meu papel de fotógrafo oficial da equipe e tirei fotos pra Beatriz e pro Sam. Em seguida voltamos para o carro, já eram cerca de 16h30. Enquanto tirávamos fotos o Sam aproveitou para passar no postinho turístico da Laguna e perguntar quantos flamingos vivem nas região. 400.000, foi o que disseram pra ele. Aposto que só inventaram um número pra ele, só pra satisfazer o guri. Ninguém deve saber isso.

 

A Laguna Colorada era a última parada do dia. Antes de ir para os alojamentos, todos os grupos têm que passar no posto de controle do Parque Nacional pra conferir os boletos. Rola um certo congestionamento de pessoas nessa hora, porque o posto é bem pequeno pra tanto turista. Saímos do posto e partimos para o refúgio onde iríamos passar a noite. Entramos em um pequeno vilarejo, vazio, desolado, e paramos em um dos refúgios. O Miguel desceu para conversar com os responsáveis, mas já estava lotado. Acho que o Miguel (e todos os outros guias) tinha preferência por aquele, provavelmente porque era mais barato. Pelo que eu entendi tem várias opções de alojamento e os guias precisam ir procurando vagas. Eles devem dar preferência para os mais baratos. Partimos para um segundo, e este estava vazio. Fiquei muito feliz porque tinha uma placa de "Ducha Caliente - 15Bs" na frente! Sempre tinha lido que não tinha banho quente na segunda noite... Entramos e arrumamos nossas coisas no quarto. Não anotei que horas eram, mas acho que era por volta de 17h., ainda demorou um tempo até anoitecer. O quarto era bem grande, tinha sete camas, de modo que dormimos todos juntos.

A Beatriz e eu fomos imediatamente conseguir informações sobre a ducha caliente com os donos do refúgio. Os gringos, claro, não estavam nem ligando pro banho. A Beatriz foi pro banho antes e voltou superfeliz com os seus cabelos molhados e cheirosos. Como acabou a água quente, tive que esperar uma meia hora até que aquecessem de novo. Enquanto isso, o Sam e o Peter preparavam um jogo de poker. Como não tinham fichas, pegaram uns pedacinhos de papel e escreveram os valores neles. Não é só brasileiro que faz gambiarra!

 

A moça do refúgio foi me chamar, meu banho estava pronto. Fui para o banheiro, um cômodo grande, escuro, com dois boxes e piso de concreto. Tirei a roupa tremendo, corri pro chuveiro, mas quando virei o registro não saiu um pingo de água. Estava com muito frio e sem roupa, e o banheiro ficava longe da cozinha, onde estava a moça do refúgio, então não tinha como chamá-la sem me vestir de novo. Imaginei que ela tivesse fechado algum registro quando foi esquentar a água e depois esquecido de abrir. Não deu outra. Me pendurei em cima do forno que esquentava a água e abri o único registro que eu vi. Funcionou. Tinha água quente, mas era só um fio finíssimo! A maior parte do corpo ficava no ar gelado do banheiro e eu tinha que ficar o tempo todo numa dança frenética embaixo do chuveiro. Um minuto depois apareceu a moça do refúgio correndo no banheiro, porque tinha esquecido de abrir o registro para mim. Eu disse que tinha percebido e já tinha resolvido o problema rsrs. Como não estivesse adiantando a dança embaixo d'água, fechei logo o registro e comecei a me secar. Nessa hora achei que fosse morrer de hipotermia, quase congelei! Definitivamente me arrependi desse banho, não valeu a pena.

 

shower.gif.20e453f6ea2a19877e28d88356cd2d5f.gif

 

Quando voltei o pessoal estava terminando de jogar o seu poker, que aparentemente não foi muito emocionante. Esperávamos que fossem aparecer mais grupos no refúgio, mas não, estávamos sozinhos. Passamos um tempo conversando sobre nossas vidas "fora do deserto", até chegar o jantar. Foi um espaguete com molho de tomate bem gostoso. Depois o Miguel apareceu com uma garrafa de vinho para nós (eu já estava ansioso por essa garrafa!!!). Convidamos ele pra beber com a gente, mas ele disse que não podia, porque tinha que dirigir no dia seguinte. Comprometido, né? Na verdade não duvido que depois ele tenha se reunido com os outros guias no vilarejo pra tomar umas pinga, mas quem sabe né? O que importa é que na manhã seguinte ele estava inteiraço. Uma garrafa pra 6 é bem pouco, deu menos de meio copo descartável pra cada um, mas enfim. As 20h as luzes iam ser apagadas, e como não tinha nada mais interessante pra fazer e tínhamos que acordar as 4h na manhã seguinte, fomos dormir. Quase todo mundo dormiu nos sacos de dormir, mas eu confiei nas cobertas e deixei o saco guardado. Não me arrependi, foi tranquilo. Apesar de ter levantado duas vezes no frio e no escuro pra atender as necessidades do meu intestino em revolução, foi uma boa noite de sono.

 

Próximo dia: gêiseres e volta pra Uyuni!

 

Gastos do dia: No armazém, pela manhã, cerca de 40 Bs.

 

Aí vão as fotos:

DSC_0433.jpg.aae6c9c6018272b9e3440c1db524f390.jpg

 

DSC_0436.jpg.46b00fd9e10de142f9608ef90e8e8207.jpg

 

DSC_0425.jpg.a118b9a87843984b3613400f6634ab5f.jpg

 

DSC_0466.jpg.983bd99d0cc6acf57a63f0f811ccba18.jpg

 

DSC_0495.jpg.c9e775a7e9283bbc5540839c99f8baa4.jpg

 

Studio_20150507_182002.jpg.364e1689671c766a1088e2e3cba6fcdb.jpg

 

DSC_0534.jpg.587ffb41217b37072ca8329ecc2350aa.jpg

 

G0340640.jpg.1a4c23a354d352232a7e08455c8d9bba.jpg

 

Studio_20150507_181448.jpg.bb8d99272b0a6658eb9c933d27f8196a.jpg

 

Studio_20150515_223656.jpg.80a015c609fe6d6abf9e29ba48bb85cf.jpg

 

G0370674.jpg.912432fc9febcda669111e89d3cf4de4.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

DIA 7 - UYUNI | The long way back...

Meu relógio despertou às 4h e ao contrário de todo mundo me pus de pé logo, cheio de disposição Get uuup, bit****, let's see the geysers!!!.

 

Já tinha deixado tudo mais ou menos arrumando na noite anterior, então não tive que ajeitar muita coisa. Fui tomar café (o mesmo de sempre), mas esperei a galerê pra comermos juntos. O pessoal do refúgio já tinha madrugado e deixado tudo pronto. O Miguel chegou logo em seguida (até hoje não sei onde ele dormiu, não foi em nenhum quarto perto do nosso) e partimos pra arrumar as coisas no carro. Estava bem frio, provavelmente menos de 0ºC, talvez uns -5ºC. O céu estava limpo e incrivelmente estrelado! Tirei uma foto das estrelas, que ficou ótima:

 

DSC_0589.JPG.9ec155081c871d5309953931ba21e223.JPG

 

Enquanto eu imaginava como a minha foto ficaria na capa da National Geographic, partimos por volta das 5h30.

 

Estava ainda escuro e o nosso sono foi sendo sacudido na estrada de chão. Dessa vez fui no banco de trás (do meio) e fiquei um pouco mais confortável que nos dias anteriores. Como o carro do Miguel não tinha rádio, o Peter botou o iPhone dele pra tocar. Descobri que ele é um belga que gosta de rap. Não sei quanto tempo de viagem foi, mas acho que foi mais de 1h30.

 

Estava amanhecendo quando chegamos na região dos gêiseres e o lugar já estava cheio de carros e turistas por lá. O Miguel nos deixou próximos do gêiser maior e nos deu 20min pra encontrarmos ele do outro lado. Primeiro tiramos umas fotos no gêiser "principal", botando a mão no vapor (pode pôr, não é tão quente), pulando no meio, posando do lado... o cheiro de ovo podre (enxofre) dominava. Depois fomos caminhando pelo meio do terreno fumacento, que parecia cena de outro planeta (dá pra ver bem no 3:11 do meu vídeo). Não consegui tirar fotos muito boas lá. Quando liguei minha Nikon apareceu que estava sem bateria. Acho que foi por causa do frio, porque mais tarde eu liguei ela de novo e funcionou o dia todo.

 

Encontramos o Miguel (acho que uma meia hora depois) e partimos para a piscina de águas termais. Chegamos lá por volta das 7h30. O Sol já tinha nascido, mas ainda deveria estar 0ºC. Esse era o visual:

 

GOPR0733.JPG.d818b26faae927e3289ac473931c57e6.JPG

 

Eu tinha botado na minha cabeça que ia entrar naquela piscina (ou banheira, como queiram) NO MATTER WHAT! Tinha até vestido sunga por baixo.

 

MAS

 

Quando chegamos o Miguel disse que estávamos atrasados e que tínhamos vinte minutos (rapaz apressado). Eu fiquei pensando em entrar no vestiário, tirar as 36 camadas de roupa, entrar na piscina, ficar 1 minuto e ter que sair, me secar no ar congelante, vestir as 36 camadas de roupa de novo... Deu uma preguiça...

 

OK EU AMARELEI, ME CONDENEM.

 

Mas ninguém mais entrou, exceto o Sam, que estava há dois dias sem tomar banho. Ele foi entrando, pé ante pé, tremendo com o frio de fora mas sem coragem de entrar no calor da água, que aparentemente estava muito quente. Eu fiquei circulando, tirando fotos. Fui ao banheiro, mas constatei que ele não tinha os... digamos... instrumentos necessários para as minhas necessidades. Meu intestino estava ainda em motim contra as comidas estranhas da Bolívia.

 

O Miguel já estava nos chamando pra sair de novo, tinha horário pra chegar na fronteira, mas o Sam ainda estava na água. Ele tinha encontrado a Alice e o Tobias lá (que ele já conhecia e eu conheci no primeiro dia, lembram?). Momento cumadre: mais tarde a Alice e o Sam seguiram viagem juntos e eles estão namorando hoje, a contar pelas fotos do Facebook. ::love:: Apressamos o Sam pra sair e seguimos viagem de novo.

 

Fizemos uma parada rápida na Laguna Verde e seguimos para a fronteira, onde o Chris, o Andreas e o Peter iam seguir para o Chile. No caminho encontramos um bichinho muito curioso na beira da estrada, no meio do nada. Parecia um cachorro selvagem, ou uma raposa, ainda não sei que espécie é. O bicho parecia que não tinha muito medo da gente, chegou até bem perto, mas quando nos aproximamos pra tirar fotos saiu correndo. Muito bacana. Não consegui tirar uma foto boa, mas o Peter tirou essa que ficou ótima. Segue:

 

Raposa.jpg.6ed5b41a9fb5ef1c1499b1bb9a28892a.jpg

 

Chegamos na fronteira por volta das 9h30-10h e posso dizer que a aduana Chile-Bolívia é um lugar bem peculiar. Fica no meio do nada, no sopé da montanha, uma casinha precária de pedra:

 

GOPR0760.JPG.6aad6cee523369c8674a1eb9eba8868c.JPG

 

Tinha dezenas de carros lá, tanto dos turistas que vinham de Uyuni quanto daqueles que vinham de San Pedro do Atacama. A Beatriz, o Sam e eu, que iríamos voltar para Uyuni, iríamos trocar de carro e voltar com um outro guia, porque o Miguel ia pegar mais uma galera pra fazer o tour no sentido contrário (essa é a vida repetitiva de um guia do Salar de Uyuni). O resto da galera embarca em um bus e atravessa a fronteira até San Pedro. Ali no meio tinha alguém servindo café da manhã (pão, chá, café, biscoitos...). Não sei se era pra gente também, mas atacamos! Encontrei um casal de brasileiros de Salvador ali, estavam vindo de San Pedro e iriam começar o tour pelo Salar naquele dia. Foi um alívio poder falar português de novo, já estava sentindo falta.

 

Hora de seguir caminho. Nos despedimos, trocamos e-mail, Facebook... Fiquei de mandar as minhas fotos pra eles. Chris, Andreas e Peter seguiram pro Chile e Beatriz e eu entramos no outro carro pra voltar pra Uyuni. Mas o Sam, que voltaria com a gente, simplesmente desapareceu! Procuramos por ele por todo o lado, mas quase todos os carros tinham partido já, então chegamos à conclusão que ele tinha voltado no carro com a Alice e o Toby (sem nos avisar). Fiquei preocupado pensando que ele provavelmente morreria naquele deserto se ficasse sozinho. Mas seria um bom castigo por sumir sem avisar. Enfim, seria uma longa viagem de volta! Partimos sem Sam mesmo. O carro era bem parecido, mas esse tinha rádio. Além de nós dois estavam no carro mais um casal de franceses (bem caladões) e dois alemães (esqueci completamente os nomes deles...).

Pelo menos 1h depois fizemos uma parada rápida em mais uma laguna (Blanca?) e seguimos viagem. Meu sistema digestivo estava em ação!

Um pouco depois paramos em um ponto da estrada para o almoço, mas como estava ventando muito decidimos seguir viagem novamente. Chegamos então em um pequeno vilarejo, que ficava em uma planície verdejante cercada por montanhas e cortada por um riacho, onde lhamas e alpacas bebiam água tranquilamente. Parece bonito, não é?

FOD*-**, eu tava pouco me lixando pra paisagem, queria logo é encontrar um banheiro!!! A princípio fiquei animado, porque estávamos em uma vila ( = civilização), e provavelmente eu iria encontrar uma vendinha com um banheiro disponível (mediante propina, claro). Mas não era meu dia de sorte: era feriado (1º de maio) e estava tudo fechado.

 

FUCK

 

pee2.gif.15bc501f787f6c4c38718a0d4824b954.gif

 

Enquanto o motora preparava o almoço, fiquei andando pelo lugar fingindo que tirava fotos das lhamas. Na verdade eu estava mesmo é procurando por um cantinho ~seguro~. Como não achei nenhum lugar ~seguro~, voltei para o carro e, glória à Pacha Mama, meu intestino relaxou. Nesse almoço decidi aderir ao GO VEGAN! e só comi os vegetais, porque não tava a fim de comer picolé de frango mais uma vez. Conversei pela primeira vez com os franceses caladões. Depois de Uyuni eles também iriam para La Paz. Perguntei se eles também iam de Todo Turismo, mas eles disseram que iam de avião.

 

couple.gif.b3be3429791cffdfd20fcf465ee57c02.gif

 

Seguimos caminho mais uma vez. (depois de um “Síííí” uníssono quando o motora perguntou se tínhamos gostado da comida. Aham). Alguns quilômetros depois o motorista decidiu parar em um lugar da estrada que ele disse que normalmente os outros motoristas não paravam. Era uma região (que eu não lembro o nome), com umas formações rochosas bem peculiares. Ficamos lá por cerca de meia hora, tiramos muitas fotos (a Beatriz tirou várias fotos péssimas com a minha câmera) e seguimos viagem. Nessa hora já estava superzen e tinha chegado à conclusão que conseguiria aguentar até o próximo banheiro. De fato aguentei. Quando eram cerca de 17h chegamos em uma cidadezinha próxima a Uyuni, um lugar bem pequeno e pobre, cuja economia depende de uma mineradora japonesa que extrai metais da região, e paramos para esticar as pernas & ir ao banheiro. UFA. Aquele foi provavelmente o banheiro mais sujo que fui na vida (sério), entrei na ponta dos pés pensando NÃO RELA EM NADA NÃO TOCA EM NADA PASSOS DE GATO, mas não reclamei, pelo menos era um banheiro. Tinha que pagar 0,50, mas como eu não tinha troco o tiozinho da “bilheteria” deixou por assim mesmo. Não tirei foto do banheiro (claro), mas era mais ou menos assim:

 

filthy.jpg.e6aab7ece77b47d645e54ccc7fb110d6.jpg

 

Voltei pro carro feliz e realizado para seguirmos para Uyuni. Chegamos por volta das 17h30, em frente à agência. Nos despedimos do pessoal e seguimos Beatriz e eu pra comprar uma passagem pra La Paz. Enquanto andávamos encontramos ADIVINHA QUEM? O Sam! O fdp de fato tinha ido com o carro do Toby e da Alice sem nos avisar... Eles iam passar a noite em Uyuni e depois seguir viagem, se não me engano para Sucre.

Chegamos na Todo Turismo e por acaso tinha um assento vago, de uma pessoa que havia cancelado, mas a Beatriz achou muito caro e decidiu procurar nas outras empresas próximas. Acabou comprando uma bem mais barata, acho que 80 Bs. Não lembro o nome da companhia, mas deve ser algo do tipo “Perrengue Turismo”. A Beatriz só iria ficar um dia em La Paz, porque tinha voo para Bogotá na manhã seguinte, mas ainda não tinha hostel onde ficar lá. Passei os dados do Loki pra ela, e ela disse que talvez ficasse por lá mesmo. De qualquer forma nos despedimos, caso não nos encontrássemos em La Paz. Segui para o Piedras Blancas, em busca do tão esperado banho quente e com água abundante!

 

Paguei pelo banho quente com água abundante e pelo Wi-Fi (15 Bol), embora o último não tenha funcionado muito bem. Mas o banho foi ótimo. Botei roupas limpinhas e sequinhas, passei no mercadinho pra comprar comida e segui pro escritório da Todo Turismo. Faltava ainda uma hora pro bus sair, então fiquei lá aproveitando o wi-fi e o mate de coca grátis. Uns 15 minutos antes das 20h começaram a chamar as pessoas para o ônibus porque seria servido o jantar (YEEY!!!). Quando estava entrando no ônibus encontrei o Martin (lembra, o alemão de Sucre!). Não nos encontramos no Salar mas nos encontramos no bus pra La Paz! Ele não tinha hostel pra ficar, mas ia procurar vagas no Loki ou no Wild Rover, então combinamos de rachar o táxi quando chegássemos em La Paz.

A comida do ônibus era simples mas gostosa: um purê de batatas com um empanado de frango e legumes no vapor, servido em uma marmitex tipo aqueles de avião, E ESTAVA QUENTEEEEE!!!!11!!!!! Melhor refeição dos últimos dias!

O Martin ficou sentado na minha frente, então fomos conversando um pouco, e do meu lado estava uma menina canadense que, quando o ônibus partiu, trocou de lugar pra sentar com uma amiga. O assento do meu lado ficou vazio (o assento vago que a Beatriz não quis comprar) e deu pra largar minha mochila e me esparramar bem. Tentei usar o Wi-Fi do ônibus mas não estava funcionando, só foi funcionar em La Paz. A Todo Turismo oferece cobertor e travesseiro e o banco reclina razoavelmente, mas achei um pouco apertado. O Martin reclinou todo o banco na minha frente e eu fiquei bem espremido. Pensei que não fosse conseguir dormir, mas peguei no sono e quando acordei já estava em La Paz!

 

 

Algumas fotos do dia:

 

Studio_20150507_223742.jpg.6539ea5f4e6c729153d1441fc91e5731.jpg

 

GOPR0721.JPG.3e9e6a5f29794a84a413a3f10820a024.JPG

 

Studio_20150507_223544.jpg.2c779b4e9dc6add4bd36157c78db8c84.jpg

 

Studio_20150507_223438.jpg.278723a7242dbe6dde20bfb806c82bf5.jpg

 

Studio_20150503_213547.jpg.6eb7966cae74da6fccdb77e6b06a77bc.jpg

 

Studio_20150507_181113.jpg.0bfd903c470428cc790eaa85275c2f92.jpg

 

Studio_20150507_181221.jpg.30f8681208a6bd78e0ce208e4ad9f4d2.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

MEU DEUSSSSSSSSSSSSSSSSSS!! o que é esse relato??? Sensacional!! ::otemo::::otemo::

Parabéns!! Incrível.. e muito engraçado! O que foi o cara catando aqueles piolhos???? ::lol4::::lol4::

 

Bolívia realmente foi um país que eu gostei demais de ter visitado. A gente aprende que, podemos ser felizes com pouco!

 

Acompanhando....

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
MEU DEUSSSSSSSSSSSSSSSSSS!! o que é esse relato??? Sensacional!! ::otemo::::otemo::

Parabéns!! Incrível.. e muito engraçado! O que foi o cara catando aqueles piolhos???? ::lol4::::lol4::

 

Bolívia realmente foi um país que eu gostei demais de ter visitado. A gente aprende que, podemos ser felizes com pouco!

 

Acompanhando....

 

Polyyyyyyyyy!!!!!!!! Valeu! :D:D:D:D

 

Agora com esse recesso de final de ano consegui escrever mais um pouco... logo logo mais dias de viagem!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

DIA 8 - LA PAZ | Explorando a cidade

 

O ônibus chegou em La Paz por volta das 6h30, quando ainda estava amanhecendo. Os ônibus da Todo Turismo param no Terminal de Ônibus de La Paz, mas do lado de fora, na rua mesmo. Enquanto esperávamos para pegar a bagagem, uma horda de taxistas se juntou ao nosso redor. Combinei com um deles para me levar até o Loki por 15Bs. Falei com o Martin pra dividirmos, mas o bicho tava morrendo de medo de ir com aquele taxista porque não sabia se ele era “oficial”. Eu tentei argumentar que era perto e que não tinha problema nenhum, mas ele ficou com medo MESMO e decidiu procurar outro taxista (não sei onde).

Não posso condenar o Martin, porque na verdade o medo dele é compreensível. Já ouvi várias histórias de pessoas que entraram em um táxi qualquer na Bolívia e acabaram sendo assaltadas e largadas em alguma ruela sinistra de El Alto. Aqui no Mochileiros inclusive tem um relato sobre isso. Então cuidado! Eu fiquei tranquilo porque estava em lugar movimentado bem ao lado do Terminal, mas de repente eu estava tranquilo demais.

No fim das contas o meu taxista não era nenhum assassino estuprador e me deixou direitinho no Loki. O único problema é que ele cobrou 15Bs. e o hostel fica a 500m do Terminal... se eu soubesse teria ido a pé (depois vi que é tranquilo) ou negociado um valor menor.

 

Entrei no Loki e já tive uma boa impressão. O hostel fica em um prédio bem grande, de 7 andares e é bem ajeitadinho. Tem um funcionário controlando a entrada pra que só entrem hóspedes ou pessoas que vão fazer check-in.

 

ENTÃO. Na curtíssima distância entre a porta e a recepção, no máximo 10 passos, tive uma epifania daquelas BEM deprimentes. Tinha feito minha reserva para duas noites pelo Hostelworld e me dei conta que havia reservado como primeira noite a noite ANTERIOR, que passei no ônibus, por engano. De verdade, só percebi naquela hora, segundos antes de chegar na recepção. O rapaz que me atendeu disse que como eu não tinha chegado no dia anterior a minha reserva foi cancelada, e que eu teria que esperar até as 14h pra VER SE TINHA VAGA e aí fazer check-in. Não eram nem 7h. Na verdade eu deveria ter reservado só uma noite, a partir daquele dia (no dia seguinte já estava planejando ir para Copacabana).

 

Suicide_Barry.gif.bd6e9d28978af9ffd99015bb4cff6f0a.gif

 

Deixei meu nome na recepção para ter preferência e deixei meu mochilão no storage deles. O hostel tem uma área comum com vários sofás e eu fiquei lá sentado pensando no que ia fazer. Pensei em sair andando pela cidade a procura de outros hostels, mas imaginei que pelo horário a maioria ainda pudesse estar sem check-in aberto. Decidi esperar ali mesmo, tomando um chazinho, carregando os eletrônicos e organizando minhas fotos. Depois de 1h de profundo tédio, adivinha quem chega no hostel? A Beatriz!

 

excited.gif.9e05f845ad049a863391e4cf31132969.gif

 

O ônibus dela levou 1h a mais pra chegar em La Paz, mas ela disse que a viagem foi confortável. Não sei qual o parâmetro de “confortável” dela, mas acho que isso quer dizer que é possível ir de Uyuni a La Paz pagando menos e sem passar por muito perrengue, pelo menos.

Como ela também não tinha reserva, deixou o nome na recepção e mochila no storage. Ela me disse que quando chegava em uma cidade nova gostava de sair andando a esmo pelas ruas, pra reconhecer o ambiente. Pedimos umas informações na recepção e saímos para a rua. Eram cerca de 8h30, o dia estava bem ensolarado e agradável, acho que por volta de uns 15°C. Apesar de ser sábado as ruas já estavam bem movimentadas, cheias de tendas, ambulantes, trabalhadores...

 

A primeira impressão ao caminhar por La Paz é que o tempo parou por lá. Eu não vivi no Brasil dos anos 70, mas tenho impressão que as ruas eram bem parecidas com as de La Paz atualmente. Os prédios históricos, os ambulantes vendendo refrescos, o povo humilde na rua ine do trabalhar, tudo dá à cidade um grande ar de melancolia.

 

Andamos pela Calle Mercado, que é um calçadão comercial repleto de lojas e restaurantes, a procura da Calle Jaen, que o rapaz da recepção disse que era uma rua muito bonita. Estávamos com um mapa, mas mesmo assim tivemos dificuldade pra encontrar a rua. Antes nos deparamos com a famosa Plaza Murillo, que fica em frente ao Palacio del Gobierno da Bolívia e da Catedral. Entramos rapidinho na catedral e depois tiramos umas fotos na praça. Seguimos em busca da Calle Jaen, até finalmente encontrarmos. De fato é uma rua muito bonita. É bem estreita e não passam carros. É cercada por prédios antigos, pintados em cores vibrantes, onde funcionam várias oficinas de artesanato e pequenos museus. Vale a pena dar uma passada. Como era ainda muito cedo, todas as lojas estavam fechadas.

 

Descendo a Calle Jaen passamos por um museu (não lembro o nome), onde estava rolando uma exposição do pintor boliviano (não lembro o nome). Como era de graça, entramos.

 

Circulamos por lá por uns bons 20 minutos e depois fomos andar mais um pouco. A Beatriz parou em uma lojinha pra comprar cartões de memória pra que eu passasse todas as fotos de Uyuni pra ela, sem precisar fazer upload. Enquanto ela usava uma cabine telefônica para ligar para a família dela na Colômbia (anos 70, eu não disse?), decidi quebrar a minha regra de não comer nada na rua e comprei uma salteña de uma barraquinha. A salteña é uma espécie de empanada argentina, só que o recheio é em geral mais “líquido”, quase uma sopa. Comi uma de pollo e achei bem boa. Não a ponto de ficar tentado de quebrar minha regra novamente, mas gostei. Não poderia sair da Bolívia sem comer salteñas, que é uma das principais iguarias do país!

 

Terminada a ligação da Beatriz, saímos pra mais uma caminhada. Fomos à Catedral de San Francisco, ao Mercado Lanza (parece um camelódromo, mas se encontra de tudo lá, de loja de eletrônicos a açougue - daqueles bem higiênicos) e à Calle de Las Brujas. Essa é uma ruazinha CHEIA de lojas de artesanato e lembrancinhas típicas da Bolívia. É sem dúvidas o melhor lugar pra fazer compras desse tipo na Bolívia (e no Peru também), porque tem muitas opções. Tem feto de llama, ponchos, blusas de lã, chaveiros, camisetas, mate de coca, velas, incensos, monolitos em miniatura, colchas, bolsas, tecidos, gorros, luvas... tudo no famoso colorido andino. Tão colorido que quem sofre de epilepsia não deveria passear por essa rua.

A Beatriz queria comprar uma toalha, então pesquisamos os preços por algumas lojas. Eu decidi deixar pra comprar essas coisas só no meu último dia em La Paz, pra não ter que carregar peso na mochila sem necessidade. Compramos as toalhas e voltamos para o hostel, porque já havia passado do meio dia. Enquanto esperávamos na recepção, passei todas as fotos para o cartão de memória da Beatriz.

 

Ainda antes das 14h conseguimos fazer check-in. Várias pessoas fizeram na nossa frente, e quando chegou a minha vez quase fiquei sem vaga! Arrumaram a última cama disponível pra mim, em um quarto com 8 camas.

Eu e Beatriz nos despedimos, agora cada um seguia o seu caminho. Minha cama só iria ficar pronta as 15h, então decidi sair para o Terminal de ônibus para comprar passagens para Copacabana no dia seguinte. Como eu disse antes, o Loki fica bem próximo ao Terminal, são menos de 15 minutos a pé. Procurei pelo terminal e não foi difícil de achar uma empresa com ônibus diários pra Cobacabana. O nome era bem sugestivo: Copacabana. Pela foto, o ônibus parecia bem razoável. Comprei a passagem para o dia seguinte, às 8h da manhã. A viagem até Copa leva cerca de 4h, então deveria chegar lá ao meio dia.

No caminho para o Loki procurei algum restaurante para almoçar, mas nenhum me convenceu no quesito custo-benefício/não morrer. Decidi ver o que tinha para comer no bar do hostel.

 

Cheguei no Loki e fui para o quarto, que já estava pronto. Bom, a cama estava pronta, porque o quarto... Não tirei nenhuma foto, mas estava tipo assim:

 

messy.jpg.cb5f9879bb4f41abd284a446fa1fec36.jpg

 

A galera que estava naquele quarto devia estar lá há muito tempo, porque aquela quantidade de bagunça não seria humanamente exequível em menos de 2 meses. Quase não dava pra andar, de tanta mochila jogada no chão. As camas todas desarrumadas, roupas sujas espalhadas... os lockers estavam todos ocupados, alguns só com umas tralhas dentro. Ou seja, fiquei sem locker. Deixei minha mochila na cama (porque não tinha mais espaço no chão também) e fui tomar um banho. Em seguida subi para o bar, que fica no último andar do Loki. É um bar bem legal, típico de hostels, com uma vista bem bacana de La Paz e do Illimani:

 

IMG_20150502_165512.jpg.1c6a3d9fb0d57b3798be532dbca860d4.jpg

 

Pedi uma massa, indicação do cara do bar, e uma Paceña. Sentei em uma mesa com um outro cara. Eu estava com uma camiseta do Grêmio, e aí rolou aquele momento de conhecimento tupiniquim: “Brasileiro?” ALELUIAAAA CONVERSAR EM PORTUGUÊÊÊÊSSSSS!!!!!!!! Já estava cheio de (tentar)falar em español com a Beatriz o dia todo! O cara se chamava Newton, mineiro que mora no Paraná, e estava viajando pela segunda vez para a Bolívia, dessa vez com o pai dele (seu Newton também, que estava no quarto descansando). Eles também tinham chegado de Uyuni, se não me engano no dia anterior. Achei muito legal a viagem dos dois, pai e filho na Bolívia. Não consigo sequer imaginar meu pai viajando comigo e passando perrengue na Bolívia! Rsrs

Ficamos conversando e chegamos no assunto “aparelho digestivo”, quando o Newton me contou que também teve “problemas” durante a viagem, e me indicou um remédio que estava tomando pra flora intestinal. Cheguei nessa hora à conclusão que nós brasileiros não estamos preparados para a comida boliviana, porque todos acabam passando mal, de um jeito ou de outro.

Conversa vai conversa vem, já tinha anoitecido quando atraímos outro brasileiro com o nosso português. O Fernando, também do Paraná, estava viajando sozinho e já ia embora no dia seguinte, caso conseguisse sacar dinheiro. Ele estava quase sem dinheiro e só tinha como sacar do cartão do BB. Acontece que os terminais da agência do BB em La Paz (sim, tem uma agência do Banco do Brasil em La Paz) não estavam funcionando no sábado, e ele ia tentar de novo no domingo.

O Newton-Pai chegou logo depois, e passamos horas conversando, regadas a muitas Paceñas. Já eram umas 23h (eu ia acordar às 6h) e decidimos mudar de cerveja, pedimos duas Autenticas que estavam mais baratas. Além de ser bem ruim, padrão Kaiser, a Autentica estava quente... Eu tomei o primeiro copo e aquilo não desceu legal... meu estômago não estava de boa, aí rega com cerveja quente... Comecei a ficar bem enjoado e parei de beber. Como já estava tarde, nos despedimos e fomos cada um pro seu quarto.

Eu estava bem mal... fui pro banheiro várias vezes mas não conseguia vomitar. Pra ajudar, os “problemas intestinais” voltaram. Fiquei mais de 1h me revirando na cama, tentando dormir, mas tendo que levantar a cada pouco (pra piorar estava na cama de cima do beliche). Ia viajar cedo no dia seguinte, mas estava decidido a desistir caso não melhorasse. Na verdade eu tinha certeza que não ia melhorar. Aí lembrei que tinha levado Dramin, que talvez pudesse ajudar. Tomei um comprimido e deitei. Um pouco depois peguei no sono.

 

Algumas fotos do dia:

 

DSC_0639.jpg.03c6c80fbd8d620d325540bee184b54a.jpg

 

DSC_0645.jpg.b775ac6eebb24040ce509d4643a6b8dd.jpg

 

DSC_0654.JPG.3a3d2b45c83cb8262825b5dddb19bafe.JPG

 

DSC_0651.JPG.d480f8fe3854984a8d120a1c75740858.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Ótimo relato!

Vou para Bolívia no final de junho e estou tentando decidir se compensa fazer um bate-volta em Copacabana ou passar em Sucre, já que a minha prioridade é o salar e La Paz.

Qual a sua opinião?

Aguardando o relato de Copacabana!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Ótimo relato!

Vou para Bolívia no final de junho e estou tentando decidir se compensa fazer um bate-volta em Copacabana ou passar em Sucre, já que a minha prioridade é o salar e La Paz.

Qual a sua opinião?

Aguardando o relato de Copacabana!

 

Oi, Elaine!

 

Particularmente eu iria pra Copacabana, gostei mais! Especialmente se for pra passar uma noite na Isla del Sol...

 

Boa viagem! Já já continuo, o próximo dia já está escrito!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

DIA 9 - COPACABANA/ISLA DEL SOL | Na Ilha do Sol, quem ganhou foi a Lua

 

Às 6h meu relógio despertou. Incrivelmente eu estava me sentindo muito bem, nada parecido com a noite anterior! Levantei e fui arrumar minhas mochilas. Porque estava passando mal na noite anterior e com a perspectiva de nem viajar de manhã, tinha deixado tudo desarrumado. Arrastei todas as bugigangas e as mochilas pro corredor do hostel, já que todos no quarto estavam dormindo e eu não queria acordar ninguém com a arrumação (aliás, acho esse um importante hábito de etiqueta em hostels). Como a ideia era passar um noite na Isla del Sol e atravessá-la caminhando no dia seguinte, arrumei a mochila pequena com o básico pra dois dias e amontoei o resto no mochilão, pra deixar no storage do Loki. Desci, fiz check-out, deixei a mochila no storage e já fiz uma reserva pra noite seguinte, dessa vez em um quarto de 4 pessoas, que provavelmente seria mais organizado.

 

Basicamente o que eu levei na mochila:

- toalha de banho;

- roupas de baixo;

- duas bermudas;

- duas camisetas;

- um fleece;

- câmeras e carregadores;

- protetor solar;

- chocolates e água.

 

Saí do Loki e fui caminhando para o Terminal. Cheguei bem antes das 8h, então troquei o voucher do dia anterior pela passagem de fato e fui ao banheiro. Depois fiquei esperando onde o ônibus deveria sair. Aos poucos, mais pessoas foram se aglomerando no lugar, mas nada que lotasse um ônibus. Uma menina veio falar comigo. Ele me reconheceu do ônibus da Todo Turismo. Era a menina que estava sentada do meu lado e depois trocou de lugar pra sentar com uma amiga. Ela era do Canadá e estava morando em Arequipa, fazendo um curso de produção de chocolates (?!). Tirou uma semana de férias pra conhecer o Salar e agora estava a caminho de Arequipa, antes passando por Copa. Não sabia que as pessoas iam pra Arequipa pra aprender a fazer chocolate. Aparentemente a cidade é um polo dos doces no Peru. Se eu soubesse disso quando estive no Peru em 2013, teria aproveitado melhor a cidade...

O ônibus partiu atrasado, por volta das 8h15 (sem surpresas). Meu assento ficava bem na frente e eu tinha bastante espaço pra esticar as pernas. O ônibus segue por El Alto até sair da área urbana de La Paz e percorre uma estrada asfaltada e bem conservada por cerca de 3h, até chegar ao Lago Titicaca. Desse ponto, todos devem descer do ônibus e pegar uma balsa pra atravessar o Lago. Para a balsa é necessário comprar um bilhete de 2Bs. As pessoas atravessam em uma balsa e os ônibus em outra. São vários ônibus ao mesmo tempo, e as balsas que carregam as pessoas chegam bem mais rápido que as dos ônibus, de modo que tivemos que esperar uns 15 minutos do outro lado. Nesse tempo eu procurei ficar de olho no nosso ônibus e nas pessoas que estavam nele, pra não correr o risco de ser abandonado ali. O único controle que os motoristas têm é a contagem das pessoas na saída e na entrada do ônibus. Nesse ponto, dos dois lados do lago, há várias vendinhas e tendas pra comprar comida e água.

Embarcamos novamente, sem sobressaltos, e partimos para Copa. Em cerca de 1h chegamos na cidadezinha, que estava toda enfeitada, pois era 03 de Maio, dia da famosa Festa da Cruz em Copacabana. Eu pretendia ver alguma coisa da festa, que é um dos feriados religiosos mais comemorados na Bolívia, mas aparentemente já tinha acabado tudo, ou estava em “pausa” para almoço.

 

Desci do ônibus, que para em uma rua qualquer, e segui em direção às embarcações para comprar um bilhete para a Isla del Sol para as 13h30. São várias opções de barcos e os turistas são incansavelmente abordados, mas aparentemente todos cobram 20Bs pela viagem. Comprei o bilhete com um senhorzinho que apontou para o fundo do píer, onde estava o barco que deveria me levar. Eram uns 20 barcos enfileirados. Eu fingi que entendi qual era o meu e fui almoçar.

 

Subi por uma ladeira cheia de restaurantes, bares e pousadas dos dois lados. Entrei em um restaurante que parecia bem arrumadinho e estava cheio de turistas e pedi o prato que parecia mais confiável do menu, um frango à milanesa e uma Coca-Cola. Como já tinha ouvido falar, os preços dos restaurantes em Copacabana são bem salgados se comparados ao resto da Bolívia. Esse prato custava 50Bs.

E pensei que tivesse bastante tempo ainda, não eram nem 12h30, mas o prato demorou um pouco pra chegar e tive que comer bem rápido. Saí do restaurante e percebi que meu intestino não estava bem novamente, então entrei em uma farmácia pra ver se encontrava o remédio que o Newton tinha me indicado. Encontrei mas era caríssimo, 12Bs. por comprimido. Comprei só 4, porque se comprasse mais arriscaria ficar sem bolivianos. Por isso recomendo: LEVEM REMÉDIOS PARA A FLORA INTESTINAL DO BRASIL!

 

http://www.floratil.com.br/produto/

 

 

Fui para a margem do lago e encontrei o senhorzinho que me vendeu a passagem. Ele me explicou qual era o barco novamente e eu fui até ele. Embarquei com um casal de franceses e dois alemães. O barco saiu quase no horário combinado, e todos subimos para o teto para ter uma vista melhor. A Isla del Sol não fica muito distante de Copacabana, olhando pro horizonte ela parece bem próxima. Mas as embarcações são MUITO LENTAS. Tipo, IM-PRES-SIO-NAN-TE-MEN-TE lentas. Eu já tinha considerado lentos os barcos no lado peruano que levam até as Ilhas Amantaní e Taquile, mas esses definitivamente superavam na lentidão. Era um barco para 30 pessoas com dois motores que barquinho de pesca. Fui as quase 2h de viagem na parte de cima do barco e, iludido pelo friozinho que estava fazendo, passei protetor solar só no rosto. Resultado: fiquei com as pernas (estava de bermuda) e as mãos torradas.

 

O barco para no lado sul da ilha onde descemos. Eram já 15h passadas, e o Sol já estava escondido do outro lado da ilha. O sul é o lado mais povoado da ilha e tem muitas opções visíveis de hostels, pousadas e pequenos restaurantes.

Andei um pouco pela margem e decidi começar a subida pela ilha em busca de um lugar para passar a noite. A subida pode ser feita por uma escadaria de pedra bem íngreme, que é ladeada por um pequeno canal de água corrente e vários tipos de flores, tudo muito bem conservado. A subida é um pouco difícil, especialmente por se estar a mais de 3.500m de altitude. Quanto mais alto se sobe, mais bonita é a vista do Titicaca e da cordilheira ao fundo. Depois de subir por uns quinze minutos, tendo cruzado já com umas dez crianças carregando suas lhamas (pra tirar fotos, mediante gorjeta), cheguei até algumas casas com placas de “Pousada”. Entrei em uma delas e perguntei o preço. Eram 40Bs. por um quarto individual, com banho quente. A pousada era uma construção bem simples e aparentemente nova, sem pintura e com reboco à vista, tinha dois pisos com cerca de 10 quartos, todos de frente para o lago. Na frente dos quartos havia um terraço (ou laje, para brasileiros) com algumas mesas, onde se tinha uma vista ótima do lago. Decidi ficar ali mesmo e já paguei para o dono.

Deixei minha mochila no quarto e os eletrônicos carregando (sim, tem energia elétrica!) e saí para uma caminhada. A pousada em que eu fiquei ainda não estava no topo da ilha, e tive que subir bastante pela trilha. Dos dois lados da trilha eu ia passando por vários restaurantes e pizzarias e afins, o que foi me dando água na boca. Caminhei devagar por uma meia hora até um ponto em que cheguei à conclusão que já era a trilha para o lado norte da Isla. Sentei um pouco pra contemplar o outro lado do lago e depois voltei pelo mesmo caminho. Arrumei minhas coisas e fui tomar um banho, quente, conforme prometido. Quando escureceu, saí novamente pela trilha em busca de um restaurante. Todos aqueles que pareciam muito promissores já não pareciam mais, porque estavam todos completamente vazios. O único que tinha gente dentro parecia estar lotado por um grupo de pessoas que estavam viajando juntas, então não quis entrar. Chateado com perspectiva de ter que jantar Pringles com Twix de sobremesa, voltei para a pousada.

 

PORÉM, logo que eu cheguei na pousada, minha tristeza foi rapidamente substituída por encantamento. Era noite de Lua cheia, e naquela hora ela estava emergindo do Titicaca bem na frente do meu quarto. Esse foi um dos momentos mais mágicos da viagem, sem dúvidas! Nunca me considerei um hippie ou um bicho grilo, do tipo que aplaude pôr do sol, abraça árvore e coisa e tal, mas a Lua daquela noite foi um dos maiores espetáculos que eu vi na minha vida! Eu estava na Ilha do Sol, mas uma vez por mês a protagonista é a Lua. Arrastei uma cadeira e fiquei ali sentado no terraço por mais de uma hora, sozinho e pensando na vida, sem me importar muito com o frio que estava fazendo.

Não sou um exímio fotógrafo, e tirar foto da Lua exige alguma habilidade, mas eis uma foto que eu curti muito:

 

Studio_20150503_204347.jpg.b35ef0c47bcf113c2dbb84d796b01948.jpg:

 

Quando a Lua já estava bem no alto, voltei para o meu quarto para dormir. Não lembro que horas eram, mas ainda era cedo. No dia seguinte pretendia acordar cedo para ver o Sol nascer e começar logo a trilha, então coloquei meu relógio para despertar às 6h30. Com toda a atenção que eu dei para a Lua, acabei indo dormir sem comer nada.

 

 

Mais fotos:

DSC_0658.JPG.2157cfed0526ca60222541f152f5ace1.JPG

 

DSC_0674.jpg.9b525d9a852f993f403ad8b3e5b5e52d.jpg

 

DSC_0667.jpg.b3cbcbe9be88053480de4235487d4313.jpg

 

Studio_20150507_185759.jpg.a8f46ff95d4a6587719b9977d6dbb2d6.jpg

 

Studio_20150507_175041.jpg.1692b221950ec965a9a6f301e0369c9d.jpg

 

G0520866.jpg.247bdaadb314cd2d84f8e3b182dc8487.jpg

 

Studio_20150503_205214.jpg.d497003a4b1065bce08cc3ec58d2f0d2.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Sensacional o seu relato. Parabéns!!! Acompanhando e ansioso por sua chegada ao Condoriri e Huayna Potosi.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Curti muito o relato, cara... mas já tem 3 meses que abandonou o trem aqui!! :cry: Volta e eu te pago uma dupla no Molho de Tomate dps hahaha (tb sou de Brasília).

 

Abraço

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Oi! Tenho só mais uma dúvida!

A respeito do banco do Brasil em La Paz, é necessário alguma autorização da minha agência para poder usar o cartão em La Paz?

 

Obrigada!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

irei em abril para bolivia-peru e pretendo fazer esses passeios do relato. Minha duvida é quanto ao norte da isla del sol... tem saida de la para puno? ou de la olta para o sul-copacabana e pega onibus?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora


  • Conteúdo Similar

    • Por GUILHERME TOSETTO
      Olá, meus amigos!!!!
      Segue agora mais um relato de viagem, desta vez à cidade de Ubatuba nos últimos dias 27 e 28 de Abril, em companhia dos amigos André Petroni, Eduardo (nickname Umpdy), Francisco Lopes, Débora e Osmar Franco.
      Estávamos combinando essa viagem havia algum tempo, mas nunca conseguíamos encaixar as datas convenientes a todos, mas eis que calhou de um fim de semana "vazio" pra galera e marcamos a viagem.
      Eu, Eduardo, Chicão e Débora saímos de São Paulo na sexta-feira à noite, por volta das 19:45 e chegamos em Ubatuba às 23 horas. O André e o Franco tiveram que trabalhar e só foram pra lá no sábado bem cedinho, de ônibus. Seguimos pela Dutra até São José dos Campos e de lá pegamos a rodovia dos Tamoios, que está em obras em diversos trechos. Quem for pegar essa estrada, deverá ficar bastante atento, não paenas às obras, mas principalmente às curvas, muito fechadas e perigosas.
      Lá chegando, fomos para o Tribo Hostel, onde já havíamos feito reservas para o final de semana. Como nesse final de semana estava acontecendo um campeonato mundial de surf em prancha curta (não lembro o nome exatamente), o hostel estava cheio e acabamos ficando num de seus anexos...



       
      Feito o check in, fomos para os quartos, ficando eu e o eduardo em um e o Chicão e a Débora em outro.
      Algumas observações sobre o quarto onde ficamos eu, o Eduardo e o Franco: o teto é baixo e tem ventilador instalado junto à luminária. Como o Du ficou na cama superior, qualquer movimento da perna pra fora da cama já chutaria a porra do ventilador, além de bater a cabela no teto num levantar mais brusco!!!! rsrsrsrs...isso sem falar que o Du trancou a porta do quarto... e ainda havia mais um hóspede no nosso quarto, que chegou de madrugada e ficou esbravejando e xingando do lado de fora, enquanto a atendente do hostel vinha com a outra chave pra abrir...como eu tava morto de cansaço da viagem, não ouvi nada disso!!!!rsrsrsrrs.
      No dia seguinte, sabadão, ficamos esperando o André e o Franco chegarem pra podermos ir à Ilha de Anchieta. Chegaram por volta das 11 horas, também fizeram o check in e fomos arrumar as tralhas pra ir à ilha. Combinamos com o Renato, dono de um barco para nos levar até lá e ir nos buscar no final da tarde. Algumas fotos da ida, da Ilha e do retorno...









       
      Na Ilha de Anchieta há algumas trilhas, como a do Saco Grande e a Praia do Sul. Ambas constam do passaporte Trilhas de SP. Lá também há um antigo presídio, que foi desativado em 1955, três anos após a rebelião de 1952. No local, ainda trabalha um antigo vigia da época em que o presídio ainda era ativo!!! O local lembra um campo de concentração, várias ruínas...
      A ilha em si tem praias muito bonitas e praticamente desertas, talvez pela época do ano não ser a chamada "alta temporada", mas, mesmo assim, são excelentes... água muito limpa, peixes nadando ao nosso redor, quando ficamos numa das piscinas naturais formadas pelas rochas na parte norte da ilha.









       
      Ficamos na ilha até cerca de 16:15, fizemos a trilha da Praia do Sul, que é muito light e voltamos pra Ubatuba.
      À noite, fomos jantar numa pizzaria próxima ao hostel, a Pizza da Nonna...local bem aprazível, simples e comida de bom sabor...voltamos ao hostel, onde fizeram um churrasquinho pra galera...nessa hora, o sr. André cometeu a gafe-mancada da noite: sentou-se em cima de uma caixa de isopor, que servia de "geladeira" pra cerva do povo...o resultado não poderia ser outro, em poucos segundos a caixa estourou completamente de fora a fora... pior foi o que o André falou:
      - "Pô, eu pensei que fosse um puff!!!!"
      O que teve foi um "crash" and "pof" do André caindo!!!!
      Nem os gringos que estavam jogando uma sinuquinha aguentaram e racharam o bico também...
      Mas, gafes e foras à parte, o fim de semana foi excelente!!! No domingo, fomos para a praia da Lagoinha, onde começamos a fazer a trilha das 7 praias, chegando, ao final à praia da Fortaleza. São mais de 10 km de caminhada, passando pelas praias que dão o nome à trilha, com vários níveis de dificuldade, mas com paisagens muito compensadoras em sua beleza...seguem mais algumas fotos...








       
      Levamos cerca de 3 horas e meia pra finalizarmos a trilha, considerando-se que paramos algumas vezes pra descanso, pra um lanche e pra banho numa das praias.
      A fim de ganharmos algum tempo pra voltar onde deixamos o carro, na praia da Lagoinha, resolvemos subir os 7 quilômetros da estrada entre a Fortaleza e a BR101 a pé...chegando lá, pegamos um ônibus de volta à praia da Lagoinha e voltamos ao hostel pra arrumar nossas coisas, tomar um banho e retornar a Sampa...antes disso, ainda deixei o Franco na rodoviária, pois, como estávamos em seis pessoas, não havia espaço suficiente pra todos dentro do carro...saímos de Ubatuba por volta das 18:45 e chegamos à capital às 22:45, um pouco mais demorado do que na ida, mas ainda paramos pra comer um lanche e as curvas em subida requerem menor velocidade e mais atenção.
       
      Realmente foi um fim-de-semana ótimo, em companhia de amigos muito bacanas, sempre dispostos a tudo, sem reclamações, todos de muito bom-humor, enfim ,foi bastante divertido...deixo vocês agora com mais algumas paisagens, agradecendo a atenção de você, que está lendo, e aos amigos que lá estiveram, proporcionando mais uma excelente viagem!!!! Abração, galera!!!!
      Ah, pessoal ,se esqueci de alguma coisa, por favor, complementem o relato...











    • Por Schumacher
      Preparativos
       
      Em julho de 2014 decidi que, apesar de adorar o carnaval de Santa Catarina, faria uma coisa totalmente diferente nessa data no ano seguinte. Consegui 2 amigos para ir junto comigo e emiti as passagens nas Aerolíneas Argentinas (10k milhas Smiles POA-FTE, 270 reais FTE-USH, 10k milhas Smiles USH-POA).
       
      Como a viagem seria de apenas 9 dias, não cheguei a elaborar um roteiro, apenas um esboço do que fazer, além de reservar as hospedagens e o aluguel de carro. Este último saiu caro, mas dividindo em 3 compensou a comodidade e o melhor aproveitamento do tempo.
       
      Às vésperas da viagem consegui uns guias do meu colega de trabalho Fernando, e no 13 de fevereiro de 2015 finalmente peguei meu mochilão (dessa vez não esqueci da câmera) e segui para o aeroporto, com uma carona do meu vizinho Marco e outra carona no vagão refrigerado da Trensurb.
       
      Ao chegar a Buenos Aires tive que trocar de aeroporto, do Ezeiza para o Aeroparque. Quem tem conexão pela Aerolíneas pode usar o translado da empresa Manuel Tienda León de graça, mas tem que pegar um comprovante em uma sala da companhia no próprio aeroporto. Importante salientar que os horários que estão no site não são confiáveis.
       

       
      1° dia
       
      No meio de uma madrugada mal dormida no aeroporto, partiu meu voo para El Calafate. Do alto era possível ver o lindo azul contrastando com as estepes patagônicas. Cheguei no começo da manhã, dividi um táxi com uns brasileiros, já que saiu o mesmo preço do único outro transporte disponível, uma van que custava 100 pesos, e um tempo depois cheguei na locadora da Hertz, para retirar o veículo. Subi o morro para uma panorâmica da cidade.
       

       
      De lá fui para a Reserva Laguna Nimez, paraíso das aves na beira do Lago Argentino, que envolve a pequena cidade. Paguei a razoável taxa de entrada e depois do trajeto inicial meio sem graça e uma chuva fraca que insistiu em incomodar, comecei a ver espécie após espécie em uma diversidade de ambientes.
       

       
      Entre as mais de 20 fotografadas em algumas horas, constavam gaviões bastante dóceis, tanto que cheguei a ficar a menos de 3 metros de um deles.
       

       
      Também tive o primeiro contato com a fruta típica da região, o calafate, embora meio murcha e pouco saborosa por já estar no fim da época de frutificação.
       

       
      Era para eu ter encontrado ali a minha amiga Raquele, que já tinha viajado para lá antes, mas por uma falta de sincronismo nos encontramos apenas no meio da tarde no hostel em que ficaríamos, o I Keu Ken. O único ponto negativo desse lugar é para quem está a pé, pois ele fica no alto de um morro.
       
      Pegamos a estrada sentido norte até chegar ao hotel La Leona mais de uma hora depois. No caminho havia diversos cicloturistas e os primeiros bandos de guanacos e emas.
       

       
      Depois de um lanche e do atendente dizer que não poderíamos ir sozinhos no lugar em que queríamos, fomos para lá do mesmo jeito. Seguindo orientações vagas encontradas pela internet, chegamos ao vale em meio aos morros Los Hornos, onde segundo o site havia uma “depressão profunda”. Literalmente, entramos em depressão.
       

       
      Caminhando, passamos por diversas ossadas e encontramos o que eu queria, fósseis! A floresta petrificada conta com troncos fósseis de 150 milhões de anos. Só vimos poucos troncos e nenhum dinossauro, mas já foi o suficiente para ter valido a excursão.
       

       
      No caminho de volta o sol apenas começava a baixar, apesar de já ser quase 21 h.
       
      À noite, durante toda a semana, estava tendo uma festa com shows e inclusive a presença da presidenta, talvez por isso os preços estivessem tão inflacionados. Tanto que tivemos que jantar sanduíches comprados no supermercado, enquanto ouvíamos o show que nem era tão bom assim.
       
      2° dia
       
      Pela manhã chegou meu outro amigo, o Vinícius. Partimos para o Parque Nacional das Torres del Paine, no Chile. Primeiro, uma pausa para foto da paisagem insólita no mirante.
       

       
      Fizemos uma escala na metade do caminho em Esperanza, ainda na Argentina. Depois de mais uma refeição à base de sanduíche, tentamos abastecer o carro no único posto em um raio de 50 km, ou possivelmente o dobro, como nos informou o frentista que, assim como uma fila de carros, aguardava o combustível chegar sabe-se lá dentro de quantas horas. Como não tínhamos todo esse tempo, arriscamos seguir em direção ao parque.
       
      Os passageiros babavam no carro enquanto eu dirigia pela monótona estrada, quando passamos pelo vilarejo de Tapi Aike. Milagrosamente havia uma bomba de combustível ali, onde já tinha visto num relato que estava desativada. Como a esperança é a última que morre, decidimos bater na casa para ver se alguma alma nos atendia, apesar de todos os outros carros passarem direto. E não é que deu certo? Embora consideravelmente mais cara, foi nossa salvação.
       

       
      No meio da tarde chegamos às aduanas de fronteira. Como havia poucos carros e nenhum ônibus naquela hora, até que foi rápida a travessia. Não levei alimento algum pensando que teria problema, mas a única coisa confiscada foi os sachês de mel do Vini. Outro detalhe importante é que precisa de uma autorização providenciada pela locadora para cruzar a fronteira, a um custo adicional.
       

       
      O primeiro vilarejo no Chile é Cerro Castillo. Possui uns 4 comércios de mantimentos apenas. O primeiro e mais turístico é caríssimo, só o utilize para fazer o câmbio. Indico esse amarelo da foto, ali o preço cai pela metade e aceita cartão de crédito. Não leve água, pois há disponível e puríssima durante todo o circuito, e cada kg a menos é muito precioso.
       

       
      Depois do estoque feito e mais uns quilômetros à frente, entramos na área do parque, cercada por lagoas de diversas cores, como a Laguna Amarga, com alta salinidade e lar dos belos flamingos.
       

       
      Na portaria de mesmo nome, tivemos a péssima notícia de que havíamos chegado tarde demais para escalar as Torres del Paine. Dessa forma tivemos que acampar no camping da hostería Las Torres e replanejar o roteiro para compensar as cerca de 5 h perdidas que faríamos naquele dia. Os campings do parque custam todos em torno de 8000 pesos chilenos, nada se comparado ao preço dos alimentos, então leve o seu junto, nem que seja daquela lojinha na fronteira.
       
      Havia uma quantidade impressionante de gringos espalhados entre o camping, o refúgio e o hotel. Assim como nos demais campings pagos, havia água quente e eletricidade, mas não tive tempo para carregar minha câmera. Inauguramos a barraca de luxo da Raquele, enquanto o Vini ficou com minha toca do Gugu emprestada. E ali começou a aventura de se dormir em um chão pedregoso sem um isolante, ao menos em meu caso.
       
      3° dia
       
      Iniciada a caminhada com a subida dos belos morros. Logo percebi que o vento forte traria algum estrago. Dito e feito, ele arrebentou a solda do painel solar que tinha levado para carregar a câmera e o celular. Ali começou o primeiro racionamento, o de energia elétrica (o de energia humana viria posteriormente).
       

       
      Conheci as duas frutinhas vermelhas que cresciam junto ao solo e que fariam parte da minha alimentação durante essa jornada, a chaura e a murtilla, levemente doces e ácidas.
       

       
      Logo percebi que o ritmo de um dos integrantes não seria o mesmo do meu, ainda mais com o peso extra na respectiva mochila. Começou a preocupação com o tempo, já que percorreríamos uma distância bem maior do que a praticada por outros visitantes em um dia.
       
      Continuamos subindo, passando pelo acampamento Chileno, onde trombamos com um casal carioca e com a placa oficial de entrada.
       

       
      Comi um cogumelo bege que achei no chão e após passar a entrada do acampamento Torres, segui com os cariocas até a parte mais exposta ao vento, onde fiquei descansando por uns minutos até meus amigos chegarem. Ao completar o trecho mais íngreme, avistamos a incrível paisagem do lago glacial e dos pilares graníticos com neve em suas bases. Não há como expressar em fotos a grandiosidade daquela cena.
       

       
      Ainda tivemos sorte de presenciar outro fenômeno, uma tromba d’água, que pegou todos desprevenidos.
       
      Almoçamos por ali enquanto contemplávamos a paisagem e depois descemos pelo mesmo caminho por algumas horas até a bifurcação para ir ao acampamento Los Cuernos. A trilha de todo o circuito é razoavelmente bem sinalizada, embora as placas estejam voltadas para quem faz o trajeto em sentido contrário (a grande maioria). Assim, quando havia uma bifurcação, só sabíamos o caminho certo ao chegar ao seu final. Ainda bem que tínhamos GPS no celular, e que a bateria dele durou todo o tempo necessário.
       

       
      Caminhamos por longas horas durante esse trecho quase plano de 11 km. Quando o dia ameaçava terminar, cruzamos o último morro e vimos o acampamento de um lado e outra tromba d’água no lado oposto. Com o atraso em nosso itinerário, tivemos que acampar novamente em um lugar pago. Assim que terminamos de armar as barracas, a noite chegou. Meus amigos jantaram seus miojos de copo enquanto eu fiquei com as sobras e um sanduíche de queijo e presunto.
       
      Depois de um banho quente e uma contemplada num dos céus mais bonitos que já vi na vida, parti para a cama, ou melhor, saco de dormir. Vini não teve tanta sorte, preocupado acompanhando um rato que apareceu atrás de sua barraca.
       
      Distância percorrida no dia: 26 km.
       
      4° dia
       
      Amanheceu um dia chuvoso e mais frio que o anterior. Nesse momento meus lábios já haviam ressecado o suficiente para rachar, e a situação só foi piorando, já que não tinha nada para botar neles. Em virtude de nosso atraso, decidimos que somente eu percorreria a segunda perna do circuito W, os demais seguiriam ao acampamento Paine Grande a 13 km e nos encontraríamos lá no fim do dia.
       

       
      Com isso, enquanto eles descansavam, tomei um litro de leite e coloquei a roupa impermeável para a caminhada. Pouco depois surgiu o sol, que me obrigou a trocar as vestimentas novamente.
       
      Continuei ao longo do belo Lago Nordenskjöld, já mirando o Cerro Paine Grande.
       

       
      Passei o acampamento Italiano, onde começava a subida do Vale do Francês. A difícil ascensão margeava um rio, geleiras e o cume da montanha, de impressionantes 3050 metros, ligeiramente superior à mais alta montanha brasileira.
       

       
      Nessa hora tive que pôr novamente uma roupa mais propícia ao frio e vento que fazia. Parei para comer uma maçã no mirante intermediário, de onde a maioria dos caminhantes e seus bastões não passam, e continuei subindo. Já estava bastante cansado e até um pouco atrasado no horário, quando fui agraciado por uma precipitação diferente. Pela primeira vez na vida presenciei a neve caindo sobre mim!
       

       
      O êxtase me deu forças para o trecho final mais duro, até o Mirador Británico. Infelizmente o clima frio e nublado não ajudou nas fotos e esgotou a bateria da minha câmera novamente, restando o guerreiro celular. Paciência, mas fiquei bem de boa lá no topo enquanto almoçava e admirava a paisagem sem uma viva alma em volta.
       

       
      A possível continuação da trilha estava fechada, então tive que descer. Atravessei a extensa floresta carbonizada, resultado de um incêndio de grande proporção causado por um israelense em 2012, fato que motivou a proibição de fogueiras no parque.
       

       
      Novamente no final da tarde, cheguei ao acampamento. Depois do jantar provamos o excelente licor de calafate que tínhamos comprado na fronteira, recomendo!
       
      Como não havia árvores no camping, o vento soprava mais forte, tanto que praticamente destruiu nossa outra barraca.
       
      Distância percorrida no dia: 23 km.
       
      5° dia
       
      Esgotado das noites mal dormidas e caminhadas sem fim, partimos para o terceiro e esperado último dia de trilhas.
       
      Um aviso de amigo, não experimentem brincar com a flor da foto abaixo. Isso me custou um bocado de tempo para conseguir remover os espinhos que grudam individualmente na roupa.
       

       
      Continuando, avistamos belos icebergs na borda do Lago Grey, sinal de que a geleira estava se aproximando.
       

       
      E foi bem isso. Um pouco depois chegamos ao mirador do Glaciar Grey, onde a longuíssima geleira avança sobre o lago de mesmo nome e sobre uma ilha que a contém.
       

       
      Naquele momento, decidimos que não iríamos até o refúgio Grey, pois o horário do barco não era compatível com o nosso. Assim, voltamos até o Paine Grande e descemos até o acampamento Las Carretas, um dos trechos menos frequentados do parque e já fora do circuito W.
       

       
      Apesar das belas paisagens iniciais, a maior parte dos 17 km seguintes seria bastante monótona, uma pradaria sem fim, com poucas aves passando. Ao menos o trajeto era plano.
       

       
      Ao chegar ao camping desprovido de qualquer infraestrutura, a decisão mais difícil: ter outra péssima noite ali ou arriscar seguir caminho e conseguir carona para voltar à outra portaria onde estava o carro, há quase 50 km dali? Escolhemos a segunda opção. Chegamos à sede do parque onde passava a estrada, mas os poucos veículos que passavam em sentido norte naquele fim de dia eram transportes dos hotéis. Com isso, tivemos que pedir clemência ao responsável pela sede, um senhor que nos deixou acampar ao lado do prédio que fica na margem do Lago Toro. O senhor foi tão gentil que até me passou a senha do wifi, e eu pude avisar para minha mãe que ainda estava vivo.
       
      Improvisamos um conserto para que a segunda barraca pudesse passar sua última noite conosco antes de ir dessa para melhor. Os únicos ruídos dessa noite foram dos ventos uivantes e dos roncos do Vini.
       
      Distância percorrida: 29 km. Total: Cerca de 78 km, com um baita peso nas costas e elevações constantes de 50 a 850 metros!
       
      6° dia
       
      Começamos bem o dia. O segundo carro que passou, com um simpático casal de italianos, deu carona para nós e para nossas mochilas até a portaria do parque.
       
      Uma hora depois lá estávamos de volta. Juntamos os últimos 8 dólares que tínhamos para pagar o translado até o hotel para eu retirar o carro.
       
      No caminho até a fronteira, flagramos um bando de condores andinos.
       

       
      Depois do almoço e e da aduana, voltamos por um atalho de estrada de chão, frequentado mais por animais do que humanos.
       

       
      De volta à cidade no meio da tarde, fomos direto para o Parque Nacional Los Glaciares. O parque, pago, consiste em uma estrada que costeia um rio até a principal atração de El Calafate, o Glaciar Perito Moreno.
       
      Plataformas te deixam bem próximo da geleira, a ponto de ver e ouvir com clareza os pedaços de gelo se partindo e desabando na água.
       

       
      As colunas de gelo de 60 m de altura que se estendem por até 5 km e que crescem e se despedaçam constantemente, são mais uma paisagem indescritível, especialmente durante o pôr-do-sol.
       

       
      Quando saímos do parque já anoitecia. A quantidade de lebres que passa pela estrada é surpreendente. Especialmente pela rota 60, que é de chão em meio a fazendas. Cruzamos por dezenas delas, felizmente nenhuma atropelada.
       

       
      Eu e Vini dormimos no mesmo hostel de antes, enquanto que Raquele, que ficaria mais um dia na cidade, foi para outro.
       
      7° dia
       
      Cedinho pegamos o voo para Ushuaia, ou “Uçuaia”, como dizem os argentinos. Peguei umas dicas valiosas no centro de informações do aeroporto e, claro, carimbei meu passaporte com o selo do fim do mundo.
       
      Como Ushuaia é uma zona franca, as coisas custam consideravelmente mais barato que em El Calafate. Sendo assim, consegui finalmente almoçar de verdade, no restaurante El Turco, que fica na principal avenida do centro, a San Martín. Ushuaia não tem o mesmo charme de El Calafate, mas ainda assim é agradável. Dentro das construções climatizadas, claro, pois os ventos e baixas temperaturas limitavam as caminhadas, sobretudo em dias nublados e à noite.
       

       
      Reservamos o passeio pelo Canal de Beagle, escolhendo o de 750 pesos, que passava pelas ilhas dos passeios padrão e mais a dos pinguins. Estava um pouco receoso pelo alto custo, mas posso dizer que valeu muito a pena. O passeio de quase 7 h começa passando por ilhotas cobertas de colônias de aves, principalmente o cormorão, que à distância parece um pinguim. Além destes, há gaivotas, trinta-réis, albatrozes, entre outras espécies menos frequentes.
       

       
      Pouco à frente fica a Ilha dos Lobos Marinhos, que abriga algumas dezenas desses animais tranquilos.
       

       
      Continuando, se passa pelo Farol Les Eclaireurs e mais outro bando de aves iguais continuando por um bom trecho sem ilhas, com raros povoados no lado argentino do canal e o vilarejo de Puerto Williams, que disputa com Ushuaia o título de cidade mais austral do mundo, e talvez não o seja pelo fato da população ter menos de 3000 habitantes, sendo a maioria militares e pescadores.
       

       
      Em seguida a embarcação passa por uma estrutura geológica formada na glaciação, e após contorná-la, chega ao destino final, a Ilha Martillo, mais conhecida como Pinguinera.
       

       
      Incontáveis pinguins-de-magalhães se reúnem nesse pedaço de terra como parte do seu ciclo de vida, e nos brindam com essa exibição incrível. Junto a eles aparecem algumas aves oportunistas, como escuas e urubus, além de 2 outras espécies de pinguim: o Papua, que é a ave mais veloz na água, e o Rei, que é mais raro e maior que os outros que passam por lá.
       

       
      Quem tem muita sorte, como a Raquele que foi no dia seguinte, consegue ver alguma baleia pelo meio do canal. Para os demais, resta o longo retorno assistindo documentários sobre a Terra do Fogo e os pinguins na cabine climatizada, ou então babando no sofá como meu amigo.
       
      À noite, eu e Vini jantamos em um lugar animado da Av. San Martín chamado Chester. Comi eu queria muito comer queijo Roquefort, uma iguaria barata na Argentina, pedi uma pizza de 4 queijos só para mim, já que ele não queria. Enquanto comíamos e tomávamos a ótima cerveja vermelha da marca local Beagle, passava um pot-pourri de clipes de rock das décadas passadas. É um bom lugar para um esquenta.
       

       
      Retornamos em seguida ao bom hostel Yakush para dormir em seus colchões moles.
       
      8° dia
       
      Às 10 h pegamos o transporte que sai de hora em hora da estação rodoviária para o Parque Nacional da Terra do Fogo. Duzentos pesos para ida e volta e mais 100 para entrada no parque.
       
      Começamos pela trilha que segue pela costa da Baía Lapataia, em meio às 3 espécies de árvore do gênero Nothofagus, as mesmas que havia em Torres del Paine. Não possuía grandes novidades, além de alguns passarinhos, chumaços de algas-pardas, mexilhões e grãos de areia acinzentados.
       

       
      Em meio à trilha estávamos morrendo de calor pela quase ausência de vento, mas quando fomos para as demais o tempo virou. Veio uma brisa do capeta e uma chuva bem chata.
       
      Uma das trilhas levava até um observatório de aves, embora nenhuma nova naquele dia. A outra até uma turfeira gigante, causada pela matéria orgânica lentamente sendo decomposta no frio e umidade do lugar.
       

       
      A última trilha nos mostrava o estrago causado pelos castores, resultado de mais uma introdução de espécie exótica desastrosa. A castoreira represa a água em um ponto e alaga uma baita área, onde morrem essas árvores de lento crescimento.
       

       
      Retornando, ainda tivemos sorte de observar uma raposa se alimentando.
       

       
      Nosso transporte de volta sairia às 19 h, como ainda tinha um bom tempo fomos até a cafeteria que ficava um pouco distante. Chegamos às 18:05 h, e para nossa surpresa, já estava fechada! Assim, tivemos que aguardar na sarjeta junto com um chinês maluco que ficava fotografando cavalos em atividade de cópula a nossa frente.
       
      No retorno ao hostel conhecemos uma dupla de brasilienses, Edgar e Conceição. Tentamos ir a um pub, mas o lugar não aceitava cartão de crédito, estava cheio e era quente demais. Com isso, eu e Vini jantamos no mesmo lugar da outra noite e depois degustamos um bom vinho que a dupla nos ofereceu no albergue, enquanto o staff reclamava o tempo todo da nossa conversa que beirava uns 50 decibéis. Apesar desse cara chato, a ruiva da manhã é bastante simpática.
       
      9° dia
       
      Vini partiu de manhã cedo de volta ao Rio.
       
      Depois de um café-da-manhã reforçado, lamentavelmente sem frutas como no albergue anterior, saí para uma caminhada. Infelizmente escolhi o dia errado para as compras, pois no domingo a maioria das lojas, inclusive as de equipamentos de aventura, estava fechada. Consegui apenas comprar souvenires e ir ao supermercado pegar um bocado de alfajores de 4 pesos cada.
       
      Na ida para o almoço, encontrei Raquele voltando de um passeio e ela encontrou outra brasileira que tinha conhecido na viagem. Fomos os 3 almoçar no Banana Bar. O lugar também sai bem em conta, mas precisa urgentemente de mais de uma garçonete para atender todo mundo. Provei a outra marca de cerva, a Cape Horn. Boa, mas ainda fico com a Beagle.
       

       
      No retorno, pausa para um chocolate quente. Depois disso fiquei matando o tempo no albergue, pois estava cansado para ainda visitar o Cerro Martial, a outra atração da cidade, e sem dinheiro vivo para os museus. Peguei o táxi e quando fui embarcar descobri que tinha uma maldita taxa de 28 pesos separada da passagem para pagar em dinheiro.
       
      USH-AEP, EZE-POA e finalmente de volta direto ao trabalho!
       

       
      Ps: Se você curtiu as dicas, quer economizar ainda mais, conhecer outros destinos e apoiar novas relatos, não deixe de conferir meu blog! http://www.rediscoveringtheworld.com

×