Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
AdrienSchmitz

Travessia Muçum — Colombo, pela Ferrovia do Trigo

Posts Recomendados

*No final há as dicas importantes para esta trilha


Saímos de Tramandaí na sexta-feira, dia 28/04/2018, logo depois do serviço. Meu Brother Machado (crossfiteiro e responsável pela maior parte da água do grupo), meu brother Tailan (crosfiteiro e que levava a maior parte da comida) e eu, Adrien (sedentário e com a maior parte dos remédios e responsável pela navegação ). Dois dias antes nós já tínhamos reservado Hotel Marchetti, com o seu proprietário Tiago.

Fomos dormir por volta da 1h, com alarmes setados para as 6h. Pela manhã levantamos, fizemos os últimos ajustes nos equipamentos, acertamos o hotel e nos dirigimos para a parte dos trilhos que passam no meio da cidade. Não sem antes tomar um último café no posto que fica bem próximo a entrada para trilha.

Começamos a caminhar sobre os trilhos por volta das 7h40. Todo mundo animado e curioso pelo o que nos esperava. Logo encontramos uma laranjeira, e os frutos dela seriam preciosos alguns quilômetros além, naquele final de abril, mas que fazia 28C. A primeira estrutura que encontramos foi a estação abandonada. Prédio antigo, pichado, com poucos atrativos e ficamos pensando na gurizada que devia se reunir ali, sem a menor possibilidade de serem incomodados. A não mais de um quilômetro depois chegamos na primeira ponte. Um lindo vale com o nascer do sol entre os morros, e do outro lado ainda resquícios da cidade. Ficamos deslumbrados.

Lá pelas 11h30 resolvemos que poderíamos descansar e já preparar nosso almoço. Catamos pedras, lenha , preparamos a panela e nosso cara das águas, o Machado, decidiu que deveríamos racionar água sempre. O resultado foi uma massa onde embaixo virou um mingau e em cima estava parcialmente crua. Mas nada que molho de tomate por cima e uma lata de atum não tornasse relativamente tragável. Foi pior massa que já comi, me arrepio só de lembrar. Nesta hora também notei o primeiro rasgo na lateral do meu velho tênis de guerra. A silver tape entrou em ação.

Não perdemos muito tempo depois do almoço, pois estávamos com medo de não alcançar algum acampamento antes de escurecer. Na saída de um túnel nos deparamos com tres caras com aparência bastante exausta. Notamos que tinham poucos equipamentos. Eles nos contaram que estavam andando desde as 4h da manhã, pois queriam fazer os 50 quilômetros entre Guaporé e Muçum em um dia. Também nos contaram que não aguentavam mais e passamos a informação de que ainda faltavam 13 quilômetros para o seu destino. Ali estava a cara do desânimo.

Seguimos em frente, nos deparamos com a parte mais crítica da expedição. O primeiro viaduto vazado, o V11. Nas fotos e olhando a distância, parece barbada. Mas se aproximando logo se nota que os dormentes não são tão próximos como pensávamos e a altura é nauseante. Eu, que era o cara destemido, sem medo de altura e que ria dos meus companheiros, fui logo a frente. Péssima ideia, pois depois de poucos metros: vertigem. A visão periférica parecia que passava mais rápido do que a visão central, a garrafa d’água chacoalhava na mão, pernas molengas quando eu mais precisava delas… Bem devagar, pouco a pouco, fomos avançando. Então finalmente alívio! E o pensamento: “Quantos desses mais será que tem pela frente?”

Mais alguns quilômetros adiante, noto que o quilômetro 15,77 nunca termina. Nosso GPS se perdeu e já não sabiamos a quanto tempo estava parado. Sol escaldante, calor emanado das pedras do chão, o único alívio estava no ar gelado dos túneis que começaram a ficar cada vez mais numerosos.

Já havia passado do meio da tarde e sem o GPS não sabíamos se já havíamos completado a meta de distância do dia, que era de 20km. Pernas doloridas, ombros esmigalhados, cansaço e desânimo. Não podíamos parar pois encontrar um lugar pra acampar era a nossa única meta. Nesse meio tempo, o Tailan que ainda tinha forças, desceu um barranco pra encher as garrafas de água e estreamos os Clor-in, ainda com bastante desconfiança da eficácia. Somente na hora de levantar, notamos a primeira aranha armadeira da trilha nos espreitando.

Mais um túnel. Esse alem de longo, tinha uma atmosfera pesada. O facho da lanterna mostrava que ele estava cheio de poeira. Parecia que sugava nossas últimas energias. Além disso o receio de finalmente encontrarmos o trem dentro dele, já que o dia começava a findar e até agora nenhuma aparição. Quase não se falava mais. Quando acontecia, era alguma queixa.

Finalmente o Machado, que andava mais a frente liderando a busca, berra que havia encontrou um lugar para nos instalarmos. Era uma estrada lateral, a uns 8 metros do trilho. Na saída de uma curva havia uma área de concreto. Enquanto os guris montavam o acampamento, eu fui em busca de lenha. De repente me chamam. Era pra dizer que não cabia a minha barraca sobre o concreto e que talvez deveríamos monta-la na estrada. Até porque já era muito tarde e nós sairíamos muito cedo, então não deveria haver problemas. Depois de muita discussão, resolvemos reajustar e colocar as barracas todas juntas, e isso evitaria uma possível tragédia mais adiante. O Machado resolveu jantar Clube Social e se recolher o mais rápido possível, eu e o Tailan comemos os raviollis prontos. Mais um tempo aproveitando a fogueira e me recolhi enquanto o Tailan ficou brisando, curtindo a noite. Aquele piso duro foi mais confortável da vida.

Lá por uma 0h20 somos acordados por um barulho terrível. Alguns bugs gaiolas estavam a toda velocidade fazendo exatamente aquela curva onde estávamos acampando. E passaram bem onde havíamos planejado pôr a última barraca. Mais algumas horas de sono pesado e no meio da madruga um novo barulho ensurdecedor. Finalmente o trem nos encontrou. Algumas risadas depois do susto e voltamos a dormir, tamanho era o nosso cansaço.

Pelas 6h30 da manhã, já recolhidos havia 10 horas seguidas, começamos a nos mexer. Consegui descobrir o nosso avanço do dia anterior. 22km. Então ainda teríamos 18km pra percorrer mesmo sentindo todas aquelas dores.

Sem muita demora desarmamos o acampamento e começamos a caminhar. O café da manhã foram barrinhas de cereal, para não perdermos tempo. Agora, um pouco mais experientes com a trilha, e sem querer passar tanto trabalho como no dia anterior, descobrimos que apertar bem a barrigueira da mochila aliviava muito os ombros. E se ainda colocasse a garrafa d’água ali, daria ainda mais suporte e alívio. Somado a grande redução do peso da água que já havíamos consumido, conseguimos sair com um passo firme e rápido.

Chegando perto do almoço e nós decididos a acabar com aquilo logo, estávamos dando o melhor possível. Mas veio o destino com mais algumas das suas. O Machado estava com um dos tornozelos inchado e piorava se ele deixava esfriar. Por por outro lado, o Tailan estava com uma forte fisgada na panturrilha e precisava parar por 10 minutos a um intervalo cada vez menor. Aos trancos e barrancos nos íamos avançando.

Mais alguns túneis e chegamos no tal O Viaduto 13, com seus 143 metros de altura e 509 de comprimento, o 2º viaduto de trem mais alto do mundo e o mais alto da América Latina. E sim, ele é vazado e dividido em duas partes. Aflição geral e a galera relutando. Mas a vontade de ir embora logo era mais forte. E outra, não tinha pra onde correr. Fomos em uma nova configuração agora. O Machado, já bem mais seguro, puxou o pessoal. Eu fui no meio pra garantir que não ficaria muito para trás e por último foi o Tailan. A travessia foi muito mais tranquila que a primeira. E a felicidade foi geral ao perceber que a segunda parte dele não era vazada.

Um quilômetro depois encontramos um tiozinho que parou pra conversar. Ele perguntou como estávamos indo, comentou que bem mais a frente teria o tal túnel de 2 quilômetros de extensão e mais um viaduto vazado. Minha aflição ficou estampada na cara e dei um pulo. Não estava acreditando que passaria por aquilo uma terceira vez. O ânimo de estar quase indo pra casa desapareceu de mim e do Tailan.

Continuamos seguindo em frente. O sol já estava forte e a série de túneis que passamos, além de termos nos acostumado a andar dentro deles, era um momento de se refrescar. Perdemos as contas de quantos já tinham se ido.

Finalmente nos deparamos com o último viaduto. O tal de Mula Preta. 98 metros no pilar central e 360 metros de comprimento. De novo desânimo, o Machado só pensando no almoço e eu e o Tailan procurando rota alternativa, nem que tivesse que descer todo o vale e escalar de volta lá no outro lado. Mas essa trilha não existia. A gurizada comeu seu atum e raviolli e eu preferi me abster. Estava com tanto medo que não conseguiria almoçar nem se quisesse. Só queria me livrar daquela situação.

Então chegou a hora de enfrentar. O machado já tomou a frente. Com seu caminhar tranquilo, já bem a vontade logo se distanciou. Atras vinha eu, lembrando da dica do tiozinho: “para tirar o foco do cerebro quanto a altura, conte os dormentes”. O Mula Preta tem 719 dormentes, contados um a um. Após terminar minha longa caminhada, olho pra trás e lá estava o Tailan bem a vontade, parado no meio do viaduto tirando fotos, fazendo selfie e gravando vídeo. Ele tinha superado um de seus maiores medos.

Seguimos em frente aguardando o último desafio. O tal túnel de 2 quilômetros de extensão. Cansaço, desânimo, as dores dos meus colegas estavam dominando e minha força de vontade se esgotando. Olho o GPS e ele estava novamente sem sinal, indicando que faltavam 7 quilômetros. Não sabíamos onde estávamos, nada mudava na paisagem e também não sabíamos qual era a hora de sair da ferrovia para ir até a rodovia pegar o ônibus.

Depois de muito caminhar encontramos uma ponte que cruzava por cima da ferrovia. Eu lembrava dos relatos de que deveríamos escalar a lateral dela. Louco para ir embora, começei a estudar como subir ali, sobre os protestos do Machado. Tendo uma visão mais ampla, ele resolve caminhar um pouco mais e ver o que havia depois da curva. E foi uma surpresa descobrir que era uma uma rampa a esquerda que levava exatamente pra cima da ponte que eu insistia que teríamos que escalar.

Estavamos finalmente chegando ao final daquela trilha que tanto tinha exigido de nós e nos mostrado até onde aguentavamos. Morro acima e sobre queixas de exaustão fomos seguindo em frente. A satisfação desse momento era apenas de que já tínhamos nos livrados dos trilhos e das britas.

Finalmente, quase um quilômetro depois, conseguimos ver a rodovia. Apertamos o passo.

Na parada, aguardávamos sem muita paciência que aparece algum onibus. Se é que tinha algum naquele dia de domingo. Depois de muito pedirmos carona, e finalmente pegarmos informação, esperaríamos o tal ônibus das 16h Guaporé- Lajeado.

Eram ainda 15h35 e resolvi atravessar a rodovia apenas para tentar encontrar uma sombra. E, virando a curva já vinha o nosso tão esperado ônibus. Berro para a gurizada pra virem logo pra ali e trazerem minha mochila. o Machado, que tinha ido buscar água, arruma forças não sei de onde pra correr e trazer junto as duas bagagens.

Finalmente estavamos voltando. Já deixo a aqui o pedido de desculpa daqueles passageiros que por 25 minutos aguentaram aqueles três caras fedendo a azedo, depois de dois dias sem tomar banho.

Aqui encerra meu relato. Valeu a pena? Sim, valeu muito a pena. Faria de novo? Bem capaz!


 

Dicas:

1. Em Muçum recomendamos ficar no Hotel Marchetti (51) 3755-1253. O nome do Proprietário é Tiago. A entrada da trilha é a 200 metros deste hotel.

2. Tem uma loja de conveniência em um posto bem perto da entrada para os trilhos, bom para um ultimo café. Comece a trilha bem cedo, pois terá que fazer pelo menos 22 quilômetros no primeiro dia, e sobre pedras e trilhos e com equipamento para acampar e água, o avanço é mais lento.

3. Dependendo do teu consumo, 4 litros de água por pessoa dá, mesmo que pegue dois dias a quase 30C. Mas se levar Clor-in, há contato com uns poucos rios para coleta. Para as principais refeições, leve alimentos que consumam pouca água no preparo.

4. Andando nesse sentido, os lugares interessantes pra acampar começam a aparecer pelo quilometro 22. Se aguentar caminhar mais uns 4 quilômetros, terá que passar por mais um viaduto vazado, mas depois dele terá um camping.

5. Para passar sobre os viadutos vazados, caso comece a ter vertigem, não olhe diretamente por entre os vão dos dormentes e vá contando quanto dormentes tem, pra tirar o foco do cérebro.

6. Dentro dos tuneis cuidado com dormentes quebrados ou com limo, com buracos naqueles recém trocados, com esporoes de aço soltando dos trilhos e sempre procure pelos salva vidas caso o trem resolva aparecer. De qualquer forma, ele vai apitar antes de entrar no túnel.

7. Cuidado com aranhas, pois elas adoram os trilhos e estão em toda a parte, mesmo tu não vendo.

8. Lá pelo quilometro 40, já é a ponte pra Colombo que passa por sobre os trilhos. Diferente de outros relatos, não precisa escalar a lateral dela. Caminhe mais uns 50 metros e a esquerda terá uma subida pra essa ponte. Depois dela terá uns 500 metros só de subida e mais uns 500 metros de descida até a rodovia.

9. No domingo o ônibus Guaporé - Lajeado passa algumas vezes e te deixa na frente do hotel, onde deve estar teu carro. Fique do lado da rodovia que não tem a parada. Nós pegamos ele as 15h35 

 

0_80xuoyk7cGmaQRig_.jpg

0_6nuEgV13GnzOdMRD_.jpg

IMG_20180428_145541363_LL.jpg

IMG_20180429_100337916.jpg

0_swJ90Eyzkp6AkT4J_.jpg

0_T4Fd6kP_Uwhd6pUj_.jpg

0_hxMRYQNI_wwXweQD_.jpg

  • Gostei! 3

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por luiz.junyor
      Há um tempo eu havia visto sobre a travessia da ferrovia do trigo, que é umas das travessias mais clássicas de Rio Grande do Sul e de cara fica fascinado, falei sobre ela a alguns amigos para ir comigo nessa grande aventura, poucos se mostraram interessados, então resolvi deixar para uma próxima oportunidade, então que um dia convidei meu amigo Jorge, que curtiu muito a ideia de ir, nesse mesmo tempo minha namorada Fernanda também iria, mas teve que desistir devido aos estudos, então eu e Jorge ficamos amadurecendo a ideia de irmos, até que mais dois amigos resolveram participar também, o Zé e o Franck. Então quando marcamos a data que seria no feriado de 7 de setembro, mais três amigos do Zé e do Jorge de Pato Branco embarcaram junto, o Cléber, o Randas e o Thomaz. Iríamos em dois carros, porém na véspera de ir, o Franck e o Thomaz tiveram que desistir devido a compromissos. Como estávamos em cinco, conseguiríamos ir em um carro só. Consegui contato com um hotel de Guaporé e reservei para nós 5, a maior preocupação era onde deixar o carro, pois iriámos de ônibus até muçum, e então subiríamos a ferrovia até retornar a Guaporé, o senhor do Hotel muito simpático falou que poderíamos deixar na garagem do Hotel, foi um alívio. Já liguei na rodoviária e peguei os horários de ônibus para nos organizar. Saímos de Coronel Vivida na quinta-feira, as 14:00hs no dia 06 de setembro, fomos a Pato Branco encontrar os piás e de lá continuamos com o carro de Cléber, que tinha espaço para colocar todas as mochilas cargueiras, foi uma viagem tranquila, paramos jantar em Casca/RS no Xis do Elvis, xis top.  Chegamos no Hotel Rocenzi em Guaporé as 22:40, fomos bem recebidos. Como nosso ônibus saia as 7:30 com destino a Muçum, não daria tempo de tomarmos café no hotel, mas o tiozinho serviu o café da manhã mais cedo para que conseguíssemos comer antes de ir. Embarcamos no Ônibus e fomos de pé pois não tinha lugar para sentar, uma hora depois estávamos em Muçum. Começamos nos arrumar para dar início a caminhada quando Jorge deu conta de deixou o celular no ônibus, a próxima parada era em encantado a 7 km a frente, então Jorge pegou um taxi e foi atrás do ônibus, voltou meia hora depois com o celular na mão e com a boca nas orelhas. Caminhamos alguns quilômetros dentro de muçum até encontrar a escadaria que levaria a Ferrovia.   Iniciamos a ferrovia do trigo era passada das 9:30, no começo era tudo muito fácil, todos estávamos descansados e aquecidos, logo de início já encontrarmos a estação ferroviária de muçum, que está abandonada.    Andamos mais de uma hora até chegar no primeiro túnel.      Como o sol estava quente foi um alívio, pois no túnel é muito fresco e gostoso de andar, os dormentes são mais conservados e alinhados facilitando andar sobre eles com mais facilidade, tem um bom espaço lá dentro, em caso de o trem vir é possível se proteger apenas ficando encostado na parede. Esse não tinha cheiro de mofo, então não era muito extenso. Logo mais à frente passamos pela primeira ponte, essa não era muito alta e sua estrutura não era vazada, então foi bem tranquilo.   Já era 13:00, e a fome estava chegando, paramos preparar o almoço em uma sombra.        Foi nessa parada que percebi que minhas panturrilhas e meus pés estavam muito doloridos, devido aos pedregulhos da trilha e o peso da mochila, mas foi só começar a andar e aquecer o corpo que as dores diminuíram. Mais alguns quilômetros e aparece o primeiro viaduto vazado, chegou a dar um frio na barriga de ver ele lá de longe.      Andar nessa ponte foi uma emoção muito grande, a vista é espetacular, nos primeiros passos na parte vazada já é alto, tem que andar se concentrando nos dormentes para não ficar tonto, mas logo vai se acostumando e fica menos tensa a passagem.      Chegamos ao Viaduto 13 ou Viaduto do exército como também é conhecido, é o maior viaduto férreo das Americas, sendo o terceiro maior do mundo, com seus 143 metros de altura. Aqui o plano era descer até o camping que tem a baixo e ficar por lá, mas como chegamos cedo, era 15:30, não acampamos ali.    Resolvemos continuar para aproveitar o tempo, passamos por um grupo de vinha de Guaporé que nos deram algumas informações, mais uns 8km teria um camping ao lado do viaduto pesseguinho, que ficava no meio da travessia, foi então que decidimos fazer em dois dias em vez de três e seguimos até lá. Chegamos no viaduto pesseguinho com o sol já pondo, mais uma ponte vazada para atravessar. Logo a frente chegamos no túnel onde tem as aberturas em formas de arcos. Lugar muito propício para lindas fotos.   Chegamos na Cachoeira que se chama garganta do diabo, esse túnel foi feito para desviar o fluxo do rio, onde ele passa por baixo dos trilhos.    Enfim chegamos no viaduto pesseguinho com o sol já se pondo, mais uma ponte vazada para atravessar, acampamos na casa recanto da ferrovia, com uma ótima estrutura, chuveiro com banho quente, área para preparar as refeições. O zé queria chegar o comer todas as batatas fritas que tivessem, o Randas queria uma cerveja, mas estava cagado de fome também, a noite estava com um céu muito estrelado, após montar a barraca deitei e fiquei lá por uma meia hora relaxando.   2º dia, um amanhecer com muita serração, conseguimos descansar bem, as dores eram menores, o Cléber fez alguns calos na sola dos pés, mas conseguiu continuar a jornada mesmo com as dores. Andar na ponte com cerração dá mais medo, pois parece que está mais alto devido ao nevoeiro, uma sensação muito legal, ficamos por ali fazendo algumas fotos e seguimos com a caminhada, pois já era 9:30 e precisávamos chegar no fim da tarde em Guaporé.        Nesse segundo dia, ainda tinha 24km para percorrer, no início da caminhada as dores eram grandes, mas foi só começar a caminhar que logo foi diminuindo, as paisagens eram muito lindas, com a serração ainda presente nos rendeu lindas fotos.     Passamos por mais alguns túneis e pontes, e o tão esperado túnel de 2km, que foi uma meia hora para atravessa-lo, esse tinha cheiro de mofo, por ser longo. O cansaço e as dores já nos dominavam, não foi cansativa a caminhada, mas sim dolorida, caminhar sob dormentes e pedregulhos com uma mochila de uns 15 kilos acaba dificultando, começamos a fazer mais pausas, para relaxar, cada retorno de caminhada era um sacrifício, pois a musculatura esfriava e as dores voltavam, mas como eu sempre digo, quando mais difícil for, maior a sensação de conquista e prazer de ter conseguido concluir.    Chegamos a Guaporé era passada das 17:00.     Concluindo, andamos 50km de trilhos em dois dias, nunca havia feito nada igual, andar em terreno onde só tem pedras é totalmente diferente que andar em trilhas de mato, exige mais preparo e uma boa bota com solado mais firme, mas tive muitos aprendizados que levarei para minha vida, fiz grandes amizades, nos divertimos muito, registramos todos os momentos, por trás de todas essas fotos tem uma grande história. Até breve!
    • Por Marco A. Costa
      Oi, Galera!
      Há tempos, havia lido alguma coisa aqui na comunidade sobre a travessia Guaporé-Muçum, e fiquei louco quando, pesquisando mais sobre o assunto, assisti uns vídeos sobre o V13, maior viaduto ferroviário das Américas.
      Decidi realizar a travessia e comecei a convidar os amigos e coletar informações para um roteiro.
      Dois amigos toparam a aventura, Lairton e Zé. Resolvemos fazer a travessia em sentido contrário iniciando em Muçum e terminando em Guaporé, pois seria mais fácil conseguirmos carona na estrada de ida até Muçum e voltarmos de ônibus de Guaporé, já que estaríamos cansados, sujos e fedidos demais para esperar carona na estrada.
      Acabamos fazendo o contrário, pegamos ônibus na ida e voltamos caronando para Santa Maria.
       
      Vamos ao relato...
       
      Chegamos à cidade de Muçum depois do meio-dia e enquanto esperávamos o comércio local reabrir as 13:30h para comprarmos mais mantimentos para a travessia, resolvemos dar uma conferida na cidade. Muçum é bem pequena mesmo, estimo que a população urbana não ultrapasse duas mil pessoas. É cercada pelos contrafortes da Serra Gaúcha e cortada ao meio pela Ferrovia do trigo, que emerge de um túnel num dos montes ao Sul e atravessa a cidade sobre um viaduto. A cidade nos pareceu bem precária, apesar do PNUD de 2000 ter apontado um IDH elevado. Depois de compradas e acomodadas as provisões, iniciamos a travessia as 14:30h

      Subimos até os trilhos da ferrovia e partimos rumo ao Norte. À medida que caminhávamos em direção a Serra Gaúcha, a paisagem ia se revelando.

      A ferrovia corta os morros e a água exfiltra dos paredões dos dois lados dos trilhos. A região tem muita água mesmo, um burburinho de água corrente é ouvido sempre. De sede ninguém morre nessa travessia, e como fazia uns 27 graus bebemos muita água.
      Passamos o segundo viaduto e logo em seguida o primeiro túnel, com uns 300m de extensão. Os túneis possuem cavidades de segurança nas paredes a cada 15m alternadamente, corra pra elas caso passe um trem. :'>



      Isso é o que acontece com quem não percebe o trem chegando.

      Na saída do túnel ouvimos o barulho de uma cachoeira e resolvemos dar uma explorada na área, descemos por um paredão de pedra no lado esquerdo da ferrovia e seguimos o córrego morro acima, encontrando duas cachoeiras muito bonitas, mas perdendo muito tempo. Retomamos o trajeto pelos trilhos e chegamos a um bom local para acampar logo em seguida. Dos 15km de ferrovia que planejáramos para aquela tarde, havíamos percorrido apenas nove.
       
      Ao longo da ferrovia há muita lenha seca, já que os dormentes trocados são atirados ao lado dela pela empresa que faz a manutenção da ferrovia. Fizemos um fogo bonito e tomamos um bom mate pura-folha enquanto esperávamos a janta. Proseamos bastante até as 22:00, quando o sono chegou e fomos para as barracas.
      Acordei de um sono profundo, sem saber onde estava, com uma luz intensa e um tremor de terra que fazia bater as panelas dentro da barraca. Era o trem. Aliás, O Trem, mais de 70 vagões com duas máquinas C30-7. O Susto foi tão grande que quase abro uma segunda porta na minha barraca. Mais um trem passou antes que o fim da noite chegasse, mas dessa vez sem grandes sustos.
      A barraca foi outra parte importante da aventura. Eu levei a Bivak da T&R, o chão era plano mas cheio de pedras, de modo que os espeques não entravam de jeito nenhum, tive que prendê-los com pedras soltas. Como ela não é uma barraca autoportante, ficou toda frouxa, com o sobre-teto encostando no cômodo e a condensação fez o seu serviço, acordei todo úmido.
       
      Então, fica a dica: leve barraca autoportante nesta travessia e procure armá-la uns 10 metros longe do trilho. :'>
       
      Na quarta-feira pela manhã, fizemos um calórico desjejum enquanto minhas coisas ventilavam, e em seguida nos lançamos ao trilho de novo. A manhã estava belíssima e uma névoa espessa que cobria o vale do rio Guaporé ia aos poucos se dissipando.

      Demos mais uma explorada em algumas gargantas e procuramos alguns mirantes nos morros. Passamos por uma seqüência de túneis e viadutos, até que chegamos ao primeiro viaduto metálico da travessia. O primeiro viaduto metálico ninguém esquece.

      Eu e o Lairton somos quase acrofóbicos, então imaginem a nossa coragem e o esforço para realizar cada passo. Atravessamos o viaduto com uma baixa no estoque de fraldas, mas conseguimos.
       

      Enquanto isso, nosso amigo Zé corria a nossa volta pendurava-se no viaduto e fazia de tudo para exibir sua desenvoltura nas alturas.
       
      Vencemos mais alguns túneis e viadutos até chegarmos ao famoso Viaduto 13, que nas placas é o V11. O bicho é grande mesmo, 143m de altura e 509m de extensão com um túnel em uma das extremidades.


      Apreciando a vista sobre o viaduto, encontramos Carlos e Henrique, dois funcionários da prefeitura de Dois Lajeados, que haviam descido a ferrovia a partir de Guaporé, verificando a denúncia de morcegos hematófagos nos túneis. Informaram-nos sobre os túneis longos e viadutos metálicos que ainda iríamos passar, incluindo o temível Mula Preta e um túnel de aproximadamente 2km.
       
      Deixamos os dois para trás e entramos no túnel no final do Viaduto 13, esse túnel tem uma abertura em arco com pilares em concreto. Essa janela permite que você passeie na face oeste da montanha, do alto despenca uma linda cachoeira. Um lugar realmente fantástico. Soltamos as mochilas e exploramos muito essa face, tiramos muitas fotos da cascata, tentamos descer até o vale pela queda d’água, encontramos até uma pequena caverna.


       
      Notei que o bico do pé direito da minha trilogia estava começando a descolar.
       
      Retornando a janela, fizemos um almoço rápido, que foi interrompido pela passagem de um trem com mais de 100 vagões, muito grande mesmo.Descobrimos que o trem empurra uma grande massa de ar pra fora do túnel quando entra, deixa um cheiro forte da queima de diesel e desloca muita fuligem. Começamos a pensar se em um túnel extenso e fechado, a passagem de um trem desse porte não deixaria o ar irrespirável por alguns instantes.

      Seguimos viagem, passando por alguns túneis de variados tamanhos até entrarmos no tal túnel de dois quilômetros. São aproximadamente 500m em curva para a esquerda e depois uns 1500m em linha reta. Nós só víamos uma luzinha brilhando lá no fim do túnel. De repente começamos a ouvir uma vibração crescente, mas a abertura do túnel continuava brilhando lá na frente. Olhamos pra trás e descobrimos que vinha um trem pertinho, foi aquele desespero tirando mochilas para cabermos os três em uma das cavidades de segurança na parede. Tapamos a boca com a camisa, mas felizmente o trem possuía apenas 4 vagões e passou bem rápido. Ficamos vendo ele sumir no escuro e depois reaparecer enquanto passava pela abertura do final.
       
      A dica é: fique atento e corra para as cavidades ao primeiro sinal de trem chegando, e, a propósito, os trens não buzinam antes de entrar nos túneis ou viadutos ao contrário do que muita gente diz. Nos túneis sem placa, você pode descobrir se são longos pelo cheiro de mofo que vem dele.
       
      Estávamos com um atraso no nosso cronograma, pois perdêramos muito tempo explorando os locais, e já tínhamos medo de não cumprir todo o trajeto até a noite da quinta-feira, por isso resolvemos continuar caminhando mesmo depois que a noite chegou. Percorremos em torno de 8km no escuro. A caminhada pelos pedregulhos da ferrovia é muito desgastante, e devido aos tropeços da caminhada no escuro, a sola da minha bota descolou até a altura dos dedos.Como não tinha SilverTape, atei com um cordão laranja o solado. Estou muito descontente com a Snake por isso, andei mais de 20km desse jeito.

       
      Passamos por vários locais que devem ser lindos, inclusive uma curva de rio em torno de um morro, que, no escuro me lembrou o Vale-da-Ferradura em Canela, mas não enxergávamos muita coisa. Percorremos um túnel de uns 800m com muitas exfiltrações e um cheiro de carniça insuportável até que, na saída dele, encontramos outro viaduto metálico. Lairton e eu achamos que seria muito perigoso atravessá-lo no escuro, mas havia uma casa muito próxima e os cachorros estavam malucos com a gente. Assim, combinamos que o Zé, que é mais desenvolto nas alturas, atravessaria o viaduto procurando local para acampar do outro lado e faria sinal de lanterna caso encontrasse.
      Vinte minutos depois, Zé retorna com a notícia, do outro lado só paredões. Acampamos ali mesmo sem cruzar o viaduto, ao lado do trilho, os 3 espremidos em uma barraca pra duas pessoas. Fizemos miojo nas espiriteiras e as pedras eram uma cama macia.
      Essa noite, passaram mais dois trens, mas o cansaço era tanto que nem abrimos a barraca, e o segundo só me lembro da luz. Estávamos a dois metros do trilho.
       
      Pela manhã da quinta-feira, levantamos acampamento e atravessamos o viaduto metálico.

      Abaixo dele, uma névoa tornava o cenário maravilhoso.

       
      Seguindo a caminhada, passamos por mais túneis e viadutos, bergamotas, canas-de-açúcar, até chegarmos ao temível viaduto número 17, sobre o arroio Mula Preta.

      Possui em torno de 110m de altura, 365m de extensão com plataformas de segurança a cada 35m. Mais um detalhe, nesse dia ventava um pouco demais pra o meu gosto. Quando cheguei ao outro lado, percebi que estava com as mãos e os dedos espichadinhos e caminhado como o Robocop. Não sabia que eu tinha tanto medo de altura.

       
      Continuamos a caminhada, e resolvemos parar e almoçar depois de um viaduto de concreto, onde uma estradinha cortava o caminho. Descansamos bastante, tomando mate e esperando o arroz com carne de soja ficar cozido. De sobremesa, comemos mais de 30 laranjas que catamos em um pé próximo, deixando uma pilha de cascas empilhadas ao lado do trilho como um troféu da comilança.
       
      Continuamos a caminhada, bem alimentados. Aquele era o último viaduto antes do final da nossa travessia. Passamos por um local incrível onde os engenheiros desviaram um córrego por baixo da ferrovia.

      Dinamitaram abrindo um túnel que lança a água do córrego uns 70 metros abaixo, passando por baixo da ferrovia e saindo no pé do morro.
       
      Percorremos mais alguns quilômetros de túneis e aterros até chegarmos à estação de Guaporé. Guaporé é muito perfeitinha. Acampamos no pátio do quartel da BM, e fomos pra estrada, na manhã seguinte, tentar carona de volta pra casa.
       
      Recomendo a caminhada, a região é realmente incrível, pretendo voltar lá um dia, pois fiquei com a sensação de que deixei de explorar mais alguns lugares.
       
      É isso aí pessoal, desculpem falar tanto.
       
      Um abraço e boas aventuras pra todos.
    • Por Boschi33
      Fala Mochileiros!
       
      Esta faz um boooom tempo que fiquei de fazer o relato..
       
      Nos dias 29 e 30 de Março/13 fizemos o famoso Trekking na Ferrovia do Trigo, saindo da estação de Muçum até o Cristo em Guaporé.
       
      Saímos em torno de umas 06:30 com bastante neblina, onde nos primeiros 3km encontramos alguns moradores fazendo a famosa colheita da marcela.

       
      Com a ausência do sol, a caminhada se tornava mais fácil, porém escondia muito da bela paisagem.

       
      Com o tempo a neblina foi se dissipando, mostrando melhor os vales..

       
      Como era o primeiro trekking neste trecho, estávamos bastante impressionados com os viadutos e túneis, onde dentro de um deles, resolvemos tirar algumas fotos.
      O que não esperávamos era ver um "fantasma" ( pelo menos é o que parece)

       
       
      Na metade da manhã já era possível sentir o peso da mochila incomodando um pouco os ombros, mas logo era esquecida ao ver às imagens que tínhamos pela frente


       
      Viaduto 11

       
      Já próximo ao meio dia chegamos ao gigante Viaduto 13

       
      Por fim acabamos almoçando nas incríveis janelas do túnel, e por ser sexta-feira santa só nos restou ficar no atum.

       
      Dae pra frente o sol já castigava, e a dor nos ombros já fazia companhia para a dor nos pés! hehehhe!

       
      Durante a sexta encontramos vários outros grupos de caminhada, porém estes no sentido Guaporé - Muçum.
      Ao final da tarde chegamos ao Viaduto Pesseguinho, onde conhecemos o Clair,proprietário do camping que ae se encontra, grande figura.

       
      Após escutarmos algumas de suas histórias e projetos voltados ao turismo, seguimos por mais uns 2km até chegarmos na estação abandonada de Dois Lajeados.

       
      Montamos o acampamento e acendemos o fogo. Após uns 40 minutos escutamos um barulho que parecia ser o trem, nosso amigo Felipe Boito correu para a frente da estação, onde recebeu um banho de aguá do trem de manutenção da ALL
       
      Próximo às 23:30 o trem passou em direção à Muçum e às 03:00 passou novamente no sentido de Guaporé, o que nas duas passagens ocasionou euforia no pessoal.
       
      Como o cansaço era grande, sequer vimos a noite passar, e 06:30 já estávamos tomando o café para retomar a caminhada.
      Logo nos primeiros quilômetros passamos pelo Aqueduto e após um túnel de aprox. 2,5km.

       
      Então sim a recompensa.. Viaduto da Mula Preta!
      Visto pessoalmente, é algo fantástico.


       
      Após várias e várias fotos na Mula Preta, seguimos caminho rumo à Guaporé. Nosso almoço foi mais um lanche, uma vez que nossa carona estaria nos aguardando em torno dás 14h.
      Mais alguns túneis e viadutos pelo caminho, enfim chegamos à cidade de Guaporé até antes do esperado, com tempo de sobra para tomar uma Coca Cola com muito gelo!!


    • Por Boschi33
      Fala galera!
      Depois de um ano desde o último trekking na ferrovia, no dia 12/07 matamos a saudade..
      Fizemos apenas um trecho de aprox. 24km, saindo de Guaporé até o Viaduto 13.
       
      Partimos da linha Colombo (8km de Guaporé), onde acessamos os trilhos junto à um viaduto rodoviário.
      Nos primeiros Kms, ainda escuro, nos acompanhava uma bela lua cheia.

       
      Após o primeiro túnel, já tínhamos os primeiros raios sol.

       
      Apesar da luminosidade, muito da paisagem estava escondida devido à forte neblina.



       
      Na maioria dos túneis, haviam grande presença de água, principalmente nas laterais e entradas, isso devido às semanas anteriores de muita chuva.

       
      Dois dos nossos amigos ainda não conheciam o trecho, então, cada km impressionava.

       
      Como o tempo ajudou, acabamos nos adiantando em quase 1h, chegando ao viaduto Pesseguinho em torno dás 10:30. Tempo suficiente para uma conversa com o Clair

       
      Com uma parada rápida para o almoço, seguimos por mais alguns kms até avistar o ponto final de nossa caminhada.. Viaduto 13!


       
      Apesar do trecho curto, vale muito a pena fazer, principalmente pelo fato de ser possível terminar em apenas um dia. Dispensando assim a necessidade de levar tanta coisa e principalmente barraca.
      É possível passar pelos principais viadutos e os túneis mais longos.
       
      Trekking muito recomendado, principalmente para quem está iniciando.
       
      Abraço!
    • Por Roberta Andersson
      Ferrovia do Trigo/ Guaporé à Muçum
      Olá! Depois do mochilão Bolívia/ Peru 23 dias (4-gauchos-23-dias-bolivia-peru-t83067.html) havíamos feito mais dois acampamentos em Tapes, com duração de 2 dias, mas nada comparado com essa trip pela ferrovia do trigo.
      A vontade de conhecer o Viaduto 13 sempre foi do Rafael e cogitamos em ir lá de carro, tirar umas fotos e voltar.. Então comecei a pesquisar alguns relatos (não há muitos pq realmente o lugar é bem inóspito e depois se vê que não é qualquer um pra fazer todo esse trajeto). Mas o desafio de fazer 50 Km e os mais de 20 túneis e viadutos que tinham pelo caminho me motivou a convencer o Rafael..
      E ele aceitou! Aproveitamos o feriadão do dia do trabalhador (de quinta a domingo) pra nos organizar!
      Cogitamos ir de carro, deixar o carro em Muçum, pegar ônibus até Guaporé, fazer a trilha de cima pra baixo e pegar o carro pra voltar pra Porto Alegre.. Mas o primeiro ônibus pra Guaporé era as 07:50h, onde teríamos que sair de POA de madrugada e mesmo assim chegaríamos em Guaporé quase 10h e cansados!
      Melhor das alternativas foi ir de ônibus mesmo.
      Saímos quinta feira de POA no ônibus das 18:30h e dormimos em um hotel em Guaporé, pra iniciar a trilha na sexta bem cedo e acabar sábado e voltar no sábado mesmo pra POA...tendo o domingo de folga em casa para descansar. E realmente foi a melhor opção: financeiramente de carro economizaríamos um pouco, mas o fator cansaço contou muito e ir descansando no ônibus (principalmente na volta foi crucial).
      R$ 42,95 por pessoa POA-Guaporé, compramos na hora, e o ônibus da empresa Bento estava bem vazio e era bem espaçoso. Parou apenas na rodoviária de Lajeado e seguiu pra Guaporé. Em 3h estávamos lá... Eu havia ligado pra 3 hotéis de Guaporé pra saber qual era mais em conta: Hotel Rocenzi= R$ 100,00 CASAL/SEM AR ... Hotel Topo Giggio= R$ R$ 110,00 CASAL/ SEM AR ...Hotel JC Borsatto= R$ 80,00 CASAL/ SEM AR.
      PRONTO! Seria o tal Borsatto.. Não queria gastar com hotel, e por mim poderia ser o quarto mais 'chumbrega' só pra passar a noite e iniciar cedo a trip.. dentre as pesquisas esse foi o mais barato (Obs. Dá pra dar uma choradinha..o Hotel Rocenzi era 130,00 e o cara queria fazer por R$ 110,00 no telefone)..
      Chegamos cerca de 21:40h em Guaporé e na rodoviária tinha um mapa da cidade, eu tinha o endereço do hotel e conseguimos nos achar..cerca de 5 quadras de lá. Pagamos a diária, largamos as coisas e fomos dar uma voltinha no centro...estava 13° e um ar muito gelado.. Comemos uma pizza (não lembro o nome do lugar) mas era bem próximo a Igreja. R$ 30,00.estava muito boa. Caminhamos, tiramos fotos no centro e voltamos pro quarto.Hotel muito bom, agua quente nas torneiras e chuveiro. As 7h tomamos café da manhã do hotel, que era bem reforçado por sinal, e lá pelas 8h saímos em direção a Ferrovia.
      Na entrada da cidade tu já acha um viaduto com acesso pela rua lateral a linha do trem.. e lá começou nossa jornada. O fato que mais cansa na trip é o chão. Tu não pisa em um lugar estável. São pedras(cascalhos) com dormentes, fazendo com que tu tenha que olhar muito pro chão pra não torcer o pé, devido algumas pedras serem soltas, dormentes quebrados, molhados, além do fato de bichos (cobras e aranhas)... Eu e o Rafael fomos muito disciplinados e acredito que por isso conseguimos fazer 33Km em 1 dia! Mesmo com mochila nas costas, calor e cansaço..nos disciplinamos em:
      -Manter um ritmo: não corremos, nem parávamos. Colocamos um ritmo de caminhada moderado e seguimos nele até o final. Não da pra caminhar muito rápido pq como eu falei, o chão é muito perigoso, e o risco de torção é muito grande, mas também não dá pra ficar parando pq o caminho é longo;
      -A cada 1h descanso de 10 minutos: Nos guiávamos pelo relógio e a cada 1h paravamos obrigatóriamente 10 minutos. As vezes nem estávamos tão cansados..dava pra continuar, e mesmo assim fazíamos essa parada obrigatória, nela bebiamos água, comiamos lanche e xixi. Sentávamos, tirávamos a mochila, e alongamento.. Fechou 10 minutos? Levantava e seguia..
      -Evitar paradas desnecessárias: claro que parávamos para tirar fotos, fazer filmagens ou paradas emergenciais.. Mas não usar isso toda hora, se não tu perde muito tempo parando. Use o descanso de 10 minutos pra beber agua, xixi e tudo mais..para não ter paradas extras e tempo perdido. O caminho foi longo e muitas vezes desmotivador, pelo calor, cansaço e principalmente pedras..mas a vista vale muito a pena. Há muitos tuneis e viadutos, a floresta é bem fechada e há muitos animais.. Inclusive vimos macacos nas árvores! Foi muito lindo, Uma dica importante é a lanterna: ECONOMIZE! no início e fim dos túneis (onde ainda tem claridade da rua) desligue e tente não usar as lanternas. Serão 22 túneis e alguns deles tem 2km de extensão, fazendo com que seja muito escuro, claustrofóbico e a mente vai bem longe imaginando coisas na escuridão . Voce precisará de lanternas, há túneis que tu fica mais de 20 minutos caminhando dentro dele com lanterna acessa e isso faz consumir muito rápido. Leve pilhas reservas, Cuide também os recuos. É muito importante ver onde tem recuo, principalmente nos viadutos e tuneis. Por que caso um trem passe(ainda bem que não passou pq deve ser um inferno estar dentro do túnel quando ele passa), pra que não haja correria nas pedras e vc se machuque, ao caminhar passe a lanterna nas laterais e veja onde há recuo próximo.
      Nos dois dias de trip, apenas 02 trens da manutenção passaram durante o dia. O trem mesmo passou na madrugada(a um metro da nossa barraca é uma cena que não dá pra esquecer, aquela névoa e o trem gigantesco passando por nós). Um perto da meia-noite e outro as 2:30h da madrugada. E acredite: ele é GIGANTE! Sorte mesmo que não passou um desses quando caminhávamos pelo túnel ou viaduto...
      Não sou muito medrosa, mas passar pelo túneis foi assustador, pq os morcegos fazem barulhos estranhos, o ar fica diferente, a escuridão toma conta, e há muitas partes molhadas de água de escorre nos morros, fazendo barulhos e estralos assustadores, sensação bem ruim.
      Apesar disso, nada supera o horror de passar pelos viadutos sem chão! os que contém apenas os dormentes! Achei que ia passar de boa..mas foi aterrorizante! Principalmente o mula-preta. E ele foi um dos primeiros viadutos que passamos! Ele é gigante e tu precisa prestar atenção nos dormentes, pra não pisar no vão..pelo vão tu enxerga o chão e isso dá muito medo de altura! Além do fato de tu ter que cuidar o trem! Nos viadutos tem um trilho extra dentro do principal, fazendo com que o espaço pra pisada seja mais estreito, então tem q ter cuidado. Além disso, há vigas que são muito espaçadas, onde tu enxerga beeeem o chão. Desespero total! Fiquei muito nervosa e meu coração parecia que ia sair pela boca, então o Rafael me acalmou e combinamos de caminhar com cuidado e parar somente onde tinha recuo. Mas não nele em si (pq é bem sinistro), paravamos no dormente parelelo a ele. Respirávamos, víamos se vinha trem e continuávamos até o próximo recuo. E assim foi até o final ... Além do mula preta há mais 2 viadutos assim sem chão: o Pesseguinho e após o Viaduto 17. Depois desses todos tem chão e aí não é nada aterrorizante atravessá-los.
      Era cerca de 16h quando passamos pelo Pesseguinho e alguns moradores dali nos informaram que pra chegar no V13 levaria mais umas 2h...2h e 30min.. Então resolvemos apressar e tentar chegar lá antes de anoitecer. Íamos ter feito boa parte da trip no primeiro dia, deixando o 2° bem mais light.. No viaduto pesseguinho havia 2 homens com 2 gurizinhos tentando passar pelo viaduto, mas o medo era tanto que não conseguiram passar.. pelo fato de ver o chão mesmo.. mas como eu já tinha passado pelo mula-preta, esse até que foi tranquilo (hehe). Havia urubus nos recuos deste.
      Caminhávamos, caminhávamos, caminhávamos... estávamos decididos em chegar no V13 e montar acampamento por lá (que dizem que tem lugar bom pra acampar).. Mas não chegava nunca! E o cansaço estava forte.. Mas não paramos (exceto nos 10 min de descanso a cada 1h). Um morador passou por nós e falou que pra chegar até o V13 passaríamos por mais 6 túneis, então apressamos! Foi desanimador quando encaramos os 2 primeiros túneis (dos 6) que tinham mais de 1km de extensão.. Poxa! teria mais 4!! E se fossem todos longos assim?! Chegaríamos lá a noite..sem contar que era um túnel atrás do outro, não tinha opçõa de acampar ali entre um e outro, pois era muito úmido e a mata fechada.. apressamos.. Pra nossa sorte os últimos túneis não foram tão longos e o último deles tinha as famosas 'janelas'.. Saímos dele e caímos direto no V13! Que felicidade!
      Mas...e cade o lugar bom pra acampar?? Já eram quase 18h..o sol já tinha ido embora e uns caras faziam base jump no V13(muito legal mas estávamos sem tempo para parar e dar uma olhada nos saltos)..perguntamos ''onde o pessoal costuma acampar'' e eles apontaram pro chão.. teríamos que descer o morro (cerca de 1,5km) pra chegar num tal de camping.. não tínhamos mais tempo! Já estava tarde. Passamos o V13 e começamos a procurar lugar pra acampar..
      Achamos um lugar 'menos pior' passando o V13.. Comecei a limpar o terreno e tirar as pedras..com o mato que limpei forramos o chão, já que não levamos colchão inflável devido ao peso, apenas lonas pra forrar a barraca.. Comecei a catar lenha pra fogueira, estava escuro e não queria gastar a lanterna por causa dos túneis que ainda teria no outro dia.. Mas tinha pouca lenha..as que tinha era pedaços dos dormentes quebrados do trilho..e apesar de saber que é tóxico e não seria bom pra usar, foi a unica opção...o ar estava úmido e logo a barraca estava enxarcada. Esticamos mais uma lona por cima dela.. Tínhamos pouco mais de 2l d'água e não queríamos gastar mto dela em comida. Fizemos uma sopa de miojo (sopa vono e miojo) pra aproveitar a mesma agua e já cozinhar o macarrão. Botamos tudo pra dentro da barraca apagamos o fogo e era 21h ja estávamos deitados.
      Loucos de cansados...o Rafael pegou logo no sono, eu só dormi depois que o primeiro trem passou, próximo da meia noite(muito tenso)..até lá estava preocupada.. com o lugar, com o trem..meus pés latejavam, minhas costas doíam, estava exausta..mas a cabeça a mil...acho que entrei no modo 'survivor' e foi difícil desligar.. Do meu lado esquerdo ouvi um bicho farejando a barraca. Acredito que era graxaim, ou lobo.. estava em no meu ouvido, como um cachorro cheirando a gente. Me apavorei, fiquei bem quietinha. Depois daquela máquina de 2km passar a todo vapor do lado da barraca e ela não ter voado consegui dormir..mas só 2h..pq logo passou outro trem, sentido contrário, a luz bem em direção a barraca, parecia um avião aterrisando na nossa frente. O silencio da floresta acabou e aquela barulheira nos acordou quando vinha de longe... Abrimos o ziper da barraca novamente pra ver a maquina passar.. esquecemos de filmar.. também ne..nós dormindo e acordar com aquela barulheira de repente foi mega assustador..a ultima coisa que pensamos foi em filmar!Acordamos perto das 7h e estava tudo cinza, muita cerração. Não pude esquentar água pro café pois a unica panelinha que levei estava suja da sopa miojo de ontem. Então comemos laranja (pra matar a sede e dar energia). Comemos bisnaguinha com requeijão , desmontamos o acampamento e seguimos era bem dizer 9h, Viadutos, viadutos, alguns túneis (poucos, pois a maioria fica antes do V13) e aí já estávamos bem baixo em comparação com antes.. Linhas retas infinitas, muitas pedras soltas e encontramos um grupo de mochileiros vindo da direção contrária (Muçum à Guaporé). Estavam em cerca de 6 pessoas, conversamos um pouco, nos disseram que estávamos próximos de Muçum, que em no máximo 2h chegaríamos. Alívio! Eles disseram que iam acampar na estação antiga e não quisemos desanimar eles, só dissemos ''é uma pernadinha'', mas certo que não chegariam lá até antes de anoitecer. A estação é umas 3h de Guaporé..e eles estavam muito longe e já era meio-dia! Carregavam muitas mochilas e pouca água..falamos que estava ruim de pegar água e ficaram meio apavorados. Até tem umas pedras que escorrem agua, mas escorre gotas de água. Se colocar um cantil embaixo levará tempo pra encher..sem contar que não se sabe a procedencia da água. Pode ter um rato morto e a agua escorrendo em cima.. Havia umas grutas em barrancos com agua (tipo cascatinha) mas era bem inacessível por causa das pedras..era muito arriscado pegar água nesses lugares. Então é imprescindível levar bastante água.Estávamos com cerca de 700ml racionando água, quando vimos a placa Muçum deu uma alegria!! Chegamos!! Até aqui 49 km!! Porém da entrada de Muçum até a cidade é uma pernadinha.. passamos pela antiga estação de Muçum pra tirar fotos e pra nossa alegria vimos um morador abrindo uma torneira que estava lá no cantinho.. água potável e bem geladinha!! Não tinhamos escovado os dentes até agora e estavamos racionando água. Então esperamos ele sair e lavamos a égua! Escovamos dentes, lavamos as mãos com sabão..enchemos as garrafas e tomamos muuuita água! O sol estava muito forte. Lavei o rosto e reforcei o protetor solar(MUITO IMPORTANTE).
      De longe vimos o tal 'Viaduto Princesa' de Muçum e perguntamos a um morador como saíamos dele e descíamos pra cidade. Ele falou que tinha 2 escadas de concreto e que poderíamos descer na segunda que já daria na rodoviária, mas não encontramos as tais escadas(to procurando até hoje as tais escadas)... Passamos todo o viaduto Princesa, e havia apenas os recuos..lá no final havia um túnel e ao lado umas vilas. Perguntamos pra uns guris(muito suspeitos por sinal) que estavam ali como descíamos eles apontaram pra um matagal..fomos descendo e não tinha escada de concreto nenhuma! Eram pedras e bem perigosas..tem que descer com bastante calma..não há sinalização nem nada. Parece que a própria população abriu aquela trilhazinha e empilhou as pedras.. Bom conseguimos! estávamos na cidade e seguindo pro centro.
      Perguntamos a alguns moradores onde ficava a rodoviária de Muçum e seguimos pra lá.. caminhamos bastante no olho do sol, rapidamente tiramos fotos na igreja, pois não sabíamos o próximo horário do bus pra POA.. corremos pra rodoviária e o próximo ôNibus era 14:30h e era 14:15h!! Demos muita sorte. Compramos rápido as passagens R$ 32,95 cada usamos o banheiro e trocamos a roupa. Colocamos um short e uma camiseta (estávamos fedendo hehe). A senhora da rodoviária viu nossas mochials e perguntou se vínhamos do V13, pois havia saído uma reportagem na ZH de hoje mesmo (sábado/domingo). Corremos pro ônibus, ele parou em algumas cidades (Arroi do Meio, Lajeado,Encantado e Estrela). Em 3h estávamos em POA!
       
      (A ordem correta das fotos é de baixo para cima, coloquei tudo certo mas na hora de postar o site inverteu tudo)
       
       
      EQUIPAMENTOS:
       
      RAFAEL -
      01 MOCHILA LONA VERDE(bem leve tenho uma de 60L,mas com aquela armação de metal por dentro só fez aumentar o peso, portanto foi a verdinha que meu pai acampava)
      01 LONA 2X2 NAUTIKA (forro debaixo da barraca, por dentro, por causa da umidade, foi junto com os capins a nossa cama -conforto +carga reduzida)
      01LONA 2X2 PRETA(forro externo da barraca, sorte ter levado pois ficou encharcada com a umidade)
      01 BARRACA 2 LUGARES (tinhamos a de 4 mas a carga tem q ser bem reduzida, por isso levamos essa)
      01 FACÃO
      01 COBERTA MICROFIBRA
      2L DE ÁGUA
      500ML GATORADE
      10 MTS CORDELETE
      03 MTS CABO SOLTEIRO
      01 LANTERNA DE CABEÇA (levei 5 pilhas, deveria ter levado mais)
      01 LANTERNA PEQUENA IMPERMEÁVEL
      ROUPAS 01 CALÇA 01 BERMUDA 01CAMISA ML 01 REGATA 03CUECAS 03 PARES DE MEIAS(sendo uma delas térmica muito útil p/conforto) 01 BONÉ 01 ÓCULOS 01 TÊNIS(Asics de corrida, tem muitos solados de botinhas no caminho, use calçado que vc conheça, não invente nada) 01 CASACO (parte externa do parkha klima da nautika, uso ele sempre pra tudo, custa R$ 500 mas é perfeito e logo comprarei outro)
      01 RELÓGIO
      01 CINTO ELÁSTICO C/ PORTA OBJETOS(dá pra carregar as coisas que mais se usa na cintura e elas ficam bem fixas)
      01 CANIVETE MULTIFUNÇÕES PEQUENO(tramontina inox)
      01 KIT MÉDICO (tubinho tipo lata de nescau com itens críticos)
      01 KIT FOGO (pouco de palha, tubo c/ álcool,isqueiro,fósforo)
      01 REPELENTE
      01 PROTETOR SOLAR
      01 CEL MOTO G (lanterna muito boa)
      01 CÂMERA SONY CYBERSHOT 12MP
       
      ROBERTA -
       
      01 MOCHILA TRILHAS E RUMOS CRAMPOM 44L
      01 TOALHA PEQUENA (no fim não usamos, não tomamos banho)
      01 KIT HIGIENE (escovas de dente, sabão, desodorantes, lenço umedecido, 01 rolo de papel higiênico)
      01 PANELA PEQUENA
      02 CANECAS DE PLASTICO(serviram de prato)
      TALHERES
      2L DE ÁGUA
      500ML GATORADE
      COMIDAS (3 miojos, 4 sopas vono, 01cx feijão pronto, 06 sanduíches prontos,01 pct bisnaguinha, 1/2 pote de requeijão,03 maçãs, 02 laranjas, 03 bananas, 04 barrinhas chocolate,02 rapaduras, 02 pct castanhas, 01 pct mariola, 01 pastelina, 01 pct bibs, 01 cocada)
      ROUPAS 01 bermuda, 01 legging, 01 camiseta ML, 01 camiseta MC, 01 casaco(igual o do Rafael),roupas íntimas,tênis (igual Rafael)meias (idem Rafael)
      01 CEL MOTO G(lanterna)
      01 ÓCULOS (perdido na trilha)
      01 BONÉ




















  • Seja [email protected] ao Mochileiros.com

    Faça parte da maior comunidade de mochileiros e viajantes independentes do Brasil! O cadastro é fácil e rápido! 😉 

×